FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS VOLTADAS À GESTÃO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS VOLTADAS À GESTÃO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ADRIANO OLGA DE SOUZA BERTONCELLO FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS VOLTADAS À GESTÃO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL SÃO PAULO 2006

2 11 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ADRIANO OLGA DE SOUZA BERTONCELLO FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS VOLTADAS À GESTÃO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Prof. Dr. Wilson Shoji Iyomasa São Paulo 2006

3 12 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ADRIANO OLGA DE SOUZA BERTONCELLO FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS VOLTADAS À GESTÃO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho em: de de Orientador: Prof. Dr. Wilson Shoji Iyomasa Nome do professor da banca Comentários:

4 13 Ao meu avô, Doutor Hélio Olga de Souza, sempre solícito e presente em todos os momentos de minha vida.

5 14 AGRADECIMENTOS Agradeço a meu orientador, Prof. Dr. Wilson Shoji Iyomasa, o qual esclareceu as minhas dúvidas e dedicou seu tempo e conhecimento para o bom desenvolvimento deste trabalho.

6 15 RESUMO Dentro de um mercado dinâmico e competitivo, onde a qualidade, confiabilidade e velocidade na troca de informações ditam o andamento dos processos e interferem diretamente no resultado final, é imprescindível a continua atualização de métodos, técnicas e ferramentas de trabalho. Considerando a evolução tecnológica das ferramentas de informática voltadas à construção civil, a sua aplicação direcionada às necessidades especificas de cada empresa é de extrema valia e fator fundamental na melhoria da produtividade. O presente estudo trata da aplicação de um software utilizado em obras de infra-estrutura de grande porte, que necessita da interação entre projetista, empreiteira e cliente. No estudo de caso, aplicado nas obras de ampliação do aeroporto de Congonhas da cidade de São Paulo, buscou-se demonstrar as facilidades do uso dessa ferramenta, a agilidade e interação entre as diferentes equipes técnicas envolvidas no projeto, que constituíram nos pontos positivos do software empregado. Por outro lado, o uso dessa ferramenta exigiu alterações no organograma da empresa, modificações nos procedimentos tradicionais de aprovação dos projetos executivos, e até, na composição da equipe técnica do projeto.

7 16 ABSTRACT In a very dynamic and competitive market where quality, trust and speedy information exchange dictate the evolution of processes, and interfere directly in their final results, it is extremely necessary to continually update methods, techniques and work tools. Considering the technological evolution of software systems for civil engineering, their application in the specific needs of each company is extremely valuable and represent a fundamental agent in the enhancement of productivity. This study concerns the use of a software system applied to works of very large foundations, which requires interaction among designer, contractor and client. The case study, the works of expansion of Congonhas airport in the city of São Paulo, aims to demonstrate how easy it is to use the software and how the different technical teams interact, all of which proved to be the high point of the software. On the other hand, the use of this tool demanded some changes in the company organization, in the traditional procedures of approval of executive projects and even in the arrangement of the technical team itself.

8 17 LISTA DE FIGURAS Figura 5.1 Módulo de Controle de Acesso Figura 5.2 Módulo de Entrada Coordenador Figura 5.3 Módulo de Grau de Segurança e Acessos Figura 5.4 Módulo de Aprovações e Pré-Aprovações Figura 5.5 Módulo de Relatórios de Atividades Figura 6.1 Prolongamento do Conector com mais quatro pontes de embarque de passeiros (azul claro) Figura 6.2 Imagem aérea mostrando o local das obras dos acessos ao pátio de manobras e à pista (amarelo) Figura 6.3 Imagem mostrando a localização das obras do pátio oeste (amarelo) Figura 6.4 Localização das obras de recapeamento das pistas auxiliares (vermelho) Figura 6.5 Localização das obras do Saguão Central (vermelho) Figura 6.6 Localização geral das obras do sistema viário (vermelho) Figura 6.7 Corte esquemático para mostrar as obras do sistema viário e ala sul Figura 6.8 Organograma do setor de projetos Consórcio Figura Fluxograma do encaminhamento de projetos da concepção ao. término

9 18 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS PC Personal Computer IBM Internetional Business Machine IUS Information Unlimited Software PC DOS Personal Computer Disak Operate System CPM86 Machine 86 UCSD University Corporation DARPA Defesa de Projetos de Pesquisa Avançada WWW World Wide Web SADP Sistema de Armazenamento de Dados de Projetos FTP File Transfer Protocol CEP Código de Endereçamento Postal CCCC Construções e Comércio Camargo Corrêa INFRAERO Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária CGH2 Consórcio Congonhas 2

10 19 SUMARIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO Objetivo Geral Objetivo Específico METODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA REVISÃO BIBLIOGRAFICA Origens do Processamento de Dados A Evolução dos Programas Computacionais A Aplicação Computacional na Engenharia O Sistema SADP O Sistema SADP Descrito por Módulos Módulo do Coordenador e Funções Restrição de Acessos Grau de Segurança, Aprovações e Pré-Aprovações Módulo de Relatórios ESTUDO DE CASO Localização da Obra A Obra Setor de Projetos / Concepção da Obra Organograma do Setor de Projetos Procedimento Estabelecido O Procedimento descrito em etapas: Fluxograma do encaminhamento de projetos: Números do Setor de Projetos (mês de Junho de 2006): CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS... 51

11 12 1. INTRODUÇÃO A evolução da civilização exigiu que fossem desenvolvidas tecnologias para atender as necessidades da humanidade. Dentre elas destacam-se às relacionadas ao setor da construção civil, que no passado permitiu a construção de grandes obras como as pirâmides, pontes, cidades, entre outros monumentos. Nas últimas décadas do século passado, o setor da construção civil sofreu um salto significativo no que se refere aos avanços tecnológicos conseguidos pelo homem, em função da inserção da informática na cadeia produtiva desse setor. No Brasil, a inserção das ferramentas computacionais nas obras civis ocorreu há mais de 30 anos, quando foram desenvolvidos programas para cálculo rotineiros da engenharia. Nessa época, os computadores eram máquinas de grande porte que ocupavam salas imensas, e não raramente, necessitava-se de outra sala para centralizar a equipe de perfuradores de cartões dos programas de computação. Nos últimos anos com a popularização dos microcomputadores pessoais, mais conhecidos como PCs (Personal Computers), o setor da construção civil foi um dos que sofreu grande transformação: desenvolveram-se programas computacionais para executar grande quantidade de cálculos complexos, ensaios virtuais de protótipos para avaliação de projetos, etc., e mais recentemente, as ferramentas computacionais permitiram melhorar o desempenho organizacional das empresas projetistas e das construtoras, inserindo aspectos da qualidade, como fidelidade das informações, confiabilidade dos dados, rapidez na comunicação, entre outros. É nesse contexto que o presente trabalho foi desenvolvido, ou seja, o emprego das ferramentas computacionais, em especial, os programas do tipo plataforma para o gerenciamento e gestão de projetos de construção civil.

12 13 Na fase da concepção de uma obra civil existem alguns serviços distintos os quais envolvem diferentes profissionais de diversas áreas como cliente, projetistas e engenheiros (executores). A troca de informação com qualidade e rapidez por estes profissionais, visando atingir os objetivos, torna-se importantíssima. Esse envolvimento requer um relacionamento contínuo para as necessidades da construção, como adequar e/ou modificar os projetos já elaborados, e principalmente no gerenciamento e gestão do projeto. É comum nessa fase da construção a distribuição das equipes técnicas: no canteiro de obras; nos escritórios do projetista, da construtora e da empresa empreendedora. Com o advento da rede internet abriu-se grande oportunidade para melhorar a comunicação entre esses profissionais, e para viabilizar a interação entre eles desenvolveram-se programas computacionais com protocolo de comunicação. O uso desta nova ferramenta de comunicação se deu em diferentes campos, sendo um deles o da Engenharia Civil que com a necessidade em aumentar a eficiência das empresas e dos profissionais, rapidamente, incorporou-a no dia-a-dia dos trabalhos da construção civil. Com o objetivo de demonstrar a utilidade das ferramentas computacionais para o setor da Engenharia Civil realizou-se, no presente estudo, um levantamento dos diferentes tipos de programas disponíveis no mercado voltado à gestão de projetos de construção civil. A escolha de uma dessas ferramentas e sua aplicação em estudo de caso permitiram realizar avaliações quanto às vantagens e limitações do uso na construção civil, verificar qualitativamente o aumento do desempenho e da melhoria dos procedimentos protocolares necessários entre as diferentes empresas e as equipes de profissionais envolvidos.

13 14 Para esse estudo de caso prático foi escolhida a obra de reforma do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, onde se utilizou o Sistema de Armazenamento de Dados de Projetos SADP, que oferece a facilidade na comunicação entre equipes e tornam ágeis as trocas de informações técnicas entre usuários localizados em diversos pontos geográficos e possui capacidade para aplicação em grandes empreendimentos. Os resultados obtidos na aplicação dessa ferramenta computacional são apresentados neste trabalho.

14 15 2. OBJETIVO O presente trabalho de conclusão do curso de Engenharia Civil tem por finalidade oferecer oportunidade ao aluno em desenvolver pesquisa tecnológica relacionada ao uso de ferramentas computacionais na construção de obras civis. Nesse sentido, o estudo visa atingir dois objetivos principais: o de ordem geral e os objetivos específicos, como descritos nos itens que seguem. 2.1 Objetivo Geral O objetivo geral desta pesquisa é desenvolver o estudo para demonstrar a utilidade das ferramentas computacionais voltadas à gestão de projetos no campo da Engenharia Civil. Nessa linha de pesquisa, faz parte também do objetivo geral desse estudo, a elaboração de um breve histórico da computação no auxílio dos trabalhos relacionados à construção civil, pela importância na compreensão da constante evolução da ferramenta computacional aplicada na Engenharia Civil. 2.2 Objetivo Específico A partir da escolha criteriosa de um software, disponível no mercado, e a aplicação dessa ferramenta em caso prático da construção civil, em fase de execução, o estudo visa atingir os seguintes objetivo específicos: O correto uso da ferramenta computacional no desenvolvimento dos trabalhos de Engenharia Civil; Demonstrar as vantagens na gestão de projetos; As melhorias nos procedimentos diários em uma obra civil decorrentes do uso de sistemas de redes computacionais;

15 16 O estudo prático visa ainda identificar as dificuldades e limitações do software utilizado no estudo de caso.

16 17 3. METODO DE TRABALHO Para atingir aos objetivos propostos do presente estudo tecnológico, os trabalhos estão sendo desenvolvidos adotando-se as seguintes etapas de atividades: Pesquisa bibliográfica: Levantamento de artigos e publicações técnico-científicas, dissertações e teses, revistas especializadas em Engenharia Civil, entre outras publicações; Pesquisa na rede Internet na busca de artigos disponibilizados em sites de associações técnicas e entidades científicas; Informações verbais e entrevistas. Análise das informações: Os dados coletados foram organizados em formato digital; A partir dessa organização, realizou-se uma análise criteriosa e direcionada aos interesses da presente pesquisa tecnológica na Engenharia Civil. Discussão de softwares empregados na gestão na Engenharia Civil: Realizou-se uma avaliação dos principais softwares empregados na construção civil, visando identificar as vantagens e desvantagens de cada um deles; A partir dessa avaliação, escolheu-se um software para aplicação em estudo de caso. Estudo de caso: Para atingir aos objetivos específicos propostos, utilizou-se a ferramenta computacional em uma obra civil, em execução; Nessa fase do trabalho realizou-se a coleta de informações no escritório relativo ao planejamento da obra; Participação das atividades, acompanhando os trabalhos para a coleta de dados de campo.

17 18 Análise da aplicação do software no estudo de caso: Avaliação do uso da ferramenta computacional na obra escolhida como estudo de caso; Análise dos resultados. Elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso: Concluídas as atividades das etapas anteriores foi elaborado o relatório técnico que compõe o Trabalho de Conclusão de Curso.

18 19 4. JUSTIFICATIVA A escolha do tema está fundamentada no uso, ainda recente, das ferramentas computacionais na gestão e gerenciamento de construção de obras civis. O outro motivo da escolha desse tema é devido à facilidade oferecida pelas ferramentas tornando ágeis as comunicações entre os membros da equipe envolvida, além de auxiliarem na gestão e no gerenciamento da construção civil. Por outro lado, a facilidade na aplicação prática da ferramenta em obras civis em execução, e aos acessos às informações técnicas, direcionou para a escolha deste tema. A possibilidade em divulgar os recursos da informática nas atividades da Engenharia Civil, também, motivou o desenvolvimento do presente estudo. Acredita-se que é uma oportunidade para compartilhar estes conhecimentos com os demais alunos por meio da divulgação em trabalho de conclusão de curso. Finalmente, um motivo particular do aluno em desenvolver o presente tema foi pelo interesse em se aprofundar e buscar novos conhecimentos na área da informática aplicada à Engenharia Civil.

19 20 5. REVISÃO BIBLIOGRAFICA O levantamento efetuado em diversas bibliografias relativas ao tema permitiu, inicialmente, compreender o histórico do desenvolvimento da informática, em especial, na área da Engenharia Civil. Nos itens subseqüentes são apresentadas, de forma simplificada, as principais fases do desenvolvimento tecnológico da informática na Engenharia Civil. 5.1 Origens do Processamento de Dados Apesar dos computadores eletrônicos terem aparecido na década de 40, sabe-se que os fundamentos em que se baseiam remontam a centenas de anos considerando aspectos de diferentes culturas como o ábaco, o logaritmo e a régua de cálculo e a origem do processamento de dados como base em suas funções. Ao se levar em conta que o termo computador significa fazer cálculos, contar, efetuar operações aritméticas, computador definir-se-ia como a máquina que auxilia o homem na realização desta tarefa, com a vantagem de redução do tempo, organização, facilidade executivas entre outras (HOLANDA, 2006) Inicialmente o homem utilizou-se de gravetos para realizar esta tarefa, dando origem a um sistema, o sistema decimal. Do sistema decimal surgiram os termos digital e dígito (OKA, 2000). Com a mudança de hábitos do homem pré-histórico de suas andanças atrás da caça para o desenvolvimento da agricultura em localidades próximas a rios e lagos o homem criou um método para a contagem do tempo. Com a sobra de tempo em função da comida agora controlada e mais abundante e da certeza da disponibilidade de água sem a necessidade de longos deslocamentos possibilitaram o planejamento de tarefas,

20 21 a execução de peças em argilas, como anéis e outros objetos, que passaram a exigir a necessidade de contar, somar e dividir entre outras operações básicas. Com isso surgiram as tabuadas de multiplicação e recíprocos. Na medida em que os cálculos foram se aprimorando construíram-se os ábacos. Este era formado por fios paralelos e contas ou arruelas deslizantes, que em função de sua posição representavam um determinado valor. Este sistema de contas recebeu o nome de cáluli, nome dado pelos romanos, sendo originado daí a palavra cálculo. Em 1614, apareceram os indícios de registros de um conjunto de noves bastões (NAPIER, 1620, apud Oka, 2000), um para cada dígito que transformaram a multiplicação de dois números numa soma das tabuadas de cada dígito, que deram origem ao logaritmo. Ao representar estes em escalas de madeira foi construída a régua de cálculo (GONICK, 1984). Na história da informática, a primeira máquina considerada como computador foi um equipamento analógico, que se diferencia dos atuais computadores digitais. Os analógicos realizam operações aritméticas por meio de analogia, ou seja, não trabalham com números ou símbolos representativos dos números. Os cálculos são efetuados por meio de analogia direta, por isso foram denominados analógicos, entre as quantidades a serem trabalhadas, enquanto que, os digitais operam diretamente com os dígitos (OKA, 2000). Em 1642, apareceu a primeira máquina de calcular (Blaise Pascal), ou Pascalina como ficou conhecida, e foi a primeira calculadora mecânica do mundo (OKA, 2000). Registros históricos mostram que o conceito de realização de multiplicações e divisões foi apresentado por Gottfried Wilhelm, em 1671 (THOMAS, 1869 apud OKA, 2000), e a primeira calculadora comercializada com sucesso foi a Arithmometer, que possuía a capacidade de efetuar as quatro operações aritméticas básicas. Com a introdução dos registros somadores, foi construída uma máquina capaz de calcular e preparar tabelas matemáticas de algumas funções e foi batizada de máquina diferencial (MULLER, 1786 apud OKA, 2000).

21 22 Em 1833, surgiu a máquina analítica, comandada por um conjunto de cartões perfurados e constituída de controle de memória, de operações aritméticas. Esta foi construída por Baddage com o auxílio de Ada Lovelece, matemática talentosa e uma das poucas mulheres a figurar na história do processamento de dados, tendo sido a primeira programadora de comutador do mundo (OKA, 2000). Desde então os programas de computadores vem evoluindo constantemente e seu uso está em todas as áreas e atividades do homem, com programas específicos para sua aplicação. 5.2 A Evolução dos Programas Computacionais. Com os surgimento dos primeiros PCs (Personal Computer) entre 1982 e 1983, a IBM International Business Machine anunciou diversos aplicativos iniciais, incluindo o VisiCalc, uma série de programas de contabilidade da Peachtree Software, um processador de textos denominado EasyWriter, da Information Unlimited Software (IUS). Além desses, ressalta-se o Microsoft Adventure e uma grande quantidade de programas elaborados especificamente para o IBM PC. Além de fornecer o PC-DOS (Personal Computer Disk Operation System), a IBM implantou o suporte ao CP/M-86 (Machine 86) e ao UCSD p-system (University Corporetion), sistemas operacionais que representavam uma pequena concorrência (NÓBREGA, 2006). Apesar da quantidade de programas escritos para estes sistemas, com o tempo o PC- DOS passou a ser aceito como padrão para todos os programas elaborados para os computadores pessoais (NÓBREGA, 2006). Na maioria dos casos, estes produtos logo eram desafiados por uma variedade de outros pacotes. Embora o Easy Writer tenha sido o primeiro, por exemplo, produto mais

22 23 capacitado - incluindo o WordStar, o MultiMate e, mais tarde, o WordPerfect, fizeram com que ele desaparecesse nos anos seguintes (NÓBREGA, 2006). Na arena das planilhas eletrônicas, foi idealizado o VisiCalc, e posteriormente, um pacote para fluxogramas que trabalhava com o VisiCalc nas máquinas Apple II, sendo superado pelo programa Lotus (NÓBREGA, 2006). No princípio, o Lotus enfrentou a concorrência de programas como o Context MBA, que se apoiava no UCSD p-system. Mas o Lotus foi elaborado diretamente para o sistema de vídeo do IBM-PC, ignorando o DOS. Como resultado, era bastante rápido e assumiu a liderança no mercado do PC. Assim como o VisiCalc havia sido o "aplicativo definitivo" para o Apple II, o Lotus representou o papel principal no IBM PC (NÓBREGA, 2006). Dentro de pouco tempo, viu-se uma variedade de programas em outras áreas, desde aqueles confeccionados em outras plataformas - como o DBASE II da Ashton Tate - até muitos programas elaborados especificamente para o IBM PC, incluindo o Microsoft Flight Simulator (NÓBREGA, 2006). No final de 1983, a Microsoft já havia começado a trabalhar com programas aplicativos para o Macintosh e, no mesmo ano, anunciou o Windows 1.0 (NÓBREGA, 2006). O software integrado passou a ser o assunto em pauta de 1984, com a introdução do Lotus Symphony e do Framework da Ashton Tate, programas que combinavam processamento de textos, planilha eletrônica, gráficos e funções de base de dados num único pacote integrado (NÓBREGA, 2006). O Windows 3.0 surgiu em 1990 e, posteriormente, o S/2 Warp 3.0, direcionado ao consumidor comum e foi lançado no final de A Microsoft viria a transformar seu antigo "OS/2 3.0" no Windows NT 3. 1, que foi lançado em 1993 sem o suporte gráfico ao OS/2 (NÓBREGA, 2006)

23 24 A Microsoft, nessa mesma época, lançou seus produtos, Visual Basic e Visual C++. Além desses, foram lançados os aplicativos Microsoft pacote Office contendo o Word, o Excel, o PowerPoint e, mais tarde, o Access (NÓBREGA, 2006). Com o surgimento da Internet, datado do início dos anos 60, o órgão de Defesa de Projetos de Pesquisa Avançada (DARPA) do Pentágono estabeleceu critérios para as conexões de computadores entre universidades. Com a definição da World Wide Web (WWW) e após o lançamento do programa Mosaic ao público, no final de 1993, a rede Internet, em particular a Web, puderam ser acessadas por qualquer pessoa que tivesse um computador pessoal (NÓBREGA, 2006). Esta ferramenta revolucionou o mundo da informática e passou a ser fundamental para os acessos comuns a bancos de dados e informações compartilhadas entre milhares de internautas. 5.3 A Aplicação Computacional na Engenharia. Com a evolução dos programas a indústria da Construção Civil passou a adotar várias tecnologias com o propósito de melhorar seu desempenho. Entre essas tecnologias podem ser citados: o desenvolvimento de novos materiais; a inserção de novos métodos de cálculo; entre outros avanços tecnológicos. No campo da informática pode-se afirmar que foram desenvolvidos inúmeros programas desde os generalizados, ou seja, de uso comum, como outros de uso específico e desenvolvido para áreas ou atividades específicas. A necessidade no aumento da eficiência das empresas e dos profissionais com a globalização, a inserção da internet e os novos panoramas mundiais no mercado da construção civil, associado ao atual cenário nacional com escassez de recursos financeiros para investimentos em pesquisas, fez com que as empresas privadas e o

24 25 mercado da construção civil desenvolvessem com urgência melhorias na produtividade e competitividade por meio do uso de programas de computação.. Em função da característica de distribuição físicas da construção civil com canteiros de obra, escritórios de arquitetura e de engenharia em diferentes locais, associada à necessidade de troca de informações precisas e em tempo real, criaram-se programas que permitem acesso às informações em forma de um consórcio virtual e temporário para que se realize um empreendimento. Dentre os programas específicos e atuais no mercado voltados para a Engenharia Civil existe o SADP (Sistema de Armazenamento de Dados de Projetos), que vem sofrendo constante desenvolvimento e melhoria para atender às necessidades das empresas de construção civil. A estrutura do programa, confeccionada para a gestão de projetos na construção civil, pode ser adaptada às necessidades específicas do cliente usuário. 5.4 O Sistema SADP. Desenvolvido pela empresa SISTRUT Software e Tecnologia S/C Ltda., há quase vinte anos no mercado de desenvolvimento de softwares para engenharia, o sistema SADP, cuja primeira versão foi desenvolvida em 1999, vem sendo utilizado por empresas de construção civil na gestão de projetos, permitindo a conexão entre o canteiro de obras e o escritório central. Pelo levantamento efetuado, permite afirmar que o sistema foi o primeiro data waterhouse (armazenamento de dados) direcionado para as empresas de construção civil e projetos, baseado em sistemas colaborativos no Brasil. Trata-se de um sistema de informação baseado na tecnologia Web para projetos Extranet de projeto. Há outras empresas que mantêm estes serviços e oferecem outras funcionalidades, como: visualização on line de documentos; markup (anotações no projeto); automação dos processos e do fluxo de trabalho (workflow) (MIURA, 2005).

25 26 Com sede em São Paulo, a SISTRUT foi fundada em 1986, pelo Engenheiro Marcelo P. Picarelli, que desenvolveu integralmente, tanto o sistema SISTRUT para cálculo estrutural, como o sistema SADP, serviços oferecidos para a indústria da construção civil. O sistema SISTRUT possui hoje 6000 módulos implantados enquanto que o sistema SADP gerencia em torno de 700 obras, com uma quantidade de acesso em torno de 1000 diferentes logins habilitando-se por dia. Apesar disso, em termos operacionais, o sistema SISTRUT representa de 60% a 70% das atividades da empresa, pois os suportes ao cálculo estrutural são mais demorados devido à análise necessária nos problemas apresentados (MIURA, 2006). O sistema SADP permite gerenciar obras em todo o território brasileiro, aproveitando dos benefícios que a rede tecnológica oferece: a localização das empresas torna-se menos importante, pois na rede Web todas as empresas estão à mesma distância dos consumidores de seus serviços e produtos (MIURA, 2006). Para o funcionamento do sistema, os usuários necessitam que tenha instalado no computador pessoal tão somente um browser de navegação do tipo NetScape ou Explorer, além de um software de FTP File Transfer Protocol (PICARELLI, 2006). De acordo com o idealizador do sistema, o programa está direcionado para empresas que elaboram projetos e que tenham a necessidade em remeter e receber arquivos digitais que requerem grande capacidade de memória, como as que contêm desenhos, figuras, imagens, planilhas associadas a textos e imagens digitais, entre outros (PICARELLI, 2006). O sistema permite o recebimento em tempo real por diversos projetistas localizados em diferentes pontos da rede. Permite, ainda, atuação simultânea em um determinado projeto. Entretanto, requer redistribuição cuidadosa das partes do projeto para que as pendências e interferências sejam analisadas por todos.

26 27 Ao analisar o SADP pode-se afirmar que se trata da união de três tecnologias que reunidas disponibilizam uma série de recursos para os usuários, em especial para a coordenação e para o gerenciamento de projetos e obras. Estas tecnologias são: Armazenamento de Arquivos - Esta primeira tecnologia permite que em uma área segura de um servidor de armazenamento da rede InterNet seja depositado arquivos de qualquer tipo ou tamanho com a finalidade de disponibilizar o acesso às informações aos parceiros cadastrados. Base de Dados - Este segundo recurso gerencia o funcionamento do sistema permitindo ao coordenador do sistema: configurar permissões; documentar e registrar quem e quando foram cadastrados os arquivos; quando foram consultados os arquivos disponibilizados pelos outros parceiros; quando foram revisados e cadastrados novos arquivos; e permite o bloqueio dos arquivos antigos. Colaboração - Esta tecnologia trata da comunicação entre todos os usuários cadastrados na rede, notificando os parceiros de todas as operações que foram e estão sendo realizadas. O sistema permite, ainda, que cada parceiro usuário configure os seus próprios procedimentos de aviso (imediatos, relatórios diários, etc.).

27 O Sistema SADP Descrito por Módulos Área de Login especifica na Internet, dividida por acesso diferenciado para clientecoordenador (em verde) e para usuário (em azul). Como se pode visualizar na figura 5.1. Figura 5.1: Módulo de Controle de Acesso (PICARELLI, 2006). 5.6 Módulo do Coordenador e Funções Módulo de Login Coordenador (verde) com o painel de escolhas de funções localizado ao lado esquerdo da figura com suas principais funções.

28 29 Em vermelho a divisão dos arquivos distribuídos conforme interesse do cliente no exemplo com a obra subdividida em vários trechos, podendo ser proporcionado uma visualização geral das tarefas realizadas referentes a novos arquivos cadastrados, arquivos aprovados, pré-aprovados arquivos deletados e mensagens enviadas. Como se pode visualizar na figura 5.2. Figura 5.2: Módulo de Entrada Coordenador (PICARELLI, 2006).

29 Restrição de Acessos Cada usuário no sistema recebe um nível como, arquitetura, estrutura, comunicação visual, hidráulica, elétrica, mecânica, coordenador, consultor e etc. A estruturação do sistema é organizada em função dos interesses do cliente (coordenador), sendo determinado um grau de segurança que é representado numericamente com os algarismos de 1 a 9. Este grau é fornecido para projetos criados (obras), usuários no sistema e pastas. Esta medida visa restringir o acesso dos usuários para usos específicos. O coordenador da permissão a cada usuário de acordo com seus critérios. Como se pode visualizar na figura 5.3. Figura 5.3: Módulo de Grau de Segurança e Acessos (PICARELLI, 2006).

30 Grau de Segurança, Aprovações e Pré-Aprovações Dentro de um nível e um grau de segurança já selecionado o coordenador seleciona os usuários os quais poderão aprovar e pré-aprovar arquivos. A pré-aprovação e aprovação dos arquivos podem ser distribuídas de maneira particular para cada projeto criado (obra), ou seja, um usuário pode ser aprovador em uma obra e na outra não ter este poder. Esta função serve para que dentro de uma estrutura pré-determinada os acessos só sejam dados após verificações de usuários específicos. Como se pode visualizar na figura 5.4. Figura 5.4: Módulo de Aprovações e Pré-aprovações (PICARELLI, 2006).

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor :

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Marco Antônio Chaves Câmara Lista de Exercícios 3 Nome do Aluno : 1. Sobre as unidades de disco rígido

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

02. A extensão padrão para arquivos de áudio digital no ambiente Windows é:

02. A extensão padrão para arquivos de áudio digital no ambiente Windows é: Prova sobre informática para concursos. 01 A definição de Microcomputador é: a) Equipamento com grade capacidade de memória principal (256 Megabytes), vários processadores, alta velocidade de processamento.

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF

Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF Breve Histórico Na década de 70 o então Ministério da Aeronáutica, em parceria com o Governo de Minas Gerais, iniciou estudos para viabilizar a construção

Leia mais

Informática Básica. Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin

Informática Básica. Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin Informática Básica Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin A Evolução da Informática Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin A informática 1962, na França. info = informação matique = automática informatique = informação

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

O Sistema mais completo. de Captura e GED. do Mercado. MegaGED

O Sistema mais completo. de Captura e GED. do Mercado. MegaGED O Sistema mais completo de Captura e GED do Mercado AutoStore O AutoStore é um software de captura e distribuição de documentos (Texto, Imagens e Arquivos Eletrônicos) Com o AutoStore é possível automatizar

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Documento de Visão Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Junho de 2011 Histórico de revisão: DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 19/02/2011 1.0 Versão inicial. João Ricardo, Diogo Henrique. 24/02/2011 2.0 Modificação

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2OO6

RELATÓRIO DE GESTÃO 2OO6 AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS /GOV. ANDRÉ FRANCO MONTORO - SBGR Objeto: Implantação, adequação, ampliação e revitalização do sistema de pátios e pistas; recuperação e revitalização do

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 2.1. COMPARTILHANDO O DIRETÓRIO DO APLICATIVO 3. INTERFACE DO APLICATIVO 3.1. ÁREA DO MENU 3.1.2. APLICANDO A CHAVE DE LICENÇA AO APLICATIVO 3.1.3 EFETUANDO

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Gerenciamento unificado para milhares de ativos por toda a vida útil

Gerenciamento unificado para milhares de ativos por toda a vida útil Gerenciamento unificado milhares de ativos por toda a vida útil O Endpoint Manager da IBM, construído com tecnologia BigFix, oferece gerenciamento mais rápido e inteligente Destaques Gerencie milhares

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 1 Introdução: Um computador é uma máquina (conjunto de partes eletrônicas e eletromecânicas) capaz de sistematicamente coletar, manipular e fornecer resultados da manipulação de dados para um ou mais objetivos.

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Introdução à Computação DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Informática x Computação

Leia mais

NAVEGANDO NA INTERNET

NAVEGANDO NA INTERNET UNIDADE 2 NAVEGANDO NA INTERNET OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Definir a forma de utilizar um software de navegação; Debater os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Implementação do Office365. O365 Migração de usuários. Preparado por: Edilson Alves da Nóbrega Divisão de Informática Administração Central

Implementação do Office365. O365 Migração de usuários. Preparado por: Edilson Alves da Nóbrega Divisão de Informática Administração Central Implementação do Office365 O365 Migração de usuários Preparado por: Edilson Alves da Nóbrega Divisão de Informática Administração Central Abril de 2015 Controle de Versões Registro Data Autor Versão Histórico

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

Manual Sistema WEB 1

Manual Sistema WEB 1 Manual Sistema WEB 1 APRESENTAÇÃO Nosso site na internet é o www.tercred.com.br onde apresentamos um pouco da nossa história, nossos produtos, a rede credenciada e outros serviços. Para acessar o Sistema

Leia mais

A plataforma online mais completa e funcional para Gestão de Projetos e Obras no setor da Arquitetura, Engenharia e Construção.

A plataforma online mais completa e funcional para Gestão de Projetos e Obras no setor da Arquitetura, Engenharia e Construção. A plataforma online mais completa e funcional para Gestão de Projetos e Obras no setor da Arquitetura, Engenharia e Construção. Resolve os problemas de integração e comunicação entre as equipes de projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS PROJETO TELECENTROS COMUNITÁRIOS APPEL MICROSOFT LINUX GOOGLE É um controlador

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

TNT Radar Manual do Usuário Versão 2.1 Fevereiro 2015.

TNT Radar Manual do Usuário Versão 2.1 Fevereiro 2015. TNT Radar Manual do Usuário Versão 2.1 Fevereiro 2015. Sumário 1 - Objetivo deste manual.... 3 2 - Bem vindo ao TNT Radar.... 4 3 - Perguntas e respostas sobre a ferramenta TNT Radar.... 5 4 - Acesso a

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS Autores Antônio Luiz Forchesatto Márcia Catarina O. Guido Marco Aurélio De Marco Ronaldo Borges

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

1. Histórico e Evolução dos Computadores

1. Histórico e Evolução dos Computadores Faculdade UNIREAL Centro Educacional de Ensino Superior de Brasília 1. Histórico e Evolução dos Computadores A evolução da Informática O computador que conhecemos hoje é uma máquina programável que processa

Leia mais

O e-docs foi testado e homologado pela Microsoft via certificadora internacional Verisign.

O e-docs foi testado e homologado pela Microsoft via certificadora internacional Verisign. O e-docs Uma ferramenta com interface intuitiva, simples e dinâmica para você que necessita: Centralizar e estruturar o conhecimento corporativo. Manter a flexibilidade necessária para a colaboração. Permite

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

Para existência de um sistema de informação, fazem-se necessários três componentes, são eles:

Para existência de um sistema de informação, fazem-se necessários três componentes, são eles: RESUMO Um sistema de informação é composto de três componentes, Hardware, Software e Peopleware. Para quantificar a memória do equipamento é utilizado um sistema de medida, ou seja, o byte, que significa

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES - Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Centenas de tipos diferentes de computadores foram projetados e construídos ao longo do ciclo evolutivo dos computadores digitais.

Leia mais

aluno, Responda ao questionário e tire suas dúvidas caso as tenha.

aluno, Responda ao questionário e tire suas dúvidas caso as tenha. Recurso 1 MINISTRADO EM 27/05/2015 Prova da PM aluno, Responda ao questionário e tire suas dúvidas caso as tenha. ------------------Soldado_Policia_Militar_MG_2013 1. 33ª QUESTÃO Marque a alternativa CORRETA.

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

Informática :: Presencial

Informática :: Presencial MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público Informática- Leandro Rangel, Analista Financeiro Contábil da AGU e professor do QConcursos.com 1- Q236949 CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Em ambiente gráfico KDE, as diversas distribuições

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 31 Na Internet, para evitar que o tráfego de dados entre os usuários e seus servidores seja visualizado por terceiros, alguns sites, como os de bancos e de comércio

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO Flávio Luis de Oliveira (flavio@celepar.pr.gov.br) Helio Hamilton Sartorato (helio@celepar.pr.gov.br) Yuri

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO Universidade Corporativa Ministério da Fazenda Responsável: Margareth Alves de Almeida - Chefe

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

DataQuest. Soluções para Controle de Acesso. DataMini. Manual Técnico Software Ver. 1.0

DataQuest. Soluções para Controle de Acesso. DataMini. Manual Técnico Software Ver. 1.0 DataQuest Soluções para Controle de Acesso DataMini Manual Técnico Software Ver. 1.0 DataQuest DataQuest Comércio e Consultoria Ltda. Av. Dr. Guilherme Dumont Villares, n 1050 Sala 11 Vila Suzana - São

Leia mais

Sistemas e tecnologias da informação utilizada por instituições de ensino superior privadas

Sistemas e tecnologias da informação utilizada por instituições de ensino superior privadas Sistemas e tecnologias da informação utilizada por instituições de ensino superior privadas Fabio Fernando Kobs (UTFPR-PG) fabio@creativenet.com.br Prof. Dr. Dálcio Roberto dos Reis (UTFPR-PG) dalcioreis@terra.com.br

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira File Transport Protocolo - FTP Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira Universidade do Vale do Rios dos Sinos (UNISINOS) Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos,

Leia mais

acesse: vouclicar.com

acesse: vouclicar.com Transforme como sua empresa faz negócios, com o Office 365. Vouclicar.com A TI chegou para as pequenas e médias empresas A tecnologia é hoje o diferencial competitivo que torna a gestão mais eficiente,

Leia mais

Um estudo para o Aeroporto USIMINAS, em Ipatinga

Um estudo para o Aeroporto USIMINAS, em Ipatinga Contribuição técnica nº 17 Um estudo para o Aeroporto USIMINAS, em Ipatinga Luiza Oliveira Arquiteta e Urbanista Mestranda em Engenharia Civil Universidade Federal de Viçosa - MG Orientadores Gustavo de

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

III. Formação Corporativa

III. Formação Corporativa I. O Instituto Atualmente, o Instituto Infnet oferece mais de 100 cursos intensivos, graduações, pós-graduações e formações corporativas, organizados em duas escolas: II. Clientes Sendo referência na formação

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 INTRODUÇÃO REDES EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 Computadores eram máquinas grandes e complexas, operadas por pessoas altamente especializadas; Não havia interação direta entre usuários

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS José Francisco Pontes ASSUMPÇÃO Professor da UFSCar, Rod. Washington Luís, km

Leia mais

INFORMÁTICA 01. 02. 03. 04. 05.

INFORMÁTICA 01. 02. 03. 04. 05. INFORMÁTICA 01. Na Internet, os dois protocolos envolvidos no envio e recebimento de e-mail são: a) SMTP e POP b) WWW e HTTP c) SMTP e WWW d) FTP e WWW e) POP e FTP 02. O componente do Windows que é necessário

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática Curso Conexão Noções de Informática Aula 2 Arquitetura de Computadores (Software) Agenda Introdução; Tipos de Software; Básico; Aplicativo; Livre; Proprietário. Pirataria de Software; Demos, Freewares

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE TRABALHO TREINAMENTO STATEMENT OF WORK Preparado por Nelson Azevedo Membro do Time Versão 1 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 28/11/2010 Propósito

Leia mais

Processamento de Dados. A Evolução dos Computadores

Processamento de Dados. A Evolução dos Computadores Processamento de Dados Antigamente, alguns povos utilizavam pedras, conchas e ábacos para a realização de cálculos. Procurando agilizar a elaboração de cálculos, diversos dispositivos foram inventados...

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA PROFESSOR: Alexei Manso Correa Machado 1. EMENTA: Conceitos básicos em informática. Uso do World e Excel. Uso da internet. Uso das ferramentas

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Sistema computacional Sistemas feitos para resolver problemas Problema: como obter determinado resultado, com base em dados

Leia mais

Norton 360 Online Guia do Usuário

Norton 360 Online Guia do Usuário Guia do Usuário Norton 360 Online Guia do Usuário Documentação versão 1.0 Copyright 2007 Symantec Corporation. Todos os direitos reservados. O software licenciado e a documentação são considerados software

Leia mais

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Toshi-ichi Tachibana Departamento de Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade São Paulo

Leia mais

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho ANEXO II PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho Manutenção Evolutiva Modelo: 4.0 Sistema Indústria, 2008 Página 1 de 18 Histórico da Revisão Data Descrição Autor 06/12/2007 Necessidades para atualização

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

Calculadoras Mecânicas

Calculadoras Mecânicas ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Evolução e Desempenho de Computadores 1ª Calculadora - séc. V a.c Muitos povos da antiguidade utilizavam o ábaco para a realização de cálculos do dia a dia, principalmente

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Diveo Exchange OWA 2007

Diveo Exchange OWA 2007 Diveo Exchange OWA 2007 Manual do Usuário v.1.0 Autor: Cícero Renato G. Souza Revisão: Antonio Carlos de Jesus Sistemas & IT Introdução... 4 Introdução ao Outlook Web Access 2007... 4 Quais são as funcionalidades

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais