Análise Paramétrica em Projeto de Fundações de Plataformas Offshore Utilizando Estacas Torpedo a partir de Modelos em Elementos Finitos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Paramétrica em Projeto de Fundações de Plataformas Offshore Utilizando Estacas Torpedo a partir de Modelos em Elementos Finitos"

Transcrição

1 Análise Paramétrica em Projeto de Fundações de Plataformas Offshore Utilizando Estacas Torpedo a partir de Modelos em Elementos Finitos Rachel G. B. Costa Genzani PETROBRAS, Rio de Janeiro, Brasil, Jose Renato M. de Sousa COPPE, Rio de Janeiro, Brasil, Cristiano S. de Aguiar COPPE, Rio de Janeiro, Brasil Elisabeth de Campos Porto PETROBRAS, Rio de Janeiro, Brasil, RESUMO: A Estaca Torpedo é uma solução de ancoragem offshore que tem se destacado devido ao seu baixo custo de fabricação e instalação. Neste trabalho, é apresentada uma análise paramétrica de um sistema de ancoragem de plataformas offshore que consiste de uma Estaca Torpedo com quatro aletas, submetida a várias condições relacionadas às características do solo e da carga aplicada. A fim de observar a influência que cada parâmetro envolvido na análise de capacidade de carga dessa estaca, quatro diferentes perfis de solos coesivos, sete direções de carregamento em relação à vertical, três módulos de Young e três fatores de adesão estaca-solo foram analisados, considerando que a posição horizontal da carga aplicada é de 45 em relação às aletas adjacentes. As análises foram processadas utilizando um modelo baseado no Método dos Elementos Finitos (MEF) através do software ANSYS. Os resultados do MEF indicaram que a capacidade de carga para inclinações de carga inferior a 3º é dominada pela resistência lateral do solo e, para inclinações superiores, essa capacidade é governada pelo atrito entre o solo e a estaca. PALAVRAS-CHAVE: Estaca Torpedo, Capacidade de Carga, Análise Paramétrica, Modelagem em Elementos Finitos. 1 INTRODUÇÃO Há alguns anos as Estacas Torpedo têm se destacado como solução de ancoragem para plataformas offshore nos campos brasileiros. A principal característica da Estaca Torpedo, mostrada na Figura 1, é o seu sistema de instalação por queda livre utilizando seu próprio peso como energia de cravação. Isto representa uma diminuição importante do tempo e do custo de instalação. Geometricamente, a solução Torpedo é uma estaca tubular metálica, de ponta cônica fechada, com lastro interno que aumenta seu peso. Possui um olhal de aço fundido soldado em seu topo, onde o carregamento pode ser aplicado em qualquer direção. As aletas igualmente espaçadas na parte externa do tubo garantem uma maior interação estaca-solo, aumentando sua capacidade de carga, de forma que a Estaca Torpedo também é capaz de suportar altas cargas verticais (Medeiros, 22). As Estacas Torpedo eram inicialmente utilizadas para ancorar risers flexíveis com a finalidade de evitar que grandes esforços atingissem equipamentos submarinos. Algum tempo depois, foram projetadas Estacas Torpedo com alta capacidade de carga para sustentar os carregamentos impostos pelas unidades de perfuração (MODU Mobile

2 Drilling Unit). Como resultado do sucesso deste tipo de alternativa, essas estacas também foram certificadas para serem utilizadas como pontos fixos de ancoragem de plataformas de produção, tais como os FPSO (Floating, Production, Storage and Offloading) (Araújo et al, 24; Brandão et al,. 26). Hoje em dia, esta alternativa de ancoragem tem passado por vários testes experimentais, a fim de avaliar sua cravabilidade e capacidade de carga. Além disso, sofisticados modelos numéricos têm sido desenvolvidos para melhorar a previsão da sua capacidade de carga (Aguiar et al, 29). Figura 1 Exemplo de Estaca Torpedo O objetivo deste trabalho é fazer uma breve apresentação de um modelo tridimensional, não linear, baseado no Método dos Elementos Finitos (MEF), que é capaz de representar a Estaca Torpedo incorporada a uma massa de solo ao seu redor, com a finalidade de avaliar a capacidade de carga dessas estacas. A partir deste modelo, será conduzido um estudo paramétrico considerando diversas condições de carregamento, variando alguns dos diversos fatores envolvidos na determinação da capacidade de carga e os perfis de solos coesivos. Dessa forma, será possível distinguir quais parâmetros geram variações mais significativas na resposta. Este tipo de análise numérica tem a vantagem de não apenas lidar com a determinação da capacidade de carga, mas também ser uma poderosa ferramenta para a determinação da distribuição de tensões atuantes na estaca e no solo, para problemas de geometria complexa, possibilitando a identificação da tendência dos modos de ruptura para as diversas situações analisadas. 2 DESCRIÇÃO DO MODELO EM ELEMENTOS FINITOS 2.1 Aspectos Gerais A análise numérica das estacas torpedo, geralmente, envolve a determinação da capacidade de carga destas estacas cravadas dinamicamente no solo, considerando que as cargas podem estar atuando sob qualquer inclinação e direção. O modelo baseado no MEF utilizado neste trabalho é capaz de representar fielmente a geometria complexa da estaca, considerar o comportamento não linear físico e geométrico do solo e da estaca, simular a interação soloestaca através de elementos de contato, além de prever a distribuição de tensões ao longo da estrutura da Estaca Torpedo. Para reproduzir a tridimensionalidade da estrutura proposta, o modelo (solo e estaca) é construído com elementos sólidos isoparamétricos hexaédricos e/ou prismáticos, com oito nós e três graus de liberdade por nó: as translações nos eixos X, Y e Z. No contato soloestaca, elementos de contato do tipo superfíciesuperfície são empregados. A Figura 2 mostra uma visão geral das malhas de elementos finitos desenvolvidos. Figura 2 Vista geral do Modelo proposto Com o intuito de simular a massa infinita de solo, seus elementos são dispostos em camadas ou "fatias" ao longo de um cilindro cujo

3 diâmetro é igual à cerca de 2 vezes o diâmetro (D) da Estaca Torpedo analisada e cuja profundidade total é igual à soma da profundidade de penetração do topo da estaca no solo (Hp), com o comprimento da estaca (He), e um comprimento adicional (Ha), igual a 5m (Aguiar et al, 29), como mostrado na Figura 2. É importante mencionar que as paredes do cilindro de solo têm os movimentos laterais restritos, enquanto a base do cilindro tem apenas o deslocamento vertical limitado. Assim, é possível evitar a hipostaticidade do modelo e garantir que estas condições de contorno não afetem a resposta. Para cada camada de elementos pode ser atribuído um conjunto de propriedades específicas que tornam possível representar a variabilidade das propriedades físicas dos materiais com a profundidade. Neste trabalho, levando em consideração a natureza simétrica da estaca com relação ao carregamento imposto nas análises, foi possível adotar um plano de simetria nos modelos empregados, o que diminui significativamente o esforço computacional. 2.2 Modelagem do Solo Definição das propriedades físicas O solo é assumido como sendo um material perfeitamente elasto-plástico, isotrópico, com propriedades físicas variáveis com a profundidade. Assim, para definir a matriz constitutiva desses elementos é suficiente atribuir valores para o módulo de Young e para o coeficiente de Poisson. Com relação ao módulo de Young, o modelo é capaz de lidar com qualquer distribuição sugerida. O modelo supõe que a resposta do solo é totalmente não drenada e, desse modo, adota-se um coeficiente de Poisson, em todos os casos, igual a,49 para que a variação volumétrica seja desprezível, sem comprometer o resultado numérico das análises. Quanto ao nível de refinamento da malha de elementos finitos nas regiões com concentração de tensões e, conseqüentemente, nas quais se espera a plastificação do solo, elementos com dimensões que variam de 1cm a 25cm foram adotados. Essas regiões se localizam ao redor da estaca (massa de solo afastada até um diâmetro em relação às aletas) e no topo estaca. A transição para a região menos solicitada é feita suavemente por elementos que variam em tamanho de 25cm a 5cm, e nas regiões submetidas a menores valores de tensão, elementos com dimensões máximas de até 1m são empregados Modelagem do comportamento físico nãolinear Para representar o comportamento não linear do solo, o critério de Drucker-Prager foi empregado. Esse critério de ruptura de Drucker Prager é dado por: F = J 2 + α I1 k DP = (1) onde J 2 é o segundo invariante do tensor de tensão; I 1 é o primeiro invariante do tensor de tensão; α e K DP são parâmetros do modelo. Além da superfície de ruptura estabelecida na Eq. (1), assume-se uma função potencial plástica com a forma: Q = J 2 + β I1 k DP = (2) onde β é um parâmetro associado à expansão volumétrica do solo após a ruptura. Os parâmetros α e K DP da Eq. (2) são funções do ângulo de atrito interno do solo, φ, e da coesão do solo, c. Estes parâmetros, juntamente com o parâmetro β, que é uma função do ângulo de dilatância do solo, ψ, são aqui expressos por: sen( φ ) [ 3 + sen( φ )] sen( ψ ) [ 3 + sen( ψ )] 6 c cos( φ ) 3 [ 3 + sen( φ) ] 2 α =, 3 2 β = e 3 k DP = 2.3 Modelagem de estaca A Estaca Torpedo é modelada usando

4 elementos sólidos hexaédricos ou elementos prismáticos isoparamétricos, análogos aos utilizados na representação do solo e, portanto, são capazes de considerar tanto o comportamento não-linear físico quanto o geométrico da estrutura. Elementos finitos com dimensões máximas variando de cerca de 3cm a 2cm são usados. Quanto ao refinamento da malha, ao longo do corpo da estaca são consideradas de 8 a 1 divisões circunferenciais, 2 divisões na espessura e um maior nível de discretização no topo da estaca. Um grande refinamento também deve ser adotado no topo e na base das aletas. As aletas são discretizadas com 2 divisões na sua espessura e tem entre 6 e 15 divisões ao longo de sua largura; já ao longo de seu comprimento, a malha acompanha a malha proposta para o corpo estaca. A Figura 3 ilustra parte do modelo. Figura 3 - Malha da Estaca e Nó rígido para aplicação da carga O carregamento proveniente da linha de ancoragem é aplicado no centro de gravidade do olhal de topo, que, no modelo, é simulado por um nó conectado através de elementos auxiliares de barra rígida ao topo da Estaca Torpedo, que também é rígida (Figura 3). Estes elementos da barra têm a função de criar "graus de liberdade" no nó onde a carga está agindo. 2.4 Interface Solo-Estaca A interação entre o solo e a estaca é garantida pelos elementos de interface que permitem simular tanto a perda de contato, quanto grandes deslizamentos relativos entre o solo e a estaca. Estes elementos são conhecidos como elementos de contato tipo superfície-superfície e são definidos por um par de elementos associados: "mestres", que geralmente são posicionados sobre a superfície mais rígida, e "escravos", que normalmente são posicionados sobre a superfície mais flexível. A distribuição dos elementos "escravos" acompanha a distribuição dos elementos "mestres", no entanto, para permitir a modelagem da adesão variável ao longo da profundidade, cada "fatia" de solo em contato com a estaca que tenha propriedades físicas diferentes recebe um grupo de elementos "escravos" distinto. Mais detalhes podem ser vistos em Costa (28) e Aguiar et al (29). Outro aspecto que deve ser observado diz respeito ao atrito ou adesão entre a estaca e o solo. Neste estudo, o critério de Mohr-Coulomb foi empregado para governar o deslizamento relativo entre as superfícies. A perda de contato entre a estaca e o solo pode ocorrer ou não. A tensão máxima permitida para cada "fatia" do solo em contato com a estaca é dada pela expressão (API RP 2A, 27): ( z) = α( z) S ( z) + K p ( z) tan( δ) (3) f u onde p o é a tensão efetiva do solo no ponto em questão; α é o fator de adesão; δ é o ângulo de atrito entre a estaca e o solo, que é obtido subtraindo-se um ângulo de 5 graus do ângulo de atrito interno do solo. Uma opção para o cálculo do fator de adesão é o proposto pela API RP 2A (27): α ( z). 5 ψ =. 5 ψ. 5 ( z), ψ( z). 25 ( z), ψ( z) 1. > 1. Su ( ) ( z) ψ z = (4) p ( z) 2.5 Procedimento de solução e implementação do modelo proposto Além da carga aplicada, o modelo leva em conta o peso da estaca e do solo para gerar o estado de tensões iniciais. Por essa razão, devese realizar uma etapa de carregamento antes da aplicação da carga atuante, onde a gravidade atua simultaneamente sobre o solo e a estaca. o

5 Para facilitar o processo de convergência, a carga total é dividida e aplicada em passos variáveis. À medida que a rigidez do solo diminui, o incremento de carga é automaticamente reduzido para evitar problemas numéricos. Todo o modelo descrito nas seções anteriores foi implementado em um gerador de malha de elementos finitos chamado ESTACAS. Este gerador constrói malhas para posterior análise através do programa ANSYS. No programa ANSYS, os elementos finitos utilizados foram SOLID185 para simular a estaca e o solo, e CONTA174 e TARGE17 e para simular o contato entre o solo e a estaca. 3 ANÁLISES PARAMÉTRICAS 3.1 Descrição do Problema A Estaca Torpedo possui geometria como a ilustrada na Figura 4. Figura 4 Estaca Torpedo usada para as análises O comportamento carga-deslocamento da Estaca Torpedo foi estudado para avaliar o efeito da variação dos principais parâmetros utilizados na análise em elementos finitos. Em todos os casos foi adotado que o peso específico submerso do solo é de 6, kn/m 3 e que a profundidade de cravação do topo da estaca é de 1m abaixo do leito marinho. Quatro solos coesivos com diferentes perfis de resistência ao cisalhamento não-drenada, Su (z), foram considerados. Eles crescem com a profundidade abaixo do leito marinho de acordo com a relação: Su( z) = A z (5) onde A deverá ser substituído, em cada caso, por 1,5 kpa / m (solo A), 3, kpa / m (solo B), 4,5 kpa / m (solo C) e 6, kpa / m (solo D) e a profundidade z é dada em m. Supõe-se que o módulo de elasticidade nãodrenado, E u, varia linearmente com a resistência ao cisalhamento não-drenada, como dado na expressão abaixo: Eu ( z) = 55 Su( z) (6) 3.2 Variação do perfil de resistência ao cisalhamento não drenada Para cada perfil de solo proposto, um conjunto de análises foi realizado variando a inclinação da carga aplicada em relação ao plano horizontal. Inclinações de carga de (carga horizontal), 15, 3, 45, 6, 75 e 9 (carga vertical) foram empregadas. Deve-se lembrar que a projeção horizontal dessas cargas foi mantida em 45 entre duas aletas consecutivas. A Figura 5 mostra as curvas carga vs deslocamento obtidas em cada análise realizada. Pode-se observar, nessa figura, que os deslocamentos máximos atingidos e as taxas de deslocamento inicial sofrem uma variação substancial em função do ângulo de inclinação. Na análise com carga horizontal (carga a ), o deslocamento máximo atingido foi de aproximadamente 25cm, enquanto que, para cargas verticais, o deslocamento máximo foi de 1cm. Esta variação nos deslocamentos pode ser explicada pela mudança no mecanismo de ruptura da estaca Su=1,5H deg9 deg75 deg6 deg45 deg3 deg15 deg,,5,1,15,2,25,3 (a)

6 9 8 Su=3,H ruptura ocorre por arrancamento com pequena mobilização lateral deg9 deg75 deg6 deg45 deg3 deg15 deg ,,5,1,15,2,25,3,35 (b) Su=4,5H (a) deg9 deg75 deg6 deg45 deg3 deg15 deg ,,5,1,15,2,25,3 (c) Su=6,H deg9 deg75 deg6 deg45 deg3 deg15 deg,,5,1,15,2,25,3 (d) Figura 5 Curvas carga x deslocamento no topo da Estaca Torpedo para diferentes inclinações de carga e solos com diferentes resistências ao cisalhamento: (a) solo A; (b) solo B, (c) solo C; e (d) solo D. A Figura 6 mostra exemplos da região de plastificação de solo ao redor da estaca. É possível observar que, para as menores inclinações de carga aplicada (de a 3 ), a ruptura mobiliza um grande volume de solo, estendendo-se para uma zona algumas vezes maior que o diâmetro da estaca. Há, portanto, mobilização do solo lateralmente e verticalmente, com predomínio da primeira na ruptura. Para ângulos superiores a 3, a ruptura começa a ocorrer mais rapidamente, com mobilização de um pequeno volume de solo ao redor da estaca, ou seja, há indícios de que a (b) (c) Figura 6 - Diferentes regiões de plastificação do solo no momento da ruptura, em função das inclinações de carga, tomando como exemplo o solo B: (a), (b) 45, (c) 9. Na primeira situação (pequenos ângulos de carregamento), a carga máxima suportada pela estaca não está claramente definida, enquanto na segunda situação (grandes ângulos de carregamento), a carga final da âncora está claramente definida em um patamar. Como o deslocamento máximo atingido em ambos os casos também é diferente, o estabelecimento de um critério de ruptura baseado na capacidade de carga de âncora é bastante difícil. Assim, neste trabalho, para simplificar esta tarefa, a carga final será considerada como a última alcançada

7 na análise numérica para cada inclinação analisada. Por fim, a Figura 7 mostra as capacidades de carga obtidas através das análises. Nota-se que o aumento da resistência não drenada implica um aumento da capacidade de carga da estaca, porém de forma desigual, dependendo da inclinação da carga. Para pequenos ângulos de carregamento, a variação na capacidade de carga é diretamente proporcional ao aumento da resistência não-drenada, já para ângulos maiores, o aumento da resistência não-drenada do solo não é acompanhado por um aumento da capacidade de carga na mesma proporção. Estes gráficos mostram também que, em todos os casos, há uma queda sensível na capacidade de carga das estacas conforme se aumenta a inclinação do ângulo de aplicação de carga, e que essa queda é mais acentuada, quanto maior a resistência do solo. Pu resultante Variação de Pu com a inclinação da Carga Ângulo (Deg) tipo 1-1,5 H tipo 2-3, H tipo 3-4,5 H tipo 4-6, H Figura 7 - Inclinação de carga vs capacidade de carga da estaca, considerando os diferentes perfis de resistência ao cisalhamento: solo A, solo B, o solo C e solo D. 3.3 Variação do fator de adesão As análises em elementos finitos também foram utilizadas para avaliar a influência do fator de adesão entre estaca e solo. Foram selecionados os ângulos de carregamento entre 15 e 45, faixa em que ocorre a mudança no tipo de ruptura. Já a projeção de carga com o plano horizontal aponta para a direção a 45º com duas aletas consecutivas. Tomou-se como exemplo o solo tipo A, onde o valor deste parâmetro adimensional (α) é constante e igual a 1, se calculado segundo a API RP 2A (27). Ao variar este parâmetro para,5 e,25, a capacidade de carga também varia, porém não segundo a mesma taxa (Tabela 1). A Tabela 1 também mostra que quanto menor o coeficiente de aderência, menor é a capacidade de carga da estaca. Tabela 1 - Valores de capacidade de carga em função do fator de adesão, α, para uma Estaca Torpedo cravada no solo tipo A. Inclinação Capacidade de da Carga α=1, α=,5 α=,25 15º º º Nota-se que para 15 de inclinação, uma modificação do fator de adesão praticamente não altera a capacidade de carga, uma vez que este caso é governado pela resistência lateral. Para uma inclinação de 3, a influência é maior, porque a capacidade de carga nesta situação é afetada tanto pela parcela lateral de resistência quanto pela axial. Para a carga a 45 de inclinação, a variação da capacidade de carga é intensa, já que esta é praticamente dependente da adesão entre estaca e do solo para resistir ao arrancamento. 3.4 Variação do módulo de Young Neste trabalho, também foi realizada a análise em elementos finitos considerando diferentes módulos de elasticidade. A Figura 8 mostra as curvas carga vs deslocamento obtidas Prof =1m / Solo tipo 1 - Su=1,5H,,5,1,15,2,25,3,35,4,45,5 45deg Su=1,5h Es=55Su 45deg Su=1,5h Es=275Su 45deg Su=1,5h Es=137,5Su 45deg Su=1,5h Es=55Su aleta 45deg Su=1,5h Es=275Su aleta 45deg Su=1,5h Es=137,5Su aleta Figura 8 Curvas carga vs deslocamento considerando diferentes módulos de Elasticidade, tomando como exemplo o solo tipo A. A constante 55 foi alterada para 275 e 137,5 na Eq. (6). Foi analisado o caso em que a projeção de carga com o plano horizontal

8 aponta para a direção 45º, com duas aletas consecutivas. Observando esses resultados, pode-se notar que o patamar da carga máxima de ruptura não sofre qualquer variação significativa. Reduzindo, por exemplo, o módulo de elasticidade em 25% (de 55 para 137,5 Su), a carga final é reduzida em cerca de 2%. No entanto, ao se comparar o deslocamento máximo atingido em cada caso, conclui-se que eles são muito sensíveis à variação do módulo de Young adotado. Quanto menor esse módulo, maior é o deslocamento atingido. Esse ponto traz uma discussão sobre a determinação da carga limite relacionadas às análises das Estacas Torpedo. Se por um lado, fosse adotada como limite a carga última alcançada na análise, poderiam ser obtidos deslocamentos muito elevados, por exemplo, na ordem de 4 cm. Por outro lado, a escolha de um valor fixo de deslocamento associado à carga limite poderia levar a uma capacidade de carga muito diferente da carga máxima prevista. Sugere-se que este ponto seja abordado em trabalhos futuros. 4 CONCLUSÕES Neste trabalho, um modelo tridimensional em elementos finitos foi utilizado para simular o comportamento da Estaca Torpedo e do solo no seu entorno agindo em conjunto. A fim de observar a influência de alguns parâmetros na capacidade de carga da Estaca Torpedo, quatro solos coesivos com diferentes perfis de resistência não drenada, sete inclinações de carga em relação a vertical, três valores de módulo de Young e três fatores de aderência estaca-solo diferentes foram estudados. Os resultados mostraram que o aumento da resistência não drenada ao cisalhamento do solo implica um aumento na capacidade de carga da estaca, mas não sob a mesma taxa, dependendo da inclinação do carregamento. Também mostraram que, para inclinações de carregamento inferiores a 3º, a resistência lateral tem um significado importante na capacidade de carga da estaca, enquanto que para inclinações maiores, a carga final é determinada pela resistência axial da estaca, principalmente pelo atrito lateral. Para o fator de adesão, observou-se que ocorrem variações significativas na capacidade de carga nas situações em que a resposta dependa do atrito lateral entre estaca e solo, ou seja, para ângulos menores de inclinação de carga. Quanto menor o fator de adesão entre estaca e solo, menor a capacidade de carga. Em relação à variação do módulo de Young, observou-se que a carga de ruptura não sofreu qualquer mudança significativa, no entanto, ao comparar o deslocamento máximo atingido em cada caso, confirmou-se que quanto menor é o módulo, maior é o deslocamento alcançado na ruptura. Finalmente, os autores acreditam que este trabalho contribui para um melhor entendimento dos mecanismos de ruptura possíveis de Estacas Torpedo, de modo que projetos mais seguros e otimizados podem ser realizados. REFERÊNCIAS AGUIAR, C. S., SOUSA, J. R. M., ELLWANGER, G. B. et al. Undrained Load Capacity of Torpedo Anchors in Cohesive Soils. In: Proceedings of the 28th OMAE, Honolulu, USA: jun, 29. ANSYS, Release 12. Documentation for ANSYS: Structural Analysis Guide, ANSYS Inc, 29. API. Recommended Practice for Planning, Designing and Constructing Fixed Offshore Platforms Working Stress Design (RP 2A-WSD), 21th ed, American Petroleum Institute, 27. ARAÚJO, J. B., MACHADO, R. D., MEDEIROS JÚNIOR, C. P. High Holding Power Torpedo Pile Results for the First Long Term Application. In: Proceedings of the OMAE24 Conference, 5121, Vancouver, Canada: jun, 24. BRANDÃO, F. E. N., HENRIQUES, C. C. D., ARAÚJO, J. B., FERREIRA, O. C. G., AMARAL, C. S. Albacora Leste Field Development FPSO P-5 Mooring System Concept. In: Proceedings of the 38th Offshore Technology Conference, 18243, Houston, USA: may, 26. COSTA, R. G. B. Análise Paramétrica das Condições de Ancoragem de Plataformas Offshore Utilizando Estacas Torpedo a partir de Modelos em Elementos Finitos, Tese de MSc., Programa de Engenharia Civil, COPPE/UFRJ, 28. MEDEIROS JÚNIOR, C. J. Low Cost Anchor System for Flexible Risers in Deep Waters. In: Proceedings of the Offshore Technology Conference, 14151, Houston, USA : may, 22.

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão BE Encontro Nacional Betão Estrutural Guimarães 5,, 7 de Novembro de Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão Gihad Mohamad 1 Paulo Brandão Lourenço

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA Como visto, existem os mais variados tipos de plataformas, cada uma com seus requisitos de projetos. Neste capítulo será abordada

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²;

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; 3 Zenón José Guzmán Nuñez DEL PRADO 1,2,3 Escola de Engenharia Civil UFG 1 farneyjr@hotmail.com,

Leia mais

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Ensaio Experimental de um Duto Flexível Submetido a Cargas Axissimétricas. AUTORES: Héctor Edison Merino Muñoz

Leia mais

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3 Análise Estrutural Não Linear de Vigas em Concreto Armado Utilizando o ANSYS 14.5 Paula Manica Lazzari 1, Américo Campos Filho 2, Francisco de Paula Simões Lopes Gastal 3 Resumo 1 Doutoranda, PPGEC/ UFRGS,

Leia mais

Estabilidade de Muros de Gravidade

Estabilidade de Muros de Gravidade Estabilidade de Muros de Gravidade Aluno: Douglas Rocha Matera Orientador: Prof. Celso Romanel Introdução Contenção de solos é uma importante área da engenharia geotécnica, responsável por garantir a segurança

Leia mais

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante 1/20 Método Biela Tirante Pile Cap subjected to Vertical Forces and Moments. Autor: Michael Pötzl IABSE WORKSHOP New Delhi 1993 - The Design of Structural Concrete Editor: Jörg Schlaich Uniersity of Stuttgart

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT

Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT Bianca de Oliveira Lobo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, UFRGS, Porto Alegre/RS, Brasil. Julia Luiza

Leia mais

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO Cliente: INFRARED Data: 06 de maio de 2015 REVISÃO: 00 DATA: 06 de maio de 2015 Identificação DESCRIÇÃO: Esta análise

Leia mais

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.25-32, Outubro, 2013 Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Numerical and experimental evaluation

Leia mais

2 Sistemas de Produção Offshore

2 Sistemas de Produção Offshore 2 Sistemas de Produção Offshore 2.1. Introdução O conjunto de equipamentos utilizados para a prospecção e exploração marinha de petróleo é conhecido como Sistema Offshore e compreende basicamente quatro

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE SISTEMAS FLUTUANTES OFFSHORE

ANÁLISE ESTRUTURAL DE SISTEMAS FLUTUANTES OFFSHORE ANÁLISE ESTRUTURAL DE SISTEMAS FLUTUANTES OFFSHORE CAE NAVAL & OFFSHORE 2013 Marcos Queija de Siqueira - Pedro Yuji Kawasaki Rio de Janeiro, 13 de Junho de 2013 SUMÁRIO 1 ÁREAS DE ATUAÇÃO 2 APLICAÇÕES

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE ANCORAGEM CONVENCIONAL E TAUT-LEG EM FUNÇÃO DOS TIPOS DE ÂNCORAS APLICADAS

TÍTULO: ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE ANCORAGEM CONVENCIONAL E TAUT-LEG EM FUNÇÃO DOS TIPOS DE ÂNCORAS APLICADAS TÍTULO: ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE ANCORAGEM CONVENCIONAL E TAUT-LEG EM FUNÇÃO DOS TIPOS DE ÂNCORAS APLICADAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA:

Leia mais

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PPMEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 PROVA DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS

Leia mais

FUNÇÃO DO SISTEMA DE MASSA MOLA = ATENUAR VIBRAÇÕES

FUNÇÃO DO SISTEMA DE MASSA MOLA = ATENUAR VIBRAÇÕES Análise do comportamento estrutural das lajes de concreto armado dos Aparelhos de Mudança de Via (AMV), com sistema de amortecimento de vibrações, oriundas dos tráfegos dos trens, da Linha 2 - Verde, do

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II

Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II Graziella Maria Faquim Jannuzzi

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6.1 Forças sobre estruturas civis sensíveis Na avaliação da força sobre a estrutura é utilizada a relação força/velocidade descrita pela

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE TEÓRICA-COMPUTACIONAL DE LAJES LISAS DE CONCRETO ARMADO COM PILARES RETANGULARES Liana de Lucca Jardim Borges,1,2 1 Pesquisadora 2 Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas

Leia mais

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio UNIVERSIDADE: Curso: Fundações: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, agosto de 2004. 0 FUNDAÇÕES:

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria Calculando uma peça com o CALDsoft7 É muito simples calcular uma peça com o CALDsoft7, basta seguir os passos apresentados abaixo: - Escolher a peça

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv. Rubens Ashcar CTEEP

ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv. Rubens Ashcar CTEEP IX/FI-22.7 COMITÊ 22 LINHAS AÉREAS DE ALTA TENSÃO ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv Rubens Ashcar CTEEP RESUMO Este trabalho apresenta a economia obtida nas

Leia mais

Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol

Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol Débora Cardoso dos Santos 1, Sergio Hampshire C. Santos 2, Rodrigo G. Martins 3 1 Eng. Civil / Casagrande Engenharia/ PPE/UFRJ / deborac_santos@poli.ufrj.br

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 1 SSC MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 ANDAIME FACHADEIRO CONTRATANTE: Nopin Brasil Equipamentos para Construção Civil Ltda ENDEREÇO: Rodovia RS 122 nº 7470 Pavilhões 10 e 11 95110-310 Caxias do Sul - RS

Leia mais

Relações entre tensões e deformações

Relações entre tensões e deformações 3 de dezembro de 0 As relações entre tensões e deformações são estabelecidas a partir de ensaios experimentais simples que envolvem apenas uma componente do tensor de tensões. Ensaios complexos com tensões

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Rubenei Novais Souza Petrobras S/A Rio de Janeiro - Brasil RESUMO: O trabalho apresenta uma verificação expedita realizada em uma

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados 1 Tubos cladeados Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para a instalação Tubulações pré-fabricadas e componentes soldados Vasos, tanques e torres Construção

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Introdução Neste capítulo é apresentado um breve resumo sobre os tópicos envolvidos neste trabalho, com o objetivo de apresentar a metodologia empregada na prática para realizar

Leia mais

2 RADIERS ESTAQUEADOS

2 RADIERS ESTAQUEADOS 2 RADIERS ESTAQUEADOS 2.1. INTRODUÇÃO Radiers estaqueados são um tipo de fundação mista composta por dois elementos: um horizontal (o radier) e outro vertical (as estacas). A transferência das cargas estruturais

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes 2.1 Critérios de Projeto de Muros de Arrimo. 2.2 Análises da Estabilidade de Muros de Arrimo. 2.3 Exemplo de Cálculo. Aula

Leia mais

Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto

Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto Marcus Vinicius Weber de Campos Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, EESC-USP, São Carlos, Brasil,

Leia mais

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos:

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos: Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tubulões à ar comprimido - exemplos: Fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES

DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL CADERNO DE ENGENHARIA DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA FERRAMENTA NUMÉRICA PARA ANÁLISE DE RADIERS ESTAQUEADOS

CONSTRUÇÃO DE UMA FERRAMENTA NUMÉRICA PARA ANÁLISE DE RADIERS ESTAQUEADOS CONSTRUÇÃO DE UMA FERRAMENTA NUMÉRICA PARA ANÁLISE DE RADIERS ESTAQUEADOS Douglas Magalhães Albuquerque BITTENCOURT, Escola de Engenharia Civil, Universidade Federal Goiás, engenheirobittencourt@gmail.com

Leia mais

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda 3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda A união de placas em uma estrutura é conhecida como junta. Uma junta pode ser obtida utilizando-se os mais variados elementos de fixação: parafusos, rebites,

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

5 Método de Olson (2001)

5 Método de Olson (2001) 6 5 Método de Olson (200) Na literatura existem várias técnicas empíricas para análise da liquefação de solos, como as de Campanella (985), Seed e Harder (990) e Olson (200). Neste capítulo é brevemente

Leia mais

Integração de alternativas de fundações em projetos de galpões industriais Lineker Max Goulart Coelho 1, Filipe Neri de Souza 2

Integração de alternativas de fundações em projetos de galpões industriais Lineker Max Goulart Coelho 1, Filipe Neri de Souza 2 Integração de alternativas de fundações em projetos de galpões industriais Lineker Max Goulart Coelho 1, Filipe Neri de Souza 2 1 Universidade Federal de Viçosa / Chemtech Serviços de Engenharia e Software

Leia mais

6. Instrumentação Geotécnica

6. Instrumentação Geotécnica 6. Instrumentação Geotécnica O comportamento de aterros construídos sobre depósitos de solos muito moles, especialmente quando estes depósitos se mostram heterogêneos, no que diz respeito às características

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

1. Noção de tensão e de deformação

1. Noção de tensão e de deformação Capítulo 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MECÂNIC 1. Noção de tensão e de deformação Tensão: = F - Tensão (N/m 2 ou Pa) F força (N) Área (m 2 ) Estado interno gerado num corpo para equilibrar a força F aplicada

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS 1 EST1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE DEFORMAÇÃO DE ELEMENTOS TUBULARES EM AÇO José Miguel Castro CO Um dos passos essenciais no processo de avaliação da segurança sísmica de estruturas consiste na comparação

Leia mais

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ESTRUTURAL E CONSTRUÇÃO CIVIL MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL: ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL Elementos Finitos Professor: Evandro

Leia mais

ANÁLISE COMPUTACIONAL NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DE RUPTURA DOS SOLOS EM FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS COM EXCENTRICIDADE GERADA POR CARGAS HORIZONTAIS

ANÁLISE COMPUTACIONAL NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DE RUPTURA DOS SOLOS EM FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS COM EXCENTRICIDADE GERADA POR CARGAS HORIZONTAIS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL PAULO HENRIQUE PEREIRA ANÁLISE COMPUTACIONAL NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DE RUPTURA DOS SOLOS EM FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

5 Análises de probabilidade de deslizamento de muro de arrimo

5 Análises de probabilidade de deslizamento de muro de arrimo 5 Análises de probabilidade de deslizamento de muro de arrimo 5.1. Introdução Apresentam-se, a seguir, aplicações de métodos probabilísticos em estimativas de probabilidades de deslizamento de um muro

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando o Método dos Elementos Finitos

Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando o Método dos Elementos Finitos Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Modelos para Análise Não-Linear de Estruturas em Concreto Armado usando

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS METÁLICAS Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-08/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de estacas

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 INDICE 1.INTRODUÇÃO 3 2.OBJETIVO 4 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 3.1 Caixa d`água Vazia...... 6 3.1.1 Parede XZ (Par 1 e Par 3)... 7 3.1.2. Parede YZ (Par 4 e Par

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCEITO Estacas são importantes e comuns elementos

Leia mais

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação).

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). 59 Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). Figura 4.7: Comparação do erro para a componente horizontal de velocidade para diferentes níveis de refinamento. 60 Figura

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA TECNOLOGIA MECÂNICA Aula 04 Carregamento Axial Tensão Normal Prof. Me. Dario de Almeida Jané Mecânica dos Sólidos - Revisão do conceito de Tensão - Carregamento

Leia mais

4 Análise experimental

4 Análise experimental 4 Análise experimental No estudo do comportamento de membranas de materiais hiperelásticos há a necessidade de se escolher leis constitutivas que descrevam da melhor forma possível as propriedades do material.

Leia mais

Geotécnica, ppimenta@usp.br

Geotécnica, ppimenta@usp.br Dimensionamento de Regiões D Através do Método dos Elementos Finitos e o Método de Bielas e Tirantes Henrique Towata Sato 1, Paulo de Mattos Pimenta 2 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo,

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

Klaus Machado Theisen Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, theisenkm@yahoo.com.br

Klaus Machado Theisen Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, theisenkm@yahoo.com.br METODOLOGIA DE EMPREGO DE SOFTWARES DE RETROANÁLISE DE BACIAS OBTIDAS VIA FALLING WEIGHT DEFLECTOMETER (FWD) CONSIDERANDO CASOS DE CARREGAMENTO COM EIXO PADRÃO Klaus Machado Theisen Universidade Federal

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural

MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 00 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural L. R.

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Tópicos Abordados Método dos Elementos Finitos. Softwares para Análise Numérica. Método do Elementos Finitos No

Leia mais

Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento.

Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento. Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento. 36 37 Figura 4.5 Exemplo da seqüência executiva de tirantes. Figura 4.6 Sistema de atirantamento por rosqueamento 38 Figura 4.7 Execução da perfuração.

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO O escoamento das plataformas é feito através de dutos que podem ser denominados dutos rígidos ou dutos flexíveis, de acordo com o material de que são constituidos.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais