Luís Borges Gouveia João Ranito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Luís Borges Gouveia João Ranito"

Transcrição

1 Produção Apoiada pelo Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado pelo Estado Português, e pela União Europeia, através do Fundo Social Europeu. Ministério da Segurança Social e do Trabalho.

2 Sistemas de informação de apoio à gestão Índice Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Capítulo 2 Desafios e mudança nos sistemas de informação Capítulo 3 Sistemas de informação na organização Capítulo 4 Um modelo de referência para os sistemas de informação Capítulo 5 Sistemas de informação e a autarquia

3 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 3 Objectivos do capítulo -Introduzir os conceitos básicos associados aos sistemas de informação. -Introduzir os conceitos associados à tomada de decisão e a sua relação com os dados e a informação. -Reflectir sobre o papel e a importância dos sistemas de informação baseados em computador. -Propor o estudo dos sistemas de informação com base numa abordagem sistémica e tomando uma visão sociotecnológica.

4 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 4 Ponto de situação A realização da mais simples acção, ou a decisão de optar por uma determinada alternativa de acção exige informação. -considerando as diversas situações do nosso dia-a-dia, somos confrontados com a existência de condições exteriores que condicionam o que fazemos e o que decidimos. Do mesmo modo que a informação para o indivíduo lhe traz vantagens, para as organizações, essas vantagens são ainda mais evidentes. -a sua complexidade implica a coordenação e interacção de um conjunto de indivíduos e a resposta a solicitações que lhes são exteriores; -a exigência de conformidade com padrões de qualidade cada vez mais elevados. Recorre-se ao uso de sistemas de informação baseados em computador que proporcionam actualmente os meios mais adequados, embora não exclusivos, para suporte à tomada de decisão e à acção, nas organizações.

5 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 5 A informação, o ser humano e o computador A possibilidade de acesso à informação significa, para o indivíduo: melhores meios de actualização e desenvolvimento das suas capacidades; o acesso ao conhecimento e a experiências de terceiros; a resolução de problemas e necessidades que se lhe colocam. As organizações também necessitam de informação em muitos casos é a actividade principal (Bancos, alojamento turístico, etc.). A forma como uma organização trata a informação influencia o seu bom funcionamento a crescente dependência aos meios usados para lidar com a informação, aliada ao crescente aumento do fluxo de informação, justifica o estudo dos SI. informação ser humano computador

6 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 6 A informação e a importância da informação Informação Informação é uma colecção de dados que, quando apresentada de determinada forma e em determinado momento, melhora o conhecimento do indivíduo que a recebe, de modo a que este indivíduo se torne mais capaz de realizar a acção ou decisão a que se propõe: -os dados considerados são apenas os relevantes: se estes não forem relevantes, então não se obtêm informação; -o âmbito é apenas o das decisões a tomar, mas a informação pode ser útil para a motivação, a construção de modelos e o trabalho de desenvolvimento constante de informar futuras decisões. A importância da informação A informação é crítica para o funcionamento das organizações, em especial considerando o seu processamento, comunicaçao e armazenamento, nas seguintes actividades: -operações: processamento de transacções como encomendas, stocks, vendas e compras; -gestão: análise e tomada de decisão para o planeamento, calendarização, controle, avaliação e supervisão.

7 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 7 Níveis de conhecimento Distinguir o recurso à informação de acordo com o seu impacto para cada indivíduo no SI: -os dados constituem os elementos atómicos que referenciam, qualificam e descrevem todos os itens necessários à operação do sistema de informação. -a informação é o segundo nível e consiste na agregação de dados através de relações de complementaridade entre eles. Dessa forma é obtida informação que é sempre direccionada e sujeita a contextos específicos. -o conhecimento é o terceiro nível, que permite a hierarquização da informação e possibilita a avaliação da informação disponível para a tomada de decisão.

8 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 8 Níveis de conhecimento Caracterís tica Estrutura Estratégia Decisão Tipo I Rotineira (estruturada); Programáveis, rotineiras, genéricas e computacionais. Processual, previsível, relação segura entre causa/efeito, repetitiva; Ocorre no quadro da tecnologia existente; Canais de informação bem definidos; Há critérios definidos de decisão. Apoia-se em regras e princípios; Resposta conhecida e pré-fabricada, processo uniforme; Técnicas computacionais; Métodos aceites para lidar com problemas Decisão Tipo II Não rotineira (não estruturada); Não programáveis, únicas, criativas e inovadoras. Nova, não estruturada, complexa, relação incerta entre causa/efeito; Não repetitiva; Canais de informação não definidos; Informação incompleta; Apoia-se em juízos pessoais, opções, intenções e criatividade; Processo individualizado; Técnicas ad-hoc para resolver problemas.

9 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 9 Modelo de decisão de Harrison (Bilhim, 1999) Modelo racional: prescreve o que o indivíduo deve fazer para ser um decisor eficaz e muito estruturado. O critério de decisão é a maximização do resultado final. Este modelo está mais adequado para a tomada de decisões estruturadas. Modelo organizacional: combina o uso de matemática, estatística e economia com as disciplinas de ciências sociais. O critério de decisão é a obtenção de um resultado final que seja satisfatório. Este modelo reconhece que existem limitações de informação, cognitivas, de tempo e de custo e levando este facto em consideração. Está associado com a tomada de decisão de curto prazo e muito orientado para os resultados finais.

10 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 10 Modelo de decisão de Harrison (Bilhim, 1999) Modelo político: referido também como modelo adaptativo, baseia-se nas contribuições da ciência política, da filosofia, da psicologia e da sociologia. Trata-se de um modelo comportamental e o critério de decisão é que os resultados sejam aceitáveis. Recorre a uma estratégia de decisão baseada na negociação e no compromisso para conseguir obter resultados que sejam aceitáveis por diversos grupos externos. Modelo de processo: associado à gestão e que possui como critério de decisão uma forte orientação para os objectivos. Usa as disciplinas quantitativas e reconhece a importância das ciências sociais. Sensível à envolvente externa e assente em princípios profundamente interdisciplinares.

11 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 11 Funções de informação Diferentes modos do modo como cada indivíduo pode usar o recurso informação para satisfazer necessidades próprias que podem ser repartidas pelos seguintes grupos: - Actividades de processamento de dados e informação: -O tratamento de dados e informação é a actividade mais comum que consiste na combinação de dados fornecidos, na descoberta e preparação de novos dados e na alteração e manipulação dos dados existentes; -O cruzamento de dados e informação é a actividade que garante maior valia mas é também a de maior custo em termos de infra-estruturas e de esforço de formação. Consiste na troca e no acesso a dados em tempo real, garantindo-se a qualidade dos dados. -A comunicação de dados e informação engloba o conjunto de actividades relacionadas com receber dados e efectuar a sua recolha a partir de uma origem bem determinada, enviar grupos de dados para o restante sistema, para o exterior ou para alvos bem definidos (pessoas, serviços, arquivos, etc.) -O armazenamento de dados e informação assegura a persistência e manutenção de um estado de informação para uso posterior, para registo ou como forma de controlo. Os dados são armazenamentos de forma a poderem ser processados e comunicados.

12 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 12 Sistema de informação (SI) Infra-estrutura que suporta o fluxo de informação interno e externo a uma organização. Sistemas de Informação baseados em computador (CBIS) -Sistemas de informação que dependem de computadores (harware e software) e redes para processar e disseminar dados e informação. Funções do SI -recolha da informação: garantir a entrada de dados no sistema; -armazenamento da informação: garantir o registo dos dados necessários ao sistema; -processamento da informação: dar resposta às exigências de dados e informação para suporte do sistema; -representação da informação: permitir uma percepção com qualidade dos dados e informação disponíveis no sistema; -distribuição da informação: garantir o fluxo de dados e de informação no sistema.

13 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 13 Sistema de informação (SI) ambiente externo pessoas gestão de actividades sistema de informação tecnologia

14 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 14 A organização vista como um sistema Descrição com recurso às características de sistema: 1. Objectivo: conforme o nível de responsabilidade é possível definir objectivos estratégicos, tácticos e operacionais; 2. Componentes: as organizações envolvem um conjunto de pessoas. As pessoas são agrupadas por actividades. As unidades funcionais da empresa contribuem para a própria organização e cada uma destas, exige informação a diferentes níveis de responsabilidade; 3. Estrutura: a estrutura é definida pela forma como a autoridade e a responsabilidade são distribuídas pelos indivíduos. A estrutura define as fronteiras do sistema; 4. Comportamento: determinado pelos processos da organização. Os processos são sequências específicas de actividades para realizar os objectivos. Os processos constituem um património da organização, visto serem específicos a esta; 5. Ciclo vital: a organização passa por vários estados ao longo da sua vida útil. Exige a revisão periódica dos objectivos para assegurar a sobrevivência.

15 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 15 Importância dos recursos humanos A importância dos recursos humanos para o sistema de informação é enorme. -como tomadores de decisão, produtores de informação e construtores de conhecimento; -como indivíduos, perfis de profissionais, ou como grupos são vistos como peças fundamentais do SI. O SI é concebido para suportar o fluxo de dados e informação para satisfazer necessidades de informação de pessoas que realizam actividades no âmbito das operações de uma organização. Os SI não são só tecnologia: -os recursos humanos de uma organização e a forma como estes organizam as suas actividades, constituem os três componentes de estudo de um SI; -uma visão socio-tecnológica permite alinhar o negócio da organização e a própria organização com o seu SI; O desempenho da organização é optimizado quando tecnologia (função sistema de informação) e negócio (tomando a organização como estrutura social) se ajustam mutuamente uma à outra.

16 Capítulo 1 Conceitos de sistemas de informação Acetato 16 Sumário do capítulo O recurso aos sistemas de informação baseados em computador é cada vez mais crítico nas organizações. O crescente recurso a computadores e redes vem possibilitar um maior potencial de comunicação, tratamento e armazenamento de informação. As organizações têm que tirar partido deste potencial e assumir o carácter estratégico que o seus Sistemas de Informação possuem no contexto actual. Introduzidos os conceitos básicos de Sistemas de Informação: -proposta uma abordagem sistémica; -proposta uma visão socio-tecnológica para o seu estudo.

17 Capítulo 2 Acetato 17 Objectivos do capítulo Desafios e mudança nos sistemas de informação -Introduzir os conceitos associados à tomada de decisão e as suas particularidades no âmbito das autarquias. -Discutir o papel atribuído aos recursos humanos nos sistemas de informação. -Apresentar os diferentes conceitos associados aos esforços de mudança nos sistemas de informação. -Introduzir o conceito de maturidade dos sistemas de informação e os seus modelos de referência mais comuns.

18 Capítulo 2 Acetato 18 Ponto de situação Desafios e mudança nos sistemas de informação Assegurar a existência de SI capazes e adequados a uma organização constitui, por si só, um grande desafio Face ao contexto da Sociedade da Informação e do Conhecimento, é necessário analisar : -o papel dos indivíduos no SI; -as questões associadas com o recurso aos meios que suportam a sua actividade; -o acesso e a integração da informação, quer no âmbito de cada organização, quer no seu relacionamento com o exterior; -como lidar com o fenómeno do excesso da informação; -a produtividade e a competitividade da organização, importando também considerar as particularidades da decisão no contexto da autarquia; -os aspectos associados com a mudança nos sistemas de informação. Aspectos essenciais para a exploração das oportunidades decorrentes do uso de tecnologias e sistemas de informação o recurso à Internet e o diagnóstico do nível de maturidade da organização.

19 Capítulo 2 Acetato 19 Desafios e mudança nos sistemas de informação Desenvolvimento de um SI O SI existente na organização tem de se adaptar e acompanhar a actividade da empresa, com coordenação dos seus objectivos e do seu desempenho: -o paradigma da análise projecto implementação possibilita, de uma forma ordenada, uma metodologia para o desenvolvimento de um SI. Alternativas ao desenvolvimento de um SI: -Ciclo de vida de sistemas: metodologia tradicional que divide o processo de desenvolvimento em etapas de um modo sequencial e formal, separando claramente as actividades dos especialistas das dos utilizadores. -Prototipagem: processo de construção de um sistema experimental de forma rápida e de menor custo para demonstração e avaliação para os utilizadores especificarem os requisitos de informação; -Aplicações de software do tipo pacote: um conjunto de aplicações pré-escritas, disponíveis comercialmente para venda ou aluguer; -Desenvolvimento pelo utilizador final: desenvolvimento pelos utilizadores com pouco ou mesmo nenhuma assistência formal de especialistas;

20 Capítulo 2 Acetato 20 O excesso de informação Desafios e mudança nos sistemas de informação O fenómeno do excesso de informação está relacionado com os limites do ser humano: O excesso de informação está associado à conjugação dos seguintes factores: -capacidade de cada indivíduo em processar, armazenar e comunicar informação é limitada e exige mesmo que esta esteja dentro de um conjunto de parâmetros que possibilitem a descodificação e entendimento de dados e informação; -afecta a capacidade de decisão de cada indivíduo sai seriamente afectada e pode provocar mesmo stresse, inactividade e consequências em termos de saúde. -lidar com a informação em quantidade: volume e frequência da informação; -lidar com um número excessivo de canais: lidar em simultâneo com informação de diferentes origens (sincronizar e consolidar informação); -lidar com os conteúdos associadas à informação: lidar com a não-informação, qualidade da informação e desinformação.

21 Capítulo 2 Acetato 21 Desafios e mudança nos sistemas de informação Mudança no SI: risco e benefícios elevado Mudanças de paradigma Reengenharia Risco Racionalização reduzido Automação reduzidos Benefícios elevados

22 Capítulo 2 Acetato 22 Desafios e mudança nos sistemas de informação Caracterização dos tipos de mudança em SI Automação -utilização do computador para melhorar o desempenho das tarefas já realizadas; -utilização de máquinas em substituição da mão de obra; -ajudar os profissionais a realizar as suas tarefas de um modo mais eficiente e eficaz. Racionalização -forma de mudança organizacional mais profunda que a automatização; -como substituição da automatização que revela, por vezes, deficiências e estrangulamentos que conduzem a perda de eficiência; -a redefinição da sequência de procedimentos de operação e a sua normalização para assegurar ganhos de eficiência.

23 Capítulo 2 Acetato 23 Desafios e mudança nos sistemas de informação Caracterização dos tipos de mudança em SI Reengenharia -repensar de raiz as actividades associadas aos sistemas de informação; -ser baseada na visão da actividade da organização em processos; -tomar uma visão integradora da actividade na organização pelo uso de tecnologias de informação e do recurso informação. Mudança de paradigma -a reconceptualização da natureza do negócio e da natureza da organização; -corresponde a um maior risco mas também a uma maior expectativa de retorno e/ou aumentos de produtividade; -ultrapassa os próprios limites do sistema de informação, para questionar a própria actividade da organização.

24 Capítulo 2 Acetato 24 Reengenharia Desafios e mudança nos sistemas de informação Redesenho radical dos processos de negócio com vista à obtenção de melhorias drásticas ao nível da redução de custos, qualidade dos serviços e tempo (e à melhoria da organização). Encerra duas ideias chave: -a necessidade de mudanças radicais em vez de incrementais; -a organização de empresas por processos, em vez de funções. Um dos aspectos essenciais associados à reengenharia são os processos de negócio, que são vistos como uma das melhores formas de as organizações coordenarem e organizarem as actividades de trabalho, informação e conhecimento, para produzir um produto ou serviço. Exemplos de processos de negócio são desenvolver um novo produto; gerar e satisfazer um pedido de encomenda; e contratar um trabalhador. Processo: conjunto reproduzível de actividades que transformam entradas de dados e informação, sob diferentes suportes, em saídas de dados e informação e acções sobre produtos e serviços que adicionam valor.

25 Capítulo 2 Acetato 25 Desafios e mudança nos sistemas de informação Fluxo de trabalho (workflow) Descreve as tarefas, os procedimentos, a organização e as pessoas envolvidas, os requisitos de entrada e saída de informação e as ferramentas necessárias para cada passo de um processo de negócio. O uso do fluxo de trabalho para análise e gestão de processos de negócio -quando combinada com uma orientação a objectos de informação, tende a concentrarse em documentos e dados (gestão documental); -em geral, a gestão do fluxo de trabalho concentra-se em processos e não em documentos (gestão de processos). Exemplo de um fluxo de trabalho -no processo de registo de um conteúdo numa organização, um editor produz o conteúdo e um gestor aprova o conteúdo. Se se definir a edição e produção do conteúdo como uma unidade de trabalho e a aprovação como outra, então o trabalho de edição e produção tem de ocorrer antes do trabalho de aprovação se iniciar. Se a edição e produção falhar, a aprovação não pode ser iniciada.

26 Capítulo 2 Acetato 26 Desafios e mudança nos sistemas de informação BPR (business process reengineering) Actividade de análise e reconceptualização do fluxo de trabalho numa organização ou entre organizações. O BPR defende que: - é necessária por vezes a reconceptualização radical e a reorganização de empresa para baixar os custos e aumentar a qualidade de serviço e que as tecnologias de informação constituem o factor chave que permite essa mudança radical; e -o fluxo de trabalho de muitas empresas baseia-se em pressupostos acerca da tecnologia, pessoas e organização (sistemas de informação) que não são válidos.

27 Capítulo 2 Acetato 27 Desafios e mudança nos sistemas de informação BPR (business process reengineering) Sete princípios da reengenharia: para conseguir aumentos significativos de qualidade e reduções drásticas de tempo e custos de execução: -Organização em torno de resultados e não de tarefas; -Identificar todos os processos numa organização e estabelecer prioridades de quais entre estes são os de maior urgência modificar; -Tratar recursos dispersos geograficamente como se estivessem centralizados; -Ligar actividades paralelas no fluxo de trabalho em vez de apenas integrar os seus resultados; -Colocar o ponto de decisão onde se realiza o trabalho e criar o controlo no processo; -Capturar a informação uma única vez e na fonte. -Integrar o trabalho de processamento da informação, nas tarefas reais que produzem informação;

28 Capítulo 2 Acetato 28 Internet Desafios e mudança nos sistemas de informação Rede internacional de redes que agrega uma colecção de centenas de milhares de redes públicas e privadas. Esta rede global de redes proporciona uma plataforma altamente flexível para a partilha de informação. A informação em formato digital pode ser distribuída para milhões de indivíduos em todo o mundo, praticamente sem custos associados.

29 Capítulo 2 Acetato 29 Internet Desafios e mudança nos sistemas de informação Características da Internet -tecnologia de mediação; -universalidade (encolhe e aumenta o mundo); -externalização da rede (valor e alcance); canal de distribuição; -redutor das assimetrias de informação; -capacidade virtualmente inesgotável; -baseado em normas de baixo custo; -destruidor criativo; -reduz os custos de transacção; -intermediador de tempo (altera tempo e espaço);

30 Capítulo 2 Acetato 30 Internet Desafios e mudança nos sistemas de informação Benefícios da Internet -conectividade global; -custos de comunicação reduzidos; -custos de transacção menores; -custos de agenciamento menores; -conhecimento potenciado; -acesso a sistemas/equipamentos variados; -interactividade, flexibilidade e personalização;

31 Capítulo 2 Acetato 31 Intranet e Extranet Desafios e mudança nos sistemas de informação Intranet Uma rede que recorre às mesmas soluções de tecnologia da Internet, para utilização interna à organização e que se caracteriza por: -utilizar tecnologia da World Wide Web; -recorre a um firewall (sistema para prevenir a invasão de redes privadas) que assegura o acesso e segurança de dados e informação; -ultrapassa as incompatibilidades das diferentes plataformas de computador; -normalmente instalada com base na infraestrutura de computadores e redes existente na organização. Aproveitando a conectividade proporcionada por tanto a nível externo (Internet) como a nível interna da organização (intranet) existir o mesmo tipo de tecnologia, acessível com recurso a meios semelhantes, tornou possível estender a intranet da organização a utilizadores autorizados. Extranet Uma aplicação de rede, utilizando as mesmas soluções de tecnologia da Internet, que permite a uma organização utilizar a Internet para suporte de relações seguras com parceiros, fornecedores e clientes.

32 Capítulo 2 Acetato 32 Desafios e mudança nos sistemas de informação A maturidade nos sistemas de informação Estádios de maturidade organizacional de Greiner

33 Capítulo 2 Acetato 33 Desafios e mudança nos sistemas de informação A maturidade nos sistemas de informação Modelo de seis estádios de Nolan

34 Capítulo 2 Acetato 34 Sumário do capítulo Desafios e mudança nos sistemas de informação Os SI devem servir os recursos humanos de uma organização a desempenhar a sua actividade: -todos os esforços desenvolvidos para o melhor desempenho do SI devem estar centrados no suporte à decisão e à actividade da organização; -a organização está sujeita a inúmeros fenómenos, entre os quais se destacam o excesso de informação, o permanente estado de mudança na sociedade da informação e a tendência para o aparecimento de ilhas ou silos de informação nas organizações. Importante assegurar que o sistema de informação acompanha as transformações que ocorrem na organização -diferentes tipos de mudança possuem diferentes benefícios e riscos associados; -a Internet possui um potencial de mudança para o SI e para a organização. Uma das formas de avaliar o estádio das tecnologias e sistemas de informação numa organização é o recurso ao conceito de maturidade: -é possível comparar o patamar de evolução de uma organização, com outras que lhe sejam semelhantes.

35 Capítulo 3 Sistemas de informação na organização Acetato 35 Objectivos do capítulo -Fornecer uma perspectiva histórica dos sistemas de informação na organização; -Discutir aspectos relacionados com a estratégia dos sistemas de informação; -Discutir o papel da informação na tomada de decisão nas organizações; -Apresentar os tipos de sistemas de informação para avaliar o suporte à decisão na organização;

36 Capítulo 3 Sistemas de informação na organização Acetato 36 Ponto de situação As organizações possuem cada vez maior complexidade e sofisticação associada às exigências resultantes das suas operações. Tanto por pressão exterior como por imperativos da sua própria actividade, o suporte à decisão impõe crescentes desafios no suporte à tomada de decisões e consequente desempenho. De forma a garantir a compreensão global dos mecanismos ao dispor da organização para o suporte da tomada de decisão são propostos um conjunto de diferentes tipos de sistemas de informação que auxiliam na análise e diagnóstico do SI em cada organização.

37 Capítulo 3 Sistemas de informação na organização Acetato 37 Épocas de SI baseados em computador (Raggad, 1997) 1ª época: dados, uso intensivo de sistemas de suporte à contabilidade e a sistemas electrónicos de processamento de dados; 2ª época: informação, introdução dos sistemas de informação para gestão, com preocupações ao nível da gestão de topo e intermédia nas várias áreas funcionais da organização, tornando disponível a informação a utilizadores com necessidades semelhantes; 3ª época: suporte à decisão, sistemas de suporte à decisão, concentrando-se nos variados processos de decisão nos diferentes níveis de gestão da organização; 4ª época: comunicação e produtividade, sistemas de automação de escritórios, considerando a comunicação como a mais importante função do escritório; 5ª época: conhecimento, sistemas de suporte ao conhecimento, e que inclui o recurso à inteligência artificial e aos sistemas baseados em conhecimento.

38 Capítulo 3 Sistemas de informação na organização Acetato 38 Épocas de SI baseados em computador (Raggad, 1997) Adicionalmente é ainda possível considerar: -Sistemas de informação funcionais, associados a preocupações específicas da organização, como é o caso do marketing, da produção ou finanças, entre outros; -Sistemas de informação para planeamento estratégico, associados a sistemas do tipo executivo e de suporte ao executivo e alta direcção; -Sistemas de informação baseados em redes neuronais, utilizados para modelação de relações estatísticas não lineares que suportam modelos de simulação e análise de informação.

39 Capítulo 3 Sistemas de informação na organização Acetato 39 Estratégia em Tecnologias e Sistemas de Informação O quê? Estratégia de SI - nível organização - foco no negócio - dirigida pela procura - negócio com TI Estratégia de TI - âmbito e arquitectura - foco na tecnologia - dirigida pela oferta - TI com negócio Estratégia de GI - administração -foconagestão - funções e responsabilidades - negócio e TI Como? Quem?

40 Capítulo 3 Sistemas de informação na organização Acetato 40 Escolas de pensamento da gestão e dos SI A informação, no âmbito dos SI, tem como objectivo final facilitar a tomada de decisões no negócio. Existem diferentes correntes de pensamento que influenciam a análise do seu processo da gestão (enquanto conjunto de decisões sobre dados e informação): -Escola Técnico-Racional, em que a organização é vista como um relógio e os gestores têm que fazer, essencialmente, planeamento, organização, coordenação, decisão e controlo. Esta abordagem baseava-se na recolha de tempos de execução de tarefas. Esta abordagem prevaleceu no período da Revolução Industrial e posterior foco na produção.

41 Capítulo 3 Sistemas de informação na organização Acetato 41 Escolas de pensamento da gestão e dos SI -Escola Comportamental tem uma abordagem menos sistemática e menos formal ao problema da gestão, encarando a empresa como um organismo vivo, e o papel do gestor como de apoio na luta pela sobrevivência. A noção de adaptação das organizações aos seus ambientes internos e externos sobrepõe-se à noção de optimização. Neste tipo de modelos, o SI não contribui muito para as funções da gestão. -Escola Cognitiva, em que a organização é vista como uma entidade que pode aprender e saber coisas, para lá daquilo que cada elemento individual aprende ou sabe. O papel do gestor passa a ser o de apreender situações, definir soluções e construir a estrutura informacional e cognitiva da empresa. A ênfase é posta na apreensão do ambiente, bem como em guardar e disseminar conhecimento de formas mais eficazes e eficientes. O conhecimento é o recurso produtivo e estratégico principal, podendo ser explícito ou tácito. A aprendizagem, quer individual, quer colectiva, é o factor que permite a adaptação.

42 Capítulo 3 Sistemas de informação na organização Acetato 42 Gestão do conhecimento (GI) Gestão do conhecimento -aproximação sistemática para auxiliar o aparecimento de informação e conhecimento e o seu fluxo para os recursos humanos adequados, no local e momento necessário de modo a assegurar que estes possam agir de forma mais eficiente e eficaz. -processo de grupo que combina o domínio de conhecimento humano (tácito e explícito) e os objectos do domínio da informação e dos dados com o objectivo de criar valor (mercado ou cultura). Conhecimento explícito -conhecimento que pode ser articulado, documentado ou capturado. É normalmente tornado acessível através de políticas, procedimentos, instruções, normas e resultados, e pode ser comunicado através de documentação escrita. Livros, memorandos, mensagens de correio electrónico e mesmo conversas, contém conhecimento explícito.

43 Capítulo 3 Sistemas de informação na organização Acetato 43 Gestão do conhecimento (GI) Conhecimento tácito -conhecimento baseado na experiência de pessoas e grupos, sendo representado pelas suas competências. O conhecimento tácito é usado para entender, resolver problemas e possibilita perspectivas diferentes sobre as mesmas realidades. Nas empresas que usam a GI como vantagem competitiva, a gestão toma uma abordagem sistémica e recorre a técnicas de gestão sofisticadas. -o SI relaciona o planeamento e controlo com os sistemas operacionais, servindo como plataforma de comunicação das diversas funções e níveis e como repositório de informação que poderá, mais tarde, ser objecto de análise. É pessoal e raramente é documentado.

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Mudanças das organizações e os SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n A mudança nos sistemas de informação das organizações é, ou deve ser, considerada

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Aplicações de suporte à Gestão da Informação na empresa Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 Sistemas de informação para empresas Manutenção e exploração de sistemas

Leia mais

2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação

2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão/ FMH - Instituto de Motricidade Humana 2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação Conceitos SI II - 1 Agenda O Impacto do Computador na Sociedade

Leia mais

IT Governance uma janela de oportunidades

IT Governance uma janela de oportunidades A Governança dos SI/TI da AP O quê, como, onde e porquê? IT Governance uma janela de oportunidades Luis Borges Gouveia Professor Associado Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa

Leia mais

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Luis Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Abril de 2001 Modelos de negócio e internet valor oferecido aos consumidores segmentação dos consumidores

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento Gestão do Exemplos e aplicações Luis Manuel Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Janeiro de 2002 O SI, a GI e o Negócio Gestão e pessoas GESTÃO DA INFORMAÇÃO Organização e procedimentos SISTEMA DE INFORMAÇÃO missão

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Colecção INOVAÇÃO E GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE APOIO À GESTÃO

Colecção INOVAÇÃO E GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE APOIO À GESTÃO Colecção INOVAÇÃO E GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE APOIO À GESTÃO F I C H A? T É C N I C A Título SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE APOIO À GESTÃO Autores Luís Borges Gouveia João Ranito Editor

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Introdução ao projecto Gaia Global

Introdução ao projecto Gaia Global Introdução ao projecto Gaia Global Autarquia de Vila Nova de Gaia Luís BorgesGouveia A sociedade da informação A Sociedade da Informação é uma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Microsoft Dynamics CRM Online Customer Solution Case Study IDC Portugal IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Sumário País Portugal

Leia mais

Sistemas de Informação na Organização

Sistemas de Informação na Organização Sistemas de Informação na Organização Tipos de Sistemas de Informação TPS, KMS, MIS, DSS, ESS Perspectiva funcional dos SI Exemplos Perspectiva dos processos de negócio CRM SCM ERP Sistemas de Informação

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Your Partner for a Safe IT Operation

Your Partner for a Safe IT Operation Your Partner for a Safe IT Operation is Integrated Systems AG Öschlestrasse 77 78315 Radolfzell Germany Tel. +(49) (0) 7732/9978 0 Fax +(49) (0) 7732/9978 20 info@integratedsystems.de www.integratedsystems.de

Leia mais

Cidades e Regiões Digitais

Cidades e Regiões Digitais Sessão sobre as TICs, Aplicações e potencial para o território Planeamento e Ordenamento do Território Curso de especialização em Ciências e Tecnologia do Ambiente (ICAT 15 de Maio de 2004) Bibliografia:

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de acções a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

Prof. Rossini Monteiro

Prof. Rossini Monteiro LISTA DE EXERCÍCIOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-ENAD - Revisão Prof. Rossini Monteiro 1ª. O desempenho organizacional da empresa Persinex Ltda. Depende cada vez mais de um Sistema de Informações

Leia mais

Os Sistemas de Informação nas PME s. José Pinto

Os Sistemas de Informação nas PME s. José Pinto Os Sistemas de Informação nas PME s José Pinto José Ângelo Costa Pinto Licenciado em Gestão Empresas Pós-Graduação em Sistemas de Informação (PM) Pós Graduação em Economia e Gestão Mestre em Sistemas de

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Reengenharia de Processos

Reengenharia de Processos Reengenharia de Processos 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates Transformação da Administração Pública É necessário transformar a Administração Pública de

Leia mais

Capítulo. Sistemas empresariais

Capítulo. Sistemas empresariais Capítulo 8 1 Sistemas empresariais 2 Objectivos de aprendizagem Identificar e exemplificar os seguintes aspectos da gestão do relacionamento com os clientes, da gestão de recursos empresariais e dos sistemas

Leia mais

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal.

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. Adoptada por diversas empresas líderes de mercado em vários sectores

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

2.3. Sistemas de Informação

2.3. Sistemas de Informação 2.3. Sistemas de Informação 2.3.1. Sistema Comecemos por observar como definem diversos autores o que será um sistema, sistema é um conjunto complexo de inúmeras partes que interagem (MAXIMIANO, Antonio

Leia mais

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo HR BPO Desafios nos próximos anos Agenda Enquadramento Serviços HR BPO Selecção de parceiros Implementação e operação do HR BPO Exemplo prático Meta4 Agenda Enquadramento

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Vocabulário e conceitos Vista geral

Sistemas de Apoio à Decisão. Vocabulário e conceitos Vista geral Sistemas de Apoio à Decisão Vocabulário e conceitos Vista geral Decisão A escolha de uma entre várias alternativas Processo de tomada de decisão (decision making) Avaliar o problema Recolher e verificar

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Dar exemplos de como a Internet e outras tecnologias da informação apoiam os processos de negócio nas seguintes funções empresariais: ƒ contabilidade; ƒ gestão financeira;

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

+ = Page 2. Sistema : Características. A Empresa como um Sistema. Os Processos de Negócio como Sub-sistemas

+ = Page 2. Sistema : Características. A Empresa como um Sistema. Os Processos de Negócio como Sub-sistemas Sistemas Informação José Cruz Filipe Tópicos Conceito de Sistema A Empresa como um Sistema Conceito de Informação Dados e Informação Informação e o Processo de Decisão Sistema de Informação JCFilipe 1

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181 SUMÁRIO SUMÁRIO PREFÁCIO AGRADECIMENTOS VII XI XIII INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. ORGANIZAR WORKFLOWS 1 1.1 Ontologia da gestão de workflows 1.2 Trabalho 1 1 1.3 Processos de Negócio 3 1.4 Distribuir e Aceitar

Leia mais

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO ANUAL - DE TECNOLOGIAS ANO ESCOLAS LECTIVO DR. VIEIRA DE CARVALHO 9º ANO 2008/2009 DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Tecnologias 1º Período Conceitos Sistema da informação e comunicação

Leia mais

Cidades Inteligentes: a exploração do digital para um território melhor. Luis Borges Gouveia Universidade Lusófona, 14 de Abril de 2015

Cidades Inteligentes: a exploração do digital para um território melhor. Luis Borges Gouveia Universidade Lusófona, 14 de Abril de 2015 Cidades Inteligentes: a exploração do digital para um território melhor Luis Borges Gouveia Universidade Lusófona, 14 de Abril de 2015 Resumo da apresentação Cidades Inteligentes: a exploração do digital

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office.

Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office. Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office. 1 Back-Office e Front-Office. Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office. ESTRATÉGIA DO NEGÓCIO ANÁLISE ESTRATÉGICA Visão, missão, objectivos

Leia mais

Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016

Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Outubro de 2013 Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Ciente da relevância estratégica

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social DISCIPLINA Controlo Informático da Gestão LICENCIATURA Informática

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações Informática Aula 7 Redes e Telecomunicações Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução Para as empresas modernas funcionarem eficazmente, são vitais as ligações que conectam as suas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 OBSERVATÓRIO de TURISMO do ALENTEJO Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 Razões para a Criação do Observatório Regional de Turismo do Alentejo As lacunas da informação estatística sobre o turismo

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

Aulas 6 & 7 Sistemas de Informação

Aulas 6 & 7 Sistemas de Informação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI Departamento de Informática & Estatística Curso de Ciência da Computação GESTÃO DO CONHECIMENTO Vinicius Ponte Machado Aulas 6 & 7 Sistemas de Informação TECNOLOGIA Clique

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

AberdeenGroup. O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo. Agosto de 2004

AberdeenGroup. O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo. Agosto de 2004 AberdeenGroup O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo Agosto de 2004 Aberdeen Group, Inc. 260 Franklin Street Boston, Massachusetts 021103112 USA Telefone: 617 723 7890 Fax: 617 723 7897 www.aberdeen.com O

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

F M H. Sistemas de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. X - Mestrado Gestão do Desporto OBJECTIVOS:

F M H. Sistemas de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. X - Mestrado Gestão do Desporto OBJECTIVOS: X - Mestrado Gestão do Desporto F M H Sistemas de Informação SISTEMAS DE INFORMAÇÃO OBJECTIVOS: Clarificar os conceitos e definições fundamentais associadas aos sistemas de informação; Apresentar as diferentes

Leia mais

Electrónico CONCEITOS E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO. Luís Borges Gouveia NEGÓCIO ELECTRÓNICO. Luís Borges Gouveia

Electrónico CONCEITOS E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO. Luís Borges Gouveia NEGÓCIO ELECTRÓNICO. Luís Borges Gouveia NEGÓCIO ELECTRÓNICO NEGÓCIO ELECTRÓNICO CONCEITOS E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO Negócio Projecto apoiado pelo Programa Operacional Plurifundos da Região Autónoma da Madeira (POPRAM III), co-financiado

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento principal é a informação. Seu objetivo é armazenar, tratar e fornecer informações de tal modo a apoiar as funções ou processos

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais