O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo:"

Transcrição

1 O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2 ALVIN. Fabiano A. Folgate Resumo: O objetivo do trabalho foi analisar o beneficio do exercício físico no individuo diabético tipo 2, tratando do não-insulino dependente, pois estudos mostram que indivíduos diabéticos fisicamente ativos são capazes de obter mais beneficio no tratamento do que os sedentários. Desta forma o profissional de educação física necessita atuar como educador e formular treinos ou atividades físicas aos alunos, portadores de diabetes mellitus. É necessário compreender o papel do exercício físico no tratamento. Para atingir este propósito, apresentaremos uma revisão dos principais aspectos do emprego da atividade física no tratamento do diabetes mellitus. PALAVRAS-CHAVE: diabetes mellitus ; atividade física 1 - Introdução Diabetes Mellitus conhecida simplesmente como diabetes, uma disfunção do metabolismo de carboidrato pelo alto índice de açúcar no sangue (hiperglicemia) e presença de açúcar na urina (glicosúria). Ela ocorre quando há uma produção inadequada de insulina pelo pâncreas ou utilizada de insulina pelas células do corpo (STRYJER&IBANEZ&PUGIRÁ&FAVARON,2004). O processo de digestão transforma os carboidratos, proteínas e lipídeos ingeridos respectivamente em glicose, aminoácidos e ácidos graxos que são transportados para o interior das células e são usados como fonte de energia e/ou armazenados na forma de glicogênio, proteínas e triglicérides. Estes processos metabólicos são dependentes, em grande parte, dos hormônios de insulina e glucagon que são produzidas pela porção endócrina do pâncreas (GAZOLA &BAZOTTE & SOUZA,2001). Os tecidos corporais trabalham juntos para manter uma disponibilização constante de combustível no sangue. Este controle é chamado de homeostase calórica e significa que independentemente da pessoa estar no estado alimentado ou jejum, o nível sanguíneo de combustíveis que suprem uma quantidade equivalente de ATP quando metabolizados não caem abaixo de certos limites. As mudanças na razão insulina/glucagom são cruciais para proporcionar a manutenção da homeostase calórica. Os níveis de glicose são controlados dentro de limites muito estreitos devido à necessidade absoluta deste substrato pelo cérebro(wojtaszewski&richter,1998) citado por (GAZOLA&BAZOTTE&SOLZA,2001). Quando a razão insulina/glucagon varia errantemente surgem distúrbios metabólico que pertencem a homeostase dos substratos energéticos no sangue. Se o nível de

2 glicose cair abaixo de 1,5mM (o normal esta na ordem de 5mM) ocorrerá coma resultante da falta de produção de ATP, e a morte acontecerá brevemente se esta situação não for rapidamente corrigida (WOJTASZEWSKI&RICHTER,1998), citado por (GAZOLA&BAZOTTE&SOUZA,2001). Por outro lado, a hiperglicemia deve ser evitada devido ao coma hiperosmolar. A hiperglicemia também leva a perda da glicose na urina e a glicosilação de várias proteínas, sendo que essa última tráz graves complicações quando o quadro hiperglicêmico prolongado. O diabetes é uma doença onde ocorrem distúrbios na produção/secreção de insulina pelas células β pancreática ou na sensibilidade à insulina. No primeiro caso há ausência de secreção de insulina e o diabetes é denominado tipo 1 ou insulino-dependente (IDDM). No segundo caso há produção abaixo do normal, ou excessiva de insulina, no entanto, os tecidos tornam-se irresponsivos ao hormônio, neste caso, o diabetes é denominado tipo 2 ou não-insulino dependente (NIDDM). (GAZOLA&BAZOTTE&SOUZA, 2001). O surgimento e o progresso de várias doenças comuns em adultos tais como Diabetes Mellitus, hiperlipidemia e hipertensão estão intimamente correlacionadas com fatores ambientais. Na últimas décadas, o sedentarismo, a obesidade e o excesso de ingestão de gorduras e carboidratos são fatores de reconhecida importância no desenvolvimento das chamadas doenças relacionadas ao estilo de vida, especialmente o diabetes tipo 2(MATSUOKA,1999), citado por (GAZOLA&BAZOTTE&SOUZA,2001). De qualquer forma, os distúrbios metabólicos do diabetes (tipicamente hiperglicemia e dilipidemia) podem ser parcialmente corrigidos pela administração de insulina, no caso do diabetes tipo 1, e agentes hipoglicemiantes orais ou insulina, no caso de diabetes tipo 2. em ambos os casos faz necessário dieta e exercícios físicos. Dependendo da gravidade do NIDDM estas duas medidas podem corrigir ou amenizar o problema sem a intervenção de fármacos. No Brasil cerca de 8% da população é diabética, e destes cerca de 2/3 ainda não foram diagnosticados. Dessa forma o objetivo desse trabalho é fornecer informações que possam orientar tanto os profissionais da educação física, que convivem profissionalmente com os diabetes como a população de um modo geral. A crescente incidência do Diabetes Mellitus na população mundial, com a prevalência dos EUA chegando a 10 milhões de pessoas com Diabetes Mellitus tipo 2 constituindo 5% da população americana, é uma das conseqüências mais graves desta disfunção. Os Diabetes Mellitus é um dos mais importantes problemas da saúde mundial, tanto em número de pessoas afetadas, como de incapacitação e de mortalidade prematura bem como dos custos envolvidos no seu tratamento. Há uma tendência ao aumento de sua prevalência estimando-se que os diabetes na população brasileira estejam em 7% sendo que só em São Paulo esse número chega a 9% na faixa etária de 30 a 59 anos e, na facha etária de 60 a 69 anos chega a 13,4%. Entre os dois tipos de diabetes o tipo 2, é o de maior incidência, alcançando entre 90 a 95% dos casos, acometendo indivíduos de meia idade ou em idade avançada, podendo uma hipoglicemia estar presente por vários anos. O tratamento da Diabete Mellitus envolve o uso de antidiabéticos orais e/ou insulina, dieta e atividade física (SILVA&LIMA&AMORIM&KRETZCHMER, 2004). Há duas classificações de Diabetes Mellitus principais IDDM (insulinodependente tipo1) e NIDDM (não-insulino dependente tipo2). 1.1.Sintomas do Diabetes Mellitus.

3 Os mais comuns são: sede excessiva,excesso de urina, muita fome, cansaço e emagrecimento. Muitas pessoas adultas têm diabetes e não sabem. Os sintomas muitas vezes são vagos como formigamento nas mãos e nos pés, dormência, peso ou dores nas pernas, infecções repetitivas na pele e mucosas. Portanto é muito importante pesquisar diabetes em todas as pessoas com mais de 40 anos de idade (STRYJER&IBANEZ&PUGIRÁ&FAVARON,2004). 1.2.Como detectar. A doença pode ser detectada através de testes simples que pesquisam a presença de açúcar na urina ou que avaliam a quantidade de açúcar no sangue. Mas o diagnóstico deve ser comprovado através do exame laboratorial de sangue (glicemia), que pode ser realizado em três condições. A) Com glicemia de manhã em jejum de pelo menos 8 horas (uma noite) e o resultado igual ou superior a 126mg/dl é sugestivo de diabetes; B) com glicemia 2 horas após sobrecarga com 75g de glicose (a glicose é ingerida com água, após jejum de uma noite c o sangue é colhido 2 horas após para dosagem de glicose), o resultado igual ou superior a 200mg/dl é sugestivo de diabetes; C) com glicemia casual (o sangue deve ser colhido em qualquer horário do dia, sem relação com alimentação) esta glicemia só deve ser apresentada em pessoas que estão apresentando quadro clinico sugestivo de diabetes (muita fome, muita sede e muita urina) e o resultado igual ou superior a 200mg/dl é sugestiva de diabetes. Um resultado positivo por qualquer critério acima, deverá ser referendado nos dias subseqüentes por uma glicemia de jejum ou 2 horas pós-sobrecarga (STRYJER&IBENEZ&PUGIRA&FAVARON,2004). 1.3.Causas A doenças mais freqüentes tem a sua origem familiar, através da transmissão genética. Mas o início do diabetes, em geral requer associação dos fatores genéticos com fatores ambientais e com estilo de vida da pessoa. Entre os mais conhecidos encontramos a obesidade, o sedentarismo e as infecções. O diabetes não genético pode surgir após destruições das células betas pancreáticas e secretora de insulina, como por exemplo no alcoolismo crônico que pode causar pancreatite crônica, esses exemplos junto a ma alimentação podem estar contribuindo para uma pessoa contrair o diabetes(stryjer&ibanez&pigirá&favaron,2004). 2.Diabetes Mellitus insulino dependente tipo 1. O IDDM já foi chamado de diabetes juvenil, por surgir na infância ou adolescência, porem não é limitado a esta idade. A insulina está ausente ou quase ausente nesta doença devido a um defeito/ausência das células β do pâncreas. Se não for tratada ela se caracteriza por hiperglicemia, hiperlipoproteinemia aumento de quilomicrons e VLDL),

4 episódios de severa cetoacidose, emagrecimeto, poliúria, polifagia e polidipisia. Além disso, mesmo quando a glicose da dieta está sendo absorvida pelo intestino e liberada para o sangue a razão insulina/glucagon não aumenta e o fígado permanece neoglicogênico e cetogênico. A hiperglicemia resulta em parte da inabilidade dos tecidos dependentes de insulina (músculo, por ex.) em captar a glicose sanguínea e em parte pela acelerada neoglicogênese hepática a partir de aminoácidos derivados de proteínas musculares. Assim, já que a neoglicogênese é contínua, o fígado contribui para hiperglicemia tanto no estado alimentado como em jejum (NATIONAL DIABETES DATA GROUP,1977), citado por (GAZOLA&BAZOTTE&SUZA,2001). 3.Diabetes Mellitus não -insulino dependente tipo 2. O NIDDM compreende 80 a 90% dos casos diagnosticado de diabetes, sendo também chamada de diabetes da maturidade para diferenciada da diabete juvenil (IDDM). Geralmente ocorre em pessoas obesas de meia idade. A insulina está presente em níveis normais a elevados. O problema neste indivíduo pode estar em nível dos receptores de insulina localizados na membrana plasmática das células responsável a insulina (hepatócitos, adipocitos e células musculares). O NIDDM é caracterizado por hiperglicemia e freqüentemente hipertrigliceridemia sendo que a cetoacidose, típica do IDDM, não é observada. A obesidade geralmente precede o desenvolvimento do NIDDM e parece ser o principal fator contribuinte. Pacientes obesos são geralmente hiperisulinêmicos e a uma relação inversa entre os níveis de insulina e os níveis de receptores de insulina. Em adição existem problemas nas células responsivas a insulina, por ex: na habilidade da insulina em recrutar seus portadores de glicose a partir de sítios intracelulares para a membrana plasmática. (Como conseqüência os níveis de insulina permanece altos, porem os níveis de glicose são pobremente controlado devido a falta de responsividade normal a insulina (OLEFSKY&KOLTERMAN, 1981) citado por GASOLA&BAZOTTE&SOUZA, 2001). Alterações metabólicas durante o exercício físico no individuo diabético e não diabético: O exercício físico induz uma grande alteração fisiológica no organismo, exigindo adaptações cardiorespiratórias e metabólicas. Leva ao aumento utilização de substratos energéticos, exigindo varias modificações metabólicas para suprir de forma adequada tanto o músculo em atividades quanto outros tecidos corporais. No repouso o sistema aeróbio predomina no músculo e o substrato energético preferencial utilizado é gordura (85 a 90 %), sendo que a glicose contribui com 10% e as proteínas com 1-2%(AHLBOGR et al..,1947) citado por (GAZOLA&BAZOTTE&SOUZA, 2001). No inicío do exercício utilização de glicose aumento rapidamente devido, primariamente a degradação dos estoques de glicogênio muscular ; sendo que nesta fase a um predomínio de metabolismo anaeróbio ( HOELZER et al., 1986) citado por GAZOLA& BAZOTTE&SOUZA, 2001).

5 A prática regular de exercício promove alterações no metabolismo em relação ao estado sedentário. O condicionamento físico, no indivíduo normal, promove perfis lipídicos e lipoprotéicos menos ategenicos, aumento da sensibilidade a insulina de melhor tolerância a glicose. Em sujeitos severamente obesos não diabéticos submetidos a uma dieta hipocalórica ( 600 calorias), observou-se redução da concentração sérica de glicose e insulina e melhora da tolerância a glicose, no entanto, um aumento da sensibilidade insulina só foi observado após a adição de um programa de treinamento. Por outro lado, em sujeitos obesos e portadores de NIDDM submetidos ao tratamento, observou-se aumento do nível de insulina sem melhora da sensibilidade a insulina e do nível de glicose. A adição de um programa de treinamento físico a este individua resultou na melhora tanto na sensibilidade a insulina quanto dos níveis sericos de glicose. Desta forma a prática de um programa de treinamento físico torna-se altamente recomendável como parte do tratamento do portador de resistência a insulina, em tolerância a glicose, dislipidemia e diabetes ( LAMPMAN&SCHTEINGAR, 1991) citado por (GASOLA&BAZOTTE&SOUZA, 2001). Uma distinção deve ser feita entre os efeitos agudos do exercício e os efeitos do treinamento. Até duas horas após o exercício a capitação de glicose é elevada em parte devido a mecanismos independentes da insulina, ou seja, aumento da concentração-induzida na translocaçõa de transportadores GLUT 4 na membrana sarcolemal e dos túbulos transversos. No entanto uma única sessão de exercício pode aumentar a sensibilidade a insulina por pelo menos 16 horas no indíviduo saudável e o diabético. Desta forma, o treinamento físico potencializa o efeito do exercício sobre a sensibilidade a insulina através de adaptações múltiplas no transporte e metabolismo de glicose. Considerando o papel importante da musculatura esquelética a estabilidade metabólica do indivíduo diabéticos e o fato de ocorrer sarcopenia devido ao sedentarismo e ao envelhecimento, um programa de restabelecimento e desenvolvimento da massa muscular perdida aí o benefício do exercício no tratamento dos diabéticos. Por outro lado convém enfatizar que o aumento da sensibilidade tecidual a insulina aumenta os riscos de hiperglicemia ( TUOMENEN et al., 1995) Citado por (AZOLLA&BAZOTTE&SOUZA) 4.A importância do exercício físico no tratamento do Diabetes Mellitus No diabetes tipo2, o tratamento normalmente inicia-se com dieta e exercício. Em alguns diabéticos, apenas essas medidas são eficazes porque ambas aumenta sensibilidade a insulina em pacientes insulinos-resistentes, particularmente em obesos. Este efeito também deve estar relacionado a uma maior utilização do glicogênio muscular durante o exercício. O esgotamento do glicogênio muscular permite que uma maior proporção da glicose vinda da digestão de carboidratos seja desviada para a ressintese do glicogênio, aumentando a tolerância a glicose ( PRICE et al ) Citado por ( GAZOLLA&BAZOTTE&SOUZA, 2001). O exercício físico pode ajudar os diabéticos a perderem peso, ocasionado melhora no controle da glicemia. Porém é interessante observar que o paciente diabético tem maior dificuldade em manter esta perda de peso após a suspensão do treinamento físico, quando comparado a obesos não diabéticos. Além disso, em estudo sobre o efeito do exercício físico no diabetes tipo 2, observou-se diminuição dos triglicérides, diminuição da pressão arterial, redução dos batimentos cardíacos em repouso, redução da gordura corporal

6 e alimento das lipoproteínas de alta densidade (LEHMANN et al., 1996) Citado por (GAZOLLA&BAZOTTE&SOUZA, 20001). Das informações apresentadas anteriormente, depreende-se que o exercício físico é um componente fundamental no tratamento do diabetes. Com tudo, o programa de atividade física deverá levar em consideração o aspecto psicológico de cada paciente devendo transmitir informações sobre a doença e a importância da prática do exercício físico para manter a doença sobre controle. Pois o sedentarismo é prejudicial a saúde, aumentando os riscos de doença, particularmente do aparelho cardiovascular ( RIEU, 1995) Citado por (GAZOLLA&BAZOTTE&SOUZA, 2001). Orientações aos profissionais de educação física Devido a prevalência do diabetes tipo2 em indivíduos acima de trinta anos ser da ordem de 6%, o professor de educação física que trabalha com adultos terá grande possibilidade de conviver com este paciente. Além disso, é comum o paciente diabético passar a freqüentar uma academia de cultura física seguindo recomendações medica. Porém, antes de iniciar a prática de exercícios físicos, estes pacientes devem realizar exames clínicos e laboratoriais, e um completo exame físico a fim de identificar a existência de complicações com retinopatia, neuropatias, dentre outras. Todos os indivíduos acima de 35 anos devem realizar teste de estress físico para identificar a ocorrência de doença isquêmica cardíaca e respostas anormais da pressão arterial. Somente após a realização destes exames, o médico poderá indicar um programa de exercícios físicos apropriados as necessidades de cada paciente. Alem disso, e importante enfatizar que a prática de exercício físico sem o controle adequado do Diabetes mellitus, poderá agravar o distúrbio metabólico. Exercícios de resistência aeróbia são, tradicionalmente, considerados como tipo de exercício mais indicado para diabetes porque envolvem grandes massas musculares do corpo, promovem uma interação funcional entre órgãos, aumenta à sensibilidade a insulina e melhora o controle da glicose dos lipídeos sericos. Existem poucos estudos sobre os efeitos do treinamento anaeróbio sobre o metabolismo da glicose em diabéticos. No entanto, a incidência de NIDDM aumenta com a idade, parcialmente devido ao declínio da massa muscular associado a idade. Isto corresponde ao declínio da função metabólica, justificando a utilidade do treinamento de resistência anaeróbio no tratamento do NIDDM. O mesmo é valido para indivíduos sedentários. Dessa forma, quando a perda de massa muscular devido a inatividade ou avanço da idade existindo em indivíduos adultos, um programa de treinamento físico envolvendo ambos os tipos de atividade é indicado assim sendo pode se combinar um tratamento de resistência aeróbio que melhora a competência cardiorespiratoria, com treinamento de resistência anaeróbio ( tipo circuito ) que melhora a potência e a resistência muscular (ERIKISSON, 1999) citado por (GAZOLA&BAZOTTE&SOUZA). Em linhas gerais, o programa de atividade física destinado ao paciente diabético tipo2 poderá ser aplicado ao tipo1, pois obedecem aos mesmos princípios, no que diz respeito a freqüência, duração e intensidade do exercício. Os objetivos de um programa de condicionamento físico adaptado ao aluno diabético, deve ser voltado fundamentalmente para desenvolver; o estado de saúde, a

7 capacidade funcional cardiorespiratória, a resistência e a flexibilidade muscular. Mantendo o controle metabólico mais eficiente, e outros aspectos psicológicos. Os diabéticos que pretender se beneficiar das vantagens que o exercício físico proporciona, devem levar em consideração algumas regras básicas: o tratamento do Diabetes Mellitus com medicamento só é eficaz quando adicionado dieta e exercícios físicos; o progtama de exercícios físicos só devera ser iniciado quando este metabolismo estiver compensado de forma regular e gradativa; os exercícios devem se adequar as necessidades do aluno; a possibilidade de hipoglicemia deve ser sempre levada em conta durante os exercícios. Alguns pontos importântes na orientação do aluno diabéticos pelo profissional de educação física: a) propor atividades físicas que proporcione prazer ao aluno; b) evitar treinos ou atividades onde a hipoglicemia é fator de risco; c) convencer o diabético a exercitar-se regularmente, diariamente se possível; d) não expor o aluno diabético a esforço extremo; e) procurar adequar o horário de treino com a necessidade de cada aluno; f) iniciar os exercícios após uma ou duas horas após a refeição, evitando atividades físicas durante o pico de insulina; g) respeitar cada um com sua individualidade e capacidade; h) aumentar gradativamente a intensidade ou volume das atividades; i) iniciar atividades sempre com aquecimentos e alongamentos; j) instruir os alunos a fazerem exames diariamente nos pés para verificar se existem calos lesões; k) todos os diabéticos devem fazer atividade física; l) questionar sempre se esta tudo bem no desenvolvimento da atividade. Considerações finais Nesta revisão realizamos uma avaliação da importância do exercício físico como componente no tratamento do Diabetes Mellitus, mais especificamente do diabetes tipo2, constatamos que a prática de exercícios físicos é de extrema importância pois implica no melhor controle da doença. O exercício físico proporciona redução de peso corporal, preserva os tecidos musculares, melhora o potencial cardiovascular, psicológico, a interação social, aumento do consumo máximo de oxigênio. Além disso, por esgotar o glicogênio muscular, favorece uma maior captação de glicose vinda da digestão de carboidratos para a resintese do glicogênio, fazendo com que a taxa glicêmica não se altere tanto após as refeições. Assim, todo profissional de educação física deve ficar atento quanto ao possível encontro com alunos diabéticos e que necessitam de um programa de atividade física. Neste momento, o profissional deve seguir as regras gerais básicas levantadas neste estudo, proporcionando ao portador dessa doença um treinamento bem elaborado com orientações adequadas visando saúde e qualidade de vida. Importante estar sempre atento aos exames médicos periódicos e proporcionar boas atividades físicas.

8 Referencias bibliográficas STRYJER. Roberto Saulo Osmar, Qualidade de vida, Rio de Janeiro, ed. Biologia e saúde IBANEZ. Solange, Qualidade de vida, Rio de Janeiro, ed. Biologia e saúde, PUGIRÁ. Marcos, Qualidade de vida, Rio de Janeiro, ed. Biologia e saúde, FAVARON. Arnaldo, Rio de Janeiro, ed. Biologia e saúde, SILVA. Carlos Alberto, Diabetes clinica, Rio de Janeiro, ed. Atlântica, LIMA. Walter Celso, Diabetes clinica, Rio de Janeiro, ed. Atlântica, AMORIM. Sheila, Diabetes clinica, Rio de Janeiro, ed. Atlântica, KRETZCHMAR. Morgana, Diabetes clinica, Rio de Janeiro, ed. Atlântica, GAZOLA. Vilma Ap. Ferreira de Godoy, BAZOTTE. Roberto Barbosa, SOUZA. Sandra Vicente, Atividade física e Diabetes Mellitus, Art., Ciênc. Saúde Unipar, 20-32, 2001.

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO A concentração de glicose no sangue está sempre sendo regulada A glicose é mantida em uma faixa de 60 a 90 g/100ml de sangue (~4,5mM) Homeostase da glicose Necessidade

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É DIABETES? Trata-se de uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina ou quando o corpo não consegue utilizar

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

11/05/2015 INTER-RELAÇÕES METABÓLICAS INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO PRINCÍPIOS QUE GOVERNAM O METABOLISMO

11/05/2015 INTER-RELAÇÕES METABÓLICAS INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO PRINCÍPIOS QUE GOVERNAM O METABOLISMO INTER-RELAÇÕES METABÓLICAS Plano de Aula -Visão geral e principais mecanismos de regulação -Especificidade metabólica nos diferentes tecidos do organismo humano -Relações metabólicas entre tecidos nos

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA NO CONTROLE DA GLICEMIA DE DIABÉTICOS

TREINAMENTO DE FORÇA NO CONTROLE DA GLICEMIA DE DIABÉTICOS Juliana Avelino da Silva TREINAMENTO DE FORÇA NO CONTROLE DA GLICEMIA DE DIABÉTICOS Belo Horizonte Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG 2011 Juliana Avelino da Silva TREINAMENTO

Leia mais

Como viver bem com diabetes

Como viver bem com diabetes Como viver bem com diabetes Sumário 3 5 7 8 10 12 14 15 16 17 19 O que é diabetes? Como saber se tenho diabetes? Por que controlar bem o diabetes? Alimentação Por que fazer exercícios físicos? Tratamento

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Entendendo o Diabetes Mellitus Dra. Jeane Sales Macedo Dra. Iraci Oliveira Objetivos Capacitar profissionais

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade.

Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade. Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade. Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO ESTRATÉGIAS DO METABOLISMO - ATP é a moeda energética da célula - ATP é gerado pela oxidação de moléculas de alimento: * as macromoléculas da dieta são quebradas até suas unidades

Leia mais

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22 Sistema endócrino Apostila 3 Página 22 Sistema mensageiro Hormônios: informacionais, produzidas pelas glândulas endócrinas e distribuídas pelo sangue. Órgão-alvo: reage ao estímulo do hormônio. Sistema

Leia mais

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia Texto de apoio ao curso de especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Manual Merck Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia A hipoglicemia é um distúrbio

Leia mais

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Dr. José Maria Santarem* Exercícios físicos são parte integrante da prática e preparação esportiva, e podem ser utilizados em medicina com diversas finalidades.

Leia mais

Diabetes - Introdução

Diabetes - Introdução Diabetes - Introdução Diabetes Mellitus, conhecida simplesmente como diabetes, é uma disfunção do metabolismo de carboidratos, caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue (hiperglicemia) e presença

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser

DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser DM: Conceitos Doença causada pela falta, absoluta ou relativa, de insulina no organismo. Insulina: é um hormônio, responsável pelo controle do açúcar no

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1

Diabetes Mellitus Tipo 1 Diabetes Mellitus Tipo 1 Doença decorrente do mal funcionamento das células β do pâncreas, que são produtoras do hormônio insulina. Este tem a função de colocar a glicose sanguínea dentro das células.

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA LUNARA BASQUEROTO DELLA JUSTINA OS EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO SOBRE O DIABETES MELLITUS TIPO 2

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA LUNARA BASQUEROTO DELLA JUSTINA OS EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO SOBRE O DIABETES MELLITUS TIPO 2 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA LUNARA BASQUEROTO DELLA JUSTINA OS EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO SOBRE O DIABETES MELLITUS TIPO 2 Palhoça 2010 2 LUNARA BASQUEROTO DELLA JUSTINA OS EFEITOS DO EXERCÍCIO

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

METABOLISMO DE LIPÍDEOS

METABOLISMO DE LIPÍDEOS METABOLISMO DE LIPÍDEOS 1. Β-oxidação de ácidos graxos - Síntese de acetil-coa - ciclo de Krebs - Cadeia transportadora de elétrons e fosforilação oxidativa 2. Síntese de corpos cetônicos 3. Síntese de

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes?

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes? Quais são os sintomas? Muita sede, muita fome, muita urina, desânimo e perda de peso. Esses sintomas podem ser observados antes do diagnóstico ou quando o controle glicêmico está inadequado. O aluno com

Leia mais

O que é diabetes mellitus tipo 2?

O que é diabetes mellitus tipo 2? O que é diabetes mellitus tipo 2? Todas as células do nosso corpo precisam de combustível para funcionar. O principal combustível chama-se glicose, que é um tipo de açúcar. Para que a glicose consiga entrar

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Infância -Promoção e consolidação dos hábitos alimentares - Incremento das necessidades nutricionais para

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES 1 Copyright 2014 por Publicado por: Diabetes & Você Autora: Primeira edição: Maio de 2014 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta apostila pode

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

DROGAS HIPOGLICEMIANTES

DROGAS HIPOGLICEMIANTES DROGAS HIPOGLICEMIANTES Secreção da insulina Insulina plasmática Receptor de insulina Ações da insulina DIABETES: Síndrome de múltipla etiologia, decorrente da falta de insulina e/ou sua incapacidade

Leia mais

Índice. 11 Introdução

Índice. 11 Introdução Índice 11 Introdução 15 CAPÍTULO 1: Perguntas e respostas sobre a diabetes tipo 2 15 O que é a diabetes? 16 O que é a insulina? 16 O que é a resistência à insulina? 17 O que significa ter pré diabetes?

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Introdução Geralmente, as pessoas descobrem estar diabéticas quando observam que, apesar

Leia mais

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros http://wp.ufpel.edu.br/obesidadediabetes/ Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina INTRODUÇÃO O controle da hiperglicemia em longo prazo é essencial para a manutenção

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos Introdução CARBOIDRATOS Outras denominações: - Hidratos de carbono - Glicídios, glícides ou glucídios - Açúcares. Ocorrência e funções gerais: São amplamente distribuídos nas plantas e nos animais, onde

Leia mais

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS Autora: Márcia de Fátima Ferraretto Pavan Resumo: Diabetes mellitus é uma doença crônica e está associada a complicações que comprometem

Leia mais

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes?

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Com a queda da produção de insulina, hormônio importante para o funcionamento do organismo, resultando no aumento da quantidade de açúcar. Áreas afetadas pelo

Leia mais