FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RS CURSO TECNÓLOGO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RS CURSO TECNÓLOGO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RS CURSO TECNÓLOGO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Tiago Ferreira Campos FERRAMENTA BASEADA EM WORKFLOW DE GERENCIAMENTO DE PROCESSOS PORTO ALEGRE 2007

2 TIAGO FERREIRA CAMPOS FERRAMENTA BASEADA EM WORKFLOW DE GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso Tecnólogo em Sistemas de Informação pela Faculdade de Tecnologia Senac/RS, como requisito parcial à aprovação na disciplina TCCII, obtenção do título de Tecnólogo ênfase em Sistemas de Informação. Orientador: Prof.MSc. Rodrigo Prestes Machado PORTO ALEGRE 2007

3 TIAGO FERREIRA CAMPOS FERRAMENTA BASEADA EM WORKFLOW DE GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Trabalho de Conclusão de Curso defendido e aprovado em 04 de Dezembro de 2007, pela Banca Examinadora constituída pelos professores: Prof. Rodrigo Prestes Machado Prof. Alexandre Casacurta Prof. Magda Leyser

4 Aos meus pais

5 AGRADECIMENTOS Á Deus por estar sempre presente em todos os momentos, a minha família, por todo o seu amor, incentivo e compreensão, aos amigos que nas horas difíceis proporcionaram conforto e tranqüilidade para conclusão deste trabalho. Aos colegas de faculdade pela amizade e pelos momentos de descontração e ao Professor Rodrigo Prestes Machado, por toda a disponibilidade, atenção e interesse em ser meu orientador.

6 "Há homens que lutam um dia e são bons. Há outros que lutam um ano e são melhores. Há os que lutam muitos anos e são muito bons. Porém, há os que lutam toda a vida. Esses são os imprescindíveis." Bertolt Brecht.

7 RESUMO Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma ferramenta web baseada nos conceitos de workflow para gerenciamento de processos. Propõe-se a automação da atividade de gerenciamento de processos da Secretaria Municipal da Educação (SMED) de Porto Alegre onde atualmente este controle é feito de forma não informatizada. Causando problemas nos envios dos processos entre setores, dificuldade de localização e no acompanhamento das etapas do mesmo. Assim, este trabalho visa a otimização do fluxo melhorando o modo de encaminhamento dos processos, acompanhamento mais preciso de todas as etapas que o processo percorreu e maior rapidez para o usuário na localização de um processo. Palavras-Chave: Workflow, Web, Processos, Ferramenta

8 ABSTRACT This Work aims to develop a web tool based on the workflow s concepts, for processes management. It is proposed the automation of processes management activity of the Secretaria Municipal da Educação (SMED) from Porto Alegre, where this control is currently done in a not computerized way. Causing problems in transit of the processes among sectors, difficulty for locating and monitoring steps of the same. Thus, this work aims the optimization of the flow, improving the routing procedures of the processes, more accurate monitoring of all steps that the process has passed and more velocity to the user in the search of a process. Keywords: Workflow, Web, Process, Tool

9 LISTA DE FIGURAS FIGURA 2.1: Guarda-chuva de Workflow...17 FIGURA 2.2: Workflow Ad Hoc - requisição de artigos...21 FIGURA 2.3: Workflow Administrativo - requisição de artigos...22 FIGURA 2.4: Workflow de Produção - requisição de atendimento...23 FIGURA 2.5: Inter-Relaciomento de Workflow...25 FIGURA 3.1:Diagrama de Caso de Uso...30 FIGURA 3.2: Diagrama de Atividades...32 FIGURA 3.3: Primeira etapa do Workflow...33 FIGURA 3.4: Segunda etapa do Workflow...33 FIGURA 3.5: Etapa do Workflow do setor Financeiro...34 FIGURA 3.6: Primeira etapa do Workflow...34 FIGURA 3.7: Diagrama ER...35 FIGURA 3.8: Envio de processo do setor Protocolo Central...37 FIGURA 3.9: Envio de processo do setor de Eventos...37 FIGURA 3.10: Envio de processos dos demais setores...38 FIGURA 3.11: Pesquisa de processos...39 FIGURA 3.12: Resultado da pesquisa de processos...39 FIGURA 3.13: Histórico do processo...40

10 LISTA DE ABREVIATURAS PHP SMED WfMS WfMC SGDB WWW UDP HTML SQL CSCW HAD UML Hypertext Pre-Processor. Secretaria Municipal de Educação Workflow Management System Workflow Management Coalition Sistema Gerenciador de Banco de Dados World Wide Web Unidade de Despesa HyperText Markup Language Structured Query Language Computer Supported Cooperative Work Heterogêneo Autônomo Distribuído Unified Modeling Language

11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivos Gerais Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA VISÃO GERAL DOS CAPÍTULOS FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA WORKFLOW EVOLUÇÃO TERMOS DE WORKFLOW CARACTERIZAÇÃO DE WORKFLOW Caracterização comercial AD HOC ADMINISTRATIVO PRODUÇÃO Caracterização quanto a orientação WORKFLOW ORIENTADO A PESSOAS WORKFLOW ORIENTADO A SISTEMAS Caracterização transacional INTER-RELACIONAMENTO ENTRE TIPOS DE WORKFLOW WORKFLOW WEB SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE WORKFLOW Funcionalidades de gerenciamento de workflow CRIANDO UM WORKFLOW DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DEFININDO O PROBLEMA MODELAGEM DO SISTEMA Diagrama Caso de uso Diagrama de atividades ETAPAS DO WORKFLOW Diagrama ER... 35

12 3.3 TECNOLOGIAS UTILIZADAS FUNÇÕES DO SISTEMA Autenticação de usuários Envio de processos Excluir processos Pesquisar processos CÓDIGO DO SISTEMA DO WORKFLOW CONCLUSÃO SUGESTÕES DE CONTINUIDADE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO

13 12 1 INTRODUÇÃO Melhorias nos planejamentos de processos são muitas vezes acompanhadas de implementação de automatização de sistemas. Sistemas workflow podem vir ao encontro destas estratégias de desenvolvimento e otimização dos processos de negócio através da automação do seus fluxos de trabalho. Em sistemas de gerenciamento de processo não automatizado torna-se difícil o controle das atividades que serão executadas, onde não há um monitoramento eficaz para saber em que exato momento, essas atividades estão sendo desempenhadas. Assim, sistemas de workflow aparecem como uma tecnologia capaz de solucionar estes problemas e implementar os conceitos relacionados a interação entre os processos. Onde manipulam e monitoram a informação relativa ao fluxo de trabalho para gerenciar, coordenar e controlar o trabalho mais eficientemente, minimizando o problema da coordenação do trabalho nos processos de negócios [NICOLAO,98]. Entre alguns benefícios que podem ser atingidos a partir de um sistema de gerenciamento de Workflow podemos citar: aceleração dos processos a medida que, através da automatização aumenta-se a produtividade; fim do tempo de espera dos responsáveis por atividades interdependentes; maior controle, auditoria e segurança dos processos; simplificação da supervisão humana; maior grau de integração entre componentes do grupo e atividades, melhores resultados [STAR SOFT,05]. Ao analisarmos um estudo de caso da Secretaria Municipal da Educação (SMED), percebeu-se que havia uma lacuna que poderia ser preenchida através de uma reformulação da atividade de gerenciamento de processos. Onde atualmente na secretaria, esse gerenciamento é feito de forma não informatizada.

14 13 Baseando-se neste estudo de caso, este trabalho tem como objetivo desenvolver uma ferramenta Workflow para automatizar e auxiliar o controle dos processos de negócios da secretaria. Visando evitar problemas como atrasos no fluxo dos processos entre os setores, dificuldades de localização e rastreamento do mesmo. 1.1 OBJETIVOS O objetivo é desenvolver um sistema workflow web para gerenciar os processos que circulam na SMED, definir de forma organizada as etapas que serão percorridas por cada processo. Ocasionando uma otimização no fluxo de trabalho, reduzir problemas de atrasos tanto para o envio de processos entre setores quanto na execução da ordem de serviço e a dificuldade de localização dos processos. Possibilitar um acompanhamento mais precisos das etapas percorridas pelo processo resultando em um controle de gerenciamento mais efetivo Objetivo Gerais Os objetivos gerais é uma melhor resposta no gerenciamento de processos tanto para o usuário quanto para a secretaria. Através da otimização do fluxo dos processos com a implementação da ferramenta proposta. Contribuindo para um acompanhamento mais preciso das etapas do processo e também a redução do tempo gasto para a execução do serviço referente ao mesmo Objetivos Específicos O objetivo específico é realizar o monitoramento do fluxo de processos através da implementação de uma ferramenta Workflow Web. Para isso, alguns

15 14 objetivos foram definidos para que o sistema possa proporcionar o controle dos processos como: a) Definir as etapas dos processos de acordo com o tipo do processo ; b) Gerar s informando para os usuários dos setores responsáveis pelo encaminhamento dos processos, de que o mesmo foi enviado; c) Cada etapa que o processo percorrer será registrado em uma base de dados relacional no sistema. Assim o usuário poderá ter a noção exata do fluxo dos processo e também a exata noção de quando entraram em cada setor.; d) Com a função de pesquisa, a possibilidade de saber em que situação atual o processo encontra-se, ou seja, se ele está aguardando aprovação, aprovado pelo setor Gabinete, aprovado pelo setor Financeiro, pagamento efetuado e arquivado. e) Registro de envio de processos simplificado para o usuário, cabendo ao usuário apenas digitar o número do processo e assim, o sistema encarrega-se de encaminhar os processos para o setor seguinte de acordo com o fluxo pré definido na regra de negócio do workflow. f) Cada setor terá uma página de menu personalizada, com o acesso as tarefas em que lhe são competidas onde o usuário é direcionado a essas páginas após o Login de autenticação. 1.2 JUSTIFICATIVA O desenvolvimento de um sistema workflow surgiu a partir da necessidade da SMED a melhorar o controle dos processos que circulam diariamente nos setores da secretaria. A introdução desta tecnologia traz como benefícios

16 15 estratégicos para organização a redução do tempo de processamento em transações empresarias críticas, maior qualidade e confiabilidade quanto aos trabalhos executados, melhoria de comunicação com clientes, redução no tempo de desenvolvimento de novos produtos e abertura para novas oportunidades em serviços [FRUSCIONE,96]. A escolha do sistema ser Web foi proporcionar que esse controle seja feito de qualquer terminal que tenha acesso a Internet ocasionando assim ma maior flexibilidade para os usuários. 1.3 VISÃO GERAL DOS CAPÍTULOS Neste capítulo, abordamos o escopo do trabalho, objetivos propostos de forma sucinta e também a justificativa. No capítulo 2 descreve os conceitos de Workflow bem como sua evolução histórica e tipos de Workflows existentes. No capítulo 3 mostraremos o desenvolvimento do sistema bem como as modelagens e análise de requisitos. No capítulo 4 temos a conclusão juntamente com os resultados obtidos e sugestões de trabalho futuro.

17 16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capitulo relata as definições de Workflow, descrevendo os conceitos, a evolução e os tipos de Workflows existentes. 2.1 WORKFLOW Podemos definir Workflow como uma seqüência de passos necessários para que se possa atingir um determinado objetivo de negócio de uma organização [BARTHELMES,96]. Durante essa seqüência de passos dos documentos, informações e tarefas são passadas de um participante para outro através de ações, seguindo um conjunto de regras procedurais [LIMA,01]. Segundo a Workflow Management Coalition (WfMC), define como a automação total ou parcial de um processo de negócio, durante a qual documentos, informações e tarefas são passadas entre os participantes do processo [WFMC,96]. Processo é um conjunto de coordenado de atividades (seqüenciais ou paralelas) que são interligadas com o objetivo de alcançar uma meta comum, sendo atividade conceituada como uma descrição de um fragmento de trabalho que contribui para o cumprimento de um processo[wfmc,96]. Já Geogarkopolus [GEOGARKOPOLUS,95], não existe um consenso sobre o que é Workflow, nem sobre quais características um sistema de gerência de Workflow deve fornecer. Sob o guarda-chuva do termo Workflow, aplica-se este termo a consultas a um processo de negócio, a especificação de um processo, ao software que executa e automatiza um processo e ao software que suporta simplesmente a coordenação e colaboração das pessoas que executam

18 17 um processo. Os vários conceitos atribuídos ao termo Workflow são apresentados na Figura 2.1. FIGURA 2.1: Guarda-chuva de Workflow [GEORGAKOPOULOS, 95]. Muitos outros autores como Nina Burns, Saint Pierre, Matthijs Duitshof, Joosten S. Mckie, Miller, Sheth Weikum, conceituam Workflow, sempre convergindo para a concepção de que Workflow é direcionado a processos de negócios [NICOLAO,98]. 2.2 EVOLUÇÃO A partir da década de 70, com as pesquisas em automação de escritórios, iniciaram-se os trabalhos abordando a tecnologia de Workflow. O objetivo destas pesquisas era encontrar uma solução para o grande acúmulo e manipulação de documentos em papel, procurando uma maneira de gerar, armazenar, compartilhar e rotear documentos [ARAÚJO,00]. Entretanto, eles não obtiveram

19 18 aceitação e nem sucesso, pois não havia tecnologia disponível como redes de computadores, requisitos e profissionais qualificados[nicolao,98]. Os primeiros sistemas de Workflow, devido principalmente as inúmeras situações não previstas que o fluxo de processos ocasionava, tornaram-se inflexíveis fazendo com que os projetos na área não ganhassem força e fossem abandonados [FAEDRICH; ACOSTA, 03]. A partir deste ponto, na década de 80, voltaram-se as pesquisas para Computer Supported Cooperative Work (CSCW) e Groupware. A maior parte delas ainda tinham como foco central os diferentes tipos de groupware organizacionais (agendamento de conferências, vídeo conferência, correio eletrônico, etc) nos quais Workflow não estava incluído [NICOLAO, 98]. Já nos anos 90, sobressaíram-se as pesquisas sobre novos paradigmas de interação, baseados na exploração do potencial da World Wide Web(WWW), o que levou as pesquisas em Workflow a um novo patamar voltado para a definição de arquiteturas distribuídas de execuções de processos [ARAÚJO, 00]. 2.3 TERMOS DE WORKFLOW De acordo com Rizzi [RIZZI, 01] podemos entender então como sendo termos de workflow: a) Evento: Algo que acontece em um determinado instante de tempo específico. b)atividade ou Tarefa: Conjunto de Eventos que realizam determinada etapa de um processo. É realizada em um intervalo de tempo.

20 19 c) Processo: Conjunto de atividades que se relacionam a fim de atingirem um objetivo em comum. d) Agente (Executor ou Ator): Recurso (Humano ou Automatizado) que executa o trabalho representado por uma instância de atividade de um workflow. e) Papel: É o conjunto de atributos pertencentes a um determinado conjunto de Atores. Ao definir um workflow associa-se o papel a determinada atividade ao invés de associar-se ao Ator, visto que um ator pode possuir mais de um papel. f) Item de Trabalho: Representação de um trabalho a ser realizado por um Ator. g) Lista de Trabalho: Lista dos itens de trabalho associado a determinado Ator. h) Instância (Caso): Representação de um único processo. Várias podem ser executadas ao mesmo tempo. i) Trigger (Gatilho): Disparo de uma atividade por um evento. Pode ser visto como uma regra que é avaliada à execução de um determinado evento. j) Workflow: Sistemas cujos elementos são atividades, interagindo umas com as outras através de triggers e disparados por eventos externos. 2.4 CARACTERIZAÇÃO DE WORKFLOW Segundo Georgakopoulos [GEORGAKOPOULOS, 95], Workflow podem ser classificados de três formas distintas:

21 20 a) classificação comercial; b) classificação quanto a sua orientação (Orientados a Pessoas ou a Sistemas); c) transacionais Caracterização Comercial De acordo com Georgakopoulos [GEORGAKOPOULOS, 95], Workflow comercial diferencia em três tipos: Ad hoc, Administrativo e Produção Ad hoc Envolve geralmente grupos pequenos de profissionais e suportam atividades que requerem uma solução de workflow rápida e execução de modelos de processos menos complexos que podem ser usados para facilitar o fluxo de um único documento em uma única ocasião. Kobielus apud [NICOLAO, 98]. Como exemplo pode-se citar um processo de revisão de artigos de uma conferência como sendo um Workflow do tipo ad hoc. O processo de revisão constituído pela seleção de revisores, distribuição dos artigos para os revisores selecionados, execução das revisões e produção de uma revisão conjunta agrupada) e, finalmente, envio das revisões para os autores pode ser considerado um Workflow do tipo ad hoc por apresentar as seguintes características: a) negociação para a seleção de revisores, e b) colaboração entre os revisores para produção de uma revisão agrupada.

22 21 A Figura 2.2 representa um Workflow simplificado tipo ad hoc envolvendo o processo de conferência de artigos. FIGURA 2.2: Workflow Ad Hoc - requisição de artigos [GEORGAKOPOULOS,95] Administrativo Um Workflow administrativo envolve processos repetitivos com regras de coordenação de tarefas simples, tais como roteamento de um relatório de despesa ou requisição de viagem, controladas por um processo de autorização. A ordenação e coordenação de tarefas em Workflows administrativos podem ser automatizadas. Considerando ainda o processo de revisão de artigos como exemplo, supõe-se nesta caracterização, ou seja, o revisores são convidados para revisão de todos os artigos. Neste caso, os revisores não colaboram na produção de uma revisão conjunta apenas produzem revisões individuais, que são consideradas pelo editor que toma a decisão final. Com base nestas interpretações pode-se definir o Workflow de revisão de artigos como sendo um Workflow do tipo administrativo representado graficamente na Figura 2.3.

23 22 FIGURA 2.3: Workflow Administrativo - requisição de artigos [GEORGAKOPOULOS, 95] Produção Envolve atividades altamente estruturadas que descrevem processos de informação complexos, envolvendo processos de negócios repetitivos e previsíveis. Este tipo de workflow envolve pouca intervenção humana e acessam múltiplos sistemas de informação para execução do trabalho e recuperação de dados para a tomada de decisão [NICOLAO,98]. As diferenças relevantes entre este Workflow de produção e o ad hoc ou administrativo, são [OLIVEIRA,96]: interação do sistema de informação como os processos de negócio uso de executores de tarefas automatizados (não humanos). Pode-se exemplificar um Workflow de produção através de um sistema produção de requisição de atendimento através de um seguro saúde conforme Figura 2.3. Um formulário de requisição é primeiro examinado manualmente e

24 23 armazenado em um banco de dados de objetos. Então a requisição é indexada em um banco de dados relacional. Esta informação é analisada por um "avaliador de requisição" automatizado. Esta tarefa é suportada por um sistema especialista que usa um banco de dados de "habilitação" para determinar se o pagamento pode ser feito. Caso a requisição seja rejeitada, um representante da companhia discute a requisição com o cliente e negocia o pagamento ou rejeita a requisição. Se o pagamento é feito, a tarefa de "faz pagamento" acessa o banco de dados financeiro e registra o pagamento. FIGURA 2.4: Workflow de Produção - requisição de atendimento [GEORGAKOPOULOS, 95] Caracterização Quanto à Orientação Workflow pode ser caracterizado também sobre dois aspectos: orientados a pessoas e orientado a sistemas [GEORGAKOPOULOS, 95] Workflow orientado a pessoas Workflows orientado a Pessoas se destinam a deixar que humanos realizem e coordenem tarefas. Nestes Workflows as principais questões de orientação incluem:

25 24 a) Interação humano-computador; b) Combinar habilidades humanas para suportar as tarefas necessárias Workflow orientado a sistemas Workflows orientado a sistemas se destinam a sistemas de computadores que tem como objetivo uma computação intensiva e tarefas de software especializadas. Precisam incluir software para controle de concorrência e técnicas de recuperação para assegurar consistência e segurança. Em um Workflow orientado a sistema, as principais questões de orientação incluem: a) combinar as necessidades dos processos de negócios para a funcionalidade do sistema e providenciar dados a partir dos sistemas de informação existentes; b) interoperatibilidade entre sistemas distribuídos (heterogêneo, assíncrono, distribuído); c) procurar softwares adequados para executar tarefas de Workflow; d) determinar novas necessidades de software de forma a permitir automação dos processos de negócios; e) assegurar a execução correta e segura dos sistemas Caracterização Transacional Workflow Transacional envolve execução coordenação de múltiplas tarefas que podem envolver humanos, requer acesso para sistemas do tipo HAD (heterogêneo, autônomo e distribuído) e suporta o uso seletivo de propriedades

26 25 transacionais (exemplo: atomicidade, consistência, isolação e durabilidade) para tarefas individuais e entradas de workflow. O uso seletivo de propriedades transacionais é necessário para permitir a especialização das funcionalidades necessárias para cada Workflow (exemplo: permitir colaboração de tarefas e suportar estruturas complexas de Workflow). 2.5 INTER-RELACIONAMENTO ENTRE TIPOS DE WORKFLOW Pode-se imaginar uma reta representativa, que vai de Workflows orientados a Pessoas, os quais exigem uma extrema colaboração e coordenação de tarefas humanas até os orientados a sistemas, os quais envolvem sistemas de computadores que executam operações computacionais intensas. Imaginando esta reta não é difícil perceber que os Workflows comerciais e os transacionais estão compreendidos dentro dela [NICOLAO, 98]. FIGURA 2.5: Inter-Relacionamento de Workflow [NICOLAO, 98] 2.6 WORKFLOW NA WEB Sistemas de Workflow na WEB surgiram para beneficiar que os participantes de um Workflow distribuído (por exemplo, um grupo de trabalho

27 26 virtual) possam realizar trabalhos cooperativos de forma descentralizada mesmo os participantes podendo estar em locais geográficos diferentes [MORO,98]. 2.7 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE WORKFLOW O sistema de gerenciamento de workflow (WFMS - Workflow Management System) é o que gerencia, define e executa o workflow através de um software. Este sistema controla todos os passos a serem seguidos para a execução do processo, garantindo que a seqüência de tarefas seja seguida conforme o que foi estabelecido e informando as entidades o momento exato para executarem suas tarefas [MORO,98] Funcionalidades do Sistema de gerenciamento de Workflow Os sistemas de workflow disponíveis possuem um conjunto relativamente comum de funcionalidades [MORO, 98]: Roteamento de trabalho - predefine a seqüência em que as atividades serão executadas, podendo ser baseado em respostas e em regras; Invocação automática de aplicativos - o aplicativo adequado para a realização da tarefa pode ser invocado automaticamente, através do WfMS; Distribuição dinâmica de trabalho - determinar qual participante irá executar a tarefa; Priorização de trabalho - a maioria dos sistemas de workflow permite que a prioridade de uma instância seja alterada, em geral por um usuário administrador ;

28 27 Acompanhamento do trabalho - capacidade de acompanhar uma determinada instância de workflow e descobrir imediatamente seu status atual de processamento, sob a responsabilidade de quem está no momento, e quanto tempo ela está esperando na atividade atual; Geração de dados estratégicos - através do armazenamento de certos atributos de cada instância de workflow executada, pode-se criar uma base de dados que reflete a eficiência e a eficácia dos processos atualmente desempenhados pela organização. 2.8 CRIANDO UM WORKFLOW Segundo Moro [MORO, 98], os passos pra criação de um workflow são: a) define-se uma atividade ou tarefa que um grupo de trabalho precisa realizar e as regras de serviço que gerenciarão a atividade; b) divide-se a tarefa em sub-tarefas (passos). Cada passo representa um lista bem definida de coisas que são realizadas por um indivíduo e que são feitas logicamente juntas. Uma tarefa pode ser quebrada em passos de maneiras diferentes. Nesse ponto, é exigido um julgamento do serviço para decidir onde dividir uma tarefa; c) decide-se o conjunto de habilidades para realizar cada passo. Isso irá especificar as funções ou indivíduos de trabalho que podem ser chamados para realizar tal passo; d) decide-se a seqüência em que cada passo deve ser realizado; e) se algum dos passos é realizado em uma base condicional, identifica-se esses passos e define-se as condições; f) projeta-se um mapa do workflow que identifica os passos e a seqüência(fluxo), em que os passos devem ser realizados. Associa-

29 28 se funções ou indivíduos de trabalho a cada passo; g) cria-se os formulários, documentos e instruções que serão usados pelos indivíduos em cada passo para execução da sub-tarefa.

30 29 3. DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA Neste capítulo, descreve o desenvolvimento da ferramenta bem como as modelagens e análise de requisitos que foram importantes para a estrutura do sistema. 3.1 DEFININDO O PROBLEMA Os processos quando são encaminhados de um setor para outro, são registrados em pequenos cadernos padronizados para receber esse tipo de informações, esses cadernos são chamados de Livro Protocolo. As informações referentes aos processos que entram no setor e os que são dado saídas são registrado em cadernos distintos dificultando a função quando o funcionário responsável necessita realizar os registros dos processos de entrada e saída simultaneamente. Existem também problemas associados com as questões de localização e acompanhamento dos processos. O problema ocorre porque o funcionário realiza uma pesquisa no livro protocolo, não tendo a noção exata onde está localizado o número do processo desejado. Dependendo do tipo da pesquisa, poderá levar horas até achar o processo desejado. Já na questão de acompanhamento, é inviável realizar essa função por intermédio dos livros, já que cada livro armazena os registros dos processos que passaram somente por um setor. Desta forma, são freqüentes os problemas associados ao fato de não existir controle sobre o fluxo dos processos. Conseqüentemente, o tempo gasto na execução dos serviços passa ser maior.

31 MODELAGEM DO SISTEMA Para a modelagem da arquitetura do sistema, optamos pela utilização dos padrões de modelagem Unified Modeling Language(UML), tanto para os diagrama de Caso de Uso quanto para o fluxo do workflow através do diagrama de Atividades. Onde a UML tem sido considerada como linguagem com potencial para modelagem de processos de negócio de workflow [ARAÚJO;BORGES,03]. Já para o diagrama ER, modelagem da base de dados, utilizamos a ferramenta DB Designer 4. Onde permite que através da modelagem, seja gerado o script SQL para a construção das tabelas Diagrama Caso de Uso O diagrama Caso de Uso representado na Figura 3.1, descreve os atores (participantes), que fazem parte do sistema e as tarefas desempenhadas por cada um. Os usuários descritos neste diagrama refere-se aos participantes dos processos do tipo eventos, que será utilizado como base nesse trabalho e melhor detalhado no diagrama de Atividades. E são identificados de acordo com o seu setor de origem. Ex: O usuário Financeiro é o usuário do setor Financeiro. FIGURA 3.1 Diagrama Caso de Uso

32 31 Cada usuário tem o papel de desempenhar as seguintes funções: Usuário Protocolo Central- Realiza o encaminhamento dos processos. Usuário Eventos- Realiza o encaminhamento de processos, atribui o assunto referente a ordem de serviço no registro do processo no sistema e realiza o gerenciamento dos processos ( acompanhamento e localização dos processos). Usuário Gabinete- Realiza o encaminhamento de processos e realiza o gerenciamento dos processos ( acompanhamento e localização dos processos). Usuário Financeiro- Realiza o encaminhamento de processos, realiza o gerenciamento dos processos ( acompanhamento e localização dos processos) e realiza o encerramento dos processos. Usuário UDP- Realiza o encaminhamento de processos e realiza o gerenciamento dos processos ( acompanhamento e localização dos processos). Usuário Protocolo SMED- Realiza o encaminhamento de processos e realiza o gerenciamento dos processos ( acompanhamento e localização dos processos). Usuário Expediente- Realiza o gerenciamento dos processos ( acompanha- mento e localização dos processos) e realiza o encerramento dos processos Diagrama de Atividades No diagrama de Atividades representado pela Figura 3.2, descreve as atividades realizadas pelo usuário e pelo sistema bem como o fluxo do workflow dos processos do tipo eventos. Representado por uma cor cinza as atividades humanas (feita pelo usuário) e, as atividades automatizadas representado na cor branca.

33 FIGURA 3.2 Diagrama de Atividades 32

34 Etapas do workflow A primeira etapa do workflow é o envio de capas do processos feitas pelo usuário do setor do Protocolo Central. Nesta etapa, o processo não contém nenhum registro referente ao assunto onde somente é atribuído essa informação, no setor de Eventos. FIGURA 3.3 Primeira etapa do Workflow No próximo passo, o usuário do setor Eventos informa o assunto sobre a ordem de serviço no momento do registro de envio para o setor Gabinete. De fato, é aqui que os processos iniciam-se e por isso, o sistema começa a registrar as etapas que o processo passará e enviará s para os demais participantes do gerenciamento. FIGURA 3.4 Segunda etapa do Workflow No setor Financeiro pode acontecer situações em que o processo seja impedindo de continuar seu fluxo, razões que não compete ao sistema( seja indisponibilidade financeira, cancelamento da ordem de serviço, etc). Caso isso ocorra, o usuário do setor Financeiro informa do cancelamento no sistema onde o mesmo, encarrega-se de excluir os registros referente a esse processo e envia

35 34 s para os usuários informando sobre o encerramento. FIGURA 3.5 Etapa do Workflow do setor Financeiro Se tiver tudo correto, o processo tem seu fluxo seguido normalmente sendo encaminhado respectivamente para o setor Unidade de Despesa (UDP), setor Protocolo SMED e no setor Expediente onde o processo é arquivado. FIGURA 3.6 Demais etapas do Workflow

36 Diagrama ER O Diagrama ER representado na Figura 3.7, mostra a base de dados utilizada no sistema onde é composta por três tabelas que contemplam os requisitos para armazenamento dos dados. FIGURA 3.7 Diagrama ER As finalidades de cada tabela são: Tabela processo - Armazena dados referente aos processos em tramitação. Tabela histo_processo - Armazena dados referente aos setores que o que o processo percorreu. Tabela usuário - Armazena dados referente aos usuários para validação de acesso no sistema.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

Workflow. Seminário OS SISTEMAS WORKFLOW

Workflow. Seminário OS SISTEMAS WORKFLOW Seminário OS SISTEMAS WORKFLOW LEANDRO SILVA CAMPOS LÍGIA CHRISTINE OLIVEIRA SOUSA LILIANE VERÔNICA DA SILVA JOSÉ CARLOS NUNES MARINHO TAVARES V. NETO UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL INSTITUTO LUTERANO

Leia mais

21/03/2012. WorkFlow. Gestão Eletrônica de Documentos. Workflow HISTÓRICO

21/03/2012. WorkFlow. Gestão Eletrônica de Documentos. Workflow HISTÓRICO WorkFlow Gestão Eletrônica de Documentos Workflow HISTÓRICO 1 CSCW - Computer-supported CooperativeWork trabalho cooperativo auxiliado por computador Estudo dos conceitos que definem e desenvolvem o trabalho

Leia mais

ESTUDO SOBRE TÉCNICAS DE WORKFLOW 1

ESTUDO SOBRE TÉCNICAS DE WORKFLOW 1 1 ESTUDO SOBRE TÉCNICAS DE WORKFLOW 1 BRIEFING ABOUT WORKFLOW TECHNIQUES RESUMO Marcos K Schmidt 2 Rodrigo A. Machado 2 Giliane Bernardi 3 Walkiria Cordenonzi 3 Novas técnicas de administração baseadas

Leia mais

MODELAGEM DE UMA APLICAÇÃO DE WORKFLOW NA WEB PARA A INTEGRAÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA

MODELAGEM DE UMA APLICAÇÃO DE WORKFLOW NA WEB PARA A INTEGRAÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MODELAGEM DE UMA APLICAÇÃO DE WORKFLOW NA WEB PARA A INTEGRAÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA HUGO VARES VIEIRA Pelotas, 2005 2 HUGO VARES

Leia mais

Os Sistemas Workflow

Os Sistemas Workflow Os Sistemas Workflow Leandro Silva Campos, Lígia Chistine O. Sousa, Liliane Verônica da Silva, José Carlos Nunes, Marinho Tavares V. Neto Instituto Luterano de Ensino Superior de Itumbiara Curso de Sistemas

Leia mais

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnologia EIA Escola de Informática Aplicada TIN0033 Projeto de Graduação II Orientadora: Renata Araújo Alunos:

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

WORKFLOW: Conceitos, Abrangência e Sistemas de Suporte

WORKFLOW: Conceitos, Abrangência e Sistemas de Suporte WORKFLOW: Conceitos, Abrangência e Sistemas de Suporte Mariano Nicolao Duncan Dubugras Alcoba Ruiz Universidade Luterana do Brasil Pontifícia Universidade Católica do RS Ulbra Guaíba Instituto de Informática

Leia mais

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Especificação de Requisitos e Modelagem Orientada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

ANDERSON CELECINO BRITO DE SOUZA CASSIANO MACHADO INÁCIO JACKSON BRUTKOWSKI VIEIRA DA COSTA LOJA VIRTUAL

ANDERSON CELECINO BRITO DE SOUZA CASSIANO MACHADO INÁCIO JACKSON BRUTKOWSKI VIEIRA DA COSTA LOJA VIRTUAL ANDERSON CELECINO BRITO DE SOUZA CASSIANO MACHADO INÁCIO JACKSON BRUTKOWSKI VIEIRA DA COSTA LOJA VIRTUAL CURITIBA 2004 ANDERSON CELECINO BRITO DE SOUZA CASSIANO MACHADO INÁCIO JACKSON BRUTKOWSKI VIEIRA

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades

Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades André Torres, Ednaldo Onofre, Francisco Celestino, Jafet

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

ESTUDO SOBRE MODELAGEM E APLICAÇÃO DE SISTEMAS DE WORKFLOW

ESTUDO SOBRE MODELAGEM E APLICAÇÃO DE SISTEMAS DE WORKFLOW ESTUDO SOBRE MODELAGEM E APLICAÇÃO DE SISTEMAS DE WORKFLOW Kurt Werner Molz kurt@polaris.unisc.br Lucinéia Heloisa Thom lucineia@viavale.com.br Neiva Scheidt neiva@viavale.com.br Universidade de Santa

Leia mais

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO Curso Superior de Graduação em ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática Por AUGUSTO CARRICONDE

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades. Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br

Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades. Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br Agenda Introdução Workflow Sistema Gerenciador de Workflow WfMC Modelo e Instância Workflows ad hoc Referências O que

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5. Guia do Cúram Deductions

IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5. Guia do Cúram Deductions IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5 Guia do Cúram Deductions Nota Antes de usar essas informações e o produto suportado por elas, leia as informações em Avisos na página 21 Revisado: Março

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

Sistema Web Para Gerenciamento Eletrônico de Documentos da Gestão da Qualidade

Sistema Web Para Gerenciamento Eletrônico de Documentos da Gestão da Qualidade Sistema Web Para Gerenciamento Eletrônico de Documentos da Gestão da Qualidade Cesar Renato M. de Alvarenga Professor Orientador: Luiz Gustavo Galves Mählmann

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO. Workflow

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO. Workflow PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO Workflow SUMÁRIO Introdução... 3 1. Conceito... 3 2. Tipos de Workflow... 3 3. Vantagens... 4 4. Outros conceitos... 4 5. Exemplo de

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

RESUMO AULAS DE TSSI I 2º BIMESTRE. Prof.MsC. Ly Freitas Filho

RESUMO AULAS DE TSSI I 2º BIMESTRE. Prof.MsC. Ly Freitas Filho 1 RESUMO AULAS DE TSSI I 2º BIMESTRE Prof.MsC. Ly Freitas Filho Junho, 2006 1 Organização para informatização Muitas empresas ainda acreditam que o simples ato de informatizar, espalhando computadores

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

DWS - Delivery WEB System

DWS - Delivery WEB System CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UNICEUB INSTITUTO CEUB DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO ICPD Francinaldo de Paula Santos DWS - Delivery WEB System TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

SENADO FEDERAL Secretaria Especial do Interlegis SINTER Subsecretaria de Tecnologia da Informação SSTIN. Produto I: ATU SAAP

SENADO FEDERAL Secretaria Especial do Interlegis SINTER Subsecretaria de Tecnologia da Informação SSTIN. Produto I: ATU SAAP Produto I: ATU SAAP Documento de projeto do novo sistema. Modelo de Dados, Casos de Usos e Interface Gráfica do Sistema Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Guia do Cúram Verification

Guia do Cúram Verification IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 Nota Antes de usar essas informações e o produto

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Sistema Datachk. Documento de Requisitos. Versão <1.2> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s

Sistema Datachk. Documento de Requisitos. Versão <1.2> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s Documento de Requisitos Versão Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s 2010 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores 27/04/2010 1.0 Criação da primeira versão

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI Harley Caixeta Seixas Márcia Lúcia Borges de Melo Gomes Roberta A. de Mello Bezerra Silvana Dias Soares FERRAMENTA BIZAGI BPMN Business Process Modeling Notation

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço Adriano Alves da Silva 1, José Flávio Gomes Barros 2, Henrique Rocha Fontenele e Jean Carlo Galvão Mourão 3 1 Bacharel em Sistemas de Informação - Faculdade

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo NTI Núcleo de Tecnologia e Informação Fundação Unirg 1. Introdução A utilização da informática surgiu como uma ferramenta

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Controle de Viaturas por Pablo Wasculewsky de Matos Orientador: Prof. Me. André Vinicius

Leia mais

Portal Web para empresa de materiais de construção civil CasaMais

Portal Web para empresa de materiais de construção civil CasaMais Portal Web para empresa de materiais de construção civil CasaMais Gilberto Leonel Dias Pereira nº 26634 Trabalho realizado sob a orientação de: Professor João Paulo Ribeiro Pereira Informática de Gestão

Leia mais

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves 1, Jocimara Segantini Ferranti 1, Alexandre L Erário 1, Rogério

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema Cynthia Maria Silva de Barros Mestranda do PPGEE-PUC-Minas* cmsbarros@zipmail.com.br Carlos Alberto Marques Pietrobon Professor-Orientador

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais