TOXICOLOGIA FORENSE 29/10/2007

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TOXICOLOGIA FORENSE 29/10/2007"

Transcrição

1 TOXICOLOGIA FORENSE 29/10/2007

2 TOXICOLOGIA RAMOS DE ESTUDO Toxicologia Experimental Toxicidade - Prevenção Toxicologia Analítica Toxicante - Diagnóstico químico Toxicologia Clínica Intoxicação - Tratamento médicom

3 TOXICOLOGIA Social Alimentos ÁREAS DE APLICAÇÃO Ambiental Medicamentos Ocupacional

4 TOXICOLOGIA Genética Regulatória ASPECTOS Forense Etc

5 TOXICOLOGIA FORENSE Termo relacionado a qualquer aplicação da ciência ou estudo dos toxicantes com a finalidade de elucidar procedimentos legais ou judiciais. Busca estabelecer uma relação causa-efeito entre a presença de uma substância no organismo e alterações detectadas no mesmo, com finalidade legal.

6 CRIMINALÍSTICA Ciência destinada à observação, interpretação e descrição dos elementos sensíveis (vestígios), encontrados no local dos fatos, no instrumento utilizado ou no corpo da pessoa viva ou morta com o objetivo de vincular pessoas às circunstâncias e ao evento de provável ou evidente interesse judiciário.

7 CIÊNCIAS FORENSES Heptâmetro de Quintiliano: - O quê? - Quem? - Quando? - Por que? - Como? - Onde? - Com que meios?

8 INVESTIGAÇÃO TOXICOLÓGICA Obtenção do histórico e de amostras adequadas Análises toxicológicas Interpretação dos resultados

9 ANÁLISES TOXICOLÓGICAS - Para quê? - O quê? - Onde? - Como? Para quê?...com a finalidade de elucidar procedimentos legais ou judiciais.

10 ANÁLISES TOXICOLÓGICAS O quê? Qual será o analíto to? - o precursor? - um produto de biotransformação? - um parâmetro bioquímico?

11 O QUÊ? TOXICANTE Toxicocinética & toxicodinâmica Absorção Distribuição Biotransformação Armazenamento Excreção Ação no organismo (sinais e sintomas)

12 EXEMPLO COCAÍNA Via de introdução no organismo Respiratória ria (fumo) e intravenosa Efeitos intensos em minutos e curta duração (30 min) Pico plasmático 1 a 2 minutos Aspiração intranasal Teores plasmáticos menores e manutenção do efeito por período de tempo maior que as vias respiratória ria e intravenosa - Pico plasmático - 30 minutos Oral 30 minutos iniciais - sem detecção plasmática - Pico plasmático em 90 minutos efeitos mais prolongados que as demais vias

13 EXEMPLO COCAÍNA Principais vias de biotransformação

14 EXEMPLO COCAÍNA Eliminação da cocaína no organismo DRUMMER & GEROSTAMOULOS, Ther. Drug. Monit., v. 24, 2002

15 EXEMPLO OPIÁCEOS Vias de biotransformação codeína N.CH 3 H H heroína N.CH 3 H H H 3 C O O OH CH 3.CO.O O O.CO.CH 3 N.CH 3 H H 6-acetil morfina morfina HO O O.CO.CH 3 N.CH 3 N.CH 3 H H H H HO O OH ácido glicurônico O O OH morfina conjugada

16 EXEMPLO ALDICARB (chumbinho) Produtos de biotransformação

17 Coleta: - Como? - O quê? - Quanto? ONDE? AMOSTRAS Cadeia de custódia

18 ONDE? AMOSTRAS Seleção e coleta apropriada da amostra Acondicionamento das amostras Cadeia de custódia - documentação adequada. Correlacionar o material biológico à vítima ou indiciado

19 ONDE? AMOSTRAS MATERIAL Cérebro Fígado Sangue Humor vítreov Bile Urina Conteúdo gástrico QUANTIDADE 100g 100g 50mL (cora( coração) 10mL (perif( periférico) Toda quantidade disponível Toda quantidade disponível Toda quantidade disponível Toda quantidade disponível

20 Humor vítreov

21 Cuidados na coleta Coleta sob observação Frasco e lacres fornecidos pelo laboratório Avaliação de autenticidade e integridade: densidade/creatinina temperatura: 32 a 38 o C ph: 4,6 a 8,0 coloração, cor Cadeia de custódia Método de análise Triagem: IE - sensibilidade Confirmação: CG/EM - especificidade Valores de corte Controle de qualidade Avaliação dos resultados

22 Principais parâmetros utilizados na verificação de adulteração de urina

23 Desafios dos Labs Toxicologia Analítica Complexidade da matriz sangue total plasma soro vísceras Álcool etílico Maconha Cocaína Anfetaminas Outros Substâncias Testadas Clínica MédicaM

24 COMO? TÉCNICAS DESTILAÇÃO MICRODIFUSÃO ESPECTROSCOPIA CROMATOGRAFIA IMUNOENSAIO

25 INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS A substância está presente? Que substância? Quanto desta substância está presente? Essa concentração no organismo é suficiente para causar a morte? Como a substância foi administrada?

26 PERITO CRIMINAL TOXICOLOGISTA EMITIR RESULTADO DA ANÁLISE TOXICOLÓGICA PARECER TOXICOLÓGICO TESTEMUNHAR

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA Profa. Verônica Rodrigues FARMACÊUTICA INDUSTRIAL - UFRJ MESTRE EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS - UFRJ EX-DOCENTE - UNIPLI EX-PERITA LEGISTA - TOXICOLOGISTA - PCERJ PESQUISADORA EM

Leia mais

11/7/2013 ANÁLISES FORENSES MATERIAS DE ANÁLISE: TOXICOLOGIA FORENSE (PROPOSIÇÕES LEGAIS)

11/7/2013 ANÁLISES FORENSES MATERIAS DE ANÁLISE: TOXICOLOGIA FORENSE (PROPOSIÇÕES LEGAIS) (PROPOSIÇÕES LEGAIS) ANÁLISES FORENSES Profa. Dra. Isarita Martins APLICAÇÃO DA CIÊNCIA DOS TOXICANTES CUJO OBJETIVO SEJA A ELUCIDAÇÃO DE UMA INVESTIGAÇÃO CRIMICAL ASPECTO FORENSE DAS ANÁLISES TOXICOLÓGICAS

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA Conceitos básicos TOXICOLOGIA: Agente tóxico Organismo vivo efeito nocivo 1 Transdisciplinaridade Patologia Saúde Pública Química Física Estatística TOXICOLOGIA Farmacologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Secretário de Estado da Justiça

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Secretário de Estado da Justiça MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Secretário de Estado da Justiça Despacho n.º 11 055/98 (2.ª série) - A Portaria n.º 94/96, de 26 de Março, estabelece a regulamentação dos Procedimentos de diagnóstico

Leia mais

TOXICOLOGIA 2ª. Aula

TOXICOLOGIA 2ª. Aula Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo Curso de Especialização em Medicina do Trabalho TOXICOLOGIA 2ª. Aula Prof. MSc. Fabriciano Pinheiro fabriciano@intertox.com.br 19/06/2012 I EXPOSIÇÃO II

Leia mais

Portaria MTPS Nº 116 DE 13/11/2015

Portaria MTPS Nº 116 DE 13/11/2015 Portaria MTPS Nº 116 DE 13/11/2015 Publicado no DO em 16 nov 2015 Regulamenta a realização dos exames toxicológicos previstos nos 6º e 7º do Art. 168 da CLT. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

SEMINÁRIO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TOXICOLOGIA FORENSE: DA SUSPEITA À INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

SEMINÁRIO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TOXICOLOGIA FORENSE: DA SUSPEITA À INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS SEMINÁRIO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TOXICOLOGIA FORENSE: DA SUSPEITA À INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS 27 e 28 outubro 2017 Organização Instituto Universitário de Ciências da Saúde Sala 2206 Rua Central de Gandra,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso:FARMÁCIA Disciplina:Toxicologia Professor(es): Maria de Fatima M. Pedrozo Núcleo Temático: Análises Clínicas DRT: 113037-5 Código da

Leia mais

Arsênio e os efeitos à saúde humana

Arsênio e os efeitos à saúde humana Arsênio e os efeitos à saúde humana Eduardo M. De Capitani Centro de Controle de Intoxicações FCM HC UNICAMP Agente tóxico Organismo vivo DOSE EFEITO TÓXICO 1- FASE de EXPOSIÇÃO Vias de ABSORÇÃO / dose

Leia mais

PLANO DE CURSO. - O aluno deverá compreender os métodos para detecção de carcinógenos ambientais;

PLANO DE CURSO. - O aluno deverá compreender os métodos para detecção de carcinógenos ambientais; PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Biomedicina Disciplina: Toxicologia Professor: Talita Merieli Silva de Melo e-mail: talita.merieli@gmail.com Código: Carga Horária: 80 Créditos:

Leia mais

DRT: Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática

DRT: Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática Unidade Universitária: :CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso:FARMACIA Disciplina:TOXICOLOGIA Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática Ementa: DRT: 113037-5

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br Pharmakon FARMACOLOGIA Logos Ciência que estuda a ação dos compostos biologicamente ativos no organismos e areação do organismo a estes

Leia mais

CURSO: Bioquímica INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia e análises Toxicológicas EMENTA

CURSO: Bioquímica INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia e análises Toxicológicas EMENTA Turno: Integral Currículo 2010 CURSO: Bioquímica INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Toxicologia e análises Toxicológicas Departamento Bioquímica Período Teórica 54 Carga Horária Prática 36 Total 90

Leia mais

RENACIAT. Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica. Coordenação: ANVISA (Gerência Geral de Toxicologia)

RENACIAT. Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica. Coordenação: ANVISA (Gerência Geral de Toxicologia) RENACIAT Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica Coordenação: ANVISA (Gerência Geral de Toxicologia) Fundação Oswaldo Cruz (SINITOX) Disque Intoxicação 0800-722-6001 RENACIAT

Leia mais

EXAMES TOXICOLÓGICOS EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS

EXAMES TOXICOLÓGICOS EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS EXAMES TOXICOLÓGICOS EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS Ramon Cavalcanti Ceschim Médico do Trabalho e Médico de Tráfego Médico do Trabalho da Secretaria de Estado da Saúde Membro da Junta Médica de Recursos do

Leia mais

Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas. Prof. Dr. Fábio Kummrow

Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas. Prof. Dr. Fábio Kummrow Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas Prof. Dr. Fábio Kummrow fkummrow@unifesp.br 20/01/2017 Definição de área contaminada (CETESB): Uma área contaminada pode ser definida como uma

Leia mais

CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia EMENTA

CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia EMENTA Turno: Integral Currículo 2014 CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Toxicologia Departamento Farmácia Período 7º Teórica 54 Carga Horária Prática Total 54 Código CONTAC FA053 Tipo Habilitação

Leia mais

Exercícios Parte I Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues

Exercícios Parte I Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues Exercícios Parte I 11.02.2012 Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues Questão Prova Perito Polícia Civil 1-( ) No âmbito forense, muitas vezes a verdadeira versão de um crime só pode ser descoberta

Leia mais

Tem a finalidade de tornar a droga que foi. mais solúveis para que assim possam ser. facilmente eliminadas pelos rins. BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS

Tem a finalidade de tornar a droga que foi. mais solúveis para que assim possam ser. facilmente eliminadas pelos rins. BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS 1 Tem a finalidade de tornar a droga que foi absorvida e distribuída em substâncias mais solúveis para que assim possam ser BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS facilmente eliminadas pelos rins. Se não houvesse

Leia mais

Ensaios de Bioequivalência Etapa Analítica

Ensaios de Bioequivalência Etapa Analítica Ensaios de Bioequivalência Etapa Analítica método analítico validado Técnicas de quantificação de fármacos em amostras biológicas: cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE, HPLC high performance

Leia mais

CURSO: BIOQUÍMICA INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia e Análises Toxicológicas EMENTA

CURSO: BIOQUÍMICA INFORMAÇÕES BÁSICAS. Toxicologia e Análises Toxicológicas EMENTA Turno: Integral Currículo 2010 CURSO: BIOQUÍMICA INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Toxicologia e Análises Toxicológicas Departamento Bioquímica Período ----- Teórica 54 Carga Horária Prática 36 Total

Leia mais

MERCÚRIO. José Roberto Teixeira. Outubro/2007. PÓLO SAÚDE, Assessoria e Consultoria em Saúde Ocupacional

MERCÚRIO. José Roberto Teixeira. Outubro/2007. PÓLO SAÚDE, Assessoria e Consultoria em Saúde Ocupacional MERCÚRIO José Roberto Teixeira Outubro/2007 PÓLO SAÚDE, Assessoria e Consultoria em Saúde Ocupacional Toxicologia Todas as substâncias são venenos. A dose correta diferencia o veneno de um remédio. Paracelsus

Leia mais

INFORME GERENCIAL DA GESTÃO DE NORMAS Normas Regulamentadoras NR do MTE. PERÍODO: Setembro / Outubro de 2015

INFORME GERENCIAL DA GESTÃO DE NORMAS Normas Regulamentadoras NR do MTE. PERÍODO: Setembro / Outubro de 2015 INFORME GERENCIAL DA GESTÃO DE NORMAS Normas Regulamentadoras NR do MTE. PERÍODO: Setembro / Outubro de 2015 OBJETIVO: Acompanhamento informativo sobre a evolução das discussões e revisões relativas às

Leia mais

Célia Fagundes da Cruz

Célia Fagundes da Cruz LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR Célia Fagundes da Cruz Julho/2012 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SVS LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR LACEN/PR: 117 anos

Leia mais

O aporte da Toxicologia na avaliação das doenças causadas por situações de risco presentes no ambiente de trabalho. Raphael Mendonça Guimarães

O aporte da Toxicologia na avaliação das doenças causadas por situações de risco presentes no ambiente de trabalho. Raphael Mendonça Guimarães O aporte da Toxicologia na avaliação das doenças causadas por situações de risco presentes no ambiente de trabalho Raphael Mendonça Guimarães Saúde do Trabalhador (Brasil, 2001a) Campo de atuação que visa

Leia mais

Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração

Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração DROGA ORGANISMO Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração FARMACOCINÉTICA Absorção Distribuição Biotransformação Eliminação FARMACODINÂMICA Local de ação Mecanismo

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISES TOXICOLÓGICAS DE CANNABIS SATIVA E COCAÍNA NA ÁREA DE PERÍCIA CRIMINAL

TÍTULO: ANÁLISES TOXICOLÓGICAS DE CANNABIS SATIVA E COCAÍNA NA ÁREA DE PERÍCIA CRIMINAL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISES TOXICOLÓGICAS DE CANNABIS SATIVA E COCAÍNA NA ÁREA DE PERÍCIA CRIMINAL CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO LIMITE DE DETECÇÃO DE FÁRMACOS PELAS TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO LÍQUIDO LÍQUIDO E DE IDENTIFICAÇÃO POR CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO LIMITE DE DETECÇÃO DE FÁRMACOS PELAS TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO LÍQUIDO LÍQUIDO E DE IDENTIFICAÇÃO POR CROMATOGRAFIA EM CAMADA DELGADA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DO LIMITE DE DETECÇÃO DE FÁRMACOS PELAS TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO LÍQUIDO LÍQUIDO E DE

Leia mais

Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal

Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal Interpretação de Exames Laboratoriais Aplicados à Nutrição Clínica Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal Prof. Marina Prigol Investigação da função renal Funções do rim: Regulação do

Leia mais

Exposição ocupacional aos solventes: Indicadores Biológicos de Exposição

Exposição ocupacional aos solventes: Indicadores Biológicos de Exposição xposição ocupacional aos solventes: Indicadores Biológicos de xposição Profa. dna Maria Alvarez Leite Faculdade de Farmácia da UFMG Biomarcadores ou Indicadores Biológicos Lato sensu: qualquer parâmetro

Leia mais

Faça um excelente negócio. Traga o seu laboratório para a Rede LABET.

Faça um excelente negócio. Traga o seu laboratório para a Rede LABET. Faça um excelente negócio. Traga o seu laboratório para a Rede LABET. Por que escolher a LABET? Muito simples! Temos o melhor preço, a maior demanda do mercado e o mais moderno laboratório de toxicologia.

Leia mais

AGENTES QUÍMICOS E A SAÚDE DO TRABALHADOR

AGENTES QUÍMICOS E A SAÚDE DO TRABALHADOR A CONSTITUIÇÃO E A SAÚDE DO TRABALHADOR NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) AGENTES QUÍMICOS E A SAÚDE DO TRABALHADOR O TEXTO DA CARTA MAGNA, EM SEU ARTIGO 198, AFIRMA QUE...AS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE INTEGRAM

Leia mais

EXAMES TOXICOLÓGICOS em MOTORISTAS PROFISSIONAIS. 1ª Reunião Cientifica da APAMT. ANTHONY WONG DIRETOR MEDICO MAXILABOR Diagnosticos

EXAMES TOXICOLÓGICOS em MOTORISTAS PROFISSIONAIS. 1ª Reunião Cientifica da APAMT. ANTHONY WONG DIRETOR MEDICO MAXILABOR Diagnosticos EXAMES TOXICOLÓGICOS em MOTORISTAS PROFISSIONAIS 1ª Reunião Cientifica da APAMT ANTHONY WONG DIRETOR MEDICO MAXILABOR Diagnosticos Em 1986, conferência, conjuntamente com a sociedade e outros órgãos importantes,

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto Departamento de Química. Química Forense

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto Departamento de Química. Química Forense Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto Departamento de Química Química Forense Prof. Dr. Marcelo Firmino de Oliveira QUÍMICA FORENSE Aplicação da química

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1 Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira INTRODUÇÃO É uma das maiores responsabilidades atribuídas ao profissional de enfermagem. Qualquer erro,

Leia mais

Detecção de proteínas. Proteínas são heteropolímeros de aminoácidos unidos por ligações peptídicas

Detecção de proteínas. Proteínas são heteropolímeros de aminoácidos unidos por ligações peptídicas Detecção de proteínas Proteínas são heteropolímeros de aminoácidos unidos por ligações peptídicas A detecção e quantificação de uma proteína através de espectrofotometria se baseia nas propriedades de

Leia mais

Voluntárias - Homicídios (ex.: arsénio) - Suicídios (ex.: monóxido de carbono) - Alcoolismo - Toxicodependência (ex.

Voluntárias - Homicídios (ex.: arsénio) - Suicídios (ex.: monóxido de carbono) - Alcoolismo - Toxicodependência (ex. Ao longo dos trabalhos a realizar nas aulas práticas desta disciplina, efectuar-se-ão uma série de análises que pretendem ilustrar a grande variedade de métodos utilizados em toxicologia analítica, bem

Leia mais

Procedimentos Analíticos. Profa. Verônica Rodrigues

Procedimentos Analíticos. Profa. Verônica Rodrigues Procedimentos Analíticos Gerais em Toxicologia Profa. Verônica Rodrigues FARMACÊUTICA INDUSTRIAL - UFRJ MESTRE EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS - UFRJ EX-DOCENTE - UNIPLI EX-PERITA LEGISTA - TOXICOLOGISTA - PCERJ

Leia mais

PROCESSOS PATOLÓGICOS GERAIS. Prof. Archangelo P. Fernandes

PROCESSOS PATOLÓGICOS GERAIS. Prof. Archangelo P. Fernandes PROCESSOS PATOLÓGICOS GERAIS Prof. Archangelo P. Fernandes www.profbio.com.br Aula 1: Conceitos gerais para o estudo de Patologia. Grego: pathos = sofrimento e logos = estudo Investigação das causas das

Leia mais

ANÁLISES TOXICOLÓGICAS ANÁLISES TOXICOLÓGICAS ANÁLISES TOXICOLÓGICAS ANÁLISES TOXICOLÓGICAS

ANÁLISES TOXICOLÓGICAS ANÁLISES TOXICOLÓGICAS ANÁLISES TOXICOLÓGICAS ANÁLISES TOXICOLÓGICAS AÁLISES TXILÓGIAS Envolve a aplicação de ferramentas de química analítica para a estimação qualitativa ou quantitativa de substâncias que podem exercer efeitos tóxicos no organismo. -QUÍMIA RGÂIA -QUÍMIA

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 18/2007 de 17 de Maio

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 18/2007 de 17 de Maio ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 18/2007 de 17 de Maio Aprova o Regulamento de Fiscalização da Condução sob Influência do Álcool ou de Substâncias Psicotrópicas. A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica Distribuído Biotransformado Excretado Farmacocinética : O que o organismo faz

Leia mais

tampão Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B

tampão Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B Cap 3: Equilíbrio Químico Soluções tampão Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B Água:excepcional habilidade em dissolver grande

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SOLUÇÃO TAMPÃO ph 7 - Código interno de identificação do produto: S1036 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

Turbidimetria. Amostras - Critérios para Uso

Turbidimetria. Amostras - Critérios para Uso Turbidimetria Amostras Critérios para Uso O laboratório clínico é um componente importante no contexto da saúde pública, fornecendo subsídios ao médico nas dúvidas decorrentes da história clínica e exame

Leia mais

20/10/2011 Vi V as: re r spira r t a ó t ri r a dige g st s i t va v dérm r i m ca c 2

20/10/2011 Vi V as: re r spira r t a ó t ri r a dige g st s i t va v dérm r i m ca c 2 Tema: Absorção Distribuição e armazenamento Metabolismo / Biotransformação Excreção 1 Vias: respiratória digestiva dérmica 2 Fatores que influenciam a absorção Relacionados agentes tóxicos: 1. Lipossolubilidade

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL POP nº 2.3 - GENÉTICA FORENSE Publicado em SET/2013 PRESERVAÇÃO E ENVIO DE VESTÍGIOS

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: ARBIO CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0001/5001 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO PIO

Leia mais

Identificar a causa (exaustão de auto, gás, aerossóis) Remoção da cena Manter vias aéreas abertas Suporte básico de vida Ligar para o CCI Chamar

Identificar a causa (exaustão de auto, gás, aerossóis) Remoção da cena Manter vias aéreas abertas Suporte básico de vida Ligar para o CCI Chamar tóxico ou veneno Qualquer substância nociva que, quando introduzida no organismo, provoca alterações em um ou mais sistemas INTOXICAÇÕES E ENVENAMENTOS Prof ª. Dra. Taís Tinucci Socorros de Urgência fisiológicos

Leia mais

Estevam Bravo. 2ª Série E.M. Biologia. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Estevam Bravo. 2ª Série E.M. Biologia. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Biologia 2ª Estevam Bravo 2ª Série E.M. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade C3 - CONSULTAR, ANALISAR E INTERPRETAR TEXTOS E COMUNICAÇÕES DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, VEICULADOS POR DIFERENTES MEIOS,

Leia mais

SQM Poluentes Químicos e Ecotoxicologia. 2 - Toxicocinética

SQM Poluentes Químicos e Ecotoxicologia. 2 - Toxicocinética Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos SQM 0438 - Poluentes Químicos e Ecotoxicologia 2 - Toxicocinética Profa. Dra. Janete Harumi Yariwake EXPOSIÇÃO ao agente tóxico TOXICOCINÉTICA

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 78/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 78/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 78/X Exposição de Motivos A recente alteração ao Código da Estrada, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 44/2005, de 23 de Fevereiro, veio introduzir modificações no procedimento para fiscalização

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest ECO Data da última revisão: FISPQ nº: 003 página: 01/05

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest ECO Data da última revisão: FISPQ nº: 003 página: 01/05 FISPQ nº: 003 página: 01/05 SEÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA - NOME DO PRODUTO: PARATEST ECO - NOME COMUM E GENÉRICO: SOLUÇÃO FIXATIVA ECOLÓGICA - CÓDIGO INTERNO DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO:

Leia mais

MASFEROL sulfato ferroso. FORMA FARMACÊUTICA Xarope. APRESENTAÇÕES Linha Farma: Cartucho contendo frascos com 100 ml e 400 ml.

MASFEROL sulfato ferroso. FORMA FARMACÊUTICA Xarope. APRESENTAÇÕES Linha Farma: Cartucho contendo frascos com 100 ml e 400 ml. MASFEROL sulfato ferroso FORMA FARMACÊUTICA Xarope APRESENTAÇÕES Linha Farma: Cartucho contendo frascos com 100 ml e 400 ml. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO Crianças que pesam a partir

Leia mais

Absorção e distribuição de drogas. Medicamentos. Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos.

Absorção e distribuição de drogas. Medicamentos. Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos. Absorção e distribuição de drogas Medicamentos Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos. Droga é qualquer substância que, administrada no organismo

Leia mais

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg)

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) USO PRETENDIDO O ensaio HBsAg é um imunoensaio de micropartículas por quimioluminescência (CMIA) para a determinação quantitativa do

Leia mais

Zika/Dengue TRIO ECO Teste

Zika/Dengue TRIO ECO Teste Zika/Dengue TRIO ECO Teste Porque precisamos utilizar o TRIO Zika/Dengue Ab/Ag ECO Teste? A homologia da proteína do vírus Zika e Dengue está entre 53-58%, de modo que o teste sorológico Zika pode apresentar

Leia mais

ESPECTROMETRIA DE MASSA ACOPLADA À CROMATOGRAFIA LÍQUIDA E GASOSA: SUA APLICAÇÃO NAS CIÊNCIAS FORENSES

ESPECTROMETRIA DE MASSA ACOPLADA À CROMATOGRAFIA LÍQUIDA E GASOSA: SUA APLICAÇÃO NAS CIÊNCIAS FORENSES ESPECTROMETRIA DE MASSA ACOPLADA À CROMATOGRAFIA LÍQUIDA E GASOSA: SUA APLICAÇÃO NAS CIÊNCIAS FORENSES Rafael Christofoli Cavalcanti Bacharel e licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília

Leia mais

Biofarmácia. Farmacotécnica

Biofarmácia. Farmacotécnica Biofarmácia Prof. Luis Antonio Paludetti Agradecimentos especiais aos Professores Robson M. Gama e André Rolim Babii pela criação de parte das transparências desta apresentação 1/26 Farmacotécnica Disciplina

Leia mais

RUA H, N 0 02, GALPÃO III - SANTO ANTONIO DE JESUS - BA CEP CNPJ: / FONE: (0XX)

RUA H, N 0 02, GALPÃO III - SANTO ANTONIO DE JESUS - BA CEP CNPJ: / FONE: (0XX) VITER C ácido ascórbico APRESENTAÇÃO Linha Farma: Cartucho contendo frasco com 20 ml. FORMA FARMACÊUTICA Solução oral USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido Ascórbico...200

Leia mais

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Responsável Prof. Helio J. Montassier

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Responsável Prof. Helio J. Montassier Imunocromatografia e Dot-ELISA Responsável Prof. Helio J. Montassier IMUNOCROMATOGRAFIA A imunocromatografia é uma técnica que começou a ser desenvolvida nos anos 60, sendo primeiro criada para o estudo

Leia mais

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr.

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Fernando Ananias NOME: RA: ATIVIDADE PRÁTICA 1 A- ESPECTROFOTOMETRIA Espectroscopia

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SUBCARBONATO DE BISMUTO - Código interno de identificação do produto: S1039 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

EXAMES TOXICOLÓGICOS EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS

EXAMES TOXICOLÓGICOS EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS EXAMES TOXICOLÓGICOS EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS Ramon Cavalcanti Ceschim Médico do Trabalho e Médico de Tráfego Membro da Junta Médica de Recursos do DETRAN Pr LEGISLAÇÃO - CTB EXAMES (ART. 147) - O candidato

Leia mais

SAÚDE E TRABALHO/ 2.009

SAÚDE E TRABALHO/ 2.009 SAÚDE E TRABALHO/ 2.009 Introdução à toxicologia Ocupacional Prof. João Carlos do Amaral Lozovey lozovey@ufpr.br - http:// www.bireme.br/ = biblioteca virtual de saúde, vinculada à OPAS. ( sistemas LILACS,

Leia mais

Relatório de Busca por Título

Relatório de Busca por Título Data: Hora: 11/03/2014 14:36:29 Relatório de Busca por Título Titulos Código Tipo Consultor de produtos farmacêuticos 3541-50 Engenheiro químico (produtos farmacêuticos) Farmacêutico Farmacêutico acupunturista

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA

LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA BIO-QUIMICA LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA Professora Msc. Melissa Kayser BIO-QUIMICA Ramo do laboratório clínico no qual os métodos químicos e bioquímicos são aplicados para pesquisa de uma doença.

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br DISTRIBUIÇÃO DE FÁRMACOS Sítio-Alvo Reservatórios V. Oral V. sublingual V. Subcutânea V. Intramuscular Inalatória Intravenosa Forma

Leia mais

Concurso Público - Edital nº 411/2015 CADERNO DE QUESTÔES. prova discursiva. Pesquisador A-B/Cromatografia e Espectrometria de Massas (Padrão III)

Concurso Público - Edital nº 411/2015 CADERNO DE QUESTÔES. prova discursiva. Pesquisador A-B/Cromatografia e Espectrometria de Massas (Padrão III) Concurso Público - Edital nº 411/2015 202 CADERNO DE QUESTÔES prova discursiva Pesquisador A-B/Cromatografia e Espectrometria de Massas (Padrão III) Consulte o cronograma em http://concursos.pr4.ufrj.br

Leia mais

CÓDIGOS REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DA CONDUÇÃO SOB INFLUÊNCIA DO ÁLCOOL OU DE SUBSTÂNCIAS PSICOTRÓPICAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DA CONDUÇÃO SOB INFLUÊNCIA DO ÁLCOOL OU DE SUBSTÂNCIAS PSICOTRÓPICAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DA CONDUÇÃO SOB INFLUÊNCIA DO ÁLCOOL OU DE SUBSTÂNCIAS PSICOTRÓPICAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados no

Leia mais

FDC VIT B-12. BIOWELL AMERICA LTDA Comprimidos Polivitaminico

FDC VIT B-12. BIOWELL AMERICA LTDA Comprimidos Polivitaminico FDC VIT B-12 BIOWELL AMERICA LTDA Comprimidos Polivitaminico IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FDC VIT B-12 cianocobalamina APRESENTAÇÕES Comprimidos de 500 mcg em frasco plástico com 100 comprimidos. VIA ORAL

Leia mais

VITER C ácido ascórbico. Natulab Laboratório SA.

VITER C ácido ascórbico. Natulab Laboratório SA. VITER C Natulab Laboratório SA. Solução Oral 200 mg/ml VITER C APRESENTAÇÕES Cartucho contendo frasco com 20 ml. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido Ascórbico...200

Leia mais

Tampão. O que é? MISTURA DE UM ÁCIDO FRACO COM SUA BASE CONJUGADA, QUE ESTABILIZA O P H DE UMA SOLUÇÃO

Tampão. O que é? MISTURA DE UM ÁCIDO FRACO COM SUA BASE CONJUGADA, QUE ESTABILIZA O P H DE UMA SOLUÇÃO Tampões biológicos Relembrar os conceitos de ácido e base (Brönsted-Lowry), ph, pka; Compreender a importância do ph na manutenção da estrutura tridimensional das biomoléculas; Conhecer os valores de ph

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA PARA PRODUTO QUÍMICO MEC PASTA DESENGRAXANTE 1610

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA PARA PRODUTO QUÍMICO MEC PASTA DESENGRAXANTE 1610 01 - IDENTIFIÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código Interno: 1610 MEC PASTA DESENGRAXANTE Empresa: RHAI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MASSAS PLÁSTICAS LTDA Endereço: Rodovia PR 506, 44 km 2 Distrito de Araçatuba

Leia mais

SOU - Saúde Ocupacional Unimed

SOU - Saúde Ocupacional Unimed SOU - Saúde Ocupacional Unimed SOU - Saúde Ocupacional Unimed Com mais de 20 milhões de clientes e 351 cooperativas médicas distribuídas pelo Brasil, a Unimed é o maior sistema cooperativista de trabalho

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. A experiência da Vale

PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. A experiência da Vale PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS A experiência da Vale Objetivos do programa: Promover a segurança e a integridade dos empregados; Auxiliar na redução da incidência e prevalência

Leia mais

26/03/2015 VALIDAÇÃO CONTROLE FÍSICO-QUÍMICO DA QUALIDADE RDC 899/2003. Por que validar? OBJETIVO DA VALIDAÇÃO:

26/03/2015 VALIDAÇÃO CONTROLE FÍSICO-QUÍMICO DA QUALIDADE RDC 899/2003. Por que validar? OBJETIVO DA VALIDAÇÃO: VALIDAÇÃO CONTROLE FÍSICO-QUÍMICO DA QUALIDADE RDC 899/2003 VALIDAÇÃO: ato documentado que atesta que qualquer procedimento, processo, equipamento, material, operação ou sistema realmente conduza aos resultados

Leia mais

Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a própria amostra.

Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a própria amostra. II.2 INTRODUÇÃO À QUÍMICA ANALÍTICA II.2.1 Análise, determinação e medida Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA

CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA Toxicologia Estuda os efeitos nocivos decorrentes das interações entre as substâncias químicas com o organismo. Agente tóxico Organismo vivo Efeito

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DOS PRINCÍPIOS ATIVOS ADULTOS IDR CRIANÇAS IDR 20 gotas (1 ml) 1 vez ao dia até 20 gotas (1 ml) 4 vezes ao dia

CONCENTRAÇÃO DOS PRINCÍPIOS ATIVOS ADULTOS IDR CRIANÇAS IDR 20 gotas (1 ml) 1 vez ao dia até 20 gotas (1 ml) 4 vezes ao dia VITER C ácido ascórbico APRESENTAÇÃO Linha Hospitalar: Caixa contendo 50 frascos com 20 ml. FORMA FARMACÊUTICA Solução oral USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido

Leia mais

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com Farmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Pharmakon Logos Estudo dos fármacos Estudo da interação de drogas com organismos vivos Propriedades dos medicamentos e seus efeitos

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Preto urubu. Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá,3405 Monte Castelo Fortaleza Ce CEP: 60130-000 Telefone: (0xx85)

Leia mais

Ácidos, bases e sistemas tampão

Ácidos, bases e sistemas tampão Ácidos, bases e sistemas tampão Ionização da água A água pura tem uma baixa concentração de iões hidrónio (H 3 O + ) e uma igual concentração de iões hidróxido (OH - ) Os ácidos são dadores de protões

Leia mais

MÉTODOS CLÁSSICOS DE ANÁLISE QUÍMICA QUANTITATIVA A análise química pode ser definida como o uso de um ou mais processos que fornecem informações

MÉTODOS CLÁSSICOS DE ANÁLISE QUÍMICA QUANTITATIVA A análise química pode ser definida como o uso de um ou mais processos que fornecem informações MÉTODOS CLÁSSICOS DE ANÁLISE QUÍMICA QUANTITATIVA A análise química pode ser definida como o uso de um ou mais processos que fornecem informações sobre a composição de uma amostra. Método: é a aplicação

Leia mais

Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação

Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação 1. Um laboratório analisou algumas reações ocorridas durante o processo de digestão do amido em seres humanos.

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: NEUTROX Código Interno: NEUTROX Nome da Empresa: Biolub Química Ltda Endereço: Rua Ondina Senger Moreira, 70 Bairro: Iporanga Cidade / Estado:

Leia mais

SUPER CAL MAG. BIOWELL AMERICA LTDA Comprimidos 333 mg mg

SUPER CAL MAG. BIOWELL AMERICA LTDA Comprimidos 333 mg mg SUPER CAL MAG BIOWELL AMERICA LTDA Comprimidos 333 mg + 167 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO SUPER CAL MAG carbonato de cálcio, óxido de magnésio. APRESENTAÇÕES Comprimidos em frasco plástico com 100 comprimidos

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1/11

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1/11 ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1/11 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO HALOCUR 0,5 mg/ml solução oral para vitelos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substância activa Halofuginona

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CARBONATO DE CÁLCIO CARBONATO DE CALCIO. Carga para borracha.

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CARBONATO DE CÁLCIO CARBONATO DE CALCIO. Carga para borracha. Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: CARBONATO DE CALCIO CARBONATO DE CALCIO Carga para borracha. Cas number: 471-34-1 Empresa:

Leia mais

Laboratório de Análise Instrumental

Laboratório de Análise Instrumental Laboratório de Análise Instrumental Prof. Renato Camargo Matos Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos http://www.ufjf.br/nupis DIA/MÊS ASSUNTO 06/03 Apresentação do curso 13/03 PRÁTICA 1: Determinação de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Introduzida na terapêutica em 1903 barbital. Fenobarbital usado como anticonvulsivante

INTRODUÇÃO. Introduzida na terapêutica em 1903 barbital. Fenobarbital usado como anticonvulsivante BARBITÚRICOS 1 INTRODUÇÃO Breve Histórico Introduzida na terapêutica em 1903 barbital Fenobarbital usado como anticonvulsivante Amobarbital sódico em 1928, como anestésico geral I.V. Início da década de

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: CITRATO DE AMONIO - Código interno de identificação do produto: C1028 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

ANÁLISE DE SÓLIDOS, LÍQUIDOS E GASES - UMA VISÃO GERAL DA INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA

ANÁLISE DE SÓLIDOS, LÍQUIDOS E GASES - UMA VISÃO GERAL DA INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA ANÁLISE DE SÓLIDOS, LÍQUIDOS E GASES - UMA VISÃO GERAL DA INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA Thomas Schilling (1) Doutorado em química analítica na Universidade Técnica em Graz (Áustria). Pós-doutorado no Departamento

Leia mais

CONTEÚDO. A não observância dos critérios constantes deste manual implicarão na recusa da amostra para o exame solicitado.

CONTEÚDO. A não observância dos critérios constantes deste manual implicarão na recusa da amostra para o exame solicitado. CONTEÚDO ORIENTAÇÕES GERAIS... 3 PESQUISA TOXICOLÓGICA EM URINA... 7 PESQUISA TOXICOLÓGICA EM SANGUE... 8 PESQUISA TOXICOLÓGICA EM VÍSCERAS... 9 PESQUISA DE ARSÊNIO... 10 PESQUISA DE MONÓXIDO DE CARBONO...

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) POLIBRIL - POLIDOR DE METAIS FINOS

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) POLIBRIL - POLIDOR DE METAIS FINOS Pág.: 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código interno: 16400 - (12 X 200 ml) Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 0800 014 8110 Aplicação: Polibril é o produto

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2007/2008. Disciplina de BIOQUÍMICA I Curso de MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2007/2008. Disciplina de BIOQUÍMICA I Curso de MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2007/2008 Disciplina de BIOQUÍMICA I Curso de MEDICINA º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICO-PRÁTICO 8ª AULA PRÁTICA Determinação da actividade enzimática

Leia mais

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína MODELO DE TEXTO DE BULA PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína TRATAMENTO LOCAL DAS HEMORRÓIDAS Formas farmacêuticas, via de administração e apresentações: Supositórios. Embalagens com 5 ou 10 supositórios.

Leia mais

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO Sinais obtidos por equipamentos e instrumentos devem ser calibrados para evitar erros nas medidas. Calibração, de acordo com o INMETRO, é o conjunto de operações que estabelece, sob

Leia mais

Departamento de Patologia e Clínicas Veterinárias. Programa teórico da disciplina de Toxicologia

Departamento de Patologia e Clínicas Veterinárias. Programa teórico da disciplina de Toxicologia T1 Departamento de Patologia e Clínicas Veterinárias Programa teórico da disciplina de Toxicologia Ano Lectivo de 2003/2004 Disciplina semestral, do primeiro semestre do quinto ano da licenciatura em Medicina

Leia mais