NOVOS PERFIS OCUPACIONAIS: Empregados de CALL CENTER no setor de telecomunicações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVOS PERFIS OCUPACIONAIS: Empregados de CALL CENTER no setor de telecomunicações"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA GRUPO DE PESQUISA SOBRE O TRABALHO NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA Relatório de Pesquisa NOVOS PERFIS OCUPACIONAIS: Empregados de CALL CENTER no setor de telecomunicações Parte Integrante do Projeto Integrado - CNPq: Telecomunicações no Brasil: relações de trabalho e emprego pós-privatização Daniel Gustavo Mocelin Bacharel em Ciências Sociais / Bolsista AT-CNPq Luís Fernando Santos Corrêa da Silva Graduando em Ciências Sociais / Bolsista IC-Pibic/UFRGS/CNPq Sônia Maria Guimarães Larangeira (Orientação) Professora Titular UFRGS / Doutora em Sociologia Porto Alegre, 08 de Janeiro de 2004

2 2 ÍNDICE RESUMO 3 INTRODUÇÃO 3 Justificativa 6 Metodologia e Objeto 8 TELEMARKETING E CALL CENTERS: novo campo de atividades de trabalho 9 NOVAS TENDÊNCIAS NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO: MUDANÇAS NA INDÚSTRIA DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES 11 TELEATENDIMENTO: atividade dos empregados na operadora de call center 15 COMO SE TRABALHA NO CALL CENTER 17 QUEM TRABALHA NO CALL CENTER 26 Breve perspectiva em relação aos sindicatos 32 ENCAMINHAMENTOS CONCLUSIVOS 33 BIBLIOGRAFIA 37 ANEXO Questionário aplicado aos empregados de Call centers 38

3 3 NOVOS PERFIS OCUPACIONAIS: Empregados de CALL CENTER no setor de telecomunicações 1 Daniel Gustavo Mocelin Bacharel em Ciências Sociais Luís Fernando Santos Corrêa da Silva Graduando em Ciências Sociais Sônia Maria Guimarães Larangeira (Orientação) UFRGS/ Doutora em Sociologia RESUMO Estudos da sociologia do trabalho discutem sobre a constituição de um paradigma sócio-econômico distinto do taylorista-fordista. Mudanças resultariam de transformações no padrão tecnológico, na dinâmica econômica (em razão da importância adquirida pelo capital financeiro, liberalização dos mercados e reestruturação produtiva), nas formas de gestão das empresas, no mercado de trabalho, especialmente no que se refere à eliminação de postos de trabalho e emergência de novas ocupações. Neste contexto, a realidade das empresas de telecomunicação passam por intenso processo de reestruturação, movido principalmente por inovações tecnológicas; dentre elas, destacam-se as atividades de teleatendimento, responsáveis pelo contato com o cliente por via telefônica e que hoje adquirem grande importância como fator de competitividade, atuando como interface entre a empresa e o cliente. Tais atividades são, em maioria, terceirizadas e desempenhadas nos chamados call centers; constituídos para prestar serviços de teleatendimento, são empresas que integram tecnologia e recursos humanos, combinando telecomunicações e informática, para processar tráfego de chamadas telefônicas e administrar o relacionamento entre uma empresa e seus clientes. O objetivo do estudo detém-se na definição de aspectos relativos ao perfil dos empregados de uma operadora de call center. Possui caráter exploratório e busca investigar como se trabalha e quem trabalha no call center. Os dados foram coletados através da realização de 28 entrevistas (survey) com empregados de um call center; cinco entrevistas com gerentes de recursos humanos; e através da Internet. Em relação ao como se trabalha no call center, o teleatendimento é receptivo ou ativo; é fundamental ao empregado ser capaz de manejar tecnologias da atividade (Ensino Médio e Informática), além de possuir habilidades pessoais, como boa dicção, capacidade de comunicação e negociação. Em relação a quem trabalha no call center, são pessoas jovens, acostumados a lidar com tecnologias de informação, e que provém em grande parte do setor de comércio. Os salários são baixos, embora o salário dos operadores ativos agregue comissão. A organização do trabalho nestas empresas segue a tendência de flexibilidade, constatada em estudos recentes, entretanto podemos observar uma série de características do modelo taylorista-fordista de produção. INTRODUÇÃO Estudos no campo da sociologia do trabalho (Castells, 1999; Batt, 2000; Kovács, 2001; Cattani, 2002; Larangeira, 2002; entre outros) constatam nas últimas décadas a constituição de um paradigma sócio-econômico distinto do tayloristafordista. Com as mudanças ocorridas no contexto da organização do trabalho desde 1 Versão preliminar do trabalho foi apresentada no II Fórum de Pesquisa promovido pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em 29 de julho de 2003, por Daniel Gustavo Mocelin. Uma segunda versão da pesquisa também foi apresentada no XV Salão de Iniciação Científica da UFRGS, em 24 de novembro de 2003.

4 4 então, novos perfis ocupacionais têm surgido, e resultam de transformações no padrão tecnológico, na dinâmica econômica (principalmente em razão da importância adquirida pelo capital financeiro, pela liberalização dos mercados e reestruturação produtiva), nas formas de gestão das empresas e no mercado de trabalho. O setor de telecomunicações foi um dos mais marcados por mudanças desencadeadas nas últimas décadas. Em quase todos os países do mundo observou-se a reestruturação do setor, movida principalmente por inovações tecnológicas. A digitalização do sistema, o desenvolvimento da Internet, a invenção da telefonia móvel, entre outros, constituíram-se em inovações que poderiam ser exploradas de forma bastante lucrativa. Desta forma, observou-se o fim dos monopólios 2, privados ou estatais, que haviam caracterizado o funcionamento do setor até então, abrindo a perspectiva para a exploração dos serviços segundo a concorrência e o atendimento a novas demandas, cada vez mais heterogêneas. Passados seis anos da privatização do monopólio estatal das telecomunicações no Brasil, a expansão do setor, por um lado, reflete-se no aumento da capacidade de oferta de serviços telefônico expressando o vertiginoso salto na teledensidade observada tanto na telefonia fixa, quanto na recente telefonia móvel. Antes da privatização, existiam 10,4 acessos por cem habitantes na telefonia fixa (1996). Este número cresce significativamente a partir de 1998, chegando hoje a 28,5 acessos por cem habitantes (maio/2003). A teledensidade da telefonia móvel que era de 1,7 acessos por cem habitantes, em 1996, chega a 21,13 acessos por cem habitantes, em Neste último ano, o número de linhas telefônicas, fixas e móveis, em operação chegou 70 milhões. Por outro lado, mudanças tecnológicas aceleraram-se nos últimos 20 anos marcando o contexto do setor de telecomunicações. A modernização digital da plataforma, ampliou em escala exponencial a oferta de serviços, uma vez que os tornou mais versáteis e baratos, favorecendo rápida difusão mundial. 2 A quebra do monopólio iniciou-se nos Estados Unidos em 1984, foi seguido pela Inglaterra e por muitos outros países, entre esses, na América Latina, por exemplo, Chile, Argentina e México. O Brasil foi dos últimos a reestruturar o setor de telecomunicações e o fez privatizando o Sistema Telebrás.

5 5 No contexto da reestruturação produtiva, em específico das empresas de telecomunicação, as atividades de teleatendimento, responsáveis pelo contato com o cliente por via telefônica, e também por e fax, e que antes da extinção dos monopólios eram partes das empresas de telecomunicações, foram terceirizadas. As novas empresas de tele atendimento são denominadas de call centers, empresas que se constituíram especificamente para oferecer serviços de contato com o cliente e que hoje adquirem grande importância como fator de competitividade. Call centers são empresas que prestam serviços de teleatendimento, integrando tecnologia de informação e recursos humanos, combinando telecomunicações e informática, para processar tráfego de chamadas telefônicas e administrar o relacionamento entre uma empresa (cliente do Call center) e os usuários dos serviços do cliente. Qual o perfil do trabalhador dos call centers? Quem são os empregados destas empresas? O trabalho dos empregados de call centers exige competências decorrentes das inovações tecnológicas que ocorrem no setor? Precisam de maior qualificação e capacitação para o desempenho de suas funções? As atividades de teleatendimento possuem uma organização mais flexível de trabalho, ou o modelo continuaria rígido como no paradigma taylorista-fordista? Este trabalho tem como objetivo tentar responder algumas dessas questões, detendo-se na definição de alguns aspectos relativos ao perfil dos empregados de uma operadora de call center. Seguindo a linha de pesquisa maior, o estudo desenvolve-se sobre dois planos: como se trabalha e quem trabalha em uma operadora de call center ligada a empresas de telecomunicações. Destaca-se que este trabalho é parte da pesquisa Telecomunicações no Brasil relações de trabalho e emprego pós-privatização 3, que vem sendo desenvolvida pelo Grupo de pesquisa Trabalho na Sociedade Contemporânea, apoiada pelo CNPq e coordenado pela professora Dra. Sônia Maria Guimarães 3 A pesquisa maior integra projeto internacional sobre telecomunicações, envolvendo, além dos Estados Unidos e Austrália, países Europeus e Asiáticos entre outros, Grã-Bretanha, Alemanha, Itália, Japão e Coréia, e na América Latina, México e Brasil. O referido projeto internacional é coordenado pelos Profs. Harry Katz e Rosemary Batt, pesquisadores sobre o setor de telecomunicações, nos Estados Unidos, integrantes do Institute of Labor Relations (ILR), da Universidade de Cornell, Ithaca, N.Y., Estados Unidos.

6 6 Larangeira, do Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFRGS. Dessa forma, o estudo constitui-se em recorte daquela pesquisa. Justificativa No mundo todo, o setor de serviços concentra hoje grande parte da população empregada e constituí-se em importante objeto de estudos da sociologia do trabalho. As atividades de comunicação, em especial, as atividades de telecomunicações, mostram-se como campo fértil para pesquisas sobre o trabalho, basta observar o vertiginoso crescimento da participação do setor no PIB do Brasil entre 1995 e 2001 em relação aos outros setores, inclusive serviços; nos Gráficos 2 e 3, pode-se observar também como se deram os investimentos estrangeiros no setor de serviços em Gráfico 1 - Brasil: PIB; comunicações e setores econômicos 25 22,9 21,3 Percentual de crescimento ,5 13,5 10,8 11,9 7,4 4,1 4,6 4,8 5,1 5 1,9 4,2 3,3 3,1 3,3 3,7 4,4 1,3 2,3 2,5 1,9 1,9 3 2,3 2,5 1,5 1,1 0,8 0, , , , , A no Fonte: Banco Central. Communicações Indústria Serviços A gropecuária PIB/Brasil Quadro 1 Resultados das atividades de correios e telecomunicações. Correio e Correio e Correios Telecom Correios Telecom Indicador Telecom Telecom Receita operacional Subvenção e outras receitas Valor bruto da produção (1+2) Consumo intermediário Valor adicional bruto (3-4) Gastos com pessoal Excedente operacional (5-6) Pessoal ocupado em 31/ Fonte: IBGE: acesso em 21 de fevereiro de Pesquisa Anual de Serviços (IBGE), Edições de 1998, 1999, 2000 e Notas do IBGE: 1) Os dados referentes a valores econômicos estão expressos em R$; 2) Cálculo direto com dados do PAS, sem ajustes metodológicos das Contas Nacionais, que incluem produção de autônomos e unidades produtivas da economia informal.

7 7 O Quadro 1 apresenta dados da Pesquisa Anual de Serviços, publicada pelo IBGE, sobre o setor de telecomunicações. Em 2000 e 2001, as atividades de Correios e de Telecomunicações são destacadas individualmente. Entre 1998 e 1999, constata-se o crescimento da receita operacional bruta do setor, que aumentou 31,9%. No ano 2000, pode-se observar que o setor de telecomunicações movimentou milhões, dez vezes mais que os correios, e quantia maior que o total de correios e telecomunicações somados no período anterior. O fato indica que o crescimento do setor ficou a cargo da expansão do setor das telecomunicações. Gráfico 2 - Brasil: Investimentos estrangeiros diretos, 2001, segundo Banco Central (%) Telecomunicações e correios 34% Serviços 60,1 Rural e mineral 7,1 Indústria 32,8 Gráfico 3 - Investimentos estrangeiros diretos em 2001 no setor de serviços Outros serviços 25% Telecomunicações e correios 34% Comércio 13% Eletrecidade, gás e água quente 11% Intermediação financeira 17% Fonte: Relatório Anual de Gestão da Anatel, publicado em acesso em 8 de fevereiro de Dados do BACEN. Dado isto, estudos sobre o setor de telecomunicações são imprescindíveis dada a atual importância econômica do mesmo, e as transformações tecnológicas e gerenciais por que passa, mundialmente, destacando-se o processo de desregulamentação do mercado, com a mencionada quebra dos monopólios. Convém destacar também que pesquisas sobre mudanças na realidade do trabalho têm abordado principalmente o setor industrial, enquanto o setor de serviços, em geral, tem merecido escassa atenção dos pesquisadores.

8 8 A pesquisa justifica-se, também, por tratar de uma nova ocupação, a de operadores de call center, com grande potencial como gerador de empregos: segundo dados de associações profissionais, esta seria uma das atividades que mais emprega nos dias de hoje. Por tratar-se de tema pouco estudado no Brasil, os call centers necessitam da realização de pesquisas que contemplem tanto a natureza das atividades realizas pelos call centers, quanto às características das práticas de trabalho vinculadas ao teleatendimento. Metodologia e objeto Este é um estudo exploratório, fundamentado, principalmente, em informações obtidas através da aplicação de 28 entrevistas do tipo survey, aos empregados de um call center de sede em Porto Alegre no período entre março e maio de Também foram realizadas cinco entrevistas com gerentes de recursos humanos do call centers estudando. Outras informações foram também obtidas através de material coletado na Internet. As entrevistas 4 com os empregados da empresa foram realizadas diretamente quando estes se deslocavam da empresa, uma vez que não se obteve a autorização para a aplicação das entrevistas no interior da empresa. Destaca-se que a empresa operadora de call center pesquisada 5 pertence a um grande grupo multinacional de telefonia 6, atuante no Brasil desde 1999, com sede em São Paulo. Atualmente, esta operadora atua em 13 países, consolidandose como a quinta maior do mundo; primeiro lugar no Brasil e na América Latina. Segundo a revista Infoexame (2002: n 197: p ), esta operadora é a maior empresa de outsourcing (serviços operacionais) do Brasil, com sua receita operacional bruta em 2001 chegando a US$ A empresa tem funcionários no Brasil, cerca de no Rio Grande do Sul. O crescimento da 4 Os questionários (em Anexo) foram aplicados diretamente com os empregados e não distribuídos e recolhidos posteriormente. Desta forma, as perguntas estruturadas permitiram maior exploração das respostas por parte dos pesquisadores. 5 No decorrer do artigo, a empresa que serviu de campo de pesquisa não será identificada, sendo, portanto, chamada Operadora X. 6 Grande parte dos Call centers é de propriedade de empresas de telecomunicações, principalmente empresas de telefonia.

9 9 receita operacional teria chegado a 77,3% entre 2000 e 2001, enquanto a média das empresas do setor teria ficado em 23,5%. A empresa também é líder de mercado no país, detentora de 20,1% das atividades de teleatendimento. A Operadora X responde a uma política de expansão de negócios em ramos com grande potencial de crescimento (telefonia celular, Internet, televisão a cabo, transmissão de dados)... pretendemos ser a maior terceirizadora de centrais de atendimento do mundo, já possuindo, inclusive, certificação ISO O campo de atuação da operadora não se restringe exclusivamente a empresas de telecomunicações, trabalhando com diversos segmentos: no Brasil, eram onze sites e 140 clientes de segmentos como governo, bancos, mídia, provedores, telecomunicações, companhia aérea, e outros de menor porte. No Rio Grande do Sul, a operadora atende a cinco clientes, sendo que 90% do seu quadro de pessoal está direcionado para o atendimento de uma empresa de telefonia celular e um provedor de acesso à Internet. A empresa opera em sede própria, exceto no caso de um cliente do setor financeiro que fornece a estrutura física para a realização das atividades. TELEMARKETING E CALL CENTERS: novo campo de atividades de trabalho O telemarketing é hoje uma das atividades profissionais que mais geram emprego no Brasil. Entre 1997 e 2001, houve um crescimento de 198% no número de postos de trabalho em empresas de call centers, segundo números da ABT (Associação Brasileira de Telemarketing). No mesmo período, o IBGE aponta que as vagas recuaram 23,32% na indústria e avançaram 11,05% no setor de serviços. Este crescimento praticamente reflete o avanço do uso de telefones no país, um fenômeno que se intensificou a partir da privatização das empresas de telecomunicações, ocorrida em Até então, o telefone era considerado um patrimônio; hoje, é um serviço, explica Pedro Renato Eckersdorff, presidente da ABT. Ele lembra que, a partir do momento em que houve grande oferta de linhas no mercado, o cidadão principalmente nas grandes cidades passou a resolver seus problemas pelo telefone. Por outro lado, também foi importante a consolidação do Código de Defesa do Consumidor, com as empresas disponibilizando os mais

10 10 diferentes tipos de Serviço de Atendimento (SAC). Hoje, é difícil encontrar a embalagem de qualquer produto que não traga um número de telefone, diz (www.callcenter.inf.br, 27/3/ :35). As operadoras de call centers movimentaram altos recursos nos últimos anos. Em 2000, as empresas de prestação de serviços de call center do Brasil movimentaram US$ 521,3 milhões, segundo levantamento do instituto de pesquisas International Data Corporation (IDC). O segmento ainda está se desenvolvendo no País; seu faturamento, segundo o estudo Brazil Call Center Services, 2001, realizado pelo IDC, representa apenas 3,1% do total movimentado pelo segmento nos Estados Unidos, em 2002, e 1,71% do mercado mundial. Em relação ao total da receita obtida na América Latina em 2000, porém, o percentual sobe para 55,7%. (http://worldtelecom.idg.com.br, acesso em 15 de outubro de h10). Realizada pela Larc Pesquisa de Mercado e divulgada pela Associação Brasileira de Telemarketing (ABT), a 6ª Pesquisa Anual de Telemarketing revelou números expressivos no que se refere ao faturamento do setor, que foi de R$ 3 bilhões (US$ 1,2 bilhão) em Mas, o que mais impressiona são os números do volume estimado de transações apoiadas por serviços de telemarketing, que chegou a R$ 67,4 bilhões, o que representa uma participação de 6,3% do PIB brasileiro. Outra constatação importante da pesquisa é que o número de postos de trabalho cresceu 21,6%, entre 2000 e 2001, passando de 370 mil para 450 mil. Como o país está passando por um difícil momento no tocante ao desemprego, esses números mostram a importância desse mercado e a necessidade de preparar e capacitar as pessoas para exercerem atividades nesse setor. (www.callcenters.inf.br, acesso em 4 de novembro de 2002). No presente estudo, o call center investigado presta serviços a empresas de telecomunicações. O crescimento do acesso aos serviços de telecomunicações tem resultado na expansão de novas formas de contato e relacionamento entre empresas e clientes, substituindo o atendimento face-a-face, esteja este ligado à oferta de produtos ou à prestação de serviços. Neste contexto, os call centers têm ocupado lugar destacado, seja como ferramentas para gerenciar as novas formas de contato e relacionamento, seja como geradores de novas práticas de sociabilidade,

11 11 a partir de novos canais de interação e comunicação. No âmbito empresarial, os call centers são considerados uma ferramenta competitiva, visto a sua abrangência e custos baixos. (Corrêa, 2002). As pesquisas sobre call centers ainda não são difundidas no Brasil. Afora a bibliografia estrangeira, que é de difícil acesso, encontram-se no Brasil principalmente estudos de opinião, que, por sua vez, carecem de rigor acadêmico. Na Internet encontram-se muitos breves artigos, escritos por pessoas ligadas às empresas operadoras de call center ou escritos por associações de empresas deste tipo. Alguns outros se encontram em revistas que tratam sobre tecnologia Exame e sua sucursal InfoExame. NOVAS TENDÊNCIAS NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO: MUDANÇAS NA INDÚSTRIA DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES No âmbito da organização do trabalho, o taylorismo representou a separação entre a concepção e a execução das tarefas, fragmentando e especializando as rotinas de trabalho em diferentes níveis, a partir de diferentes características e aptidões dos trabalhadores. A forma de organização taylorista do trabalho proporcionaria a racionalização do processo de trabalho, permitindo a intensificação da divisão do trabalho. O taylorismo, originalmente concebido tendo em vista a organização do trabalho industrial, disseminou-se nos mais diferentes setores de atividade (Cattani, 2002). A racionalização do processo de trabalho, iniciada no final do século XIX através dos estudos de Taylor, logo se estendeu aos serviços de escritório. Sendo assim, o parcelamento das tarefas e a divisão acentuada do trabalho ultrapassariam os limites do chão-de-fábrica nas primeiras décadas do século XX, tornando-se uma estratégia altamente difundida (Braverman, 1974). Nos dias de hoje, muitos estudiosos discutem mudanças neste modelo de organização do trabalho. Segundo alguns analistas estaríamos na transição de uma sociedade industrial, cujo símbolo foi a indústria automobilística, para uma sociedade informacional, cujo símbolo seriam as telecomunicações. Para Castells (1999), as novas tecnologias de informação já teriam lançado as bases para o desaparecimento das tarefas rotineiras e repetitivas, normalmente relacionadas ao

12 12 paradigma taylorista de organização do trabalho, ao menos nos grandes centros capitalistas, visto que nos países em fase de industrialização o taylorismo continuaria sendo largamente difundido. Nas empresas da sociedade informacional, a execução das tarefas que envolvem atividades repetitivas ficaria a cargo de equipamentos pré-programados e pré-codificados, desta forma dispensando o trabalho humano. Segundo Kovács (2001), haveria três perspetivas para a interpretação das transformações organizacionais decorrentes do processo de reestruturação por que passaram as empresas capitalistas, após a década de A primeira acredita na emergência de um novo tipo de economia, marcado pelo paradigma pós-tayloristafordista, em que o conhecimento, a flexibilidade e a utilização de novas tecnologias ocupam espaço central; a segunda, afirma que o modelo taylorista-fordista permanece ocupando o papel de modelo econômico dominante; a terceira perspectiva configura-se a partir dos dois modelo citados anteriormente, estando as formas de organização das empresas e do processo de trabalho segmentados de acordo com o ambiente social, coexistindo em várias situações, em nível nacional, setorial ou no interior de uma mesma empresa (Kovács, 2001: 60). No que se refere especificamente ao objeto de estudo, as inovações que ocorreram, no que concerne ao processo de digitalização, marcaram as atividades ligadas ao setor de telecomunicações. Da mesma forma, as operadoras de call center seguiram o mesmo processo de implementação de tecnologias para oferecer seus serviços. Gráfico 4 - Telefonia Fixa: taxa de digitalização, 73,2 84,6 92,5 97,2 56,1 35, Ano Fonte: Relatório Anual de Gestão da Anatel, publicado em acesso em 8 de fevereiro de 2003.

13 13 Mesmo antes do processo de reestruturação das telecomunicações no Brasil, já vinha ocorrendo a mudança do sistema analógico para o digital. A taxa de digitalização dos sistemas de telefonia tinha metas de 67,4%, para 1998, e de 75%, para 2000, impostas pela Anatel. É importante destacar que tais metas foram superadas. Em 1998, a taxa de digitalização fechou em 73,2%, em 2000, em 92,5%, e, em 2001, chegou à marca de 97,2%. As inovações tecnológicas têm um papel decisivo em tais mudanças, uma vez que, com, por exemplo, a digitalização, tornase possível diversificar e melhorar a qualidade dos serviços de forma extraordinária (Larangeira, 2002). Da mesma forma, a organização do trabalho, em específico nos call centers, vem sofrendo grande influência da digitalização. A digitalização é, sumariamente, a conversão de um sinal analógico transmissão de impulsos elétricos transformados em vibrações, utilizados basicamente para transmissão de voz para o código digital tecnologia eletrônica que gera, armazena e processa dados, representados numericamente pelos algarismos 1 ou 0 (bits). Entretanto, a característica fundamental da importância sócio-econômica da digitalização, em específico para o trabalho, está na (...) possibilidade de transmissão de maior quantidade de informação, permitindo o aumento da oferta de conteúdos seguidos de protocolos de alta velocidade de transmissão, juntamente serviços avançados interativos (Directiva 95/47), dando um relevo decisivo às escolhas e ações iniciadas pelos subscritores, em domínios como a ativação de guias de programas eletrônicos, a iniciação de correntes de vídeo personalizadas, o acesso a sinais de vídeo alternativos mas relacionados, a utilização de salas de conversação e correio eletrônico relacionados com os sinais de vídeo, o acesso a interfaces gráficos dotados de informações complementares ao sinal de vídeo recebido, a possibilidade de adquirir bens e serviços relacionados com a emissão a que se assiste (Machado, 2001: p. 4). A produtividade do trabalho aumentou bastante a partir das novas formas de gestão das empresas de telecomunicações. Toma-se o exemplo de uma grande empresa do setor. A Telefonica de Espanha tinha trabalhadores em 2001, chegando a linhas em serviço/empregado. Em 2002, o número de empregados caiu para 9.516, chegando a linhas em serviço/empregado. A produtividade do

14 14 trabalho (linhas em serviço por empregado) foi significativamente incrementada nas empresas de telecomunicações nos últimos anos. A Figura 4 mostra a situação na Telefonica de Espanha, onde o número de linhas em serviço por operador passou de 567, em 1999, para 1.314, em Gráfico 5 - Produtividade* ( ) Fonte: Relatório Anual *Linhas em serviço/empregado na Telefonica de España. Dadas tais condições, discute-se sobre as formas de organização do trabalho e suas vantagens no setor de serviços: a) a estratégia low road, similar à produção de massa na indústria, baseia-se na utilização da tecnologia (automação de processos) para substituir trabalhadores não-qualificados e proceder ao monitoramento de desempenho, na busca de alto volume de produção e baixos custos de produção. Nesse caso, a organização do trabalho leva à padronização e racionalização de tarefas permitindo o recrutamento de trabalhadores com baixa qualificação; b) a estratégia alternativa ( high road ou modelos participativos) baseia-se no recrutamento de empregados qualificados, com treinamento especializado, utilização inteligente da tecnologia e autonomia no trabalho, o que lhes permite melhor desempenho da função, tendo em vista oferecer qualidade e personalização dos serviços. A organização do trabalho tende a valorizar formas participativas de trabalho, buscando construir uma relação duradoura com os clientes. O pressuposto é de que tal relação levará ao crescimento de vendas de serviços ( bridging to sales ) e, portanto, a maior lucratividade (Batt, 2000:p apud Larangeira, 2002: p. 8). As transformações contextuais que ocorrem nas empresas acarretam na constituição de novos perfis ocupacionais, afetando diretamente a organização do trabalho, principalmente no que se refere à introdução de novas tecnologias

15 15 informatizadas, que têm se mostrado uma estratégia eficiente frente ao contexto de mercados competitivos. Fatores como a flexibilidade, a digitalização, a maior qualificação, o desenvolvimento de aptidões, os maiores índices de produtividade, tornaram-se centrais no debate atual distinto do que durante décadas caracterizouse pela homogeneidade. TELEATENDIMENTO: atividade dos empregados na operadora de call center centers. O teleatendimento é a atividade praticada pelos trabalhadores dos Call A maior parte das atividades do call center está concentrada no telemarkting. O call center é na verdade um contact center, uma plataforma multicanal onde você pode fazer a comunicação com o cliente através da Internet, através de um Chat, através de um FAX, do próprio telefone... então o contact center é todo o meio de comunicação (Entrevista, Novembro de 2002). A atividade desenvolvida pode ser de dois tipos: atendimento receptivo e ativo. O operador receptivo recebe a chamada dos clientes, principalmente na área de voz, reclamações, troca de endereço, conserto, informações por telefone. Seu trabalho ocorre diretamente com o computador e é basicamente dirigido por um script a ser seguido. Os receptivos não têm metas qualitativas a atingir, mas índices normais aplicados em call centers: nível de serviço, tempo médio de atendimento - algo em torno de 200 segundos, e os controles de supervisão. O tempo de atendimento é baixo. No produto massificado o operador receptivo fornece respostas limitadas. O trabalho caracteriza-se por ser cumprir metas quantitativas. No produto customizado, o trabalho do teleatendente receptivo é mais qualitativo, atendendo uma demanda de serviços mais polivalente, preparado para fornecer suporte ao cliente. O tempo de atendimento é menos restrito. O operador ativo tem por objetivo o atendimento realizado por meio do telefone. A iniciativa do contato com o cliente parte desse operador. No caso, a preocupação do operador com o ritmo da velocidade de atendimento é menos em relação ao operador receptivo, pois esse deve cumprir metas qualitativas, voltadas

16 16 para a área de vendas e de fidelização. Existem campanhas de vendas e campanhas motivacionais. No produto massificado, o teleoperador ativo tem uma tarefa objetiva: a televenda, com autonomia para oferecer o produto. O tempo de atendimento é médio. No produto customizado, o operador tem metas de venda, conhece as qualidades básicas do produto, tendo autonomia para negociar com o cliente. O tempo de atendimento é flexível. O quadro 2, abaixo, relaciona características de cada uma das duas funções, segundo as atribuições do trabalho e segundo o tipo de produto oferecido. Quadro 2 Características dos teleatendimentos Atribuições da atividade Produto Massificado (simples) Produto Customizado (complexo) Ativo Quadro elaborado por Sônia M. G. Larangeira. Vendas de produtos e serviços Agendamento de visitas Fidelização e satisfação de clientes Pesquisas de opinião Validação e atualização de cadastros Qualificação de mailing Divulgação de produtos, serviços e eventos Confirmação de presença em eventos Prospecção Wellcome call (ligação de boas vindas) Anti-Attriction Ligações de cobrança Televendas/Telemarketing, sondagens, pesquisa de opinião, Welcome Calls, prospecção Objetivo: Quantitativo Tempo de atendimento médio: relativa flexibilidade Suporte Técnico Média e Baixa complexidade de serviço Programação de número de chamadas Metas Baixo salário + comissão Objetivo: qualitativo; fidelização, satisfação do cliente; vendas Qualificação: capacidade de negociação; língua estrangeira Maior autonomia Metas de vendas Complexidade média ou forte Programação de número de chamadas Tempo mais elástico; mais flexível Pagamento alto + comissão. Receptivo Atendimento de campanhas de marketing direto Atendimento a clientes Recepção de pedidos de vendas Suporte de eventos 0800 Informações limitadas: campanhas temporárias Objetivo: quantitativo Controle permanente do tempo de atendimento: medição de tempo, rapidez Script freqüente: soft e hard control Menor qualificação: treinamento reduzido (1-2 semanas) Taylorização Flutuações de atendimento Distribuição automática de chamadas Ausência de autonomia Baixo salário Demanda diversificada, Help desk, suporte técnico informático, multi-funcional Objetivo: quantitativo Qualificação técnica: treinamento longo (4-6 semanas) Tempo de atendimento médio Maior autonomia na formulação de respostas Complexidade média ou alta Menor controle Pagamento mais alto. Entre os 28 empregados dos no call center a distribuição dos mesmos segundo o tipo de teleatendimento é de 24% dos teleoperadores no teleatendimento

17 17 de tipo ativo e 76%, a grande parte dos empregados entrevistados, é do teleatendimento receptivo. Gráfico 6 - Tipo de tele-atendimento Ativo 24% Receptivo 76% COMO SE TRABALHA NO CALL CENTER O trabalho de teleatendimento se distingue do antigo trabalho de telefonista. Até o final dos anos 80, este tipo de atividade configurava-se predominantemente a partir do atendimento massificado, baseado em script memorizado 7. A partir dos anos 90, o operador passou a executar um atendimento inicial ao cliente, menos complexo. Em caso de questão mais complexa, a ligação era encaminhada a outro atendente mais qualificado. Mais recentemente, a atividade envolve competência em termos de agilidade da informação. Os teleoperadores têm, ou precisam ter, a capacidade de resolver dúvidas do cliente sem passar por outros setores, precisando desenvolver inúmeras habilidades, para serem capazes de lidar com a velocidade com que ocorrem as mudanças no setor. As operadoras de call center exigem um trabalhador adaptado a um novo perfil, capaz, principalmente, de lidar com as inúmeras inovações tecnológicas que surgem a todo momento. Segundo ficou claro em entrevistas com os gerentes de recursos humanos, a exigência de um novo empregado trouxe algumas dificuldades quando da abertura da empresa: No início houve dificuldades de recrutamento em 7 Script memorizado é um instrumento muito utilizado na antiga atividade de telefonista. Consiste, em princípio, em uma série de questões-chaves comuns ao atendimento executado numa central de atendimentos, que necessariamente precisavam ser memorizados. Nos dias de hoje, este modelo mostra-se escaço, sendo substituído, eventualmente, por sistemas eletrônicos que direcionam as chamadas, e, em outros casos, pelas FAQs, as perguntas mais freqüentes, geralmente presentes em home pages.

18 18 função da carência de profissionais treinados para a atividade (Entrevista, Fevereiro de 2003). A escassez de trabalhadores obrigou as empresas de call center a oferecer o treinamento específico para a atividade de teleoperador. Os funcionários precisam ser pessoas de discernimento muito rápido, de auto-gerenciamento. Não há necessidade das pessoas terem capacitação em telecomunicações ou engenharia. Mas não podemos descartar que a tecnologia fica cada vez mais complicada, mas nunca precisaremos ter um funcionário programador. Então eu não vejo que as pessoas que vão ser teleoperadores precisando de uma capacitação específica. Eu quero pessoas que tenham capacidade de relacionamento, capacidade de venda (Entrevista, Janeiro de 2003). A atividade defini-se fundamentalmente de capacitação técnica. Não é uma atividade que envolve ou exige experiência na área. Em primeiro lugar exige-se a capacidade de lidar com a tecnologia. A grande importância da nossa empresa, o grande lance, é que nós não exigimos experiência anterior. Esse é um dos motivos de termos tantos jovens aqui dentro (Entrevista, Fevereiro de 2003). As entrevistas com os gerentes de recursos humanos também destacam a preocupação da empresa em desenvolver capacidades que permitam ao operador negociar e argumentar com o cliente. A tendência seria dar maior autonomia para o operador, para que ele seja capaz de conquistar o cliente posição estratégica na fidelização e na retenção de clientes: ouvir, diagnosticar, decidir pela situação mais adequada. Desta forma, o operador seria visto como uma espécie de assessor do cliente. A contratação do pessoal requer exigências consideradas básicas pelos gerentes de recursos humanos. Há duas ordens de exigências: de cunho formal e de cunho pessoal. No aspecto formal, é indispensável o ensino médio concluído. Quanto ao aspecto pessoal, destacam-se capacidades como ter boa dicção, objetividade, raciocínio rápido e conhecimentos de informática. O treinamento inicial ocorre quando da contratação, levando de 20 a 30 dias, destacando-se cursos de apresentação de produtos, manuseio dos equipamentos e correção da dicção. O treinamento do empregado também se distingue em termos do cliente da operadora

19 19 para qual trabalha, podendo significar diferentes habilidades e diferentes salários. Por exemplo, provedor de Internet requer mais qualificação na área de informática; a atividade do atendente de bancos também é diferente da atividade do atendente de telefonia fixa: o treinamento é mais longo para teleatendente do provedor (um mês, necessita pesquisar em telas) e de bancos (45 dias; em certos casos, há exigência de conhecimento de línguas). Entretanto, além deste treinamento inicial para assumir a função, existe treinamento periódico para a reciclagem com o produto do cliente da operadora, além da reciclagem com o próprio equipamento da operadora. Para trabalhar na Operadora X é necessário ter o segundo grau completo, ter o conhecimento de informática básica, e, dependendo do cliente, o requisito que o cliente pedir... Porque, por exemplo, um operador do Provedor de Internet X, não chega só isso, é preciso um operador mais preparado: que tenha vindo de uma escola técnica, que tenha um conhecimento maior, que tenha que ter um perfil, se não eu vou ter dificuldade de passar, de formar esse funcionário. Há um treinamento de um mês, com 10 ou 12 telas, ele vai ter de pesquisar pra ele encontrar as informações que ele precisa (Entrevista, Novembro de 2002). Além destas características fundamentais do trabalho no call center, o empregado também precisa responder às exigências do cliente da operadora para quem vai trabalhar. Na Operadora X, os empregados são contratados exclusivos de um determinado cliente e a qualificação do empregado depende das exigências do cliente. Quando um cliente contrata os serviços da Operadora X, nós, já no princípio, na seleção, traçamos o perfil daquele funcionário que vai trabalhar naquele segmento. Nas tratativas com o cliente, é estabelecido o perfil, se vai ser ativo ou receptivo... Dependendo do serviço para qual eu estou sendo contratada, eu [a Operadora X] preciso buscar o funcionário adequado para aquela atividade. O funcionário é buscado no mercado, e contratado especificamente para aquele cliente. Então, ele é um funcionário para atender aquele cliente, mas é um funcionário da Operadora X. Mas, ele, entre aspas, veste a camiseta do cliente. Então, todo o funcionário que eu tenho hoje, eles foram selecionados, eles têm o perfil que o cliente precisa, e recebendo o treinamento do cliente, e por isso, são exclusivos daquele cliente (Entrevista, Novembro de 2002).

20 20 Até aqui, já se pode considerar que o trabalho numa operadora de call center é diversificado. Existem teleoperadores para atendimento e oferta de todo o tipo de serviços e produtos, cada um desenvolvendo diferentes tipos de atividades: atendente receptivo, ativo, generalista (fornece informações no Serviço de Atendimento ao Cliente) e especialista; atendimento para telefonia fixa (mais simples, trabalha apenas com uma tela); ou celular (necessário navegar nas telas, saber os planos em que o cliente está cadastrado; oferecer novos planos de acordo com o valor da conta). Cada uma dessas atividades requer um tipo maior ou menor de dificuldades. O provedor X tem uma gama diversificada de serviços. Nós somos 1000 funcionários trabalhando com o site. Tem ativo, tem cobrança, tem relacionamento com o cliente, tem suporte, tem entrega de Kits, tem resposta a , tipo uma ouvidoria, Para cada segmento do Provedor X, eu tenho um determinado perfil de funcionário (Entrevista, Novembro de 2002). As atividades de atendimento, mesmo diversificadas, seguem uma organização padrão, segundo a forma de gestão e organização adotada pela operadora. Cada grupo de 20 operadores tem um supervisor, que os avalia, mensalmente, em termos de desempenho. Há uma proposta de plano de carreira e possibilidade de ascensão profissional, de acordo com as atividades desenvolvidas (operador, supervisor, coordenador, gerente; o coordenador faz a interface com o cliente da operadora). Neste sentido, a forma de organização do trabalho fica a cargo da operadora. O cliente da operadora apenas contrata o serviço de teleatendimento, deixando toda a administração do trabalho a cargo da empresa de call center. Em alguns casos, a supervisão será contratada da empresa cliente. A atividade se define com determinada rigidez, na qual, segundo os gerentes de recursos humanos, não há número fixo de atendimento, mas uma avaliação segundo as curvas de atendimento. Isso foi possível constatar com as entrevistas com os 28 trabalhadores, pois as respostas indicaram grande variação, de 20 a 150 atendimentos diários: o número médio de atendimentos ficou em 53,3. Os gerentes não escondem que a atividade é estressante, mas destacam que a empresa procura resolver tais problemas da melhor forma possível. Este desgaste emocional é

Daniel Gustavo Mocelin Mestre em Sociologia. Doutorando no Programa de Pós-graduação em Sociologia/UFRGS. Luís Fernando Santos Corrêa da Silva

Daniel Gustavo Mocelin Mestre em Sociologia. Doutorando no Programa de Pós-graduação em Sociologia/UFRGS. Luís Fernando Santos Corrêa da Silva 1 PERFIL SÓCIO-OCUPACIONAL DOS EMPREGADOS DE UM CALL CENTER DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES GAÚCHO Daniel Gustavo Mocelin Mestre em Sociologia. Doutorando no Programa de Pós-graduação em Sociologia/UFRGS

Leia mais

Caderno CRH ISSN: 0103-4979 revcrh@ufba.br Universidade Federal da Bahia Brasil

Caderno CRH ISSN: 0103-4979 revcrh@ufba.br Universidade Federal da Bahia Brasil Caderno CRH ISSN: 0103-4979 revcrh@ufba.br Universidade Federal da Bahia Brasil Mocelin, Daniel Gustavo; Santos Corrêa da Silva, Luís Fernando O TELEMARKETING E O PERFIL SÓCIO-OCUPACIONAL DOS EMPREGADOS

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2007

PROJETO DE LEI N o, DE 2007 PROJETO DE LEI N o, DE 2007 (Dos Srs. JORGE BITTAR e LUIZ SÉRGIO) Altera a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT-, aprovada pelo Decreto-lei n.º 5452, de 1º de maio de 1945, para dispor sobre as condições

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Argumentos de Vendas. Versão 20150206.01. Nossa melhor ligação é com você

Argumentos de Vendas. Versão 20150206.01. Nossa melhor ligação é com você Argumentos de Vendas Versão 20150206.01 Nossa melhor ligação é com você Algumas perguntas que podem ser feitas Você está satisfeito com sua operadora atual? Você é bem atendido quando liga na central de

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

Como integrar R&S com treinamento em call center

Como integrar R&S com treinamento em call center 1 Como integrar R&S com treinamento em call center Já abordamos em outros artigos temas complexos em call center como a formação de cultura organizacional, o perfil do profissional de call center, sistemas

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Livraria Saraiva A Livraria Saraiva é uma empresa brasileira, fundada em 1914 e hoje é a maior livraria

Leia mais

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por:

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por: 1 Conceitos Call Center - O que é? Denominamos Call Center ou Central de Atendimento ao conjunto de soluções e facilidades (Equipamentos, Sistemas e Pessoal) que tem como objetivo fazer o interface entre

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO

TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO Affonso Cardoso Aquiles 1 Introdução As transformações pelas quais as telecomunicações brasileiras passaram nas

Leia mais

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO SELECIONA: Farmacêutico Descrição: Para responder tecnicamente pela distribuição dos medicamentos, auxiliar os representantes nas orientações necessárias, auxiliar os clientes, fornecer treinamentos quanto

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados análise, a seguir, tem como objetivo apresentar a organização, o A perfil e o dimensionamento do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC, no Brasil, enfocando os principais

Leia mais

Manual do Call Center para seguradoras

Manual do Call Center para seguradoras Manual do Call Center para seguradoras Introdução guradoras, além da necessidade de manter um canal de contato com os segurados, a qualidade sa estarão lidando com pessoas muitas vezes psicologicamente

Leia mais

CONTACT CENTER. Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil

CONTACT CENTER. Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil CONTACT CENTER Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil Cenário Nos últimos dez anos, o desenvolvimento das tecnologias de informação permitiu um forte crescimento do setor de

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

MASTER HOUSE FRANCHISING Apresentação e Estratégia

MASTER HOUSE FRANCHISING Apresentação e Estratégia MASTER HOUSE FRANCHISING Apresentação e Estratégia Master House Franquia de Sucesso ocumento protegido pelos termos da lei. ualquer replicação deste material não é autorizada. Especial 10.A/2015 Parabéns

Leia mais

Estratégias empresariais e gestão da força de trabalho em call centers: Um estudo comparativo

Estratégias empresariais e gestão da força de trabalho em call centers: Um estudo comparativo III Seminário Internacional Organizações e Sociedade: Inovações e transformações contemporâneas Porto Alegre, 11 a 14 de novembro de 2008 GT Organizações e Instituições Econômicas Estratégias empresariais

Leia mais

inovadoras recrutamento

inovadoras recrutamento Avaliações inovadoras para recrutamento em grande volume Encontre agulhas no palheiro Nos processos de recrutamento em grande volume, você pode perder as pessoas certas por haver tantos candidatos menos

Leia mais

NOVAQUEST. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco.

NOVAQUEST. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco. NOVAQUEST Apresentação da Empresa A NovaQuest é uma empresa especializada em serviços de recuperação de crédito e atendimento ao cliente. Temos o intuito

Leia mais

Alguns materiais didáticos que os gestores preferem: Lápis com cartolina Cartão papel Material descartável Cordão Revistas Jornais Jogos interativo Material artesanal Quebra-cabeça Tangram Fabricação de

Leia mais

Sistema Melhor Horário para Atendimento. J C Damas joao.damas@aes.com. W Bernardi william.bernardi@aes.com

Sistema Melhor Horário para Atendimento. J C Damas joao.damas@aes.com. W Bernardi william.bernardi@aes.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Melhor Horário para Atendimento J C Damas joao.damas@aes.com E A T Adelino elizabeth.adelino@aes.com W Bernardi william.bernardi@aes.com Eletropaulo

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Proposta para Prestação de Serviços

Proposta para Prestação de Serviços Proposta para Prestação de Serviços Implantação de uma Central Telefônica PABX ou IPBX Implantação de Link Digital E1 com 30 canais + 40 números DDR Implantação de Link de Internet Implantação de um software

Leia mais

EFICIÊNCIA E EFICÁCIA. E COM OS DIFERENCIAIS INOVAÇÃO E QUALIDADE. ISSO É EVERIS BPO. attitude makes the difference

EFICIÊNCIA E EFICÁCIA. E COM OS DIFERENCIAIS INOVAÇÃO E QUALIDADE. ISSO É EVERIS BPO. attitude makes the difference EFICIÊNCIA E EFICÁCIA. E COM OS DIFERENCIAIS INOVAÇÃO E QUALIDADE. ISSO É EVERIS BPO. attitude makes the difference Consulting, IT & Outsourcing Professional Services everis BPO. Nossa razão de ser: Direcionamos

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS 3 A pesquisa sobre Regionalização e Globalização de viagens corporativas, encomendada pelo Instituto Alatur e HRG Brasil foi realizada em

Leia mais

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são:

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são: Senhores Acionistas, A Administração da Contax Participações S.A. ( Contax Participações ) submete, em conjunto com as demonstrações financeiras e o parecer dos auditores independentes, o Relatório da

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

F r a n c h i s i n g

F r a n c h i s i n g F r a n c h i s i n g F r a n c h i s i n g www.ambientec.com franchising@ambientec.com Fone: 41 3352 5352 Franchising Com 20 anos de experiência na prestação de consultoria e serviços de Engenharia de

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Especial ANATEL Como se adequar à nova legislação para empresas de telefonia

Especial ANATEL Como se adequar à nova legislação para empresas de telefonia Especial ANATEL Como se adequar à nova legislação para empresas de telefonia Introdução A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou em 20 de fevereiro de 2014 novas regras para provedores de

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup. INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16 Telemarketing Ativo Origem: Diretoria Superintendência Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso Instrução Normativa: 14.16/08-01 Revisão nº 0102

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

TAM: o espírito de servir no SAC 2.0

TAM: o espírito de servir no SAC 2.0 TAM: o espírito de servir no SAC 2.0 Os primeiros passos do SAC 2.0 da TAM A trajetória da TAM sempre foi guiada pela disponibilidade de servir seus clientes; nas redes sociais, essa filosofia não poderia

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING

TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING AULA 1 Treinamento em Operador de Telemarketing O que é Telemarketing? Será que TELEMARKETING é a mesma atividade de TELEVENDAS? Entendendo Marketing É um processo

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Dra. em Ciências Sociais (UNICAMP) Bom dia, Primeiramente gostaria de cumprimentar a todos e a todas

Leia mais

TREINAMENTO CONTACTCENTER

TREINAMENTO CONTACTCENTER TREINAMENTO CONTACTCENTER CENTER CONTACT Os Contact Centers atuais têm um grande impacto nas empresas em diversos aspectos referentes a lucro, custos, inteligência de mercado e fidelização do cliente. Para

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

CLIENTE MAL ATENDIDO, DE QUEM É A CULPA?

CLIENTE MAL ATENDIDO, DE QUEM É A CULPA? CLIENTE MAL ATENDIDO, DE QUEM É A CULPA? Por: Roberto Pessoa Madruga Todos nós sabemos o quanto as empresas estão preocupadas em atender seus clientes de maneira mais profissional e prioritária. Na estrada

Leia mais

O QUE SE ESPERA DE UMA GERENTE BARRED S

O QUE SE ESPERA DE UMA GERENTE BARRED S O QUE SE ESPERA DE UMA GERENTE BARRED S Ela lidera a equipe, contrata, acompanha e desenvolve equipes, faz o plano de vendas, cuida do ponto de venda e da vitrine, controla o estoque, monitora e motiva

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace Tactium Tactium IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999 INFORMATIVO Silvia M.R. Pereira Relações com Investidores tel: BR 55 21 519-9662 fax: 55 21 519-6388 Wallace Borges Grecco Relações com a Imprensa tel: BR 21 519-7282 fax: 021-519-8010 EMBRATEL PARTICIPAÇÕES

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário Equívoco 1: O Trabalho Temporário não proporciona segurança no trabalho Em muitos

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center.

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center. TACTIUM IP com Integração à plataforma Asterisk Vocalix Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

A IMPORTÂNCIA EM IMPLANTAR UM DEPARTAMENTO DE TELEMARKETING EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE 1. Vera Lucia Lima de Oliveira. FAAG Faculdade de Agudos

A IMPORTÂNCIA EM IMPLANTAR UM DEPARTAMENTO DE TELEMARKETING EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE 1. Vera Lucia Lima de Oliveira. FAAG Faculdade de Agudos A IMPORTÂNCIA EM IMPLANTAR UM DEPARTAMENTO DE TELEMARKETING EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE 1 Vera Lucia Lima de Oliveira FAAG Faculdade de Agudos RESUMO Este artigo teve como objetivo sugerir a implantação

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Retrato do mercado bancário para RH

Retrato do mercado bancário para RH Retrato do mercado bancário para RH Oportunidades X Ameaças - Uma visão panorâmica CLAUDIO PORTO PRESIDENTE DA MACROPLAN Bancarização como uma janela de oportunidades, o apagão de talentos como barreira

Leia mais

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME.

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. CARTA DE APRESENTAÇÃO Estamos encaminhando nosso portfólio na intenção de apresentar nossa empresa. Após estudo e análise do mercado no segmento de Segurança, Segurança

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

TRABALHO EM TELEATENDIMENTO

TRABALHO EM TELEATENDIMENTO Associação Paulista de Medicina Associação Paulista de Medicina do Trabalho Reunião Técnica TRABALHO EM TELEATENDIMENTO João Silvestre Jr joaossj@gmail.com twitter.com/joaosilvestrejr São Paulo, maio de

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

De toda nossa estrutura de trabalho, destacam-se:

De toda nossa estrutura de trabalho, destacam-se: Perfil Estrutura Oliveira & Antunes Advogados Associados é uma sociedade de advogados fundada em 1996, especializada na prestação de serviços jurídicos e consultoria altamente especializados a instituições

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

webaula S/A 1 de 15 Grupo webaula Educação sem fronteiras

webaula S/A 1 de 15 Grupo webaula Educação sem fronteiras webaula S/A 1 de 15 Grupo webaula 1. LMS webaula O LMS WEBAULA (Learning Management System) foi desenvolvido especialmente para promover a capacitação e reciclagem teórica e prática dos colaboradores de

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

CALL CENTER "AS NOVAS REGULAMENTAÇÕES DO SAC" (SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR)

CALL CENTER AS NOVAS REGULAMENTAÇÕES DO SAC (SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR) CALL CENTER "AS NOVAS REGULAMENTAÇÕES DO SAC" (SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR) FLEURY MEDICINA e SAÚDE Fleury Medicina Diagnóstica 1926 Fundado em 1926 pelo médico Gastão Fleury Silveira; Primeiro

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO 01. O QUE É? O Curso de Desenvolvimento de Websites é um curso de graduação tecnológica de nível superior com duração de dois anos e meio. Este curso permite a continuidade dos estudos em nível de bacharelado

Leia mais

Analista de RH Cursando superior em área afins. Conhecimento em folha de pagamento, rescisões e cartão ponto. Horário comercial Salário 1.

Analista de RH Cursando superior em área afins. Conhecimento em folha de pagamento, rescisões e cartão ponto. Horário comercial Salário 1. SELECIONA: Analista de RH Cursando superior em área afins. Conhecimento em folha de pagamento, rescisões e cartão ponto. Horário comercial Salário 1.300,00 Auxiliar Administrativo Imobiliária Profissional

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Serviço de logística reversa em agência dos Correios

Serviço de logística reversa em agência dos Correios Serviço de logística reversa em agência dos Correios Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) Ministério das Comunicações (MCT) Ao oferecer o serviço de logística reversa em agência com a utilização

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Nossa missão O que fazemos para sua empresa crescer

Nossa missão O que fazemos para sua empresa crescer A Revista VendaMais, a mais conceituada Revista de Vendas do Brasil, uniu-se a Solução Comercial, consultoria com experiência em mais de 80 empresas de diferentes segmentos, para criar a Solução Comercial/VendaMais.

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Tabela 32 Empresas de Serviços que Utilizaram Instrumentos Gerenciais, segundo Tipos de Instrumentos Estado de São Paulo 2001

Tabela 32 Empresas de Serviços que Utilizaram Instrumentos Gerenciais, segundo Tipos de Instrumentos Estado de São Paulo 2001 Estratégias de Gestão Os resultados da Paer mostram que a maioria das empresas pesquisadas preocupava-se com a informatização, sobretudo das atividades administrativas (72,93%), mas também das atividades

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com. FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br A TRANSFORMAÇÃO DO TRABALHO O capítulo 4 do livro de

Leia mais