CRB-6 EMPREENDEDORISMO. nforma CRB-6 BIBLIOTECÁRIOS EMPRESÁRIOS. ISSN X CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA 6º REGIÃO 16ª Gestão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRB-6 EMPREENDEDORISMO. nforma CRB-6 BIBLIOTECÁRIOS EMPRESÁRIOS. ISSN 1982-775X CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA 6º REGIÃO 16ª Gestão"

Transcrição

1 CRB-6 nforma CRB-6 a m r o f n I I ISSN X CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA 6º REGIÃO 16ª Gestão CRB6 Informa - Belo Horizonte - v.5 - n Sistema CFB CRB Sistema CFB// CRB CRB-6 Conselho Federal de Biblioteconomia Conselho Reginais de Biblioteconomia 16ª Gestão EMPREENDEDORISMO BIBLIOTECÁRIOS EMPRESÁRIOS Sistema CFB CONTAM SUAS TRAJETÓRIAS CRB-6 / CRB 16ª Gestão O BIBLIOTECÁRIO NO CONTEXTO CORPORATIVO BIBLIOTECAS: LEITURA E APRENDIZADO MOVIMENTO EU QUERO MINHA BIBLIOTECA CONTABILIZA MAIS DE 80 INSTITUIÇÕES MOBILIZADAS

2 2

3 PALAVRA DO PRESIDENTE Antônio Afonso Pereira Júnior, Presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia 6ª Região (CRB-6) CRB-6 Informa ISSN X Conselho Regional de Biblioteconomia 6ª Região Av. Afonso Pena, 867 Salas 1.110/1.111/1.112 Belo Horizonte - MG - CEP Telefones: (31) / Site: Blog CRB-6: Twitter: Facebook: Comitê Editorial e Coordenação de Número Álamo Chaves de Oliveira Pinheiro (CRB-6/2790) Antônio Afonso Pereira Junior (CRB-6/2637) É com muita satisfação que completamos um ano de gestão. Nesse período, os conselheiros da 16ª Gestão do Conselho Regional de Biblioteconomia 6ª Região (CRB-6) conseguiram aumentar o número de visitas de fiscalização, em relação aos últimos anos. Até outubro último, foram mais de 400 visitas fiscalizatórias. Isso é um recorde! Julgamos um número sem fim de processos de organizações públicas e privadas e instituições, que, na maior parte das vezes, resultaram na contratação de bibliotecários, em Minas Gerais e no Espírito Santo. Além disso, fortalecemos ainda mais nossa comunicação com a utilização do Blog CRB-6 e do Boletim Eletrônico semanal, agora com um novo desenho gráfico e interface amigável, além da atualização constante das nossas mídias Twitter e Facebook. Os trabalhos da Gestão são norteados pelo compromisso de trabalhar sempre com probidade e transparência, pautado pela ética profissional, garantindo o bom andamento das nossas ações, de modo que o nosso Conselho prospere e continue sendo referência em todo o sistema profissional brasileiro. Um de nossos principais objetivos é estreitar constantemente as relações institucionais com as empresas e as escolas de Biblioteconomia, além da própria comunidade bibliotecária, que deverá enxergar no CRB-6 um importante aliado, com objetivos comuns. Queremos vocês mais próximos do Conselho! Esta publicação destaca relatos de experiência do trabalho bibliotecário, dando ênfase ao empreendedorismo, um tema ainda pouco explorado em nossa área. Contamos com todos os bibliotecários, em especial os mineiros e capixabas, para que enviem artigos e textos literários para as próximas edições da revista CRB-6 Informa. Acompanhem também nossas mídias eletrônicas: Blog CRB-6, Twitter, Facebook e o Boletim Eletrônico enviado semanalmente aos profissionais com registro no Conselho. Enviem sugestões e comentários. Aproveitamos para desejar um feliz 2013 a todos. Muito obrigado e uma boa leitura! SUMÁRIO EDITORIAL Hugo Oliveira Pinto e Silva (CRB-6/2938) Jornalista: André Campos (17.362/MG) Editoração Gráfica: Limasoft Integradora de T.I. Ltda. Tiragem: exemplares Impressão: FUMARC Fevereiro de 2013 Sim, Biblioteconomia!...04 Bibliotecários empresários contam suas trajetórias...06 O bibliotecário no contexto corporativo...10 Comissão de Fiscalização do CRB-6 supera metas de trabalho e contribui para a valorização da profissão de Bibliotecário..14 Bibliotecas: leitura e aprendizado...16 Informatização do acervo e serviços do sistema integrado de blibiotecas do SENAI-MG...22 Lei /10: Movimento Eu quero Minha Biblioteca contabiliza mais de 80 instituições mobilizadas...26 CRB6 Informa - Belo Horizonte - v.5 - n

4 SIM, BIBLIOTECONOMIA! Brisa Pozzi de Sousa Bibliotecária do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES) e mestre em Ciência da Informação pela Universidade Estadual de São Paulo (UNESP/Marília). Alguém já ouviu uma criança dizendo: Quando crescer quero ser bibliotecário?. Famosos já transpareceram o desejo, como Keith Richards (guitarrista do Rolling Stones) e o Papa Bento XVI. E nós, bibliotecários, realmente queremos ser? Tal pergunta também me intriga e cada dia é um novo aprendizado, uma barreira ultrapassada, uma etapa vencida. A profissão, para alguns, não é um sonho de infância, contudo, o a vida pode nos direcionar a essa carreira e cabe a cada um saber aproveitar as oportunidades. Nesse sentido, nos perguntamos por que a profissão não tem visibilidade no mercado. Ah, se tivéssemos apenas uma resposta para essa questão... entretanto, isso não significa que precisamos deixar tudo como está. Sabemos que a amplitude de atuação do bibliotecário circunda a informação e achamos que ela está em um universo imaginário e distante de nós. Temos a informação convencional (registrada), presente em qualquer documento (num livro, artigo, numa norma, patente, dentre outras). Algumas vezes, temos objeção em remeter nossa análise bibliotecária de forma estratégica para agregar valor ao nosso trabalho. Se em bibliotecas temos a linguagem controlada, por que não utilizá-la? E os tesauros, pode-se aplicar esse instrumento no ambiente web! Se tratamos da temática folksonomia, será que nos esquecemos da antiga e velha linguagem natural? E as ontologias, poderíamos remeter nosso entendimento de classificação? E as políticas de indexação? Será que encontramos tudo o que precisamos de forma rápida e precisa no catálogo da biblioteca? Ou queremos replicar o caos na recuperação da informação do Google? Vejam, não é objetivo criticar nenhuma ferramenta de busca e o que seria de nós hoje sem a internet. Não podemos esquecer que as Bibliotecas (Sistemas de Informação, Centros de Informação e outras designações) são instituições responsáveis na aplicabilidade social do acesso à informação e temos ferramentas que nos auxiliam. A Biblioteconomia está inserida na área de Ciências Sociais Aplicadas. Antes de taxarmos a indexação, a classificação e os demais serviços executados pelo bibliotecário como atividades meramente de cunho técnico, vale a pena pensarmos o envolvimento da profissão com o tratamento intelectual da informação e sua disponibilização para uso. É um caminho de descobertas [para todos, inclusive pra mim] mesmo que não tenhamos planejado desde a meninice arrolar por esse trajeto. Podemos progredir e dividir com a área nossas descobertas. A vida lhe retribuirá! 4

5 CRB6 Informa - Belo Horizonte - v.5 - n

6 BIBLIOTECÁRIOS EMPRESÁRIOS CONTAM SUAS TRAJETÓRIAS O brasileiro é, por essência, um ser empreendedor. Não que o senso comum já não tivesse levantado essa característica. O reforço dessa qualidade parte do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP). Em pesquisa publicada em agosto de 2012, o Brasil ocupou o posto de terceiro maior país em número de empreendedores, com 27 milhões de trabalhadores envolvidos ou em processo de criação do tão sonhado negócio próprio. China e Estados Unidos ocupam, respectivamente, o primeiro e o segundo lugar. A bibliotecária e professora da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (ECI/UFMG), Vera Lúcia Furst Gonçalves Abreu (CRB-6/544), possui um conceito interessante para designar o perfil do empreendedor. O empreendedorismo é mais que uma habilidade. Para mim, se dá através da atitude. Ou seja, um alguém empreendedor é aquele que tem uma atitude propositiva em resposta às demandas da sociedade. E a partir dos seus mais de 30 anos dedicados ao ensino, a professora vê na formação pessoal o fator determinante para que homens e mulheres se lancem nessa atividade. Eu acredito que o empreendedorismo não está ligado, necessariamente, ao perfil profissional e sim a questões pessoais. Vejo isso, por exemplo, quando um aluno tem uma atitude prepositiva em resposta aos desafios. É o aluno que não fica preso aos livros. Não que a teoria não seja importante, a teoria faz parte da resposta, mas ele se levanta da cadeira para responder aos desafios, exemplifica. Assim, o profissional da Biblioteconomia, tendo a seu favor as habilidades de organização e planejamento, além da sua bagagem particular, endossa essa massa de líderes. Nesse sentido, várias são as possibilidades de empreender: consultoria e assessoria em informação, inteligência competitiva, gestão de documentos, produção de conhecimento por meio de publicações especiais, cursos em áreas diversas, dentre várias outras possibilidades que podem ser adaptadas ou construídas. Nos relatos apresentados a seguir, algumas dessas áreas de atuação serão apresentadas junto às histórias de bibliotecários empreendedores entrevistados pelo CRB-6. 6

7 DESDE A GRADUAÇÃO O empresário Júlio Vítor Rodrigues de Castro (CRB- 6/2565) percebeu na graduação uma oportunidade que, anos depois, se transformaria na prestadora de serviços CDM Gestão da Informação. Antes da conclusão do curso, no ano de 2004, o bibliotecário oferecia os serviços de digitação e normalização de trabalhos acadêmicos para graduandos e professores do Centro Universitário de Formiga (UNIFOR-MG) e da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Arcos, no Oeste de Minas Gerais. Durante o mestrado continuei executando estes serviços e comecei a visualizar outros espaços de atuação, onde a prestação de serviços era necessária como, por exemplo, a gestão de documentos e informação, comenta Castro. A formação da equipe CDM aconteceu em 2009 após a conclusão do mestrado. Segundo Castro, a descoberta da insatisfação de certas empresas e sindicados com as empresas presentes no mercado foi outro fator para a construção da CDM. Une-se a isso a experiência que Castro possui na criação de centros de documentação, memória e informação, organização de arquivos empresariais e automação de bibliotecas. A habilidade que o profissional bibliotecário dispõe, que considero nosso diferencial, é a habilidade de sistematização e organização das informações de mercado, aponta Castro. O empresário também destaca que a gestão de recursos tanto humanos quanto financeiros também é um saber que os bibliotecários têm a seu favor. RUA AFORA A bibliotecária e empresária capixaba Todeska Badke (CRB-6/1100) também atua na prestação de serviços de gestão da informação, além de promover eventos nessa área. Formalmente, ela atua nesse mercado desde Hoje, para manter uma rotina intensa ela recorre, por exemplo, ao uso das vitaminas C e magnésio. Eu não consigo ficar dentro de uma sala, não consigo gostar de rotina. Tem uma frase que eu acho o máximo: Erra quem está fazendo, que erro você vai cometer hoje?, exemplifica. Segundo ela, sua carreira como empreendedora começou nos tempos em que era empregada de um órgão público, em Vitória (ES), ao propor para o diretor da organização a criação de um centro de informação. E se no início o centro de informação do Instituto Jones dos Santos Neves contava com apenas três salinhas, segundo Todeska, hoje é considerada uma das mais importantes bibliotecas do Espírito Santo. Nesse período, ela também se dedicava a criação de projetos de gestão da informação, algo que seria profundamente importante algum tempo depois. O segundo passo foi dado em Belo Horizonte (MG). Literalmente, sem lenço e sem documento, Todeska deixou a estabilidade do trabalho em uma instituição de pesquisa mineira para criar a sua empresa, hoje chamada edoc Consultoria e Capacitação. Criei a empresa por conta da insatisfação com os processos burocráticos. Os meus colegas me questionavam: pra onde você vai? Então eu disse para o meu chefe: eu vou sair por ai vendendo os meus serviços, revela. Dessa forma, ao se dedicar a projetos de gestão da informação, além de manter o trabalho formal, Todeska se munia de conhecimentos e técnicas para criar o seu próprio empreendimento. Alia-se a isso o senso de observação do mercado de trabalho e o perfil inquieto da bibliotecária. Das conquistas desse trabalho, Todeska faz questão de ressaltar o reconhecimento que tem dos três filhos. São três homens. Um com 34 anos, outro com 27 e o último com 25 anos. Eles são meus fãs. Isso é o máximo. Atualmente, a edoc realiza eventos nas cidades de Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS), Salvador (BA) e Recife (PE). DESPRETENSIOSA Júnia Lessa (CRB-6/685) possui um perfil um pouco diferenciado, ao ser comparada com os empreendedores, digamos, mais tradicionais. O seu produto só foi lançado ao mercado após um período de adaptações e autocrítica. Em 1982, com a criação do setor de normalização bibliográfica da Biblioteca Central da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Júnia lidou com a tarefa de normalizar diversas dissertações e teses, o que requeria consultar, ao mesmo tempo, cerca de 20 normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). CRB6 Informa - Belo Horizonte - v.5 - n

8 Foi essa dificuldade o que levou a bibliotecária a estruturar o Manual para Normalização de Publicações Técnico-Científicas, que hoje está na sua 9ª edição. Eu precisava fazer alguma coisa para facilitar o meu trabalho, já que a demanda era grande e eu era a única funcionária do setor. Comecei então, de forma despretensiosa, a fazer anotações, colher exemplos e registrar tudo que pudesse me ajudar a melhorar o meu desempenho, revela. Assim como os outros profissionais citados, Júnia também acredita que o profissional bibliotecário possui certas características que podem ser usadas a favor do ato do empreender. A profissão do bibliotecário exige que ele seja curioso, estudioso, investigador e saiba buscar e partilhar informações, habilidades necessárias a um bom empreendedor. O bibliotecário tem em mãos uma ferramenta preciosa: a informação que, aliada à experiência, pode transformar algo comum em uma boa ideia, aponta. A partir das demandas vivenciadas enquanto professor no curso de Biblioteconomia, percebi que no contexto de Campo Grande, precisaríamos de alguma empresa especializada no tratamento da informação, conta Pereira. Pereira percebe no planejamento do negócio e na formação continuada caminhos que podem ser seguidos para a consolidação do negócio próprio. A partir de um bom plano de negócio o próprio empreendimento fica mais claro e possível de alcançar êxito. Outras necessidades informacionais, relacionadas ao empreendimento, naturalmente aparecerão, portanto, a formação continuada é indispensável nesse cenário competitivo, afirma. Graduado pelo Centro Universitário de Formiga (UNIFOR-MG), Pereira recebeu logo após a formatura convite para atuar como professor no único curso de Biblioteconomia do Mato Grosso do Sul, oferecido pelo Instituto de Ensino Superior da Fundação Lowtons de Educação e Cultura (FUNLEC). A falta de profissionais capacitados no mercado de Biblioteconomia foi outro fator que o levou a empreender. OUTRO LUGAR Rodrigo Pereira (CRB-1/2167) também percebeu no ambiente acadêmico a oportunidade de empreender. Como mestre em Biblioteconomia e professor no estado do Mato Grosso do Sul, Pereira notou que a cidade de Campo Grande precisava de uma empresa especializada no tratamento da informação. Dessa percepção surgiu a Triagem Consultoria, promotora de cursos e serviços na área da gestão da informação e conhecimento. 8

9 EMPREENDER TAMBÉM ENVOLVE CERTOS CUIDADOS. VEJA ALGUNS Pode não restar dúvida de que empreender é uma via de liberdade profissional. Mas certos cuidados devem ser tomados e os erros, calculados. Para se ter uma ideia, 48% das empresas existentes no Brasil, em 2010, fecharam as portas após três anos de existência. A apuração parte do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por meio do estudo Demografia das Empresas, divulgado em agosto de O Brasil contava com 4,5 milhões de empresas ativas em Cada um ao seu modo, os bibliotecários empreendedores entrevistados pela Comissão de Divulgação do CRB-6, repassaram certos cuidados que tomaram ao por em prática os seus negócios ou projetos. Com uma visão otimista, Rodrigo Pereira (CRB-1/2167), da Triagem Consultoria, acredita que empreender no campo da Biblioteconomia é se enveredar por caminhos de descobertas, oportunidades e possibilidades múltiplas, mas acrescenta que a formação continuada é indispensável nesse cenário competitivo e dinâmico. Júnia Lessa (CRB-6/685), após conseguir consolidar o Manual para Normalização de Publicações Técnico- Científicas como manual de referência para a classe bibliotecária, passou por outro desafio: adaptar o conteúdo do manual para o formato ensino à distância. Ou seja, ensinar normalização bibliográfica à distância exigiu da bibliotecária trabalho, estudo, planejamento, busca de parcerias, apoio institucional e muita confiança. Uma autocrítica era feita a todo o momento, pois para tornar público um trabalho que não nasceu com esse objetivo, eu me questionava se de fato aquele trabalho teria para o usuário a mesma utilidade que tinha para mim, acrescenta. INFLEXIBILIDADE Júlio de Castro (CRB-6/2565), da CDM Consultoria, por sua vez, critica certa inflexibilidade dos profissionais bibliotecários. Uma das características que me surpreendeu, ao se falar de mercado, veio do depoimento de clientes que já tiveram experiências anteriores com bibliotecários, onde a maior queixa é a inflexibilidade, afirma. O empresário acrescenta que um ponto importante a ser considerado pelos bibliotecários é a filosofia do servir sempre, o que torna uma empresa essencialmente em uma prestadora de serviços. A capixaba Todeska Badke (CRB-6 ES/1100) acrescenta, sem rodeios, que o empreendedor deve gostar de desafios, já que coisas inesperadas, numa infinidade de situações, acontecem em um empreendimento. Tem que sair da cadeira, estar aberto a aprender, gastar energia. Não é bonitinho, não é facinho, enumera a bibliotecária. CARACTERÍSTICAS O bibliotecário e empresário Júlio de Castro enumerou as características que considera necessárias ao empreendedor, listadas no quadro a seguir: Visão Persistência Dedicação Espírito de líder de si mesmo e de sua equipe Postura autodidata Conhecimento do Ramo Busca constante de novas informações Ser otimista e criativo Acompanhar o desenvolvimento dos concorrentes Saber correr riscos calculados Sempre buscar novas oportunidades Visualizar, plenejar e realizar um monitoramento sistemático das ações Ter ou desenvolver autoconfiança Estabelecer METAS (Mensuráveis, Específicas, Tempo para ser atingida e Atingível) por ANDRÉ CAMPOS CRB6 Informa - Belo Horizonte - v.5 - n

10 BIBLIOTECÁRIO NO CONTEXTO CORPORATIVO Livia Marangon Duffles Teixeira Mestre em Ciência da Informação e Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Contato: INTRODUÇÃO A atuação do profissional de biblioteconomia, apesar de diversas possibilidades dentro de um escopo mais definido ou ainda mais abrangente, depende exclusivamente de preparação adequada ao mercado de trabalho para o qual deseja se capacitar. Estamos dentro de bibliotecas, arquivos, centro de cultura, alinhados ao desenvolvimento de produtos da TI, e ainda, lidando com bens intangíveis que agregam valor a uma empresa e/ou organização: a informação corporativa. A informação e o conhecimento se configuram hoje como requisitos de excelência em gestão. O cenário em certificações de qualidade, como ISO, MEG e atendimento a SOX (dentre outros), demanda maturidade informacional das empresas, seja em aplicações diretas nas rotinas de trabalho ou em seu planejamento estratégico. E dentro dessa nova realidade, é possível enxergar o bibliotecário como peça fundamental para o desenvolvimento e manutenção dessa engrenagem. Bibliotecário? Profissional da informação? Analista de informação? Quem é esse profissional multifacetado, de formação definida e atuação variada? De forma bem específica, lidamos nesse momento com o bacharel em biblioteconomia, que se dedica, primordialmente, ao trabalho com a informação, seja no contexto físico, eletrônico, acadêmico ou corporativo. Não se configura como objetivo deste trabalho a preponderância de alguma atuação, uma vez que todas são essenciais para os fins aos quais se dedicam. No contexto apresentado, para a sustentabilidade de uma empresa frente à competitividade global, a manutenção de investimento de capital externo, e manutenção de certificados em processos de qualidade, surge mais uma oportunidade de trabalho para o bacharel em biblioteconomia. Desta forma, é necessário abordar a sua formação, algumas vezes mais direcionada à gestão de coleções e não à gestão de conteúdos que será apresentado a seguir, lidando mais objetivamente com a especificidade deste trabalho. FORMAÇÃO O mercado de trabalho exige criatividade para diagnosticar problemas, visão sistêmica para entender uma demanda e maturidade para sugerir melhorias, exigindo cada vez mais uma qualificação profissional de alto nível e boas noções de outras áreas do conhecimento que possam vir a ser correlatas. A competência informacional está no cerne do aprendizado ao longo da vida. Ela capacita as pessoas em todos os caminhos da vida para buscar, avaliar, usar e criar a informação de forma efetiva para atingir suas metas pessoais, sociais, ocupacionais e educacionais. É um direito humano básico em um mundo digital e promove a inclusão social em todas as nações. (FARIAS, VITORINO, 2009, p.11) Dentro deste ponto de vista, lidaremos com a angústia indicada pelas organizações, onde se pretende alcançar um nível de autoconhecimento através de fontes inicialmente não estruturadas. Geralmente essa demanda aparece em caráter emergencial, depois de alguma tentativa frustrada de trazer uma solução, como a implantação de um GED/ECM, da organização de um arquivo, de apoio à parametrização de um sistema de TI, um projeto de gestão do conhecimento

11 A concepção de um trabalho em gestão de recursos informacionais se baseia na premissa de que as fontes de informações disponíveis da organização precisam estar estruturadas para atribuírem sentido a um contexto. A simples mudança de suporte (como do físico para o eletrônico) não indica um bom caminho percorrido - e essa é a parte em que muitas vezes barramos a expectativa de um cliente ao sugerir cautela nesse processo. A grade curricular para atendimento de necessidade na formação do profissional para o contexto organizacional não se satisfaz plenamente na graduação, embora ofereça a base - noções conceituais - de gestão de recursos informacionais, estudos de usuários, aplicações de TI, gestão do conhecimento... É necessário expandir o ponto de vista, incluindo estudos de sistemas de gestão de qualidade, gestão de projetos, estratégia, sistemas de informação, arquivologia, mídias e suportes, legislação, sistemas normativos, modelagem de processos de negócios, arquitetura de informação dentre outros seja em cursos técnicos e/ou profissionalizantes, pós-graduação, especialização, listas de discussão, redes sociais, estudo autônomo ou em grupo, mestrado ou doutorado. GESTÃO DE DOCUMENTOS A gestão de documentos é uma aplicação direta dos parâmetros da arquivologia. Princípios da disciplina, como integridade, organicidade, proveniência, transparência e a teoria das três idades são o pilar da estrutura de um arquivo e/ou centro de documentação, assim como o primeiro passo para o trabalho com gestão de informações. ATUAÇÃO PROFISSIONAL A competência informacional aqui já possui um ponto de vista mais amplo, como apresentado por Taparanoff (2007) como um conjunto de competências colocado em ação ao trabalhar com a informação, podendo ser expressa pela expertise em lidar com o ciclo e as tecnologias da informação, e com os contextos organizacionais para tanto, é necessário desenvolver um corpo de conhecimento no nível de transmitir segurança ao cliente, ou seja, é fundamental ter ciência dos assuntos correlatos: possuir uma visão generalista desses enquanto a especialização é bem definida, aliando, conforme proposto por Durand (2000), o conhecimento (saber), a habilidade (saber fazer) e a atitude (saber ser). Uma característica positiva em não estar focado em um ponto de vista institucional para o desenvolvimento profissional é o constante monitoramento de demanda de mercado. E isso acontece quando entramos em contato com diferentes organizações que possuem demandas diferenciadas e necessidades específicas. Enfim, o que se pode relacionar como possibilidades de atuação nesse contexto já exposto? Para facilitar o ordenamento de exposição de ideias, dividiremos o conteúdo em: a) gestão de documentos, b) gestão de informações, e c) gestão do conhecimento. Embora pareça uma divisão sólida, trata-se de um processo único (de atuação do profissional em biblioteconomia) e de certa forma, linear, em que para o sucesso e segurança do próximo, o anterior precisa ter um histórico bem sucedido. CRB6 Informa - Belo Horizonte - v.5 - n

12 BIBLIOTECÁRIO NO CONTEXTO CORPORATIVO Art. 3º Considera-se gestão de documentos o conjunto de procedimentos e operações técnicas à sua produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento em fase corrente e intermediária, visando a sua eliminação ou recolhimento para guarda permanente. (LEI FEDERAL Nº DE 08 DE JANEIRO DE 1991) Trata-se de um trabalho onde serão originados instrumentos de gestão documental, como a Tabela de Temporalidade e Destinação - TTD, o Plano de Classificação Documental PCD, o Plano de Arquivo e Procedimento Técnico Documental PTD, que darão instruções de serviço para como proceder na manutenção da metodologia aplicada e nas alterações desses próprios documentos, uma vez que, o arquivo é uma unidade viva da empresa e novas tipologias documentais e novos processos de trabalho surgem a todo momento. É importante para a visão organizacional a implantação de uma metodologia única de gestão documental, onde é visualizada a identidade da empresa, conforme afirmado por Rodrigues (2010, p.40), onde ignorar os recursos arquivísticos na gestão informação orgânica pode significar a perda de informações relevantes no presente e no futuro. Metodologia é a palavra chave da gestão de documentos e deve ser difundida por toda sua estrutura de forma contínua, levando-se em consideração a otimização de espaços e recursos sem lançar mão da memória da empresa. GESTÃO DE INFORMAÇÕES A gestão de informações procede à gestão de documentos, uma vez que a segunda deve refletir a organização da primeira. A coleta, processamento, armazenagem e distribuição das informações são o cerne deste módulo, onde a sua análise e disseminação configuram como resultado do processo, além de indicar as fontes e sistemas de informação, definir modelos processuais e de workflow, pensar em possibilidades de integração entre os sistemas de TI. (...) é o conjunto estruturado de atividades que incluem o modo como as empresas obtêm, distribuem e usam a informação e o conhecimento. (DAVENPORT, 2000, p.173) Maiores habilidades em tecnologia são demandadas, seja em conhecimento aplicado e específico para desenvolvimento (ciência da computação), seja em conhecimentos práticos específicos. Os sistemas de informação mais trabalhados são o ERP (planejamento de recursos empresariais, CRM (Gerenciamento das relações com consumidores), SCM (Gerenciamento da cadeia de suprimentos), GED (Gestão Eletrônica de Documentos), ECM (Gestão de conteúdos), enfim, todo um macro sistema de tratamento e disponibilização da informação corporativa. Nesta etapa, já é possível visualizar o que sabe a empresa. Seus recursos informacionais estão estruturados (ou semiestruturados) e compõem o conhecimento organizacional, fonte indispensável para um projeto em gestão do conhecimento. GESTÃO DO CONHECIMENTO A gestão do conhecimento é um conceito muito discutido atualmente, com possibilidades práticas e estudos acadêmicos teóricos e empíricos. Sabemos que existem metodologias diferenciadas para a gestão do conhecimento, mas o que realmente difere é o olhar para o contexto favorável à sua capacitação - a gestão do conhecimento deve ser entendida como um processo contínuo e constante. O pilar desse trabalho é a memória organizacional, compreendida pelos processos de trabalho, documentos, suas 12

13 bases de dados, trocas de experiências, lições aprendidas, fórum de discussões e outros. O objetivo geral desta etapa é capturar o conhecimento tácito e explícito dos funcionários, definir e vincular termos e conceitos relacionados, manter a porta aberta para a contribuição voluntária, possibilitar a reutilização e compartilhamento de informações e principalmente criar novos conhecimentos. Os projetos em gestão do conhecimento são participativos, colaborativos, contínuos e fomentam a criação de novos conhecimentos. Ou seja, se baseiam principalmente na capacidade intelectual da empresa. Francini (2002, p.8) apresenta a fórmula do capital intelectual de uma empresa, mesmo se tratando de um item intangível: Capital Humano + Capital de Processos + Capital de Relacionamento + Capital de Inovação = Capital Intelectual Este ciclo que culmina na geração de novos conhecimentos não tem fim. É um processo cíclico dentro de uma abordagem sistêmica, que influencia a cultura organizacional e precisa trabalhar constantemente no sentido de sensibilizar e conscientizar da necessidade de participação contínua assim como o trabalho do bibliotecário como mediador e incentivador constante. CONSIDERAÇÕES FINAIS A primeira parte deste estudo fez uma introdução ao assunto, apresentando subsídios para a necessidade de se trabalhar com essa abordagem explicitada. A segunda parte nos trouxe uma perspectiva da necessidade do mercado, da formação acadêmica do bacharel em biblioteconomia e um ponto de vista de formação constante desse profissional, que precisa estar em sintonia com o mercado corporativo. Já a terceira parte nos apresenta a atuação prática, dentro de um processo completo para a gestão integrada de recursos informacionais. Não foi considerada a possibilidade de tratar de metodologias específicas já implantadas, tanto comerciais quanto acadêmicas, uma vez que, dentro do escopo apresentado, procurou-se estabelecer uma linha de raciocínio que pudesse vir a estabelecer e demonstrar a ação pontual do bacharel em biblioteconomia no contexto específico. O objetivo de se explicitar um modelo de atuação desse profissional dentro do contexto corporativo é a necessidade de apresentar esse escopo com especificidades muitas vezes não elucidadas no curso de graduação. A importância desse profissional se revela ao observar o impacto deste trabalho em indicadores de desempenho (tanto em baixa, quanto em alta), em redução de custos com armazenagem, em otimização de processos como agilidade em recuperação de informação, acesso a lições aprendidas, cases de sucesso, efetividade operacional e atendimentos a auditorias. A visão gerencial torna-se insumo indispensável para manter o trabalho alinhado às diretrizes da empresa, suas especificidades em sistemas de gestão e estratégia. Mais uma vez, o bibliotecário apresenta sua versatilidade para atuar profissionalmente, mostrando que suas ações fazem diferença para a empresa/instituição que reconhece o seu próprio conhecimento inerente àqueles que efetivamente nela trabalham. As organizações em constante aprendizado são aquelas que podem se projetar em visões e missões audaciosas, buscando liderança no mercado em que atuam. REFERÊNCIAS BRASIL. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências: Lei 8.159/91. DOU: Seção 1-09/01/1991, Página 455. DAVENPORT, T. Ecologia da informação. São Paulo: Futura, p. DURAND, T. L Alchimie de la compétence. Revue Française de Gestion, n.127, p , janv./febr FARIAS, C. M.; VITORINO, E. V. Competência informacional e dimensões da competência do bibliotecário no contexto escolar. Perspect. ciênc. inf., Belo Horizonte, v.14, n.2, p FRANCINE, W. S. A gestão do conhecimento: conectando estratégia e valor para a empresa. RAE-eletrônica, v.1, n.2, jul-dez Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/raeel/v1n2/v1n2a14.pdf>. Acesso em: 16 maio RODRIGUES, A. M. L. Os recursos da arquivologia na gestão da informação orgânica. Revista Fonte, n.10, p.39-40, dez Disponível em: <http:// Acesso em: 16 maio TAPARANOFF, K. Bibliotecários e as organizações: gestão da informação e do conhecimento para a tomada de decisão. JORNADA NORTE-NORDESTE DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5, 2007, Recife. Conferencias e Mesas Redondas... Recife: APBPE, Disponível em: <http://www.apbpe.org.br/v2/jornada5/palestras/bib_org. pdf>. Acesso em: 16 maio 2011 CRB6 Informa - Belo Horizonte - v.5 - n

14 Comissão de Fiscalização do CRB-6 supera metas de trabalho e contribui para a valorização da profissão de Bibliotecário. O Conselho Regional de Biblioteconomia 6º Região (CRB-6), através da sua Comissão de Fiscalização, mais uma vez, supera as metas estabelecidas. As atividades realizadas pela Comissão de Fiscalização do CRB-6 vem contribuindo sistematicamente para tornar o trabalho do profissional bibliotecário mais reconhecido nas diversas instituições públicas e privadas visitadas em todo Estado de Minas Gerais e no Espírito Santo. As instituições, ao serem fiscalizadas, se tornam mais conscientes da importância das bilbiotecas como núcleo estratégico para o desenvolvimento de suas atividades e da obrigatoriedade de um bacharel bibliotecário como profissional gestor de uma unidade de informação. Para avaliar a efetividade da Comissão de Fiscalização do CRB-6, destacamos que foram realizados, ao longo de 2012, 34 julgamentos de instituições em situação irregular (ou seja, instituições que não possuíam um bacharel em biblioteconomia atuando em suas bibliotecas e que, mesmo após o prazo dado para regularização, continuaram irregulares.). A seguir, um comparativo que mostra o aumento no número de julgamentos realizados no último quadriênio. ANO Jugamentos Diversas instituições julgadas foram multadas. Algumas estão com processos em andamento na Justiça e outras tantas já regularizaram a situação. É importante frisar que todo o processo fiscalizatório segue a resolução 033/2001 do Conselho Federal de Biblioteconomia que considera infrações às Leis 4.084/62, 9.674/98 e ao Decreto /65 condutas como o exercício da profissão de bibliotecário sem o devido bacharelado em biblioteconomia; a inexistência do profissional bibliotecário, como responsável técnico, junto a pessoas jurídicas e de direito privado que prestem serviços da área de Biblioteconomia; a contratação, admissão, nomeação ou posse de pessoa física ou jurídica sem o devido registro no CRB da região; e toda e qualquer conduta que venha obstruir e/ou dificultar o trabalho da fiscalização. Um ponto importante a ser destacado é o fato de diversas bibliotecas em situações irregulares, após serem fiscalizadas, terem contratado profissionais habilitados e o processo ter sido arquivado, portanto sem a necessidade de julgamento, ou de multa. Isso demonstra que a fiscalização realizada pelo CRB-6 não prima pela punição da instituição, mas sim pela verificação de irregularidades, favorecendo a abertura de mais vagas para bibliotecários. 14

15 Já no começo de 2013, a Comissão de Fiscalização do CRB-6 começou a enviar um ofício preventivo para os novos prefeitos que assumiram as prefeituras de Minas Gerais e do Espírito Santo. A intenção é alertar os novos gestores municipais sobre a legislação que regulamenta a profissão de bibliotecário, as atribuições do próprio Conselho e, principalmente, para destacar a importância das bibliotecas para o exercício da cidadania e desenvolvimento das comunidades no qual os municípios estão inseridos. Vale ressaltar a enorme extensão geográfica da jurisdição da 6º Região, que compreende todo o Estado de Minas Gerais e Espírito Santo, e as particularidades de cada instituição fiscalizada, sejam elas públicas ou privadas. Ainda assim, os trabalhos da Comissão de Fiscalização do CRB-6 deverão se intensificar nos próximos anos. Com os números apresentados e com as propostas e atividades que tem sido implementadas, o CRB-6 conclui que, apesar das dificuldades enfrentadas, principalmente no âmbito jurídico, os procedimentos fiscalizatórios estão alcançado grandes conquistas. Esperamos que, a cada nova biblioteca fiscalizada, tenhamos um bibliotecário em atuação como determina a Lei, possibilitando não somente a valorização e a dignificação da profissão, mas a defesa da sociedade dos maus profissionais, que é a grande razão de ser dos conselhos profissionais. PROCEDIMENTO FISCALIZATÓRIO TOTAL: Visitas realizadas 439 Visitas realizadas em Belo Horizonte 184 Visitas realizadas no interior de Minas Gerais 219 Visitas realizadas no Espirito Santo 36 Autos de infração 32 Fiscalização preventiva 19 Fiscalização através de Carta de Regulamentação 110 Questionamentos de concursos públicos 20 Bibliotecários fiscalizados 427 Bibliotecários irregulares (sem registro, com registro em outro CRB ou registro cancelado) 12 Bibliotecário que regularizam a situação 06 Julgamentos 34 Texto: Lúcio Alves Tannure (CRB-6/2266) Revisão: Álamo Chaves de Oliveira Pinheiro (CRB-6/2790) Comissão de Fiscalização Mariza Martins Coelho (CRB-6/1637) Coordenadora Álamo Chaves de Oliveira Pinheiro (CRB-6/2790) Cleidivânia Janaína de Paula (CRB-6/1870) Bibliotecários Fiscais Lúcio Alves Tannure (CRB-6/2266) Orfila Maria Mudado Silva (CRB-6/745) CRB6 Informa - Belo Horizonte - v.5 - n

16 BIBLIOTECAS: LEITURA E APRENDIZADO Ana Carolina Sobral Discente do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Contato: Ana Letícia de Coimbra Discente do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Contato: Caroline Soares Discente do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Contato: Edilene M. da Silva Docente do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Registro: CRB-4/1391. Contato: Juliana Albuquerque Discente do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Contato: Micaelle Veríssimo Discente do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Contato: 16

17 INTRODUÇÃO Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros mudam as pessoas. Mário Quintana As bibliotecas comunitárias surgem como importante fenômeno social e se propõem a organizar espaços que promovem educação, cultura e lazer por meio de atividades literárias, oficinas e eventos. Elas emergem como alternativa para integrar a comunidade em torno de atividades culturais e literárias, propiciando meios para que o indivíduo exerça o seu direito a leitura e escrita, e assim exerça sua cidadania. No entanto, todo o esforço despendido para organizar a biblioteca, recolher materiais bibliográficos, montar espaços físicos e desenvolver atividades se depara com as limitações técnicas, formativas e financeiras da equipe gestora desses espaços. Estes equipamentos culturais denominados bibliotecas comunitárias são assim nomeadas por serem organizadas e geridas pela própria comunidade de acordo com suas necessidades. Em geral, estes espaços resultam de iniciativas individuais, ou seja, moradores da comunidade sensíveis à questão da leitura e da escrita que desejam transformar sua realidade marcada por problemas como a violência, drogas, desemprego e precariedade de serviços públicos de saúde, educação e cultura. Estas iniciativas começam despretensiosamente recolhendo livros e dispondo-os em algum espaço. Contudo, os idealizadores desses espaços percebem que somente ter os livros disponíveis nas estantes não garante a formação de leitores. Estes espaços têm a necessidade de desenvolver atividades que estimulem o ato da leitura e escrita, para atrair as pessoas para o novo e a reflexão, e desta forma provocar mudanças. A cidade do Recife conta com muitas bibliotecas comunitárias, e apesar de algumas semelhanças, comportam características e problemas singulares. Em visitas e conversas realizadas com as comunidades do Poço da Panela e Alto José Bonifácio, ao longo do ano de 2011, constatou-se que estes espaços apresentam dificuldades em organizar, recuperar e preservar o acervo atividades técnicas próprias da área de Biblioteconomia além de problemas espaciais internos (ventilação, iluminação, mobiliário), de edificação, e o entorno do espaço urbano, que fragilizam o desenvolvimento das atividades mencionadas. Nesse sentido, o presente artigo relata os resultados iniciais das atividades desenvolvidas entre os meses de fevereiro e agosto do corrente ano, do projeto de extensão Requalificação das Bibliotecas Comunitárias do Poço da Panela e Amigos da Leitura, realizado por discentes e docentes do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Pernambuco. A Biblioteca Comunitária do Poço da Panela, aberta em 2011, tem um número significativo de livros. Esta biblioteca está sendo beneficiada com o tratamento técnico do acervo e desenvolvimento de oficinas de contação de histórias. Já a Biblioteca Comunitária Amigos da Leitura situada no Alto José Bonifácio, inaugurada em 2003, acumula numeroso acervo e experiência com atividades culturais. Contudo, a equipe precisa de formação para desempenhar as atividades de descrição e recuperação de acervo, atendimento ao usuário e atividades literárias. A Biblioteconomia pode contribuir com a qualificação desses espaços por meio dos conhecimentos sobre gestão de unidade de informação, organização, representação, recuperação e acesso à informação. A atuação de professores e alunos permite que a teoria discutida em sala de aula seja experienciada nestes locais e, por conseguinte, proporciona aos alunos aprendizado diferenciado, por meio do contato com a realidade que exige criatividade, flexibilidade, audácia e persistência para solucionar problemas. Estas bibliotecas se constituem em uma oportunidade laboratorial onde a permuta de conhecimento entre alunos e comunidade gerará capital intelectual diferenciado. Igualmente, as comunidades são beneficiadas pela reorganização do acervo, atividades e espaço, e as equipes gestoras pela autonomia pro- CRB6 Informa - Belo Horizonte - v.5 - n

18 porcionada pela troca de informação e experiência com os alunos e professores. A apropriação de conhecimento pelas equipes gestoras oportuniza a compreensão do fazer e as qualifica para elaboração e explicitação dos objetivos, metas e missão das bibliotecas contribuindo assim, para a formulação de projetos e possível submissão de editais públicos. Espera-se melhorar a qualidade dos serviços prestados pelas bibliotecas à comunidade e, consequentemente, na vida dos indivíduos. Por fim, reconhece-se a Extensão como o momento em que a universidade ultrapassa as fronteiras físicas e faz com que o conhecimento produzido e sistematizado possa se converter em práticas e produtos sociais reelaborados por alunos e comunidades. ESTRATÉGIAS DE AÇÃO As ações propostas no projeto envolvem duas vertentes: a qualificação técnico-teórica da equipe gestora da biblioteca e o desenvolvimento da mediação de leitura. 1. A qualificação técnica refere-se à compreensão teórica e prática dos processos de registro, classificação e catalogação do acervo, formação e desenvolvimento de coleção e gestão de biblioteca. 2. Mediação de leitura literária visa estimular a leitura em crianças e adolescentes por meio da leitura literária e da confecção de livros escritos e ilustrados pelo próprio público. A equipe coordenadora da biblioteca e os alunos da universidade realizam quinzenalmente reuniões para discutir as práticas existentes e eleger as necessidades mais prementes e possíveis soluções. As atividades técnicas e de contação de histórias se relacionam com o ensino por meio da utilização dos conteúdos ministrados em disciplinas como: formação e desenvolvimento de coleções, estudo do usuário, representação temática e descritiva, gestão de bibliotecas e mediação cultural. Isso resulta em impacto positivo na formação do aluno e na reelaboração do conteúdo que retorna a universidade. Todas as atividades são discutidas por pesquisadores e participantes, de forma que o equacionamento do problema se configure como oportunidade de entendimento das necessidades, estudo e prática simultaneamente. A prática da pesquisa é estimulada em todas as fases do projeto por meio de pesquisa bibliográfica, leitura e discussão dos textos e sistematização de relatórios e artigos. A partir dos encontros com as equipes gestoras iniciou-se um período de pesquisa, estudo e construção conjunta de um documento que detalha os processos de formação e desenvolvimento de coleções, classificação e catalogação. Essas informações foram incorporadas ao Manual de Procedimentos das bibliotecas. Posteriormente, serão desenvolvidas pesquisas sobre estudo do usuário e atividades literárias, bem como estratégias de divulgação do acervo e conquista de novos usuários. 18

19 RESULTADOS Os resultados são apresentados considerando 3 eixos: Alunos (aprendizado), Biblioteca (prestadora de serviço) e comunidade (atividades e benefícios). Para os alunos a oportunidade de associar a teoria à prática, por meio do exercício contínuo de revisar, escolher e expor os conteúdos referentes aos processos técnicos e organizacionais pertinentes à gestão de acervose da biblioteca às equipes gestoras. Esta associação proporciona a reelaboração do conhecimento enriquecido com a prática e troca de experiência entre alunos e equipes gestoras das bibliotecas comunitárias. Estimula a pesquisa em outras áreas, como por exemplo, conceitos e gêneros da literatura infantil e juvenil e contação de histórias. O projeto se propõe a potencializar os serviços ofertados pelas bibliotecas por meio da reorganização do acervo, criação ou readequação de instrumento de gestão e de estudo do usuário, tais como, manuais, questionários e formulários. Isso implica em compreensão mais ampla das funções da biblioteca e da qualidade do serviço e acervo que se coloca à disposição da comunidade. Os resultados surgem paulatinamente, com o aumento da frequência do público e visibilidade da biblioteca como espaço de convivência e aprendizado. Já a comunidade pode contar com espaços mais adequados para a convivência e o desenvolvimento ou experimentação de atividades de estímulo à leitura literária integrada a outras artes. DISCUSSÃO De acordo com Castrillón (2011, p. 22) em primeiro lugar, é para a educação que se deve dirigir a maior parte dos esforços e, em segundo, são as bibliotecas os meios para a democratização do acesso, desde que nelas se produzam, também, importantes informações. Isto implica melhorias às duas instituições escola e biblioteca a proposta do projeto se coaduna com esse pensamento, pois preocupa-se com uma educação superior diferenciada e com as bibliotecas locais de troca, disseminação e acesso ao conhecimento produzido. As políticas públicas brasileiras voltam-se geralmente para a aquisição de livros para bibliotecas, mas apenas os livros não bastam para formar leitores, pois o instrumento não pode ser manuseado por quem o desconhece. Afinal, a promoção da leitura depende de espaços de leitura ou bibliotecas adequadas para a guarda da coleção, acolhimento do usuário e desenvolvimento de atividades de mediação e disseminação da informação (FERREIRA, 2011). O manifesto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) para bibliotecas públicas, publicado em 1994, em cooperação com a Federação Internacional das Associações e Instituições Bibliotecárias (IFLA), estabelece que a biblioteca pública é o centro local da informação, tornando prontamente acessível aos seus utilizadores o conhecimento e a informação de todos os gêneros. As bibliotecas são por excelência os locais onde o conhecimento e a informação são preservados, disseminados e (re)produzidos pelos indivíduos. As bibliotecas comunitárias caracterizam-se como públicas, ou seja, espaços que proporcionam acesso livre ao conhecimento, e carregam a missão de promover o acesso livre à informação e cultura. Compreende-se que este acesso deve ser um ato dialético que envolve a disseminação e apropriação, portanto, disseminar e apropriar-se só existem juntos e isto implica em disponibilizar a informação e desenvolver competência nos indivíduos para produção de novos conhecimentos. É importante frisar que este projeto de extensão evidencia uma visão diferenciada do papel do bibliotecário, observando sua função como educador, quando desenvolve a mediação da leitura literária promovendo a formação não só do leitor, mas de um cidadão capaz que reconhecer seu papel na sociedade. CRB6 Informa - Belo Horizonte - v.5 - n

20 CONCLUSÃO Apesar de embrionário, pode-se perceber como tem sido importante, tanto para os pesquisadores quanto para as equipes gestoras, esta intervenção nos espaços das bibliotecas comunitárias. A troca de experiências entre a academia e a comunidade, revela a oportunidade de colocar em prática toda a teoria que costuma ser apenas apresentada, e consegue ir além, quando se trata de aprender a lidar com uma realidade distinta deixando de observar e analisar de longe, para aproximar-se do objeto estudado e tornar-se parte também deste estudo. Atuar em bibliotecas comunitárias representa a oportunidade de exercer a Biblioteconomia de forma diferenciada e empreendedora. Pois, proporciona a revisão, adaptação e inovação dos processos, métodos e técnicas ensinadas nas universidades. A experiência tem revelado a necessidade de revisar os conteúdos repassados no curso, mas também nossa postura diante da realidade tão distante da academia. Estes primeiros meses proporcionou aos alunos e professor a revisão de conteúdos, de olhares, de percepção e por que não de mitos. Esses espaços devem ser encarados como um nicho de mercado profissional, onde o bibliotecário pode atuar e realizar-se profissional e pessoalmente. Atualmente, existe financiamento para atividades de leitura e bibliotecas por meio de editais lançados pelo Ministério da Cultura e Fundação de Cultura de Pernambuco. O problema reside na falta de qualificação de profissionais e comunidade para apresentar projetos que atendam os critérios exigidos pelos órgãos. Quanto às equipes gestoras, percebe-se que o engajamento é cada vez maior, o que corrobora com a ideia de que esses espaços, muitas vezes esquecidos, precisam da participação e colaboração de profissionais e pesquisadores que se proponham a repassar e apreender conhecimentos para ampliar o leque de atuação. REFERÊNCIAS CASTRILLÓN, S. O direito de ler e escrever. São Paulo: Pulo do Gato, FERREIRA, I. C. Políticas públicas para bibliotecas públicas: um desafio para governo e sociedade f. Monografia (Graduação em Biblioteconomia) - Departamento de Ciência da Informação, CAC, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, MANIFESTO DA UNESCO sobre bibliotecas públicas (1994). IFLA Journal, [s.l.], v.21, n.1, Disponível em: <http://archive.ifla.org/vii/s8/unesco/ port.htm>. Acesso em: 28 jun

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX Aprova o Projeto Acadêmico CECANE/UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua xxxx reunião ordinária, realizada em xxx de xxx de 2011, no uso de

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB): IDEALIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E ATIVIDADES REALIZADAS. Mariana de SenziZancul (Docente do Núcleo de Educação

Leia mais

A PRÁTICA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO II e III NA BIBLIOTECA DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL DO CEARÁ SENAC-CE

A PRÁTICA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO II e III NA BIBLIOTECA DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL DO CEARÁ SENAC-CE XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A PRÁTICA DO ESTÁGIO

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

ESTÁGIO: TREINANDO E DESENVOLVENDO HABILIDADES - UM RELATO DA EXPERIÊNCIA NA BIBLIOTECA SESI

ESTÁGIO: TREINANDO E DESENVOLVENDO HABILIDADES - UM RELATO DA EXPERIÊNCIA NA BIBLIOTECA SESI Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - ESTÁGIO: TREINANDO E DESENVOLVENDO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos.

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos. BACHARELADO Administração O curso de Administração tem como objetivo formar profissionais que poderão atuar como executivos, técnicos em funções administrativas e/ou empreendedores, com capacidade de alinhar

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS

INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS BARÃO DE MAUÁ - IEBM TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE GESTÃO DE NEGÓCIOS. Contatos Domingos Sávio de Carvalho (Gerente Operacional do Projeto)

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 1: resumo expandido de comunicação científica A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA: UMA ANALISE

Leia mais

Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP

Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP 27 Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP Andréia Gonçalves Silva Bibliotecária do escritório Lazzareschi Advogados Docente da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência

Leia mais

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO Eliany Alvarenga de Araújo' 1 1 - INTRODUÇÃO Inicialmente eu gostaria de agradecer a Comissão Organizadora do 15 Painel Biblioteconomia em Santa Catarina,

Leia mais

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor Missão Promover e realizar ações que contribuam para a melhoria da qualidade da educação pública e que fomentem o desenvolvimento social de comunidades de baixa renda. Visão Ser referência como fundação

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

LETRAMENTO INFORMACIONAL: formação do leitor na biblioteca escolar. Palavras-chave: Letramento informacional. Biblioteca escolar. Leitura.

LETRAMENTO INFORMACIONAL: formação do leitor na biblioteca escolar. Palavras-chave: Letramento informacional. Biblioteca escolar. Leitura. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 LETRAMENTO INFORMACIONAL:

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade A BUSCA CONTÍNUA DA EXCELÊNCIA DA GESTÃO É O QUE NOS MOVE! A Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) é uma instituição sem fins lucrativos, que conta com uma rede

Leia mais

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO Universidade Corporativa Ministério da Fazenda Responsável: Margareth Alves de Almeida - Chefe

Leia mais

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho ANEXO II PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho Manutenção Evolutiva Modelo: 4.0 Sistema Indústria, 2008 Página 1 de 18 Histórico da Revisão Data Descrição Autor 06/12/2007 Necessidades para atualização

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS

TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS Ariane Mileidi Pazinato; Neuza Terezinha Oro; Eliamar Ceresoli Rizzon; Maria Elene Mallmann; Josiane Muller; Adriano Canabarro Teixeira; Jaqueline

Leia mais

A minha missão é potencializar resultados e promover o desenvolvimento humano com a socialização dos saberes

A minha missão é potencializar resultados e promover o desenvolvimento humano com a socialização dos saberes DALMIR SANT'ANNA TREINAMENTOS LTDA AVENIDA NEREU RAMOS, 897 CENTRO 88.380-000 BALNEÁRIO PIÇARRAS SC APRESENTAÇÃO Espero que este material, ao chegar em suas mãos e de sua equipe de trabalho, encontrem

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 25/07/2012-16:17:54 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

FUNDAÇÃO TELEFÔNICA: EDUCAÇÃO INOVATIVA

FUNDAÇÃO TELEFÔNICA: EDUCAÇÃO INOVATIVA FUNDAÇÃO TELEFÔNICA: EDUCAÇÃO INOVATIVA INOVAÇÃO EDUCATIVA FOCO DE ATUAÇÃO DA FUNDAÇÃO TELEFÔNICA VIVO INOVAÇÃO EDUCATIVA VISÃO_ Conectando pessoas e instituições podemos transformar o futuro, tornando-o

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 Palestras informativas Promover ações educativas para a promoção do voluntariado transformador. Mobilizar voluntários. Toda a comunidade de Curitiba e Região Metropolitana

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais