OPORTUNIDADES INTERNACIONAIS PARA O SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OPORTUNIDADES INTERNACIONAIS PARA O SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL BRASILEIRO"

Transcrição

1 OPORTUNIDADES INTERNACIONAIS PARA O SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL BRASILEIRO Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior 2002

2 Coordenação Geral Universidade de Brasília Departamento de Economia Coordenador Jorge Arbache Coordenador Setorial Ricardo W. Caldas (Departamento de Ciência Política UnB) Equipe Marcelo Sicoli Patrycia Werneck Szilvia Toth 2

3 Secretaria de Desenvolvimento da Produção Secretário REGINALDO BRAGA ARCURI Secretária Adjunta MARIA LUISA CAMPOS MACHADO LEAL Chefe de Gabinete PAULO EDUARDO ROCHA BRANT Diretor do Departamento de Programas Especiais NELSON TAVARES FILHO Coordenadora-Geral de Estudos Setoriais MARIA HELENA ATRASAS Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental JEOVAN ASSIS DA SILVA 3

4 1. APRESENTAÇÃO Um bom indicador do estágio tecnológico de um país é dado pela atividade exportadora de serviços de engenharia, seja pelos subsetores de consultoria, projetos ou construção civil. O Brasil tem apresentado um bom desempenho nesse ramo, mesmo no cenário de grandes transformações com as quais o setor de serviços de engenharia vem lidando nos últimos 20 anos sendo as mais importantes a internacionalização das grandes empresas e o acirramento da competição internacional. A exportação de serviços de engenharia pode ser um importante instrumento de política comercial para o Brasil. A exportação desses serviços apresenta uma série de benefícios para o País, como por exemplo: o estreitamento de relacionamentos e parcerias comerciais; o fortalecimento da imagem do País; a minimização de eventuais crises no mercado interno; e a agregação de novas empresas na cadeia produtiva. O Brasil encontra-se hoje envolvido em negociações comerciais no Mercosul, na OMC, na ALCA e com a União Européia. Como teremos a oportunidade de verificar, a da ALCA é aquela que tem maiores possibilidades de impactar o setor brasileiro de engenharia, dado o peso do mercado norte-americano, mas principalmente em virtude da importância do mercado latino-americano para as empresas brasileiras do setor. A seguir, são apresentados os principais pontos abordados no estudo que o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) encomendou à Universidade de Brasília, com vistas a subsidiar as conversações com o setor privado da área de construção civil sobre os interesses nacionais nas diversas frentes de negociações comerciais do Brasil. A pesquisa oferece um panorama atual do comércio internacional de serviços de engenharia, apresenta as principais características do setor de construção civil brasileiro e sinaliza os melhores caminhos para a inserção internacional do Brasil nessa área. 4

5 2. CONSTRUÇÃO CIVIL: COMÉRCIO INTERNACIONAL E COMPRAS GOVERNAMENTAIS Embora não haja estatísticas oficiais sobre a participação do setor de construção civil na economia mundial, pode-se estimar que o faturamento do setor situou-se em 1998, entre US$ 2,6 e US$ 3,0 trilhões 1. O comércio internacional de obras de construção civil atingiu, no mesmo ano, cerca de US$ 116,4 bilhões. O setor de consultoria de construção (projetos de engenharia) movimentou no mesmo período US$ 16,1 bilhões. Assim, o comércio total de obras de construção e serviços de consultoria a ela associados movimentou US$132,5 bilhões. O mercado internacional de serviços de construção atravessou uma grande crise na década de oitenta, em virtude das recessões nas economias em desenvolvimento e da diminuição das encomendas do governo norte-americano. Como resultado, a participação das exportações sobre o faturamento total das empresas declinou de 50,1% em 1980, para 25,1% em A partir de então, ocorreu uma ligeira recuperação, ainda que não nos mesmos patamares de 1980, com a participação das exportações no faturamento das empresas de construção vindo a representar 31,1% no ano Os países envolvidos no comércio internacional de obras de construção são essencialmente os mesmos que exportam projetos de construção civil, ou seja, em torno de 30 países a maioria desenvolvidos. No setor de construção civil, as empresas européias detêm uma maior participação, ao contrário do setor de projetos de engenharia, no qual predominam as empresas norte-americanas. O setor de serviços de consultoria de construção civil no plano internacional também se caracteriza por um alto grau de concentração. As 200 maiores empresas de serviços de consultoria de construção civil exportaram um volume de US$ 16 bilhões em serviços no ano de 2000, valor 6,9% inferior ao de 1999, em cujo ano se havia atingido um total de US$ 17,3 bilhões. Comparado com o ano de 1990 (exportações de US$ 8,8 bilhões), houve um crescimento do setor de comércio internacional de serviços de consultoria de cerca de 82,4%. 1 Dados de 1998, baseados em um PIB mundial de 29,357 trilhões e uma participação média no PIB do setor de construção civil em torno de 9,0%. 5

6 Em relação ao ano de 1982 (exportações de US$ 3,7 bilhões), o crescimento acumulado foi em torno de 331 % em 20 anos, no qual o mercado praticamente dobra a cada dez anos: de US$ 3,7 bilhões em 1982 expande-se para US$ 8,8 bilhões em 1990 e alcança US$ 16,1 bilhões no ano 2000 No comércio internacional de serviços de engenharia, pode-se notar a predominância de empresas de alguns países. Na verdade, apenas três países exercem uma hegemonia sobre o comércio internacional de serviços de engenharia: EUA, França e Grã-Bretanha 2. De fato, das 200 maiores empresas de engenharia em 1982, 111 eram britânicas, estadunidenses ou francesas, correspondendo a 55,2% do total. No ano 2000, o número das empresas de tais nacionalidades já havia alcançado 115, ou seja, um percentual equivalente a 57,5% do total. Empresas da Ásia, do Oriente Médio e da África passaram a apresentar uma participação relativamente constante no setor de projetos ao longo dos anos noventa, depois de um período de grande crescimento nos anos oitenta. A participação do Japão, por exemplo, dobra nos anos oitenta passando de 3% em 1983 para 6% em As receitas obtidas por empresas deste país passam de US$ 127,0 milhões em 1983 para US$ 259,0 milhões em Pode-se afirmar que o comércio internacional do setor construção civil representa entre 4,4% e 5,1% do faturamento do setor. Este valor está bastante abaixo das demais mercadorias comercializadas internacionalmente, que com exportações mundiais de cerca de US$ 5,5 trilhões respondem por mais de 17,0% do total produzido (exportações sobre o PIB mundial). No entanto, os dados para o setor de construção civil estão dentro da média das exportações de serviços, os quais respondem por US$ 1,0 trilhão, e uma média de 3,4% do PIB mundial. Quando se considera apenas a área de serviços, as exportações do setor representam em torno de 5,6% do faturamento gerado. Dessa forma, as exportações da construção civil estão pouco abaixo das demais áreas do setor de serviços. Mas tal fato, deve-se às próprias especificidades do setor, uma vez que a 2 Esse fato foi destacado pelo Fórum de Competitividade. Ver FÓ RUM DE COMPETITIVIDADE. Subsídios para uma Política de Exportação de Serviços de Engenharia. Brasília, MDIC,

7 maior parte de suas atividades necessitam de presença comercial para serem realizadas, o que dificulta a prestação transfronteiriça, como ocorre em outros setores 3. Além disso, deve-se notar que grande parte do desenvolvimento do crescimento do setor de construção civil depende, em grande parte, das compras governamentais. Mas também trata-se de uma área com poucas estatísticas oficiais. De acordo com a OCDE, as compras governamentais mundiais responderam em 1998 último ano em que existem estatísticas por US$ 5,5 trilhões, ou seja, em torno de 18,7 % do PIB mundial, estimado em US$ 29,4 trilhões. Desse total, 85,4% das compras ocorrem em países da OCDE (equivalentes a US$ 4,7 trilhões) e 14,5% em países não-membros daquela organização (atingindo US$ 816,9 bilhões). No caso dos EUA, onde há mais dados disponíveis, estima-se que os gastos totais do país, nos diversos níveis, situem-se em torno de 19,5% de seu PIB. O total de compras governamentais comercializáveis internacionalmente situa-se em torno de 6,16% do PIB, ou seja, cerca de US$ 565,0 bilhões. Deste valor, o total de compras federais encontra-se em torno de US$ 203,0 bilhões, do qual estima-se que as compras governamentais de serviços e construção respondam por US$ 103,4 bilhões. As compras de serviços de engenharia e arquitetura atingiram US$ 3,37 bilhões e as compras de construção de estruturas e instalações US$ 8,23 bilhões, totalizando US$ 11,6 bilhões. Esse valor representa 11,2% das compras governamentais de serviços dos EUA e 5,7% das compras governamentais federais do país. Somadas a obras de reparos, manutenção e instalação de equipamentos (serviços gerais de construção), chega-se a 7,53% do total das compras governamentais federais dos EUA. Acredita-se que tal valor possa ser utilizado como referência para outros países. Embora não existam estudos sobre a competitividade das empresas brasileiras de construção civil, acredita-se que elas tenham condições de disputar parte do mercado de compras governamentais, pois dispõem de alta capitalização e baixo endividamento. Para tanto, é importante que o Brasil venha a aderir, em um primeiro momento como observador, ao Acordo de Compras Governamentais (GPA), acordo plurilateral da OMC que regula as normas do setor apenas entre seus membros. Com as negociações da ALCA e da União Européia, o Brasil terá acesso a importantes mercados. 3 Foge ao objetivo deste artigo entrar em detalhes sobre os modos de prestação de serviços na área de construção, tais como previstos pela OMC. 7

8 3. CARACTERÍSTICAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL E PARTICIPAÇÃO INTERNACIONAL Na década de 90, o setor de construção civil brasileiro foi influenciado positivamente pelo Plano Real, pois a partir de 1993/1994 o setor cresceu ininterruptamente até A participação do setor no PIB nesse período passou de 8% para 10%. Por outro lado, a desvalorização do Real em 1999, prejudicou o setor e a participação do setor no PIB decresceu substancialmente para um nível inferior ao de Embora existam centenas de empresas, dependendo do segmento, o setor de construção civil no Brasil é extremamente concentrado em termos de volume de capital. Assim, o segmento de construção pesada, por exemplo, inclui alguns dos maiores grupos empresariais do país, como, por exemplo, Camargo Corrêa, Norberto Odebrecht, CR Almeida e Andrade Gutierrez. Esse fato faz com que exista, tanto domesticamente como no plano internacional, um oligopólio com alguma capacidade de ditar preços no segmento de grandes obras. O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) no Brasil é relativamente limitado no setor de construção civil brasileiro. As poucas firmas transnacionais são bem conhecidas, como a empresa argentina Techint e a italiana CIGLA. Talvez este seja um dos poucos setores da economia brasileira onde o número de firmas estrangeiras é insignificante no universo total de empresas. A economia brasileira recebeu apenas cerca de US$ 100,0 milhões em IDEs no setor de construção civil, contra um média global de US$ 20,0 bilhões, ou seja, cerca de 0,5% do total. Quanto à capitalização das empresas, as empresas brasileiras do setor de construção pesada estão em condições de competir globalmente, tendo um faturamento superior à média global. Há que se ressaltar que, quando se analisa o segmento de construção civil na América Latina, nota-se que o Brasil claramente apresenta uma posição dominante, respondendo por 69% das 1000 maiores empresas da América 8

9 Latina 4. O endividamento médio do setor também é relativamente baixo em torno de 30,3% - contra 110,8% da economia como um todo, segundo a Revista Valor Apesar do reduzido nível de endividamento do setor, para a maioria das empresas brasileiras de construção civil é inviável o autofinanciamento dos serviços demandados internacionalmente porque, de modo geral, exigem um capital que tais empresas não dispõem. Um exemplo disso é o fato de que apesar de um grande número de empresas em torno de ter declarado já ter tido experiência no mercado internacional, apenas duas tinham presença constante no mercado internacional. No caso do segmento de prestação de serviços de consultoria e de projetos, o nível de capitalização é relativamente baixo se comparado aos padrões internacionais, com raras exceções. Tratando-se de um setor extremamente competitivo, dificilmente uma firma de projetos de engenharia de tamanho médio apresenta condições de concorrer com as grandes empresas do setor estabelecidas internacionalmente. A diversidade de áreas de atuação é uma característica marcantes das empresas brasileiras de engenharia. Este fato é de fundamental importância por significar que as firmas nacionais têm condições de atuar em praticamente todos os mercados. O Brasil já realizou obras monumentais e avançadas em mais de 50 países ao redor do mundo, como por exemplo, plataformas de petróleo, metrôs, gasodutos e aeroportos. No que concerne ao setor de serviços e projetos de engenharia, a maior parte dos contratos de consultoria tem sido firmada com países em desenvolvimento, da própria América Latina e da África, o que evidencia que as empresas especializadas nesse setor têm uma vantagem comparativa nesses dois mercados. De modo geral, verifica-se que, em média, 86% dos contratos de projetos de engenharia e obras das empresas brasileiras são feito com países em desenvolvimento. 4 Vide GAZETA LATINO-AMERICANA Maiores Empresas da América Latina. São Paulo, Gazeta Latino- Americana, (ano 3, n.º 3, 2001). Note-se que a firma argentina Techint não foi incluída no setor de construção civil, o qual não é o seu principal negócio, mas em siderurgia. 5 Vide. VALOR. Balanço. In Valor 1000 Quais são as Maiores Empresas. São Paulo, ano 1, p.16. 9

10 Assim, há que se atentar que as principais oportunidades para as empresas brasileiras de construção civil na área internacional estão nesse grupo de países que, em geral, demandam grandes obras de infra-estrutura. A escassez de estatísticas do setor dificulta a identificação dos principais mercados internacionais de construção civil para o Brasil. Contudo, se partirmos de uma análise por região, e agregarmos critérios como PIB e análise de conjuntura, podemos elencar os seguintes países como os 25 principais mercados potenciais para as obras de construção e serviços de engenharia brasileiros: PRINCIPAIS MERCADOS PARA PRODUTOS E SERVIÇOS BRASILEIROS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Américas África Oriente Médio Ásia União Européia Centro e Leste Europeu Cuba África do Sul Arábia Afeganistão Alemanha Polônia Saudita Colômbia Angola Kuwait Japão Portugal Rússia Venezuela Panamá México Moçambique Egito Irã Ucrânia Romênia China Índia Coréia Turquia Indonésia Apesar de existirem mercados estratégicos para o Brasil em várias partes do mundo, há que se ressaltar a existência das mais variadas barreiras não tarifárias ao comércio de construção civil e de serviços de engenharia. Os argumentos utilizados vão desde a segurança nacional na construção de usinas nucleares e prédios militares passando por padrões técnicos, culturais, de meio ambiente e de registro profissional. Também ainda existem países que apenas realizam compras de empresas nacionais. No contexto das negociações da ALCA, União Européia e OMC, observa-se que o Brasil possui diversas áreas de interesse para a UE e para os EUA, como por exemplo, telecomunicações, energia e serviços financeiros. O Brasil deve buscar como uma das contrapartidas, no contexto dessas negociações, uma maior abertura do setor de construção civil no plano mundial, já que as empresas brasileiras ostentam uma razoável expertise e competitividade nesse ramo. 10

11 Mas cabe enfatizar que, no momento, os maiores mercados para o Brasil estão na América do Sul e Central e as negociações devem priorizá-los. Ao Brasil também interessa um aprofundamento no Mercosul nas áreas de construção civil e prestação de serviços profissionais. O reconhecimento e a equivalência dos diplomas, bem como a supressão de todas as barreiras para a atuação das empresas brasileiras no Mercosul e, se possível, na América do Sul, em particular na Comunidade Andina, deve constituir o foco número um do governo brasileiro. A América Central já é hoje um grande mercado para o Brasil em razão do desempenho das empresas brasileiras na região. Cabe lembrar que as empresas brasileiras têm uma atuação no exterior superior à das empresas mexicanas. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Como tivemos a oportunidade de verificar, o setor de construção civil brasileiro reúne importantes credenciais para ingressar de forma competitiva no mercado internacional. Trata-se de um setor moderno e diversificado, capaz de atuar globalmente e que apresenta um grande potencial de crescimento. Contudo, a plena estruturação de uma política brasileira de exportação de serviços de engenharia depende da superação de alguns desafios importantes. O primeiro deles é o aperfeiçoamento do arcabouço estatístico. A título de exemplo, muitas exportações não são adequadamente contabilizadas porque os seus pagamentos foram feitos diretamente no exterior, em virtude da prestação de serviços via presença comercial 6. A mensuração imprecisa é um problema que atinge todo o setor de serviços mas, no âmbito específico do setor de construção civil, urge-se avançar na metodologia estatística disponível e utilizada, com vistas a um mapeamento mais aprofundado e confiável dos seus fluxos e direcionamentos. O resultado seria governo e exportadores melhores municiados com informações detalhadas e, por conseguinte, com maior capacidades de implementar melhores políticas de inserção internacional. A médio prazo, observa-se a importante medida do IBGE, a partir de uma iniciativa da CAMEX, de aplicar um questionário, ao longo de 2003, com vistas a identificar as empresas 6 Outro exemplo é a falta de harmonização entre as nomenclaturas utilizadas pelo SISCOMEX e pelo PROEX, o que prejudica a contabilização dos dados do setor. 11

12 brasileiras de serviços que lidam com comércio exterior, o que certamente aprimorará as bases de dados nacionais. Outro grande desafio para o setor de serviços de construção civil é o aprimoramento do financiamento à exportação. A concretização das exportações de serviços de engenharia não constitui um processo fácil. Levam-se, em média, 2 ou 3 anos de negociações e demandam-se custos proibitivos para pequenas e médias empresas. No que se refere ao fortalecimento da inserção internacional do setor de projetos de engenharia, tem sido estudada a criação de um fundo de apoio financeiro à realização de estudos de viabilidade técnica vinculados à exportação de serviços. No âmbito internacional, o apoio desses fundos tem viabilizado a numerosa oferta de projetos básicos, os quais apresentam excelente relação custo-benefício, já que nesses estudos são especificados os processos construtivos que de certa forma induzem a contratação de fornecedores nacionais. No plano nacional, tanto no governo como no setor privado tem sido consolidada a crença de que, além do resultado em termos de ampliação das exportações de setores de maior valor agregado, como é o caso dos serviços de construção civil, tal fundo seria um instrumento importante de intercâmbio de experiências e de formação de alianças interregionais entre empresas e instituições brasileiras e de outros países. Mas cabe enfatizar que o financiamento não dever ser o único componente de uma política de apoio às exportações de serviços. Uma área que também merece atenção é o fortalecimento do apoio logístico e promocional no exterior. E nessa tarefa, tanto o setor público quanto o setor privado são convidados a apoiar a prospecção e o desenvolvimento de novos mercados. No que concerne ao cenário internacional, importantes oportunidades apresentam-se para o Brasil. O momento atual descortina para o País e para o Mercosul um desafio único na história de suas relações internacionais, qual seja, o de negociar 12

13 simultaneamente três acordos internacionais. O maior desafio, sem dúvida, será o da OMC, com o lançamento de uma nova rodada de negociações, que se apresenta com uma agenda ampla, em que diversos temas de grande interesse para o Brasil estarão presentes. Os dois desafios seguintes, o de negociar áreas de livre comércio com os EUA na ALCA e com a CE no acordo CE/Mercosul, também revelam alto grau de complexidade, não só pela abertura a que irão expor à economia brasileira, mas pela simultaneidade das negociações. O principal foco das negociações para o setor de engenharia, conforme observou-se ao longo do trabalho deve ser a eliminação de numerosas barreiras. Os serviços de engenharia tendem a ser afetados por uma grande variedade de normas e legislações domésticas. Em geral, essas medidas domésticas não discriminam explicitamente os fornecedores estrangeiros, embora se reconheça que lidar com tais requerimentos tende a ser mais custoso para um fornecedor não-nacional do que para os prestadores locais. Medidas que restringem a mobilidade de mão-de-obra, bem como as que impõem restrições à operação de firmas não-nacionais sob a forma de presença comercial também precisam ser atenuadas e eliminadas nas negociações internacionais. Como tivemos a oportunidade de observar, o foco negociador deve ser centralizado no mercado latino-americano o maior mercado para as empresas brasileiras em virtude do menor número de barreiras e mesmo da afinidade cultural entre o Brasil e os países latino-americanos. Ademais, os serviços de construção brasileiros são reconhecidos em toda a região como de excelência mundial. Em suma, a formação de uma base estatística sólida, o aprimoramento dos mecanismos de financiamento, a concentração do foco negociador no mercado latino americano e o aperfeiçoamento das ações promocionais parecem ser os principais componentes para a maximização de oportunidades de inserção internacional do setor de construção civil brasileiro. 13

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Agenda Internacional 2009

Agenda Internacional 2009 Agenda Internacional 2009 CNI: estratégia institucional Visão Estratégica Mapa Estratégico Uma visão sobre o futuro do país e da indústria (2007-2015) Identifica prioridades estratégicas Participação de

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização 1.1 Café Diagnóstico Desde meados da década de 90, a produção mundial de café tem apresentado aumentos significativos, mas que não estão

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Alavancagem do Comércio Exterior de Serviços

Alavancagem do Comércio Exterior de Serviços Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços Alavancagem do Comércio Exterior de Serviços Brasília, 08 de abril de 2015 O Setor de Serviços no Brasil O

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES NOVO STATUS DO COMÉRCIO EXTERIOR NOSSAS EXPORTAÇÕES NÃO REFLETEM O TAMANHO DA ECONOMIA BRASILEIRA PIB EXPORTAÇÃO DE BENS PAÍSES US$ bilhões Part. % PIB mundial US$ bilhões

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Financiamentos à exportação 2003-2015

Financiamentos à exportação 2003-2015 Financiamentos à exportação 2003-2015 BNDES participa de política de Estado Sistema brasileiro de apoio às exportações Conselho de Ministros Comitê Operacional Seguro de crédito à exportação Financiamento

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços

A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços A Presença da Siderurgia Brasileira no Mercado Internacional: Desafios para Novos Avanços Fernando Rezende 1 As importantes transformações ocorridas na siderurgia brasileira após a privatização promovida

Leia mais

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro Desafios do Comércio INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Balança Comercial Brasileira INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Evolução da Balança Comercial

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

Ações Reunião Extraordinária realizada no dia 30 de outubro de 2014

Ações Reunião Extraordinária realizada no dia 30 de outubro de 2014 R E L A Ç Õ E S I N T E R N A C I O N A I S Órgão Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Representação Efetiva Comitê de Coordenação de Barreiras Técnicas ao Comercio - CBTC

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Iniciativa para as Américas (Miami 94). 34 paises, menos Cuba. Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Reunião Ministeriais de negociação - Denver 1995 - Cartagena

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SETORIAL PARA INTERNACIONALIZAÇÃO DA ARQUITETURA BRASILEIRA AMBIENTE EXTERNO WORKSHOP APRESENTAÇÃO PES AMBIENTE

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico 2.3 Transformados Plásticos Diagnóstico A indústria de plásticos vem movendo-se ao redor do mundo buscando oportunidades nos mercados emergentes de alto crescimento. O setor é dominado por um grande número

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Departamento de Negociações Internacionais

Departamento de Negociações Internacionais Departamento de Negociações Internacionais O Setor de Bens de Capital Mecânico e as Negociações Comerciais Apresentação do Estudo Consultoria ECOSTRAT 14 de setembro de 2006 Consultores da Ecostrat Apresentação

Leia mais

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras Guido Mantega Presidente - BNDES 25 o ENAEX- Novembro/2005 www.bndes.gov.br 1 Inserção do Brasil na Globalização

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Exercícios sobre BRICS

Exercícios sobre BRICS Exercícios sobre BRICS 1. (ENEM) O G-20 é o grupo que reúne os países do G-7, os mais industrializados do mundo (EUA, Japão, Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Canadá), a União Europeia e os principais

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

1.3 Cítricos. Diagnóstico

1.3 Cítricos. Diagnóstico 1.3 Cítricos Diagnóstico A cadeia de cítricos contempla as frutas in natura, a produção de sucos (concentrados, reconstituídos, pasteurizados e frescos) e de óleos essenciais e pellets de polpa seca os

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de serviços de engenharia Benefícios para o Brasil Mercado Internacional Mecanismos de Apoio Oficial Propostas Índice O QUE SÃO OS SERVIÇOS DE

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

O BNDES e a Internacionalização das Empresas Brasileiras

O BNDES e a Internacionalização das Empresas Brasileiras O BNDES e a Internacionalização das Empresas Brasileiras Demian Fiocca Presidente do BNDES Apresentação no Seminário As Novas Multinacionais Brasileiras FIRJAN, Rio de Janeiro, 29 de maio de 2006 www.bndes.gov.br

Leia mais

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria índice Apresentação Pedro da Motta Veiga... 7 Política Comerciale Política Externa do Brasil AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria Regina

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS

OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS Ivan Tiago Machado Oliveira* 1 INTRODUÇÃO Abrangendo grupos de empresas que proveem infraestrutura econômica básica, infraestrutura financeira e social e

Leia mais

O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO

O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SOUSA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos FEVEREIRO/2010 Francisco José Rocha de Sousa 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial

ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial ANO Os BRICS EUA União Europeia PIB 2013 (aproximadamente) US$ 19 trilhões

Leia mais

Siderurgia no Brasil

Siderurgia no Brasil www.pwc.com.br Siderurgia no Brasil Um panorama do setor siderúrgico brasileiro SICETEL Sindicato Nacional da Indústria de Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos IABR Instituto Aço Brasil 1 Setor de

Leia mais

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc Mercadante_ANEXOS.indd 225 10/4/2006 12:00:02 Mercadante_ANEXOS.indd 226 10/4/2006 12:00:02 QUADRO COMPARATIVO POLÍTICA EXTERNA Fortalecimento e expansão

Leia mais

Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios

Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios Marco Polo de Mello Lopes Presidente Executivo ABM Maio 2011 1 PIB x Consumo de Aço x Desenvolvimento Econômico 2 Conversa entre Lula e

Leia mais

Motorola Incorporation

Motorola Incorporation Motorola Incorporation 1. Principais Características Matriz: Motorola Incorporation Localização: Illinois, Estados Unidos Ano de fundação: 1928 Internet: www.motorola.com Faturamento (2000): US$ 37.580

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

Perfil Exportador do Setor Brasileiro de Calçados de Couro

Perfil Exportador do Setor Brasileiro de Calçados de Couro Perfil Exportador do Setor Brasileiro de Calçados de Couro 2013 Apex-Brasil Maurício Borges PRESIDENTE José Ricardo Santana DIRETOR DE NEGÓCIOS Tatiana Martins Porto DIRETORA DE GESTÃO CORPORATIVA Marcos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso de Graduação em Administração (Presencial) Turmas 1 e 2 MACROECONOMIA Prof. Adm. Dr. José Carlos de Jesus Lopes Material

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves*

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* * Respectivamente, gerente e economista da Gerência Setorial de Indústria Automobilística

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA Seminário Estratégias de Internacionalização da Economia Portuguesa - O que podemos esperar do Tratado Transatlântico (TTIP) A economia

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

PROJETO EXPORTAR BRASIL

PROJETO EXPORTAR BRASIL CNPJ: 10692.348/0001-40 PROJETO EXPORTAR BRASIL Apresentação da GS Educacional A GS Educacional faz parte de um grupo que trabalha há vários anos com cursos e serviços na área de comércio exterior e vem

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

O Colapso do Aço na NIS

O Colapso do Aço na NIS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 O Colapso do Aço na NIS 1- Introdução Os países que compunham a antiga União Soviética, atualmente reunidos na NIS - Novos Países Independentes, são

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal.

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Brasília, 07 de abril de 2010. Espectro para telefonia móvel:

Leia mais

As mudanças no sistema de produção e a Propriedade Intelectual: Cadeias globais de valor e importação de serviços

As mudanças no sistema de produção e a Propriedade Intelectual: Cadeias globais de valor e importação de serviços As mudanças no sistema de produção e a Propriedade Intelectual: Cadeias globais de valor e importação de serviços A Propriedade Intelectual e a Sociedade do Conhecimento na nova Economia 19.08.2013 Rio

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais