CRISE DE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRISE DE"

Transcrição

1 CRISE DE 1929

2 Antecedentes ECONOMIA AMERICANA X EUROPA: 1914: dívida de US$ 3 bilhões. 1927: credor de US$ 11 bilhões. Produção industrial = 50% da produção industrial mundial.

3 Governo Republicano Três presidentes consecutivos republicanos: Warren G. Haring Calvin Coolidge Herbert Hoover. Liberalismo: Mínimo possível de intervenção do Estado.

4 CARACTERISTICAS DO LIBERALISMO NOS EUA A economia se regula de forma independente; Demanda praticamente inesgotável: Mercado europeu; Radicalismo liberal; Lei de Say: toda oferta gera a sua demanda,

5 INDÚSTRIA Novas tecnologias Linha de montagem (Henry Ford) Aumento da produção, Redução dos preços finais do produto, Expansão do seu consumo. Produzir sempre, cada vez mais.

6 em US$ AUMENTO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO DOS SALÁRIOS

7 SOCIEDADE 5% da população = 1/3 da renda. Governo liberal: Sem mecanismos de Segurança Social (aposentadoria, seguro desemprego). Aumento da pobreza. Redução da capacidade de consumo.

8 A RECUPERAÇÃO ECONÔMICA EUROPÉIA 1920: recuperação industrial. Queda na importação de produtos americanos. BANCOS DOS EUA: financiam a reconstrução econômica.

9 A Especulação na Bolsa de Valores Surto especulativo = 1927 a Compras e vendas de lotes gigantescos de ações, Mercado = valorização artificial de empresas.. Especulação = fator que mais agrava a saúde da economia dos EUA.

10 ENDIVIDAMENTO DAS EMPRESAS AUMENTO DOS ESTOQUES. QUEDA NAS VENDAS LEI DE SAY EMPRESTIMOS = AUMENTO DA PRODUÇÃO AUMENTO NO RITMO DE PRODUÇÃO FALSIFICAÇÃO DE BALANCETES

11 Passo a passo da Crise Superprodução: queda na margem de lucro do capitalista. Renda Per Capta: 1921: US$ : US$ 857

12 AGRICULTURA Não é atingido pelo Boom econômico. competição com o mercado externo. Investimentos: silos para estocagem. Dependência do setor financeiro (hipotecas).

13 MERCADO DE AÇÕES Até 1927: valorização diretamente ligada ao aumento da produção industrial. Após 1928: Especulação! : valorização de 300%. Ausência de regras no mercado.

14 CORRETAGEM Empréstimos para compra de ações: 1920: US$ 1 bilhão. 1926: US$ 6 bilhões. Crédito superior à base material da produção.

15 21/10/1929: 2ª FEIRA Venda de 6 milhões de ações. Baixas contínuas. Comportamento de baixas na 3ª feira.

16 24/10/1929: 5ª FEIRA NEGRA 13 milhões de ações negociadas. Nº ações superior ao nº de compradores. 11h30: PÂNICO NA BOLSA! Desatualização no ticket-page: queda em alta velocidade. 12h00: suspensão do pregão (Circuit Break)

17 12h00-14h00 Reunião no J.P.Morgan & Co. Decisão: fundo de US$ 30 bilhões para normalizar as cotações. Richard Whitney (vice-presidente da bolsa) compra ações para fortalecer as cotações. NOTÍCIA: Bancos salvam a bolsa. Volta a confiança no mercado.

18 25 e 26/10/1929 Sexta e Sábado. Pequenas quedas. Não há nenhuma tendência de alta. 27/10/1929: Domingo. Artigos de jornal tentam tranquilizar o mercado para sua reabertura na 2ª feira.

19 28/10/1929: 2ª feira Mais 3 milhões de ações são vendidas. Perdas maiores do que na 5ª feira negra. General Eletric: - 48ptos. Westinghouse: - 34 ptos. Bancos decidem não intervir. Empresas sólidas O preço das ações será determinado pela cotação de mercado = QUEDA.

20 29/10/1929: 3ª feira negra Desvalorização: US$ 14 bilhões. Ações perdem até 99% dos valores. Suicídios em NY. Crise geral: sem receber o dinheiro dos investidores, os corretores não conseguem pagar os empréstimos dos bancos. Sem capital, os bancos não conseguem repor o dinheiro das contas-correntes.

21 24/10/1929: os pequenos investidores perderam; 29/10/1929: os grandes investidores perderam. ESTADO: acumula capital, pois cobra 2% de impostos por cada venda de ação.

22

23 Gross Domestic Production

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40 Desemprego em % de desemprego (1932-3) Grã-Bretanaha Bélgica Suécia EUA Áustria Noruega Dinamarca Alemanha

CRISE DE

CRISE DE CRISE DE 1929 1. ANTECEDENTES 1.1. ECONOMIA AMERICANA: 1914: dívida de US$ 3 bilhões. 1927: credor de US$ 11 bilhões. Produção industrial = 50% da produção industrial mundial. 1. ANTECEDENTES 1.2. GOVERNO

Leia mais

A CRISE DE 1929: COLAPSO NO LIBERALISMO COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS

A CRISE DE 1929: COLAPSO NO LIBERALISMO COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS A CRISE DE 1929: COLAPSO NO LIBERALISMO COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O LIBERALISMO A teoria do LIBERALISMO ECONÔMICO ficou consagrada a partir de Adam Smith (1723-1790), e tem os seguintes pressupostos

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano CRISE DE 29 Colapso do sistema financeiro americano Antecedentes: Europa destruída pela grande guerra depende do capital americano; EUA responsável por 50% de toda produção industrial do mundo; American

Leia mais

Características gerais. Características gerais. Características gerais. Crise Europeia Crise Grega. Apresentação. Características gerais

Características gerais. Características gerais. Características gerais. Crise Europeia Crise Grega. Apresentação. Características gerais Crise Europeia Crise Grega Área agricultável: 63,8% do país; Principais produtos agrícolas: trigo, milho, cevada, beterraba, azeitona, uva, tabaco, batata, tomate e banana. Recursos naturais: linhito,

Leia mais

Análise do cenário econômico em um novo ambiente de baixos retornos

Análise do cenário econômico em um novo ambiente de baixos retornos Análise do cenário econômico em um novo ambiente de baixos retornos Marcelo Nazareth 26/07/12 NetQuant Tecnologia Financeira 1 Tópicos econômico-financeiros globais Estados Unidos Feroz batalha política

Leia mais

Os modelos econômicos capitalistas

Os modelos econômicos capitalistas Os modelos econômicos capitalistas Maturidade do Iluminismo Liberalismo Contexto: crise do Antigo Regime Aumento do individualismo Direitos Naturais: Vida Liberdade Propriedade Constituição Laissez-faire

Leia mais

O período entre guerras ( )

O período entre guerras ( ) O período entre guerras (1919-1939) American way of life Profª. Maria Auxiliadora Anos 20: Uma prosperidade enganadora Superprodução: Produção agrícola e industrial cresce mais do que o consumo; Acumulação

Leia mais

O período entre guerras ( ) Após a I Grande Guerra, o. mundo viveu desequilíbrios. econômicos, instabilidade. política e conflitos

O período entre guerras ( ) Após a I Grande Guerra, o. mundo viveu desequilíbrios. econômicos, instabilidade. política e conflitos O período entre guerras de conflitos e governos totalitários. (1919 1939) Após a I Grande Guerra, o mundo viveu desequilíbrios econômicos, instabilidade política e conflitos internacionais. Foi uma época

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

Brasil negativado, Brasil invertebrado

Brasil negativado, Brasil invertebrado Brasil negativado, Brasil invertebrado Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia UFRJ 1 Sumário I. Desenvolvimento econômico 1. Renda 2. Investimento 3. Inflação 4. Contas externas 5.

Leia mais

SIS ÊNCIA DAS DEMOCRACIAS LIBERAIS

SIS ÊNCIA DAS DEMOCRACIAS LIBERAIS A RESISTÊNCIA DAS DEMOCRACIAS LIBERAIS A ascensão dos regimes totalitários não eliminou os regimes democráticos liberais No início dos anos 30, o economista John Keynes pôs em causa a capacidade de o sistema

Leia mais

Integração e crise na Europa

Integração e crise na Europa Integração e crise na Europa Fatores de integração Político Arrefecimento das tendências conflitivas mantidas nas décadas anteriores Econômicas Benefícios para os países envolvidos com aumento Investimento

Leia mais

R E S U L T A D O S 4T12 / 2012

R E S U L T A D O S 4T12 / 2012 1 Informações Importantes Nós fazemos declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições de nossa Administração e informações

Leia mais

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006 O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado São Paulo, 06 de julho de 2006 Relação Moedas x Ouro - 01/1999=100 Cotação Ouro (onça-troy) - 100=12/2000 270

Leia mais

Brasil : Desenvolvimento econômico, social e institucional Uma análise comparativa

Brasil : Desenvolvimento econômico, social e institucional Uma análise comparativa Brasil 2011-14: Desenvolvimento econômico, social e institucional Uma análise comparativa Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia UFRJ 1 Sumário I. Desenvolvimento econômico 1. Renda

Leia mais

UMe Sobre a Um Investimentos

UMe Sobre a Um Investimentos UMe Sobre a Um Investimentos A UM INVESTIMENTOS é uma instituição financeira independente e atua no mercado financeiro há 44 anos. Atualmente é a maior corretora de investimentos brasileira nas redes sociais,

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2010

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2010 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2010 Setor de Sucos Exportação (US$ Milhares) Produtos Jan-Dez/10 Part% Jan-Dez/09 Part% Var % Alimentos Industrializados 37.853.764 100,00 30.861.776 100,00 22,7 Cap. 20. Preparações

Leia mais

Banco de Dados Nov/10

Banco de Dados Nov/10 Banco de Dados Nov/10 Movimento mundial de desvalorização do dólar. Enfraquecimento da moeda americana. Moedas asiáticas Tailândia, Malásia, Cingapura. Moedas dos países do leste europeu: Hungria, Polônia,

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2013 As exportações em junho apresentaram queda de -6,35% em relação a maio. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo a US$

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

Evolução Recente da Economia Brasileira

Evolução Recente da Economia Brasileira Evolução Recente da Economia Brasileira Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2008 1 Panorama Internacional 2 US$ bilhões EUA: Emissão de Commercial Papers (CP) por Empresas Não-Financeiras 2.400 subprime

Leia mais

Agência de Desenvolvimento do Estado de Baden-Württemberg

Agência de Desenvolvimento do Estado de Baden-Württemberg L-Bank: com garantia explícita, incondicional e irrevogável Agência de Desenvolvimento do Estado de Baden-Württemberg desde 1 de dezembro de 1998 1 Baden-Württemberg: o Estado 10% do território da Alemanha

Leia mais

ISLÂNDIA. Comércio Exterior

ISLÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISLÂNDIA Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 1 TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O ser humano trabalha quando cria a vida ou melhora as condições de vida. O trabalho transforma a natureza O trabalho também serve a estratificação está

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

Ações. acionista.com.br. eu sou, e você?

Ações. acionista.com.br. eu sou, e você? 2017 Ações acionista.com.br eu sou, e você? 1 Ações Ações na Bolsa de Valores, são pedaços de uma empresa disponíveis para que qualquer investidor comprar. Quando uma empresa é aberta, ela sede diversas

Leia mais

A PROSPERIDADE DOS EUA NOS ANOS 20

A PROSPERIDADE DOS EUA NOS ANOS 20 CRISE DE 1929: Ao final da Primeira Guerra, a indústria dos EUA era responsável por quase 50% da produção mundial. O país criou um novo estilo de vida: o american way of life. Esse estilo de vida caracterizavase

Leia mais

Comércio Mundial e Brasileiro

Comércio Mundial e Brasileiro EXTENSIVO 2016 Comércio Mundial e Brasileiro Camila Ferreira Década de 1990 Crise econômica mundial e brasileira Neoliberalismo Globalização Especulação Financeira Expansão do crédito fictício BOLHAS Banco

Leia mais

EXEMPLOS DE CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES A TERMO, SEM CONSIDERAR CORRETAGENS, EMOLUMENTOS, CUSTÓDIA E TRIBUTAÇÃO

EXEMPLOS DE CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES A TERMO, SEM CONSIDERAR CORRETAGENS, EMOLUMENTOS, CUSTÓDIA E TRIBUTAÇÃO EXEMPLOS DE CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES A TERMO, SEM CONSIDERAR CORRETAGENS, EMOLUMENTOS, CUSTÓDIA E TRIBUTAÇÃO Operação de hedge: Com o objetivo de proteção contra oscilações no preço do ouro, o Banco

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

Fala do Conselheiro Sérgio Haddad na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) - 10 de novembro de 2004.

Fala do Conselheiro Sérgio Haddad na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) - 10 de novembro de 2004. Fala do Conselheiro Sérgio Haddad na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) - 10 de novembro de 2004. Excelentíssimo Senhor Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva,

Leia mais

OGpar: Situação Atual após 3 anos em Recuperacão Judicial

OGpar: Situação Atual após 3 anos em Recuperacão Judicial Seminário APIMEC Reunião Pública OGpar: Situação Atual após 3 anos em Recuperacão Judicial Victor Rosenzvaig Relações com Investidores 20 de Outubro de 2016 Aviso Legal Este documento contém algumas afirmações

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2008

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2008 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2008 Setor de Sucos Jan-Dez/08 Part% Jan-Dez/07 Part% Var % ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS 33.301.385 100,00 26.622.758 100,00 20. Preparações de prods. 2.266.001 horticolas,frutas,etc.

Leia mais

Câmbio: Mecanismos de hedge. Reinaldo Gonçalves

Câmbio: Mecanismos de hedge. Reinaldo Gonçalves Câmbio: Mecanismos de hedge Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. Swap 2. Swap cambial reverso 3. Swap inter-bancário de moedas 4. Mercado de futuros (futures) 5. Mercado a termo

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Análise de Cenários Políticos e Econômicos

Análise de Cenários Políticos e Econômicos Análise de Cenários Políticos e Econômicos Aula 4: crises econômicas de 2008 e 2010 causas e consequências prof.dpastorelli@usjt.br www.danilopastorelli.wordpress.com na aula passada novos arranjos do

Leia mais

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 PIB em trajetória de queda; Produção em retração; Crescimento do desemprego; Aumento dos juros; Inflação em crescimento; Retração dos investimentos; Queda

Leia mais

Henrique de Campos Meirelles Outubro de 2008

Henrique de Campos Meirelles Outubro de 2008 Brasil: Resistência Frente à Crise Financeira Global Henrique de Campos Meirelles Outubro de 2008 1 Antecedentes A atual crise financeira tem origem no longo período de taxas de juros baixas nos EUA. O

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Janeiro 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Janeiro 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Janeiro 2016 As exportações paranaenses, em janeiro, apresentaram queda de -23,15% em relação a dezembro/15. O valor exportado atingiu a US$ 871 milhões, ficando,

Leia mais

American Way Of Life

American Way Of Life Crise de 1929 Ao final da Primeira Guerra, a indústria dos EUA era responsável por quase 50% da produção mundial. O país criou um novo estilo de vida: o american way of life. Esse estilo de vida caracterizava-se

Leia mais

Panorama Geral da crise grega:

Panorama Geral da crise grega: AS CONTAS PÚBLICAS DESSES PAÍSES FICARAM DESEQUILIBRADAS PORQUE ELES INTENSIFICARAM OS GASTOS A PARTIR DE 2008 PARA CONTER OS EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA MUNDIAL AO MESMO TEMPO, A CRISE FEZ COM QUE A ARRECADAÇÃO

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO. Globalização e a Crise Econômica Mundial

GLOBALIZAÇÃO. Globalização e a Crise Econômica Mundial GLOBALIZAÇÃO Globalização e a Crise Econômica Mundial TRÊS FLUXOS DA GLOBALIZAÇÃO FLUXOS DE INFORMAÇÃO FLUXOS COMERCIAIS FLUXOS FINANCEIROS FLUXOS DE INVESTIMENTOS NEOLIBERALISMO (DÉC. 1980) - Privatizações;

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE. Marcelo Barros Amanda Aires

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE. Marcelo Barros Amanda Aires CENÁRIO ECONÔMICO ASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE Marcelo Barros Amanda Aires SUMÁRIO Breve retrospectiva Demanda agregada Oferta agregada Crise política (contexto econômico) Emprego Análise de cenários PIB

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 80 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 80 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 80 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O desempenho financeiro do BNDES, fusões e Petrobrás 1 Lucro do BNDES foi de R$ 5,47 bilhões no

Leia mais

Cenário Econômico para Dezembro / Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Cenário Econômico para Dezembro / Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico para 2010 Dezembro / 2009 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 O Crescimento do PIB em 2009 2 PIB no 3º Tri/2009 : Crescimento trimestral de 1,3% O PIB do 3º Tri/09 registrou

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

24/02/2017. Prof. Elisson de Andrade

24/02/2017. Prof. Elisson de Andrade Prof. Elisson de Andrade eapandra@uol.com.br 1 Quero comprar um imóvel para investir. Espero receber aluguéis desse imóvel ao longo de 5 anos e vendê-lo valorizado, fazendo assim um bom lucro Problema

Leia mais

Relatório de Mercado Semanal

Relatório de Mercado Semanal Boletim Focus Relatório de Mercado Focus Fonte:Banco Central Cenário A semana que passou foi marcada pelo forte movimento de correção nas bolsas mundiais ocorrido na sexta-feira (9), após declarações hawkish

Leia mais

BRASIL BREVE HISTÓRIA RECENTE E COMO VOLTAR A CRESCER? Carlos Alberto Sardenberg São Paulo, 16 de setembro de

BRASIL BREVE HISTÓRIA RECENTE E COMO VOLTAR A CRESCER? Carlos Alberto Sardenberg São Paulo, 16 de setembro de BRASIL BREVE HISTÓRIA RECENTE E COMO VOLTAR A CRESCER? Carlos Alberto Sardenberg São Paulo, 16 de setembro de 2015 www.sardenberg.com.br FIM D0 CCCC Real e ajuste China Comodities Crédito Consumo 1997

Leia mais

Apresentação. Maio 2017

Apresentação. Maio 2017 Apresentação Maio 2017 Por que investir na SUZANO? Estratégia para Maximizar o Retorno sobre o Capital Investido Vantagens Competitivas e Posição de Liderança na Indústria Forte Geração de Caixa Estratégia

Leia mais

Marco Abreu dos Santos

Marco Abreu dos Santos Unidade 01 Capítulo 2 Economia na República Velha Marco Abreu dos Santos marcoabreu@live.com www.professormarco.wordpress.com O café na República Velha Economia Principal produto da economia brasileira.

Leia mais

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista Renda Variável O produto As operações no mercado de câmbio contemplam a negociação de moedas estrangeiras entre participantes com diferentes objetivos. Podem ser divididas, basicamente, em operações do

Leia mais

Evolução do capitalismo

Evolução do capitalismo Evolução do capitalismo EVOLUÇÃO DO CAPITALISMO Prof. JÚLIO CÉSAR GABRIEL http://br.groups.yahoo.com/group/atualidadesconcursos Modo de produção Maneira como o seres humanos se organizam para produzirem

Leia mais

Um Simulador de um Ambiente de Negociação na Bolsa de Valores Baseado em Sistemas Multi- Agentes. Diêgo Bispo Conceição

Um Simulador de um Ambiente de Negociação na Bolsa de Valores Baseado em Sistemas Multi- Agentes. Diêgo Bispo Conceição Um Simulador de um Ambiente de Negociação na Bolsa de Valores Baseado em Sistemas Multi- Agentes. Diêgo Bispo Conceição diego.bispo@gmail.com Agenda Introdução SMA e Mercado Financeiro Limitações do MASSES

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NO ESPAÇO LUSÓFONO

CORPORATE GOVERNANCE E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NO ESPAÇO LUSÓFONO ISCTE Brings Us Together 2015 Parcerias, Governo, Sociedade e Mercado CORPORATE GOVERNANCE E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NO ESPAÇO LUSÓFONO José Esperança Jorge Lengler AGENDA Corporate governance no mundo

Leia mais

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente?

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente? 1-Estruture o Balanço Patrimonial da Cia Alfa com os dados a seguir (em $ milhões - empresa comercial): (não há problema se sobrarem linhas...) Caixa 100; Ações de Outras Companhias 1.000; Fornecedores

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Relatório de Mercado Semanal

Relatório de Mercado Semanal Boletim Focus Relatório de Mercado Focus Fonte:Banco Central Cenário A semana contou com a divulgação de importantes dados do cenário interno e, principalmente, do cenário externo, dentre eles: vendas

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2016 As exportações paranaenses, em março, apresentaram aumento de +48,60% em relação a fevereiro. O valor exportado atingiu a US$ 1,490 bilhão, o mais

Leia mais

MERCADO MADEIRA SERRADA

MERCADO MADEIRA SERRADA Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente Painel: A MADEIRA NO MERCADO - DESAFIOS, APLICAÇÕES E USOS MERCADO MADEIRA SERRADA Curitiba, 08 de Março de 2016 Mercado Brasileiro

Leia mais

LISTA 5A FIXAÇÃO CONCEITUAL. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro

LISTA 5A FIXAÇÃO CONCEITUAL. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 1 LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Produto potencial, produto efetivo e produtividade 2) Determinantes da produção e da produtividade de um país 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança,

Leia mais

Terça-Feira, 10 de janeiro de 2017

Terça-Feira, 10 de janeiro de 2017 Terça-Feira, 10 de janeiro de 2017 Bom dia, Prévia do IGP-M acelera. Agora pela manhã saiu a primeira leitura do IGP-M referente ao mês de jan/17, registrando avanço de 0,86%. As projeções de mercado estavam

Leia mais

As principais empresas produtoras e seus percentuais de produção no Brasil são:

As principais empresas produtoras e seus percentuais de produção no Brasil são: 24 O Brasil é o décimo quinto maior produtor de Minério de, com produção em de 4 mil toneladas. Em, o IBRAM estima que o País poderá atingir 45 mil toneladas. Espera-se um crescimento mais significativo

Leia mais

Segunda-Feira, 26 de Setembro de 2016

Segunda-Feira, 26 de Setembro de 2016 Segunda-Feira, 26 de Setembro de 2016 Bom dia, Inflação continua em trajetória de arrefecimento no Boletim Focus. As estimativas médias do mercado para todos os índices que mensuram a variação de preços

Leia mais

UMe Sobre a Um Investimentos

UMe Sobre a Um Investimentos UMe Sobre a Um Investimentos A UM INVESTIMENTOS é uma instituição financeira independente e atua no mercado financeiro há 44 anos. Atualmente é a maior corretora de investimentos brasileira nas redes sociais,

Leia mais

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Hildo Meirelles de Souza Filho Ciclos do crescimento 1947-1980, taxas de crescimento do PIB 15,0 10,0 5,0-1948 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Agosto / Análise Conjuntural. Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência

Agosto / Análise Conjuntural. Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência Agosto / 2012 Análise Conjuntural Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência 1 Mecanismos de crescimento da economia brasileira após 2003 2 Variação do PIB ((% a.a) China e Índia não acompanham

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA OPERAR MINI CONTRATOS

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA OPERAR MINI CONTRATOS TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA OPERAR MINI CONTRATOS 1 O QUE SÃO OS CONTRATOS FUTUROS? São contratos de compra e venda padronizados, notadamente no que se refere às características do produto negociado,

Leia mais

Mercados e Instrumentos Financeiros II. Fundamentos de Opções. Mercados Futuros. Hedge com Futuros e Opções. Fundamentos de Opções

Mercados e Instrumentos Financeiros II. Fundamentos de Opções. Mercados Futuros. Hedge com Futuros e Opções. Fundamentos de Opções Mercados e Instrumentos Financeiros II 2 Carlos R. Godoy 22 Agenda da Aula - Aula ) Opções e Futuros comparativo 2) Termos usados 3) Tipos de opções 4) Representação de resultados com opções 5) Denominação

Leia mais

Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro. Prof. Dr. Alberto Borges MaAas

Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro. Prof. Dr. Alberto Borges MaAas Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro Prof. Dr. Alberto Borges MaAas Alberto Borges Ma.as Professor Titular do Departamento de Administração da FEA- RP/USP Graduado,

Leia mais

O contexto macroeconómico e a economia do mar

O contexto macroeconómico e a economia do mar O contexto macroeconómico e a economia do mar João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística 3 abril 2014 MAREECOFIN PwC Economia e Finanças do Mar Reunião de Primavera Iniciativas de difusão

Leia mais

Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF

Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF 25 Março de 2009 Conjuntura marcada pela crise Produto Interno Bruto do país teve queda de 3,6%

Leia mais

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Setembro/16 PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Resultados do PIB no 2º Trimestre de 2016 2 O PIB completa sexto trimestre seguido de queda Fonte:

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2015

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2015 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2015 As exportações paranaenses, em novembro, apresentaram queda de -16,67% em relação a outubro. O valor exportado atingiu a US$ 1,007 bilhão, ficando,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Após maio fraco, geração de empregos volta a acelerar...

Leia mais

EUROPEAN CONSUMER PAYMENT REPORT. Portugal

EUROPEAN CONSUMER PAYMENT REPORT. Portugal EUROPEAN CONSUMER PAYMENT REPORT Portugal 216 1 A Intrum Justitia recolheu dados de 21.317 consumidores em 21 países europeus para adquirir o conhecimento da vida quotidiana dos consumidores europeus;

Leia mais

Lucros extraordinários da GALP aumentaram 228,6 % no 1º trimestre de 2008 Pág. 1

Lucros extraordinários da GALP aumentaram 228,6 % no 1º trimestre de 2008 Pág. 1 Lucros extraordinários da GALP aumentaram 228,6 % no 1º trimestre de 2008 Pág. 1 A GALP acabou de apresentar publicamente as contas referentes ao 1º Trimestre de 2008. E numa altura em que são exigidos

Leia mais

Rogério Tostes A COMUNICAÇÃO MÓVEL NO BRASIL

Rogério Tostes A COMUNICAÇÃO MÓVEL NO BRASIL Rogério Tostes A COMUNICAÇÃO MÓVEL NO BRASIL 0 Agenda O Mercado Brasileiro A Virada da TIM Perspectivas para o 4T 2010 1 Notes O Brasil está em um momento fantástico PIB Crescimento real do PIB em 2010

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente A economia brasileira e o financiamento do investimento 24 de Maio 2012 Luciano Coutinho Presidente 1 Mundo: Incertezas continuam Brasil: Indústria afeta expectativa de crescimento em 2012 Europa: risco

Leia mais

Apresentação NDR Agosto 2017

Apresentação NDR Agosto 2017 Apresentação NDR Agosto 2017 Por que investir na Suzano? Estratégia para Maximizar o Retorno sobre o Capital Investido Vantagens Competitivas e Posição de Liderança na Indústria Forte Geração de Caixa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 03 TAYLORISMO, LIBERALISMO ECONÔMICO E A CRISE DE 1929

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 03 TAYLORISMO, LIBERALISMO ECONÔMICO E A CRISE DE 1929 GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 03 TAYLORISMO, LIBERALISMO ECONÔMICO E A CRISE DE 1929 Como pode cair no enem Leia um texto publicado no jornal Gazeta Mercantil. Esse texto é parte de um artigo que analisa

Leia mais

MATERIAL PREPARADO PELA PROFESSORA CAMILA BASEADO NO LIVRO ECONOMIA POLÍTICA, DE JOSÉ PAULO NETTO E MARCELO BRAZ CAPÍTULO 5 A ACUMULAÇÃO CAPITALISTA

MATERIAL PREPARADO PELA PROFESSORA CAMILA BASEADO NO LIVRO ECONOMIA POLÍTICA, DE JOSÉ PAULO NETTO E MARCELO BRAZ CAPÍTULO 5 A ACUMULAÇÃO CAPITALISTA Economia Política MATERIAL PREPARADO PELA PROFESSORA CAMILA BASEADO NO LIVRO ECONOMIA POLÍTICA, DE JOSÉ PAULO NETTO E MARCELO BRAZ CAPÍTULO 5 A ACUMULAÇÃO CAPITALISTA E MOVIMENTO DO CAPITAL Acumulação

Leia mais

Economia Brasileira em Perspectiva

Economia Brasileira em Perspectiva 13 de agosto - 2010 O relatório é publicado bimestralmente pelo Ministério da Fazenda Essa versão do Relatório correspondente ao bimestre junho/julho foi divulgada no dia 10/08. Seu objetivo é apresentar

Leia mais

Mapa do Comércio Encontros Regionais Cabo Frio, março/2017 Flávia Oliveira

Mapa do Comércio Encontros Regionais Cabo Frio, março/2017 Flávia Oliveira Mapa do Comércio Encontros Regionais Cabo Frio, março/2017 Flávia Oliveira 1. Ambiente de recuperação 2. Fatores de incerteza 3. Oportunidades na crise 4. Tendências de longo prazo Taxa básica de juros

Leia mais

O impacto da crise do subprime nas variáveis macroeconômicas brasileiras

O impacto da crise do subprime nas variáveis macroeconômicas brasileiras PCA 2009 O impacto da crise do subprime nas variáveis macroeconômicas brasileiras Autores: Ariel de Lazari dos Santos (Colégio Salesiano Região Oceânica) Mateus Valim Coutinho de Souza (Colégio Marília

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA!

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Um breve passeio pela história... 70 e 80 = país sustentado por sua vocação agrícola. 1989 = inflação alcançava quase 2.000% ao ano! 1990 = abertura às importações

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

SAFRAS PERSPECTIVAS PARA A SOJA EM 2009

SAFRAS PERSPECTIVAS PARA A SOJA EM 2009 SAFRAS & Mercado PERSPECTIVAS PARA A SOJA EM 2009 1700 1600 1500 1400 SOJA - CBOT X PETRÓLEO - NYMEX 1658,00 Soja 145,45 Petróleo 150 140 130 120 US$ cents/bushel 2008 16-jan 31-jan 14-fev 29-fev 14-mar

Leia mais

Resultados 1º Trimestre de de Abril de 2017

Resultados 1º Trimestre de de Abril de 2017 Resultados 1º Trimestre de 2017 28 de Abril de 2017 Principais Destaques R$ mil 1T17 Alimentar Multivarejo Assaí Variação vs. 1T16 1T17 Variação vs. 1T16 1T17 Variação vs. 1T16 Receita líquida 10,552 +6.7%

Leia mais

Resultados 1º Trimestre de de Abril de 2017

Resultados 1º Trimestre de de Abril de 2017 Resultados 1º Trimestre de 2017 28 de Abril de 2017 Principais Destaques R$ mil 1T17 Alimentar Multivarejo Assaí Variação vs. 1T16 (1) EBITDA e Lucro líquido (prejuízo) ajustados por Outras Receitas e

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para operar Mini Contratos

Tudo o que você precisa saber para operar Mini Contratos Tudo o que você precisa saber para operar Mini Contratos Desenvolvido por André Moraes 1 Conteúdo O que são os contratos futuros?... 03 Mini Contratos... 04 Tipos de Mini Contratos... 05 Vantagens... 06

Leia mais