REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA"

Transcrição

1 1

2 2 Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP) Divisão de Informação e Documentação Tannús, Marcos Bartasson Aquisição de Conhecimento de Bases de Dados para Redimensionamento da Rede de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais da Bacia do Rio das Velhas / Marcos Bartasson Tannús. São José dos Campos, f. Dissertação de mestrado profissional Curso de Mestrado Profissional em Engenharia de Produção Instituto Tecnológico de Aeronáutica, Orientador: Prof. Dr. Rodrigo Arnaldo Scarpel. 1. Knowledge Discovery Databases. 2. Mineração de Dados. 3. Rede de Monitoramento da Qualidade da Água. I. Instituto Tecnológico de Aeronáutica. II. Aquisição de Conhecimento de Bases de Dados para Redimensionamento da Rede de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais da Bacia do Rio das Velhas. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA TANNÚS, Marcos Bartasson. Aquisição de Conhecimento de Bases de Dados para Redimensionamento da Rede de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais da Bacia do Rio das Velhas f. Dissertação de Mestrado Profissional em Engenharia de Produção Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos. CESSÃO DE DIREITOS NOME DO AUTOR: Marcos Bartasson Tannús TÍTULO DO TRABALHO: Aquisição de Conhecimento de Bases de Dados para Redimensionamento da Rede de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais da Bacia do Rio das Velhas. TIPO DO TRABALHO/ANO: Dissertação / 2014 É concedida ao Instituto Tecnológico de Aeronáutica permissão para reproduzir cópias desta dissertação e para emprestar ou vender cópias somente para propósitos acadêmicos e científicos. O autor reserva outros direitos de publicação e nenhuma parte desta dissertação pode ser reproduzida sem a sua autorização (do autor). Marcos Bartasson Tannús Rua Oscar Trompowsky, 1221/801 CEP Belo Horizonte MG

3 iii AQUISIÇÃO DE CONHECIMENTO DE BASES DE DADOS PARA REDIMENSIONAMENTO DA REDE DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DA BACIA DO RIO DAS VELHAS Marcos Bartasson Tannús Composição da Banca Examinadora: Prof. Dr. Rodrigo Arnaldo Scarpel Orientador - ITA Prof. Dra. Denise Beatriz Ferrari ITA Dr. Flavio Edmundo Novaes Hegenberg UniFOA ITA

4 À minha esposa Maria Cristina, aos meus pais Antônio e Ilka e ao meu irmão João Carlos. iv

5 v Agradecimentos Ao Prof. Rodrigo Scarpel pela orientação dedicada e sempre assertiva. Aos amigos do Instituto Senai de Tecnologia em Meio Ambiente pelas discussões que muito enriqueceram o nosso trabalho. Aos amigos da Turma 1 do MPEP pelo companheirismo e compartilhamento de experiências. Ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) por ter propiciado esta oportunidade de capacitação. Aos professores do MPEP pelo apoio e incentivo. Ao Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM), à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), à Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG) e à Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) pela disponibilização de informações imprescindíveis para o presente estudo.

6 vi RESUMO O monitoramento da qualidade das águas superficiais é um importante instrumento para a avaliação das condições ambientais de determinado curso d água ou região, permitindo, pela interpretação de seus resultados, avaliar a eficácia das políticas públicas de controle ambiental. A operação de uma rede de monitoramento com elevado número de estações de coleta e determinação de dezenas de parâmetros físico-químicos e biológicos é bastante onerosa e requer uma logística complexa a ser implementada por uma equipe multidisciplinar (químicos, biólogos, geólogos, técnicos coletores, técnicos de laboratório, entre outros). Pela importância, custo e complexidade, é constante a discussão sobre procedimentos de otimização de redes de monitoramento da qualidade das águas. O presente estudo contribui com esta discussão ao empregar os procedimentos do processo Knowledge Discovery in Databases KDD, associado à conceituação de ecorregiões aquáticas, na avaliação das informações obtidas com a operação da rede de monitoramento da qualidade das águas superficiais da bacia do rio das Velhas, Estado de Minas Gerais. A análise contemplou uma base de dados pré-processada composta por 113 estações de amostragem, toda elas com informações de 17 parâmetros físico-químicos e biológicos, determinados em campo e laboratório, representativos da sazonalidade climática da região em foco (períodos de cheia e seca) no período de Seguindo todas as etapas do processo KDD, entre elas a aplicação de um algoritmo de mineração de dados para identificação de padrões (agrupamentos por similaridade) e interpretação dos padrões pautada na tipificação de aspectos físicos (litologia e altitude) da bacia, foi possível estabelecer a recomendação de desativação de 23 estações de amostragem localizadas ao longo do rio das Velhas e seus tributários.

7 vii ABSTRACT The monitoring of surface water quality is an important tool for the assessment of environmental conditions for a specific watercourse or region, allowing analysis of the results to support environmental control public policies. The water quality monitoring operation network involves a large number of data sampling stations and dozens of physical, chemical and biological parameters. This involves an expensive and complex logistic system that requires to be implemented by multidisciplinary technical staff (chemists, biologists, geologists, sample collectors, lab technicians, etc.). Take into account cost and complexity factors, the optimization procedures for water quality monitoring network has been extensively studied. The aim of this study is to optimize quality monitoring network by Knowledge Discovery in Databases (KDD) procedure associated with aquatic ecoregions monitoring concept. Data collected by the surface water quality monitoring network of the Velhas river basin, in Minas Gerais State, Brazil, was analysed. The data analysis included a preprocessing database of 113 data collection stations, 17 physico-chemical and biological parameters (determined at laboratory and field), which represented the region (concerning flood and drought periods), for the period. Following KDD steps, using data mining algorithm application, identifying standards behavior (grouping by similarity), and pattern identification guided by the physical typologies (lithology and altitude) of the basin, it was possible to perform water quality monitoring network optimization. The data pattern analysis concluded that it was possible to establish the recommendation to shutdown 23 data sampling stations along the Velhas river and its tributaries.

8 viii Lista de Figuras Figura 2.1 Rede Básica do monitoramento das águas superficiais do Estado de Minas Gerais. Figura 2.2 Representação das etapas constituintes do processo KDD. Figura 2.3 Ecorregiões aquáticas abrangidas pelo Estado de Minas Gerais. Figura 3.1 Divisão político-administrativa e trechos da bacia do rio das Velhas. Figura 3.2 Série histórica das precipitações mensais (período janeiro/2007 a dezembro/2013) registradas pela Estação do INMET (Belo Horizonte). Figura 3.3 Síntese geológica da bacia do rio das Velhas. Figura 3.4 Distribuição de classes altimétricas na bacia do rio das Velhas. Figura 3.5 Tipificação da bacia do rio das Velhas conforme AQEM (2002). Figura 3.6 Etapas da aplicação do processo KDD. Figura 3.7 Estações das Redes Dirigida e Básica da bacia do rio das Velhas. Figura 3.8 Espacialização das estações de amostragem componentes da base de dados préprocessada da bacia do rio das Velhas. Figura 4.1 Dendograma da similaridade das estações de amostragem da bacia do rio das Velhas gerado pelo software R. Figura 4.2 Espacialização dos clusters e classes de tipificação da bacia do rio das Velhas.

9 ix Lista de Tabelas Tabela 2.1 Compatibilidade das campanhas do Projeto Águas de Minas com o ciclo hidrológico. Tabela 3.1 Características gerais da bacia do rio das Velhas. Tabela 4.1 Possibilidades de exclusão de estações.

10 x Lista de Abreviaturas e Siglas ANA ANEEL AQEM CEMIG CETEC CITSF CT CT-HIDRO CERH DNAEE FAPEMIG FEAM FIEMG IET IGAM IQA KDD MCT MDE MMA SENAI SIG SRTM Agência Nacional de Águas Agência Nacional de Energia Elétrica Integrated Assessment System for the Ecological Quality of Streams and Rivers throughout Europe using Benthic Macroinvertebrates Companhia Energética de Minas Gerais Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Contaminação por Tóxicos Fundo Setorial de Recursos Hídricos Conselho Estadual de Recursos Hídricos de Minas Gerais Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais Fundação Estadual do Meio Ambiente Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais Índice de Estado Trófico Instituto Mineiro de Gestão das Águas Índice de Qualidade da Água Knowledge Discovery in Databases Ministério de Ciência e Tecnologia Modelo Digital de Elevação Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Sistema de Informações Geográficas Shuttle Radar Topograph Mission

11 xi Sumário 1. INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO OBJETIVO JUSTIFICATIVA ESTRUTURA DO TEXTO REFERENCIAL TEÓRICO MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DIMENSIONAMENTO DE REDES DE MONITORAMENTO O PROCESSO KDD KNOWLEDGE DISCOVERY IN DATABASES ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ECORREGIÕES AQUÁTICAS E SUAS TIPIFICAÇÕES MATERIAIS E MÉTODOS A BACIA DO RIO DAS VELHAS E SUA TIPIFICAÇÃO NO CONTEXTO DE ECORREGIÃO AQUÁTICA APLICAÇÃO DO PROCESSO KDD BASE DE DADOS DO MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DA BACIA DO RIO DAS VELHAS PRÉ-PROCESSAMENTO DA BASE DE DADOS DO MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DA BACIA DO RIO DAS VELHAS TRANSFORMAÇÃO E MINERAÇÃO DE DADOS RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÕES REFERÊNCIAS APÊNDICE A Tabela A.1 Base de dados pré-processada - valores médios dos dados de cheia para o período Tabela A.2 Base de dados pré-processada valores médios dos dados de seca para o período

12 12 1. INTRODUÇÃO O monitoramento da qualidade das águas naturais representa um conjunto de práticas de coletas de dados e amostras de água em locais específicos, em intervalos regulares de tempo, visando o acompanhamento das alterações nas características físicas, químicas e biológicas da água, decorrentes de atividades antrópicas e de fenômenos naturais (ANA, 2014). Sanders et al. (2003) definem o monitoramento da qualidade da água como sendo o esforço para a obtenção de informações quantitativas das características físicas, químicas e biológicas da água por meio de amostragem estatística. Os trabalhos de monitoramento da qualidade das águas superficiais do Estado de Minas Gerais remontam à década de setenta do século passado, quando o Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica (DNAEE) implantou uma rede de estações de amostragem nas principais bacias hidrográficas abrangidas pelo território mineiro. Ainda nessa década de setenta, a Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (CETEC) conduziu o monitoramento nas bacias dos rios das Velhas, Paraopeba e Paraíba do Sul, interrompido no final da década de oitenta. Em 1993, a Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEAM) reativou o monitoramento das bacias dos rios das Velhas e Paraopeba. Essas bacias eram consideradas críticas em razão do elevado grau de desenvolvimento socioeconômico da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Em 1997, a partir de um convênio com o Ministério de Meio Ambiente (MMA), a FEAM implanta o Projeto Águas de Minas e estende o monitoramento às oito principais bacias hidrográficas mineiras, representando um marco na geração de informações sobre o estado de preservação e das necessidades de melhorias das condições ambientais das águas superficiais em Minas Gerais (ALMEIDA, 2013). A partir de 2001 esse projeto passou a ser coordenado pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM).

13 13 O Projeto Águas de Minas tem por objetivo o levantamento de informações sobre a qualidade das águas para subsidiar a definição de políticas regionais e setoriais para a preservação e melhoria das condições ambientais do Estado de Minas Gerais. A rede de monitoramento vem sendo ampliada gradativamente em razão da necessidade de melhor avaliar as pressões ambientais decorrentes das atividades antrópicas. A totalidade das estações de amostragem em Minas Gerais é agrupada em duas redes de monitoramento: Rede Básica e Rede Dirigida. A operação dessas redes coleta das amostras e determinações de parâmetros físico-químicos e biológicos em campo e laboratório está a cargo do Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG (CITSF), sob contrato com o IGAM. O monitoramento da Rede Básica segue a configuração de monitoramento básico adotado pela Agência Nacional das Águas (ANA), ou seja, busca avaliar a evolução da qualidade das águas e a identificação de tendências em locais estratégicos, acompanhando ciclos hidrológicos com uma frequência mínima trimestral até uma frequência mensal (ANA, 2014). Também seguindo a proposição da ANA, os parâmetros monitorados pela Rede Básica estão relacionados com o tipo de uso e ocupação da bacia contribuinte à estação e com os objetivos da rede. Os resultados obtidos como o monitoramento da Rede Básica tem permitido a identificação de locais onde é necessário um maior detalhamento em relação aos parâmetros a serem determinados e à periodicidade das campanhas de amostragem. Assim, em regiões onde são dominantes as pressões ambientais decorrentes de atividades industriais, minerárias e de infraestrutura, são operadas redes de monitoramento específicas para cada tipo de pressão antrópica, as quais são denominadas Redes Dirigidas (ALMEIDA, 2013).

14 MOTIVAÇÃO Para se avaliar a dinâmica das alterações ambientais decorrentes das ações antrópicas e de fenômenos naturais que impactam os recursos hídricos, diversos órgãos públicos e empresas privadas desenvolvem amplos projetos de monitoramento da qualidade da água. Como exemplo, tem-se o Programa Nacional de Avaliação da Qualidade das Águas desenvolvido pela ANA e o Projeto Águas de Minas, implementado pelo IGAM. Os monitoramentos para avaliação da qualidade das águas superficiais demandam constantes avaliações sobre o arranjo adequado das estações de amostragem, a periodicidade de amostragem e os parâmetros a serem determinados. De um modo geral, as discussões estão centradas em como obter melhores informações para a gestão dos recursos hídricos tendo em vista os recursos técnicos e financeiros disponíveis. Neste contexto, torna-se imprescindível uma interpretação da expressiva carga de dados gerada com os monitoramentos em curso, alguns com séries históricas de décadas, com o intuito de avaliar se os resultados analíticos conduzem ou repetem, sistematicamente, uma condição de qualidade ambiental que poderia ser identificada com segurança a partir de um esforço amostral menor, com consequente redução dos dispêndios financeiros. Considera-se que o presente estudo, ao focar a similaridade de resultados obtidos em diferentes estações de amostragem, trará uma contribuição para o melhor balizamento técnico do debate em curso. 1.2 OBJETIVO Este trabalho tem por objetivo avaliar a existência de similaridade nos dados analíticos obtidos com a operação da rede de monitoramento da qualidade das águas superficiais da

15 15 bacia do rio das Velhas, no Estado de Minas Gerais, empregando o processo KDD (Knowledge Discovery in Databases), conjuntamente com análise de classes de tipificação de ecorregiões aquáticas, com o intuito de verificar a possibilidade de reduzir o número de estações de amostragem. 1.3 JUSTIFICATIVA A adoção do processo KDD nesta proposição de otimização da rede de monitoramento da qualidade das águas superficiais da bacia do rio das Velhas se pauta pela ênfase desta técnica na busca por padrões compreensíveis em bases de dados que podem ser interpretados como conhecimento útil. Ao considerar o processo global de descoberta de conhecimento de dados, o KDD contempla a forma como os dados são armazenados e acessados, como os algoritmos podem ser dimensionados para conjuntos de dados robustos e como os resultados podem ser interpretados e visualizados, toda esta abordagem realizada em um ambiente interativo com usuário que valoriza o conhecimento prévio sobre o tema em análise (FAYYAD et al., 1996). Esta interatividade na interpretação dos resultados será facilitada e suportada pela confrontação dos padrões obtidos com as classes de tipificação de ecorregiões aquáticas (AQEM, 2002). 1.4 ESTRUTURA DO TEXTO Na Seção 2.1 são apresentadas as considerações gerais sobre as redes de monitoramento da qualidade das águas superficiais, enfatizando seus objetivos e práticas, seguidas por uma abordagem específica sobre o monitoramento da qualidade da água no

16 16 Estado de Minas Gerais, tipos de redes, número de estações, periodicidade das coletas, parâmetros que são determinados e formas de divulgação dos resultados (índices de qualidade). Na Seção 2.2 são relatados os métodos correntes de dimensionamento de redes de monitoramento e discutidos alguns estudos concernentes ao redimensionamento da rede de monitoramento da qualidade da água na bacia do rio das Velhas. A Seção 2.3 apresenta uma discussão sobre o processo KDD, sua conceituação e suas etapas, seguida por uma abordagem específica sobre a etapa de mineração de dados. Na Seção 2.4 é apresentado o método de formação de agrupamentos hierárquicos. A Seção 2.5 discorre sobre o avanço na conceituação de ecorregiões aquáticas, suas formas de tipificação e a adoção do conceito na condução de políticas públicas de recursos hídricos no país e no exterior. Na Seção 3.1 é apresentada uma caracterização dos aspectos físicos e socioeconômicos da bacia do rio das Velhas e discutida sua tipificação. Na Seção 3.2 são discutidas as etapas de aplicação do processo KDD, apresentando a base de dados do monitoramento da qualidade das águas superficiais da bacia do rio das Velhas, as atividades de pré-processamento da base de dados e seus resultados, seguida pela descrição dos procedimentos empreendidos para a transformação dos dados e aplicação de algoritmo de mineração de dados. Na Seção 4 são descritas as etapas finais da aplicação do processo KDD, apresentando os resultados do método de mineração de dados empregado e a interpretação dos mesmos frente à tipificação da bacia do rio das Velhas. A Seção 5 apresenta as conclusões do estudo.

17 17 2. REFERENCIAL TEÓRICO A seguir são abordados os tópicos considerados de grande importância para o melhor entendimento deste trabalho, sendo eles: o monitoramento da qualidade das águas superficiais, suas especificidades e aplicações; as técnicas correntes de otimização de redes de monitoramento da qualidade das águas superficiais; os recursos da técnica KDD, discorrendo sobre suas etapas; a análise de agrupamentos; a conceituação de ecorregiões aquáticas e suas tipificações. 2.1 MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS A Rede Básica do monitoramento da qualidade das águas superficiais do Estado de Minas Gerais em 2013 contava com 544 estações de amostragem distribuídas nas bacias hidrográficas dos rios São Francisco, Grande, Doce, Paranaíba, Paraíba do Sul, Mucuri, Jequitinhonha, Pardo, Buranhém, Itapemirim, Itabapoana, Itanhém, Itaúnas, Jucuruçu, Peruípe, São Mateus e Piracicaba/Jaguari (Figura 2.1), traduzindo uma densidade de 0,93 estações de amostragem para cada km 2 (IGAM, 2014). A Rede Dirigida contava em 2013 com 44 estações. A operação da Rede Básica de monitoramento do Projeto Águas de Minas compreende a execução anual de quatro campanhas, ou seja, possui uma periodicidade trimestral. Esta periodicidade permite bem representar o ano hidrológico da região sudeste, como apresentado na Tabela 2.1. A operação das Redes Dirigidas apresenta periodicidade desde semestral a mensal.

18 18 Fonte: Igam (2014). Figura 2.1 Rede Básica do monitoramento das águas superficiais do Estado de Minas Gerais.

19 19 Tabela 2.1 Compatibilidade das campanhas do Projeto Águas de Minas com o ciclo hidrológico. Campanha Período de Execução Período Hidrológico 1ª Janeiro-Fevereiro-Março Cheia 2ª Abril-Maio-Junho Vazante 3ª Julho-Agosto-Setembro Seca 4ª Outubro-Novembro-Dezembro Enchente No âmbito do Projeto Águas de Minas, os dados gerados com a realização das coletas de amostras de água nas diversas estações e determinação in loco e em laboratório de mais de 40 parâmetros físico-químicos e biológicos são tratados pela equipe técnica do IGAM e disponibilizados para a sociedade em geral por meio da divulgação do Índice de Qualidade das Águas (IQA), que reflete a poluição em decorrência da matéria orgânica e fecal, sólidos e nutrientes, e pelo indicador de Contaminação por Tóxicos (CT), que se refere à contaminação por substâncias tóxicas como chumbo, nitrogênio e fenóis. Desenvolvido em 1970 pela instituição americana National Sanitation Foundation (NSF), o IQA é um índice aceito internacionalmente para avaliar o impacto do lançamento de esgotos sanitários e outros materiais orgânicos, nutrientes e sólidos. Ele reúne em um único resultado os valores de nove parâmetros considerados mais representativos para a caracterização da qualidade das águas, sendo eles: Oxigênio dissolvido ; ph in loco (unidade de ph); Coliformes termotolerantes (NMP/100 ml); Temperatura da água (ºC); Fósforo total ; Nitrato (mg N/L);

20 20 Sólidos totais, ºC ; Turbidez (NTU); Demanda Bioquímica de Oxigênio. A Contaminação por Tóxicos (CT) avalia a presença de 13 substâncias tóxicas nos corpos de água, sendo elas: Arsênio total ; Bário total ; Cádmio total ; Chumbo total ; Cianeto livre ; Cobre dissolvido ; Cromo total ; Fenóis totais ; Mercúrio total (µg/l); Nitrito (mg N/L); Nitrato (mg N/L); Nitrogênio amoniacal total (mg N/L); Zinco total. Além do IQA e do CT, o IGAM também avalia o Índice de Estado Trófico (IET), Densidade de Cianobactérias e Ensaios de Ecotoxicidade, sendo que os dois últimos são realizados apenas em algumas estações específicas.

21 DIMENSIONAMENTO DE REDES DE MONITORAMENTO ANA (2014) recomenda que tanto a localização das estações quanto os parâmetros monitorados devem ser reavaliados periodicamente. Almeida (2013) discute diversos métodos que podem ser empregados para otimização ou redimensionamento de redes de monitoramento, agrupando-os da seguinte forma: Redimensionamento de redes de monitoramento utilizando análises estatísticas; Redimensionamento de redes de monitoramento utilizando análises geoestatísticas e SIG; Redimensionamento de redes de monitoramento utilizando entropia. A operação de um programa de monitoramento da qualidade da água gera uma expressiva carga de informações quantitativas das características físicas, químicas e biológicas dos cursos d água considerados. Comumente, são aplicadas técnicas de análise estatística multivariada para avaliar os dados gerados, sendo as mais usuais: análise fatorial, análise de componentes principais, análise de agrupamento hierárquico, análises discriminantes e redes neurais. Diversos autores têm aplicado técnicas estatísticas na proposição de agrupamentos de estações de monitoramento ou na correlação de parâmetros analíticos. França et al. (2009) realizaram a análise multivariada dos dados de monitoramento da qualidade da água da bacia do Alto Iguaçu, empregando a técnica de análise fatorial, onde buscando identificar quais parâmetros seriam mais relevantes para a caracterização do estado qualitativo do corpo hídrico, observaram uma interação entre a degradação da matéria orgânica e a dinâmica de transporte de sólidos. Ao analisarem os pontos de amostragem, identificaram três pontos considerados relevantes para a avaliação do estado qualitativo da água da bacia do Alto Iguaçu.

22 22 Trindade (2013) aplicou técnicas de análise de cluster, análise de componentes principais e análise fatorial para abordar os dados de monitoramento da qualidade das águas superficiais da porção mineira da bacia do rio São Francisco com o objetivo de identificação e avaliação espaço-temporal da bacia mais impactada. A autora observou que a bacia do rio das Velhas era a mais impactada em toda a bacia do rio São Francisco. Sabino et al. (2008) analisaram os dados relativos a 18 pontos de coleta de água, ao longo do rio Paraopeba (MG), com determinações de 41 parâmetros químicos e bacteriológicos. A redução dos dados pela análise por componentes principais resultou em oito componentes, com autovalores maiores que 1, os quais explicam 75% da variância total. A maior parte da variabilidade e os oito componentes puderam ser usados para indicar o processo hidrodinâmico que controla a qualidade das águas. Considerando o contexto regional da abordagem e a proximidade de propósito com o presente estudo, cabe destacar o trabalho de Nonato et al. (2007). Esses autores conduziram um estudo considerando uma rede de amostragem abrangendo o alto curso do rio das Velhas, composta por 30 estações operadas pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais e pelo Projeto Águas de Minas, com frequências de amostragem mensal, para cursos que drenam áreas reconhecidamente impactadas, e trimestrais para as demais estações. Os dados analisados representavam 39 parâmetros físico-químicos monitorados nas 37 estações de amostragem ao longo da bacia do alto curso do rio das Velhas. A técnica de agrupamento hierárquico, combinada com a análise de componentes principais e a avaliação de gráficos de dispersão entre estações foram utilizadas com a finalidade de avaliar as similaridades das estações de amostragem e parâmetros monitorados. Nesse trabalho, a distância Euclidiana foi calculada na matriz das medianas ranqueadas das estações e como técnica hierárquica aglomerativa foi utilizado o método de Ward. Complementarmente às medidas de distância, a medida de similaridade também foi utilizada na construção de um dendograma. Nonato et al.

23 23 (2007) concluíram que o tratamento estatístico dos dados do monitoramento da qualidade da água na região do alto curso do rio das Velhas mostrou que apenas 22 parâmetros de qualidade descrevem as 4 componentes principais mais importantes, explicando 80% da variabilidade dos dados. Os autores também observaram a correlação entre pares de algumas estações da Rede Dirigida para o abastecimento, o que recomenda a eliminação de uma das estações correlacionadas, reduzindo o número de estações nesse grupo em futuro monitoramento. A adoção de técnicas de Sistema de Informação Geográfica (SIG) no dimensionamento ou redimensionamento de redes de monitoramento favorece a delimitação de seus limites físicos e o georreferenciamento de informações diversas da bacia em análise, tais como: aspectos hidrológicos, substrato rochoso, modelado do relevo (por exemplo, modelagem digital de elevação) e uso da terra, entre outros. Por vezes, são observados estudos conjugando técnicas de sensoriamento remoto e SIG na avaliação de parâmetros da qualidade das águas superficiais. Usali e Ismail (2010), ao avaliar parâmetros tais como sólidos em suspensão, concentração de fitoplâncton e turbidez a partir de suas reflectâncias, expressam que no futuro a solução de questões de qualidade da água poderá ser encontrada rapidamente empregando tais tecnologias para o gerenciamento sustentável dos recursos hídricos. A aplicação do conceito de entropia na otimização de redes de monitoramento está embasada na Teoria da Informação (SHANNON, 1948). Shannon e Weaver (1962) perceberam uma relação entre entropia e informação e propuseram um tratamento análogo entre os conceitos de informação transmitida e de entropia aplicável às séries de dados. Ao aplicar o conceito de entropia no redimensionamento das redes de monitoramento dos rios Fox (Winconsin, EUA) e Piracicaba (São Paulo, Brasil), Soares (2001) considera que a associação de estações de monitoramento para fins de redimensionamento baseia-se no

24 24 critério de que esta associação produzirá o menor transporte de informações, ou seja, quanto mais estas estações produzirem informações independentes umas das outras, menor será a informação comum entre elas e isto caracterizará a importância da informação da estação de monitoramento considerada. O transporte de informação representa a quantidade de informação redundante no conjunto ou na associação das informações obtidas com as estações consideradas na rede em questão. Quando os processos são independentes em cada estação, ou seja, a informação produzida só depende de cada estação em questão, o transporte de informação entre as estações consideradas será zero. Desta forma, a análise do redimensionamento sob o conceito de entropia sempre deverá levar em conta a incerteza da informação produzida em cada estação e a dependência entre as informações produzidas nestas estações. Entre os resultados do trabalho de Soares (2001) estão o desenvolvimento de um aplicativo computacional para a análise e avaliação de desempenho de estações de monitoramento baseado no conceito de entropia e a proposição de uma metodologia de dimensionamento e redimensionamento de redes de monitoramento da qualidade da água. Gontijo Junior e Koide (2012), ao avaliarem os métodos para otimização de redes de monitoramento fluviométrico, consideram que a aplicação de método utilizando o conceito de entropia possibilita alcançar resultados vantajosos com uma menor quantidade de informações sobre a bacia. Almeida (2013) propôs a avaliação da distribuição espacial da rede de monitoramento de qualidade das águas superficiais do rio das Velhas (MG) empregando o método da entropia. A avaliação considerou 19 estações de monitoramento localizadas na calha do rio das Velhas e foi pautada em cinco parâmetros: Coliformes Termotolerantes, Arsênio Total, Fósforo Total, Turbidez e Oxigênio Dissolvido. Nas análises dos dados foi utilizado o programa computacional desenvolvido por Soares (2001), que permite verificar a eficiência dos dados coletados quanto à informação fornecida por cada um deles e estabelecer níveis de

25 25 prioridade de manutenção das estações na rede de monitoramento. Em razão do programa utilizado analisar apenas cinco estações por vez, com uma série de no máximo 21 dados, tornou-se necessário agrupar as estações em quatro trechos. Tais agrupamentos foram definidos por meio da análise de cluster e validados com a utilização dos testes não paramétricos de Kruskal-Wallis, seguidos pelo teste de comparações múltiplas, ao nível de significância de 5%. A avaliação da distribuição espacial da rede de monitoramento considerou o nível de prioridade de manutenção de suas estações, sendo realizada em duas etapas: uma em função de cada parâmetro individualmente e outra de todos eles conjuntamente. As análises permitiram identificar, considerando a incerteza envolvida, as estações mais importantes na manutenção da rede e aquelas que, em razão de suas classificações, poderiam ser desativadas. Desta forma, pode-se concluir que o método da entropia pode ser uma importante ferramenta de decisão para o redimensionamento de redes de monitoramento. 2.3 O PROCESSO KDD KNOWLEDGE DISCOVERY IN DATABASES O KDD Knowledge Discovery in Databases é um processo de descoberta de conhecimento útil em uma coleção de dados. Fayyad et al. (1996) definem o KDD como sendo um processo não trivial de identificação de padrões válido, original, potencialmente útil e fundamentalmente compreensível em dados. No contexto dessa definição, os citados autores consideram o termo padrão como a expressão de alguma linguagem descrevendo um subconjunto de dados ou um modelo aplicado a este subconjunto. O termo processo implica nas diversas etapas que envolvem a preparação de dados, a procura por padrões, a avaliação de conhecimento e o refinamento e na submissão à sucessivas iterações. O processo é considerado não trivial por ele ir além da computação de quantidades de formas fechadas e

26 26 envolver pesquisas de estruturas, modelos, padrões e parâmetros. Os padrões descobertos devem ser válidos para novos dados com algum grau de certeza. Os padrões também devem ser originais e potencialmente úteis para o usuário ou tarefa. Por fim, os autores também expressam que os padrões devem ser compreensíveis, se não imediatamente, após alguns processamentos. Fayyad et al. (1996) ressaltam que o processo KDD é interativo e iterativo, com muitas decisões pelo usuário. A Figura 2.2 apresenta uma ilustração das etapas do processo KDD. Fonte: Modificado de Fayyad et al. (1996). Figura 2.2 Representação das etapas constituintes do processo KDD. As etapas do processo KDD são sintetizadas a seguir (FAYYAD et al., 1996): Aprendizagem do domínio da aplicação: inclui o conhecimento prévio e os objetivos da aplicação; Criação de um conjunto de dados alvo: inclui a seleção de um conjunto de dados ou o foco em um subconjunto de variáveis ou amostras de dados sobre o qual a descoberta será executada; Limpeza de dados e pré-processamento: inclui operações básicas tais como remoção de ruído e de outliers se necessário, coleta de informações necessárias para modelar ou justificar ruídos, decidir sobre estratégias para lidar com campos de dados faltantes, explicar sequências temporais de informação e alterações conhecidas, bem como decidir

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Bacias Hidrográficas de Minas Gerais O desenvolvimento dos recursos hídricos não pode ser visto dentro de um sistema limitado onde a complexidade dos usos múltiplos

Leia mais

TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Luciene Bianca Alves ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal Eduardo Gomes, 50 Vila das Acácias

Leia mais

SISTEMA DE CÁLCULO DA QUALIDADE DA ÁGUA (SCQA) Estabelecimento das Equações do índice de Qualidade das Águas (IQA)

SISTEMA DE CÁLCULO DA QUALIDADE DA ÁGUA (SCQA) Estabelecimento das Equações do índice de Qualidade das Águas (IQA) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE MINAS GERAIS - SEMAD Unidade de Coordenação Estadual - UCEMG / PNMA II PROGRAMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

PROJETO SOLOS DE MINAS

PROJETO SOLOS DE MINAS PROJETO SOLOS DE MINAS Liliana Adriana Nappi Mateus Fundação Estadual do Meio Ambiente Walter Antônio Pereira Abraão Universidade Federal de Viçosa 15-04-2015 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS Rafael dos Santos Cordeiro 1 ; Felipe de Azevedo Marques 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA Lizianne Priscila Marques SOUTO 1 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO MÉTODO DAS ISOZONAS PARA A REGIÃO AMAZÔNICA. Simei Héber Nunes Pontes - IC Iria Vendrame Fernandes - PQ

ATUALIZAÇÃO DO MÉTODO DAS ISOZONAS PARA A REGIÃO AMAZÔNICA. Simei Héber Nunes Pontes - IC Iria Vendrame Fernandes - PQ ATUALIZAÇÃO DO MÉTODO DAS ISOZONAS PARA A REGIÃO AMAZÔNICA Simei Héber Nunes Pontes - IC Iria Vendrame Fernandes - PQ RESUMO A partir de séries históricas de chuvas horárias e de 24 horas para um grupo

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática. (1) Data Mining Conceitos apresentados por

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática. (1) Data Mining Conceitos apresentados por INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática (1) Data Mining Conceitos apresentados por 1 2 (2) ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Conceitos apresentados por. 3 LEMBRE-SE que PROBLEMA em IA Uma busca

Leia mais

Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab

Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab Projeto elaborado por Lorenzo Seguini lorenzo_seguini@yahoo.it Projeto Diálogos Setoriais União Europeia - Brasil 1 Sumário 1. Introdução...3

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI MONITORAMENTO AMBIENTAL 1 - Locais a serem monitorados. 1.1- Quatorze seções transversais de córregos e rios para analise de parâmetros

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Prof. Júlio Cesar Nievola Data Mining PPGIa PUCPR

Prof. Júlio Cesar Nievola Data Mining PPGIa PUCPR Uma exploração preliminar dos dados para compreender melhor suas características. Motivações-chave da exploração de dados incluem Ajudar na seleção da técnica correta para pré-processamento ou análise

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Adriana Niemeyer Pires Ferreira Gerência de Águas Subterrâneas Superintendência de Implementação

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Análise Espacial 2 1 Distribuição Espacial A compreensão da distribuição

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu.

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu. 3.2.3 IGARASSU Agência Estadual de Meio Ambiente 27 Municípios: Igarassu. Constituintes principais: Recebe como principais afluentes pela margem esquerda, o riacho do Paulo, rio Conga e o rio Tabatinga

Leia mais

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil PRÁTICA 1) TÍTULO Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Auditoria Interna

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais ICEx / DCC

Universidade Federal de Minas Gerais ICEx / DCC Universidade Federal de Minas Gerais ICEx / DCC Belo Horizonte, 15 de dezembro de 2006 Relatório sobre aplicação de Mineração de Dados Mineração de Dados em Bases de Dados de Vestibulares da UFMG Professor:

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo

César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Centro de Energia Nuclear na Agricultura Programa de Pós Graduação Interunidades em Ecologia César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo Objetivos Avaliar a qualidade da

Leia mais

Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe

Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe George Alves Monteiro 1 & Ana Paula Barbosa Ávila Macêdo 2 RESUMO: Este trabalho faz uma análise da rede de monitoramento hidrometeorológico

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO Fernanda Delizete Madeira 1 ; Aracele Garcia de Oliveira Fassbinder 2 INTRODUÇÃO Data

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Índice Introdução... 2 Aplicação do modelo estatístico VALOR ESPERADO... 3 Quadros relativos à aplicação do modelo estatístico de análise de resultados académicos... 5 Avaliação

Leia mais

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL*

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* BOLFE, É. L. 1 I. INTRODUÇÃO A necessidade de conhecer os modelos atuais de uso da terra e as modificações

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ELEMENTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TIPOLOGIA DE APLs INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Fabio Stallivieri UFF e RedeSist Brasília 17/04/2012 1. Introdução Elaboração de indicadores objetiva

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

3 MATERIAL E MÉTODOS

3 MATERIAL E MÉTODOS 3 MATERIAL E MÉTODOS 3.1 Fundamentação Teórica Quando se quer obter informações de um grupo de variáveis ou de um conjunto total dos dados de uma região, usualmente recorre-se à análise multivariada. A

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Análise de Dados e Data Mining Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining Inscrições Abertas Início das Aulas: 24/03/2015 Dias e horários das aulas: Terça-Feira 19h00 às 22h45 Semanal Quinta-Feira 19h00

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG SEMINÁRIO - ENG 797 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA, HIDROLÓGICA E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG EQUIPE Prof. Gilberto C. Sediyama - Orientador Prof. Vicente Paulo Soares - Conselheiro Prof.

Leia mais

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização Política de Desenvolvimento Econômico Aula 2 Prof. Nivaldo Vieira Lourenço Organização da Aula Aspectos conceituais do desenvolvimento regional Mudanças no conceito de região Regionalização brasileira

Leia mais

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem RESUMO FRANCISCO F. N. MARCUZZO SGB / CPRM Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

17/10/2012. dados? Processo. Doutorado em Engenharia de Produção Michel J. Anzanello. Doutorado EP - 2. Doutorado EP - 3.

17/10/2012. dados? Processo. Doutorado em Engenharia de Produção Michel J. Anzanello. Doutorado EP - 2. Doutorado EP - 3. Definição de Data Mining (DM) Mineração de Dados (Data Mining) Doutorado em Engenharia de Produção Michel J. Anzanello Processo de explorar grandes quantidades de dados à procura de padrões consistentes

Leia mais

RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS

RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS TARDIVO, Wagner Antonio 1 Tangará da Serra/MT - dezembro 2010 Resumo: A relação

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

ANÁLISE DO ESTÁGIO DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM BACIAS DE ESPECIAL INTERESSE

ANÁLISE DO ESTÁGIO DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM BACIAS DE ESPECIAL INTERESSE ANÁLISE DO ESTÁGIO DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM BACIAS DE ESPECIAL INTERESSE Andrade, L. A. Z. 1 de & Teixeira, A. L. de F. 2 * & Brasil, M. A. 3 Dubois, G. S. J. 4 & Ayrimoraes Soares, S. R. 5 Resumo

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS:

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Neste ano o processo seletivo será realizado por meio de um sistema

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil b) Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Sistema Ambiental em Minas Gerais

Sistema Ambiental em Minas Gerais Sistema Ambiental em Minas Gerais José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, março de 2011 Políticas Ambientais PROTEÇÃO DA BIODIVERSIDADE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS GESTÃO DE RESÍDUOS ENERGIA E MUDANÇAS

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais