Análise da Imagem. Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Educação de Santarém. Antropologia da Imagem.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da Imagem. Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Educação de Santarém. Antropologia da Imagem."

Transcrição

1 Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Educação de Santarém Antropologia da Imagem Análise da Imagem Joyce Tenneson 1º Ano de ECM, Data: Trabalho Realizado por: Marina Plácido Nº 96

2 Índice Introdução Análise da Imagem Identificação Elementos Formais de Composição Registos de Imagem Estereótipo O Autor Joyce Tenneson Outros trabalhos realizados pela fotógrafa Fotos de Celebridades captadas por Joyce Tenneson Joyce Tenneson em revistas e publicidade Componentes Culturais e Sócio-culturais Contemporâneos de Joyce Tenneson Graça Martins Diana Blok 20 Conclusão 21 Webgrafia 22 pág. Página 1 de 23

3 Introdução Fazendo uma breve abordagem pelo o que considero ser Antropologia da Imagem. E ao investigar sobre o tema, posso dizer que: sendo a imagem uma representação daquilo que vemos e a antropologia o estudo do ser humano que o relaciona com a cultura e a sociedade. Posso assim dizer que Antropologia da imagem é o estudo da imagem e daquilo que ela reflecte para o ser humano. Assim, e depois de tentar compreender o que é a Antropologia referente a uma imagem, vou tentar fazer um estudo antropológico de uma imagem de Joyce Tenneson que é uma fotografa conceituada norte-americana, tentando referir todos os aspectos relevantes para a compreensão da imagem. Página 2 de 23

4 1. Análise da Imagem Título: Heather and Erian, United States (Colecção Light Warriors) Autor: Joyce Tenneson Origem: Estados Unidos Ano: 2000 Página 3 de 23

5 1.1. Identificação Género: Fotografia de Retracto Descrição: Fotografia de duas irmãs gémeas abraçadas sobre um fundo preto acastanhado com muito pouca luminosidade, com grande contraste entre o claro (cor da pele) e o fundo escuro. Esta falta de luminosidade remete para a noite ou para a intimidade. As duas irmãs estão sozinhas e são elementos únicos e principais. Página 4 de 23

6 1.2. Elementos Formais de Composição Ponto: A forma como as duas irmãs se abraçam, define o maior ponto na imagem. Este ponto capta atenção e dá uma ideia de um lugar idílico. Por si só este grande ponto principal já nos remete para a intimidade e para o feminino. É também esta a única zona que é circundada pela pouca luz existente proveniente do fundo. Página 5 de 23

7 Linhas Verticais: Numa primeira abordagem, observo que a imagem está muito bem enquadrada e centralizada, o que torna as duas irmãs elementos centrais e principais. A divisão do segundo quadrante apresenta uma linha vertical estática, com muito peso nesta imagem representada pelo corpo da primeira irmã, esta linha é como se fosse um tronco que suporta equilibra a imagem. A divisão do terceiro quadrante também apresenta uma linha vertical estática que compõe e equilibra a imagem, esta passa ao longo do braço da segunda irmã Linhas Horizontais: Além das linhas verticais que estabilizam e dão suporte à imagem ainda existem pelo menos duas linhas horizontais relevantes que servem de suporte à imagem e também dão estabilidade à mesma. Estas linhas passam pela parte inferior e superior do grande ponto de referência central constituído pelo abraço das duas irmãs. Página 6 de 23

8 Linhas Obliquas: No entanto existem várias linhas oblíquas representadas na imagem que sublinhei a verde e a azul. Estas linhas fazem com que a imagem ganhe dinamismo e movimento. Ao olharmos parece que uma das irmãs está a cair sobre a outra e que esta a suporta. O equilíbrio é dado pelas linhas horizontais e verticais que enunciei anteriormente e que se cruzam com as obliquas da imagem. Existe ainda uma outra linha oblíqua que se contrapõe a uma outra obliqua, esta linha também é deveras importante pois divide o plano horizontal superior em duas partes iguais, provocando uma simetria na imagem. As duas irmãs pelo facto de serem gémeas já são simétricas mas estas duas linhas ainda vão acentuar mais esse aspecto. Página 7 de 23

9 Outras linhas: Existe ainda uma outra linha oblíqua que se contrapõe a uma outra obliqua, esta linha também é deveras importante pois divide o plano horizontal superior em duas partes iguais, provocando uma simetria na imagem. As duas irmãs pelo facto de serem gémeas já são simétricas mas estas duas linhas ainda vão acentuar mais esse aspecto. Forma: A forma predominante é a circular/ oval. Encontramos essas formas nos rostos das figuras femininas, o rosto e olhos representam formas circulares/ovais. Os seios são formas circulares. As curvas que formam as costas dos corpos também apresentam formas circulares. Todas estas formas são compensadas pelo abraço formado pelas irmãs provoca ainda outra grande forma circular central. Página 8 de 23

10 Textura, cor e volume: A imagem apresenta um fundo muito escuro. Porém, há uma pequena textura que nos faz pensar em noite, num tom acastanhado. A textura por um lado parece quase rugosa que parece uma textura tipo tronco de uma árvore, por outro lado parece uma textura suave como nuvens num céu muito escuro, ou ainda como se fosse uma textura de pedra. A inexistência de profundidade de campo provoca um equilíbrio entre os corpos e a textura em questão. Os corpos das figuras femininas são as únicas formas volumosas da imagens e que se demarcam pela cor clara num fundo muito escuro. Página 9 de 23

11 Luz: Esta imagem pertence a uma colecção de imagens intitulado Light Warriors (Guerreiros claros - tradução à letra) todas com um fundo semelhante. Se relacionar o próprio nome da colecção posso observar que existe um grande contraste entre o claro dos corpos e o escuro do fundo. A pouca luz proveniente é incidida nos corpos, assim existe uma sobreposição da luz na parte circundante dos corpos, esta faz com que o grande ponto central da imagem se destaque ainda mais e provoca uma definição maior da sua forma. O fundo é apresentado com muito pouca luz, quase inexistente, que nos leva a pensar em escuridão da noite Registos de Imagem Observando a imagem poderia fazer várias leituras em relação ao seu registo. No entanto vou associar esta imagem como ficção drama, devido as duas irmãs estarem muito abraçadas e uma suportar a outra com uma expressão séria e triste. Poderia associar as suas posições a sentimentos como o medo, pois um fundo escuro remete para a noite e para a escuridão, nas histórias míticas a maior parte das cenas de terror acontecem à noite. O escuro provoca ainda a impossibilidade de visão, daí despertar esse tipo de sentimentos e esse campo de visão. Também a nudez dos corpos pode significar o desconforto, a insegurança. O corpo nu está desprotegido dos perigos e do mal, é ainda significado de intimidade. As duas irmãs tentam cobrir-se uma à outra com os próprios corpos, provoca ainda o medo da invasão, medo da separação. Página 10 de 23

12 1.4 Estereotipo Na fotografia que está a ser estudada conseguimos ver de facto o estereotipo da mulher. A presença feminina das duas irmãs gémeas é sem duvida o grande estereotipo de referência nesta imagem. 2. O Autor Joyce Tenneson 2.1. Joyce Tenneson Nasceu em 1945, em Boston, Massachusetts, Joyce Tenneson. O facto de ter crescido num convento devido aos seus pais trabalharem lá, influenciou o seu trabalho. Segundo Joyce Tenneson essa experiência de vida motivou-a pelas diferentes etapas da vida: do nascimento à velhice, e depois, a regeneração. O fascínio pela identidade, pelas relações interiores, realidades humanas e pelos reflexos surgem em Tenneson devido á sua mãe ter morrido muito nova e também ser gémea idêntica. Página 11 de 23

13 Ela afirma: Fico hipnotizada com o modo como os espelhos parecem ter a sua própria e mágica vida. Para mim, a realidade é uma combinação de realidades exteriores e interiores, e o uso de espelhos e outras técnicas, como as duplas-exposições, abrem espaço para o desconhecido, que emerge. Considerada uma das fotógrafas mais procuradas do nosso tempo, tem uma assinatura e estilo imediatamente reconhecíveis. É descrita pela crítica como um dos maiores expoentes no retrato e figura humana da América. Está entre as dez fotógrafas mais influentes da história da fotografia, de acordo com um inquérito realizado pela American Photo Magazine, com inúmeros créditos que lhe valeram a nomeação Fotógrafa do Ano pela organização internacional Women in Photography, em 1990,e o prémio International Center of Photography s Infinity Award. Fotografou celebridades e personalidades públicas como: Jodie Foster, Demi Moore, Kathleen Battle, Patrick Stewart, Natasha Richardson, Ed Harris, Susan Sarandon e Judith Jamison, entre outros. Participa regularmente em publicações como: New York Times, Premiere, Fortune e Time. É autora de sete livros e faz exposições pelo mundo inteiro. Tenneson é também fundadora duma organização sem fins lucrativos, com o mesmo nome Light Warriors, dedicada a estimular o crescimento criativo e espiritual através da dádiva e compaixão pelos outros. As pessoas são o centro do meu trabalho artístico, e eu estarei sempre interessada nas suas vidas interiores. É o que está para lá do que é superficial que me fascina. Página 12 de 23

14 2.2 Outros trabalhos realizados pela fotógrafa Da mesma colecção da imagem que estou a analisar Light Warriors light warriors De outras colecções Intimacy Fotografia de celebridades Wise woman Página 13 de 23

15 Transformations Iluminations Joyce Tenneson, devido à sua criação é fascinada pelas vidas interiores de cada ser humano, como ela própria afirma. A questão da dualidade de vidas humanas, e nisto refiro-me aos gémeos, ela compara-os como se fossem espelhos com vida própria. A artista procura o encontro com o desconhecido em cada imagem que capta. Também a questão do mistério que sugere o novo e o velho, a beleza natural e interior de cada pessoa, Tenneson tenta sempre aprofundar no seu trabalho nesse sentido. As formas e tensões circulares são predominantes no seu trabalho. Estas formas buscam alem da intimidade estão associadas ao ciclo da vida desde que se nasce até quando se morre, de uma perspectiva filosófica Tenneson empenha o seu esforço no sentido de encontrar respostas para o que está para além da vida, não só o interior de cada ser mas também aquilo que está para além da morte. É considerada uma fotógrafa de retracto, e retrata predominantemente a figura feminina tendo ganho alguns prémios no âmbito da fotografia. Os panos a cobrir os corpos, ou mesmo corpos nus e seminus, encontram-se muitas vezes no trabalho de Tenneson. O traje de freira é muitas das vezes também muitas vezes referido pela artista de uma forma discreta e subliminar, esta influência provêm da sua criação em criança, Tenneson serve-se muitas vezes de memórias e aplica-as no seu trabalho. Página 14 de 23

16 2.3. Fotos de Celebridades captadas por Joyce Tenneson Estas são algumas fotos de celebridades tiradas por Joyce Tenneson, porém existem muitas outras personagens do cinema, musica, moda e política que ficaram registadas pela câmara de Joyce Tenneson. A fotógrafa em praticamente todo o seu trabalho, gosta de se exprimir com fundos deste tipo de textura ou muito escuros. Joga com tensões em vários elementos. A nudez é bastante frequente aparecer nos seus trabalhos devido ao seu fascínio pelo nascimento, pela morte e pelo oculto. O equilíbrio está na expectativa que a imagem provoca no observador. Joyce Tenneson, combina a expressão do cliente com as cores, tons, o enquadramento fotográfico, e as referências de carácter culturais e sócio-culturais que cada ser lhe provoca. As formas circulares são constantes nas suas fotografias assim como a dualidade e simetria de imagens. B.B. King Jodi Foster Norah Jones Demi Moore Página 15 de 23

17 2.4. Joyce Tenneson em revistas e publicidade É uma fotógrafa conceituada cujas suas imagens se tornaram populares. Tenneson apresentou mais de 150 exposições em todo o mundo. Participou em vários trabalhos para revistas como: Time, Life, Dance Magazine, Entertainment Weekly, New York Times Magazine, Esquire, Opera Magazine e várias publicidades como: prescriptives entre outros. Tenneson começou recentemente a implementar a captura digital no seu trabalho, além de usar o computador para a criação de livros e promoção comercial, impondo novos requisitos de fluxo de trabalho, o seu trabalho é reconhecido por retratar a essência dos temas, além de ser imediatamente reconhecível pela forma como capta a imagem, é considerada uma das mais interessantes retratistas dos EUA da alma humana Tenneson descreve o seu trabalho como uma combinação de retrato e mitologia, e tenta fazer com que cada imagem tenha uma representação expressiva da pessoa que ela está fotografar, e tenta ir mais além do aquela pessoa simplesmente parece. A luz que incide sobre a figura humana serve para a própria pessoa sentir a sua própria essência e darem lugar ao registo dessas revelações. A fotografa ao longo dos anos tem ganho diversos prémios pelas suas imagens, incluído o Infinity Award de melhor fotografia aplicada do International Center of Photography and Photographer of the Year da organização internacional Women in Photography. Ela também foi considerada uma das dez fotógrafas mais influentes na história da fotográfica em uma pesquisa feita pela revista American PHOTO. Considerada mestre nos processos tradicionais de fotografia, decidiu implantar a tecnologia digital nos seus trabalhos. Página 16 de 23

18 Alguns trabalhos publicitários de Joyce Tenneson 2.5. Componentes Culturais e Sócio-culturais No trabalho de Joyce Tenneson existem vários aspectos culturais mas sobretudo sócio-culturais que devo referir. É de certo que Joyce Tenneson aponta nos seus traços biográficos uma infância vivida num convento devido aos seus pais trabalharem lá, o que a faz transparecer no seu trabalho referências culturais e socioculturais. Sobretudo do hábito de freira, também aspectos como o cobrir do corpo com leves panos, muitas vezes semitransparentes, ou mesmo cobrir o corpo com o próprio corpo como na imagem que analisei posso referir esses aspectos culturais, a nudez como tabu poderá também ser uma referência cultural, pois as freiras por exemplo, estão todas cobertas, apenas mostram a face. Nos trabalhos de Tenneson ainda encontramos uma vertente mitológica, a mitologia é trazida para a fotógrafa através da tentativa de compreender o que está para além do nascer, viver e morrer. Página 17 de 23

19 Referências culturas ocidentais e orientais também são muitas vezes inspiração para Joyce Tenneson. 3. Contemporâneos de Joyce Tenneson 3.1. Graça Martins Graça Martins Pintora e Artista Gráfica A fotografia de nu tem inspirado os artistas em geral, e os que lidam directamente com as Belas-Artes em particular. O corpo humano transmite-nos mistério e beleza, Página 18 de 23

20 sensualidade e erotismo, e, ao mesmo tempo, mostra-nos como pode oferecer-nos simplicidade e complexidade. Escolhi uma pintora e artista gráfica portuguesa chamada Graça Martins, pelo facto de se identificar bastante com o perfil característico de Joyce Tenneson. Cronologicamente posterior a Tenneson, inspira-se em fotografias como as da fotógrafa para realizar muitos dos seus trabalhos. Ambas são seguidoras de um estilo muito próprio de sentido sobretudo feminista, pois preferem projectar na maioria dos seus trabalhos a figura feminina. Graça Martins acredita que a mulher vê e sente diferente do homem, tenta passar imagens sensuais com uma mensagem muito forte. Preocupa-se com o lugar que a mulher ocupa na sociedade. A maioria das imagens fotográficas que motivam a pintora Graça Martins provêm de mulheres fotografas como: JOYCE TENNESON, DIANA BLOK E MARLO BROEKMANS etc Nas imagens seguintes podemos ver projecções de alguns dos trabalhos de Graça Martins, onde conseguimos encontrar, além da forte presença feminina também um leque de cores e contraste entre o claro da pele e o negro do fundo em tons castanhos e pretos. Esta linha e seguida fortemente pela pintora e característica nas fotografias de Joyce Tenneson. O seu fascínio pela fotografia de Joyce Tenneson faz com que ela recrie na sua pintura fotografias como a segunda fotografia representada em baixo, de um dos trabalhos realizados pela fotógrafa da colecção Light Warriors Página 19 de 23

21 3.2. Diana Blok Diana Blok Fotógrafa De muitos fotógrafos da mesma época de Joyce Tenneson escolhi uma fotógrafa autodidacta conceituada chamada Diana Blok. O seu trabalho artístico passa pela descoberta constante da vida interior e da revelação da própria identidade. Por estes aspectos característicos decidi escolher esta fotógrafa como a segunda fotógrafa contemporânea de referência, por apresentar no seu trabalho aspectos importantes, marcantes também evidenciados nas fotografias de Joyce Tenneson. A dualidade e as simetrias são trazidas novamente por esta fotógrafa como é evidente nas reproduções de alguns dos seus trabalhos apresentados a seguir. É de salientar também a luz, o enquadramento das fotos e o grande contraste entre tons claros (cor da pele) com o fundo escuro das imagens, fazem transparecer de facto semelhanças entre as fotógrafas. Página 20 de 23

22 Conclusão Depois de fazer um estudo mais pormenorizado vou fazer uma apreciação global da imagem como conclusão ao estudo antropológico da imagem por mim estudada da fotógrafa Joyce Tenneson. Penso que todos os aspectos relevantes foram referidos no estudo da imagem. A imagem possuiu um enquadramento central com um linhas horizontais, verticais de estabilidade e obliquas de desequilíbrio e movimento, o que provocam alguma tensão em alguns momentos da imagem, possuindo ainda um enorme ponto de tensão central. Este ponto capta a atenção não só pela dimensão mas também pela cor, é a parte onde se nota uma maior área clara na imagem. A forma, textura, cor e volume também foram referidos no estudo antropológico, assim como referências culturais e sócio-culturais. Tentei aproximar este trabalho a outros trabalhos da mesma fotógrafa e de outros autores contemporâneos, para captar referências pessoais e culturais dos mesmos no estudo da imagem e na compreensão dos traços principais da fotógrafa Joyce Tenneson. Porém e ainda tive oportunidade de referir e falar um pouco sobre Joyce Tenneson em revistas e publicidade, assim como referir algumas fotos de algumas celebridades captadas por Joyce Tenneson. Página 21 de 23

23 Webgrafia enneson.mspx sw.php?action=act_sing_ph&p1=joyce Te nneson&p2=abcdefghijkln Pesquisa Google de mais imagens Página 22 de 23

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Aprender a ver. a preto e branco. Escolher o assunto certo é crucial para o sucesso das

Aprender a ver. a preto e branco. Escolher o assunto certo é crucial para o sucesso das Aprender a ver a preto e branco Escolher o assunto certo é crucial para o sucesso das suas fotos a preto e banco. Obtenha imagens únicas. No que toca à fotografia preto e branco, ser capaz de "ver" como

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

2. Equilíbrio. Dividiremos as formas de equilíbrio visual nas seguintes categorias:

2. Equilíbrio. Dividiremos as formas de equilíbrio visual nas seguintes categorias: 2. Equilíbrio O equilíbrio é um parâmetro da imagem que está diretamente relacionado com o inconsciente. Andamos de modo equilibrado, sem pensar que o estamos fazendo. Ao tentarmos a mesma experiência

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

MARIA MIGUEL RODRIGUES 12ºD2 LEWIS WICKES HINE

MARIA MIGUEL RODRIGUES 12ºD2 LEWIS WICKES HINE MARIA MIGUEL RODRIGUES 12ºD2 LEWIS WICKES HINE PROPOSTA DE TRABALHO Para este trabalho, foi-nos proposto realizar três fotografias interpretando o olhar fotográfico de um fotógrafo significante da história

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

Desejos Ocultos 1. Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS.

Desejos Ocultos 1. Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS. Desejos Ocultos 1 Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS. RESUMO A fotografia pertence ao mundo das imagens como representações visuais.

Leia mais

SE O MEU TELEMÓVEL VOASSE

SE O MEU TELEMÓVEL VOASSE SE O MEU TELEMÓVEL VOASSE CONCURSO SOBRE OS DIREITOS DAS CRIANÇAS 1. Apresentação TEMA GERAL DIREITO À DIFERENÇA EU MAIS TU REGULAMENTO DO CONCURSO O IAC-CEDI, Centro de Estudos, Documentação e Informação

Leia mais

Entrevista à artista plástica Sofia Areal: "Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito"

Entrevista à artista plástica Sofia Areal: Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito lazer // Entrevista à artista plástica Sofia Areal: "Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito" A pintora vai inaugurar uma exposição, em Setembro. O pretexto ideal para nos lançarmos à conversa com

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

E ntrevista. Raphael Lacoste. por Alberto Andrich

E ntrevista. Raphael Lacoste. por Alberto Andrich E ntrevista por Alberto Andrich Raphael Lacoste R aphael Lacoste nasceu em Paris em 1974, onde morou até os seis anos de idade. Após ter vivido na Argélia por dois anos, acompanhando seu pai no serviço

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza Curso de Design Linguagem Visual Luciano Pedroza O Designer O designer, ao contrário do pensamento comum não é artista, mas utiliza elementos da arte no desenvolvimento do projeto. O artista, por definição,

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

O Erotismo. através do bilhete postal ilustrado. Prefácio de Baptista-Bastos

O Erotismo. através do bilhete postal ilustrado. Prefácio de Baptista-Bastos O Erotismo através do bilhete postal ilustrado Prefácio de Baptista-Bastos ndice Apresentação 4 Prefácio 6 O Nu 16 O Nu com Adorno 32 O Beijo 44 Arcimboldesco 50 Pecados Capitais 56 A Meia como Símbolo

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A A TEMPESTADE É um quadro que mostra um profundo senso de

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

A Licensee of The Coca-Cola Company

A Licensee of The Coca-Cola Company A Licensee of The Coca-Cola Company Um século de publicidade de uma marca mítica Desde que começou a ser comercializada em 1886, a Coca-Cola foi pioneira em todos os aspectos relacionados com o marketing

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

Converter leitores em clientes com o seu blog corporativo Pagina 2. O que é o Blog Corporativo e por que você deve usá-lo?

Converter leitores em clientes com o seu blog corporativo Pagina 2. O que é o Blog Corporativo e por que você deve usá-lo? Converter leitores em clientes com o seu blog corporativo Pagina 2 INTRODUÇÃO O que é o Blog Corporativo e por que você deve usá-lo? * Talvez este e-book não pode ajudá-lo, mas eu fiz isso para que você

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

FOTO Nº 1. AUTOR João Mendes, 8ºD. Entre os pavilhões B e C. EQUIPAMENTO Telemóvel? DESCRIÇÃO. Nem Todas as Nuvens São Brancas ou Cinzentas

FOTO Nº 1. AUTOR João Mendes, 8ºD. Entre os pavilhões B e C. EQUIPAMENTO Telemóvel? DESCRIÇÃO. Nem Todas as Nuvens São Brancas ou Cinzentas FOTO Nº 1 João Mendes, 8ºD Entre os pavilhões B e C Telemóvel? É uma nuvem com cor causada pelo sol já estar baixo. Nem Todas as Nuvens São Brancas ou Cinzentas FOTO Nº 2 João Mendes, 8ºD Entrada do bloco

Leia mais

Quem vê ra vê coraçõe

Quem vê ra vê coraçõe Quem vê ra vê coraçõe 74 9 Dezembro 2007 Pública abos s As normas mandam escondê-los, mas há uma exposição que os mostra. Texto de Nuno Ribeiro, em Madrid Pública 9 Dezembro 2007 75 De todas as partes

Leia mais

personal cool brand anouk pappers & maarten schäfer

personal cool brand anouk pappers & maarten schäfer personal cool brand Os holandeses Anouk Pappers e Maarten Schäfer, da CoolBrands, trabalham há 12 anos fazendo storytelling para marcas, que se trata de extrair histórias sobre elas por meio de conversas

Leia mais

Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso

Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso Integração da Comunidade 263 Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso Por haver uma grande diversidade, em termos do que pode ser feito em diferentes países e lugares,

Leia mais

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA ISSN 2316-7785 ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA Luciane Bichet Luz UFPEL lbichet615@hotmail.com Amanda Prank UFPEL amandaprank@ymail.com RESUMO Esta pesquisa busca relacionar a Matemática

Leia mais

CAIXAS DE MEMÓRIAS. O que guarda o Centro de Arte Moderna? Quem pensa e faz obras de arte? escultor. Sobre o que nos fala uma obra de arte?

CAIXAS DE MEMÓRIAS. O que guarda o Centro de Arte Moderna? Quem pensa e faz obras de arte? escultor. Sobre o que nos fala uma obra de arte? CAIXAS DE MEMÓRIAS No CAM existem muitas obras de arte, cheias de ideias e histórias para nos contar, tantas que nem sempre nos conseguimos lembrar de todas... a não ser que elas se transformem em memórias!

Leia mais

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO 1 POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO RESUMO Colégio Londrinense Alunos (as): Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto; Lucas Assis; Rafael Noriaki Yamamoto Orientadora: Wiviane

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

ENTREVISTA A ESTHER LISKA

ENTREVISTA A ESTHER LISKA ENTREVISTA A ESTHER LISKA Mentora dos projetos Glow Branding You/ Glow Lunch De mulheres para Mulheres! IS Gostaria que nos falasse um pouco sobre o seu percurso, a sua carreira, como tudo começou EL -

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Concurso Logotipo do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet. Segue, o Logotipo colorido, preto e branco e uma breve explicação de cada um.

Concurso Logotipo do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet. Segue, o Logotipo colorido, preto e branco e uma breve explicação de cada um. Concurso Logotipo do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet Prezados, Segue, o Logotipo colorido, preto e branco e uma breve explicação de cada um. LOGOTIPO - 01 DESCRIÇÃO: Com apelo visual forte,

Leia mais

Design Web Formas. Elisa Maria Pivetta. Sinto, penso, logo desenho

Design Web Formas. Elisa Maria Pivetta. Sinto, penso, logo desenho Design Web Formas Elisa Maria Pivetta Sinto, penso, logo desenho Formas básicas em Design Comunicamos mediante linguagem falada, verbal, formada por letras, palavras, frases, etc. que, combinados, formam

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela.

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela. 1 The Bridgeman Art Library SÉRIE 1: retrato/ Vincent van Gogh 1889 Óleo sobre tela. 4 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC 09-7945). para olhar pensar, imaginar...

Leia mais

ENSAIO. L âme de fond. As impressionantes longas exposições de Philippe Mougin estimulam viagens muito além da imaginação

ENSAIO. L âme de fond. As impressionantes longas exposições de Philippe Mougin estimulam viagens muito além da imaginação ENSAIO L âme de fond As impressionantes longas exposições de Philippe Mougin estimulam viagens muito além da imaginação 48 Bola Teixeira Fotos: Philippe Mougin Philippe Mougin é um fotógrafo francês de

Leia mais

Neo - Expressionismo

Neo - Expressionismo UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS E JURIDICAS CURSO DE ARTES VISUAIS COMPONENTE CURRICULAR: TECNOLOGIAS DA EDUCAÇÃO PROFESSORA: MARCELA DO PRADO ACADÊMICA:

Leia mais

exposição de fotografia mundos mudos de antónio sobral 03 jan-11 mar 08 alcaidaria do castelo de loulé

exposição de fotografia mundos mudos de antónio sobral 03 jan-11 mar 08 alcaidaria do castelo de loulé exposição de fotografia mundos mudos de antónio sobral 03 jan-11 mar 08 alcaidaria do castelo de loulé António Manuel Brilhante Sobral nasceu em Foz Côa, em 1963. Fez a instrução primária em Freixo de

Leia mais

A CRIANÇA E O BRINCAR COMO OBRA DE ARTE

A CRIANÇA E O BRINCAR COMO OBRA DE ARTE ANTÓNIO CAMILO CUNHA SARA TIAGO GONÇALVES A CRIANÇA E O BRINCAR COMO OBRA DE ARTE ANALOGIAS E SENTIDOS WH!TEBOOKS ANTÓNIO CAMILO CUNHA SARA TIAGO GONÇALVES ANTÓNIO CAMILO CUNHA SARA TIAGO GONÇALVES A CRIANÇA

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON São Paulo 2009 BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON Trabalho apresentado como exigência parcial

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

a d o n i s Poemas Organização e tradução Michel Sleiman Apresentação Milton Hatoum

a d o n i s Poemas Organização e tradução Michel Sleiman Apresentação Milton Hatoum a d o n i s Poemas Organização e tradução Michel Sleiman Apresentação Milton Hatoum Copyright Adonis for the Arabic text Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Estudar a chuva que não se vê

Estudar a chuva que não se vê Estudar a chuva que não se vê O trabalho do seu estágio científico da licenciatura em Biologia ganhou, recentemente, uma menção honrosa no VIII Congresso Nacional da Água. Aluno da UMa, Celso Figueira

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer]

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] colagem, remix narrativa em banco de dados remix de referências de várias áreas novas tecnologias a maneira que eu trabalho Eu acredito, na verdade,

Leia mais

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMO Filosofia de vida da qual deriva uma atitude crítica frente aos factos e perante a sociedade Tomada de consciência Resposta que conduz à mudança, a partir

Leia mais

UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1

UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1 UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1 Luiz Henrique Oliveira Silva Carlos de PAIVA 2 Lamounier Lucas PEREIRA JÚNIOR 3 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte,

Leia mais

PESADELOS DE MARIANNA GARTNER PUBLICADO EM ARTES E IDEIAS POR CAROLINA CARETTIN

PESADELOS DE MARIANNA GARTNER PUBLICADO EM ARTES E IDEIAS POR CAROLINA CARETTIN PESADELOS DE MARIANNA GARTNER PUBLICADO EM ARTES E IDEIAS POR CAROLINA CARETTIN Pintura e fotografia numa inspiradora mistura artística Marianna Gartner, "Diablo Baby" (óleo sobre tela). A arte é capaz

Leia mais

Mulher do Futuro. Construindo um Projeto de Vida Integral. Por Maju Canzi Limiyarti www.mulherintegral.com

Mulher do Futuro. Construindo um Projeto de Vida Integral. Por Maju Canzi Limiyarti www.mulherintegral.com Mulher do Futuro Construindo um Projeto de Vida Integral Por Maju Canzi Limiyarti www.mulherintegral.com Mulher do Futuro Construindo um Projeto de Vida Integral Sobre a Autora Maju Canzi Limiyarti é Coach

Leia mais

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros DEUS SE REVELA ATRAVÉS DOS OUTROS Ser Marista com os outros: Experimentar caminhos de vida marista comunitariamente INTRODUÇÃO

Leia mais

Estudo de Caso na Abordagem do Psicodrama

Estudo de Caso na Abordagem do Psicodrama Estudo de Caso na Abordagem do Psicodrama Júlia Linéia Schapuiz Acadêmica e Estagiária de Psicologia Ms. Evandir Bueno Barasuol Professora e Orientadora O presente estudo trata-se de um caso clínico do

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... 19 2. AUTOESTIMA... 23 2.1 Autoaceitação... 24 2.2 Apreço por si... 26

Leia mais

ANEXOS 3º CICLO O OUTRO EM MIRA

ANEXOS 3º CICLO O OUTRO EM MIRA ANEXOS 3º CICLO O OUTRO O VALOR DE MAIS UM Anexo 01 Um pássaro perguntou a uma pomba quanto pesava um floco de neve. A pomba respondeu: Nada. Mesmo nada. Foi então que o pássaro contou esta história à

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE Fonte: http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/catalogue-des-oeuvres/resultatcollection.html?no_cache=1&zoom=1&tx_damzoom_pi1%5bzoom%5d=0&tx_da mzoom_pi1%5bxmlid%5d=001089&tx_damzoom_pi1%5bback%5d=fr%2fcollec

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 Módulo 1- O GOSTO PELA AVENTURA Tema 1 - A atracção ao desconhecido Experiência de aventuro. (Situações que exprimem experiências de aventura como a condução de veículos, iniciação

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

BLACK MÚSICA ANIMADA. FADE IN: Close de imagens variadas dos produtos da Drama Queen Make Up, mostrando suas diferentes cores, formas e texturas.

BLACK MÚSICA ANIMADA. FADE IN: Close de imagens variadas dos produtos da Drama Queen Make Up, mostrando suas diferentes cores, formas e texturas. 1 Roteiro para Institucional CLIENTE: Drama Queen Make Up PEÇA: Introdução ao treinamento/5 TÍTULO: Você faz parte desse time! ROTEIRISTA: Simone Teider VIDEO BLACK FADE IN: Close de imagens variadas dos

Leia mais

RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES

RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES EM UMA MESMA IMAGEM Maria da Glória Weissheimer Professora-Tutora Externa Marinilse Netto Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Curso Artes Visuais

Leia mais

CLIENTE ENTREVISTA. H: Opine as possibilidades que podemos fazer em meu conforto, my favorite place, também conhecido como meu quarto.

CLIENTE ENTREVISTA. H: Opine as possibilidades que podemos fazer em meu conforto, my favorite place, também conhecido como meu quarto. Hugo Dellasta, 17 Anos Estudante. CLIENTE ENTREVISTA H: Opine as possibilidades que podemos fazer em meu conforto, my favorite place, também conhecido como meu quarto. K: Então, gostaria de saber o que

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

MULHER VIP DESEJO E FETICHE : REPRESENTAÇÕES ICÔNICAS

MULHER VIP DESEJO E FETICHE : REPRESENTAÇÕES ICÔNICAS MULHER VIP DESEJO E FETICHE : REPRESENTAÇÕES ICÔNICAS Camila Machado de Souza (IC Voluntária - UNICENTRO) Drª Níncia Cecília Ribas Borges Teixeira (Orientadora) ninciaborgesteixeira@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

- CURSO DE MAQUIAGEM -

- CURSO DE MAQUIAGEM - - CURSO DE MAQUIAGEM - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). SOBRANCELHA E

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Nome: Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto e Eduardo Rossi Claudino.

Nome: Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto e Eduardo Rossi Claudino. Nome: Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto e Eduardo Rossi Claudino. Professor: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva Forma de Apresentação: Painel Instituição: Colégio Londrinense A poética no olhar

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

RESULTADOS DA CHAMADA CRIATIVA 04/12/12 A 28/01/13

RESULTADOS DA CHAMADA CRIATIVA 04/12/12 A 28/01/13 RESULTADOS DA CHAMADA CRIATIVA 04/12/12 A 28/01/13 229 IDEIAS POSTADAS ESPONTANEAMENTE 75% 17% 6% 2% 141 PARTICIPANTES 32% feminino 68% masculino 38% SÃO PAULO 16% BAHIA 14% BRASÍLIA 10% RIO DE JANEIRO

Leia mais

viseu.tv televisão regional na internet

viseu.tv televisão regional na internet viseu.tv televisão regional na internet Projecto realizado no âmbito de estágio do Curso de Especialização Tecnológico de Técnicos de Desenvolvimento de Produtos Multimédia VTV Viseu.tv, Lda Aluna: Pedro

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

. Instituto Politécnico de Lisboa

. Instituto Politécnico de Lisboa Jorge Veríssimo O CORPO NA PUBLICIDADE Edições Colibri. Instituto Politécnico de Lisboa Biblioteca Nacional Catalogação na Publicação VERÍSSIMO, Jorge, 1966- O corpo na publicidade. (Caminhos do conhecimento

Leia mais

especiais por ano, garantindo a máxima capacidade de transporte para jogos de futebol, concertos e outras celebrações de massas.

especiais por ano, garantindo a máxima capacidade de transporte para jogos de futebol, concertos e outras celebrações de massas. O Metro do Porto O Metro é um sistema de transportes públicos da Área Metropolitana do Porto e combina uma rede ferroviária subterrânea, no centro da cidade, com linhas à superfície em meio urbano e diversos

Leia mais

Unificação Fechamento Continuidade

Unificação Fechamento Continuidade UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1081 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Matriz: 421 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Componente Curricular: EXPRESSÃO GRÁFICA

Leia mais

Press Release 21 de junho de 2013

Press Release 21 de junho de 2013 Press Release 21 de junho de 2013 O Instituto Sacatar tem a satisfação de anunciar a chegada de um novo grupo de seis artistas premiados, cada um, com um período de residência de oito semanas de duração

Leia mais

Educação Visual - Cód. 14

Educação Visual - Cód. 14 Agrupamento Vertical de Escolas de Abação Escola EB 2,3 Abação Informação n.º 1 ---------------------------------------------------- Data: 12 de maio de 2014 ----------------------------------------------------

Leia mais

Exemplos de Boas Práticas de RSE

Exemplos de Boas Práticas de RSE Exemplos de Boas Práticas de RSE 7.4. Pritchard Englefield Filme sobre a RSE na comunidade Resumo A empresa Pritchard Englefield foi fundada em 1848. Está sediada na City de Londres (Grã-Bretanha). A Pritchard

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Artes. Portfólio Digital. Taila Idzi

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Artes. Portfólio Digital. Taila Idzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Artes Portfólio Digital Taila Idzi Oficina de Criação Tridimensional Professor Carlos Augusto Camargo Porto Alegre, 09 de julho de 2009 Uma breve

Leia mais

VIDAS PARALELAS. LIVRO l. Série: VIDAS 1ª EDIÇÃO. Patty Freitas

VIDAS PARALELAS. LIVRO l. Série: VIDAS 1ª EDIÇÃO. Patty Freitas VIDAS PARALELAS VIDAS PARALELAS LIVRO l Série: VIDAS 1ª EDIÇÃO 2014 Patty Freitas Os livros são abelhas que levam o pólen de uma inteligência à outra James Russel Lowell DEDICATÓRIA Dedico este livro

Leia mais

Fotobiografia microcosmo despercebido

Fotobiografia microcosmo despercebido 52 Fotobiografia microcosmo despercebido Pedro Alberto Nacer Zilli Texto e fotos M eu nome é Pedro Alberto Nacer Zilli, nasci no Uruguai em 1942, filho de pais descendentes de imigrantes italianos e libaneses.

Leia mais

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais