1. Monitorização. Índice. 1.1 Principais pontos críticos Pontos críticos directos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Monitorização. Índice. 1.1 Principais pontos críticos Pontos críticos directos"

Transcrição

1 Monitorização e Gestão do Servidor de Índice 1. Monitorização Principais pontos críticos Pontos críticos directos Pontos críticos indirectos Características a monitorizar Outras características Gestão Actuação sobre alguns dos pontos críticos Gestão das configurações Eventos e notificações Tipos de eventos Notificações...6 Referências Neste documento pretende-se analisar os passos necessários para fazer a monitorização e a gestão dos servidores de . Esta análise é feita sobre o modelo de servidor de anteriormente proposto. Numa primeira parte é feita a apresentação das características a monitorizar e o modo como esta será efectuada. Na segunda parte são apresentadas algumas operações de gestão que podem ser realizadas no sentido de actuar sobre os principais pontos críticos. Por fim, na terceira parte são descritos os vários tipos de eventos e as notificações que podem gerar. 1. Monitorização 1.1 Principais pontos críticos O funcionamento de um servidor de exige se sejam cumpridos alguns pontos que são considerados críticos para o seu funcionamento. São considerados, como pontos críticos todos aqueles que não consigam satisfazer os requisitos exigidos para o seu funcionamento. De modo a facilitar a exposição destes pontos críticos, decidiu-se divididos em dois tipos: Pontos críticos directos São aqueles que têm origem no servidor de , isto é, por todos estes pontos o servidor é responsável pelos mesmos. Pontos críticos indirectos Estes são aqueles em que o servidor de não tem controlo sobre os mesmos. Normalmente relacionados com o Sistema Operativo Pontos críticos directos As filas de espera Estas merecem muita atenção, pois são as filas que vão garantir alguns dos requisitos não funcionais como a fiabilidade, desempenho, robustez, etc. O escalonamento das mensagens é em parte influenciado pelo funcionamento e o estado das filas. Fluxo das mensagens alertas em caso de congestionamento. Capacidade de processamento Aqui tem-se em atenção o tempo de resposta do servidor, que está relacionado com o desempenho e a robustez do servidor. Actualização de valores (*) As alterações de valores, por exemplo: das tabelas, de ficheiros ou da base de dados, têm que ser monitorizadas as ocorrências de erros caso as existiam. Contas dos utilizadores Número total de utilizadores e as capacidades das suas caixas de . servidor_ _monitorizacao_v2.odt Página 1 de 7

2 1.1.2 Pontos críticos indirectos Processos Todos os processos relacionados com o funcionamento do servidor de devem ser monitorizados. Por exemplo, alguns processos que não se tem o conhecimento de seu estado, podem ser utilizados para possíveis acessos não autorizado ao sistema. Partilha de recursos É necessário ter em atenção alguns dos recursos partilhados por parte dos processos, para evitar problemas de concorrência no seu acesso. Em principio o Sistema Operativo deve ser capaz de efectuar o escalonamento de recursos partilhados. Por exemplo, na escrita e leitura das mensagens da caixa de . Recursos externos Em caso de recorrer a recursos externos, estes também devem ser monitorizados, de modo a verificar que estes estão a responder correctamente aos pedidos do servidor de . Por recursos externos entende-se que são recursos como a base de dados, o servidor de DNS, o servidor LDAP, o servidor de consulta das Listas Negras, etc. Assim deve-se monitorizar alguns de recursos disponibilizados por terceiros, ou pelo menos verificar que existe a comunicação entre estes. Interfaces de rede As interfaces de rede devem ser monitorizados, pois estas permitem a ligação com a rede, tanto à intranet como à Internet Acesso às caixas de Depende do formato das caixas de (mailbox, maildir ou outro formato), que pode levantar o problema de concorrência de recursos. servidor_ _monitorizacao_v2.odt Página 2 de 7

3 1.2 Características a monitorizar De seguida apresenta-se uma visão geral dos pontos críticos a ter em conta: Na entrada Directo Estado do processo responsável pela recepção local. Estado da interface de rede. O ficheiro ou a tabela responsável pelo controlo de acessos. Pois deve-se registar as tentativas de acessos não autorizado ao sistema. Verificar o estado do processo em questão. Verificar o estado da interface de rede. Deve-se verificar se comunicação ao recurso em questão é feita correctamente. Consulta de um log, para verificar os acessos não autorizados. Na espera e processamento A comunicação com as configurações (ficheiros ou outro tipo de suporte) de funcionamento do servidor de . As configurações, por exemplo podem ser: as permissões de acesso aos recursos do servidor, as configurações dos vários filtros, as contas dos aliseses, etc. Caso exista, monitorizar os resultados das acções dos filtros anti-spam, entre outros. Essencialmente pela consulta dos diversos logs de registo, para simplificar a consulta dos mesmos pode-se aplicar filtros para separação dos vários tipos de mensagens por categorias. Verificar o estado do funcionamento do filtros anti-spam. Também pela consulta dos logs de registo desses mesmos filtros. servidor_ _monitorizacao_v2.odt Página 3 de 7

4 Na entrega A capacidade das caixas de e os resultados da escrita/leitura dos s. Ligação à Internet. Caso exista outros tipos de transportes ou interfaces de entrega, deve-se também proceder à monitorização da comunicação entre ambas as partes. Os utilizadores do sistema. Verificar o espaço em termos de capacidade disponibilizado para as caixas de . A ocorrência de erros no seu acesso pode ser consulta nos logs de registo, mas depende do tipo de formato das caixas de utilizadas. Verificação do estado da interface de rede, e por efectuar pings aos hosts de serviços externos. Essencialmente pela verificação de disponibilidade do serviço, por exemplo pode ser verificado com um simples ping ou outro tipo de mecanismo semelhante. Consulta do número de utilizadores. Em geral Directo Directo O estado dos processos relativos ao funcionamento do servidor de . A utilização dos recursos partilhados, nomeadamente das caixas de . Monitorizar todos os dados necessários para gerar informações estatísticas do funcionamento do servidor de . O estado das filas de espera. 1.3 Outras características Verificar no Sistemas Operativo, pelo estado dos processos em questão. Caso existam erros no acesso aos recursos partilhados, deve-se gerar uma notificação para a estação de gestão. Registo das operações e dos dados obtidos em ficheiros, posteriormente a sua consulta. Verificação do número de mensagens em cada fila de espera. Mensagens nas filas de espera Deve ser possível a sua listagem, filtragem e o controlo sobre as mesmas (por exemplo mudança de fila) Monitorização dos vários serviços normalmente monitorizadas nos equipamentos de rede, como por exemplo: Tráfego; Tempo de serviço; Ligações; Taxas de transferência na rede; Utilização da memória; etc... Estatísticas dos utilizadores, como por exemplo - Último acesso, as suas mensagens, o volume ocupado. Funcionamento do servidor - Periodicamente verificar o seu funcionamento e os erros gerados pelos protocolos. Domínios e servidores autorizados. Estatísticas das ligações, como por exemplo o número de clientes com ligações activas. servidor_ _monitorizacao_v2.odt Página 4 de 7

5 2. Gestão A monitorização permite ter uma visão do funcionamento do sistema. Por sua vez, a recolha dos dados permite gerar informações estatísticas que podem ser utilizadas para realizar a optimização do sistema, ou seja, esta optimização conseguida pela gestão do servidor de Actuação sobre alguns dos pontos críticos Filas de espera, por exemplo a possibilidade de alteração das mensagens de uma fila para a outra. Bem como a actuação sobre o escalonamento. Mudança do estado do servidor: Activo/Desactivo. Controlo sobre o estado dos principais processos. As configurações dos vários tipos de filtros. Algumas das configurações no protocolo, como por exemplo: mudar o porto para outro valor. 2.2 Gestão das configurações O objectivo aqui é poder fazer alterações das configurações que são fundamentais no funcionamento do servidor de . Como por exemplo: O tipo de caixa de . Os domínios autorizados a utilizar os recursos. Capacidade das filas de espera. Definir novos ou alterar os aliases.(? não sei se é fácil, por snmp?)... servidor_ _monitorizacao_v2.odt Página 5 de 7

6 3. Eventos e notificações Normalmente os servidores de mail têm os seus logs de registo divididos por tipos de eventos. O objectivo consiste em monitorizar esses eventos e gerar notificações para determinados tipos de eventos. 3.1 Tipos de eventos Os tipos de eventos referem-se geralmente à gravidade da ocorrência [3] [4]: Tipo Critico (Critical) Erro (Error) Aviso (Warning) Informação (Info) Depuração (Debug) Um tipo de evento muito grave, que compromete o desempenho e que afecta todos os utilizadores do sistema. Por exemplo interface de rede que não esta activa, ou quando não existe conectividade com a base de dados. Normalmente, estes eventos afectam apenas alguns utilizadores. O servidor de continua a funcionar mas baixa o seu QoS. Eventos que não afectam directamente o funcionamento do servidor de . Por exemplo: falha na autenticação de um utilizador. Estes eventos estão relacionados com as transacções e o estado de alguns processos. Por exemplo, evento do tipo: utilizador X acabou de se autenticar. Eventos que podem ser importantes para depuração de problemas. 3.2 Notificações O agente deve gerar mensagens TRAP em caso de ocorrência de eventos do tipo Critico. Podendo eventualmente, gerar também em alguns casos do tipo Erro. Deve-se definir o tipo de informações a enviar juntamente com as notificações, devendo esta informação ser relevante para se identificar o problema. Também se geram notificações quando determinados valores que são monitorizados atingem um limite definido. Como por exemplo: quando uma fila de espera atinge um determinado número de mensagens. servidor_ _monitorizacao_v2.odt Página 6 de 7

7 Referências [1] Kyle Dent. Postfix: The Definitive Guide. O Reilly Media, Inc., 1st edition, December [2] Postfix Web Page. [3] zimbra [4] Microsoft Exchange Server 2003 Administrator's Companion servidor_ _monitorizacao_v2.odt Página 7 de 7

1. Monitorização. Índice. 1.1 Principais pontos críticos

1. Monitorização. Índice. 1.1 Principais pontos críticos Monitorização e Gestão do Servidor de Email ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ Índice 1. Monitorização...1 1.1 Principais

Leia mais

Monitorização do Servidor de

Monitorização do Servidor de Monitorização do Servidor de Email Neste documento pretende-se descrever os principais pontos críticos do funcionamento dos servidores de email. Esta análise é feita sobre o modelo de servidor de email

Leia mais

UNIDADE 2 Utilitários de Sistema

UNIDADE 2 Utilitários de Sistema UNIDADE 2 Utilitários de Sistema 1 1. Categorização dos utilitários do sistema 1.1. Ferramentas de gestão de ficheiros 2 Ferramentas de gestão de ficheiros A quantidade de dados que os sistemas informáticos

Leia mais

Introdução ao Windows. Breve Evolução

Introdução ao Windows. Breve Evolução Introdução ao Windows Breve Evolução Introdução ao Windows MSDOS Comercializado pela Microsoft em 1981 para o IBM PC; Sistema Operativo Monotarefa; A última versão foi em 1994 (6.22). Introdução ao Windows

Leia mais

Principais correcções efectuadas

Principais correcções efectuadas GIAE Versão 2.1.0 15 Março de 2011 Com o objectivo de unificar a versão em todos os módulos do GIAE, incluindo o GestorGIAE, todos os módulos são actualizados para a versão 2.1.0. Muito Importante: Antes

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Sistemas Operativos - 12º 1PI

Planificação Anual da Disciplina de Sistemas Operativos - 12º 1PI Módulo3-24Blocos Planificação Anual da Disciplina de Sistemas Operativos - 12º 1PI. Conhecer o enquadramento Sistema Operativo Windows Server Introdução ao S. O. Windows Server histórico do Windows Server

Leia mais

Relatório de Análise de Requisitos (24/05/2002 Versão 2.0) Gestão de Beneficiários P7

Relatório de Análise de Requisitos (24/05/2002 Versão 2.0) Gestão de Beneficiários P7 Relatório de Análise de Requisitos (24/05/2002 Versão 2.0) Gestão de Beneficiários P7 Eduardo Abreu ei98020@fe.up.pt Miguel David ei98019@fe.up.pt Nuno Ferreira ei98003@fe.up.pt Tiago Silva ei98015@fe.up.pt

Leia mais

Windows Server 2012: Aprenda a instalar o Active Directory

Windows Server 2012: Aprenda a instalar o Active Directory Windows Server 2012: Aprenda a instalar o Active Directory Date : 26 de Novembro de 2014 O Windows Server 2012 foi desenhado para garantir o melhor desempenho, segurança e para ser simples de utilizar

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Gestão de Redes Informáticas

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Gestão de Redes Informáticas INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

Sistemas Operativos. Luís Paulo Reis. Sistemas Operativos. Sumário

Sistemas Operativos. Luís Paulo Reis. Sistemas Operativos. Sumário Sistemas Operativos Luís Paulo Reis Slide Nº 1 Sistemas Operativos Sumário O que é um Sistema Operativo (SO)? Modelo em Camadas de um SO Abstracções Suportadas por um SO: Utilizador Processo Ficheiro /

Leia mais

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER CONTEÚDOS Nº HORAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO. (30 x 45 ) Windows XP Office 2003 Internet Explorer

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER CONTEÚDOS Nº HORAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO. (30 x 45 ) Windows XP Office 2003 Internet Explorer PROFESSORES: Vasco Travassos /Alexandra Aragão *** GRUPO DISCIPLINAR: INFORMÁTICA [550] Módulo 1 - Introdução aos Sistemas Operativos Funções e características de um SO. Processos concorrentes. O Núcleo

Leia mais

Deverá efectuar uma leitura atenta das presentes instruções antes de executar qualquer tarefa no SIC.

Deverá efectuar uma leitura atenta das presentes instruções antes de executar qualquer tarefa no SIC. OFÍCIO CIRCULAR ASSUNTO: Instruções para iniciar o ano 2012 nos organismos com Contabilística (SIC) implementado. Deverá efectuar uma leitura atenta das presentes instruções antes de executar qualquer

Leia mais

earte Portal de Arte e Cultura

earte Portal de Arte e Cultura v 2.0 Tutorial Guia Rápido de Utilização 2008-2011 SIQuant Engenharia do Território e Sistemas de Informação, Lda. Web: www.siquant.pt E-mail: mail@siquant.pt Copyright SIQuant 2008-2011. Todos os direitos

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 146/7

Jornal Oficial da União Europeia L 146/7 8.6.2007 Jornal Oficial da União Europeia L 146/7 REGULAMENTO (CE) N. o 633/2007 DA COMISSÃO de 7 de Junho de 2007 que estabelece requisitos para a aplicação de um protocolo de transferência de mensagens

Leia mais

Mecanismos de Autenticação

Mecanismos de Autenticação Mecanismos de Autenticação ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ Índice 1. Introdução...1 1.2 Mecanismos de autenticação...1

Leia mais

BMLABEL MANUAL DO UTILIZADOR

BMLABEL MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Ao executar o programa abre-se uma janela com a lista das empresas registadas e 2 menus activos: Menu Seleccionar para seleccionar a empresa. Menu Sair para sair da aplicação. Para

Leia mais

Solução em AntiSpam em Nuvem. Filtre mais de 99,98% dos s indesejados!

Solução em AntiSpam em Nuvem. Filtre mais de 99,98% dos  s indesejados! BluePex Security Mail - ANTISPAM Especificações Técnicas Mínimas Solução para antispam Fabricante A BluePex, empresa brasileira de controle e segurança da informação é a fabricante da solução em Antispam.

Leia mais

A metodologia seguida neste estudo assenta em três aspectos fundamentais:

A metodologia seguida neste estudo assenta em três aspectos fundamentais: 1 OBJECTIVO Com este estudo pretende-se analisar o desempenho dos Serviços de Mensagens Curtas (SMS) e de Mensagens Multimédia (MMS) que se suportam nas redes móveis GSM/UMTS portuguesas, numa configuração

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Análise de Requisitos

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Análise de Requisitos FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Análise de Requisitos 24 de Fevereiro de 2011 Índice 1 Introdução... 3 Apresentação do Documento... 3 2 Especificação de Requisitos... 4 2.1 Requisitos

Leia mais

GIAE VERSÃO SETEMBRO DE 2011

GIAE VERSÃO SETEMBRO DE 2011 GIAE VERSÃO 2.1.2 8 SETEMBRO DE 2011 Com o objectivo de unificar a versão em todos os módulos do GIAE, incluindo o GestorGIAE, todos os módulos são actualizados para a versão 2.1.2. Muito Importante: Antes

Leia mais

Anexo II Sistema BPnet. DESCRIÇÃO DO SISTEMA BPnet

Anexo II Sistema BPnet. DESCRIÇÃO DO SISTEMA BPnet Anexo à Instrução nº 30/2002 Anexo II Sistema BPnet DESCRIÇÃO DO SISTEMA BPnet Versão: v1.0 Data de elaboração: 2002-09-30 O QUE É O SISTEMA? O BPnet é um sistema de comunicação electrónica que tem por

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes NetFlow e Syslog Prof. João Henrique Kleinschmidt Syslog Escreve mensagens de sistema em um log Permite a um dispositivo enviar notificações de eventos a coletores

Leia mais

Segurança Informática e nas Organizações. Guiões das Aulas Práticas

Segurança Informática e nas Organizações. Guiões das Aulas Práticas Segurança Informática e nas Organizações Guiões das Aulas Práticas André Zúquete 1 e Hélder Gomes 2 1 Departamento de Eletrónica, Telecomunicações e Informática 2 Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DO ORÇAMENTO

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DO ORÇAMENTO Exmo. Senhor OFÍCIO CIRCULAR 2009 Assunto: Instruções para iniciar o ano 2009 nos organismos com Sistema de Informação Contabilística (SIC) implementado. Deverá efectuar uma leitura atenta das presentes

Leia mais

Manual do Utilizador do Connection Manager

Manual do Utilizador do Connection Manager Manual do Utilizador do Connection Manager Edição 1.0 2 Índice Sobre a aplicação Gestor de ligações 3 Actualizar a aplicação Gestor de ligações 9 Resolução de problemas de ligação 10 Como começar 3 Abrir

Leia mais

Revisor Data da Revisão Controlo de Versão. Natalia Costa, Carlos Costa 13/02/

Revisor Data da Revisão Controlo de Versão. Natalia Costa, Carlos Costa 13/02/ REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA REDE DE INFORMAÇÃO DA SAÚDE Revisor Data da Revisão Controlo de Versão Natalia Costa, Carlos Costa 13/02/2017 2.0 A Rede de Informação da Saúde (RIS) é uma rede privada multimédia

Leia mais

Visão de Modernização

Visão de Modernização Projecto Serviços de Desenvolvimento e Operação do Centro de Apoio Tecnológico às Escolas Públicas do Ensino Básico e do Ensino Secundário e aos organismos do Ministério da Educação Visão de Modernização

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede computadores Utilização do Ping e Tracert 1 Objectivo

Leia mais

Compras Adicionar itens Tarefa 3c Concluir compra Compras Conclusão da Compra Tarefa 4a Manter janela de compras aberta e fazer

Compras Adicionar itens Tarefa 3c Concluir compra Compras Conclusão da Compra Tarefa 4a Manter janela de compras aberta e fazer Relatório da Aula 2 de Laboratório de CCU Círculo de Leitores Análise de Serviços Grupo 516A-001 45570 Ricardo Maurício, 46993 Vasco Pereira, 5490/M Vitor Fernandes 1. Identificação do Serviço TAREFA SERVIÇO

Leia mais

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização Manual das condições gerais que regulam a utilização dos serviços disponibilizados pela aplicação Arquivo, plataforma de gestão de informação, do Municipio

Leia mais

IPSS SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO. Destinatários. Benefícios

IPSS SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO. Destinatários. Benefícios SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO Destinatários Todas as IPSS e entidades equiparadas (misericórdias, casas do povo, associações, cooperativas, fundações, etc ) Instituições certificadas ( ISO 9001

Leia mais

Manual do Utilizador. Módulo de Upload de Custos Directos

Manual do Utilizador. Módulo de Upload de Custos Directos Manual do Utilizador Módulo de Upload de Custos Directos Ver. 2.0 28 Setembro 2011 Introduzindo o Mapeamento de Centros de Custos Tal como referido pela Circular-Normativa n.º 27 de 28 de Maio 2011, os

Leia mais

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Seminário de apresentação da 2.ª geração do sistema de indicadores Adequação da interface com o utilizador

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA BREVE MANUAL Comunicações Novas Funcionalidades v. 1.0 1 / 1 Índice Histórico de Versões... 3 Observação Prévia... 4 1. Acesso à Aplicação Iudex... 4 1. Endereço... 4 2. Autenticação... 4 2. Comunicações...

Leia mais

Protocolos de Comunicação

Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação São disponibilizados diversos protocolos de comunicação que garantem a integração em várias configurações do sistema. A configuração habitual inclui IEC 60870-5-104 (TCP/IP) para

Leia mais

IDO. Cobrança de Quotas. Aplicação Móvel Aplicação Web Impressora Portátil AGILE

IDO. Cobrança de Quotas. Aplicação Móvel Aplicação Web Impressora Portátil AGILE IDO AGILE Cobrança de Quotas Aplicação Móvel Aplicação Web Impressora Portátil WWW.SPOTFOKUS.PT info@spotfokus.pt +351 220 938 155 +351 916 534 623 Centro Empresarial Candal Park Rua 28 de Janeiro nº 350

Leia mais

Bases de Dados. Parte I: Conceitos Básicos

Bases de Dados. Parte I: Conceitos Básicos Bases de Dados Parte I Conceitos Básicos 1 Definições Básicas! Base de dados (BD): conjunto de dados que se relacionam entre si.! Dados: factos conhecidos que têm algum significado e que podem ser guardados.!

Leia mais

Centro degestão da RedeInformática do Governo

Centro degestão da RedeInformática do Governo O CEGER 1990-1994 1994-1997 1997-200x MONTAGEM, INSTALAÇÃO E CONECTIVIDADE TECNOLÓGICO CONSOLIDAÇÃO E CONTEÚDOS LISBOA O CEGER Dados Voz Vídeo O CEGER DIRECÇÃO 2 1 Secretariado Formação DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CitiManager: Guia de Referência Rápido da Migração para Titulares do Cartão

CitiManager: Guia de Referência Rápido da Migração para Titulares do Cartão Este Guia de Referência Rápido irá ajudá-lo a: 1. Como se faz o registo no CitiManager? a) Apenas para os titulares do cartão já existentes com extractos online b) Apenas para os titulares do cartão com

Leia mais

Manual do Utilizador Brother Meter Read Tool

Manual do Utilizador Brother Meter Read Tool Manual do Utilizador Brother Meter Read Tool POR Versão 0 Direitos de autor Direitos de autor 2017 Brother Industries, Ltd. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste documento estão sujeitas

Leia mais

Índice. Introdução. Pré-requisitos. Requisitos

Índice. Introdução. Pré-requisitos. Requisitos Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Informações de Apoio Configurar Etapa 1. Configurar o agente de usuário da potência de fogo para Único-Sinal-em Etapa 2. Integre o centro

Leia mais

Termos e Condições de Utilização na federação RCTSaai. Serviço Utilizador RCTS Maio de 2010

Termos e Condições de Utilização na federação RCTSaai. Serviço Utilizador RCTS Maio de 2010 Termos e Condições de Utilização na federação RCTSaai Serviço Utilizador RCTS Maio de 2010 19 de Maio de 2010 Termos e Condições de Utilização na federação RCTSaai Serviço Utilizador RCTS Fevereiro de

Leia mais

Windows Server 2008 Vamos criar um domínio

Windows Server 2008 Vamos criar um domínio Windows Server 2008 Vamos criar um domínio Date : 25 de Outubro de 2013 No Pplware temos abordado as características e funcionalidades dos mais diversos sistemas operativos. Apesar de hoje em dia os sistemas

Leia mais

Live Mesh - A rede de nós segundo a Microsoft

Live Mesh - A rede de nós segundo a Microsoft Live Mesh - A rede de nós segundo a Microsoft Date : 12 de Junho de 2009 Por Paulo Izidoro para o Pplware Está a pensar poder aceder a ficheiros ou até a um computador da sua rede a partir de uma rede

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA. Tema: Manutenção Industrial Formador: João de Jesus Ferreira

CURSO DE GESTÃO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA. Tema: Manutenção Industrial Formador: João de Jesus Ferreira Tema: Manutenção Industrial Formador: João de Jesus Ferreira Miranda do Corvo, Junho de 2006 ÍNDICE: 1. Introdução ao tema da Gestão da Energia e da Gestão da Manutenção. 2. Conceitos sobre a metodologia

Leia mais

Configuração do Router

Configuração do Router Configuração do Router Através de uma ligação TCP/IP é possível configurar o Router utilizando um navegador web. São suportados os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 ou superior, Netscape Navigator,

Leia mais

Como utilizador registado Eu quero ter acesso a um botão de "entrar" Para que possa fazer login na aplicação

Como utilizador registado Eu quero ter acesso a um botão de entrar Para que possa fazer login na aplicação Trust e- health Tema ID História de Usuário Critérios de Aceitação Comentários Autenticações AUT1 Como utilizador não registado Eu quero ter acesso a um botão de "registar" Para que possa definir os dados

Leia mais

Exemplo da (in)segurança de um site sem HTTPS

Exemplo da (in)segurança de um site sem HTTPS Exemplo da (in)segurança de um site sem HTTPS Date : 9 de Janeiro de 2014 Nos dias que correm, é importante que todos os dados sensíveis transaccionados entre um cliente e um servidor sejam cifrados de

Leia mais

Canais de Comunicação

Canais de Comunicação Canais de Comunicação February 24, 2010 Sumário Comunicação via Mensagens Propriedades dum Canal de Comunicação Protocolos da Internet UDP TCP Aplicação Distribuída O que é? É uma aplicação que consiste

Leia mais

Sistemas e Tecnologias de Informação. Adobe Connect 8. Manual de Utilização. Universidade Católica Portuguesa Centro Regional do Porto

Sistemas e Tecnologias de Informação. Adobe Connect 8. Manual de Utilização. Universidade Católica Portuguesa Centro Regional do Porto Sistemas e Tecnologias de Informação Adobe Connect 8 Manual de Utilização Universidade Católica Portuguesa Centro Regional do Porto Este manual tem como objectivo melhorar a interacção dos utilizadores

Leia mais

Segurança. Tecnologias de Informação I TI-16. Instituto do Emprego e Formação Profissional. Formador: Paulo Gomes

Segurança. Tecnologias de Informação I TI-16. Instituto do Emprego e Formação Profissional. Formador: Paulo Gomes Segurança A Segurança a da informação Protecção contra acesso por terceiros Palavra passe de rede Permite ao utilizador autenticar-se a uma rede e aceder aos recursos disponibilizados por esta(ficheiros,

Leia mais

Conceitos. Gestão de Transacções. Transacção. Conceitos e Propriedades. Controlo de Concorrência. Recuperação. Transacções no SGBD Oracle

Conceitos. Gestão de Transacções. Transacção. Conceitos e Propriedades. Controlo de Concorrência. Recuperação. Transacções no SGBD Oracle Conceitos e Propriedades Recuperação Transacções no SGBD Oracle Conceitos Transacção Uma acção ou um conjunto de acções, realizadas por um único utilizador ou programa de aplicação que acedem ou alteram

Leia mais

MS Outlook Tudo sobre Correio Electrónico

MS Outlook Tudo sobre Correio Electrónico MS Outlook 2003 - Tudo sobre Correio Electrónico Curso MA0035 5 Dia(s) 17:30 Horas Introdução O presente curso corresponde a um grupo de três cursos de Outlook. Foi desenvolvido tendo em vista a aquisição

Leia mais

Introdução aos Sistemas Integrados de Gestão de Bibliotecas

Introdução aos Sistemas Integrados de Gestão de Bibliotecas Introdução aos Sistemas Integrados de Gestão de Bibliotecas (Integrated Library Systems ILS) (Library Management Systems LMS) O Que São Sistemas de Gestão de Bibliotecas? 1 Racional Percebendo a importância

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE A L B U F E I R A

CÂMARA MUNICIPAL DE A L B U F E I R A CÂMARA MUNICIPAL DE A L B U F E I R A REGULAMENTO DO PROCESSO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PARTICULARES 0 Preâmbulo O Decreto Lei nº 445/91, de 20 de Novembro, prevê, no seu artigo 24º, a criação em cada Município,

Leia mais

Azetheca. AZbox ETHErnet Cable Adaptor. User s Manual Version 1.1.7

Azetheca. AZbox ETHErnet Cable Adaptor. User s Manual Version 1.1.7 Azetheca AZbox ETHErnet Cable Adaptor User s Manual Version 1.1.7 Azetheca é um conversor Serial-Rede Ethernet RJ45 (dongle) que pode ser usado para trazer novas possibilidades aos receptores Azbox s STBs

Leia mais

Documentos Informativos Ano Letivo de 2013/14

Documentos Informativos Ano Letivo de 2013/14 2013 Documentos Informativos Ano Letivo de 2013/14 Estes documentos tem como objectivo auxiliar o novo estudante no processo de inscrições nas unidades curriculares e fornecer algumas informações úteis

Leia mais

Trabalho Prático Nº6 Porta USB Processo de Enumeração

Trabalho Prático Nº6 Porta USB Processo de Enumeração Trabalho Prático Nº6 Porta USB Processo de Enumeração 1. OBJECTIVOS - Compreender o funcionamento geral de um dispositivo USB. - Entender e descrever em detalhe o processo de enumeração de um dispositivo

Leia mais

O Manual do KSystemLog. Nicolas Ternisien

O Manual do KSystemLog. Nicolas Ternisien Nicolas Ternisien 2 Conteúdo 1 Usar o KSystemLog 5 1.1 Introdução.......................................... 5 1.1.1 O que é o KSystemLog?.............................. 5 1.1.2 Características....................................

Leia mais

Partilha de Recursos. Através da Plataforma DropBox

Partilha de Recursos. Através da Plataforma DropBox Partilha de Recursos Através da Plataforma DropBox Autor: Fernando Rui Campos Licenciamento: Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal Versão 1.0 9 Janeiro 2011 Página 1 de 10 Introdução

Leia mais

28 REVISORES AUDITORES

28 REVISORES AUDITORES Auditoria 28 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009 José Miguel Rodrigues Membro Estagiário da OROC Auditoria SUMÁRIO Objectos da Auditoria Controlos -chaves Testes aos controlos Testes Substantivos Todas as

Leia mais

Descrição de Funcionalidades

Descrição de Funcionalidades Descrição de Funcionalidades Registo de documentos externos e internos O registo de documentos (externos, internos ou saídas) pode ser efectuado de uma forma célere, através do preenchimento de um número

Leia mais

Sem Perda de Património

Sem Perda de Património Sem Perda de Património Cliente BPI Particulares e Net Negócios 2 Clientes Particulares - Gestão do Contacto Acesso a Página Fraudulenta 3 E-mails Fraudulentos 5 Reposição de Perfil 5 Clientes Net Negócios:

Leia mais

Pagamento de Imposto Guia de Apoio

Pagamento de Imposto Guia de Apoio Pagamento de Imposto Guia de Apoio Pagamento de Imposto Guia de Apoio Pagamento de Imposto Guia de Apoio Enquadramento A Direcção Nacional de Impostos (DNI), entidade afecta ao Ministério das Finanças

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Departamento de Informática Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos 1ª chamada, 19 de Janeiro de 2011 1º Semestre, 2011/2012 NOTAS: Leia com atenção cada questão antes de responder.

Leia mais

Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão

Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão Geração de Gráficos SVG através de PHP Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto. {ei04073,ei04077,ei03102}@fe.up.pt

Leia mais

estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras REGULAMENTO DO USO DOS RECURSOS INFORMÁTICOS DA ESTGF

estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras REGULAMENTO DO USO DOS RECURSOS INFORMÁTICOS DA ESTGF estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras REGULAMENTO DO USO DOS RECURSOS INFORMÁTICOS DA ESTGF estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES) Para efeitos

Leia mais

PET. 1 verificar equipamento. 2 carregar a unidade GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA Guia de Instalação Rápida Pet Locator

PET. 1 verificar equipamento. 2 carregar a unidade GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA Guia de Instalação Rápida Pet Locator PET PET GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA - Transformador Informamos que poderá consultar a versão integral deste manual, bem como aceder às condições de garantia, em: http://consumer.inosat.com/manualpet.pdf

Leia mais

Configurar um servidor de DNS no Ubuntu via Webmin

Configurar um servidor de DNS no Ubuntu via Webmin Configurar um servidor de DNS no Ubuntu via Webmin Date : 13 de Outubro de 2014 Um dos serviços mais importantes em qualquer rede é o DNS (Domain Name System)). Este serviço é responsável pela tradução

Leia mais

Certificação ISO no

Certificação ISO no Certificação ISO 27001 no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS) 30-11-2010 1 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação

Leia mais

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A actividade fiscalizadora do agente de execução 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A Fiscalização através de meios informáticos A Fiscalização através de meios informáticos

Leia mais

Esta política de privacidade define como a empresa que utiliza e. protege qualquer informação que você fornece ao site quando você

Esta política de privacidade define como a empresa que utiliza e. protege qualquer informação que você fornece ao site quando você Privacidade Esta política de privacidade define como a empresa que utiliza e protege qualquer informação que você fornece ao site quando você usar e acessar. Nossa empresa está empenhada em garantir que

Leia mais

Especificação Final do Projecto

Especificação Final do Projecto MERC 2009/10 RCM/TRC/SIRS Grupo nº: 10 Turno (e campus): Taguspark Especificação Final do Projecto Nome Número Raul André 55878 André Fernandes 55928 Fábio Gameiro 57697 1 Nome do Projecto Interference-aware

Leia mais

Gestão Documental. Gestão Documental

Gestão Documental. Gestão Documental Alcides Marques, 2007 Actualizado por Ricardo Matos em Junho de 2009 Neste capítulo pretende-se analisar a temática da, começando por apresentar um breve resumo dos conceitos subjacentes e apresentando

Leia mais

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Network Fundamentals Capítulo 3 1 Aplicações A Interface entre usuário e Rede de Dados A Camada de aplicação provê recursos para enviar e receber dados

Leia mais

Quick Reference. Instalação de Equipamentos na LAN

Quick Reference. Instalação de Equipamentos na LAN Quick Reference Instalação de Equipamentos na LAN PT Comunicações, S. A. Rua Andrade Corvo, nº 6 1050-000 Lisboa - Portugal Tel: (351) 21 500 20 00 Pagina 1 de 10 Índice 1. Acesso de Utilizadores à Rede

Leia mais

Análise: Vodafone MiFi Router Wifi e 3G Portátil

Análise: Vodafone MiFi Router Wifi e 3G Portátil Análise: Vodafone MiFi 2352 - Router Wifi e 3G Portátil Date : 24 de Dezembro de 2009 Depois de termos apresentado neste artigo a novidade da altura em portabilidade Wifi e 3G, chega-nos também para analise

Leia mais

Controlo parental AVISO PARA OS PAIS. Vita antes de permitir que os seus filhos joguem. Defina o controlo parental no sistema PlayStation

Controlo parental AVISO PARA OS PAIS. Vita antes de permitir que os seus filhos joguem. Defina o controlo parental no sistema PlayStation Controlo parental AVISO PARA OS PAIS Defina o controlo parental no sistema Vita antes de permitir que os seus filhos joguem. 4-419-422-01(1) O sistema Vita oferece funções para ajudar os pais e tutores

Leia mais

Professor: João Macedo

Professor: João Macedo Programação Páginas Web O HTML (HyperText Markup Language) é a linguagem mais utilizada para criar páginas Web com hipertexto. Utilizando a linguagem HTML podemos criar páginas em que certos itens (palavras

Leia mais

Manual de Instalação PRIMAVERA WINDOWS SERVICES V1.0 SR2

Manual de Instalação PRIMAVERA WINDOWS SERVICES V1.0 SR2 Manual de Instalação PRIMAVERA WINDOWS SERVICES V1.0 SR2 Versão 1.2 outubro 2012 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Instalação... 4 Requisitos... 4 Processo de Instalação... 4 Instalação do PRIMAVERA Windows

Leia mais

Saiba como funcionam os Hubs, Switchs e Routers

Saiba como funcionam os Hubs, Switchs e Routers Saiba como funcionam os Hubs, Switchs e Routers Date : 14 de Julho de 2013 Uma rede de dados pode ser definida como um conjunto de equipamentos passivos e activos. Relativamente aos equipamentos activos,

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL Página 1 de 5 1. Objectivo Estabelecer a metodologia para verificar as características do gás natural nas redes de distribuição de gás natural e registar anomalias nos valores analisados. 2. Âmbito Aplica-se

Leia mais

COMUNICAÇÃO ENTRADA EM PRODUÇÃO DA NOVA PLATAFORMA DO GPMC

COMUNICAÇÃO ENTRADA EM PRODUÇÃO DA NOVA PLATAFORMA DO GPMC COMUNICAÇÃO ENTRADA EM PRODUÇÃO DA NOVA PLATAFORMA DO GPMC JANEIRO.2011 [Esta página foi propositadamente deixada em branco] 1. INTRODUÇÃO A REN Gasodutos, enquanto entidade responsável por desempenhar

Leia mais

Guia de actualização

Guia de actualização Obrigado por utilizar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento ao cliente é prioridade máxima. Ajude-nos a oferecer um excelente serviço. Se tiver algum comentário a fazer, incluindo erros e omissões no manual,

Leia mais

FICHA TÉCNICA GESTWARE STOCKS

FICHA TÉCNICA GESTWARE STOCKS FICHA TÉCNICA GESTWARE STOCKS Todos os dados relativos aos Stocks podem ser obtidos autonomamente ou por integração automática a partir do Gestware Vendas e Compras. Destacamos aqui algumas das suas principais

Leia mais

Etapas da configuração inicial de sistemas de FireSIGHT

Etapas da configuração inicial de sistemas de FireSIGHT Etapas da configuração inicial de sistemas de FireSIGHT Índice Introdução Pré-requisito Configuração Passo 1: Instalação inicial Passo 2: Instale licenças Passo 3: Aplique a política de sistema Passo 4:

Leia mais

Rede Local - Instalação. Formador: David Casimiro

Rede Local - Instalação. Formador: David Casimiro Rede Local - Instalação Rede Local - Instalação Objectivo(s) Reconhecer a Estrutura de um Sistema Operativo. Definir um Plano de Instalação de um Servidor de Rede Local. Conteúdos Estrutura de um Sistema

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

Manual Nero InfoTool. Nero AG

Manual Nero InfoTool. Nero AG Manual Nero InfoTool Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero InfoTool e todo o respectivo conteúdo estão protegidos por direitos de autor e são propriedade da Nero AG. Todos

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores RMON. Prof. Alex Furtunato

Gerência de Redes de Computadores RMON. Prof. Alex Furtunato Gerência de Redes de Computadores RMON Prof. Alex Furtunato alex.furtunato@ifrn.edu.br Limitações da MIB-II O gerenciamento é realizado em cada dispositivos individualmente Os dispositivos gerenciados

Leia mais

Gerenciamento de Redes. Alan Santos

Gerenciamento de Redes. Alan Santos Gerenciamento de Redes Alan Santos Ciclo de gerenciamento Quando falamos de gerenciamento de redes devemos primeiro estabelecer o que será gerenciado e o que se espera como resultado desse gerenciamento.

Leia mais

Como proteger o nosso dinheiro online

Como proteger o nosso dinheiro online Como proteger o nosso dinheiro online Date : 10 de Maio de 2014 e não "morrer" no processo Toda a gente sabe que na Internet se podem encontrar muitos problemas de segurança, mas temos que admitir que

Leia mais

Sistema GP Gestão de Pombos

Sistema GP Gestão de Pombos Sistema GP Gestão de Pombos ADENDA AO MANUAL COM ALTERAÇÕES DA VERSÃO 16.01 DO SISTEMA GPC Versão para 2016 (01-2016) EMAIL: GERAL@SISTEMAGP.COM SITE: WWW.SISTEMAGP.COM Um produto POMOR Software de Gestão,

Leia mais

Aplicação SICAJ. Após efectuar a autenticação é apresentado o ecrã principal da aplicação. Neste ecrã estão disponíveis duas funcionalidades:

Aplicação SICAJ. Após efectuar a autenticação é apresentado o ecrã principal da aplicação. Neste ecrã estão disponíveis duas funcionalidades: Aplicação SICAJ A aplicação informática SICAJ Sistema de Confirmação dos Pedidos de Pagamento de Apoio Judiciário visa a confirmação dos actos praticados pelos mandatários, no âmbito do pagamento de apoio

Leia mais

Planeamento operacional

Planeamento operacional AWARE-P SEMINÁRIOS E CURSOS DE FORMAÇÃO Gestão Patrimonial de Infra-estruturas de Serviços de Águas 2011 Lisboa, Faro, Évora, Coimbra, Porto Módulo 5 Planeamento operacional Estrutura do módulo Estrutura

Leia mais

Segurança Manual do utilizador

Segurança Manual do utilizador Segurança Manual do utilizador Copyright 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation nos EUA. As informações aqui contidas estão sujeitas

Leia mais

Guia Rápido de Instalação XDA - LITE

Guia Rápido de Instalação XDA - LITE Guia Rápido de Instalação XDA - LITE Apresentação do XDA-Lite O XDA-Lite é um software desenvolvido para realizar a captura de dados de equipamentos, tendo como objetivo principal o envio de leituras automáticas

Leia mais

3. O conceito de Rede ATM

3. O conceito de Rede ATM 3. O conceito de Rede ATM 3.1 Arquitectura da rede Definida em I.311. A rede de transporte ATM é estruturada em duas camadas: camada ATM e camada física. Camada de Adaptação Rede de transporte ATM Camada

Leia mais

Registro Automático CES. Guia do administrador

Registro Automático CES. Guia do administrador Registro Automático CES Guia do administrador Agosto de 2017 www.lexmark.com Conteúdo 2 Conteúdo Histórico de alterações... 3 Visão geral... 4 Entendendo o aplicativo... 4 Lista de verificação da prontidão

Leia mais