Projeto WindFloat. XIX Congresso da Ordem dos Engenheiros. Lisboa, 20 de Outubrode 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto WindFloat. XIX Congresso da Ordem dos Engenheiros. Lisboa, 20 de Outubrode 2012"

Transcrição

1 Projeto WindFloat XIX Congresso da Ordem dos Engenheiros Lisboa, 20 de Outubrode 2012

2 WindFloat Projeto pioneiro a nível mundial para exploração do recurso eólico em águas profundas Projeto de demonstração de tecnologia eólica offshore para águas profundas -Parceiros: EDP, A.SilvaMatos, InovCapital, Vestas, Repsol, PrinciplePowere apoio do Fundo de Apoio à Inovação Investimento de cerca de 23 M Construção e instalação durante 2011 Entrada em operação em Dezembro de Aproximadamente 3 GWh de energia já produzida Estabilidade da plataforma confirmada e resultados de 9 meses de operação confirmam confiança nos modelos de engenharia Cerca de 60 fornecedores, 70% nacionais Projeto totalmente construído em Portugal, 50% do investimento foi fornecido por empresas Portuguesas Embrião de um clusterde energia offshore em Portugal

3 Agenda EDP Eólico Offshore Flutuante WindFloat

4 A EDP evoluiu de incumbente em Portugal para empresa integrada de energia com presença Global USA/ Ca na da Fra n ce / Be lg iu m 3 4 E m p loyees 26 0 E m p loyees 3,4 22 In sta lled C a p a city (M W )* Un it e d King dom 21 E m p loyees In sta lled C a p a city (M W )* 9,3 3 0 N et G en era tion (G W h ) 70 5 N et G en era tion (G W h ) 10 0 % G en era tion from ren ew a b le sou rces** 10 0 % G en era tion from ren ew a b le sou rces** Poland/Romania 5 1 E m p loyees 4 75 In sta lled C a p a city (M W )* 6 21 N et G en era tion (G W h ) 10 0 % G en era tion from ren ew a b le sou rces** UK Fra nce Belgium Port uga l USA Pola nd Rom a nia Canada It a ly PORTUGAL Bra z il Spa in S pa in Bra zil 2,0 3 8 E m p loyees 2,6 3 5 E m p loyees 2,8 3 1,6 5 1 E lectricity C u stom ers Angola 1,8 74 In sta lled C a p a city (M W )* 8,0 4 3 N et G en era tion (G W h ) 10 0 % G en era tion from ren ew a b le sou rces** 24,5 4 4 E lectricity D istrib u tion (G W h ) It a ly 14 E m p loyees Port u ga l 7,25 2 E m p loyees 6,0 5 3,5 0 9 E lectricity C u stom ers 271,5 76 G a s C u stom ers 10,9 9 2 In sta lled C a p a city (M W )* 24,3 6 4 N et G en era tion (G W h ) 5 1% G en era tion from ren ew a b le sou rces** 4 6,5 0 8 E lectricity D istrib u tion (G W h ) 7,13 8 G a s D istrib u tion (G W h ) 1,0 15,5 4 3 E lectricity C u stom ers 78 7,8 6 0 G a s C u stom ers 6,0 8 7 In sta lled C a p a city (M W )* 15,3 3 1 N et G en era tion (G W h ) 3 7% G en era tion from ren ew a b le sou rces** 9,5 17 E lectricity D istrib u tion (G W h ) 4 8,4 4 7 G a s D istrib u tion (G W h )

5 EDP lidera desenvolvimento de projetos de energia eólica (onshore) assumindo o 3º lugar mundial em capacidade instalada Canada - 7,5 GW US UK - Belgium Poland 3, ,193 Brazil Portugal - 1,448 Spain France ,365 Italy - Romania , , , EBITDA MW + ENEOP Instalado 7,483 Em construção Pipeline ,028

6 Na EDP abrimo-nos à comunidade de parceiros e a Inovação é o resultado de um esforço conjunto WindFloat é exemplo claro disso Ideiasde fornecedores, parceiros, clientes, colaboradores comunidade! Transformação via projetos e parcerias e criação de opções Valor Sustentável

7 A estratégia de inovação da EDP está focada em 4 áreas prioritárias, nas quais se incluem as Energias Renováveis (incluindo offshore)

8 Desde há 15 anos que a EDP procura oportunidades visando o aproveitamento energético do mar Central de Energias das Ondas do Pico Análise tecnologias energia das ondas Central OWC na Foz do Douro Estratégia multitecnologia e OdP Projeto WINDFLOAT Subestação Aguçadoura

9 Dada a maturidade da tecnologia de eólico offshore, concluiu-se que esta seria a pioneira na exploração do recurso energético no mar Desenvolvimento Tecnológico Eólico Offshore flutuante Fase de demonstração full scale Energia das Ondas I&D, prova de conceito e primeiros testes no mar Eólico Offshore flutuante Primeiros projetos comerciais Energia das Ondas Projetos de demonstração no mar em condições reais de operação Foco: Eficácia Eólico Offshore flutuante Fase de crescimento comercial Energia das Ondas Primeiros projetos comerciais Foco: Eficiência Curto Prazo Médio Prazo Longo Prazo Eólico Offshore Flutuante Princípio conversão definido inovação incremental 5 a 8 anos para maturidade Energia das Ondas Princípio conversão por definir inovação disruptiva 10+ anos para maturidade

10 Existem 3 tipos de fundações flutuantes que diferem nas estratégias para atingir a estabilidade: Spar, TLP, Semi - submersível Conceitos de Fundações Flutuantes Spar TLP Semi submersível

11 Projeto WindFloat

12 A tecnologia WindFloatapresenta vantagens competitivas significativas e transforma as águas profundas num mercado energético endereçável Adaptável a qualquer turbina Multi MW Convencional (3-pás, upwind) Adaptação simples Sistema de Controlo software Torre Interface Estrutural Estabilidade Intrínseca Estabilidade Estática Lastro de Água ½ da massa total Estabilidade Dinâmica Placas de estabilização Desacoplar resposta natural da plataforma da excitação pelas ondas (inércia induzida pela água cativa pelas placas) Amortecimento viscoso reduz movimento da plataforma Eficiência Sistema fechado de lastro ativo Flexibilidade de Aplicação (Prof. >40m) Montagem e Instalação Montagem em terra Sem necessidade de navios complexos, caros e escassos. Rebocadores simples. Amarrações standard

13 Devidoàscaracterísticasdo WindFloat, o riscoe o custodas operações offshore é significativamente reduzido O WindFloat Não necessita de perfurar fundo marinho É estruturalmente desacoplado do fundo É independente da profundidade É construído e montado em terra Não necessita de barcos com gruas Redução de risco e custo

14 Fase de demonstração como primeiro passo num projeto mais ambicioso pode ter impacto considerável na Indústria Portuguesa Fase 1 Demonstração Potência Inst.: 2MW protótipo WindFloat Localização: Aguçadoura, ligado à rede ~6 km da costa, m profundid. Turbina: 2MW turbinaeólica offshore Período de teste: 24+ meses Fase 2 Pré-comercial Potência Inst.: ~27MW (5 unidades WindFloat) Localização: Zona Piloto Portuguesa Turbina:Provavelmente Vestase outras Multi MW Foco DemoWfloat Fase 3 1ª fase comercial Potência Inst.: 150MW, construção progressiva Localização: a definir Turbina: a definir Foco NER300

15 O Projeto WindFloat foi desenvolvido pela joint venture WindPlus Projeto desenvolvido por na joint venture WindPlus* com apoio do * Acionistas da WindPlus: edp, repsol, portugalventures, principle power e a. silva matos

16 Fabricação de componentes na A. Silva Matos

17 Montagem na doca seca

18 Pré instalação das amarrações, em paralelo com a fabricação / montagem

19 Instalação da turbina na doca seca usando o pórtico - grua do estaleiro

20 Reboque de Setúbal até Aguçadoura (~400 km) usando o mesmo navio que fez instalação das amarrações 2

21 Em operação em Dezembro 2011!

22 Localizaçãodo WindFloata 6 km offshore daaguçadourae a 12 km damarina maispróxima P. Varzim

23 WindFloat é monitorizado 24h por dia, remotamente

24 Sobrevivência e desempenho demonstrados em condições normais e extremas 22 Out 2011 Instalação completa 20 Dez º electrão 01 Nov 2011 Ondas (max) 15m 03 Jan 2012 Operação com Hs=6m e Hmax=12,6m

25 WindFloat foi comissionado e está a funcionar em condições nominais. Já produziu 2,9 GWh WindFloat Turbine Performance Energy Produced Cummulative 600, ,0 500,0 505,2 510, , , ,0 Energy Produced (MWh) 400,0 300,0 200,0 285,9 287,5 365, , ,1 254, ,5 191, , , ,0 Cumulative (MWh) 125,9 699,3 100,0 125,9 411,8 500,0 - January February March April May June July August -

26 WindFloat revitaliza setores tradicionais e aumenta a incorporação tecnológica, sem investimentos significativos em infraestrutura Peso relativodos setoresenvolvidosdo projeto de demonstração WindFloat(%) Total =23 M Equipamento Eléctrico 18% Outros 9% Engenharia 30% Equipamento offshore 5% Transporte marítimo 6% Estaleiros 31%

27 WindFloat necessita de mão de obra qualificada de setores tradicionais Europeus/ Nacionais Ex. Setor Naval FTE s envolvidos no protótipo WindFloat (%) Trabalho não especializado 5% Total*=210 Protótipo WindFloat 90% de trabalho altamente qualificado Técnico qualificado 48% Engenheiro 39% 70% Fornecedores Nacionais Projeto Pré-comercial WindFloat Mais de 450 trabalhadores altamente qualificados num projeto de 3 anos Outros 5% Doutorados 3% * Nãoincluindoo envolvimento ematividadesde engenharia, investimento e gestãodaa. Silva Matos, EDP Inovação, EDP Renováveis e Portufal Ventures Potencial para 90% de fornecimentos Nacionais/ Europeus

28 Notas Finais Eólico offshore em águas profundas (baseado em fundações flutuante) será chave para se manter peso relativo de energias renováveis no mix de geração Estabilidade e sobrevivência da plataforma WindFloatdemonstradas, nomeadamente já com meses rigorosos de Inverno Capacidade de produzir energia, de acordo com curvas de potência teóricas, sem alterações da turbina (só adaptação do controlo) Estratégia de instalação offshore bem sucedida o que representa uma disrupção da cadeia de valor Construção integral em Portugal demonstra que as capacidades navais Portuguesas são adaptáveis o que representa uma grande oportunidade para Portugal Passo pré-comercial depende de apoio inequívoco do Estado Português (junto de Bruxelas) no âmbito do Programa NER300

29 Obrigado XIX Congresso da Ordem dos Engenheiros Lisboa, 20 de Outubro de 2012

VII Conferência Anual do Turismo

VII Conferência Anual do Turismo VII Conferência Anual do Turismo O Contributo das Actividades do Mar Sustentabilidade Antonio Vidigal CEO da EDP Inovação Funchal, 3 de Maio de 2013 1 Não há falta de Energia Renovável e o Mar é um dos

Leia mais

7º Congresso do Comité Português da URSI

7º Congresso do Comité Português da URSI 7º Congresso do Comité Português da URSI Os desafios da eólica offshore flutuante Antonio Vidigal CEO da EDP Inovação Lisboa, 22 de Novembro de 2013 1 Não há falta de Energia Renovável, o Mar é um dos

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS Desafios para o Futuro A estratégia e perspectivas da EDP

ENERGIAS RENOVÁVEIS Desafios para o Futuro A estratégia e perspectivas da EDP ENERGIAS RENOVÁVEIS Desafios para o Futuro A estratégia e perspectivas da EDP Pedro Paes EDP/DSA Direcção de Sustentabilidade Exponor, 26 Setembro 2013 Agenda O sector energético desafios e oportunidades

Leia mais

Voltar a explorar o mar

Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Com uma visão de longo prazo, a EDP está constantemente a analisar as tecnologias de aproveitamento das energias renováveis, com vista à futura comercialização

Leia mais

SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7

SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7 SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7 Info-Day Nacional de Energia Oportunidades de financiamento no âmbito do tema ENERGIA do Horizonte 2020, Concursos 2014&2015 António Messias, Inovgrid, EDP DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ENERGIA DAS ONDAS. António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico. Seminário sobre a Física e a Energia, Lisboa, 21 de Novembro de 2005

ENERGIA DAS ONDAS. António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico. Seminário sobre a Física e a Energia, Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA DAS ONDAS António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico Seminário sobre a Física e a Energia, Lisboa, 21 de Novembro de 2005 Albufeira Marés Correntes de maré ENERGIA DOS OCEANOS Correntes marítimas

Leia mais

Impactes Económicos, Ambientais e Conflitos de Uso. Custos e Barreiras ao Desenvolvimento. Medidas de Apoio e Iniciativas em PT

Impactes Económicos, Ambientais e Conflitos de Uso. Custos e Barreiras ao Desenvolvimento. Medidas de Apoio e Iniciativas em PT O problema que se nos coloca oca Impactes Económicos, Ambientais e Conflitos de Uso Custos e Barreiras ao Desenvolvimento Medidas de Apoio e Iniciativas em PT Conclusões Módulo I Formação dirigentes e

Leia mais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais Energia Offshore Jorge Cruz Morais factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução do consumo mundial de energia primária, 1970-2009 Mtep 11.164

Leia mais

Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira

Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira Workshop - Oportunidades de negócio em energias renováveis marinhas ATLANTIC POWER CLUSTER INEGI

Leia mais

WindFloat Public Session and DemoWfloat Workshop. Caracterização do Potencial Energético do Vento na Costa Portuguesa.

WindFloat Public Session and DemoWfloat Workshop. Caracterização do Potencial Energético do Vento na Costa Portuguesa. WindFloat Public Session and DemoWfloat Workshop Caracterização do Potencial Energético do Vento na Costa Portuguesa. Ana Estanqueiro Apúlia, 9 de Julho de 2013 Vantagens Potencial eólico mais elevado,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS

EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS O MAR QUE NOS INSPIRA NOVAS POTENCIALIDADES NUNO MATOS 1 11 DE ABRIL DE 2014 AGENDA - Questão prévia: Empreendedorismo no Mar é junto à costa? - As Dimensões do

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Seminário Anual WavEC Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Direção-Geral de Energia e Geologia Pedro Cabral Potencial renovável marinho

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt O recurso energético e o mercado potencial Estado actual da tecnologia Custos A Energia das Ondas em Portugal Conclusões Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Leia mais

ENERGIA DAS ONDAS: PANORÂMICA NACIONAL E INTERNACIONAL

ENERGIA DAS ONDAS: PANORÂMICA NACIONAL E INTERNACIONAL Seminário sobre ENERGIA DOS OCEANOS, Peniche, 19 de Setembro de 2008 ENERGIA DAS ONDAS: PANORÂMICA NACIONAL E INTERNACIONAL António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico Uma caminhada de 35 anos : 1974

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 INTRODUÇÃO Com o declínio das reservas onshore e offshore em águas rasas, a exploração e produção em águas profundas

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

Energias Renováveis Vento e Ondas Desafios, Tecnologias e Oportunidades. Energia dos Oceanos. Berlenga. antonio.vidigal@edp.

Energias Renováveis Vento e Ondas Desafios, Tecnologias e Oportunidades. Energia dos Oceanos. Berlenga. antonio.vidigal@edp. Energias Renováveis Vento e Ondas Desafios, Tecnologias e Oportunidades Berlenga Energia dos Oceanos antonio.vidigal@edp.pt Edp Inovação EDP Empresa de referência no mercado Ibérico, com uma presença de

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

O novo sector elétrico

O novo sector elétrico O novo sector elétrico FISTA 2015 Lisboa, 11 de Março de 2015 A inovação no setor elétrico está a avançar a um ritmo acelerado Eólica offshore Solar PV escala utilities Veículos elétricos Baterias de rede

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

Simplificação Processual no Licenciamento para as Energias Renováveis

Simplificação Processual no Licenciamento para as Energias Renováveis Simplificação Processual no Licenciamento para as Energias Renováveis O Projecto Políticas Públicas do WavEC, Centro de Energia das Ondas Nuno Matos Núcleo de Políticas Públicas e Disseminação Breves Dados

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS OFFSHORE

CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS OFFSHORE CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS OFFSHORE Índice SECÇÃO I INTRODUÇÃO...5 SECÇÃO II CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PORTUGUESA...7 1.CENTROS DE I&D...7 2. PROMOTORES DE PROJETOS TECNOLÓGICOS...11

Leia mais

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal WAVE ENERGY CENTRE Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal Versão 0.1 1 INDICE 11.. OO RREECCUURRSSOO EENNEERRGGÉÉTTIICCOO... 3 22.. AACCTTUUAAIISS PPRROOTTÓÓTTIIPPOOSS

Leia mais

Fórum Novas Tecnologias na Soldadura O SOLDADOR NA MARTIFER

Fórum Novas Tecnologias na Soldadura O SOLDADOR NA MARTIFER Fórum Novas Tecnologias na Soldadura O SOLDADOR NA MARTIFER AGENDA 1. O Grupo Martifer 2. As Pessoas na Martifer 4. Iniciativas de Formação 5. Exemplos de Desenvolvimentos Tecnológicos na Área da Soldadura

Leia mais

Energias Renováveis e Limpas: Um Exemplo que Vem do Mar

Energias Renováveis e Limpas: Um Exemplo que Vem do Mar Energias Renováveis e Limpas: Um Exemplo que Vem do Mar Grupo de Oceanografia Tropical - GOAT Prof. Dr. Carlos A. D. Lentini clentini@ufba.br http://www.goat.ifis.ufba.br Simpósio Internacional Sustentabilidade

Leia mais

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia sinta a nossa energia Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 0 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque

Leia mais

TORRES EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO PARA GERADORES EÓLICOS

TORRES EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO PARA GERADORES EÓLICOS TORRES EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO PARA GERADORES EÓLICOS Resumo: A produção de energia eólica é um um setor industrial em crescimento e a energia produzida por este método é renovável e ambientalmente mais

Leia mais

Rede ECOS. www.projecto-ecos.blogspot.com. Peniche

Rede ECOS. www.projecto-ecos.blogspot.com. Peniche www.projecto-ecos.blogspot.com 25 de Fevereiro de 2008 Objectivo Central do Programa Criar Cidades e Redes de Cidades Competitivas e Inovadoras a Nível Internacional Rede ECOS TEMÁTICA Eficiência energética

Leia mais

www.projecto-ecos.blogspot.com

www.projecto-ecos.blogspot.com www.projecto-ecos.blogspot.com Objectivo Central do Programa Criar Cidades e Redes de Cidades Competitivas e Inovadoras a Nível Internacional Rede ECOS TEMÁTICA Eficiência energética e aplicação de energias

Leia mais

Planeamento Estratégico. Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua

Planeamento Estratégico. Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua Planeamento Estratégico Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua AGENDA 1. O Grupo Martifer 2. As Pessoas 4. A Estratégia 5. Monitorização Ferramenta Balance Scord Card 2 GRUPO MARTIFER Dimensão: Mais

Leia mais

Energia Eólica Offshore

Energia Eólica Offshore Energia Eólica Offshore Levantamento do potencial do país, limitações e soluções tecnológicas Ana Estanqueiro Conferência Energia 2020, 8 de Fevereiro de 200 Co-autor - Paulo Costa Agradecimentos - T.

Leia mais

20 de dezembro de 2011

20 de dezembro de 2011 20 de dezembro de 2011 Projeção Internacional e Competitividade prioridades para Portugal X A energia está em profunda mudança o que constitui uma oportunidade a não perder. António Vidigal CEO - EDP Inovação

Leia mais

Conferência: A indústria naval no horizonte 2020: Potencial económico e perspetivas 28 de junho de 2012 Biblioteca Municipal de Viana do Castelo

Conferência: A indústria naval no horizonte 2020: Potencial económico e perspetivas 28 de junho de 2012 Biblioteca Municipal de Viana do Castelo Conferência: A indústria naval no horizonte 2020: Potencial económico e perspetivas 28 de junho de 2012 Biblioteca Municipal de Viana do Castelo José Ventura de Sousa Secretário-Geral da AIN Potencial

Leia mais

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia Aplicação da Directiva 2009/28/CE Apresentação das previsões da APREN desenvolvidas no âmbito do Projecto Europeu REPAP 2020 63% 31% 85% Enquadramento

Leia mais

NAVEGAR RUMO AO FUTURO

NAVEGAR RUMO AO FUTURO NAVEGAR RUMO AO FUTURO NAVALRIA HISTÓRIA DESDE 2008 2013 Os navios AmaVida e Queen Isabel são entregues em fevereiro, e batizados em março. As atrizes Sharon Stone e Andie MacDowell foram as madrinhas,

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES 1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES FEV - 2013 Mercado de atuação do EEP descobertas do pré-sal: o Brasil se transformou no grande mercado para diversos equipamentos

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

A Fonte Eólica foi a que mais cresceu no mundo nas últimas décadas, segundo a International Energy Agency (1971-2003)

A Fonte Eólica foi a que mais cresceu no mundo nas últimas décadas, segundo a International Energy Agency (1971-2003) Energia Eólica Offshore Carlos Leandro da Silva Júnior M.Sc. Oceanógrafo Diretor da AMBIPETRO FÓRUM NACIONAL EÓLICO Natal - Junho/2009 Contexto Mundial da Energia Eólica A Fonte Eólica foi a que mais cresceu

Leia mais

António Vidigal. Presidente da EDP Inovação

António Vidigal. Presidente da EDP Inovação António Vidigal Presidente da EDP Inovação EDP Inovação A EDP é uma empresa Global com presença em diversos Continentes. USA Europa Wind Power Brasil Portugal Espanha O Core Business da EDP é energia renovável

Leia mais

Comunicado à Imprensa

Comunicado à Imprensa Brazil Windpower 2012 Página 1 de 5 Beckhoff na Brazil Windpower 2012: Segundo pavimento, Estande 261, 262 Tecnologia para turbinas: Soluções abertas de automação para energia eólica A Brazil Windpower

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Através dos Oceanos Aproveitamento Energético e Aspectos Tecnológicos Marcus Vinicius de Oliveira Engenheiro Eletricista - UFMG 29 de Maio de 2012 Energia dos Oceanos Formas

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM A Utilização da Energia Eólica e o Desenvolvimento Energético da Sociedade Rio de Janeiro, 2 de outubro de 2002 Substituição da força motriz humana e animal nas atividades agrícolas China 2000 A.C. A Evolução

Leia mais

A energia que vem do mar... CENFIM. CALDAS DA RAINHA 17 Set 2008

A energia que vem do mar... CENFIM. CALDAS DA RAINHA 17 Set 2008 A energia que vem do mar... CENFIM CALDAS DA RAINHA 17 Set 2008 Ideias Chave 3 Ideias Chave Ondas Fonte Nova de Energia Primária Renovável Ao largo da costa portuguesa poder-se-iam instalar 5 GW de parques

Leia mais

superiores da Administração Pública para as energias renováveis oceânicas 08.02.2011, Lisboa; Frank Neumann

superiores da Administração Pública para as energias renováveis oceânicas 08.02.2011, Lisboa; Frank Neumann Formação dos dirigentes e quadros superiores da Administração Pública para as energias renováveis oceânicas MÓDULO I I I Tópicos Tipos de dispositivos de energia das ondas Tecnologias específicas das ondas

Leia mais

A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de

A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de Setembro de 2011 Rui Pestana REN Redes Energéticas Nacionais,

Leia mais

Gestão Sustentável de Energia Porto, Setembro de 2013 Luís Vale da Cunha

Gestão Sustentável de Energia Porto, Setembro de 2013 Luís Vale da Cunha Gestão Sustentável de Energia Porto, Setembro de 2013 Luís Vale da Cunha O compromissoda EDP com o temada sustentabilidadeestápatenteemtodasas suas acções, nas diferentes geografias, com relevante reconhecimento

Leia mais

Painel 4 A importância da interclusterização no desenvolvimento da economia do mar - A perspetiva do Pólo da Energia -

Painel 4 A importância da interclusterização no desenvolvimento da economia do mar - A perspetiva do Pólo da Energia - Painel 4 A importância da interclusterização no desenvolvimento da economia do mar - A perspetiva do Pólo da Energia - 6ª EXPO ENERGIA 8 Novembro 2011 Painel Mercados emergentes nas energias renováveis:

Leia mais

Publicação. Produtos para aplicações navais Desempenho e confiabilidade em condições exigentes

Publicação. Produtos para aplicações navais Desempenho e confiabilidade em condições exigentes Publicação Produtos para aplicações navais Desempenho e confiabilidade em condições exigentes Os produtos, soluções e serviços da ABB para aplicações navais entregam altos níveis de desempenho e confiabilidade

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

DATA: 27 setembro 2012 Página: online

DATA: 27 setembro 2012 Página: online Assunto: STI Gerador Eólico BOREAS DATA: 27 setembro 2012 Fonte: http://expresso.sapo.pt/energia-empresa-de-abrantes-esta-a-desenvolver-gerador-eolicopara-instalar-em-meio-urbano=f756353 Assunto: STI Gerador

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades:

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades: 1. QUEM SOMOS 2 A APREN A APREN - Associação Portuguesa de Energias Renováveis, é uma associação sem fins lucrativos, constituída em Outubro de 1988, com a missão de coordenação, representação e defesa

Leia mais

Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore

Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore Alex Raventos Wave Energy Centre (WavEC) alex@wavec.org 8 de Fevereiro 2011 Auditório ISCSP, Lisboa Formação sobre as energias renováveis

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE CONJUNTO COM DESPACHO ÓTIMO DE CARGA

SISTEMA DE CONTROLE CONJUNTO COM DESPACHO ÓTIMO DE CARGA SISTEMA DE CONTROLE CONJUNTO COM DESPACHO ÓTIMO DE CARGA Bruno Burigo Brandl (*) Leonardo Augusto Weiss David Oliver Tipián Calixtro REIVAX REIVAX EDEGEL RESUMO Este trabalho apresentará o desenvolvimento

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

Sérgio Leandro sergio.leandro@cm-peniche.pt

Sérgio Leandro sergio.leandro@cm-peniche.pt PROJECTO SURGE -energia das ondas Sérgio Leandro sergio.leandro@cm-peniche.pt PROJECTO SURGE Energia das ondas 1. O recurso Energias das Ondas 2. Tipos de Tecnologias 3. Tecnologias em fase pré-comercial

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP

III Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade III Conferência Anual da RELOP Rio de Janeiro 4 Novembro 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

Tecnologia Offshore Trabalho pesado em águas turbulentas

Tecnologia Offshore Trabalho pesado em águas turbulentas Tecnologia Offshore Trabalho pesado em águas turbulentas 3 Tecnologia Offshore - Trabalho pesado em águas turbulentas Trabalho pesado em águas turbulentas. A quem você recorre quando necessita de soluções

Leia mais

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM DO MAR 2015 Apresentação da MARE STARTUP Inovação empresarial e formação Francisco Beirão Exponor, 18 de Novembro 2015 APRESENTAÇÃO 1.QuemSomos 2.PortugalMarítimo

Leia mais

RECon Hy Line. Conversores Híbrido para Armazenamento de Energia

RECon Hy Line. Conversores Híbrido para Armazenamento de Energia RECon Hy Line Conversores Híbrido para Armazenamento de Energia Com investimentos contínuos em pesquisa e desenvolvimento, a FRIEM é líder em novas tecnologias aplicadas a conversores de alta potência

Leia mais

Nosso Negócio. Tintas líquidas e em pó e vernizes eletroisolantes. Serviços. Variação de Velocidade. Geração De Energia. Subestações.

Nosso Negócio. Tintas líquidas e em pó e vernizes eletroisolantes. Serviços. Variação de Velocidade. Geração De Energia. Subestações. 1. INSTITUCIONAL Nosso Negócio Serviços Geração De Energia Variação de Velocidade Subestações Motores Transformadores Componentes elétricos Geradores Quadros Elétricos Automação Industrial Tintas líquidas

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

A Angola de amanhã precisa de respostas sustentáveis.

A Angola de amanhã precisa de respostas sustentáveis. A Angola de amanhã precisa de respostas sustentáveis. É por essa razão que estamos a construí-las hoje, com clientes em todo o continente. www.siemens.co.ao As actividades da Siemens em África remontam

Leia mais

SKM é uma empresa de engenharia, industrialização e serviço, 100% brasileira e, desde 1992, esta focada em fornecer soluções abrangentes e serviços

SKM é uma empresa de engenharia, industrialização e serviço, 100% brasileira e, desde 1992, esta focada em fornecer soluções abrangentes e serviços Engenharia de Automação & Assistência Técnica SKM é uma empresa de engenharia, industrialização e serviço, 100% brasileira e, desde 1992, esta focada em fornecer soluções abrangentes e serviços para a

Leia mais

VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE

VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE Reforço de Potência de Bemposta VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE BEMPOSTA, 13 de Novembro de 2010 António Freitas da Costa Agenda 1. Objectivo 2. O Aproveitamento Hidroeléctrico do Douro Internacional

Leia mais

Inteligência Tecnológica na Petrobras

Inteligência Tecnológica na Petrobras Inteligência Tecnológica na Petrobras Maio/2012 CENPES/GTEC/EST Informações Institucionais Sistema Tecnológico Petrobras Processos de Gestão da Tecnologia Monitoração e Prospecção Tecnológica Informações

Leia mais

INDÚSTRIA NAVAL NO BRASIL

INDÚSTRIA NAVAL NO BRASIL INDÚSTRIA NAVAL NO BRASIL DÉCADA DE 70 E 80 O BRASIL CHEGOU A SER O 2º PRODUTOR MUNDIAL DE EMBARCAÇÕES EMPREGAVA 40 MIL TRABALHADORES DIRETOS E CERCA DE 160 MIL INDIRETOS DÉCADA DE 90 Abertura indiscriminada

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA ARMAZENAMENTO TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA INVENTIVE BY NATURE ECO biopowe r Precis ão alem ã, energia brasileira! www.ecobiopower.com.br

Leia mais

Missão experiência A WHS, para ládos de gestãode produçãode energia, tem como missão aumentar e rentabilizar a produção da energia renovável, levando a tecnologia de ponta ao limite de forma a maximizar

Leia mais

Aplicações eficientes com motores eléctricos de Elevado Rendimento

Aplicações eficientes com motores eléctricos de Elevado Rendimento Colégio de Engenharia Geológica e de Minas LISBOA 23-03-2011 0 Aplicações eficientes com motores eléctricos de Elevado Rendimento Carlos Ribeiro da Costa Gestor de Projectos carloscosta@weg.net Tel: 229

Leia mais

EREI Lisboa - Domínios e Linhas de Ação Prioritárias por Domínio de Especialização

EREI Lisboa - Domínios e Linhas de Ação Prioritárias por Domínio de Especialização EREI Lisboa - Domínios e por Domínio de Especialização Domínio de Especialização: Conhecimento, Prospeção e Valorização de Recursos Marinhos Valorizar as lógicas de parceria, de cooperação com os centros

Leia mais

- Fabrico postos operador - Montagem em obra - Guinchos principais. - Guinchos oceanográficos - Guinchos de cabo sonda

- Fabrico postos operador - Montagem em obra - Guinchos principais. - Guinchos oceanográficos - Guinchos de cabo sonda Civil I Militar NAVAL Naval A ElectroRayma, como empresa que seguiu uma estratégia de diversificação e evolução constante, apostou claramente em sua incorporação ao setor naval, tanto civil, quanto militar,

Leia mais

TIMBER ENGINEERING EUROPE

TIMBER ENGINEERING EUROPE TIMBER ENGINEERING EUROPE Tecnologia de construção no seu melhor Desenhado, fabricado e montado segundo as necessidades do cliente www.timberengineeringeurope.com Bem-vindos a Timber Engineering Europe

Leia mais

A Siderurgia brasileira de aços planos e o Atendimento ao Mercado Naval e Offshore

A Siderurgia brasileira de aços planos e o Atendimento ao Mercado Naval e Offshore A Siderurgia brasileira de aços planos e o Atendimento ao Mercado Naval e Offshore Workshop de Tecnologia de Construção Naval e Offshore PROMINP Firjan, 24 de Junho de 2009 Sergio Leite de Andrade Vice

Leia mais

Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013

Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013 Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013 Gerente de Relações Institucionais Marcio Mendonça Cruz Revitalização Revitalização da da indústria indústria

Leia mais

Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável. António Eira Leitão

Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável. António Eira Leitão Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável António Eira Leitão RESUMO Apresenta-se uma síntese sobre a história da energia hidroelétrica em Portugal e perspectivase o

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

Preditiva de Geradores. Inácio Fonseca, Torres Farinha, F. Maciel Barbosa, António Simões. Eólicos

Preditiva de Geradores. Inácio Fonseca, Torres Farinha, F. Maciel Barbosa, António Simões. Eólicos Manutenção Preditiva de Geradores Inácio Fonseca, Torres Farinha, F. Maciel Barbosa, António Simões Eólicos Sumário: 1. Introdução aos aero-geradores 2. Recursos de energia eólica 3. Sistema integrado

Leia mais

Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013

Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013 Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013 1 PROBLEMA Como responder às crescentes exigências económicas e ambientais, às alterações permanentes e aos diversos estilos

Leia mais

Energia Solar : aplicações térmicas e outras

Energia Solar : aplicações térmicas e outras Energia Solar : aplicações térmicas e outras por Manuel Collares Pereira (Investigador Coordenador, INETI) (Prof. Catedrático Convidado, IST) Sumário A disponibilidade do recurso em Portugal O solar passivo

Leia mais

SECTOR NAVAL QUAL O RUMO?

SECTOR NAVAL QUAL O RUMO? SECTOR NAVAL QUAL O RUMO? 1 CONSTRUÇÃO NAVAL & OFFSHORE CORE BUSINESS & KNOW-HOW As capacidades demonstradas ao longo dos projectos têm levado ao aumento da confiança dos nossos clientes e garantido a

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

PC PERFURAÇÃO E COMPLETAÇÃO

PC PERFURAÇÃO E COMPLETAÇÃO PC PERFURAÇÃO E COMPLETAÇÃO Introdução: As atividades de perfuração de poços de petróleo são do seguimento upstream, que consiste em métodos que visam a segurança e a produtividade do poço. Para tais operações

Leia mais

O consumidor e a mudança de paradigma

O consumidor e a mudança de paradigma O consumidor e a mudança de paradigma XIV Réunion Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energia 28 de Abril Maria Margarida Corrêa de Aguiar Índice 1. Envolvente do sector energético: tendências e

Leia mais

CICLO DE FORMAÇÕES CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Em parceria com as empresas/entidades:

CICLO DE FORMAÇÕES CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Em parceria com as empresas/entidades: CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS CICLO DE FORMAÇÕES 2012 Em parceria com as empresas/entidades: c/a participação de formadores da EDP 1 Conteúdo Ciclo de

Leia mais

GHG Protocol in EDP. Pedro Sirgado

GHG Protocol in EDP. Pedro Sirgado GHG Protocol in EDP Pedro Sirgado EDP Empresa de referência no mercado Ibérico, com uma presença de destaque no mercado Brasileiro e forte investimento nos E.U.A. Renováveis E.U.A. Capacidade de produção

Leia mais

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Parceria Portuguesa para a Água no centro das decisões da Estratégia Europa 2020 para a Água 16.nov.2012 - eip.on.water Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Nexus Água - Energia

Leia mais

O contexto da eficiência energética e o consumo de energia no sector doméstico

O contexto da eficiência energética e o consumo de energia no sector doméstico 18 de Novembro 2005 O contexto da eficiência energética e o consumo de energia no sector doméstico Gabinete de Sustentabilidade e temas de Ambiente Agenda O contexto de eficiência energética no Mundo e

Leia mais

Agenda da Apresentação

Agenda da Apresentação Agenda da Apresentação Enquadramento SWOT Pontos fortes Pontos fracos Ameaças, riscos e constrangimentos Oportunidades O desafio para Portugal Fatores críticos de sucesso O projeto de Desenvolvimento da

Leia mais

Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário. Porto Alegre, agosto de 2010.

Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário. Porto Alegre, agosto de 2010. Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário Porto Alegre, agosto de 2010. APOIO AO Polo Naval - Rio Grande Atuação integrada do Governo, por meio da SEINFRA e SEDAI, voltada

Leia mais