RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS INSTITUTO DE METROLOGIA E QUALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (IPEM-MG)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS INSTITUTO DE METROLOGIA E QUALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (IPEM-MG)"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS INSTITUTO DE METROLOGIA E QUALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (IPEM-MG) PERÍODO AVALIATÓRIO: 2013 Belo Horizonte, 28 de maio de 2014.

2 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DO INSTITUTO DE METROLOGIA E QUALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (IPEM-MG) ACORDANTE: Avaliação da execução referente ao período avaliatório de 01 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2013 INSTITUTO DE METROLOGIA E QUALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (IPEM-MG) ACORDADOS: EQUIPE GABINETE EQUIPE COMUNICAÇÃO SOCIAL EQUIPE PROCURADORIA EQUIPE AUDITORIA SECCIONAL EQUIPE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E FINANÇAS EQUIPE DIRETORIA DE QUALIDADE DE BENS E PRODUTOS EQUIPE DIRETORIA DE METROLOGIA LEGAL INTERVENIENTES: Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão SEPLAG COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO: Representante do Governador: Pedro José de Moura Neto, MASP Representante do acordante: Paulo Henrique de Mattos Horta, MASP Representante dos servidores do acordado: José Carlos Lana, MASP Representante do Interveniente SEPLAG: Adriana Divina Freire - MASP INFORMAÇÕES GERAIS Data assinatura: 30 de abril de Entrega do Relatório de Execução: 10 de fevereiro de Data da reunião de avaliação: 28 de maio de 2014.

3 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este relatório apresenta os resultados da avaliação da 2ª Etapa do Acordo de Resultados do INSTITUTO DE METROLOGIA E QUALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (IPEM-MG), realizada pela Comissão de Acompanhamento e Avaliação (CAA). A finalidade deste documento é proporcionar ao controle estratégico informações que subsidiem a tomada de decisões, possibilitem o aperfeiçoamento do processo de contratualização, indiquem a necessidade de correção de rumos e orientem a busca de ações mais apropriadas para o alcance dos resultados pretendidos. Para isso a CAA atua de forma, sobretudo, propositiva, recomendando melhorias para as próximas pactuações, aumentando, assim a qualidade dos Acordos de Resultados. A avaliação foi feita com base nas informações prestadas durante as reuniões de Acompanhamento e Avaliação e no Relatório de Execução elaborado pelo Acordado, recebidos pela Comissão de Acompanhamento e Avaliação com presunção de confiabilidade e boa-fé. 2. METODOLOGIA DE ANÁLISE ADOTADA Para a elaboração do presente Relatório a CAA seguiu os seguintes passos: Análise dos relatórios de desempenho dos Acordados. Ponderação e questionamento de informações apresentadas no relatório. Formalização de recomendações a serem encaminhadas ao Acordante. Emissão de conclusão definitiva sobre o desempenho dos Acordados no que diz respeito às metas e ações estabelecidas no Acordo de Resultados para o período em questão 3. DESEMPENHO DOS ACORDADOS O desempenho das equipes acordadas será apresentado nos quadros que seguem:

4 INDICADOR EQUIPE GABINETE QUADRO DE INDICADORES VALOR DE REFERÊNCIA EXECUÇÃO NO PERÍODO 2013 UNID. PESO MEDIDA Meta Resultado NOTA ESTIMADA Número de ações de fiscalização de instrumentos/outros realizados pelas regionais do IPEM Unidade Ações realizadas pela Diretoria para melhoria dos benefícios e da Carreira do IPEM-MG Tempo médio de resposta às demandas das ouvidorias especializadas/oge Unidade N/D N/D N/D DIAS - 10 Não houve demandas - Média das notas das equipes 8,63 9,67 9,75 Unidade

5 EQUIPE GABINETE QUADRO DE PRODUTOS EXECUÇÃO NO PERÍODO PROJETO / AÇÃO PRODUTO / MARCO DATA PACTUADA PESO Situação da Execução* Data de Realização Dias de atraso NOTA ESTIMADA Configuração de Firewall Firewall configurado dez/ /07/ Configuração de Proxy Proxy configurado dez/ /07/ Aquisição de microcomputadores para o setor jurídico Customização e implantação do sistema help desk Computadores adquiridos Help desk implantado dez/13 dez/ /11/ /12/ Duas (02) matérias publicadas com temas relacionados à metrologia e/ou qualidade Duas (02) matérias publicadas 31/12/ /11/ Política de Gestão de Informações, com base no Decreto n , de 2012 Preparação para a Classificação das Informações Sigilosas e para a Proteção das Informações Pessoais Minuta de Portaria encaminhada a CGE, classificando as informações conforme o Decreto nº dez/ /12/ * Situação da Execução: 1 Plenamente executado no prazo; 2 Plenamente executado com atraso; 3 Executado parcialmente; 4 Não executado Nota da equipe Nota final (ponderada com a 1ª etapa do Acordo de Resultados) 10,00 9,19

6 Comentários e Recomendações EQUIPE: EQUIPE GABINETE Tempo médio de resposta às demandas das ouvidorias especializadas/oge Devido à ausência de demandas das ouvidorias, a CAA decidiu pela exclusão do item e redistribuição do peso.

7 INDICADOR EQUIPE COMUNICAÇÃO SOCIAL QUADRO DE INDICADORES EXECUÇÃO NO PERÍODO VALOR DE REFERÊNCIA UNID PESO MEDIDA Meta Resultado NOTA ESTIMADA Ações realizadas para fortalecer a comunicação no IPEM-MG Nº de ações Média das notas das equipes 8,63 9,67 9,75 Nº Nota da equipe Nota final (ponderada com a 1ª etapa do Acordo de Resultados) 10,00 9,19

8 Comentários e Recomendações EQUIPE: EQUIPE COMUNICAÇÃO SOCIAL

9 EQUIPE DA PROCURADORIA QUADRO DE INDICADORES INDICADOR VALOR DE REFERÊNCIA UNID. EXECUÇÃO NO PERÍODO 2013 PESO MEDIDA Meta Resultado NOTA ESTIMADA Tempo médio para emissão de pareceres e notas jurídicas sobre licitações, contratos, convênios e editais. 4,33 2,44 2,21 dias Média das notas das equipes 8,63 9,67 9,75 Nº Nota da equipe Nota final (ponderada com a 1ª etapa do Acordo de Resultados) 10,00 9,19

10 Comentários e Recomendações EQUIPE: EQUIPE PROCURADORIA

11 INDICADOR EQUIPE DA AUDITORIA SECCIONAL QUADRO DE INDICADORES EXECUÇÃO NO PERÍODO VALOR DE REFERÊNCIA UNID. PESO 2013 MEDIDA Meta Resultado NOTA ESTIMADA Índice médio de execução geral do Plano Anual de Auditoria (PAA) 82,55 95,84 81,26 % 70 95% 93,68% 9,9 Média das notas das equipes 8,63 9,67 9,75 Nº Nota da equipe Nota final (ponderada com a 1ª etapa do Acordo de Resultados) 9,93 9,17

12 Comentários e Recomendações EQUIPE: EQUIPE AUDITORIA SECCIONAL

13 INDICADOR EQUIPE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E FINANÇAS QUADRO DE INDICADORES VALOR DE REFERÊNCIA UNID. EXECUÇÃO NO PERÍODO 2013 PESO MEDIDA Meta Resultado NOTA ESTIMADA Receita total arrecadada , , ,00 R$ x , ,47 10 Nº de remanejamentos Unidade Tempo médio para taxação de benefícios dias dias 4 10 Média das notas obtidas em cada um dos indicadores de qualidade do gasto Nº Nota da equipe Nota final (ponderada com a 1ª etapa do Acordo de Resultados) 10,00 9,19

14 Comentários e Recomendações EQUIPE: EQUIPE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E FINANÇAS

15 INDICADOR EQUIPE DIRETORIA DE QUALIDADE DE BENS E PRODUTOS QUADRO DE INDICADORES VALOR DE REFERÊNCIA EXECUÇÃO NO PERÍODO 2013 UNID. PESO MEDIDA Meta Resultado NOTA ESTIMADA Receita total arrecadada , , ,00 R$ x , ,47 10 Atendimento às verificações de acompanhamento do registro de empresas junto ao Inmetro conforme portarias específicas - 94,56% 100% % % 100% 10 Ações fiscalizadoras Nº de ações Índice de participação nas Operações Especiais de Fiscalização Nº de participantes no Curso de Formação de Multiplicadores para a Segurança do Consumidor Número de participantes do Projeto Aluno Cidadão 100% 100% 100% % % 100% Nº de Pessoas Nº de Pessoas Nota da equipe 10,00 Nota final (ponderada com a 1ª etapa do Acordo de Resultados) 9,19

16 Comentários e Recomendações EQUIPE: EQUIPE DIRETORIA DE QUALIDADE DE BENS E PRODUTOS

17 INDICADOR EQUIPE DIRETORIA DE METROLOGIA LEGAL QUADRO DE INDICADORES VALOR DE REFERÊNCIA EXECUÇÃO NO PERÍODO 2013 UNID. PESO MEDIDA Meta Resultado NOTA ESTIMADA Receita total arrecadada , , ,00 R$ x , ,47 10 Número de cronotacógrafos fiscalizados Nº Percentual de atendimento das operações especiais de fiscalização de produtos prémedidos, demandadas pelo INMETRO % 100% % % 100% 10 Instrumentos de medição verificados em periódicas e eventuais Unidade Nota da equipe Nota final (ponderada com a 1ª etapa do Acordo de Resultados) 10,00 9,19

18 Comentários e Recomendações EQUIPE: EQUIPE DIRETORIA DE METROLOGIA LEGAL

19 4. PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES E DELIBERAÇÕES DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO EM RELAÇÃO À 2ª. ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS Recomendações relevantes gerais para este Acordo

20 5. CONCLUSÃO Esta Comissão de Acompanhamento e Avaliação valida o conteúdo desse relatório e reconhece que ele exprime os posicionamentos expressos durante a reunião de avaliação. Reconhece ainda que notas atribuídas pela CAA são preliminares e podem ser reponderadas nos termos do Decreto /08. Equipe Nota atribuída pela CAA Nota final (após ponderação) EQUIPE GABINETE 10,00 9,19 EQUIPE COMUNICAÇÃO SOCIAL 10,00 9,19 EQUIPE PROCURADORIA 10,00 9,19 EQUIPE AUDITORIA SECCIONAL 9,93 9,17 EQUIPE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E 10,00 FINANÇAS 9,19 EQUIPE DIRETORIA DE QUALIDADE DE BENS E 10,00 PRODUTOS 9,19 EQUIPE DIRETORIA DE METROLOGIA LEGAL 10,00 9,19 Média das notas das equipes (atribuídas pela CAA) Nota na 1ª. etapa do Acordo de Resultados Nota obtida na Matriz de Aderência Pontuação obtida na avaliação de produtividade por equipe Belo Horizonte, 28 de maio de ,99 8,85 1,00 9,19 Pedro José de Moura Neto Representante do Governador Paulo Henrique de Mattos Horta Representante do Acordante José Carlos Lana Representante dos Servidores dos Acordados Adriana DivinaFreire Representante da SEPLAG

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS SISTEMA DE EDUCAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS SISTEMA DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS SISTEMA DE EDUCAÇÃO PERÍODO AVALIATÓRIO: 2011 Belo Horizonte, 18 de Junho de 2012. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DO SISTEMA

Leia mais

1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG. Período avaliatório: 2008

1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG. Período avaliatório: 2008 1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG Período avaliatório: 2008 Belo Horizonte 2009 1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS

Leia mais

Relatório da Comissão de Avaliação do Termo de Parceria celebrado entre FEAM e FIP

Relatório da Comissão de Avaliação do Termo de Parceria celebrado entre FEAM e FIP 8º Relatório da Comissão de Avaliação (CA) do Termo de Parceria celebrado entre a Fundação Estadual do Meio Ambiente e a OSCIP Fundação Israel Pinheiro. Período Avaliatório: 07 de maio de 2010 a 31 de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO Superintendência de Planejamento e Finanças Diretoria de Contabilidade e Finanças

SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO Superintendência de Planejamento e Finanças Diretoria de Contabilidade e Finanças 7º Relatório da Comissão de Avaliação (CA) do Termo de Parceria celebrado entre a Secretaria de Estado de Gover no e a OSCIP Movimento das Donas de Casa e Consumidores de Minas Gerais MDC. Período Avaliatór

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PROCESSO: 0007733-93.2015.4.02.5110 (2015.51.10.007733-0) AUTOR: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL REU: MUNICIPIO DE BELFORD ROXO Fls

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA - PAINT EXERCÍCIO

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA - PAINT EXERCÍCIO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA -

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 26/2014 TP

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 26/2014 TP Processo nº 19.070-5/2014 Interessado TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Assunto conceito e a estrutura da referência do sistema de controle interno dos fiscalizados, bem como estabelece a competência

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA SALVADOR 2012 GOVERNADOR Jaques Wagner VICE-GOVERNADOR Otto Alencar SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho SUB-SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Aderbal de Castro Meira Filho

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS ANO DE REFERÊNCIA: 2011

SISTEMA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS ANO DE REFERÊNCIA: 2011 SISTEMA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS ANO DE REFERÊNCIA: 2011 Belo Horizonte, Abril de 2011 SUMÁRIO ITEM PÁGINA 1 - INTRODUÇÃO 3 2 - DESEMPENHO DO SISTEMA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

www.paraisodasaguas.ms.gov.br Telefone: 067 3248 1040 Página 1 de 5

www.paraisodasaguas.ms.gov.br Telefone: 067 3248 1040 Página 1 de 5 Página 1 de 5 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N 001/2014 O Município de Paraíso das Águas Estado de Mato Grosso do Sul, por intermédio da Comissão Permanente de Licitação TORNA PÚBLICO para conhecimento de

Leia mais

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br ORGANIZAÇÃO SOCIAL Modelo: Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Dispõe sobre as diretrizes e os procedimentos de auditoria a serem adotados pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul,

Leia mais

Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual

Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual 1 Relatório de Apuração e Análise dos Resultados Institucionais e Estratégicos e de Resultados

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE 1 ESTRUTURA DO SGI Módulo SGI-1.0 - Introdução (04 horas) Apresentação da metodologia do Programa de Formação Manual do Aluno Critérios de aprovação e reposição de módulos Uso da plataforma do Ambiente

Leia mais

Institucionalização e monitoramento do Planejamento Institucional

Institucionalização e monitoramento do Planejamento Institucional Execução do Plano Estratégico e seus desdobramentos Institucionalização e monitoramento do Planejamento Institucional Planejamento Estratégico e seus desdobramentos: planejamento setorial e planejamento

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

ANEXO ÚNICO O PROGRAMA. Programa de Modernização Fiscal do Estado da Paraíba PROFISCO-PB

ANEXO ÚNICO O PROGRAMA. Programa de Modernização Fiscal do Estado da Paraíba PROFISCO-PB LEG/SGO/CSC/IDBDOCS: 1954645 ANEXO ÚNICO O PROGRAMA Programa de Modernização Fiscal do Estado da Paraíba PROFISCO-PB I. Objetivo 1.01 O objetivo do Programa é apoiar a modernização da gestão fiscal do

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS NOTA TÉCNICA 34 2013 Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS Brasília, 24 de agosto de 2013 I NTRODUÇÃO NOTA TÉCNICA 34 2013 Nesta Nota Técnica vamos analisar a proposta do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

CONTROLADORIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROF. MARCUS VINICIUS VERAS MACHADO (UFC) 13/11/2012.

CONTROLADORIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROF. MARCUS VINICIUS VERAS MACHADO (UFC) 13/11/2012. CONTROLADORIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROF. MARCUS VINICIUS VERAS MACHADO (UFC) 13/11/2012. Controle Conceito É a ação necessária para verificar se os objetivos, planos, políticas e padrões estão sendo

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

NOTA TÉCNICA 25/2013 FINANCIAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

NOTA TÉCNICA 25/2013 FINANCIAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA NOTA TÉCNICA 25/2013 FINANCIAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA O CONASS solicitou, na reunião da CIT de 25 de abril de 2013, que a ANVISA apresentasse numa próxima reunião da Comissão o montante de sua arrecadação

Leia mais

Resumo de Auditoria. 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. - Auditoria realizada em Fevereiro e entrega do Relatório em Maio.

Resumo de Auditoria. 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. - Auditoria realizada em Fevereiro e entrega do Relatório em Maio. Resumo de Auditoria 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro Inspeção Ordinária nº 565/2014 Objetivo: Avaliação da adequação da contratação de serviços de saúde pela municipalidade ao modelo proposto

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO BÁSICO DE T.I. Elaborado com base na Lei 8.666/93 e suas alterações, Lei 10.520/02, Decreto de execução orçamentária anual e Decreto

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social - SEDESE Programa Poupança Jovem

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social - SEDESE Programa Poupança Jovem 2º TERMO ADITIVO AO TERMO DE PARCERIA S/N.º, QUE ENTRE SI CELEBRAM O ESTADO DE MINAS GERAIS, POR MEIO DA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E A OSCIP CENTRO INTEGRADO DE ESTUDOS E PROGRAMAS

Leia mais

Painel de Contribuição ASGE (Outubro/2015)

Painel de Contribuição ASGE (Outubro/2015) ASGE (Outubro/2015) Objetivo Estratégico / Iniciativa Estratégica/ Meta Estratégica 1. Alcançar 82% dos Projetos dentro do Prazo/ Aperfeiçoar a gestão de projetos 2. Implementar a Gestão de Riscos a) Criar

Leia mais

Secretaria do Planejamento

Secretaria do Planejamento Salvador, Bahia Sexta-Feira 10 de outubro de 2014 Ano XCIX N o 21.543 Secretaria do Planejamento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 DE 08 DE OUTUBRO DE 2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 Em março, a Ouvidoria recebeu 2.362 manifestações, distribuídas conforme gráfico abaixo. Também foram respondidas 220 mensagens dirigidas ao Ministério por meio do

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

MINUTA TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PROVEDORES

MINUTA TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PROVEDORES Sumário TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA...2 1.1 DO OBJETO...2 1.2 DA EXECUÇÃO...2 1.3 DOS DIREITOS E DAS OBRIGAÇÕES DAS PARTES...2 1.3.1 SÃO DIREITOS DOS PARTÍCIPES:...2 1.3.2 SÃO OBRIGAÇÕES DOS PARTÍCIPES:...2

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 13ª REGIÃO SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 13ª REGIÃO SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO c) Atividades de controle; d) Informação e Comunicação; e) Monitoramento. Escopo: Amostra de servidores definida com base nos critérios de materialidade, relevância e criticidade; Cronograma: 01 a 30/05/2015.

Leia mais

CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA

CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Franquia pressupõe uma parceria entre Franqueador e sua rede de Franqueados, visando benefícios recíprocos. Nesta

Leia mais

2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS II TERMO ADITIVO LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG

2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS II TERMO ADITIVO LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS II TERMO ADITIVO LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG Belo Horizonte 2010 SUMÁRIO II TERMO ADITIVO À 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LEMG... 3 ANEXO I COMPOSIÇÃO

Leia mais

EB 3854/03. 15 novembro 2003 Original: espanhol. Projetos/Fundo Comum. Junta Executiva Londres, Inglaterra

EB 3854/03. 15 novembro 2003 Original: espanhol. Projetos/Fundo Comum. Junta Executiva Londres, Inglaterra EB 3854/03 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 15 novembro 2003 Original: espanhol Projetos/Fundo

Leia mais

Gestão de Contratos: Peculiaridades da JT em Bens e Serviços

Gestão de Contratos: Peculiaridades da JT em Bens e Serviços Gestão de Contratos: Peculiaridades da JT em Bens e Serviços Justiça do Trabalho Fonte: Justiça em Números 2014 - CNJ Fabiano de Andrade Lima - JUNHO - 2015 Investimento TI A Secretaria de Receita Federal

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 RESOLUÇÃO Nº 261, DE 2013 (Autoria do Projeto: Vários Deputados) Insere dispositivos no Regimento Interno da Câmara Legislativa do Distrito Federal para criar a Comissão de Fiscalização, Governança,

Leia mais

Brasília, 18.11.2010

Brasília, 18.11.2010 Brasília, 18.11.2010 1 COREMEC (2006) Comitê de Regulação e Fiscalização dos Mercados Financeiro, de Capitais, de Seguros, de Previdência e Capitalização. Grupo de Trabalho: setor privado (membros auxiliares

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO ANUAL DE AUDITORIA (PAA) 2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 4 2 DO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP)... 6 3 DAS ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 6 3.1 Apoio ao Tribunal de Contas

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA REALIZAR A AUTOMATIZAÇÃO DA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ. SUMÁRIO Objetivo da contratação...2

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ANUAL

RELATÓRIO TÉCNICO ANUAL ( L O G O M A R C A DO Ó R G Ã O C O N T R A T A N T E ) CONTRATO DE GESTÃO Nº / ORGANIZAÇAO SOCIAL: UNIDADE PUBLICIZADA: RELATÓRIO TÉCNICO ANUAL ANO Data da entrega do Relatório: / / Recebido por: Sumário

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO, TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO BOLETIM

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Ação Medida Meta Física Orçamento - 11/2013

Ação Medida Meta Física Orçamento - 11/2013 U n id a d e 0 0 0 9 Ação Medida Meta Física Orçamento - 11/2013 Cod Título Prioritária Unidade Sigla Planejada Executada Orç. Inicial Alterações Autorizado Empenhado Liquidado Pago Saldo E/A L/A L/P 2

Leia mais

AUDITORIA PREVENTIVA COM FOCO EM RISCOS: A EXPERIÊNCIA DA CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DO CEARÁ (CGE/CE)

AUDITORIA PREVENTIVA COM FOCO EM RISCOS: A EXPERIÊNCIA DA CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DO CEARÁ (CGE/CE) Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 AUDITORIA PREVENTIVA COM FOCO EM RISCOS: A EXPERIÊNCIA DA CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DO CEARÁ (CGE/CE) Marcelo

Leia mais

Gabinete de Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo/SECOPA

Gabinete de Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo/SECOPA Gabinete de Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo/SECOPA RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS PERÍODO DE REFERÊNCIA: 2011 Belo Horizonte, maio de 2012 SUMÁRIO ITEM PÁGINA

Leia mais

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS 6º FÓRUM NACIONAL DE ESTRATÉGIA NA PRÁTICA & GESTÃO POR PROCESSOS Conteúdo da Apresentação Modelo de Gestão de Porto Alegre Alinhamento Planejamento Estratégico e Orçamento

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO P O R T A R I A N. º 5 0 8 D E 1 5 D E J U L H O D E 2 0 1 1. O Reitor do Instituto Federal do Paraná, no uso da competência que lhe confere o Decreto de 13 de junho de 2011, da Presidência da República,

Leia mais

IV Seminário de Execução Financeira de Projetos Financiados com Recursos Externos. O f i c i n a 3. Brasília, de 7 e 8 de maio de 2009.

IV Seminário de Execução Financeira de Projetos Financiados com Recursos Externos. O f i c i n a 3. Brasília, de 7 e 8 de maio de 2009. IV Seminário de Execução Financeira de Projetos Financiados com Recursos Externos O f i c i n a 3 Convênios (SICONV - Sistemas e Legislação) Brasília, de 7 e 8 de maio de 2009. Ementa da Oficina Nº 3

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13 Dispõe sobre os procedimentos de gestão da Tecnologia da Informação. O Prefeito Municipal e o Secretário Municipal de Gestão e Planejamento, no exercício

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº. 03/2008 Setor: Licitações, Contratos e Convênios (CCC e DCF) Período: 09/06/2008 a 30/06/2008 Legislação Aplicada: - Lei nº. 8.666/93 - Lei nº. 11.170/2005 - Decreto nº. 3.931/01

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL Projeto BRA 06/024 - PREMEF 1 I. INTRODUÇÃO A missão do Tesouro Nacional é

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 Dispõe sobre o Conselho Municipal de Informática, o Sistema de Tecnologia da Informação, a aquisição e a contratação de bens e serviços de informática. JOSÉ SERRA,

Leia mais

O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS

O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS Assim dispõe a Constituição Federal: Art. 31 - A fiscalização do Município sera exercida pelo Poder Legislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos

Leia mais

Instrução Normativa SCI Nº 01/2012, de 30 de abril de 2012

Instrução Normativa SCI Nº 01/2012, de 30 de abril de 2012 Instrução Normativa SCI Nº 01/2012, de 30 de abril de 2012 Estabelece o Plano Anual de Auditoria Interna PAAI, da administração direta, indireta e entidades ou pessoas beneficiadas com recursos públicos

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Senhor Gestor, CCDQV/DRH/PRAD

Senhor Gestor, CCDQV/DRH/PRAD Memo Circular nº 001/CCDQV Porto Velho, 18 de fevereiro de 2013 Senhor Gestor, A UNIR, procurando manter o desenvolvimento contínuo de seus servidores para melhorar a eficiência, eficácia e qualidade no

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

Projetos da Receita Federal

Projetos da Receita Federal Escrituração Fiscal Digital - EFD Projetos da Receita Federal A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTA EM GESTÃO FINANCEIRA

Leia mais

PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS. Resultados de Pesquisas de

PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS. Resultados de Pesquisas de MINISTÉRI O PÚBLICO do Estado do Paraná PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA SUBPLAN ANO: 2014 PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS RECONHECIMENTO EXTERNO

Leia mais

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental.

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental. Programa 0390 Metrologia, Qualidade e Avaliação da Conformidade Numero de Ações 13 Ações Orçamentárias 09HB Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

RESOLUÇÃO N 83/TCE/RO-2011

RESOLUÇÃO N 83/TCE/RO-2011 RESOLUÇÃO N 83/TCE/RO-2011 Dispõe sobre o exercício da fiscalização dos atos de gestão pelo Tribunal de Contas e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS.

DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS. DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS. Capa: Francisco Mesquita DA/CEPAT JUL/2012 Página 1 ÍNDICE Apresentação Pág. 03 Encaminhamento de ofício

Leia mais

Sistematização das deliberações dos GTs Subtema 2: Consolidação da Unifesp: financiamento da universidade pública

Sistematização das deliberações dos GTs Subtema 2: Consolidação da Unifesp: financiamento da universidade pública Sistematização das deliberações dos GTs Subtema 2: Consolidação da Unifesp: financiamento da universidade pública - Tese 1 Aprovada na íntegra em 7 grupos: 1,2,3,4,6,7,10. Remetida à plenária em 3 grupos:

Leia mais

Prestadores do SUS devem ser contratados;

Prestadores do SUS devem ser contratados; Prestadores do SUS devem ser contratados; Respeitar: Princípios e Diretrizes do SUS : regionalização, pactuação, programação, parâmetros de cobertura assistencial e a universalidade do acesso. Contratualização

Leia mais

PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS TERMO DE REFERÊNCIA

PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS TERMO DE REFERÊNCIA PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO TERMO DE REFERÊNCIA l. DO OBJETO CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA EM CLIMA ORGANIZACIONAL PARA ATUAR EM TODAS AS UNIDADES DO PODER JUDICIÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

Disposições Preliminares

Disposições Preliminares Regulamenta as atividades de prestação de serviços e de produção de bens para terceiros, de acordo com a Lei n o 11.500, de 05 de agosto de 1996. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HOSPITAL DE ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO DR. WASHINGTON ANTÔNIO DE BARROS DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO...

Leia mais