O PAPEL DO PROFISSIONAL DE RELAÄÅES INTERNACIONAIS NA SECRETARIA DE ESTADO DA ARTICULAÄÇO INTERNACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DO PROFISSIONAL DE RELAÄÅES INTERNACIONAIS NA SECRETARIA DE ESTADO DA ARTICULAÄÇO INTERNACIONAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÄ CRISTIANE LUIZA ZAGO O PAPEL DO PROFISSIONAL DE RELAÄÅES INTERNACIONAIS NA SECRETARIA DE ESTADO DA ARTICULAÄÇO INTERNACIONAL SÅo JosÇ 2004

2 CRISTIANE LUIZA ZAGO O PAPEL DO PROFISSIONAL DE RELAÄÅES INTERNACIONAIS NA SECRETARIA DE ESTADO DA ARTICULAÄÇO INTERNACIONAL RelatÉrio de ConclusÅo de EstÑgio apresentado como requisito parcial para a obtenöåo do tütulo de Bacharel em RelaÖáes Internacionais, na Universidade do Vale do ItajaÜ, Centro EducaÖÅo SÅo JosÇ. Orientadora: Prof.à M. A. Margibel Adriana de Oliveira. SÅo JosÇ 2004

3

4 Dedico este trabalho aos meus pais, Jorge e Iracema, eternos incentivadores do meu saber e aos meus irmåos, NÑdia, Rojane e Gilson, pois, sem eles, minha vida nåo teria graöa.

5 AgradeÖo, inicialmente, ao SecretÑrio de Estado da Secretaria da ArticulaÖÅo Internacional, Sr. Roberto Colin, pela oportunidade do estñgio, pelo incentivo e por ter acreditado no meu potencial. Igualmente agradeöo ao SecretÑrio Adjunto, Sr. Roberto Timm, pelo apoio e pelas correöáes. Ao Consultor de Economia Internacional, Sr. Hans Kress, por ter me acolhido em sua consultoria. Assim como agradeöo tambçm a toda equipe de trabalho da Secretaria, em especial ao HercÜlio, â Luciane Santiago, â Luciana Brognoli, ao Maicon, â Rosa Beatriz, â Vanice, â Schirley e ao FÑbio. ä minha orientadora, professora M.A. Margibel Adriana de Oliveira, por ter aceitado o desafio. A toda minha famülia, pelo amor e dedicaöåo, especialmente âs minhas sobrinhas NatÑlia, Manuela e VictÉria e ao meu sobrinho Caio, pela felicidade e carinho que me passam. Aos amigos da turma: Dani, Gomercindo, Kelen, DÅo, BeÖa, China e Moacir, pelos momentos de descontraöåo e por terem compreendido a minha ausãncia a algumas jantas. Em especial ao Eliezer, pelo notebook, pelos CDés, pelas impressáes, pelo vai e vem que salvaram a minha vida! ä Regiane, pelo apoio e conselhos. äs minhas amigas ClÑudia, Jeane e Carina, pela amizade. äs minhas velhas amigas, D. Neusa, Eliane e Michele Fraga, por terem contribuüdo no meu crescimento profissional e se tornado amigas maravilhosas. Ao Gilberto Ramos, que, apesar da distència, sempre me apoiou. ä Rosie e Roy, pela temporada em Londres. Ao Diorni, por sempre alegrar os meus dias. Aos funcionñrios da UNIVALI, em especial, ao Felipe e Ricardo, pela compreensåo. Aos professores do curso de RI, que contribuüram para minha formaöåo. Em especial, ao professor Paulo Jonas Grando, pelas crüticas construtivas, ao professor Roberto Di Sena Junior, pelas contribuiöáes da prç-banca e banca final, igualmente ao professor Rolando Coto Varela. ä professora ClÑudia de Rost, pelas correöáes. Por fim, agradeöo a todos que contribuüram, direta ou indiretamente, para a realizaöåo deste trabalho.

6 Os modelos envelhecem, o conhecimento empärico, jamais. Paulo Vizentini

7 RESUMO O objetivo geral desse trabalho foi verificar uma opöåo de inseröåo do profissional de RelaÖáes Internacionais (RI) na Secretaria de Estado da ArticulaÖÅo Internacional (SAI) de Santa Catarina. Para tal constataöåo, foi realizado um estñgio, onde foi observada, de forma nåo participante, a evoluöåo histérica do projeto dos Nêcleos de Fomento âs ExportaÖáes Catarinenses alçm de ter sido efetuada pesquisa bibliogrñfica sobre o profissional de RI e a ComunicaÖÅo, para a fundamentaöåo teérica. Foi tambçm utilizado, para a coleta de dados, questionñrio aplicado aos egressos de RI da UNIVALI de SÅo JosÇ/SC, para a identificaöåo das possüveis opöáes de inseröåo no mercado de trabalho desses egressos e uma entrevista com o SecretÑrio de Estado, o diplomata Roberto Colin, para a coleta de informaöáes sobre o projeto NUFEx. ApÉs, reuniu-se as informaöáes coletadas e foi feita a anñlise dos dados em conformidade com a teoria estudada. Concluiu-se que a SAI pode ser uma opöåo de posto de trabalho para os bacharçis em RI, por exigir, de seus funcionñrios, caracterüsticas que coincidem com as dos referidos profissionais, principalmente os que dominam a habilidade da comunicaöåo.

8 ABSTRACT The main objective of this research was to check the possibility of insertion for the International Relations (IR) professionals at the State Ministry of International Articulations (SIA) from Santa Catarina. In order to do that, it was completed a training, which was observed in a non participate way, the historical evolution of the project of Nucleus of Foment to Catarinenses Exports (NUFEx), besides, it was made a bibliographical research about the IR professionals and the Communication as theoretical background. It was also utilized, for the collected data, questionnaires applied to the IR egresses from UNIVALI of SÅo JosÇ/SC, to identify the possible alternatives of insert them in the job market and an interview with the Minister of State, the diplomat Roberto Colin, to collect information about the NUFEx project. After that, it was reunited all the collected information and it was done the analysis according to the studied theory. It was concluded that the SIA could be a job option for the IR egresses, because it needs specific characteristics that are the same found in a IR professionals, mainly the once who best master the communication skills.

9 LISTA DE ILUSTRAÄÅES FIGURA 1 Organograma FIGURA 2 O ato de comunicaöåo FIGURA 3 Esquema da comunicaöåo FIGURA 4 Barreiras no processo de comunicaöåo FIGURA 5 DivisÅo polütica atual do Estado de Santa Catarina FIGURA 6 Diagrama das Parcerias FIGURA 7 Diagrama das fontes para orientaöåo FIGURA 8 Diagrama das formas de divulgaöåo GRìFICO 1 Referente ao ano de conclusåo os egressos de RI GRìFICO 2 Referente â freqîãncia em cursos de especializaöåo GRìFICO 3 Referente âs alocaöáes dos egressos de RI GRìFICO 4 Referente â importència da comunicaöåo por parte dos egressos de RI... 47

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BID Banco Interamericano de Desenvolvimento. BRIDA Banco Regional de Desenvolvimento e IntegraÖÅo. CEACEx Conselho Estadual de ArticulaÖÅo do ComÇrcio Exterior. CEPAL ComissÅo Econïmica para a AmÇrica Latina e o Caribe. FIESC FederaÖÅo das Indêstrias do Estado de Santa Catarina. FMI Fundo MonetÑrio Internacional. FUNCEX - FundaÖÅo Centro de Estudos do ComÇrcio Exterior. MERCOSUL Mercado Comum do Sul. MPEs Micro e Pequenas empresas. NUFEx Nêcleos de Fomento â ExportaÖÅo. OEA OrganizaÖÅo dos Estados Americanos. OMC OrganizaÖÅo Mundial do ComÇrcio. ONGés OrganizaÖáes nåo-governamentais. ONU OrganizaÖÅo das NaÖáes Unidas. OPEP OrganizaÖÅo dos PaÜses Produtores e Exportadores de PetrÉleo. PIB Produto Interno Bruto. PUC PontifÜcia Universidade CatÉlica. RI RelaÖáes Internacionais. SAI Secretaria de Estado da ArticulaÖÅo Internacional. SDRs Secretarias de Desenvolvimento Regional. SEBRAE ServiÖo Brasileiro de Apoio âs Micro e Pequenas Empresas. SECEX Secretaria de ComÇrcio Exterior. UNB Universidade de BrasÜlia. UNIVALI Universidade do Vale do ItajaÜ. USP Universidade de SÅo Paulo. UNESP Universidade Estadual Paulista.

11 SUMÉRIO RESUMO... ABSTRACT... LISTA DE ILUSTRAñóES... LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS INTRODUñòO APRESENTAñòO E CARACTERIZAñòO DA INSTITUIñòO OFERTANTE DO ESTìGIO AS RELAñóES INTERNACIONAIS: O PROFISSIONAL E O MERCADO DE TRABALHO A COMUNICAñòO: SUA IMPORTôNCIA PARA O PROFISSIONAL DE RELAñóES INTERNACIONAIS Breve histérico sobre a ComunicaÖÅo Conceitos de ComunicaÖÅo Elementos da ComunicaÖÅo Feedback Barreiras â ComunicaÖÅo ComunicaÖÅo ascendente, descendente e horizontal DESCRIñòO DAS ATIVIDADES OBSERVADAS NO ESTìGIO ANìLISE DOS RESULTADOS SUGESTóES E RECOMENDAñóES... 49

12 CONSIDERAñóES FINAIS REFERöNCIAS... APöNDICES... ANEXOS

13 INTRODUÄÇO O fim da Guerra Fria, a abertura dos mercados, o avanöo tecnolégico das informaöáes e das comunicaöáes vãm contribuindo a cada dia para a formaöåo e transformaöåo do cenñrio global, o chamado fenïmeno da globalizaöåo, o qual jñ Ç estudado de vñrios èngulos e por diversos autores. Pode-se dizer que o campo de trabalho do bacharel em RelaÖáes Internacionais (RI) Ç uma das conseqåçncias desse mundo globalizado, devido aos novos postos de trabalho que surgiram e continuam a aparecer com esse fenïmeno, principalmente no èmbito internacional. Entretanto, tal profissional nåo possui caracterüsticas definidas, visto que a depender da instituiöåo de onde ele se graduou, terñ tendãncia a saber mais sobre comçrcio internacional ou diplomacia, por exemplo. Tampouco existe um nicho de mercado de trabalho especüfico aos profissionais de RI. Isso se deve â multidisciplinaridade encontrada na maioria dos cursos de graduaöåo da Ñrea em queståo, fazendo com que acadãmicos, mestres e empregadores compartilhem da dificuldade de se chegar a um consenso no que diz respeito ao perfil profissiogrñfico do bacharel em RI. A partir dessa constataöåo preliminar, pode-se dizer que o problema desta pesquisa Ç a inexistãncia de uma definiöåo adequada dos possüveis campos de atuaöåo de um bacharel em RI. Nesse sentido, uma possibilidade de inseröåo desse profissional pode ser, na esfera pêblica, em setores de assuntos internacionais, exigidos cada vez mais devido ao contexto global contemporèneo. Como exemplo, apresenta-se a Secretaria de ArticulaÖÅo Internacional (SAI), do Governo do Estado de Santa Catarina, a subsecretaria de Assuntos Internacionais, do Governo do Estado de Minas Gerais e, tal estrutura pode ser encontrada, atç mesmo, em municüpios, como Ç o caso de SÅo Paulo, que possui uma Secretaria Municipal de RelaÖáes Internacionais. Dessa forma, para que fosse constatada tal hipétese, o estñgio foi realizado na Secretaria de Estado da ArticulaÖÅo Internacional de Santa Catarina. Durante tal perüodo foi observado o avanöo histérico do projeto dos Nêcleos de Fomento âs ExportaÖáes (NUFEx) o qual serñ apresentado no capütulo 4, a ser implantado nas Secretarias de Desenvolvimento Regionais (SDRs).

14 Assim, o objetivo geral da pesquisa foi verificar uma opöåo de inseröåo do profissional de RelaÖáes Internacionais na Secretaria de Estado da ArticulaÖÅo Internacional. Quanto aos objetivos especüficos, compreendiam: 1) constatar o interesse da SAI em ter bacharçis em RelaÖáes Internacionais como participantes do projeto NUFEx; 2) identificar as possüveis opöáes de inseröåo no mercado de trabalho dos egressos de RelaÖáes Internacionais da UNIVALI de SÅo JosÇ/SC; e 3) verificar se a comunicaöåo Ç considerada, por parte dos egressos de RI da UNIVALI de SÅo JosÇ/SC e da SAI, como a principal habilidade que estes devem dominar. No que diz respeito â metodologia e aos mçtodos cientüficos utilizados nesta investigaöåo foi de natureza exploratéria, ou seja, objetivou proporcionar uma visåo geral das caracterüsticas e do mercado de trabalho de um bacharel em RelaÖáes Internacionais. Segundo Gil (1999, p. 43), este tipo de pesquisa Ç realizado especialmente quando o tema escolhido Ç pouco explorado e torna-se difücil sobre ele formular hipéteses precisas e operacionalizñveis. Quanto ao mçtodo de abordagem utilizado foi o indutivo. De acordo com Gil (1999, p. 28), esse mçtodo parte do particular e coloca a generalizaöåo como um produto posterior do trabalho de coleta de dados. Dessa forma, para apontar as possüveis opöáes de inseröåo no mercado de trabalho para os bacharçis de RI da UNIVALI de SÅo JosÇ/SC, utilizou-se a Teoria da ComunicaÖÅo como sustentaöåo das demais Ñreas em que esse profissional RI pode atuar. Com referãncia â coleta de dados da pesquisa, foram utilizados trãs instrumentos de coleta, a saber: (i) questionñrio, com perguntas abertas, aplicado aos egressos do curso de RI da UNIVALI de SÅo JosÇ/SC; (ii) entrevista nåo estruturada, com o Diplomata Roberto Colin, SecretÑrio de Estado da SAI e supervisor do estñgio; e (iii) observaöüo nüo-participante, cujo pesquisador presencia o fato, mas nåo participa dele; nåo se deixa envolver pelas situaöáes; faz o papel de espectador. (LAKATOS e MARCONI, 1991, p. 193), ou seja, a estagiñria se integrou â equipe designada para desenvolver o projeto NUFEx, mas nåo se envolveu nas decisáes quanto aos procedimentos do mesmo, deixando apenas suas sugestáes em capütulo distinto. Segundo Lakatos e Marconi (1991, p. 193), isso, porçm, nåo quer dizer que a observaöåo nåo seja consciente, dirigida, ordenada para um fim determinado. Por fim, para analisar os dados coletados, utilizou-se da abordagem quali-quantitativa, com predominència quantitativa, uma vez que os resultados foram observados em seu aspecto global e individual e, posteriormente, apresentados sob a forma grñficos. 13

15 Assim, organizou-se este trabalho, da seguinte forma: no capütulo 1, apresenta-se e caracteriza-se a instituiöåo ofertante e o estñgio; no capütulo 2, trata-se do tema das RelaÖáes Internacionais, o profissional e o mercado de trabalho; no capütulo 3, evidencia-se, em linhas gerais, a Teoria da ComunicaÖÅo; no capütulo 4, descrevem-se as atividades do estñgio; no capütulo 5, såo analisados os dados coletados; e, por êltimo, o capütulo 6, destina-se âs sugestáes e recomendaöáes. 14

16 1 APRESENTAÄÇO E CARACTERIZAÄÇO DA INSTITUIÄÇO OFERTANTE DO ESTÉGIO O estñgio realizou-se na Secretaria de Estado da ArticulaÖÅo Internacional 1, localizada na sede do Governo do Estado de Santa Catarina, situada â rodovia SC 421 Km 5, nõ 4.600, bairro Saco Grande II, FlorianÉpolis. A SAI foi criada pela geståo atual do Governo Luiz Henrique da Silveira com o intuito de acompanhar as transformaöáes do cenñrio mundial contemporèneo. Nesse sentido, constatou-se que, pela primeira vez, na histéria do Estado, as relaöáes internacionais såo contempladas por uma estrutura organizacional com a funöåo de identificar e articular as oportunidades internacionais de cooperaöåo, comçrcio, atraöåo de investimentos e inovaöáes tecnolégicas que habilitem o Estado a atingir novos patamares de competitividade econïmica e de qualidade de vida (SECRETARIA DE ESTADO DA ARTICULAñòO INTERNACIONAL, p. 5). Essa Secretaria estñ dividida em duas consultorias: uma de RelaÖáes Internacionais, que coordena a Ñrea de integraöåo do Mercosul, cooperaöåo internacional e defesa comercial; e outra de Economia Internacional, que coordena os projetos de comçrcio internacional, desenvolve pesquisas e avaliaöáes de mercado internacional, acompanha e recebe missáes comerciais e empresariais e promove capacitaöåo de empresñrios na Ñrea internacional e de agentes de comçrcio exterior em parceria com o MinistÇrio do Desenvolvimento da Indêstria e ComÇrcio Exterior (MDIC). No organograma a seguir, observa-se que, alçm de possuir o cargo de SecretÑrio Adjunto, de Oficial de Gabinete, de Tradutor, de Assistente, a SAI ainda apresenta, na sua estrutura organizacional, o Conselho Estadual de ArticulaÖÅo do ComÇrcio Exterior (CEACEx), um ÉrgÅo de deliberaöåo coletiva, destinado a orientar e coordenar a polütica estadual de comçrcio exterior, visando â inseröåo competitiva de produtos e serviöos catarinenses no mercado internacional, conforme Lei Estadual nõ / Ressalta-se ainda que cada setor possui seu corpo administrativo que auxilia a SAI nas execuöáes das tarefas diñrias. 1 Ver anexo A, referente â Lei Estadual sobre as atribuiöáes dessa Secretaria. 2 Ver anexo B para a Üntegra da Lei. 15

17 Local do estñgio Figura 1 Organograma Fonte: <www.sai.sc.gov.br> Acesso em: 06/10/2004. Ao demonstrar interesse em inserir a participaöåo acadãmica junto aos trabalhos desenvolvidos pela SAI, a Secretaria vem firmando convãnios com universidades, a fim de incentivar e promover essa prñtica, buscando relacionar o conhecimento teérico com as necessidades do seu mercado de trabalho. Nesse sentido, a SAI tomou a iniciativa de abrir espaöo para que esses profissionais pudessem pïr em prñtica o que aprenderam em teoria, gerando um estreitamento com as academias e ressaltando o seu interesse na produöåo cientüfica. Dessa forma, todas as partes saem beneficiadas: organizaöáes, comunidade acadãmica e comunidade em geral. Entretanto, tal abertura proporcionou, inicialmente, a inseröåo de acadãmicos somente na Sede do Governo Estadual, especificamente na SAI. Portanto, com base nas palavras do ExcelentÜssimo SecretÑrio de Estado da SAI, o diplomata Roberto Colin, que apontou o projeto NUFEx como um dos mais importantes da Secretaria, resolveu-se priorizñ-lo e defini-lo como alvo principal das atividades do estñgio, 16

18 desenvolvidas, dessa forma, na Consultoria de Economia Internacional, setor este responsñvel pelo projeto em queståo. Dessa maneira, para se verificar o interesse da SAI em ter bacharçis de RI atuando no NUFEx, Ç necessñrio abordar a temñtica das RelaÖáes Internacionais, apontando as caracterüsticas desse profissional e descrevendo as suas possüveis Ñreas de atuaöåo, tema este, do capütulo a seguir. 17

19 2 AS RELAÄÅES INTERNACIONAIS: O PROFISSIONAL E O MERCADO DE TRABALHO As RelaÖáes Internacionais jñ såo praticadas hñ centenas de anos, considerando que, desde a Antigîidade ClÑssica, havia contatos e acordos entre cidades, principados e reinos. Todavia, as visáes interpretativas das RI modificaram-se com o passar dos tempos, assim como seu objeto de estudo e sua importència. As RelaÖáes Internacionais såo um dos campos de conhecimento multidisciplinar da Ñrea das Ciãncias Sociais Aplicadas. Costuma-se afirmar que essa Ñrea Ç decorrente de disciplinas mais antigas como Ciãncia PolÜtica, Economia, Direito, AdministraÖÅo, Sociologia e Diplomacia, mas com enfoque voltado para o èmbito internacional. Assim, pode-se dizer que a multifuncionalidade caracteriza o profissional de RelaÖáes Internacionais, por possuir, na matriz curricular do curso que o forma, uma diversificada gama de disciplinas, que vai desde noöáes de direito, economia e marketing, passando por filosofia, antropologia, atç as teorias das RI, diplomacia, polütica externa, comçrcio internacional, lünguas estrangeiras e comunicaöåo empresarial. Desse modo, Halliday (1999, p ), definiu as RelaÖáes Internacionais de forma clara e simples. Para o autor, o objeto de estudo das RI abrange trãs formas de interaöåo: as relaöáes entre os Estados, as nåo-estatais e as operaöáes do sistema como um todo, dentro do qual os Estados e as sociedades såo os principais componentes. JÑ para Strenger (1998, p ), os Estados såo os principais atores das RelaÖáes Internacionais, atuando como representantes do povo, com o objetivo de alcanöar equilübrios de convivãncia, operados pelas regras do direito internacional. Todavia, para Oliveira (2001, p ), nem todas as relaöáes que ultrapassam fronteiras, podem ser consideradas objeto de estudo das relaöáes internacionais contemporèneas, somente as que possuem relevante importència desse èmbito internacional. Assim, pode-se definir RelaÖáes Internacionais como qualquer contato relevante com o exterior, por meio de atores pêblicos, privados ou nåo-governamentais. Nesse sentido, questiona-se: qual Ç o papel do profissional das RelaÖáes Internacionais no contexto atual? 18

20 Ainda nåo hñ uma identificaöåo formal desse profissional, como ocorre com as ciãncias mais antigas como Direito, Medicina e AdministraÖÅo. Apesar de jñ ter havido uma proposta para tal regulaöåo, nåo consta, atç o momento, que esse ato tenha sido levado adiante, ou melhor, aprovado. Isso causa inseguranöa por parte de alguns acadãmicos, uma vez que estes nåo contam com a formalizaöåo da profissåo, ou seja, nåo existe atualmente uma entidade de classe que represente essa formaöåo. Isso fragiliza tambçm a conquista do espaöo no mercado de trabalho por esses profissionais, pois nåo hñ um delineamento de suas funöáes, assim como, talvez, nåo seja possüvel conseguir constituir um grupo formal que lute e defenda os mesmos objetivos e interesses. Por outro lado, â exceöåo daquelas profissáes regulamentadas e reservadas a um cürculo de especialistas registrados, como advogados, mçdicos, administradores, as atividades desempenhadas por um egresso em ciãncias sociais, como economia, histéria, comunicaöåo podem, tambçm, ser desempenhadas por um profissional de RI, sobretudo se ele combinar com uma especializaöåo ou atç mesmo com outro curso de graduaöåo (ALMEIDA, 2002, p. 248). Acerca disso, o autor (2002, p. 244) destaca ser desnecessñria e, atç mesmo, indesejada tal regulamentaöåo profissional, uma vez que seria uma maneira de manter a adequada flexibilidade do mercado laboral e propiciar uma demanda adaptada a um maior espectro de capacidades intelectuais e acadãmicas. Em outras palavras, as exigãncias feitas ao profissional em RI såo tåo variadas quantas såo as possibilidades diversificadas de emprego hoje existentes no Brasil e exterior. Desse modo, a prñtica profissional do bacharel em RI se abre para um amplo mercado de oportunidades, visto que Ç notério o aumento da demanda por profissionais dessa Ñrea, capazes de integrar as perspectivas econïmica, social e polütica em termos internacionais e identificar oportunidades, avaliar riscos, planejar e executar aöáes internacionais. AlÇm disso, com o fim das duas Grandes Guerras e o inücio da Guerra Fria, houve a necessidade de se formarem pessoas que soubessem compreender e analisar as modificaöáes do cenñrio internacional. Assim, o curso de RelaÖáes Internacionais comeöou a ser lecionado na Europa e nos Estados Unidos por volta de No Brasil, o primeiro curso instituüdo com o tütulo de RelaÖáes Internacionais foi o da Universidade de BrasÜlia (UNB), em 1974, criado, inicialmente, para preparar ao ingresso da carreira diplomñtica. Logo apés, em 1981, foi a vez da Universidade EstÑcio de SÑ, no Rio de 19

21 Janeiro, com ãnfase no ComÇrcio Internacional. Depois vieram muitos outros, em conseqîãncia da demanda e da aposta numa expectativa positiva em relaöåo â nova profissåo, como exemplos citam-se a PontifÜcia Universidade CatÉlica de Minas Gerais (PUC/MG), que criou o curso de RI em 1996, a Universidade do Vale do ItajaÜ (UNIVALI), que iniciou em 1997 e a Universidade de SÅo Paulo (USP) e Universidade Estadual Paulista (UNESP) que cunharam seus cursos no ano de Todos esses novos cursos såo embasados na demanda atual criada pelos novos arranjos sociais, polüticos e econïmicos da era internacional. Desde o inücio da dçcada de noventa, o estudo das relaöáes internacionais tem passado por um processo de expansåo contünua em todo o Brasil. O aprofundamento teérico dessa Ñrea, sua transformaöåo em campo especüfico de reflexåo acadãmica e prñtica profissional tem acontecido em um ambiente marcado pela crescente importència do sistema internacional tanto para as polüticas de vñrios Estados, quanto para a atuaöåo de empresas privadas e de organizaöáes nåo-governamentais. A prépria carreira diplomñtica, antes procurada, majoritariamente, pelos egressos dos cursos de Direito, Economia e HistÉria, hoje tambçm Ç muito requisitada por egressos dos cursos de RI, por este oferecer uma fundamentaöåo multidisciplinar capaz de preparar o candidato para as atuaöáes internacionais demandadas pela carreira. Intencionalmente, a inicial preocupaöåo dos cursos de RI era preparar o egresso para auxiliar os agentes de Estado na formulaöåo e implementaöåo das polüticas exteriores, exercendo o papel de crütico e interlocutor do poder pêblico na preparaöåo de sua inseröåo internacional, ou melhor, um diplomata. Com a recente abertura dos mercados, principalmente por parte dos paüses em desenvolvimento, o contexto internacional modificou-se, fortalecendo as relaöáes entre atores privados e, conseqîentemente, abrindo espaöo no mercado de trabalho para esses profissionais, que agora nåo se limitam apenas â esfera governamental, mas sim assumem posiöáes em organizaöáes privadas e nåo-governamentais. Nos dias atuais, pode-se perceber que nåo Ç somente por meio do MinistÇrio das RelaÖáes Exteriores que as relaöáes entre paüses estrangeiros acontecem, pois, com o crescente modelo de descentralizaöåo polütica dos Estados, o papel de um bacharel em RI se torna mais demandado e conhecido, por ele ser um profissional capaz de entender e atuar em uma nova conjuntura internacional, as autarquias pêblicas, como prefeituras, Secretarias de Estado, outros ministçrios, assim como empresas privadas e organizaöáes 20

22 internacionais passam a estabelecer relaöáes com o estrangeiro por si mesmas e nåo apenas atravçs dos centros diplomñticos. Almeida (2002, p ) destaca trãs grandes Ñreas de atuaöåo para os bacharçis em relaöáes internacionais: governamental, acadãmica e privada. O autor destaca que as tarefas especüficas iråo depender do entorno e do contexto laboral, mas, em todas as Ñreas, a atividade Ç geralmente dominada pelo processo da informaöåo. Afinal, conforme o autor, esse profissional, antes de mais nada, Ç um processador de informaöáes, ou seja, capaz de digerir massas de insumos externos e produzir volumes de soluöáes possüveis aos problemas que såo colocados âs suas instituiöáes (grifos do autor). Assim, pode-se afirmar que o profissional em RI jñ conquistou seu espaöo no mercado de trabalho e cabe, agora, aos egressos e mestres comprometidos com o curso em queståo, darem continuidade aos estudos da Ñrea e assegurarem esse espaöo, demonstrando suas habilidades e competãncias. Necessita-se, tambçm, que as universidades faöam a promoöåo do curso, incentivando seus alunos â prñtica, buscando parcerias com organizaöáes pêblicas, privadas e nåo-governamentais que pretendam empregar esse profissional e impulsionem a pesquisa cientüfica na Ñrea. Dessa forma, apés ter-se analisado o perfil profissiogrñfico de cinco universidades (EstÑcio de SÑ/RJ, PUC/MG, PUC/SP, UNB/DF e UNIVALI/SC), escolhidas aleatoriamente, destacam-se as Ñreas, a seguir, como preferenciais aos egressos de RI, uma vez que esses profissionais reênem atributos essenciais para o desempenho de tais funöáes: a) Da tradicional diplomacia, que, no Brasil, envolve o exame de ingresso no Itamaraty; b) Da crescente necessidade dos governos Estaduais e Municipais de terem assessoria internacional, por conta dos processos que envolvem o estrangeiro e do aumento da mobilidade do capital; c) Das Cèmaras de ComÇrcio, Consulados e Embaixadas estrangeiras, que prestam assessoria a respeito da atuaöåo polütica e comercial do Brasil no contexto internacional; d) Dos sindicatos patronais e de trabalhadores, que buscam se adequar âs mudanöas no plano internacional, elaborando estudos, estratçgias e projetos de cooperaöåo; e) De OrganizaÖáes NÅo-Governamentais e Intergovernamentais, que atuam em diversos paüses; 21

23 f) De assessoria tçcnica em Organismos Internacionais, tais como a OrganizaÖÅo dos Estados Americanos (OEA), a OrganizaÖÅo das NaÖáes Unidas (ONU), o Fundo MonetÑrio Internacional (FMI), o Banco Mundial, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a OrganizaÖÅo Mundial do ComÇrcio (OMC), ou entåo nas burocracias constituüdas para o funcionamento dos blocos econïmicos regionais, por exemplo, como jñ acontece na UniÅo EuropÇia; g) Dos ÉrgÅos de comunicaöåo e entretenimento, com destaque para a Internet e os cadernos internacionais de jornais e revistas; h) Da atuaöåo em departamentos das empresas vinculados diretamente â queståo internacional; i) Como autïnomo, prestando consultoria internacional a entidades pêblicas, privadas ou nåo-governamentais; j) Por fim, a prépria Ñrea acadãmica. O curso de RI vislumbra, portanto, formar um profissional que possa atuar como pesquisador, professor, conselheiro, assessor, consultor ou executor nas mais diversas instituiöáes, pêblicas, privadas ou nåo-governamentais. A partir desse levantamento constatou-se que muitas universidades, dentre as disciplinas do seu nêcleo comum, incluüram em sua matriz curricular, a disciplina de comunicaöåo empresarial (tambçm denominada de ComunicaÖÅo Organizacional, Corporativa ou ainda Institucional, ou seja, ela nåo possui apenas um carñter privado), com o objetivo, por exemplo, de oportunizar a aprendizagem de estratçgias para a superaöåo das barreiras â comunicaöåo, construindo um perfil mais adequado do profissional de RI e desenvolvendo habilidades de relacionamento interpessoal que iråo aferir âs suas caracterüsticas uma contribuiöåo relevante dados esses extraüdos do Plano de Ensino dessa disciplina do Curso de RI da UNIVALI/SJ - semestre 2000/2 e 2001/1. Nesse sentido, por exemplo, para que o profissional de RI otimize um processo de negociaöåo, aprenda um idioma estrangeiro, redija um acordo entre dois paüses ou atue como um diplomata, ele deveria possuir como elemento articulador a boa comunicaöåo. Assim, apresentase a seguir, tépico relacionado a essa Ñrea de estudo, a fim de complementar o entendimento inicial dado sobre esta queståo no curso de RI da UNIVALI de SÅo JosÇ/SC e por se acreditar na 22

24 comunicaöåo como a base sustentadora e articuladora das demais disciplinas apreendidas no decorrer do processo acadãmico. 23

25 3 A COMUNICAÄÇO: SUA IMPORTáNCIA PARA O PROFISSIONAL DE RELAÄÅES INTERNACIONAIS A comunicaöåo pode ser considerada a vinculaöåo para o desenvolvimento de um quadro de referãncias comuns a todos os colaboradores de uma organizaöåo e, conseqîentemente, na consolidaöåo da identidade da mesma, jñ que, quando existe uma linguagem comum de comunicaöåo entre as hierarquias, os equüvocos se reduzem consideravelmente, proporcionando, assim, uma constante eficñcia nos trabalhos realizados. Por isso, o ato comunicativo nåo pode ser reduzido a um conjunto de canais por meio dos quais circulam as informaöáes, mas sim deve ser compreendido e empregado por todos na sua melhor forma e, principalmente, que essa seja de conhecimento, compreensåo e utilizaöåo comum. Assim, diz-se que, em um ambiente mais democrñtico e de compromisso entre as equipes e entre essas e seus superiores, com deliberaöáes conjuntas, poderñ se obter, com isso, a reduöåo ou atç mesmo, atenuar os conflitos. Desse modo, para averiguar a importència da comunicaöåo, serñ apresentado um breve histérico, sua evoluöåo atravçs dos tempos, apés, seråo abordados os conceitos da comunicaöåo por vñrios autores, os elementos do processo de comunicaöåo, o feedback, as barreiras, assim como ocorrem os fluxos da comunicaöåo, ou seja, descendente, ascendente e horizontal. 3.1 Breve histàrico sobre a ComunicaÖÜo A comunicaöåo pode se realizar de vñrias formas. As principais såo trãs: gestual, oral e escrita; as quais, por sua vez, misturam-se entre si, formando, dessa maneira, formas conjugadas de comunicaöåo, por exemplo, quando se cnjuga a fala com os gestos. A seguir, serñ abordado, em linhas gerais, o avanöo histérico da comunicaöåo, ou melhor, como ela progrediu com o passar dos anos. 24

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro Camila Nogueira 1 Camila Texeira Introdução Com o fim da guerra fria o mundo veio a passar por uma série de mudanças no sistema internacional,

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

HUMANAS. Página na web: www.fea.ufjf.br CIÊNCIAS ECONÔMICAS. Apresentação:

HUMANAS. Página na web: www.fea.ufjf.br CIÊNCIAS ECONÔMICAS. Apresentação: HUMANAS ADMINISTRAÇÃO Os alunos de Administração da UFJF graduam-se na modalidade Bacharelado e podem escolher entre as opções de especialização: Administração de Empresas e Administração Pública. O curso

Leia mais

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo Jens Baumgarten UNIFESP Resumo O artigo apresenta o projeto acadêmico-intelectual do novo curso de graduação de História da Arte na Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROJETO PEDAGÓGICO ATUALIZADO

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROJETO PEDAGÓGICO ATUALIZADO UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROJETO PEDAGÓGICO ATUALIZADO Belém Pará 2010 S U M Á R I O I Base Legal do Curso Pág. 3 II Perfil do Egresso

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos HISTÓRIA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em História PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO A definição

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

As Relações Internacionais como Disciplina Acadêmica

As Relações Internacionais como Disciplina Acadêmica As Relações Internacionais como Disciplina Acadêmica Guilherme Gondin Ozias, 5º período No decorrer do dia, lendo o jornal ao acordar, acessando a internet ou assistindo televisão, nos deparamos com noticias

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM?

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? Marlene Fernandes Universidade Luterana do Brasil RESUMO O mundo está em constante transformação, com segmentos funcionais altamente globalizados,

Leia mais

O PROJETO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO: aspectos definidores de sua identidade

O PROJETO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO: aspectos definidores de sua identidade O PROJETO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO: aspectos definidores de sua identidade Katia Morosov Alonso* Maria Lúcia Cavalli Neder** O trabalho relativo ao desenvolvimento

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A DINÂMICA

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Conceito de rede. Redes organizacionais. Redes e o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) Características da atuação em rede

ÍNDICE. Apresentação. Conceito de rede. Redes organizacionais. Redes e o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) Características da atuação em rede #10 ATUAÇÃO EM REDE ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Conceito de rede Redes organizacionais Redes e o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) Características da atuação em rede Sobre a FNQ Apresentação

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO?

PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO? PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO? Élida Mara de Jesus Dias (PUC-SP) Resumo Este artigo tem como objetivo analisar a atuação do psicopedagogo frente às dificuldades no processo ensino-aprendizagem na

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV ACORDO FIRMADO COM O BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

Organização, Processos e Tomada de Decisão

Organização, Processos e Tomada de Decisão Organização, Processos e Tomada de Decisão Planejamento e Programação na Administração Pública Administração Estratégica Elaboração e Gestão de Projetos 59 Empreendedorismo Governamental Um plano de gestão

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Unidade IV. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas

Unidade IV. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas Unidade IV Comunicação Empresarial Profª. Cleide de Freitas Resumo aula anterior Variações Línguísticas Níveis da fala Modelos de redação Veículos de redação administrativa Vantagens e desvantagens da

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE TELEMARKETING ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo

Leia mais

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Natal- RN- Maio de 2015 Thais Paulo Teixeira Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte - thais.paulo@hotmail.com Nathalia

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE LOGÍSTICA - BARREIRO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE LOGÍSTICA - BARREIRO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE LOGÍSTICA - BARREIRO 1. Perfil do Curso O curso visa atender a demanda do mundo do trabalho por formação na área de gestão da logística em nível superior de ensino.

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). ATIVIDADES CULTURAIS PARA IDOSOS: CENTRO DE REFERÊNCIA SÃO MIGUEL Autores: Marta Lucia Souto da Silva Nádia Dumara Ruiz Silveira Natália Aparecida de Meira Franco Mario César Pereira Instituição: Pontifícia

Leia mais

Competência individual essencial

Competência individual essencial Competência individual essencial Introdução Objetivo Reflexão e aprofundamento sobre o processo básico da comunicação, a fim de que haja maior exatidão na compreensão do significado daquilo que se quer

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Franclin Michel Vasconcelos GONÇALVES 1 Lucas De Paiva ANDRADE 2 Pillar Caldeira SETIN 3 Nadia bosso FERNANDES

Leia mais

COMUNICAÇÃO SOCIAL: Habilitação em Relações Públicas. Beatriz Alves Corrêa Nº USP: 7165852

COMUNICAÇÃO SOCIAL: Habilitação em Relações Públicas. Beatriz Alves Corrêa Nº USP: 7165852 COMUNICAÇÃO SOCIAL: Habilitação em Relações Públicas Beatriz Alves Corrêa Nº USP: 7165852 CBD0282 Formas, Estados e Processos da Cultura na Atualidade A USP hoje e daqui a 20 anos SÃO PAULO JULHO DE 2014

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

Plano de Ensino. METODOLOGIA GERAL: Consultorias com o Professor Orientador, pesquisas de campo e reuniões com a empresa e pesquisa bibliográfica.

Plano de Ensino. METODOLOGIA GERAL: Consultorias com o Professor Orientador, pesquisas de campo e reuniões com a empresa e pesquisa bibliográfica. CURSO: MBA em GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: PLANO DE TI PROJETO FINAL Última revisão: Junho/2014 Horas-aula - Orientação ao projeto: 30 Horas-aula - Desenvolvimento do projeto: 60 Horas-aula

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO Falar em democracia e silenciar o povo é uma farsa. Falar em humanismo e negar os homens é uma mentira.

Leia mais

Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS IMESB NÚCLEO DE ETENSÃO E PESQUISA (NUPES) Identificação da Faculdade: IMESB Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2010 SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO FINANCEIRA EM CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA. Contatos Luiz Augusto Gonçalves de

Leia mais

Marketing Pessoal. Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga

Marketing Pessoal. Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga Marketing Pessoal Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga Estratégia de Marketing Pessoal De que forma se pode autopromover? O que é fundamental para alcançar os objetivos próprios? Qual a importância de

Leia mais

Experiência: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)

Experiência: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Experiência: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Gabinete da Presidência Responsável: Reynaldo Fernandes, Presidente

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Membro do Conselho

Leia mais

Carga Horária Total: 80 horas

Carga Horária Total: 80 horas COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E PRODUÇÃO DE TEXTOS Norma linguística padrão: padrões de comunicação e níveis de linguagem. Comunicação organizacional como estratégica essencial no âmbito empresarial. Instrumentos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PESQUISA COMO ESTRATÉGIA DIDÁTICA Caroline Vieira De Souza Costa Eixo 2 - Projetos e práticas

Leia mais

Cursos de Língua Inglesa T&HMS

Cursos de Língua Inglesa T&HMS Cursos de Língua Inglesa T&HMS Acreditamos que a educação é essencial para o desenvolvimento das nações. Trabalhamos em conjunto com os alunos para contribuir para o desenvolvimento de líderes empresariais

Leia mais

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO Vilmara Luiza Almeida Cabral UFPB/Campus IV Resumo: O presente relato aborda o trabalho desenvolvido no projeto de intervenção

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

RECIDIVAS DO PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: ENTRAVES PARA DELIMITAÇÃO DO OBJETO DE ESTUDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA.

RECIDIVAS DO PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: ENTRAVES PARA DELIMITAÇÃO DO OBJETO DE ESTUDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA. 2 RECIDIVAS DO PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: ENTRAVES PARA DELIMITAÇÃO DO OBJETO DE ESTUDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA. 1 INTRODUÇÃO Profa. Dra. Luciene Ferreira da Silva Cotidianamente venho refletindo sobre

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO TAQUARITINGA / 2015 1 Sumário NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE...3 1- Formas de acesso...3 2- Estímulos à permanência...4 3- Apoio Psicopedagógico, Orientação Pedagógica

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO Priscila Gomez Soares de Moraes 1 Fabrício Ziviani 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo questionar

Leia mais

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Comunicar significa transmitir ideias, sentimentos ou experiências de uma pessoa para outra, tornar comum, participar, fazer saber, transmitir. ANDRADE (2008, p. 45) O resultado

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FATORES DETERMINANTES PARA A FELICIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO

FATORES DETERMINANTES PARA A FELICIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO FATORES DETERMINANTES PARA A FELICIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO AUTORES Caroline C. Bueno Fernando A. Escorsin Fernando Colleoni Filipe F. Baptista Rafael Carvalho ORIENTADOR Luís Roberto Gomes de Assumpção

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação

Programa de Pós-Graduação em Educação 52 URIARTE, Mônica Zewe. 33 Programa de Pós-Graduação em Educação Resumo: Este artigo apresenta informações sobre a experiência da UNIVALI quanto ao ensino de artes no Curso de Pedagogia, preparado para

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula Edimar Alves Barbosa (UFCG) - eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo (UFCG) - azevedo@dec.ufcg.edu.br

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br

Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br Índice Quem é o Gestor de Negócios?... Qual a duração do curso?... Quais os objetivos do curso?... E os campos de atuação?...

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec. Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências Humanas e suas tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL Regina Lúcia Maciel De Sousa RESUMO As constantes mudanças econômicas e sociais configuram um novo cenário de valorização

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR

UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki

Leia mais

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais.

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais. Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Assessoria à Supervisão Geral No âmbito do Programa Pará Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS

O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador São Carlense, 400

Leia mais

Bingo Químico em Braille.

Bingo Químico em Braille. Bingo Químico em Braille. Carine Fernanda Drescher * (IC), Julieta Saldanha Oliveira (PQ) e Liana da Silva Fernandes (PQ). E-mail: carinedrescher@gmail.com Rua Riachuelo, CEP- 97050011, 115, apto 305.

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

O ESTÁGIO ENQUANTO ESPAÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE MONTES CLAROS, MG

O ESTÁGIO ENQUANTO ESPAÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE MONTES CLAROS, MG XXVIENANGRAD O ESTÁGIO ENQUANTO ESPAÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE MONTES CLAROS MG June Marize Castro Silva Martins Simarly Maria Soares Barbara Novaes Medeiros Leandro André

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUN 33/97. Dispõe sobre o perfil profissiográfico do Curso de Administração - Habilitações em Marketing e em Comércio Exterior, da FEA.

RESOLUÇÃO CONSUN 33/97. Dispõe sobre o perfil profissiográfico do Curso de Administração - Habilitações em Marketing e em Comércio Exterior, da FEA. RESOLUÇÃO CONSUN 33/97 Dispõe sobre o perfil profissiográfico do Curso de Administração - Habilitações em Marketing e em Comércio Exterior, da FEA. O Presidente do Conselho Universitário - CONSUN, no uso

Leia mais

PERFIL DAS ALUNAS CONCLUINTES DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO DA UNIVAP CONFORME A SUA PRÓPRIA PERCEPÇÃO

PERFIL DAS ALUNAS CONCLUINTES DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO DA UNIVAP CONFORME A SUA PRÓPRIA PERCEPÇÃO PERFIL DAS ALUNAS CONCLUINTES DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO DA UNIVAP CONFORME A SUA PRÓPRIA PERCEPÇÃO Michelle Chierecci 1, Cidália Gomes 2 1 UNIVAP, Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas, Avenida

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação

Leia mais

1. ATELIÊ PRODUIRE AU SUD / IMAGEM DOS POVOS DE COPRODUÇÃO CINEMATOGRAFICA internacional

1. ATELIÊ PRODUIRE AU SUD / IMAGEM DOS POVOS DE COPRODUÇÃO CINEMATOGRAFICA internacional 1. ATELIÊ PRODUIRE AU SUD / IMAGEM DOS POVOS DE COPRODUÇÃO CINEMATOGRAFICA internacional Os Workshops do PRODUIRE AU SUD foram criados em 2000 em Nantes, França, dentro do Festival dos 3 Continents a fim

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa 3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa O objetivo do presente estudo é o de avaliar um processo de comunicação oficial na organização STAR, uma organização do segmento de educação, sem fins lucrativos,

Leia mais

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN Gislene de Araújo Alves Universidade Federal do Rio Grande do Norte gislene_artes@hotmail.com

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais NASCIMENTO, C. C. S. 1 ;SILVEIRA, R. B. B. 2 ; MONTEFUSCO, C. 3 ; Resumo O projeto de ensino ora apresentado

Leia mais

PERFIL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (ICJ) NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE ENSINO DE CAMBORIÚ

PERFIL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (ICJ) NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE ENSINO DE CAMBORIÚ PERFIL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (ICJ) NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE ENSINO DE CAMBORIÚ Bruna Ketryn Borinelli 1 ; Thayna Andrea dos Santos 2 ; Sirlei de Fátima Albino 3 1.Aluna da Turma TA10,

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

Diplomacia pública. Conselheiro Marco Antonio Nakata

Diplomacia pública. Conselheiro Marco Antonio Nakata Diplomacia pública Conselheiro Marco Antonio Nakata Diplomacia pública mais de oitenta por cento de todas as descobertas científicas, invenções e avanços técnicos realizados pelo homem, aconteceram no

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E EDUCAÇÃO PÚBLICA TRABALHANDO EM CONJUNTO: O PROERD COMO UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO.

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E EDUCAÇÃO PÚBLICA TRABALHANDO EM CONJUNTO: O PROERD COMO UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E EDUCAÇÃO PÚBLICA TRABALHANDO EM CONJUNTO: O PROERD COMO UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO. DINIZ, Carlos Alberto Malveira 1 Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes carlosalbertodiniz@ymail.com

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais