A polidez nas interações telefônicas institucionais 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A polidez nas interações telefônicas institucionais 1"

Transcrição

1 A polidez nas interações telefônicas institucionais 1 Carla Anéte Berwig (UFPR) Professora Dra. Elena Godoi (UFPR) RESUMO: Este texto tem o objetivo de apresentar análises de conversas telefônicas mantidas entre os operadores e usuários da Central de Atendimento da Prefeitura de Curitiba e verificar quais as estratégias de polidez empregadas pelos interlocutores nessa situação específica. Variáveis como poder, gênero, distância hierárquica e grau de imposição precisam ser contempladas. O centro desse estudo é o diálogo institucional, ou seja, a maneira pela qual os indivíduos desempenham atividades comunicativas associadas a contextos institucionais e a importância da polidez para a manutenção da harmonia das relações. Com base na Teoria da Polidez de Brown & Levinson e em estudo de Ballesteros (2002), analisaremos alguns casos de pedidos e reclamações, procedendo a identificação de marcadores linguísticos (léxicos, frasais e sintáticos) que funcionam como mecanismos de atenuação, verificando dessa forma quais são as implicações pragmáticas decorrentes de seu uso. Palavras- chave: Pragmática; Polidez; Comunicação Institucional. Introdução O presente estudo tem como objetivo investigar a polidez lingüística, ou mais especificamente, as estratégias de polidez usadas pelos atendentes e usuários do serviço 156 da prefeitura de Curitiba. A central de atendimento e informações do número 156 é o contact center desenvolvido e gerenciado pelo ICI (Instituto Curitiba de Informática) com a finalidade de viabilizar um sistema de comunicação ágil e eficiente entre o cidadão e a Prefeitura de Curitiba, permitindo o atendimento da demanda de informações e solicitações da população. Procuraremos, por meio da análise das gravações e apoiados na Teoria da Polidez de Brown & Levinson (1987), compreender melhor a manifestação do fenômeno da polidez neste ambiente, que apresenta situações, por vezes, inesperadas e até hostis e que necessitam de uma mediação adequada para não comprometer o sucesso das interações comunicativas. Devemos ressaltar também que os estudos da linguagem no âmbito organizacional são poucos, em especial nas empresas públicas, mas a Linguística conta com abordagens consistentes e profundas para a investigação. Estamos convencidos de que os resultados da pesquisa, que está em fase inicial e sobre a qual apresentaremos apenas algumas considerações gerais, prestarão contribuições de caráter pioneiro para o estudo da linguagem nas organizações públicas, com aplicação teórico -empírica. 1. Um pouco sobre a Teoria da Polidez Nossa proposta de investigação sobre as variações da polidez linguística na Central Telefônica 156 da Prefeitura de Curitiba está fundamentada principalmente nos postulados teóricos apresentados na Teoria da Polidez (BROWN & LEVINSON,1978, 1987), na Noção de Face (GOFFMAN,1967) e em outros autores tais como Eelen (2001), Fraser (1990) e Haverkate (1994). 1 O texto deste artigo já foi apresentado oralmente na Semana de Letras da UFPR, em maio de 2009, e publicado nos anais do XIX Seminário do Cellip Círculo de Estudos Lingüísticos e Literários do Paraná, em Cascavel, outrubro de 2009.

2 Brown & Levinson (1978, 1987) propõem um modelo de interação baseado na noção de face, derivada da proposta de Goffman(1967) desenvolvida em seu trabalho sobre os elementos rituais da interação social. Para o autor (GOFFMAN, 1967), todo o indivíduo vive em um mundo de encontros sociais que promove contatos com outros participantes, contatos esses que exigem do indivíduo o acionamento de um alinhamento ou padrão verbal e não -verbal para expressar sua visão da situação, sua avaliação sobre os participantes e sua avaliação sobre si mesmo. Esse alinhamento permite que as pessoas passem uma impressão aos outros. Definindo o termo como o valor social positivo que uma pessoa reclama para si através daquilo que os outros presumem ser o alinhamento por ela adotado durante um contato específico... uma imagem do self delineada em termos de atributos sociais aprovados (GOFFMAN, 1967, p.77), Goffman afirma ainda que as regras do grupo e a definição de situação determinam quais os sentimentos ligados à face e como esses sentimentos devem ser distribuídos entre as faces envolvidas. Nessa linha, preocupados com a qualidade das relações sociais e adotando a noção de face de Goffman,1967), Brown & Levinson (1978, 1987) elaboraram a teoria da polidez que aborda o uso de estratégias discursivas que regem a manutenção das interações sociais (cordiais), mesmo quando o falante deve enfrentar um conflito (agressão= FTA) entre seu objetivo e de seu interlocutor, sem romper as boas relações. Nesse sentido, a polidez é entendida como um conjunto de estratégias discursivas destinadas a evitar ou amenizar o conflito (face positiva e face negativa). Esta teoria possibilitou uma descrição eficiente sobre a manutenção de uma interação harmônica, com a preservação da relação interpessoal. O ponto de partida desta teoria é de que o homem não vive só e que ele precisa se comunicar. Duas grandes vontades movem o ser humano. A primeira diz respeito ao desejo de todo indivíduo em ser livre, de agir sem impedimentos, o que corresponderia à Face Negativa. A segunda, se refere à necessidade que temos de ser aceitos, aprovados, admirados e pertecer a um grupo, o que corresponde à Face Positiva. A polidez negativa enfatiza a distância e diminui o peso da solidariedade e a positiva possibilita a aproximação e a solidariedade. Para os autores, quase todas as ações, incluindo as elocuções, são potencialmente uma am eaça à face do outro. Segundo eles, há três fatores sociológicos que influenciam na determinação do nível de polidez entre o falante e o ouvinte: (a) o poder relativo do ouvinte sobre o falante, (b) a distância social entre o o falante e o ouvinte e (c) o tipo de pressão ou ônus envolvido no ato que ameaça a face (facethreatening act). Assim sendo, um FTA ameaça a própria imagem que o falante ou o ouvinte acredita existir. Para que o falante ou o ouvinte não percam a face, o falante pode usar certas est ratégias. Primeiramente, o falante tem a escolha de produzir ou não um FTA. Em segundo lugar, se ele escolher produzi-lo o ato pode ser indireto (off record) ou direto (on record). Um exemplo de FTA off record é o enunciado Está muito quente aqui! com a força ilocucionária para que o ouvinte faça alguma coisa, como, por exemplo, abrir a janela. A produção off record evita que seja imposta qualquer tarefa para o ouvinte. Em terceiro lugar, Um FTA on record pode ser produzido com uma ação atenuante. Um FTA, sem ação atenuante, poderia ser um pedido feito de forma imperativa, uma ordem (por exemplo, Arrume seu quarto já! ). Um FTA com ação atenuante tenta neutralizar o potencial de destruição de face que carrega este ato, de maneira que tais modificações ou adições indiquem claramente que não há intenção ou desejo algum em ameaçar a face do ouvinte e que o falante reconhece os desejos de preservação de face do ouvinte e que ele próprio (falante) quer que estes sejam atendidos. Tal ação mediadora pode enfatiz ar a face positiva ou negativa. Em outras palavras, essa ação pode ter a função de conseguir a aprovação do ouvinte (face positiva) ou salvaguardar a liberdade de ação do ouvinte (face negativa). Ao desenvolverem a teoria da polidez, Brown & Levinson (1978,1987) pretendiam inicialmente, identificar universais da linguagem em uso relacionados com o fenômeno da polidez.

3 Acreditavam que um dos problemas de qualquer grupo social era manter o controle de sua agressividade interna, bem como conter o potencial agressivo de relações competitivas com outros grupos. Nesse sentido, como foi sugerido por Goffman (1971), a importância social da polidez, deferência e tato, supera o nível dos manuais de etiqueta. A teoria de Brown & Levinson ( 1978) adota preferencialmente a perspectiva do falante e se preocupa com a polidez lingüística, mas outros estudos, como por exemplo o de Fukushima (2004) contemplam a perspectiva do ouvinte/receptor e abordam a polidez comportamental. A mesma autora também chama a atenção para a variação das estratégias de acordo com as culturas. Isto é, as estratégias são universais, mas seu uso e sua aceitação são grandemente influenciadas pela cultura. Nesse sentido, é preciso trazer à luz a discussão, um tanto polêmica, sobre o termo cultura e suas diversas acepções. Para tanto, talvez seja útil usar o levantamento, que realizamos na dissertação de mestrado intitulada Os Estereótipos Culturais no Ensino e Aprendizagem de Português para Estrangeiros (BERWIG, 2004). Um dos aspectos relevantes da Teoria da Polidez (BROWN & LEVINSON, 1978, 1987) para o desenvolvimento da nossa pesquisa é a noção de desejo da preservação da face que está presente em todas as interações comunicativas. Devemos esclarecer, no entanto, que a referida teoria foi criada originalmente tendo em vista as interações face a face. Acreditamos, porém, que ela possa ser aplicada e adaptada sem problemas às interações mediadas pela tecnologia. Estamos certos, que o serviço telefônico de atendimento ao público da Prefeitura de Curitiba (156) possa nos fornecer material vasto e rico para a pesquisa, pois neste ambiente há um confronto diário com situações inesperadas e por vezes até hostis. 2. A importância do contexto Como sabemos a noção de contexto é de importância cruci al para os estudos da comunicação nas organizações e também para os estudos da pragmática linguística. Segundo Dascal (2006), podemos distinguir dois tipos gerais de contexto, o metalinguístico e o extralinguístico. O primeiro inclui o texto ou discurso no qual a elocução a ser interpretada está inserida, assim como outros tipos de informação linguística como a língua e o dialeto do falante, o gênero ao qual pertence esse discurso em particular, o registro que o falante emprega, as normas comunicativas relacionadas à situação específica em que a elocução é proferida. O contexto extralinguístico inclui informações sobre o universo da referência ao qual a elocução se refere, o conhecimento de fundo background e de crenças compartilhadas entre falante e ouvinte, as circunstâncias específicas da situação da elocução, os hábitos e idiossincrasias do falante e do ouvinte, etc. Cada um desses tipos de contexto pode ainda ser subdividido em três níveis: genérico, intermediário e específico. Esta taxonomia, segundo o autor, dá uma maior segurança para trabalhar com o contexto, porque permite que estabeleçamos sistematicamente as contribuições dos diversos elementos que compõem o contexto para o significado do falante e a identificação de cada uma delas para cada elocução. De acordo com Dascal (2006) isto nos livra da metáfora frustrante do contexto ser visto como um saco sem fundo onde cabem todas as coisas. Orlando (2006) quando se refere aos contextos institucionais também ressalta a natureza difusa, multifacetada e de difícil abordagem do contexto e explica que por isso prefere falar em "contextos" ou matriz de contextos para aludir às múltiplas dimensões contextuais em que se insere uma peça discursiva dada. Tais dimensões ou recursos contextuais contempla m a dupla dialogicidade relativa à situação local ou imediata, por um lado, e às tradições sócioculturais existentes, por outro. Orlando (2006) reitera a complexidade da noção de contexto e a atribui à ambiguidade inerente ao que faz a sua integração e ao mesmo tempo a sua exterioridade com relação às emissões discursivas. Ela alerta que essa dupla natureza poderia induzir -nos, a princípio, a um tratamento monologista, isto é, a uma categorização conceitual que apresente os contextos como entidades dadas, preexistentes à ação dos atores e relativamente estáveis.

4 Por fim, a autora pondera que se não é possível anular essa tensão, existe a possibilidade de conciliar ambas características (integração e externalidade) na análise. 3. Conhecendo o local da pesquisa O espaço empírico por nós escolhido para a realização da pesquisa foi o serviço 156, a Central de Atendimento da Prefeitura de Curitiba. A referida central atende solicitações de serviços prestados pela administração pública e esclarece dúvidas da população. Alguns dos serviços mais solicitados pelos usuários, segundo informações da coordenação do serviço, referem -se à coleta de resíduos vegetais, serviços de iluminação pública e resgate social, por meio da qual a Prefeitura é acionada para recolher pessoas abandonadas na rua e encaminhá-las para abrigos. A comunidade também aciona a central para registrar reclamações em relação a motoristas e cobradores de ônibus, solicitar colocações de anti-pó, a apreensão de animais soltos nas ruas e ainda buscar informações sobre localização e horário de atendimento das unidades de saúde e horários e itinerários de ônibus, entre outros serviços. O serviço oferecido pela central é totalmente automatizado e esse modelo de atendimento permite que a solicitação fique cadastrada e que haja um acompanhamento contínuo do atendimento. Caso a solicitação não seja atendida, o próprio sistema acusa e retorna a solicitação ao órgão competente. Ao mesmo tempo, o solicitante é continuamente posicionado sobre a sua solicitação. A Central funciona no prédio do ICI- Instituto Curitiba de Informática- e atende 24 horas por dia, inclusive nos feriados e fins de semana. As consultas podem ser feitas pelo telefone ou via internet por meio do site da prefeitura. Pela internet as co nsultas podem ser feitas via web, com atendimento on-line, que funciona como um chat ou por meio de um formulário que pode ser preenchido e encaminhado. 4. Instrumentos de coleta e análise de dados Os dados da pesquisa foram obtidos por meio de gravações feitas em situação real de trabalho, sem interferência dos pesquisadores. Estas gravações foram cedidas pela coordenação do serviço 156 e fazem parte da rotina de trabalho, já que as ligações são automaticamente gravadas, como uma maneira de avaliar o desempenho dos operadores e a qualidade do serviço oferecido. Para a obtenção desse material que comporá o corpus da pesquisa foi preciso cumprir algumas etapas. Primeiramente, estabelecemos contato com a presidência do ICI (Instituto Curitiba de Informática) que nos encaminhou para a Coordenação do Serviço 156. Em reunião com a Coordenadora do serviço, que se mostrou muito acessível e gentil, fomos informados que teríamos que apresentar o projeto de pesquisa e uma declaração descrevendo a finalidade da pesquisa e comprometendo-nos a não fazer mau uso dessas gravações, bem como garantir o sigilo dos participantes da pesquisa. Após a apresentação destes documentos, participamos de uma outra reunião, desta vez com a assessoria jurídica que examinou cuidadosamente a documentação durante algumas semanas e emitiu o parecer favorável à cessão das gravações. Ficou acertado ainda, junto à coordenação do serviço 156, que participaríamos de um treinamento dos operadores, com duração de 15 dias, para conhecermos mais o funcionamento do serviço e o dia-a-dia de trabalho. Participamos ainda de uma terceira reunião com o presidente do ICI, com o diretor administrativo e financeiro e com componentes do corpo técnico da instituição. Ocasião em que apresentamos o projeto e ressaltamos a contribuição da pesquisa para o aperfeiçoamento do serviço. Inicialmente, recebemos da coordenação do serviço 30 gravações, com as quais desenvolveremos o projeto piloto. Dando continuidade à coleta de dados, obtivemos mais 70 gravações, totalizando cem gravações.

5 As gravações serão transcritas de acordo com normas da Análise Conversacional e o sigilo será mantido para preservar a identidade dos participantes. Faremos uma análise inicial para desenvolvermos o projeto piloto e posteriormente será citeriosamente selecionado o corpus definitivo do trabalho. Os métodos de análise serão de natureza qualitativa, com uma rede de categorias previamente delimitadas, de acordo com os pressupostos teóricos assumidos, às quais outras se somarão no decorrer da análise. Utilizaremos também a análise estatística dos resultados e com base nessas informações teceremos nossas conclusões. Um outro instumento por nós escolhido para complementar os recursos metodológicos da pesquisa será uma entrevista com a coordenação do serviço, para avaliar qual o tipo de imagem pública (face) que a instituição deseja projetar para a comunidade. A entrevista será do tipo semi - estruturada com questões abertas. Nossa escolha recaiu sobre esse tipo de entrevista pelas vantagen s que ela oferece, tais como: uma melhor amostra da população de interesse, pois tem um índice de perguntas bem mais abrangente; facilidade para as respostas, ao contrário dos questionários com resposta por escrito; elasticidade quanto à duração, permitindo uma cobertura mais profunda sobre determinados assuntos; proximidade maior entre entrevistador e entrevistado, o que permite ao entrevistador tocar em assuntos mais complexos e delicados. 5. Introdução ao Corpus A pesquisa, como já afirmamos anteriormente, se encontra em fase inicial. Já coletamos o corpus e agora estamos procedendo as transcrições. O nosso objetivo é observar qual é a prevalência das estratégias usadas pelos usuários e também pelos operadores do serviço nesse contexto específico. Nesse sentido, o estudo de Ballesteros (2002) mostrou-se um instrumento importante de auxílio, pois apresenta uma análise de mecanismos de atenuação empregados em pedidos coletados em duas amostras constituídas por nativos espanhóis e ingleses. Essa pesqu isa é uma continuação de outro artigo publicado por Ballesteros em 2001, que revelou que espanhóis e ingleses concebem o fenômeno da polidez de forma diferente: os primeiros o identificavam em maior número de ocasiões com estratégias de polidez positiva, enquanto que os segundos recorriam em maior proporção a estratégias de polidez negativa. Isso fez com que o autor concluisse que a polidez é um valor culturalmente específico e que depende do ethos prevalente de cada sociedade. E a mitigação é uma ferramenta opcional para suavizar a força dos atos de fala impositivos. No artigo publicado em 2002, Ballesteros se concentra em dois mecanismos de atenuação: os atenuantes léxicos e frasais e os atenuantes sintáticos. Os primeiros dividem-se em : a) expressões de cortesia; b) expressões de consulta; c) mitigações; d) expressões indefinidas; e) expressões subjetivas de opinião; f) expressões de improbalidade; g) expressões de dúvida e titubeios; h) harmonizadores; i) formas de assentimento. Os segundos se dividem em: a) oração interrogativa; b) oração interrogativa negativa; c) negação condições preparatórias; d) apresentação hipotética dos fatos; e) orações subordinadas condicionais; f) modo subjuntivo; g) marcadores de possibilidade epistêmica; h) aspecto durativo; i) tempo verbal de passado; j) voz passiva; l) construções impessoais. Apresentaremos a seguir a transcrição de duas ligações telefônicas que fazem parte do corpus desse trabalho e tentaremos identificar alguns desses mecanismos de atenuação e ava liar quais as implicâncias pragmáticas para a polidez que esses mecanismos acarretam. A primeira ligação é uma reclamação e a segunda um pedido de informação dirigidos à Central 156. Os nomes dos usuários e dos operadores foram modificados e as referências a endereços, telefones foram omitidas para manter a confidencialidade da pesquisa. Ligação 1 O- Central 156, Ivone, bom dia! Em que posso ajudar?

6 U- Ah, Bom dia, Ivone. Meu nome é Anderson eu tenho uma reclamação... a fazer. O- Sim? U- Referente a ônibus. O- Eh, por gentileza, qual seu nome completo? U- Anderson Santos. O- (incompreensível) U- Não entendi! O- O que está acontecendo? U- O motorista viu que gente ia entrar no ônibus e fechou a porta em nosso pé. O- Nesse caso então ele não aguardou o embarque? U- É. O- Confirmando seu cadastro, o telefone para contato permanece o mesmo, é o XX? U- Isso mesmo. O- O seu endereço é XX? U- Isso mesmo. O- O senhor poderia dar a identificação ou a placa do ônibus? U- HE... O- Sim? U- Agora eu não lembro se é 525 ou 225. Acho que é 525 XX. O- Isto ocorreu em qual local? U- XX O- Ocorreu agora? U- É, agora pela manhã. O- Qual era o sentido? Sentido bairro ou centro? U- Sentido bairro. O- O senhor poderia informar por volta de que horário aconteceu a situação? U- Por volta de 7 e 20 alguma coisa. O- Só confirmando é HE525? U- Isso. O- Com esse número não consta no sistema! U- Ai, Ai! Qual é o número agora. O- Seria HE 225? U- Não, não. É HE mesmo, agora eu não me lembro se era 500 e alguma coisa. Ai, ai, eu nã o vou lembrar! O- Não foi localizado pela base de dados. U- Não, não! Eu não vou lembrar. Eu acho... Por mim era 525. O- Eu posso acrescentar 525 deixando ciente que não consta procedimento. U- Não, tudo bem! Eu posso dar uma olhada amanhã, porque provavelmente vai ser o mesmo ônibus. O- Eu já no caso vou estar verificando corretamente a identificação e podemos estar encaminhando amanhã mesmo, senhor, a reclamação. U- Tá ok, eu aguardo então até amanhã. O- Tudo bem! Mais alguma reclamação? U- Somente isso.muito Obrigado. O- A Prefeitura agradece a sua ligação, tenha um bom dia! U- Igualmente. O que observamos nessa reclamação é que ela apresenta elementos atenuadores léxicos e frasais como, por exemplo, as fórmulas de cortesia amplamente reconhecidas como tal, que Ballesteros (2002) nomeou de expressões de cortesia e que estão presentes na interação

7 comunicativa para solicitar uma conduta cooperativa ( por favor, por gentileza, obrigado). Também encontramos atenuantes sintáticos como o uso de tempos verbais como o futuro do pretérito que tem esse efeito atenuador (poderia). Observamos também o que no português brasileiro convencionou-se chamar de gerundismo e que parece também ter a função de polidez, já que diminui um pouco a rigidez dos tempos verbais exatos, evita imperativos e passa uma sensação de menor promessa e exatidão que o futuro do indicativo passaria. Nesses serviços telefônicos ele é muito empregado e aceito, pois transfere para o "acaso" a responsabilidade do que vai acontecer ou deve ser feito. Ligação 2 Pedido de informação O- Central 156, Melissa, boa noite, em que posso ajudar? U- Boa noite! Eu gostaria de saber o telefone do XX. O- No XX! Só um momento. A senhora mora em qual bairro, por favor? U- XX mesmo. O- Só um instante! ((pequeno intervalo)) U- Baixa só um pouquinho, Raquel! (( falando com alguém que está próximo)) O- Tá tudo bem! O- O telefone, senhora, é XX, ramal XX. U- ((a usuária repete o telefone)) O- Isso mesmo! U- Esse horário será que eles atendem a ou você não sabe me dizer? O- Deixa eu confirmar. Deixa eu verificar o horário de atendimento deles. Aqui não tem, senhora, o horário de atendimento. A senhora pode tentar falar com eles. Mais alguma informação? U- Não, é só isso mesmo.obrigada! O- De nada, a Prefeitura agradece, boa tarde! Novamente temos a presença das expressões de cortesia ( por favor) e de atenuantes sintáticos como o uso do futuro do pretérito (gostaria) que conferem um abrandamento da força impositiva. Outo aspecto importante para assinalar é a forma de tratamento entre usuários e operadores. Os usuários tratam os operadores informalmente (você), talvez como uma estratégia de aproximação e os operadores tratam os usuários com formalidade (senhor), para denotar respeito. Os pedidos são suavizados e não- imperativos, evidenciando talvez uma tendência brasileira mais amena ao usar imperativos e comandos. O que fica claro é o cuidado com a imagem do outro que os interlocutores manifestam. Os operadores empregam com mais frequência a polidez negat iva, manifestando deferência para com os usuários. E os usuários fazem uso da polidez positiva como forma de aproximação e envolvimento, para garantir, talvez, com isso serviços públicos de maior eficiência. A distância social entre os interlocutores é grande e as relações de poder são assimétricas. No caso o maior poder está com os operadores, pois eles representam a instituição. Mas essas relações também não são estanques, pelo contrário, são extremamente dinâmicas e desta forma o poder maior pode estar ora com o operador e ora com o usuário, porque este é como se fosse um pouco "dono" da empresa pública e tem direito de exigir serviços de qualidade. O grau de imposição também é alto, pois na sua grande maioria, as ligações são constituídas de reclamaçõ es, pedidos de informações e solitações. Considerações finais Em nosso estudo pudemos observar que o uso da polidez em ambientes como os calls centers é uma ferramente muito útil. O estudo das estratégias de polidez nesses ambientes envolve

8 fatores importantes, tais como variação lingüística, distância social e relações de poder. Esses fatores podem modificar ou influenciar as negociações, gerando polêmica ou concordância, aceitação ou agressividade. Como os laços são frouxos, qualquer fala que desqualifi que o usuário poderá originar um conflito, embora isso não ocorra com frequência, pois os operadores sempre retornam ao script para se desvenciliarem dessas situações. Além de todas essas dificuldades, a interação neste ambiente é assimétrica, por isso o uso adequado dos recursos que a linguagem possui, especialmente os da polidez, podem evitar ou amenizar um conflito. Parece claro, portanto, que o instrumental teórico fornecido pela Teoria da Polidez (Brown & Levinson, 1978, 1987) complementado pelo arti go de Ballesteros (2002) pode contribuir significativamente para a análise das interações comunicativas nesse tipo de ambiente e ajudar a identificar os elementos que condicionam o fracasso ou sucesso dessas negociações conduzindo - nos a descobertas muito significativas. Referências AUSTIN, John. How to do Things with Words. New york: Oxford University Press, BALLESTEROS, Francisco José. Mecanismos de atenuación en español e inglés. Implicaciones pragmáticas en la cortesia. Madrid: Universidad Complutense de Madrid, BERWIG, Carla Anéte. Estereótipos culturais no ensino/aprendizagem de português para estrangeiros. Curitiba, Dissertação (Mestrado)- UFPR. BEZZON, Lara Andréa Crivelaro. In: OLIVEIRA, Maria José da Costa (org). Comunicação pública. Campinas: Editora Alínea, BROWN, Penelope & LEVINSON, Stephen. Universals in Language Usage: Politness Phenomena. Cambridge: Cambridge University Press, DASCAL, Marcelo. Interpretação e compreensão. São Leopoldo/RS: Editora Unisinos, EELEN, G. A critique of politness theories. London: St. Jerome, FAIRCLOUGH, Norman. Critical Discourse Analysis: The Critical Study of Language. London:Longmann, 1995 FERREIRA, L. L. Três registros da linguagem no trabalho. In: Intercâmbio, vol. VII, p São Paulo, FRASER, Bruce. Perspectives on politness. In: Journal of Pragmatics. 14: , FUKUSHIMA, Saeko. Evaluation of politeness: the case of attentiveness. Multilingua 23 (2004), p GOFFMAN, E. Interaction ritual: essays on face to face behavior. New York: Garden City, GRICE, H.P. Lógica e Conversação. In: DASCAL, Marcelo (org). Fundamentos metodológicos da lingüística. Pragmática: problemas, críticas, perspectivas da lingüística, p , v. 4, HAVERKATE, H. Strategies in linguistic action. In: Journal of Pragmatics. 7: , La cortesia verbal: estúdio pragmalingüístico. Madrid: Gredos, HOFSTEDE, Geert. Culturas e organizações: compreender a nossa programação mental. Lisboa: Silabo, LEECH, G. Principles of pragmatics. London: Longman, LOCHER, Miriam A. Power and Politeness in Action: Disagreements in Oral Communication. Berlin: Mouton de Gruyter, MATOZO, L. Call-center: modismo ou realidade. Rio de Janeiro: Record, MILLS, Sara. Gender and politeness. Studies in interactional sociolinguistics. Cambridge: Cambridge University Press, NG, Sik Hung, BRADAC, James J. Power in Language. Verbal Communication and Social Influence.Newbury Park: Sage, 1993

9 ORLANDO, Virginia (org). Mecanismos conversacionales en el español del Uruguay Análises de interaciones telefónicas de servicios. Montevidéo: Departamento de publicaciones de la FHCE, RIBEIRO, Anely; SILVESTRIN, Celsi; GODOY, Elena. Comunicação, linguagem e comunicação organizacional. São Leopoldo: Congresso ALAIC, SAMOVAR, L. A; PORTER, R. E.; STEFANI, L. A Communication between Cultures. Belmont: Wadsworth Publishing Company, SAVILLE-TROIKE, MURIEL. The Ethnography of Communication- An Introduction. Malden- USA: Blackwell Publishing, third edition, WATTS, Richard J. Politeness- Key topics in sociolinguistics. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A PRESERVAÇÃO E AMEAÇA À FACE E AS ESTRATÉGIAS DE POLIDEZ EM ENTREVISTAS DA MÍDIA IMPRESSA Natalia Muniz Marchezi (UFES) natalia_marchezi@hotmail.com PARA INTRODUZIR A entrevista é um gênero que, para

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

QUADRO V DÚVIDAS. Rodada do ICMS 2012

QUADRO V DÚVIDAS. Rodada do ICMS 2012 QUADRO V DÚVIDAS 1. Pergunta - Estou escrevendo para esclarecer algumas dúvidas a respeito das comprovações que deverão ser encaminhadas relativas ao Projeto Educar para o próximo exercício do ICMS Patrimônio

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria.

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria. REGULAMENTO Projetos de tese de doutoramento Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.3 (Professor Doutor Rui oliveira) Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira) 31 de

Leia mais

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 Gisela do Carmo Lourencetti - PPG Educação Escolar/ UNESP Araraquara Maria da Graça Nicoletti Mizukami - PPGE/ Universidade Federal de São Carlos. Introdução A literatura

Leia mais

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS?

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? SILVA, Arivan Salustiano da Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem MeEL/UFMT arivanss@yahoo.com

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA.

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. 1 MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. Profa. Arlete Embacher MiniWeb Educação S/C Ltda webmaster@miniweb.com.br Resumo Este relato descreve como surgiu

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

Tipo de raciocínio - Indutivo. Método de Pesquisa (continuação) Tipo de raciocínio - Indutivo

Tipo de raciocínio - Indutivo. Método de Pesquisa (continuação) Tipo de raciocínio - Indutivo Tipo de raciocínio - Indutivo Método de Pesquisa (continuação) Analisa-se um aspecto particular e se procura gerar proposições teóricas a partir dos dados (May,2004). A teoria se forma a partir da observação

Leia mais

Pedagogia LICENCIATURA

Pedagogia LICENCIATURA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Portaria de Reconhecimento nº. 286 de 21 de dezembro de 2012 ROTEIRO DE ORGANIZAÇÃO DO CADERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I EDUCAÇÃO INFANTIL Pedagogia LICENCIATURA CURSO

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Ana Luiza Collares Xavier JULIA FERRAZ DUAYER Thalita Gaspar Telles Light Serviços de

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

Local Conference Call Bovespa Comunicado ao Mercado 28 de março de 2012

Local Conference Call Bovespa Comunicado ao Mercado 28 de março de 2012 Local Conference Call Bovespa Comunicado ao Mercado 28 de março de 2012. Operadora: Boa tarde e bem-vindos a áudio conferência de Comunicado ao Mercado da BM&FBovespa. Neste momento todos os participantes

Leia mais

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos.

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos. 1 Manual de TCC O Trabalho de Conclusão de Curso, como o próprio nome indica, deve ser apresentado pelos alunos no final do curso de graduação. Trata-se de um estudo sobre um tema específico ligado a área

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA CETESC - CENTRO DE ENSINO E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Campinas/SP SUMÁRIO CAPÍTULO I Da Natureza, Objetivos e Finalidade 1 CAPÍTULO II Da Vinculação Administrativa 2 CAPÍTULO

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

ENVOLVIMENTO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

ENVOLVIMENTO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 2218 ENVOLVIMENTO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria de Fatima S.O.Barbosa - UNESA/UFRJ Introdução A Educação a Distância (EAD) é uma modalidade de ensino e aprendizagem que vem se expandindo amplamente desde

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Tudo Comunica. Alguns aspectos da comunicação em Relações com Investidores. IBRI-ABRASCA - Conferência Anual 2012 1

Tudo Comunica. Alguns aspectos da comunicação em Relações com Investidores. IBRI-ABRASCA - Conferência Anual 2012 1 Tudo Comunica Alguns aspectos da comunicação em Relações com Investidores IBRI-ABRASCA - Conferência Anual 2012 1 Role-Face em Earnings Conference Call (ECC) Implicações da intermediação tecnológica: campos

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Ética e Cidadania Organizacional Eixo Tecnológico: Segurança

Leia mais

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH CONSIDERANDO: Que o IPPDH tem como objetivo estratégico para o biênio 2015-2016 estimular o pensamento e a cultura de Direitos Humanos na sociedade. Que o Programa

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação 1 Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação INF1403 Introdução a IHC Luciana Salgado Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PROTEÇÃO DE FACE: UMA ANÁLISE DE ENTREVISTAS DO PROGRAMA CQC

ESTRATÉGIAS DE PROTEÇÃO DE FACE: UMA ANÁLISE DE ENTREVISTAS DO PROGRAMA CQC ESTRATÉGIAS DE PROTEÇÃO DE FACE: UMA ANÁLISE DE ENTREVISTAS DO PROGRAMA CQC Maria da Penha Pereira Lins (UFES) penhalins@terra.com.br Natalia Muniz Marchezi (UFES) natalia_marchezi@hotmail.com 1. Para

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet (RECUERO, Raquel. Porto Alegre, RS: Editora Sulina, 2012) Vinicius Paiva Cândido dos SANTOS 1 Diante de uma

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Metodologias de Pesquisa Qualitativa

Metodologias de Pesquisa Qualitativa Metodologias de Pesquisa Qualitativa Pesquisa Qualitativa Subjetividade e interpretação do avaliador/pesquisador Entender um problema em profundidade. Não usa estatísticas e generalizações. Trabalha com

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

A Virada: contenido. Lecciones 1-100 de A Virada. A Gente. acabou de acontecer, acabei de comprar, acabei de chegar. Adverbios & Adjetivos

A Virada: contenido. Lecciones 1-100 de A Virada. A Gente. acabou de acontecer, acabei de comprar, acabei de chegar. Adverbios & Adjetivos A Virada: contenido Lecciones 1-100 de A Virada A Gente ACABAR de Adverbios & Adjetivos A gente vai acabou de acontecer, acabei de comprar, acabei de chegar fácil (adjective) facilmente (adverb) Adverbios

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CADASTRAR OFERTAS, PRODUTOS E SERVIÇOS WWW.WEBLUG.COM.BR.COM.BR

PASSO A PASSO PARA CADASTRAR OFERTAS, PRODUTOS E SERVIÇOS WWW.WEBLUG.COM.BR.COM.BR PASSO A PASSO PARA CADASTRAR OFERTAS, PRODUTOS E SERVIÇOS WWW.WEBLUG.COM.BR.COM.BR 1) Acesse na página principal, ANUNCIAR. 2) Preencha todos os campo 3) Escolha o plano de veiculação 4) Digite o nome

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Manual de Atendimento do MP-PR

Manual de Atendimento do MP-PR MANUAL DE ATENDIMENTO (PRESENCIAL E TELEFÔNICO) I - Objetivos gerais A presente Cartilha tem por finalidade orientar os servidores da Recepção e Telefonistas do Ministério Público do Estado do Paraná,

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 1 O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 Deisihany Armelin Santana 2 Carina Sala de Moreis 3 INTRODUÇÃO Este artigo analisa, criticamente,

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros s de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 14 por completo

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social)

Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social) Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social) Os seres humanos são, por natureza, seres sociais, que interagem a todo instante nos diferentes ambientes (familiar, escolar, profissional etc.).

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 ALGUMAS REGRAS 2 não deixe para a última hora escreva leia alguns relatórios ou resumos faça um esboço

Leia mais

Como levantar o ciclo de serviço:

Como levantar o ciclo de serviço: CONSTRUÇÃO DE QUESTIONÁRIOS PARA MEDIÇÃO E MONITORAMENTO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES CICLO DE SERVIÇO : A base do questionário é um roteiro que contém os principais incidentes críticos do ciclo de serviço.

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

GUIA DO SGD. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS. Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará

GUIA DO SGD. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS. Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará GUIA DO SGD Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará em vigor em todas as empresas do Sistema Eletrobrás ainda este ano. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS A T R A N S

Leia mais

EXPEDIÇÕES FOTOGRÁFICAS: UM NOVO OLHAR SOBRE O BAIRRO

EXPEDIÇÕES FOTOGRÁFICAS: UM NOVO OLHAR SOBRE O BAIRRO EXPEDIÇÕES FOTOGRÁFICAS: UM NOVO OLHAR SOBRE O BAIRRO Com passos apressados, paisagens se transformam em borrão. Estamos atrasados, com pressa, em cima da hora, ou ainda mesmo com tempo, mas o hábito e

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Marta Oliveira Barros¹ ORIENTADORA: Dra. Daniela Gomes de Araújo Nóbrega² INTRODUÇÃO

Leia mais

GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE

GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE UNIASSELVI-PÓS Programa de Pós-Graduação APRESENTAÇÃO Seja bem-vindo ao programa de pós-graduação UNIASSELVI-PÓS! Aqui você encontra, de forma simples e ágil, todas as orientações

Leia mais

AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO

AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO Gabriela Rodrigues Botelho Prof. Camila Maria Corrêa Rocha (Orientador) RESUMO Este artigo tem por objetivo abordar

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais