Supervisão Eficiente e Desenvolvimento dos Mercados de Capitais de Outubro de 2010 Praia, Cabo Verde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Supervisão Eficiente e Desenvolvimento dos Mercados de Capitais. 25 29 de Outubro de 2010 Praia, Cabo Verde"

Transcrição

1 Supervisão Eficiente e Desenvolvimento dos Mercados de Capitais de Outubro de 2010 Praia, Cabo Verde Organizado por UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION (COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOS E.U.A.) BANCO DE CABO VERDE AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS Descrição da Conferência Com a presente Conferência pretende-se fomentar um intercâmbio das melhores práticas em matéria de desenvolvimento e regulação dos mercados de capitais, apresentadas através de uma série de palestras, mesas redondas e estudos de caso. Peritos de alto nível da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos irão partilhar os seus pontos de vista sobre o desenvolvimento e o funcionamento do mercado de capitais e, ainda, analisar os participantes desse mercado. O programa pretende, também, explorar as respostas à crise e aos abusos do mercado, fazer observações comparando e contrastando as diferentes abordagens dos sistemas de regulação e destacando, ainda, as melhores práticas internacionais. Os apresentadores utilizarão exemplos reais de abusos e de insuficiências do mercado com vista a explorar os instrumentos de regulação e outros utilizados pelas entidades reguladoras do mercado de capitais para fazer face a esses desafios.

2 2 SEGUNDA-FEIRA, 25 de Outubro de :15 Inscrição 08:30 Discurso de Boas-Vindas PROGRAMA Oradora: Dra. Maria Encarnação Alves Rocha Auditora Geral do Mercado de Valores Mobiliários 08:45 Sessão de Abertura: Dr. Carlos Augusto de Burgo Governador do Banco de Cabo Verde 09:15 Os desafios da Regulação dos Valores Mobiliários em Mercados Emergentes Esta sessão trata dos desafios que os reguladores enfrentam em todos os mercados de valores mobiliários, em especial nos mercados emergentes. O orador fará, também, referência às estratégias visando aperfeiçoar a regulação e aumentar a transparência e liquidez nos mercados emergentes. Dr. Ester Saverson, Jr. Director Adjunto Gabinete de Relações Internacionais Comissão dos Valores Mobiliários dos EUA - SEC 10:45 Intervalo 11:00 Fraude nos mercados não regulamentados Esta sessão descreve as operações fraudulentas que ocorrem nos mercados não regulamentados, tais como os esquemas de Pirâmide e de Ponzi, fraudes afins e esquemas de FOREX e banco preferencial, explicando como funcionam e como podem ser investigadas e acusados formalmente os prevaricadores. O Orador apresentará exemplos-chave, quer dos E.U.A. quer de outras jurisdições. Dr. Kurt Gresenz Assessor Sénior e Chefe de Divisão Departamento de Relações Internacionais Comissão de Valores Mobiliários dos EUA - SEC 12:30 Almoço

3 3 14:00 O Mercado bolsista americano e o Programa de Investigação da SEC Esta sessão centrar-se-á no mercado bolsita americano e no desenvolvimento do Programa de Investigação da SEC. O orador abordará os principais eventos relacionados com a evolução do referido mercado desde a sua criação até o presente, bem como conceitos fundamentais num programa eficaz de aplicação da lei. Dr. Carlos Costa -Rodrigues Advogado Escritório Regional de Boston Comissão de Valores Mobiliários dos EUA - SEC TERÇA-FEIRA, 26 de Outubro de 2010 * * * 9:00 Processo de Divulgação Ambiente de regulação; acompanhamento diário de informações fornecidas pelas empresas cotadas (factos relevantes, comunicações às entidades autoreguladas, preenchimento de formulários, etc.) e de informação divulgada pela imprensa; execução (ofícios, ordens a serem publicadas ou republicadas, avisos concretos ou outras comunicações, instruções para a entrada ou actualização de formulários, etc.), entre outras questões. Oradora: Drª Nilza Oliveira Departamento de Finanças Empresariais Comissao de Valores Mobiliarios - Brasil 10:30 Intervalo 10:45 Transacções baseadas em informação privilegiada As transacções ilegais baseadas em informacao privelegiada referem-se normalmente à compra ou venda de um título, em violação de um dever fiduciário ou de outra relação de confiança, enquanto na posse de informação não divulgada sobre esse título. As violações poderão também incluir a revelação da mesma informação, negociação de valores pelo receptor da informação e negociação de valores por aqueles que fazem uma utilização indevida dessa informação. O orador abordará, igualmente, as teorias jurídicas subjacentes às acusações de transacções fraudulentas, bem como os métodos de investigação e de acusação utilizados nessas situações. Dr. Carlos Costa-Rodrigues 12:00 Almoço

4 4 14:00 O Processo de Supervisão de Corretores/Intermediários e de Consultores de Investimento Esta sessão trata dos elementos fundamentais de um sistema de supervisão de pessoas e entidades cadastradas, incluindo os requisitos de inscrição, divulgação, reclamações, registos, ética, inspecções baseadas nos riscos e questões ligadas à aplicação da lei. Dr. Jim Reese Contabilista Sénior Gabinete de Inspecção e Avaliação da Conformidade Comissão de Valores Mobiliários dos EUA - SEC 15:15 Intervalo 15:30 Investigação de Fraudes Financeiras por Empresas Emitentes Esta sessão explica como é que as fraudes financeiras são cometidas e demonstra como investigá-las e promover a sua acusação formal. A investigação e acusação da Enron serão debatidas. Dr. Kurt Gresenz QUARTA-FEIRA, 27 de Outubro de 2010 * * * 9:00 Inspecções a Corretores/Intermediários e Conselheiros de Investimento Esta sessão irá abordar as fiscalizações de rotina e as acções de avaliacao no âmbito da supervisão. Os tópicos a considerar abrangem os preparativos para as acções de fiscalização, a interacção com o registo, a utilização de cartas de reclamação, relatórios de fiscalização e documentos de trabalho e o encaminhamento para execução. Além disso, esta sessão aborda os desafios que os reguladores enfrentam neste tipo de fiscalização. Dr. Jim Reese 10:15 Intervalo 10:30 Manipulação do Mercado As técnicas mais comuns utilizadas pelos vigaristas para cometer fraudes incluem o spam, salas de chat na Internet; promotores pagos e comunicados de imprensa de origem duvidosa. O elemento comum de todos estes esquemas é que eles são concebidos para aumentar o preço de um título,

5 5 incentivando a procura pelos investidores e comprando para que os promotores possam livrar-se dos títulos que detêm através de vendas públicas a preços mais elevados. O orador deverá, ainda, abordar os instrumentos usados para investigar e processar casos de manipulação do mercado, nomeadamente, o regime de fraude conhecido por «pump and dump» (manipulação do preço de acções para permitir a sua venda a precos exagerados). 12:00 Almoço Dr. Carlos Costa-Rodrigues 14:00 Supervisão e Fiscalização de Bolsas de Valores Esta sessão abarca o papel e a supervisão de bolsas de valores, o seu papel como organizações auto-reguladas e a inspecção de bolsas de valores. Os tópicos a considerar incluem a natureza e o papel das bolsas de valores e de outras entidades auto-reguladas, a inspecção de bolsas de valores enquanto entidade auto-regulada e como é que a auto-regulação tem evoluído ao longo dos tempos. Dr. Ester Saverson, Jr. 15:30 Intervalo 15:45 Cooperação Internacional no quadro da aplicação da Lei A internacionalização dos mercados de valores mobiliários em todo o mundo e o incremento da actividade transfronteiriça deram lugar a um cenário mais exigente de aplicabilidade da lei. Frequentemente, a investigação e a denúncia de violações da legislação sobre Valores Mobiliários num determinado país requer a recolha de informações no estrangeiro. Torna-se, assim, essencial para os reguladores de valores mobiliários do mundo inteiro colaborar no sentido de facilitar o acesso às informações necessárias para a prevenção, detecção e denúncia de actos de violação da legislação sobre valores mobiliários. Os esforços e técnicas de aplicação da lei adoptados pelos EUA e a nível internacional serão analisados, e bem assim o Memorando de Entendimento Multilateral da Organizacao Internacional de Reguladores de Valores Mobiliarios (IOSCO). Dr. Kurt Gresenz QUINTA-FEIRA, 28 de Outubro de 2010 * * * 9:00 Sistemas e Técnicas de Supervisão do Mercado Esta apresentação analisa o modo como cultivar e gerir as informações sobre o mercado e os indicadores recebidos de um conjunto variado de fontes. Nesta sessão, serão também descritos os sistemas e técnicas de fiscalização do

6 6 mercado utilizadas para detectar e dissuadir as transacções baseadas em informação privilegiada e os esquemas de manipulação do mercado. 10:30 Intervalo Dr. Ester Saverson, Jr. 10:45 Investigações, Medidas de Aplicação e Soluções Esta sessão descreve o conjunto de procedimentos administrativos, civis e criminais e bem assim as soluções disponíveis para o tratamento das violações à legislação sobre valores mobiliários. Inclui a discussão de crédito para cooperação, questões de liquidação, as penalidades adequadas a aplicar a indivíduos e empresas, etc. A sessão contará, ainda, com uma análise detalhada de como determinar a solução adequada para violações específicas da legislação sobre valores mobiliários. Dr. Kurt Gresenz 12:00 Almoço 14:00 Cumprimento das Normas pelo Corretor/Intermediário e Código de Conduta Esta sessão trata do código de conduta e do cumprimento das normas pelo corretor/intermediário. Dr. Jim Reese 15:30 Intervalo 15:45 Aplicação da Lei contra o Corretor Esta sessão abordará os tipos de processos intentados contra corretores e pessoas a eles associadas (boiler rooms, declarações fraudulentas, operações não autorizadas, negociação excessiva, aumento excessivo das cotações e ausência de fiscalização). O orador apresentará medidas específicas de investigação, com exemplos de estudos de caso. Oradores: Dr. Carlos Costa-Rodrigues e Dr. Ester Saverson. Jr. * * *

7 7 Sexta-feira, 29 de Outubro de :00 Ofertas Públicas O processo de registo, em especial relativamente a acções e obrigações de empresas; ofertas que são isentas de registo; recentes alterações aos regulamentos da CVM; cooperação com as entidades auto-reguladas; ofertas (semelhantes à Norma 144-A dos EUA) de esforços limitados de vendas ; sistema de registo de prateleira ; processo de registo acelerado para emitentes bem-conhecidos e experientes; entre outras questões. 10:30 Intervalo Dr. Paulo Ferreira Dept. de Registo de Ofertas Públicas CVM -Brasil 10:45 Lavagem de Capitais e a Indústria de Valores Mobiliários Esta sessão descreve a responsabilidade da indústria de valores mobiliários de detectar e reportar actividades suspeitas, como desenvolver um programa de conformidade com as normas de combate a lavagem de capitais, a responsabilidade do regulador de verificar o cumprimento das obrigações em materia de combate a lavagem de capitais por parte das indústrias, medidas disciplinares contra a indústria, e como é que os sistemas de prevencao da lavagem de capitais podem reforçar a fiscalização e a repressão por parte das autoridades. Dr. Jim Reese 12:00 Encerramento 12:30 Almoço Por: Sua Excelência, a Ministra das Finanças Dra. Cristina Duarte Entrega de Certificados * * *

8 8 INFORMAÇÃO RELATIVA AOS ORADORES Ester Saverson, Jr. é Director Adjunto no Gabinete de Relações Internacionais da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC). Nessa qualidade, presta assessoria e orientações no domínio da assistência técnica e formação internacional, política de regulação de valores mobiliários internacionais e cumprimento das leis internacionais. O Dr. Saverson liderou programas de assistência técnica e de formação em mais de 80 países com mercados emergentes. Presta assistência técnica e formação a reguladores de valores mobiliários em África, Ásia, Caraíbas, Europa do Leste, Médio Oriente e América do Sul em áreas variadas, nomeadamente: regulação de corretores e intermediários; requisitos de capital líquido, inspecções, compensação e liquidação, branqueamento de capitais, regulação de sociedades de investimento e consultores de investimento, fiscalização de entidades auto-reguladas e fiscalização do mercado. Por outro lado, o Dr. Saverson presta assessoria no desenvolvimento e aperfeiçoamento de leis nos mercados de países em desenvolvimento, nas áreas de registo comercial, lei de valores mobiliários, lei relativa a contratos, código comercial e lei de falências. O Sr. Saverson fornece assistência e orientação sobre iniciativas internacionais que fomentam melhor cooperação, reforçam a supervisão e promovem elevados padrões regulamentares. O Dr. Saverson também oferece orientação e apoio em diversas áreas que envolvem complexas situações internacionais de aplicacao da lei. Antes de assumir o seu actual cargo em Janeiro de 1996, O Dr. Saverson trabalhou na divisão da SEC para a Regulação do Mercado. Foi Conselheiro Especial no Gabinete de Fiscalização de Auto- Regulação e Estrutura de Mercado no período de Abril de 1993 a Dezembro de 1995 e responsável do Gabinete de Processamento de Valores Mobiliários de Julho de 1988 a Abril de Obteve um Mestrado em Direito, com especialização em Legislação de Valores Mobiliários pela Georgetown University Law Center em Janeiro de 1981 e obteve um Certificado Profissional de Direito da Washington University School of Law em 1979, depois de uma licenciatura em Ciências Políticas na Universidade de Illinois, em É membro da Ordem de Advogados do Distrito de Columbia (Washington). Kurt Gresenz é Assessor do Gabinete de Relações Internacionais e integra a equipa de gestão responsável pelas actividades internacionais da SEC orientadas para o cumprimento da lei. No exercício destas funções, presta apoio à Divisão Internacional da SEC de Aplicação da Lei e, de igual modo, a outras entidades americanas de regulação e aplicação da lei com relação às questões que ultrapassam as fronteiras dos EUA. O Dr. Gresenz é também o ponto de ligação com autoridades de títulos estrangeiros e outras entidades estrangeiras de regulação e aplicação da lei em matéria do cumprimento das medidas subjacentes a títulos que envolvam os EUA. Obteve o seu diploma em 1986 da Duke University em North Carolina, onde estudou Ciências Políticas (Relações Internacionais). Obteve o diploma de direito em 1989, da Universidade de Texas. Após o término dos estudos universitários, ingressou numa firma de advogados em Los Angeles, Califórnia, tendo-se tornado sócio da mesma em Em 1998, deixou a firma em situação de licença a fim de exercer as funções de procurador municipal para a cidade de Los Angeles, na área criminal. Em 2000, abandonou a firma para se juntar à Divisão de Aplicação da Lei da SEC, em Washington, D.C. Saiu dessa Divisão em Outubro de 2008 para então integrar o Gabinete de Relações Internacionais da SEC. Enquanto na SEC, recebeu vários prémios pelas suas investigações, incluindo o de Excelência atribuído pelo Presidente da SEC, em 2008, 2004 e 2002; e os da Divisão de Aplicação da Lei em 2009, 2007, e Fez também parte da equipa de gestão como o principal investigador no caso da Enron em que a SEC processou mais de uma dúzia de entidades, acusou formalmente mais de duas dúzias de indivíduos com títulos fraudulentos e recuperou acima de

9 9 400 milhões de dólares a favor de investidores defraudados. Recebeu, ainda, um prémio do Director do Bureau Federal de Investigação (FBI) pela cooperação com aquela agência no âmbito da investigação Enron. O Dr. Gresenz é conferencista assíduo em vários fóruns internacionais, quer nos Estados Unidos, quer no estrangeiro. Por último, realizou inspecções on-site no âmbito do cumprimento dos programas de aplicação da lei por parte de entidades estrangeiras, comparadas com os princípios e melhores práticas internacionais da IOSCO. Jim Reese é Contabilista Sénior do Gabinete de Conformidade, Inspecções e Exames da SEC (OCIE). O Dr. Reese iniciou a sua carreira na SEC há 11 anos e meio como Perito de Valores Mobiliários em questões de conformidade, afecto ao Grupo de Gestão de Investimento que fiscaliza as empresas de investimento, incluindo fundos de investimento e consultores de investimento. Foi promovido a Chefe de Divisão, em 2004 e em 2008 a Contabilista Sénior, tendo contribuído para o estabelecimento de novas técnicas de Fiscalização e de Informação do OCIE. Para além de identificar cadastrados para inspecção, o Sr. Reese colabora numa série de iniciativas ao nível de programas e projectos específicos que se prendem com a avaliação de risco, due diligence, verificação da informação, monitorização de empresas, e avanços tecnológicos. Antes de se integrar na SEC, foi analista financeiro em Virgínia e funcionário da Morgan Stanley e Prudential Securities. Jim Reese é perito em matéria de Investigacao de Fraude. Carlos Costa-Rodrigues é Advogado de execução na SEC, afecto ao Escritório Regional de Boston. I integrou a SEC em Dezembro de 1993 ja investigou uma ampla gama de violações das leis federais de valores mobiliários, incluindo a fraude contábil, informação privilegiada, manipulação de acções e suborno de funcionários governamentais. Enquanto Advogado da SEC, o Dr. Costa-Rodrigues foi galardoado com os prémios Enforcement Director s award e Chairman s award como reconhecimento do seu excelente e extraordinário contributo para o programa de execução da Comissão. Desde 2001, desloca-se a Moçambique, periodicamente, em representação do Departamento de Justiça dos EUA, para prestar assistência técnica ao Gabinete do Procurador-Geral de Moçambique na investigação e instauração de processos a crimes complexos, nomeadamente a corrupção e a lavagem de dinheiro. Antes de integrar a SEC, o Dr. Costa-Rodrigues foi Advogado de defesa em Boston durante um ano, e durante dois anos exerceu funções de Advogado no National Labor Relations Board (Conselho Nacional de Relações Laborais), um órgão federal responsável pelo cumprimento das leis laborais federais. O Dr. Costa- Rodrigues é licenciado em Direito e em Justiça Penal pela Northeastern University. Nilza Maria Silva de Oliveira é licenciada em Contabilidade (2002) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ e em Administração de Empresas (2006) pela Universidade Federal Fluminense - UFF. Obteve o grau de mestrado na UFF, tendo-se especializado em engenharia de produção (2009). Entre 2001 e 2005, foi vice-gerente de uma Agência do Banco do Brasil, tendo sido, mais tarde, colocada no departamento de contabilidade. Em 2005, foi admitida na CVM como analista de mercado na Superintendência de Relações com Empresas, tendo-se tornado gerente de acompanhamento de empresas da CVM em Fazem parte das suas funções as seguintes responsabilidades: (i) a aprovação dos pedidos de de registo e pedidos de cancelamento de entidades emitentes, (ii) a análise de todos os documentos de candidatura e pedidos relativos aos regulamentos e à legislação actual, (iii) a monitorização periódica e esporádica da divulgação de entidades emitentes; (iv) o exame de consultas e reclamações feitas por agentes investidores e emitentes, e avaliação de recursos administrativos; (v) actividades de execução relativas às entidades emitentes.

10 10 Paulo Ferreira Dias da Silva é licenciado em Economia (1994) e Direito (1999), tendo obtido os graus de licenciatura na Universidade de São Paulo - USP. Obteve, também, diploma de pós-graduação do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, tendo-se especializado em Regulação do Mercado de Capitais (2003). Actualmente desempenha as funções de vice-director de Registo de Ofertas Públicas, responsável pela análise das ofertas públicas de valores mobiliários, designadamente acções, debêntures, cotas de fundos de investimento fechados, notas promissórias, recibos de depósito. Algumas tarefas desenvolvidas por esta divisão são: (i) a aprovação de formulários de inscrição, (ii) a análise da oferta, garantindo a sua compatibilidade com as leis do mercado, a implementação da nova legislação a fim de melhorar os negócios no sector dos valores mobiliários (envolvendo empresas de capital aberto, bancos de investimento, advogados, consultores), (iii) a aplicação da função de execução. É membro do staff da CVM desde 1988, tendo trabalhado no Departamento de Finanças Empresarias e no Departamento Jurídico. Foi, também, gerente da Administração Regional do Escritório de São Paulo ( ) e Conselheiro do Conselho de Comissários ( ). Enquanto Conselheiro, algumas das suas contribuições estiveram na base de decisões importantes tomadas pela CVM, servindo de directrizes para os participantes do mercado de valores mobiliários no Brasil. Os seus artigos mais recentes incluem: Responsabilidade Civil e Administrativa na Regulação do Mercado de Capitais, publicado pela revista do Direito Bancário e do Mercado de Capitais, n º 34 - out/dez. 2006, bem como Informaciones Financieras del Emisor, em Estudio sobre la transparencia de los emisores en Iberoamerica, editado pela Fundación Instituto Iberoamericano de Mercados de Valores (IIMV)

Análise de Informação e Supervisão relativas a Fraudes de Mercado

Análise de Informação e Supervisão relativas a Fraudes de Mercado Análise de Informação e Supervisão relativas a Fraudes de Mercado Ester Saverson, Jr., Assistant Director Office of International Affairs U.S. Securities and Exchange Commission* * A Securities and Exchange

Leia mais

Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários

Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários Ester Saverson Jr. Director-Adjunto do Departamento de Assuntos Internacionais US SEC Dia 25OU2010 º Tema 1 1 Os pontos de vista aqui expressos

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL INTRODUÇÃO 1. A Australian Securities Commission e a Comissão de Valores Mobiliários, reconhecendo

Leia mais

MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG

MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG 1. INTRODUÇÃO A Comissão de Valores Mobiliários do Brasil - CVM e

Leia mais

Supervisão e Fiscalização de Bolsas de Valores e de Organizações em Auto-Regulação

Supervisão e Fiscalização de Bolsas de Valores e de Organizações em Auto-Regulação Supervisão e Fiscalização de Bolsas de Valores e de Organizações em Auto-Regulação Ester Saverson, Jr.* Praia, Cape Verde Outubro 2010 Securities and Exchange Commission (SEC) declina qualquer responsabilidade

Leia mais

A Supervisão do Sistema Financeiro

A Supervisão do Sistema Financeiro A Supervisão do Sistema Financeiro Prestam, por isso, um importante contributo para a integridade e a transparência dos mercados de capitais. Amadeu Ferreira OROC 21 de Outubro de 2010 A EFICIÊNCIA DOS

Leia mais

Avaliação Global da Regulação do Mercado de Capitais e

Avaliação Global da Regulação do Mercado de Capitais e Avaliação Global da Regulação do Mercado de Capitais e Perspectivas Futuras Fernando Teixeira eira dos Santos Presidente do Conselho Directivo da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Presidente do

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais

Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009. 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda

Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009. 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda Formação em Gestão de Fundos Imobiliários A formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário

Leia mais

Regulação do mercado de valores mobiliários: modelos e objetivos.

Regulação do mercado de valores mobiliários: modelos e objetivos. Regulação do mercado de valores mobiliários: modelos e objetivos. Flavia Mouta Superintendente de Desenvolvimento do Mercado São Paulo, 11 de setembro de 2014 O conteúdo deste apresentação reflete a opinião

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS PARA CONSULTA, COOPERAÇÃO E TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E AS AUTORIDADES ESTATUTÁRIAS

Leia mais

Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais. Discurso de abertura

Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais. Discurso de abertura Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais Discurso de abertura Em representação do Banco de Cabo Verde, apraz-me proceder à abertura deste seminário

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E OFERTAS PÚBLICAS EM TEMPOS DE CRISE A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro no Mercado de Valores Mobiliários

Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro no Mercado de Valores Mobiliários Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro no Mercado de Valores Mobiliários 08 a 10 de maio de 2013 Currículo resumido dos painelistas Wladimir Castelo Branco Castro

Leia mais

Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1. Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2

Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1. Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2 Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1 Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2 Em julho de 2010, entrou em vigor nos Estados Unidos o Dodd Frank Wall Street

Leia mais

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS . INFORMAÇÃO 4.. I E EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS 4. Informação e Emitentes de Valores Mobiliários O QUE É PRECISO SABER PARA INVESTIR EM VALORES MOBILIÁRIOS? A informação desempenha um papel fundamental

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 140, DE 2004. Dispõe sobre as instituições de mercado de capitais, e dá outras providências. AUTOR: Deputado EDUARDO VALVERDE RELATOR:

Leia mais

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/DPDC. Investimentos Irregulares

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/DPDC. Investimentos Irregulares Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/DPDC Investimentos Irregulares Apresentação A Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) tem recebido, ao longo dos anos, um grande número de consultas e reclamações

Leia mais

Comunicado Final da XXVI Conferência Anual da Organização Internacional das Comissões de Valores

Comunicado Final da XXVI Conferência Anual da Organização Internacional das Comissões de Valores Comunicado Final da XXVI Conferência Anual da Organização Internacional das Comissões de Valores Reguladores de valores mobiliários e de futuros vindos de todo o mundo, assim como outros membros da comunidade

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA 1. APRESENTAÇÃO 1.1 OBJETIVO O objetivo deste Código de Conduta Ética é definir padrões visando : a) Prevenção de conflitos de interesses, envolvendo acesso às informações privilegiadas,

Leia mais

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Consulta Pública sobre os Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) As Novas Formas Organizadas de Negociação

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E

M O D E L O E U R O P E U D E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Rua António Pereira Carrilho, n.º 38, 4.º, 1000-047 Lisboa Telefone/Fax +351.218.444.200 / +351.218.444.209 Correio

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Cocktail de Primavera - 2010. Discurso do Presidente do Conselho de Administração

Cocktail de Primavera - 2010. Discurso do Presidente do Conselho de Administração Cocktail de Primavera - 2010 Discurso do Presidente do Conselho de Administração Exmo. Senhor Secretário para a Economia e Finanças, Dr. Francis Tam, Exmo. Senhor Director-geral Assistente do Departamento

Leia mais

PROCESSO SUPERVISÃO PARA CORRETORES E CONSULTORES DE INVESTIMENTOS

PROCESSO SUPERVISÃO PARA CORRETORES E CONSULTORES DE INVESTIMENTOS 1 PROCESSO SUPERVISÃO PARA CORRETORES E CONSULTORES DE INVESTIMENTOS Supervisão Efectiva e Desenvolvimento do Mercado de Capitais Praia, Cabo Verde Outubro de 2010 James Reese, CFE Gabinete de Cumprimento

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2008 APRESENTAÇÃO A BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) iniciou suas atividades em 1º de outubro de 2007, tendo a sua criação resultado do processo de desmutualização da BOVESPAe,

Leia mais

AUDITORIA E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL

AUDITORIA E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL XI CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS DE PORTUGAL AUDITORIA E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL Intervenção de Júlio Sampaio Presidente da Comissão Instaladora da Ordem dos Contabilistas e Peritos Contabilistas

Leia mais

www.pwcacademy.pt Academia da PwC A formação profissional assume particular relevância no sucesso das empresas, a todos os

www.pwcacademy.pt Academia da PwC A formação profissional assume particular relevância no sucesso das empresas, a todos os www.pwcacademy.pt Das obrigações legais, às melhores p ráticas de gestão e oportunidades no seu financiamento Seminári o prático Lisboa, 29 de Junho Academia da PwC A formação profissional assume particular

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 243, DE 1 o DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 250/96, 343/00, 440/06 E 461/07.. Disciplina o funcionamento do mercado de balcão

Leia mais

La Supervisión de los Custodios en Brasil. Aspectos Legales

La Supervisión de los Custodios en Brasil. Aspectos Legales La Supervisión de los Custodios en Brasil Aspectos Legales CVM Competência Legal Lei nº 6.385/76 - Dispõe sobre o Mercado de Valores Mobiliários e Cria a Comissão de Valores Mobiliários. Art. 1º Serão

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

Política da Empresa Entrada em Vigor: 7 de Outubro de 2013

Política da Empresa Entrada em Vigor: 7 de Outubro de 2013 Número do Documento: 276-RP por Política da Empresa Entrada em Vigor: 7 de Outubro de 2013 Cópias em Papel Não Controladas - Verificar Data de Entrada em Vigor Antes da Utilização Função: Legal Título:

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 011-551 7700 Fax : 011-551 7844 website : www. au.int Criada como um organismo Pan-africano continental único,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DE CONDUTA - Illinois Tool Works Inc.

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DE CONDUTA - Illinois Tool Works Inc. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DE CONDUTA - Illinois Tool Works Inc. Estes princípios de conduta aplicam-se a todos os funcionários, diretores, empresas e subsidiárias da ITW ao redor do mundo. Espera-se que

Leia mais

FID - Fraudes, Investigações e Disputas A Nova Lei Brasileira Anticorrupção 12.846/13 Câmara de Com. e Ind. Japonesa do Brasil

FID - Fraudes, Investigações e Disputas A Nova Lei Brasileira Anticorrupção 12.846/13 Câmara de Com. e Ind. Japonesa do Brasil FID - Fraudes, Investigações e Disputas A Nova Lei Brasileira Anticorrupção 12.846/13 Câmara de Com. e Ind. Japonesa do Brasil Page 1 BDO Brazil TÓPICOS BDO Brazil Valores BDO no Brasil Serviços Departamento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO BANCO BAI EUROPA, S.A. PREÂMBULO

CÓDIGO DE CONDUTA DO BANCO BAI EUROPA, S.A. PREÂMBULO CÓDIGO DE CONDUTA DO BANCO BAI EUROPA, S.A. PREÂMBULO A conduta dos membros do Conselho de Administração e dos Colaboradores do Banco reflecte os seus valores e a sua cultura, que estão alinhados com os

Leia mais

Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA;

Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA; Relatório do 2º Trimestre de 2012 Auditoria Programa de Auditoria Operacional A BSM é responsável por realizar a supervisão e fiscalização dos Participantes da BM&FBOVESPA. Isso é feito por meio de auditorias,

Leia mais

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A., CNPJ 04.332.281/0001-30 (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na qualidade

Leia mais

Mercado Secundário de Valores Mobiliários: Negociação e Pós-Negociação

Mercado Secundário de Valores Mobiliários: Negociação e Pós-Negociação Mercado Secundário de Valores Mobiliários: Negociação e Pós-Negociação As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de inteira responsabilidade do palestrante, não refletindo, necessariamente,

Leia mais

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países MGI Internacional Presença em mais de 80 países Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores associações internacionais de empresas independentes

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

O papel da Comunicação Social no Mercado de Capitais

O papel da Comunicação Social no Mercado de Capitais O papel da Comunicação Social no Mercado de Capitais Televisão Pública de Angola - Camama 16 de Julho de 2015 Objectivos Gerais Transmitir aos Colaboradores da TPA o impacto da actividade jornalística

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS PARA AS SOCIEDADES DE ADVOGADOS LISBOA, 5 DE MARÇO DE 2013 Página 1 de 15 ÍNDICE 1. Preâmbulo 2. Princípios Gerais do Código de Boas Práticas 3. Gestão de Risco 4. Conflitos de

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. 01/03/2013 Índice 1. CADASTRO DE CLIENTE... 1.1

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL A recente crise financeira internacional em que vivemos e os seus efeitos no sector financeiro suscitaram uma profunda reflexão internacional sobre

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA 20 de agosto de 2008 033/2008-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Início da Negociação via

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 34/2012 Orgânica dos Serviços de Apoio dos Tribunais Os Serviços de Apoio dos Tribunais destinam-se a assegurar os serviços administrativos do Tribunal

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO. apresentada nos termos do artigo 81.

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO. apresentada nos termos do artigo 81. PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada nos termos do artigo 81.º do Regimento pela Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários sobre

Leia mais

Tribunais Promovem a Reforma Judicial e Ministério Público Reprime as Actividades Criminais

Tribunais Promovem a Reforma Judicial e Ministério Público Reprime as Actividades Criminais Apresentação Geral da Região Administrativa Especial de Macau em 2013 de contabilidade locais e o pessoal do CA, com o objectivo de promover a importância da auditoria de resultados na gestão das instituições.

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Fevereiro de 2012 Índice 1. Resumo das actividades... 1 2. Balanço e aperfeiçoamento... 6 3. Perspectivas para os trabalhos

Leia mais

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Por vezes surgem perguntas relativas a Intermediários Promotores

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION 4 de dezembro de 2014 I. Finalidade Estes Princípios de Governança Corporativa, adotados pelo Conselho Diretor da Empresa, juntamente com os estatutos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Sede Beira, Rua: Correia do Brito, N º 1298, Ponta-Gêa / Telefax N º 843360480

INSTITUTO SUPERIOR CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Sede Beira, Rua: Correia do Brito, N º 1298, Ponta-Gêa / Telefax N º 843360480 INSTITUTO SUPERIOR CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Sede, Rua: Correia do Brito, N º 1298, Ponta-Gêa / Telefax N º 843360480 Direcção Académica EDITAL 2015 O Instituto Superior de Ciências e Tecnologia

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os

A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os aspectos, os seus direitos e as suas obrigações. O original

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO Julho de 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. DEFINIÇÕES... 3 2. CONCEITO... 4 3. REGULAMENTAÇÃO... 5 4. OBJETIVOS DO PROGRAMA DE PLDFT...

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes 1 Introdução O Grupo de Instituições Financeiras Wolfsberg 1 ¹ considera que estes princípios constituem uma orientação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

NATURALIDADE: Cubal Angola DATA DE NASCIMENTO: 27.02.1961. ESTADO CIVIL: Casado

NATURALIDADE: Cubal Angola DATA DE NASCIMENTO: 27.02.1961. ESTADO CIVIL: Casado NOME: José António van der Kellen NATURALIDADE: Cubal Angola DATA DE NASCIMENTO: 27.02.1961 ESTADO CIVIL: Casado MORADA PROFISSIONAL: Direcção Regional de Lisboa, Vale do Tejo e Alentejo Av. António Augusto

Leia mais

Mercados Estruturados em Moçambique

Mercados Estruturados em Moçambique : A importância da Bolsa de Valores de oçambique no acesso a financiamento F I N A N T I A F i n a n c i a l A d v i s o r y S e r v i c e s o-autoria de: Finantia onsulting (André Nogueira, Henrique Bettencourt)

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Política Antissuborno

Política Antissuborno Política Antissuborno 1 Introdução 1.1 Finalidade A finalidade desta política é assegurar que a Ebiquity e os seus colaboradores cumpram a legislação antissuborno e as melhores práticas de combate à corrupção

Leia mais

Código de Conduta. Agentes Autônomos

Código de Conduta. Agentes Autônomos Código de Conduta Agentes Autônomos Introdução e Aplicabilidade Este Código de Conduta ( Código ) estabelece diretrizes com relação à atuação dos Agentes Autônomos de Investimento ( Agentes Autônomos )

Leia mais

Código de Ética e Conduta nos Negócios da BGC Partners, Inc. e da Liquidez Distribuidora de Valores e Títulos Mobiliários Ltda.

Código de Ética e Conduta nos Negócios da BGC Partners, Inc. e da Liquidez Distribuidora de Valores e Títulos Mobiliários Ltda. Código de Ética e Conduta nos Negócios da BGC Partners, Inc. e da Liquidez Distribuidora de Valores e Títulos Mobiliários Ltda. A reputação e integridade da BGC Partners, Inc. (a Empresa ) são bens valiosos

Leia mais

B) GENERAL HÉLDER MANUEL VIEIRA DIAS JÚNIOR Kopelipa, Ministro de

B) GENERAL HÉLDER MANUEL VIEIRA DIAS JÚNIOR Kopelipa, Ministro de À PROCURADORIA- GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA RUA 17 DE SETEMBRO, CIDADE ALTA LUANDA DIGNÍSSIMO PROCURADOR- GERAL DA REPÚBLICA GENERAL JOÃO MARIA MOREIRA DE SOUSA Rafael Marques de Morais, [dados pessoais

Leia mais

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza)

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Código de Conduta Empresarial da Nestlé 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Introdução Desde a sua fundação, as práticas comerciais da Nestlé

Leia mais

Política Antissuborno e Anticorrupção

Política Antissuborno e Anticorrupção Política Antissuborno e Anticorrupção Agosto 2015 1 de 8 Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais... 1 4. Suborno e Pagamento de Propina... 1 5. Brindes, Presentes,

Leia mais

A D V O G A D O S. Apresentação

A D V O G A D O S. Apresentação Apresentação O Escritório de Advocacia Gomes e Mello Frota Advogados destaca-se no meio jurídico como uma forte referência em função da equipe que o compõe, e da respeitabilidade que a mesma possui. Este

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito

Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito Câmara do Comércio, Industria e Serviços de Sotavento Praia, 16 de Julho de 2009

Leia mais

PROPIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET

PROPIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET PROPIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa 2 de dezembro (09h-14h) Carlos Guervós Maíllo (Moderador) Subdirector General de Propiedad Intelectual (Secretaría de Estado de Cultura)

Leia mais

Prezado colaborador, Atenciosamente, Rick Goings Presidente e CEO - 1 -

Prezado colaborador, Atenciosamente, Rick Goings Presidente e CEO - 1 - Prezado colaborador, Há mais de sessenta anos que o nome Tupperware representa os mais altos padrões de qualidade de produto. Levamos a sério a qualidade e a integridade dos nossos produtos e somos uma

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais