Navios Tanques. Manuel Ventura. Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Navios Tanques. Manuel Ventura. Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval"

Transcrição

1 Navios Tanques Manuel Ventura Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval

2 Tipos Principais de Navios Tanques (1) Petroleiro (oil tanker) - navio tanque para o transporte de petróleo bruto (crude-oil) Produtos (product carrier) - navio tanque para o transporte de produtos refinados derivados do petróleo (gasolina, gasóleo, jet fuel), geralmente com os tanques pintados ou revestidos no interior. Shuttle tanker - navio tanque para transportar crude directamente de explorações offshore para terminais ou refinarias. M.Ventura Navios Tanques 2

3 Tipos Principais de Navios Tanques (2) Químico (Parcel Tanker) - navio tanque para o transporte de produtos químicos a granel. Transporte simultâneo de vários tipos de carga Navios mais recentes estão equipados com tanques revestidos (clad) ou totalmente construídos em aço inoxidável. Podem transportar um número elevado de tipos de carga diferentes Cada tanque tem o seu próprio sistema de carga/descarga com bombas e sistemas de encanamentos separados. M.Ventura Navios Tanques 3

4 Tipos Principais de Navios Tanques (3) Gases Liquefeitos - navio para o transporte de gases condensados Os gases são mantidos no estado líquido devido a pressões elevadas ou a temperaturas muito baixas, em tanques com isolamentos altamente eficazes. Tipos de carga mais importantes: LNG (Liquefied Natural Gas) - principalmente metano, com temperaturas que podem atingir os 163 ºC. LPG (Liquefied Petroleum Gas) - Transportados à temperatura ambiente em tanques pressurizados independentes do casco do navio, ou a temperaturas reduzidas, próximas do aproximadamente equivalentes ao ponto de ebulição à pressão atmosférica. Exemplos: propano, butano, propileno, butileno M.Ventura Navios Tanques 4

5 Petroleiros - Dimensões Típicas Produtos navio para transporte de produtos refinados com aprox. 35,000-45,000 dwt. Custo médio aprox. 32 Milh. US$ Handysize HandyMax Aframax Suezmax com aprox. 20,000 ~ 30,000 dwt com aprox. 45,000 dwt navio com aprox. 80,000 ~ 119,000 dwt (American Freight Rate Association). Custo médio aprox. 44 Milh. US$. o navio de maiores dimensões que pode atravessar o Canal do Suez, completamente carregado (120, ,000 dwt). Custo médio aprox. 54 Milh. US$ VLCC (Very Large Crude Carrier) navio com aprox. 260,000 ~ 330,000 dwt. Custo médio aprox. 85 Milh. US$. ULCC (Ultra Large Crude Carrier) navio com porte superior a 330,000 dwt. M.Ventura Navios Tanques 5

6 Shuttle Tanker (1) Surgiu quando a exploração petrolífera offshore se alargou para águas mais profundas e mais remotas, onde as linhas de encanamentos (pipelines) para terra não são viáveis nem técnica nem economicamente. Geralmente são navios tqnques convencionais equipados para estar acostados a uma bóia de descarga no mar alto Carregam a sua carga directamente do campo petrolífero, onde está armazanada em reservatórios, onde geralmente o enxofre é removido. Requerem grande capacidade de manobra em comparação com os tanques tradicionais, que dependem fortemente de rebocadores. M.Ventura Navios Tanques 6

7 Shuttle Tanker (2) Nos campos petrolíferso não existem rebocadores e o navio depende apenas da sua tripulação para se manter aproado ao vento, para se ligar à bóia de grandes dimensões ancorada no fundo do mar. São lançados cabos para a bóia e com o motor e os impulsores a trabalhar para manter o navio em posição, a mangueira de carga flutuante é içada para bordo através da rampa na proa projectada para o efeito e a ligação estabelecida. Quando a ligação se estabelece a máquina e os impulsores do navio continuam em funcionamento para garantir que o navio não colide com a bóia, nem se afsta dela de modo a quebrar aligação e a lançar óleo para fora. M.Ventura Navios Tanques 7

8 Shuttle Tanker (3) Quando o navio está completamente carregado, repete-se a operação delicada de separar a ligação à bóia, garantindo que não haja derrames. Quando a operação está terminada, o navio irá deslocar-se o mais rápido possível até à refinaria, para poder voltar de novo para nova carga. Muitos shuttle tankers são navios tanques convertidos, com a adição do equipamento para manipulação da mangueira e de impulsores laterais de grande potência. Podem-se distinguir facilmente pelo compartimento elevado à proa para manobrar a mangueira. M.Ventura Navios Tanques 8

9 Shuttle Tanker (4) Navios mais sofisticados podem incorporar equipamento para posicionamento dinâmico, no qual até quatro impulsores, sistemas de duplo hélice de passo controlavel juntamente com lemes activos (flap rudders) podem ser coordenados para manter com precisão o navio sobre um ponto fixo no fundo do mar. Tipicamente, um shuttle tanker tem um porte útil aproximado de 120,000 t e velocidade da ordem dos 16 nós, muito superior à dos tanques convencionais. M.Ventura Navios Tanques 9

10 Características da Carga

11 Petróleo Bruto Petróleo Bruto (Crude Oil) óleo mineral constituído por uma mistura de hidrocarbonetos de origem natural, com densidade e viscosidade variáveis Petróleo Bruto Pesado (Heavy Crude Oil) tipo de petróleo bruto que existe em zonas como na bacia do Orenoco (Venezuela), nos bancos de Athabaska (Alberta/Canadá) e nos bancos de Olenik (Sibéria/Rússia). Têm densidade aproximada ou mesmo superior à da água São muito viscosos, podendo ser quase sólidos à temperatura ambiente Não podem ser produzidos, transportados e refinados pelos métodos convencionais Geralmente têm elevadas concentrações de enxofre e de alguns metais como o níquel e o vanádio M.Ventura Navios Tanques 11

12 Heavy Grade Oil Na convenção MARPOL atribui-se a designação de Heavy Grade Oil (HGO) aos produtos seguintes: Petróleos pesados com densidade a 15ºC maior que 900 kg/m3 Óleos combustíveis (Fuel Oils) com densidade a 15ºC maior que 900 kg/ m3, ou viscosidade cinemática a 50ºC maior que 180 mm2/s Betume, alcatrão e as suas emulsões. M.Ventura Navios Tanques 12

13 Petróleo Bruto Classificação em relação à Origem Europa/Mar do Norte - produto leve, muito pouco viscoso, negro, que escorre muito facilmente num recipiente de vidro. África Ocidental - mais viscoso que o do Norte da Europa, torna-se muito viscoso a temperaturas inferiores a 19 ºC e volatiza-se rapidamente a temperaturas superiores a 27 ºC. América do Sul - produto pesado, viscoso, que escorre muito dificilmente num recipiente de vidro. Golfo Pérsico Ásia/China - produto muito pesado, contendo muitas parafinas, que quase não escorre num recipiente de vidro. M.Ventura Navios Tanques 13

14 Produtos Petrolíferos Das ramas de petróleo refinadas obtém-se uma gama variada de produtos Os produtos petrolíferos podem ser classificados em: Produtos Brancos Gasolinas Petróleo Jet-fuel Gasóleo Aromáticos Produtos Negros Óleos Diesel Óleos Fuel Asfaltos M.Ventura Navios Tanques 14

15 Algumas Definições e Unidades Barril (bbl) (barrel) Medida de capacidade muito usada para crude e produtos refinados. Tem a sua origem histórica nos primeiros barris de madeira que serviam como recipiente para transporte dos primeiros crudes extraídos com fins comerciais. 1 barrel = 35 imperial gallons = 42 US gallons = 159 litros. Peso Específico - a temperatura normalizada usada pela ASTM (American Society for Testing Materials) para a determinação do peso específico é 15.5º C (60º F). Grau API - escala adoptada pelo American Petroleum Institute para medir a densidade do óleo. Os óleos com o peso específico mais baixo têm o Grau API mais elevado. Calculado pela expressão: Grau API = (141.5/Peso Específico a 60 F) M.Ventura Navios Tanques 15

16 Evolução dos Preços Petróleo ( ) M.Ventura Navios Tanques 16

17 Sistemas para a Carga

18 Sistemas de Carga Casa de Bombas 1 bomba de carga p/ cada segregação da carga (tipicamente 3 ou 4) Bombas centrífugas de grande capacidade Os motores de accionamento eléctrico são localizados na Casa da Máquina Bombas Submersas 1 bomba p/ cada tanque de carga 1 bomba portátil Sistema de encanamentos inteiramente sobre o convés M.Ventura Navios Tanques 18

19 Arranjo do Cross-Over Ver Recommendations for Oil Tanker Manifolds and Associated Equipment, OCIMF. M.Ventura Navios Tanques 19

20 Outros Sistemas de Carga (1) Bow Loading System (BLS) É usado em shuttle-tankers para receber óleo de terminais de carga, de bóias de carga e de FPSO's and FSU's. A forma da proa destes navios tem que ser adaptada à instalação destes sistemas. M.Ventura Navios Tanques 20

21 Outros Sistemas de Carga (2) Stern Discharge System (SDS) É instalado a ré em FSU's e FPSO's para descarregar a cargaparashuttle-tankers. O sistema é fornecido com um tambor para armazenamento da mangueira de descarga ou, em alternativa, com armazenamento horizontal da mangueira num tapete rolante (conveyor). Stern Loading and Discharge System (SLDS) Resulta dum desenvolvimento dos sistemas BLS e SDS que permite a um navio carregar/descarregar carga pela extremidade de popa. É uma alternativa atraente do ponto de vista económico para navios multi-purpose. M.Ventura Navios Tanques 21

22 Outros Sistemas de Carga (3) Submerged Turret Loading (STL) Tecnologia para carga offshore de crude oil. Com o sistema STL, as operações de carga pode decorrer em piores estados de mar do que com os sistemas anteriores. A Bóia STL fundeada por uma catenária é içada para um recesso no fundo do navio e permite uma amarração efectiva do navio A Bóia STL é composto por uma torre e um sistema que permite a rotação livre (swivel) do naviodevidoàscondições atmosféricas. M.Ventura Navios Tanques 22

23 Sistemas de Carga Submerged Turret Production (STP) Conceito inovador para FPSO's que utiliza tecnologia STL em conjunto com um sistema de alta-pressão de vias múltiplas, disconectavel, fornecido pela Framo Engineering. M.Ventura Navios Tanques 23

24 Sistemas de Lastro O sistema de lastro também pode ser baseado em bombas submersas. M.Ventura Navios Tanques 24

25 SOLAS

26 Protecção dos Tanques de Combustível Void space or ballast water tank protecting fuel oil tank as shown in Figure, need not be considered as "cargo area" defined in Reg. II-2/3.6 even though they have a cruciform contact with the cargo oil tank or slop tank. The void space protecting fuel oil tank is not considered as a cofferdam specified in Reg. II-2/ There is no objection to the locations of the void space shown in the Figure, even though they have a cruciform contact with the slop tank. M.Ventura Navios Tanques 26

27 Sistema de Gás Inerte (IGS) O sistema pode ser alimentado por gases da exaustão, por um gerador de gás inerte ou por azoto. M.Ventura Navios Tanques 27

28 Diagrama de Mistura Hidrocarbonetos/Ar/Gás Inerte O ponto A corresponde ao ar que se respira (~20,8% Oxigénio). A zona assinalada (mistura inflamável) é a perigosa, que começa com cerca de 11% de oxigénio Normalmente a bordo dá-se uma margem de segurança, trabalhando nas percentagens 5%-8%. Por exemplo, a descarga, se estiver no ponto F, e se abrir esta atmosfera ao exterior haveria uma mistura com o ar (oxigénio) seguindo a linha FA o que não seria aconselhável, pois passava pela zona perigosa. M.Ventura Navios Tanques 28

29 Diagrama de mistura Hidrocarbonetos/Ar/Gás Inerte O procedimento típico é introduzir gás inerte até ao ponto H, e então já não se justifica preocupação com o oxigénio porque a mistura segue a linha HA. M.Ventura Navios Tanques 29

30 Sistema de Ventilação dos Tanques SOLAS Cap.II-2 Regras 59 e 62 M.Ventura Navios Tanques 30

31 Sistema de Ventilação dos Tanques Em 1 Julho de 1998 tornou-se uma exigência da SOLAS, que os navios tanques sejam equipados com um meio secundário de evitar sobre/sob pressão nos tanques na eventualidade de falha do sistema de pressão/vácuo (p/v) primário. São igualmente exigidos aparelhos de garantam que as válvulas são abertas antes que se inicie qualquer operação de carga ou lastragem. M.Ventura Navios Tanques 31

32 Sistema de Lavagem por Crude (COW) Máquinas de lavagem rotativas M.Ventura Navios Tanques 32

33 Sistema de Aquecimento da Carga (1) Os tanques de carga e os tanques de decantação (slop tanks) são equipados com um sistema de aquecimento da carga O sistema tem por objectivo aquecer o crude a uma temperatura à qual a viscosidade lhe permita ser bombeada pelo sistema de carga M.Ventura Navios Tanques 33

34 Sistema de Aquecimento da Carga (2) O aquecimento pode ser obtido pela circulação de vapor de água ou um fluído térmico (Ex. mistura de água e glicol) num sistema de serpentinas (heating coils) As serpentinas podem ser em bronze de alumínio ou aço inox Temperatura max. da carga: 65ºC M.Ventura Navios Tanques 34

35 Aquecimento por Fluído Térmico Fluído composto por óleos minerais ou sintéticos Diagrama Típico do Sistema de Aquecimento M.Ventura Navios Tanques 35

36 Comparação dos Custos de Manutenção de Tipos de Sistemas de Aquecimento Os sistemas baseados em fluído térmico apresentam maiores valores de rendimento, comparados com os tradicionais, de vapor Fonte: Aalborg M.Ventura Navios Tanques 36

37 Sistema de Aquecimento da Carga (3) Em alternativa o aquecimento pode ser obtido por um sistema sem serpentinas, baseado na recirculação da carga por bombas submersas através de permutadores de calor montados sobre o convés Vantagens: A ausência de serpentinas facilita a lavagem Os permutadores de calor não estão expostos à carga fora do período de aquecimento M.Ventura Navios Tanques 37

38 COW e Aquecimento de Tanques de Carga Ver HM 40 Guidelines for the Crude Oil Washing of Ships Tanks and the Heating of Crude Oil being Transported by Sea, Energy Institute, London, (CD-ROM#38) M.Ventura Navios Tanques 38

39 Sistema de Espuma p/ Comb. Incêndio (1) Canhões de espuma (foam monitors) A taxa de abastecimento de espuma não será inferior ao maior dos valores seguintes: 0.6 litro/min./m2 de área de tanques de carga, calculada como o produto da boca máxima pelo comprimento da zona de carga 6 litro/min./m2 da máxima secção horizontal de um tanque individual 3 litro/min./m2 da área protegida pelo monitor maior, inteiramente a vante dele, mas não inferior a 1250 l/min. M.Ventura Navios Tanques 39

40 Sistema de Espuma p/ Comb. Incêndio (2) A distância do canhão de espuma ao extremo mais afastado da área protegida não deve ser superior a 75% do alcance do monitor A vante do castelo de popa ou da superstrutura, devem ser instalados dois canhões de espuma, um a cada bordo, virados para a zona de carga. M.Ventura Navios Tanques 40

41 Sistema de Combate a Incêndio Deluge Novo sistema desenvolvido pela BP Shipping, em resposta ao acidente no MV British Trent, em que após uma colisão, houve uma rotura no colector de incêndio e, ao arrear as baleeiras, estas ficaram cobertas com óleo em chamas e houve 10 mortes. O objectivo é produzir uma cortina de água em volta das estações de embarque das baleeiras, permitindo que sejam arreadas em segurança. Chuveiros (spray nozzles) são alimentados a partir do colector de incêndio e formam uma cortina de água que protégé a baleeira de cima, a vante e de lado. O sistema é operado manualmente a partir da Casa de Controlo de Incêndio a partir da ordem de evacuar o navio. Devido às exigências deste sistema algumas vezes tem que ser instalada uma bomba adicional. M.Ventura Navios Tanques 41

42 Emergency Towing Arrangement (ETA) Exigido pela SOLAS 1974 em navios petroleiros, de produtos, químicos e LPG/LNG com DW > 20,000 t Instalado a vante e a ré do navio Ver IMO MSC.35(63) "Guideline for Emergency Towing Arrangement on Tanker, com alterações da MSC 132(75) Regra V/15-1, emendas 1994 à SOLAS. M.Ventura Navios Tanques 42

43 Emergency Towing Arrangement (ETA) Tem por objectivo facilitar o salvamento de navios tanques após eventual acidente Os componentes exigidos são os da tabela seguinte: A Vante A Ré Requisitos de Resistência Pick-up gear Opcional Sim -- Cabo de reboque (Towing pennant) Opcional Sim Sim Chafing gear Sim Depende do projecto Sim Buzina (fairlead) Sm Sim Sim Fixe (Strong point) Sim Sim Sim Rolete (Roller pedestal) Sim Depende do projecto -- M.Ventura Navios Tanques 43

44 Emergency Towing Arrangement (ETA) Arranjo Típico do Reboque de Emergência M.Ventura Navios Tanques 44

45 ETA - Operação M.Ventura Navios Tanques 45

46 ETA - Operação M.Ventura Navios Tanques 46

47 ETA (Instalação AR) - Operação M.Ventura Navios Tanques 47

48 AcessoSeguroàProaemNaviosTanques (1) Todos os navios tanques construídos depois de 1 Julho 1998 devem ter os meios necessários para permitir à tripulação o acesso à proa, mesmo em condições atmosféricas severas. O acesso é exigido para permitir à tripulação soltar os ferros, instalar ou ajustar equipamento de reboque, e alcançar equipamento salva-vidas em caso de emergência. O acesso deve ser por meio de uma via de acesso no convés, ou uma plataforma elevada, de construção permanente, com resistência substancial, localizada ao nível ou acima do nível do pavimento da superstrutura ou do 1º pavimento de uma casota M.Ventura Navios Tanques 48

49 AcessoSeguroàProaemNaviosTanques (2) Plataforma elevada para acesso à proa M.Ventura Navios Tanques 49

50 AcessoSeguroàProaemNaviosTanques (3) Uma plataforma elevada deverá: 1. Ter largura 1 m, situada sobre ou tão perto quanto possível do plano de mediania do navio e localizada de maneira a não perjudicar o acesso fácil através das zonas de trabalho do convés 2. Ser equipada ao longo de todo o seu comprimento com batentes (footstop) e balaustrada suportada por pilares. Os balaústres devem ter pelo menos 3 níveis, o mais baixo dos quais deverá estar a não mais do que 230 mm e o superior pelo menos a 1 m acima do pavimento Não devem haver aberturas com mais de 380 mm de altura Os pilares devem ter espaçamentos não superiores a 1.5 m. M.Ventura Navios Tanques 50

51 AcessoSeguroàProaemNaviosTanques (4) 3. Ser construído em material resistente ao fogo e anti-derrapante 4. Ter aberturas com escadas onde apropriado, para o convés. As aberturas não devem estar espaçadas mais do que 40 m 5. Se o comprimento do convés exposto a ser atravessado exceder os 70 m, deverá ter abrigos de construção resistente com intervalos não superiores a 45 m. Cada um desses abrigos será capaz de alojar pelo menos uma pessoa e ser construído de modo a dar protecção ao tempo, a vante, a estibordo e a bombordo 6. Se obstruída por encanamentos ou outros elementos permanentes, deve ser provida com meios de passagem por cima dessa obstrucção Ver Guidelines for Safe Access to Tanker Bows, IMO Maritime Safety Committee resolution MSC.62(67). M.Ventura Navios Tanques 51

52 MARPOL

53 Protecção do Fundo da Casa das Bombas SOLAS Regra 22 Navios Tanques com DW 5,000 t devem ter duplo-fundo na zona da casa das bombas, com altura acima da linha base igual ao maior de B/5 ou 2.0 m O espaço no duplo-fundo pode ser utilizado como vazio, tanque de lastro ou tanque de óleo combustível (desde que não viole outras regras nomeadamente a Regra 17A) Encanamentos de lastro podem ser localizados no duplo-fundo da casa das bombas desde que qualquer avaria nesses encanamentos não torne as bombas ineficientes Ver IACS M.Ventura Navios Tanques 53

54 Protecção do Fundo da Casa das Bombas Casas de Bombas em navios com a popa em forma de gôndola não necessitam de ser providos com duplo-fundo onde a distância da chapa do fundo à linha base for superior à mínima altura do duplo-fundo M.Ventura Navios Tanques 54

55 Descargas de Óleo Em navios tanque de todas as dimensões, é exigido o controlo da descarga de áreas de tanques, incluindo a casa das bombas M.Ventura Navios Tanques 55

56 Outros Sistemas e Equipamentos

57 Plataforma para Helicópteros (1) Documentos de Referência: "Guide to Helicopter/Ship Operations, International Chamber of Shipping, 3 rd Edition, 1989, London. MODU (Mobile Offshore Drilling Units) Regulations Tipos de zonas de Aterragem de Helicópteros Zona a meio-navio Zona à borda Zona a ré da superstrutura M.Ventura Navios Tanques 57

58 Plataforma para Helicópteros (2) D = diâmetro do rotor Zona de aterragem à borda (mais comum em navios tanques): Circumferência linha continua, branca ou amarela, com largura mínima 0.01D, interompida com intervalos de 90o com algarismos indicando o diametro. Centro marcado com letra H maiúscula, em branco ou amarelo (0.2D x 0.1D) desenhado com linhas 0.02D largura. M.Ventura Navios Tanques 58

59 Anexo A. IACS Common Structural Rules for Double Hull Tankers

60 IACS Joint Tanker Project (JTP) LRS, ABS e DNV Conjunto de Regras sobre estruturas de navios petroleiros com duplo-casco Comprimento 150 m Entrada em vigor a 1 de Janeiro de 2006 M.Ventura Navios Tanques 60

61 Arranjos Típicos de Tanques M.Ventura Navios Tanques 61

62 Antepara Corrugada Típica M.Ventura Navios Tanques 62

63 Antepara Plana Típica M.Ventura Navios Tanques 63

64 Secção Mestra M.Ventura Navios Tanques 64

65 Margens de Corrosão M.Ventura Navios Tanques Em [mm], para tanques não 65 aquecidos

66 Anexo B. International Association of Independent Tanker Owners

67 INTERTANKO Criada em 1970 Destinada a armadores independentes de navios tanques e a operadores de navios petroleiros e químicos Tem cerca de 250 membros, cuja frota inclui mais de 2,960 navios, correspondendo a cerca de 160,000,000 DWT M.Ventura Navios Tanques 67

68 Anexo C. Oil Companies International Maritime Forum

69 Oil Companies International Maritime Forum Organização criada em 1970, na sequência do acidente do Torrey Canyon Tem por objectivo promover a segurança na operação de petroleiros e terminais, através da melhoria de normas de projecto e operação Em 2006 contava com 56 membros Publica um newsletter regular e vários tipos de normas de segurança M.Ventura Navios Tanques 69

70 International Tanker Safety Guide for Oil Tankers and Terminals (ISGOTT) Publicado pela OCIMF Organização do Documento (5ª Edição) General Information Tanker Information Terminal Information Management of the Tanker and Terminal Interface M.Ventura Navios Tanques 70

71 Anexo D. Petroleiros

72 Lpp = m B = 69.0 m DW = 564,763 t Construção: 1979 Estaleiro: SUMITOMO, Japão Jahre Viking O Maior Petroleiro Construído Actualmente Knock Nevis (Noruega), adaptado para armazenamento flutuante (FSO), no Qatar É ainda o maior navio do mundo M.Ventura Navios Tanques 72

73 Início Anos 90 Estaleiros Europeus apostam nos Petroleiros Duplo-Casco 1º VLCC Duplo-Casco M/T Eleo Maersk construído em Odense SS em 1993 Na sequência do EXXON VALDEZ os estaleiros Europeus lançaram vários projectos duplo-casco: O Projecto E3 desenvolvido em conjunto por Fincantieri, Chantiers de l Atlantique, HDW, Bremer Vulkan e Astilleros Españoles VLCC s DC de Odense Suezmaxes DC dos Harland & Wolff, Fincantieri e Astilleros Españoles Aframaxes e Shuttle tankers DC dos Masa Yards, Fincantieri e Astilleros Españoles Panamaxes DC do Burmeister & Wain, etc.. M.Ventura Navios Tanques 73

74 Navio Tanque M.Ventura Navios Tanques 74

75 Minerva Lisa (105,000 DWT) M.Ventura Navios Tanques 75

76 Navio Tanque SuezMax M.Ventura Navios Tanques 76

77 IRENE SL (VLCC) M.Ventura Navios Tanques 77

78 Tanque para Produtos Refinados M.Ventura Navios Tanques 78

79 British Liberty - Produtos M.Ventura Navios Tanques 79

80 Fure Nord - Produtos M.Ventura Navios Tanques 80

81 High Endeavour - Produtos M.Ventura Navios Tanques 81

82 Tempera (Double Acting Tanker) Tempera Sumitomo Heavy Industries (Japão) 5 x Wartsila Propulsão Azipod, 16,000 kw V = 17 (V = 3 em gelo) Modo Normal Modo Quebra-Gelos M.Ventura Navios Tanques 82

83 Links (Tanker Operator Magazine) supertankers.topcities.com M.Ventura Navios Tanques 83

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS)

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Prof. Manuel Ventura Projecto de Navios I Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval SOLAS História e Documentos Convenção, 1974 Protocolo, 1978 Emendas,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE

ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Navios-Tanque Navios-Tanque Petroleiros Jorge Trindade Abril 2012 Índice 1 Aspectos Construtivos 1 1.1 Classificação......................................

Leia mais

Desenho de Construção Naval

Desenho de Construção Naval Desenho de Construção Naval Manuel Ventura Secção Autónoma de Engenharia Naval 2006 1 Arranjo Geral do Navio Desenho de Construção Naval Instituto Superior Técnico Secção Autónoma de Engenharia Naval 2

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 13 Logística de transferência de petróleo INTRODUÇÃO Logística Colocar-se o produto certo, no local correto, no momento adequado e ao menor preço possível, desde as fontes de

Leia mais

1. O transporte marítimo

1. O transporte marítimo 1. O transporte marítimo Neste capítulo serão abordados aspectos do transporte marítimo mundial, com ênfase no transporte de petróleo e seus derivados em navios tanque. 1.1. Introdução O transporte tem

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE. Navios-Tanque

ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE. Navios-Tanque ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Navios-Tanque Crude Oil Washing Maio 2010 Índice 1 Introdução 1 2 Lavagem com crude 2 3 Vantagens e desvantagens do COW 4

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE OPERADOR DE CONTROLE DE LASTRO - COPL DISCIPLINA: CONTROLE DE ESTABILIDADE DE UNIDADES OFFSHORE - II MÓDULO II SIGLA: CTE-II CARGA HORÁRIA: 48 HORAS

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

Norma Regulamentadora 20 - NR 20

Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Líquidos combustíveis e inflamáveis 20.1. Líquidos combustíveis. 20.1.1. Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

EMBARCAÇÕES DE PESCA (Construção em Alumínio Marítimo)

EMBARCAÇÕES DE PESCA (Construção em Alumínio Marítimo) Divisão de Construção Naval SOUNETE - FÁBRICA DE APRESTOS METÁLICOS, LDA. RUA DA SEARA, 588 - OLIVEIRA DO DOURO APARTADO, 290 4431-904 VILA NOVA DE GAIA - PORTUGAL TELEFONES (351) 227860930 - FAX (351)

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS ANEXO XIX AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS 1 OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as condições

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS)

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Prof. Manuel Ventura Projecto de Navios I Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Capítulo II-2. Construção - Medidas de Protecção, Detecção e Combate

Leia mais

Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás

Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás Módulo I Aula 03 1. Introdução Nesta apostila vamos estudar três tipos de tanques usados nas indústrias químicas e petrolífera: vasos de pressão, tanques e

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ Inspeções Internas João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação,

Leia mais

CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º (Objectivo)

CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º (Objectivo) CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Objectivo) O presente Regulamento tem por objectivo a definição dos sistemas de prevenção e protecção contra incêndios e derrames acidentais a serem implantados

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

A Evolução dos Navios Ro-Ro

A Evolução dos Navios Ro-Ro A Evolução dos Navios Ro-Ro Marcello Di Fraia, Managing Director da Grimaldi Portugal Definições A definição de carga roro é simples e intuitiva: é qualquer tipo de carga que embarque e desembarque a rolar,

Leia mais

CAPÍTULO XIX Instalações industriais de líquidos inflamáveis. SEÇÃO I Das condições

CAPÍTULO XIX Instalações industriais de líquidos inflamáveis. SEÇÃO I Das condições CAPÍTULO XIX Instalações industriais de líquidos inflamáveis SEÇÃO I Das condições Art. 497 - Instalações industriais e recipientes estacionários somente poderão existir em Zonas Rurais ou Agrícolas, com

Leia mais

Curso Engenharia Mecânica REDES DE GÁS

Curso Engenharia Mecânica REDES DE GÁS Curso Engenharia Mecânica REDES DE GÁS Luís Mesquita, 2007 Índice Geral CAPÍTULO 1: Enquadramento Energético e Introdução do Gás Natural em Portugal (1) CAPÍTULO 2: Caracterização dos gases Combustíveis

Leia mais

Legislação, Regras e Normas no. de Navios Mercantes

Legislação, Regras e Normas no. de Navios Mercantes Projecto de Navios Mercantes Prof. Manuel Ventura Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval Regras e Legislação Regras (aceitação voluntária) Sociedades Classificadoras

Leia mais

Recursos energéticos. Definições e unidades. por. Pedro Nogueira Departamento de Geociências Universidade de Évora

Recursos energéticos. Definições e unidades. por. Pedro Nogueira Departamento de Geociências Universidade de Évora Recursos energéticos Definições e unidades por Pedro Nogueira Departamento de Geociências Universidade de Évora Sumário ENERGIA Unidades de energia PETRÓLEO Termos comuns e definições ENERGIA Unidades

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 4 Manipulação 637

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 4 Manipulação 637 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 4 Manipulação 637 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO COMPACTADORES DE ASFALTO. www.construlink.com. Copyright 2003 - Construlink.com - Todos os direitos reservados.

GUIÃO TÉCNICO COMPACTADORES DE ASFALTO. www.construlink.com. Copyright 2003 - Construlink.com - Todos os direitos reservados. GUIÃO TÉCNICO COMPACTADORES DE ASFALTO FICHA TÉCNICA STET Nº 10 Nº de pág.s: 5 8 de Agosto de 2003 www.construlink.com COMPACTADORES DE ASFALTO CB-214D, CB-224D, CB-225D, CB-334D e CB-335D A família de

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3

Leia mais

Unidade 1. Tanques. Em grandes quantidades para garantir o suprimento das plantas

Unidade 1. Tanques. Em grandes quantidades para garantir o suprimento das plantas Unidade 1 O bserve a foto e leia o texto. Finalidades Os tanques armazenam os diversos produtos envolvidos na produção em uma unidade de processo, da pressão atmosférica até baixas pressões (aproximadamente

Leia mais

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14 CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA Prospecto do curso 2013/14 Patrocinado pela: Índice STCW Primeiros Socorros Básicos... 4 STCW Prevenção de Incêndios e Combate a Incêndios... 5 STCW Segurança

Leia mais

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho Sinalização de Segurança As cores na segurança do trabalho Funções das cores na segurança Prevenção de Acidentes; Identificar os equipamentos de segurança; Delimitando áreas; Identificação de Tubulações

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT POWER HT MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA POWER HT, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM

Leia mais

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento 1. Introdução 1.1. O presente Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento tem por objetivo tratar dos seguintes aspectos do Arrendamento:

Leia mais

EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO- EQUIPAMENTOS UTILIZADOS

EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO- EQUIPAMENTOS UTILIZADOS PROCESSOS INDUSTRIAIS ORGÂNICOS EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO- EQUIPAMENTOS UTILIZADOS PERFURAÇÃO - INTRODUÇÃO A perfuração de um poço de petróleo é realizada através de uma sonda, conforme ilustrado nas figuras

Leia mais

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1 Caldeiras Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS Instalações e Serviços Industriais 1 Geradores com câmara de combustão Caldeiras Tipo de combustível sólido, líquido, gasoso,

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM NAVIOS PETROLEIROS

MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM NAVIOS PETROLEIROS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM NAVIOS PETROLEIROS Ilidia da A. G. Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano

Leia mais

LOXIC. de redução de oxigénio

LOXIC. de redução de oxigénio LOXIC de redução de oxigénio APSEI NFPA Fire & Security 2012 Índice 1.Teoria Teoria da da combustão 8. Condições que favorecem estes sistemas 2. Conceito 3. Sistemas hipóxicos vs injeção de azoto 9. Projeto

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351.218 500 300 Novembro 2014 FICHA TÉCNICA Depósitos Gama S ZB-Solar www.vulcano.pt FICHA

Leia mais

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar.rigsun. A Rigsun é a nova marca nacional de sistemas solares térmicos.

Leia mais

Capítulo 4. Classificação dos aparelhos de queima e redes abastecidas com GPL

Capítulo 4. Classificação dos aparelhos de queima e redes abastecidas com GPL Capítulo 4 Classificação dos aparelhos de queima e redes abastecidas com GPL 1 Classificação dos aparelhos de queima... 203 1.1 Classificação dos aparelhos... 207 2 Abastecimento de GPL... 208 2.1 Armazenamento

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 1 Generalidades... 599

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 1 Generalidades... 599 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 1 Generalidades... 599 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Descrição A bomba dosadora de LGE FIRE DOS é o mais versátil sistema de proporcionamento existente no mercado. Este revolucionário sistema de

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

: CATERPILLAR DUPLO C12 2x715 HP (28 nós) o Motores (opcional)

: CATERPILLAR DUPLO C12 2x715 HP (28 nós) o Motores (opcional) Waveshuttle 56 Viagens de negócios de classe com vistas deslumbrantes Dimensões básicas o Comprimento total : 59 05 (18,126 m) o Comprimento do convés : 57 05 (17,516 m) o Vau : 16 (4,88 m) o Draft : 3

Leia mais

COLECTOR DE MÓDULOS PFM

COLECTOR DE MÓDULOS PFM DESCRIÇÃO DO PRODUTO Colector de módulos Plug & Flow (PFM) A montagem poderá ser efectuada tanto na horizontal como na vertical. Pode adquirir os respectivos sistemas de fixação para a elevação de diferentes

Leia mais

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal:

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal: PORTO DE PECEM. Trata-se de um terminal marítimo concebido para propiciar operações portuárias eficientes, tornando-o altamente competitivo com acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Aula 17 Combustíveis e inflamáveis Núcleo

Leia mais

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Professores: Sílvio dos Santos, Esp. Eunice Passaglia, Dra. AULA N 2: OS NAVIOS

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

ANDRITZ Solução em bombas para atividades offshore

ANDRITZ Solução em bombas para atividades offshore ANDRITZ Solução em bombas para atividades offshore www.andritz.com/pumps ANDRITZ para aplicações offshore Soluções de bombeamento sob medida Você está à procura de soluções seguras e eficazes na gestão

Leia mais

Meios de Movimentação de Carga. Arquitectura Naval

Meios de Movimentação de Carga. Arquitectura Naval Meios de Movimentação de Carga Sistemas do Convés Os sistemas do convés são: Meios de movimentação da carga, Equipamento de salvação. Meios para combate a incêndios. Meios de amarração. Equipamento para

Leia mais

Sistemas de climatização da água da piscina Controlo da temperatura da água da sua piscina

Sistemas de climatização da água da piscina Controlo da temperatura da água da sua piscina Sistemas de climatização da água da piscina Controlo da temperatura da água da sua piscina Bombas de calor ar-água O sistema mais eficiente e rentável A Astralpool coloca à sua disposição uma vasta gama

Leia mais

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO BIOS CLASSE 5 NO X MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA BIOS, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM DOS

Leia mais

7. Exemplos de Aplicação

7. Exemplos de Aplicação 7. Exemplos de Aplicação Neste parágrafo vamos procurar exemplificar o tipo de informação que é possível obter com a leitura deste manual. Pretende-se, a partir de dados típicos, dar uma ideia geral do

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Controladores de temperatura

Controladores de temperatura Controladores de temperatura - Aplicações Controls A/S - Assegura eficiência no controle dos sistemas de aquecimento, refrigeração e ventilação. Clorius Controls: solução para o controle de temperatura

Leia mais

Ar comprimido: energia na forma de pressão

Ar comprimido: energia na forma de pressão Ar comprimido: energia na forma de pressão Transformação de energia eléctrica em pressão; resulta da compressão do ar ambiente, cuja composição é uma mistura de oxigénio ( 23,2 %(m/m)), nitrogénio ( 75,5

Leia mais

Coletes salva-vidas na quantidade que atenda ao estipulado pela Capitania dos Portos, pelo menos, ou que corresponda ao número da tripulação.

Coletes salva-vidas na quantidade que atenda ao estipulado pela Capitania dos Portos, pelo menos, ou que corresponda ao número da tripulação. Segurança de Balsas Tanque 1. Objetivo Estabelecer as normas de segurança que deverão ser rigorosamente observadas durante as operações de carregamento e descarga de balsas-tanque. 2. Abrangência Este

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

Texto consolidado do código FSS

Texto consolidado do código FSS Texto consolidado do código FSS Este texto é uma consolidação dos seguintes instrumentos: - Resolução MSC.98(73) Adoção do Código FSS, em vigor a partir de 1º de Julho de 2002; - Resolução MSC.217(82),

Leia mais

Petróleo e Meio Ambiente

Petróleo e Meio Ambiente Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Petróleo e Meio Ambiente Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Acidentes na Indústria de Petróleo Acidentes com Plataformas

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Prevenção de Acidentes com GLP.

Prevenção de Acidentes com GLP. Prevenção de Acidentes com GLP. Data de Publicação: 06/03/2008 Convidamos o nosso visitante, a ler e responder as perguntas abaixo. Ao término desta visita temos a certeza que um dia estas informações

Leia mais

Esquemas. & diagramas. caderno 9

Esquemas. & diagramas. caderno 9 Esquemas & diagramas caderno 9 Segurança contra incêndios em edifícios > Simbologia gráfica para plantas Legenda para projectos de SCIE 1 - Resistência ao fogo Elemento resistente ao fogo com função de

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº. 80/04 de 27 de Julho Havendo necessidade de estabelecer as condições a que devem obedecer os meios de transporte aéreo de produtos petrolíferos; Sendo necessário

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

» LINHA SOLAR Emmeti

» LINHA SOLAR Emmeti » LINHA SOLAR Emmeti Kit Solar Thermosyphon Modelo: 200 L / 1 Coletor Modelo: 300 L / 2 Coletor Colector SXM NX Dimensões m² 2030x1030x87 2 x 2030x1030x87 Peso em vazio Kg 48 44 Superficie total m² 2,23

Leia mais

Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis

Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 025 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 1 Generalidades e requisitos básicos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de

Leia mais

Parte III Classes de temperatura, documentação, exemplos em CAD 2D e CAD 3D

Parte III Classes de temperatura, documentação, exemplos em CAD 2D e CAD 3D 32 Capítulo VIII Requisitos para automação de projetos e para estudos de classificação de áreas (com atmosferas explosivas de gases inflamáveis e de poeiras combustíveis em maquetes eletrônicas utilizando

Leia mais

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II Workshop Tecnológico APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo IPT Apoio tecnológico

Leia mais

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem.

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora NR tem por objetivo fixar as

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Sistemas solares compactos Solar Easy AQS

Sistemas solares compactos Solar Easy AQS Solar Easy AQS Os sistemas SOLAR EASY AQS integram no mínimo espaço possível grupo hidráulico, vaso de expansão e central de regulação, totalmente ligados e cablados. A gama está composta por 14 sistemas

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo V Aula 08 1. Introdução A proteção contra incêndio abrange o transporte e uso de materiais tais como espuma, dióxido de carbono (CO 2 ), produtos

Leia mais

Rua da Indústria, 80-98 Lugar da Ribeira - Valongo 4440-230 Campo PORTUGAL Telefones: 224161040/1/2 Fax: 224152319 www.flucal.pt informa@flucal.

Rua da Indústria, 80-98 Lugar da Ribeira - Valongo 4440-230 Campo PORTUGAL Telefones: 224161040/1/2 Fax: 224152319 www.flucal.pt informa@flucal. Caldeiras Fabricado em Portugal Made in Portugal Permutadores Autoclaves Cogeração Secadores Rua da Indústria, 80-98 Lugar da Ribeira - Valongo 4440-230 Campo PORTUGAL Telefones: 224161040/1/2 Fax: 224152319

Leia mais

PORTA-PALETES PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS

PORTA-PALETES PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS Porta-Paletes Manuais Porta-Paletes Elétricos Porta-Paletes de Tesoura Porta-Paletes em Inox Porta-Paletes com Balança Porta-Paletes TODO-O-TERRENO Porta-Paletes Aplicações Específicas Compre Produtos

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

MEMBRANAS BETUMINOSAS

MEMBRANAS BETUMINOSAS FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO (Em conformidade com o Regulamento REACH (EC) nº 1907/2006) Nº revisão: 08 Data de emissão: 24 de Janeiro de 2014 MEMBRANAS BETUMINOSAS 1. Identificação da substância/mistura

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

a excelência do clima sistemas VRF

a excelência do clima sistemas VRF a excelência do clima VRF UNIDADES INTERIORES 5 MODELOS / 37 VERSÕES UNIDADES EXTERIORES 3 MODELOS / 36 VERSÕES Mural Cassette 4 vias Mini - VRF VRF VRF Plus Parede / Tecto Módulos Básicos Módulos Básicos

Leia mais

Projeto de Nacionalização de Baleeiras - PROMINP E&P 11

Projeto de Nacionalização de Baleeiras - PROMINP E&P 11 Projeto de Nacionalização de Baleeiras - PROMINP E&P 11 Sergio Granati Rib Offshore Serviços Técnicos de Petróleo Ltda. Garibaldi - RS Novembro/2007 Rib Offshore Fabricante de embarcações e produtos voltados

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda.

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. Linha de Todas as fotos, ilustrações e especificações estão baseadas em informações vigentes na data da aprovação desta publicação. A Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. se reserva ao direito de alterar

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

SECTOR NAVAL QUAL O RUMO?

SECTOR NAVAL QUAL O RUMO? SECTOR NAVAL QUAL O RUMO? 1 CONSTRUÇÃO NAVAL & OFFSHORE CORE BUSINESS & KNOW-HOW As capacidades demonstradas ao longo dos projectos têm levado ao aumento da confiança dos nossos clientes e garantido a

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO PONTO DE FULGOR VASO ABERTO CLEVELAND

ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO PONTO DE FULGOR VASO ABERTO CLEVELAND ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. APARELHAGEM...4 6. EXECUÇÃO DO ENSAIO...9 7.

Leia mais

INDICE. Pag.2. Pag.3. Pag.4. Pag.5-6. Pag.7. Acessórios complementares

INDICE. Pag.2. Pag.3. Pag.4. Pag.5-6. Pag.7. Acessórios complementares INDICE Separador de Gorduras em PEAD para montagem apoiada: modelo KESSEL Euro G para aspiração directa ou aspiração à distância Separador de Gorduras em PEAD para montagem apoiada: modelo KESSEL Euro

Leia mais

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE VI ASPECTOS SOBRE COMERCIALIZAÇÃO

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE VI ASPECTOS SOBRE COMERCIALIZAÇÃO INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE VI ASPECTOS SOBRE COMERCIALIZAÇÃO BARRIL O Barril é uma unidade de medida de petróleo líquido (geralmente petróleo cru) igual a: 158,987294928 litros (se for

Leia mais

PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS

PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS SEMINÁRIO SOBRE GÁS PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS Introdução Consumo Percentual de Energia Primária no Mundo 1974 1998

Leia mais