O Papel dos Análogos da Insulina Moderna no Manejo Personalizado de Diabetes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Papel dos Análogos da Insulina Moderna no Manejo Personalizado de Diabetes"

Transcrição

1 Stephen Colagiuri, MD: Olá e bem vindos a este programa educativo chamado O Papel dos Análogos da Insulina Moderna no Manejo Personalizado de Diabetes. Meu nome é Stephen Colagiuri. Sou professor de saúde metabólica no Boden Institute, na Universidade de Sydney na Austrália. Esta discussão entre especialistas enfocará aspectos clínicos relevantes do cuidado personalizado de diabetes com regimes de insulina moderna. Este programa é parte de um currículo educacional chamado Avanços Clínicos em Insulina Moderna. O escopo de nossa discussão hoje é considerar a razão e benefícios da terapia com insulina no diabetes tipo 2 (T2DM), o problema da iniciação tardia e inapropriada de insulina, e algumas soluções sobre como podemos facilitar o uso mais apropriado de insulina em T2DM. Hoje estou acompanhado por meus colegas especialistas, Professor Stewart Harris, professor em manejo de diabetes na Canadian Diabetes Association, na Western University, London, Ontário, Canadá. Também estou acompanhado do Professor Kamlesh Khunti, que é professor de cuidados primários em diabetes e medicina vascular, no Leicester Diabetes Center, em Leicester, Reino Unido, e também pelo Professor Luc Martinez, que é professor de práticas gerais, vice-presidente da French Society of General Medicine, da University of Pierre and Marie Curie, em Paris, França.

2 Bem-vindo. Antes de começarmos nossas discussões, reserve um minuto para testar seu conhecimento sobre este tópico respondendo a algumas perguntas que serão apresentadas em um momento. Você terá outra chance de responder a estas perguntas ao final da atividade, para ver o que aprendeu. Se pudermos, antes de mais nada, começar discutindo qual a razão para os benefícios da terapia com insulina em T2DM, e talvez se pudéssemos começar com você, Kamlesh, para nos dar uma ideia sobre a importância de obter alvos individuais em pessoas em terapia com insulina.

3 Kamlesh Khunti, MBChB, PhD, MD: Acho que sabemos pelo Estudo Prospectivo sobre Diabetes no Reino Unido (UKPDS), que é muito importante começar obtendo metas fixas muito cedo na trajetória da doença se formos colher os benefícios mais tarde para os pacientes. Sabemos claramente que o acompanhamento de 10 anos pós-estudo UKPDS mostrou que houve benefícios micro e macrovasculares no monitoramento de 10 anos pós-estudo.

4 Porém, houve algumas preocupações com os novos estudos que tivemos, e que não mostraram estes benefícios cardiovasculares em termos dos estudos ACCORD, ADVANCE e VADT. Houve muita especulação sobre o porquê disso, e provavelmente é porque estavam muito tardios na trajetória da doença; já tinham apresentado fatores de risco cardiovascular e de doença cardiovascular, e provavelmente é por isso que não tiveram os benefícios cardiovasculares. Dr Colagiuri: Stewart, qual a sua opinião sobre isso, em termos de benefícios da terapia precoce com insulina?

5 Stewart B. Harris, MD, MPH, FCFP, FACPM: Sim, concordo totalmente com Kamlesh. Os estudos de resultado cardiovascular tenderam a recrutar pacientes que estavam num estágio muito tardio da doença. Eles já tinham estabelecido doença cardiovascular e diabetes de longa duração; provavelmente foi tarde demais para ter um efeito de reduzir ainda mais os eventos cardiovasculares e mortalidade. Provavelmente é por isso que todos basicamente tiveram o mesmo tipo de resultado, novamente reinterando que o estudo UKPDS realmente mostrou que uma intervenção precoce, mesmo 10 a 20 anos após o final do estudo, ainda tem um benefício a longo prazo. Isto ocorre quando os benefícios macrovasculares realmente começaram a surgir e ser estatisticamente significantes, o que não foi visto nos primeiros 10 anos. Este efeito de legado do controle precoce, teve um efeito a longo prazo por toda vida, por fim reduzindo o risco de doença cardiovascular. Dr Colagiuri: Luc, você gostaria de acrescentar algo em relação a isso? Luc Martinez, MD: Sim, gostaria de acrescentar o fato de que há uma mudança na forma como tratamos os pacientes.

6 No começo, citamos a necessidade de um estrito controle glicêmico e que foi comprovado, mas também vimos em diferentes estudos, principalmente no ADVANCE e ACCORD, que o tratamento muito estrito estava associado a efeitos colaterais, que contrabalancearam o benefício do tratamento antihiperglicêmico. Portanto, há uma mudança no paradigma de tratar o paciente incorporando diferentes critérios para adaptar a terapia e para definir diferentes níveis de metas a alcançar, dependendo das comorbidades, e dependendo também das preferências dos pacientes. Esta é uma nova recomendação, tendo sido lançada em 2012 pela American Diabetes Association (ADA) em associação com a European Association for the Study of Diabetes (EASD), que é individualizar o tratamento, dependendo das comorbidades dos pacientes e sua capacidade de alcançar a meta. Portanto, há um novo equilíbrio entre os benefícios e riscos do tratamento. Sabemos que um tratamento precoce levará a melhores resultados, principalmente em termos de complicações macro e microvasculares, mas também uma melhor aderência ao tratamento, o que significa que há uma taxa favorável de benefícios sobre os efeitos colaterais com o tratamento precoce.

7 Dr Colagiuri: Da mesma forma, temos alguns dados a longo prazo do estudo ORIGIN, em relação a isso. Você achou o estudo reafirmador? Dr Harris: Sim, achei que o estudo ORIGIN, que na verdade não teve muito ênfase quanto deveria, [foi muito reafirmador] em termos de reforçar a segurança da terapia com insulina. Por muitos anos, houve preocupações, sejam legítimas ou não, se: Talvez a insulina não é segura A terapia com insulina exógena pode estar associada com risco aumentado de câncer, ou A insulina pode, na verdade, ter um risco aumentado de doença cardiovascular.

8 O estudo ORIGIN, que foi um estudo de longa duração bem planejado que avaliou 7 anos de terapia [análoga] com insulina [basal], nos reafirmou completamente que não houve absolutamente nenhum risco associado com algumas das novas insulinas análogas basais que foram usadas naquele estudo particular com relação ao risco de câncer, assim como doença cardiovascular. Agora temos evidência irrevogável que a terapia com insulina exógena, particularmente terapia análoga basal, é segura para uso, e assim há um problema a menos apresentado para os clínicos em relação ao uso de terapia com insulina.

9 Dr Colagiuri: Apesar de todos estes benefícios, o que você claramente viu, ainda temos o problema de termos um início tardio e inapropriado da insulina no manejo de pessoas com diabetes, o que provavelmente beneficiou. Se pudesse perguntar novamente, Stewart, quais os problemas do porquê isso é o caso?

10 Dr Harris: Sim, é um problema real, particularmente em cuidados primários, acerca da introdução tardia da terapia de insulina e o uso ineficiente da terapia de insulina. Em termos de inércia clínica, temos um retardo no uso da terapia com insulina, quase até os estágios tardios de diabetes. Da mesma forma, o segundo tipo de inércia clínica é uso insuficiente e/ou titulação insuficiente; a falha de uso de insulina suficiente para ser eficiente.

11 Dr Colagiuri: Kamlesh, qual sua experiência em termos desta situação no RU? Dr Khunti: Bem, estamos mudando muito nossos cuidados para um ambiente de cuidados primários, e isso tem sido o caso pelos últimos 10 anos. Isto ocorre primariamente por dois motivos: Um é a epidemia de T2DM. Não há maneira de nosso cuidado secundário, ou colegas especialistas, cuidarem de tantos pacientes. Segundo, os custos de cuidados de saúde são muito menores em um ambiente de cuidados primários.

12 Há um número de modelos sendo definidos no RU. Um modelo é onde estamos educando a equipe de cuidados primários profissionais de cuidados de saúde, enfermeiros e práticos gerais (GPs) para gerenciar as pessoas mais apropriadamente, assim como iniciar terapias de injeção muito antes dos análogos do receptor de peptídeo-1 semelhante a glucagon (GLP-1) e insulina. Da mesma forma, estamos dando a eles as capacidades e ferramentas para tal. Este é um dos modelos. O outro modelo é onde temos clínicos intermediários. Há um especialista GP ou consultor que vem e trabalha com o enfermeiro especialista em diabetes na comunidade, onde um número de práticos pode buscar, se não tiverem a especialização na iniciação de insulina. O terceiro modelo, que agora não é mais tão popular, é onde os pacientes ainda continuam indo a um especialista em seu hospital. De todos esses, aquele com a clínica comunitária parece ser o mais popular, porque nem tantos GPs desejam iniciar a insulina porque não se sentem tão confiantes com isso, nem sentem que têm as habilidades de iniciar insulina em um ambiente de cuidados primários. Dr Colagiuri: Luc, você solucionou este problema na França, e se não, o que está tentando fazer sobre isso?

13 Dr Martinez: Não podemos dizer que está solucionado na França, mas tentamos aumentar e melhorar o acesso do paciente a sua iniciação de insulina. O principal problema na França, no momento, é que o sistema de cuidados de saúde é uma organização de médicos autônomos. Isto significa que os pacientes têm a liberdade de escolher o médico que quiserem, mesmo se forem registrados [com um médico particular]. O outro problema é que o médico está livre para fornecer o medicamento que quiser sem nenhum controle. Há um tipo de dependência do médico, do ponto de vista do paciente, e este é o motivo pelo qual os médicos de cuidados primários não tratam em aliança com o especialista. Um terceiro motivo é o problema da forma como os médicos são pagos. Eles são pagos em termos de taxas por serviço, e isso é uma preocupação, porque alguns dos GPs desejam manter seu bom nível de rendimento, levando alguns a manterem seus pacientes, ao invés de encaminhá-los ao especialista. Por outro lado, é a mesma situação para os especialistas, que lidam com o mesmo problema de ter pacientes suficientes para garantir um rendimento.

14 Este é um problema, e ainda não foi solucionado na França. Dr Colagiuri: Falamos sobre a inércia do clínico, mas e a inércia do paciente? Como o clínico deve lidar com alguém que tem certa resistência a tomar insulina? Dr Harris: Há algumas coisas que desmistificam a terapia de insulina em cuidados primários. Primeiro, embora muitas pessoas acreditem que o paciente é o mais resistente a entrar na terapia de insulina, frequentemente na verdade é o médico que está ansioso para introduzir a terapia de insulina. Na verdade, particularmente no ambiente que Kamlesh está falando, onde você tem uma abordagem em equipe, quando você explica aos pacientes por que a terapia de insulina é importante e quando se fala na liderança clínica na equipe, que é o médico na maioria das vezes, os pacientes geralmente aceitam. Especialmente se mantiver de forma simples, isto é, simplificar a estratégia da insulina. Vários estudos já demonstraram que usar algoritmos liderados pelo próprio paciente é bem sucedido onde na verdade os pacientes titulam sua própria insulina assim que forem ensinados pela equipe como autoinjetar insulina. Fazendo assim, você tira a responsabilidade do médico, e os estudos mostraram que isto é muito eficiente para fazer os pacientes titularem sua própria insulina e obter a

15 meta. Acho que a verdade está em tentar manter as coisas simples e desmistificar toda a complexidade ao redor da iniciação e intensificação da insulina. Dr Colagiuri: Os pacientes realmente têm alguns motivos para ficarem preocupados com a insulina, além apenas de sua simplicidade. Kamlesh, poderia nos dizer um pouco mais sobre outras preocupações do paciente que precisam ser abordadas para talvez convencê-los que precisam entrar na insulina um pouco mais cedo? Dr Khunti: Primeiro de tudo, eu concordo com Stewart que a maioria dos estudos mostraram que os médicos têm mais barreiras do que os pacientes. Os médicos acham que os pacientes se preocuparão com a hipoglicemia, fobia de agulhas, etc. Quando perguntaram isso a pacientes que nunca tomaram insulina, eles não pareceram ter essas preocupações. Assim que os pacientes estão prontos para entrar na insulina, a hipoglicemia é algo que deve ser discutido com eles, e também deve-se discutir com eles a segurança das novas terapias [basais] de

16 insulina [análogas]. É verdade que existe um baixo risco de hipoglicemia, especialmente se os iniciarmos em insulina muito cedo na trajetória da doença. A verdadeira fobia de agulhas é muito rara, sem dúvida. A maioria dos pacientes, assim que têm explicação do problema, aceitarão a insulina. Stewart e eu discutimos isso antes. Não parecemos ter problemas com pacientes iniciando insulina assim que tiveram todas as discussões com profissionais de cuidados de saúde, normalmente enfermeiros, sobre suas preocupações. Dr Colagiuri: E os outros problemas como ganho de peso; vocês acham que a preocupação com o ganho de peso é uma barreira? Dr Khunti: O ganho de peso tem sido comentado na literatura como uma barreira para os pacientes. Mas assim que você explicar aos pacientes que com as novas terapias o ganho de peso não é assim tão drástico, se torna bem menos que um problema. Com as novas terapias de insulina [análogas], não há ganho de peso nenhum [em alguns pacientes], e com outros você pode ter 1-2 kg de aumento no peso, mas a maioria destes casos são reversíveis, porque a maioria destes pacientes não faz tantos exercícios. [Em minha experiência clínica pessoal] dar a eles aconselhamento sobre estilo de vida ao mesmo tempo reverterá o ganho de peso com certa facilidade. Dr Colagiuri: Este é um ponto importante, porque quando olhamos para UKPDS, que foi um excelente estudo, mas a quantidade de ganho de peso que foi vista naquele estudo não parece ser replicada com os novos estudos. Dr Khunti: Absolutamente, eles viram algo como um aumento de 8 quilos no peso em 12 anos. Não estamos vendo isso no cenário do mundo real. Vemos algo variando de nenhum ganho de peso [em alguns pacientes] a cerca de 1,2 a 1,8 quilos de ganho de peso com os novos análogos de insulina [basal] que usamos.

17 Dr Colagiuri: Luc, você tem alguma coisa a mais para acrescentar sobre o que vê na perspectiva de um paciente, em termos de preocupações que precisam ser abordadas? Dr Martinez: Concordo com os comentários dos meus colegas, mas é muito importante primeiro dar aos pacientes a oportunidade de expressar seus medos, que frequentemente não estão relacionados a nenhuma preocupação médica, mas também a problemas da vida cotidiana. Os pacientes têm certas crenças sobre insulina. Eles têm uma percepção sobre a dor devido à injeção, e que a insulina complicará sua vida rotineira. Devemos abordar estes medos, e estarmos abertos aos pacientes. Este é o primeiro passo e uma maneira de atingir a tomada de decisões compartilhada, e não dizer ao paciente Darei insulina a você como punição, por exemplo, como é frequentemente dito pelo médico [ou percebido pelo paciente como sugerido pelo médico]. A coisa mais importante é trabalhar em cooperação com os pacientes para entender suas preferências, e ajudá-los a escolher entre as opções diferentes disponíveis. Pode não ser necessário ser insulina; mas se for insulina, temos que explicar para o paciente que a

18 terapia de insulina não é tão complicada, e então demonstrar para os pacientes como injetá-la. O médico deve injetar a si mesmo e então deixar os pacientes injetarem-se a si mesmos, para provar que é fácil de fazer, não é doloroso e sem consequências imediatas para os pacientes. Dr Colagiuri: Este problema dos médicos usarem a insulina como ameaça e tentar melhorar a aceitação tem acontecido por muitos anos. Você acha que as atitudes dos clínicos estão mudando com relação a isso, e que estão usando isso menos como ameaça do que antes? Dr Martinez: Eles não estão mudando muito, ainda. Talvez haja mais resistência à insulina dos médicos do que dos pacientes. Outra consideração é que os pacientes acreditam em certas coisas porque ouvem mensagens que são espalhadas não pelos pacientes, mas principalmente pelos médicos. Temos que convencer os médicos a mudarem sua visão da insulina. Por que estamos esperando tanto tempo para iniciar a insulina? Você olha as recomendações; a insulina nunca é uma opção de primeira linha; na melhor das hipóteses, é vista como opção de segunda linha. Na França, é apenas terceira linha, então há uma resistência do médico em iniciar insulina. Temos que convencê-los a mudar.

19 Dr Harris: Estamos numa nova era da terapia de insulina, onde temos novas insulinas [basais] [análogas]: Com redução significante no risco de hipoglicemia Com algoritmos simplificados que são muito fáceis de ser aprendidos pelos pacientes Não exigem muita interação médico-paciente, porque os pacientes vão para casa e injetam com muita confiança

20 Os pacientes estão confiantes porque seu risco de ter hipoglicemia, especialmente hipoglicemia noturna, é significantemente reduzido com as novas terapias de insulina [análoga] que temos. Ainda assim os médicos ainda estão trabalhando em uma ideia que tem provavelmente 10 a 20 anos de idade. O desafio agora é ajudar a traduzir estas novas terapias e estratégias para médicos de cuidados primários, para refletir melhor nossa abordagem terapêutica atual e oportunidades.

21 Dr Khunti: Stewart está absolutamente correto. Os problemas com a inércia clínica dos médicos em termos de iniciar a insulina são falta de conhecimento e pensar que vai levar muito tempo [para explicar]. Que isso será um compromisso enorme a longo prazo para eles iniciarem os pacientes em insulina, em termos de algoritmos de titulação, ensiná-los inicialmente a iniciar a insulina, os riscos de hipoglicemia, etc.

22 Olhamos o estudo SOLVE de indivíduos no mundo todo, e mostramos que só leva meia hora para ensinar um paciente a iniciar a insulina. Após isso, assim que tenham algoritmos liderados pelo paciente, ATLANTIS mostrou que os pacientes conseguem aumentar suas doses de insulina, e ter os mesmos resultados, senão melhores, do que um algoritmo liderado pelo médico. Se desmistificarmos a crença que haverá um enorme trabalho para os médicos de cuidados primários, isso levará a uma iniciação precoce da insulina.

23 Dr Colagiuri: O que sabemos sobre quanto tempo leva para os clínicos ou pacientes aceitarem continuar na insulina quando os pacientes alcançaram um nível inaceitável de hemoglobina glicada (HbA1c)? Dr Khunti: Olhamos este problema recentemente em cerca de pacientes nos bancos de dados do RU. Assim que os pacientes estão em 3 terapias orais, leva uma média de 7 anos antes de serem colocados na insulina. Neste momento, mesmo após 7 anos, apenas 20% foram iniciados em insulina, então estamos esperando tempo demais. Este é o problema que temos, quando discutimos no início, que é tarde demais para obter benefícios cardiovasculares naquele momento. Realmente precisamos tentar iniciar a insulina muito antes na trajetória da doença.

24 Dr Harris: É exatamente o que tem sido visto nos estudos canadenses e americanos. Leva, em média, pelo menos 9 anos até que os pacientes sejam colocados na terapia de insulina quando os valores de HbA1c estão girando em torno de 9% a 9,5%, reinterando o fato de que esta hiperglicemia está colocando os pacientes em risco de doença macrovascular e já está entrando na linha, reforçando a necessidade do uso precoce da terapia de insulina.

25 Dr Colagiuri: É a mesma coisa na França? Dr Martinez: É a mesma coisa na França. Um estudo realizado em 2007 mostrou que em pacientes de T2DM a duração do tempo entre o diagnóstico e a iniciação da terapia de insulina foi 13 anos e 8 meses que é bem espantoso. Dr Khunti: É um problema global. Dr Colagiuri: Você mencionou que manter a coisa simples e as vantagens dos novos análogos de insulina [basal]. Você gostaria de elaborar sobre como mantém a coisa simples, e qual terapia gostaria de iniciar nos pacientes?

26 Dr Harris: Kamlesh mencionou o estudo ATLANTIS. No Canadá, fizemos o estudo INSIGHT onde iniciamos os pacientes em 10 unidades de insulina [basal] um número arredondado que todos podem lembrar. Então, você faz o paciente titular uma unidade a mais por noite até atingir a meta de glicose em jejum, que é muito simples. Também demonstramos que os pacientes fizeram isso muito bem, senão melhor que quando o médico tinha um protocolo definido.

27 Agora existem estudos que estão aparecendo, mostrando que você pode fazer isso também para a adição de uma terapia simplificada de insulina por adição se a insulina basal estiver atingindo controle inadequado da glicose, o que vai aumentar em 50% a 60% dos pacientes. Precisaremos de terapia adicional de insulina, mas não precisa entrar num regime complexo logo de cara, como múltiplas injeções diárias. Frequentemente, a adição de uma insulina prandial de curta duração em uma refeição, novamente usando algoritmos simplificados que os pacientes possam entender, levará, em muitos casos, os pacientes à meta; mas novamente, manter simples com um algoritmo simples. Alternativamente, considerar combinar a insulina basal com algumas terapias novas, como um agonista de GLP-1, ou uma combinação de inibidor da dipeptidil peptidase-4 (DPP-4)/metformina. Eles frequentemente fazem um bom trabalho em levar os pacientes à meta quando usados além da insulina basal.

28 Dr Martinez: Concordo com você, e uma parte da simplificação do tratamento, o uso de um agonista de GLP-1 com insulina basal, provará ser para o paciente um resultado claro e palpável, que é a redução de peso, ou pelo menos manter o mesmo peso. Os pacientes estão esperando por estes tipos de resultados tangíveis, porque significa sucesso em seu tratamento e seus esforços. Isto reforça sua aderência ao tratamento.

29 Dr Khunti: O problema é quando olhamos as publicações, elas são estudos tratamento-alvo, e estão usando regimes de insulina muito complexos. Eles estão tentando trazer a HbA1c a níveis normais em um período de 26 semanas. Precisamos desmistificar isso, e traduzir isso na prática diária. Precisamos fornecer mensagens simples para nossos profissionais de cuidados primários e profissionais de cuidados de saúde que trabalhem no cuidado primário: a principal coisa a ser iniciada é a insulina. Não interessa se é um algoritmo 1-0-1, 2-0-2, 3-0-3; precisa ser um algoritmo simples que se adeque a você e ao paciente. Não interessa se leva 12 meses para chegar ao alvo, contanto que você comece cedo e chegue ao alvo. Dr Colagiuri: E as populações especiais com as quais você precisa ter cuidado extra, em termos de iniciar as pessoas em insulina? Dr Khunti: As populações com as quais me preocupo mais são as idosas. Nelas, precisamos olhar para o paciente individual, como Luc disse antes, seguir as recomendações da afirmação de posição ADA/EASD, olhar os critérios e dizer este paciente precisa de uma meta rápida?

30 Se sim, terei cuidado em termos de iniciar insulina. Provavelmente os iniciarei em um análogo basal, e talvez não titular tão rapidamente quanto poderia. Eles também precisariam de mais atenção em termos de cuidados, especialmente se não puderem sair de casa ou forem atendidos por enfermeiros distritais frequentemente. Também ajudará a melhorar sua confiança titulando um análogo basal. Dr Harris: Mas, para enfatizar, não é apropriado usar a terapia de insulina nestes pacientes idosos. Em muitos casos, se tiverem uma doença há muito tempo, e tiverem redução da função renal, a insulina é a terapia ideal ou apropriada. Mas tem que ser usada com cuidado. Frequentemente, uma terapia de análogo de insulina basal uma vez ao dia é tudo o que precisa para fazer os pacientes entrarem em controle razoável sem aumentar seu risco de hipoglicemia. Dr Colagiuri: Você já tocou na questão da intensificação da insulina. Qual abordagem você usa, Luc, na França, em termos de intensificar a terapia de insulina além da injeção diária uma vez ao dia, sem necessariamente adicionar outros agentes? Dr Martinez: Na França, a combinação de um agonista de GLP-1 e uma insulina basal [análoga] não é autorizada no momento, então é difícil promover este regime com GPs, mas é possível adicionar uma insulina em bolus a uma insulina basal [análoga].

31 Porém, não temos um sistema muito bom em termos de suporte de enfermagem para educar os pacientes. É um pouco mais complicado adicionar um bolus a uma insulina basal [análoga] porque você precisa verificar a glicose em jejum e pós prandial para chegar ao equilíbrio certo do tratamento. Não temos enfermeiros suficientes no setor privado para nos ajudar, então temos que encaminhá-los ao especialista e isso é o que é geralmente feito ou para o hospital, o que é um certo problema. Algumas pessoas não são colocadas na combinação de insulina basal e insulina em bolus devido a esta deficiência organizacional. Dr Colagiuri: Como vocês veem o futuro da terapia de insulina, se tiverem a escolha de usá-la com qualquer outro agente? Onde vocês veem isso chegar nos próximos anos? Dr Harris: Estamos em uma nova era de oportunidades de diminuição glicêmica com muitas drogas novas e muitas combinações de drogas novas. No Canadá, por exemplo, temos a aprovação para usar [análogos] insulina basal e outras insulinas em combinação com a maioria dos agentes que estão disponíveis, seja agonistas do GLP-1 ou combinações do inibidor de DPP-4, e particularmente com metformina.

32 Frequentemente vemos resultados excelentes, frequentemente resultando em redução da quantidade de insulina que os pacientes terão que injetar, simplificando seu regime de insulina. O que vejo para o futuro é que vamos ver cada vez menos terapias de insulina em bolus basal clássico com múltiplas injeções diárias, e mais terapias orais de insulina basal [análoga] simples, ou tipos de combinações de agonistas de GLP-1. Isto potencialmente resultará em uma redução no risco dos pacientes de hipoglicemia, um regime mais simples, e um ganho de peso minimizado ou mitigado ou frequentemente até mesmo perda de peso. O desafio será traduzir esta nova era, esta nova abordagem de terapia de combinação, particularmente uso de insulina, em cuidados primários. Dr Khunti: Stewart está absolutamente correto. É um momento bem animador! Além dos agonistas do receptor de GLP-1 e os inibidores de DPP-4, também temos uma nova classe de drogas, os inibidores do receptor da glicose sódica co-transportadora 2 (SGLT2), que são outra combinação bem animadora com a insulina, porque precisamos de uma dose menor de insulina para chegar à meta com a vantagem extra de perda de peso nestes pacientes [como foi mostrado com a combinação de um agonista do receptor de GLP-1 e um análogo de insulina basal]. No futuro, veremos

33 mais essa combinação sendo usada. Dr Martinez: Na França precisamos de dados em tempo real sobre a combinação de insulina com outros agentes, ex., agentes orais, para provar para a Autoridade Nacional de Saúde da França que estes tratamentos e estes regimes são eficazes e econômicos. No momento, a posição da Autoridade Nacional de Saúde da França foi promover os medicamentos mais baratos, já que não existem análises de economia. Eles dizem que esta combinação é mais barata, e então é essa que você deve usar. Dr Colagiuri: Muito obrigado. Em resumo, ouvimos sobre os benefícios de uma terapia precoce de insulina, o que foi mostrado em muitos estudos com a pessoas com T2DM, em termos de complicações microvasculares e com relação a complicações macrovasculares, especialmente se a insulina for iniciada cedo. Também ouvimos sobre os problemas que enfrentamos na prática clínica, com o uso tardio e inapropriado de insulina, amplamente liderado pela relutância dos clínicos em mudar para a terapia de insulina quando outras terapias falharam. Ouvimos que a iniciação em insulina é deixada para muito

34 tarde, e que as pessoas, quando são convertidas para a terapia de insulina, frequentemente têm níveis de HbA1c muito altos e inaceitáveis. Por outro lado, também ouvimos que há muitas soluções positivas disponíveis para tentar superar estes problemas. Claramente, a educação dos clínicos e pacientes é apropriada e necessária para superar algumas destas barreiras, mas também ouvimos que há soluções simples em termos de maneira como a insulina pode ser iniciada. Da mesma forma, há os benefícios de novas terapias que entraram no mercado, com riscos menores de hipoglicemia e com menos ganho de peso do que foi visto nos estudos anteriores. Estamos buscando um futuro excitante, agora que temos outras terapias que podem ser combinadas com [análogos de] insulina [basal], como os análogos do receptor de GLP-1, os inibidores de SGLT-2, e os inibidores de DPP-4. Isto deve significar um futuro mais brilhante para nossos pacientes em relação à terapia de insulina e obter a meta que precisamos obter para melhorar seus resultados. Antes de terminarmos, vamos rever as questões apresentadas no início da atividade para ver o que vocês aprenderam.

35 Muito obrigado a meus colegas especialistas, Stewart, Kamlesh e Luc, e obrigado por participar deste programa. Espero que tenham achado nossa discussão interessante e de relevância prática para o cuidado personalizado de nossos pacientes com T2DM. Reservem um minuto para completar as perguntas pós-teste. Esta transcrição foi editada para estilo e clareza.

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada Apoiado por um subsídio educacional independente de Boehringer Ingelheim e Lilly Dr. PhD André Scheen: Olá e bem-vindos a este programa educativo da Medscape, O Complexo Paciente com Diabetes e Comorbidades,

Leia mais

Os mais recentes avanços em insulinoterapia

Os mais recentes avanços em insulinoterapia Dr. Tim Heise: Olá. Sejam bem-vindos a este programa educacional entitulado Novas abordagens para a combinação de insulinoterapia com miméticos do GLP-1. Meu nome é Tim Heise e sou Diretor Executivo de

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil?

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Apoiado por uma subvenção educacional independente de empresa Daiichi Sankyo, Inc.; Eli Lilly. Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Renato Lopes, MD, PhD: Olá e bem

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 26 de Abril Sexta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Francisco Azevedo Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª

Leia mais

Perspectivas LATAM na inibição da SGLT-2: evidências clínicas e relevância prática

Perspectivas LATAM na inibição da SGLT-2: evidências clínicas e relevância prática Dr. Pablo Aschner: Olá, meu nome é Pablo Aschner e trabalho como endocrinologista e epidemiologista clínico na Universidade Javeriana de Bogotá. Sejam bem-vindos a essa apresentação, onde falaremos sobre

Leia mais

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Paris, 07 de junho, de 2008 Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Novos dados apresentados na Annual

Leia mais

Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV

Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV Bruno de Oliveira Sawan Rodrigo Ribeiro Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV Liga de Diabetes - UNIUBE GLP-1 GLP-1 é normalmente produzido pelas células neuroendócrinas L da mucosa intestinal Sua

Leia mais

Diretrizes. Terapia Anti-hiperglicêmica Metas Glicêmicas. Opções Terapêuticas Mudanças no Estilo de Vida

Diretrizes. Terapia Anti-hiperglicêmica Metas Glicêmicas. Opções Terapêuticas Mudanças no Estilo de Vida Diretrizes DOI 10.1007/s00125-012-2534-0 ADAPTADO DO POSICIONAMENTO EASD/ADA PARA O TRATAMENTO DA HIPERGLICEMIA NO DIA- BETES TIPO 2 Gerenciamento da Hiperglicemia no Diabetes Tipo 2: Abordagem Centrada

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

Terapia personalizada para paciente com diabetes complexa na prática de clínica geral

Terapia personalizada para paciente com diabetes complexa na prática de clínica geral Terapia personalizada para paciente com diabetes complexa na prática de clínica geral Esta atividade educativa é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido pela http://medscape.org/case/diabetes-primary-care

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O bê-á-bá das finanças

O bê-á-bá das finanças 14/10/2014 às 05h00 O bê-á-bá das finanças Por Luciana Seabra De São Paulo Annamaria Lusardi: "É bom lembrar que o analfabetismo financeiro é regressivo. É um imposto sobre o pobre" A decepção das pessoas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico 1. INTRODUÇÃO Artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que pode afetar diferentes áreas da vida.1 Como parte do controle de longo prazo da AR, seu médico* irá ajudá-lo a controlar melhor

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

Coaching, Mentoring e Desenvolvimento Multidisciplinar. Guia básico para começar bem no Linkedin

Coaching, Mentoring e Desenvolvimento Multidisciplinar. Guia básico para começar bem no Linkedin Coaching, Mentoring e Desenvolvimento Multidisciplinar. Guia básico para começar bem no Linkedin Por: Roberto Vazquez Contato: contato@neob.com.br br.linkedin.com/in/rvazquez/ Olá! Primeiramente agradeço

Leia mais

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução Esta segunda sequência respeita a estrutura da sequência do Eben que analisamos.o template é adequado aos profissionais que podem (e querem) trabalhar com os três mosqueteiros, ou seja, apresentar uma

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 Norte 24 de Outubro Quinta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª hora 200

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF):

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF): A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF): Há sempre mais do que uma única história* Por que o tema é importante? Provavelmente, cada vez que você leva sua criança a uma

Leia mais

Cartilha Medicamentos para Diabetes

Cartilha Medicamentos para Diabetes Universidade Federal de São João del-rei Campus Centro-Oeste - Dona Lindu Divinópolis, Minas Gerais Cartilha Medicamentos para Diabetes Projeto Empoderamento Farmacoterapêutico de pacientes com Diabetes

Leia mais

Suplemento Especial nº 4-2007. POSICIONAMENTO nº 4. Novas diretrizes da SBD para o controle glicêmico do diabetes tipo 2

Suplemento Especial nº 4-2007. POSICIONAMENTO nº 4. Novas diretrizes da SBD para o controle glicêmico do diabetes tipo 2 Suplemento Especial nº 4-2007 POSICIONAMENTO nº 4 Novas diretrizes da SBD para o controle glicêmico do diabetes tipo 2 NOVAS DIRETRIZES DA SBD PARA O CONTROLE GLICÊMICO DO DIABETES TIPO 2 Posicionamento

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO Nota Técnica Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração Única: 1.0145.11.015633-1/001 Data: 06/12/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Sistema

Leia mais

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli.

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli. Então você quer experimentar o poliamor Ginny Brown, 7 de abril de 2014, Everyday Feminism http://everydayfeminism.com/2014/04/so-you-want-to-try-polyamory/ Então você tem lido sobre poliamor e decidiu

Leia mais

Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle?

Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle? Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle? Tenho diabetes: o que isso significa, afinal? Agora que você recebeu o diagnóstico de diabetes, você começará a pensar em muitas

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Diretrizes Controle Glicêmico Intensivo e Prevenção de Eventos Cardiovasculares: Implicações do ACCORD, ADVANCE e VADT

Diretrizes Controle Glicêmico Intensivo e Prevenção de Eventos Cardiovasculares: Implicações do ACCORD, ADVANCE e VADT Controle Glicêmico Intensivo e Prevenção de Eventos Cardiovasculares: Implicações do ACCORD, ADVANCE e VADT Posicionamento da American Diabetes Association e declaração científica da American College of

Leia mais

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING 8 ENCREPI - PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING SARAH MUNHOZ 23/11/09 LIDERANÇA Kotler(1988): processo de movimentar um grupo ou grupos em alguma direção por meios não coercitivos. Robbins (1991): é o processo

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Em colaboração com a American Association of Diabetes Educators (Associação Americana de Educadores em Diabetes) Cortesia da Bayer HealthCare

Em colaboração com a American Association of Diabetes Educators (Associação Americana de Educadores em Diabetes) Cortesia da Bayer HealthCare Em colaboração com a American Association of Diabetes Educators (Associação Americana de Educadores em Diabetes) 2007 Bayer HealthCare, Diabetes Care, Tarrytown, NY 0392372 Cortesia da Bayer HealthCare

Leia mais

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional ATENÇÃO ESTE MATERIAL É UMA TRADUÇÃO DO ORIGINAL EM INGLÊS DISPONIBILIZADO PELA FIRST ESTADOS UNIDOS. SOMENTE AS REGRAS CONTIDAS NESSE ARQUIVO E NO PORTAL

Leia mais

Implementação e avaliação

Implementação e avaliação Seção 3 Implementação e avaliação ESTUDO BÍBLICO Respondendo às mudanças No início de Neemias 4, vemos que algumas pessoas se opuseram ao projeto. Qual foi a resposta de Neemias? (versículo 9) Como Neemias

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

O Diabetes Tipo 2 em Pacientes com Doença Renal Crônica: Estratégias e Opções de Tratamento

O Diabetes Tipo 2 em Pacientes com Doença Renal Crônica: Estratégias e Opções de Tratamento Apoiado por um subsídio educacional independente de Boehringer Ingelheim e Lilly Caso 1 Uma mulher de 55 anos de idade recentemente foi diagnosticada com diabetes mellitus tipo 2 (DMT2). Seu clínico geral

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

Coordenador Antonio R.Chacra (SP) Coordenador Antonio R.Chacra (SP) 10:00 10:30 Coffee-Break Coordenador Antonio R.Chacra (SP)

Coordenador Antonio R.Chacra (SP) Coordenador Antonio R.Chacra (SP) 10:00 10:30 Coffee-Break Coordenador Antonio R.Chacra (SP) 16 o Curso Avançado em Tratamento Hotel Sheraton WTC São Paulo, Brasil 4, 5 e 6 de abril de 2014 do Diabetes Programa Prezado(a) Colega, Este é o nosso. O Curso é intensivo constituindo numa imersão e

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes. Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira

Sessão Televoter Diabetes. Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira 2010 Sessão Televoter Diabetes Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira Indivíduos com risco elevado para diabetes (Pré-diabetes) Alteração da glicémia em jejum (AGJ): Glicémia em jejum: entre 110

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

Na diabetes e dislipidemia

Na diabetes e dislipidemia Cuidados de saúde primários e Cardiologia NOCs e Guidelines: com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Na diabetes e dislipidemia Davide Severino 4.º ano IFE de Cardiologia Hospital de Santarém EPE

Leia mais

Economia da Saúde. A situação da Saúde suplementar. nº 23 agosto / 2006

Economia da Saúde. A situação da Saúde suplementar. nº 23 agosto / 2006 IMPRESSO ESPECIAL CONTRATO N.º 050200271-9/2001 ECT/DR/RJ Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial nº 23 agosto / 2006 Economia da Saúde Disciplina relativamente nova no mundo e,

Leia mais

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento MÓDULO 1 Psicoeducação, organização e planejamento Psicoeducação e introdução a habilidades de organização e planejamento Sessão 1 (Corresponde aos Capítulos 1, 2 e 4 do Manual do paciente) MATERIAIS NECESSÁRIOS

Leia mais

Perspectivas sobre a Quimioterapia de Primeira Linha e Manutenção em NSCLC Não Escamoso Metastático

Perspectivas sobre a Quimioterapia de Primeira Linha e Manutenção em NSCLC Não Escamoso Metastático Lucio Crinò, MD: Olá, bem vindo a este programa! Sou Lucio Crinò, Médico Oncologista de Perugia, Itália. Hoje, estou aqui para discutir o paradigma de tratamento atual para câncer de pulmão de células

Leia mais

Como conversar com possíveis iniciadas

Como conversar com possíveis iniciadas Como conversar com possíveis iniciadas Convidar outras mulheres a tornarem-se consultoras é uma atividade chave para quem quer tornar-se diretora. Aprenda como fazer a entrevista de iniciação, ou seja:

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CANADÁ

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CANADÁ EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CANADÁ Se você tem pesquisado sobre imigração para o Canadá, certamente já leu ou ouviu em vários lugares que estudar no país é uma das melhores formas de aumentar as chances de sucesso

Leia mais

CRITÉRIOS NÚMERO: 001/2011 DATA: 07/01/2011 ASSUNTO: PALAVRA CHAVE: PARA: CONTACTOS:

CRITÉRIOS NÚMERO: 001/2011 DATA: 07/01/2011 ASSUNTO: PALAVRA CHAVE: PARA: CONTACTOS: ASSUNTO: PALAVRA CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 001/2011 DATA: 07/01/2011 Terapêutica da Diabetes Mellitus tipo 2: metformina Metformina Médicos do Serviço Nacional de Saúde Departamento da Qualidade

Leia mais

PRIMEIRO ENCONTRO análise da sequência de. vendas de eben pagan

PRIMEIRO ENCONTRO análise da sequência de. vendas de eben pagan PRIMEIRO ENCONTRO análise da sequência de vendas de eben pagan Laila Vanetti - Agosto de 2014 Sequência de e-mails tem poder Vamos pensar em uma Carta de Vendas? E-mails Carta de Vendas Estrutura da carta

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

Comece o quanto antes! Logo que receber seu kit Mary Kay, experimente todos os produtos, pratique em você mesma. Inclua tudo na sua rotina diária.

Comece o quanto antes! Logo que receber seu kit Mary Kay, experimente todos os produtos, pratique em você mesma. Inclua tudo na sua rotina diária. POR ONDE COMEÇAR??? 1. Comece o quanto antes! Logo que receber seu kit Mary Kay, experimente todos os produtos, pratique em você mesma. Inclua tudo na sua rotina diária. Vai ganhar confiança, aprender

Leia mais

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 100 mg e 300 mg de canagliflozina em embalagens com 10 e 30 comprimidos.

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 100 mg e 300 mg de canagliflozina em embalagens com 10 e 30 comprimidos. BULA PROFISSIONAL DA SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO INVOKANA TM canagliflozina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 100 mg e 300 mg de canagliflozina em embalagens com 10 e 30 comprimidos. USO ORAL

Leia mais

FORXIGA (dapagliflozina)

FORXIGA (dapagliflozina) FORXIGA (dapagliflozina) Comprimidos revestidos 5mg e 10mg FORXIGA dapagliflozina I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORXIGA dapagliflozina APRESENTAÇÕES FORXIGA (dapagliflozina) é apresentado na forma farmacêutica

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes

Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes Diabetes Care January 2010 33:S89-S96; doi:10.2337/ dc10-s089 A Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes - DSME (Diabetes

Leia mais

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita!

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Hum, essa não é uma novidade. As outras também eram de certa forma inéditas, uma vez que o layout era baseado na estrutura dos Gurus, mas vamos lá,

Leia mais

Integrar para Mudar. T 2 People 2013 www.t2people.com. por Daniel Druwe Araujo

Integrar para Mudar. T 2 People 2013 www.t2people.com. por Daniel Druwe Araujo Integrar para Mudar por Daniel Druwe Araujo As melhores organizações têm funções competentes para cuidar de aspectos importantes da gestão de pessoas, como a comunicação, o aprendizado e o sistema de consequências.

Leia mais

Iniciando Terapia de Diabetes Com Agonistas de Receptor de GLP-1 na Atenção Básica

Iniciando Terapia de Diabetes Com Agonistas de Receptor de GLP-1 na Atenção Básica Iniciando Terapia de Diabetes Com Agonistas de Receptor de GLP-1 na Atenção Básica Apoiado por e subvenção educacional independente da Novo Nordisk www.medscape.org/viewarticle/824363 Iniciando Terapia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças Paulo César Alves da Silva Hospital Infantil Joana de Gusmão Florianópolis-SC Florianópolis-SC Módulo de

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO DATA SOLICITAÇÃO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juiza de Direito da Comarca de Itapecirica/MG Autos

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins - GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/5 Lucros Bons e Lucros Ruins Podemos pensar que lucrar é sempre bom,

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

O que é diabetes mellitus tipo 2?

O que é diabetes mellitus tipo 2? O que é diabetes mellitus tipo 2? Todas as células do nosso corpo precisam de combustível para funcionar. O principal combustível chama-se glicose, que é um tipo de açúcar. Para que a glicose consiga entrar

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 04 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Rafaela Conde de Souza Entrevistadora: Luciana Zanella Gusmão TEMA: A IMPORTÂNCIA DA DINÂMICA DE GRUPO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Vamos agora iniciar a sessão de perguntas e repostas. Nossa primeira pergunta vem do Senhor do Bradesco. Por favor, você pode ir em frente.,

Leia mais

Esse Ebook é um oferecimento do http://lucrardecasa.com PRODUTO DIGITAL COMO CRIAR E COMERCIALIZAR

Esse Ebook é um oferecimento do http://lucrardecasa.com PRODUTO DIGITAL COMO CRIAR E COMERCIALIZAR Distribua Livremente Estou incluindo permissão para que esse ebook seja distribuido da forma que achar melhor, seja de forma individual, como brinde, vendido (preço sugerido R$ 19,90),, enviado por email,

Leia mais

O IDOSO 8 CONGRESO BRASILEIRO DE MEDICINADE FAMÍLIA E COMUNIDADE 2 ENCONTRO LUSO-BRASILEIRO DE MEDICINA GERAL, FAMILIAR E COMUNITÁRIA JUNHO 2006

O IDOSO 8 CONGRESO BRASILEIRO DE MEDICINADE FAMÍLIA E COMUNIDADE 2 ENCONTRO LUSO-BRASILEIRO DE MEDICINA GERAL, FAMILIAR E COMUNITÁRIA JUNHO 2006 O IDOSO 8 CONGRESO BRASILEIRO DE MEDICINADE FAMÍLIA E COMUNIDADE 2 ENCONTRO LUSO-BRASILEIRO DE MEDICINA GERAL, FAMILIAR E COMUNITÁRIA JUNHO 2006 Mudanças no Setor Saúde Aumento da prevalência de doenças

Leia mais

O que esperar do seu médico: um guia para pacientes. Com base em boas práticas médicas

O que esperar do seu médico: um guia para pacientes. Com base em boas práticas médicas O que esperar do seu médico: um guia para pacientes Com base em boas práticas médicas Os pacientes recebem os melhores cuidados quando trabalham em parceria com os médicos. Este guia explica como pode

Leia mais

Diretrizes para os Estudos de Caso

Diretrizes para os Estudos de Caso Diretrizes para os Estudos de Caso Observação: Esta seção apresenta 5 estudos de caso de questões de saúde reprodutiva com o intuito de estimular discussões sobre o material apresentado no currículo. Além

Leia mais

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN SOLICITANTE Dra MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA NÚMERODOPROCESSO 0166.14.000132-1 (0001321-35.2014.8.13.0166) DATA 31/01/2014 SOLICITAÇÃO

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais