TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA"

Transcrição

1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização e de fomento a ações voltadas ao desenvolvimento humano local. 1. Função no Projeto: Produto 6.1: Atuação da Caixa em ações para o desenvolvimento integrado e sustentável fortalecida. 2. Nosso Número: Xxxx 3. Antecedentes: O Programa Minha Casa Minha Vida - MCMV instituído pela Medida Provisória - MP nº 459/2009, convertida na Lei no /2009, que, por sua vez, foi alterada pela MP no 514/2010, convertida na Lei no /2011, tem como finalidade o enfrentamento do déficit habitacional brasileiro. O arranjo institucional no qual se apoia o MCMV caracterizase pela divisão de responsabilidades entre poder público e instituições ou agentes financeiros, em que o acesso à moradia passa a dar-se, majoritariamente, por meio de aquisição com financiamento oneroso, ainda que em parte subsidiado. Como principal agente financeiro executor do Programa Minha Casa Minha Vida PMCMV, instituído pelo Governo Federal, a Caixa Econômica Federal identificou em parte dos empreendimentos habitacionais no âmbito do MCMV demandas prementes para o fortalecimento do capital social local, caracterizada pela presença de público residente com acentuada heterogeneidade e vulnerabilidade social. Nesse contexto, evidenciou-se na pluralidade da espacialidade observada carências e potenciais, identidades e conexões internas e externas a serem construídas e, paradoxalmente, a ausência de estratégias para promover a integração de diferentes dimensões do desenvolvimento territorial.

2 Lastreado na premissa de promover o desenvolvimento sustentável do território no âmbito do Programa MCMV mediante a articulação e revitalização de redes sociais, assim como a democratização das relações e a integração das políticas públicas, a CAIXA previu a destinação de recursos orçamentários do Fundo Sociambiental CAIXA FSA CAIXA para a melhoria das condições ambientais, econômicas, sociais, políticas e institucionais das famílias moradoras nos citados empreendimentos habitacionais. Sob essa perspectiva foi concebido o Plano de Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Território DIST o qual propõe a formulação de metodologia para identificar, formular e executar estratégias que promovam o desenvolvimento socioeconômico integrado e sustentável no território de influência dos empreendimentos, contribuindo para o aproveitamento, crescimento e alavancagem das potencialidades locais identificadas, melhoria das condições ambientais, econômicas e institucionais; integrado às políticas públicas, com foco na transformação positiva da qualidade de vida das famílias residentes beneficiadas. A metodologia DIST tem como elemento central a participação dos moradores, em estratégia amparada por um itinerário formativo como eixo estruturante principal, capaz de conduzir as ações de intervenção e construção coletiva, em alinhamento às realidades locais. A partir do objetivo geral, qual seja, fortalecimento do capital social local por meio do desenvolvimento de capacidades (eixo estruturante do projeto) e construção de uma visão de futuro compartilhada, a metodologia DIST é estruturada em planejamento que compreende ações de curto, médio e longo prazo, cuja gênese e dinâmica de implementação é totalmente participativa e converge para campos tais como a criação das condições de governança do desenvolvimento territorial, qualificação produtiva e fomento ao empreendedorismo, dentre outros que possibilitem o exercício pleno da cidadania pelas comunidades envolvidas. Adquire centralidade na proposta a constituição progressiva das condições de governança do território, assegurando-lhe tangibilidade com a criação de uma instância local composta por moradores e instituições atuantes no território, flexível à entrada de novos parceiros capaz de prover a sustentabilidade das ações após o período previsto para o projeto. A síntese dos elementos de constituição de um projeto DIST apresenta-se conforme descrito no quadro abaixo: Constituição de instâncias de gestão territorial com protagonismo da comunidade Sistemas de Governança Formação de agentes de desenvolvimento local e facilitadores Articulação de parcerias (plataforma de parceiros) e políticas públicas no apoio ao DIST 2

3 Dinamização econômica Formação profissional e empreendedora Articulações de mercado Acesso a serviços financeiros Promoção sociocultural Comunicação e cultura Saúde, esporte e lazer Gestão ambiental Educação ambiental / padrões de produção e consumo Melhorias/mudanças nas condições ambientais do território Intervenções físicas Outros legados (transversais) Geração / multiplicação de novas iniciativas no território (projetos, empreendimentos) Criação de bases de reaplicabilidade (da metodologia em geral, ou de instrumentos e técnicas específicas) Pilares do DIST 1 - Mobilização/Participação Focos de atuação definidos e validados com a comunidade 2 - Potencialidades e Oportunidades Vocações, Saberes, desejos da comunidade de desenvolver capacidades 3 Rede de apoio ao DIST Integrar, formar institucionalidades 4 Ação no presente com visão de futuro Plano de ações e construção da visão de futuro do território Dinamização do Território A abordagem metodológica a ser testada pelo projeto DIST tem ainda como finalidade, desenvolver ao longo do período de execução dos projetos, potencial de reaplicabilidade para a reapropriação criativa, entendida como possibilidade de recriação ou reapropriação de tecnologia social (metodologia ou elementos da metodologia) em outros contextos territoriais. Indicativos da tendência inovadora no enfoque do desenvolvimento territorial sustentável estão delineados no protagonismo resultante da aposta no potencial empreendedor dos moradores do território e na articulação entre instâncias de governança local e instituições públicas e privadas por meio de uma dinâmica de cooperação capaz de suprir a ausência de espaços e estratégias locais para o exercício de atividades econômicas, sejam estas de 3

4 produção, comercialização e serviços evitando a desocupação e a transferência das rendas e recursos para outros locais da cidade, sem nenhum benefício para a acumulação socioeconômica territorial. Considerando os propósitos preconizados pelo Projeto CAIXA/PNUD BRA/09/004, este Termo de Referência está subordinado ao componente 6 Fortalecimento da capacidade da área de sustentabilidade, e à atividade prevista para o desenvolvimento de metodologia de análise, monitoramento e avaliação da iniciativa DIST - Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Território em empreendimentos do Programa MCMV. Para o alcance dos objetivos definidos no citado Projeto BRA/09/004, faz-se necessária a contratação de consultoria especializada para prestação de serviços técnicos na análise da execução do Plano de Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Território em empreendimentos do Programa MCMV. 4. Nº do resultado no PRODOC/PNUD: Resultado 6: Fortalecimento da capacidade da área de Sustentabilidade. 5. Objetivos da consultoria: Contratação de consultor especializado para prestação de serviços técnicos de desenvolvimento de metodologia de execução, monitoramento e avaliação de iniciativas de DIST - Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Território em empreendimentos do Programa MCMV. 6. Modalidade do Contrato e Local de Trabalho O Contrato de Trabalho será na modalidade de Produto por meio da elaboração e apresentação de relatórios e documentos técnicos, definidos neste Termo. 7. Descrição das Atividades Atuar em oficinas de orientação técnica para intercâmbio de informações, análise de resultados alcançados, disseminação dos indicadores de monitoramento e avaliação. Elaborar sistema de indicadores de monitoramento e avaliação, identificando metas quantitativas e qualitativas. Atuar na mediação e integração das entidades participantes do DIST com a finalidade de articular e alinhar as estratégias, identificando avanços e desafios na execução dos projetos. 4

5 Realizar visitas aos territórios selecionados para a execução dos projetos de DIST - Desenvolvimento Integrado e Sustentável dos Territórios em empreendimentos do Programa MCMV, quais sejam, Arapiraca/AL, Baixada Santista/SP, Campinas/SP, Campo Grande/MS, Goiânia/GO, Londrina/PR, Manaus/AM, Queimados/RJ, Rio Branco/AC, Salvador/BA e Uberlândia/MG. Elaborar documento final de consolidação do Documento Técnico Orientador sobre a metodologia DIST - Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Território, sistematizando os resultados obtidos e apontando pontos fortes e fracos observados na execução dos projetos. Estruturar apresentação da metodologia DIST - Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Território em mídia PowerPoint, com recursos de flash, Visio e outros softwares necessários a dotar de qualidade visual compatível com as melhores práticas adotadas pelo mercado. Estruturar ação educacional destinada a público técnico interno e capacitar equipe na disseminação da metodologia DIST - Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Território, observado o modelo pedagógico que compõe o anexo I desse Termo de Referência. 8. Produtos Esperados X Honorários Descrição do Produto 1 Elaboração de Indicadores Produto: - Documento técnico com Versão Preliminar de Sistema de Indicadores de monitoramento e avaliação estruturado em metas quantitativas e qualitativas. 2 1º ciclo de Mediação e Integração das entidades participantes do DIST para articulação das estratégias Produtos: - Atuação na mediação dos debates e condução dos trabalhos - Relatório de avaliação de Atividades e Sistematização dos Conteúdos. 3 2ª Oficina de Orientação Técnica Produtos: - Relatório de Atividades para a condução da oficina - Atuação na mediação dos debates e condução dos trabalho - Relatório de avaliação e monitoramento dos resultados alcançados. 4 1ª Visita técnica aos empreendimentos DIST Produtos: - Relatório de avaliação e monitoramento dos resultados alcançados Data Prevista Finalização Janeiro/2014 Fevereiro/2014 Abril/2014 Maio/2014 5

6 5 2º ciclo de Mediação e Integração das entidades participantes do DIST para articulação das estratégias Produtos: - Atuação na mediação dos debates e condução dos trabalhos - Relatório de avaliação de Atividades e Sistematização dos Conteúdos. 6 Validação de Indicadores Produtos: - Relatório de análise, correção e validação dos indicadores propostos, identificação e crítica dos resultados apurados, e validação dos instrumentos de coleta, considerando intervenções socioambientais exógenas que resultem em impactos socioambientais nos territórios do DIST. 7 3ª Oficina de Orientação Técnica Produtos: - Relatório de Atividades para a condução da oficina - Atuação na mediação dos debates e condução dos trabalho - Relatório de avaliação e monitoramento dos resultados alcançados. 8 3º ciclo de Mediação e Integração das entidades participantes do DIST para articulação das estratégias Produtos: - Atuação na mediação dos debates e condução dos trabalhos - Relatório de avaliação de Atividades e Sistematização dos Conteúdos. 9 4º ciclo de Mediação e Integração das entidades participantes do DIST para articulação das estratégias Produtos: - Atuação na mediação dos debates e condução dos trabalhos - Relatório de avaliação de Atividades e Sistematização dos Conteúdos. 10 Consolidação de Documento Técnico Orientador sobre a metodologia DIST - Desenvolvimento Integrado e Sustentável dos Territórios, sistematizando os resultados obtidos e apontando pontos fortes e fracos observados na execução dos projetos. 11 Apresentação da metodologia DIST - Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Território em mídia PowerPoint, com recursos de flash, Visio e outros softwares necessários a dotar de qualidade visual compatível com as melhores práticas adotadas pelo mercado. 12 Documento didático destinado a público técnico interno e capacitação de equipe para disseminação da metodologia DIST - Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Território, elaborado em conformidade com o modelo pedagógico que compõe o anexo I desse Termo de Referência. Junho/2014 Junho/2014 Julho/2014 Agosto/2014 Setembro/2014 Outubro/2014 Outubro/2014 Novembro/2014 Compõe as atribuições da consultoria a interlocução contínua com a área gestora dessa contratação, conforme se apresentem as necessidades, bem como contribuições complementares na análise de relatórios parciais e final produzidos pelas instituições participantes da implementação dessa metodologia. Adicionalmente, é esperado que a consultoria contratada preveja no desenvolvimento de suas atividades a interação com as instituições participantes dessa metodologia, e ainda identifique e analise intervenções tais 6

7 como, por exemplo, trabalho social em curso, originárias do poder público, nas três esferas, organizações não governamentais, dentre outros atores, que resultem em impactos socioambientais nos territórios compreendidos por esse trabalho. Em caso de consultoria contratada com domicílio distinto da cidade base, Brasília, a proposta apresentada deverá considerar o custo de eventuais despesas de deslocamento e hospedagem na execução de serviços técnicos previstos no âmbito deste documento. 8. Forma de Pagamento A forma de pagamento será mediante a apresentação dos produtos intermediários e final previstos contratualmente. Os pagamentos recebidos pelo consultor são passíveis de tributação, de acordo com a legislação brasileira vigente. É responsabilidade do contratado efetuar os devidos recolhimentos. 9. Qualificações profissionais requeridas: Nível de Instrução Experiência profissional e produção científica Formação superior (graduação) em sociologia, ciências sociais e/ou economia. Pós-graduação em nível de mestrado e/ou doutorado Experiência no tema desenvolvimento territorial integrado e sustentável (pesquisas, avaliações, sistematização de metodologia, coordenação de workshops e atividades similares). Experiência na atuação em temas como geração de trabalho e renda, microcrédito, desenvolvimento local, territorial, e sustentável (pesquisas, avaliações, coordenação de workshops e atividades similares). Autoria ou co-autoria de publicações (livros, artigos e outros similares) nas áreas temáticas de desenvolvimento territorial, desenvolvimento local, geração de trabalho e renda e/ou microcrédito. Os currículos devem ser encaminhados para o ano período de 02 a 06/12/13, e deverão estar em formato pdf. O processo seletivo se dará em Brasília DF. A contratação será efetuada mediante processo seletivo simplificado (análise de currículo e entrevista), sendo exigido do profissional a comprovação da habilidade profissional e da capacidade técnica ou científica compatível com os trabalhos a serem executados. É vedada a contratação a qualquer título de servidores ativos da Administração Pública Federal, Estadual ou municipal, direta ou indireta, bem como, empregados de suas subsidiárias ou controladas, no âmbito dos acordos de cooperação técnica internacional ou instrumentos congêneres. A duração do contrato será de 12 meses. 10 Nome do Supervisor Jean Rodrigues Benevides 7

8 Telefone: (61) Cargo do Supervisor Gerente Nacional 11. Localidade do Trabalho: Brasília DF 12. Data de Início: Data de inicio - 06/01/ Data de Término: Data de término 01/12/2014 8

9 MODELO PEDAGÓGICO Brasília 2010

10 MISSÃO DA UNIVERSIDADE CAIXA Promover a educação e a aprendizagem dos empregados e parceiros estratégicos para a realização da missão da CAIXA. Missão da CAIXA: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável do País, como instituição financeira, agente de políticas públicas e parceira estratégica do Estado brasileiro. VISÃO (2015) A Universidade CAIXA será reconhecida como espaço de produção e disseminação de saberes para o corpo funcional e parceiros estratégicos, de forma a contribuir para a promoção da cidadania e o desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira. PAPÉIS Educador: desenvolver e aplicar estratégias e ferramentas para a aprendizagem permanente e contínua. Integrador: converter capacidades individuais em organizacionais e sociais, por meio da promoção e disseminação de conhecimentos e práticas, fortalecendo a CAIXA como Banco Público que fomenta o desenvolvimento social e econômico do país. Inovador: explorar diferentes maneiras de disseminar e compartilhar saberes para melhorar o desempenho nos negócios e estimular a produção coletiva de conhecimentos. Transformador: contribuir por meio da educação para a realização de resultados sustentáveis que impactem de forma positiva na qualidade de vida da sociedade. GENEC Página 2 ABRIL/2010

11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO SEGUNDA EDIÇÃO...4 APRESENTAÇÃO PRIMEIRA EDIÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS DO MODELO PEDAGÓGICO UNIVERSIDADE CAIXA: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ADOTADA EIXO PEDAGÓGICO DA UNIVERSIDADE CAIXA Modelo de Organização de Conteúdos Estrutura Curricular Modelo de Organização das Ações Educacionais Agentes de Aprendizagem Avaliação do Processo de Aprendizagem Critérios para Definição dos Níveis de Avaliação PROJETO DIDÁTICO-PEDAGÓGICO DAS AÇÕES EDUCACIONAIS Etapas do Projeto Didático Pedagógico FORMAS DE RECONHECIMENTO Certificação Corporativa Registro de Domínio de Conhecimento Registro de Participação em Ação Educacional PREMISSAS DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA NA CAIXA POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA GLOSSÁRIO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...38 GENEC Página 3 ABRIL/2010

12 APRESENTAÇÃO DA SEGUNDA EDIÇÃO Após cinco anos da implementação do modelo pedagógico, a equipe de educação corporativa da Universidade CAIXA em uma reflexão intencional sobre a sua prática e fiel ao pressuposto de que o modelo pedagógico não deve gerar um saber oficial que se enrijece, mas ser uma fonte de inspiração criativa e crítica fez a revisão de alguns dos pressupostos que norteiam o desenvolvimento e a realização das ações educacionais. que: Nesse balanço acerca da implementação do modelo pedagógico da UC, observou-se A adoção do modelo conferiu às ações educacionais corporativas um sentido e direcionamento alinhados às necessidades estratégicas, ao mesmo tempo em que aportou um referencial teórico e metodológico baseado em uma prática educativa que privilegia a interação das pessoas; a elaboração de ações educacionais ancoradas nos princípios da aprendizagem significativa; o estímulo à participação do aprendiz e o desenvolvimento do espírito crítico e da criatividade; Alguns aspectos do modelo pedagógico implementado há cinco anos foram implementados parcialmente. Por exemplo, a elaboração do projeto didático pedagógico em todas as fases previstas e também da avaliação nos diferentes níveis propostos; Alguns agentes de aprendizagem foram incorporados ao processo e outros não se consolidaram no papel proposto; Para atender à crescente demanda pelo desenvolvimento de ações educacionais, foi necessária uma revisão no eixo pedagógico originalmente proposto, com impactos na sua estrutura e também no modelo de organização de conteúdos. Assim, em decorrência não apenas da necessidade natural de atualizar o Modelo Pedagógico adotado, mas também da necessidade de reavaliar o desempenho da área de educação corporativa à luz desse modelo, bem como alinhar a prática à teoria, a Universidade CAIXA realizou a presente revisão. Como resultado desse trabalho, foi incluído o educador Paulo Freire entre os autores que dão suporte teórico ao modelo pedagógico da Universidade CAIXA, ao lado Lev Vygotsky, David Ausubel e Carl Rogers. Também foram melhor explicitados os recortes feitos dessas GENEC Página 4 ABRIL/2010

13 teorias e sua aplicação no desenvolvimento das ações educacionais. Foram atualizados: a descrição dos agentes de aprendizagem, da estrutura do eixo pedagógico e da organização de conteúdos de forma a expressar a realidade do atual processo de educação corporativa na CAIXA. Os itens que integram o Projeto Didático-Pedagógico foram simplificados. Dessa forma, a Universidade CAIXA coloca à disposição dos empregados ações educacionais mais alinhadas com o dinamismo dos contextos social e organizacional, primando pela formação de empregados conscientes do seu papel no processo de capacitação, capazes de responder com rapidez e eficiência aos desafios profissionais agregando valor ao seu trabalho. Zirlana Menezes Teixeira Gerente Nacional de Educação Corporativa GENEC Página 5 ABRIL/2010

14 APRESENTAÇÃO DA PRIMEIRA EDIÇÃO Ao se propor um modelo pedagógico para a Universidade Corporativa CAIXA busca-se, fundamentalmente, suprir lacunas verificadas no desenvolvimento e na implementação de suas ações educacionais. Embora a preocupação com a qualidade didática das ações desenvolvidas no âmbito da Universidade CAIXA tenha sido constante ao longo dos seus três anos de vida, a ausência de uma linha pedagógica que oriente em relação às concepções de aprendizagem a serem seguidas, aos recursos didáticos e tecnológicos indicados e, sobretudo, à concepção de homem e de profissional que se deseja desenvolver, tem dificultado o alcance do nível de qualidade requerido. Esse foi o grande motivador da adoção de um modelo pedagógico, cuja concepção é fruto do esforço e da vivência de profissionais da própria Universidade CAIXA, que tiveram a oportunidade de acompanhá-la ao longo dos seus três anos de existência. O modelo pedagógico da Universidade Corporativa CAIXA é centrado no aprendiz, na aprendizagem significativa e no desenvolvimento de competências. É mediado pela ação comunicativa e interativa entre os indivíduos, entendida como um processo de relações recíprocas, fundamentais para a aprendizagem, apoiadas em uma estrutura tecnológica que possibilita diferentes níveis de interação: aprendiz x conteúdo; aprendiz x aprendiz; aprendiz x tutor/instrutor; aprendiz x contexto empresarial; aprendiz x comunidade virtual. Tudo convergindo para a construção do conhecimento. A adoção do presente modelo dá início a uma outra fase da Universidade, na qual busca-se consolidar os progressos já alcançados e galgar novos patamares em qualidade didático-pedagógica e compromisso com um projeto pedagógico aderente às necessidades e às expectativas do público a que atende. Janete Núbia Caldas Almeida Gerente de Padrões e Planejamento de Educação Corporativa Novembro de 2004 GENEC Página 6 ABRIL/2010

15 1.JUSTIFICATIVA Diante das mudanças no contexto político, econômico, social, ambiental e tecnológico, nas três últimas décadas do século XX, as universidades corporativas surgiram como principal instrumento que viabiliza a educação corporativa, formando profissionais detentores de múltiplas competências, focadas na natureza do negócio, orientando, facilitando e provendo processos de educação continuada. Além disso, a universidade corporativa cumpre o papel primordial de garantir que o repasse de experiências e a troca de conhecimentos entre as pessoas possam fluir permanentemente como ação intencional e institucionalizada, objetivando a aprendizagem e a conseqüente maximização de resultados empresariais. Nessa linha, estrutura-se a Universidade CAIXA, cuja concepção de aprendizagem baseia-se na relevância da ação educativa para a construção de mentes críticas, criativas e, sobretudo, capazes de estabelecer paralelos entre o conhecimento e a prática vigentes na Empresa. A Universidade CAIXA realiza, ainda, uma educação corporativa alinhada ao dinamismo dos contextos social e organizacional e inspirada nas quatro dimensões fundamentais da aprendizagem de Jacques Delors: Aprender a conhecer: a compreensão é essencial para entender o mundo, as pessoas e o contexto em que estamos inseridos. É preciso desenvolver a predisposição de aprender a aprender e ter sempre o espírito aberto para vivenciar e compartilhar novos saberes. Aprender a fazer: tem estreita relação com aprender a conhecer e diz respeito a colocar em prática, de modo consciente e com visão crítica e inovadora, os conhecimentos aprendidos. Assim, cada um pode agir positivamente sobre o meio sócio-ambiental e ser um agente de mudanças. Aprender a viver juntos, aprender a viver com os outros: tem relação com a capacidade de gerenciar conflitos, compreender e respeitar as pessoas, aceitar as diferenças, participar, compartilhar, trabalhar em equipe e cooperar com os outros em todas as atividades humanas. GENEC Página 7 ABRIL/2010

16 Aprender a ser: diz respeito ao desenvolvimento do indivíduo como ser integral espírito e corpo, inteligência, sensibilidade, sentido estético, responsabilidade pessoal, espiritualidade.. Essa dimensão é essencial pois está relacionada com a formação de uma personalidade equilibrada e coesa e leva o ser humano a elaborar pensamentos próprios e críticos; a descobrir o próprio talento; a desenvolver o sentido de justiça e solidariedade; a ter discernimento e uma conduta coerente com os seus juízos de valor; a tomar decisões por si mesmo e a enfrentar com tranqüilidade os desafios que a vida apresenta. (1) Esse contexto orienta o processo de construção e atualização do Modelo Pedagógico da Universidade CAIXA cuja função é estabelecer as bases para o processo de aprendizagem na Empresa e definir o modelo de formação e capacitação técnico-profissional dos empregados, em um processo coerente com o perfil de profissional exigido pela organização. O Modelo Pedagógico da Universidade CAIXA explicita a sua concepção de homem e de desenvolvimento humano, a estrutura pedagógica e curricular, os agentes de aprendizagem envolvidos e a concepção metodológica das soluções de aprendizagem. Além do arcabouço teórico-conceitual, o modelo prescreve as diretrizes para operação do sistema de educação corporativa, em consonância com as premissas e políticas de educação corporativa na CAIXA, contemplando aspectos ligados à gestão do processo ensinoaprendizagem, planejamento didático, atribuições e responsabilidades quanto à concepção e produção das ações educacionais, dentre outras. 2.OBJETIVOS DO MODELO PEDAGÓGICO Explicitar as concepções de aprendizagem que fundamentam as ações de educação na Empresa. Orientar o desenvolvimento, a implementação, o acompanhamento e a avaliação de produtos educacionais coerentes com as premissas e políticas educacionais da CAIXA e com as concepções de aprendizagem adotadas. Facilitar a compreensão, o desenvolvimento e a vivência da ação educativa. [1] Jacques Delors foi autor e organizador do relatório, para a UNESCO, da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI: Educação um tesouro a descobrir. GENEC Página 8 ABRIL/2010

17 3.UNIVERSIDADE CAIXA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ADOTADA A Universidade CAIXA parte da premissa de que para conquistar e ampliar seu espaço dentro e fora da organização e contribuir para a realização de resultados sustentáveis, o empregado precisa desenvolver competências. Para isso, é importante viabilizar espaços de aprendizagem onde as trocas interativas promovam novos desafios para o empregado, levando-o à construção ativa de conhecimentos e novas competências. Essa visão busca promover aprendizagens que, inseridas na realidade do aprendiz, tenham significado e encontrem respaldo na experiência por ele vivida. Assim, a Universidade CAIXA adotou como base fundamental a concepção interacionista na maneira de compreender como e porque o indivíduo se desenvolve e do que precisa para estar no mundo, bem como compreender a realidade que o cerca e como ela funciona. A partir desta concepção criou um modelo pedagógico que enfatiza o desenvolvimento dos indivíduos pela interação, incentiva o pensamento crítico e inovador, valoriza o aprendiz como centro do processo de aprendizagem e adota os princípios da aprendizagem significativa. Para tanto, buscamos em alguns pensadores da educação, alinhados à concepção interacionista do desenvolvimento humano, o apoio necessário para o nosso entendimento do processo ensino-aprendizagem. A Teoria Histórico-Cultural de Desenvolvimento Humano, de Lev Vygotsky ( ), considera que o indivíduo tem uma participação ativa na construção do seu desenvolvimento, porque ele vai formando e transformando o conhecimento de si e do mundo, por meio da interação com as outras pessoas do seu meio social. Dessa forma, o desenvolvimento humano se caracteriza em uma dimensão social, cultural e histórica. Segundo essa teoria, o desenvolvimento é influenciado pela aprendizagem que ocorre nas relações que partilhamos, nas experiências que vivenciamos e no contexto sócio-cultural do qual fazemos parte. Para as organizações, e para as pessoas que nelas estão inseridas, as experiências enriquecedoras são aquelas que ocorrem com intencionalidade, ou seja, de forma consciente. O desenvolvimento e a aprendizagem não vêm prontos e nem são adquiridos passivamente pelos sujeitos. O desenvolvimento é um processo dinâmico de transformação de significados partilhados socialmente, em um ambiente histórico, onde o sentido das coisas se GENEC Página 9 ABRIL/2010

18 transforma constantemente. Nesse processo estão envolvidos o sujeito, o outro e suas representações transformadoras do mundo. Assim sendo, a adoção pela Universidade CAIXA de uma concepção de aprendizagem fundamentada na teoria histórico-cultural de desenvolvimento humano justifica-se pelos seguintes motivos: favorece a criação de espaço adequado para o desenvolvimento de competências por meio das interações sociais e da atuação reflexiva intencional; propicia aos indivíduos o desenvolvimento da consciência das próprias potencialidades, de forma a articular e mobilizar conhecimentos, habilidades, atitudes e/ou comportamentos, que se explicitam na atuação profissional; possibilitam: A concepção sócio-histórico-cultural se apresenta nas ações educacionais que a interação entre os indivíduos; a troca de sentidos e significados para a construção de conhecimento compartilhado; a atuação intencional na Zona de Desenvolvimento Proximal do indivíduo que corresponde a aproximação entre os níveis de desenvolvimento real e potencial de cada pessoa. Para reforçar a premissa de que educar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua construção por meio de uma mediação ética e de respeito aos saberes do outro, a Universidade CAIXA se apoiou nas idéias de Paulo Freire ( ), educador brasileiro, criador de uma prática educativa transformadora que pressupõe o homem como ser inconcluso, sujeito da sua autonomia e que possui sua própria identidade cultural. Isso se reflete nas ações educacionais que favorecem: a construção coletiva do conhecimento; desenvolvimento do pensamento crítico; a reflexão crítica da realidade por meio do diálogo; GENEC Página 10 ABRIL/2010

19 a busca pela inovação. Em Carl Rogers ( ) buscamos o direcionamento para a relação mediador e aprendiz considerando a tríade empatia, autenticidade e aceitação incondicional do outro. Nas ações educacionais isso se traduz quando: se faz um diagnóstico de perfil do público-alvo; o mediador apresenta uma escuta ativa da necessidade do outro; mediador e aprendiz se colocam de forma autêntica no processo de interação. Em David Ausubel ( ) pautamos a construção e seleção de conteúdos e estratégias que promovam a aprendizagem significativa que, inserida na realidade do aprendiz, encontre respaldo em conceitos relevantes preexistentes na estrutura cognitiva e na experiência do indivíduo. Isso fica evidenciado nas ações educacionais quando dispomos os temas observando os aspectos da logicidade, gradualidade, complexidade, levando em consideração conhecimentos e experiências prévias necessárias para a compreensão e assimilação dos novos conteúdos. Desse modo, as ações de educação têm como base o desenvolvimento e domínio de competências, observadas as seguintes premissas: a percepção do aprendiz sobre a relação entre o que está aprendendo e sua realidade; a segurança do aprendiz em relação ao seu processo de aprendizagem, no qual seja garantido um ambiente livre de ingerências externas; a possibilidade de o aprendiz se colocar em confronto experimental direto com problemas práticos; a participação ativa e responsável do aprendiz em seu processo de aprendizagem, a partir de discussões e debates sobre o quê, como e por que está aprendendo; GENEC Página 11 ABRIL/2010

20 o incentivo à participação do aprendiz em atividades de desenvolvimento que dêem ênfase a relações sociais contextualizadas e mediadas por uma intencionalidade reflexiva; o fornecimento da mediação necessária à concretização do desenvolvimento do aprendiz; o estímulo à independência, à criatividade e à autoconfiança do aprendiz em decorrência de avaliação mediadora e justa, realizada em atmosfera de liberdade; a ênfase no compartilhamento de informações e interações entre os aprendizes de maneira a possibilitar a circulação do conhecimento tácito e explícito na organização. 4.EIXO PEDAGÓGICO DA UNIVERSIDADE CAIXA conteúdos: O eixo pedagógico da Universidade CAIXA assenta-se em três dimensões de Fundamental CAIXA; Fundamental Gerencial, Técnico e Assessoramento; Conteúdos Temáticos: Governança, Negócios e Suporte aos Negócios. Esses conteúdos, que contribuem para o desenvolvimento de conhecimentos e competências alinhadas aos negócios, dão suporte à implementação de negócios nos segmentos de atuação da Empresa; ao aperfeiçoamento de gestores, técnicos e assessores; ao aprimoramento das relações interpessoais e da relação da Empresa com a sociedade. Objetiva-se, com essa proposta, possibilitar maior interdisciplinaridade entre as áreas de conhecimento, atribuindo-se a mesma relevância a todos os conteúdos, visto que são meios para o desenvolvimento de competências críticas para o desempenho profissional. O eixo pedagógico visa a atender aos princípios da contextualização e da integração, estabelecendo paralelos entre os conteúdos e as necessidades de desenvolvimento e capacitação verificadas na Empresa. GENEC Página 12 ABRIL/2010

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 10, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 10, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 434 (61) 2025 3376 / 3114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 10, DE 03 DE JULHO

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR SÊNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as atividades de incubação de empreendimentos produtivos. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS 1 PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho Serviço Social da Indústria de Santa Catarina SOLUÇÕES SOCIAIS 2 Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 39 de 13 de janeiro de 2012, publicada no DOU em 16 de janeiro de 2012. Diretor da Faculdade: Ivanir Salete Bazzei

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA 12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA :: INTRODUÇÃO :: O Grupo Santander Brasil acredita que a educação é a principal ferramenta para construir um mundo sustentável e melhor. Por isso, investe

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 44 (61) 2025 76 / 114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 0 DE JULHO DE 2015

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 11, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 11, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 44 (61) 2025 76 / 114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 11, DE 0 DE JULHO DE

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA GESTÃO ESCOLAR COMO GARANTIA DAS RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNO E DE SUCESSO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM

IMPLICAÇÕES DA GESTÃO ESCOLAR COMO GARANTIA DAS RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNO E DE SUCESSO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM 1 IMPLICAÇÕES DA GESTÃO ESCOLAR COMO GARANTIA DAS RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNO E DE SUCESSO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM 1. INTRODUÇÃO AUTORA: CELEIDA BELCHIOR GARCIA CINTRA PINTO Centro Universitário

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

Planejamento estratégico e gestão nas organizações sociais

Planejamento estratégico e gestão nas organizações sociais CAPACITAÇÃO CASA/PSO Planejamento estratégico e gestão nas organizações sociais Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Conteúdos 1. O conceito de planejamento estratégico como estratégia de fortalecimento

Leia mais

Projeto de Monitoria 2010/2011

Projeto de Monitoria 2010/2011 Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Campus Guarulhos Curso de Ciências Sociais Projeto de Monitoria 2010/2011 Ciências Sociais, Linguagens e Tecnologias: formação docente inicial e práticas de

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE Diretoria de Estudos e Acompanhamento das Vulnerabilidades Educacionais Avaliação da Rede de Educação para a Diversidade

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais