GESTÃO DE RISCOS NA OPERAÇÃO DE PLATAFORMAS DE PETRÓLEO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE RISCOS NA OPERAÇÃO DE PLATAFORMAS DE PETRÓLEO"

Transcrição

1 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN GESTÃO DE RISCOS NA OPERAÇÃO DE PLATAFORMAS DE PETRÓLEO Mauricio de Paula Oliveira UFF Eduardo Qualharini UFRJ Resumo Com o afundamento da plataforma de petróleo P-36 da Petrobras, foi constatado pela alta administração dessa empresa que a Gestão de Riscos deveria sofrer uma reavaliação e nova restruturação e, passar a ser parte integrante dos processos de Gestão, acompanhando todo o ciclo de vida da Unidade Marítima de Produção, começando pela concepção em suas bases de projeto, pela operação até o seu descomissionamento. Devido às obras realizadas a bordo nessas unidades durante a fase de operação, a Gestão de Mudança é um fator essencial ao sucesso da Gestão de Riscos, por isso, esse trabalho mostrará as metodologias aplicadas no processo de Análise de Riscos. Palavras-chaves: Gestão de Riscos, Riscos, Plataforma de Petróleo.

2 1. A SITUAÇÃO PROBLEMA VINCULADA À PESQUISA Com o advento do acidente da plataforma P-36 e seu afundamento, foi necessário estabelecer um maior controle nos riscos ainda na fase de projeto. Durante a operação das Unidades Marítimas de Produção é necessária a continuidade do gerenciamento dos riscos advindos das alterações e adaptações do projeto original, com o intuito de prevenir acidentes. As alterações propostas durante a construção e montagem de uma plataforma, como também as mudanças ocorridas durante a fase de operação devem ser tratadas em Gerenciamento de Mudanças a fim de identificar as alterações nos riscos da unidade de produção, visto que vários acidentes ocorridos no passado foram oriundos de uma má administração na documentação de projeto, ou seja, os serviços são planejados e liberados com base em documentos ultrapassados levando o trabalhador ao erro. Quando da construção e uma plataforma de petróleo os projetos precisam ser avaliados tanto nas condições de operação quanto na visão de segurança e seus recursos de contingência. Após o início da operação da unidade marítima, toda e qualquer alteração de seu projeto original deve ser avaliada quanto ao nível de risco e sua confiabilidade OBJETIVOS DA PESQUISA OBJETIVO GERAL petróleo. Apresentar os diversos estudos de Análise de Riscos aplicados a uma plataforma de OBJETIVOS ESPECÍFICOS Identificar os estudos de análise de riscos e as fases do ciclo de vida da Unidade de Produção onde são aplicados e; Analisar os resultados dos estudos de conseqüência AS QUESTÕES DA PESQUISA 2

3 Para que ao final desse trabalho possam ser respondidas e haja uma visão mais clara do tema pesquisado, algumas questões foram elaboradas: 1ª Questão: Os projetos podem incorporar propostas de alteração após uma análise de riscos? 2ª Questão: Como é feito o levantamento dos perigos de uma plataforma de petróleo durante a sua fase de elaboração e construção? 3ª Questão: Como é feito o levantamento dos perigos de uma plataforma de petróleo em operação? 4ª Questão: Pode haver diferenças nos resultados das análises de riscos? 2. MÉTODO Essa pesquisa é de natureza qualitativa, pois o objetivo será de analisar o desenvolvimento da gestão de riscos em uma plataforma de petróleo. Ela se utilizará de um método descritivo, uma vez que investigará a literatura existente num modelo das prática propostas por organismos nacionais e internacionais. 3. REVISÃO DA LITERATURA 3.1. CENÁRIO DA ATIVIDADE DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO POSIÇÃO DO REINO UNIDO A regulamentação do governo Inglês requer das empresas de petróleo a aprovação de um Safety Case ou demonstração. Esta abordagem inclui a comprovação de que a Empresa possui um sistema de gerenciamento que assegure o cumprimento com requisitos estatutários de saúde e segurança, evidências da realização de auditorias internas do Sistema, identificação de situações potenciais de perigo consideradas significativas, análise de riscos com conseqüente redução do risco ao nível mais baixo possível (nível aceitável). Adicionalmente, um plano de ação de emergência envolvendo prontidão, evacuação e resgate, também deve ser um componente desse Sistema. 3

4 Este processo vem sendo aplicado na região do Mar do Norte, às Unidades Móveis de Perfuração e demais plataformas de produção de petróleo, com bastante sucesso. A maioria das Unidades Marítimas pertencentes às companhias que operam no Reino Unido já foram aprovadas. Estudos, projetos, melhorias em equipamentos e instalações; bem como desenvolvimento e manutenção de sistemas de gestão foram implementados pela indústria de petróleo local. Atualmente, os esforços do setor vêm sendo dirigidos para áreas com maiores oportunidades de melhoria, não só nas instalações industriais como também no desenvolvimento de uma legislação mais adequada. (Curso de Gestão, Bureau Veritas, 2002) POSIÇÃO DOS EUA O Mineral Management Services (Órgão executivo do governo americano), solicitou a todas as companhias de petróleo que implementassem voluntariamente sistemas de gerenciamento de segurança e proteção ambiental, usando a norma API- RP 75 como referência. Este Órgão vem monitorando os resultados das empresas com a implantação desses sistemas, devendo decidir quanto a aplicação mandatória deste padrão. A USCG (Guarda Costeira Americana), participou ativamente do desenvolvimento do Código ISM junto aos Comitês da IMO, tendo publicado uma resolução definindo diretrizes para implantação do Código em embarcações de bandeira americana. A USCG solicitou às entidades de classe (IADC, National Offshore Safety Advisory Committee) a formação de grupos de trabalho para analisar sua resolução, visando adequá-las às unidades marítimas offshore. Segundo a USCG com a implantação pelas empresas de Sistemas de Gestão de Segurança e Meio Ambiente, deverá ser reduzido o escopo e a freqüência de suas intervenções nas unidades marítimas Posição da IMO (Organização Marítima Internacional) A IMO adotou um conjunto de emendas em sua principal convenção de Segurança (Convenção SOLAS Safety of Life at Sea), Tornando mandatória a implementação do Código ISM para determinados tipos de Unidades Marítimas. Esta medida afetou 4

5 particularmente as unidades Móveis de Perfuração, que deveriam se enquadrar segundo os requisitos do Código ISM, até julho de O fato do Código ISM ter sido considerado como parte da Convenção SOLAS, introduziu uma questão que afeta significativamente as empresas de petróleo. A princípio a Convenção SOLAS é aplicável a embarcações propelidas envolvidas em viagens internacionais, o que limitaria bastante o universo de unidades offshore para as quais o Código seria mandatório. Contudo, sob o ponto de vista técnico o nível de risco das atividades de exploração e produção é, no mínimo, equivalentes às demais atividades marítimas. Deste modo, as autoridades marítimas responsáveis pela aplicação das Convenções Internacionais em suas águas territoriais, deverão estender a aplicação deste Código para outras unidades marítimas, envolvendo as Unidades Offshore POSIÇÃO DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO O Fórum Internacional das Indústrias de Exploração e Produção (E&P Fórum) introduziu uma iniciativa notável no gerenciamento de segurança, meio ambiente e saúde aplicável à indústria do petróleo. Este fórum é uma associação internacional reunindo Companhias de petróleo do segmento de exploração e produção, tendo como objetivo principal a proteção do homem e do meio ambiente. Esta entidade publicou um documento intitulado Guidelines for Health, Safety and Environmental Management Systems, desenvolvido para prover um conjunto objetivo, de requisitos de gestão aplicáveis as operadoras e contratistas, que assegurem o cumprimento com políticas de segurança, meio ambiente e saúde; e boas práticas de gestão. Companhias operadoras européias estão aderindo a este modelo e passam a cobrar de suas contratadas a implantação de sistemas semelhantes como condição pré-contratual. A Petrobras tem aplicado essa sistemática contratual através da inclusão do Anexo de SMS nos contratos com suas prestadoras de serviços, o qual é objeto de auditoria. (Curso de Gestão, Bureau Veritas, 2002) POSIÇÃO DA ISO (INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION) 5

6 A Norma ISO relacionada com a variável Meio Ambiente foi emitida em 1996 com o objetivo de se tornar um padrão internacional para desenvolvimento de Sistemas de Gestão Ambiental aplicáveis a todos os segmentos econômicos, em particular, os segmentos industriais. A Petrobras aderiu fortemente a essa gestão, antecipando às demandas de órgãos governamentais de meio ambiente e fornecendo insumos para a constante revisão da legislação, pois essa variável é tratada tradicionalmente em conjunto com as variáveis de segurança e saúde, antes da própria emissão do conjunto de normas ISO Atualmente, vem sendo discutido junto aos comitês da ISO o tratamento a ser dado para a gestão da segurança e saúde. Inicialmente se pensava na edição de um conjunto de normas específico para a matéria. Contudo, esta tendência vem perdendo força, sendo substituída por uma alternativa que considera as variáveis segurança e saúde conjuntamente com a variável meio ambiente, a partir de uma revisão da norma ISO REQUISITOS E NORMAS Analisando os requisitos das diversas normas pode-se notar uma convergência entre os mesmos temas básicos, com pequenas diferenças nas nomenclaturas utilizadas. É abordado os seguintes temas principais: políticas, auditorias internas, planos de contingências, análise de riscos, análise crítica do sistema, tratamento de não conformidades, etc. Analogamente, os elementos fundamentais para a implantação dos Sistemas de Gestão, independente da norma adotada, são essencialmente os mesmos, como: liderança, definição de uma política clara e objetiva, comprometimento da alta administração e planejamento, dentre outros. Dentro deste contexto, a proliferação de padrões para tratamento do mesmo tema, com envolvimento de várias entidades, poderá promover obrigações legais ou contratuais envolvendo as indústrias do setor, criando elementos complicadores no relacionamento entre Operadores e Contratistas ou empresas de petróleo sócias em um mesmo empreendimento. Na implantação dos Sistemas de Gestão na empresa operadora da Unidade Marítima e suas colaboradoras podem surgir dificuldades potenciais, onde o seu sistema é obrigado a incorporar os requisitos do ISM Code, por imposição do Governo da bandeira ou do Governo 6

7 responsável pela locação da operação. Tais entidades governamentais poderão, em paralelo, exigir que o sistema cumpra seus requisitos legais específicos. Com a tendência de empresas parceiras em determinada operação, como já visto na aquisição de novos lotes leiloados pela Agência Nacional de Petróleo ANP, será necessária uma equivalência mínima entre os elementos dos sistemas próprios. Como mais um fator a ser superado, a globalização de mercados impõe às indústrias do setor que operem simultaneamente em diferentes países, com diferentes parceiros ou clientes e, portanto, sob diferentes condições. Este cenário ilustra a necessidade crescente de adoção de padrões internacionais de Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde que sejam reconhecidos e aceitos por todas as partes interessadas que formam o setor de exploração e produção de petróleo. No atual momento em que o Brasil atingiu a auto-eficência na produção de petróleo, a questão da Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde deve ocupar o um lugar de destaque, e caminhar para a formação de valor. 4. SISTEMAS DE GESTÃO E APLICAÇÃO DE ANÁLISE DE RISCOS 4.1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A implantação do Sistema de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho, de forma que uma estrutura adequada de responsabilidades e ações seja bem definida e haja uma boa análise das informações, a empresa poderá alcançar o máximo em SST, otimizando seus recursos financeiros, humanos, tecnológicos e materiais disponíveis na empresa. A ausência de um Sistema de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho prejudica no gerenciamento dos riscos, podendo permitir altos índices de acidentes e doenças do trabalho. A maior prejudicada é a força de trabalho que não está coberta com um sistema de prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. Os efeitos danosos à saúde dos trabalhadores podem ser percebidos a curto ou a longo prazo, trazendo a diminuição da capacidade laborativa parcial ou total de maneira temporária ou até permanente. De todo forma a empresa tem um impacto decrescente na produção, um ambiente de trabalho negativo com trabalhadores desmotivados e um comprometimento na qualidade de seus produtos, ameaçando a imagem da companhia. 7

8 NORMA BRITÂNICA BS 8800 A Norma BS-8800 tem como anexos a Relação com a ISO 9001 (1994, Sistemas de Gestão da Qualidade), a Organização, o Planejamento e Implementação, a Avaliação de Riscos, a Mensuração do Desempenho e Auditoria que mostram, conforme dito anteriormente, como fazer. Anexo D - Avaliação de Riscos: No anexo D é explicado os princípios e práticas da avaliação de riscos de SST, e as razões da sua necessidade. As organizações devem adaptar a abordagem descrita neste anexo para atender suas próprias necessidades, levando em consideração a natureza de seus trabalhos e a gravidade e complexidade de seus riscos. O processo de avaliação de riscos segue os passos apresentados na figura 3. Figura 3: Processo de avaliação de riscos. Classificar as atividades de trabalho Identificar os Perigos Determinar os riscos Decidir se os riscos são toleráveis Preparar plano de ação para o controle dos riscos (se necessário) Revisar a adequacidade do plano de ação Fonte: BS 8800:

9 A avaliação de riscos envolve três passos básicos: identificar perigos; estimar o risco de cada perigo (a probabilidade e a gravidade do dano) e decidir se o risco é tolerável. A intenção da avaliação de riscos SST é fazer com que os riscos sejam controlados, antes que possa ocorrer o dano, sendo um fundamento-chave para a gestão pró-ativa da SST. Uma avaliação de riscos baseada em uma abordagem participativa dá a oportunidade para a administração e para os trabalhadores estarem de acordo que: os procedimentos de SST de uma organização são baseados em percepções compartilhadas de perigos e riscos, são necessários e viáveis e terão sucesso na prevenção de acidentes CÓDIGO ISM (INTERNATIONAL SAFETY MANAGEMENT) O código constitui o capítulo IX do SOLAS - "Management for the Safe Operation of Ships", e será mandatário para as empresas registradas sob bandeiras de países signatários conforme abaixo: Navios de passageiros, petroleiros, químicos, gaseiros, graneleiros e embarcações classificadas como de "alta velocidade", a partir de 01 de julho de 1998; e Outros navios de carga e unidades móveis de perfuração, a partir de 01 de julho de A razão para documentar a responsabilidade e autoridade do pessoal é assegurar que aqueles envolvidos com a Segurança e Proteção do Meio Ambiente saibam o que é esperado deles para que o Sistema efetivamente funcione. Rotinas de treinamento devem ser realizadas de acordo com os procedimentos e requerimentos estabelecidos no SMS. As simulações devem enfatizar fainas em situações de emergência, e seu propósito é o de assegurar que a tripulação atenda aos padrões estabelecidos no SMS e ganhe confiança para controlar situações que possam surgir caso ocorra uma emergência. O resultado de auditorias de segurança, simulações e análise de acidentes, situações de risco ocorridas e não conformidades são ferramentas de auxílio na identificação da necessidade de treinamento ou de alteração nos procedimentos do SMS GESTÃO DE RISCOS 9

10 COMO PODE SER FEITA A GESTÃO DE RISCOS? a) As avaliações de riscos constituem um processo de suporte e as recomendações geradas nesses estudos são fruto da percepção da equipe envolvida, a partir da aplicação de técnicas estruturadas para identificação de perigos, possuindo caráter estritamente técnico. A implementação dessas recomendações deve ter sua viabilidade avaliada gerencialmente, a partir da aplicação da filosofia "ALARP" (As Low As Reasonable Practicable - Tão baixo quanto razoavelmente praticável). Quando aprovadas, tais recomendações se tornam objetivos relacionados à SMS, cujo controle e provisão dos recursos necessários à sua implementação cabem ao gestor do projeto ou processo. b) As recomendações geradas a partir dos estudos de riscos podem eventualmente inserir mudanças nas instalações e a sua implementação, portanto, deve ser gerenciada durante a fase de implantação do projeto e durante a fase de operação. c) Os perigos relacionados à segurança das instalações, associados às falhas operacionais, devem ter seus riscos avaliados através de Análise Preliminar de Riscos. d) Os perigos relacionados à execução das tarefas são identificados através da Análise Preliminar de Risco das tarefas, quando da emissão da Permissão para Trabalho - PT. Os riscos a eles associados são considerados, em princípio, como não toleráveis, exigindo a adoção de medidas de controle. Caso estas medidas não possam ser implementadas, as tarefas não serão realizadas. e) A criação de um Manual de Segurança estabelece requisitos mínimos e as condutas a serem seguidas nas várias atividades de trabalho desenvolvidas a bordo das plataformas, com o intuito de minimizar os riscos identificados e prevenir a ocorrência de acidentes e incidentes. Devemos focar nos novos projetos, ou seja, na documentação de Engenharia do projeto de uma plataforma de petróleo a ser construída. O projeto é dividido em Projeto Básico e Projeto de Detalhamento, onde em cada fase são definidos os Estudos de Riscos aplicáveis. A Figura 1 mostra os Estudos de Riscos a serem desenvolvidos durante o Projeto Básico dos empreendimentos, como também suas descrições conforme a seguir: 10

11 Figura 1 - Estudos a serem realizados no Projeto Básico ETAPA ESTUDO DESCRIÇÃO Projeto Básico APR (1) Avaliação de riscos integrada, englobando instalações submarinas e de superfície. HAZOP (1) Avaliação de riscos integrada, englobando instalações submarinas e de superfície. Avaliações Quantitativas (1) EERA (1) PPRA Estudos de dispersão de gases, propagação de incêndio, explosão etc, nas Instalações de Superfície Estudo de Escape, Resgate e Abandono nas Instalações de Superfície Estudo dos riscos ocupacionais relativos à UEP, com foco na fase de operação. EIA Estudo de Impactos Ambientais, englobando instalações submarinas e de superfície. (4) Avaliação e gestão de riscos nas atividades de engenharia de poços Gestão Mudanças de Controle Integrado de Mudanças em Projetos A Figura 2 mostra os Estudos de Riscos a serem desenvolvidos durante o Projeto de Detalhamento dos empreendimentos, como também suas descrições conforme a seguir: Figura 2 - Estudos a serem realizados no Projeto de Detalhamento ETAPA ESTUDO DESCRIÇÃO Projeto de Detalhamento APR (2) HAZOP (2) PPRA EIA ISEA (2) Avaliações Quantitativas (2) Atualização da avaliação de riscos integrada, englobando instalações submarinas e de superfície. Atualização da avaliação de riscos integrada, englobando instalações submarinas e de superfície. Atualização do estudo dos riscos ocupacionais relativos à UEP, com foco na fase de operação. Atualização do Estudo de Impactos Ambientais, englobando instalações submarinas e de superfície. Avaliação dos riscos envolvidos na Interação entre sistemas elétricos e de automação nas Instalações de Superfície (Tarefa 15 do PEO) Atualização dos estudos de dispersão de gases, propagação de incêndio, explosão etc, nas Instalações de Superfície 11

12 EERA (2) Avaliação Ergonômica APN-2 APN-2 Estudo de Escape, Resgate e Abandono nas Instalações de Superfície Avaliação ergonomica dos postos de trabalho Análise Preliminar de Perigos Nível 2 pré Comissionamento. Análise Preliminar de Perigos Nivel 2 para padronização de novas tarefas A Figura 3 apresenta os Estudos de Riscos que poderão ser desenvolvidos durante a fase de Operação da plataforma, como também suas descrições. No caso de mudança de projeto, deverá ser avaliado por especialista de segurança qual a metodologia a ser utilizada: Figura 3 - Estudos a serem realizados na fase de Operação ETAPA ESTUDO DESCRIÇÃO Operação APN-2 APN-2 PPRA Gestão Mudanças de Análise Preliminar de Perigos Nível 2 para elaboração / revisão de padrão de execução Análise Preliminar de Perigos Nível 2 para emissão de PT. Atualização do estudo dos riscos ocupacionais relativos a UEP. Estudos de riscos considerados pertinentes. A Figura 4 deixa registrado que da época da desativação da plataforma, os riscos deverão ser analisados conforme as exigências dos órgãos reguladores: Figura 4 - Estudos a serem realizados na fase de desativação da plataforma ETAPA ESTUDO DESCRIÇÃO Desativação A depender do processo de desativação Conforme atividades previstas para desativação e de acordo com as exigências do Órgão Regulador. 12

13 Os estudos qualitativos são elaborados por especialistas sem a necessidade de softwares específicos, já os estudos quantitativos são desenvolvidos a partir de ferramentas especiais que geram a modelagem específica de acordo com a geometria 3D da plataforma BREVE DESCRIÇÃO DOS ESTUDOS DE RISCOS a) Análise Preliminar de Riscos APR: Técnica indutiva estruturada para identificar perigos decorrentes de falhas de instalações ou erros humanos, bem como suas causas e conseqüências e avaliar qualitativamente seus riscos impactando a Segurança Pessoal, Meio Ambiente, Instalação e Imagem da Empresa. Na Figura 5 é mostrada a planilha para a elaboração da APR. Figura 5 Planilha de APR Área: Instalação: Processo ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS Subprocesso: Data: Pag: Documentos: Perigo Causas Possíveis Efeitos Modos de Detecção/ Salvaguar das Freq. Classificação Severidade Risco SP P M I SP P M I Observações/ Recomendações Cenário Onde: SP: Segurança Pessoal M: Meio Ambiente P: Patrimônio I: Imagem da Empresa b) Estudo de Perigo e Operabilidade HAZOP: Técnica estruturada para identificar perigos de processo e potenciais problemas de operação utilizando palavras-guias associadas a parâmetros de processo, para avaliar qualitativamente desvios de processo, suas causas e conseqüências. Na Figura 6 é mostrada a planilha para a elaboração do HAZOP. c) Estudo de Dispersão de Gases: Esta análise deve ser desenvolvida com o objetivo de avaliar o comportamento dos vazamentos de gás e definir o número e a localização otimizada de detectores de gás hidrocarboneto em áreas abertas. 13

14 Figura 6 Planilha de HAZOP ANÁLISE DE PERIGOS E OPERABILIDADE Data: Instalação: Área Processo: Pag: Nó: Documentos: Desvio Possíveis Causas Possíveis Conseqüências Modos de Detecção/Salvaguardas Observações / Recomendações Cenários O estudo deve definir pontos de detecção que atendam principalmente a liberações iniciais (inicio de vazamento) que devem ser monitorados preliminarmente antes mesmo da detecção dos instrumentos do processo e da ocorrência dos eventos de incêndio e de explosão. O estudo é feito com simulação dos casos em fluidodinâmica computacional considerando as 4 direções de vazamento e 8 direções de vento a fim de validar a locação dos detectores. A Figura 7 mostra a modelagem do Estudo de Dispersão de Gases para o Vent dos Tanques de Carga da plataforma P-43, com a tendência da nuvem de gás sobre a planta de produção da plataforma. A direção nesse caso é de vento para a popa do navio: Figura 7 Dispersão de Gases do Vent dos Tanques de Carga da P-43 Fonte: Relatório do Estudo de Dispersão de Gases da P-43 - MTL Engenharia

15 A Figura 8 mostra a mesma nuvem do Estudo de Dispersão de Gases da P-43 para o Vent dos Tanques de Carga, com a sua faixa de inflamabilidade, demonstrando se o tamanho da nuvem gerada traz riscos à plataforma ao alcançar os módulos de produção: Figura 8 Nuvem de Gás com a faixa de inflamabilidade Fonte: Relatório do Estudo de Dispersão de Gases da P-43 - MTL Engenharia c) Estudo de Incêndio: Esses estudos visam a avaliar o comportamento das estruturas e equipamentos da plataforma no caso de incêndio. É elaborado a partir do resultado da APR onde são selecionados cenários críticos de pequenos e grandes vazamentos de hidrocarbonetos. Com o resultado das modelagens são sugeridas recomendações como instalação de proteção passiva e/ou redução de inventário através de colocação de válvulas de segurança. A Figura 9 apresenta a modelagem de incêndio da plataforma P-43 e as faixas de temperaturas das chamas que podem atingir as estruturas, equipamentos e tubulações e leválas ao colapso, agravando ainda mais o sinistro. 15

16 Figura 9 Estudo de Incêndio Faixa de temperaturas Fonte: Relatório do Estudo de Incêndio da P-43 - MTL Engenharia d) Estudo de Explosão: É o estudo aplicado para o dimensionamento das estruturas da plataforma baseado nos valores de sobrepressão advindas de uma explosão. Também deverá considerar os cenários críticos de vazamentos de hidrocarbonetos, sua composição, pressão e temperatura. A modelagem da explosão está diretamente ligada a geometria 3D da plataforma e o grau de confinamento do ambiente a ser simulado. A partir dos resultados da sobrepressão resultante do estudo, ações de mitigação deverão ser propostas, como reforço de estrutura, proteções adicionais, melhora da ventilação, novo arranjo de layout, etc. Os valores encontrados deverão ser analisados quanto à faixa de Tolerabilidade dos Riscos da Petrobras. A Figura 10 apresenta um resultado do Estudo de Explosão, onde são apresentados os valores 16

17 de sobrepressão e suas respectivas distâncias no caso de um vazamento de 30 m3 de gás natural seguido de explosão: Figura 10 Tabela de sobrepressão para um vazamento de 30 m3 de gás natural Categoria da Explosão 7- Deflagração Forte 6 Deflagração Forte 5 - Deflagração Média Sobrepressão da explosão (em bar) nas distâncias selecionadas 5 m 10 m 20 m 30 m 1,10 1,.3 0,60 0, ,49 0,40 0,28 0,22 0,20 0,15 0, Deflagração Pequena 0,11 0,10 0,08 0,05 Fonte: Relatório do Estudo de Explosão da P-43 - MTL Engenharia Alteração de Projetos (Mudanças): Durante a fase de operação algumas mudanças nos projetos originais da plataforma podem ocorrer, sendo que a alteração dos riscos deve ser analisada. Nessa fase os estudos de riscos citados poderão ser aplicados. Deve-se proceder um gerenciamento das mudanças em uma plataforma durante a fase de operação. Um especialista em Análise de Riscos, ao verificar o projeto, deve indicar qual(ais) estudo(s) deverá ser elaborado ou revisado. A indicação da necessidade de um estudo deverá ser acompanhada da metodologia a ser aplicada e em qual fase do projeto o mesmo será desenvolvido. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1. ASPECTOS GERAIS Os riscos estão presentes em muitas atividades industriais, destacando-se os riscos pessoais, riscos ao ambiente e riscos econômicos. 17

18 Em alguns desses riscos é possível obter uma redução através de práticas seguras de operação. Alguns riscos residuais, no entanto, são inevitáveis. No entanto, para se determinar que tais riscos são aceitáveis, dependerá do julgamento de valores pela sociedade, os quais não podem ser padronizados ou quantificados RESPOSTAS ÀS QUESTÕES DA PESQUISA Com essa pesquisa as questões propostas são respondidas apontando para a possibilidade de mais discussão sobre esse assunto e futuras pesquisas: 1ª Questão: Os projetos podem incorporar propostas de alteração após uma análise de riscos? Sim. As recomendações geradas a partir das análises de riscos realizadas na fase do Projeto Básico podem ser incorporadas na fase de Detalhamento do Projeto. A inclusão dessas recomendações irá depender da análise gerencial e, impacto ao prazo de término da obra e entrega da plataforma. 2ª Questão: Como é feito o levantamento dos perigos de uma plataforma de petróleo durante a sua fase de elaboração e construção? Os estudos qualitativos são realizados através da aplicação das metodologias consagradas Análise Preliminar de Riscos APR e Estudo de Perigos e Operabilidade HAZOP. São elaborados com a participação dos especialistas da área operacional, de segurança e engenharia. Os estudos quantitativos de Incêndio, Explosão e Dispersão de Gases são elaborados por empresas especializadas que utilizam aplicativos de modelagem computacional, tendo como insumo os parâmetros de processo e a geometria 3D da plataforma. 3ª Questão: Como é feito o levantamento dos perigos de uma plataforma de petróleo em operação? Na execução das tarefas de bordo, através de uma análise prévia durante a emissão da Permissão para Trabalho, envolvendo o responsável do equipamento ou da área impactada e o executante, com o auxílio do Técnico de Segurança. Quando se tratar de alteração do projeto original, poderá haver necessidade da revisão dos estudos realizados na fase de projeto, a 18

19 saber, APR, HAZOP, Incêndio, Explosão ou Dispersão de Gases, considerando a nova realidade da unidade de produção. 4ª Questão: Pode haver diferenças nos resultados das análises de riscos? Sim. A depender do grupo indicado para participar das análises qualitativas e, no caso dos estudos quantitativos, os resultados poderão ter diferenças, devido aos softwares, insumos e critério de tolerabilidade utilizados. REFERÊNCIAS AMERICAN INSTITUTE OF CHEMICAL ENGINEERS. Center for Chemical Process Safety. Guidelines for chemical process quantitative risk analysis. 2nd ed. New York, c2000. AMERICAN PETROLEUM INSTITUTE. API Recommended Practice 76: contractor safety management for oil and gas drilling and production operations. Washington, BRITISH STANDARDS INTERNATIONAL. BS 8800: guide to occupational health and safety management systems. London, 1996/2004. EXPLOSÃO em uma indústria petroquímica. Gerência de Riscos, São Paulo, ITSEMAP do Brasil, 6(21): 36-7, jan./mar DUARTE, M. Riscos industriais: etapas para a investigação e a prevenção de acidentes. Rio de Janeiro: FUNENSEG, Rio de Janeiro ESTEVES, A. Da S. Gerenciamento de riscos de processo em plantas de petroquímicos básicos - Uma proposta de metodologia estruturada Dissertação (Mestrado em Sistemas de Gestão) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, FAERTES, D., Sobre um Critério de Aceitabilidade de Riscos para Plataformas de Petróleo Offshore, MSc. Thesis, Universidade Federal do Rio de Janeiro, LEES, Frank P., Loss Prevention in Process Industries: Hazard Identification, Assentement and Control, Vol 1 and 2, Butterworth Heinermann - 2ª Ed., Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego e NBR s associadas. 19

20 Norma OHSAS 18000:- occupational health and safety management systems - specifications. London: Edição Requisitos Estatutários da International Maritime Organization IMO: - Safety of Life at Sea SOLAS; - Mobile Offshore Drilling Unit MODU CODE; - International Convention for the Prevention of Pollution from Ships - MARPOL 73/78. Curso de Gestão do Sistema de Segurança, Bureau Veritas Petrobras, Rio de Janeiro, Apostila. 20

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO MESTRADO PROFISSIONAL EM SISTEMAS DE GESTÃO MAURICIO DE PAULA OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO MESTRADO PROFISSIONAL EM SISTEMAS DE GESTÃO MAURICIO DE PAULA OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO MESTRADO PROFISSIONAL EM SISTEMAS DE GESTÃO MAURICIO DE PAULA OLIVEIRA UM ESTUDO DE CASO DA GESTÃO DE SEGURANÇA INDUSTRIAL DE UMA PLATAFORMA DE PETRÓLEO

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVO...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Ênio Viterbo Jr. (Bayer) Coordenador da Comissão de Proteção Empresarial César Garcia (neologos)) Consultor Guias de Proteção da Abiquim Guia de

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

Boletim Técnico Organização & Estratégia 2 (1) 112-135 Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Sistemas de Gestão, LATEC/TEP/TCE/CTC/UFF

Boletim Técnico Organização & Estratégia 2 (1) 112-135 Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Sistemas de Gestão, LATEC/TEP/TCE/CTC/UFF O&E 1 Organização & Estratégia Boletim Técnico Organização & Estratégia 2 (1) 112-135 Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Sistemas de Gestão, LATEC/TEP/TCE/CTC/UFF PROPOSTA DE GUIA DE SISTEMA DE

Leia mais

Projeto de Nacionalização de Baleeiras - PROMINP E&P 11

Projeto de Nacionalização de Baleeiras - PROMINP E&P 11 Projeto de Nacionalização de Baleeiras - PROMINP E&P 11 Sergio Granati Rib Offshore Serviços Técnicos de Petróleo Ltda. Garibaldi - RS Novembro/2007 Rib Offshore Fabricante de embarcações e produtos voltados

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Introdução PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO Por Edson Haddad Os estudos de análise de risco são considerados como importantes ferramentas de gerenciamento, tanto sob o ponto de vista ambiental, como

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

II.7.6. PROJETO DE DESATIVAÇÃO. 1. Justificativa

II.7.6. PROJETO DE DESATIVAÇÃO. 1. Justificativa II.7.6. PROJETO DE DESATIVAÇÃO 1. Justificativa A desativação de um campo de produção de petróleo contempla uma série de procedimentos que devem ser adotados, com vista à proteção e à manutenção da qualidade

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES

ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES Autor: Elisio Carvalho Silva Data: 30/03/2012 INTRODUÇÃO O perigo está relacionado a qualquer atividade que fazemos. Enquanto ele

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

COPENOR Companhia Petroquímica do Nordeste. Relatório da Administração de 2007

COPENOR Companhia Petroquímica do Nordeste. Relatório da Administração de 2007 COPENOR Companhia Petroquímica do Nordeste Relatório da Administração de 2007 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da COPENOR Companhia Petroquímica

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Marcello Guimarães Couto, M.Sc. HGB Consultoria e Gestão Ltda. marcello@hgb.com.br mgcouto@gmail.com Resumo Este artigo aborda os novos

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

O ESTUDO DE PERIGO E OPERABILIDADE (HAZOP)

O ESTUDO DE PERIGO E OPERABILIDADE (HAZOP) O ESTUDO DE PERIGO E OPERABILIDADE (HAZOP) P.E.Pascon Auditorias ou inspeções podem identificar perigos numa planta existente, mas outros métodos são necessários durante um projeto. As vezes, utilizam-se

Leia mais

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições Decreto n.º 21/98 Emendas ao anexo da Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS 74), adoptadas pela Conferência SOLAS 1994, que se referem à introdução dos novos capítulos

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS PARA AS ATIVIDADES DE COMISSIONAMENTO NOS EMPREENDIMENTOS

GESTÃO DE RISCOS PARA AS ATIVIDADES DE COMISSIONAMENTO NOS EMPREENDIMENTOS 1 ISSN 1984-9354 GESTÃO DE RISCOS PARA AS ATIVIDADES DE COMISSIONAMENTO NOS EMPREENDIMENTOS Candido Luis Queiroz da Silva (UFF) Fernando da Silveira Bulcão Rinaldi (UFF) Gilson Brito Alves Lima (UFF) Thiago

Leia mais

CERTIFICADO DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA

CERTIFICADO DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA Certificado Nº ANEXO CERTIFICADO DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA Expedido de acordo com as disposições da Convenção Internacional para Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974, como emendada, (daqui em diante

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. OGX Procedimento de Gestão PG.SMS.004 Denominação: Gestão de Mudanças SUMÁRIO Este procedimento estabelece as condições que permitam identificar, avaliar e controlar os riscos inerentes as mudanças, desde

Leia mais

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Alexsandro da Silva Cardoso (UERJ) asc@csn.com.br Doninzeti Ferreira de Oliveira (UERJ) doninzeti@csn.com.br Edson

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011

ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011 ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011 TÍTULO: A ANÁLISE DE RISCOS DE PROCESSOS E INSTALAÇÕES COMO ELEMENTO BÁSICO DO GERENCIAMENTO DE RISCOS INDUSTRIAIS Por Eng.º Eduardo de Mello Schmitt * 1

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

II.7.7 PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE SMS DO TRABALHADOR II.7.7 PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE SMS DO TRABALHADOR 1. Introdução e justificativa Este programa justifica-se pela importância em se desenvolver e implementar ações que visem garantir

Leia mais

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional.

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS foi elaborada de acordo com as regras estabelecidas nas Diretrizes ISO/IEC,

Leia mais

LIDERANÇA. Gardline Marine

LIDERANÇA. Gardline Marine LIDERANÇA A OceanPact é uma empresa brasileira dedicada ao gerenciamento e resposta a emergências e ao desenvolvimento e implantação de soluções ligadas ao meio ambiente marinho e costeiro, principalmente

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA

INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA AUTOR: Cássio Eduardo Garcia E-mail: cassiogarcia@uol.com.br INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA 1 INTRODUÇÃO Muitas organizações ainda não se conscientizaram de que acidentes

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR. Francisco J. M. Chaves

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR. Francisco J. M. Chaves ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR ANÁLISE DE RISCOS No início da década de 60, a indústria de processamento apresentou um grande avanço tecnológico, com a utilização de condições de pressão e temperaturas

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Data: 21/08 /2013 Página: 1 /24 C DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV Descrição e/ou folhas atingidas Data 00 Emissão Inicial. 25/04/2013 01 Pág.03 Responsabilidades: Inclusão da Gerência de Planejamento e Controle

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

6.3 Plano de Ação 4 6.4 Registros de Auditoria 4

6.3 Plano de Ação 4 6.4 Registros de Auditoria 4 Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Ano III / N o 01 Janeiro-Fevereiro/98

BOLETIM TÉCNICO Ano III / N o 01 Janeiro-Fevereiro/98 BOLETIM TÉCNICO Ano III / N o 01 Janeiro-Fevereiro/98 ANÁLISE DE RISCO 1. INTRODUÇÃO A utilização da Análise de Riscos, em atividades industriais ou não, tem como objetivo minimizar o potencial de ocorrência

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

Best practices for Process Safety Analysis 2014 Global Safety Team-Safety Workshop Julio Tavares Braskem S/A AGENDA Sistema Braskem de Gestão de SSMA Gestão Integrada de Segurança de Processos Processo

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL 8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL O prognóstico ambiental elaborado para a Atividade de Pesquisa Sísmica Marítima 3D na Bacia Sedimentar do Ceará -, contempla as possíveis alterações dos fatores ambientais analisados

Leia mais

MATRIZ DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

MATRIZ DE GERENCIAMENTO DE RISCOS UNIDADE MARÍTIMA Unidade Marítima de Perfuração Alaskan Star REV. 00 DATA Ago/2008 FOLHA 1 / 14 M1 Seguir programa de inspeção e manutenção dos equipamentos e linhas. Inspeções Periódicas e Programas de

Leia mais

ANAC SAFETY CASE AO CONCEITO INTRODUÇÃO. Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional 29/04/2014

ANAC SAFETY CASE AO CONCEITO INTRODUÇÃO. Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional 29/04/2014 ANAC INTRODUÇÃO Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional! AO CONCEITO 29/04/2014 DE SAFETY CASE A Ausência de Acidentes não é Garantia de Segurança E, mesmo que fosse como demonstrar a segurança

Leia mais

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP - João Eustáquio Beraldo Teixeira Engenheiro de Segurança do Trabalho - Marcos José Jeber Jardim Gerente de Segurança. Meio Ambiente

Leia mais

Aumente o desempenho operacional da sua unidade industrial

Aumente o desempenho operacional da sua unidade industrial Aumente o desempenho operacional da sua unidade industrial Os seguidos acidentes, as grandes perdas com pessoas, os sucessivos prejuízos financeiros e a pressão da sociedade levam as indústrias químicas

Leia mais

Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental

Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Ricardo Lopes Ferro Outubro 2010 Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Apresentação

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

INAC 2009, Rio de Janeiro, RJ, Brazil.

INAC 2009, Rio de Janeiro, RJ, Brazil. 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Apresentação da Rede Temática GeDIg, Março de 2008 Sumário

Leia mais

VI-043 CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL X ACIDENTES AMBIENTAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE UM CASO REAL.

VI-043 CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL X ACIDENTES AMBIENTAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE UM CASO REAL. VI-043 CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL X ACIDENTES AMBIENTAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE UM CASO REAL. Sergio PintoAmaral (1) Doutorando em Engenharia Ambiental na COPPE/UFRJ (1998 em diante) - Msc. em Tecnologia Ambiental

Leia mais

7.7. PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

7.7. PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR 7.7. PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR 7.7.1. Justificativa Este programa justifica-se pela importância em se desenvolver e implementar ações que visem garantir a manutenção

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 SITUAÇÕES ANORMAIS NO INTERIOR DA UO 1 - Conceito de Perigo, Risco É a fonte ou

Leia mais

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 AS PARTES DO PRESENTE PROTOCOLO, SENDO PARTES da Convenção Internacional

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE UM NAVIO DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL COMPRIMIDO

METODOLOGIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE UM NAVIO DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL COMPRIMIDO METODOLOGIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE UM NAVIO DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL COMPRIMIDO Marcelo Ramos Martins Professor Doutor do Departamento de Engenharia Naval e Oceânica da Universidade de

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014)

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) Quem somos? Uma empresa com foco na geração de valor com serviços em Gestão de Riscos associados à Sustentabilidade.

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR O QUE É ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO?

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR O QUE É ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO? ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Trabalho e Emprego Carlos Lupi FUNDACENTRO

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

Gestão da segurança e saúde do trabalho

Gestão da segurança e saúde do trabalho 1 Gestão da segurança e saúde do trabalho RESUMO Renata Pereira de Araujo 1 Neri dos Santos 2 Wilson José Mafra 3 re_ambiental@yahoo.com.br 1 neri@egc.ufsc.br 2 mafra@joinville.udesc.br 3 1 Universidade

Leia mais

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR. NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR. NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Trabalho e Emprego Carlos Lupi FUNDACENTRO

Leia mais

I Conferencia Hemisférica sobre Protección Ambiental Portuaria. Agência Nacional de Transportes Aquaviários BRASIL

I Conferencia Hemisférica sobre Protección Ambiental Portuaria. Agência Nacional de Transportes Aquaviários BRASIL I Conferencia Hemisférica sobre Protección Ambiental Portuaria Agência Nacional de Transportes Aquaviários BRASIL Maria Luíza Almeida Gusmão Panama - Abril 2007 Política Nacional Meio Ambiente Recursos

Leia mais

Taxonomia de banco de dados de confiabilidade para a distribuição de gás natural

Taxonomia de banco de dados de confiabilidade para a distribuição de gás natural Taxonomia de banco de dados de confiabilidade para a distribuição de gás natural Adriano Nonato Cruz de Souza (UFBA) adriano@ambseg.com.br Enrique Lopez Droguett (UFPE) ealopez@ufpe.br Resumo Técnicas

Leia mais

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS Pág. 1/19 ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS CLIENTE PETROBRAS REV. 00 DATA Out/2010 FOLHA 1/19 INSTALAÇÃO Unidade Marítima de Perfuração NS-21 (Ocean Clipper)

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Políticas de Segurança Tópicos 1. Necessidade de uma Política de Segurança de Informação; 2. Definição de uma Política de

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

LÓGICA DA GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS

LÓGICA DA GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS LÓGICA DA GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS III Seminário Estadual de Acidentes com Produtos Perigosos Belo Horizonte, 27 a 29 de maio de 2008. Gilmar da Cunha Trivelato FUNDACENTRO - CRMG Objetivo

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Brasília, setembro de 2007 Sistema Integrado de Gestão Ambiental Processo contínuo e adaptativo, por meio do qual uma organização define (e redefine)

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE OPERADOR DE CONTROLE DE LASTRO - COPL DISCIPLINA: CONTROLE DE ESTABILIDADE DE UNIDADES OFFSHORE - II MÓDULO II SIGLA: CTE-II CARGA HORÁRIA: 48 HORAS

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Horário da Aula: 19h30min às 20h45min / 21h às 22h23min

Horário da Aula: 19h30min às 20h45min / 21h às 22h23min Lembretes Horário da Aula: 19h30min às 20h45min / 21h às 22h23min Solicitar cadastro na seg-l Página do curso: http://www.unisinos.br/graduacao/seguranca-dainformacao/apresentacao Página do Professor:

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15331 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos Adventure tourism Safety management system Requirements

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais