FINANCEIROS E MONETÁRIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FINANCEIROS E MONETÁRIOS"

Transcrição

1 BANCO CENTRAL DO BRASIL FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES MONETÁRIAS E FINANCEIRAS OFICIAIS REUNIÃO DE ABERTURA NA AMÉRICA LATINA A POSIÇÃO DA AMÉRICA LATINA NA NOVA CONJUNTURA EM TERMOS FINANCEIROS E MONETÁRIOS DE JUNHO, BANCO CENTRAL DO BRASIL, BRASÍLIA A ASCENSÃO DAS NOVAS MOEDAS NO MUNDO MULTIPOLAR INTERVENÇÃO DO DR. ANSELMO TENG, PRESIDENTE DA AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU 18 DE JUNHO DE 2013 Caros convidados, Senhoras e senhores, 1) Estou muito honrado por poder participar na reunião de abertura do Official Monetary and Financial Institution Forum (OMFIF), na América Latina. Permitam-me, pois, agradecer ao OMFIF e ao Banco Central do Brasil, por me terem endereçado o convite. Estou muito contente por ter esta oportunidade, de me deixam partilhar, de um ponto de vista do outro lado do Mundo, com os presentes o tema A ascensão das novas moedas no mundo multipolar, do ponto de vista do outro lado do mundo. A reserva de moedas tradicionais e de moedas alternativas 2) A crise financeira ocorrida recentemente nos países desenvolvidos afecta, de igual modo, o mercado financeiro dos países de desenvolvimento emergente e as economias asiáticas com uma base de dimensão económica mais sólida, que não podem estar imunes, igualmente, a esta crise. O uso extensivo da reserva das moedas tradicionais no comércio bilateral, como meios de pagamento, entre as economias emergentes tem provocado, recentemente, alguma incerteza. A Page 1

2 flutuação derivada da conversão de moedas do tipo não reserva inibe o comércio normal entre as economias emergentes, impedindo, desta forma, o desempenho do princípio da vantagem comparativa dos serviços de exportação. Por outro lado, nos períodos tensos do mercado, a vulnerabilidade do acesso a fundos de moedas de reserva provoca tensão no mercado interbancário offshore, que provou esse contágio e se espelhou às actividades de financiamento do comércio. Essa sequência de eventos reflecte a necessidade de promover o uso das moedas regionais no comércio intraregional, bem como o reforço do uso das moedas de reserva não-tradicionais no comércio e financiamento internacionais. 3) De acordo com um artigo recentemente publicado pela Organização Mundial do Comércio sobre o uso das moedas no comércio internacional, quase todas as moedas do tipo não-reserva não são usadas, de maneira plena; por exemplo, a sua percentagem de utilizações nos pagamentos internacionais é muito mais reduzida do que a da sua quota representativa no comércio internacional. Pelo contrário, o uso das principais moedas de reserva excede desproporcionadamente as suas acções no comércio internacional. Paralelamente, observa-se também que as moedas de reserva são amplamente utilizadas no comércio de terceiros, ou seja, o comércio que realmente não envolve a moeda de reserva dos países emissores. Assim, há muito espaço para o crescimento das moedas alternativas, especialmente em termos de uso no comércio bilateral entre os próprios países de desenvolvimento emergente. 4) As moedas dos países de desenvolvimento emergente, particularmente o Renminbi, a moeda do segundo maior sistema económico do mundo e do comércio internacional, calculada com base no Produto Interno Bruto, tem mostrado a sua potencialidade de exploração da sua utilização a nível das transacções internacionais. Este fenómeno duradouro de reequilíbrio não só permite a circulação internacional das moedas regionais para melhor reflectir o aumento da proporção dos seus países no comércio internacional e da gravidade económica, como também evita a influência derivada dos choques monetários do sistema económico desenvolvido no sistema dos países de desenvolvimento emergente. 5) Segundo uma estatística económica global, os Estados Unidos da América são o maior sistema económico do Mundo. Em 2012, o seu Produto Interno Bruto foi de USD mil milhões, enquanto a China ocupa o segundo lugar com Page 2

3 um Produto Interno Bruto de USD8.200 mil milhões, correspondente a 52,2% em relação ao dos Estados Unidos da América. O Japão foi listado no terceiro lugar. Na análise das importações e exportações destes três países, nota-se uma série de dados convencíveis, com as importações anuais dos Estados Unidos da América a situarem-se nos USD2.300 mil milhões, enquanto as da China aumentaram para USD1.800 mil milhões. Temos de salientar que a China tem sido um país de maior exportação e o maior aumento da importação demonstra o aumento do poderio nacional e do mercado de consumidores. Sendo o terceiro maior sistema económico, as importações anuais do Japão atingiram apenas USD880 mil milhões, menos de metade das da China. O país que segue de perto a China neste aspecto é a Alemanha, com uma importação anual de USD1.200 mil milhões. 6) Nestes termos, podemos ver que a China, como um dos mercados emergentes, está gradualmente a mudar no comércio internacional, passando de fábrica internacional que produzia produtos para exportar, para um país importante de importação. Num recente fórum internacional, foi previsto que nos próximos cinco anos, a China importará produtos no valor de USD mil milhões, enquanto o investimento externo atingirá USD500 mil milhões e os turistas da China atingirão 0,4 mil milhões. Por outro lado, em 2011, o comércio entre a China e os países da América Latina atingiu USD241,5 mil milhões, vinte vezes os dados do ano 2000, e nos próximos cinco anos, foi previsto que atingirá USD400 mil milhões. Sendo o primeiro parceiro a nível comercial do Brasil, as exportações da China para o Brasil foram de 33,4 mil milhões, enquanto as importações do Brasil foram de 52 mil milhões, com trocas comerciais de USD85,4 mil milhões em A previsão do desenvolvimento económico reflecte o compromisso da China no desenvolvimento económico mundial, que se insere na dinâmica desse mesmo desenvovlimento. 7) Como foi referido, a China já foi transformada num país significativo de importações. No processo das actividades comerciais, a China deve ter mais poder de decisão para determinar a moeda de liquidação das transacções e o Renminbi será a escolha das transacções transfronteiriças, contribuindo assim para a sua internacionalização. Em Julho de 2009, o Banco Popular da China e os respectivos serviços do Conselho de Estado promulgaram as Normas administrativas do programa-piloto para a regularização das transacções em renminbis no comércio transfronteiriço, que são uma etapa crucial para a Page 3

4 internacionalização do Renminbi. Com a expansão constante do programapiloto, quase todas as empresas qualificadas para importações e exportações da China podem escolher livremente a utilização do Renminbi como moeda de liquidação com os seus parceiros comerciais de todo o mundo. Região Administrativa Especial de Macau e o seu sistema bancário 8) Macau é uma região administrativa especial da China. Desde a reunificação à Mãe Pátria, em 20 de Dezembro de 1999, a economia global de Macau tem-se expandido a uma taxa compósita de 12,4% por ano. Em 2012, o rendimento médico per capita foi de USD Macau tem sempre privilegiado o sistema de mercado livre, não estabelecendo nenhum controlo monetário; o mercado e as instituições financeiras funcionam de modo livre e o fluxo de fundos é também livre, tudo isto constituindo uma base para um bom e livre sistema económico. Actualmente há 29 bancos a funcionar no sistema bancário em Macau com origens diferentes: China, Taiwan, Região Administrativa Especial de Hong Kong, Singapura, Estados Unidos da América, Inglaterra e Portugal. Em Abril de 2013, os depósitos em Renmibi em Macau ocupavamm 10% dos depósitos totais. Apesar de este tipo de transacções ter sido iniciado tardiamente, a regularização das transacções transfronteiriças em Renmibi foi desenvolvida de modo acelerado. A regularização das transacções transfronteiriças em Renmibi em 2011 foi dez vezes mais, comparadas com as do ano de 2010, enquanto as de 2012 registaram um aumento de 60%. No primeiro trimestre do ano 2013, o aumento substancial continuou, correspondendo a um aumento de 80% no mesmo período do ano transacto, valor este que já atingiu 40% do valor total do ano transacto. Serviços e produtos em Renminbi no Sistema Bancário de Macau 9) O comércio em Renminbi foi apenas destinado a indivíduos e determinados sectores quando iniciou o seu funcionamento em Com o desenvolvimento e o apoio das políticas nestes anos, os bancos de Macau podem fornecer às empresas do exterior uma série de serviços e produtos em Renminbi, incluindo depósitos, câmbios, remessas, financiamentos e gestão de fortunas. Todas as empresas, incluindo as empresas do exterior, podem abrir contas de depósitos e conversão em Renminbi nos bancos de Macau. Os bancos que Page 4

5 funcionam em Macau podem fornecer diversos serviços e produtos de regularização de transacções às empresas do exterior, tais como contas de regularização de transacções em Renminbi, câmbios em Renminbi e remessas em Renminbi para regularização das transacções e até financiamentos às importações e exportações feitos caso a caso. Os bancos em Macau também podem fornecer às empresas uma série de financiamentos comerciais em Renminbi, bem como non-deliverable forward e deliverable forward em Renminbi, para que as empresas possam efectuar hedge contra as exposições ao Renminbi. As entidades comerciais e as instituições financeiras podem emitir títulos em Renminbi em Macau. As mesmas também podem utilizar fundos em Renminbi para colocar directamente em produtos de investimento fornecidos pelos bancos de Macau ou no mercado offshore de Renminbi de Hong Kong. 10) Razões do desenvolvimento das actividades em Renminbi através de Macau Macau tem desempenhado um relevante papel de plataforma, no âmbito da cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa, com base nas suas especiais condições geográficas e históricas. Macau é a única cidade da China que pode manter numa relação especial com os países de língua portuguesa. Estes países englobam Angola, Brasil, Cabo Verde, Timor-Leste, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe. O Governo Central presta grande atenção em relação a este assunto. Em 2003, foi estabelecido o Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação entre a China e os países de língua portuguesa. Em Novembro de 2010, Wen Jiabao, Primeiro Ministro da República Popular da China, participou na 3.ª Conferência Ministerial do Fórum para a Cooperação entre a China e os países de língua portuguesa e anunciou uma série de políticas para promover o papel de Macau como plataforma de cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa, esperando que Macau possa desempenhar um papel nuclear de fomento das actividades de regularização de transacções em Renminbi, que pode salientar o papel de plataforma de cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa. De facto, Macau pode estender esta plataforma aos países da América Latina: Page 5

6 O comércio entre a China e os países de língua portuguesa registou um notável desenvolvimento. Em 2012, o comércio entre a China e os países de língua portuguesa atingiu a USD128,8 mil milhões, corresponde a 10,1% do aumento comparado com o do ano anterior, verificando-se uma grande procura de serviços financeiros. Na prestação de serviços financeiros práticos ao comércio, Macau também pode perfeitamente encarnar o seu papel de plataforma. Com estes privilégios de plataforma, os serviços e produtos em Renminbi dos referidos bancos podem ser estendidos aos países de língua portuguesa e até aos países da América Latina; A cooperação financeira entre Macau e os países de língua portuguesa tem adquirido um desenvolvimento notável. Em Macau, alguns bancos chineses já celebraram acordos de cooperação com instituições financeiras dos países de língua portuguesa, tais como: a Sucursal de Macau do Banco da China com o Banco de Fomento de Angola S.A.R.L., e o Moza Banco S.A. com o Banco BPI S.A. celebraram protocolos, enquanto o Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. celebrou acordos de cooperação com o Banco Espírito Santo e o Millenmium BCP, respectivamente. As empresas-mãe dos sucursais portugueses em Macau também têm uma rede de sucursais ampla nos países de língua portuguesa. Para além disso, através das sucursais e filiais em Macau, os bancos chineses reforçaram a interacção com os congéneres do exterior. A interacção e a cooperação entre os bancos chineses e portugueses passou a ser mais ampla e utilizada com a plataforma de Macau e a sua rede tornou-se mais extensa. O Renminbi como instrumento de investimento 11) O desenvolvimento do Renminbi como instrumento de investimento está a captar mais atenção de todos os cantos do Mundo. Nos últimos anos, inumerosos títulos Dim Sum, certificados de depósitos e fundos de investimento têm sido desenvolvidos no mercado offshore de Renminbi em Hong Kong. A extensão dos programas QFII e RQFII permite que os investidores elegíveis das instituições possam escolher diferentes tipos de produtos de investimento onshore e offshore. Shanghai está a construir as Page 6

7 necessárias infra-estruturas financeiras para Centro onshore do Renminbi. As infra-estruturas incluem o Centro de gestão de activos em Renminbi, o Centro de regularização transfronteiriça em Renminbi e o Centro de inovação de produtos financeiros em Renminbi. Por outro lado, a Província Guangodong, região pioneira da reforma económica da China, procedeu a planos de desenvolvimento de actividades em Renminbi em Qianhai e nas Ilhas Hengqing, que são considerados como regiões pioneiras para o desenvolvimento das actividades financeiras. 12) Sendo a entidade responsável pela gestão da Reserva Financeira do Governo, a Autoridade Monetária de Macau também efectuou investimentos no mercado onshore em Renminbi, através de uma quota CIBM do Banco da China, com autorização concedida pelo Banco Popular da China. Também investiu no mercado offshore de Renminbi em Hong Kong, como complemento da carteira do mercado onshore. Do ponto de vista global, com o aumento do peso do Renminbi na regularização das transacções internacionais e no investimento, a internacionalização da Renminbi trará mais oportunidades ao mercado, quer aos investidores da China, quer aos investidores offshore. 13) As moedas dos mercados emergentes, como é o Renminbi, podem adquirir mais quotas nas moedas de reserva tradicional; no entanto, no seu próprio mercado financeiro têm de ser introduzidas reformas, passando a ser mais abrangente, mais dinâmico e mais internacional. Sob a situação do controlo cambial cada vez mais amplo, o mercado financeiro deve fornecer acessos fáceis aos não residentes para conhecerem os instrumentos de investimento, devendo o fornecimento de moeda ser suficiente. 14) Actualmente, a China tem dois centros financeiros principais: Shanghai é o Centro onshore do Renminbi, que se encontra em processo de desenvolvimento como centro financeiro internacional, enquanto Hong Kong está vocacionado para actividades offshore. O desenvolvimento de outros centros offshore de Renminbi, tais como Londres, Singapura e Taiwan também estão em vias de desenvolvimento. 15) O relacionamento sólido de Macau com as regiões periféricas, como Hong Kong, Shanghai e província de Guangdong, acrescido dos laços especiais estabelecidos com os países de língua portuguesa, facilita a transformação de Page 7

8 Macau como plataforma de prestação de serviços, no âmbito do desenvolvimento acelerado das actividades comerciais e de investimento entre a China e os países de língua portuguesa. Assim, é claro que os países da América Latina podem, igualmente, aproveitar esta plataforma de serviços. Macau dispõe de um sistema financeiro aberto e estável e está bem preparado para se envolver activamente na próxima etapa da internacionalização do RMB e na aparente ascensão do RMB no mundo das múltiplas moedas. 16) Finalmente, estou contente por ter a oportunidade de partilhar as minhas experiências e impressões sobre este assunto. Permitam-me que manifeste os meus votos de sucesso, a esta reunião de abertura. Muito obrigado a todos! Page 8

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

1. Situação do desenvolvimento do sector financeiro de Guangdong

1. Situação do desenvolvimento do sector financeiro de Guangdong Intervenção do Chefe do Gabinete dos Serviços Financeiros de Guangdong, Dr. Zhou Gaoxiong, no Fórum na Área Financeira de Macau 10 de Outubro de 2012 Exma. Sra. Dra. Gao Yan, Subdirectora do Gabinete de

Leia mais

CEPA Suplemento ao Acordo

CEPA Suplemento ao Acordo CEPA B. Actividade bancária e outros serviços financeiros Serviços de compra e venda de títulos financeiros (securities) É permitido aos especialistas da área de compra e venda de títulos financeiros (securities),

Leia mais

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 7. Actividade Financeira. Subsector

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 7. Actividade Financeira. Subsector CEPA B. Actividade bancária e outros serviços financeiros [excluindo actividade seguradora e serviços de compra e venda de títulos financeiros (securities)] a. Aceitação de depósitos e outros fundos reembolsáveis

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Autoridade Monetária de Macau Cocktail da Primavera - 2015 Discurso do Presidente do Conselho de Administração, Dr. Anselmo Teng (14 de Abril de 2015)

Autoridade Monetária de Macau Cocktail da Primavera - 2015 Discurso do Presidente do Conselho de Administração, Dr. Anselmo Teng (14 de Abril de 2015) Autoridade Monetária de Macau Cocktail da Primavera - 2015 Discurso do Presidente do Conselho de Administração, Dr. Anselmo Teng (14 de Abril de 2015) Exmo. Senhor Secretário para a Economia e Finanças,

Leia mais

Síntese das principais medidas de liberalização aplicadas a diversos Sector de Serviços

Síntese das principais medidas de liberalização aplicadas a diversos Sector de Serviços Síntese das principais medidas de liberalização aplicadas a diversos sectores de serviços: Sector de Serviços Pontos principais do Suplemento VI ao Acordo Serviços Jurídicos É permitido aos advogados de

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2005 Número 13 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2005 Número 13 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2005 Número 13 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Reunião conjunta de cooperação Guangdong-Macau 2005 realizada em Macau

Leia mais

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy Conferência 1º Fórum União de Exportadores CPLP CPLP: Comunidade de povos abrangente auto-sustentável Lisboa, 26 e 27 de junho de 2015 Sessão de Encerramento 27 de junho de 2015 Intervenção do Secretário

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente devem tomar atenção e enfrentá-las. No ano transacto, a AMCM cumpriu as suas atribuições, tendo continuado a apoiar o funcionamento e o desenvolvimento das instituições financeiras, assegurou a estabilidade

Leia mais

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Senhora Ministra das Finanças, Senhores Representantes Diplomáticos, Senhores

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caixa China Invest 2015_PFC Produto Financeiro Complexo O Caixa China Invest 2015 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 2 anos, denominado em Euros,

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

A crise financeira mundial e os países da CPLP

A crise financeira mundial e os países da CPLP A crise financeira mundial e os países da CPLP Como podem trabalhar em conjunto contra os efeitos da crise Direcção Nacional Política Económica, Timor-Leste 1 Estrutura da Apresentação Os efeitos da crise

Leia mais

19º ENCONTRO DE LISBOA DAS DELEGAÇ Õ ES DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E DE TIMOR-LESTE À ASSEMBLEIA ANUAL

19º ENCONTRO DE LISBOA DAS DELEGAÇ Õ ES DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E DE TIMOR-LESTE À ASSEMBLEIA ANUAL 19º ENCONTRO DE LISBOA DAS DELEGAÇ Õ ES DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E DE TIMOR-LESTE À ASSEMBLEIA ANUAL DE 2009 DO FUNDO MONETÁ RIO INTERNACIONAL / BANCO MUNDIAL DISCURSO DO PRESIDENTE

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2014 Número 48 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2014 Número 48 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2014 Número 48 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Balanço da eficácia do Acordo CEPA 2013 2. Primeiro banco com sede em Macau,

Leia mais

Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais. Discurso de abertura

Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais. Discurso de abertura Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais Discurso de abertura Em representação do Banco de Cabo Verde, apraz-me proceder à abertura deste seminário

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Cocktail de Primavera - 2010. Discurso do Presidente do Conselho de Administração

Cocktail de Primavera - 2010. Discurso do Presidente do Conselho de Administração Cocktail de Primavera - 2010 Discurso do Presidente do Conselho de Administração Exmo. Senhor Secretário para a Economia e Finanças, Dr. Francis Tam, Exmo. Senhor Director-geral Assistente do Departamento

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Cimeira do Fórum Índia África

Cimeira do Fórum Índia África REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Presidência da República Cimeira do Fórum Índia África Intervenção de Sua Excelência Senhor José Mário Vaz Presidente da República Nova Delhi, 29 de Outubro de 2015 Excelência,

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO /07 Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei nº.5/97 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

SEMINÁRIO Exportar para o México

SEMINÁRIO Exportar para o México SEMINÁRIO Exportar para o México Gonçalo Gaspar Diretor Direção Internacional de Negócio da CGD Porto, 26 de Setembro de 2012 1 Índice México: relacionamento comercial com Portugal Grupo CGD: Presença

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Portugal Ventures, Caixa Capital e Mota-Engil Industria e Inovação celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Gabinete do Presidente

Gabinete do Presidente Mensagem de Sua Excelência o Presidente do Parlamento Nacional de Timor-Leste, Vicente da Silva Guterres, por ocasião do 64.º Aniversário da República Popular da China Sua Excelência Sr. Embaixador Tian

Leia mais

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 1. Serviços Comerciais. Subsector. A. Serviços Profissionais. h. Serviços Médicos e Dentários (CPC9312)

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 1. Serviços Comerciais. Subsector. A. Serviços Profissionais. h. Serviços Médicos e Dentários (CPC9312) CEPA 1. A maioria do pessoal médico empregue por hospitais e clínicas que sejam empresas de capitais mistos de Macau e do Continente («joint ventures») pode ser constituída por residentes permanentes de

Leia mais

Inclusão da moeda chinesa no SDR não deverá alterar sua trajetória no curto prazo

Inclusão da moeda chinesa no SDR não deverá alterar sua trajetória no curto prazo INFORMATIVO n.º 44 DEZEMBRO de 2015 Inclusão da moeda chinesa no SDR não deverá alterar sua trajetória no curto prazo Fabiana D Atri* Dentro do esperado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Ordem Executiva n 1/2007 (B.O. n 3/07

Ordem Executiva n 1/2007 (B.O. n 3/07 Actividade Bancária Ordem Executiva n 1/2007 (B.O. n 3/07 - I Série, de 15 de Janeiro) Define as taxas de fiscalização de várias instituições autorizadas a operar na Região Administrativa Especial de Macau

Leia mais

ILinhas de apoio financeiro

ILinhas de apoio financeiro ILinhas de apoio financeiro Lisboa 03 junho 2012 Direção de Investimento Carlos Abade INSTRUMENTOS DE APOIO À ATIVIDADE PRODUTIVA TURISMO Carlos Abade Faro, 2 de agosto de 2012 Turismo Um setor estratégico

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

P R O T O C O L O B A N C Á R I O

P R O T O C O L O B A N C Á R I O PROTOCOLO BANCÁRIO Caraterização do Setor Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados 63% 37% Mercado Estrangeiro Mercado Nacional Unid. Milhões Euros Novo modelo de financiamento

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Exmos. Senhores Administradores do Banco de Cabo Verde, Exma. Senhora Auditora Geral do Mercado de Valores Mobiliários, ~ ~BCV

Exmos. Senhores Administradores do Banco de Cabo Verde, Exma. Senhora Auditora Geral do Mercado de Valores Mobiliários, ~ ~BCV 1 Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, no 13 Encontro de Juristas dos Bancos Centrais da CPLP - 23 de Setembro de 2010 ~ ~3--BCV 2 Exmos. Senhores Administradores do Banco de Cabo

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS O Aviso n.º 19/2012, de 19.04., do Banco Nacional de Angola estabelece o novo regime para as operações cambiais referentes

Leia mais

Apenas para referência. Agências de viagem e operadores turísticos CEPA. 9. Serviços Turísticos e Outros Serviços Conexos. Sector ou.

Apenas para referência. Agências de viagem e operadores turísticos CEPA. 9. Serviços Turísticos e Outros Serviços Conexos. Sector ou. Agências de viagem e operadores turísticos CEPA A. Hotéis (incluindo prédios-apartamentos) e Restaurantes (CPC641-643) B. Agências de viagem e operadores turísticos (CPC7471) serviços 1. É permitido aos

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

Gabinete do Governador e dos Conselhos

Gabinete do Governador e dos Conselhos Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, no acto de inauguração da nova agência do Banco Africano de Investimento no Plateau, Cidade da Praia, 5 de Fevereiro de 2010. 1 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL República de Moçambique Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional (MCTESTP) DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL

Leia mais

São Paulo, 09 de agosto de 2013.

São Paulo, 09 de agosto de 2013. São Paulo, 09 de agosto de 2013. Discurso do Presidente Alexandre Tombini no VIII Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária. Senhoras e senhores: É com grande satisfação

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov.

19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov. 19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov. Stop-over Ilha de Santiago Cidade da Praia 16-17 de Nov. Proj. Conjunto Internacionalização PT2020

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Aspectos Relevantes para Investidores Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Portugueses em Angola Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência.

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Cerimónia de entrega de Certificados do Exame Nacional de Qualificação

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2009 Número 31 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2009 Número 31 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2009 Número 31 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Ciclo de actividades Cidade-Modelo na Implementação do CEPA do ponto

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito

Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito Câmara do Comércio, Industria e Serviços de Sotavento Praia, 16 de Julho de 2009

Leia mais

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, na Conferência Internacional Novas Abordagens da Regulação e da Supervisão na

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, na Conferência Internacional Novas Abordagens da Regulação e da Supervisão na Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, na Conferência Internacional Novas Abordagens da Regulação e da Supervisão na Mitigação de Riscos, no Salão de Banquetes da Assembleia

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro:

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro: Decreto n.º 143-A/80 Acordo, por troca de cartas, entre a República Portuguesa e a Comunidade Económica Europeia Relativo à Implementação de Uma Ajuda Pré-Adesão a Favor de Portugal O Governo decreta,

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

Cenário Geral do Desenvolvimento Econômico da China A Política de GO OUT da China

Cenário Geral do Desenvolvimento Econômico da China A Política de GO OUT da China Cenário Geral do Desenvolvimento Econômico da China A Política de GO OUT da China A aplicação da Estratégia de GO OUT --Investimento direto chinês para o exterior em 2007 As principais medidas para apoiar

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos

Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos Comerciais, Caros Convidados, Minhas senhoras e meus senhores. O evento que hoje

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

O Papel da Banca no Contexto da Internacionalização. Roadmap para a Internacionalização Castelo Branco 19.fevereiro.2015

O Papel da Banca no Contexto da Internacionalização. Roadmap para a Internacionalização Castelo Branco 19.fevereiro.2015 O Papel da Banca no Contexto da Internacionalização Roadmap para a Internacionalização Castelo Branco 19.fevereiro.2015 2 Desafios da internacionalização Desafios Língua e Cultura Hábitos e crenças diferentes

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

O Cluster Financeiro

O Cluster Financeiro O Cluster Financeiro Um sector financeiro promotor do crescimento Manuel Lima Bolsa de Valores de Cabo Verde 15 de Maio de 2013 WS 2.4 O Cluster Financeiro Índice Breves notas O que assinalam os números

Leia mais

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis:

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: Uma Mesa-Redonda Sector Público-Privado 7/10/2011 Centro de Políticas e Estratégias, Palácio do Governo, Praia. A crise na Zona

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais