Relatório. 2. Transcrevo a instrução da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação - Sefti (peça 17):

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório. 2. Transcrevo a instrução da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação - Sefti (peça 17):"

Transcrição

1 GRUPO I CLASSE VII Plenário TC / Natureza: Representação Entidade: Companhia Brasileira de Trens Urbanos - MCidades Advogado constituído nos autos: não há SUMÁRIO: REPRESENTAÇÃO. CBTU. PROCESSO LICITATÓRIO PARA AQUISIÇÃO DE SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. OITIVA DO RESPONSÁVEL. SUSPENSÃO DO PREGÃO PELA CBTU. CRITÉRIOS PARA HABILITAÇÃO TÉCNICA RESTRITIVOS À COMPETIÇÃO. AUSÊNCIA DE JUSTIFICATIVAS PARA A LICITAÇÃO DE SERVIÇOS INDEPENDENTES EM LOTE ÚNICO. CONHECIMENTO. PROCEDÊNCIA. ANULAÇÃO DO EDITAL. DETERMINAÇÕES, RECOMENDAÇÕES E COMUNICAÇÃO. ARQUIVAMENTO. Relatório Trata-se de representação formulada por licitante em razão de possíveis irregularidades no pregão eletrônico para registro de preços 4/2013-Galic/CBTU, promovido pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). 2. Transcrevo a instrução da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação - Sefti (peça 17): INTRODUÇÃO Cuidam os autos de representação (peça 1) a respeito de possíveis irregularidades ocorridas na condução do Pregão Eletrônico para registro de preços 4/2013-Galic/CBTU, promovido pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), Sociedade de Economia Mista vinculada ao Ministério das Cidades, com o seguinte objeto (peça 4, p. 1): (...) licenças de uso de software para a informatização dos fluxos de trabalho e do fluxo interno de documentos eletrônicos assinados digitalmente com uso de certificados digitais, prestação de serviços de digitalização de documentos com composição de livro eletrônico registrável em cartório de registro de títulos e documentos, aquisição de certificados digitais ICP-Brasil e não ICP-Brasil, com solução de gerenciamento de certificados digitais (PKI Gerenciada), bem como serviços de consultoria para o período de implantação e pósimplantação, incluindo suporte técnico, configuração, customização, treinamento, manutenção do software e atualização de versão, destinados à CBTU, conforme especificado no Termo de Referência. (grifou-se) 2. De acordo com a representação (peça 1, p. 2), o valor estimado da contratação alcança o montante de R$ ,50, com as etapas de recebimento de propostas e de lances programadas para 10/5/ Na visão da representante, o edital contém cláusulas que restringem a competitividade do certame, em face de exigência de comprovação de qualificação técnica supostamente ilegal e da aglutinação de itens independentes em um único lote de adjudicação, tornando necessária a adoção de medida cautelar por parte do Tribunal de Contas da União (TCU) com a finalidade de suspender os atos da licitação até que haja a apreciação de mérito das questões suscitadas. 4. Após análise preliminar (peça 10), a SecexEstataisRJ concluiu pela admissibilidade da peça como representação, com fundamento no inciso VII do art. 237 do RI/TCU c/c o art. 113, 1

2 1º, da Lei 8.666/1993, pela realização de oitiva prévia da CBTU, e pelo encaminhamento dos autos à esta Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação (Sefti), tendo em vista a exigência de conhecimento técnico em Tecnologia da Informação para análise do certame e, consequentemente, a atuação da Sefti (peça 10, p. 11). Em seu despacho (peça 13), o Ministro- Relator já determinou o conhecimento do feito (peça 11, p. 8, item 9), e endossou a análise efetuada pela unidade técnica. 5. Com efeito, a Sefti promoveu a oitiva prévia determinada por meio do Ofício 0186/2013-TCU/Sefti, de 4/6/2013 (peça 14), cuja resposta encontra-se acostada à peça 15 destes autos. 6. Registre-se, ainda, que o pregão eletrônico encontra-se suspenso desde 15/5/2013, logo após o recebimento das propostas de preços, que se deu em 10/5/2013, por decisão própria da estatal, uma vez que a Companhia estaria aguardando estudo e apresentação de respostas aos pedidos de esclarecimentos e impugnações, inclusive às informações solicitadas por este Tribunal de Contas da União (...) (peça 3, p. 3). Por fim, em resposta à oitiva, a CBTU confirmou a situação e ainda afirmou que suspendeu o referido Processo Licitatório para proceder com as adequações necessárias ao Edital (peça 15, p. 1). EXAME TÉCNICO 7. Preliminarmente, registre-se que a representação já foi conhecida por meio do Despacho do Ministro-Relator (peça 13, p. 8, item 9), por preencher os pressupostos previstos na Lei 8.666/1993, art. 113, 1º c/c RITCU, art. 267, inciso VII, e art. 235, caput. 8. Para melhor compreensão do objeto da licitação em tela e da tese da empresa representante, é importante destacar, como já feito na instrução preliminar, os principais conceitos de tecnologia envolvidos neste processo. 9. O objeto do pregão reveste-se de características de solução para gerenciamento eletrônico de documentos com controle de fluxo, conhecido no mercado como ECM (Enterprise Content Management). Além das licenças do sistema propriamente dito, a CBTU pretende adquirir no mesmo item da licitação o serviço de digitalização de documentos e certificados digitais, tanto do tipo ICP-Brasil quando do tipo não ICP-Brasil. 10. A Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil) foi instituída pela Medida Provisória , de 24 de agosto de 2001, para garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica, das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações eletrônicas seguras. 11. De acordo com o sítio eletrônico (www.iti.gov.br) do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), autarquia federal vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil) é uma cadeia hierárquica e de confiança que viabiliza a emissão de certificados digitais para identificação virtual do cidadão. O modelo adotado pelo Brasil foi o de certificação com raiz única, sendo que o ITI, além de desempenhar o papel de Autoridade Certificadora Raiz (AC-Raiz), também tem o papel de credenciar e descredenciar os demais participantes da cadeia e de supervisionar o sistema. 12. De acordo com as definições contidas na citada medida provisória e com o sítio eletrônico do ITI, a ICP-Brasil é composta pelos seguintes entes: AC-Raiz: É a primeira autoridade da cadeia de certificação. É o próprio ITI. Executa as Políticas de Certificados e normas técnicas e operacionais aprovadas pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil. Portanto, compete à AC-Raiz emitir, expedir, distribuir, revogar e gerenciar os certificados das autoridades certificadoras de nível imediatamente subsequente ao seu. (...) AC (Autoridade Certificadora): (...) É uma entidade, pública ou privada, subordinada à hierarquia da ICP-Brasil, responsável por emitir, distribuir, renovar, revogar e gerenciar certificados digitais. Tem a responsabilidade de verificar se o titular do certificado possui a 2

3 chave privada que corresponde à chave pública que faz parte do certificado. Cria e assina digitalmente o certificado do assinante, onde o certificado emitido pela AC representa a declaração da identidade do titular, que possui um par único de chaves (pública/privada). (...) AR (Autoridade de Registro): (...) É responsável pela interface entre o usuário e a Autoridade Certificadora (AC). Vinculada a uma AC, tem por objetivo o recebimento, validação, encaminhamento de solicitações de emissão ou revogação de certificados digitais e identificação, de forma presencial, de seus solicitantes. É responsabilidade da AR manter registros de suas operações. Pode estar fisicamente localizada em uma AC ou ser uma entidade de registro remota. (...) 13. Superada a etapa de conceituação inicial, passa-se à fase de análise da representação. Para a realização da análise, foram examinados o documento contendo a representação (peça 1), a mensagem eletrônica de esclarecimento enviada ao TCU pela CBTU (peça 3), a versão completa do edital (peça 4) e do termo de referência (peça 5), os pareceres do processo de contratação (peça 6) e as impugnações ao edital (peça 7). 14. A argumentação da representante pode ser dividida em três pontos, para fins de organização da análise, os quais serão abordados na sequência. Ponto I Da exigência de comprovação de ser a licitante integrante da ICP-Brasil, com capacidade para emitir ce rtificados digitais Argumentação da representante 15. A representante sustenta (peça 1) que o subitem do edital do Pregão Eletrônico 4/2013-Galic/CBTU e o item 20 do Termo de Referência restringem indevidamente a competitividade do certame ao exigirem, relativamente à capacidade técnica, a comprovação de que o licitante é parte integrante da ICP-Brasil, com capacidade para emitir certificados digitais ICP-Brasil. 16. De acordo com a representante (peça 1, p. 3), dentre as empresas habilitadas a emitir certificados digitais ICP-Brasil, apenas o Serasa e a Certisign são privadas, sendo que todas as outras entidades habilitadas como autoridades certificadoras pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (www.iti.gov.br) seriam públicas, a saber: Caixa Econômica Federal (CEF), Presidência da República, Receita Federal do Brasil (RFB) e Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). Além disso, a empresa Certisign seria a única no mercado que poderia atender a todo o objeto do certame, posto que somente ela possuiria, ao mesmo tempo, certificação ICP-Brasil, com capacidade para certificação digital, e sistema de digitalização de documentos (GED) com composição de livro eletrônico registrável em cartório de registro de títulos e documentos, ambos requisitos do edital em foco. 17. A exigência de capacidade técnica associada ao fato de que o objeto do certame se restringe a um único lote, o qual visa à contratação de empresa que, dentre outros serviços, possa digitalizar documentos com composição de livro eletrônico registrável em cartório de registro de títulos e documentos e que possua certificação digital ICP-Brasil, acabaria por restringir a competitividade do certame de maneira indevida (peça 1, p. 3). 18. Como já analisado na instrução preliminar (peça 10), para sintetizar a tônica da representação, transcreve-se o seguinte excerto (peça 1, p. 4): É de inequívoco conhecimento que o serviço de digitalização de documentos com composição de livro eletrônico registrável em cartório de registro de títulos e documentos tratase de um serviço prestado atualmente por inúmeras empresas no Brasil, de modo que se a licitação fosse separada em lotes não haveria de se cogitar qualquer restrição à competitividade do certame, posto que haveria plena concorrência quanto à certificação ICP-Brasil, já que tanto o Serasa quanto a Certisign possuem tal certificação, bem como quanto ao serviço de digitalização de documentos com composição de livro eletrônico registrável em cartório de registro de títulos e documentos, pois tanto a Certisign como inúmeras outras empresas no Brasil também prestam tal serviço. 3

4 19. Por fim, a representante defende que o art. 30 da Lei 8.666/1993 estabelece exaustivamente, por intermédio do seu 5º, as exigências relativas à qualificação técnica, não existindo em tal rol a certificação em questão, motivo pelo qual considera ilegal sua exigência (peça 1, p. 5). A fim de fundamentar essa conclusão, elenca alguns entendimentos doutrinários e jurisprudenciais sobre a matéria (peça 1, p. 5-7). 20. Registre-se que foi observado que este mesmo ponto foi atacado nas impugnações ao edital feitas pelas empresas Sistematech Informática Eireli ME (peça 7, p. 1-7), Prodimage Tecnologia em Documentação Digital Ltda (peça 7, p. 8-18) e I Dois Imagens Inteligentes Publicidade Digital Ltda (peça 7, p ). Resposta da CBTU 21. Em resposta à mensagem eletrônica enviada pela SecexEstataisRJ (peça 2), a CBTU já havia informado que (peça 3, p. 3): Os pedidos de impugnação apresentados abordam esta exigência e as respostas estão sendo elaboradas para apresentação, com a entrega de cópia para o TCU. Inicialmente, entendemos correta e necessária a exigência em razão de existirem no mercado empresas que hipoteticamente atendem todos os itens e porque o fornecimento de certificados digitais deverá ser feito de forma contínua durante sua execução, tornando necessária a sua entrega de forma a não impactar no andamento do projeto. Inicialmente serão utilizados pelo departamento jurídico das 5 (cinco) unidades da CBTU, fato que pode comprometer seu andamento por empresa que se obrigasse a fazer a entrega deste item em separado. Além dos problemas de integração que a diversidade de mídias armazenadoras de certificados digitais poderia causar nos sistemas adquiridos, gerando problemas, inclusive de cunho jurídico ao se cuidar das questões de garantia dos itens fornecidos por fornecedores diferentes. Entendemos não haver óbice legal na licitação na forma como foi lançada pelos próprios termos da justificativa técnica. Consideramos que não há restrição na competitividade em função da existência de várias empresas qualificadas para disputar o certame. (...) (...) Existe no mercado nacional empresas de TI que são partes integrantes da ICP-Brasil e que têm potencial para a participação neste edital. Porém, a principal avaliação que foi feita considera as necessidades da CBTU em ter um fornecimento de qualidade e que atenda suas expectativas de qualidade, prazo, comprometimento do fornecedor e custo. A relação das empresas que podem prover tal serviço pode ser encontrada no site em sua estrutura detalhada. 22. Já em sede de oitiva prévia, a CBTU aduziu que (peça 15, p. 2) houve uma má interpretação da exigência por parte dos licitantes, visto que: A CBTU pretendia estabelecer no item que a Empresa participante tem que efetivamente pertencer a estrutura do ICP Brasil, seja como AC (Autoridade Certificadora) ou AR (Autoridade de Registro - vinculada a uma AC), condição mister para propiciar à CBTU certificação digital de seus documentos, ensejando assim que as Empresas tenham capacidade para cumprir com o solicitado, sem ter a intenção de utilizar as nomenclaturas e convenções estabelecidas pelo ITT/ICP, ou seja, em nenhum momento determinou-se que a as empresas concorrentes teriam que ser obrigatoriamente Autoridades Certificadoras. (grifou-se) 23. Noticiou, por fim, que a citada empresa Certisign sequer participou do certame e que a CBTU irá promover a alteração desta exigência com vistas a tornar ainda mais claros os termos do edital, com a seguinte redação: comprovação de que é parte integrante da ICP-Brasil, com capacidade de emitir certificados digitais ICP-Brasil, sendo elas ACs ou ARs. (peça 15, p. 2). Análise ponto I 4

5 24. O edital da CBTU traz, em seu item (peça 4, p. 9), a exigência de que, para fins de habilitação técnica, o licitante deverá apresentar comprovação de que é parte integrante da ICP-Brasil, com capacidade para emitir certificados digitais ICP-Brasil. 25. Dessa sorte, com base na estrutura da ICP-Brasil descrita brevemente nos itens acima, conclui- se que a licitante, para lograr habilitação técnica no certame, deverá ser uma Autoridade Certificadora (AC), já que apenas tais agentes têm capacidade para emitir certificados digitais, como já analisado na instrução preliminar (peça 10), já que as Autoridades de Registro (AR) apenas recebem, validam e encaminham as solicitações de emissão ou revogação de certificados digitais, e não poderiam, portanto, participar do certame. 26. O sítio do ITI demonstra que as únicas ACs que não compõem a Administração Pública Federal são: Serasa Experian, Certisign, Valid Certificadora Digital e Soluti Certificação Digital. Dessa forma, presumindo-se que as entidades e órgãos públicos não teriam interesse em participar da licitação, apenas o Serasa Experian, a Certisign, a Valid e a Soluti teriam condições, neste aspecto, de serem habilitadas no certame, o que, de fato, denota potencial restrição ao seu caráter competitivo. Este rol pode ainda ser reduzido se considerarmos as outras exigências do certame. 27. De fato, como já aduzido na instrução preliminar, a princípio, os serviços licitados pela CBTU não necessariamente devem ser prestados apenas por Autoridades Certificadoras (AC), existindo outros agentes possíveis no mercado nacional, a exemplo das Autoridades de Registro (AR), que poderiam solicitar a emissão dos certificados digitais às ACs. Este mesmo entendimento foi corroborado pela CBTU em sua resposta à oitiva, afirmando que tratou-se de má interpretação da exigência por parte dos interessados, e que tanto ARs quanto ACs atenderiam à sua necessidade. 28. Com efeito, a própria CBTU entendeu que não necessariamente a licitante deve emitir certificados digitais. Citando o exemplo tomado na instrução preliminar, o item 1 do Pregão Eletrônico 43/2011 do TCU, no qual licitou-se o serviço de emissão de certificados digitais ICP- Brasil, destaca-se que não se exigiu que a contratada fosse integrante do ITI, mas que os certificados fossem Emitido[s] por autoridade certificadora credenciada pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira ICP Brasil. 29. Assim, como já concluído preliminarmente (peça 10), assiste razão à representante no sentido de que não seria necessário exigir, como condição de habilitação técnica, que o licitante seja parte integrante da ICP-Brasil, com capacidade para emitir certificados digitais ICP-Brasil, por não ser imprescindível à execução do objeto e por tal exigência não estar prevista no rol de documentos exigíveis como qualificação técnica (art. 30, caput e 5º, da Lei 8.666/1993). Conclusão ponto I 30. A regra do item do edital do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU, que estabelece como condição de habilitação técnica, a necessidade de que o licitante seja parte integrante da ICP-Brasil, com capacidade para emitir certificados digitais ICP-Brasil, não se mostra imprescindível à execução do objeto do certame, com potencial prejuízo à sua competitividade, além do que vai de encontro às disposições do artigo 30, caput e 5º, da Lei 8.666/1993 e à jurisprudência do TCU. Ponto II Da exigência de prova de conceito Argumentação da impugnação 31. Apesar de não constar da representação analisada, observou-se nas impugnações das empresas Prodimage Tecnologia em Documentação Digital Ltda (peça 7, p. 8-18), I Dois Imagens Inteligentes Publicidade Digital Ltda (peça 7, p ) e TCI BPO Tecnologia, Conhecimento e Informação S/A (peça 7, p ), que também atacou-se a exigência de apresentação de prova de conceito como requisito de qualificação técnica (item do edital peça 4, p. 9), visto que elas defendem, em síntese, que a prova de conceito deveria ser exigida apenas à empresa declarada vencedora do certame e não como condição para participação. 5

6 Resposta da CBTU 32. Na resposta à oitiva, a CBTU asseverou que fará a alteração do edital na forma que sinaliza a jurisprudência do TCU, mantendo a prova de conceito, sem que esta seja imposta como requisito habilitatório (peça 15, p. 2-2). Análise ponto II 33. Como citado na instrução preliminar, segundo a jurisprudência desta Casa, a Administração poderá, se previsto no documento de convocação, solicitar dos licitantes amostras ou protótipos dos produtos ofertados. Objetiva a exigência de amostra ou protótipo o confronto de materiais cotados com especificações estabelecidas no ato convocatório da licitação, em especial no que diz respeito à qualidade, durabilidade, desempenho e funcionalidade dos produtos. No caso sob comento, foi prevista a realização de prova de conceito com o objetivo de verificar se a solução apresentada satisfaz as exigências do termo de referência. 34. Entretanto, a jurisprudência predominante desta Corte (a exemplo do Acórdão 1.113/2009- TCU-Plenário) dispõe no sentido de que a prova de conceito, quando exigida, não pode constituir condição de habilitação dos licitantes, devendo limitar-se ao licitante classificado provisoriamente em primeiro lugar. Caso não seja aceito o material entregue ou apresentado para análise, o licitante deve ser desclassificado, devendo ser exigido do segundo e assim sucessivamente, até ser classificada uma empresa que atenda plenamente às exigências do ato convocatório. 35. Nesse sentido, destaca-se a aplicabilidade dos entendimentos da Nota Técnica 04/ Sefti/TCU (disponível em que discute a possibilidade de avaliação de amostras em pregões de TI, à contratação em tela, porquanto a realização de prova de conceito se assemelha à avaliação de amostras. Nesta nota técnica, concluiu- se que: Nos certames realizados por Pregão, em que a avaliação de amostras fizer-se necessária, esta deve ser exigida somente na fase de classificação e apenas do licitante provisoriamente em primeiro lugar, após a etapa de lances (Lei nº 8.666/1993, art. 3º, 1º, inciso I e arts. 27 a 31; Decisão nº 1.237/2002 TCU Plenário, subitem 8.3.2; Acórdãos TCU nos 808/2003, subitem e 526/2005, subitem 9.3, ambos do Plenário). 36. Dessa forma, faz-se mister a CBTU abster-se de prever a exigência de prova de conceito como condição para qualificação técnica dos licitantes, antes da fase de lances do pregão, como fez no edital em tela (peça 4, p. 8-10, item 5.3.3). Conclusão ponto II 37. A realização de prova de conceito como requisito de qualificação técnica prevista no item e subitens do edital do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU configura violação às regras estabelecidas no artigo 30, caput e 5º, da Lei 8.666/1993, assim como à jurisprudência do TCU, devendo o procedimento ser aplicado somente ao licitante provisoriamente classificado em primeiro lugar. Ponto III Da aglutinação de todos os itens em um único lote de adjudicação Argumentação da representante 38. A representante questiona a aglutinação, em um único lote de adjudicação, de todos os itens que a CBTU pretende contratar. Para a representante, o serviço de digitalização de documentos com composição de livro eletrônico registrável em cartório de registro de títulos e documentos poderia ser prestado por inúmeras empresas no Brasil, de modo que, caso não estivesse aglutinado com a aquisição de certificados ICP-Brasil, certamente haveria maior competitividade no certame. 6

7 39. De acordo com a representante, a não divisão do objeto da licitação em dois ou mais itens, combinada com a exigência de qualificação técnica do item do edital, fulmina o caráter competitivo do certame. 40. A empresa acrescenta ainda que, além da referida exigência de qualificação técnica ser descabida, a CBTU estabeleceu, também, no item do edital, que não seria permitida a participação de empresas reunidas em consórcio, o que caracterizaria, peremptoriamente, a inviabilidade de surgimento de qualquer concorrente à Certisign (peça 1, p. 4-5). Resposta da CBTU 41. Em resposta à mensagem eletrônica encaminhada pela SecexEstataisRJ (peça 2), a CBTU asseverou que (peça 3): Devido à criticidade do projeto, que visa atender inicialmente à Gerência Geral Jurídica da CBTU, e do prazo exíguo para sua execução, entendeu-se que o fracionamento dos itens em lote causaria sérios problemas para sua execução e fiscalização das diversas empresas envolvidas, além dos inevitáveis problemas técnicos que exigiriam trabalhos de integração das soluções fornecidas. 42. Já em resposta à oitiva, a Companhia aduziu que entende que os itens são interdependentes, mormente se consideradas a abrangência dos serviços, as questões que acarretariam sua inviabilidade técnica e o acréscimo dos custos de implantação, para o fim a que se destina, citando o atual parque tecnológico da CBTU e a respectiva demanda para sua área de TI, concluindo pela extrema dificuldade técnica de coordenar os trabalhos entre empresas distintas distribuídas em diversos sítios da CBTU (peça 15, p. 3). 43. A estatal assevera ainda que é primordial a interação dos serviços de digitalização e certificação, na definição dos documentos que serão digitalizados, visto que há chaves do ICP- Brasil e as não ICP-Brasil (peça 15, p. 4), de maneira que eles são intimamente dependentes, não sendo possível um caminhar sem o outro. 44. A Companhia afirma, ainda, que a desaglutinação provocaria aumento de custos e traria dificuldades de operacionalização da fiscalização, visto que o Fiscal terá necessidade de se deslocar até as instalações da Contratada para verificar in loco seu andamento, e que, caso cada uma das empresas seja de um Estado da Federação acarretaria aumento de custo para a CBTU (peça 15, p. 5). 45. Por fim, a CBTU alega que os custos seriam aumentados no caso de desaglutinação porquanto teria que fornecer sua estrutura para desenvolvimento das atividades de mais de uma empresa contratada (por força da cláusula 23.8 do termo de referência peça 5, p. 38), e que ela possui dependências em nove unidades federativas (peça 15, p. 6). 46. A CBTU reconheceu que poderia permitir a formação de consórcios e a subcontratação, de maneira a tornar menos relevante a não divisão do objeto (peça 15, p. 6). Análise ponto III 47. Em primeiro lugar, destaca-se a observação feita na instrução preliminar de que não foram apresentadas na justificativa técnica da licitação (peça 6), nem no termo de referência (peça 5), as razões técnicas que fundamentam a não divisibilidade dos itens da licitação, em desacordo com o art. 23, 1º, da Lei 8.666/ Tal constatação representa indício de que não foram realizados os estudos que deveriam concluir pela indivisibilidade do objeto, o que, por si só, já pode caracterizar uma irregularidade no planejamento da contratação em tela, visto que a jurisprudência desta Corte (Acórdãos 839/2009, 1.491/2009, 2.389/2007, 1.842/2007, todos do Plenário, entre outros) é no sentido de que sistemas informatizados e outros produtos de tecnologia da informação devem ser licitados ou adjudicados de forma separada, sempre que esse parcelamento for viável técnica e economicamente e os objetos admitirem fornecedores distintos, nos termos do art. 23, 1º, da Lei 8.666/1993, sendo que na impossibilidade técnica ou econômica de fazê- lo, a 7

8 Administração deve apresentar justificativas fundamentadas nos autos do procedimento licitatório. 49. Todavia, não há evidências de que tal obrigação foi cumprida pela CBTU. 50. Em segundo lugar, a argumentação genérica da CBTU de que a divisão do objeto em mais de um item incrementaria seus custos operacionais de fiscalização não encontra qualquer evidência comprobatória, tampouco estimativas de gastos decorrentes, de maneira que não é possível concluir que a divisão é economicamente inviável sob este aspecto. Ademais, não se pode afirmar que a divisão do objeto ensejaria que todos os contratos decorrentes fossem executados de maneira descentralizada nas unidades da CBTU pelo país. 51. Destarte, não foi demonstrado pela CBTU, no processo da licitação ou em sua defesa, que a divisão do objeto do presente certame seria antieconômica. 52. Sendo assim, passa-se a examinar a viabilidade técnica de divisão do objeto. Inicialmente, discutir-se-á a possibilidade de separação dos certificados digitais do restante do objeto. Na sequência, examinar-se-á a possibilidade de desaglutinação também do serviço de digitalização de documentos. 53. No que tange aos certificados digitais, destaca-se, preliminarmente, que sua utilização é prática já bastante difundida no mundo e no país, com padrões tecnológicos definidos internacionalmente e com normatização do Comitê Gestor da ICPBrasil. 54. Examinando o termo de referência do Pregão 4/2013, observa-se que a CBTU pretende adquirir, relativamente a certificados ICP-Brasil: e-cpf A3 (em token e em smart-card com leitora), e- CNPJ em token e certificado de servidor; além de certificados não ICP-Brasil do tipo pessoa física A1 e certificado de servidor (peça 5, p ). 55. Ressalte-se que os certificados do tipo e-cpf A3 em token são do mesmo tipo dos adquiridos pelo TCU mediante o Pregão 43/2011. Tais certificados encontram-se operando em conformidade com o sistema e-tcu, o qual foi desenvolvido diretamente pela unidade de TI desta Casa, e não por empresas integrantes da ICP-Brasil, o que já evidencia a possibilidade de divisão do objeto neste aspecto. 56. Para demonstrar o processo de utilização dos certificados digitais do tipo e-cpf com token, por exemplo, traz-se a seguinte sequência: a) no momento da assinatura digital, gera-se o hash, uma sequência de códigos que identifica o arquivo que está sendo assinado; b) criptografa-se o hash gerado com a chave privada (contida no token), de forma que o documento e o hash criptografado são encaminhados ao destinatário do documento; c) o receptor obtém a chave pública do emitente, armazenada em uma empresa integrante do ICP-Brasil, e utiliza-a para descriptografar o hash; d) o receptor gera o hash do arquivo e o compara com o hash descriptografado, para checar a identidade e a integridade do documento recebido. 57. Para estas etapas, há padrões definidos por entidades regulamentadoras da área, os quais são inseridos em componentes de linguagens de programação e em sistemas, permitindo assim a interoperação entre sistemas e dispositivos de fabricantes diversos. Entre esses padrões citam-se as normas da família ISO/IEC 7816 (para smart-cards) e o padrão PKCS #11 (Cryptographic Token Interface Standard Padrão de criptografia para interface token). 58. Estes padrões são utilizados nos editais de licitações públicas para especificar as características técnicas dos objetos desejados e, assim, garantir a conformidade técnica entre os bens e serviços adquiridos. 59. Dessa forma, conclui-se que é tecnicamente possível que sejam definidos requisitos técnicos dos certificados que se deseja adquirir e do respectivo software de gerenciamento dos 8

9 dispositivos, de maneira a fazer com que os certificados operem na solução de gerenciamento de conteúdo licitada em outro item. 60. Cumpre destacar que o próprio edital, além de definir algumas características técnicas dos certificados, especifica também que eles devem seguir o padrão de interoperabilidade entre ICP-Brasil e não ICP-Brasil, (peça 5, p. 27). Tal exigência demonstra que a própria CBTU já entende existir um padrão de interoperabilidade, de modo que a contratação de certificados dos dois tipos não é argumento válido para justificar a não divisão do objeto, como pretende fazer a Companhia. 61. Superada a discussão acerca da separação dos certificados digitais do restante do objeto, passa-se à discussão análoga sobre o serviço de digitalização de documentos. 62. Da análise do termo de referência (peça 5, p ), observa-se que a contratada deve digitalizar uma previsão de um milhão de páginas de documentos, devendo estar preparada para entregar os documentos assinados digitalmente e em mídia registrada em cartório de registro de títulos e documentos, observando a legislação aplicável. Para este serviço de digitalização, existem empresas especializadas em prestá-lo (como identificado a partir de simples pesquisa no Google) e licitações que contrataram especificamente estas empresas, das quais citam-se o Pregão Eletrônico 107/2010 do TJDFT, o Convite 4/2011 do Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (CEITEC) e a Tomada de Preços 1/2008 do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul. Ressalte-se, contudo, que não foi avaliada a legalidade destes, visto que foge ao objeto deste processo. 63. Dessa forma, também o serviço de digitalização de processos é tecnicamente divisível do restante do objeto do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU. 64. Assim, tendo em vista a ausência de demonstração por parte da CBTU de inviabilidade econômica de divisão do objeto em tela, a possibilidade técnica de divisão, a tendência de ampliação da competitividade decorrente, além da possibilidade de se selecionarem empresas especializadas (as quais teoricamente prestariam um serviço de melhor qualidade), cabe à Companhia refazer os estudos técnicos preliminares da contratação em tela (Lei 8.666/1993, art. 6º, inciso IX), atentando-se para a necessidade de divisão do objeto, conforme dispõe a Súmula TCU Com relação à afirmação da CBTU de que promoverá alterações no edital para permitir a participação de consórcios de empresas, vale dizer que tal medida mitiga em parte o problema da não divisão do objeto. Todavia, deve-se ressaltar que a adoção de adjudicação por lotes ou a realização de licitações distintas poderia ampliar competitividade e, por conseguinte, maximizar a economicidade das contratações, o que se coaduna com os ditames legais aplicáveis. Conclusão ponto III 66. A ausência de justificativas técnicas, econômicas e jurídicas acerca da não divisão do objeto do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU encontra-se em desacordo com o art. 23, 1º, da Lei 8.666/1993 e com a jurisprudência do TCU. 67. A contratação conjunta de licenças de software, do serviço de emissão de certificados digitais e do serviço de digitalização de documentos em um único lote de licitação, como no Pregão Eletrônico /Galic/CBTU, encontra óbices no art. 23, 1º, da Lei 8.666/1993 e na Súmula TCU 247, por se tratar de objeto tecnicamente divisível, a não ser que fosse demonstrado cabalmente o caráter antieconômico dessa divisão. Da análise dos pressupostos de concessão da cautelar 68. Apesar de já ter sido realizado o juízo de mérito nesta instrução, em virtude da notoriedade das impropriedades observadas, em observância às normas desta Casa passa-se à análise da existência ou não dos pressupostos de concessão da medida cautelar pleiteada pela representante. 9

10 69. Consoante o art. 276 do Regimento Interno/TCU, o Relator poderá, em caso de urgência, de fundado receio de grave lesão ao Erário, ao interesse público, ou de risco de ineficácia da decisão de mérito, de ofício ou mediante provocação, adotar medida cautelar, determinando a suspensão do procedimento impugnado, até que o Tribunal julgue o mérito da questão. Tal providência deverá ser adotada quando presentes os pressupostos do fumus boni iuris e do periculum in mora. 70. Analisando os elementos dos autos, verifica-se que há os pressupostos acima mencionados. 71. O fumus boni iuris pode ser constatado a partir da conclusão do exame técnico empreendido nesta instrução. O periculum in mora também encontra-se presente tendo em vista que, apesar de suspenso por decisão da CBTU, a Companhia já possui as propostas de preços das licitantes e atualmente não há obrigação jurídica de a estatal manter a citada suspensão. 72. Entretanto, como citado no início desta seção, apesar de existentes os pressupostos do art. 276 do RI/TCU, já foi possível efetuar juízo de mérito, tendo em vista as informações constantes dos autos nesta etapa processual e a notoriedade das impropriedades observadas, de maneira que já será feita proposta de mérito. CONCLUSÃO 73. Ante todo o exposto, conclui-se que: a) a regra do item do edital do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU, que estabelece como condição de habilitação técnica, a necessidade de que o licitante seja parte integrante da ICP-Brasil, com capacidade para emitir certificados digitais ICP-Brasil, não se mostra imprescindível à execução do objeto do certame, com potencial prejuízo à sua competitividade, além do que vai de encontro às disposições do artigo 30, caput e 5º, da Lei 8.666/1993 e à jurisprudência do TCU (itens desta instrução); b) a realização de prova de conceito como requisito de qualificação técnica prevista no item e subitens do edital do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU configura violação às regras estabelecidas no artigo 30, caput e 5º, da Lei 8.666/1993, assim como à jurisprudência do TCU, devendo o procedimento ser aplicado somente ao licitante provisoriamente classificado em primeiro lugar (itens 31-37); c) a ausência de justificativas técnicas, econômicas e jurídicas acerca da não divisão do objeto do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU encontra-se em desacordo com o art. 23, 1º, da Lei 8.666/1993 e com a jurisprudência do TCU (itens 38-49); d) a contratação conjunta de licenças de software, do serviço de emissão de certificados digitais e do serviço de digitalização de documentos em um único lote de licitação, como no Pregão Eletrônico /Galic/CBTU, encontra óbices no art. 23, 1º, da Lei 8.666/1993 e na Súmula TCU 247, por se tratar de objeto tecnicamente divisível, a não ser que fosse demonstrado cabalmente o caráter antieconômico dessa divisão (itens 38-66); 74. Ademais, a instrução preliminar já havia constatado que o item 31.2 do termo de referência e o item 1.4 do edital do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU não apresentam o valor estimado da contratação, além do que o item 31.1 do termo de referência (peça 5, p. 41) também não contém o detalhamento dos custos unitários estimados, em desatenção ao item II do 2º do art. 40 da Lei 8.666/ Não se considera que, pela suspensão da licitação, houve perda de objeto deste processo. Contudo, a CBTU sinalizou que pretende publicar um novo edital, com as alterações propostas pelo TCU, e dar prosseguimento à contratação. 76. Destarte, é forçoso que a Companhia promova alterações no edital do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU, a partir de um adequado processo de planejamento da contratação, para assegurar a observância aos preceitos legais aplicáveis, sobretudo os 10

11 apontados nesta instrução, e assegurar, assim, a obtenção da proposta mais vantajosa para a Administração. 77. Assim, tendo em vista que as irregularidades observadas no pregão sob comento têm como possíveis causas falhas no planejamento da contratação, propõe-se recomendar à CBTU que utilize o processo de trabalho de planejamento de contratação de soluções de TI previsto na Instrução Normativa 4/2010-SLTI/MP. Não obstante o ato normativo não lhe ser obrigatório, ressalta-se que ele reflete, em grande parte, a jurisprudência desta Corte sobre a matéria, sobretudo aquela constante do Acórdão 786/2006-Plenário, além do que dispõe sobre como se dar cumprimento a diversos dispositivos da Lei de Licitações e Contratos, à qual a CBTU se submete. 78. Por fim, torna-se oportuno trazer à lume as diretrizes para realização do procedimento de avaliação de amostras contidas na citada Nota Técnica 4/ Sefti/TCU, plenamente aplicáveis ao procedimento de prova de conceito. Dessa forma, entende-se que o edital que prever a realização de prova de conceito deve conter (Princípio da publicidade Constituição Federal, art. 37, caput; Princípio do julgamento objetivo e da isonomia Lei 8.666/1993, art. 3º, caput; Princípio da segurança jurídica Lei 9.784/1999, art. 2º, caput): a) prazo adequado para entrega pelo licitante da solução a ser testada; b) possibilidade e a forma de participação dos interessados, inclusive dos demais licitantes, no acompanhamento do procedimento; c) forma de divulgação, a todos os licitantes, do período e do local da realização do procedimento e do resultado de cada avaliação; d) roteiro de avaliação, detalhando todas as condições em que o procedimento será executado, além dos critérios de aceitação da solução e, consequentemente, da proposta do licitante. 79. Ressalte-se, ainda, em observância à Portaria TCU 82, de 29 de março de 2012, como benefícios desta ação de controle, a correção de impropriedades em futuras contratações, além do potencial incremento da economia, eficiência e eficácia de entidade da Administração Pública. PROPOSTA DE ENCAMINHAMENTO 80. Ante todo o exposto, submetem-se os autos ao gabinete do Ministro-Relator Weder de Oliveira, com as propostas que se seguem. 81. Conhecer da presente representação, satisfeitos os requisitos de admissibilidade previstos no art. 237, inciso VII e parágrafo único, do Regimento Interno deste Tribunal c/c o art. 113, 1º, da Lei 8.666/1993, para no mérito considerá- la procedente. 82. Determinar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), com fulcro na Lei 8.443/1992, art. 43, inciso I, c/c Regimento Interno do TCU, art. 250, inciso II, que anule o edital do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU ante a restrição indevida à competitividade do certame, em razão da não divisão do objeto e dos subitens e do edital e do item 20 do Termo de Referência. 83. Determinar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), com fulcro na Lei 8.443/1992, art. 43, inciso I, c/c Regimento Interno do TCU, art. 250, inciso II, que caso decida republicar o edital do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU, bem como em futuras contratações do gênero, abstenha-se de: a) exigir, seja como condição de habilitação técnica ou como requisito técnico não habilitatório, que o licitante seja parte integrante da ICP-Brasil, com capacidade para emitir certificados digitais ICP-Brasil, já que tal exigência não se mostra imprescindível à execução do objeto do certame, com potencial prejuízo à sua competitividade, além do que vai de encontro às disposições do artigo 30, caput e 5º, da Lei 8.666/1993 e à jurisprudência do TCU (itens desta instrução); 11

12 b) prever prova de conceito como requisito de qualificação técnica, porquanto tal exigência implica violação às regras estabelecidas no artigo 30, caput e 5º, da Lei 8.666/1993, assim como à jurisprudência do TCU, devendo tal procedimento ser aplicado somente ao licitante provisoriamente classificado em primeiro lugar (itens 31-37); c) contratar, no mesmo lote de licitação, serviços tecnicamente divisíveis, como licenças de software, emissão de certificados digitais e digitalização de documentos, sem demonstrar cabalmente a antieconomicidade do parcelamento, uma vez que tal prática encontra óbices no art. 23, 1º, da Lei 8.666/1993 e na Súmula TCU 247 (itens 38-66); 84. Determinar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), com fulcro na Lei 8.443/1992, art. 43, inciso I, c/c Regimento Interno do TCU, art. 250, inciso II, que na s contratações de soluções de tecnologia da informação em que se fizerem necessários procedimentos de avaliação de amostras ou de prova de conceito, faça constar do instrumento convocatório (item 71 desta instrução): a) prazo adequado para entrega pelo licitante da solução/amostra a ser testada; b) possibilidade e a forma de participação dos interessados, inclusive dos demais licitantes, no acompanhamento do procedimento; c) forma de divulgação, a todos os licitantes, do período e do local da realização do procedimento e do resultado de cada avaliação; d) roteiro de avaliação, detalhando todas as condições em que o procedimento será executado, além dos critérios de aceitação da solução/amostra e, consequentemente, da proposta do licitante. 85. Recomendar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), com espeque na Lei 8.443/1992, art. 43, inciso I, c/c Regimento Interno do TCU, art. 250, inciso III, que adote a Instrução Normativa 4/2010-SLTI/MP em suas contratações de soluções de Tecnologia da Informação (item 75 desta instrução). 86. Encaminhar cópia da decisão que vier a ser proferida à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e à empresa representante. 87. Arquivar os presentes autos. 3. Sobre a proposta de encaminhamento, o titular da Sefti consignou (peça 23): Manifesto concordância com as propostas de encaminhamento indicadas na instrução (peça 17), com exceção da alínea c do item 83, pelas razões que passo a expor. 2. De fato, está evidenciado nos autos que o termo de referência do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU não continha justificativa suficiente para a contratação conjunta de itens tecnicamente divisíveis, a saber, licenças de software, serviço de certificados digitais e serviço de digitalização de documentos em um único lote de licitação. Por outro lado, a CBTU, na resposta à oitiva promovida nestes autos, afirma a eventual separação desses serviços em contratos diferentes provocaria aumento de custos e traria dificuldades de fiscalização. 3. Em que pese não haver dúvida quanto à viabilidade técnica do parcelamento dos serviços, deve-se assegurar à CBTU a prerrogativa de justificar a inviabilidade econômica dessa divisão, por meio de estimativas e comparações de custos. Se tal justificativa for inserida em um possível futuro edital, poderá ser admitida a licitação em lote único. 4. Portanto, submeto ao Exmo. Ministro Relator as seguintes propostas: 4.1 Conhecer da presente representação, satisfeitos os requisitos de admissibilidade previstos no art. 237, inciso VII e parágrafo único, do Regimento Interno deste Tribunal c/c o art. 113, 1º, da Lei 8.666/1993, para no mérito considerá- la procedente. 4.2 Determinar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), com fulcro na Lei 8.443/1992, art. 43, inciso I, c/c Regimento Interno do TCU, art. 250, inciso II, que anule o 12

13 edital do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU ante a restrição indevida à competitividade do certame, em razão da ausência de justificativa para a divisão do objeto e dos subitens e do edital e do item 20 do Termo de Referência. 4.3 Determinar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), com fulcro na Lei 8.443/1992, art. 43, inciso I, c/c Regimento Interno do TCU, art. 250, inciso II, que caso decida republicar o edital do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU, bem como em futuras contratações do gênero: abstenha-se de exigir, seja como condição de habilitação técnica, seja como requisito técnico não habilitatório, que o licitante seja parte integrante da ICP-Brasil, com capacidade para emitir certificados digitais ICP-Brasil, já que tal exigência não se mostra imprescindível à execução do objeto do certame, com potencial prejuízo à sua competitividade, além do que vai de encontro às disposições do artigo 30, caput e 5º, da Lei 8.666/1993 e à jurisprudência do TCU; abstenha-se de prever prova de conceito como requisito de qualificação técnica, porquanto tal exigência implica violação às regras estabelecidas no artigo 30, caput e 5º, da Lei 8.666/1993, assim como à jurisprudência do TCU, devendo tal procedimento ser aplicado somente ao licitante provisoriamente classificado em primeiro lugar; demonstre cabalmente a antieconomicidade do parcelamento de serviços tecnicamente divisíveis, como licenças de software, emissão de certificados digitais e digitalização de documentos, caso decida licitá-los em um único lote, em respeito ao art. 23, 1º, da Lei 8.666/1993 e na Súmula TCU 247; 4.4 Determinar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), com fulcro na Lei 8.443/1992, art. 43, inciso I, c/c Regimento Interno do TCU, art. 250, inciso II, que nas contratações de soluções de tecnologia da informação em que se fizerem necessários procedimentos de avaliação de amostras ou de prova de conceito, faça constar do instrumento convocatório: prazo adequado para entrega pelo licitante da solução/amostra a ser testada; possibilidade e forma de participação dos interessados, inclusive dos demais licitantes, no acompanhamento do procedimento; forma de divulgação, a todos os licitantes, do período e do local da realização do procedimento e do resultado de cada avaliação; roteiro de avaliação, detalhando todas as condições em que o procedimento será executado, além dos critérios de aceitação da solução/amostra e, consequentemente, da proposta do licitante. 4.5 Recomendar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), com espeque na Lei 8.443/1992, art. 43, inciso I, c/c Regimento Interno do TCU, art. 250, inciso III, que adote a Instrução Normativa 4/2010-SLTI/MP em suas contratações de soluções de Tecnologia da Informação. 4.6 Encaminhar cópia da decisão que vier a ser proferida à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e à empresa representante. 4.7 Arquivar os presentes autos. É o relatório. 13

14 Voto Trata-se de representação formulada com fundamento no art. 113, 1º, da Lei 8.666/1993, noticiando a existência de cláusulas ilegais no edital do pregão eletrônico 4/2013-Galic/CBTU. 2. Conhecida a presente representação, promoveu-se a oitiva da entidade (peças 13 e 14). 3. Por iniciativa da CBTU, o pregão eletrônico em análise foi suspenso em 15/5/2013, segundo a empresa, por estar aguardando estudo e apresentação de respostas aos pedidos de esclarecimentos e impugnações, inclusive às informações solicitadas por este Tribunal de Contas da União (peça 3, p. 3). 4. O objeto do certame foi sintetizado pela unidade técnica da seguinte forma (peça 14, p. 2): 9. O objeto do pregão reveste-se de características de solução para gerenciamento eletrônico de documentos com controle de fluxo, conhecido no mercado como ECM (Enterprise Content Management). Além das licenças do sistema propriamente dito, a CBTU pretende adquirir no mesmo item da licitação o serviço de digitalização de documentos e certificados digitais, tanto do tipo ICP-Brasil quando do tipo não ICP-Brasil. 5. Inicialmente, registro que incorporo as análises da Sefti às minhas razões de decidir. 6. Três possíveis ilegalidades foram suscitadas: comprovação de ser o licitante integrante da ICP-Brasil, com capacidade para emitir os certificados digitais; necessária apresentação de prova de conceito pelo licitante; licitação dos serviços de digitalização e de certificação digital de forma agregada, em lote único. 7. A unidade especializada, a Sefti, demonstrou que a prestação do serviço de certificação digital não requer seja a licitante uma autoridade certificadora (AC), como definido na ICP-Brasil. A licitante que se caracterize como autoridade de registro (AR) também cumpre a contento as especificidades do serviço a ser contratado. Desse modo, a limitação de participação às autoridades certificadoras, prevista no item do edital de pregão eletrônico 4/2013-Galic/CBTU, constitui restrição ao caráter competitivo do certame. 8. A prova de conceito, meio para avaliação dos produtos ofertados pelas licitantes, pode ser exigida do vencedor do certame, mas não pode ser exigida como condição para habilitação, por inexistência de previsão legal. Esse é o entendimento pacificado nesta Corte, no Acórdão 1113/ TCU - Plenário, e sustentado na nota técnica 4/2009-Sefti/TCU. 9. Relativamente à licitação conjunta dos serviços de digitalização e de certificação digital conjuntamente, a Sefti evidenciou que são serviços que poderiam ser licitados, contratados e executados isoladamente e que caberia à CBTU demonstrar nos autos a inviabilidade técnica ou econômica de licitá-los isoladamente, ou, em outros termos, a necessidade de licitá-los e contratá-los conjuntamente, para execução por uma mesma empresa, o que não ocorreu, sendo pacífica a jurisprudência desta Corte a respeito (Acórdãos 839/2009, 1491/2009, 2389/2007, 1842/2007, todos do Plenário). A CBTU não observou o disposto no art. 23, 1º, da Lei 8.666/1993: As obras, serviços e compras efetuadas pela Administração serão divididas em tantas parcelas quantas se comprovarem técnica e economicamente viáveis, procedendo-se à licitação com vistas ao melhor aproveitamento dos recursos disponíveis no mercado e à ampliação da competitividade sem perda da economia de escala. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994) 10. Sobre esse aspecto, o titular da Sefti consignou (peça 23): 2. De fato, está evidenciado nos autos que o termo de referência do Pregão Eletrônico /Galic/CBTU não continha justificativa suficiente para a contratação conjunta de itens tecnicamente divisíveis, a saber, licenças de software, serviço de certificados digitais e serviço de digitalização de documentos em um único lote de licitação. Por outro lado, a CBTU, na 1 Para verificar as assinaturas, acesse informando o código

15 resposta à oitiva promovida nestes autos, afirma a eventual separação desses serviços em contratos diferentes provocaria aumento de custos e traria dificuldades de fiscalização. 3. Em que pese não haver dúvida quanto à viabilidade técnica do parcelamento dos serviços, deve-se assegurar à CBTU a prerrogativa de justificar a inviabilidade econômica dessa divisão, por meio de estimativas e comparações de custos. Se tal justificativa for inserida em um possível futuro edital, poderá ser admitida a licitação em lote único. Ante o exposto, acompanho a proposta da unidade técnica e voto pela aprovação do acórdão que ora submeto à apreciação deste Colegiado TCU, Sala das Sessões Ministro Luciano Brandão Alves de Souza, em 9 de outubro de WEDER DE OLIVEIRA Relator 2 Para verificar as assinaturas, acesse informando o código

16 ACÓRDÃO Nº 2763/2013 TCU Plenário 1. Processo nº TC / Grupo I Classe VII Assunto: Representação. 3. Interessados/Responsáveis: não há. 4. Entidade: Companhia Brasileira de Trens Urbanos (MCidades). 5. Relator: Ministro-Substituto Weder de Oliveira. 6. Representante do Ministério Público: não atuou. 7. Unidade Técnica: Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação (Sefti). 8. Advogado constituído nos autos: não há. 9. Acórdão: VISTOS, relatados e discutidos estes autos de representação formulada por licitante em razão de possíveis irregularidades no pregão eletrônico 4/2013-Galic/CBTU, promovido pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em Sessão do Plenário, diante das razões expostas pelo relator, em: 9.1. conhecer da presente representação, para no mérito considerá-la procedente; 9.2. determinar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), com fundamento no art. 43, I, da Lei 8.443/1992 c/c art. 250, II, do RI/TCU, que adote as providências necessárias à anulação do pregão eletrônico 4/2013-Galic/CBTU; 9.3. determinar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), que, em futuras licitações: abstenha-se de estabelecer prova de conceito como requisito para habilitação técnica dos licitantes, ante o disposto no art. 30, caput e 5º, da Lei 8.666/1993; demonstre nos autos do processo do certame a inviabilidade técnica ou econômica de licitar separadamente a aquisição de licenças de software e os serviços de emissão de certificados digitais e digitalização de documentos, se decidir licitá-los em lote único, tendo em vista o disposto no art. 23, 1º, da Lei 8.666/1993; 9.4. recomendar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) que nas contratações de soluções de tecnologia da informação em que se fizerem necessários procedimentos para avaliação de amostra ou de prova de conceito, faça constar do instrumento convocatório: prazo adequado para apresentação da solução ou amostra a ser testada; forma de participação dos demais licitantes e de outros interessados no acompanhamento do procedimento de teste da solução ou da amostra; forma de divulgação do período e do local em que será realizado o procedimento de teste da solução ou da amostra, bem como do respectivo resultado; critérios para avaliação do procedimento de teste da solução ou da amostra; 9.5. recomendar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) que planeje suas licitações e contratações de soluções de tecnologia da informação com base na Instrução Normativa 4/2010-SLTI/MP; 9.6. dar ciência desta deliberação à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e à representante; 9.7. encerrar o presente processo e arquivar os autos. 10. Ata n 39/2013 Plenário. 11. Data da Sessão: 9/10/2013 Ordinária. 12. Código eletrônico para localização na página do TCU na Internet: AC /13-P. 13. Especificação do quorum: 1 Para verificar as assinaturas, acesse informando o código

17 13.1. Ministros presentes: Augusto Nardes (Presidente), Valmir Campelo, Benjamin Zymler, Raimundo Carreiro, José Jorge e José Múcio Monteiro Ministros-Substitutos convocados: André Luís de Carvalho e Weder de Oliveira (Relator) Ministro-Substituto presente: Augusto Sherman Cavalcanti. (Assinado Eletronicamente) JOÃO AUGUSTO RIBEIRO NARDES Presidente (Assinado Eletronicamente) WEDER DE OLIVEIRA Relator Fui presente: (Assinado Eletronicamente) PAULO SOARES BUGARIN Procurador-Geral 2 Para verificar as assinaturas, acesse informando o código

Interessados: INTERESSADA: ELESERVICE do Brasil - Componentes Eletrônicos Ltda.

Interessados: INTERESSADA: ELESERVICE do Brasil - Componentes Eletrônicos Ltda. Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0255-19/99-P Identidade do documento: Decisão 255/1999 - Plenário Ementa: Representação formulada por licitante. Possíveis irregularidades praticadas

Leia mais

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 030.196/2014-0

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 030.196/2014-0 GRUPO I CLASSE VII Plenário TC 030.196/2014-0. Natureza: Representação. Órgão: Ministério da Cultura (MinC). Interessado: Tribunal de Contas da União (TCU). Advogado constituído nos autos: não há. SUMÁRIO:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 004.507/2015-0

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 004.507/2015-0 GRUPO I CLASSE II Plenário TC 004.507/2015-0 Natureza(s): Solicitação do Congresso Nacional Órgão/Entidade/Unidade: Agência Nacional de Telecomunicações Representação legal: Daniel Andrade Fonseca e outros,

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0054-04/00-P. Identidade do documento: Decisão 54/2000 - Plenário

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0054-04/00-P. Identidade do documento: Decisão 54/2000 - Plenário Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0054-04/00-P Identidade do documento: Decisão 54/2000 - Plenário Ementa: Representação formulada por licitante. Possíveis irregularidades praticadas

Leia mais

TRIBUNAL PLENO - SESSÃO: 05/11/2014 EXAME PRÉVIO DE EDITAL SEÇÃO MUNICIPAL

TRIBUNAL PLENO - SESSÃO: 05/11/2014 EXAME PRÉVIO DE EDITAL SEÇÃO MUNICIPAL TRIBUNAL PLENO - SESSÃO: 05/11/2014 EXAME PRÉVIO DE EDITAL SEÇÃO MUNICIPAL (M-003) EXPEDIENTE: TC - 005074.989.14-6. REPRESENTANTE: CONTE & CONTE COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA. REPRESENTADA: PREFEITURA

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 1.081/2004 - TCU - Plenário

ACÓRDÃO Nº 1.081/2004 - TCU - Plenário ACÓRDÃO Nº 1.081/004 - TCU - Plenário 1. Processo TC-006.936/004-.. Grupo I - Classe V: Levantamento. 3. Entidade: Companhia Energética do Amazonas CEAM. 4. Interessado: Congresso Nacional. 5. Relator:

Leia mais

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0483-30/01-P Identidade do documento: Decisão 483/2001 - Plenário Ementa: Acompanhamento. ANATEL. Licitação. Outorga de direito de concessão para a exploração

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO Folha nº Processo nº Rubrica: Matrícula: Processo n.º 148030/2015 Assunto: Análise do pedido de impugnação do Edital do Pregão nº 13/2015 referente à contratação de empresa especializada na aquisição e

Leia mais

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO IMPUGNANTE: DOMÍNIO INFORMÁTICA PROCESSO Nº.: 20120836 Recebia tempestivamente as razões de impugnação ao Edital da Concorrência nº 02/2012, que tem por objeto o REGISTRO DE PREÇOS

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO TOCANTINS EDITAL PREGÃO PRESENCIAL 008/2015 ASSUNTO:

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO TOCANTINS EDITAL PREGÃO PRESENCIAL 008/2015 ASSUNTO: SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO TOCANTINS EDITAL PREGÃO PRESENCIAL 008/2015 ASSUNTO: Impugnação ao Edital oferecida pela empresa QATIVE TECNOLOGIA E EVENTOS LTDA. DECISÃO DA COMISSÃO PERMANENTE

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 008.336/2015-6

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 008.336/2015-6 GRUPO I CLASSE II Plenário TC 008.336/2015-6 Natureza: Solicitação do Congresso Nacional Entidade: Agência Nacional de Telecomunicações Representação legal: Daniel Andrade Fonseca e outros, representando

Leia mais

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34)

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34) Tribunal de Contas da União Data DOU: 19/07/2004 Colegiado: Segunda Câmara Número da Ata: 25/2004 Texto do Documento: RELAÇÃO Nº 58/2004 - Segunda Câmara - TCU Gabinete do Ministro Benjamin Zymler Relação

Leia mais

Sumário: ACOMPANHAMENTO. PARCERIA PÚBLICO- PRIVADA. CONSÓRCIO DATACENTER. APROVAÇÃO DO 5º ESTÁGIO. ARQUIVAMENTO. RELATÓRIO

Sumário: ACOMPANHAMENTO. PARCERIA PÚBLICO- PRIVADA. CONSÓRCIO DATACENTER. APROVAÇÃO DO 5º ESTÁGIO. ARQUIVAMENTO. RELATÓRIO GRUPO I CLASSE VII Plenário TC 026.755/2008-7 Apensos: TCs 9.004/2006-0, 25.763/2006-8, 25.914/2006-4, TC 25.926/2006-5, 17.059/2009-7 Natureza: Acompanhamento Entidades: Banco do Brasil S.A - BB e Caixa

Leia mais

A licitação por lote único na doutrina e na jurisprudência:

A licitação por lote único na doutrina e na jurisprudência: A licitação por lote único na doutrina e na jurisprudência: Autor: André Pataro Myrrha de Paula e Silva Analista Jurídico do Ministério Público de Minas Gerais Uma prática que tem se tornado comum por

Leia mais

EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Objeto: Prestação de Serviço de Manutenção Predial

EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Objeto: Prestação de Serviço de Manutenção Predial EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO Pregão Presencial nº. 003/2008 Objeto: Prestação de Serviço de Manutenção Predial EMENTA: AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

RELATOR - CONSELHEIRO ANTONIO ROQUE CITADINI 34ª SESSÃO ORDINÁRIA DO TRIBUNAL PLENO, DIA 09/12/2009 EXAME PRÉVIO MUNICIPAL VOTO

RELATOR - CONSELHEIRO ANTONIO ROQUE CITADINI 34ª SESSÃO ORDINÁRIA DO TRIBUNAL PLENO, DIA 09/12/2009 EXAME PRÉVIO MUNICIPAL VOTO RELATOR - CONSELHEIRO ANTONIO ROQUE CITADINI 34ª SESSÃO ORDINÁRIA DO TRIBUNAL PLENO, DIA 09/12/2009 EXAME PRÉVIO MUNICIPAL VOTO Processos: TC 34.895/026/09 e TC 35.380/026/09. Representantes: Cheiro Verde

Leia mais

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Presencial nº. 18/2007

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Presencial nº. 18/2007 Processo: A 07/204 Interessado: Assunto: Gerência Administrativa Contratação de empresa especializada para a prestação de serviços em implementação de windows server 2003 enterprise, active directory,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 20 DE 9 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a certificação digital no Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição

Leia mais

QUESTIONAMENTOS ACERCA DO PE 052/2012

QUESTIONAMENTOS ACERCA DO PE 052/2012 QUESTIONAMENTOS ACERCA DO PE 052/2012 1) Conforme determinação das normas fiscais, a Certisign está obrigada a fornecer notas fiscais separadas, uma para certificado digital, uma vez que a emissão dessas

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

GRUPO I - CLASSE VII - PLENÁRIO TC-002.612/2015-1 Natureza: Administrativo Interessado: Tribunal de Contas da União

GRUPO I - CLASSE VII - PLENÁRIO TC-002.612/2015-1 Natureza: Administrativo Interessado: Tribunal de Contas da União TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 002.62/205- GRUPO I - CLASSE VII - PLENÁRIO TC-002.62/205- Natureza: Administrativo Interessado: Tribunal de Contas da União SUMÁRIO: ADMINISTRATIVO. PROJETO DE INSTRUÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 029.920/2014-0

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 029.920/2014-0 GRUPO I - CLASSE VII - Plenário TC 029.920/2014-0 Natureza: Representação Órgão/Entidade: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Interessado: Saneamento, Telecomunicação, Eletricidade

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Assunto: Representação. Colegiado: Plenário. Classe: Classe VII

Tribunal de Contas da União. Assunto: Representação. Colegiado: Plenário. Classe: Classe VII Tribunal de Contas da União Assunto: Representação Colegiado: Plenário Classe: Classe VII Sumário: Representação formulada pelo Tribunal de Contas do Espado de Pernambuco versando sobre possíveis irregularidades

Leia mais

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL PREGÃO PRESENCIAL: 063/2015 JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL OBJETO: Aquisição de equipamentos, sistemas, serviços e outros itens necessários à implantação do gerenciamento eletrônico da freqüência dos

Leia mais

Representante do Ministério Público: MARINUS EDUARDO DE VRIES MARSICO

Representante do Ministério Público: MARINUS EDUARDO DE VRIES MARSICO Tribunal de Contas da União Representante do Ministério Público: MARINUS EDUARDO DE VRIES MARSICO Assunto: Tomada de Contas Especial Acórdão: Vistos, relatados e discutidos estes autos de Tomada de Contas

Leia mais

Informações e Despachos

Informações e Despachos Senhor Chefe do Demap, Brasília, 31 de março de 2014. TOMADA DE PREÇOS DEMAP Nº 156/2013. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E ELABORAÇÃO DE PROJETOS BÁSICOS CONTEMPLANDO OS SISTEMAS DE SEGURANÇA DOS

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO N. 35/2013

PREGÃO ELETRÔNICO N. 35/2013 PREGÃO ELETRÔNICO N. 35/2013 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO, PELO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS, DE ACESSOS À INTERNET SEM FIO, 3G OU SUPERIOR, BANDA LARGA, COM FORNECIMENTO DE MINI-MODEMS USB COM RESPECTIVOS

Leia mais

Entidade: Unidade: Coordenação de Serviços Gerais da Secretaria de Administração-Geral do Ministério da Educação e do Desporto

Entidade: Unidade: Coordenação de Serviços Gerais da Secretaria de Administração-Geral do Ministério da Educação e do Desporto Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0237-21/99-1 Identidade do documento: Acórdão 237/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas. Coordenação de Serviços Gerais da Secretaria de Administração-Geral

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA. UNIDADE GESTORA: Câmara Municipal de São José

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA. UNIDADE GESTORA: Câmara Municipal de São José TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA 134 Fls. PROCESSO Nº: REP-14/00211406 UNIDADE GESTORA: Câmara Municipal de São José RESPONSÁVEL: Sanderson Almeci de Jesus INTERESSADO:

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte e equiparadas nas contratações de bens, prestação de serviços e execução de obras, no âmbito

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 217/94 - Plenário - Ata 12/94 Processo nº TC 014.056/93-3 Interessado: Dante Martins de Oliveira - Prefeito Entidade: Prefeitura Municipal de Cuiabá/MT

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM SERGIPE ASSESSORIA JURÍDICA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM SERGIPE ASSESSORIA JURÍDICA Parecer Jurídico n.º 010/2015 Impugnação ao Edital n 01/2015 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM SERGIPE ASSESSORIA JURÍDICA IMPUGNAÇÃO AO EDITAL. LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 008.130/2009-5

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 008.130/2009-5 GRUPO I CLASSE V Plenário TC-008.130/2009-5. Natureza: Levantamento de Auditoria. Entidade: Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Estado do Piauí. Interessado: Congresso Nacional. Advogado

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 006.064/2009-9 Fiscalização nº 259/2009 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 345/2009 - Plenário Objeto da fiscalização: Obras de

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 Impugnação ao edital da licitação em epígrafe, proposta por NORTH SEGURANÇA LTDA, mediante protocolo nº 2011/004806, datado de 06/09/2011. 1

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL CERTIFICAÇÃO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3.CNES - LEGISLAÇÃO EM VIGOR PARA UTILIZAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO DIGITAL 4.CERTIFICAÇÃO DIGITAL - COMO OBTER E INICIAR UMA SOLICITAÇÃO 5.CNES - COMO INICIAR

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. EXERCÍCIO DE 2010

SECRETARIA EXECUTIVA DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. EXERCÍCIO DE 2010 AC-3764-23/14-1 constatou-se se a SFA/PR está se adaptando às exigências da Instrução Normativa 1/2010 e da Portaria 2/2010, da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento,

Leia mais

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 04/2014 PROCESSO LICITATÓRIO Nº 034/2014

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 04/2014 PROCESSO LICITATÓRIO Nº 034/2014 DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 04/2014 PROCESSO LICITATÓRIO Nº 034/2014 Impugnação ao edital da licitação em epígrafe, proposta por PLANINVESTI ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS LTDA, mediante

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES PROCESSO Nº: UNIDADE GESTORA: RESPONSÁVEIS: INTERESSADO: ASSUNTO: RELATÓRIO REINSTRUÇÃO: DE ELC-14/00549369

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012

EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012 EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012 Trata-se de impugnações interpostas pelas licitantes abaixo relacionadas,

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0538-44/99-2. Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0538-44/99-2. Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0538-44/99-2 Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. MAS. Prefeitura Municipal de Jardim

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 01/2014

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 01/2014 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 01/2014 Objeto: Contratação de empresa para prestação de serviços para desenvolvimento de projeto, sustentação, serviço e documentação de sistemas de informação, na modalidade Fábrica

Leia mais

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 1 CONFIAR EM CERTIFICADOS DIGITAIS? ITI O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação

Leia mais

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Contratação de Empresa Especializada na Prestação de Serviços de Limpeza na Sede da FAPESP

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Contratação de Empresa Especializada na Prestação de Serviços de Limpeza na Sede da FAPESP 1 Processo: A 06/018 Interessado: Assunto: Gerência Administrativa Contratação de Empresa Especializada na Prestação de Serviços de Limpeza na Sede da FAPESP Referência: Impugnação ao Edital do Pregão

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Institui Regime Especial para dispensa da guarda e arquivo das Notas Fiscais de Serviços, condicionada à guarda e ao arquivo, pelo período decadencial, dos respectivos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário

Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário Acórdão Vistos, relatados e discutidos estes autos que tratam de fiscalizações de orientação centralizada, realizadas no âmbito do Tema de Maior Significância

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3

PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República na Paraíba PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3 Referência: Processo n.º 1.24.000.001591/2011-14. Interessado: OMEGATI COMÉRCIO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC- Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DERUS- Departamento de Relacionamento com o

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC- Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DERUS- Departamento de Relacionamento com o DERUS- Departamento de Relacionamento com o Usuário DERUS- Departamento de Relacionamento com o Usuário Sumário: Gerando um arquivo PDF 3 Como assinar digitalmente um documento PDF 17 O Assinador Livre

Leia mais

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 019.020/2011-2

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 019.020/2011-2 GRUPO I CLASSE V Plenário TC 019.020/2011-2 Natureza: Levantamento de Auditoria Interessado: Tribunal de Contas da União Entidade: Caixa Econômica Federal (Caixa) Advogado constituído nos autos: não há.

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 470/93 - Plenário - Ata 53/93 Processo nº TC 014.861/93-3 Entidade: Ministério da Justiça Relator: Ministra Élvia L. Castello Branco Redator da Decisão

Leia mais

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO IMPUGNANTE: RIBAL LOCADORA DE VEÍCULOS LTDA CNPJ.: 07.605.506/0001-73

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO IMPUGNANTE: RIBAL LOCADORA DE VEÍCULOS LTDA CNPJ.: 07.605.506/0001-73 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO

Leia mais

Idoneidade do uso de banco de preços pela Administração Pública

Idoneidade do uso de banco de preços pela Administração Pública RELATOR: CONSELHEIRO GILBERTO DINIZ Idoneidade do uso de banco de preços pela Administração Pública DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA PROCESSO DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA ESTIMATIVA DO CUSTO DO OBJETO E INDICAÇÃO

Leia mais

TC 006.644/2012-0 Natureza: Representação Entidade: Fundação de Apoio a Pesquisa e Extensão Fapex Interessado: Edwin Gomes Santos, CPF 036.487.

TC 006.644/2012-0 Natureza: Representação Entidade: Fundação de Apoio a Pesquisa e Extensão Fapex Interessado: Edwin Gomes Santos, CPF 036.487. MIN-JJ Fls. TC 006.644/2012-0 Natureza: Representação Entidade: Fundação de Apoio a Pesquisa e Extensão Fapex Interessado: Edwin Gomes Santos, CPF 036.487.765-09 DESPACHO Trata-se de representação formulada

Leia mais

Assunto: Representação acerca de procedimento licitatório - inexigibilidade.

Assunto: Representação acerca de procedimento licitatório - inexigibilidade. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 323/94 - Segunda Câmara - Ata 44/94 Processo nº TC 625.141/94-6 Responsável: Dra. Marga Inge Barth Tessler, Juiza Federal Diretora do Foro. Órgão: Justiça

Leia mais

Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007

Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007 Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007 COMBRAS ENGENHARIA LTDA. apresentou Impugnação ao Edital do Pregão Eletrônico AA nº 37/2007, que tem por objeto a contratação de empresa

Leia mais

RESPOSTA A RECURSO ADMINISTRATIVO CONCORRÊNCIA N.º 07/2014 PROCESSO N.º 23368.000296.2014-17

RESPOSTA A RECURSO ADMINISTRATIVO CONCORRÊNCIA N.º 07/2014 PROCESSO N.º 23368.000296.2014-17 RESPOSTA A RECURSO ADMINISTRATIVO CONCORRÊNCIA N.º 07/2014 PROCESSO N.º 23368.000296.2014-17 DO OBJETO Trata-se de procedimento licitatório na modalidade Concorrência, cujo objeto é a contratação de empresa

Leia mais

Referência: Impugnação ao Edital do Pregão Presencial nº. 17/2006

Referência: Impugnação ao Edital do Pregão Presencial nº. 17/2006 1/6 Processo: A 06/166 Interessado: Gerência Administrativa Assunto: Aquisição de Toner Referência: Impugnação ao Edital do Pregão Presencial nº. 17/2006 A empresa JDM dos Anjos Cartuchos ME, inscrita

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre os processos de emissão de Certificados Digitais aos membros, servidores, equipamentos e aplicações do Ministério Público Federal.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO EXAME PRÉVIO DE EDITAL RELATOR CONSELHEIRO SIDNEY ESTANISLAU BERALDO TRIBUNAL PLENO - SESSÃO DE 26-03-2014 MUNICIPAL REFERENDO ============================================================ Processo: TC-001177.989.14-2

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

GRUPO I CLASSE II 2ª Câmara TC-031.085/2013-0

GRUPO I CLASSE II 2ª Câmara TC-031.085/2013-0 GRUPO I CLASSE II 2ª Câmara TC-031.085/2013-0 Natureza: Tomada de Contas Especial. Entidade: Município de Flores/PE. Responsável: Arnaldo Pedro da Silva, CPF n. 093.945.404-15. SUMÁRIO: TOMADA DE CONTAS

Leia mais

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO:

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: Considerando: - A Lei nº 12.232/10 estabelece no seu art. 4º que, para participar de licitações públicas, as agências

Leia mais

ILUSTRÍSSIMA SENHORA ANA PAULA BORGES

ILUSTRÍSSIMA SENHORA ANA PAULA BORGES ILUSTRÍSSIMA SENHORA ANA PAULA BORGES DE MORAIS PREGOEIRA DA COORDENADORIA MUNICIPAL DE LICITAÇÕES - EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS N 047/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 07.01511/2015

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO TOCANTINS RESPOSTA IMPUGNAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO TOCANTINS RESPOSTA IMPUGNAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/2014 RESPOSTA IMPUGNAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/2014 Impugnante: TELEFONICA BRASIL S/A, CNPJ 02.558.157/0001-62. Assunto: Impugnação do Edital Pregão Presencial nº 04/2014 que trata da contratação de empresa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

TRIBUNAL PLENO SESSÃO DE 11/09/2013 SECÇÃO MUNICIPAL EXAME PRÉVIO DE EDITAL. Representante: Vanderleia Silva Melo Advogada OAB/SP nº 293.

TRIBUNAL PLENO SESSÃO DE 11/09/2013 SECÇÃO MUNICIPAL EXAME PRÉVIO DE EDITAL. Representante: Vanderleia Silva Melo Advogada OAB/SP nº 293. TRIBUNAL PLENO SESSÃO DE 11/09/2013 SECÇÃO MUNICIPAL EXAME PRÉVIO DE EDITAL Processo: 1929.989.13-5 Representante: Vanderleia Silva Melo Advogada OAB/SP nº 293.204 Representada: Prefeito: Assunto: Prefeitura

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro Aula 1 Introdução à Certificação

Leia mais

Entidade: Órgão de Origem: Secretaria do Estado da Justiça e Cidadania de Santa Catarina

Entidade: Órgão de Origem: Secretaria do Estado da Justiça e Cidadania de Santa Catarina Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0776-48/99-P Identidade do documento: Decisão 776/1999 - Plenário Ementa: Inspeção. Secretaria de Justiça de Santa Catarina. Pedido de reexame de decisão

Leia mais

Manual da Central de Compras

Manual da Central de Compras Sistema de Compras Eletrônicas - COE Manual da Central de Compras Portal Compras RS Portal Pregão On-Line Banrisul Portal Compras PROCERGS Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Administração

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO EMENTA: Edital 0259/2013-08, seleção de empresa especializada para prestação de serviços na área de condução de veículos oficiais da frota da Superintendência Regional

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO Pregão Presencial nº: 003/2009-UNEMAT. Processo Administrativo Unemat nº 007/2009-CPL. Processo Administrativo SAD Nº 340.148/2009/SAD. Referência: Pregão Presencial para a Locação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

IMPUGNAÇÃO AO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

IMPUGNAÇÃO AO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO ILUSTRÍSSIMO SENHOR ABDIAS DA SILVA OLIVEIRA DESIGNADO PREGOEIRO PARA O PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR PREGÃO ELETRÔNICO: 4/2015 COQUEIRO &

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 844/2009-TCE-Pleno

RESOLUÇÃO Nº 844/2009-TCE-Pleno RESOLUÇÃO Nº 844/2009-TCE-Pleno 1. Processo nº: 02856/2009 2. Classe de Assunto: Consulta 3. Entidade: Câmara Municipal de Dianópolis-To 4. Responsável: Reginaldo Rodrigues de Melo - Presidente 5. Relator:

Leia mais

IMPUGNAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO

IMPUGNAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO São Paulo, 02 de abril de 2012 Ao Ministério do Trabalho e Emprego Senhor Pregoeiro Referência Assunto : Pregão Eletrônico N 10/2012 MTE : Impugnação IMPUGNAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO PCS SERVIÇOS DE PROCESSAMENTO

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 7400.011101/201-6 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão denegatória

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas NOTA TÉCNICA Nº 04/2012/DENOR/SGCN/SECOM-PR Brasília, 20 de abril de 2012. Referência:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Belo Horizonte, 19 de outubro de 2015. ASSUNTO: ENCAMINHAMENTO AO PRESIDENTE: DECISÃO DA PREGOEIRA EM RELAÇÃO AO RECURSO ADMINISTRATIVO APRESENTADO

Leia mais

I DOS FATOS II DO PLEITO

I DOS FATOS II DO PLEITO Referência: Processo n.º 48500.000357/05-71 Edital de Pregão nº 07/2005 Contratação de Serviços Assistência Médica Ementa: Análise dos recursos interpostos pela UNIMED - Confederação das Cooperativas Médicas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Certificado Digital Assinatura Digital

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Certificado Digital Assinatura Digital CERTIFICAÇÃO DIGITAL Certificado Digital Assinatura Digital CERTIFICADO e ASSINATURA DIGITAL CERTIFICADO Éo documento eletrônico de identidade emitido por Autoridade Certificadora credenciada pela AC Raiz

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0122-08/00-P. Identidade do documento: Decisão 122/2000 - Plenário

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0122-08/00-P. Identidade do documento: Decisão 122/2000 - Plenário Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0122-08/00-P Identidade do documento: Decisão 122/2000 - Plenário Ementa: Auditoria. CBTU. Obra de implantação do metrô de Belo Horizonte, trecho Calafate-Barreiro.

Leia mais

CAPACITAÇÃO PROCESSO ELETRÔNICO

CAPACITAÇÃO PROCESSO ELETRÔNICO CAPACITAÇÃO EM PROCESSO ELETRÔNICO Caros Colegas! Essa é uma apostila eletrônica, utilize apenas em seu computador pessoal. Não recomendamos imprimir, devido ao seu grande volume. Para efetivo funcionamento

Leia mais

Em síntese, a Impugnante alegou o que segue:

Em síntese, a Impugnante alegou o que segue: Considerando a apresentação, por parte da empresa ÁQUILA TRANSPORTES DE CARGAS LTDA, da IMPUGNAÇÃO AO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO referente ao Pregão Eletrônico nº 23/2010, cujo objeto é o REGISTRO DE PREÇOS

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 21.740 CAPÍTULO I DA ASSINATURA DIGITAL

RESOLUÇÃO Nº 21.740 CAPÍTULO I DA ASSINATURA DIGITAL RESOLUÇÃO Nº 21.740 INSTRUÇÃO Nº 85 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Fernando Neves. Dispõe sobre a assinatura digital dos programas fontes e programas executáveis que compõem

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Prezada Sra. Pregoeira Dilene, Concordamos com relação as atividades de monitoramento a distância não caracteriza serviços de segurança, porém o edital em sei item 12.1.4.5 menciona que a empresa deve

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Renato Costa Dias

Gabinete do Conselheiro Renato Costa Dias PROCESSO Nº: 3342/2015-TC. INTERESSADO: Prefeitura Municipal de Mossoró ASSUNTO: Dispensa de Licitação RESPONSÁVEL: Abertura de Processo Seletivo Locação de Veículos RELATOR: Conselheiro Renato Costa Dias

Leia mais