Prezado Leitor. Sumário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prezado Leitor. Sumário"

Transcrição

1 RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES AO PARTICIPANTE 2011

2 Prezado Leitor Sumário NOSSA MENSAGEM 2 INTEGRAR 22 GRÁFICOS Para divulgação de seu desempenho, em cumprimento à legislação e regulamentação aplicável e calcada em valores como transparência, ética e profissionalismo, a SABESPREV apresenta neste relatório os resultados do ano de Esta publicação oficial tem como objetivo apresentar o resultado dos investimentos, as despesas administrativas e a situação dos planos de benefícios previdenciais e assistenciais de forma clara, transparente e abrangente. No verso desta página, esses indicadores são apresentados de forma condensada. O Relatório Anual de Informações ao Participante 1 é o documento corporativo de prestação de contas da Fundação, direcionado aos Participantes dos planos de benefícios previdenciais e assistenciais, administrados pela SABESPREV, à Patrocinadora SABESP e às demais partes interessadas. Está divido em duas partes: a primeira com textos, fotos e gráficos e a segunda parte, onde consta a íntegra das Demonstrações Financeiras da Gestão Previdencial e Assistencial. Boa leitura! Mais informações acesse: SUSTENTAR, EDUCAR, INTEGRAR E EVOLUIR 3 SUSTENTAR 4 A SABESPREV 4 Missão 5 Visão 5 Valores 5 ESTRUTURA DE GOVERNANÇA 5 Conselho Deliberativo 7 Conselho Fiscal 7 Diretoria Executiva 7 Comitê de Saúde 7 Comitê de Investimentos 7 Composição do Conselho DELIBERATIVO 8 Composição do Conselho FISCAL 8 Composição da Diretoria ExECUTIVA 9 Composição do Comitê de SaúDE 9 Composição do Comitê de INVESTIMENTOS 9 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 10 Perfil dos Empregados 11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 12 Dia do Compromisso 12 Rumo ao Multipatrocínio 12 OUVIDOR LIGADO DIRETAMENTE AO CONSELHO DELIBERATIVO 12 PORTAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 12 PROCESSO DE GESTÃO DE RISCOS 13 SEGREGAÇÃO DE FUNÇÕES 14 MANUAL DE INVESTIMENTOS 14 DESPESAS ADMINISTRATIVAS 14 Gestão Previdencial 14 Gestão Assistencial 15 EDUCAR 16 CONTEXTO SETORIAL 17 A Previdência Complementar 17 A Saúde Suplementar 18 Desafios do Setor 18 Custo do Envelhecimento 18 ATENDIMENTO AO PARTICIPANTE 22 Call Center 22 Atendimento Pessoal 23 Pólos Regionais 23 Chat OUVIDORIA 24 MELHORES CONDIÇÕES DE EMPRÉSTIMO AOS PARTICIPANTES 25 EXTRATO DE CONTAS DOS PLANOS PREVIDENCIÁRIOS 25 Pesquisa de Satisfação 25 SABESPREV É AVALIADA COMO UMA DAS MELHORES OPERADORAS DO PAÍS 26 MAIS DE 52 MIL VIDAS ATENDIDAS 26 Rede Credenciada: MAIS DE PROCEDIMENTOS UTILIZADOS 27 Controle das Contas MÉDICAS 28 Fornecimento de Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPME) de Alto Custo 29 Medicamentos 29 OPME 30 Cobertura de Procedimentos não Previstos pelo Rol da ANS 30 Programa Preventivo de Gerenciamento Médico de Doentes Crônicos 30 PARTICIPANTES TRANSFERIDOS PARA OS PLANOS DE SAÚDE EXECUTIVO E EXECUTIVO A 30 Mais Agilidade na Emissão de SenhAS 30 EVOLUIR 32 AVALIAÇÃO ATUARIAL 33 ESTUDO DE ADERÊNCIA 33 HIPÓTESES ATUARIAIS 33 RENTABILIDADE DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS 35 Plano de Benefícios Básico BD 35 Equilíbrio Atuarial 36 Plano SABESPREV MAIS CD 37 Plano de Reforço CD 38 CENÁRIO DO MERCADO FINANCEIRO 38 SUPERAÇÃO DA META ATUARIAL EMPREGADOS POR GÊNERO EMPREGADOS POR FAIXA ETÁRIA EMPREGADOS POR TEMPO DE FUNDAÇÃO EMPREGADOS POR FORMAÇÃO EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS ECONOMIA COM AS GLOSAS EFETUADAS PARTICIPANTES ATENDIDOS COM MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO ECONOMIA COM A COMPRA DE MEDICAMENTOS PARTICIPANTES BENEFICIADOS COM OPME ECONOMIA COM A AQUISIÇÃO DE OPME PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS BÁSICO BD CONTRIBUIÇÕES AO PLANO, BENEFÍCIOS E RESGATES PAGOS EVOLUÇÃO DO DÉFICIT ATUARIAL PARTICIPANTES DO PLANO SABESPREV MAIS CD 37 TABELAS 1. DESPESAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO PREVIDENCIAL DESPESAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO ASSISTENCIAL CUSTO X FAIXA ETÁRIA PROFISSIONAIS X OPORTUNIDADES CANAIS E QUANTIDADE DE ATENDIMENTOS QUANTIDADE DE OCORRÊNCIAS VIDAS ATENDIDAS PELOS PLANOS DE SAÚDE REDE CREDENCIADA PROCEDIMENTOS UTILIZADOS RECEITAS E DESPESAS DOS PLANOS AUDITORIAS E PRÉ-ANÁLISES EFETUADAS GLOSAS EFETUADAS EM CONTAS MÉDICAS ATENDIMENTOS DOMICILIARES PARTICIPANTES ATENDIDOS PELO GMDC 31 1 Participante para efeito deste relatório, caso não esteja especificado, a palavra Participante vale para os ativos e assistidos e, também, para aqueles que só fazem parte dos planos de benefícios assistenciais. Alto Custo dos Serviços MÉDICOS 18 Planos de Saúde ao Alcance de Todos 18 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS E DIRIGENTES 19 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA E PREVIDENCIÁRIA FUTURO DA GENTE 20 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS EMPREGADOS 21 POLÍTICAS DE INVESTIMENTO 39 GESTÃO DE INVESTIMENTOS 40 Avaliação de Riscos e CONTROLES 40 ALOCAÇÃO DOS INVESTIMENTOS E RENTABILIDADE 40 Rentabilidade Consolidada 40 Alocação dos Investimentos POR Planos e Rentabilidade SEGMENTOS E LIMITES TETOS GLOBAIS ESTABELECIDOS PELA RESOLUÇÃO 3792/2009 CMN 39 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GESTÃO PREVIDENCIAL 44 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GESTÃO ASSISTENCIAL 97 MAIS DE 2500 PESSOAS ATENDIDAS NO ESPAÇO SABESPREV DURANTE A SIPAT UNIFICADA DA METROPOLITANA 21

3 INDICADORES PLANOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PLANOS DE SAÚDE EMPRÉSTIMOS (OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES) GESTÃO ADMINISTRATIVA Participantes Ativos Participantes Assistidos Total PLANO DE BENEFÍCIOS BÁSICO - BD Participantes Ativos Participantes Assistidos Total Contribuições (Patrocinadoras e Participantes) Pagamento de Benefícios Patrimônio Líquido de Cobertura Rentabilidade Líquida 13,79 13,65 PLANO SABESPREV MAIS - CD Participantes Ativos Participantes Assistidos Total Contribuições (Patrocinadoras e Participantes) Pagamento de Benefícios Patrimônio Líquido de Cobertura Rentabilidade Líquida 10,22 10,63 PLANO DE REFORÇO - CD % R$ MIL UNIDADE % R$ MIL UNIDADE UNIDADE Receita Despesas Assistenciais Patrimônio Líquido Saúde PARTICIPANTES POR PLANO Pleno Especial Executivo Executivo A Padrão Padrão A Básico 80 0 Especial TAC SubTotal Odontológico Intermédica Total Consultas Exames Internações Terapias UNIDADE R$ MIL PLANO DE BENEFÍCIOS BÁSICO - BD Valor da Carteira Contratos Ativos PLANO SABESPREV MAIS - CD Valor da Carteira Contratos Ativos GESTÃO DE INVESTIMENTOS Total de Recursos Garantidores dos Planos Renda Fixa Renda Variável Investimentos Estruturados Investimentos no Exterior 0 0 Investimentos em Imóveis Empréstimos Rentabilidade Consolidada Sabesprev 14,20 13,22 UNIDADE R$ MIL UNIDADE R$ MIL % R$ MIL Patrimônio Líquido do Plano de Gestão Administrativa Despesas Adm. da Gestão Previdencial Despesas Adm. da Gestão Assistencial Despesas Administrativas da Gestão Previdencial, per capita Despesas Administrativas da Gestão Assistencial, per capita Despesas Administrativas da Gestão Assistencial, sobre a Receita 293,45 236,88 276,32 334,42 10,64% 11,56% ATENDIMENTOS REALIZADOS Ouvidoria Call Center Presencial Chat Pólos Regionais Total QUADRO DE EMPREGADOS Total de Empregados Mulheres Homens Idade Média Tempo de Trabalho (média) 5,4 5 Treinamento R$ MIL R$ 1,00 % UNIDADE UNIDADE ANOS OPORTUNIDADES Participantes Ativos Participantes Assistidos Total UNIDADE Contribuições (Participantes) Pagamento de Benefícios Patrimônio Líquido de Cobertura R$ MIL Rentabilidade Líquida 11,95 9,59 %

4 NOSSA MENSAGEM O ano de 2011 marcou o início efetivo de uma nova gestão na SABESPREV: nova Diretoria e novos membros no Conselho Deliberativo. Uma nova gestão procura imprimir sua marca. Neste primeiro ano, o Conselho Deliberativo trabalhou no estabelecimento de pilares para o atingimento do lema CONFIANÇA E RESULTADO. SUSTENTAR, EDUCAR, INTEGRAR E EVOLUIR O ano de 2011 foi marcado por grandes ações e desafios. Para descrevê-los dividimos a estrutura deste relatório em palavras que traduzem o relacionamento da SABESPREV com seus Participantes. A CONFIANÇA deve vir de uma administração transparente, reta, dedicada e compartilhada. Para a pavimentação deste caminho fizemos a revisão do manual de Governança Corporativa e criamos os Regimentos Internos dos Comitês de Investimento e de Saúde, assim como introduzimos a participação de representantes de entidades no Comitê de Saúde. Aprovamos um Manual Técnico de Investimentos, que estabelece as regras para a escolha dos investimentos a serem feitos pela SABESPREV usando o patrimônio de seus Participantes. O RESULTADO virá da execução das atividades com correção técnica e de uma melhor gestão dos riscos a que a Fundação é submetida em seu dia a dia. Tanto isto é verdade que o órgão fiscalizador (Previc) passou a verificar muito mais a forma como as Fundações avaliam e reduzem seus riscos que o seguimento estrito da legislação nos atos praticados por elas. Aprovamos a criação de um Processo de Gestão de Riscos que já começa a mudar a forma de pensar da administração, sendo que nesta linha fizemos a troca de alguns gestores de patrimônio buscando melhores resultados, aumentamos os prazos e reduzimos as taxas de juros dos empréstimos a Participantes, instituímos temporariamente o desconto para pagamento pontual dos planos de saúde e extinguimos o Plano de Saúde Básico, transferindo seus Participantes para o Plano Executivo, de melhor cobertura e menor custo. O RESULTADO também apareceu no trabalho conjunto com a Diretoria para a redução dos prazos de emissão de senhas para a realização de procedimentos e no atingimento, com alguma folga, das metas de rentabilidade do patrimônio. Para 2012 serão iniciadas as ações definidas no Planejamento Estratégico Esperamos trazer muitas melhorias para os planos previdenciários e de saúde, ótimos resultados nos investimentos, transparência cada vez maior na gestão, otimização das despesas administrativas e satisfação cada vez maior dos Participantes da NOSSA Fundação. Conselho Deliberativo Sustentar: destacamos as principais ações, fruto de uma gestão compartilhada: Planejamento Estratégico ; Ouvidor ligado ao Conselho Deliberativo; Criação do Portal de Governança; Processo de Gestão de Riscos; Manual de Investimentos e Despesas Administrativas. Educar: trazemos as ações que disseminaram informações importantes para que o participante possa entender ainda mais como são geridos os planos previdenciais e assistenciais da SABESPREV: Contexto da Previdência Complementar e da Saúde Suplementar; Programa de Capacitação de Conselheiros e Dirigentes; Programa de Educação Financeira e Previdenciária Futuro da Gente; Programa de Capacitação dos Empregados na SABESPREV e Mais de 2500 pessoas atendidas na SIPAT. Integrar: demonstramos as ações que merecem destaque no relacionamento da Fundação com o Participante: Atendimento ao Participante; Ouvidoria; Melhores Condições no Empréstimo Pessoal; Extrato de Conta dos Planos Previdenciários; Pesquisa de Satisfação do Participante; SABESPREV entre as Melhores Operadoras de Saúde do País; Rede Credenciada: mais de procedimentos utilizados; Economia com o Fornecimento de Órteses, Próteses e Materiais Especiais; Cobertura de Procedimentos não Previstos pelo Rol da ANS; Programa Preventivo de Gerenciamento Médico de Doentes Crônicos; Participantes do Plano Básico transferidos para os Planos de Saúde Executivo e Executivo A e Mais Agilidade na Emissão de Senhas Médicas. Evoluir: trazemos um apanhado de dados financeiros e atuariais que demonstram como a SABESPREV agregou valor ao patrimônio do Participante em 2011: Avaliação Atuarial; Estudo de Aderência; Hipóteses Atuariais; Rentabilidade dos Planos de Benefícios Previdenciários; Cenário do Mercado Financeiro; Superação da Meta Atuarial; Políticas de Investimentos; Gestão dos Investimentos e Alocação dos Investimentos e Rentabilidade. Agradecemos a todos que fizeram parte das ações deste exercício. Os resultados ocorreram graças a uma ação conjunta de diretores, membros do Conselho Deliberativo e Fiscal e da equipe SABESPREV. Diretoria Executiva 6 7

5 Sustentar SUSTENTAR Ser sustentável é atuar hoje mantendo o comprometimento com o futuro. Investir no capital humano, em ferramentas mais eficientes de gestão, pautar as ações em planejamento e estratégia e criar processos que sustentam as melhores práticas da governança. Esta é a força que movimenta a atuação da SABESPREV. A SABESPREV A Fundação Sabesp de Seguridade Social SABESPREV é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC) de natureza jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia financeira e administrativa. Foi fundada em 20 de fevereiro de 1991, para administrar o Plano de Benefícios Básico, na modalidade de Benefício Definido (BD), oferecido aos empregados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo SABESP, sua Patrocinadora e Instituidora, e da própria SABESPREV. Em 1993, como Operadora de Planos de Saúde MISSÃO Oferecer planos de previdência e saúde, com transparência e eficácia na gestão, contribuindo com a qualidade de vida dos Participantes. VISÃO Ser uma entidade multipatrocinada, reconhecida em sua área de atuação como referência na gestão de planos sustentáveis de previdência e saúde, sendo motivo de satisfação para Participantes, Patrocinadoras e Empregados. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA As boas práticas de governança devem fazer parte do dia a dia de qualquer organização. Na Fundação elas se fortalecem pelo compartilhamento de interesses comuns existentes entre as diversas instâncias, em prol da sustentabilidade da Entidade. A SABESPREV já possui: Código de Ética e Conduta; Canal de Denúncias; Política de Delegação de Autoridades e Limites de Alçadas; Neste contexto seguem os destaques deste capítulo: Planejamento Estratégico - definição das metas para o período , com foco no Participante Ouvidor Ligado Diretamente ao Conselho Deliberativo Portal de Governança Corporativa Processo de Gestão de Riscos - aderência à metodologia da Supervisão Baseada em Risco (SBR), preconizada pela Previc Manual de Investimentos - normatização das regras para aplicação dos recursos garantidores dos planos de benefícios Despesas Administrativas - Gestão Previdencial e Assistencial (OPS), na modalidade Autogestão, passou a administrar também os planos assistenciais de saúde. Com o passar dos anos, o campo de atuação da Fundação foi ampliado. A SABESPREV passou a administrar novos benefícios, tais como: Assistência Odontológica (1996); Empréstimo Pessoal vinculado ao Plano de Benefícios Básico (1997); Plano de Reforço Previdenciário, na modalidade Contribuição Definida (1998); Plano de Benefício Previdenciário SABESPREV MAIS, na modalidade Contribuição Definida; e Empréstimo Pessoal, vinculado ao Plano SABESPREV MAIS, os dois últimos a partir de VALORES Atuação Ética Transparência na Gestão Competência Profissional Respeito aos Participantes Confidencialidade das Informações Valorização das Pessoas Comprometimento, Confiança e Sinergia com as Partes Interessadas Calendário Anual de Reuniões dos Conselhos, com as pautas regulamentares previamente definidas; e Regras de funcionamento dos Comitês, definidas em Regimento Interno. A estrutura de governança da SABESPREV é composta pelo Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal, Diretoria Executiva, Ouvidoria e pelos Comitês, de Investimento e de Saúde. 8 9

6 SUSTENTAR SUSTENTAR Diagrama de Governança OUVIDORIA CONSELHO FISCAL CONSELHO DELIBERATIVO DIRETORIA EXECUTIVA Participam ainda da governança da Entidade outros agentes, tais como: os atuários e auditores externos independentes; a Auditoria Interna da Patrocinadora SABESP; e, principalmente, os órgãos reguladores, conforme diagrama. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA COMITÊ DE INVESTIMENTOS AUDITORIA INTERNA (SABESP) REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO EXTERNAS Previc Superintendência Nacional de Previdência Complementar - supervisão e fiscalização das EFPCs. CNPC Conselho Nacional de Previdência Complementar - regulação das EFPCs. CVM Comissão de Valores Mobiliários - estabelece normativas que devem ser seguidas pelas EFPCs, quando da aplicação de seus recursos. ATUÁRIOS EXTERNOS COMITÊ DE SAÚDE AUDITORIA EXTERNA ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar - promove o equilibrio nas relações entre as parte interessadas na saúde suplementar. CMN Conselho Monetário Nacional - define as diretrizes de aplicação dos recursos garantidores dos planos administrados pelas EFPCs. Conselho Deliberativo Órgão máximo da estrutura de governança, responsável pela definição das diretrizes gerais da Fundação e de seus planos de benefícios previdenciais e assistenciais. É composto por seis membros titulares e respectivos suplentes, de forma paritária entre representantes dos Participantes e da Patrocinadora, sendo o presidente indicado pela Patrocinadora. O mandato dos membros é de quatro anos, permitindo-se uma recondução. O colegiado reúne-se mensalmente para analisar e deliberar temas de sua competência. Em 2011 foram realizadas 21 reuniões, incluindo as reuniões extraordinárias. Os principais temas que pautaram essas reuniões foram: Políticas de Investimento Plano de Gestão Administrativa Orçamento Demonstrações Financeiras Premissas Atuariais Plano de Custeio Ações Judiciais Instrumentos Organizacionais Relatório de Controles Internos do Conselho Fiscal Gestão de Riscos Contratação de Auditores e Atuários Externos Planos de Saúde Operações com Participantes Alienação de Imóveis Conselho Fiscal Órgão de controle interno da Fundação. É composto por quatro membros titulares e respectivos suplentes, de forma paritária entre representantes dos Participantes e da Patrocinadora, sendo o presidente indicado pelos membros representantes dos Participantes. O mandato dos membros é de quatro anos e a recondução não é permitida. O colegiado reúne-se mensalmente e em 2011 foram realizadas 23 reuniões, incluindo as reuniões extraordinárias. Os principais temas que pautaram as reuniões foram: Controles Internos Acompanhamento Orçamentário Acompanhamento das Políticas de Investimento Demonstrações Financeiras Ações Judiciais Planos de Saúde Gestão Atuarial Gestão de Riscos Diretoria Executiva Instância da estrutura de governança responsável pela execução das diretrizes definidas pelo Conselho Deliberativo e pela administração geral da SABESPREV. A comunicação aos Participantes, Conselheiros e Patrocinadores é uma das mais relevantes atribuições da Diretoria. O órgão é composto por quatro integrantes, sendo um presidente e três diretores. Os membros da Diretoria são designados pelo Conselho Deliberativo e seus mandatos são de quatro anos, permitindo-se a recondução. A Diretoria Executiva reúne-se semanalmente para analisar e aprovar os diversos assuntos que fazem parte da gestão da Entidade, submetendoos à deliberação do Conselho Deliberativo, sempre que necessário. Comitê de Saúde Instância de assessoramento instituída pelo Conselho Deliberativo com o objetivo de apreciar, discutir e acompanhar os assuntos pertinentes aos planos assistenciais: médicos e odontológicos. Analisa o desempenho desses planos e propõe medidas de controle. O Comitê de Saúde assessora a Diretoria Executiva e o Conselho Deliberativo, por intermédio de recomendações. Comitê de Investimentos Instância de assessoramento instituída pelo Conselho Deliberativo com o objetivo de assessorar a Diretoria Executiva e o Conselho Deliberativo nas decisões relativas à aplicação dos recursos garantidores dos planos de benefícios previdenciais e assistenciais, por intermédio de recomendações

7 SUSTENTAR SUSTENTAR COMPOSIÇÃO DOS CONSELHOS CONSELHO DELIBERATIVO COMPOSIÇÃO DA DIRETORIA E COMITÊS DIRETORIA EXECUTIVA TITULARES SUPLENTES Conselheiros Indicados Edison Raul Barretti Presidente Silvio Aroulho Vice-Presidente Nercy Donini Bonato Nilton João dos Santos Valter Mendonça Guilherme Luiz Fernando B. Guimarães Liège Oliveira Ayub Presidente Cesar Soares Barbosa Diretor de Previdência Vilma de Seixas Martins Diretora de Saúde Ademir dos Santos Diretor de Gestão Conselheiros Eleitos Gabriel Satti Danilo Grimaldi Ademir Andrade de Oliveira Armando Silva Filho Jorge Alberto Arrivabene Marcos Tadeu Gaspari Integrantes COMITÊ DE SAÚDE Indicados Conselheiros TITULARES CONSELHO FISCAL SUPLENTES Vilma de Seixas Martins (Coordenadora) Diretora de Saúde Antonio Klaus Mesojedovas (Vice-coordenador) Gerente de Saúde Ademir Andrade de Oliveira Membro Titular do Conselho Deliberativo José Luiz de Melo Pereira Representante da Associação dos Aposentados e Pensionistas da Sabesp - AAPS Eduardo Natel Patricio Representante do Sindicato dos Engenheiros João Prado de Andrade Membro Titular do Conselho Fiscal Eleitos Miguel Ângelo F. Teixeira Presidente João Prado de Andrade Matias Alves Neto Antonio M. Baptista Neto COMITÊ DE INVESTIMENTOS Integrantes Conselheiros Indicados Indicados Sylvio Mero Sotero de Menezes Iassuo Hagy Péricles Giacon Júnior Plínio Montoro Filho Em 2013 os Conselhos serão renovados. Três membros do Conselho Deliberativo e dois do Conselho Fiscal encerrarão seus mandatos em janeiro de Isso significa que em 2012 haverá eleição para os representantes dos Participantes e indicações da Patrocinadora SABESP. Cesar Soares Barbosa (Coordenador) Diretor de Previdência Fernando Savioli (Vice-coordenador) Gerente de Investimentos Armando Silva Filho Membro Suplente do Conselho Deliberativo Gabriel Satti Membro Titular do Conselho Deliberativo Valter Mendonça Guilherme Membro Suplente do Conselho Deliberativo 12 13

8 SUSTENTAR SUSTENTAR ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A Fundação encerrou 2011 com um efetivo de 126 empregados, quatro cedidos 1 e três estagiários, com o seguinte organograma: PERFIL DOS EMPREGADOS O quadro de empregados é composto por 52% de homens e 48% de mulheres, com um perfil distribuído da seguinte forma: média de 33 anos de idade, cinco anos de tempo de trabalho na Fundação, predominância do grau de escolaridade superior e pós-graduação. Presidência - Assessoria de Comunicação - Assessoria de Gestão de Risco - Assessoria Jurídica EMPREGADOS POR GÊNERO EMPREGADOS POR FAIXA ETÁRIA 5% 1% 4% Gerência Diretoria Previdência Investimentos Seguridade Administrativa Finanças e Controladoria Gestão Relacionamento com Participante Tecnologia da Informação Controladoria Médica Saúde Saúde 52% 48% Homens Mulheres 10% até 20 anos até 30 anos até 40 anos até 50 anos até 60 anos acima de 60 anos 37% 43% Gráfico 01 Gráfico 02 EMPREGADOS POR TEMPO DE FUNDAÇÃO EMPREGADOS POR FORMAÇÃO 9% 7% 1% 10% 21% até 5 anos até 10 anos até 15 anos acima de 15 anos 24% Segundo grau incompleto Segundo grau completo Superior incompleto Superior completo Pós graduação 23% 61% 44% 1 Cedido: empregado da Patrocinadora SABESP que presta serviços na Fundação. As despesas com os salários e encargos são reembolsadas pela SABESPREV. Gráfico 03 Gráfico

9 SUSTENTAR SUSTENTAR PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Em 2011, o Planejamento Estratégico, coordenado pelo Conselho Deliberativo e Diretoria Executiva, contou com a participação dos empregados da Entidade e do Ouvidor para juntos definirem os rumos da SABESPREV para o período de A Missão, Visão e Valores foram revisados, com foco na satisfação do Participante e na sustentabilidade da Entidade. DIA DO COMPROMISSO No último dia de atividades, chamado de Dia do Compromisso, os integrantes do Planejamento Estratégico assinaram os compromissos estabelecidos para o período Estes foram alguns dos compromissos assumidos pelos conselheiros, diretores e empregados: OUVIDOR LIGADO DIRETAMENTO AO CONSELHO DELIBERATIVO Em linha com seu Manual de Governança Corporativa, em 2011, o Ouvidor passou a responder diretamente ao Conselho Deliberativo. Desta forma, esse importante canal de comunicação com o Participante tornou-se ainda mais atuante ao ganhar mais independência. É mais um passo dado com foco no Participante. PORTAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA O Portal de Governança Corporativa (PGC) é destinado aos membros dos Conselhos, dos Comitês e da Diretoria Executiva. A finalidade principal é prover eletronicamente o material das reuniões, atas e outras informações, com mais segurança e agilidade. PROCESSO DE GESTÃO DE RISCOS Em 2010, a Previc - órgão regulador das EFPCs - publicou o Guia de Melhores Práticas em Fundos de Pensão para orientar quanto ao dia a dia da gestão desses fundos. A Previc utiliza a metodologia da Supervisão Baseada em Risco (SBR), incentivando uma forte e importante mudança de cultura na rotina de trabalho, de gestão e de acompanhamento por parte dos supervisores, que agregam esforços para defender e garantir o patrimônio previdenciário dos Participantes ativos e assistidos do sistema previdenciário complementar fechado. Utilizando a metodologia SBR, o órgão regulador atua conforme demonstrado no diagrama a seguir: ATUAÇÃO DO ÓRGÃO FISCALIZADOR NA METODOLOGIA DE SUPERVISÃO ATUAÇÃO DO ÓRGÃO FISCALIZADOR NA METODOLOGIA BASEADA DE SUPERVISÃO EM RISCO BASEADA EM RISCO. os níveis de governança da Fundação. O Processo visa implantar uma cultura de riscos e controles internos estabelecendo ações contínuas de gerenciamento de riscos, em total aderência às exigências legais e às boas práticas de governança. Com patrocínio do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva e o suporte de uma consultoria especializada em fundos de pensão, o Processo teve início em outubro de Em dezembro, os principais riscos e controles, dos processos mais relevantes, foram identificados, analisados e documentados. Em 2012 será finalizada e divulgada a Política de Gestão de Riscos e serão concluídas as demais etapas, iniciando-se um processo contínuo que trará mais segurança à gestão da Fundação. Transmitir a sensação de pertencer à comunidade SABESPREV Ser percebida como referência na gestão de planos de previdência e saúde Oferecer produtos que satisfaçam diversos públicos O acesso ao Portal é controlado, garantindo mais segurança às informações. Os documentos impressos a partir do Portal, quando necessário, trazem a identificação do emissor, data e horário. Monitoramento, orientação e fiscalização Fiscalização RUMO AO MULTIPATROCÍNIO De olho na sustentabilidade da Fundação, uma das principais metas estabelecidas pelo Conselho Deliberativo para o período de Com a implantação do PGC busca-se a redução das despesas com impressão e envio de documentos, antes encaminhados em papel, colaborando também com a preservação do meio ambiente. Impacto Educação Educação e Orientação é o multipatrocínio. O objetivo é oferecer a outras empresas os 20 anos de expertise em gestão de planos de benefícios. Fonte: Banco Mundial, 2010 Probabilidade Um dos aspectos enfatizados no Guia é a implantação de um Processo de Gestão de Riscos para maior segurança e solidez às operações realizadas pelas EFPCs. Dia do Compromisso 29/07/2011 Alinhada com a SBR, em 2011 a SABESPREV iniciou um projeto para reestruturação do Processo de Gestão de Riscos, envolvendo todos 16 17

10 SUSTENTAR SUSTENTAR SEGREGAÇÃO DE FUNÇÕES O Processo de Gestão de Riscos, que está em fase de implantação, engloba também a identificação do risco de concentração de poder em estruturas organizacionais. Com a finalidade de mitigar este risco, as atividades contábeis, de orçamento e de tesouraria, anteriormente subordinadas à área de investimento foram transferidas para a área de gestão. A segregação de funções implantada trouxe melhoria aos processos e aprimorou os controles internos. MANUAL DE INVESTIMENTOS O Manual de Investimentos foi criado para conferir mais eficiência, segurança jurídica e agilidade nas decisões relativas às aplicações dos recursos garantidores dos planos de benefícios administrados pela Fundação. O documento apresenta um rol mínimo de aspectos operacionais e legais, os quais devem subsidiar as decisões de investimento e desinvestimento, assim como, auxiliar no monitoramento das DESPESAS ADMINISTRATIVAS Gestão Previdencial O custeio administrativo se refere aos recursos utilizados para o pagamento das Despesas Administrativas dos planos de benefícios previdenciários. A Resolução CGPC nº 29/2009 criou o Plano de Gestão Administrativa (PGA), que estabelece o limite para as Despesas Administrativas Previdenciais e as fontes de custeio que podem ser utilizadas para a cobertura dessas despesas. As fontes de custeio são: Contribuição dos Participantes ativos e assistidos Contribuição dos Patrocinadores Reembolso dos Patrocinadores Resultado dos Investimentos Receitas Administrativas Fundo Administrativo Dotação Inicial O PGA, elaborado para cada plano previdenciário e aprovado anualmente pelo Conselho Deliberativo, estabelece o limite anual das Despesas Administrativas para cada plano de benefício previdenciário. O limite anual estabelecido para cada plano é monitorado pelo Conselho Fiscal e também pela Previc, buscando um controle eficaz Descrição R$ mil R$ mil (a) Patrimônio (b) Despesas Administrativas da Gestão Previdencial Pessoal e Encargos Serviços de Terceiros Outras (c) Número de Participantes (b/a) Despesas sobre o Patrimônio (%) 0,47 0,35 (b/c) Despesa per capita (R$1,00) 293,45 236, Somente o Patrimônio vinculado aos planos previdenciários Tabela 01 Despesas Administrativas da Gestão Previdencial Gestão Assistencial As Normas Contábeis estabelecidas pela Previc determinam a obrigatoriedade das EFPCs contabilizarem as despesas administrativas da Gestão Previdencial e da Gestão Assistencial dos Planos de forma segregada, dentro do PGA. As Despesas Administrativas contabilizadas no PGA, atribuídas à Gestão Assistencial, são inteiramente reembolsadas pelos Planos de Assistência à Saúde. Embora não exista limite definido pelo órgão regulador da Saúde, ANS, as Despesas Administrativas da Gestão Assistencial são limitadas em 15% das receitas, conforme estabelecido no Convênio de Adesão 001/2008, firmado entre SABESP e SABESPREV. As Despesas Administrativas da Gestão Assistencial têm se mantido em percentuais inferiores ao limite previsto no Convênio. Despesas Administrativas da Gestão Assistencial aplicações financeiras realizadas. Seu objetivo principal é a mitigação de riscos a partir da criação de um guia prático para as ações dos responsáveis pelas aplicações dos recursos garantidores, indicando inclusive os pontos fundamentais que agregam valor para a atividade de administração da carteira de investimentos. O Manual de Investimentos, aprovado pelo Conselho Deliberativo, representa a consolidação das práticas de gestão dos investimentos adotadas pela SABESPREV. das despesas para a administração dos planos, sempre preservando os interesses dos Participantes. Em dezembro de 2010, ao aprovar o PGA para o ano de 2011, o Conselho Deliberativo estabeleceu o limite de R$ 7,7 milhões para as Despesas Administrativas da Gestão Previdencial. A Tabela 01 demonstra as Despesas Administrativas da Gestão Previdencial incorridas em 2011 e Os indicadores de 2011 da Despesa per capita, R$ 236,88, e percentual das Despesas sobre o Patrimônio, 0,35%, encontram-se muito abaixo da média apurada no Estudo da Previc 2, que é de R$ 872,66 e 0,56%, respectivamente, para o grupo de entidades com patrimônio entre 500 milhões e 2 bilhões. Descrição R$ mil R$ mil (a) Receita (b) Despesas Administrativas da Gestão Assistencial Pessoal e Encargos Serviços de Terceiros Tributos Despesas Gerais (c) Número de Participantes* (b/a) Despesas sobre a Receita (%) 10,64% 11,55% (b/c) Despesa per capita (R$1,00) 276,32 334, Inclui Plano Odontológico e Intermédica. Tabela Refere-se à Série de Estudos lançado pela Previc em 2011, sendo que o Número 1 divulga as Despesas Administrativas do exercício de 2010 das EFPCs 19

11 Educar EDUCAR Educar para crescer. Educar para transformar. Para que o Participante possa entender ainda mais como são geridos os planos previdenciais e assistenciais, a SABESPREV dissemina através de diferentes canais de comunicação, uma diversidade de ações a respeito de suas atividades. Confira alguns dos destaques neste capítulo: Contexto Setorial da Previdência Complementar e da Saúde Suplementar Programa de Capacitação de Conselheiros e Dirigentes Programa de Educação Financeira e Previdenciária - Futuro da Gente Programa de Capacitação dos Empregados Mais de 2500 pessoas atendidas durante a SIPAT CONTEXTO SETORIAL A Previdência Complementar A Previdência Complementar no Brasil está assentada em dois pilares: as Entidades Abertas de Previdência Complementar (EAPCs) e as Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPCs), conhecidas como fundos de pensão. As EAPCs são entidades com fins lucrativos, organizadas sob a forma de sociedades anônimas, sendo que as EFPCs, na qual se enquadra a SABESPREV, são entidades sem fins lucrativos, instituídas como Fundações ou associações. As EFPCs são entidades administradoras de planos de benefícios patrocinados por empresas ou instituídos por entidades associativas, oferecidos exclusivamente aos seus empregados ou associados, respectivamente. As leis complementares LC 108/2001 e LC 109/2001 disciplinam o funcionamento da previdência complementar. A LC 108/2001 estabelece a relação entre as organizações públicas e as EFPCs que patrocinam e, a LC 109/2001, define o que são, quais são seus objetivos, qual a estrutura de governança e quais são as regras de funcionamento, tanto das EFPCs quanto das EAPCs. As diretrizes de aplicação dos recursos garantidores dos planos administrados pelas EFPCs são estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, o qual fixa os limites de aplicações dos investimentos das entidades. O órgão regulador do sistema fechado da previdência complementar é o Conselho Nacional da Previdência Complementar, e a fiscalização e supervisão das atividades das EFPCs são de competência da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), ambos subordinados ao Ministério da Previdência Social. A Previc foi instituída em 2009, em substituição à Secretaria da Previdência Complementar. Os fundos de pensão representam uma das mais importantes fontes de recursos disponíveis para investimentos no País. Embora o crescimento do sistema, em termos do número de entidades e Participantes, ainda seja um desafio, o patrimônio total das EFPCs cresceu 6,49 vezes nos últimos quinze anos, segundo a Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar

12 EDUCAR EDUCAR A SAÚDE SUPLEMENTAR Com a Lei nº 9.656/1998 ocorreu a regulamentação dos planos de saúde no Brasil e foi possível avançar na identificação das características básicas do setor de saúde suplementar. Uma delas é a sua alta concentração: o mercado é formado por um grande número de pequenas operadoras com quantidade reduzida de Participantes. Mais de 70% dos Participantes dos planos autossustentáveis da SABESPREV (pagos apenas pelos Participantes) estão na última faixa etária, ou seja, acima de 59 anos. Essa característica dos planos de autogestão é uma das principais causas de desequilíbrio financeiro do plano. PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS E DIRIGENTES De acordo com o Caderno de Informação da Saúde Suplementar, publicado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), em setembro de 2011, o setor contava com Operadoras de Planos de Saúde (OPS) e cerca de 46 milhões de Participantes. A SABESPREV é uma OPS, na modalidade autogestão, que administra planos de assistência à saúde aos empregados, aposentados, pensionistas, ex-empregados e seus respectivos grupos familiares das Patrocinadoras SABESP e SABESPREV. ALTO CUSTO DOS SERVIÇOS MÉDICOS As novas tecnologias disponíveis para exames, medicamentos e materiais utilizados na área de saúde, embora tragam mais segurança para os diagnósticos e benefícios nos tratamentso médicos, incrementam significativamente as despesas assistenciais das OPSs, sendo este mais um fator que contribui para o desequilíbrio financeiro dos planos assistenciais. Os órgãos reguladores recomendam que os conselheiros e dirigentes tenham experiência nas matérias relacionadas à previdência complementar e saúde suplementar. Devem também deter competência técnica e gerencial compatível com a complexidade das funções que exercem. Edison Raul Barretti - Presidente do Conselho Deliberativo Liège Oliveira Ayub - Presidente Ademir dos Santos - Diretor de Gestão O Diretor de Previdência, Cesar Soares Barbosa, que também é o DESAFIOS DO SETOR CUSTO DO ENVELHECIMENTO Um dos maiores desafios enfrentados pelo setor é o custo do envelhecimento da população. Segundo dados do Instituto de Estudos da Saúde Suplementar, a população brasileira deverá atingir cerca de 30% de idosos em Além disso, o último estudo divulgado pela União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (UNIDAS), em 2010, demonstra que o custo médio anual por Participante, na faixa etária acima de 59 anos é seis vezes superior ao da faixa até 23 anos, na modalidade autogestão. Custo X Faixa Etária PLANOS DE SAÚDE AO ALCANCE DE TODOS A ascensão das classes sociais em função do aumento do poder aquisitivo tem gerado efeitos altamente positivos, mas com efeito contrário na área de saúde, que ainda não possui infraestrutura adequada para absorver tal demanda. Essa situação é facilmente comprovada na dificuldade de agenda dos médicos; na superlotação dos hospitais e na escassez de alguns profissionais tais como: pediatras, geriatras, psiquiatras etc. A escassez, de serviços e profissionais, dificulta a ampliação da rede credenciada da SABESPREV. A Previc enfatiza que a atividade de conselheiro e de dirigente deve ser exercida em prol dos planos de benefícios e da Entidade. Conselheiros e dirigentes, independente de indicação ou eleição, depois de empossados nos respectivos cargos passam a representar a Entidade e os planos de benefícios. Embora seja de responsabilidade dos próprios membros dos Conselhos e dirigentes a sua permanente educação e atualização técnica, a Fundação tem procurado manter um contínuo Programa de Capacitação, objetivando ampliar a qualidade da contribuição de cada um deles nas discussões e deliberações. Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado (AETQ 2 ) da Entidade, e Paulo Olympio, Gestor de Riscos foram Certificados em Além disso, foi oferecido também aos conselheiros e dirigentes o Curso de Regulamentação dos Planos de Saúde para ampliar os conhecimentos sobre as exigências estabelecidas pela legislação do segmento de saúde. Faixa Etária (anos) Custo Médio Anual R$ 1,00 0 a ,00 24 a ,00 Neste contexto, e ainda em cumprimento à Resolução 3.792/2009 do CMN, norma que dispõe sobre as diretrizes de aplicação de recursos garantidores dos planos administrados pelas EFPCs, em 2011 foram 44 a ,00 Certificados 3 os seguintes profissionais envolvidos no processo 59 ou mais 4.813,00 Fonte: Pesquisa UNIDAS 2010 Tabela 03 decisório dos investimentos: 22 3 Certificados: expressão utilizada para indicar os profissionais que após se formarem em cursos de extensão, são avaliados e sendo aprovados, recebem um documento que atestada a sua qualificação. 23 As Certificações são emitidas por Entidades como o ICSS - Instituto de Certificação dos Profissionais de Seguridade Social. 2 AETQ O Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado é responsável pela aplicação dos recursos financeiros da Entidade (definido pela Resolução 3.792/2009)

13 EDUCAR EDUCAR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA E PREVIDENCIÁRIA FUTURO DA GENTE A Educação também está ligada a um processo que capacita as pessoas a realizar seus projetos futuros. Em dezembro de 2011, a SABESPREV deu o primeiro passo e lançou o Programa Futuro da Gente com o objetivo de aprimorar a forma como os Participantes administram o seu dinheiro e planejam o futuro de suas famílias. O Programa prevê ações de orientação e assessoria aos Participantes, trazendo ferramentas para planejar melhor os gastos e os investimentos. Além disso, este Programa ainda está sintonizado com a Recomendação nº 1 da Previc, que incentiva as EFPCs a promoverem ações educativas. Esta recomendação dispõe em seu Art. 2º que as ações contempladas sejam desenvolvidas em três níveis de atuação, conforme demontra o esquema ao lado. INSTRUÇÃO Palestras Educação à distância Quiz INFORMAÇÃO Portal de Educação Previdenciária Divulgação de artigos e matérias ORIENTAÇÃO Atendimento Telefônico Por Programa de Pré Aposentadoria PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS EMPREGADOS Para que a SABESPREV mantenha a sustentabilidade é necessário que a capacitação de seus recursos humanos seja compatível com requisitos de conhecimento técnico dos setores em que atua - Previdência Complementar e Saúde Suplementar. Para tanto, mantém a constante atualização e o desenvolvimento de seus empregados. Em 2011, o plano de desenvolvimento e treinamento ofereceu 211 oportunidades a seus empregados, com destaque para o treinamento dos profissionais dedicados ao atendimento do Participante. A metodologia incluiu atividades vivenciais, estudos de casos e trabalhos em grupo. As 211 oportunidades foram distribuídas entre os seguintes profissionais, perfazendo uma média de 41 horas/homem. Tabela 04 Profissionais X Oportunidades Técnicos 76 Analistas 71 Gerentes 42 Dirigentes 22 Total 211 Mais de 2500 pessoas atendidas no espaço SABESPREV durante a SIPAT Unificada da Metropolitana De 22 a 31 de agosto, cerca de empregados visitaram o espaço SABESPREV, no Espaço Vida da SABESP, durante a 1ª Sipat Unificada da Diretoria Metropolitana. Nesses oito dias de trabalho foram realizados exames, entre eles: testes de Hepatite C, bioimpedância, medição de pressão e glicemia, todos feitos por parceiros dos planos de saúde da Fundação. A SABESPREV disponibilizou uma equipe de profissionais para orientação individual dos casos que tiveram alterações nos resultados de seus exames. Para a realização do evento, a Fundação contou com a parceria dos Hospitais Santa Catarina e A.C. Camargo, da empresa Vital Aire, da Clínica Exata Cardiologia, do Laboratório Abbott, do Centro de Infusões Pacaembu (CIP) e do Laboratório MSD que disponibilizaram os kits e profissionais para a realização dos exames. Também foram ministradas as seguintes palestras educacionais: Construindo sorrisos Odontoprev; Dez coisas que você precisa saber - Hospital A.C. Camargo; HPV (Orientações sobre a doença genital pelo vírus do herpes) - Laboratório MSD; Fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas - Exata Clínica Cardiológica e Apnéia do Sono e workshop - Air Liquide. Primeira palestra do Programa Futuro da Gente - dez/2011 Curso de Regulamentação dos Planos de Saúde - out/2011 Atendimento no espaço SABESPREV - ago/

14 INTEGRAR Integrar Partilhar benefícios e compartilhar responsabilidades. Os Participantes da SABESPREV não são simples consumidores de planos de previdência e saúde. Eles são a razão da existência da SABESPREV. ATENDIMENTO AO PARTICIPANTE Na SABESPREV o atendimento ao Participante é encarado como prioridade. A Fundação oferece cinco canais de comunicação direta. Confira na Tabela 05, à seguir na página 24, a distribuição dos atendimentos realizados nos últimos anos. Call Center O telefone do Call Center, número gratuito da Fundação Pólos Regionais A demanda por um atendimento mais próximo, fez com que a SABESPREV mantivesse 10 Pólos Regionais em diversas Unidades de Negócio da Patrocinadora SABESP para atendimento ao Participante. São eles: RM - Botucatu e Médio Tietê RN - Caraguatatuba e Litoral Norte RG - Franca e região RA - Itapetininga e Alto Paranapanema O Participante também pode se comunicar com a Fundação pelo ou pela ferramenta Fale Conosco do Portal Por isso, em 2011 as ações de relacionamento foram intensificadas. Neste capítulo confira: Atendimento ao Participante Ouvidoria Melhores Condições no Empréstimo Pessoal Extrato de Conta dos Planos Previdenciários Pesquisa de Satisfação do Participante SABESPREV entre as Melhores Operadoras de Saúde do País Saúde: Mais de 52 mil Vidas Atendidas Rede Credenciada: mais de procedimentos utilizados Cobertura de Procedimentos não Previstos pelo Rol da ANS Programa Preventivo de Gerenciamento Médico de Doentes Crônicos Participantes do Plano Básico transferidos para os Planos de Saúde Executivo e Executivo A Mais Agilidade na Emissão de Senhas ( ), é o canal mais utilizado pelo Participante. Funciona de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h. Aos finais de semana, feriados e emendas, das 18h às 08h, este número de telefone opera em esquema de plantão, exclusivamente para urgências e emergências médicas. Atendimento Pessoal A Fundação atende seus Participantes pessoalmente no edifício onde está instalada, à Alameda Santos, º andar Cerqueira César São Paulo/SP, de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h. RJ - Itatiba e região RT - Lins, Baixo Tietê e Grande RR - Registro e Vale do Ribeira RV - São José dos Campos e Vale do Paraíba RS - Santos e Baixada Santista RB - Presidente Prudente e Alto Paranapanema Chat O atendimento instantâneo é realizado através de um link disponível no Portal de segunda à sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 18h. Atendimento no Pólo de Botucatu 26 27

15 INTEGRAR INTEGRAR OUVIDORIA A Ouvidoria é um importante canal de atendimento que acolhe reclamações, solicitações e sugestões dos Participantes que, em geral, já foram atendidos por um dos canais de atendimento. As reclamações e/ou sugestões são tratadas internamente, sendo a Ouvidoria responsável pelo encaminhamento das respostas aos Participantes. Entre as atividades desenvolvidas em 2011, merece destaque a realização do Programa Ouvidoria Mais Perto de Você, com a visita do Ano Call Center Canais e Quantidade de Atendimentos Pólos Regionais * Inclui os atendimentos realizados nos finais de semana, feriados e emendas Chat Pessoal Total * Total Tabela 05 MELHORES CONDIÇÕES DE EMPRÉSTIMO AOS PARTICIPANTES Os Participantes do Plano de Benefícios Básico tiveram mudanças nas condições para obtenção do Empréstimo Pessoal em 2011: - As taxas de juros foram reduzidas - Parcelamento em até 72 meses - Aumento de limite do valor a ser concedido de 3 Salários de Participação para 3,5 Salários de Participação, considerando as regras e limitadores. R$ Milhões 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 10,0 7,3 EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS 12,3 6,8 12,1 5,6 11,8 4,6 10,7 5,7 Ouvidor às diversas Unidades de Negócio da SABESP, no Interior e Litoral do Estado. O Ouvidor visitou os 10 Pólos Regionais da SABESPREV e atendeu aproximadamente 300 pessoas, com o objetivo de aproximar a Fundação dos Participantes e conhecer suas preocupações e necessidades. O Programa Ouvidoria Mais Perto de Você deve continuar em Tabela 06 Quantidade de Ocorrências Origem Quantidade % ,5 Telefone ,5 Fale Conosco ,6 Atendimento Pessoal 51 6,5 PROCON 10 1,3 Correspondência 4 0,5 Sindicato 1 0,1 Total ,0 Qualquer Participante do Plano, desde que já contribua há pelo menos um ano e preencha as condições do regulamento, pode solicitar o Empréstimo. Isto inclui os aposentados e pensionistas que recebem benefícios. Os Participantes do Plano de Benefícios Básico e SABESPREV MAIS passaram a contar com concessões diárias. Estes Planos contam com carteiras de crédito exclusivas, com taxas de juros diferenciadas das praticadas no mercado. Além de beneficiar os Participantes, os juros cobrados na concessão do Empréstimo Pessoal propiciam rentabilidade para o patrimônio dos respectivos planos. Em 2011 foram concedidos empréstimos para Participantes, totalizando mais de R$ 16 milhões. O Gráfico 05, ao lado, apresenta os valores concedidos, consolidados por ano e por modalidade: Pós-Fixado e Pré-Fixado. 2,0 0,0 Gráfico Pós-Fixado Pré-Fixado PESQUISA DE SATISFAÇÃO Entre maio e junho de 2011, foi realizada uma pesquisa quantitativa com os Participantes titulares dos planos de benefícios administrados pela SABESPREV. O questionário explorou aspectos como: comunicação; atendimento pessoal e telefônico; atendimento da Ouvidoria; avaliação de cada Plano Previdenciário e de Saúde; avaliação geral da Fundação e perfil do Participante. Ouvidor visita Santos Ouvidor visita São José dos Campos EXTRATO DE CONTA DOS PLANOS PREVIDENCIÁRIOS Em 2011, o Participante passou a encontrar no Portal da SABESPREV os extratos de contribuições aos Planos de Benefícios Básico BD, Plano SABESPREV MAIS CD e Plano Reforço CD. Os extratos foram modelados para facilitar o acompanhamento das contribuições efetuadas, a evolução do saldo individual e a quantidade de cotas adquiridas mensalmente. No Plano SABESPREV MAIS CD, o Participante pode ainda visualizar as contribuições feitas pela Patrocinadora em seu nome. Dentre os resultados podemos destacar que: 76,7% dos Participantes disseram que seu grau de confiança na SABESPREV é ótimo ou bom 77,9% avaliaram a Fundação de forma geral como ótima ou boa 85,7% avaliaram os Planos de Saúde como ótimos ou bons 51,2% recomendariam os Planos de Previdência para seus amigos e familiares 91,8% avaliaram o Empréstimo de forma geral como ótimo ou bom 77,4% avaliaram a Comunicação da SABESPREV como ótima ou boa 84,9% avaliaram o Atendimento da SABESPREV como ótimo ou bom 60,5% avaliaram a Ouvidoria como ótima ou boa 28 29

16 INTEGRAR INTEGRAR SABESPREV É AVALIADA COMO UMA DAS MELHORES OPERADORAS DE SAÚDE DO PAÍS MAIS DE 52 MIL VIDAS ATENDIDAS Os planos de saúde, denominados SABESPREV Saúde, propiciam atendimento médico-hospitalar de alta qualidade a mais de 52 mil vidas, entre empregados, aposentados, pensionistas, dependentes, ex-empregados, agregados e designados. Os planos geridos pela SABESPREV são oferecidos aos seguintes Participantes: Plano Pleno empregados ativos das Patrocinadoras SABESP e SABESPREV. Planos Especial, Executivo, Executivo A, Padrão e Padrão A aposentados, pensionistas, dependentes, ex-empregados, agregados e designados das Patrocinadoras SABESP e SABESPREV. Plano Especial TAC ex-empregados aposentados, demitidos em função do Termo de Ajuste de Conduta. REDE CREDENCIADA: MAIS DE PROCEDIMENTOS UTILIZADOS A Fundação oferece uma ampla rede de recursos credenciados. No total são mais de estabelecimentos, entre hospitais, maternidades, prontos-socorros, consultórios, clínicas e laboratórios, atendendo os Participantes residentes na Capital, Interior e Litoral do Estado de São Paulo. Os Participantes utilizaram mais de procedimentos durante As receitas e despesas dos planos totalizaram mais de R$ 207 milhões e R$ 185 milhões, respectivamente. Confira na Tabela 09. A SABESPREV foi homenageada no 14º Congresso da UNIDAS como uma das operadoras mais bem avaliadas pelo IDSS A SABESPREV figura entre as seis melhores Operadoras de Plano de Saúde de São Paulo e entre as melhores do País. Isto é o que apontou o Relatório de Qualificação de Atendimento da Agência Nacional de Saúde Suplementar, em que a Fundação obteve um dos melhores Índices de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS). O IDSS é calculado com base em quatro dimensões: atenção à saúde; estrutura e operação; econômico-financeiro e satisfação dos beneficiários. Da esquerda para a direita, Antônio Klaus Mesojedovas - Gerente de Saúde da SABESPREV, Vilma de Seixas Martins - Diretora de Saúde da SABESPREV e José Luiz de Melo Pereira - membro do Comitê de Saúde da SABESPREV e atual Diretor de Saúde e Assistência Social da AAPS O Plano Pleno é custeado pelas Patrocinadoras e pelos seus Participantes. O Plano Especial TAC é custeado pelos Participantes e pela SABESP. Já os demais planos são custeados exclusivamente pelos seus Participantes. A SABESPREV oferece também o Plano Intermédica Sistema de Saúde para estagiários, aprendizes e empregados ativos que não optaram pelo Plano Pleno. O Plano Odontológico, da OdontoPrev, é oferecido a todos os Participantes. Confira a evolução do número de vidas atendidas pelos planos de saúde a seguir: Vidas Atendidas pelos Planos de Saúde Planos Pleno Especial Básico Executivo Executivo A Padrão Padrão A Especial TAC Total Tabela 07 Tabela 08 Rede credenciada - Procedimentos utilizados Procedimentos Receitas e Despesas dos Planos (R$ mil) Planos Receita Despesa * Pré-atendimento Hospitalar - Plantão Médico, plano de atendimento telefônico e coleta domiciliar de exames ambulatoriais Tabela 09 Quantidade Consultas Internações Diárias em internações Diárias em UTI Exames Terapias Total Pleno Especial Padrão e Padrão A Executivo e Executivo A Especial TAC Intermédica Pré Atendimento Hospitalar* Odontológico Total

17 INTEGRAR INTEGRAR Controle das Contas Médicas Para garantir a exatidão dos valores cobrados pela rede credenciada são efetuadas auditorias de campo em hospitais e pré-análise das contas médicas, o que contribui para o controle das despesas assistenciais e identifica eventuais cobranças indevidas ou erros de processamento ECONOMIA COM AS GLOSAS EFETUADAS FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES, PRÓTESES E MATERIAIS ESPECIAIS (OPME) DE ALTO CUSTO Em 2011 foram realizadas auditorias de campo em hospitais, pré-análises de contas de internação hospitalar e préanálises de contas de pronto-socorro. As glosas realizadas resultaram numa economia de R$ 3,5 milhões Medicamentos O avanço tecnológico na área da Saúde trouxe um crescimento significativo no lançamento de novos medicamentos. No entanto, muitos deles têm alto custo, dificultando sua aquisição pelos Participantes. Participantes Atendidos com Medicamentos de Alto Custo Ano Auditorias e Pré-análises* Efetuadas Auditoria de campo (1) Pré-análise de contas médicas (Internação Hospitalar) (2) Pré-análise de contas médicas (Pronto Socorro)** (3) Total (1) + (2) + (3) R$ Mil A Fundação fornece medicamentos de alto custo para os Participantes que comprovadamente os necessitam para a continuidade de seus tratamentos. Em 2011, 127 Participantes foram beneficiados com o fornecimento desses medicamentos. Quantidade * Pré-analises: conferência e validação da conta hospitalar apresentada pelo credenciado ** Atividade iniciada em 2010 Tabela A aquisição dos medicamentos diretamente pela SABESPREV proporcionou uma economia de R$ 610 mil Gráfico ECONOMIA COM A COMPRA DE MEDICAMENTOS Glosas Efetuadas em Contas Médicas (R$ mil) Gráfico Ano Glosas - Internações (1) Glosas - Pronto-socorro * (2) Total (1)+(2) R$ Mil * Atividade iniciada em 2009 Tabela Preço do Fornecedor Preço SABESPREV Economia Obtida Gráfico 08

18 INTEGRAR INTEGRAR ÓRTESES, PRÓTESES E MATERIAIS ESPECIAIS - OPME A Fundação fornece Órteses, Próteses e Materiais Especiais de alto custo utilizados em cirurgias. A aquisição dos OPMEs diretamente pela SABESPREV proporcionou uma economia de R$ 2,1 milhões em 2011 e beneficiou 271 Participantes. Confira essas informações nos gráficos da página ao lado. COBERTURA DE PROCEDIMENTOS NÃO PREVISTOS PELO ROL DA ANS A Fundação oferece os programas de atendimento residencial: fisioterapia, home care, oxigenoterapia e curativos. Esse é mais um diferencial da SABESPREV, pois esses procedimentos não fazem parte do rol obrigatório da Agência Nacional de Saúde Suplementar. Além de promover o bem estar dos Participantes que passam a receber os atendimentos em seus ambientes familiares, os programas buscam reduzir os gastos com as diárias hospitalares, um dos principais componentes das despesas assistenciais. Confira a Tabela 12 na página 31. PROGRAMA PREVENTIVO DE GERENCIAMENTO MÉDICO DE DOENTES CRÔNICOS Atuar na prevenção de doenças faz parte da filosofia da SABESPREV que busca orientar seus Participantes quanto aos benefícios da manutenção da saúde, ao invés de apenas tratar de doenças. Para os Participantes portadores de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, obesidade, entre outras, a Fundação tem o Programa Preventivo de Gerenciamento Médico de Doentes Crônicos (GMDC), mantido em parceria com empresas terceirizadas que acompanham a evolução do quadro desses Participantes, orientando-os sobre os cuidados que devem tomar para estabilizar ou acompanhar seus quadros de saúde. Veja na Tabela 13 ao lado. PARTICIPANTES TRANSFERIDOS PARA OS PLANOS DE SAÚDE EXECUTIVO E EXECUTIVO A Os planos de saúde oferecidos aos aposentados, pensionistas e seus dependentes, bem como aos agregados e designados devem ser autossustentáveis. Esses planos são custeados pelos Participantes e as despesas assistenciais incorridas devem ser totalmente cobertas pelas mensalidades pagas. O Plano de Saúde Básico apresentou durante anos desequilíbrio financeiro gerado pelo incremento das despesas assistenciais e redução significativa do número de Participantes. Como consequência desse desequilíbrio, os Participantes do Plano Básico foram transferidos para os Planos Executivo e Executivo A. O objetivo foi oferecer melhores condições aos Participantes, que passaram a usufruir da ampla rede credenciada, com acomodação superior em apartamento e mensalidades mais baratas do que as do Plano Básico. A transferência foi aprovada pelo Conselho Deliberativo e pela Agência Nacional de Saúde Suplementar. MAIS AGILIDADE NA EMISSÃO DE senhas A concessão de senhas para realização de exames e procedimentos hospitalares tem como finalidade zelar pela vida das pessoas, evitando a exposição a exames e procedimentos desnecessários, não reconhecidos pela medicina, como também, coibir abusos que geram mais despesas aos planos. Em 2011 foi implantada uma forma de autorização de senhas mais inovadora, menos burocratizada e mais rápida. Destaque para a inclusão de autorizações administrativas, sem precisar de relatórios médicos e a simplificação da documentação para senhas que necessitam de auditoria médica. Uma série de exames deixou de necessitar de dois tipos de análise (administrativa e médica) para liberação de senha. Essas iniciativas reduziram sensivelmente o tempo para emissão de senhas. Atendimentos Domiciliares Ano Fisioterapia Curativos Home Care Oxigenioterapia Total Tabela 12 Participantes Atendidos pelo GMDC Ano Athon Group * Home Doctor Fleury Total *A empresa Athon Group teve mudança na sua razão social para Qualicorp Tabela 13 R$ Mil Quantidade Gráfico 09 ECONOMIA COM A AQUISIÇÃO de OPME Preço do Fornecedor Preço SABESPREV Economia Obtida Gráfico 10 Participantes beneficiados com OPME 34 35

19 Evoluir EVOLUIR EVOLUIR É REUNIR TODOS OS ESFORÇOS PARA O FUTURO Mesmo diante das incertezas do cenário macroeconômico, do quadro de instabilidade mundial e das previsões pessimistas, os resultados obtidos pela SABESPREV agregaram valor ao patrimônio dos planos de benefícios previdenciários. Neste capítulo você encontra os seguintes destaques: Avaliação Atuarial A Meta Atuarial foi superada. Isto significa que a Fundação conseguiu extrapolar a rentabilidade mínima requerida para cumprir seus objetivos de longo prazo, com o pagamento das aposentadorias e pensões. AVALIAÇÃO ATUARIAL Conforme estabelece o artigo 18 da Lei Complementar 109/2001, anualmente, por ocasião do encerramento do exercício é realizada a avaliação atuarial, pelo atuário externo, com o objetivo principal de dimensionar o valor das reservas matemáticas dos fundos previdenciais e de outros compromissos do plano de benefícios, de forma a estabelecer o adequado Plano de Custeio para o próximo ano. As hipóteses atuariais biométricas, demográficas, econômicas e financeiras adotadas na Avaliação Atuarial são definidas pelo Conselho Deliberativo e também contam com a concordância das Patrocinadoras. Essas hipóteses devem ser adequadas às características do plano de benefícios e da sua massa de Participantes, dentre outros aspectos. Dentre as novas exigências para compor o DA está a realização de um Estudo de Aderência das premissas atuariais ao perfil dos Participantes dos planos. Em atendimento a essa determinação a SABESPREV realizou, em 2011, um estudo para verificar o grau de aderência das premissas atuariais utilizadas, ao perfil dos seus Participantes. Como decorrência desse estudo, a Fundação promoveu ajustes em algumas premissas tornando a avaliação de 2011 ainda mais consistente. HIPÓTESES ATUARIAIS A Tabela 14 apresenta as hipóteses atuariais definidas pelo Conselho Deliberativo para a Avaliação Atuarial de 2011, com reflexos no Plano de Custeio para Estudo de Aderência Hipóteses Atuariais Rentabilidade dos Planos de Benefícios Previdenciários Cenário do Mercado Financeiro Superação da Meta Atuarial Política de Investimentos Gestão dos Investimentos ESTUDO DE ADERÊNCIA Em dezembro de 2010, a Previc editou a Instrução nº 9, que criou novas regras para as avaliações atuariais, com vigência a partir de Por essa Instrução, as avaliações atuariais passam a ser apresentadas no relatório denominado Demonstrações Atuariais (DA). Em linha com as recomendações da Previc e aderente à realidade de maior expectativa de vida, a Entidade passou a utilizar a Tábua de Mortalidade Geral AT-2000, segregada por sexo, que considera uma longevidade ainda maior que a Tábua AT

20 EVOLUIR EVOLUIR Hipóteses Indexador do Plano para Reajuste dos Benefícios HIPÓTESES ATUARIAIS Planos de Benefícios Previdenciários Benefícios Básico - BD SABESPREV MAIS - CD Reforço - CD INPC divulgado pelo IBGE Cotas do Plano Cotas do Plano RENTABILIDADE DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Plano de Benefícios Básico BD Taxa Real de Juros 6,00% a.a. Utilizada para trazer a valor presente os pagamentos dos benefícios definidos 6,00% a.a. Utilizada como referencial para a rentabilidade do plano Não se aplica Implantado em 1991 e modelado em Benefício Definido, este Plano, como o próprio nome Projeção de Crescimento Real de Salário Projeção de Crescimento Real de Benefício do INSS 2,00% a.a. Reflete a expectativa da Patrocinadora com relação à evolução futura da média dos salários ao longo da carreira do empregado 0,00% a.a. Não se aplica 0,00% a.a. 0,00% a.a. Não se aplica diz, define o benefício futuro dos Participantes. Na SABESPREV, este Plano objetiva oferecer um benefício suplementar equivalente a 70% do Salário Base mais ATS 4, quando houver, O Plano encerrou o ano de 2011 com um patrimônio líquido de R$ 1,2 bilhão e obteve uma rentabilidade líquida de 13,65%. Projeção de Crescimento Real dos Benefícios do Plano 0,00% a.a. 0,00% a.a. Não se aplica incluindo o benefício da Previdência Social. Fator de Determinação do Valor Real dos Salários ao Longo do Tempo e Fator de Determinação do Valor Real dos Benefícios dos Planos ao Longo do Tempo Fator de Determinação do Valor Real dos Benefícios do INSS ao Longo do Tempo Tábua de Rotatividade * 98% É calculado em função do nível de inflação estimado e do número de reajustes dos salários, que ocorrerá durante o período de 12 meses. A adoção de um fator de 98% reflete a expectativa de uma inflação anual de aproximadamente 4,5% 98% Este fator é calculado em função do nível de inflação estimado e do número de reajustes, dos benefícios, que ocorrerá durante o período de 12 meses A adoção de um fator de 98% reflete a expectativa de uma inflação anual de aproximadamente 4,5% % Tábua Prudential - Probabilidade do Participante sair do Plano antes de requerer o benefício 98% É calculado em função do nível de inflação estimado e do número de reajustes dos salários, que ocorrerá durante o período de 12 meses. A adoção de um fator de 98% reflete a expectativa de uma inflação anual de aproximadamente 4,5% Não se aplica 0,00% Não se aplica Não se aplica Não se aplica Tábua de Mortalidade Geral * AT-2000 segregada por sexo AT-2000 segregada por sexo Não se aplica Tábua de Mortalidade de Inválidos* Winklevos Não se aplica Não se aplica Tábua de Entrada em Invalidez* RRB-44 Tábua ajustada RRB-44 Tábua ajustada Não se aplica Composição das Famílias de Pensionistas Para benefícios concedidos utiliza-se a estrutura familiar informada. Para benefícios a conceder utiliza-se a hipótese de que 80% dos participantes possuem cônjuge na data do evento, sendo a mulher 4 anos mais jovem que o homem, e 1 filho dependente. Não se aplica * = Todas as hipóteses refletidas ou mensuradas utilizando as Tábuas indicadas (Rotatividade, Mortalidade Geral, Mortalidade de Inválidos e Entrada em Invalidez), mostram a probabilidade ou expectativa de vida, entrada em invalidez ou rotatividade das pessoas que integram a população de Participantes. Tabela 14 Não se aplica O Plano BD é alimentado com contribuições de Participantes e Patrocinadores, cujos valores são definidos anualmente por meio de avaliação atuarial. Em 2011, foram destinados R$ 62,1 milhões para o pagamento de benefícios e resgates aos Participantes do Plano. Ao longo dos últimos anos houve uma evolução média de 10,32% ao ano, no montante dos benefícios e resgates pagos. Como se pode observar, ao longo dos últimos três anos, o total das Contribuições anuais apresenta tendência decrescente contra uma elevação consistente no volume de benefícios e resgates pagos. A principal causa da redução das Contribuições é a impossibilidade da cobrança da Contribuição Extraordinária para cobertura do déficit atuarial. Desde junho de 2010 o Plano está fechado para novas adesões. PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS BÁSICO - BD Ativos + BPD Benefício Antecipado Benefício Diferido Benefício - Pensão por Morte Benefício Normal Benefício Invalidez Gráfico ATS: Adicional de Tempo de Serviço 39

RELATÓRIO DE OUVIDORIA 2012

RELATÓRIO DE OUVIDORIA 2012 RELATÓRIO DE OUVIDORIA 2012 SumáriO MENSAGEM DO OUVIDOr 3 ESTRUTURA DE GOVERNANÇA 4 DIRETORIA EXECUTIVA E OUVIDORIA 5 COMPOSIÇÃO DOS CONSELHOS 6 OCORRÊNCIAS 7 CONTATO DOS PARTICIPANTES POR PRODUTO 7 CANAIS

Leia mais

COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DOS CONSELHOS E DIRETORIA

COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DOS CONSELHOS E DIRETORIA 1. Introdução As Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC), conhecidas também como Fundos de Pensão, são instituições sem fins lucrativos que mantêm planos de previdência coletivos. Os planos

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Exercícios findos em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Fundação Sabesp de Seguridade Social SABESPREV CNPJ 65.471.914/0001-86 Alameda Santos, 1827 14 º andar CEP 01419.909 Cerqueira

Leia mais

SABESPREV: PESQUISA DE IMAGEM E SATISFAÇÃO 2011 TOTAL

SABESPREV: PESQUISA DE IMAGEM E SATISFAÇÃO 2011 TOTAL TOTAL Objetivos: avaliar o processo de Comunicação da SABESPREV; avaliar o processo de Atendimento Pessoal e Telefônico aos Beneficiários e Participantes da SABESPREV; avaliar o processo de atendimento

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Ensino a distância ÍNDICE I) O QUE É PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? II) SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR III) MARCOS REGULATÓRIOS IV) PLANOS DE BENEFÍCIOS V) ENTIDADES

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

Principais destaques do período

Principais destaques do período Apresentação A Diretoria da Sabesprev apresenta a seus participantes o resultado de mais um exercício, marcado por uma gestão participativa, inserida nos preceitos da Governança Corporativa e com total

Leia mais

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br Fachesf de Você está em nossos planos Criada em 10 de abril de 1972, pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), sua patrocinadora, a Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social é uma

Leia mais

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br Fachesf de Você está em nossos planos Criada em 10 de abril de 1972, pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), sua patrocinadora, a Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social é uma

Leia mais

C.1 Do Objeto...2. C.2 Das Definições...2. C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4. C.4 Da Constituição do PGA...4

C.1 Do Objeto...2. C.2 Das Definições...2. C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4. C.4 Da Constituição do PGA...4 Conteúdo C.1 Do Objeto...2 C.2 Das Definições...2 C.3 Da Forma de Gestão dos Recursos...4 C.4 Da Constituição do PGA...4 C.5 Das Fontes de Custeio Administrativo...4 C.6 Dos Limites de Custeio Administrativo...5

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE DE 2012 MANIFESTAÇÃO DO CONSELHO FISCAL

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE DE 2012 MANIFESTAÇÃO DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE DE 2012 MANIFESTAÇÃO DO CONSELHO FISCAL Em cumprimento ao que determina o Art. 62 da Resolução CMN nº 3.456, de 01/06/2007, e o Art. 19, 20 e 23 da Resolução

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

Relatório Anual de Informações ao Participante 2014. Compromisso hoje e amanhã.

Relatório Anual de Informações ao Participante 2014. Compromisso hoje e amanhã. Relatório Anual de Informações ao Participante 2014 Compromisso hoje e amanhã. In índice Missão, Visão e Valores 3 Dedicatória 3 Mensagens Presidente do Conselho Deliberativo 4 Presidente do Conselho Fiscal

Leia mais

Manual de Diretrizes e Práticas

Manual de Diretrizes e Práticas Governança Corporativa Manual de Diretrizes e Práticas Fundação Índice Nossa Missão...03 Nossas Diretrizes...04 Nossa Gestão...06 Nossos Procedimentos...12 Nossa Comunicação...16 Nossos Controles...20

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014.

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014 Salto Veloso, SC O IPRESVEL O Instituto de Previdência Social dos Servidores

Leia mais

Introdução DEDICATÓRIA

Introdução DEDICATÓRIA 1 Introdução Você está recebendo o resumo impresso do Relatório Anual de Informações aos Participantes (RAIP) referente ao exercício 2013, com informações do(s) Plano(s) de Benefícios Previdenciário(s)

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015

CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015 EDIÇÃO 72, SEÇÃO I, PÁGINA 35, DE 16 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015 Dispõe sobre os processos de certificação, habilitação e qualificação

Leia mais

Prestação de Contas Libertas - 2014

Prestação de Contas Libertas - 2014 Prestação de Contas Libertas - 2014 participantes aposentados pensionistas patrocinadoras Na Libertas, é assim. Sumário - Prestação de Contas 2014 Relatório Anual de Informações - RAI 2014 Documentação

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR OPERADO POR ENTIDADES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, QUE ADMINISTRAM PLANOS DE BENEFÍCOS CLASSIFICADAS EM: ENTIDADES ABERTES

Leia mais

Planejamento do Conselho Fiscal

Planejamento do Conselho Fiscal Planejamento do Conselho Fiscal Uma abordagem prática *Alessander Luís Brito e Silva Junho/2013 0 Apresentação O objetivo desta iniciativa é trazer ao sistema de previdência complementar informações práticas

Leia mais

FUNCASAL EM NÚMEROS SETEMBRO / 2011

FUNCASAL EM NÚMEROS SETEMBRO / 2011 FUNCASAL EM NÚMEROS SETEMBRO / 2011 DEFINIÇÕES ESTATUTO: Art. 1º -A Fundação CASAL de Seguridade Social FUNCASAL, instituída pela Companhia de Saneamento de Alagoas CASAL, é pessoa jurídica de Direito

Leia mais

FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001)

FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001) FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001) Texto Atual Texto Proposto Justificativas Art. 4º. Nas sociedades de economia

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

VOCÊ QUER SABER? A FUNDAÇÃO RESPONDE.

VOCÊ QUER SABER? A FUNDAÇÃO RESPONDE. VOCÊ QUER SABER? A FUNDAÇÃO RESPONDE. ACESSO WEB QUEM PODE ENTRAR NA ÁREA RESTRITA ATRAVÉS DO SITE FBSS? Participantes Ativos Assistidos (Aposentados e Pensionistas) Importante: Dependentes e pessoas que

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho AGENDA A FUNCEF INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS FUNDAÇÃO 1ºde Agosto de 1977 34 anos PATROCINADO RAS Missão COLEGIADOS CAIXA ECONÔMICA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Conselho Deliberativo Sylvia do Carmo C. Franceschini (Presidente) Evaristo Luciano Rosa José Aparecido de Paula José Júlio de Souza Márcia Rogéria de Almeida Lamêgo Sebastião

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS.

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. O Instituto IDEAS apresenta o Curso Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Este curso

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DOS PLANOS ASSISTENCIAIS CEB/FACEB REGISTRO ANS Nº 30936-2

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DOS PLANOS ASSISTENCIAIS CEB/FACEB REGISTRO ANS Nº 30936-2 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DOS PLANOS ASSISTENCIAIS CEB/FACEB REGISTRO ANS Nº 30936-2 EXERCÍCIO DE 2013 2 Apresentação Contexto Operacional A FACEB Fundação de Previdência dos Empregados da CEB é Entidade

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB

RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB 1 º S E M E S T R E / 2 0 1 5 Plano de Saúde da CEB e Plano CEB-Saúde 1. APRESENTAÇÃO O presente relatório

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DOS PLANOS ASSISTENCIAIS CEB/FACEB REGISTRO ANS Nº 30936-2

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DOS PLANOS ASSISTENCIAIS CEB/FACEB REGISTRO ANS Nº 30936-2 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DOS PLANOS ASSISTENCIAIS CEB/FACEB REGISTRO ANS Nº 30936-2 Prezados Senhores, Nos termos das disposições legais e estatutárias, a administração da FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras do Exercício findo em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Fundação Sabesp de Seguridade Social Sabesprev CNPJ nº 65.471.914/0001-86 Alameda Santos, 1827 14º andar Cerqueira César -

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade.

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade. Julio Cesar Medeiros Pasqualeto Contador, com 27 de experiência. Pós Graduado em Finanças pela FGV /RJ e Mestrando em Controladoria/Finanças pela Unisinos/RS. Membro CTNC ABRAPP e ANCEP, Membro do Conselho

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

FUND. Palestras na Sabesp têm presença expressiva de Participantes. Saúde. Sobrou um dinheirinho? Confira o anexo das eleições!

FUND. Palestras na Sabesp têm presença expressiva de Participantes. Saúde. Sobrou um dinheirinho? Confira o anexo das eleições! Ano XXI nº 79 julho/agosto 2012 FUND Palestras na Sabesp têm presença expressiva de Participantes Confira o anexo das eleições! Saiba mais na página 04 Crédito: Miraldo Vieira Sobrou um dinheirinho? Aumente

Leia mais

Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre previdenciais

Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre previdenciais Geraldo de Assis Souza Júnior PAUTA APRESENTADA A PREVIC SOBRE O PGA Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

José Edson da Cunha Júnior

José Edson da Cunha Júnior José Edson da Cunha Júnior HETEROGENEIDADE DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E EFICIÊNCIA REGULATÓRIA, OPERACIONAL E DE FISCALIZAÇÃO Sumário 1. Contextualização; 2. Debates Atuais; 3. Reflexões e Apontamentos.

Leia mais

Ética: instrumento base para a gestão de uma EFPC. Carlos Alberto Pereira

Ética: instrumento base para a gestão de uma EFPC. Carlos Alberto Pereira Ética: instrumento base para a gestão de uma EFPC Carlos Alberto Pereira Estrutura de Gestão do Sindapp GESTÃO: 3 ANOS Assembleia Geral Diretoria Conselho Fiscal Diretor(a)-Presidente Diretor(a) Vice-Presidente

Leia mais

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM Fundação Previdenciária IBM Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL 1 VIVER O PRESENTE, DE OLHO NO FUTURO Caro participante, Muitos dizem que é melhor viver intensamente o presente

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

ATUALIZAÇA O EM PREVIDE NCIA COMPLEMENTAR

ATUALIZAÇA O EM PREVIDE NCIA COMPLEMENTAR ATUALIZAÇA O EM PREVIDE NCIA COMPLEMENTAR Curso inovador, dinâmico e prático sobre Previdência Complementar, adequado às necessidades do mercado e ministrado pelos maiores especialistas, autoridades e

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa 1/13 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO: ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CGPC nº13/2004 Apresenta e especifica estrutura, componentes e mecanismos corporativa na

Leia mais

Versão atualizada em março de 2011

Versão atualizada em março de 2011 Versão atualizada em março de 2011 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano previdenciário,

Leia mais

Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA

Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA O Fundo de Pensão Multinstituído da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia - SBOTPREV apresenta o relatório das principais atividades da Entidade durante

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

Brasília, 27.08.2015

Brasília, 27.08.2015 Brasília, 27.08.2015 1/23 FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS Fundo de Pensão instituído em 1º.08.1977 Investidor de longo prazo Patrocinadores: a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL e a própria FUNCEF Planos administrados:

Leia mais

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Conheça sua. entidade de. saúde

Conheça sua. entidade de. saúde Conheça sua nova entidade de saúde A Entidade X (cujo nome vocês conhecerão brevemente) é sua nova operadora de saúde, criada para administrar o Prosaúde Integrado. Essa iniciativa traz muitos benefícios

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

INFORMA REDUÇÃO DO CUSTEIO ADMINISTRATIVO - QUE DIFERENÇA FAZ?

INFORMA REDUÇÃO DO CUSTEIO ADMINISTRATIVO - QUE DIFERENÇA FAZ? INFORMA Edição nº 4 Dezembro/2015 REDUÇÃO DO CUSTEIO ADMINISTRATIVO - QUE DIFERENÇA FAZ? Para administrar os planos de benefícios, a Regius utiliza os recursos advindos do custeio administrativo previdencial,

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador Contextualizando os Investimentos em 2012 O Olhar do órgão Fiscalizador Brasília Maio/2012 1 Agenda A PREVIC e Dados do setor Impacto de Mudanças nas Taxas de Juros Alteração Res. CGPC 18 Guia PREVIC de

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVINORTE O presente Glossário tem por objetivo transmitir uma noção do significado de palavras e expressões usadas no segmento de Previdência

Leia mais

CARTA ABERTA AOS SABESPIANOS

CARTA ABERTA AOS SABESPIANOS CARTA ABERTA AOS SABESPIANOS O PLANO DE SAÚDE oferecido pela Sabesp é considerado pela força de trabalho como um dos principais benefícios e, consequentemente, como elemento chave para a permanência de

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ NATUREZA JURÍDICA ESTRUTURA FINANCIAMENTO SERVIDRES ABRANGIDOS DESAFIOS 1 História da Previdência Surge no dia que as pessoas começam a acumular para o futuro, para o

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15 FUNDAÇÃO LIBERTAS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65 Parecer Atuarial 057/15 Fevereiro/2015 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre as Demonstrações Atuariais - DA dos planos de benefícios administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar, e dá outras providências.

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 1 Finalidade da Política de Investimentos: Este documento estabelece as maneiras pelas quais os ativos dos planos

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Origem - BD Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários do

Leia mais

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO PANORAMA DO SETOR DE SAÚDE - ANS Beneficiários Médico-Hospitalar

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

Agenda. Principais números da Fundação. Estrutura organizacional. Resultados. Medidas implantadas a partir de março/2015

Agenda. Principais números da Fundação. Estrutura organizacional. Resultados. Medidas implantadas a partir de março/2015 Agenda Principais números da Fundação Estrutura organizacional Resultados Medidas implantadas a partir de março/2015 2 PRINCIPAIS NÚMEROS DA FUNDAÇÃO Maior entidade de previdência fechada multipatrocinada

Leia mais

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO OUTUBRO/2006 ÍNDICE Documento de Referência 03 Histórico 04 Objetivo da FUNASA 05 Conceitos 06 e 07 Objetivos do Manual de Organização: De Informação 07 De Racionalização Estrutural e Funcional 07 e 08

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa INDICE 1. INTRODUÇÃO...01 2. OBJETIVO...01 3. IDEAIS CORPORATIVOS...01 3.1. COMPORTAMENTO...02 3.2. FOCO NO CLIENTE...02 3.3. FOCO NO RESULTADO...02.. 3.4. AGENTES DE GOVERNANÇA...03

Leia mais

FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF

FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E NOTAS EXPLICATIVAS 2010 SOBRE OS PLANOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS E DE GESTÃO ADMINISTRATIVA CNPJ Nº 42.160.192/0001-43

Leia mais

Plano de Previdência Complementar para o Servidor Público Federal

Plano de Previdência Complementar para o Servidor Público Federal Plano de Previdência Complementar para o Servidor Público Federal SINDITAMARATY 29/07/2014 Sumário A Funpresp Governança Participante Ativo Normal Participante Ativo Alternativo Procedimentos de Adesão

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb.

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2014. Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. 1- Na estatística de tempo médio de contribuição, teria que colocar observação para os Regulamentos

Leia mais

O que é A SISTeL? O que é O CPqD PReV? Benefícios de risco Auxílio-doença Aposentadoria por invalidez, reversível em pensão

O que é A SISTeL? O que é O CPqD PReV? Benefícios de risco Auxílio-doença Aposentadoria por invalidez, reversível em pensão O que é A SISTEL? A Fundação Sistel de Seguridade Social foi criada em 1977 e possui expressiva experiência em Planos de Previdência Privada. A Sistel atua no desenvolvimento de soluções previdenciais

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV...

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... 7 CONHEÇA O PLANO DENTALUNIPREV... 8 PARTICIPANTES... 9 Participante

Leia mais