Baseado no livro do Professor Jorge Adelino Costa Imagens Organizacionais da Escola

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Baseado no livro do Professor Jorge Adelino Costa Imagens Organizacionais da Escola"

Transcrição

1 Imagens organizacionais ac o a da escola Baseado no livro do Professor Jorge Adelino Costa Imagens Organizacionais da Escola

2 Evolução das ideias sobre Educação (António Nóvoa) Até aos anos 50: investigação centrada no indivíduo-aluno. Durante os anos 50/60: investigação centrada nos processos de interacção na sala de aula. Durante os anos 60/70: investigação centrada no Sistema Educativo. Durante os anos 70/80: a investigação volta a centrar-se na turma, sala de aula. Durante os anos 80/90: a investigação dirige-se primordialmente para a escola-organização. Leitura da citação de Nóvoa apresentada na página 19 da obra em destaque.

3 1966 Publicação do Relatório Coleman as escolas não marcam a diferença.

4 A Escola como Empresa Frederick Taylor Características da produção industrial: Estrutura organizacional i hierárquica, i centralizada (com base na unidade d de comando [ME]) e devidamente formalizada. Divisão do trabalho e especialização através da definição precisa de cargos e funções [Currículo]. Planificação e identificação rigorosa e pormenorizada dos objectivos a alcançar. Individualização do trabalho. Uniformização dos processos, métodos, tecnologias, espaços e tempos. (Saberfazer condicionado)

5 O ensino tornou-se cada vez mais formal e administrativo, e é muitas vezes concebido à maneira da indústria transformadora ou dos serviços, cujo objectivo é fornecer um produto. Daí resulta uma crise na sua organização. (p. 31) Modelo (neo)taylorista da organização.

6 Martín-Moreno: 11 características gerais que presidem à organização da escola tipo taylorista. t (pp ) 34) 1. Uniformidade curricular. 2. Metodologias dirigidas para o ensino colectivo. 3. Agrupamentos rígidos de alunos. 4. Posicionamento insular dos professores. 5. Escassez de recursos materiais. 6. Uniformidade na organização dos espaços educativos. 7. Uniformidade de horários. 8. Avaliação descontínua. 9. Disciplina formal. 10. Direcção unipessoal. 11. Insuficientes relações com a comunidade.

7 Escola como Burocracia Max Weber (modelo burocrático de organização). Características da Escola como Burocracia: (p.39) Centralização das decisões nos órgãos de cúpula do ME, traduzida na ausência de autonomia das escolas. Regulamentação pormenorizada de todas as actividades. Previsibilidade de funcionamento face à planificação minuciosa. Modelo piramidal. Arquivomania. Comportamentos estandardizados. Pedagogia uniforme. Concepção burocrática da função docente.

8 Estamos certos de uma coisa. Dentro da estrutura burocrática nunca mudaremos para novas escolas, para escolas livres. Essa estrutura foi inventada para assegurar o domínio e o controlo. Nunca produzirá liberdade nem actualização continuada. (Clark & Meloy, citados por Costa, p. 53)

9 Escola como Democracia Elton Mayo (TRH), John Dewey Características desta imagem organizacional: (pp ) Desenvolvimento de processos participativos na tomada de decisões. Estratégias de decisão colegial. Procura de consensos partilhados. Valorização dos comportamentos informais. Estudo do comportamento humano (necessidades, motivação, satisfação, liderança). Visão harmoniosa e consensual da organização. Pedagogia personalizada.

10 Analisar as citações de Dewey presentes nas páginas 62 e 63. A escola como democracia e o SEP. (p.67) LBSE Projecto Educativo de Escola Comunidade Educativa

11 A Escola como Arena Política Victor Baldridge Características: A vida escolar desenrola-se com base na conflitualidade de interesses e na consequente luta pelo poder. As decisões escolares desenrolam-se e obtêm-se a partir de processos de negociação. Os estabelecimentos de ensino são compostos por poderes e influências diversas, bem como por posicionamentos hierárquicos diferenciados. Interesse, conflito, poder e negociação são palavras-chave no discurso utilizado por esta abordagem organizacional.

12 Vejamos o seu significado pp Interesses Negociação Arena Política Conflito Poder

13 A Escola como Anarquia Michael Cohen Características: A escola é, em termos organizacionais, uma realidade complexa, heterogénea, problemática e ambígua. Um estabelecimento de ensino não constitui um todo unido, coerente e articulado, mas uma sobreposição de diversos órgãos, estruturas, processos ou indivíduos frouxamente unidos e fragmentados. As organizações escolares são vulneráveis relativamente ao seu ambiente externo que, sendo turbulento e incerto, aumenta a incerteza e a ambiguidade organizacionais.

14 A Escola como Cultura William Ouchi Características: Não só as organizações são diferentes, não só a escola é diferente das outras organizações, mas também cada escola é diferente de qualquer outra escola. A especificidade própria de cada escola constitui a sua cultura que se traduz em diversas manifestações simbólicas tais como valores, crenças, linguagem, rituais, cerimónias a escola é uma mini-sociedade. As escolas bem sucedidas são aquelas em que predomina uma cultura forte entre os seus membros identidade e valores partilhados.

Abordagens Organizacionais

Abordagens Organizacionais NOTA DE AULA CLASS NOTE Abordagens Organizacionais Roberto de Medeiros Junior roberto.medeiros.junior@hotmail.com Prof. Maria Terezinha Angeloni, Dr. terezinha.angeloni@unisul.br Abordagens Organizacionais

Leia mais

TEORIA GERAL DOS SISTEMAS Teoria Geral da Administração - TGA. Professores: Jailson Castro Freitas Sâmya Aguiar Lôbo

TEORIA GERAL DOS SISTEMAS Teoria Geral da Administração - TGA. Professores: Jailson Castro Freitas Sâmya Aguiar Lôbo TEORIA GERAL DOS SISTEMAS Teoria Geral da Administração - TGA Professores: Jailson Castro Freitas Sâmya Aguiar Lôbo Na ENFERMAGEM, o enfermeiro incorpora, em sua formação profissional, o saber de várias

Leia mais

avaliação de Escolas: interpelando relações. Contributos da experiência vivida no ARQME

avaliação de Escolas: interpelando relações. Contributos da experiência vivida no ARQME IX Colóquio sobre Questões Curriculares / V Colóquio Luso-Brasileiro Debater o Currículo e seus Campos Políticas, Fundamentos e Práticas 21 de Junho de 2010 Currículo e Auto-avalia avaliação de Escolas:

Leia mais

Afundamentos da Administração

Afundamentos da Administração Afundamentos da Administração aula 3 Professor Douglas Pereira da Silva 1 Fayol em uma de suas contribuições para o estudo da Administração define o chamado processo administrativo, com o desempenho de

Leia mais

Teorias das Organizações. Prof. Doutora Maria José Sousa

Teorias das Organizações. Prof. Doutora Maria José Sousa Teorias das Organizações 1 Prof. Doutora Maria José Sousa 2 Abordagem Clássica Administração Científica Referência: Frederick Taylor (1903) Elemento Nuclear: A tarefa Termos mais utilizados Organização

Leia mais

Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena

Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção Prof. Valdir Tavares de Lucena »Vamos começar relembrando algumas teorias administrativas... 2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA Pré-história

Leia mais

377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS

377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS 377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS ÁREAS ORGANI- ZACIONAIS ESCOLARESs - CURRICULAR SUB-ÁREAS ORGANIZACIONAIS Concepção e Desenho do currículo

Leia mais

Organização Formal. Organização Formal x Organização Informal. Tipos de Organização. Divisão Racional do Trabalho

Organização Formal. Organização Formal x Organização Informal. Tipos de Organização. Divisão Racional do Trabalho Divisão Racional do Trabalho Organização Formal x Organização Informal Organização Formal - Heterogênea -Rígida - Hierarquizada -Estática - Limitada Princípios Básicos das Organizações - Divisão do Trabalho

Leia mais

Modelos configuracionistas. Maria José Chambel

Modelos configuracionistas. Maria José Chambel Modelos configuracionistas Maria José Chambel Configuracão estrutural Introduz o conceito de configuração como um conjunto de variáveis que se interrelacionam; isto é constelações de variáveis que se conjugam

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010)

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) Ficha de Registo Avaliação do Desempenho Docente do Ensino Básico e

Leia mais

Clique para editar o estilo do. título mestre

Clique para editar o estilo do. título mestre 1 A empresa é uma organização. O mundo de hoje é uma sociedade composta de organizações. Organizações são constituídas de: Pessoas Recursos não-humanos (como recursos físicos e materiais, recursos financeiros,

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

ANEXO II RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO IPS

ANEXO II RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO IPS ANEXO II RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO IPS Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade Orgânica

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 I - Enquadramento legal Definição do âmbito da Autoavaliação do AEFS Decreto-Lei n.º 137/2012 de 2 de julho (alteração

Leia mais

DA EDUCAÇÃO À ESCOLA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO TAYLORIZAÇÃO DA ESCOLA = TECNICISMO

DA EDUCAÇÃO À ESCOLA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO TAYLORIZAÇÃO DA ESCOLA = TECNICISMO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO HISTORICIZANDO... DA EDUCAÇÃO À ESCOLA EDUCAÇÃO: PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO = PROCESSO DE PRODUÇÃO DA EXISTÊNCIA DIFERENCIAÇÃO SOCIAL= ESCOLA COMO ESPAÇO DA ELITE = ÓCIO

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 1 GESTÃO EM SAÚDE Teorias da Administração - 2 DEFINIÇÕES GESTÃO - engloba pessoas, processos e planejamento. ADMINISTRAÇÃO - finanças, contabilidade e mercado. 3 DEFINIÇÕES O conceito de administração

Leia mais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Competências gerais Princípios e valores orientadores do currículo A clarificação das competências a alcançar no final da educação básica toma

Leia mais

EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES AULA 01

EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES AULA 01 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES AULA 01 1. (CESPE / ICMBIO / 2014) De acordo com Henri Fayol, planejamento, preparo, controle e execução são as funções universais da administração. 2. (CESPE / ICMBIO / 2014)

Leia mais

SIMULADO AULA (CESPE / FUB / 2015)

SIMULADO AULA (CESPE / FUB / 2015) SIMULADO AULA 02 1. (CESPE / ICMBIO / 2014) De acordo com Henri Fayol, planejamento, preparo, controle e execução são as funções universais da administração. 2. (CESPE / ICMBIO / 2014) Com relação ao funcionamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

D FI F NIÇÃ Ç O F N U ÇÕ Ç E Õ S Prof. Bento

D FI F NIÇÃ Ç O F N U ÇÕ Ç E Õ S Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR DEFINIÇÃO E FUNÇÕES DE TEORIA Prof. Bento QUESTÕES Pré-teste Doc. # 1 Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Carta de Missão 2013/2017 Maria Guilhermina Cruz de Pina Madeira Barros Ramos Compromissos Objetivos Estratégias Metas/Critérios de sucesso C1 Sucesso escolar

Leia mais

OS DIFERENTES NÍVEIS DE ABRANGÊNCIA DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO

OS DIFERENTES NÍVEIS DE ABRANGÊNCIA DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO OS DIFERENTES NÍVEIS DE ABRANGÊNCIA DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO O QUE É O PLANEJAMENTO? O planejamento escolar é um processo de reflexão sobre os desafios do cotidiano tendo em vista o comprometimento com

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO

PLANO DE FORMAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MIGUEL TORGA AMADORA PLANO DE FORMAÇÃO O plano de formação que a seguir se apresenta dá cumprimento ao despacho nº 18038/2008 de 4 de Julho, e o Decreto-Lei nº 22/2014, de 11 de

Leia mais

Identificação das necessidades dos utilizadores 2007

Identificação das necessidades dos utilizadores 2007 Nota prévia: Este documento corresponde a um trabalho de grupo apresentado na Unidade Curricular Desenvolvimento e Gestão de Colecções do Curso de Mestrado em Gestão da Informação e Biblioteca Escolares.

Leia mais

Liderança a e desempenho grupal

Liderança a e desempenho grupal Liderança a e desempenho grupal Definição de liderança Comportamento de liderança Teorias de liderança Copyright, 2006 José Farinha Definição de liderança O que é um líder? l A liderança é o exercício

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA DO AGRUPAMENTO

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA DO AGRUPAMENTO ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA DO AGRUPAMENTO 1 Estrutura e Organização Pedagógica e Administrativa 1. Órgão de Administração e Gestão 2. Organização Pedagógica 3. Organização Administrativa

Leia mais

Processos de Grupo. Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal. do funcionamento grupal

Processos de Grupo. Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal. do funcionamento grupal Processos de Grupo Aspectos básicos b do grupo coesão, socialização e normas grupais Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal Efeitos do grupo facilitação social Copyright, 2006

Leia mais

Teoria Geral da Administração

Teoria Geral da Administração Teoria Geral da Administração Tópicos de discussão Conceitos Administração, gestão, gerência Eficiência, eficácia Organizações Teorias da Administração Escolas e teorias administrativas Trabalho e sociedade

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

Curso: Licenciatura em Pedagogia

Curso: Licenciatura em Pedagogia Curso: Licenciatura em Pedagogia Módulo: Formação Humanística números de variáveis, com as respectivas abrangendo Nacionais- que tratam de complemento a formação do aluno no ser NF-301 Projeto Experimental

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA AS ESCOLAS COM CONTRATO DE AUTONOMIA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA AS ESCOLAS COM CONTRATO DE AUTONOMIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA AS ESCOLAS COM CONTRATO DE AUTONOMIA Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade Católica Portuguesa para obtenção do grau de mestra em Ciências da Educação, Administração

Leia mais

Departamento de Ciências da Educação 1.º Ciclo em Ciências da Educação 2.º Ano / 2.º Semestre. Programa. Unidade Curricular

Departamento de Ciências da Educação 1.º Ciclo em Ciências da Educação 2.º Ano / 2.º Semestre. Programa. Unidade Curricular Departamento de Ciências da Educação 1.º Ciclo em Ciências da Educação 2.º Ano / 2.º Semestre Programa Unidade Curricular Gestão de Projectos em Educação Área Científica Educação Coordenador Cientifico

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Quadriénio 2009-2013 Segundo o artigo 68º do Regulamento Interno, aprovado em 4 de Janeiro de 2011, para o quadriénio 2009/2013,

Leia mais

Modelo Curricular High/Scope

Modelo Curricular High/Scope Modelo Curricular High/Scope Origem e Evolução Década de 60: David Weikart inicia Perry Preschool Project Combate ao Insucesso Escolar Intervenção precoce Escolha do modelo curricular Investigação Década

Leia mais

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro)

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (...) SECÇÃO IV RECURSOS EDUCATIVOS Artigo 102.º Centros de Recursos Educativos 1. O Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

Cultura Organizacional

Cultura Organizacional Faculdade de Psicologia Universidade de Lisboa (2015/2016) TEORIA ORGANIZACIONAL Cultura Organizacional O QUE É COMO SURGIU PARA QUE SERVE CULTURA ORGANIZACIONAL COMO SE FORMA QUE COMPOSIÇÃO Como surgiu

Leia mais

Planificação e Desenvolvimento Curricular na Escola

Planificação e Desenvolvimento Curricular na Escola Planificação e Desenvolvimento Curricular na Escola Currículo, Programa e Programação Baseado na obra de Miguel A. Zabalza, Planificação e desenvolvimento curricular na escola, Edições ASA, 2003. Nuno

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Manual de Supervisão Pedagógica INTRODUÇÃO

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Manual de Supervisão Pedagógica INTRODUÇÃO 2 ( ) A construção de uma cultura colegial é um processo longo, não isento de dificuldades e conflitos, e que requer a criação de condições várias, nomeadamente de espaços e tempos destinados ao trabalho

Leia mais

CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO 1º ANO

CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO 1º ANO ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR * PROGRAMA * CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO 1º ANO (4hs/Semana) Número de horas presenciais: 60 ECTS: 7,5 DOCENTE: PROF. DOUTOR ANTÓNIO V. BENTO ANO LECTIVO: 2010/2011 SEMESTRE: 2º

Leia mais

PLANO DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Plano de Articulação / 2013

PLANO DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Plano de Articulação / 2013 Agrupamento de Escolas Rio Arade PLANO DE ARTICULAÇÃO Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] 1 / 9 Índice Nota introdutória... 3 Objetivos Gerais... 4 Estratégias de intervenção... 5 Organização... 6 Procedimentos

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Sines Escola Sede: E. B. Vasco da Gama de Sines. Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato

Agrupamento Vertical de Escolas de Sines Escola Sede: E. B. Vasco da Gama de Sines. Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato 2011/2012 INTRODUÇÃO Este documento tem como objetivo o enquadramento do processo de avaliação do pessoal docente regime contrato para o ano letivo 2011/2012.

Leia mais

Critérios de Avaliação Jardim de Infância

Critérios de Avaliação Jardim de Infância CASA DE INFÂNCIA DE SANTO ANTÓNIO Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação Jardim de Infância Horta 2016/2017 2 Critérios de Avaliação Jardim de Infância A avaliação

Leia mais

As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo

As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo O modelo de organização dominante nas sociedades modernas resultou da aplicação da tecnologia nos processos

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares;

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares; Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 16.718 DE 11 DE MAIO DE 2016 Dispõe sobre a instituição e organização dos Complexos Integrados de Educação, no âmbito

Leia mais

Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação 1º Ciclo de Ciências da Educação (Concurso Local) Programa

Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação 1º Ciclo de Ciências da Educação (Concurso Local) Programa Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação 1º Ciclo de Ciências da Educação (Concurso Local) Programa Unidade Curricular Gestão de Projectos em Educação Área Científica

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE

AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE Relatório de Reflexão Critica do Plano Anual de Atividades Ano Letivo 2011/2012 1ºPeríodo Índice Índice 2 Introdução 3 Grau execução e de satisfação 4 Participação dos agentes

Leia mais

Equipas Educativas o caso concreto do MIPSE (Modelo Integrado de Promoção do Sucesso Escolar) Ilídia Cabral Universidade Católica Portuguesa

Equipas Educativas o caso concreto do MIPSE (Modelo Integrado de Promoção do Sucesso Escolar) Ilídia Cabral Universidade Católica Portuguesa Equipas Educativas o caso concreto do MIPSE (Modelo Integrado de Promoção do Sucesso Escolar) Ilídia Cabral Universidade Católica Portuguesa Roteiro 1. Contextualização: A falência da gramática escolar

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1.1. IMPLEMENTAR A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR - Aprimorar ação educativa. Otimizar o desempenho de funções de coordenação. Valorizar a centralidade da escola e do

Leia mais

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 Estratégia e Marketing EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 A Estrutura Organizacional é o que vai servir como ponte de ligação entre a Formulação e a Implementação da Estratégia para que a empresa

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação CARATERIZAÇÃO DOS TERRITÓRIOS ENVOLVIDOS NA CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

4.751/12. Lei da Gestão Democrática no DF. Prof. Carlinhos Costa

4.751/12. Lei da Gestão Democrática no DF. Prof. Carlinhos Costa Prof. Carlinhos Costa Lei da Gestão Democrática no DF 4.751/12 Dispõe sobre o Sistema de Ensino e a Gestão Democrática do Sistema de Ensino Público do Distrito Federal. Gestão Democrática na Legislação

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Aula 6 Abordagem Estruturalista da Administração EPA

Aula 6 Abordagem Estruturalista da Administração EPA Aula 6 Abordagem Estruturalista da Administração EPA Os desdobramentos da Abordagem Estruturalista Teoria da Burocracia Ênfase na Estrutura Abordagem Estruturalista Teoria Estruturalista Ênfase na Estrutura,

Leia mais

Necessidades especiais de educação

Necessidades especiais de educação Necessidades especiais de educação 1 Questionário sobre Necessidades Especiais de Educação Alunos com necessidades educativas especiais Crianças com problemas de desenvolvimento Docentes de educação especial

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fragoso 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fragoso

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS NO 3.º CICLO

Leia mais

Os desafios da formação contínua e ao longo da vida Jorge Carvalho Arroteia (Universidade de Aveiro)

Os desafios da formação contínua e ao longo da vida Jorge Carvalho Arroteia (Universidade de Aveiro) Os desafios da formação contínua e ao longo da vida Jorge Carvalho Arroteia (Universidade de Aveiro) Introdução O desafio que hoje se coloca aos sistemas educativos e aos seus actores por forma a acompanharem

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h)

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h) EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h) Professor : Fernando Luiz Abrucio Aula 1 03, 04 e 06 de outubro de 2011 AS BASES DA BUROCRACIA PÚBLICA CONTEMPORÂNEA 1) Origens:

Leia mais

SINDICALISMO LIVRE INDEPENDENTE

SINDICALISMO LIVRE INDEPENDENTE Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades SINDICALISMO LIVRE INDEPENDENTE Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades ACORDO

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO. HENRI FAYOL França

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO. HENRI FAYOL França DA ADMINISTRAÇÃO HENRI FAYOL França HENRI FAYOL 1841-1925 Nasceu em Constantinopla, morreu em Paris. Desenvolveu a Teoria Clássica na França. Engenheiro de Minas aos 25 anos. Gerente Geral aos 47 anos.

Leia mais

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO CURRÍCULO Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª.

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento; A estrutura; A tecnologia;

Introdução. Gestão do Conhecimento; A estrutura; A tecnologia; Introdução Gestão do Conhecimento; A estrutura; A tecnologia; Estrutura A teoria; A dimensão do homem; Teoria A dimensão da empresa; A dimensão de novas tecnologias. Tecnologia A Dimensão Infra-Estrutura

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

Avaliação da biblioteca escolar

Avaliação da biblioteca escolar Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 2010 B. Leitura e literacia Avaliação 4 2011 D. Gestão da biblioteca escolar Avaliação D.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados

Leia mais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO TEORIAS DA. Modelos de Gestão

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO TEORIAS DA. Modelos de Gestão Evolução da Disciplina Modelos de Gestão Aula 1: Principais Modelos das Teorias da Administração Aula 2: Origem, Evolução, Classificação e Tipologia das Organizações Aula 3: Termos comuns às Organizações;

Leia mais

[Ano] ESTRUTURA ORGANIZACIONAL. Campus Virtual Cruzeiro do Sul

[Ano] ESTRUTURA ORGANIZACIONAL. Campus Virtual Cruzeiro do Sul [Ano] ESTRUTURA ORGANIZACIONAL UNIDADE : ESTRUTURA ORGANIZACIONAL MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Profa. Ms. Andréia de Carvalho Andrade 2 1- Fundamentos de organização Em uma empresa tem-se

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FARMACÊUTICA

ADMINISTRAÇÃO FARMACÊUTICA ADMINISTRAÇÃO FARMACÊUTICA Fazer acontecer Acadêmicos: Everson Fialho e Rafael Reis. Disciplina: Administração Farmacêutica Professora Patrícia Dutra Sauzem Conceitos: Administração Ad: direção, tendência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

Clima e Cultura Organizacional

Clima e Cultura Organizacional Clima e Cultura Organizacional Psicossociologia do Trabalho Sumário Clima Organizacional Perspectiva organizacional Perspectiva Psicológica Perspectiva Psicossocial Perspectiva Cultural Cultura Organizacional

Leia mais

TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO

TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO Profa Giselle Pavanelli 5ª Aula Como explicar a Teoria Comportamental? Contexto da Teoria Comportamental A organização como organismo vivo As Relações Humanas Hierarquia das Necessidades

Leia mais

sistemas de informação

sistemas de informação sistemas de informação organização 2 introdução as organizações são o contexto imediato dos sistemas de informação os SI contribuem para a eficiência e efectividade dos sistemas de actividades humanas

Leia mais

Políticas públicas e gestão escolar para a equidade Desenvolvimento integral no Ensino Médio. São Paulo, 02 de agosto de 2016

Políticas públicas e gestão escolar para a equidade Desenvolvimento integral no Ensino Médio. São Paulo, 02 de agosto de 2016 Políticas públicas e gestão escolar para a equidade Desenvolvimento integral no Ensino Médio São Paulo, 02 de agosto de 2016 ...temos o direito a ser iguais quando a nossa diferença nos inferioriza; e

Leia mais

Regulamento Interno CONFRARIA DE S. VICENTE DE PAULO EXTERNATO Nº.4 DA EDUCAÇÃO POPULAR JARDIM-DE-INFÂNCIA 1 / 14

Regulamento Interno CONFRARIA DE S. VICENTE DE PAULO EXTERNATO Nº.4 DA EDUCAÇÃO POPULAR JARDIM-DE-INFÂNCIA 1 / 14 CONFRARIA DE S. VICENTE DE PAULO EXTERNATO Nº.4 DA EDUCAÇÃO POPULAR JARDIM-DE-INFÂNCIA 1 / 14 REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE I 2 / 14 Objectivos Gerais 5 II Órgãos de Gestão 3 / 14 5 III Corpo Docente 6 4

Leia mais

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ANO LECTIVO 2010/2011 Introdução O Plano do Departamento de Línguas tem como pressupostos o Projecto Educativo em vigor da Escola Secundária da Baixa da Banheira cujos

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS)

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES TURÍSTICAS (2º CICLO) MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DOS DESTINOS TURÍSTICOS (2º CICLO) DOUTORAMENTO

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 667/XII/4.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 667/XII/4.ª Projeto de Lei n.º 667/XII/4.ª Estabelece medidas de redução do número de alunos por turma visando a melhoria do processo de ensino-aprendizagem De acordo com a Lei de Bases do Sistema Educativo (LBSE),

Leia mais

Qualidade Aprendizagem Construção Dinâmica Capacidade(s) Criatividade Inovação. Ambiente Instável RUMO. Mudança SUCESSO.

Qualidade Aprendizagem Construção Dinâmica Capacidade(s) Criatividade Inovação. Ambiente Instável RUMO. Mudança SUCESSO. Revisão da Literatura Liderança Escolar Qualidade Aprendizagem Construção Dinâmica Capacidade(s) Criatividade Inovação RUMO SUCESSO Ambiente Instável Mudança Estratégia Liderança Uma qualidade d que se

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2015/2016

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2015/2016 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2015/2016 PLANO DE MELHORIA 2016/2018 Plano de melhoria 2016/2018 1-Introdução. 2- Modelo de identificação da acção de melhoria. 3- Áreas e acções de melhoria 3.1- Promoção

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 18 de novembro de Série. Número 204

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 18 de novembro de Série. Número 204 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 18 de novembro de 2016 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 445/2016 Nomeia, em regime de comissão de serviço, pelo

Leia mais

Da Burocracia a ISO 9.000

Da Burocracia a ISO 9.000 Da Burocracia a ISO 9.000 Aula 5 EAD-610 2017 1 BUROCRACIA Teoria Clássica Administração Científica Taylor e outros Processo Administrativo Fayol Burocracia Weber 2 SUMÁRIO Conceitos sobre autoridade O

Leia mais

Índice. Parte I: Organização, Racionalidade, Estruturas e Sistemas...7

Índice. Parte I: Organização, Racionalidade, Estruturas e Sistemas...7 Índice Prefáce de Jean-Louis Laville........................... xiii Prefácio........................................ xvii Nota.......................................... xxi Introdução Geral...................................

Leia mais

A rede escolar e a administração das escolas - Novos e velhos desafios. Joaquim Machado

A rede escolar e a administração das escolas - Novos e velhos desafios. Joaquim Machado A rede escolar e a administração das escolas - Novos e velhos desafios Joaquim Machado A REDE ESCOLAR E A ADMINISTRAÇÃO DAS ESCOLAS 1. CONCEPÇÕES DE ESCOLA 2. A ECONOMIA DE ESCALA 3. NOVA REORGANIZAÇÃO

Leia mais

Plano Estratégico para o Ensino do Português

Plano Estratégico para o Ensino do Português Plano Estratégico para o Ensino do Português Plano de implementação do novo programa de Português para o ensino básico Lisboa, 5 e 6 de Junho de 2008 I. Contexto 1. Dificuldades dos alunos Resultados suficientes

Leia mais

TEORIA da BUROCRACIA WEBER ( )

TEORIA da BUROCRACIA WEBER ( ) TEORIA da BUROCRACIA WEBER (1864 1920) LIVROS - A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO, Theory of social and Economic Organization e Três aspectos da autoridade legítima somente a partir de 1940

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Escola Básica 2/3 Martim de Freitas Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS REGIMENTO

Leia mais

2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO

2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO 2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3. LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES 4. S DE FORMAÇÃO 4.1. PESSOAL DOCENTE 4.2. PESSOAL NÃO DOCENTE ASSISTENTES ADMINISTRATIVOS 4.3. PESSOAL NÃO

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO O Desporto Escolar (DE) tem de ser entendido como uma responsabilidade da comunidade escolar e é à escola, que compete criar as condições necessárias

Leia mais

Fundamentos da Direção

Fundamentos da Direção Aula 7 Direção Fundamentos da Direção Inerente a qualquer organização está a necessidade de gerir esforços individuais em função de objetivos organizacionais. A direção é a função da administração responsável

Leia mais

Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro. Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário

Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro. Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário Cria os Serviços de Coordenação de Educação Física e Desporto Escolar Decreto-Lei n.º 554/77

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM GOMES FERREIRA ALVES - VALADARES

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM GOMES FERREIRA ALVES - VALADARES Com conhecimento Presidência da República Governo da República Procuradoria-Geral da República DGRHE DREN Grupos Parlamentares Conselho Geral Transitório Conselho Pedagógico Conselho Executivo Plataforma

Leia mais

Lei n.º 9/79 de 19 de Março de 1979 Aprova as bases do ensino particular e cooperativo;

Lei n.º 9/79 de 19 de Março de 1979 Aprova as bases do ensino particular e cooperativo; Lei n.º 9/79 de 19 de Março de 1979 Aprova as bases do ensino particular e cooperativo; Decreto-lei n.º 542/79 de 31 de Dezembro de 1979 Estabelece o estatuto dos jardins-deinfância da rede publicado Ministério

Leia mais

«Avaliação Externa», «Avaliação Interna» e «Auto-avaliação»: Implicações de distintos princípios e processos avaliativos

«Avaliação Externa», «Avaliação Interna» e «Auto-avaliação»: Implicações de distintos princípios e processos avaliativos Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação X Congresso Bragança, 1 de Maio de 2009 «Avaliação Externa», «Avaliação Interna» e «Auto-avaliação»: Implicações de distintos princípios e processos avaliativos

Leia mais