UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS EDUARDO LUIS PEREIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS EDUARDO LUIS PEREIRA"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS EDUARDO LUIS PEREIRA LEGALIDADE, ESTRUTURAÇÃO E RENTABILIDADE DE UMA EMPRESA COMERCIAL OFFSHORE JOINVILLE - SC 2011

2 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS EDUARDO LUIS PEREIRA LEGALIDADE, ESTRUTURAÇÃO E RENTABILIDADE DE UMA EMPRESA COMERCIAL OFFSHORE Trabalho de conclusão de curso apresentado a Universidade do Estado de Santa Catarina como requisito parcial para obtenção do titulo de Engenheiro de produção e Sistemas. Orientador: Valdésio Benevenutti JOINVILLE, SC 2011

3 2 EDUARDO LUIS PEREIRA LEGALIDADE, ESTRUTURAÇÃO E RENTABILIDADE DE UMA EMPRESA COMERCIAL OFFSHORE Trabalho de graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: Prof. Ms. Valdesio Benevenutti Membro: Prof. Dr. Evandro Bitterncourt Membro: Prof. Dr. Lírio Nesi Filho Joinville - SC, 15 de junho de 2011

4 Dedico este trabalho à minha família, à Bruna e meus amigos. 3

5 4 AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço a Deus por demonstrar seu amor incondicional. Agradeço a minha família, principalmente aos meus pais, Esequias Pereira e Denise da Silva Pereira, que nos mantém unidos com muito amor, sabedoria e dedicação. Agradeço aos meus professores, pessoas importantes para o meu crescimento intelectual, e principalmente ao meu orientador Prof. Ms. Valdesio Benevenuti, que sempre esteve disponível apontando o caminho para o desenvolvimento deste trabalho. Agradeço a minha equipe de trabalho dos quais pude aprender, compartilhar, ensinar e desenvolver minhas habilidades.

6 5 EDUARDO LUIS PEREIRA LEGALIDADE, ESTRUTURAÇÃO E RENTABILIDADE DE UMA EMPRESA COMERCIAL OFFSHORE RESUMO A utilização de Empresas Offshore vem se tornando uma ferramenta cada vez mais utilizada pelos Brasileiros no planejamento fiscal, de pessoas físicas ou jurídicas, almejando a diminuição da carga tributária, a segurança do patrimônio e a facilidade para investimentos internacionais. Através de estudos sobre Offshore e nas relações Brasil-Panamá, este trabalho apresentará análises comparativa especifica entre empresa comercial importadora e comercial Offshore, com o objetivo geral de analisar a legalidade, sistemática e a viabilidade das sociedades Offshore como uma ferramenta de gestão. Para tanto, foi utilizado como fundamentação teórica as definições dos conceitos relacionados ao planejamento tributário, Offshore e sua legalidade. Como metodologia se fez uso de uma pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo com empresas prestadoras de serviço relacionadas ao comercio exterior. Os resultados obtidos revelam que a prática da Offshore tem base legal, sendo necessário o aprofundamento dos conhecimentos em comércio exterior para utilização da Offshore em sua totalidade. A análise dos resultados da pesquisa, permite concluir que não há como fazer um planejamento fiscal sem antes estudar a viabilidade de constituição de uma empresa Offshore. Palavras-chave: Offshore. Planejamento tributário. Viabilidade

7 6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Processo de Triangulação pela Offshore Figura 2 Fluxo de informação entre o cliente final, empresa Offshore, fornecedor e agente logístico Figura 3 - Caminho transações internacionais Figura 4 - Fluxo de informação entre o cliente final, comercial importadora, fornecedor e agente logístico... 30

8 7 LISTA DE TABELA Tabela 1: Previsão de Custo de Nacionalização para o distribuidor Tabela 2: Previsão de Custo de Nacionalização direto ao cliente final com o valor repassado pela Offshore Tabela 3: Previsão de Nacionalização para análise comparativa. Importação per distribuidora do lucro presumido Tabela 4: Resultado da Operação... 41

9 8 LISTA DE ABREVIATURAS BACEN CASEX CI FMI FOB COFINS CSLL IBPT ICMS IPI IR PAES PAEX PI PIS PL REFIS SAFI TIR Banco Central do Brasil Carteira de Comércio Exterior Commercial Invoice Fundo Monetário Internacional Free on Board Contribuição para financiamento da Seguridade Social Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Instituto Brasileiro de Planejamento Imposto sobre a Comercialização de Mercadorias e Serviço Imposto sobre Produto Industrializado Imposto de Renda Parcelamento Especial Parcelamento Excepcional Proforma Invoice Programa de Seguridade Social Packing List Programa de Recuperação Fiscal Sociedade Anônima Financeira Internacional Transferência Internacional de Reais

10 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONCEITO OFFSHORE LEGALIDADE DAS OPERAÇÕES OFFSHORE Remessas de Divisas para o exterior Operações fraudulentas Personalidade Jurídica das sociedades Offshore Leis e regras para Offshore em cada país APLICAÇÃO OFFSHORE Sociedades Offshore e Sociedade Anônima no Panamá Contribuições a Sociedade Global Fluxo de informações METODOLOGIA resultados da pesquisa: apresentação e ANÁLISE DE DADOS POR QUE O PANAMÁ? FUNCIONAMENTO DESTA FERRAMENTA Análise Comparativa CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 45

11 10 1 INTRODUÇÃO Com grandes e rápidas mudanças, a globalização caracteriza-se por um processo dinâmico, apoiada pela política e pelo dinheiro. Com isto, a necessidade de desenvolver e sobreviver na economia mundial gera novas plataformas organizacionais, fazendo com que as empresas transacionais tornem-se a fundamental ferramenta das relações entre indivíduos. Uma das principais preocupações da sociedade está relacionada ao capital, onde as pessoas físicas ou jurídicas procuram a preservação dos direitos e bens adquiridos visando também à sustentabilidade dos seus recursos e a saúde financeira das organizações. A busca por ferramentas idôneas para resguardar os recursos de atos predatórios impostos pelo governo ou por entidade financeira é uma realidade, principalmente em países com baixo incentivo a investimentos e altas cargas tributárias, além de preocupar-se também com o planejamento financeiro, comercial, produtivo e tributário. Dentre uma variedade de opções do planejamento tributário, está na constituição de sociedades Offshore em paraísos fiscais, Lowery (2011) comenta que: No final da década de 50, o termo Offshore apareceu pela primeira vez em um dos jornais da Costa Leste dos EUA. O assunto era uma empresa financeira que conseguiu escapar do controle do Estado por meio de "seletividade geográfica". A empresa transferiu a esfera de atividade, que era para ser controlado e regulado pelo governo do Estado, no território de clima fiscal favorável favorecendo o faturamento liquido absorvido. Desde aquela época Offshore (uma palavra em Inglês, determinando algo que se situa muito longe da costa) passou a ser um dos métodos mais eficazes e conhecida ferramenta de programação fiscal. Este método é baseado sobre a legislação de muitos países, repleta de particularidades que absolve empresas estrangeiras dos impostos. Assim, os negócios Offshore aparecem como um emergente meio de maximizar o capital monetário por muitas razões, como a diminuição da carga tributária, proteção ou imunidade contábil frente aos credores, redução ao mínimo da burocracia administrativa, bem como o respeito ao direito privado e a confidencialidade. Visto que o uso de Offshore tem sido uma ferramenta sofisticada e barata, é necessário verificar a legalidade desta aplicação bem como adquirir conhecimentos suficientes para utilizar e manipular este recurso, e ainda conhecer os reais benefícios de se trabalhar em paraísos fiscais. Assim este trabalho pretende responder as seguintes questões: O que é

12 11 necessário fazer para se constituir e operar em uma empresa Offshore? É viável se estabelecer como empresa Offshore? O objetivo geral deste trabalho é analisar a legalidade, sistemática e a viabilidade das sociedades Offshore como uma ferramenta de gestão. Seguindo com os objetivos específicos que são: Conceituar os termos Holding e Offshore de forma a explicar seus significados, funções e viabilidade. Analisar o processo de constituição ou aquisição de uma Offshore. Desenvolver o fluxo do processo de uma empresa Comercial Offshore e de uma empresa Comercial Nacional Exemplificar e explanar a forma de atuação ou utilização de uma empresa Comercial Offshore do início ao final de uma operação. Para alcançar os objetivos propostos o trabalho está estruturado em capítulos. No primeiro capítulo é iniciado pela contextualização do assunto, apresentando o problema abordado, os objetivos e demais elementos introdutórios ao trabalho. O segundo capítulo apresenta bases conceituais e referencial teórico, necessário para compreensão do trabalho. A metodologia é descrita no terceiro capítulo onde esclarece as etapas adotadas para alcance dos objetivos garantindo o caráter científico do trabalho. O quarto capítulo apresenta, analisa e discute os resultados obtidos, confrontando com o referencial teórico apresentado. Por fim, o quinto capítulo traz às considerações finais relacionando-as com objetivo geral e específico do trabalho.

13 12 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste trabalho de pesquisa, serão abordados temas de áreas diferentes relacionados à Offshore e o presente capítulo apresentará a fundamentação teórica necessária para o desenvolvimento do trabalho. 2.1 PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO De acordo com Zanluca (2011), O planejamento tributário é um conjunto de sistemas legais que visam diminuir o pagamento de tributos. O contribuinte tem o direito de estruturar o seu negócio da maneira que melhor lhe pareça, procurando a diminuição dos custos de seu empreendimento, inclusive dos impostos. O planejamento tributário é um principio constitucional tão essencial quanto o planejamento de fluxo de caixa ou planejamento de fábrica, está diretamente ligado ao sucesso da empresa que em seu desenvolvimento passa por regimes fiscais diferentes tendo de se adaptar constantemente. É de conhecimento geral dos empresários brasileiros que os tributos (impostos, taxas e contribuições) somam uma importante se não a maior parcela de custo da empresa e que exige uma correta administração do ônus tributário, tornando-se uma questão de sobrevivência. Zanluca (2011) afirma que: Segundo o IBPT, no Brasil, em média, 33% do faturamento empresarial é dirigido ao pagamento de tributos. Somente o ônus do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro das empresas pode corresponder a 51,51% do lucro líquido apurado. Da somatória dos custos e despesas, mais da metade do valor é representada pelos tributos. É de notório conhecimento que o nível de tributação sobre as empresas e pessoas físicas no Brasil é absurdo, chegando a inviabilizar certos negócios. Empresas quebram com elevadas dívidas fiscais, e nem as recentes renegociações, como REFIS, PAES e PAEX, trouxeram alguma tranqüilidade ao contribuinte [ ]. Cabe salientar que no planejamento tributário é direito do contribuinte aproveitar as opções lícitas existentes, dentre elas está na constituição de empresas Offshore, entretanto esta ferramenta não é de conhecimento comum que apesar dos baixos custos na manutenção e constituição da empresa, existe a necessidade de entender o funcionamento, fluxo do processo e a forma de atuar para usufruir dos resultados de uma empresa Offshore.

14 CONCEITO OFFSHORE Ferreira (2006) ressalta que existem três tipos de sociedades que poderão ser formadas num paraíso fiscal: as sociedades-base, as sociedades holding e as sociedades de serviços, sendo que o contribuinte disposto a investir em um paraíso poderá escolher qualquer uma delas ou ainda optar por algumas instituições como as companhias de seguro cativas, os bancos Offshore, os trusts, os bancos cativos. Penteado (2007, apud, Trirciuzzi e Moraes, 2011) conceitua empresa Offshore como: [...] uma pessoa jurídica que opera fora dos limites territoriais onde está localizada. [...] também é comum no mundo dos negócios, a utilização da expressão Offshore para denominar as empresa constituídas fora dos limites territoriais de sua matriz ou do domicílio de seus controladores. Para Polak (2011): [...] uma "Offshore company" é uma entidade situada no exterior, sujeita a um regime legal diferente, "extraterritorial" em relação ao país de domicílio de seus associados. Mas a expressão é aplicada mais especificamente a sociedades constituídas em "paraísos fiscais", onde gozam de privilégios tributários (impostos reduzidos ou até mesmo isenção de impostos). E isso só se tornou possível quando alguns países adotaram a política da isenção fiscal, para atrair investimentos e capitais estrangeiros. A indústria Offshore nasce a partir dos objetivos dos governos de diferentes países, que procuram atrair investimentos internacionais, oferecendo condições favoráveis com propósito de estimular suas economias. Conforme as pesquisas realizadas pelo FMI, Fundo Monetário Internacional, nos países subdesenvolvidos, por cada fração percentual acrescida no imposto de renda, a saída de dinheiro se direciona aos centros Offshore acrescentando 5% dos investimentos, 19% especificamente para os países com regimes fiscais atraentes, situados no Caribe (MVD Group, 2011). O MVD Group (2011) comenta que Uma empresa Offshore é uma espécie de sociedade utilizada por pessoas físicas e/ou jurídicas ao redor do mundo, para comercializar, possuir e fazer negócios. Uma empresa Offshore oferece: Baixos impostos; Alto nível de privacidade e segurança;

15 14 Menos burocracia; Menos custos. Além dos tradicionais centros Offshore, como Bahamas, Pananá, Ilhas Virgens, muitas outras jurisdições têm estruturas corporativas atraentes para usuários não residentes como Luxemburgo, Holanda e o de Hong Kong que também são importantes para o planejamento internacional de impostos (MVD Group,2011). 2.3 LEGALIDADE DAS OPERAÇÕES OFFSHORE As formas de transferência de dividendos ilícitos e ocultação de bens que são constituídos em paraísos fiscais, trazem benefícios somente para os associados de Offhsore e que dentro dos patamares das justiças fiscal e social estas viriam a serem as contribuintes de tributos de maior expressão. Entretanto conforme Zanluca (2011) Se a forma celebrada é jurídica e lícita, a fazenda pública deve respeitá-la. Obter vantagens legais, por meio do poder judiciário, não é dizer que estas sejam morais, posto que por diversas vezes sejam vexatórios e se baseiam em meros artifícios legais, que normalmente não estão ao alcance dos cidadãos comuns, os quais não podem contratar caros consultores ou lobistas. A defesa da utilização de Holdings Offshore, utiliza-se do direito de terem vantagens fiscais privilegiadas, além dos incentivos e de subsídios que o governo brasileiro já oferece somente aos mais ricos, o que evidentemente vai frontalmente contra parte do texto Magna em seu artigo 145, menciona que os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte (Brasil, 1988). Por fim, o Portal de contabilidade COSIF (2011) coloca que, como forma de evitar a sonegação fiscal, baseando-se na legislação de outros países, o Brasil tem tributado as receitas estrangeiras, de acordo com a Lei 9249/95, que foi inserida nos artigos 394/396 do Regulamento de Imposto de Renda de 1999, que foi baixado pelo Decreto 3000/99, Já a o uso de laranjas na constituição Holding Offshore, caracteriza-se integralmente como forma de burlar o fisco e os tributos brasileiros, dando a entender que não existe ligação entre a empresa Offshore e a empresa brasileira, o que caracteriza a intenção de sonegar. A muito que o termo Offshore vem sendo usados no mundo, e nesse modelo de planejamento fiscal, muitos corruptos, traficantes, entre outros, utilizaram-se dessa plataforma

16 15 de negócio para lavagem de dinheiro tendo como respaldo o comprometimento no sigilo sobre lei protegido. Pinto (2007) afirma que havia inocência na formação de paraísos fiscais: Destarte, os paraísos fiscais foram formados inocentemente, pois não era o dinheiro sujo que para lá seguia, era só o dinheiro negro da evasão fiscal. Passaram a existir como um método de elisão fiscal e, em seguida, de evasão. O problema foi que na mesma trilha vieram os criminosos e o crime organizado, que ali construíram as bases para as suas operações, porque a receita misturou ingredientes com peculiaridades geniais, ao concederem, justamente, os três desejos preferidos de qualquer criminoso: anonimato (afinal, nunca ou quase nunca se sabe quem é o verdadeiro beneficiário das operações); ausência de controle dos bens e capitais que por lá passam; e falta ou cooperação judiciária incipiente [...]. Porém Pinto (2007) deixa claro que atualmente há muito mais má-fé que inocência na utilização de Holdings Offshore: [...] apesar das óbvias dificuldades de se chegar a dados muito confiáveis, nas análises mais pessimistas, segundo a ONU, lava-se mundialmente a bagatela de US$ 2 trilhões a cada ano. Deste montante, cerca de 50% são oriundos da corrupção, aproximadamente 25% provêm do narcotráfico e os 25% restantes do tráfico de armas, de seres humanos, contrabando, roubo de carga. Diversos atos relacionados à sociedades Offshore tem sido presenciados por muitas pessoas em uma série de notícias de políticos e empresários que se utilizaram das jurisdições Offshore para acobertar operações ilegais onde sempre há grandes divisas envolvidas. As operações efetuadas nas jurisdições "Offshore", desde que efetuadas em observância às regras de direito internacional e às dos países envolvidos, são perfeitamente lícitas, já que o próprio direito internacional, por definição, estabelece a soberania dos países para legislar e praticamente todos os países reconhecem em seus respectivos sistemas jurídicos, a soberania dos denominados países Offshore. Rozemba (2011) comenta que Como operador do direito, temos a função e o dever de esclarecer sobre as questões envolvendo as jurisdições "Offshore", já que tem sido atribuído ao termo "Offshore", genericamente e de maneira equivocada, o rótulo da ilegalidade.

17 Remessas de Divisas para o exterior As remessas de recursos ao exterior se estiverem de acordo com as disposições regulamentares do Banco Central do país remetente, é um artifício e ferramenta de comercio totalmente legal. Também será cada vez mais conhecida e utilizada seguindo a tendência impressa pela globalização e pelo mercado internacional. No Brasil, todas as questões que envolvem o trânsito de recursos entre o Brasil e os países estrangeiros são regulamentadas por disposição legal pelo Banco Central do Brasil (BACEN), portanto, toda e qualquer operação que seguir os dispositivos regulamentares do BACEN estarão trabalhando de forma totalmente legal. (BACEN, 2011) Isto é, toda e qualquer operação que envolver a entrada de recursos no Brasil ou a saída destes recursos para o exterior deve ser efetuada de acordo com os dispositivos regulamentares do BACEN que autoriza as pessoas físicas ou jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no país de efetuar transferências para o exterior em moeda nacional e estrangeira, pela utilização de bancos autorizados a operar no mercado de câmbio, para aplicação dos investimentos em diferentes frentes, devendo, em alguns casos, atender regulamentações especificas sendo facultada a reaplicação dos rendimentos auferidos. O Banco Central em sua regulamentação, através de bancos homologados para tais atividades, promove diversas modalidades de transferência de recursos ao exterior, por exemplo: a constituição de disponibilidade no exterior, investimento direto e em portfólio; operações de Hedge; concessão de empréstimos a não-residentes; aquisição de imóveis residenciais ou comerciais e a instalação e/ou manutenção de escritório (ROSENBAUM, 2011). Na prática, uma das operações mais corriqueiras é a famosa TIR (Transferência Internacional de Reais) prevista no regulamento de Mercado de Cambio de Capitais Internacionais do BACEN. Através do recurso da TIR, as divisas declaradas de um investidor brasileiro enviada a um banco estrangeiro pode manter suas disponibilidades e aplicações sendo este totalmente legal e viável, não apresentando qualquer risco ao remetente dos recursos quanto a legalidade da operação, sendo esta totalmente amparada em lei. Outros temas relacionados a legalidade podem ser observados, entretanto fogem ao cerne do presente tema. Com a disponibilidade dos recursos no exterior, não há qualquer óbice legal à constituição de uma empresa em uma jurisdição Offshore e o aporte de tais recursos na sociedade Offshore.

18 17 Existe duas modalidades de envio de capitais ao exterior que podem simular uma operação, por operação de empréstimos as SAFI (sociedade anônima financeira de investimentos) ou por pagamentos de prestação de serviço. Os procedimentos de empréstimos no exterior são regulamentados pelo Banco Central do Brasil (Resolução n 2.770, Circular n e Carta-Circular n 2.933/00). Entretanto, a pratica de empréstimos ao exterior é uma atividade muito praticada denominado de Programa Nacional de Desburocratização veio preencher lacunas e facilitar o intercâmbio entre países sem necessidade de autorização prévia do BACEN (BACEN, 2011). O contrato de cambio é o instrumento principal para o empréstimo em questão sendo que quatro figuras essenciais e uma facultativa são relacionadas neste processo: o Tomador (pessoa física ou jurídica), o Banco Interveniente (autorizado para operações de câmbio) pela parte do Tomador, o Credor externo, o BACEN e o facultativo Garantidor. A facilidade exposta, entretanto, é fiscalizada pelo BACEN partindo da compatibilidade e adequação do crédito auferido e seu uso, este controle é basicamente processual e praticamente ilimitada observada à capacidade financeira do tomador (SANTOS, 2011). Com relação à prestação de serviços contrata-se uma empresa no exterior, sendo esta offshore ou não, para a busca de novos mercados estrangeiros e a contraprestação será pactuada por um contrato registrado na CACEX (Carteira de Comércio Exterior), portanto, prestando ou não o serviço descrito, o credor estrangeiro emite uma fatura comercial, podendo este ser pago em moeda ou através do BACEN. Desta forma, a utilização de empresas Offshore torna-se bastante atrativas para fomentos de créditos e comercial A ausência de controles cambiais, também representa um atrativo considerável. Em relação à moeda, via de regra, os paraísos fiscais têm nas moedas correntes uma íntima ligação ao dólar norte-americano ou outra moeda facilmente conversível, a fim de que sua moeda seja também de grande conversibilidade. As contas correntes mantidas pelos nãoresidentes são geralmente em dólares norte-americanos ou libras-esterlinas. (KRONBERG, 2003, p.130) Outro ponto a favor é a estabilidade política e econômica, nos paraísos fiscais, a regra é a estabilidade dos governos, não sujeitos a mudanças ou alterações repentinas que possam tirar a credibilidade do país e colocar em risco as empresas nele constituídas. (PENTEADO, 2007, p.36)

19 Operações fraudulentas Os processos Offshore são conhecidos como um ato ilícito pelos Brasileiros e por vários países, pois muitos ainda se utilizam deste artifício para esquentar dinheiro do mercado negro se revelando em uma ferramenta depois que entendida simples. Basta adquirir uma empresa SAFI, onde as ações são ao portador e de estatuto sigilosos, e passa-se a trabalhar com empréstimos e pagamentos de prestação de serviço facilmente contabilizados em receitas e despesas. Enviando aportes para o exterior ou utilizando imóveis para pagamento de uma dívida ativa, diminui-se o patrimônio da pessoa física ou jurídica com a intenção de diminuir a base de cálculo dos impostos, sobre aparência de negócios lícitos. Em grandes períodos, essas operações podem se tornar uma volumosa forma de transferência de capital ao exterior, e em caso de falência, uma irregularidade de difícil apreensão pelo síndico, pois os livros contábeis terão a contrapartida da receita ou despesa, tornando-se quase impossível a apuração de crimes falimentares (SANTOS, 2011) Para fins de concordata, também se encontra a utilidade nas operações Offshore, onde credores quirografários, preocupados com uma possível quebra, os adquirem mediante a cessão, por valor inferior ao da dívida, pagando com valores depositados em bancos estrangeiros em nome da SAFI ou sendo, esse montante, ingressados ao país por transporte pessoal. Já se constatou que foram utilizadas operações com empresas Offshore para diminuir o capital familiar antes de uma separação matrimonial, com intuito de prejudicar a esposa ou companheira em ocasião de partilha. As empresas Offshore não refletem confiança na legalidade das operações, entretanto trata-se de operações regulamentadas e reconhecidas mundialmente, o esforço encontrado pela mídia em marginalizar as operações de empresas Offshore muitas vezes são generalistas e discriminativas, reforçando novamente o que Rozemba (2011) comenta temos a função e o dever de esclarecer sobre as questões envolvendo as jurisdições "Offshore", já que tem sido atribuído ao termo "Offshore", genericamente e de maneira equivocada, o rótulo da ilegalidade. Entretanto, pela facilidade e brechas encontradas para operações em paraísos fiscais, muitas se utilizam desta ferramenta para transpor a moral, a ética e do direito, não encontradando barreiras para operações fraudulentas.

20 Personalidade Jurídica das sociedades Offshore Por Lei, as empresas Offshore, devem praticar negócios fora da constituição daquela em que a empresa fora constituída. As regras estabelecidas dentro de um território apoiada em direitos internacionais para a formação de uma empresa Offshore tem reconhecimento internacional para legislar nas regras internacionais dentro de seu território. Prevista em lei e registrada conforme as leis dos países em que foram constituídas têm nascimento de uma pessoa jurídica com personalidade distinta da de seus sócios, apta a praticar todos os atos de direito civil atribuída as pessoas jurídicas (ROSEMBA, 2011). Assim como as empresas dispõe de um contrato social com as regras claras do funcionamento da empresa parametrizado o objeto social, prazo, administração, sede, sócios e outros, da mesma formam uma empresa Offshore deve dispor que todas devem ser registradas no órgão de registro de comércio de seus países. Assim, estando uma empresa constituída em paraísos fiscais como nas Ilhas Virgens Britânica, Bahamas, Panamá entre outras, a utilização de conta corrente para aquisição de imóveis, contratos, máquinas em geral, enfim, pode praticar todos os atos privativos de uma empresa com personalidade jurídica própria não representando, destarte, qualquer ilegalidade inclusive o envio de divisas para empresas em jurisdição Offshore desde que estas passem por meio de envio legal como a TIR, ferramenta para envio de divisas regulamentado pelo BACEN, deixando a empresa capitalizada disposta de toda autonomia legal para investir come lhe convier Leis e regras para Offshore em cada país Os países que prevêem em seu ordenado, através de empresas Offshore, um grande e importante meio de captar investimentos estrangeiros, encontram uma forma legal na constituição de adequar a proteção jurídica as empresa e seus sócios. Portanto cada país possui sua legislação específica na função, quando achar interessante, de criar um melhor meio de promoção para atrair esses investidores. Pinto (2007) comenta que:

21 20 Na esteira dos empresários que iniciaram esse processo, vieram os criminosos ao perceberem que, além de pagar menos impostos, as operações transnacionais realizadas, especialmente, em países com tributação favorecida ofereciam oportunidades maravilhosas para despistar a origem de seus ativos financeiros, o que levou os temas tributários e econômicos internacionais, com enfoque penal, a obter um admirável estímulo em termos de estudos e discussões e, conseqüentemente, fazendo com que as celeumas sobre a fraude fiscal internacional predominem nos debates sobre os novos rumos da fiscalidade internacional [...]. (Pinto, 2007, pág. 190) A criminalidade relativa a paraísos fiscais veio posteriormente, quando se percebeu diminuir a carga tributária sobre um produto transacionando-se operações em países com sistema tributário favorecido, mudando os rumos do fisco internacional. 2.4 APLICAÇÃO OFFSHORE Sociedades Offshore e Sociedade Anônima no Panamá De acordo Morales (2011), as sociedades anônimas no Panamá são entidades regidas pela lei 32 de 26 de fevereiro de 1927 sobre o decreto de lei n 5 de 1997, que oferece benefícios combinados com isenção de impostos, privacidade, responsabilidade limitada e capacidade ter patrimônio e operar a nível global nas transações legais e comerciais. Internacionalmente, as SAFI (sociedade anônima de finanças e investimentos situada em países Offshore.) caracterizam-se pela confiabilidade e se apresenta como uma ferramenta para o planejamento de investimentos em função das vantagens especiais de origem tributária, que o sistema panamenho oferece. Outras vantagens para a plataforma Offshore, conforme descrito pelo MVD Group (2011) é: - Tradição no tratamento respeitoso e preferencial dos capitais estrangeiros. - Liberdade absoluta para a remessa de utilidades, ingresso e egresso de divisas, realização de operações de câmbio e transação de qualquer moeda. - Radicação de entidades intermediárias financeiras de primeiro nível, amparadas por um regime de sigilo bancário, consagrado pela lei. Penteado (2007) aborda que os benefícios financeiros e fiscais de uma sociedade Offshore são:

22 21 a) Regime tributário totalmente isento de impostos e tributos em operações fora das fronteiras donde a sociedade está domiciliada; b) As operações financeiras Offshore são executadas em divisas e/ou moedas fortes exclusivamente (U.S Dólar, Euro); c) Não há necessidade de montar estruturas administrativas ou domicílio legal próprio para a empresa holding Offshore, eficientes escritórios cuidam de todas as exigências administrativas contábeis, jurídicas e governamentais. A sociedade Offshore, dependendo da sua constituição e dos seus objetivos legais, pode executar todas as atividades econômicas, financeiras e operacionais, sempre que os produtos resultantes das operações não são disseminados dentro das fronteiras do país. Os lucros de qualquer operação, que obedecem a essas disposições, não são tributados. As SAFIS podem ser constituídas de modo rápido e simples, com a participação de apenas duas pessoas físicas ou jurídicas como fundadores, não definindo o número mínimo societário, permitindo aos acionistas dispor de suas participações, sob forma de ações ao portador ou normativas registradas, para o caso de aquisição, de acordo a sua eleição. Também não há restrições a nacionalidade, domicilio ou residência dos sócios fundadores, acionistas ou diretores (MVD Group, 2011). Em prazos de até três dias, as SAFIS podem começar a funcionar a partir da subscrição do contrato social (em formação) ou a partir da aquisição do seu capital acionário, as sociedades se considerarão já constituídas e prontas para realizar atividades, deve constar no final de seu nome, Incorporadora, Corporação, Sociedade Anônima, Inc., Corp., S.A. As Offshore podem ser administradas pela assembléia de Acionistas e/ou por uma diretoria podendo estar integrada por um ou mais membros, sendo pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras, com a possibilidade de atuar através de documento de procuração de representação. Os acionistas podem atuar por si mesmo, ou por meio de representantes, para isto, é suficiente uma procuração particular, com firma reconhecida em cartório. As SAFI podem ser controladas por Holdings que significa segurar, manter, controlar, guardar. Não reflete a existência de um tipo de sociedade especificamente considerado na legislação, apenas identifica a sociedade que tem por objeto participar de outras sociedades, isto é, aquela que participa do capital de outras sociedades em níveis suficientes para controlálas.

23 22 Companhia holding é qualquer empresa que mantém ações de outras companhias em quantidade suficiente para controlá-las e emitir certificados próprios. Em sua forma mais pura, a companhia holding não opera partes de sua propriedade, mas direta ou indiretamente controla as políticas operativas e habitualmente patrocina todo o financiamento. Companhia holding é uma sociedade juridicamente independente que tem por finalidade adquirir e manter ações de outras sociedades, juridicamente independentes, com o objetivo de controlá-las, sem com isso praticar atividade comercial ou industrial (WALTER E. LAGERQUIST, apud LOD e LOD, 2004, p. 4-5). Segundo Kronenberg (2003), o papel de uma Holding é o de investir e/ou administrar títulos e valores imobiliários emitidos por outras sociedades juridicamente independentes, na qualidade de controladora ou meramente participante minoritária de seus respectivos capitais sociais. De acordo com Penteado (2007), a sociedade holding Offshore pode ser usada nas: a) Negociações imobiliárias no exterior; b) Proteção patrimonial, em caso de contratos matrimoniais através da constituição de uma Management Corporation ou uma Holding Company ; c) Compra, administração e/ou negociação de pacotes acionários e/ou planejamento fiscal, nas transações de Take Over, fusões e Buy-Outs ; d) Joint Ventures com facilidade de remessa de lucros e outras transações sigilosas; e) Execução de transações ou participação em licitações sem divulgar a identidade dos titulares; f) Negociação ou efetivação de empréstimo no exterior ou execução de contratos de mútuo, contribuições de aumento de capital; g) Atuação no âmbito de importação ou exportação ( Trading ), intermediações, triangulações, CounterTrade ; h) Registro de Marcas e Patentes em nome da Offshore e negociações dessas marcas e patentes com conta de Royalties da própria matriz; i) Utilizar a empresa Offshore como Comissária de importação e exportação no exterior (em caso de Trading Company ) para ter acesso ao financiamento no exterior; j) Compra, venda e administração de títulos, ações, letras do Tesouro e/ou quaisquer outros documentos da dívida pública ou privada inclusive para conversão de títulos da dívida pública em investimentos.

24 23 Isto revela que as possibilidades de atuação de empresas offshore são inúmeras, e as empresas que atuam em plataformas Offshore podem encontrar outros meios de prover recursos através do resultado das operações destas Contribuições a Sociedade Global A alta carga tributária em países subdesenvolvidos acaba por se tornar oneroso e frear o ritmo de crescimento de suas economias inviabilizando novos projetos de investimento de capitais e movimentação deste. Portanto, a preocupação dos países em aperfeiçoar suas estruturas tributárias é um legado impulsionado também pelas sociedades Offshore, que em sua maioria é conhecida pela capacidade de investimento. Outra importante situação é que com o crescimento da Sociedade Offshore e seu desenvolvimento, empresas que antes trabalhavam sobre essas plataformas de forma ilegal, passaram a ter maior controle e seguir regras estabelecidas (MVD Group, 2011). Portanto, não se deve pensar que as empresas em plataformas Offshore são empresas de caráter ilegal, mas sim, empresas que se desenvolvem através de recursos legais na gestão tributária. 2.5 FLUXO DE INFORMAÇÕES A informação é um recurso indispensável nas instituições, vem consolidando cada vez mais sua importância na economia global estando presente ao longo de todo o processo, seja ela do seguimento produtivo ou empresarial. Segundo Bär (1995), a informação apresenta-se como um produto do processamento de dados, resultantes dos fatos do cotidiano da organização procurando viabilizar os sistemas produtivos e gerenciais para os quais é insumo indispensável. Normalmente, esta informação apresenta-se sob a forma de fluxos contínuos gerados do desenvolvimento das atividades das organizações, onde deter o conhecimento do fluxo de informação gera oportunidades relacionadas ao controle e melhorias do processo.

25 24 3 METODOLOGIA A pesquisa adotará o método da investigação bibliográfica, com a leitura de obras relacionadas aos temas centrais e assuntos correlacionados para oferecer suporte no entendimento, análise dos critérios e dados a conquistar. Rodrigues (2011) define metodologia como: um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição objetiva do conhecimento, de uma maneira sistemática. A metodologia adotada neste trabalho se caracterizará inicialmente por uma pesquisa exploratória, cuja finalidade é reunir informações gerais do tema apresentado. Não se pretende resolver problemas, mas sim esclarecer do que se trata, bem como suas aplicações. Será oportuna para obtenção de informações que possibilitem gerar suporte à pesquisa e reconhecimento destinado à aproximar-se do que não é devidamente conhecido. Utilizará o método da pesquisa de campo em uma empresa do ramo de Comércio Exterior, mantendo-se sigilo de sua identidade. A pesquisa adotará técnicas de observação e entrevista não estruturada, pois esta última foi feita em momento oportuno, tratando de assunto confidencial e ao mesmo tempo delicado, visto que empresas Offshore não é bem difundido no Brasil, por serem consideradas erroneamente como estruturas ilegais. A falta de publicações que evidenciam as práticas adotas pelas empresas exige de uma pesquisa hipotético-dedutiva, onde se utilizará de raciocínio dedutivo, ou seja, de análise geral para o específico, para explicar o conteúdo das premissas formuladas e então obter uma conclusão de caráter explicativo (GURGACZ e NASCIMENTO, 2007 p. 38). Será elaborado um estudo comparativo entre empresa Comercial Importadora e Exportadora Offshore e Empresa Importadora e Distribuidora para análise comparativa para reforçar a estrutura e ajudar na conclusão do trabalho. As informações obtidas serão analisadas de maneira criteriosa sobre a aplicação da metodologia, tendo como base a pesquisa realizada, buscando ter conclusões coerentes com os resultados encontrados no mercado.

26 25 4 RESULTADOS DA PESQUISA: APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS 4.1 POR QUE O PANAMÁ? O Panamá é um país da América Central Continental, limitado a norte pelo Mar das Caraíbas, a leste pela Colômbia, a sul pelo Oceano Pacífico e a oeste pela Costa Rica. Sua capital é a cidade do Panamá. Situa-se no ponto mais estreito da parte continental da América Central, no istmo que se estende até a América do Sul. É dividido ao meio pelo canal do Panamá, que liga o oceano Atlântico e o oceano Pacífico. A cada ano, cerca de 14 mil embarcações (5% do comércio marítimo mundial) cruzam os 82 quilômetros do canal que passou do controle dos Estados Unidos (EUA) para o Panamá em A população do país é formada por uma maioria de mestiços de índios e europeus. O setor econômico mais importante é o de serviços, que abrange as atividades financeiras e as rendas obtidas com a zona de livre-comércio de Colón, a exploração do canal e o registro de navios mercantes. (FREEWAY, 2011) O Uruguai, até dezembro de 2010 trabalhava com benefício Offshore, sua posição geográfica fazia do Uruguai o maior captador de empresas Offshore da América latina As empresas constituídas sobre plataforma Offshore no Uruguai não tributavam imposto de importação e exportação, o único tributo era de 0,3% do patrimônio líquido. Pelas fortes pressões do MERCOSUL passou a adotar medidas que deixou de ser chamado de paraíso fiscal, a partir de dezembro de 2010, as empresas Offshore tiveram que se estabelecer como uma S.A. normal tendo que ter em regra um uruguaio com salário base de no mínimo USD 800,00 contribuindo com os encargos trabalhista além de criar tributações de 3% do patrimônio líquido da empresa somando 0,25% deste montante. A Secretaria da Receita Federal por meio da Instrução Normativa SRF nº 188, de 06 de agosto de 2002 (D.O.U. de ) relacionou países ou dependências com tributação favorecida ou que oponham sigilo relativo à composição societária de pessoas jurídicas. Nesta lista constam mais de 50 países. E o grande excluído é o Uruguai. (Receita Federal, 2011) A partir deste momento o Panamá aparece como a maior Plataforma Offshore na América, sendo ainda mais agressiva oferecendo aos investidores 100% de isenção fiscal, entretanto geograficamente não tão acessível quanto o Uruguai.

27 26 Outros benefícios que de fato que se pratica no Panamá é o segredo e sigilo bancário, de igual modo ao segredo profissional. Não existem impostos pessoais aos lucros ou renda obtidas pelas pessoas físicas assim como também não existe imposto sobre herança. O pagamento de dividendos aos seus acionistas assim como o pagamento de benefícios financeiros aos seus credores (tanto locais como internacionais) não estão sujeitos a retenção na fonte. Rapidez na constituição da sociedade para a sua imediata utilização. A demora máxima poderia ser de uma semana (MVD Group, 2011). Todavia, o uso deste recurso, precisa ser desmistificado e talvez servir como ferramenta de planejamento fiscal para não só os abonados ou beneficiados de informações apadrinhadas. 4.2 FUNCIONAMENTO DESTA FERRAMENTA Com a intenção de maximizar os recursos da empresas, diversas medidas administrativas, empresas de pequeno e médio porte se atém exclusivamente a parte produtiva, criando várias ferramentas para maximizar seus lucros diminuindo setup, encontrando e resolvendo problemas de gargalo de produção, estudando layout de fabricação e processo, certamente todas essas ferramentas são úteis e alcança resultados significativos a corporação. Uma ferramenta que pode correr em paralelo, e que foge do sistema comum ao Brasileiro, é a utilização de Offshore como uma ferramenta no planejamento tributário principalmente para as empresas de caráter comercial. Para visualizar o que relaciona uma empresa Offshore, a Figura 1 aponta os principais processos entre uma empresa comercial transacional Offshore. Esta Tabela apresenta de forma objetiva um resumo do processo de importação e exportação de uma empresa Offshore no Panamá atuando com as vendas no Brasil e importando os produtos da China em um processo de Triangulação.

28 27 Figura 1 - Processo de Triangulação pela Offshore Fonte: Primária O caminho 1 está relacionado ao fechamento de pedido à Offshore onde a proposta comercial foi aceita e o pagamento foi realizando de acordo com as condições da proposta ou Proforma Invoice (PI - termo dado ao documento comercial que tem validade ao fechamento de cambio conforme BACEN), considerando também que houve a utilização de fechamento de cambio junto a uma instituição financeira que possibilita tal operação. No caminho 2 em seqüência, a Offshore emite pedido contra o fornecedor que retorna com a Proforma Invoice para o fechamento de cambio, a empresa Offshore envia também as informações necessárias para que o fornecedor programe o embarque e providencie os documentos para o agente logístico, que como o exemplo foi colocado a incoterm FOB (Free On Board), onde a transferência do produto do porto de origem ao porto do destino é responsabilidade da Offshore ou do cliente, dependendo das capacidades de cada um. No caminho 3, após ter recebido o dinheiro em conta corrente, ou documento que comprove o pagamento chamado de Bank Swift, o fornecedor procede conforme a proposta comercial e contrata um agente logístico para transferir a carga até o porto, providencia os documentos em nome da Offshore e com o destino final Brasil. Após a conferência documental da CI (Comercial Invoice) e PL (Packing List) pela Offshore, ambos os documentos são necessários para apresentar a Aduana. A Offshore providencia novos documentos para envio ao cliente final. Esta 4ª etapa refere-se ao final do caminho documental, emitida da Offshore no Panamá, com destino ao cliente final no Brasil, este documento que servirá de base para cálculo da entrada do produto no País. É neste ponto onde a empresa Offshore registra seu lucro, a Offshore recebe a nota do fornecedor e emite uma nova nota registrando o valor de venda da mercadoria com um novo

29 28 preço. Os documentos enviados pela Offshore devem chegar às mãos do cliente final antes da carga atracar no porto, pois o produto só será nacionalizado com os documentos originais. O caminho 5 trata do agente logístico direcionando a mercadoria diretamente ao Cliente final. Em regra, a diferença paga pelo importador a Offshore e pela Offshore ao fornecedor gera um montante, o lucro da operação, este lucro é livre de tributação. FLUXO DE INFORMAÇÃO ENTRE O CLIENTE FINAL, A EMPRESA OFFSHORE, O FORNECEDOR E AGENTE LOGÍSTICO. Cliente Final Off Shore Fornecedor Agente Logístico Recebe proposta comercial Proposta aceita? Sim Providenvia pagamento conforme termos da proposta Envia confirmação do pedido. Não Negocia Valores Início Envia proposta comercial ao cliente. Recebe confirmação do aceite da proposta Envia pedido ao Forncedor Fornecedor recebe pedido de compra Envia proposta comercial a Offshore Recebe confirmação do aceite da proposta Solicita coleta ao Agente Logistico 1 Recebe solicitação da Offshore Agenda coleta com o exportador Recebe Pedido de Coleta Coleta material Recebe documentos 2 Recebe Proposta. Envia documentos A Offshore Direciona a Carga ao Especificado ao Cliente Final Nacionaliza os Produtos Providencia pagamento conforme termos da proposta 2 Coleta material no Porto Contrata Agente Logistico e Envia informações do Fornecedor 1 Emite entrada do pedido no estoque. Recebe documentos do Fornecedor FIM Elabora novos Documentos ao Cliente Final Emite os documentos ao Cliente final Figura 2 Fluxo de informação entre o cliente final, empresa Offshore, fornecedor e agente logístico Fonte: Primária

30 29 A Figura 2 apresenta o fluxo de informação entre a empresa Offshore, o cliente final, o fornecedor e o agente logístico. É um complemento do exposto na Figura 1, porém, revela as principais atividades de relacionamento no processo. A figura 3 mostra o caminho das transações internacionais diretamente entre o País onde será nacionalizado o produto e o fornecedor, exemplificado pelo Brasil e China respectivamente. Figura 3 - Caminho transações internacionais Fonte: Primária A seta 1 relaciona o contato comercial entre o importador e o exportador, o pagamento da Proforma Invoice sobre as condições da proposta comercial e na contratação do agente logístico internacional, considerando que o valor passado pelo fornecedor contempla até o porto de origem. A seta 2 está no envio de documentos e do produto diretamente ao importador. Para este exemplo, é a importadora será também a distribuidora do produto, portanto o custo final aparece para o cliente da distribuidora no mercado nacional, neste caso o Brasil, ainda haverá que incidir os valores para revenda e os encargos tributários do produto e é neste processo de revenda que fica o lucro da operação. Da mesma forma, a Figura 4 apresenta a relação do importador, cliente final, fornecedor e agente logístico, revelando em que etapa o cliente recebe os produtos.

31 30 Figura 4 - Fluxo de informação entre o cliente final, comercial importadora, fornecedor e agente logístico Fonte: Primária

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Quem somos? Nossa Missão:

Quem somos? Nossa Missão: Bem Vindos! Quem somos? A GEPC Consultoria Tributária é uma empresa especializada em consultoria para Farmácias e Drogarias com mais de 6 anos de mercado neste seguimento. Apoiando e atualizando nossos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transfer Pricing Custo de Importação PRL

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transfer Pricing Custo de Importação PRL Transfer Pricing Custo de Importação PRL 29/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Preços de Transferência na Importação...

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR Robson Zanetti Advogados 1 1. Origem legal da holding no Brasil Lei nº. 6.404 (Lei das S/A s). No Brasil as holdings surgiram

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de bens e serviços 1. Investimento Direto Estrangeiro Constituição de

Leia mais

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento;

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento; RESOLUCAO 3.844 --------------- Dispõe sobre o capital estrangeiro no País e seu registro no Banco Central do Brasil, e dá outras providências. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

O que é o NETI? Núcleo de estudos e pesquisas; Identificar alternativas que possibilitem agir dentro de parâmetros justos;

O que é o NETI? Núcleo de estudos e pesquisas; Identificar alternativas que possibilitem agir dentro de parâmetros justos; O que é o NETI? Núcleo de estudos e pesquisas; Identificar alternativas que possibilitem agir dentro de parâmetros justos; Profissionais ligados às atividades empresariais e contribuintes em geral. O que

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA SUMÁRIO Primeira Parte - Como Registrar sua Empresa Segunda Parte - O Novo Estatuto da Micro e Pequena Empresa PRIMEIRA PARTE COMO REGISTRAR SUA EMPRESA

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS DE IMPORTAÇÃO 1º Passo - Habilitação Legal A inscrição no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior constitui condição preliminar

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos paranaenses 21/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1 Apresentação Prefácio à 11ª edição Prefácio à 10ª edição Prefácio à 9ª edição Prefácio à 8ª edição Prefácio à 7ª edição Prefácio à 6ª edição Nota à 5ª edição Prefácio Planejamento tributário como técnica

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

Entendendo a Utilização do PRL no cálculo do Preço de Transferência na Importação

Entendendo a Utilização do PRL no cálculo do Preço de Transferência na Importação Entendendo a Utilização do PRL no cálculo do Preço de Transferência na Importação AUTORAS LUCIANA GAVAZZI BARRAGAN Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado lbarragan@fecap.br ÉVELIN RODRIGUES PEREIRA

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 1.1 - Aspectos Introdutórios 1.1.1 - Objetivos Básicos Tais operações tratam de modalidades de reorganização de sociedades, previstas em lei, que permitem às empresas,

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

CAPITALIZATION RULES NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

CAPITALIZATION RULES NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A ADOÇÃO DAS THIN CAPITALIZATION RULES NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO As novas regras tiveram aplicação imediata, a partir de 1º de janeiro de 2010 em relação ao IRPJ, mas no caso da CSLL somente passaram

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Preço de Transferência método dos preços independentes comparados (PIC).

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Preço de Transferência método dos preços independentes comparados (PIC). Preço de Transferência método dos preços independentes comparados (PIC). 28/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991;

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991; CIRCULAR Nº 3249 Divulga o Regulamento sobre Frete Internacional, e dá outras providências. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, com base nos artigos 9º e 11 da Lei 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

DOS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DAS OPERAÇÕES MERCANTIS INTERNACIONAIS

DOS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DAS OPERAÇÕES MERCANTIS INTERNACIONAIS DOS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DAS OPERAÇÕES MERCANTIS INTERNACIONAIS PAULO CESAR PIMENTEL RAFFAELLI Data conclusão: 19/06/2006 SUMÁRIO: 1. Resumo - 2. Introdução 3. Do Imposto de Importação I.I. 4. Do Imposto

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 Medida Provisória nº 627/13 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - Tributação em Bases Universais Com o advento da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, teve

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados

Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados Introdução Contexto Brasileiro AquisiçãoA i i ã de Produto Direta / Trading Importação por Conta e Ordem Globalização

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 351 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 12 de novembro de 1975,

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Importação- Regras Gerais

Importação- Regras Gerais Importação- Regras Gerais 1 Conceito de Importação Podemos definir a operação de importação como um processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem (produto/serviço) do exterior para o país de

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015. IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais

COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015. IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015 IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais A Instrução Normativa nº. 1.585 de 2.9.2015 ( IN 1.585/15 ) regulamentou a tributação no Mercado Financeiro

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I Lei do Audiovisual I - FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Criado pela Lei 8.685, de 20.07.93 Regulamentação através do Decreto nº 974, de 08.11.93 Limite para Pessoa Jurídica deduzir do Imposto de Renda alterado de 1%

Leia mais

MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS. pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84

MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS. pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84 MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84 NOVO TRATAMENTO DO ÁGIO/DESÁGIO ARTIGO 20 O CONTRIBUINTE QUE AVALIAR INVESTIMENTO PELO VALOR DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO DEVERÁ,

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE Profa. Lérida Malagueta Unidade IV SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Importação Importar consiste em uma operação de compra de produtos no mercado exterior e sua respectiva entrada em um país Necessidade

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO Ulhôa Canto, Rezende e Guerra Advogados Seminário Jurídico-Fiscal da Quinta Rodada de Licitações C&V Exportação Ficta COMPRADOR US$ US$ Contrato de Arrendamento / Afretamento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA PROFISSIONAL: CONTADOR NR DO CRC: CRC-DF Nº 2.864 ENDEREÇO

Leia mais

ANTEPROJETO DE LEI. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I

ANTEPROJETO DE LEI. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I ANTEPROJETO DE LEI Dispõe sobre Medidas de Incentivo Fiscal à Pesquisa, ao Desenvolvimento Tecnológico e à Inovação. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística

Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística Graduado em Administração de Empresas com habilitação em Comércio Exterior pela Universidade Paulista em 2000. Concluiu os cursos de pós-graduação

Leia mais

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LUCRO PRESUMIDO (COM RESTRIÇÕES) LUCRO REAL SIMPLES NACIONAL (COM RESTRIÇÕES) LEI nº 9.716/98 Artigo 5º As pessoas jurídicas que tenham como objeto

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS Prof.: Leonardo Ribeiro 1 Siscomex O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, é um instrumento

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Aspectos Tributários

Aspectos Tributários Aspectos Tributários Principais Tributos IMPOSTOS Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre serviços de qualquer natureza

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO EM SOCIEDADES DE PROPÓSITO ESPECÍFICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA VENDA DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS

Leia mais

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ!

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! ZM TRADE A ZM pensou nisso para você, e agora pode lhe oferecer os serviços da ZM TRADE. Qualidade, preço

Leia mais

Setembro 2014. Aspectos pragmáticos das importações indiretas

Setembro 2014. Aspectos pragmáticos das importações indiretas Setembro 2014 Aspectos pragmáticos das importações indiretas Agenda 1. Contexto 2. Modalidades de Importação 3. Real adquirente x Real importador 4. Conclusão PwC 2 PwC Contexto 1. Contexto Responsável

Leia mais

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DO PIS/PASEP MEDIANTE ALÍQUOTA DE 1% (UM POR CENTO) INCIDENTE SOBRE A FOLHA DE SALÁRIO

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior. DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior. 18/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Conceito...

Leia mais

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas Tributação em bases universais: pessoas jurídicas A MP 627, na linha adotada pelo STF na ADI 2.588, previu a tributação automática no Brasil somente dos lucros auferidos no exterior por controladas ou

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

Falta integrar as leis do Mercosul

Falta integrar as leis do Mercosul Publicado em: Gazeta Mercantil, no dia 04-06-1998, pág. 1 e A8 Autores: Marta Watanabe, Juiiano Basile e Adriana Aguilar Falta integrar as leis do Mercosul Apesar do crescimento de 300% em quatro anos

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m.

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. b r Fundado em 1997, FreitasLeite possui grande experiência

Leia mais