22 º CONGRESSO NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIO, CONSTRUÇÃO NAVAL E OFFSHORE SOBENA 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "22 º CONGRESSO NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIO, CONSTRUÇÃO NAVAL E OFFSHORE SOBENA 2008"

Transcrição

1 º CNGRESS NACINAL DE TRANSPRTES AQUAVIÁRI, CNSTRUÇÃ NAVAL E FFSHRE SBENA 8 APLICAÇÃ DE BASES MAGNETICAS PARA TRUNCAMENT DE LINHAS EM ENSAIS CM MDELS REDUZIDS DE PLATAFRMAS TLP Antonio Carlos Fernandes (CPPE/UFRJ) José Carlos Almeida (PETRBRAS) César Salhua (CPPE/UFRJ) Resumo As profundidades das lâminas de água das operações offshore cada vez são maiores no Brasil. s cenários com profundidades de 3m ou mais se apresentam nos recentes campos descobertos de Tupi e Júpiter. Estas profundidades representam fronteiras do conhecimento atual, uma forma de supera-las é através de ensaios com modelos reduzidos. Porém, a execução destes numa escala adequada exige uma profundidade superior a atualmente disponível nos tanques oceânicos existentes no mundo. Neste trabalho descreve-se o procedimento de truncamento de linhas de ancoragem utilizando bases magnéticas de uma plataforma TLP (Tension Leg Plataform) a partir da preparação de uma Semi- Submesível (originária de estudo da ITTC). projeto das linhas completas e truncadas, as freqüências naturais, os decaimentos e as respostas em mar irregular da TLP são projetadas utilizando um programa não-linear no domínio do tempo. São descritos modelos teóricos da plataforma com linhas completas e truncadas para os ensaios de offset. Um programa no domínio da freqüência é utilizado para obter as forças hidrodinâmicas de primeira e segunda ordem da plataforma. A efetividade do truncamento das linhas é avaliada comparando os ensaios de offset, decaimentos e em ondas com os resultados das linhas completas obtidos pela simulação. São realizados comentários, sugestões e são propostas ideais para trabalhos futuros. - INTRDUÇÃ s novos cenários de exploração de hidrocarbonetos em águas ultraprofundas que avançam para 3m (campos de Tupi e Júpiter) têm criado cenários inexplorados para as companhias de petróleo e os centros de pesquisas, Almeida (8). Nestes novos desafios, os ensaios experimentais com modelos são as principais ferramentas na procura de soluções. Através destes ensaios se conseguem superar problemas que os modelos teóricos-numéricos não conseguem representar adequadamente, como os efeitos não-lineares e identificar fenômenos desconhecidos, Chakrabarti, S. K. (987). s ensaios experimentais devem ser realizados em tanques que permitam acomodar toda a infra-estrutura do sistema de ancoragem e risers da plataforma offshore. s tanques de experiências hidrodinâmicas atualmente existentes no

2 mundo não permitem representar adequadamente as profundidades dos novos cenários nas escalas recomendadas para a extrapolação: / a /7, Barreira, R. A. (8). A representação nas escalas recomendadas requer profundidades maiores a 3m, indisponível nos atuais laboratórios do mundo. Existem diversas metodologias que visam superar esta limitação de profundidade, tem-se assim, o conceito dos ensaios em escala super reduzida (Ultra Small Scale), Moxnes, S. et. al.(998). A realização de ensaios de modelos na escala recomendada em lagoas ou no mar, mas com limitações no controle das condições ambientais, Huse et. al. (998). ensaio de modelos na escala real é o ideal, mas o alto custo envolvido a faz pouco aplicável. A modelação numérica através de programas computacionais é uma alternativa bastante atrativa, mas não pode ser aplicada sem uma validação experimental. Existem também os métodos híbridos, estes se dividem em dois tipos, os métodos híbridos ativos, no qual um sistema de controle robusto é instalado no truncamento de forma que este simule o comportamento da parte truncada, veja-se Watts, S. (999) e Buchner B. et. al. (999). método híbrido passivo, que consiste na combinação de resultados experimentais com truncamento em profundidade inferior com a simulação numérica do sistema completo das linhas e risers. Veja-se Dercksen, A. et. al. (99), Kim, M. H. (999), Chen, X. et. al. (), Barreira, R. A. (8). Por outra parte, Almeida (8) desenvolveu um novo conceito de truncamento de linhas através de bases magnéticas e as aplicou no truncamento das linhas de um FPS com o sistema Taut-leg. Este conceito consiste em melhorar a cinemática das linhas com a aplicação das bases magnéticas e desta forma apresentar uma melhora significativa em relação ao comportamento das linhas no truncamento convencional. presente trabalho descreve o procedimento seguido para o truncamento das linhas de ancoragem, de um modelo de uma plataforma do tipo TLP, através da colocação de bases magnéticas na profundidade de truncamento. procedimento adotado neste relatório é numérico, para o qual se utiliza o programa para de calculo de linhas de ancoragem rcaflex. As características preliminares da plataforma TLP e seu sistema de ancoragem são obtidos através de um procedimento de Engenharia Reversa na escala do modelo, onde se procura que os períodos naturais de sway/surge e heave fiquem afastados da região de máxima energia do espectro de mar da região onde a plataforma ira a ser instalada. As características preliminares das linhas da TLP são consolidadas através de ensaios de offset, decaimento e ondas na profundidade full. Posteriormente, estes resultados são utilizados para obter as características das bases magnéticas na profundidade truncada. Através da comparação dos ensaios de offset, decaimento e ondas realizados na plataforma na profundidade truncada com os ensaios obtidos previamente na profundidade full. programa WAMIT é utilizado para obter as forças hidrodinâmicas necessárias para realizar os ensaios em ondas. Características da Plataforma Para a realização deste trabalho se utilizou o modelo da plataforma Semisub-ITTC, Takagi et. al. (985). Este modelo encontra-se construído e armazenado no Labceano, A escala do modelo é /64 e suas características são mostradas a seguir: Tabela Características do modelo Comprimento Total :.797 m Calado de Projeto :.33m Centro de Gravidade: Xg Na parte media Yg Na parte media Zg.73m (acima da linha base) Altura Metacentrica.37m Longitudinal: Altura Metacentrica.45m Transversal: Radio de giro em Roll.536m Radio de giro em Pitch.556m Radio de giro em Yaw.634m Deslocamento de projeto 3.3 Kg-f

3 formulações que representem os períodos naturais em surge, sway e heave. Posteriormente os resultados obtidos são extrapolados para a escala real. 3 Determinação das características do sistema de ancoragem TLP acondicionamento do modelo para operar como uma TLP requer que os períodos naturais em surge, sway e heave fiquem afastados da região de máxima energia do espectro do mar considerado. Assim, se projeta as características do sistema de ancoragem para que o período natural de heave fique do lado esquerdo e os períodos de sway e surge fiquem do lado direito do espectro de energia do mar. As características do mar, na escala real, a ser utilizado são mostradas na seguinte tabela: Tabela Características do Espectro de mar utilizado Tipo de Espectro Direção Hs (m) T p γ (s) Jonswap 9 o Espectro de mar - S(f) (mhz) Figura Modelo da plataforma Semisub ITTC ESPECTR DE MAR D JNSWAP DIREÇÃ = Periodos (s) 3. - Períodos naturais s períodos naturais requeridos são obtidos através das formulações mostradas a seguir: 3.. Período natural em surge sway m + A () T = π T / L nde: m : Massa do modelo A : Massa adicional de surge devido a surge T : Tensão nas linhas L : Comprimento das linhas 3.. Período natural em heave T33 = π ( m + A33 ) ( 4K + gρa ) C W () nde: A 33 : Massa adicional de heave devido a heave Kc : Rigidez dos tendões A W : Área de flutuação da plataforma. 3. Processo de Engenharia Reversa processo de Engenharia Reversa começa com a determinação da pré-tensão das linhas na profundidade full (h= 6m), neste projeto a TLP conta unicamente com quatro linhas. Elaborou-se o gráfico da figura (3), este mostra o peso da plataforma em função da pré-tensão requerida para que a Semisub- ITTC possa operar como uma TLP no calado de projeto. Sendo o peso de 35kg (linha horizontal) a condição na qual o peso do modelo é igual ao empuxo com o qual a semisub já não poderia operar como TLP. Figura Espectro de Jonswap com as características do mar a ser utilizado Um processo de engenharia reversa é realizado para determinar os períodos naturais na escala do modelo, utilizam-se 3

4 A figura(5) mostra o período natural em surge/sway (Tn) da TLP em função da pré-tensão para o período natural em heave escolhido. Com este gráfico pode-se determinar os períodos naturais em surge/sway de forma que estes estejam fora da região de máxima energia do espectro do mar e sejam compatíveis com a pré-tensão das linhas. Figura 3 Curva de peso do modelo vs. Prétensão /linha Posteriormente a seleção da pré-tensão inicial, os períodos naturais são determinados em forma preliminar utilizando as equações () e (). Através destas equações elaboram-se gráficos que permitem selecionar as características preliminares do sistema de ancoragem na profundidade Full. A figura (4) mostra a rigidez por cada linha em função da pré-tensão requerida para vários períodos naturais em heave (Tn3). Com este gráfico pode-se determinar a rigidez das linhas de forma que o período natural em heave da TLP esteja fora da região de máxima energia do espectro do mar. Da figura () pode-se extrair a faixa de máxima energia do espectro, ver seguinte tabela: Tabela 3 Faixa de períodos de máxima energia do espectro do mar Período Escala Real Escala do modelo Máximo 5s.65 s Mínimo 5s 3.5 s Rigidez - Kc (KN/m) Rigidez da linha (Kc) vs. Pré-tensão Tn3=.s Tn3=.3s Tn3=.4s Tn3=.5s Pre-Tensão / linha (Kg) Figura 4 Curva de rigidez da linha vs. Prétensão/linha Periodo natural em surge Tn (s) Periodo natural de Surge (Tn) vs. Pré- Tensão/Linha Periodo natural heave Pré-Tensão/Linha (Kg) Figura 5 Curva de período natural em heave (Tn3=.3s) vs. Pré-tensão/linha As características escolhidas para o sistema de ancoragem são mostradas na seguinte tabela: Tabela 4 Características do sistema de ancoragem Item Escala do Escala Real modelo Pré-tensão 8.Kg 573.6KN Peso 3.6Kg 74.78Ton Rigidez/linha 37.37KN/m KN/m Período natural - Heave Período natural sway/surge.3s.4s 8s 44s 4 Projeto do sistema de ancoragem na profundidade Full = h = 6m As características do sistema de ancoragem na escala real, determinadas no item anterior, são utilizadas para a obtenção da restauração, amortecimento e comportamento em ondas. Utiliza-se o programa rcaflex. 4. Ensaio de ffsets Este ensaio é realizado para obter a restauração da plataforma, é realizado através de um modelo analítico assim como com o programa rcaflex. 4

5 x Fx Expandindo a equação (4) em Série de Taylor, obtêm-se a equação do modelo analítico a ser utilizado para a força de offset: Lo To To T T α L To To 3 Fx = 4 x x + Lo Lo 3 Kc 3 To x.5 x Lo Lo Kc.5 x 5 Lo 4 (5) Kc Kc Figura 6 ffset em surge/sway de uma TLP nde: To : Pré-tensão inicial da linha Lo : Comprimento inicial da linha L : Comprimento final α : Ângulo de offset F X : Força de offset Kc : Rigidez da linha 4.. Ensaio de offset rcaflex Considera-se o offset em sway como o parâmetro de controle, a figura (8) mostra a comparação entre o modelo analítico e o rcaflex. rcaflex 9.a: SEMISUB8M.dat (modified 8:39 on 5/4/8 by rcaflex 9.g) (azimuth=33; elevation=3) m 4.. Modelo analítico do ensaio de offset A formulação convencional utilizada para a determinação da rigidez horizontal ou transversal depende unicamente da prétensão inicial e o comprimento do tendão, como mostrado a seguir. To Fx = 4 x Lo (3) Porem, a equação (3) é uma relação linear que não contempla as não-linearidades geométricas nem a influência da rigidez do tendão (Kc). Da figura (6) pode-se obter a seguinte equação: Fx = 4 To x ( x + Lo ) LoKc x ( x + Lo ) + Kc x (4) A equação (4) inclui as não-linearidades geométricas além da influência da rigidez dos tendões (Kc), o qual difere da formulação convencional, equação (3). Figura 7 Vista 3D da TLP no rcaflex na profundidade full FFSET SWAY - TLP PRFUNDIDADE FULL - H = 6 m Fy (KN) Y-offset (m) FFSET SWAY - MDEL ANALÍTIC FFSET - SWAY - RCAFLEX FFSET SWAY - FRMULA (3) Figura 8 ffset em sway com o modelo analítico, rcaflex e a formula (3) 5

6 utro parâmetro de comparação utilizado entre os diversos métodos é o ângulo de offset, ver figura mostrada a seguir: ÂNGUL DE FFSET (alfa) - SWAY 94 Alfa 9 Amortecimento equivalente: 8 be = P + P wnym 3π ζ-equivalente: P 4 ζ E = + P Ym wn 3π (6) (7) 9 88 ÂNG. DE FFSET - SWAY - MDEL ANALÍTIC 86 ÂNG. DE FFSET - SWAY - RCAFLEX 84 Y-FFSET(m) Figura 9 Ângulo de offset (α) em sway Da figura (8) pode-se observar a natureza não-linear da restauração da plataforma, considera-se unicamente o termo linear do modelo analítico desenvolvido como parâmetro de comparação, assim tem-se: Tabela 5 Rigidez da plataforma em sway Rigidez da 64.8 KN/m plataforma (Linear) 4. Simulações de Decaimento Esta simulação é realizada para obter o amortecimento da plataforma, o programa rcaflex é utilizado. Considera-se um deslocamento inicial de (Yo) de 4.7m. Y-SWAY (m) DECAIMENT EM SWAY PRFUNDIDADE FULL - H = 6m Z-equivalente = 3.68% nde: P e P : Coeficientes do ajuste quadrático. Y m w n : Amplitude média : Freqüência natural angular media. Tabela 6 Analise do decaimento em Sway Profundidade Full h = 6m Parâmetro Amortecimento equivalente -.7E-3 b E (Método da energia ajuste quadrático) ζ-equivalente (Método da 3.68% energia ajuste quadrático) Freqüência natural angular.46 media - w n (rad/s) Período natural médio-t m (s) 4.s ensaio de decaimento em heave não conseguiu ser realizado numericamente devido à alta rigidez nesta direção, o programa rcaflex não conseguiu desenvolver o decaimento. 4.3 Simulações em ondas As características do mar da tabela () são utilizadas para esta simulação. Nesta espera-se verificar que os períodos naturais determinados previamente encontram-se fora da região de máxima energia do espectro de mar. s coeficientes hidrodinâmicos de primeira e segunda ordem são obtidos através do programa WAMIT. -4 DECAIMENT-SWAY-RCAFLEX-Y=4.7m ENVLTRIA-MÁXIMS PSITIVS Tempo (s) Figura Decaimento em Sway Profundidade Full Da curva mostrada na figura (), pode-se obter o amortecimento equivalente e consequentemente o ζ-equivalente, através do método da energia com um ajuste quadrático utilizando as equações (6) e (7), Neves (4). Figura Modelação da Semisub-ITTC quarto da plataforma 6

7 A simulação da plataforma com o sistema de ancoragem completo foi realizado no programa rcaflex. Neste programa se carregaram os coeficientes hidrodinâmicos obtidos anteriormente. A representação dos fenômenos de segunda ordem dentro do rcaflex foi realizada utilizando a aproximação de Newman (977) da matriz de QTF s Série temporal em sway Carregando as forças de segunda ordem obtidas no programa WAMIT no rcaflex, procede-se a simulação em ondas, os resultados são mostrados a seguir: SERIE TEMPRAL EM SWAY - TLP SEMISUB ITTC PRFUNDIDADE FULL - H = 6m 6 que este encontra-se fora da região de máxima energia do espectro de mar. Tabela 7 Analise da Série temporal e espectro de respostas em Sway Profundidade Full h = 6m Parâmetro Deriva media.5m Amplitude máxima de sway 4.683m 5 Projeto do sistema de ancoragem na profundidade truncada - h = 3m sistema de ancoragem é truncado na profundidade h = 3m, para o qual são utilizadas bases magnéticas como a mostrada na figura a seguir: 4 Resposta em Sway (m) Tempo(s) Figura Série temporal em sway Figura 4 Vista de uma base magnética ESPECTR HEAVE S(f) (m/hz) ESPECTR DE RESPSTA SWAY - 6GL ESPECTR DE RESPSTA SWAY PRFUNDIDADE FULL - H = 6m PERIDS (s) Figura 3 Espectro de resposta em sway 5. Composição de uma base magnética Uma base magnética esta formada por quatro molas de rigidez Kb unidas a um carrinho multidirecional que em seu interior contem um imã de terras raras que o mantêm unido a uma placa de metal, Almeida (8). A intensidade magnética de cada base neste projeto é de 3 kg. Da figura 3 pode-se observar o primeiro pico aproximadamente no período de 5 segundos, o que corresponde aos efeitos de primeira ordem. segundo pico representa o efeito do movimento de segunda ordem, mas devido a resolução do espectro não se pode definir exatamente o período natural de sway, porem observa-se Figura 5 Composição de uma base magnética nde: Kb : Rigidez das molas da base magnética 7

8 Fm : Força magnética do imã de terras raras dentro do carrinho. 5. Avaliação do truncamento com bases magnéticas Esta é realizada calibrando a restauração, amortecimento e comportamento em ondas do sistema truncado com os resultados do sistema na profundidade full. esquema do truncamento é mostrado na figura a seguir: 4 x = [ To + 6K o b cos(45 ) + Kc ( x x ) ( x x ) ( ) x x + Lo + Lo Lo () Expandindo a equação () em serie de Taylor em função de x e considerando unicamente o termo de primeira ordem, pode-se obter a equação a seguir: x A = ( B) () Figura 6 Esquema do ensaio de offset 5.. Simulações de offset A rigidez Kc e a pré-tensão das linhas mantiveram-se constantes, a fim de manter o período natural em heave estimado anteriormente no calado de projeto. As rigidezes das molas Kb obtiveram-se através de ensaios de offsets. Testou-se dois tipos de rigidezes para as molas Kb, uma linear e outra bi-linear Molas Kb lineares 5... Modelo analítico do ensaio de offset Da figura (6), pode-se encontrar matematicamente que a força de offset depende principalmente do deslocamento do carrinho e da força das molas da base magnética, como mostrado a seguir: onde: A = 4Kb cos( 45 To + Kc x o + L ( x + L ) B = 4Kb cos( 45 Kc x + L o To + Kc x + L ) x + L x 3/ L x To + Kc x + L ) x + L L L x + + resultado obtido com o modelo teórico é mostrado na figura (8) Simulação numérica de ffset - rcaflex A seguir mostra-se a comparação entre o modelo analítico e o rcaflex, a mola Kblinear testada foi de 7.KN/m. ( ) x Fx = 4 Fkb (8) o Fx 6 Kb cos 45 (9) = x nde o deslocamento x é expresso através da seguinte equação recursiva: 8

9 rcaflex 9.a: SEMISUBB3-4.dat (modified 5:56 on 7/4/8 by rcaflex 9.g) (azimuth=39; elevation=) 5 m Fk (KN) Kb Kb Kb Deformação (m) Kb Figura 9 Rigidez bi-linear das molas Kb da base magnética Figura 7 Vista da TLP com as linhas truncadas com bases magnéticas FFSET SWAY - TLP PRFUNDIDADE TRUNCADA - H = 3m Y-ffset(m) - -5 FY (KN) FFSET SWAY-RCAFLEX-FULL - FFSET SWAY-RCAFLEX-TRUNCAD-MLA LINEAR FFSET SWAY-MDEL ANALÍTIC-TRUNCAD Figura 8 ffset em sway da TLP full e truncado com molas Kb-lineares Desta simulação, pode-se observar que a rigidez da plataforma obtida com as molas Kb lineares utilizando o modelo teórico e o rcaflex diverge muito em relação à plataforma com as linhas completas a deslocamentos maiores de m (aproximadamente). Para melhorar este comportamento são utilizadas molas com rigidez bi-linear Molas Bi-lineares Para melhorar a restauração da plataforma e a cinemática das linhas na profundidade de truncamento são utilizadas molas com rigidez bi-linear nas bases magnéticas (Kb), através de testes paramétricos chegou-se a seguinte descrição para este tipo de molas: Tabela 8 Rigidezes das molas bi-lineares da base magnética Parte Protótipo Kb (KN/m) Simulação numérica de offset - rcaflex A seguir mostra-se a simulação de offset em sway da TLP com a aplicação de molas bi-lineares nas bases magnéticas. bserva-se que esta curva se ajusta melhor que a curva de offset com molas lineares. FFSET SWAY - TLP - RCAFLEX PRFUNDIDADE TRUNCADA - H = 3m FFSET SWAY - TRUNCAD H = 3m FFSET - SWAY - FULL H=6m Figura ffset da plataforma em sway mola Kb bilineares É mostrado também o ângulo de offset utilizando este tipo de mola. 9

10 ÂNGUL DE FFSET-SWAY- RCAFLEX PRFUNDIDADE TRUNCADA - H=3m e truncado são bastante próximos, como visto na figura a seguir: ANG (alfa) ÂNG. DE FFSET - SWAY TRUNCAD - H=3m ÂNG. DE FFSET 5- SWAY - FULL - H=6m 4 3 Y-FFSET(m) Figura Ângulo de ffset da plataforma em sway mola Kb bilineares Tabela 9 Rigidez da plataforma em Sway Profundidade Truncada Item Truncado Full Rigidez da 68.58KN/m 64.8 KN/m plataforma (parte linear) 5.. Simulações de Decaimento Esta simulação é realizada considerando a mesma amplitude inicial (Yo = 4.7m) que na profundidade full. s resultados para o decaimento em sway são os seguintes: Figura 3 Períodos por ciclo da curva de decaimento em sway Tabela Análise de decaimento em Sway Profundidade Truncada h = 3m Parâmetro Truncado Full Amortecimento.94E-3.7E-3 equivalente - b E ζ-equivalente 3.9% 3.68% Freqüência natural angular media - w n (rad/s) Período natural médio-t m (s) 4.8s 4.s 6 DECAIMENT EM SWAY-RCAFLEX PRFUNDIDADE TRUNCADA-H=3m Y=4.7m Da tabela pode-se observar que o sistema truncado e o full são equivalentes. Y-SWAY (m) Simulações em ondas São consideradas as mesmas condições ambientais testadas no sistema full DECAIMENT-SWAY-TRUNCAD H=3m ENV-MÁXIMS PSITIVS-TRUNCAD H=3m DECAIMENT-SWAY-FULL H=6m ENV-MÁXIMS PSITIVS-FULL H=6m Tempo (s) Figura Decaimento em sway do sistema full e truncado As diferenças nas curvas de decaimento full e truncado para baixas amplitudes deve-se ao ponto de transição entre as molas Kb e Kb, que não consegue ajustar exatamente a forma da curva de restauração, mas os períodos resultantes nas simulações entre os dois sistemas full Série temporal em heave Resposta em Heave (m) SERIE TEMPRAL EM HEAVE - TLP SEMISUB ITTC PRFUNDIDADE TRUNCADA - H = 3m SERIE TEMPRAL HEAVE TRUNCAD - H = 3m SERIE TEMPRAL HEAVE FULL- H=6m Tempo(s) Figura 4 Série temporal em heave-sistema truncado e full

11 ESPECTR HEAVE S(f) (m/hz) 4 3 ESPECTR DE RESPSTA HEAVE PRFUNDIDADE TRUNCADA - H=3m ESP. DE HEAVE TRUNCAD - H=3m ESP. DE HEAVE FULL - H=6m PERIDS (s) Figura 5 Espectro de resposta de heavesisstema truncado e full Neste caso observa-se que o espectro de resposta em heave não consiguiu capturar o período natural do sistema projetado, somente se conseguiu visualizar o efeito de primeira ordem, mas observa-se comportamento similar entre os dois sistemas. Tabela Analise da Série temporal e espectro de resposta de Heave Profundidade Truncada h = 3m Parâmetro Truncado Full Máxima amplitude.9459m.45m de heave Série temporal em sway Resposta em Sway (m) SERIE TEMPRAL EM SWAY - TLP SEMISUB ITTC PRFUNDIDADE TRUNCADA - H = 3m ESPECTR HEAVE S(f) (m/hz) ESPECTR DE RESPSTA SWAY PRFUNDIDADE TRUNCADA - H=3m ESP. DE SWAY FULL - H=6m ESP. DE SWAY TRUNCAD - H=3m 5 5 PERIDS (s) Figura 7 Espectro de resposta em sway do sistama Full e Truncado primeiro pico do espectro de respostas em sway corresponde aos efeitos da onda de primeira ordem, ambos o sistema full e truncado coincidem muito bem. Porém, os efeitos de segunda ordem não apresentam uma boa concordância, isto se atribui à falta de resolução no espectro. Salienta-se que as simulações de offset e decaimento em sway são equivalentes entre ambos sistemas. Tabela Analise da Série temporal e espectro de respostas em Sway Profundidade Truncada h = 3m Parâmetro Truncado Full Deriva media.674m.5m Amplitude máxima de sway 4.58m 4.683m Da tabela, pode-se observar que as diferenças entre os sistemas trucando e full são mínimas. Pelo qual se considera os dois sistemas como equivalentes. -8 SERIE TEMPRAL SWAY TRUNCAD - H=3m SERIE TEMPRAL SWAY FULL - H=6m Tempo(s) Figura 6 Série temporal em Sway do sistema Full e Truncado

12 h = 3m Conseguiu-se atingir o objetivo da avaliação destes dispositivos no truncamento das linhas de TLPs. As bases magnéticas para truncar linhas de TLP apresentam um efeito relevante. No caso do presente trabalho estas permitiram reduzir a profundidade em 76% e se conseguiuse obter bons resultados neste truncamento. A figura (8) mostra a redução da profundidade. 7 Bibliografia h = 6m Almeida, J. C., (8) Truncamento de Linhas em Ensaios com Modelos Reduzidos de Sistemas Flutuantes em Águas Ultraprofundas através de Dispositivo com Base Magnética. Tese de D.Sc., CPPE-UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil. Figura 8 Visualização das duas profundidades consideradas 6 Conclusões e Recomendações trabalho implementou o conceito do truncamento de linhas por bases magnéticas para o truncamento das linhas de uma plataforma do tipo TLP. Foi possível manter a pré-tensão inicial constante nas duas profundidades (para o caso full e truncado). Manteve-se a equivalência entre a restauração (offset) e o amortecimento (ensaio de decaimento) entre os sistemas full e truncado. Encontrou-se discrepâncias nos espectros de resposta em sway das simulações em ondas, atribui-se a resolução das simulações e ao filtro utilizado. s resultados numéricos obtidos neste trabalho precisam ser validados com ensaios experimentais. Futuras aplicações da base magnética para realizar o truncamento dos risers serão estudadas. Barreira, R. A. (8) Avaliação do Método Híbrido com Truncagem das Linhas para a Simulação da Dinâmica de Plataformas ceânicas, Tese de M.Sc., CPPE-UFRJ. Rio de Janeiro, Brasil. Buchner, B., Wichers, J.E.W., de Wilde, J.J. (999) Features of the State-of-the-art Deepwater ffshore Basin. ffshore Technology Conference (TC 999/84). Houston, TX, USA. Chakrabarti, S.K. (987) Hydrodynamics of ffshore Structure. 5. ed. Southampton, WIT Press. Chakrabarti, S. (994) ffshore Structure Modeling, Advanced Séries on cean Engineering, Vol. 9, World Scientific. Chen, X., Zhang, J., Johnson, P., Irani, M., () Studies on the Dynamics of Truncated Mooring Line. th International ffshore and Polar Engineering Seattle, pp 94-, WA, USA. Dercksen, A., Wichers, J.E.W., (99) A Discrete Element Method on a Chain Turret Tanker Exposed to Survival Conditions. BSS Conference, Volume. London, UK, pp Huse, E., Kleiven, G., Nielsen, F.G., (998) Large Scale Model Testing of Deep Sea Risers. ffshore Technology Conference (TC 998/87). Houston, TX, USA. Kim, M.H., Ran, Z., Zheng,W., Bhat, S., Beynet, P., (999) Hull / Mooring Coupled Dynamic Analysis of a Truss Spar in Time- Domain. 9th International ffshore and Polar Engineering Conference (ISPE). Brest, France, pp

13 Takagi, M., Arai, S., Takezawa, S., Tanaka, K., Takarada, N. (985) A comparison of methods for calculating the motion of a semi-submersible, cean Engineering, Vol., No.. Moxnes, S., Larsen, K., (998) Ultra Small Scale Testing of a FPS Ship. In: 7th International Conference on ffsore Mechanics and Arctic Engineering (MAE 998/38). Lisboa, Portugal. Newman, I.N. (974) Second rder Slowly Varying Forces on Vessels in Irregular Waves, Proc. Int. Symp. on Dynamics of Marine Vehicle and Structure. Neves, M.A.S.N. (4) Analise de Testes de Decaimentos de Movimentos, Relatório Técnico, Labceano, Rio de Janeiro, Brasil. Waals,., Van Dijk, R.R.T., (4) Truncation Methods for Deep Water Mooring Systems for a Catenary Moored FPS and Semi Taut Moored Semisubmersible. DT, New rleans. Watts, S. (999) Hybrid Hydrodynamic Modelling. Journal of ffshore Technology, The Institute of Marine Engineers, London, UK, pp

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Ensaio Experimental de um Duto Flexível Submetido a Cargas Axissimétricas. AUTORES: Héctor Edison Merino Muñoz

Leia mais

24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore

24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore 24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore Rio de Janeiro, 5 a 9 de Outubro de 22 Estudo da instalação de equipamentos em cabeça de poço submarino Lucas Cantinelle Sevillano

Leia mais

Como escrever um bom RELATÓRIO

Como escrever um bom RELATÓRIO Como escrever um bom RELATÓRIO Mas o que é uma EXPERIÊNCIA? e um RELATÓRIO? Profa. Ewa W. Cybulska Profa. Márcia R. D. Rodrigues Experiência Relatório Pergunta à Natureza e a procura da Resposta Divulgação

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

PROJETO, IMPLANTAÇÃO E ANÁLISE DE UM GERADOR DE ONDAS

PROJETO, IMPLANTAÇÃO E ANÁLISE DE UM GERADOR DE ONDAS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E ANÁLISE DE UM GERADOR DE ONDAS Carlos Alberto G. Freire de Souza Escola Politécnica da universidade de São Paulo - Brasil *cafsouza@usp.br Helio Mitio Morishita Escola Politécnica

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE ANCORAGEM CONVENCIONAL E TAUT-LEG EM FUNÇÃO DOS TIPOS DE ÂNCORAS APLICADAS

TÍTULO: ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE ANCORAGEM CONVENCIONAL E TAUT-LEG EM FUNÇÃO DOS TIPOS DE ÂNCORAS APLICADAS TÍTULO: ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE ANCORAGEM CONVENCIONAL E TAUT-LEG EM FUNÇÃO DOS TIPOS DE ÂNCORAS APLICADAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA:

Leia mais

Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle

Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Espaço de Estados (CP1 www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 1 / 69 Roteiro 1 Modelo Não-Linear Modelo

Leia mais

2 Sistemas de Produção Offshore

2 Sistemas de Produção Offshore 2 Sistemas de Produção Offshore 2.1. Introdução O conjunto de equipamentos utilizados para a prospecção e exploração marinha de petróleo é conhecido como Sistema Offshore e compreende basicamente quatro

Leia mais

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Uma mola comprimida por uma deformação x está em contato com um corpo de massa m, que se encontra

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

Seleção de um conceito de plataforma offshore para atuação na Bacia de Santos, baseada na análise do movimento de heave

Seleção de um conceito de plataforma offshore para atuação na Bacia de Santos, baseada na análise do movimento de heave Cheyenne Neves Seleção de um conceito de plataforma offshore para atuação na Bacia de Santos, baseada na análise do movimento de heave Joinville 2015 Cheyenne Neves Seleção de um conceito de plataforma

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6.1 Forças sobre estruturas civis sensíveis Na avaliação da força sobre a estrutura é utilizada a relação força/velocidade descrita pela

Leia mais

DETERMINAÇÃO PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS DAS RESPOSTAS, NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA, DE SISTEMAS DINÂMICOS SUJEITOS A CONDIÇÕES INICIAIS

DETERMINAÇÃO PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS DAS RESPOSTAS, NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA, DE SISTEMAS DINÂMICOS SUJEITOS A CONDIÇÕES INICIAIS DETERMINAÇÃO PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS DAS RESPOSTAS, NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA, DE SISTEMAS DINÂMICOS SUJEITOS A CONDIÇÕES INICIAIS Webe João Mansur 1 Marco Aurélio Chaves Ferro 1 Programa de Engenharia

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos

Leia mais

Engenharia Civil. Estudo comparativo de análises no domínio do tempo e da freqüência em risers flexíveis

Engenharia Civil. Estudo comparativo de análises no domínio do tempo e da freqüência em risers flexíveis Alyson Gomes Vaillant et al. Engenharia Civil Estudo comparativo de análises no domínio do tempo e da freqüência em risers flexíveis (Comparative study of time and frequency domain analyses of flexible

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

1 Descrição do Trabalho

1 Descrição do Trabalho Departamento de Informática - UFES 1 o Trabalho Computacional de Algoritmos Numéricos - 13/2 Métodos de Runge-Kutta e Diferenças Finitas Prof. Andréa Maria Pedrosa Valli Data de entrega: Dia 23 de janeiro

Leia mais

Figura 1 Circuito RLC série

Figura 1 Circuito RLC série ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Disciplina: Laboratório de Circuitos Elétricos Circuitos de Segunda Ordem. Objetivo Os circuitos elétricos

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA

SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA Zacarias Martin Chamberlain Pravia Professor - Faculdade de Engenharia e Arquitetura - Universidade de Passo Fundo/UFP zacarias@upf.br

Leia mais

Sistemas Marítimos. Hélio Y. Kubota Sala DE303 RiserProd e-mail: kubota@dep.fem.unicamp.br

Sistemas Marítimos. Hélio Y. Kubota Sala DE303 RiserProd e-mail: kubota@dep.fem.unicamp.br Sistemas Marítimos Hélio Y. Kubota Sala DE303 RiserProd e-mail: kubota@dep.fem.unicamp.br Visão Geral de um Sistema Marítimo Unidades de Perfuração / Produção Facilidades de Superfície / Fundo Riser, Flow

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE UM TANQUE DE ONDAS DIDÁTICO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE UM TANQUE DE ONDAS DIDÁTICO PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE UM TANQUE DE ONDAS DIDÁTICO Anna Louise Voigt anna.voigt@grad.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Engenharias da Mobilidade Rua Presidente Prudente

Leia mais

Métodos Computacionais de Estudo da Via Férrea

Métodos Computacionais de Estudo da Via Férrea Métodos Computacionais de Estudo da Via Férrea 1 Resumo do Trabalho Respeitar as exigências de segurança e conforto de passageiros é prioritário em linhas de alta velocidade em todo mundo; conhecer o comportamento

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA FAETEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL SANTA CRUZ ETESC DISCIPLINA DE QUÍMICA EXPERIMENTAL Profs.: Ana Cristina, Denis Dutra e José Lucas

Leia mais

Capítulo II Modelagem computacional

Capítulo II Modelagem computacional 40 Capítulo II Modelagem computacional Por Fernando Nunes Belchior, José Carlos de Oliveira e Luis C. Origa de Oliveira* Seguindo a prática usual empregada nas mais Seleciona a estratégia de modelagem

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1 597 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Movimentos Periódicos Para estudar movimentos oscilatórios periódicos é conveniente ter algum modelo físico em mente. Por exemplo, um

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS DE SIMULAÇÃO E ANÁLISE DE FLAMBAGEM NO PROJETO MECÂNICO DE UMA UNIDADE DE MOVIMENTAÇÃO LINEAR

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS DE SIMULAÇÃO E ANÁLISE DE FLAMBAGEM NO PROJETO MECÂNICO DE UMA UNIDADE DE MOVIMENTAÇÃO LINEAR ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS DE SIMULAÇÃO E ANÁLISE DE FLAMBAGEM NO PROJETO MECÂNICO DE UMA UNIDADE DE MOVIMENTAÇÃO LINEAR Vitor Pinto da Cunha, Bolsista CNPq/PIBITI bls_vitor@hotmail.com

Leia mais

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado M. Margarida Corrêa (1); João Carlos Vinagre (2); Regina Helena Souza (2) (1) Mestre, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15 Ondas (continuação) Ondas propagando-se em uma dimensão Vamos agora estudar propagação de ondas. Vamos considerar o caso simples de ondas transversais propagando-se ao longo da direção x, como o caso de

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA DE ROTORES FLEXÍVEIS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS. Luiz Fellipe Nogueirão e Flávio Yukio Watanabe

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA DE ROTORES FLEXÍVEIS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS. Luiz Fellipe Nogueirão e Flávio Yukio Watanabe XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 - São Carlos-SP Artigo CREEM2012 MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA DE ROTORES FLEXÍVEIS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS Luiz

Leia mais

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3 Análise Estrutural Não Linear de Vigas em Concreto Armado Utilizando o ANSYS 14.5 Paula Manica Lazzari 1, Américo Campos Filho 2, Francisco de Paula Simões Lopes Gastal 3 Resumo 1 Doutoranda, PPGEC/ UFRGS,

Leia mais

- Avaliação e proposta de espectro de resposta cinemática para tornados.

- Avaliação e proposta de espectro de resposta cinemática para tornados. 5 Desenvolvimento Analisam-se os efeitos da pressão direta de vento resultante da incidência do tornado descrito na seção.1 nas estruturas reticuladas prismáticas de alturas, 6 e 1 m, descritas em., utilizando-se

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um pequeno refrigerador para estocar vacinas está inicialmente desconectado da rede elétrica e o ar em seu interior encontra-se

Leia mais

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará).

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará). Transmissão Digital em Banda Base: Modelagem do Canal Este tutorial apresenta a implementação da formatação de um pulso para transmissão digital em banda base que simule a resposta ao impulso de um canal

Leia mais

COLÉGIO MANUEL BERNARDES INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

COLÉGIO MANUEL BERNARDES INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA COLÉGIO MANUEL BERNARDES ANO LETIVO 2014/2015 INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO 1ª e 2ª FASES PROVA DE FÍSICA CÓDIGO 315 Caracterização e estrutura da prova Tempo total para

Leia mais

REPARAÇÃO DE DEFEITOS INTERNOS E EXTERNOS EM DUTOS ATRAVÉS DE MANGAS EXTERNAS DE MATERIAIS COMPOSTOS FORNECIDAS PELA STRONGBACK

REPARAÇÃO DE DEFEITOS INTERNOS E EXTERNOS EM DUTOS ATRAVÉS DE MANGAS EXTERNAS DE MATERIAIS COMPOSTOS FORNECIDAS PELA STRONGBACK REPARAÇÃO DE DEFEITOS INTERNOS E EXTERNOS EM DUTOS ATRAVÉS DE MANGAS EXTERNAS DE MATERIAIS COMPOSTOS FORNECIDAS PELA STRONGBACK Autor Luiz Cláudio de Marco Meniconi (PETROBRAS/CENPES/PDEP/TMEC) Participantes

Leia mais

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão BE Encontro Nacional Betão Estrutural Guimarães 5,, 7 de Novembro de Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão Gihad Mohamad 1 Paulo Brandão Lourenço

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Modelagem Gr áfica e Visualiza ção na Forma ção do Engenheiro Naval e OffShore

Modelagem Gr áfica e Visualiza ção na Forma ção do Engenheiro Naval e OffShore Modelagem Gr áfica e Visualiza ção na Forma ção do Engenheiro Naval e OffShore Carl H. Albrecht, Prof. Assistente, DEG/EE/UFRJ e-mail: carl@deg.ee.ufrj.br Rosane M. Alves, Prof. Adjunto, DEG/EE/UFRJ e-mail:

Leia mais

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.25-32, Outubro, 2013 Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Numerical and experimental evaluation

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

Mathcad 14 Guia Prático

Mathcad 14 Guia Prático Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Mathcad 14 Guia Prático Mestrando: Delvanei G. Bandeira Jr Orientador: Ivo Barbi, Dr. Ing. Instituto de Eletrônica de Potência

Leia mais

5 SIMULACAO, EXPERIMENTOS E CALIBRAÇÃO DO ATUADOR

5 SIMULACAO, EXPERIMENTOS E CALIBRAÇÃO DO ATUADOR 5 SIMULACAO, EXPERIMENTOS E CALIBRAÇÃO DO ATUADOR 5.1. Simulação do Atuador O software MATLAB foi usado para a simulação do sistema. As rotinas programadas, com 120 funções e cerca de 4000 linhas de código,

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais.

Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais. 7aula Janeiro de 2012 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS I: Papel Milimetrado Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais. 7.1

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

6 Estudo da torre de TV de Brasília

6 Estudo da torre de TV de Brasília 6 Estudo da torre de TV de Brasília O conhecimento do comportamento estrutural de torres metálicas esbeltas é de fundamental importância para que se possa desenvolver uma análise capaz de prever possíveis

Leia mais

Vigas Altas em Alvenaria Estrutural

Vigas Altas em Alvenaria Estrutural Vigas Altas em Alvenaria Estrutural Fernando Fonseca, Ph.D., S.E. Brigham Young University - Utah - USA (essa é uma pegadinha) 5 Qual é o problema se a viga é alta? Distribuição das deformações na secção

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA 2º ANO Nome da disciplina: Física Geral II Carga horária: 90h Acústica e Ondas. Óptica Física e Geométrica. Lei de Coulomb; Campo Elétrico. Lei de Gauss. Potencial. Capacitância.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Um varal de roupas foi construído utilizando uma haste rígida DB de massa desprezível, com

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

Algoritmo para Análise Estrutural de Pontes Submetidas a Cargas Móveis

Algoritmo para Análise Estrutural de Pontes Submetidas a Cargas Móveis Algoritmo para Análise Estrutural de Pontes Submetidas a Cargas Móveis José Alves de Carvalho Neto 1, Luis Augusto Conte Mendes Veloso 2 1 Universidade Federal do Pará/ Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc.

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Resistência dos Materiais Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Unidade 01 Conceitos Fundamentais Objetivo da unidade Estabelecer um embasamento conceitual, de modo que o aluno possa prosseguir ao longo

Leia mais

Análise do Comportamento das Provas de Carga Estáticas em Estacas Tipo Hélice Contínua através da Curva Carga Recalque

Análise do Comportamento das Provas de Carga Estáticas em Estacas Tipo Hélice Contínua através da Curva Carga Recalque Análise do Comportamento das Provas de Carga Estáticas em Estacas Tipo Hélice Contínua através da Curva Carga Recalque Isabella Barbalho Santini Batista SoloSSantini, Recife, Brasil, isabella@solossantini.com.br

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS José Guilherme Santos da Silva, Francisco José da Cunha Pires Soeiro, Gustavo Severo Trigueiro, Marcello Augustus

Leia mais

ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR

ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR P. A. M. Talaia 1, C. Relvas 1, L. Almeida 2, J. Salgado 2 e J. A. Simões 1 1 Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

SIMULADOR DE UMA EMPRESA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA UM AMBIENTE DE NEGÓCIOS

SIMULADOR DE UMA EMPRESA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA UM AMBIENTE DE NEGÓCIOS GAE/024 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO VI GRUPO DE ESTUDOS DE ASPECTOS EMPRESARIAIS SIMULADOR DE UMA EMPRESA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLATAFORMAS OFFSHORE TIPO JAQUETA

AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLATAFORMAS OFFSHORE TIPO JAQUETA AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLATAFORMAS OFFSHORE TIPO JAQUETA Cleidiane Passos Soares 1 ; Oscar A. Z. Sotomayor 2 1 Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Engenharia de Elétrica clei_passos@hotmail.com

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

PROGRAMA DE FÍSICA. 10ª Classe

PROGRAMA DE FÍSICA. 10ª Classe PROGRAMA DE FÍSICA (NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS) 10ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Física - 10ª

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

(1) Mestrando em Engenharia Civil, Hevânio Duarte de Almeida, UFAL, hevanio@gmail.com:

(1) Mestrando em Engenharia Civil, Hevânio Duarte de Almeida, UFAL, hevanio@gmail.com: Interface gráfica para análise do comportamento estrutural de pórticos planos formados por elementos pré-moldados variando-se a rigidez das ligações GUI to analyze the structural behavior of plane frames

Leia mais

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ESTRUTURAL E CONSTRUÇÃO CIVIL MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL: ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL Elementos Finitos Professor: Evandro

Leia mais

Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto

Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto Marcus Vinicius Weber de Campos Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, EESC-USP, São Carlos, Brasil,

Leia mais

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRASSOM O ultrassom é uma onda mecânica, longitudinal produzida pelo movimento oscilatório das partículas de um

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas

semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas /2008 Influência das ligações semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas BRUNA CATOIA* MARCELO DE ARAUJO FERREIRA** ROBERTO CHUST CARVALHO*** THIAGO CATOIA**** O presente trabalho

Leia mais

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING)

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) 16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) Autor(es) OLIVEIRO LEUTWILER NETO Orientador(es) KLAUS SCHüTZER Apoio Financeiro

Leia mais

Construção de modelo de degradação para determinação dos ciclos de correção geométrica

Construção de modelo de degradação para determinação dos ciclos de correção geométrica Construção de modelo de degradação para determinação dos ciclos de correção geométrica Raphael Damasceno Marotta 1, Paulo Ferreira Gonzaga¹, Hugo Almeida Ribeiro ¹* 1 Engenharia da Malha MRS Logística

Leia mais

Capítulo 5 Filtragem de Imagens

Capítulo 5 Filtragem de Imagens Capítulo 5 Filtragem de Imagens Capítulo 5 5.1. Filtragem no Domínio da Frequência 5.2. Filtragem no Domínio Espacial 2 Objetivo Melhorar a qualidade das imagens através da: ampliação do seu contraste;

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 11

Problemas de Mecânica e Ondas 11 Problemas de Mecânica e Ondas 11 P. 11.1 ( Exercícios de Física, A. Noronha, P. Brogueira) Dois carros com igual massa movem-se sem atrito sobre uma mesa horizontal (ver figura). Estão ligados por uma

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

Conforme explicado em 2.4.3, o sinal de voz x(n) às vezes é alterado com a adição de ruído r(n), resultando num sinal corrompido y(n).

Conforme explicado em 2.4.3, o sinal de voz x(n) às vezes é alterado com a adição de ruído r(n), resultando num sinal corrompido y(n). 4 Wavelet Denoising O capítulo 3 abordou a questão do ruído durante a extração dos atributos as técnicas do SSCH e do PNCC, por exemplo, extraem com mais robustez a informação da voz a partir de um sinal

Leia mais

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass Visão Computacional e Realidade Aumentada Trabalho 3 Reconstrução 3D Pedro Sampaio Vieira Prof. Marcelo Gattass 1 Introdução Reconstrução tridimensional é um assunto muito estudado na área de visão computacional.

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2013.1 Conhecimentos Específicos

Vestibular Comentado - UVA/2013.1 Conhecimentos Específicos Vestibular Comentado - UVA/3. Física Comentários: Professores: João Batista e Joelson Studart. Um paraquedista salta de uma altura de. m. Após 45 m de queda, a força de resistência do ar se iguala à força

Leia mais

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela.

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela. FUNÇÕES Em matemática, uma função é dada pela relação entre duas ou mais quantidades. A função de uma variável f(x) relaciona duas quantidades, sendo o valor de f dependente do valor de x. Existem várias

Leia mais

3) IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NESTE MOMENTO DO CURSO

3) IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NESTE MOMENTO DO CURSO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NOME: SEL0302 Circuitos Elétricos II PROFESSORES: Azauri Albano de Oliveira Junior turma Eletrônica PERÍODO LETIVO: Quarto período NÚMERO DE AULAS: SEMANAIS: 04 aulas TOTAL: 60

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Processamento Sísmico:

Processamento Sísmico: Processamento Sísmico: Até aqui vimos que um pulso sísmico artificial atravessa as camadas e parte de sua energia é refletida em cada superfície de contraste de impedância acústica. A fração da amplitude

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 315 Física 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário da disciplina de Física, a realizar em 2012 pelos alunos

Leia mais

Dicas de Observação com o Goodman Sérgio Scarano Jr. Astrônomo Residente SOAR

Dicas de Observação com o Goodman Sérgio Scarano Jr. Astrônomo Residente SOAR Dicas de Observação com o Goodman Sérgio Scarano Jr. Astrônomo Residente SOAR Desde sua disponibilização efetiva para ciência em 2008B, o espectrógrafo Goodman tem sido o instrumento mais solicitado pelos

Leia mais