MANUAL DE TRIBUTAÇÃO DA INDÚSTRIA DE HIGIENE, PERFUMARIA E COSMÉTICOS 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE TRIBUTAÇÃO DA INDÚSTRIA DE HIGIENE, PERFUMARIA E COSMÉTICOS 2013"

Transcrição

1 MANUAL DE TRIBUTAÇÃO DA INDÚSTRIA DE HIGIENE, PERFUMARIA E COSMÉTICOS 2013

2 CONTEÚDO DO MANUAL Modulo 1: Sistema Tributário Nacional Modulo 2: IRPJ e CSLL Modulo 3: PIS e COFINS Modulo 4: IPI Modulo 5: Encargos Trabalhistas e Previdenciários Modulo 6: SIMPLES NACIONAL Modulo 7: Nota Fiscal Eletrônica Modulo Exemplificativo

3 MODULO 1 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL p. 3

4 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Impostos Taxas Contribuições de melhoria Contribuições Sociais Contribuições de intervenção no domínio econômico Contribuições de interesse de categorias profissionais ou econômicas Empréstimos compulsórios ou impostos extraordinários

5 TRIBUTOS SOBRE AS ATIVIDADES EMPRESARIAIS p. 5 ATIVIDADE COMÉRCIO INDÚSTRIA Específicos ICMS IPI e ICMS Comuns SIMPLES NACIONAL IR, CSLL, PIS e COFINS e INSS Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

6 MODULO 2 IRPJ E CSLL p. 6

7 IRPJ E CSLL IRPJ: 15% + adicional de 10%, se lucro > R$ ,00 x número de meses do período de apuração; CSLL: 9% Período de apuração e recolhimento: trimestral. o No lucro real pode ser anual, com recolhimento mensal e ajuste final. Formas de Tributação: Lucro Real, Presumido (opcional), Arbitrado e SIMPLES NACIONAL (opcional). A opção é indicada no DARF do 1º pagamento do ano. Lucros podem ser distribuídos com isenção para os sócios

8 IRPJ E CSLL LUCRO PRESUMIDO p. 20 Alcança empresas não obrigadas ao lucro real com receita anual de até R$ 48 milhões. Tributação opcional pelo Regime de Caixa PIS e COFINS pelo sistema cumulativo. Impede a fruição de incentivos fiscais e a dedução de despesas, custos e prejuízos Base de cálculo = (MARGEM DE LUCRO X RECEITA BRUTA) + DEMAIS RECEITAS. Margens de lucro variáveis A contabilidade pode ser substituída pelo Livro Caixa Entrega obrigatória da DIPJ Exemplo: Receita de vendas: ,00 Receita de serviços: ,00 Receita bruta: Demais receitas: ,00 LP (IRPJ) = (8% x ,00) + (32% x ,00) ,00 = ,00 IRPJ = (15% x ,00) + 10% ( , ,00) = ,00 LP (CSLL) = (12% x ,00)+ (32% x ,00) ,00 = ,00 CSLL = 9% x ,00 = ,80

9 IRPJ E CSLL LUCRO REAL p.26 Alcança empresas obrigadas, sendo opcional para as demais Exige Escrituração Contábil Digital e controles complexos. O resultado contábil é ajustado para apuração do IRPJ e da CSLL. PIS e COFINS no sistema não cumulativo. Entrega obrigatória da DIPJ Escrituração obrigatória do e- LALUR a partir de 2013 EMPRESAS OBRIGADAS Empresas com receita bruta acima de R$ 48 milhões. Entidades financeiras e equiparadas, inclusive gerenciadoras de créditos e seguradoras de créditos imobiliários, financeiros e do agronegócio. Empresas beneficiadas com incentivos de isenção ou redução Empresas com rendimentos auferidos no exterior Empresas que realizarem recolhimentos do IR por estimativa

10 IRPJ E CSLL LUCRO REAL PASSO A PASSO PARA O LUCRO REAL 1. Escrituração Contábil Digital 2. Demonstrações Financeiras 3. Ajustes ao resultado contábil 4. Base do IRPJ: LUCRO REAL/PREJUIZO FISCAL = RESULTADO CONTABIL + ADIÇÕES EXCLUSÕES. 5. Base da CSLL: BASE POSITIVA/BASE NEGATIVA = RESULTADO CONTABIL + ADIÇÕES EXCLUSÕES Apuração Trimestral: exige 4 Balanços por ano Apuração Anual: exige 1 balanço por ano os pagamentos mensais que são calculados sobre: a) Receitas auferidas, ou b) Resultado contábil ajustado. Podem ser utilizados todos os incentivos fiscais. 6. Apuração e recolhimento dos tributos devidos

11 APURAÇÃO DA CSLL p. 34 LUCRO LÍQUIDO ,00 ADIÇÕES Alimentação de Sócios (+) 2.300,00 Doações (+) 8.320,00 EXCLUSÕES Resultado da Equivalência Patrimonial (-) ,00 Juros sobre créditos vencidos há mais de 2 meses (-) 1.345,00 Lucro Líquido Ajustado ,00 COMPENSAÇÃO DA BASE NEGATIVA DA CSLL Base Negativa: ,00 Limite: 30% de ,00: ,20 (-) ,00 BASE DE CÁLCULO DA CSLL ,00 CSLL (9% X ,00) ,46

12 APURAÇÃO DO IRPJ p. 34 LUCRO LÍQUIDO APÓS A CSLL (R$ ,00 R$ ,46) ,54 ADIÇÕES Partes Beneficiárias (+) ,00 Participação de administradores (+) ,00 Contribuição Social sobre o Lucro do Período (+)92.159,46 Doações (+) 8.320,00 Alimentação de sócios (+) 2.300,00 Gratificação a administradores (+) ,82 Depreciação acelerada incentivada (Reversão) (+) 590,00 EXCLUSÕES Equivalência Patrimonial (-) ,00 Juros s/créditos vencidos (-) 1.345,00 LUCRO REAL APÓS AJUSTES ,82 COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS FISCAIS Prejuízo Fiscal de Períodos Anteriores ,00 Limite de Compensação: 30% de , ,44 (-) ,44 LUCRO REAL DO PERÍODO ,38

13 APURAÇÃO DO IRPJ p. 38 Lucro real ,38 IMPOSTO DEVIDO Imposto de 15% de R$ , ,26 Adicional 10% de ( , ,00) ,84 IMPOSTO DEVIDO ,10 DEDUÇÕES Incentivo à Cultura Patrocínio de ,00 Parcela a Deduzir: 30% de ,00 = 7.500,00 Limite do adicional trimestral Limite do Incentivo: 4% de ,26 = 6.445,97 (-) 6.445,97 Imposto Líquido ,13 - IR/Fonte sobre venda para a Administração Publica Federal (-) 3.450,00 Imposto a Pagar ,13

14 IRPJ E CSLL POR ESTIMATIVA MENSAL p. 41 RECEITA BRUTA DO MÊS VENDAS SERVIÇOS Receita da Exportação ,00 Receita no Mercado Interno de Produtos de Fabricados ,00 Receita da Revenda de Mercadorias ,00 Receita da Prestação de Serviços ,00 (-) Vendas Canceladas e Descontos Incondicionais ,00 (-) Devoluções de Venda 2.000,00 (-) IPI ,00 VALOR DA RECEITA BRUTA , ,00 DEMAIS RECEITAS TRIBUTADAS Juros recebidos de clientes 8.000,00 Rendimentos de Aplicações Financeiras ,00 Juros sobre o capital próprio auferidos 300,00 Receita de venda na alienação de bens do ativo permanente ,00 Variação Cambial (operações Liquidadas) ,00 TOTAL DAS DEMAIS RECEITAS ,00 PAGAMENTOS MENSAIS LE IRPJ = (8% x ,00) + (32% x ,00) ,00 = ,00 LE- CSLL = (12% x ,00) + (32% x ,00) ,00 = ,00 IRPJ = (15% x ,00) + 10% (87.880, ,00) = ,00 CSLL = 9% x ,00 = 8.452,80

15 MÓDULO 3 PIS E COFINS p. 46

16 PIS E COFINS Incidem sobre o faturamento mensal das pessoas jurídicas de direito privado, mas também são cobrados na importação e por substituição tributária. Regime não Cumulativo: empresas no lucro real Regime Cumulativo: empresas no lucro presumido e receitas excluídas do regime não cumulativo (entre elas as submetidas à substituição tributária) Incluídos no SIMPLES NACIONAL para ME/EPP (tributação concentrada com interpretações divergentes)

17 PIS E COFINS Exemplo PHPC: Sistema Cumulativo: Lucro Presumido Sistema Não Cumulativo (débito crédito): Lucro Real Sistema Misto: Produtor, fabricante ou importador no Lucro Real, estabelecido fora da Zona Franca de Manaus, que venda produtos com tributação monofásica destinados à revenda na Zona Franca de Manaus (essa operação sujeita-se à substituição tributária do PIS e da COFINS regime cumulativo)

18 PIS E COFINS Base de cálculo: receita bruta (sistema cumulativo) e receita total (sistema não cumulativo) Há previsão de imunidade, isenção, redução à alíquota zero, suspensão. No Lucro Presumido, a adoção do regime de caixa para o IRPJ vincula o PIS e a COFINS. Exige a entrega da EFD-CONTRIBUIÇÕES

19 PIS E COFINS p. 61 PIS COFINS TRIBUTAÇÃO CONCENTRADA - REGIME CUMULATIVO OU NÃO CUMULATIVO (*) Produtos de perfumaria, de toucador ou de higiene pessoal, classificados nas posições a e nos códigos , e da TIPI. - Venda efetuada por fabricante, importador ou encomendante. 2,2% 10,3% - Venda efetuada por pessoa jurídica não enquadrada na condição de fabricante ou importador ou pelo executor da encomenda. A partir de 11/03/2013 para as operações com os seguintes produtos: 0% 0% Venda ou importação de Sabões de toucador classificados no código Ex 01 da TIPI. Venda ou importação de Produtos para higiene bucal ou dentária classificados na posição da TIPI. Venda ou importação de Papel higiênico classificado no código do TIPI DEMAIS PRODUTOS REGIME CUMULATIVO 0,65% 3% REGIME NÃO CUMULATIVO 1,65% 7,6%

20 PIS E COFINS Produtos excluídos da Tributação Monofásica, a partir de 11/03/2013, pela MP 609/2013 PRODUTOS DA CESTA BÁSICA Preparações para higiene bucal ou dentária, incluídos os pós e cremes para facilitar a aderência de dentaduras; fios utilizados para limpar os espaços interdentais (fios dentais), em embalagens individuais para venda a retalho Dentifrícios Fios utilizados para limpar os espaços interdentais (fios dentais) Outras

21 PIS COFINS p. 59 SISTEMA CUMULATIVO Valor da mercadoria faturada R$ ,00 IPI destacado de 10% R$ 1.500,00 ICMS devido por substituição tributária R$ 1.120,00 Total da nota fiscal R$ ,00 Base de calculo do PIS e da COFINS R$ ,00 PIS cumulativo: 0,65% x R$ ,00 R$ 97,50 COFINS cumulativa: 3% X R$ ,00 R$ 450,00

22 PIS E COFINS p. 62 No sistema não cumulativo, os créditos são de 1,65% e 7,6% sobre aquisições ou importações de mercadorias para revenda, insumos e despesas com energia elétrica, frete, armazenagem, depreciação e aluguel. A aquisição para revenda de produtos monofásicos não autoriza o crédito, exceto para as produtoras desses produtos (créditos de 2,2% e 10,3%). Estoques de abertura e bens do Ativo Permanente geram direito ao credito presumido.

23 PIS E COFINS p. 66 Aquisições isentas não geram crédito se os produtos se submetem à não incidência, alíquota zero ou isenção. Aquisições não tributadas ou com alíquota zero não geram direito ao crédito. Vendas não tributadas permitem a manutenção dos créditos sobre as aquisições tributadas. Saldo de crédito não utilizado no trimestre pode ser ressarcido ou compensado se vinculados à exportação ou às vendas com isenção, alíquota zero, suspensão e não incidência.

24 PIS COFINS - SISTEMA NÃO CUMULATIVO p. 72 OPERAÇÕES NO MÊS VALOR PIS 1,65% COFINS 7,6% TOTAL 9,25% Demonstrativo do Credito Compra das mercadorias ,00 742, , ,50 Créditos s/produtos Fabricados - Depreciação de bens 1.000,00 16,50 76,00 92,50 - Insumos empregados na produção ,00 825, , ,00 - Energia Elétrica consumida 3.000,00 49,50 228,00 277,50 - Aluguel 3.000,00 49,50 228,00 277,50 - Material de Embalagem 1.000,00 16,50 76,00 92,50 Créditos totais no mês , , , ,50

25 MODULO 4 IPI p. 90

26 IPI Imposto seletivo sobre a importação ou a industrialização (transformação, beneficiamento, montagem, acondicionamento/recondicionamento e renovação/recondicionamento) ME/EPP pagam no SIMPLES NACIONAL. Apuração mensal sobre as vendas, possibilitando o desconto de créditos sobre os insumos, exceto sobre aquisições para uso ou consumo e de produtos submetidos à alíquota zero, isentos ou imunes Documentos fiscais exigidos de contribuintes do ICMS Escrituração Fiscal Digital EFD Entrega obrigatória da DIPJ

27 IPI Alíquotas dos produtos de perfumaria, cosméticos e higiene pessoal: de zero a 42% Base de cálculo: valor da operação de saída da indústria ou a base do Imposto de Importação. Valores mínimos tributáveis para transferências entre estabelecimentos da mesma empresa e outras operações especificas. Saldo credor do trimestre decorrente da fabricação de produto isento, tributado à alíquota zero ou imune por exportação, pode ser ressarcido ou utilizado para compensação de débitos próprios relativos aos tributos administrados pela RFB

28 Não são apropriados créditos sobre: IPI produtos adquiridos de estabelecimentos optantes pelo Simples Nacional; sobre insumos empregados na fabricação de produtos não tributados ou imunes; produtos adquiridos com alíquota zero, isentos ou imunes do IPI; aquisições de material de uso ou consumo, tais como material de escritório, material de limpeza e higiene, uniformes, equipamentos de proteção, etc. Pode ser apropriado crédito: sobre insumos empregados na fabricação de produtos isentos ou tributados à alíquota zero; sobre insumos empregados na industrialização de produtos destinados à exportação. A suspensão do imposto não impede a manutenção e a utilização dos créditos do IPI pelo estabelecimento industrial fabricante das referidas matérias-primas, produtos intermediários e materiais de embalagem, nas hipóteses do artigo 43 do RIPI/2010.

29 IPI p. 109 Valor dos produtos R$ ,00 IPI devido (débito) R$ 1.000,00 Valor total das vendas R$ ,00 Valor das compras R$ 6000,00 IPI pago na entrada dos produtos (crédito) R$ 300,00 Valor total das compras R$ 6.300,00 Apuração no final do período Débito na Saída 1000,00 (-) Crédito na Entrada 300,00 Saldo devedor do IPI (valor a recolher) 700,00

30 MÓDULO 5 ENCARGOS TRABALHISTAS E PREVIDENCIARIOS p. 124

31 ENCARGOS PREVIDENCIÁRIOS INSS Patronal devido sobre remuneração mensal paga ao trabalhador a serviço da empresa, à alíquota de 20% + 5,8% + SAT ME/EPP pagam o INSS Patronal no SIMPLES NACIONAL Empresa obrigada a reter e recolher o INSS devido pelo trabalhador a seu serviço Exige folha de pagamento, LTCAT, PPP, GFIP Lucro Presumido e SIMPLES NACIONAL podem substituir a contabilidade pelo Livro Caixa.

32 COMERCIANTE DE COSMÉTICOS p.130 A Medida Provisória 601/2012 determinou que, a 1º/04/2013 e até 31/12/2014, a Contribuição Previdenciária Patronal CPP será calculada sobre a receita bruta dos comerciantes varejistas de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal enquadrados na Classe do CNAE 2.0. O valor do recolhimento é 1% da receita bruta (excluídas exportações, as vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos e o ICMS ST) e substituirá as contribuições de 20% sobre as remunerações pagas a trabalhadores a serviço da empresa. Não inclui as contribuições para terceiros, o RAT(SAT), o adicional para financiamento da aposentadoria e as contribuições devidas sobre as notas fiscais de cooperativas.

33 INDUSTRIA DE COSMÉTICOS A Medida Provisória 612, de 2 de abril de 2013, artigo 26, inclui na base de cálculo da contribuição previdenciária patronal sobre a receita bruta, a partir de 1º/08/2013, os fabricantes Absorventes e tampões higiênicos, cueiros e fraldas para bebês e artigos higiênicos semelhantes, A Lei , de 2 de abril de 2013, determina o cálculo da contribuição previdenciária sobre a receita bruta, a partir de 01/01/2014, da maioria dos produtos de higiene pessoa, perfume e cosméticos (vide relação no item 1.4 do Modulo 5)

34 ENCARGOS TRABALHISTAS p. 133 Salários e acréscimos ao salario FGTS Férias Decimo Terceiro Salário Repouso Remunerado Vale Transporte Participação nos Lucros Contribuição Sindical Patronal Obrigações decorrentes da contratação de empregados

35 ENCARGOS TRABALHISTAS E PREVIDENCIARIOS Empresa industrial com 25 empregados e 2 sócios, com remuneração mensal de R$ 750,00 cada um e faturamento anual de R$ ,00. Salário Anual Salários 25 x (12 x 750,00) º salário 25 x 750, Férias 25 x 750, Abono de Férias 25(750,00/3) Total de salários/férias/abono/13º. salário ,00 Pró-labore: 2 x (12 x 750,00) ,00

36 ENCARGOS TRABALHISTAS E PREVIDENCIARIOS FOLHA E ENCARGOS FGTS (8% x ,00) ,00 INSS Folha (20% x ,00) ,00 Terceiros (5,8 x ,00) 15587,50 SAT 8.062,50 Pro labore (20% x ,00) INSS S/FOLHA ,00 FOLHA E ENCARGOS ,00

37 MODULO 6 SIMPLES NACIONAL p. 143

38 SIMPLES NACIONAL Sistema facultativo para tributação das ME/EPP abrangendo: IRPJ, PIS, COFINS, CSLL, IPI, INSS. Tributos retidos por substituição tributária ou por antecipação e os demais tributos são recolhidos em separado. São dispensadas a Contribuição Sindical Patronal e outras contribuições federais. Opção no Portal SIMPLES NACIONAL até: o último dia útil de janeiro (podendo ser agendada a partir de novembro) o 30 dias da data do último registro fazendário, observado o prazo de 180 dias: no ano de início de atividade. A opção implica aceitação do sistema de notificação eletrônica.

39 SIMPLES NACIONAL Conceitos o ME: receita bruta anual de até R$ ,00 o EPP: receita bruta anual até R$ ,0 Empresas exportadoras podem alcançar a receita bruta anual total de até R$ ,00, distribuídos da seguinte forma: o Limite de receita bruta no mercado interno: R$ ,00 o Limite adicional de receita bruta na exportação: R$ ,00 Sublimites em 2013, exclusivamente para efeito de cálculo do ICMS ou do ISS no âmbito dos seguintes Estados : o o o o Até R$ ,00: Acre, Amapá, Alagoas e Roraima; Até R$ ,00: Mato Grosso, Pará, Piauí, Rondônia, Sergipe e Tocantins; Até R$ ,00: Ceará, Maranhão, Mato Grosso e Paraíba. Até R$ ,00: demais Estados e o Distrito Federal

40 SIMPLES NACIONAL O tributos são devidos sobre a receita bruta mensal (regime de caixa ou competência). Alíquotas determinadas em função da receita bruta acumulada nos últimos 12 meses: o o Comercio: Tabela I Industria: Tabela II Cálculos feitos no sistema eletrônico PGDAS-D que constitui confissão de dívida e exige preenchimento dentro do prazo de pagamento. O excesso de receita bruta determina o acréscimo de 20% dos tributos e a exclusão da empresa do sistema.

41 SIMPLES NACIONAL p. 162 Recomenda-se a segregação das receitas para informação no PGDAS-D: Por estabelecimento matriz e filiais, inclusive por Estado ou Município, considerando as possibilidades de adoção de sublimites de receita, incidência fixa ou de redução do ICMS/ISS; Por atividades econômicas em função das Tabelas de Alíquotas; De exportação pela questão da imunidade de alguns tributos; Tributadas por concentração na indústria ou na importação (tributação monofásica do PIS e da COFINS); Sujeitas à alíquota zero que não forem incentivadas; Tributadas por substituição tributária; Tributadas por antecipação do ICMS, com e sem encerramento da tributação; Com suspensão da exigibilidade; Isentas; Submetidas à retenção na fonte; Tributadas por alíquota fixa.

42 SIMPLES NACIONAL CÁLCULO SIMPLES MÊS "x" Receita: R$ 3 milhões (ultimos 12 meses) Tabela pag 144 Indústria (Tabela II) Comércio - Revenda (Tabela I) Mercado Com Monofásico ICMS ST + TOTAL Interno Exportação ICMS ST PIS/COFIN S Monofásico Outros GERAL Receita Mês Alíquota: Total 11,82% 11,82% 11,32% 11,32% 11,32% 11,32% Cofins - -1,57% - -1,57% -1,57% - PIS/PASEP - -0,37% - -0,37% -0,37% - ICMS - -3,85% -3,85% - -3,85% - IPI - -0,50% n.a n.a n.a n.a A ser aplicada 11,82% 5,53% 7,47% 9,38% 5,53% 11,32% A recolher

43 SIMPLES NACIONAL p. 163 Atividade Comercial Alíquotas aplicáveis segundo o artigo 25 da Resolução 94 CGSN/2011 Receita bruta acumulada nos últimos ,00 9,03% 12 meses Receita mensal ,00 Receitas normais ,00 9,03% Receitas sujeitas à substituição tributária do ICMS e à tributação monofásica do PIS e da COFINS ,00 (9,03% - 0,30 1,25% - 3,07%) = 4,41% Receitas sujeitas à substituição do ICMS ,00 9,03% - 3,07% = 5,96%

44 SIMPLES NACIONAL Impede a utilização de incentivos fiscais e a apropriação ou transferência de créditos fiscais, exceto em relação ao PIS, à COFINS e ao ICMS. Os débitos apurados no Simples Nacional podem ser parcelados em até 60 mensalidades No caso de recolhimento indevido ou a maior, a optante pode requerer restituição ou a compensação do indébito. Exige o cumprimento de obrigações acessórias, dentre elas a emissão de nota fiscal, a entrega da DEFIS, a escrituração do livro caixa, a guarda de documentos etc. A empresa pode ser excluída do SIMPLES NACIONAL, retorna quando voltar a preencher as condições legais exigidas.

45 MODULO 7 NOTA FISCAL ELETRÔNICA p. 184

46 NOTA FISCAL ELETRONICA A Nota Fiscal Eletrônica Modelo 55 é digital e substitui o modelo impresso 1/1A. Cada nota é autorizada individualmente pela SEFAZ Virtual Exige credenciamento na Secretaria Estadual de Fazenda. Utilização de software gratuito ou adquirido no mercado. A implantação da NF-e exige adequação das instalações da empresa.

47 NOTA FISCAL ELETRONICA O DANFE é o espelho da NF-e e serve para acompanhar a mercadoria até o destino. Na situação de contingencia, o DANFE será impresso em papel moeda O destinatário não pode negar o recebimento da NF-e. A partir da data de Autorização de Uso, a NF-E não poderá ser alterada, mas é permitido: o o o cancelamento, no prazo de 24 horas e antes da circulação das mercadorias; a emissão de Carta de Correção Eletrônica, no prazo de 30 dias.

48 EMPRESAS OBRIGADAS À UTILIZAÇÃO DA NF-E CNAE Descrição CNAE Início da obrigatoriedade Fabricantes de Sabões e Detergentes Sintéticos 1/4/2010 (*) Fabricantes de Produtos de Limpeza e Polimento 1/4/2010 (*) Fabricantes de Cosméticos, Produtos De Perfumaria e De Higiene Pessoal. 1/4/2010 (*) Operações destinadas à Administração Pública direta ou indireta, inclusive 1º/12/2010 empresa pública e sociedade de economia mista, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Operações destinadas a outra em unidade da Federação diferente daquela do emitente (exceto para contribuinte exclusivamente varejista, nas operações com CFOP 6.201, 6.202, 6.208, 6.209, 6.210, 6.410, 6.411, 6.412, 6.413, 6.503, 6.553, 6.555, 6.556, 6.661, 6.903, 6.910, 6.911, 6.912, 6.913, 6.914, 6.915, 6.916, 6.918, 6.920, 6.921). Operações de comércio exterior. (*) Nos Estados de Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins e o Distrito Federal, o Protocolo 87/2008 previu a obrigatoriedade a partir de 1/09/2009.

49 MODULO 7 EXEMPLIFICAÇÃO PRÁTICA p. 193

50 EXEMPLIFICAÇÃO DADOS DO EXEMPLO Compras de Matérias Primas e outros insumos R$ ,00 Despesas que podem gerar créditos do PIS e da COFINS R$ ,00 TOTAL R$ ,00 Salário Anual Salários 25 x (12 x 750,00) 13º salário 25 x 750,00 Férias 25 x 750,00 Abono de Férias 25(750,00/3) , , , ,00

51 EXEMPLIFICAÇÃO FOLHA E ENCARGOS FGTS (8% x ,00) ,00 INSS Folha (20% x ,00) ,00 Terceiros (5,8 x ,00) ,50 SAT (3%) 8.062,50 Pró labore (20% x ,00) 3.600,00 INSS S/FOLHA ,00

52 EXEMPLIFICAÇÃO TRIBUTAÇÃO TOTAL NO LUCRO PRESUMIDO SEM ST E SEM CONCENTRAÇÃO PIS 0,65% 9.360,00 COFINS 3,00% ,00 IRPJ 1,20% ,00 CSLL 1,08% ,00 IPI 6,53% ,00 ICMS (*) 11,75% ,00 INSS 5,38% ,00 TOTAL DOS TRIBUTOS 29,58% ,00 (*) { ,00 X 18%} - {( ,00) X 18%}

53 EXEMPLIFICAÇÃO TRIBUTAÇÃO TOTAL NO LUCRO PRESUMIDO COM ST E CONCENTRAÇAO PIS 2,20% ,00 COFINS 10,30% ,00 IRPJ 1,20% ,00 CSLL 1,08% ,00 IPI 6,53% ,00 ICMS (*) 3,19% ,00 INSS 5,38% ,00 (*) {(1,51 X ,00) X 18%} -{( ,00) X 18%}

54 EXEMPLIFICAÇÃO TRIBUTAÇÃO SOBRE VENDAS NO LUCRO REAL CRÉDITOS A APROPRIAR ICMS IPI COFINS PIS Compras de Matérias Primas , , , , ,00 e outros insumos Despesas , , ,00 TOTAL , , , , ,00 VENDAS/DÉBITOS , , , , ,00 DÉBITO CRÉDITO , , , ,00

55 EXEMPLIFICAÇÃO DEMONSTRATIVO DO RESULTADO NO LUCRO REAL RECEITA IMPOSTOS S/VENDAS CUSTOS SALÁRIOS E ENCARGOS DESPESAS RESULTADO CONTÁBIL ANTES DO IR/CSLL IRPJ CSLL LUCRO CONTÁBIL , , , , , , , , ,00

56 EXEMPLIFICAÇÃO LUCRO REAL SEM ST E SEM CONCENTRAÇAO TRIBUTO CARGA TRIBUTARIA VALOR PIS 0,94% ,00 COFINS 4,33% ,00 IRPJ 1,62% ,00 CSLL 1,18% ,00 IPI 6,53% ,00 INSS 5,38% ,00 ICMS 11,75% ,00 TOTAL DOS TRIBUTOS 31,72% ,00

57 EXEMPLIFICAÇÃO TRIBUTAÇÃO SOBRE VENDAS NO LUCRO REAL CRÉDITOS A APROPRIAR ICMS IPI COFINS PIS Compras de Matérias Primas e outros insumos , , , , ,00 Despesas , , ,00 TOTAL , , , , ,00 VENDAS/DÉBITOS , , , , ,00 DÉBITO CRÉDITO , , , ,00

58 EXEMPLIFICAÇÃO DEMONSTRATIVO DO RESULTADO NO LUCRO REAL RECEITA ,00 IMPOSTOS S/VENDAS ,00 CUSTOS ,00 SALÁRIOS E ENCARGOS ,00 DESPESAS ,00 RESULTADO CONTÁBIL ANTES DO IR/CSLL ,00 IRPJ ,00 CSLL ,00 LUCRO CONTÁBIL ,00

59 EXEMPLIFICAÇÃO CARGA NO LUCRO REAL COM ST E CONCENTRAÇAO TRIBUTO CARGA TRIBUTARIA VALOR PIS 1,49% ,00 COFINS 7,03% ,00 IRPJ 2,95% ,00 CSLL 1,66% ,00 IPI 6,53% ,00 INSS 5,38% ,00 ICMS 3,19% ,00 TOTAL DOS TRIBUTOS 28,22% ,00

60 EXEMPLIFICAÇÃO Mês Faturamento Receita Acumulada Alíquota SIMPLES NACIONAL Janeiro , ,00 8,95% ,00 Fevereiro , ,00 8,95% ,00 Março , ,00 8,95% ,00 Abril , ,00 8,95% ,00 Maio , ,00 8,95% ,00 Junho , ,00 8,95% ,00 Julho , ,00 8,95% ,00 Agosto , ,00 8,95% ,00 Setembro , ,00 8,95% ,00 Outubro , ,00 8,95% ,00 Novembro , ,00 8,95% ,00 Dezembro , ,00 8,95% ,00 Acumulado , ,00 CARGA TRIBUTARIA 8,95%

61 Mês Faturamento Receita Acumulada Alíquota SIMPLES NACIONAL Janeiro , ,00 5,41% Fevereiro , ,00 5,41% Março , ,00 5,41% Abril , ,00 5,41% 7.956, , , ,00 Maio , ,00 5,41% 7.956,00 Junho , ,00 5,41% 7.956,00 Julho , ,00 5,41% 7.956,00 Agosto , ,00 5,41% 7.956,00 Setembro , ,00 5,41% 7.956,00 Outubro , ,00 5,41% 7.956,00 Novembro , ,00 5,41% Dezembro , ,00 5,41% 7.956, ,00 Acumulado ,00 5,41% ,00 PIS 2,20% ,00 COFINS 10,30% ,00 ICMS ST MVA 51% - Parte da EPP 3,19% ,00 TOTAL ,00 CARGA TRIBUTARIA 22,32%

62 Visite nosso site: Elaborado por: Elaboração: Lusia Angelete

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO. Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais

ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO. Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais Objetivos do Workshop 1 Conhecer e Atualizar os Conhecimentos acerca da Legislação Tributária e Fiscal Vigente 2 Adotar Procedimentos

Leia mais

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1 Contribuição para PIS/PASEP PIS contribuição para o Programa de Integração Social funcionários das empresas do setor privado; PASEP contribuição

Leia mais

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED OUT/2010 REGIME NÃO-CUMULATIVO REGIME CUMULATIVO TRIBUTAÇÃO MONOFÁSICA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA VENDAS COM SUSPENSÃO VENDAS A ALÍQUOTA ZERO VENDAS COM ISENÇÃO

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL Tributo federal Lei Complementar 123/2006 e 128/2008 Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELAINE FERREIRA NOLAÇO ANÁPOLIS 2012 Lucro arbitrado ou presumido Lucro arbitrado é uma forma

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

Caminho Jurídico do Empreendedor

Caminho Jurídico do Empreendedor Caminho Jurídico do Empreendedor Introdução Início de Atividade Empresária requer: Modelo de empresas/tipos societários; Contrato social, Registro de marcas e patentes; Elaboração e estudo de contratos

Leia mais

III A ausência ou irregularidade na inscrição municipal ou estadual do contribuinte, Olá Pessoal

III A ausência ou irregularidade na inscrição municipal ou estadual do contribuinte, Olá Pessoal Olá Pessoal Você acessou os exercícios da disciplina ED - Estudos Disciplinares. Dos exercícios propostos você terá que responser corretamente 10 (dez) exercícios. Assinale a alternativa correta e inclua

Leia mais

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS)

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração Original Exercício 2016 Ano-Calendário 2015 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2015 a 31/12/2015 1 Identificação do Contribuinte

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Altera a Instrução Normativa SRF nº 247, de 21 de novembro de 2002, que dispõe sobre o PIS/Pasep e a Cofins. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária de empresas dos setores industriais e de serviços; permite depreciação

Leia mais

Código de Situação Tributária

Código de Situação Tributária Código de Situação O código da situação tributária será composto de três dígitos, onde o 1 dígito indicará a origem da mercadoria, com base na Tabela A e os dois últimos dígitos a tributação pelo ICMS,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

Operação Tributável (base de cálculo = quantidade vendida x alíquota por unidade de produto)

Operação Tributável (base de cálculo = quantidade vendida x alíquota por unidade de produto) 1. Finalidade do CST Para a elaboração dos arquivos digitais da Escrituração Fiscal Digital (EFD), bem como para a geração do conteúdo das Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e), foram instituídos através da

Leia mais

Função e Funcionamento das principais contas

Função e Funcionamento das principais contas 2017/09/22 13:54 1/15 e das principais contas e das principais contas 1.1.1.1 CAIXA Registrar a movimentação de dinheiro, cheques e outros documentos compensáveis em poder da empresa. Debita-se pelo recebimento

Leia mais

Analista Fiscal ICMS, IPI, ISS, PIS e Cofins

Analista Fiscal ICMS, IPI, ISS, PIS e Cofins CURSO Analista Fiscal ICMS, IPI, ISS, PIS e Cofins (O único curso da região ministrado por especialistas em cada área abordada) Orientadores Andréa Giungi Contadora; consultora da CPA; MBA em Controladoria

Leia mais

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 240, DE 9 DE SETEMBRO DE 2008: A substituição de embalagens de produtos, alterando sua apresentação, exceto se destinada unicamente ao transporte

Leia mais

Página 2 de 5 No caso da ausência de comprovação de que essas bonificações estejam relacionadas com a aquisição das mercadorias, essa operação será ca

Página 2 de 5 No caso da ausência de comprovação de que essas bonificações estejam relacionadas com a aquisição das mercadorias, essa operação será ca Página 1 de 5 Este procedimento foi elaborado com base nas Leis nºs 10.406/2002; 9.249/1995; 10.637/2002; 10.833/2003; 11.941/2009; Lei Complementar nº 123/2006; e Resolução CGSN nº 94/2011 IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep/Simples

Leia mais

Tributos Indiretos ISS / IPI / ICMS

Tributos Indiretos ISS / IPI / ICMS Fazer teste: AS_I Pergunta 1 Tributos Indiretos ISS / IPI / ICMS 1. Sabe-se que o ISS é um imposto de responsabilidade dos Municípios, porém, a LC 116/2003 determina a alíquota máxima de 5% (cinco por

Leia mais

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL As empresas tributadas pelo lucro real, que optaram pela apuração anual, deverão recolher mensalmente antecipações de IRPJ e CSLL com base em lucro estimado

Leia mais

Gestão Tributária- Escrituração Fiscal- Prof.Ademir Macedo de Oliveira Senac São Paulo- Unidade 24 de Maio

Gestão Tributária- Escrituração Fiscal- Prof.Ademir Macedo de Oliveira Senac São Paulo- Unidade 24 de Maio 1 CST: ICMS - IPI PIS - COFINS e Quadro sinótico das fiscais e tratamento tributário com base nas Legislações: ICMS- RICMS-SP DECRETO 45.490/2000 IPI- LEGISLAÇÃO FEDERAL Tabelas: I- II III da Instrução

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 ANO XXVII - 2016-4ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA DECLARAÇÃO SOBRE A OPÇÃO DE TRIBUTAÇÃO DE PLANOS PREVIDENCIÁRIOS DPREV 2016 INFORMAÇÕES GERAIS...

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14 21/07/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1. Perguntas RFB... 3 2.2. Artigo Portal Tributário... 4 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Manual SPED...

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CONTABILIDADE AVANÇADA 1/2017 Exercício de Fixação 1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CONTABILIDADE AVANÇADA 1/2017 Exercício de Fixação 1 Exercício de Fixação 1 Questão 1: (Auditor Fiscal da Receita Estadual SEFAZ-RJ, 2014): Determinada empresa comercial apresentava as seguintes informações referentes ao primeiro semestre de 2013: Sabe-se

Leia mais

OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014

OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014 OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014 04/06-4 Feira Último dia para recolhimento do Imposto de Renda na Fonte referente a juros sobre o capital próprio, aplicações financeiras, títulos de capitalização;

Leia mais

Í N D I C E A N A L Í T I C O

Í N D I C E A N A L Í T I C O Í N D I C E A N A L Í T I C O I - REGRAS GERAIS... 15 I.1 - Introdução... 15 I.2 - Conceitos e definições... 15 I.2.1 - Restituição... 15 I.2.2 - Compensação... 16 I.2.3 - Ressarcimento... 16 I.2.4 - Reembolso...

Leia mais

1) TRIBUTOS FEDERAIS (aplicados ao Comércio ) 2) PERFIL DO CONTADOR MODERNO

1) TRIBUTOS FEDERAIS (aplicados ao Comércio ) 2) PERFIL DO CONTADOR MODERNO 1) TRIBUTOS FEDERAIS (aplicados ao Comércio ) 2) PERFIL DO CONTADOR MODERNO Maria Alzirene Mota de Brito Empresária da Contabilidade (92) 99981-9878 / 99116-6622 TÓPICOS PARA ABORDAGEM 1) QUAIS TRIBUTOS

Leia mais

Tabela Mensal de Obrigações - Agosto/2016 Setor Contábil

Tabela Mensal de Obrigações - Agosto/2016 Setor Contábil Tabela Mensal de Obrigações - Agosto/2016 Setor Contábil Dia 03 (quarta-feira) Recolhimento do correspondente aos fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.07.2016, incidente sobre rendimentos de:

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 CSLL CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO CSLL CONTRIB. SOCIAL S/ LUCRO LÍQUIDO A CSLL é uma contribuição de competência da União instituída pela

Leia mais

Revisão Geral. Prof. Thiago S.Oliveira CRC-MG Revisão Geral

Revisão Geral. Prof. Thiago S.Oliveira CRC-MG Revisão Geral Revisão Geral Prof. Thiago S.Oliveira CRC-MG 093969 Revisão Geral Escrita Fiscal Escrita Fiscal são registros de documentos fiscais lançados em livros fiscais, obrigatórios pela legislação. Visa atender,

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013

MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013 MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013 Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP, da COFINS, da Contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação incidentes sobre

Leia mais

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana.

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana. CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Curso de Ciências Contábeis Profº Me. Hugo David Santana. Introdução Nesta aula será apresentado o tratamento contábil dos principais itens relacionados à folha de pagamento, por

Leia mais

O disposto neste item aplica-se, inclusive, à pessoa jurídica que explore atividade rural.

O disposto neste item aplica-se, inclusive, à pessoa jurídica que explore atividade rural. LUCRO PRESUMIDO O Lucro Presumido é a forma de tributação simplificada do Imposto de Renda (IR) e Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL). A sistemática de tributação pelo Lucro Presumido é regulamentada

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 Índice 1. Deduções da base de cálculo...3 1.1 Base de cálculo, alíquotas e despesas... 3 1.2 Exemplo numérico com deduções... 3 2. Faturamento bruto/receita bruta regime

Leia mais

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento:

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: Das Alíquotas e Base de Cálculo e dos Créditos Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte, optante do Simples Nacional, será determinado mediante aplicação da tabela

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2016 PIS (PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL) COFINS (CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL) REGIME CUMULATIVO E NÃO-CUMULATIVO Para iniciar o estudo

Leia mais

Quarta do Conhecimento ECF Alterações para 2017 e Pontos de Atenção no Preenchimento Marcia Ramos

Quarta do Conhecimento ECF Alterações para 2017 e Pontos de Atenção no Preenchimento Marcia Ramos Quarta do Conhecimento ECF Alterações para 2017 e Pontos de Atenção no Preenchimento Marcia Ramos Obrigatoriedade Todas as pessoas jurídicas, exceto optantes pelo SIMPLES NACIONAL, orgãos públicos e pessoas

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins. Sistema Público de Escrituração Digital

Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins. Sistema Público de Escrituração Digital Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins Sistema Público de Escrituração Digital ARRECADAÇÃO FEDERAL 2008 Imposto de Renda Pessoa Jurídica (SPED - ECD): 72 Bilhões PJ Não Financeiras 12 Bilhões

Leia mais

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1 Nota Preliminar, xvii Introdução, 1 1 Comentários gerais, 3 1.1 Finalidade, 3 1.2 Do patrimônio, 4 1.3 Dos fatos, 5 1.3.1 Do fato administrativo permutativo, 5 1.3.2 Do fato administrativo modificativo,

Leia mais

582, DOU1)

582, DOU1) Medida Provisória n 582, de 20 de setembro de 2012 (Pág. 2 - DOU1) Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária de empresas dos setores industriais e de serviços;

Leia mais

Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003)

Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003) EVOLUÇÃO Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003) Art. 37 da Constituição Federal... XXII as administrações tributárias da União dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,... e autuarão de forma

Leia mais

CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS OUTUBRO/16

CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS OUTUBRO/16 edição 39 ano 2016 CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS OUTUBRO/16 04 de outubro de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS DIA 05 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos

Leia mais

Índice Analítico I REGRAS GERAIS... 15

Índice Analítico I REGRAS GERAIS... 15 Índice Analítico I REGRAS GERAIS... 15 I.1 Introdução... 15 I.2 Conceitos e de nições... 15 I.2.1 Restituição... 15 I.2.2 Compensação... 16 I.2.3 Ressarcimento... 16 I.2.4 Reembolso... 17 I.3 Legislação

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DE ICMS. MARÇO/2016 As palestras, ministradas pelos servidores Ricardo Oliveira e Denise Salazar, da Superintendência de Tributação

ATUALIZAÇÃO DE ICMS. MARÇO/2016 As palestras, ministradas pelos servidores Ricardo Oliveira e Denise Salazar, da Superintendência de Tributação ATUALIZAÇÃO DE ICMS MARÇO/2016 As palestras, ministradas pelos servidores Ricardo Oliveira e Denise Salazar, da Superintendência de Tributação CEST Código Especificador da Substituição Tributária SEGMENTOS

Leia mais

RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS E PREVIDENCIÁRIAS

RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS E PREVIDENCIÁRIAS IBEF-RIO - TREINAMENTO RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS E PREVIDENCIÁRIAS P R O G R A M A Módulo 01 - Retenções Tributárias 1º Módulo - Contribuições sociais (CSLL, PIS, COFINS) Serviços sujeitos a retenção: Definição

Leia mais

Declaração Anual do Simples Nacional

Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Original Exercício 2010 Ano-Calendário 2009 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2009 a 31/12/2009 1 Identificação do Contribuinte CNPJ Matriz: 00559582/0001-40

Leia mais

CURSO ANALISTA FISCAL-TIANGUÁ

CURSO ANALISTA FISCAL-TIANGUÁ CURSO ANALISTA FISCAL-TIANGUÁ A função de Analista Fiscal é uma das mais nobres na área fiscal de um estabelecimento, tendo em vista sua importância na verificação do processamento de todo o movimento

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

Microempreendedor Individual MEI: Constituição e Tributação

Microempreendedor Individual MEI: Constituição e Tributação Microempreendedor Individual MEI: Constituição e Tributação Quem é o Microempreendedor Individual? É a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um microempreendedor

Leia mais

Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 WALCRIS ROSITO - IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 2006

Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 WALCRIS ROSITO - IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 2006 Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 1 Tributação sobre o lucro (%) Lucro Real Lucro Presumido Lucro Arbitrado 2 Tributação sobre o lucro Lucro Real Obrigatoriedade:

Leia mais

Guia Prático de. Cruzamento de Obrigações Acessórias

Guia Prático de. Cruzamento de Obrigações Acessórias Guia Prático de Cruzamento de Obrigações Acessórias Sumário Apresentação... 19 1 Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) 1.1. Conceito e Informações Gerais... 21 1.2. Manual de Integração - Contribuinte... 21 1.3.

Leia mais

SPED. Cruzamento das Informações: CRUZAMENTOS: Aspectos conceituais 24/09/2009. Acompanhamento Diferenciado: DACON DIRF DIPJ DCOMP DCTF DARF

SPED. Cruzamento das Informações: CRUZAMENTOS: Aspectos conceituais 24/09/2009. Acompanhamento Diferenciado: DACON DIRF DIPJ DCOMP DCTF DARF Cruzamento das Informações: DACON DIRF SPED DCTF DIPJ DCOMP DARF Palestrante: Thamara Jardim CRUZAMENTOS: Aspectos conceituais Acompanhamento Diferenciado: Art. 2º O acompanhamento diferenciado deverá

Leia mais

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins Assunto: Contribuição para PIS/PASEP e COFINS Instrução Normativa SRF nº 594, de 26 de dezembro de 2005 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS - FEVEREIRO/16

OBRIGAÇÕES FISCAIS - FEVEREIRO/16 edição 7 ano 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS - FEVEREIRO/16 02 de fevereiro de 2016 FEDERAL DIA 03 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara X DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2017 Questões de Contabilidade Empresarial I Prof. Lauri Fries Questão nº 01 A Lei 6404/76 nos seus artigos 178º a 182º estabelece as condições para a

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO A disciplina está dividida em duas unidades. Unidade I 1. Objetivo do Planejamento Tributário 2. Sociedades Simples e Empresária 3.

Leia mais

CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS MARÇO/17

CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS MARÇO/17 edição 15 ano 2017 CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS MARÇO/17 01 de mar?o de 2017 OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS DIA 03 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2016 IR Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza IMPOSTO SOBRE A RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Écomumentechamadode imposto de renda

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional JANEIRO Simples Nacional. Simples Nacional

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional JANEIRO Simples Nacional. Simples Nacional DIREITO TRIBUTÁRIO Simples Nacional JANEIRO 2015 1 Simples Nacional Art. 146, III, d, CF Tratamento diferenciado e favorecido para ME e EPP Regime único de arrecadação opção do contribuinte; Art. 94 do

Leia mais

Blocos de composição da ECF

Blocos de composição da ECF Blocos de composição da ECF Bloco 0 - Abertura e Identificação Descrição do Bloco: Abre o arquivo, identifica a pessoa jurídica e referencia o período da ECF. Registro 0000: Abertura do Arquivo Digital

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, xiii

SUMÁRIO. Apresentação, xiii SUMÁRIO Apresentação, xiii 1 A Contabilidade e a Gestão Tributária, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Os objetivos da atividade de gestão tributária, 1 1.3 Características profissionais exigidas para o cargo de

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 IR Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza IMPOSTO SOBRE A RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Écomumentechamadode imposto de renda

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 3 Demonstração do Resultado Abrangente 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS)

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração Original Exercício 2016 Ano-Calendário 2015 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2015 a 31/12/2015 1 Identificação do Contribuinte

Leia mais

6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 178, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008: EMENTA: DISTRIBUIDOR ATACADISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS E DE HIGIENE PESSOAL. CRÉDITOS. POSSIBILIDADE. Relativamente

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Retenção em baixas parciais de PIS, COFINS e CSLL

Orientações Consultoria de Segmentos Retenção em baixas parciais de PIS, COFINS e CSLL 28/04/2010 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Contribuição PIS e COFINS pela Sistemática Não Cumulativa... 4 3.2. Da

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 DOU de 17.10.2011 Dispõe sobre procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de

Leia mais

CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS SETEMBRO/16

CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS SETEMBRO/16 edição 35 ano 2016 CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS SETEMBRO/16 02 de setembro de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS SETEMBRO/2016 DIA 05 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção

Leia mais

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS) E PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL (COFINS) Em 31 de dezembro de 2002 e em

Leia mais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais Fiscal Configurar Impostos Fiscais Objetivo Configurar todos os impostos que refletirão na Nota Fiscal de Saída. Pré- Requisitos As Taxas Tributárias dos Produtos devem ser devidamente cadastradas ( Fiscal

Leia mais

CARF JULGA LÍCITA A UTILIZAÇÃO DO ÁGIO PELA TELEMAR E PELO SANTANDER

CARF JULGA LÍCITA A UTILIZAÇÃO DO ÁGIO PELA TELEMAR E PELO SANTANDER Dezembro de 2011 Destaques I. NÃO INCIDE IR E CSLL SOBRE LUCROS AUFERIDOS POR CONTROLADA OU COLIGADA NO EXTERIOR SEDIADA NA ESPANHA A 1ª Turma do Conselho Superior de Recursos Fiscais ( CSRF ) última instância

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 2

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 2 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 2 Índice 1. Impostos incidentes sobre o valor agregado...3 1.1 Fato gerador... 3 1.2 Contribuintes... 4 1.3 Competência... 4 1.4 Princípios constitucionais... 4 1.5 Base

Leia mais

Contabilidade Avançada. Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU

Contabilidade Avançada. Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU Contabilidade Avançada Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU E-mail: geovane_camilo@yahoo.com.br OBRIGATORIEDADE Lei 11.638/2007 Empresas capital aberto Modelo

Leia mais

Vamos nos apresentar? Qual é o seu nome? Que função você exerce na sua empresa? Quais as suas expectativas em relação a este curso?

Vamos nos apresentar? Qual é o seu nome? Que função você exerce na sua empresa? Quais as suas expectativas em relação a este curso? Vamos nos apresentar? Qual é o seu nome? Que função você exerce na sua empresa? Quais as suas expectativas em relação a este curso? 2 Associativismo: a união faz a força! 3 Associativismo: a união faz

Leia mais

CARTILHA NACIONAL SIMPLES. Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa.

CARTILHA NACIONAL SIMPLES. Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa. CARTILHA NACIONAL SIMPLES Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa. O que é Simples Nacional? Como enquadro minha empresa no Nacional Simples? O Simples Nacional é um regime tributário

Leia mais

CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS AGOSTO/16

CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS AGOSTO/16 edição 31 ano 2016 CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS AGOSTO/16 02 de agosto de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS AGOSTO/2016 DIA 03 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte

Leia mais

Geovane Camilo dos Santos

Geovane Camilo dos Santos Exercício de Fixação 1 Questão 1: (Auditor Fiscal da Receita Estadual SEFAZ-RJ, 2014): Determinada empresa comercial apresentava as seguintes informações referentes ao primeiro semestre de 2013: Sabe-se

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS - ABRIL/16

OBRIGAÇÕES FISCAIS - ABRIL/16 edição 17 ano 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS - ABRIL/16 05 de abril de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS DIA 05 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos

Leia mais

O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO

O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO >Quais as formas de apuração do lucro >Compensação de Prejuízos acumulados >Imposto de Renda e Contribuição Social >As alterações

Leia mais

LEI Nº /2014. Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade. Edson Pimentel

LEI Nº /2014. Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade. Edson Pimentel LEI Nº 12.973/2014 Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade Edson Pimentel 1 SUMÁRIO Contexto e Breve Histórico Distribuição de Dividendos e JCP Adoção Inicial Conceito de Receita

Leia mais

Abreviaturas Notas da 2ª Edição Notas da 3ª Edição Notas da 4ª Edição Notas da 5ª Edição Introdução...

Abreviaturas Notas da 2ª Edição Notas da 3ª Edição Notas da 4ª Edição Notas da 5ª Edição Introdução... S GESTÃO TRIBUTÁRIA DE CONTRATOS E CONVÊNIOS 5ª EDIÇÃO 11 SUMÁRIO Abreviaturas... 19 Notas da 2ª Edição... 21 Notas da 3ª Edição... 23 Notas da 4ª Edição... 25 Notas da 5ª Edição... 27 Introdução... 29

Leia mais

TABELA CRT E CSOSN - SIMPLES NACIONAL

TABELA CRT E CSOSN - SIMPLES NACIONAL TABELA CRT E CSOSN - SIMPLES NACIONAL Código CRT Código de regime tributário Comentários 1 SIMPLES NACIONAL quando for optante pelo Simples Nacional. 2 3 Código SIMPLES NACIONAL - EXCESSO DE SUBLIMITE

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração do Fluxo de Caixa 7 Demonstração das Mutações

Leia mais

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. Alta carga tributária; 2. A burocracia e entraves da legislação; 3. Interpretação restritiva do Fisco sobre

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial 1

Planejamento Tributário Empresarial 1 Planejamento Tributário Empresarial 1 Imposto de Renda e proventos de qualquer natureza Do Lucro Arbitrado Pessoa Jurídica Tributada com base no lucro arbitrado Na ocorrência de qualquer das hipóteses

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

SERVI OS DE INTERNET RS LTDA - ME CNPJ: 18607543/0001-37 Setembro de 2016 2 ROBERTO TEIXEIRA DA SILVA Admissªo: 01/07/2015 Descrição Referência Vencimentos Descontos 22 88 Declaro ter recebido a importância

Leia mais

CURSO ANALISTA FISCAL FORTALEZA/CE - TURMA 18

CURSO ANALISTA FISCAL FORTALEZA/CE - TURMA 18 CURSO ANALISTA FISCAL FORTALEZA/CE - TURMA 18 A função de Analista Fiscal é uma das mais nobres na área fiscal de um estabelecimento, tendo em vista sua importância na verificação do processamento de todo

Leia mais

CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS JANEIRO/17

CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS JANEIRO/17 edição 1 ano 2017 CALENDÁRIO OBRIGAÇÕES FISCAIS JANEIRO/17 04 de janeiro de 2017 OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos

Leia mais

Cooperzem Cooperativa de Distribuição de Energia Elétrica CNPJ.: / Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2014 e de 2013

Cooperzem Cooperativa de Distribuição de Energia Elétrica CNPJ.: / Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2014 e de 2013 I - Balanço Patrimonial ATIVO 2014 2013 Circulante 4.426.951,51 2.872.208,33 Caixa e Equivalentes de Caixa 861.325,60 288.821,15 Consumidores 3.656.496,12 2.707.364,68 Devedores Diversos 226.920,22 76.064,38

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Registros 1300 e 1700 da EFD Contribuições.docx

Orientações Consultoria de Segmentos Registros 1300 e 1700 da EFD Contribuições.docx Registros.docx 04/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1. Parecer da Receita Federal... 6 4. Conclusão... 7 5. Informações

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. Medidas Provisórias 601/12 e 612/13.

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. Medidas Provisórias 601/12 e 612/13. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO Medidas Provisórias 601/12 e 612/13. A Medida Provisória 601/12 estendeu os benefícios fiscais da desoneração da folha de pagamento aos setores da construção civil, do

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 22 - Data 4 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP CRÉDITOS PARA DESCONTO DO PIS/PASEP. NÃO-CUMULATIVIDADE.

Leia mais

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Nilson José Goedert Contador 2016 Slide 2 Obrigações Federais para Pessoas Jurídicas em Geral: 1. SPED Sistema Público de Escrituração

Leia mais