CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA"

Transcrição

1 CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA Cláudo José Martns a, Tago A. Soares b e Alberto Ortgão b a Federal Centre for Technologcal Educaton of Mnas Geras, Department of Cvl Engneerng Engneerng, Belo Horzonte, Brazl, b TERRATEK LTDA Ro de janero Brazl, Keywords: análse modal operaconal, dnâmca estrutural, dentfcação estocástca em subespaços, estruturas offshore, prova de carga dnâmca. Abstract. Este artgo apresenta os resultados da prova de carga dnâmca realzada sobre a Plataforma de petróleo PG, stuada em Talara, Peru. O trabalho ncluu medções de vbração em doze posções na plataforma, localzados sobre as mesas da estrutura. Como fonte de exctação, consderou-se prncpalmente a ação devdo ao vento e ao movmento das ondas, e desta forma as medções foram efetuadas sem paralsação da estrutura. Os dados coletados foram analsados através de técncas de processamento de snas dgtas, o que forneceu os prncpas parâmetros dnâmcos da estrutura. A partr daí, procedeu-se à elaboração de um modelo numérco da estrutura, baseado no Método dos Elementos Fntos, que representa de forma precsa o comportamento estrutural da ponte. Em seguda, os danos estruturas foram determnados.

2 INTRODUÇÃO A dentfcação das característcas dnâmcas de estruturas da engenhara cvl, através de suas respostas frente às vbrações meddas, consste numa etapa fundamental para a correta caracterzação e montoramento das mesmas, uma vez que as propredades dnâmcas estão ntmamente relaconadas ao desempenho em servço dos elementos estruturas. O procedmento através do qual as característcas dnâmcas (freqüêncas naturas, modos de vbração e amortecmentos) de uma estrutura são dentfcadas a partr da medção da vbração em determnados pontos da mesma, consderando-se a estrutura descrta por modelos modas, é denomnada Análse Modal Expermental (Maa et al., 998). Esta técnca fo ncalmente desenvolvda no âmbto da engenhara mecânca, consderando-se a realzação de ensaos cujas ações aplcadas são conhecdas. As estruturas mecâncas geralmente apresentam dmensões pequenas, se comparado a estruturas cvs, desta forma a aplcação de cargas, conhecdas geralmente por meo da medção de exctações provocadas por martelos de mpacto ou através da utlzação de sstemas vbradores, consste em procedmento adequado para a exctação dos modos de vbração de nteresse de estruturas da engenhara mecânca (He e Fu, 200). Por outro lado, devdo às dmensões elevadas e característcas dnâmcas das estruturas de engenhara cvl, a aplcação de cargas em tas estruturas pode apresentar alguns nconvenentes, tas como: necessdade de paralsação total ou parcal da estrutura ensaada; alto custo, pos os equpamentos de exctação apresentam porte elevado; rsco de colapso de estruturas fráges. Além dsso, exste a possbldade de exctação de modos menos mportantes. Desta forma, a partr da década de 90 observou-se grande avanço nos ensaos dnâmcos cujas fontes de exctação correspondem às ações operaconas na estrutura. Tas técncas, comumente denomnadas Análse Modal Ambental (AMA), consderam as ações ambentas (vento, ondas, veículos, pedestres, equpamentos, dentre outros) como fontes de exctação, e desta forma as dfculdades anterormente descrtas relatvas aos ensaos com força controlada para estruturas cvs podem ser mnmzados (Crawford e Ward, 964, Trfunac, 972, Rodrgues, 2004). Nos métodos de dentfcação modal baseados na resposta dos sstemas estruturas às ações ambentas, as forças de exctação não são meddas expermentalmente e, portanto, não são conhecdas. Desta forma, torna-se necessáro assumr determnadas hpóteses quanto às suas característcas. Nesses métodos, assume-se a hpótese de que as forças de exctação correspondem a um processo tpo ruído branco, com densdade espectral constante e cuja méda é nula, e desta forma os dversos modos de vbração de nteresse podem ser adequadamente exctados e dentfcados (Graldo et al., 2009). Mesmo em estruturas mas rígdas, onde as respostas às ações ambentas apresentam ampltude muto baxa, a análse modal ambental tem sdo conduzda de forma satsfatóra. De fato, nos últmos anos houve grande desenvolvmento nos equpamentos de medção tornando possível regstrar movmentos com ampltudes extremamente pequenas. Os ensaos de medção da resposta das estruturas às ações ambentas envolvem a obtenção de grandes quantdades de nformação expermental que é necessáro processar com métodos

3 de análse adequados, exgndo o desenvolvmento de técncas computaconas com capacdade para efetuar esse processamento. É reconhecdo o progresso que tem havdo no desenvolvmento de tas técncas computaconas, que tem possbltado o desenvolvmento e a aplcação prátca de métodos de dentfcação dos parâmetros modas a partr de ensaos com ações ambentas, que muto dfclmente poderam ser utlzados há alguns anos atrás (Rodrgues, 2004). As técncas de dentfcação modal podem ser classfcadas em dos grupos prncpas: nãoparamétrcos (domíno da freqüênca) e paramétrcos (domíno do tempo). Os métodos nãoparamétrcos baseam-se na avalação das funções de densdade espectral da resposta, a partr da determnação da transformada de Fourer das séres temporas. (Brncker et al 200) e Rodrgues (2004). Os métodos paramétrcos envolvem a escolha de um modelo matemátco adequado que smule o comportamento dnâmco da estrutura, segudo da dentfcação dos parâmetros modas de tal forma que o modelo se ajuste da melhor manera possível os valores expermentas. Este método pode ser aplcado sobre as funções de correlação ou dretamente sobre as séres temporas da resposta. Quando se consderam modelos baseados nas funções de correlação, podem-se adotar técncas paramétrcas largamente aplcadas a análses com carregamento controlado ou não, como as técncas de Ibrahn (Ibrahm e Mkulck, 977), Mínmos-Quadrados com Exponencal Complexa (Brown et al., 979) e Identfcação Estocástca de Subespaço (Peeters, 2000). Rodrgues (2004) e Graldo et al. (2009) apresentam maores detalhes sobre as técncas no domíno do tempo. Este trabalho apresenta os resultados de prova de carga dnâmca, efetuada na plataforma PG, localzada em Talara/Peru. Esta prova de carga fo efetuada consderando-se as ações ambentas provenentes das ondas e vento. Sobre os regstros temporas das acelerações meddas em doze pontos foram adotadas técncas de processamento de snas dgtas baseadas no procedmento de Identfcação Estocástca em Subespaços. As mperfeções e danos exstentes na estrutura puderam ser adequadamente consderados no modelo, e desta forma a caracterzação modal da estrutura fo alcançada 2 MODELO NUMÉRICO Trata-se de estrutura composta predomnantemente por perfs tubulares em aço ASTM- A53 e perfs I e C e chapas de pso em aço ASTM-A36. A plataforma é composta por dos níves denomnados mesa superor e nferor, cujo desnível é 6,40 metros e 5,94 metros abaxo do nível nferor encontra-se o pso de lgação à estrutura submersa. A estrutura de suporte (jacket) dos níves encontra-se submersa e possu altura de 6,764 metros. A fgura apresenta uma vsão das mesas da estrutura. A estrutura de suporte (jacket) apresenta quatro colunas tubulares nclnadas com dâmetro externo de 45,72 centímetros e contraventamentos em perfl tubular de 40,64 centímetros. No nteror destas colunas estão stuadas as estacas metálcas de seção crcular e dâmetro de 40,64 centímetros. Cabe ressaltar que a estrutura suporte tem por objetvo promover o contraventamento das estacas metálcas, e desta forma, não recebe as ações das mesas. Estas

4 ações são transferdas dretamente às estacas. Fgura : Plataforma PG Talara/Peru 2. Modelo ncal (não danfcado) A partr das nspeções vsuas e documentos de referênca procedeu-se a elaboração de um modelo numérco da estrutura, baseado no Método dos Elementos Fntos. O modelo numérco consste de 434 elementos de barras e 736 elementos casca fna, totalzando 560 graus de lberdade. As escadas e corrmões da estrutura foram ntroduzdos no modelo numérco como elementos lneares de massa, pos estes elementos teram pequena contrbução na rgdez global do modelo. Os equpamentos e demas elementos presentes nos níves da plataforma foram nserdos no modelo como elementos de massa concentrada. O pso do nível superor fo modelado como elemento de casca fna de espessura 6.3 mlímetros. Devdo ao estado avançado de corrosão, as propredades de rgdez da casca foram reduzdas em 0.63 mlímetros. O pso do nível nferor fo modelado como elemento de casca fna em madera com espessura 2 centímetros, consderando rgdez nula. O pso do nível de cabezales fo modelado como elemento de placa ortotrópca e massa superfcal de 30 kg/m 2. A fgura 2 apresenta croqu do modelo estrutural consderado.

5 Fgura 2: Modelo ncal elementos de barras e 736 elementos casca fna 2.2 Medções As medções de vbração foram conduzdas sobre a plataforma em condções normas de utlzação. As fontes de exctação foram provenentes das ações de ondas e vento. As medções foram efetuadas utlzando-se equpamento Reftek, cujas prncpas característcas são: meddor de vbração de alta sensbldade com 24 bts, 3 exos de medções, frequenca de

6 medção DC-500 Hz, sensbldade: 2,4V/g, +- 3g. Na fgura 3 é apresentado o equpamento de medção e na fgura 4 a localzação dos pontos de coleta dos dados. A tabela ndca a duração de cada medda enquanto a tabela 2 ndca a dreção dos acelerômetros. Fgura 3- Equpamento posconado na estrutura Tabela : Tempos de medção Ponto Data Duração P 20/05/20 h 30mn P2 20/05/20 h 30mn P3 20/05/20 h 32mn P4 20/05/20 h 5mn P5 2/05/20 h 32mn P6 2/05/20 h 30mn P7 2/05/20 h 3mn P8 2/05/20 3h 00mn P9 2/05/20 h 30mn P0 22/05/20 h 3mn P 22/05/20 h 33mn P2 22/05/20 h 37mn Tabela 2: Dreção dos acelerômetros Acelerômetro Z() Y(2) X(3) Posção Vertcal Dreção Norte Dreção Leste As fguras 5 a 7 apresentam as funções de densdade espectral dos snas meddos. Tas funções são apropradas para análse espectral de snas aleatóros, tas como os snas coletados na prova de carga dnâmca da estrutura. As fguras apresentam a quantdade de energa dstrbuída ao longo das componentes de freqüênca, e fornecem subsídos para a

7 determnação dos parâmetros modas. Pso de lgação Nível nferor Nível superor Fgura 4- Localzação dos pontos de medção

8 Fgura 5 Densdade espectral de potênca do canal X(3) para todos os pontos Fgura 6 - Densdade espectral de potênca do canal Y(2) para todos os pontos Fgura 7 - Densdade espectral de potênca do canal Z() para todos os pontos

9 3 IDENTIFICAÇÃO MODAL 3. Fundamento matemátco A segur apresentam-se as equações matrcas, baseadas no MEF, que regem o comportamento dnâmco das estruturas, bem como sua representação de estado. Estes métodos orgnaram na engenhara de sstemas e controle, domíno centífco em que é comum a utlzação da representação de estado para a análse de sstemas dnâmcos (He e Fu, 200, Rbero, 2002). Descreve-se também o método de dentfcação modal estocástca denomnada Identfcação Estocástca de Subespaço, utlzado neste trabalho para a análse da nformação obtda em ensaos de medção da resposta dnâmca da estrutura frente às ações ambentas. 3.. Equações de equlíbro dnâmco No Método dos Elementos Fntos, o domíno de defnção do problema físco é dscretzado por uma sére de elementos fntos nterconectados entre s por seus nós e faces. As varáves de campo, por sua vez, são aproxmadas por seus valores nodas (Zenkewcz e Taylor, 989, Hughes, 2000), resultando em um sstema dscreto de equações dferencas ordnáras, dadas por: M U& + DU& + KU = F () onde M, D e K representam, respectvamente, as matrzes globas de massa, amortecmento e rgdez, enquanto U e F correspondem aos vetores de deslocamento e carregamento nodal. O ponto sobre as varáves ndca dervada temporal. A determnação do comportamento da estrutura vbrando lvremente consste na determnação dos modos de vbração e freqüêncas naturas do modelo, através da solução do problema de autovalores e autovetores. Desprezando-se o efeto do amortecmento na estrutura, tal problema pode ser expresso como: onde 2 ( K ω M U = 0 (2) j ) j ω j é a freqüênca natural de ordem j e U j o correspondente modo de vbração Representação de estado para sstema determnístco contínuo O sstema de equações dferencas parcas de segunda ordem pode ser descrto através da sua representação de estado, consderando-se um vetor X dado por: U X = U & (3) A equação de equlíbro dnâmco dada pela equação () pode ser expressa por X& = AX + BF (4) Y = CX onde C corresponde à matrz de observação do sstema e Y ao vetor de respostas observadas. A e B correspondem respectvamente às matrzes de estado e de entrada, e são dadas por:

10 0 I 0 e B = M K M D (5) M A = 3..3 Representação de estado para sstema estocástco dscreto A representação do sstema dnâmco ndcado em (4) consdera que o vetor de entrada F seja conhecdo, o que não corresponde à realdade quando se consdera análse modal onde apenas as respostas do sstema são meddas. Assm, consderando-se que as ações ambentas correspondem a snas estocástcos, a representação de estado para tempos dscretos pode ser expressa por X& k + = AXk + Wk (6) Y = CX + V k k k onde k ndca um determnado tempo de análse dscreto dado por correspondendo ao período de amostragem. As varáves W k e t k = k t, com t V k correspondem aos vetores ruído de processo e de medção, respectvamente, consderadas varáves gaussano do tpo ruído branco com méda nula (Maa et al., 998) Identfcação estocástca em subespaços W Uma vez que os vetores k e Vk correspondem a processos gaussanos estaconáros, e observando-se que as operações presentes na equação (6) são lneares, pode-se afrmar que os vetores de estado e de resposta, Xk e Y k, apresentam também dstrbução gaussana de meda nula (Andersen, 997). Assm, podemos defnr as seguntes relações: onde E[ X = Σ (7) T k + X k ] T k + Yk ] E[ Y = (8) T E X Y = G (9) [ k + k ] T T Q S [ W V ] = Wk E k k T (0) Vk S R Σ e correspondem às matrzes de covarânca do estado e da resposta. G corresponde à matrz de covarânca do estado no tempo k + e da resposta no tempo k. As matrzes Q, S e R correspondem às matrzes de covarânca dos vetores W k e V k. Consderando-se as expressões (6) a (0), as seguntes relações podem ser obtdas: T Σ 0 = AΣ 0A + Q () T G = AΣ0 C + S (2) T CΣ +, = 0 0C R = (3) CA G, 0 Consderando-se as funções de correlação das respostas observadas organzadas em matrz de Hankel H 0 contendo p blocos de lnhas, e observando-se as relações apresentadas na

11 equação (3), obtém-se a segunte expressão: ou M 2 0 p M 2 2 p L L O L M 2 p+ CA = CAG M 2 p CA G CAG CA CA M 2 2 p G G L L O L CA G CA G M 2 p+ CA G H 0 = OΓ (5) com O e Γ denomnadas, respectvamente, matrzes de observaldade e controlabldade do sstema. Tas matrzes são expressas por: C CA O = M CA 2 p e Γ = [ G A G A G] (4) L (6) Consderando-se a decomposção da matrz H 0 em valores sngulares, obtém-se: H = USV 0 (7) Logo, as matrzes O e Γ podem ser expressas a partr das matrzes resultantes da decomposção de H 0, da segunte forma: 2 2 T Γ = S V (8) O = US e De posse das matrzes de observaldade e controlabldade do sstema, C e G podem ser obtdos dretamente das prmeras lnhas e colunas de O e Γ, respectvamente (ver equação (6)). A determnação da matrz de estado A pode ser efetuada consderando-se uma matrz de Hankel H cujas colunas estão adantadas de um ntervalo de tempo em relação a H 0. Consderando a expressão (4) para H, obtém-se: H = OAΓ (9) e desta forma 2 T A = S U H VS 2 Por fm, os parâmetros modas são determnados efetuando-se a decomposção de A em valores sngulares ( A = ΨµΨ ). As freqüêncas naturas λ, coefcentes de amortecmento ξ e modos de vbração φ, são então dados por: (20) ln(µ ) Re( λ ) λ =, ω = λ ξ = t, λ e φ = CΨ (2)

12 3.2 Identfcação dos parâmetros modas Esta etapa consste da extração dos modos de vbração da estrutura, elmnando-se os modos de vbração não-estruturas e locas. O procedmento de obtenção dos modos de vbração basea-se no algortmo SSI da dentfcação estocástca em subespaço descrto anterormente. A fgura 8 apresenta o dagrama de establzação correspondente à aplcação da técnca da dentfcação estocástca em subespaço nos dados coletados no ensao dnâmco. A tabela 3 apresenta os parâmetros modas obtdos. Fgura 8: Dagrama de establzação ordem 20 Modo de vbração dentfcados Tabela 3: Parâmetros modas expermentas Frequencas naturas amortecdas (Hz) Coefcentes de Amortecmento (%) Frequencas naturas nãoamortecdas (Hz)

13 4 CALIBRAÇÃO DO MODELO INICIAL A partr da geometra da estrutura foram efetuadas alterações no modelo numérco ncal, vsando adequar as freqüêncas naturas obtdas numercamente aos valores expermentas da tabela 3. As alterações consstram em ntroduzr danos ao modelo numérco ncal (dmnução de rgdez das seções, alteração nas vnculações) em posções e ntensdade adequadas, obtendo-se um modelo numérco calbrado. As fguras 9 e 0 apresentam os resultados obtdos. A tabela 4 apresenta os valores numércos. Cabe ressaltar que foram consderados os quatorze prmeros modos de vbração da estrutura, uma vez que estes modos apresentam valores acma de 89% do total de massa moblzada, conforme atesta a fgura. A fgura 2 apresenta os ses prncpas modos de vbração da plataforma, extraídos do modelo numérco calbrado. Os prncpas danos nserdos na estrutura consstram na redução das propredades geométrcas das seções transversas e na ntrodução de lberações parcas entre as lgações das barras. A fgura 3 apresenta o índce de redução das seções transversas nas barras enquanto a fgura 4 mostra as barras cujas rotações foram lberadas em 20% (0% corresponde a rotação lvre e 00% engaste total) nas três dreções. 4 Expermental Frquencas naturas (Hz) 3 2 Incal Calbrado modos Fgura 9 Frequêncas naturas expermentas e dos modelos ncal e calbrado 35% 30% 25% Incal Calbrado Erro (%) 20% 5% 0% 5% 0% modos Fgura 0 Erro em relação às frequêncas naturas expermentas

14 Tabela 4 Resultados da caracterzação numérca Expermenta Modo l Modelo Incal Modelo Calbrado Freq. (Hz) Freq.(Hz) Erro Freq.(Hz) Erro % % % % % 0.93 % %.05 2% %.7 7% %.43 3% %.5 2% %.78 3% % % % % % % % % % 2.90 % % 2.96 % % massa moblzada acumulada 00% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 0% 0% Dr. X Dr. Y Dr. Z modos Fgura Porcentagem acumulada de massa moblzada

15 Modo rotação na dreção Y Modo 2 rotação na dreção X Modo 3 flexão vertcal do nível de lgação Modo 9 flexão na dreção X Modo deflexão vertcal Modo 3 segunda flexão do nível de lgação Fgura 2 Modos de vbração modelo calbrado

16 Redução maor que 20% Redução entre 0 e 20% Redução menor que 0% Fgura 3 Redução na área de seção transversal das barras Fgura 4 Barras com rotação lberada em 20%

17 5 CONCLUSÕES Neste trabalho foram apresentados os procedmentos e resultados obtdos da análse modal de uma plataforma offshore fxa, consderando-se como fonte de vbração as suas ações naturas. Foram adotados apenas doze pontos de medção, adequadamente posconados, de forma que os prncpas modos de vbração da estrutura foram captados. Os estudos empregaram técncas avançadas de processamento dgtal de snas, e desta forma as freqüêncas naturas e amortecmento estrutural puderam ser obtdos, mesmo para vbrações de baxa ampltude. Os valores expermentas de freqüêncas naturas foram utlzados na calbração de um modelo numérco baseado no MEF. Os prncpas danos nserdos no modelo calbrado consstram na redução das propredades geométrcas das seções transversas e ntrodução de lberações parcas entre as lgações das barras. A consderação destes danos permtu que as prncpas freqüêncas naturas do modelo numérco fossem ajustadas aos valores expermentas. O modelo calbrado, consderado uma boa aproxmação numérca da estrutura, poderá ser utlzado como uma poderosa ferramenta no auxílo da verfcação estrutural da plataforma, bem como permtr um montoramento de sua segurança estrutural. Agradecmentos Os autores agradecem ao CEFET/MG, FAPEMIG e CNPq pelo apoo fnancero. REFERENCES N. Maa, J.M. Slva, J. He, N. Leven, N. Ln, R. Ln, G. Skngle, W.M. To, A. Urguera, 998, Theoretcal and Expermental Modal Analyss, Research Studes Press, London, England. J. He, Z. Fu, 200, Modal analyss, Butterworth-Henemann, Oxford, England. J. Rodrgues, 2004, Stochastc Modal Identfcaton Methods and Applcatons n Cvl Engneerng Structures, Ph.D. Thess, Unv. of Porto, Portugal. R. Crawford, H. S. Ward, 964, Determnaton of the Natural Perod of Buldngs, Bulletn of the Sesmologcal Socety of Amerca, Vol. 54, No. 6, pp M. D. Trfunac, 972, Comparson Between Ambent and Forced Vbraton Experments, Earthquake Engneerng and Structural Dynamcs, Vol., pp D. F. Graldo, W. Song, S. J. Dyke, J. M. Cacedo, 2009, Modal Identfcaton through Ambent Vbraton: Comparatve Study, Journal of Engneerng Mechancs, Vol. 35, No. 8, pp R. Brncker, C. Ventura, P. Andersen, P., 200, Dampng Estmaton by Frequency Doman Decomposton, Proc. 9th Int. Modal Analyss Conference, San Antono, USA. S. R. Ibrahm, E. C. Mkulck, 977, A Method for the Drect Identfcaton of Vbraton Parameters from the Free Response, The Shock and Vbraton Bulletn, Vol. 47, No. 4, pp D. L. Brown, R. J. Allemang, R. Zmmerman, M. Mergeay, 979, Parameter Estmaton Technques for Modal Analyss, SAE Techncal Paper Seres, No B. Peeters, 2000, System Identfcaton and Damage Detecton n Cvl Engneerng, Ph.D. Thess, K. U. Leuven, Belgum. M. I. Rbero, 2002, Análse de Sstemas Lneares, IST Press, Portugal. O.C. Zenkewcz, R.L. Taylor, 989, The Fnte Element Method, Vol. -2, Mc-Graw-Hll. T.J.R. Hughes, 2000, The Fnte Element Method, Lnear Statc And Dynamc Fnte Element

18 Analyss. 2 ed. New Jersey, Prentce-Hall. P. Andersen, 997, Identfcaton of Cvl Engneerng Structures usng Vector ARMA Models, PhD Thess, Department of Buldng Technology and Structural Engneerng, Unversty of Aalborg, Denmark.

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

MONITORAMENTO DE CONDIÇÃO DE ROLAMENTOS ATRAVÉS DA ANÁLISE CONJUNTA TEMPO-FREQUÊNCIA DE SINAIS DE VIBRAÇÃO

MONITORAMENTO DE CONDIÇÃO DE ROLAMENTOS ATRAVÉS DA ANÁLISE CONJUNTA TEMPO-FREQUÊNCIA DE SINAIS DE VIBRAÇÃO MONITORAMENTO DE CONDIÇÃO DE ROLAMENTOS ATRAVÉS DA ANÁLISE CONJUNTA TEMPO-FREQUÊNCIA DE SINAIS DE VIBRAÇÃO Antono Almeda Slva Unversdade Federal da Paraíba, Centro de Cêncas e Tecnologa, Departamento de

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

IX CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS TÉRMICAS. 9th BRAZILIAN CONGRESS OF THERMAL ENGINEERING AND SCIENCES

IX CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS TÉRMICAS. 9th BRAZILIAN CONGRESS OF THERMAL ENGINEERING AND SCIENCES IX CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS TÉRMICAS 9th BRAZILIAN CONGRESS OF THERMAL ENGINEERING AND SCIENCES Paper CIT02-0026 METODOLOGIA PARA CORRELAÇÃO DE DADOS CINÉTICOS ENTRE AS TÉCNICAS DE

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL.

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. Leonardo Slva de Souza (1) Mestrando em Engenhara Químca(UFBA). Pesqusador da Rede Teclm. Bárbara Vrgína Damasceno Braga (1)

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MECÂNICA I

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MECÂNICA I Departamento de Engenhara Cvl e rqutectura Secção de Mecânca Estrutural e Estruturas Mestrado em Engenhara Cvl MECÂNIC I pontamentos sobre equlíbro de estruturas Eduardo Perera Luís Guerrero 2009/2010

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira.

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira. Informação Esta publcação é uma tradução do Gua de Calbração EURAMET Gua para a Estmatva da Incerteza em Medções de Dureza (EURAMET/cg-16/v.01, July 007). Os dretos autoras do documento orgnal pertencem

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 2010-2012

POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 2010-2012 5 POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 00-0 OPTICAL POLARIMETRY AND MODELING OF POLARS OBSERVED IN OPD/LNA IN THE PERIOD 00-0 Karleyne M. G. Slva Cláuda V. Rodrgues

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO Atenuação atmosférca da Radação Infravermelha: Influênca de elevados níves hgrométrcos no desempenho operaconal de mísses ar-ar. André Gustavo de Souza Curtyba, Rcardo A. Tavares Santos, Fabo Durante P.

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

RESOLUÇÃO DE ESTRUTURAS SUBSAL ATRAVÉS DE MIGRAÇÃO RTM

RESOLUÇÃO DE ESTRUTURAS SUBSAL ATRAVÉS DE MIGRAÇÃO RTM Copyrght 004, Insttuto Braslero de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnco Centífco fo preparado para apresentação no 3 Congresso Braslero de P&D em Petróleo e Gás, a ser realzado no período de a 5 de

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM Prncípos do Cálculo de Incertezas O Método GUM João Alves e Sousa Laboratóro Regonal de Engenhara Cvl - LREC Rua Agostnho Perera de Olvera, 9000-64 Funchal, Portugal. E-mal: jasousa@lrec.pt Resumo Em anos

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO

SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO

Leia mais

Determinação da Correspondência entre Objectos utilizando Modelação Física

Determinação da Correspondência entre Objectos utilizando Modelação Física Determnação da Correspondênca entre Objectos utlzando Modelação Físca João Manuel R. S. avares J. Barbosa A. Jorge Padlha FEUP - Faculdade de Engenhara da Unversdade do Porto INEB - Insttuto de Engenhara

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS Smone P. Saramago e Valder Steffen Jr UFU, Unversdade Federal de Uberlânda, Curso de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 2160, Santa Mônca,

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais Estudo para Implementação de um Sstema de Roterzação e um Novo Centro de Dstrbução para uma Empresa de Água Mneral do Sul de Mnas Geras Ilton Curty Leal Junor ltoncurty@gmal.com UFF Dego de Olvera Pexoto

Leia mais

Métodos de Análise das Incertezas na Verificação da Segurança Estrutural em Engenharia Civil

Métodos de Análise das Incertezas na Verificação da Segurança Estrutural em Engenharia Civil Métodos de Análse das Incertezas na Verfcação da Segurança Estrutural em Engenhara Cvl José Mguel Gomes Costa Vega Dssertação apresentada à Faculdade de Engenhara da Unversdade do Porto para obtenção do

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO 1 ALGORITMO É a descrção de um conjunto de ações que, obedecdas, resultam numa sucessão fnta de passos, atngndo um objetvo. 1.1 AÇÃO É um acontecmento que a partr de um estado ncal,

Leia mais

Carlos Sérgio Araújo dos Santos José Antonio Aleixo da Silva Gauss Moutinho Cordeiro Joseilme Fernandes Gouveia Alisson de Oliveira Silva

Carlos Sérgio Araújo dos Santos José Antonio Aleixo da Silva Gauss Moutinho Cordeiro Joseilme Fernandes Gouveia Alisson de Oliveira Silva Modelos Smétrcos Transformados não lneares com aplcação na estmatva volumétrca em Híbrdo de Eucalyptus teretcorns no Pólo Gessero do Ararpe - PE Carlos Sérgo Araújo dos Santos José Antono Alexo da Slva

Leia mais

Modelagem Empírica da Transferência Goticular Projetada em Processos de Soldagem GMAW

Modelagem Empírica da Transferência Goticular Projetada em Processos de Soldagem GMAW Modelagem Empírca da Transferênca Gotcular Projetada em Processos de Soldagem GMAW (Emprcal Modelng of Projected Spray Transfer n GMAW Processes) Jesús Emlo Pnto Lopera, Sadek C. Abs Alfaro, José Maurco

Leia mais

Visualização Científica no Contexto de Métodos Meshfree: Aprimoramento de Algoritmos Clássicos

Visualização Científica no Contexto de Métodos Meshfree: Aprimoramento de Algoritmos Clássicos Vsualzação Centífca no Contexto de Métodos Meshfree: Aprmoramento de Algortmos Clásscos Gleber N. Marques 1, André F. Perera 1,, Dárley D. de Almeda 1, e Gsele F. Franco 1 1 Laboratóro de Modelagem, Smulação

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Douglas Combra de Andrade Identfcação Paramétrca de Sstemas Dnâmcos Trabalho de Graduação Ano 2005 Mecânca CTA/ITA-IEM/TC-022/2005 DOUGLAS COIMBRA DE ANDRADE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988 ABNT-Assocação Braslera de Normas Técncas Sede: Ro de Janero Av. Treze de Mao, 13-28º andar CEP 20003 - Caxa Postal 1680 Ro de Janero - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Departamento de Física da Terra e do Meio Ambiente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Departamento de Física da Terra e do Meio Ambiente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S Unversdade Federal da Baha Insttuto de Físca Departamento de Físca da Terra e do Meo Ambente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S Físca I SALVADOR, BAHIA 013 1 Prefáco Esta apostla é destnada

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENTE DA EDIFICAÇÃO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENTE DA EDIFICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA CENRO ECNOLÓGICO DEPARAMENO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENE DA EDIFICAÇÃO ELABORADO POR: Martn

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação

Coordenação Geral de Acreditação Coordenação Geral de Acredtação ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA ABNT NBR ISO/IEC 1705 NA ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO PARA O GRUPO DE SERVIÇO DE FÍSICO-QUÍMICA Documento

Leia mais

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral Establdade de Lyapunov e Propredades Globas para Modelo de Dnâmca Vral Nara Bobko Insttuto de Matemátca Pura e Aplcada 22460-320, Estrada Dona Castorna, Ro de Janero - RJ E-mal: narabobko@gmal.com. Resumo:

Leia mais

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO J. W. B. Lopes 1 ; E. A. R. Pnhero 2 ; J. R. de Araújo Neto 3 ; J. C. N. dos Santos 4 RESUMO: Esse estudo fo conduzdo

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

MÉTODO DE SEGMENTAÇÃO DE OBJETOS EM IMAGENS BASEADO EM CONTORNOS ACTIVOS E ALGORITMO GENÉTICO

MÉTODO DE SEGMENTAÇÃO DE OBJETOS EM IMAGENS BASEADO EM CONTORNOS ACTIVOS E ALGORITMO GENÉTICO MÉTODO DE SEGMENTAÇÃO DE OBJETOS EM IMAGENS BASEADO EM CONTORNOS ACTIVOS E ALGORITMO GENÉTICO Elza Marsa Pava de Fgueredo Chagas & Denlson Laudares Rodrgues Programa de Pós-Graduação em Engenhara Mecânca

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.01 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

2 ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS

2 ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS Glberto Câmara Marla Sá Carvalho.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo serão estudados os fenômenos expressos através de ocorrêncas dentfcadas como pontos localzados no espaço, denomnados

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK Welsson de Araújo SILVA PRODERNA/ITEC/UFPA waslva89@hotmal.com Fernando

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES ALIMENTANDO CARGAS NÃO-LINEARES

COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES ALIMENTANDO CARGAS NÃO-LINEARES COMARAVO ENRE MÉODOS DE CÁLCULO DE ERDAS EM RANSFORMADORES ALMENANDO CARGAS NÃO-LNEARES GUMARÃES, Magno de Bastos EEEC/ UFG/ EQ magnobg@otmal.com. NRODUÇÃO LSA, Luz Roberto EEEC/ UFG lsta@eee.ufg.br NERYS,

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

2. MATERIAIS E MÉTODOS

2. MATERIAIS E MÉTODOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS MODELOS DO IPCC-AR4 NO NORDESTE SETENTRIONAL DO BRASIL QUANTO À VARIABILIDADE PLURIANUAL DA PRECIPITAÇÃO NO SÉCULO XX RESUMO--- Os modelos globas do Intergovernmental Panel

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

Estudo Experimental do Escoamento Laminar em Dutos de Óleos Pesados com Viscosidade Dependente da Temperatura

Estudo Experimental do Escoamento Laminar em Dutos de Óleos Pesados com Viscosidade Dependente da Temperatura Gulherme Morera Bessa Estudo Expermental do Escoamento Lamnar em Dutos de Óleos Pesados com Vscosdade Dependente da Temperatura Dssertação de Mestrado Dssertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais