RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS GUARAPUAVA CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET CAROLINA MOREIRA OLIVEIRA RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO GUARAPUAVA 2013

2 CAROLINA MOREIRA OLIVEIRA RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Relatório final apresentado à disciplina de Estágio Curricular Obrigatório do curso de Tecnologia em Sistemas para Internet, Campus Guarapuava, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, como requisito parcial para aprovação na referida disciplina. Á r e a d e c o n c e n t r a ç ã o : R e d e s d e Computadores Orientador: Prof. Ms. Hermano Pereira GUARAPUAVA 2013

3 IDENTIFICAÇÃO DO ESTAGIÁRIO Estagiário: Carolina Moreira Oliveira RA: Período: Quarto Período Unidade Concedente de Estágio (UCE): Universidade Estadual do Centro- Oeste Endereço: Rua Padre Salvador, 875 Bairro: Cidade: Santa Cruz Guarapuava Telefone: (42) Supervisor de Estágio na UCE: Edson Gardin Vigência do Estágio: 10/09/2012 a 21/12/2012 Horário do Estágio: Segunda à sexta, das 8h às 12h Professor Orientador: Área de Concentração: Hermano Pereira Redes de Computadores

4 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivos EMPRESA CONCEDENTE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Fazer um levantamento do ambiente de rede existente que deve ser monitorado Fazer estudo de protocolo de gerenciamento Identificar ferramentas que possam fazer monitoramento de ambiente DIFICULDADES ENCONTRADAS DISCIPLINAS RELACIONADAS CONCLUSÃO...12 REFERÊNCIAS...13 APÊNDICE A TÍTULO DO APÊNDICE...14 ANEXO A TERMO DE ACORDO...15

5 4 1 INTRODUÇÃO A finalidade do estágio do curso de Sistemas para Internet, assim como dos demais cursos oferecidos pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, é a complementação curricular. Através da aproximação do acadêmico à realidade do ambiente de trabalho em uma empresa. Desta forma, proporciona a utilização prática da teoria exposta em sala de aula e motiva o trabalho em equipe. Conforme o Plano de Estágio, precisava fazer um levantamento do ambiente de rede existente, principalmente servidores que não possuem regras, mais conhecidos como servidores de DMZ. Em português quer dizer zona desmilitarizada, é a área de rede que permanece entre a rede interna de uma organização e uma rede externa, em geral a Internet. Comumente, uma DMZ contêm equipamentos apropriados para o acesso à internet. Também se fez necessário o estudo do protocolo de gerenciamento SNMP. É um protocolo simples de gerência de rede (Simple Network Management Protocol), é um protocolo da camada de aplicação, de gerência típica de redes, que facilita o intercâmbio de informação entre os dispositivos de rede, como placas e comutadores O presente relatório apresenta as atividades desempenhadas no setor de Coordenadoria de Tecnologia e Informação (COORTI) da Universidade Estadual do Centro-Oeste. O estágio consistiu no estudo e monitoramento das redes internas da Unicentro e correspondeu a 280h. 1.1 Objetivos Conforme Plano de Estágio, figuraram como objetivos: 1. Fazer um levantamento do ambiente de rede existente que deve ser monitorado (principalmente servidores de DMZ); 2. Fazer estudo de protocolo de gerenciamento (principalmente o SNMP); e 3. Identificar ferramentas que possam fazer monitoramento de ambiente.

6 5 2 EMPRESA CONCEDENTE O Ensino Superior em Guarapuava iniciou em 1º de março de 1970, com a instalação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Guarapuava, FAFIG, com 4 cursos: Letras, Geografia, História e Matemática. Em 27 de outubro de 1976, o Presidente da República autorizou a instalação de mais dois cursos, sendo Ciências Licenciatura de 1º Grau e Pedagogia, e, em 1980, tiveram início os cursos de Administração e de Ciências Contábeis. Por meio da Lei nº 9295, de 13 de junho de 1990, foi instituída a Fundação Universidade Estadual do Centro-Oeste, com sede e foro na cidade de Guarapuava, entidade mantenedora da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Guarapuava, FAFIG, e da Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Irati, FECLI. Por meio do Decreto nº 3444, de 08 de agosto de 1997, publicado no Diário Oficial do Estado do Paraná nº 5.063, de 8 de agosto de 1997, foi reconhecida a Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO, com sede e Campus na cidade de Guarapuava e Campus na cidade de Irati. No Campus de Guarapuava, em julho de 1995, foram instalados os cursos de Análise de Sistemas e Ciências Econômicas; em 1997, os cursos de Química e Ciências Biológicas; em 1998 o curso de Engenharia de Alimentos; em 1999 os cursos de Nutrição e Enfermagem; em 2000 o curso de Fisioterapia; em 2001 os cursos de Filosofia, Serviço Social e Secretariado Executivo; em 2002 os cursos de Comunicação Social e Física e, em 2003 os cursos de Farmácia, Arte-Educação, Agronomia, Medicina Veterinária, além do curso seqüencial de Gestão Imobiliária. No ano de 2004, tiveram início os seguintes cursos seqüenciais: Administração de Micro e Pequenas Empresas, Gestão de Empreendimentos em Turismo Rural, Políticas Públicas e Gerência Municipal. A UNICENTRO situa-se na região Centro-Oeste do Estado, abrangendo 50 municípios, com uma população aproximada de 1 milhão de habitantes, ofertando, atualmente, 47 cursos de graduação no Campus de Guarapuava e 19 no Campus de Irati (alguns com mais de uma habilitação). Alguns cursos são ofertados também em campi avançados ligados a cada campus universitário.

7 6 3 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS As atividades desenvolvidas remetem aos objetivos especificados na Seção 1.1. Cada item será detalhado abaixo: 3.1 Fazer um levantamento do ambiente de rede existente que deve ser monitorado Como primeira atividade, foi necessário conhecer o ambiente de rede em funcionamento na Unicentro. A atenção principal foi dada aos servidores DMZ. A compreensão proveio de informações obtidas através de comunicações verbais com o Supervisor de Estágio. Por vezes, as explicações eram orientadas por esboços e esquemas gráficos. 3.2 Fazer estudo de protocolo de gerenciamento Em seguida, buscou-se conhecer aspectos teóricos de protocolos de gerenciamento. A ênfase de aspectos práticos foi dada ao protocolo SNMP. As informações de estudo provieram das pesquisas nas referências bibliográficas das disciplinas correlatas, especificadas na Seção 5 (STALLINGS, 2005; TANENBAUM, 2011; TORRES, 2009). Informações atualizadas e de natureza mais prática provieram de exaustivas pesquisas na Internet. Como as informações deste tema provieram de fontes dispersas e, a maioria, foi encontrada em fóruns da área, houve validação do conhecimento adquirido através de testes realizados pela acadêmica. Com isto, foi constante o auxílio tando do Supervisor quanto do Orientador de Estágio. 3.3 Identificar ferramentas que possam fazer monitoramento de ambiente Consistiu na etapa mais extenuante do estágio. Foi realizada pesquisa sobre as ferramentas de monitoramento existentes para ambientes de redes. Conforme

8 seleção realizada após a pesquisa, as seguintes ferramentas foram apresentadas ao Supervisor de Estágio: Cacti 1, Nagios 2 e Zabbix 3. Em comum acordo, optou-se pela ferramenta Nagios. Critérios que subsidiaram a escolha foram: 1. O monitoramento preciso proporcionado pela ferramenta; 2. A possibilidade de configurações diversas devido ao código aberto da ferramenta; 3. Preferência e conhecimento anteriores pelo Supervisor de Estágio. Realizada a escolha, a estagiária precisou investir esforços na compreensão do funcionamento da ferramenta. A curva de aprendizado foi lenta devido à fragmentação de informações sobre o Nagios. A instalação do Nagios e o respectivo monitoramento foi realizado através de máquinas virtuais com sistema operacional Debian. Não convinha expor a (segurança da) rede de toda uma universidade por motivo de um trabalho experimental. Informações dispersas sobre instalação, configuração e funcionamento conturbaram toda esta fase em específico. Exemplo disto foi a falta de retorno quando se tentava monitorar a máquina hospedeira (Windows 7). Não se sabia os reais motivos do Nagios não fornecer retorno. Foi investigado se era questão de falta de conhecimento sobre a ferramenta ou mal funcionamento propriamente dito. Foram realizadas insistentes tentativas. Uma forma de dar continuidade ao trabalho foi testar o monitoramento através de uma máquina virtual Debian. Posteriormente, foi realizada uma tentativa com o Windows Server Com o sucesso desta duas tentativas em especial descobriu-se, em suposição com o Supervisor de Estágio, que o problema residia na política de permissões do Windows 7 e dos nível de acesso do usuário habilitado para a estagiária. Com o sucesso destas operações, por fim, foram determinados quais serviços da rede podem ser monitorados: 1 Disponível em: 2 Disponível em: 3 Disponível em: 7

9 8 1. Ping; 2. Uso da memória primária; 3. Uso do processador; 4. Espaço em disco; 5. Estatística de usuários; 6. Fila de impressão; 7. Disponibilidade de uma página web; 8. Banco de Dados; 9. Entre outros. Informações detalhadas sobre o conhecimento construído com este estágio foram formalizadas em um relatório técnico presente no Apêndice A deste documento.

10 9 4 DIFICULDADES ENCONTRADAS A primeira dificuldade residiu nas limitações do convênio estabelecido entre a UTFPR e a Unicentro que inibem a realização de Estágio Obrigatório remunerado. Assim, o estágio foi realizado integralmente sem o recebimento de contraprestação financeira (voluntário). Consistiu em um fator de grande impacto para a motivação da acadêmica quanto estagiária. Além disto, percebeu-se, nas pesquisas necessárias para a condução do estágio, grande fragmentação de informações sobre o tema. Por se tratar de informações/tecnologias emergentes, a maioria das fontes consistiu em tópicos dispersos de fóruns sobre os conteúdos abordados. Inexistem referências práticas sobre os assuntos abordados na literatura da área. Desta forma, a maioria do conhecimento construído proveio de informações dispersas coletadas na Internet e devidamente validada pela acadêmica através de testes. Por fim, cita-se também que, diante da política de segurança adotada em resposta ao porte alcançado pela instituição (Unicentro), há restrições óbvias de acesso para a realização de um estágio. Trata-se de uma limitação bastante compreensível, visto que o acesso de um estagiário recém chegado poderia comprometer o funcionamento da rede.

11 10 5 DISCIPLINAS RELACIONADAS O estágio teve abrangência incisiva da área de Redes de Computadores e, durante a execução, não perdeu o foco inicialmente proposto. Identifica-se correlação das atividades desenvolvidas com os conteúdos abordados pela seguintes disciplinas, em respectiva ordem: 1. Redes de Computadores, Terceiro Período; 2. Gerência e Configuração de Serviços para Internet, Quarto Período; 3. Comunicação de Dados, Segundo Período. A afinidade do estágio desenvolvido com o curso de Tecnologia em Sistemas para Internet se justifica por incidir sobre a área de Redes de Computadores. Tal área corresponde a uma considerável fração das disciplinas do curso e esteve presente em todos os períodos cursados além do primeiro.

12 11 6 CONCLUSÃO Entendeu-se a atividade de Estágio Obrigatório como muito relevante dentro da grade curricular do curso de Tecnologia em Sistemas para a Internet. Tratou-se de uma oportunidade para um processo mais intenso de orientação e de amadurecimento acadêmico. Além disto, correspondeu também à possibilidade de acompanhar o cotidiano de um departamento de tecnologia tão bem consolidado quanto a COORTI da Unicentro. Foi rica a experiência tanto em âmbito interpessoal quanto em conhecimento de aspectos interpessoais e hierárquicos de uma universidade. Também se observou a importância do entrosamento e fluidez de uma equipe no desenvolvimento das atividades do departamento. No decorrer do estágio, percebeu-se a interconexão e a importância de temas tratados pelas disciplinas. Tanto que houve muita aplicação de conhecimentos anteriores, vistos em sala de aula, nos estudos para o monitoramento da rede. Dentro disto, teve destaque a importância do orientador para estabelecer o vínculo entre o conhecimento exigido em um estágio e formas de obtê-lo. Por fim, acredita-se que o estágio teve contribuição em entregar um acadêmico melhor preparado às atividades profissionais da área. Desta forma, torna-se o acadêmico melhor preparado para enfrentar a severa concorrência do mercado de trabalho atual.

13 12 REFERÊNCIAS STALLINGS, William. Redes e sistemas de comunicação de dados: teoria e aplicações corporativas. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, xvi, 449 p. ISBN TANENBAUM, Andrew S. Redes de computadores. 5.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, xvi, 582p. ISBN TORRES, Gabriel. Redes de Computadores Versão Revisada e Atualizada. 2.ed. :Novaterra, 2009, 800p. ISBN

14 13 APÊNDICE A TÍTULO DO APÊNDICE 1. Instalando e Configurando o Nagios 1) Dependências necessárias para instalação do Nagios e seus plugins Instala as dependências # apt-get -y install apache2 build-essential libgd2-xpm-dev # apt-get -y install libjpeg62 libjpeg62-dev libpng12-dev # apt-get -y install snmp libsnmp-base # apt-get -y install libssl-dev openssl # apt-get -y install mc rsh-server openssh-server # apt-get -y install php5 php-pear libsnmp9-dev rcconf # apt-get -y install libsasl2-2 libsasl2-modules sasl2-bin mutt postfix 2) Instalando o Nagios Cria usuário nagios com senha nagios # useradd -m -s /bin/bash nagios # passwd nagios Cria grupo nagios # groupadd nagios # usermod -G nagios nagios Baixa Nagios 3 # wget tar.gz ou # apt-get install nagios3 Descompacta nagios # tar xzf nagios tar.gz # cd nagios-3.2.1

15 14 Cria usuário nagiosadmin para acesso a web # htpasswd -c /usr/local/nagios/etc/htpasswd.users nagiosadmin Reinicia apache # /etc/init.d/apache2 restart 3) Já é possível acessar o Nagios via browser digitando (Utilizando o usuário nagiosadmin e senha definida acima.) 4) Instalando os plugins do Nagios Os plugins do Nagios são os responsáveis pelos comandos a serem executados nos servidores clientes, você pode instalar vários outros plugins ou até mesmo criar os seus. Vários plugins para Windows/Linux prontos: Baixa plugins do nagios # wget Descompacta plugins # tar -xvf nagios-plugins tar.gz Instalando o nagios-plugins #./configure --prefix=/usr/local/nagios --with-nagios-user=nagios --with-nagiosgroup=nagios # make # make install 5) Ajustes finais Altere a permissão do diretório Nagios # chown nagios.nagios -R /usr/local/nagios Reinicie os serviços do Apache e do Nagios

16 15 # /etc/init.d/apache2 restart # /etc/init.d/nagios restart 2. Configurando o Monitoramento Primeiro será necessário configurar os parâmetros simples para o monitoramento do Nagios, para posteriormente instalarmos os addons de checagens. Adicione as variáveis ao resouce.cfg. O arquivo resource.cfg é responsável por armazenar as configurações referentes as variáveis que serão utilizados para a checagem do Nagios, estas variáveis devem ser definidos para cada função específica pois elas serão utilizadas no arquivo commands.cfg. Nos arquivos secundários, onde estarão as informações que será utilizados posteriormente nos arquivos de monitoramento dos hosts. Para tal, acesse o diretório objects dentro do diretório Nagios: # cd /usr/local/nagios/etc/objects/ Já dentro do diretório objects, faça o backup do arquivo commands.cfg e crie um novo arquivo com o mesmo nome. O arquivo é responsável por armazenar as informações de checagem dos serviços, ligando os comandos fornecidos nos arquivos de checagem dos servidores aos plugins existentes no servidor Nagios: # mv commands.cfg commands.cfg.bkp # vim commands.cfg

17 16 Exemplo de configuração do arquivo commands.cfg: #### 'check-host-alive' command definition check-host-alive $USER1$/check_ping -H $HOSTADDRESS$ -w ,80% -c ,100% -p 5 #### Checando os principais servicos LOCAIS # Local HDD check_local_disk $USER1$/check_disk -w $ARG1$ -c $ARG2$ -p $ARG3$ # LOAD check_local_load $USER1$/check_load -w $ARG1$ -c $ARG2$ # PROCESS check_local_procs $USER1$/check_procs -w $ARG1$ -c $ARG2$ -s $ARG3$ # USERS check_local_users $USER1$/check_users -w $ARG1$ -c $ARG2$ # SWAP check_local_swap $USER1$/check_swap -w $ARG1$ -c $ARG2$ # MRTGTRAF check_local_mrtgtraf $USER1$/check_mrtgtraf -F $ARG1$ -a $ARG2$ -w $ARG3$ -c $ARG4$ -e $ARG5$ ####Checagem dos servicos # FTP check_ftp

18 17 $USER1$/check_ftp -H $HOSTADDRESS$ $ARG1$ # HPJD # SNMP # HTTP # SSH # DHCP # PING -p 5 check_hpjd $USER1$/check_hpjd -H $HOSTADDRESS$ $ARG1$ check_snmp $USER1$/check_snmp -H $HOSTADDRESS$ $ARG1$ check_http $USER1$/check_http -I $HOSTADDRESS$ $ARG1$ check_ssh $USER1$/check_ssh $ARG1$ $HOSTADDRESS$ check_dhcp $USER1$/check_dhcp $ARG1$ check_ping $USER1$/check_ping -H $HOSTADDRESS$ -w $ARG1$ -c $ARG2$ # PING GOOGLE check_google $USER1$/check_ping -H -w 60,70% -c 80,90% # POP # IMAP # SMTP check_pop $USER1$/check_pop -H $HOSTADDRESS$ $ARG1$ check_imap $USER1$/check_imap -H $HOSTADDRESS$ $ARG1$ check_smtp $USER1$/check_smtp -H $HOSTADDRESS$ $ARG1$

19 18 # TCP # UDP check_tcp $USER1$/check_tcp -H $HOSTADDRESS$ -p $ARG1$ $ARG2$ check_udp $USER1$/check_udp -H $HOSTADDRESS$ -p $ARG1$ $ARG2$ # NT $ARG2$ ####COMANDOS ADICIONAIS # DISCO check_nt $USER1$/check_nt -H $HOSTADDRESS$ -p v $ARG1$ check_disk $USER1$/check_disk -w limit -c limit -t 5 # IMPRESSORA HP check_hp_print $ARG3$ $ARG4$ $ARG5$ $ARG6$ $USER1$/check_hp_print -H $HOSTADDRESS$ $ARG1$ $ARG2$ # TERMINAL SERVICE check_ts $USER$/check_ts -H $HOSTADDRESS$ -p 3389 # PRINTERS $ARG2$ $ARG3$ $ARG4$ # WIRETEMP check_printer $USER1$/check_printer $HOSTADDRESS$ $USER8$ $ARG1$ check_1-wiretemp $USER1$/custom/check_1-wiretemp -c $ARG1$ -w $ARG2$ -W$ARG3$ -C$ARG4$ -i $ARG5$ -o $ARG6$ # NRPE check_nrpe $USER1$/check_nrpe -H $HOSTADDRESS$ -c $ARG1$ # OPENVPN check_openvpn /usr/lib/nagios/plugins/check_openvpn -t $ARG1$ -p $ARG2$ -n $ARG3$ # SQUID

20 19 check_squid $USER1$/check_squid.pl -u -p $HOSTADDRESS$ -l o usuario -m senha -e 200 # SAMBA # WINTEMP check_samba $USER1$/check_samba -L $HOSTADDRESS$ check_snmp_wintemp $USER1$/check_snmp_wintemp -L $HOSTADDRESS$ # 3COM check_3com $USER1$/check_3com.pl -H $HOSTADDRESS$ -C $ARG1$ -u $ARG2$ # SWITCH UPTIME define command { check_switch_uptime $USER1$/check_switch_uptime.pl -H $HOSTADDRESS$ -C $ARG1$ -w $ARG2$ -c $ARG3$ # MEMORIA define command { check_mem $USER1$/check_mem -w $ARG1$ -c $ARG2$ # MRTG define command { check_mrtgtraf $USER1$/check_mrtgtraf -F $ARG1$ -a $ARG2$ -w $ARG3$ -c $ARG4$ -e $ARG5$ # NAGIOSGRAPHER process-service-perfdata-file mv /usr/local/nagios/var/service-perfdata /usr/local/nagios/var/service-perfdata.$timet$ Ainda no diretório objects, faça o backup do arquivo timeperiods.cfg e crie um novo arquivo com o mesmo nome. O arquivo timeperiods.cfg é responsável por armazenar as informações relativas as períodos de tempos utilizados na checagem. Os períodos de tempos setados aqui, serão utilizados na configuração de cada serviço nos arquivos de checagem dos servidores: Exemplo de configuração do arquivo timeperiods.cfg:

21 20 #### Arquivo TIMEPERIODS.cfg # TEMPO INTEGRAL 24x7 define timeperiod{ timeperiod_name 24x7 alias 24 Hours A Day, 7 Days A Week sunday 00:00-24:00 monday 00:00-24:00 tuesday 00:00-24:00 wednesday 00:00-24:00 thursday 00:00-24:00 friday 00:00-24:00 saturday 00:00-24:00 # HORARIO DE TRABALHO TOTAL define timeperiod{ timeperiod_name workhours alias Normal Work Hour monday 09:00-21:00 tuesday 09:00-21:00 wednesday 09:00-21:00 thursday 09:00-21:00 friday 09:00-21:00 # HORARIO COMERCIAL define timeperiod{ timeperiod_name comercial alias Horario Comercial monday 08:00-17:40 tuesday 08:00-17:40 wednesday 08:00-17:40 thursday 08:00-17:40 friday 08:00-17:40 # NONE define timeperiod{ timeperiod_name none alias No Time Is A Good Time Faça o backup também do arquivo contacts.cfg, e crie um arquivo em branco com o mesmo nome. Este arquivo é responsável por armazenar as informações dos grupos e contatos que receberão os s de alertas do Nagios. Com isso é possível que somente um determinado grupo de usuários do Nagios receba por exemplo notificações de que serviços críticos ou servidores saíram do ar, assim dimensionando os alertas para cada camada do respectivo departamento ou filial: Exemplo de configuração do arquivo contacts.cfg: #### Arquivo contacts.cfg # CONTATOS define contact{ contact_name nagios use generic-contact

22 21 alias Nagios Admin # GRUPOS DE CONTATOS define contactgroup{ contactgroup_name admins alias Nagios Administrators members Nagios 3. Instale o SNMP no servidor Nagios # cd.. # apt-get install snmp # apt-get install snmpd # wget 5.6.tar.gz/download -O net-snmp-5.6.tar.gz # tar xzf net-snmp-5.6.tar.gz # cd net-snmp-5.6 #./configure # make # make install # tar xzf nagios-snmp-plugins tgz C /usr/src/ #./configure # make # make install Teste o funcionamento do plugin no servidor: # /usr/local/nagios/libexec/check_nrpe H ip_servidor NRPE v Adicionando servidores Linux ao Nagios Para melhor organização, crie alguns diretórios dentro do diretório /usr/local/nagios/etc, onde serão armazenados os arquivos de configurações dos servidores e ativos monitorados, neste caso monitoraremos nossos servidores, switchs e impressoras de rede. Acesse o diretório servidores que você havia criado, e crie um arquivo com o nome do servidor a ser monitorado. Existe várias definições que podem ser utilizadas no arquivo de monitoramento de um servidor linux. A primeira configuração a ser adicionada ao arquivo de monitoramento do servidor é a Definição do Host.

23 22 ### Definicoes do Host ### define host{ use generic-host host_name srv-linux alias Servidor Linux address parents 3Com_4200,srv-proxy check_command check-host-alive max_check_attempts 2 check_interval 1 notification_interva 1 notification_period 24x7 notification_options d,u,r No arquivo de configuração do servidor, deve ser informado a que grupo este pertencerá, esta configuração é efetuada em apenas um dos arquivos de configuração dos servidores pertencentes a este grupo, sendo que nesta configuração serão adicionados todos os nomes dos servidores pertencentes a este grupo, como no exemplo a seguir: ### Grupo ### define hostgroup{ hostgroup_name alias members linux-servers Servidores Linux srv-linux,srv-linux_2 A configuração é dividida em partes (e em arquivos) sendo elas: 1) nagios.cfg: arquivo base do Nagios; 2) commands.cfg: contém todas as definições de comandos, parâmetros necessários para as checagens; 3) contacts.cfg: define os contatos e os grupos de contatos para notificações; 4) templates.cfg: define as opções genéricas para todos os objetos a serem monitorados. Por exemplo você pode criar um template para monitorar impressoras, nesse template você define que o tipo de notificação será somente nos casos de Down. Lembre-se, a opção register deve sempre estar setada como 0. 5) timeperiods.cfg: define os dias e horas que os serviços serão monitorados. Você pode definir que um serviço seja monitorado dàs 8:00 até às 18:00. Eventos fora desse período não serão alertados. Sendo assim, é necessário saber o seguinte

24 23 para efetuar a configuração: (1) Todo host, tem que ter um template para ele, por padrão usa-se o template genérico de hosts, ele atende em 90% dos casos. (2) Todo serviço tem que ter um host associado a ele, que por sua vez também tem que ter um template genérico para ele. (3) Todo comando deve ser especificado no arquivo commands.cfg (é como se fosse o template do comando), lá já existem alguns comandos prontos para uso. # /usr/local/nagios/etc/object localiza-se os arquivos de configuração. É a partir daqui que se faz as alterações no Nagios. # /usr/local/nagios/etc/nagios.cfg é o caminho de configuração do Nagios. Onde será colocado os caminhos dos arquivos dos equipamentos a serem monitorados. O Nagios monitora tanto hosts como serviços. Por exemplo, você tem um servidor web e por algum motivo o serviço de http cai, mais a máquina fica online, um alerta é gerado, e uma ação por parte do sysadmin é tomada. Os monitores de serviços são scripts criados em diversas linguagens, que retornam os valores para o Nagios e esse por sua vez trata os valores como estados que são eles: 1) OK 2) WARNING 3) UNKNOWN 4)CRITICAL 5. Comandos de verificação O Nagios funciona com scripts que faz a verificação de hosts, serviços. Na instalação, todos os scripts ficam no diretório /usr/lib/nagios/plugins. O arquivo commands.cfg é responsável por parametrizar os comandos de checagem, sendo assim quando na opção check_command é definido check_ping. Por exemplo, o Nagios busca as informações (path, arguimentos requeridos etc ) sobre o plugin. Todas as linhas são auto explicativas e bem parecidas com as anteriores, o que vale dizer é: $USER1$: é o path dos scripts, $ARG1$: o primeiro argumento passado ao script, esse número de argumentos é infinito e por ultimo $HOSTADDRESS$: é o endereço da máquina, ele pega esse valor da definição do host.

25 24 Vale lembrar que antes de definir um serviço você deve dar uma olhada no commands.cfg e no diretório /usr/lib/nagios/plugins para ver quais scripts estão disponíveis para o uso. 6. Monitorando o Window Para monitorar o Windows, precisa instalar Cliente NSClient Que será responsável por buscar informações sobre o que está se monitorando. Instalação do NSClient ++: 1. Na primeira tela clicar em next; 2. Na segunda tela, marcar a opção I accept the terms in the License Agreement ; 3. Na terceira tela, escolher a opção Complete ; 4. Na quarta tela, marcar a opção Allow all users to write config file ; 5. Na quinta tela informar o ip e senha do Nagios, e marcas as opções: Enable common check plugins, Enable nsclient server (check_nt), Enable NRPE server (check_nrpe), e Enable WMI checks. 6. Na sexta tela, instalar o programa e finalizar. Após o termino da instalação. Confirme se o serviço está funcionando. Entre no painel de controle, depois em ferramentas administrativas, servições e escolha o NSClient ++. # /usr/local/nagios/etc/objects/windows.cfg #### HOST DEFINITIONS define host{ use windows-server host_name winserver alias My Windows Server address #### HOST GROUP DEFINITIONS 1 Disponível em:

26 25 define hostgroup{ hostgroup_name windows-servers alias Windows Servers #### SERVICE DEFINITIONS define service{ use generic-service host_name winserver service_description NSClient++ Version check_command check_nt!clientversion define service{ use generic-service host_name winserver service_description Uptime check_command check_nt!uptime define service{ use generic-service host_name winserver service_description CPU Load check_command check_nt!cpuload!-l 5,80,90 define service{ use generic-service host_name winserver service_description Memory Usage check_command check_nt!memuse!-w 80 -c 90 define service{ use generic-service host_name winserver service_description C:\ Drive Space check_command check_nt!useddiskspace!-l c -w 80 -c 90 define service{ use generic-service host_name winserver service_description W3SVC check_command check_nt!servicestate!-d SHOWALL -l W3SVC define service{ use generic-service host_name winserver service_description Explorer check_command check_nt!procstate!-d SHOWALL -l explorer.exe

27 26 Se possuir a necessidade de um arquivo pré configurado com alguns serviços p a r a m o n i t o r a m e n t o d o w i n d o w s, e x i s t e u m p r é c o n f i g u r a d o : /usr/share/doc/nagios3-common/examples/template-object/windows.cfg O arquivo pré configurado, precisa ser substituído as informações da maquina windows. E após iniciar você percebera que o Explorer não vai ter retorno. Você precisa editar o arquivo # windows.cfg e mudar o check_command para explorer.exe o que antes era Explorer.exe. Assim começara a funcionar esse serviço também. Após configurar o arquivo que possui os serviços, só restartar o Nagios, agora o Windows já está sendo monitorado.

28 27 ANEXO A TERMO DE ACORDO Eu, Edson Gardin, Supervisor de Estágio, estou de pleno acordo com as atividades desenvolvidas e descritas neste relatório pelo estagiário Carolina Moreira Oliveira, no cargo de estagiária na empresa, no período de 10/09/2012 a 21/12/2012, na empresa. Guarapuava, 25 de Junho de Carimbo e assinatura do Supervisor de Estágio

Nagios Trabalhando em Maquina Virtual

Nagios Trabalhando em Maquina Virtual Nagios Trabalhando em Maquina Virtual Anderson Rodrigo Antunes Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2010 Resumo Este

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX DEBIAN 6.0

INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX DEBIAN 6.0 INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX DEBIAN 6.0 Gerson Ribeiro Gonçalves www.websolutti.com.br MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO NAGIOS DEBIAN 1. INSTALANDO NAGIOS-CORE Para todo administrador

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX CENTOS 5.7

INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX CENTOS 5.7 INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX CENTOS 5.7 Gerson Ribeiro Gonçalves www.websolutti.com.br MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO NAGIOS CENTOS 1. INSTALANDO NAGIOS-CORE Para todo administrador

Leia mais

Por padrão o Nagios é instalado em /usr/local/nagios. Os próximos passos são: # make install-ini -> para instalar o script de inicialização do nagios.

Por padrão o Nagios é instalado em /usr/local/nagios. Os próximos passos são: # make install-ini -> para instalar o script de inicialização do nagios. Introdução Nagios é um programa open source de monitoramento de redes que verifica constantemente a disponibilidade do serviço, local ou remoto e avisa por meio de email ou celular sobre o problema ocorrido.

Leia mais

Monitoramento de Servidores e Infraestruturas

Monitoramento de Servidores e Infraestruturas Monitoramento de Servidores e Infraestruturas Aprenda como implementar um completo monitoramento do parque computacional e da rede de sua empresa, de maneira profissional PAULO ROBERTO JUNIOR HTTP://WWW.PAULOJR.INFO

Leia mais

Instalação e Configuração do Nagios

Instalação e Configuração do Nagios Instalação e Configuração do Nagios O NAGIOS é um poderoso monitorar de Rede. Com ele é possível verificar o status de equipamentos ou da rede toda. Também é possível criar grupos de usuários para receber

Leia mais

Monitorando. Serviços. com

Monitorando. Serviços. com Monitorando Serviços com Aluno: Higor Leonardo Ribeiro Barbosa SI-III Noturno Introdução: Nagios, aplicativo que essencialmente monitora ativos e serviços de rede. Algumas das características do Nagios

Leia mais

Descrição do Contexto Mostrar a necessidade de se usar essa ferramenta para monitoramento de rede e suas principais funcionalidades.

Descrição do Contexto Mostrar a necessidade de se usar essa ferramenta para monitoramento de rede e suas principais funcionalidades. Avaliação da Ferramenta Nagios Diego Graciano Damacena Pós Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro de 2013 1 Introdução Este artigo o objetivo

Leia mais

Rede sob Controle com o NAGIOS

Rede sob Controle com o NAGIOS Rede sob Controle com o NAGIOS Carlos Coletti Assessoria de Informática carlos@unesp.br Agenda Conceitos de Monitoramento Nagios: histórico e funcionamento Instalação Os Arquivos de Configuração A Interface

Leia mais

Palestra Nagios. Anderson Jacson contato@andersonjacson.com.br

Palestra Nagios. Anderson Jacson contato@andersonjacson.com.br Palestra Nagios Anderson Jacson contato@andersonjacson.com.br O que é? Nagios é uma poderosa aplicação de monitoração de rede de código aberto, distribuída sob a licença GPL. Ele pode monitorar tanto hosts

Leia mais

Necessidades de Gerenciamento: Software de Gerenciamento:

Necessidades de Gerenciamento: Software de Gerenciamento: Necessidades de Gerenciamento: - Por menor e mais simples que seja, uma rede de computadores precisa ser gerenciada a fim de garantir, aos seus usuários, a disponibilidade de serviços a um nível de desempenho

Leia mais

Gerência de falhas, configuração e desempenho dos ativos de redes, servidores e serviços da Cooperativa Agropecuária Castrolanda. Alex Martins Garcia

Gerência de falhas, configuração e desempenho dos ativos de redes, servidores e serviços da Cooperativa Agropecuária Castrolanda. Alex Martins Garcia Gerência de falhas, configuração e desempenho dos ativos de redes, servidores e serviços da Cooperativa Agropecuária Castrolanda Alex Martins Garcia Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Leia mais

Monitorando Redes com o Nagios. Autor: Leonardo Henrique Machado

Monitorando Redes com o Nagios. Autor: Leonardo Henrique Machado Monitorando Redes com o Nagios Autor: Leonardo Henrique Machado Apresentação Recém formado em Ciência da Computação Estágio na administração da Rede do DCC/UFMG (implantação do Nagios) Monitoramento de

Leia mais

Relatório de Estágio no âmbito da Componente de Formação em Contexto de Trabalho

Relatório de Estágio no âmbito da Componente de Formação em Contexto de Trabalho Instituto Politécnico de Coimbra Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Curso de Especialização Tecnológica Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Relatório de Estágio no âmbito

Leia mais

Marcio José Atanásio. NAGIOS APLICADO Funções e configurações voltadas à aplicabilidade

Marcio José Atanásio. NAGIOS APLICADO Funções e configurações voltadas à aplicabilidade Marcio José Atanásio NAGIOS APLICADO Funções e configurações voltadas à aplicabilidade Outubro 2014 O Autor Marcio José Atanásio atua deste o ano de 2001 com informatica nos seguimentos de servidores,

Leia mais

O verdadeiro grande irmão

O verdadeiro grande irmão CAPA Vigilância de sistemas O verdadeiro grande irmão O versátil Nagios monitora sua rede através de plugins, e emite alertas antes que haja problemas com máquinas e serviços. Aprenda em profundidade como

Leia mais

Cacti. Dependências básicas Antes de instalar o Cacti é necessário realizar a instalação de suas dependências.

Cacti. Dependências básicas Antes de instalar o Cacti é necessário realizar a instalação de suas dependências. Cacti Segundo o site www.cacti.org, o Cacti é uma solução gráfica completa de rede desenvolvida para aproveitar o poder de armazenamento e funcionalidades gráficas do RRDTool's. Trata-se de uma interface

Leia mais

Implementação da ferramenta NAGIOS em uma rede corporativa de uma instituição financeira. Eider Jackson Conzatti

Implementação da ferramenta NAGIOS em uma rede corporativa de uma instituição financeira. Eider Jackson Conzatti Implementação da ferramenta NAGIOS em uma rede corporativa de uma instituição financeira. Eider Jackson Conzatti Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo Sistemas de Monitoração de Rede Roberto Majewski Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2009 Resumo Com o grande crescimento da

Leia mais

Análise do Monitoramento de Redes com Software Livre Utilizando Nagios

Análise do Monitoramento de Redes com Software Livre Utilizando Nagios Análise do Monitoramento de Redes com Software Livre Utilizando Nagios Thiago Guimarães Tavares 1 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFTO) Araguatins TO Brasil {thiagogmta}@gmail.com

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh.

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh. CIn/UFPE Sistemas de Informação Redes de Computadores Professor: Kelvin Lopes Dias Monitor: Edson Adriano Maravalho Avelar {kld,eama}@cin.ufpe.br Instalando o POSTFIX. Este tutorial irá mostrar como instalar

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Introdução ao Sistema. Características

Introdução ao Sistema. Características Introdução ao Sistema O sistema Provinha Brasil foi desenvolvido com o intuito de cadastrar as resposta da avaliação que é sugerida pelo MEC e que possui o mesmo nome do sistema. Após a digitação, os dados

Leia mais

Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura

Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura Raphael Celuppi Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Setembro 2009 Sumário

Leia mais

Montagem e Configuração de Redes de Computadores

Montagem e Configuração de Redes de Computadores Montagem e Configuração de Redes de Computadores Servidores http, ftp e dhcp Prof. Rodrigo Rocha http://www.bolinhabolinha.com Windows 2003 WebServer (IIS) Iniciar ferramentas administrativas gerenciar

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO LINUX ESSENTIALS Presencial (40h) - À distância (48h) Conhecendo um Novo Mundo Introdução ao GNU/Linux Distribuições GNU/Linux Linux Inside: Instalação Desktop Debian e CentOS Primeiros

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

Guia de instalação para ambiente de Desenvolvimento LINUX

Guia de instalação para ambiente de Desenvolvimento LINUX Guia de instalação para ambiente de Desenvolvimento LINUX Conteúdo deste manual Introdução O guia de instalação... 3 Capítulo 1 Instalando o servidor Web Apache... 4 Teste de instalação do Apache... 9

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA #20 Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA VITEC Versão 1.0 Agosto/2007 1 Revisões Versão Data Descrição 1.0.0 03/08/2007 Elaboração do Manual. Página 2 de 18 Índice 1 REVISÕES... 2 2 PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Utilizando conversor Serial/Ethernet com Mini-Impressora DR600/DR700.

STK (Start Kit DARUMA) Utilizando conversor Serial/Ethernet com Mini-Impressora DR600/DR700. STK (Start Kit DARUMA) Utilizando conversor Serial/Ethernet com Mini-Impressora DR600/DR700. Neste STK mostraremos como comunicar com o conversor Serial/Ethernet e instalar o driver Genérico Somente Texto

Leia mais

Manual de Utilização do ZABBIX

Manual de Utilização do ZABBIX Manual de Utilização do ZABBIX Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Laboratório de Software Livre 29 de junho de 2009 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Pré-requisitos

Leia mais

OPCEM 1.0. Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1

OPCEM 1.0. Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1 OPCEM 1.0 Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1 OpCEM CONCEITO... 4 REQUISITOS MÍNIMOS... 4 INSTALANDO... 4 CONHECENDO A INTERFACE DO OPCEM... 7 CONFIGURAÇÃO DO GERENCIADOR... 7 ADICIONAR NOVO ROBÔ...

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Italo Valcy Monitor: Marcio Bouças

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Italo Valcy Monitor: Marcio Bouças III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Italo Valcy Monitor: Marcio Bouças Cenário: A máquina curso-monitoramento possui os softwares de gerencia

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

Manual do Usuário. Instalação via Terminal. SIGA-ADM versão 12.06

Manual do Usuário. Instalação via Terminal. SIGA-ADM versão 12.06 Manual do Usuário Instalação via Terminal SIGA-ADM versão 12.06 Projeto SIGA-EPT Manual do Usuário Instalação via Terminal Introdução Este manual objetiva explicitar os procedimentos e ferramentas necessárias

Leia mais

Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5

Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5 Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5 Última revisão feita em 02 de Setembro de 2008. Objetivo Neste artigo iremos conhecer um dos cinco componentes do MDOP 2008. Você vai aprender sobre o Advanced

Leia mais

Alternate Technologies Fevereiro/2013. FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 (Fevereiro/2013)

Alternate Technologies Fevereiro/2013. FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 (Fevereiro/2013) FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 () 1 Sumário: PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO VERSÃO 5.8... 4 ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA VIA CD... 6 1º Passo Atualizações e Alterações da Versão 5.8...

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Configuração do Servidor Samba como controlador primário de domínio (PDC). O objetivo desse roteiro é mostrar como configurar um servidor Samba PDC compartilhando o diretório home, impressora e um diretório

Leia mais

LABORATÓRIO 3 (parte 1)

LABORATÓRIO 3 (parte 1) FACULDADE PITÁGORAS Tecnólogo em Redes de Computadores Desempenho de Redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca LABORATÓRIO 3 (parte 1) OBJETIVOS Verificar e manipular ferramentas de desempenho

Leia mais

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações Manual de Instalação de Telecentros Comunitários Ministério das Comunicações As informações contidas no presente documento foram elaboradas pela International Syst. Qualquer dúvida a respeito de seu uso

Leia mais

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador.

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador. Cacti é uma ferramenta gráfica de gerenciamento de dados de rede que disponibiliza a seus usuários uma interface intuitiva e bem agradável de se usar, sendo acessível a qualquer tipo de usuários. Este

Leia mais

Você pode testar se está tudo OK, abrindo um navegador no Debian Linux e acessando qualquer site.

Você pode testar se está tudo OK, abrindo um navegador no Debian Linux e acessando qualquer site. Você pode testar se está tudo OK, abrindo um navegador no Debian Linux e acessando qualquer site. Foi necessário configurar esse segundo adaptador, porque talvez seja necessário fazer o download de alguma

Leia mais

#apt-get install make flex gcc gpp apache2 php5 php5-pgsql postgresql-8.4 libapache2-mod-php5 php5-gd php-net-socket postgres

#apt-get install make flex gcc gpp apache2 php5 php5-pgsql postgresql-8.4 libapache2-mod-php5 php5-gd php-net-socket postgres no Debian 6.0 Instalação do Zabbix (Sistema de Gerenciamento de Rede) Utilizando o terminal do linux digite o comando abaixo: #apt-get install make flex gcc gpp apache2 php5 php5-pgsql postgresql-8.4 libapache2-mod-php5

Leia mais

Curso de Engenharia de Computaç ão GERENCIAMENTO EM REDES UTILIZANDO A FERRAMENTA NAGIOS

Curso de Engenharia de Computaç ão GERENCIAMENTO EM REDES UTILIZANDO A FERRAMENTA NAGIOS Curso de Engenharia de Computaç ão GERENCIAMENTO EM REDES UTILIZANDO A FERRAMENTA NAGIOS Ricardo Luiz de Oliveira Itatiba São Paulo Brasil Dezembro de 2007 ii Curso de Engenharia de Computaç ão GERENCIAMENTO

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Samba Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Conhecido também como servidor de arquivos; Consiste em compartilhar diretórios do Linux em uma rede Windows e visualizar compartilhamentos

Leia mais

Trabalho na 4Linux a 2 anos, e mexo com Linux a 5 anos.

Trabalho na 4Linux a 2 anos, e mexo com Linux a 5 anos. 2 / 15 Apresentação Vinicius Pardini Trabalho na 4Linux a 2 anos, e mexo com Linux a 5 anos. Certificações: LPI nível 2. Novell CLA e DCTS. Cursos que leciono: 450/451/452 Cursos da Formação (Modalidade

Leia mais

Projeto Amadeus. Guia de Instalação 00.95.00 Linux

Projeto Amadeus. Guia de Instalação 00.95.00 Linux Projeto Amadeus Guia de Instalação 00.95.00 Linux Agosto 2010 Sumário 1. Introdução...3 2. Pré-Requisitos...4 2.1 Máquina Virtual Java...4 2.1.1 Instalando JDK via apt-get...4 2.1.2 Instalando JDK a partir

Leia mais

Funcionalidades da ferramenta zabbix

Funcionalidades da ferramenta zabbix Funcionalidades da ferramenta zabbix Jordan S. Romano¹, Eduardo M. Monks¹ ¹Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves,

Leia mais

Proxyarp O Shorewall não exige qualquer configuração

Proxyarp O Shorewall não exige qualquer configuração SEGURANÇA Firewall fácil com o Shorewall Domando o fogo, parte 2 Na segunda parte de nosso tutorial de uso do poderoso Shorewall, aprenda a criar um firewall mais complexo e a proteger sua rede com muita

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INSTALANDO O SAMBA... 3 Verificando a versão... 3 Criando uma cópia do servidor samba original... 3 COMPARTILHAMENTOS

Leia mais

Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM

Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM Revisando Instalação do Squid - # apt-get install squid Toda a configuração do Squid é feita em um único arquivo, o "/etc/squid/squid.conf". Funcionamento

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi ENDIAN FIREWALL COMMUNITY 2.5.1 OURINHOS-SP 2012 HOW-TO

Leia mais

2 horas são de ambientação para apresentação do curso, do plano de aula TripleClass e do ambiente de ensino à distância da 4Linux, chamado NetClass.

2 horas são de ambientação para apresentação do curso, do plano de aula TripleClass e do ambiente de ensino à distância da 4Linux, chamado NetClass. Carga Horária A carga horária do curso varia de acordo com a modalidade: Curso presencial: 40 horas Noturno: 2 semanas de segunda a sexta, 4 horas diárias. Diurno: 1 semana de segunda a sexta, 8 horas

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

ESET Remote Administrator ESET EndPoint Solutions ESET Remote Adminstrator Workgroup Script de Logon

ESET Remote Administrator ESET EndPoint Solutions ESET Remote Adminstrator Workgroup Script de Logon AGENDA 1. Download dos pacotes de instalação ESET Remote Administrator 2. Download dos pacotes de instalação ESET EndPoint Solutions 3. Procedimento de instalação e configuração básica do ESET Remote Adminstrator

Leia mais

5/7/2010. Apresentação. Introdução. Ponto de vista do usuário. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

5/7/2010. Apresentação. Introdução. Ponto de vista do usuário. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Servidor Web Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Servidor Web

Leia mais

LABORATÓRIO 3 (parte 2)

LABORATÓRIO 3 (parte 2) FACULDADE PITÁGORAS Tecnólogo em Redes de Computadores Desempenho de Redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca LABORATÓRIO 3 (parte 2) OBJETIVOS Verificar e manipular ferramentas de desempenho

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Perguntas iniciais O que você precisa colocar para funcionar? Entender a necessidade Tens servidor específico

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO ZABBIX PROXY EM AMBIENTE DEBIAN

INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO ZABBIX PROXY EM AMBIENTE DEBIAN INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO ZABBIX PROXY EM AMBIENTE DEBIAN Carlos Alberto Teixeira Magalhães carlos.alberto.tm@gmail.com - LinkedIn: http://va.mu/empc.: Última Alteração: 30/MAR/2014 :. (0) NOÇÕES QUE

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Elaborado por: Alexandre Faria de Oliveira Março de 2013 1 P á g i n a Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão Geral...

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) MARÇO/2012

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) MARÇO/2012 PROCEDIMENTOS BÁSICOS DE CONFIGURAÇÃO DO SERVIÇO APACHE NO SERVIDOR LINUX - DEBIAN COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) MARÇO/2012 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001.

Leia mais

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian.

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Pré requisitos para pratica desse tutorial. Saber utilizar maquina virtual no virtual Box ou vmware. Saber instalar ubuntu ou debian na maquina virtual.

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

LABORATÓRIO 0 Revisão GNU/Linux

LABORATÓRIO 0 Revisão GNU/Linux FACULDADE PITÁGORAS Tecnólogo em Redes de Computadores Redes Sem fio Prof. Ulisses Cotta Cavalca LABORATÓRIO 0 Revisão GNU/Linux OBJETIVOS Rever os principais comandos do sistema

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO. LSoft Ponto Eletrônico

MANUAL DE INSTALAÇÃO. LSoft Ponto Eletrônico MANUAL DE INSTALAÇÃO LSoft Ponto Eletrônico SUPORTE TÉCNICO AO USUÁRIO: Atendimento On-line: www.lsoft.com.br E-Mail: suporte@lsoft.com.br (37) 3237-8900 Versão 1.0-2014. Todos os direitos reservados.

Leia mais

1. DHCP a. Reserva de IP

1. DHCP a. Reserva de IP Configuração de recursos do roteador wireless Tenda 1. DHCP a. Reserva de IP Ao se conectar uma rede que possua servidor DHCP, o host recebe um IP dentro da faixa de distribuição. A cada conexão, o host

Leia mais

Guia de Instalação e Configuração do Noosfero

Guia de Instalação e Configuração do Noosfero Guia de Instalação e Configuração do Noosfero Índice Instalação e Configuração do Noosfero...3 Instalação das dependências principais do Noosfero no Debian 7...3 Instalação do PostFix e SASL...3 Configuração

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4 Índice Introdução Librix...3 Software Livre...3 Manual Eletrônico...3 Opções de Suporte...3 Dicas para a Instalação Configuração de Dispositivos Básicos...4 Teclado...4 Mouse...5 Vídeo...5 Rede...6 Configuração

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I e II MONITORAMENTO DE SERVIDORES

ESTÁGIO CURRICULAR I e II MONITORAMENTO DE SERVIDORES RAFAEL WRUCK ESTÁGIO CURRICULAR I e II MONITORAMENTO DE SERVIDORES EMPRESA: TOTVS S.A. SETOR: TDI SUPERVISOR: JACSON LUIS BAIA ORIENTADOR: ADRIANO FIORESE CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Leia mais

Fundamentos dos protocolos internet

Fundamentos dos protocolos internet Fundamentos dos protocolos internet - 2 Sumário Capítulo 1 Fundamentos dos protocolos internet...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.2. Troubleshooting...

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Instalando a App Windows 8 Daruma e emitindo cupons em uma Impressora Fiscal

STK (Start Kit DARUMA) Instalando a App Windows 8 Daruma e emitindo cupons em uma Impressora Fiscal STK (Start Kit DARUMA) Instalando a App Windows 8 Daruma e emitindo cupons em uma Impressora Fiscal Neste STK apresentaremos como instalar a APP Windows 8 Daruma em um tablet Surface com Windows 8 e como

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES Filipe Herbert da Silva 1, Marco Aurélio G. de Almeida 1, Jonhson de Tarso Silva 1, Karina Buttignon 1 1 Fatec Guaratinguetá,

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação Pfsense Introdução e Instalação Introdução A utilização de um firewall em uma rede de computadores possui o objetivo básico de proteção relacionado a entrada e saída de dados. Introdução O pfsense é um

Leia mais

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM LINUX. SalvadorAlvesdeMeloJúnioreIsmaelSouzaAraújo

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM LINUX. SalvadorAlvesdeMeloJúnioreIsmaelSouzaAraújo ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM LINUX SalvadorAlvesdeMeloJúnioreIsmaelSouzaAraújo INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Salvador Alves de Melo Júnior e Ismael Souza Araújo Salvador Alves de Melo Júnior: Mestre

Leia mais

Manual de Instalação do UTM Zeus

Manual de Instalação do UTM Zeus Manual de Instalação do UTM Zeus 1 Índice. 1. Prefácio. 2. Onde eu baixo a última versão do Zeus? 3. O que é cada um dos módulos? 4. Passo a passo a instalação. 2 1. Prefácio Ao longo dos últimos anos

Leia mais

Instalação do Sistema. Treinamento OTRS Help Desk

Instalação do Sistema. Treinamento OTRS Help Desk Instalação do Sistema Treinamento OTRS Help Desk Sumário Instalação... 3 Recomendações...3 Requisitos de Instalação...5 Preparando a Instalação no CentOS 6.5 (64 bits)...5 Preparando a Instalação no Ubuntu

Leia mais

Tutorial de Instalação

Tutorial de Instalação Tutorial de Instalação Instalação do Sneplivre 1.3.8 (fonte) em Asterisk 1.4.44 Distribuição Linux Debian Squeeze 6.0.5 (64 bits) Elaborado por: Urik B. da Silva E-mail: urikbs@gmail.com Atualizado em:

Leia mais

O que é uma rede de computadores?

O que é uma rede de computadores? O que é uma rede de computadores? A rede é a conexão de duas ou mais máquinas com objetivo de compartilhar recursos entre elas. Os recursos compartilhados podem ser: Compartilhamento de conteúdos do disco

Leia mais

EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN

EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN Palmas 2006 EVILÁCIO RODRIGUES VIEIRA JUNIOR CONSTRUÇÃO DE REDE VPN ATRAVÉS DA FERRAMENTA OPENVPN Trabalho apresentado

Leia mais

GERENCIAMENTO ESTUDO SOBRE FERRAMENTAS DE MONITORAMENTO DE REDES. 1. TIVOLI 1.1 Conceitos Básicos do Tivoli

GERENCIAMENTO ESTUDO SOBRE FERRAMENTAS DE MONITORAMENTO DE REDES. 1. TIVOLI 1.1 Conceitos Básicos do Tivoli ESTUDO SOBRE FERRAMENTAS DE MONITORAMENTO DE REDES 1. TIVOLI 1.1 Conceitos Básicos do Tivoli O gerenciamento de uma rede através do Tivoli esta baseado no conceito de regiões de policiamento (Policy Region

Leia mais

Manual. Configuração Samba. tutorial de instalação. Samba - Linux. Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE

Manual. Configuração Samba. tutorial de instalação. Samba - Linux. Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Configuração Samba tutorial de instalação Samba - Linux Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Configuração Samba tutorial de instalação Samba - Linux

Leia mais

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro O MySQL Cluster é versão do MySQL adaptada para um ambiente de computação distribuída, provendo alta disponibilidade e alta redundância utilizando

Leia mais

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa)

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Prof. Roitier Campos Gonçalves Introdução O servidor de arquivos fornece um ponto centralizado na rede para armazenamento e compartilhamento de arquivos

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL FATESG CURSO TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Luís Antônio Neto Wallysson Santos Oliveira

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL FATESG CURSO TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Luís Antônio Neto Wallysson Santos Oliveira FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL FATESG CURSO TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES Luís Antônio Neto Wallysson Santos Oliveira ADMINISTRADOR DE REDES LINUX (DEBIAN) Goiânia 2011 Luís

Leia mais

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux.

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux. INSTALL 2014-08-12 ================================================== Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador

Leia mais