UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS RELAÇÕES INTERNACIONAIS E DESENVOLVIMENTO LOCAL: UMA ANÁLISE DA COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL-ALEMANHA ( ) Carla Leal Lourenço de Miranda Orientadora: Profa. Dra. Albene Miriam Ferreira Menezes Dissertação de Mestrado Brasília-DF, setembro de 2004.

2

3 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS RELAÇÕES INTERNACIONAIS E DESENVOLVIMENTO LOCAL: UMA ANÁLISE DA COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL-ALEMANHA ( ) Carla Leal Lourenço de Miranda Matrícula: 02/55297 Dissertação de Mestrado submetida ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do Grau de Mestre em Relações Internacionais, área de concentração em História das Relações Internacionais. Aprovado por: Profa. Dra. Albene Miriam Ferreira Menezes (Orientadora) Prof. Dr. Rodrigo Pires de Campos (Examinador) Prof. Dr. Flávio Borges Botelho Filho (Examinador) Profa. Dra. Cristina Yumie Aoki Inoue (Suplente) Brasília-DF, 30 de setembro de 2004.

4

5 AGRADECIMENTOS À minha orientadora e amiga, Professora Albene, por ter me desensinado e libertado dos saberes, como diria Rubem Alves. Sua contribuição foi essencial para estimular meu pensamento crítico e a reflexão. Suas críticas e sugestões, de inestimável valor na composição final deste trabalho. Ao Professor Rodrigo, que veio do oriente trazer um pouco das suas descobertas de lá e de cá sobre a capacitação para o desenvolvimento. Fonte inestimável de inspiração e motivação. Ao Professor Amado, pelo importante material cedido e pela oportunidade de trabalhar como sua assistente de pesquisa, o que me propiciou grande aprendizado e as condições financeiras para concluir o mestrado. Aos meus pais, Fábio e Lorraine, pelo apoio e carinho nos meus momentos mais difíceis. Ao Órion, quem mais de perto acompanhou, com amor e paciência, todo o meu processo de amadurecimento, meus conflitos, incertezas, desafios, descobertas e alegrias. Aos meus amigos Flávia, Juliana, Leandro, Ricardo, Gustavo, Débora, Carolina, Leonardo, Suelma, Priscilla, Tania e Angela que de longe ou de perto estiveram dispostos a ouvir ou ler sobre minhas angústias e conquistas, oferecendo palavras confortantes e incentivadoras. À Isolde e ao Jorge, pela valiosa intermediação no contato com as fontes alemãs. À Agência Brasileira de Cooperação (ABC), por ter concedido o acesso ao seu arquivo. Agradeço em especial à Patrícia, pela presteza com que disponibilizou os documentos, à Ana Cristina e ao José Batista, pelas informações fornecidas. Ao Goethe-Zentrum Brasília e ao Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD), pelas bolsas de estudo da língua alemã.

6 RESUMO MIRANDA, Carla Leal Lourenço de. Relações internacionais e desenvolvimento local: uma análise da cooperação técnica Brasil-Alemanha ( ) p. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais). Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais, Universidade de Brasília. Em 1987, o Brasil e a Alemanha inauguram um programa de cooperação técnica que se destina à melhoria nas condições de vida da população de baixa renda, o Prorenda. Pela primeira vez, estabelece-se, no âmbito das relações interestatais teuto-brasileiras, uma colaboração de amplitude nacional, baseada na capacitação de associações e grupos locais para atuarem como sujeitos de seu próprio desenvolvimento. O presente trabalho analisa essa relação bilateral a partir de uma perspectiva histórica e busca comparar as concepções sobre o papel da cooperação técnica naqueles países e no plano internacional, cotejando com as transformações do modelo de desenvolvimento brasileiro. Parte-se do questionamento mais amplo a respeito da influência das relações internacionais no desenvolvimento local. De forma estrita, analisa-se a evolução do Prorenda ( ), sob o prisma da capacitação para o desenvolvimento e intenta-se identificar sua ligação com a emergência de estratégias alternativas ao modelo desenvolvimentista vigente no Brasil. Para isso, foram consultados basicamente atas de reuniões intergovernamentais, relatórios anuais da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), marcos de orientação nacionais do Prorenda, relatório de avaliação do programa ocorrida em 1994 e textos de autores que participaram na implementação dos projetos. Os dados provenientes dessas fontes são analisados segundo aspectos da literatura sobre a ajuda para o desenvolvimento e a cooperação técnica, tais como, motivações governamentais e relação com interesses nacionais, abordagem programática, mudança institucional e capacitação para o desenvolvimento. A análise das fontes e o confronto com a literatura permitem concluir que o desenvolvimento local apoiado pela cooperação técnica alemã foi influenciado por transformações sociopolíticas e culturais. Temas da agenda global, como democratização, eqüidade de gênero e preservação ambiental, passaram a ser implantados em diversos municípios brasileiros, o que mostra que as relações internacionais de um país podem afetar e até orientar processos de desenvolvimento em localidades específicas. Palavras-chave: Relações Internacionais; Desenvolvimento Local; Cooperação Técnica Brasil-Alemanha; Capacitação para o Desenvolvimento; Prorenda.

7 ABSTRACT MIRANDA, Carla Leal Lourenço de. Relações internacionais e desenvolvimento local: uma análise da cooperação técnica Brasil-Alemanha ( ) p. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais). Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais, Universidade de Brasília. In 1987, Brazil and Germany inaugurate a technical cooperation program that aims to improve the life conditions of low income populations, the Prorenda. For the first time, it is established in the scope of the German-Brazilian interstate relations a collaboration of national amplitude, which is based on the capacity development of associations and local groups to act as subjects of their own development. The present work analyses this bilateral relation from a historical perspective and tries to compare the conceptions about technical cooperation in both countries and in the international environment with the transformations of the Brazilian development model. It departs from the broad questioning about the influence of international relations in local development. In a strict manner, it analyses the evolution of Prorenda ( ), under the prism of capacity development, and tries to identify its connection to the emerging of alternative strategies to the developmentist model in Brazil. Therefor, the documents consulted were basically minutes of intergovernmental meetings, annual reports from the Brazilian Cooperation Agency (ABC), Prorenda s national basic guidelines, the program s evaluation report from 1994 and texts from authors that participated on the projects implementation. The data are analyzed according to aspects of the literature about international aid and technical cooperation, such as governmental motivations and the relation to national interests; program approach; institutional change; and capacity development. The sources analysis and the confrontation to the literature permit to conclude that local development that was assisted by German technical cooperation was influenced by sociopolitical and cultural transformations. Issues from the global agenda, like democratization, gender equity and environmental preservation, started to be implemented in diverse Brazilian municipalities, what demonstrates that the international relations of a country can affect and yet orientate development processes in specific localities. Keywords: International Relations; Local Development; Brazil-Germany Technical Cooperation; Capacity Development; Prorenda.

8

9 9 SUMÁRIO LISTA DE QUADROS...11 LISTA DE FIGURAS...12 LISTA DE SIGLAS...13 INTRODUÇÃO...17 CAPÍTULO I: INSTITUCIONALIZAÇÃO DA COOPERAÇÃO TÉCNICA NO BRASIL E ARTICULAÇÃO COM OS INTERESSES NACIONAIS ANTECEDENTES POSICIONAMENTOS BRASILEIROS SOBRE COOPERAÇÃO TÉCNICA DA IMPORTAÇÃO DE CAPACIDADES AO DESENVOLVIMENTO DE CAPACIDADES ORGÂNICAS...69 CAPÍTULO II: POLÍTICA ALEMÃ PARA O DESENVOLVIMENTO PAPEL DA COOPERAÇÃO TÉCNICA BREVE HISTÓRICO PRINCIPAIS OBJETIVOS, ESTRATÉGIAS E CONCEITOS-CHAVE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA ALEMÃO DE ASSISTÊNCIA AO DESENVOLVIMENTO E PAPEL DA COOPERAÇÃO TÉCNICA...91 CAPÍTULO III: COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL-ALEMANHA ( ) APROFUNDAMENTO DO DESENVOLVIMENTISMO OU FERRAMENTA DE UM MODELO ALTERNATIVO? PASSOS INICIAIS DA COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL-ALEMANHA CRISE DOS ANOS 1980 E SEUS EFEITOS SOBRE AS NEGOCIAÇÕES TEUTO- BRASILEIRAS: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COMO ALTERNATIVA DESENVOLVIMENTO LOCAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL: EXPERIÊNCIAS NA DÉCADA DE 1990 E CONSOLIDAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA PARA O LIMIAR DO NOVO SÉCULO CAPÍTULO IV: CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO NA COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL-ALEMANHA UM ESTUDO SOBRE O PRORENDA ABORDAGEM SISTÊMICA PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO E FLEXIBILIDADE DESENHO CONJUNTO DO PROJETO ORIENTAÇÃO PARA IMPACTOS MÍNIMA INTERVENÇÃO EXTERNA RESPONSABILIDADE E PARTICIPAÇÃO DOS BENEFICIÁRIOS CONSIDERAÇÕES FINAIS FONTES E LISTA BIBLIOGRÁFICA ANEXO I: ENTREVISTA DE HANS-JÜRGEN KRÜGER, COORDENADOR DE PROGRAMA DA GTZ NO BRASIL, À AUTORA... III

10 10 ANEXO II: MARCO DE ORIENTAÇÃO DO PRORENDA...IX ANEXO III: MARCO DE ORIENTAÇÃO DO PRORENDA ATUALIZADO...XVII ANEXO IV: COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL-ALEMANHA PROJETOS ATIVOS OU CONCLUÍDOS A PARTIR DA CRIAÇÃO DA ABC, EM XXVII

11 11 LISTA DE QUADROS Quadro 1.1: Diretrizes brasileiras para a cooperação técnica Transferência de conhecimentos...56 Quadro 1.2: Diretrizes brasileiras para a cooperação técnica Fortalecimento institucional..58 Quadro 1.3: Diretrizes brasileiras para a cooperação técnica Instrumentos...59 Quadro 1.4: Diretrizes brasileiras para a cooperação técnica Planejamento de acordo com as prioridades nacionais e Relação com a política externa...61 Quadro 1.5: Diretrizes brasileiras para a cooperação técnica Competência nacional...63 Quadro 1.6: Diretrizes brasileiras para a cooperação técnica Contrapartida nacional...64 Quadro 1.7: Diretrizes brasileiras para a cooperação técnica Alcance dos projetos e programas...65 Quadro 1.8: Diretrizes brasileiras para a cooperação técnica Originalidade dos projetos...66 Quadro 1.9: Da focalização em projetos à abordagem programática...67 Quadro 2.1: Distribuição do orçamento do BMZ por tipos de cooperação para o desenvolvimento em Quadro 3.1: Distribuição dos projetos de cooperação técnica Brasil-Alemanha por regiões 110 Quadro 3.2: Projetos da cooperação técnica Brasil-Alemanha por programas Quadro 3.3: Síntese sobre o contexto da cooperação técnica Brasil-Alemanha Quadro 4.1: Evolução dos objetivos dos projetos Prorenda implantados em Quadro 4.2: Ciclo de planejamento participativo para o desenvolvimento rural sustentável 154

12 12 LISTA DE FIGURAS Figura 1.1: Desenvolvimento de capacidade orgânica Figura 2.1: Distribuição da assistência oficial alemã para o desenvolvimento por continentes ( ) Figura 2.2: Gastos líquidos da República Federal da Alemanha com assistência oficial para os países em desenvolvimento ( ) Figura 2.3: Interesses antagônicos? Figura 2.4: Configuração do sistema alemão de assistência ao desenvolvimento em Figura 3.1: Distribuição dos projetos de cooperação técnica Brasil-Alemanha por regiões. 111 Figura 3.2: Concepção de um programa de desenvolvimento comunitário Figura 4.1: Processo de comunicação e troca de experiências no desenho do projeto

13 13 LISTA DE SIGLAS AA ABC AOD AO AwZ BMZ CAAO CAD (DAC) Cida CDG Cnat Contap CTPD CTRB CTRM Dcopt DCT DED DEG DIE DSE EZE FES Funcex GTZ InWEnt IZEP Jica KAS KfW MRE Nupec OCDE (OECD) Ministério Federal dos Negócios Estrangeiros (Auswärtiges Amt) Agência Brasileira de Cooperação Assistência Oficial para o Desenvolvimento Ajuda Oficial Comissão Parlamentar para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (Ausschuß für wirtschaftliche Zusammenarbeit und Entwicklung) Ministério Federal para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (Busdesministerium für wirtschaftliche Zusammenarbeit und Entwicklung) Coordenação-Geral de Acompanhamento Administrativo e Organizacional Comitê de Assistência para o Desenvolvimento (Development Assistance Comittee) Agência Canadense de Desenvolvimento Internacional (Canadian International Development Agency) Sociedade Carl Duisberg (Carl Duisberg Gesellschaft) Comissão Nacional de Assistência Técnica Conselho de Cooperação Técnica da Aliança para o Progresso Cooperação Técnica entre Países em Desenvolvimento Cooperação Técnica Recebida Bilateral Cooperação Técnica Recebida Multilateral Divisão de Cooperação Técnica Departamento de Cooperação Científica, Técnica e Tecnológica Serviço Alemão de Desenvolvimento (Deutscher Entwicklungsdienst) Sociedade Alemã de Investimento e Desenvolvimento (Deutsche Investitions- und Entwicklungsgesellschaft) Instituto Alemão de Política de Desenvolvimento (Deutsches Institut für Entwicklungspolitik) Fundação Alemã de Desenvolvimento Internacional (Deutsche Stiftung für internationale Entwicklung) Central Evangélica de Ajuda ao Desenvolvimento (Evangelische Zentralstelle für Entwicklungshilfe) Fundação Friedrich Ebert (Friedrich-Ebert-Stifung) Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior Sociedade Alemã para Cooperação Técnica (Deutsche Gesellschaft für Technische Zusammenarbeit) Capacitação Internacional e Desenvolvimento (Internationale Weiterbildung und Entwicklung) Centro de Informação sobre Política de Desenvolvimento (Informationszentrum Entwicklungspolitik) Agência Japonesa de Cooperação Internacional (Japanese International Cooperation Agency) Fundação Konrad Adenauer (Konrad-Adenauer-Stiftung) Banco de Reconstrução (Kreditanstalt für Wiederaufbau) Ministério das Relações Exteriores Núcleo de Planejamento e Coordenação Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico

14 14 (Organization for Economic Co-operation and Development) Pnud (UNDP) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (United Nations Development Program) PP-G7 Programa-Piloto de Conservação das Florestas Tropicais Brasileiras Grupo dos Sete Prorenda Programa de Viabilização de Espaços Econômicos para Populações de Baixa Renda ( ) Programa de Viabilização de Espaços Funcionais Integrados para Populações de Baixa Renda ( ) Desenvolvimento Local Sustentável (2000-corrente) SPD Partido Social-Democrata da Alemanha (Sozialdemokratische Partei Deutschlands) Seplan Secretaria de Planejamento da Presidência da República Sict Sistema Interministerial de Cooperação Técnica Subin Subsecretaria de Cooperação Técnica Internacional

15 15 INTRODUÇÃO

16 16

17 17 INTRODUÇÃO Análises sobre a configuração do mundo contemporâneo ressaltam a singularidade, no presente, do processo de adensamento das relações entre atores internacionais, sejam eles Estados, indivíduos, empresas ou organizações não-governamentais. Nas arenas econômica, social e ambiental, a coordenação política entre diferentes países emerge como recurso imprescindível ao alcance de objetivos que transcendem o campo da ação autóctone. Por outro lado, um movimento de revalorização do local e busca pelo fortalecimento de redes comunitárias contrapõe-se à fluidez espaço-temporal que marca o mundo dito globalizado. Sérgio Boisier sintetiza essa dicotomia nas seguintes palavras: A globalização, como se sabe, é uma matriz que abriga múltiplas dialéticas, paradoxos e contradições. Um deles radica-se na oposição entre o perigo da alienação total e o resgate do local como novo (ou recuperado) espaço de solidariedade. Quanto mais me universalizo, mais me apego ao meu território, como mecanismo de defesa perante o inevitável. 1 Segundo Walter Frantz, o local no presente contexto abrange a noção de espaço geográfico e sociológico, em que a proximidade física entre as pessoas permite a interação social e a criação de uma identidade cultural inerente ao lugar. 2 Conforme o conceito de John Agnew e James Duncan, citado por Sarita Albagli, o local revela-se na complementaridade das dimensões econômica (localização de atividades produtivas); micro-sociológica (ambiente rotineiro de interação social); e antropológico-cultural (espaço habitado com o qual o sujeito se identifica). 3 O referencial humano incorporado nessas concepções talvez favoreça uma propensão, indevida, ao discurso de que desenvolvimento local relaciona-se à criação de bucólicas e harmônicas comunidades em substituição a uma sociedade permeada por conflitos. Francisco de Oliveira alerta sobre o simplismo dessa noção, ao destacar a cidadania parâmetro do 1 Tradução da autora. BOISIER, Sergio. Crónica de una muerte frustrada: el território en la globalizacion. Chile, Disponível em:<http://www.ider.cl/archivos/boisier,%20dos.pdf>. Acesso em: 09 setembro Ver FRANTZ, Walter. Desenvolvimento local, associativismo e cooperação. Ijuí, Disponível em: <http://ipd.unijui.tche.br/simposio/texto1wfrantz.doc>. Acesso em: 09 setembro Ver AGNEW, John A. & DUNCAN, James S. The power of place: bringing together geographical and sociological imaginations. Boston: Unwim Hyman, Apud: ALBAGLI, Sarita. Globalização e espacialidade: o novo papel do local. In: CASSIOLATO, José Eduardo & LASTRES, Helena Maria Martins (ed.). Globalização & Inovação Localizada: experiências de sistemas locais no Mercosul. Brasília: Ibict/MCT, Disponível em:

18 18 chamado desenvolvimento local, como aspecto suplementar à restrita acumulação de uma certa qualidade de vida. Ademais, argumenta que a noção de cidadania refere-se ao indivíduo autônomo, crítico e reflexivo, que busca transformar seu ambiente por meio do enfrentamento dos antigos padrões. 4 Nesse sentido, a articulação social e política destacam-se como dimensões fundamentais em âmbito local, inclusive para os resultados econômicos. 5 Assumindo como parâmetro o quadro exposto, cabe indagar: Como o desenvolvimento de unidades subnacionais (microrregiões, municípios, bairros ou comunidades), cada uma com suas particularidades, relaciona-se com as diretrizes de política externa de um país e conseqüentemente com suas relações internacionais diante do imperativo de uma agenda global? Qual o grau de influência que pode exercer uma nação sobre a outra à medida que co-financia e presta colaboração técnica no tempo presente? Até que ponto a difusão de idéias e informações incitada pela cooperação externa pode levar a novos padrões de comportamento na política doméstica? Essas representam algumas inquietações subjacentes à temática geral relações internacionais e desenvolvimento local que se pretende abordar no corrente estudo. Para tanto, algumas delimitações de escala temporal, geográfica, da natureza das relações, dentre outras, fizeram-se prementes na escolha do objeto de análise. No caso em foco estão as relações bilaterais Brasil-Alemanha de 1987 a 2003 sob a perspectiva da cooperação técnica. Assim, escopo geral deste trabalho é identificar como a cooperação para o desenvolvimento entre os dois países, nas duas últimas décadas, foi influenciada por processos aparentemente independentes no plano internacional e doméstico, que se confluíram em um mesmo objetivo: a capacitação de indivíduos, organizações e instituições para identificarem e solucionarem seus problemas de desenvolvimento de forma contínua e sustentável. Aqui se insinua a seguinte questão: que fatores atuaram para essa convergência? Ao proceder a pesquisa, optou-se por estudar a cooperação técnica oficial entre Brasil e <http://www.rededlis.org.br/downloads/2001/07/globalizacao%20e%20espacialidade%20- %20o%20novo%20papel%20do%20local.doc>. Acesso em: 23 agosto Ver OLIVEIRA, Francisco de. Aproximações ao enigma: que quer dizer desenvolvimento local? In: SPINK, P. et alli. Novos contornos da gestão local: conceitos em construção. São Paulo: Pólis/Programa Gestão Pública Cidadania FGV-EAESP, Disponível em: <http://www.polis.org.br/publicacoes/download/arquivos/cadbid1.pdf>. Acesso em: 06 setembro Ver FRANÇA, Cássio Luiz de; VAZ, José Carlos; SILVA, Ivan Prado (orgs.). Do experimentalismo difuso a uma política nacional de desenvolvimento local: uma abordagem introdutória. Aspectos econômicos de experiências em desenvolvimento local. São Paulo: Instituto Pólis, 2002, p. 6 e 7.

19 19 Alemanha 6 a partir do final da década de 1980, quando passou a se concentrar em programas e não mais projetos isolados orientados para o desenvolvimento sócio-ambiental, além do econômico. Delinear um perfil dessa relação bilateral, com foco nas negociações intergovernamentais teuto-brasileiras 7 sobre cooperação técnica, vem a ser uma das metas a ser atingida. Ponto de partida são as negociações que antecederam a implantação do Programa de Viabilização de Espaços Econômicos para Populações de Baixa Renda (Prorenda). Esse contorno será traçado até o presente, considerando a evolução desse programa. De dez a quinze de setembro de 1987, ocorreu no Palácio do Itamaraty, em Brasília, o primeiro Seminário Prorenda 8, que veio apresentar o resultado de um esforço conjunto do governo brasileiro e alemão para inaugurar uma nova faceta para a cooperação técnica, por meio de um programa que pretendia proporcionar uma maior articulação entre o governo federal e os governos estaduais e municipais, procurando atender às novas prioridades decorrentes de um enfoque de desenvolvimento a partir da autogestão das comunidades 9. Nesse mesmo encontro, mencionou-se que a estrutura institucional brasileira de coordenação da cooperação técnica também estava passando por uma fase de transição e em breve seria criada a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), integrada à estrutura do Ministério das Relações Exteriores. Com essa mudança, pretendia desvencilhar-se do clientelismo 10 e negociar programas direcionados para as prioridades de desenvolvimento do Governo. Anteriormente, o Brasil dispunha de um Sistema Interministerial de Cooperação Técnica (Sict), criado em 1969, com órgãos centrais localizados na Secretaria de 6 Quando for feita referência à Alemanha, de forma genérica, em período anterior a três de outubro de 1990 data da unificação da República Federal da Alemanha (RFA) com a República Democrática Alemã (RDA), entenda-se apenas que se trata das relações do Brasil com a RFA, uma vez que a cooperação técnica oficial era negociada somente com a Alemanha Ocidental. 7 Os termos teuto- e germano-brasileiro serão utilizados sem distinção para designar a relação entre o Brasil e a Alemanha. 8 Participaram do Seminário representantes do governo federal (especificamente do Departamento de Cooperação Científica, Técnica e Tecnológica (DCT) do Ministério das Relações Exteriores (MRE) e também do Instituto de Planejamento (Ipea/Iplan), ligado à Secretaria de Planejamento da Presidência da República); dos governos estaduais de Alagoas, Bahia, Ceará, Minas Gerais, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Sul; da Embaixada da República Federal da Alemanha em Brasília, bem como do Ministério Federal para Cooperação Econômica (BMZ) e da Sociedade Alemã para Cooperação Técnica (GTZ); e por fim consultores brasileiros e alemães. Ver PRORENDA. I Seminário Prorenda: Programa de Viabilização de Espaços Econômicos para Populações de Baixa Renda. Brasília: MRE/Nupec, Iplan/Ipea e GTZ, Mimeografado. In: Biblioteca Ipea, Brasília, p. 2 e Ver LIMA, Garry Soares de. A cooperação técnica internacional no Brasil: experiências e perspectivas para o futuro. In: PRORENDA. I Seminário Prorenda..., p Por clientelismo, nesse contexto, entende-se uma certa constância no quadro de organizações beneficiadas pela cooperação técnica em detrimento de outras, devido principalmente à pouca penetração do governo federal nos Estados e municípios e à posição reativa do Governo em relação às propostas que lhe chegavam, tanto por parte de instituições brasileiras como de fontes externas. Ver LIMA, Garry Soares de. A cooperação técnica internacional no Brasil... In: PRORENDA. I Seminário Prorenda..., p. 16.

20 20 Planejamento da Presidência da República (Seplan) e no Ministério das Relações Exteriores (MRE). Na Seplan, a coordenação estava a cargo da Subsecretaria de Cooperação Técnica Internacional (Subin) e, no MRE, do Departamento de Cooperação Científica, Técnica e Tecnológica (DCT). Além desses, havia órgãos setoriais nos demais Ministérios, com funções de execução direta ou indireta. Garry Soares de Lima ressalta que essa estrutura significou para a época um avanço em termos de organicidade; visão de conjunto; e possibilidade de avaliação e acompanhamento dos resultados da cooperação técnica, antes dispersa em ações e projetos negociados caso a caso. 11 Não obstante, Lima aponta que, embora desde o final da década de 1960 já houvesse a preocupação de que o sistema de coordenação da cooperação técnica internacional fosse capaz de compatibilizar as demandas de cooperação com as diretrizes de desenvolvimento planejadas pelo Governo, na prática esse objetivo não estava sendo alcançado. Nas reuniões preparatórias para negociações sobre cooperação técnica, juntamente com o DCT, a Subin levava uma lista de projetos desarticulados entre si e sem um balizamento entre o tipo de projeto, a excelência da fonte externa e a prioridade de desenvolvimento. 12 No final dos anos 1980, decide-se transferir para o MRE as competências atribuídas à Subin ao mesmo tempo em que se procede à extinção desta, com a justificativa de que a cooperação técnica representava um instrumento de política externa que podia ser utilizado nas negociações entre Estados para a criação de oportunidades de comércio e investimento. 13 No Itamaraty, seria criada uma agência brasileira de cooperação, que se assemelhasse às agências dos países tradicionalmente prestadores de cooperação técnica, como a Sociedade Alemã para Cooperação Técnica (GTZ), a Agência Japonesa de Cooperação Internacional (Jica) e a Agência Canadense de Desenvolvimento Internacional (Cida). Além das funções da Subin, o novo órgão deveria atuar de forma pró-ativa na identificação de interesses comuns e áreas prioritárias para a negociação de programas de cooperação técnica com as fontes externas. Concomitantemente, inaugurava-se um programa de cooperação técnica com a Alemanha, que buscava articular as demandas de sete Estados brasileiros Piauí, Ceará, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Minas Gerais e Rio Grande do Sul com o Plano de Desenvolvimento da Nova República e os campos prioritários delimitados pelo governo 11 Ver LIMA, Garry Soares de. A cooperação técnica internacional no Brasil... In: PRORENDA. I Seminário Prorenda..., p Idem. 13 Ver ABC/MRE. Relatório Anual Brasília: ABC, In: Biblioteca Ipea, Brasília.

21 21 alemão. Esse programa, o Prorenda, foi uma tentativa pioneira de colocar em prática uma concepção atípica para as expectativas brasileiras sobre a cooperação técnica, que se destinaria ao aproveitamento de experiências locais existentes, com a utilização de peritos e equipamentos nacionais e contribuições financeiras a fundo perdido. 14 De fato, os interesses oficiais do Brasil primavam pela transferência e absorção de tecnologia externa, diretriz essa consoante ao modelo desenvolvimentista do País e contrária à proposta alemã. Aqui, portanto, o desenrolar do impasse favorável à sugestão germânica permite insinuar a seguinte hipótese, tomada como fio condutor da presente dissertação: a Alemanha, no papel de potência maior, colabora para o desenvolvimento local da potência menor e sobrepõe, para isso, a forma ou modelo que julga mais adequado. Sob a roupagem de parceria para a auto-ajuda, a cooperação técnica assume um caráter de difusor dos princípios de um modelo alternativo de desenvolvimento, pautados pela visão do doador e reverberados por meio de cooptação ou exercício do soft power. O conceito de soft power, descrito por Joseph Nye, relaciona-se às mudanças no cenário político mundial contemporâneo, que apontam para uma ruptura com a visão tradicional de poder baseada apenas no uso da força, garantido pela posse de recursos militares, econômicos e científico-tecnológicos pujantes. Nye acentua que o exercício do poderio militar no presente contexto é insuficiente, ou melhor, mais dispendioso para estabelecer a mudança de comportamento de outros atores internacionais. Por isso, as grandes potências têm exercido seu poder preferencialmente por meio da cooptação de outros Estados, em especial através da determinação da agenda política, isto é, de um molde dentro do qual os países influenciados vivem a falsa impressão do livre-arbítrio. A habilidade de afetar as preferências do outro se associa a recursos intangíveis de poder, como cultura, ideologia e instituições 15. Pode-se afirmar que em setembro de 1987 inaugurou-se um novo período no Brasil para a cooperação técnica internacional, com o lançamento do Prorenda 16 e a criação da ABC. Nesse contexto, as relações com a Alemanha ocupam um lugar relevante e servem de parâmetro para a análise da cooperação técnica entre o Brasil e outras potências. Portanto, 1987 servirá como recorte inicial para o presente estudo, que estenderá a abordagem do tema até novembro de 2003, marco da comemoração dos quarenta anos do 14 Ver LIMA, Garry Soares de. A cooperação técnica internacional no Brasil... In: PRORENDA. I Seminário Prorenda..., p Ver NYE, Joseph S. Jr. Soft Power. Foreign Policy. Washington: Fall 1990, n. 80, p

22 22 Acordo Básico de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha (assinado em 30 de novembro de 1963). Ocasião, quando o presidente da Alemanha, Johannes Rau, em visita oficial ao Brasil, tomou parte dos eventos comemorativos daquele feito, e houve o lançamento, pela Embaixada da República Federal da Alemanha em Brasília, de uma obra ilustrativa dos principais projetos e programas realizados nessas quatro décadas 17. A literatura específica sobre as relações bilaterais Brasil-Alemanha aborda de forma tangencial o papel da cooperação técnica oficial entre os dois países. As relações comerciais e industriais recebem uma maior atenção dos estudos acadêmicos. De fato, elas representam um peso inquestionável no desenvolvimento econômico de qualquer país, todavia são insuficientes para uma análise mais específica dos aspectos sociais. Com o fim da ditadura militar em 1985, o governo brasileiro passou a dar ênfase não somente à industrialização e ao aumento das trocas comerciais com o exterior, assim como ao desenvolvimento social. Nesse contexto, priorizou-se também a criação de condições para que a população tivesse acesso ao suprimento de suas necessidades básicas de forma sustentável ao longo do tempo. A partir da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, sediada no Rio de Janeiro, em 1992, a preocupação com a preservação ambiental foi incorporada ao fator sustentabilidade social do desenvolvimento. No conceito de desenvolvimento, desde então, estavam implícitas três dimensões econômica, social e ambiental. Dentre essas três esferas, a cooperação técnica entre o Brasil e a Alemanha pretendia atingir diretamente as duas últimas e indiretamente a primeira, tanto que nas negociações intergovernamentais teuto-brasileiras sobre cooperação técnica do ano de 1986, o governo alemão indicou quatro áreas prioritárias para a implementação de futuros programas de cooperação com o Brasil desenvolvimento rural; desenvolvimento municipal; proteção do meio ambiente; e formação profissional 18. No ano seguinte, lança-se o Prorenda, um programa que buscava abranger todas essas áreas para a promoção do desenvolvimento integrado das comunidades beneficiadas. 16 Embora em 1987, o I Seminário Prorenda tenha lançado o programa, os primeiros projetos sob seu marco de orientação só iniciaram em KRÜGER, Hans-Jürgen et alli. 40 anos de cooperação para o desenvolvimento Brasil-Alemanha. Brasília: Embaixada da República Federal da Alemanha, Cf. ATA das negociações intergovernamentais teuto-brasileiras sobre cooperação financeira e técnica, Brasília, 24 a 26 de fevereiro de 1986, item 2.1. In: Seção de documentação ABC/CAAO. Caixa 761.

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável

Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável Por quê? Em nenhum outro país do mundo existem especialmente para a proteção do clima e tantas espécies de plantas e animais como conservação

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ 1 A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ Mayara de Freitas Orientadora Profa. Dra. Sandra Aparecida

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA TALLER I: ERRADICACIÓN DE LA POBREZA Y DESARROLLO: UN NUEVO PARADIGMA DEL DESARROLLO

Leia mais

Projetos de desenvolvimento sustentável no Brasil : o caso do Programa Piloto

Projetos de desenvolvimento sustentável no Brasil : o caso do Programa Piloto Projetos de desenvolvimento sustentável no Brasil : o caso do Programa Piloto Desde 1987, após a publicação do relatório da Comissão das Nações Unidas para o Me i o Ambiente e o Desenvolvimento, o termo

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana O IDIE - Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Educativa, especializado em

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010 COOPERAÇÃO SUL SUL SEMINARIO BOAS PRÁTICAS NA INSPEÇÃO DO TRABALHO Brasília, 7 de dezembro de 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O que se entende por Cooperação Sul-Sul 2. Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * *

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL-JAPÃO / 2007-2008

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL-JAPÃO / 2007-2008 PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL-JAPÃO / 2007-2008 ORIENTAÇÃO PARA PROPOSTAS DE PROJETO A PARTIR DE 27 DE NOVEMBRO DE 2006 A PARTIR DE 27 DE NOVEMBRO DE 2006 1. Sobre o Programa 03 2. Objetivos da

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

O PAPEL DOS PONTOS FOCAIS Silvia Alcântara Picchioni 1 Ponto Focal Nacional Fevereiro de 2004

O PAPEL DOS PONTOS FOCAIS Silvia Alcântara Picchioni 1 Ponto Focal Nacional Fevereiro de 2004 Apresentação O PAPEL DOS PONTOS FOCAIS Silvia Alcântara Picchioni 1 Ponto Focal Nacional Fevereiro de 2004 A ASPAN Associação Pernambucana de Defesa da Natureza, entidade ambientalista fundada em 1979,

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Declaração de Adelaide sobre Cuidados

Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Primários A adoção da Declaração de Alma Ata, há década atrás, foi o marco mais importante do movimento da "Saúde Para Todos

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO

EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita No apagar das luzes do século XX, o mundo constata preocupado o quanto os recursos

Leia mais

Brasil e Alemanha: Cooperação e Desenvolvimento

Brasil e Alemanha: Cooperação e Desenvolvimento Brasil e : Cooperação e Análise Jéssica Silva Fernandes 01 de Julho de 2010 Brasil e : Cooperação e Análise Jéssica Silva Fernandes 01 de Julho de 2010 e Brasil vivem atualmente uma relação bilateral em

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: MEIO AMBIENTE

ÁREA TEMÁTICA: MEIO AMBIENTE TÍTULO: TREINAMENTO PARA AUTO-SUSTENTABILIDADE E AUTOGESTÃO ASSOCIAÇÃO DE TREINAMENTO E COSTURA DE SÃO DOMINGOS/ BREJO DA MADRE DE DEUS/PE AUTORES: Adriana Lima de Carvalho (adriana-carvalho@ig.com.br),

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie Takahasi 17 de Março de 2012 Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013 Análise das relações trabalhistas no Brasil e em diferentes países Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ São Paulo 15/07/2013 1. Introdução 2. Estados

Leia mais

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1 IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1. INTRODUÇÃO As identidades coletivas, em qualquer domínio considerado, assumem uma importância central; a sua afirmação dá sentido aos projetos comuns, promove

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

Especificidades da Área de Saúde

Especificidades da Área de Saúde Cooperação Internacional para o Desenvolvimento: Especificidades da Área de Saúde Curso de Atualização a Distância Brasília, setembro de 2015. 1 Sumário 1. Programa... 2 1.1. Apresentação e justificativa...

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO)

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) Realização: Ibase, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) Objetivos da Pesquisa: Os Diálogos sobre

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias *

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * Arminda Eugenia Marques Campos ** Luís Henrique Abegão *** Maurício César Delamaro **** Numa época em que os recursos públicos destinados

Leia mais

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG Thesaurus Editora 2008 O organizador Amado Luiz Cervo Professor emérito da Universidade de Brasília e Pesquisador Sênior do CNPq. Atua na área de relações internacionais e política exterior do Brasil,

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

SWAP Ceará: Instrumento de Disseminação da Gestão por Resultados

SWAP Ceará: Instrumento de Disseminação da Gestão por Resultados SWAP Ceará: Instrumento de Disseminação da Gestão por Resultados 1 Introdução Ana Cristina Cavalcante Medeiros* Eveline Barbosa Silva Carvalho** A busca de experiências internacionais de sucesso da gestão

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativo da Área XI Geografia, Desenvolvimento Regional, Ecologia e Direito Ambiental, Urbanismo, Habitação, Saneamento

Leia mais

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) está coordenando a elaboração do Plano Estadual de Cultura, a partir do diálogo

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Relações Brasil-África:

Relações Brasil-África: 53 Relações Brasil-África: cooperação técnica e comércio Lia Valls Pereira Em 2008, o governo brasileiro lançou a Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP). No capítulo sobre Destaques Estratégicos temas

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL A Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco), desde meados de 2010, vem liderando

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais