OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PARA A OPERAÇÃO DE INSTALAÇÃO DE ÂNCORAS DE EQUIPAMENTOS OFFSHORE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PARA A OPERAÇÃO DE INSTALAÇÃO DE ÂNCORAS DE EQUIPAMENTOS OFFSHORE"

Transcrição

1 ISSN OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PARA A OPERAÇÃO DE INSTALAÇÃO DE ÂNCORAS DE EQUIPAMENTOS OFFSORE Oc Bto Auguto * Bendo Luí Rodgue Andde Detmento de Engenh Nvl e Oceânc Ecol Poltécnc Unvedde de São Pulo São Pulo SP E-ml: Ronldo Ro Ro Cento de Pequ Petobá Ro de Jneo RJ E-ml: * Coeondng utho / uto quem coeondênc devem e encmnhd Recebdo em 05/001, ceto em 1/00 ó 1 evão Reumo Nete tblho é eentd um metodolog o lnemento d oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe, nvo e ltfom, vndo otmzção do ecuo neceáo, embcçõe de oo e cbo de tblho, o meo d mnmzção de um função obetvo com be em múltlo ctéo. Como gnho dconl, neente à metodolog oot, conegue-e utomção do oceo de lnemento de ntlção, que no molde tdcon é feto n be d tenttv e eo, onde o lnedo, utlzndo lgum lctvo o cálculo de ncogem, decde qunto de ecuo deve e lcdo o oblem tentndo fze com que ânco tn o lvo édefndo no oeto do tem de ncogem. Plv-chve: ncogem, ltfom de etóleo, otmzção, múltlo ctéo. Abtct In th ok exloed lnnng methodology fo dee te ncho lne deloyment n offhoe ltfom nd flotng oducton ytem mng oetonl eouce otmzton, by mnmzng mult cte obectve functon. A n ddtonl dvntge, nheted fom the ooed methodology, the lnnng utomton cheved. The lnnng utomton ovecome the tdtonl y to do n tl eo b, hee n engnee, ung nchong ofte, decde ho much of ok e nd nchong lne mut be d out fom both the flotng ytem nd the uly veel nd ddtonlly hch hozontl foce mut be led to the lne tyng ettle the ncho on evouly defned tget n the ocen floo. Keyod: nchoge, ol ltfom, otmzton, multle cte. Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de

2 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe 1. Intodução Um oeção muto comum o guo que ncom e dencom ltfom de efução bem como outo equmento lgdo à exloção de etóleo no m conte n ntlção d ânco e d lnh de ncogem. Embo et oeção oco com mut feqüênc, ouc tenção e tem ddo o deenvolvmento de muldoe e lctvo que uxlem o engenheo no cálculo d et de lnçmento e do ecuo eem utlzdo tl oeção. O oceo conte em um ebocdo ou embcção de oo ç, tvé d ânco, lnh de ncogem d ltfom ou nvo, o ntemédo de um cbo de oo, ok e, e dunte o çmento, o guncho, tnto do ldo d ltfom qunto do ldo d embcção de oo, lbem quntdde ett d lnh té que ânco tn o leto mnho, egundo um lnemento évo de qunt et devem e executd e o qunto de lnh deve e lbed em cd et, confome e mot n fgu 1. Pltfom Rebocdo Wok e Ânco Alvo Fgu 1 Smulção d oeção de lnçmento de ânco Nomencltu X veto de váve de oeto dtânc f led um onto d lnh f (X) -ém função obetvo z ofunddde do onto n ctená g (X) -ém função de etção nteo eo lne de um egmento de lnh h (X) -ém função de etção homogêne G foç concentd no -émo egmento b met -ém função obetvo e f onto de efeênc do fundo ± d devo d -ém função obetvo α ângulo de nclnção do fundo ± eo ocdo o devo d -ém met U,V comonente vetc de foç eg odde d -ém função obetvo EA gdez xl de um egmento homogêneo ψ função de méto de múltlo ctéo θ âng. de nclnção num onto d lnh TDP onto de toque d lnh no fundo L commento (ok e, egmento, etc) 306 Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de 00

3 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe Atulmente, o lnemento det et, e dõe de tem cálculo de lnh em ctená, onde o técnco eonável el tef deve decd o qunto deve lnç de lnh em cd um d embcçõe envolvd n oeção e qul deve e dtânc ente el, n tenttv de fze com que ânco cmnhe o lvo deedo. Se não, deve-e tent novo vloe té que e tn o obetvo. Tl ocedmento é ouco odutvo e, embo o e tng condção deed, nd é gntdo qunto dequbldde d olução encontd em elção o ecuo neceáo efetu, de fto, oeção de lnçmento. Fgu Smulção Ânco tnge o lvo Foç ozontl ton Wok e: m Fgu 3 Smulção Ânco tnge o lvo Foç ozontl 6.6 ton Wok e: m N fgu 1,, 3 e 4 encontm-e tuçõe dtnt mem oeção de lnçmento de um ânco. N me o lvo não fo tngdo. N dem o lvo etenddo fo tngdo, oém ccteítc fn dfeem ubtnclmente ente, confome e vefc n tbel T1. Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de

4 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe Fgu 4 Smulção Ânco tnge o lvo Foç ozontl 30.6 ton Wok e: m Tbel T1 Deemenho de ocedmento de lnçmento de ânco. Co Pltfom Rebocdo Dtânc Fg. Comm Foç Comm Foç Plt-Reboc FLed-Anc Retendo-e en mulçõe onde o lvo é tngdo, vefc-e, n fgu que, tng o lvo, o ebocdo deve lnç m de ok e e mo um foç hozontl de t. N tução motd n fgu 3 ele deve lnç m de ok e e mo um foç hozontl de 6.6 t. Fnlmente, n fgu 4, o lvo é tngdo com o ebocdo lnçndo m e execendo um foç hozontl d odem de 30.6 t no ok e. Fc tente que lém de e um ocedmento dendoo, o exge do técnco um dfícl execíco tetvo de tocíno, é duvdoo qunto à obldde de um uceo n mulção e, memo no co em que o lvo é tngdo, não e gnte otmzção do ecuo neceáo oeção de lnçmento, detcndo-e mnmzção d foç hozontl n lnh, o que oblt locção de um ebocdo com meno bold ull ou memo em out tuçõe, onde em locdo do ebocdoe, o lmtçõe de foç donível, e utlze en um. Com odução de etóleo bleo em águ cd vez m ofund, necedde de e loc ou ebocdoe com mo bolld ull, ou memo m de um ebocdo, que undo executm um oeção, tende e ton feqüente. Net condçõe e fz emente um fement que lém de utomtz o oceo de cálculo d et de lnçmento tmbém ocue oluçõe que mnmzem o ecuo neceáo ntlção d ânco. 308 Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de 00

5 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe Notndo que o cuto oeconl de um ebocdo com bolld ull de t g em tono de US$ o d; uondo que um oeção de ncogem e dencogem due de 7 15 d; uondo que n tução de ntlção de um ânco onde e neceáo en um ebocdo oeção e, o um tução de cálculo não otmzdo, etveem endo locdo do, o deedíco fnnceo em cuto e d n odem de US$ ,00. Admtndo-e que um doze oeçõe não otmzd como mencond ocom dunte o eço de um no, o deedíco tng cf n odem de US$ ,00 o no. Alem do m, utomtzção do oceo ge out ecet ndet, como um meno temo do técnco n execução det tef de cálculo e, coneqüentemente, mo odutvdde no eto de oeçõe de ncogem.. Otmzção o múltlo ctéo O oblem decto n ntodução ode e fclmente eolvdo tvé d técnc denomnd de otmzção o múltlo ctéo (gol ogmmng), que ode e conded como um cle tcul de um oblem m gel de ogmção mtemátc. Sem: X (x 1, x, x 3,... x n ) T (1) um veto de n váve ndeendente; f(x) f(x 1, x, x 3,... x n ) T () função e otmzd; g (X) 0 (3) 1,,...n g. funçõe de etçõe de fonte; e h (X) 0 (4) 1,,...n h. funçõe de etçõe homogêne. Nete tblho, eeentção mtemátc d met ou obetvo eá dect o: onde: f ( X) b ( X) d d 1 (5) f met d -ém função obetvo, função d váve de oeto X, com nível de ção b d, váve de devo, eeentndo eectvmente ub ou obe tendmento d do nível de ção b, e com vloe eme 0. Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de

6 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe Am, o oblem de otmzção te egunte conttução: e ( X) e ( X) e ( X) d f ec e b, então f ec e b, então f ec e b, então mbo d d é mnmzdo; d é mnmzdo; d e d ão mnmzdo; 0, não ode hve multnemente ub e obe tendmento d met. Condendo go que com et nov fomulção met e obetvo m defn um ubeço de ção que deve e tngdo tnto qunto oível e que, etçõe defnem um ubeço dento do qul oluçõe devem necemente et ned tfze equto de vbldde, o oblem de otmzção ode e exeo como um oblem genelzdo de ogmção o obetvo no qul om onded d váve de devo deve e mnmzd, condendo eenç de met e etçõe. A eeentção mtemátc dete oblem é egunte: mnmz f N 1 ueto : f ( X) b d ( d d ) d ( ) 0, 1, ng 1, 1,,..., n f g X,..., (8) ( ) 0, 1, nh h X,..., (9) onde:, eo ocdo o devo d -ém met; odde ocd à -ém met. O oblem de oeto e então o de encont o veto X d váve de decão tl que etçõe, g ( X) 0 e h ( X) 0, em tfet e met, ou obetvo, f ( X) lcnçdo, dento d melho oxmção oível. A etçõe devem, evdentemente, e contente, o, de outo modo, não hveá olução o oblem. A met, no entnto, não ecm e e, em gel, não eão contente. (6) (7) 3. Solução do oblem de ctená com múltlo egmento e com du extemdde n uefíce P modelgem do oblem fíco d lnh, com um extemdde fx n embcção e ncod e out, n embcção de oo o lnçmento d ânco, utlzou-e metodolog oot o Oenhem (198), onde, cd egmento de mtel homogêneo ntegnte d lnh de ncogem ode-e dmt foç gvtconl como endo únc foç de cmo eente no tem, e det fom, equção clác d ctená um egmento homogêneo ode e utlzd. 310 Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de 00

7 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe θ 0 δ E G U L V Foç tundo no -émo egmento homogêneo de lnh δ TDP PALVO Fgu 5 Váve n lnh PREF α Sendo: eo untáo n águ o -émo egmento homogêneo de lnh ( > 0 egmento com flutução); G, eo concentdo ueno n extemdde ueo do -émo egmento, (negtvo, eeent um bó ubme; otvo, um ot); L, o commento do -émo egmento homogêneo d lnh; f (, ef, α), função que deceve leto oceânco no lno d lnh, uoto um et com nclnção α. O oblem do equlíbo de um egmento de ctená d fom cm oot ou olução clác qul mo detlh. O modelo nlítco de um ctená homogêne N fgu 6 mot-e o modelo de um cbo ueno onde únc foç dtbuíd eente o longo do commento do cbo e foç eo. Fgu 6 O modelo de ctená del Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de

8 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe No m etão eente foç de coentez que lém de contbuíem um comonente otogonl ção gvtconl ou de emuxo, odem g no entdo de etem o cbo de eu lno vetcl. Tl lmtção, embo o ece confltnte com lcçõe n ndút offhoe, tem do muto ud, o emte o cálculo nlítco d lnh de ncogem, dento d fx de velocdde de coentez encontd n cot ble e do mte emegdo lnh de ncogem. P nclu t efeto ton-e neceá utlzção de modelo m oftcdo, tonndo o modelo do oblem ível de olução tvé d lcção de método numéco omente. O m comum ente ele e o Método do Elemento Fnto, onde o cbo é modeldo o elemento de vg ou de telç. Em lcçõe offhoe, gelmente utlzm-e du confguçõe de ncogem: 1. convenconl, com lnh em ctená, onde ão emegd ânco de to, de meno cuto;. tut leg, ou lnh eted, onde e utlzm ânco que uotm cg vetc, de mo cuto. Adot-e um ou out olução deendendo d condçõe de fundo. Se congetondo com equmento há necedde de e dot um tem com um cuto o de ntlção d ânco. N confgução em ctená, tção no too d lnh e dá el quntdde de lnh que etá uen do leto mnho. A modelgem de um tem como ete utlzndo o Método do Elemento Fnto ó é oível com o uo de não lnedde geométc um vez que tl tem e motá como um mecnmo. Bt mgn um cod, del foux, com um extemdde fx e out odendo e movment em um lno hozontl. A gdez elátc ncl nexte e, otnto, o oblem, não e eolvdo elo método do elemento fnto lne. Po outo ldo, dmtndo-e que o eo ge tção o longo d lnh, ode-e então, utlz et tção como gdez elátc ncl com gdez geométc, que deende d confgução de equlíbo, olução do oblem. Fgu 7 Comção ente ncogem convenconl e tut leg 31 Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de 00

9 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe Tl bodgem emte o uo de foç de to, devdo coentez, no cálculo do equlíbo do cbo, oém que totldde d ntlçõe de ncogem, foç de to ged el coentez ouco dtoce confgução d lnh ged en elo eo óo, levndo concluão de que o modelo cláco de cálculo de ctená ode e emegdo em moe devo elo efeto d foç de coentez. Dfeentemente do modelo em elemento fnto onde não lnedde foç buc de olução de fom tetv, o modelo cláco ou olução nlítc, o que o ton oíco n utlzção e método de otmzção onde mut oluçõe eão equd nte de e tng um olução conded ótm. O modelo que e dotá nete tblho é o cláco, onde cd egmento é ttdo como um egmento de ctená, etndo o onto de unão ente o egmento, em equlíbo de efoço. Det fom, tndo-e de um extemdde d lnh, e tnge out, mlemente, clculndo-e foç que e tnfeem de egmento egmento. Agndo det fom, confgução de equlíbo tmbém é encontd e co extemdde não concdm com onto o deedo, ntu-e um oceo tetvo, com um vável de contole, ângulo no too, o exemlo, té que e tn confgução geométc fnl, coeente com condçõe de ncogem. Condee um egmento de lnh elátco, confome o motdo n fgu 6. Sendo >0 o eu eo o undde de commento e o l e, o commento ente extemdde e o onto nfeo d lnh, confome lutdo. A foç gndo n extemdde do egmento ão tenão hozontl, contnte em todo o onto do egmento e tenõe vetc L e U, confome o motdo. O equlíbo de foç o commento e T nθ T coθ (10) Se Então equçõe (10) odem e eect como: nθ T coθ T ( ) (11) M nθ dv d du coθ d (1) Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de

10 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe 314 Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de 00 Se ete ocedmento fo eetdo oção l do egmento e equçõe mbo o ldo foem combnd, coodend, hozontl e vetcl, x e y eectvmente, eão ect n fom ntegl: l l d d u u x 0 0 (13) l l d d v v y 0 0 Aó ntegção t coodend odem e eect: ) ( ) ( ln ln x l l l (14) ) ( ) ( ln 1 y l l A equçõe (14) odem e ect em temo d foç vetc o nvé d váve l e. ln L L U U x (15) 1 L U y onde U L l (16) A equçõe (15) e (16) ão ge. El ão váld <0 ou >0. Lnh com dveo egmento P um lnh comot o dveo egmento, o lgotmo ooto detemn-e confgução d lnh é etbelecdo de fom tetv. Admtndo-e conhecd tenão no too d lnh, T o egunte o ão egudo: 1. Admte-e o ângulo de nclnção d lnh no too, 0 θ, unto à extemdde que etence à embcção e ncod e, com o, oeção vetcl de T, n extemdde ueo, U, como ) ( ) co( 0 0 θ θ n T T U (17)

11 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe. A t do too eolve-e o oblem de um egmento de ctená homogêne, clculndo-e geomet e foç n extemdde nfeo do egmento, V, V g ( G,, L,, EA ) L U (18) onde: g é foç concentd n extemdde ueo do egmento, ged el bó ou ot, função d meão d bó, co et não ete comlemente ubme, ou foç concentd ged el ot, co et ete em contto com o fundo. L é o commento do endente, dmtdo de egmento homogêneo únco, com eo ubmeo e gdez xl EA. é bc d extemdde ueo do -émo egmento. P um bó clíndc, de volume V T, me clmente, com cldo (o cldo d bó deendeá d gdez xl do endente, otnto, loclmente, tem-e um oceo tetvo defn, t do onto de conexão do endente d lnh, qul deveá e o cldo d bó, u foç de emuxo, defomção do endente, que o u vez eult em um novo cldo bó; um método de oxmçõe ucev gnte um ád convegênc nete oceo), h, tem-e π D h g G (19) 4V T 3. Pelo equlíbo do onto d extemdde nfeo do egmento, clcul-e oeção d foç vetcl, U 1, tunte n extemdde ueo do óxmo egmento; e m ucevmente té o últmo egmento. 4. Clcul-e dtânc vetcl d extemdde oot d lnh que etence à embcção de oo à uefíce oceânc. Como et extemdde deve et n uefíce, função dtânc deve e dentcmente nul. δ E z E (0) 5. Atvé de um método tetvo, Neton o exemlo (o e tt de buc o zeo de um função, ltentvmente ode-e utlz qulque lgotmo de otmzção olução do oblem.), ut-e o ângulo no too, θ 0, té que função nteomente dect e nule, ou e mnmz-e função. δ E z E (1) 6. Nete onto, vefc-e e lgum onto d lnh tnge o olo oceânco. 7. Co não oco o toque, confgução d lnh etá detemnd. 8. Co contáo, nc-e um outo ocedmento onde et 1, e 3 ão mem nteomente defnd. 9. Como, à o á e be que lnh toc o olo, ocu-e, um ddo ângulo de too 0 θ, o onto d lnh cu tngente é dêntc nclnção do fundo. Tl onto é cnddto o onto de contto d lnh com fundo, o TDP (Touch Don Pont). Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de

12 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe 10. Vefc-e dtânc dete onto o fundo. Et e nov função dtânc qul ocu-e, tetvmente o ngulo θ 0 de tl fom que el e nule. δ z f (,, α) () TDP TDP TDP ef 11. Encontdo o ângulo θ 0 que nul et função, dá-e níco um novo oceo tetvo onde, geomet d ctená uen no ldo d embcção e ncod á etá defnd, dede o f led té o TDP. Então bt-e um oção do commento d lnh que eou do fundo, L, t do TDP, defnndo-e o egundo TDP. f 1. A t do egundo TDP, TDP, mont-e geomet de ctená uen té extemdde d embcção de oo. 13. Clcul-e dtânc vetcl d extemdde oot d lnh que etence à embcção de oo à uefíce oceânc. Como et extemdde deve et n uefíce, função dtânc deve e dentcmente nul. δ E z E (3) 14. Atvé de um método tetvo, Neton o exemlo, ut-e o commento no fundo, L, té que função nteomente dect, equção 17, e nule. f Em váo onto do lgotmo o cálculo d ctená fo ugedo um método tetvo o cálculo de um z de um função eo. Váo método odem e utlzdo tl. No tblho fo utlzdo o Método de Neton, que oblt convegênc do oceo em ouc teçõe, embo, no co mencondo, devd d funçõe eo tveem que e obtd o dfeenç fnt. 4. Otmzção o múltlo obetvo o oblem de lnçmento P tução de lnçmento, odemo defn como váve de decão: ) o commento de ok e, L, e lnçdo el embcção de oo; b) o commento de lnh, L, e lnçdo el embcção e ncod; e c) foç hozontl,, e execd el embcção e ncod. Um vez defnd et váve, ode-e encont geomet d lnh em ctená que tfz à condçõe etbelecd. Net confgução ânco tnge oção P Anc PAnc ( Anc, z Anc ), no fundo ou não, d qul odemo defn função dtânc, δ, ente o lvo, P P, z ), e ânco, Alvo Alvo ( Alvo Alvo δ dt P (, L, L ), P ) (4) ( Ânc P P Alvo foç hozontl n embcção de oo,, L, L ) (5) R R ( E L 316 Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de 00

13 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe Como obetvo eem mnmzdo devemo te: d d R L L d d L P P P L L d d L P R mn mn mn (6) (7) (8) δ d 0 (9) Note que, foç hozontl e lcd n lnh, no ldo d embcção de oo, ode e dfeente d foç hozontl lcd no ldo d embcção e ncod e lnh, comot elo ok e e lnh de ncogem encot-e o olo oceânco e o tto ente el e o olo não fo nulo: Com to, obtém-e função obetvo e mnmzd: mn ( d d d d d d d ) (30) L L P P Como e etende mnmz, L e L P, dot-e como lvo o vloe: mn 0, L mn 0, L mn 0 (31) R P P olução do oblem de mnmzção com múltlo obetvo utlzou-e o método deto de otmzção, Auguto (1998), cedtndo-e que o oblem de ncogem, memo com um equeno númeo de váve, funçõe devd, em de tenõe, em de delocmento, não ão tvlmente obtd, endo neceáo, otnto, o eu cálculo numecmente ocedo o lgum lgotmo de dfeenç fnt, o que, de e, eudc o deemenho do método ndeto de otmzção. 5. Reultdo Como lcção d metodolog oot tome-e como exemlo oeção de lnçmento de um lnh de ncogem de um nvo FPSO (Flotng Poducton, Stoge nd OffLodng) locd em 00 m de lâmn d águ, em um tlude contnentl com nclnção de 5, com lnh comot de egmento de m, com oedde motd n tbel T. Pelo oeto do tem de ncogem, tl lnh deve te u ânco cvd um o de ncogem de 6 m, no zmute de 14, eltvo o note geogáfco. P oeção de lnçmento, cecent-e ete vlo um mgem oeconl de 50 m que o e çd lnh ânco te, enete e unhe no olo n oção deed. Det fom, o lvo o lnçmento, o o de ncogem oeção de lnçmento e modfc 67 m, com um toleânc de 1 m. Dõe-e de embcçõe de oo com bolld ull máxmo de 50 t e 1000 m de ok e. Pode-e vefc, tvé do eultdo motdo n Tbel T3, que o obetvo ão lenmente tngdo. Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de

14 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe Fgu 8 A oeção de lnçmento Tbel T Poedde d lnh e ntld Seg Mtel Dâmeto Peo lne Commento Rgdez Coefcente T. Rutu (mm) (t/m) (m) (t) de tto (t) 1 Am Gu , , ,1 Am Gu , , ,4 Ânco To Stev MK III Pode de g 341,3 (t) Peo 15,0 (t) Tbel T3 Reultdo d utlzção do lgotmo de otmzção NAVIO REBOCADOR Dtânc Cood. d ânco Com. Tção Ângulo T. oz. Com. Tção Ângulo T. oz. Nv-Reb. z (m) (tf) ( ) (tf) (m) (tf) ( ) (tf) (m) (m) (m) Ftoe não eente no modelo A fnldde do modelo qu eentdo é o de cele o oceo de cálculo o lnemento d ntlção de ânco equmento offhoe. A nc etçõe dete modelo em elção à tução el ão condçõe mbent e comoção do leto oceânco. A condçõe mbent, como eenç de ond, vento e coentez odem dev tução de cálculo d de ntlção. 318 Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de 00

15 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe N eenç de ond tnto embcção de oo qunto embcção que etá endo ncod, e tmbém uefíce do m, não etão etátc e m eentndo movmento letóo. No modelo eentdo, uõe-e que embcçõe etem etátc o que não coeonde à eldde. Poém, lgun ftoe menzm et tução um vez que embcção de oo deve mnte oção com uxílo do ouloe contoldo montodo o oconmento v télte, GPS e embcção e ncod ou é mntd n oção el lnh de ncogem á ntld ou o meo de out embcçõe de oo utlzd eboque. No entnto o movmento vetcl det não e mntém ob contole. N fgu 9 bxo ão motd cuv de eot de heve (movmento vetcl) do nvo utlzdo como exemlo, em função d deção d ond ncdente e d feqüênc d ond. T eot ão obtd ond de ltu untá. Deção de ncdênc d ond Fgu 9 Reot em eve embcção end Pode-e contt que máxm eot ocoe ncdênc de tvé (90 gu) e em feqüênc em tono de 0.8 d/ ou eíodo d odem de 8. O vlo de co é de oxmdmente 1.6 meto um ond ncdente de 1 meto de ltu. N Tbel T4 ão eentd ccteítc de m d locção onde fo ntld embcção do exemlo. O vloe, de ltu máxm, ltu gnfctv, ouem obbldde de excedênc de 1%. T ddo devem e nteetdo como endo, um eíodo de (etono) 1 no máxm ltu de ond vefcd, 11.6 m, ocoe deçõe Sul, Sudoete e Sudete. A méd do teço ueo de tod ltu vnd det deçõe, Altu Sgnfctv, é de 6. m. Outo ddo motnte é o eíodo ente zeo e o eíodo de co, note-e que o vloe e encontm n fx ente Como o eíodo em heve d embcção é d odem de 8 há obbldde de eonânc com mlfcção do movmento de heve. Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de

16 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe Tbel T4 Poedde ocenogáfc do locl de ntlção do nvo do exemlo RETURN PERIOD (YEARS) DIRECTION PARAMETER N NE E SE, S e SW W e NW T mx Tmx T mx Tmx T mx Tmx T mx Tmx T mx Tmx 3,0 m 8,9 5,6 m 8,3 3,6 m 10,0 6,7 m 9,3 3,5 m 10,0 6,5 m 9,3 6, m 11,6 11,5 m 10,8,7 m 8,3 5,0 m 7,7 3,4 m 9,3 6,3 m 8,6 4,4 m 11,0 8, m 10, 4,5 m 11, 8,4 m 10,4 7,8 m 1,3 14,5 m 11,4 3,0 m 8,7 5,6 m 8,1 3,7 m 9,6 6,9 m 8,9 5,3 m 1, 9,9 m 11,3 5,4 m 1,3 10,0 m 11,4 8, m 1,4 15,3 m 11,5 3,4 m 8,9 6,3 m 8,3 3,7 m 9,7 6,9 m 9,0 5,6 m 1,4 10,4 m 11,5 5,9 m 1,8 11,0 m 11,9 8,4 m 1,5 15,6 m 11,6 3,5 m 9,0 6,5 m 8,4 4,1 m 9,8 7,6 m 9,1 6,0 m 1,7 11, m 11,8 6,3 m 13,0 11,7 m 1,1 8,7 m 1,6 16, m 11,7 3,7 m 9, 6,9 m 8,5 4,4 m 10,0 8, m 9,3 6,3 m 1,9 11,7 m 1,0 6,5 m 13,0 1,1 m 1,1 9,1 m 1,8 16,9 m 11,9 3,8 m 9,3 7,1 m 8,6 Fzendo um equeno execíco, delocndo-e o f led (too d lnh) de ± 0.5* (6. m de ond x 1. eot de co em heve) ±3. m e comndo o eultdo com o eultdo decondendo tl movmento, confome e mot n fgu 10, ode-e not que dfeenç não ão elevnte, coobondo dequção d hótee dotd no modelo de que mb embcçõe não eentm movmento dunte ntlção. Fgu 10 Comção do eultdo de confgução de lnh com movmento extemo de heve no f led Memo m, condçõe de ond qu motd ão de extemo que etm ocoendo n o temetde á obevd no eíodo de um no, tução qul oeçõe de lnçmento ão obtv o motvo óbvo de egunç. Nomlmente t oeçõe ão elzd com condçõe clmátc fvoáve, odendo-e gud té que el conteçm e elz ncogem. 30 Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de 00

17 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe O vento, não cctezm oblem lnh e m embcçõe que, exot o vento ofem foç oocon à u áe vélc que tendem ftá-l d oção. Nete co, de modo emelhnte o que contece com dev d embcçõe qundo exot ond, o ebocdoe de oo ocum mnte embcção e ncod n oção e o ebocdo de lnçmento, o tução no ouloe, tmbém e mntém ocondo. N egão onde fo ncod embcção, um eíodo de etono de 1 no, velocdde de coente máxm obevd n uefíce, é d 1.6 m/. N ncogem do nvo tomdo como exemlo fom utlzd m de 76 mm no too, o quetõe oecon de mnueo, e 105 mm no etnte d lnh, com um eo lne de 10.7 t/m e 0.7 t/m, eectvmente. Utlzndo foç de to o undde de commento egundo o modelo de Moon, dd o f 1 ρ c Dv D (3) onde: f é foç o undde de commento ρ é dendde d águ do m c D é o coefcente de to D é o dâmeto do egmento v é velocdde do fludo noml o coo com o vloe c D 3, comumente utlzdo m, v1.6, ρ1.05 e D0.105m obte-e-á um foç lne de 0.4t/m. Tl vlo é cec de % do vlo devdo à ção d gvdde e ocoeá em condção extem de coentez. Not-e que tl foç é muto nfeo à foç eo e, otnto, u nfluênc ode e conded deezível n mudnç de confgução d ctená clculd condendo-e omente o efeto d gvdde. 6. Concluõe No tblho, eentou-e um metodolog otmzção do ocedmento de ntlção de ânco de to equmento oceânco utlzdo n exloção e odução de etóleo no oceno. Como váve de decão eem etbelecd elo coo técnco eonável el ntlção d ânco ocu-e mnmz o commento de ok e e lnçdo el embcção de oo, u foç hozontl e o memo temo fze com que ânco tn um lvo é-detemndo ntlção. P tblh com ee obetvo dtnto utlzou-e técnc de otmzção o múltlo obetvo, onde função de méto, em função d váve de decão, fo montd com devo dmenon do obetvo nteomente decto. P olução do oblem de mnmzção d função de méto, utlzou-e, em euízo de ecolh de qulque outo, um lgotmo de mnmzção eqüencl com enlzçõe exteo, o tto de váve contínu e dcet. Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de 00 31

18 Auguto, Andde & Ro Otmzção de ecuo oeção de ntlção de ânco de equmento offhoe O modelo dotdo o oblem fíco fo o cláco de ctená extenível que ou olução nlítc foç dtbuíd em um únc deção omente. Tl modelo, e de ou lmtçõe, e motou dequdo o cálculo d ncogem de embcçõe n egão d Bc de Cmo, onde embo velocdde de coentez e conded lt, et não ge foç de coentez níve que dtoçm o modelo de cálculo eentdo. Além de otmz o ecuo oeção de ntlção de ânco, obtém-e, como eultdo dconl do oceo, utomção do cálculo de tod et ntemed de lnçmento. Acedt-e que tl fement e tone um odeoo ldo do técnco eonáve el ncogem de equmento offhoe ndút de odução de etóleo em águ ofund Refeênc Bblogáfc (1) Auguto, O.B. & Kno, A. (1998). A Mxed Contnuou nd Dcete Nonlne Contned Algothm fo Otmzng Sh ull Stuctul Degn. Ocen Engneeng, n Intentonl Jounl of Reech nd Develoment, Eleve Scence Ltd., 5(9), () Fu, J.; Fenton, R.G. & Cleghon, W.L. (1991). A Mxed Intege-Dcete-Contnuou Pogmmng Method nd t Alcton to Engneeng Degn Otmzton. Engneeng Otmzton, 17, (3) Gll, P.E.; Muy, W. & Wght, M.. (1981). Pctcl Otmzton. Acdemc Pe Lmted. (4) Nove, A.N. (1978). Método de Otmzção, Alcção o Tnote. Edto Edg Blüche Ltd. (5) Oenhem, B.W. & Wlon, P.A. (198). Sttc -D oluton of moong lne of bty comoton n the vetcl nd hozontl oetng mode. Intentonl Shbuldng Poge, 9(334), , June. (6) Pon, M.G. (1975). Otmzton Method fo Ue n Comute-Aded Sh Degn. The Socety of Nvl Achtect nd Mne Engnee Ft Sh Technology nd Reech (STAR) Symoum, Whngton, D.C. Augut. 3 Pequ Oeconl, v., n.3,.305-3, ulho dezembo de 00

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso de Física - Laboratório de Física Experimental A

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso de Física - Laboratório de Física Experimental A Unesdde Estdul de Mto Gosso do Sul Cuso de ísc - otóo de ísc Expeentl A Pof. Pulo Cés de Souz (ט) OTEIO DA EXPEIÊNCIA Nº 9 VISCOSÍMETO DE STOKES 1. Ojetos Estud o efeto do tto scoso nu fludo tés d qued

Leia mais

Análise de Componentes Principais

Análise de Componentes Principais PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA CPGA-CS Aálse Multvd Alcd s Cêcs Agás Aálse de Comoetes Pcs Clos Albeto Alves Vell Seoédc - RJ //008 Coteúdo Itodução... Mt de ddos X... 4 Mt de covâc S... 4 Pdoção com méd eo

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

Funções de Transferência

Funções de Transferência Funções de Trnsferênc Em teor de controle, funções chmd funções de trnsferênc são comumente usds r crcterzr s relções de entrd-síd de comonentes ou sstems que odem ser descrtos or equções dferencs. FUNÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTO POLÍTICA DE SST E PLANO ANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

PROCEDIMENTO POLÍTICA DE SST E PLANO ANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DE NOME DA ATIVIDADE: ELABORAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE PARA A EMPRESA E ELABORAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO ANUAL DE SST RESULTADOS ESPERADOS: - POLÍTICA DE SST ELABORADA (opconl) - TODOS OS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão?

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão? Escol Secundái Anselmo de Andde Ciêncis Físico - Químics 8º Ano Ano Lectivo 07/08 ACTIVIDADES: Execícios de plicção Pof. Dulce Godinho 1 ) O que é pessão tmosféic? No S.I. em que uniddes é expess pessão?

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

10 anos. com clientes e parceiros. o r. p a. n o. s a. NEWS GATEWAY GATEWAY celebrou. www.gateway-portugal.com. Gateway: o seu sucesso...

10 anos. com clientes e parceiros. o r. p a. n o. s a. NEWS GATEWAY GATEWAY celebrou. www.gateway-portugal.com. Gateway: o seu sucesso... NEWS GATEWAY GATEWAY celebu Gwy Ptugl um evet cm clie e cei Eecil eu egóci PORTUGAL ge ge eu egóci eu egóci g e 2-2 - Gwy celeb Gwy: eu uce... met www.gwy-tugl.cm Bletim Ifmtiv Gwy 3ª Ediçã Eecil A Ptugl

Leia mais

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça,

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça, g u f R d Qum ã? Um fugd é td p qu dvd tm d pgud p mtv d ç, lgã, ncnldd, p ptnc dtmnd gup cl p u pnõ plítc, ncnt f d pí d u ncnldd nã p u nã qu c à ptçã d tl pí. Ou qu, ccnd d ncnldd tnd f d pí nd tv u

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES Polems Resolvios e Físi Pof. Aneson Cose Guio Depto. Físi UFES HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES 16. N som A + = C, o veto A

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

CONTROLADOR ADAPTATIVO POR MODELO DE REFERÊNCIA E ESTRUTURA VARIÁVEL APLICADO AO CONTROLE DE UM GERADOR SÍNCRONO

CONTROLADOR ADAPTATIVO POR MODELO DE REFERÊNCIA E ESTRUTURA VARIÁVEL APLICADO AO CONTROLE DE UM GERADOR SÍNCRONO OROLAOR AAAIVO OR MOELO E REFERÊIA E ESRUURA VARIÁVEL ALIAO AO OROLE E UM GERAOR SÍROO MARUS V A FERAES ARE LIMA E ALAYR ARAÚJO Lboóo Acoo ool Ição o Eh Eléc Uv Fl o Ro G o o 9-9 - l R Bl E-l: cv@lco @yhooco

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

2ª Lei de Newton. Quando a partícula de massa m é actuada pela força a aceleração da partícula tem de satisfazer a equação

2ª Lei de Newton. Quando a partícula de massa m é actuada pela força a aceleração da partícula tem de satisfazer a equação ª Lei de Newton ª Lei de Newton: Se foç esultnte ctunte num ptícul é difeente de zeo, então ptícul teá um celeção popocionl à intensidde d foç esultnte n diecção dess esultnte. P um ptícul sujeit às foçs

Leia mais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais Mecânica Clássica (icenciatuas em Física Ed., Química Ed.) Folha de oblemas 4 Movimentos de coos sob acção de foças centais 1 - Uma atícula de massa m move-se ao longo do eixo dos xx, sujeita à acção de

Leia mais

O transistor de junção bipolar (BJT) NPN Base. PNP Base. Departamento de Engenharia Electrotécnica (DEE)

O transistor de junção bipolar (BJT) NPN Base. PNP Base. Departamento de Engenharia Electrotécnica (DEE) Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O tanssto de junção bpola (J) pola dos tpos de cagas, electões e buacos, enoldos nos fluxos de coente Junção duas junções pn. Junção base/emsso e junção base/colecto

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

! &! $ '()*+,-./01234435 #78!99

! &! $ '()*+,-./01234435 #78!99 1 ! ""#$ %! &! $ '()*+,-./01234435 634432 #78!99 #:;&9 2 !" # " $!" %" # $ &'()*+(,$$#% -.*/0(1)2)3425 3 Marcelo O. Coutinho de Lima 4 )*+, 9 82 "! 9!2 $ $ $?$@; *7 A> =" " ); B$" 9 $

Leia mais

"Kokumin Kenko Hoken" Seguro Nacional de Saúde

Kokumin Kenko Hoken Seguro Nacional de Saúde Numção 8-4-3 ClificçãoDonç Aunto Sguo Público p Aitênci Médic Tm "Kokumin Knko Hokn" Sguo Ncionl d Súd Nívl d conult 3 1 Pgunt Rpot Báic Não poo incv-m no guo d úd. Djo b ob o itm p pcv-m no 2 Pgunt Rpot

Leia mais

Geometria Plana 04 Prof. Valdir

Geometria Plana 04 Prof. Valdir pé-vestiul e ensino médio QUILÁTS TÁVIS 1. efinição É o polígono que possui quto ldos. o nosso estudo, vmos onside pens os qudiláteos onveos. e i Sendo:,,, véties do qudiláteo; i 1, i, i 3, i 4 ângulos

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. é, sem úv, o lmento refero e mutos ulsts. Estm-se que o onsumo áro no Brsl sej e, mlhão e s, seno o Esto e São Pulo resonsável or % esse

Leia mais

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013 Aula-9 ampos Magnétcos Poduzdos po oentes uso de Físca Geal F-38 o semeste, 13 Le de Bot - Savat Assm como o campo elétco de poduzdo po cagas é: 1 dq 1 dq db de ˆ, 3 ε ε de manea análoga, o campo magnétco

Leia mais

MONOVIAS COM PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU. Pedro Fereguetti Atendimento Técnico da Gerdau PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU ARTIGO TÉCNICO 1.

MONOVIAS COM PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU. Pedro Fereguetti Atendimento Técnico da Gerdau PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU ARTIGO TÉCNICO 1. ERFIS ESTRUTURAIS GERDAU 1. INTRODUÇÃO Amlamente utilizado na indústia, monovia é deinida como o caminho de olamento dos sistemas de içamento de cagas utilizando talhas manuais ou eléticas (igua 1 e ).

Leia mais

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o vaprafeira.com M a r i n a B r i z a M o re l l i O r i e nta d o ra : I s a b e l A b a

Leia mais

UM SISTEMA DE GERAÇÃO EM ESCALA REDUZIDA DE 10 KVA.

UM SISTEMA DE GERAÇÃO EM ESCALA REDUZIDA DE 10 KVA. ANÁLSE EXPERMENTAL DE UM CONTROLADOR APLCADO EM UM REGULADOR DE VELOCDADE DE UM SSTEMA DE GERAÇÃO EM ESCALA REDUZDA DE 0 KVA. FLORNDO A. DE C. AYRES JR., MARCUS C. M. GOMES, ERCK M. ROCHA,WALTER BARRA

Leia mais

Linhas de Campo Magnético

Linhas de Campo Magnético Linha de Campo Magnético Popiedade da Linha de Campo Magnético Não há evidência expeimental de monopolo magnético (pólo iolado) Etutua magnética mai imple: dipolo magnético Linha de Campo Magnético ão

Leia mais

Introdução aos Conversores CC-CC

Introdução aos Conversores CC-CC INIUO E ELERÔNICA E POÊNCIA epartamento de Engenhara Elétrca Centro ecnológco UNIERIAE FEERAL E ANA CAARINA Introdução ao Converore CCCC Reponável pelo Etudo: Clóv Antôno Petry (INEP/EEL UFC) Orentador:

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Estabilidade para Pequenas Perturbações e Dimensionamento de Estabilizadores. Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores _

Estabilidade para Pequenas Perturbações e Dimensionamento de Estabilizadores. Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores _ Etabldade para Pequena Perturbaçõe e Dmenonamento de Etablzadore Metrado em Engenhara Electrotécnca e de Computadore _ Dnâmca e Etabldade de Stema de Energa J. A. Peça Lope Conceto Teórco Repreentação

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

TEMA 1 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. Filipa, 12 anos

TEMA 1 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. Filipa, 12 anos 2º/3º ciclo O Ã Ç A T N E M A LIndo d pgunt u u ni u i ct n u Exit co? d d dit, d á l tção, f n ão p t t N n nci li ê f p tnt o p i hábito i g ê t d indic udávl. o ã ç t n d li Filip, 12 no lid 1 EguNntTAÇÃO

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO NA ANÁLISE DA ESTABILIDADE TRANSITÓRIA DOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE DISTRIBUIÇÃO NA PRESENÇA DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

UMA CONTRIBUIÇÃO NA ANÁLISE DA ESTABILIDADE TRANSITÓRIA DOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE DISTRIBUIÇÃO NA PRESENÇA DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA UMA CONTRIUIÇÃO NA ANÁLIS DA STAILIDAD TRANSITÓRIA DOS SISTMAS LÉTRICOS D DISTRIUIÇÃO NA PRSNÇA D RAÇÃO DISTRIUÍDA CLAYTON UIMARÃS DA MATA DISSRTAÇÃO SUMTIDA AO CORPO DOCNT DO PRORAMA D PÓS- RADUAÇÃO M

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

O atrito de rolamento.

O atrito de rolamento. engengens. Obseve-se que s foçs de tito de olmento epesentds n figu (F e f ) têm sentidos opostos. (Sugeimos que voê, ntes de possegui, poue i um modelo que pemit expli s foçs de tito de olmento). "Rffiniet

Leia mais

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula.

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula. Probabldade e Etatítca I Antono Roque Aula Medda de Dperão A medda de tendênca central não ão ufcente para e caracterzar um conjunto de dado. O motvo é que ete varação na natureza, to é, dado que venham

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I PART I ndade B 9 Capítulo Geadoes elétcos Seções: 91 Geado Foça eletomotz 92 Ccuto smples Le de Poullet 93 Assocação de geadoes 94 studo gáfco da potênca elétca lançada po um geado em um ccuto Antes de

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

! "#" $ %&& ' ( )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36 " #89 : /&*&

! # $ %&& ' ( )%*)&&&& +,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36  #89 : /&*& ! "#" %&& ' )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) 3 4 5 6 7 36 " #89 : /&*& #" + " ;9" 9 E" " """

Leia mais

Um fluido é considerado estático quando as partículas não se deformam, isto é, estão em repouso ou em movimento de corpo rígido.

Um fluido é considerado estático quando as partículas não se deformam, isto é, estão em repouso ou em movimento de corpo rígido. Estátic de Fluidos Um fluido é considerdo estático qundo s rtículs não se deformm, isto é, estão em reouso ou em movimento de coro ríido. Como um fluido não suort tensões cislhntes sem se deformr, em um

Leia mais

CAPITULO 10 - SISTEMAS INTEGRADOS

CAPITULO 10 - SISTEMAS INTEGRADOS CAPITULO 10 - SISTEMAS INTEGRADOS De acordo com os estudos efetuados sobre transportadores contínuos de granéis sólidos, podemos determinar que eles atuem de modo individual ou integrado com outros transportadores

Leia mais

Análises de sistemas no domínio da frequência

Análises de sistemas no domínio da frequência prmno d Engnhri Químic d Prólo UFF iciplin: TEQ0- COTROLE E PROCESSOS náli d im no domínio d frquênci Prof inok Boorg Rpo d Frquênci Cliqu pr dir o ilo do xo mr COCEITO: Coni d um méodo gráfico-nlíico

Leia mais

Professor Mauricio Lutz

Professor Mauricio Lutz Pofesso Muicio Lutz PROGREÃO ARITMÉTICA DEFINIÇÃO Pogessão itmétic (P.A.) é um seqüêci uméic em que cd temo, pti do segudo, é igul o teio somdo com um úmeo fixo, chmdo zão d pogessão. Exemplo: (,,8,,,...)

Leia mais

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Módul MOTORES E BUSCA NA NTERNET duç Pqu d ç d gé Pqu d ç B d d Ulzç d d -l F d duç -l @2007 v 1 O qu é? A é d udl d d d ud qu uç l qulqu ud d ud, d lh u C u? Avé d u ju d l (g d uç TCP/P) qu ê gd vg d

Leia mais

Telecomunicações Básico

Telecomunicações Básico Telecomunicações Básico Prof. MSc. Eng. ! "!"!"#$ %!"# #% # $ &# #!% '($ ) ) *+, ) $-!.) / 0 1#() 0!2) $% & '() * %# ') % &# /) *%+,,%-, 334-3564.7 &3897.%& / /% 0 0% 1 0 :'( : : $00'( :'(;< : 4.*6 :4.*6

Leia mais

FISHER RESEARCH LABORATORY

FISHER RESEARCH LABORATORY águ d e o lo g p o uo ol Soluçõe em medção de vzão, ível e peão e em pequ de vzmeto Empe Repeetd M-SCOPE R FISHER RESEARCH LABORAORY SINCE 1931 ISOIL I N D U S R I A Vzão Stem de medção e egto de vzão

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA M RJETHRTAEMCAA CM LANTAR E CLHER ALIMENT EM CAA 201 A Rzçã Ch Dvv Hb Ub CDHU I GEA é b REFEITUR A DE Ã AUL VERDE E MEI AMBIENTE FhTé Ebçã Tx Agô Jé Lz Ch T Nh Rh Rvã A M Dg Lz Egá j Nh Rh Rq L R Rf Tv

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Vesão pelmna 4 de setembo de Notas de Aula de Físca. OTAÇÃO... AS VAÁVES DA OTAÇÃO... Posção angula... Deslocamento angula... Velocdade angula... 3 Aceleação angula... 3 OTAÇÃO COM ACELEAÇÃO ANGULA CONSTANTE...

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

TRANSFORMADORES DE POTENCIAL

TRANSFORMADORES DE POTENCIAL TRANSFORMADORES DE POTENCIA 1 - Introdução: Tio de TP TP Eletromagnético (TP) TP Caacitivo (TPC) Até 138 k Acima de 138 k Funçõe Báica - Iolamento contra alta tenõe. - Fornecimento no ecundário de uma

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

Versão preliminar 10 de setembro de 2002

Versão preliminar 10 de setembro de 2002 Vesão peln e seebo e 9. SISTEA DE PATÍULAS... O ETO DE ASSA... Sse e pículs - U ensão... Sse e pículs - Dus ensões... Sse e pículs - Tês ensões... opos ígos... 4 OVIETO DO ETO DE ASSA... 5 OETO LIEA DE

Leia mais

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb.

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb. apítul 3-Ptencal eletc PÍTULO 3 POTEIL ELÉTRIO Intduçã Sabems ue é pssível ntduz cncet de enega ptencal gavtacnal pue a fça gavtacnal é cnsevatva Le de Gavtaçã Unvesal de ewtn e a Le de ulmb sã mut paecdas

Leia mais

Objectivo Geral: Familiarização com os conceitos de sinais, espectros e modulação.

Objectivo Geral: Familiarização com os conceitos de sinais, espectros e modulação. Deartamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicaçõe Metrado integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comutadore Licenciatura em Engenharia Informática º Trabalho de Laboratório Gruo:

Leia mais

Diretor Executivo Márcio Augusto Magalhães. Diretor Departamento de Administração Márcio Wamilton Magalhães. Diretor de Operações Adriano de Magalhães

Diretor Executivo Márcio Augusto Magalhães. Diretor Departamento de Administração Márcio Wamilton Magalhães. Diretor de Operações Adriano de Magalhães Diretor Executivo Márcio Augusto Magalhães Diretor Departamento de Administração Márcio Wamilton Magalhães Diretor de Operações Adriano de Magalhães Manual de Saneamento pág. 2 !"#"$%% &#'()*+&,-&.&,-&/0'12

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

Neurodiâmica da crise financeira: As bolsas no mundo

Neurodiâmica da crise financeira: As bolsas no mundo Neurodâmc d cre fnncer: A bol no mundo Armndo Fret d Roch e Fábo Theoto Roch En Etudo em Intelgênc Nturl e rtfcl Ru Tenente Ary A, 172 13207-110 Jundí Fone: (11) 7435-1414 Dreto reervdo: EINA The englh

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

GABARITO COMENTADO SIMULADO PRE VESTIBULAR INTENSIVO

GABARITO COMENTADO SIMULADO PRE VESTIBULAR INTENSIVO GABARITO COMENTADO SIMULADO PRE VESTIBULAR INTENSIVO Resposta da questão 1: Como 900 360 180, segue que o atleta girou duas voltas e meia. Resposta da questão : O ângulo percorrido pelo ponteiro das horas

Leia mais

CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO

CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o NIE-DIMEL-043 APROVADA EM AGO/03 N o 00 0/09 SUMÁRIO Objetvo 2 Cmo Alcção 3 Resosbld

Leia mais

UT 01 Vetores 07/03/2012. Observe a situação a seguir: Exemplos: área, massa, tempo, energia, densidade, temperatura, dentre outras.

UT 01 Vetores 07/03/2012. Observe a situação a seguir: Exemplos: área, massa, tempo, energia, densidade, temperatura, dentre outras. UT 01 Vetore Oerve itução eguir: A prtícul vermelh etá e movendo num di quente, onde o termômetro indic tempertur de 41 gru Celiu! GRANDEZA ESCALAR É um grndez fíic completmente crcterizd omente com o

Leia mais

[ η. lim. RECAPITULANDO: Soluções diluídas de polímeros. Equação de Mark-Houwink-Sakurada: a = 0.5 (solvente θ )

[ η. lim. RECAPITULANDO: Soluções diluídas de polímeros. Equação de Mark-Houwink-Sakurada: a = 0.5 (solvente θ ) RECPITULNDO: Soluções dluíds de polímeros Vsosdde tríse do polímero: 5 N V 5 (4 / 3) R 3 v h π h N v [ η ] v 5 Pode ser obtd prtr de: [ η ] lm η 0 sp / V Equção de rk-houwk-skurd: [η] K ode K e são osttes

Leia mais

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada SO TS 16949:2002 A uu d pcfcçã écnc E g pná cnc d m d gã d quldd, uu d pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 bdgm d m d quldd umv. A pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 é bd n pncíp d gã d quldd pnd n nm NBR SO 9001:2000:

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Tipo 3NP 1 3K 3NJ4

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Potencial Elétrico. Prof. Cláudio Graça 2012

Potencial Elétrico. Prof. Cláudio Graça 2012 Potencal Elétco Po. Cláudo Gaça Campo elétco e de potencal Campo e Potencal Elétcos E Potencal gavtaconal Potencal Elétco O potencal elétco é a quantdade de tabalho necessáo paa move uma caga untáa de

Leia mais

MATEMÁTICA II EXERCÍCIOS DE REVISÃO GEOMETRIA SÓLIDA

MATEMÁTICA II EXERCÍCIOS DE REVISÃO GEOMETRIA SÓLIDA 1 MATEMÁTICA II EXERCÍCIOS DE REVISÃO GEOMETRIA SÓLIDA ===================================================== 1) As dimensões de um paralelepípedo retângulo são dadas por números inteiros em P.A. de razão

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 03

LISTA COMPLETA PROVA 03 LISTA COMPLETA PROVA 3 CAPÍTULO 3 E. Quato patículas seguem as tajetóias mostadas na Fig. 3-8 quando elas passam atavés de um campo magnético. O que se pode conclui sobe a caga de cada patícula? Fig. 3-8

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

Rita Alexandra Manso Araújo. As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde. Universidade do Minho Instituto de Ciências Sociais

Rita Alexandra Manso Araújo. As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde. Universidade do Minho Instituto de Ciências Sociais Rita Alexandra Manso Araújo As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde UMinho 2012 Rita Alexandra Manso Araújo As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde Universidade

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

A notação utilizada na teoria das filas é variada mas, em geral, as seguintes são comuns:

A notação utilizada na teoria das filas é variada mas, em geral, as seguintes são comuns: A notação utilizada na teoria da fila é variada ma, em geral, a eguinte ão comun: λ número médio de cliente que entram no itema or unidade de temo; µ número médio de cliente atendido (que aem do itema)

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais