SUMÁRIO. Introdução... 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. Introdução... 3"

Transcrição

1 SUMÁRIO Introdução... 3 UNIDADE I Conceitos Básicos 1.1 Protocolos de Comunicação de Dados Modelo OSI da ISO A camada Física A camada de Enlace A camada de Rede A camada de Transporte A camada de Sessão A camada de Apresentação A camada de Aplicação Padrões de REDES de Computadores 802.X Características do Protocolo X Protocolo Frame Relay Multiplexação Estatística e Determinística Características do MUX Determinístico Características do MUX Estatístico Hierarquias de Transmissão Digital Tipos de Serviços UNIDADE II Protocolos ATM 2.1 Introdução Modelos de Camadas ATM Camada Física Camada ATM Comutação de Células ATM Camada de Adaptação Pág.:1

2 UNIDADE III Plano de Controle e Gerenciamento 3.1 Introdução Parâmetros de Desempenho Sinalização Classes de Serviços QoS (Qualidade de Serviço) Controle de Tráfego UNIDADE IV Interconexão de Redes 4.1 Introdução IPOA Encapsulamento IP over ATM Arquitetura IPOA Divisão em Subredes ATM Estabelecimento de Conexão IPOA com Múltiplas Subredes LIS Serviços de Emulação de LAN (LAN Emulation) O padrão LAN Emulation Componentes LANE LAN Emulation Server (LES) LAN Emulation Configuration Server (LECS) Broadcast and Unknown Server (BUS) Formato do Pacote LAN Emulation Características de Projeto LANE MPOA Multiprotocol Over ATM Modelo MPOA Serviços Oferecidos Características Mercado Pág.:2

3 INTRODUÇÃO A tecnologia de redes de telecomunicações vem sofrendo mudanças bastante significativas no decorrer das últimas décadas. Estas mudanças visam atender as necessidades do mercado atual de telecomunicações, dentre as quais podemos citar: altas taxas de throughput; reduzidos delays de trânsito; transparência a protocolos; alocação dinâmica de meios de transmissão. A tecnologia de redes determinísticas (STM - Sinchronous Transfer Mode) ou TDM síncrono atende perfeitamente as três primeiras necessidades do mercado, porém, por apresentar uma alocação fixa de meios de transmissão e um baixo grau de otimização das topologias de redes, a utilização desta tecnologia para aplicações em rajada (burst), característico das redes de computadores, e para redes com uma grande dispersão geográfica de terminais se torna inviável. A tecnologia de redes estatística (ATM Asynchronous Transfer Mode) ou TDM assíncrono se apresenta de forma oposta às redes STM, esta tecnologia proporciona uma alocação dinâmica da faixa passante, e possibilita a utilização de topologias mais otimizadas. Assim, o ATM tenta eliminar as limitações do STM, tirando vantagem do ganho estatístico de serviços com tráfego com taxa variável, ao mesmo tempo garantindo um desempenho aceitável para serviços com trafego continuo (taxa variável ou constantes). Embora o ATM não seja tão eficiente quanto o STM para tráfego contínuo com taxa constante, em relação á utilização da capacidade do meio ao retardo (devido ao overhead adicional do cabeçalho e ao tempo necessário para montar uma célula de informação), este fato não é bastante para se sobrepor ás vantagens do ATM. Obviamente, alguma compensação da variação estatística do retardo terá de ser feita para que se possa oferecer serviços isócronos (voz). Entretanto, nem todos as tecnologias de redes estatística atende as necessidades atuais de serviços de telecomunicações que precisam de maior largura de banda de escoamento de tráfego. Como exemplo, podemos citar as redes X.25, onde o protocolo é bastante robusto por possuir os níveis 2 e 3 do modelo de referência OSI, com isso este protocolo apresenta mecanismos de controle de erros, de seqüência e de fluxo bastante sofisticados, fazendo com que ele apresente baixas taxas de throughput e elevados delays de trânsito. Com o surgimento de meios de transmissão de melhor qualidade e de terminais inteligentes, nota-se que os mecanismos de controle de erros, de seqüência e de fluxo, não precisam ser realizados no interior da rede, estas funções podem ser realizadas no modo fim-a-fim, com isso pode-se reduzir o delay de trânsito, como acontece nas redes ATM. Pág.:3

4 Assim, ATM é uma tecnologia de comunicação que utiliza comutação rápida de pacotes, baseada em padrões abertos, que se propõe a servir de transporte comum para diversos tipos de tráfego, como dados, voz, imagem estática e vídeo, podendo ser utilizada tanto em redes locais como em redes de longa distância, com uma qualidade de serviço garantida (QoS - Quality of Service), o que é extremamente importante nas redes que suportam aplicações em tempo real. Para garantir a QoS, os protocolos de sinalização do ATM são inevitavelmente complexos, que não encontra precedentes nas tecnologias já estabelecidas.... Este trabalho visa desenvolver uma visão geral dos conceitos e aplicações do ATM, para isto ele esta dividido em quatro unidades. Na primeira unidade, é definido uma série de conceitos básicos necessários para nivelar e facilitar a abordagem nas outras unidades, sem querer esgotar toda a riqueza dos respectivos conceitos. Nas unidades II e III, é descrito o protocolo ATM com suas três camadas: a física; a ATM e a AAL, bem como seu desempenho, controle de tráfego e congestionamento, e a sinalização. Para facilitar a migração das LANs (Local Area Network) atuais e a integração das redes STM existentes, para a tecnologia ATM, tem-se, atualmente, quatro protocolos/serviços em destaque: IP (Internet Protocol) sobre ATM (IPOA); LAN Emulation (LANE); Multiprotocol Over ATM (MPOA) e Serviço de Emulação de Circuitos. Estes serviços serão descritos na unidade IV. Pág.:4

5 UNIDADE I CONCEITOS BÁSICOS 1.1. Protocolos de Comunicação de Dados Em projetos de redes, seja ela uma LAN (local Area Network), MAN (Metropolitan Area Network) ou WAN (Wide Area Network), se destaca a idéia de estruturar a rede como um conjunto de camadas hierárquicas, cada uma sendo construída utilizando as funções e serviços oferecidos pelas camadas inferiores. Cada camada ou nível deve ser pensada como um programa ou processo, implementado por hardware e/ou software, que se comunica com o processo correspondente na outra máquina. As regras que governam a conversação de um nível N qualquer são chamadas de protocolo de nível N. Os limites entre cada nível adjacente são chamados de interfaces. A figura 1.2 mostra um exemplo de uma estrutura com sete camadas, que é o modelo de referência OSI. O modelo de referência OSI (Open Systems Interconnection) da ISO ( International Stantards Organization) é o padrão internacional de arquitetura de redes de computadores. Portanto, a arquitetura de rede é formada por níveis, interfaces e protocolos. Cada nível oferece um conjunto de serviços ao nível superior, usando primitivas de serviço através das API s (Aplication Program Interface) nos pontos de acesso ao serviço (Service Acess Point SAP). Usuário do serviço (N) Usuário do serviço (N) Pontos de acesso ao serviço (N) Entidade do serviço (N) Protocolo do Serviço (N) Fornecedor do Serviço (N) Entidade do serviço (N) Camada (N) Pontos de acesso ao serviço (N 1) Entidade do serviço (N - 1) Protocolo do Serviço (N -1) Fornecedor do Serviço (N-1) Entidade do serviço (N - 1) Camada (N-1) Figura 1.1 Fornecedores e Usuários de Serviço Pág.:5

6 1.2. Modelo OSI da ISO O modelo OSI possui sete níveis de protocolos, que são mostrados na figura 1.2 e descritos a seguir. Camada Nome da Unidade intercambiada Protocolo de Aplicação 7 Aplicação Aplicação APDU Interface Protocolo de Apresentação 6 PPDU Protocolo de Sessão 5 Sessão Sessão SPDU Protocolo de Transporte 4 TPDU Transporte Transporte Limite da sub-rede de comunicação Apresentação Apresentação 3 Pacote Rede Rede Rede Rede Protocolos internos da Sub-Rede 2 Enlace de Enlace de Enlace de Enlace de dados dados dados dados Quadro (Frame) 1 Físico Físico Físico Físico BIT Host Protocolo Camada de Rede Protocolo Camada Enlace de Dados Protocolo Camada Físico Host Pág.:6

7 Figura 1.2 Níveis do Modelo OSI LEGENDA APDU Unidade de dados do protocolo de aplicação PPDU Unidade de dados do protocolo de apresentação SPDU Unidade de dados do protocolo de sessão TPDU Unidade de dados do protocolo de Transporte Pág.:7

8 A camada Física A camada física está relacionada com a transmissão de bits sobre um canal de comunicação. Garante que ao envio de um 1 bit pelo transmissor, o receptor receberá um bit 1 e não um bit 0. Especifica quantos volts representam um bit 1 e quantos representam um bit 0; qual é a duração de um bit em microsegundos; se a transmissão é half ou full-duplex; como uma conexão deve ser estabelecida e terminada; quantos pinos deve ter o conector de rede e qual o uso de cada pino. Portanto, tem a ver com as características mecânicas, elétricas, funcionais, de procedimentos de interface e com o meio físico de transmissão, que se encontra abaixo da camada física A camada de Enlace A principal função da camada de enlace de dados é transformar uma facilidade de transmissão de bits em uma linha confiável, livre de erros. Uma vez que a camada física apenas aceita e tramite bits sem se preocupar com seus significados, compete à camada de enlace criar e reconhecer os limites de um quadro, contornando qualquer problema que possa provocar dano, perda ou duplicação de quadros. Deve também implementar funções de controle de fluxo, a fim de impedir que um transmissor de dados mais rápido sobrecarregue um receptor lento A camada de Rede Trata-se da camada de comunicação da subrede. É responsável pelas formas de estabelecimento, manutenção e desconexão de chamadas na rede tendo, portanto, funções de roteamento, endereçamento, controle de congestionamento e controle de fluxo. Outra função nobre é a parte de contabilidade da rede. A camada de rede deve contabilizar quantas unidades de dados foram trocadas em cada comunicação estabelecida A camada de Transporte A camada de transporte é a primeira camada fim a fim no modelo OSI, ou seja, o protocolo da camada de transporte é conhecido e trocado entre os host de origem e de destino da camada, sendo totalmente transparente para a sub-rede de comunicação. A função básica dessa camada é aceitar dados da camada de sessão, dividi-los em unidades menores caso necessário, passar essas unidades para a camada de rede e assegurar que todas as unidades cheguem corretamente ao destino. A camada de transporte oferece à camada superior (sessão) serviços de entrega de dados sem erros, em seqüência, sem duplicação ou perda de informação, este é o tipo de serviço mais popular da camada de transporte. Contudo, existem outros possíveis tipos de serviço, como o utilizado para mensagens Pág.:8

9 isoladas sem garantia sobre a ordem de entrega e o envio de mensagens em broadcast. O tipo de serviço a ser usado é determinado quando a conexão é estabelecida A camada de Sessão A camada de sessão permite que dois usuários em máquinas diferentes estabeleçam uma sessão entre si. Uma sessão permite a troca comum de dados, como faz a camada de transporte, porém oferece outros serviços úteis em algumas aplicações. Um dos serviços da camada de sessão é gerenciar a troca de dados. Sessões podem permitir que o tráfego seja duplex ou half-duplex. Se o tráfego é half-duplex (só tem sentido por vez), então a camada de sessão controla de quem é a vez de transmitir. Outro serviço dessa camada é a sincronização da comunicação. Para transações de grande duração no tempo (transferência de grandes arquivos, por exemplo), pode-se optar por uma sincronização periódica associada com a transferência de dados entre as pontas comunicantes. Assim, em caso de ocorrência de falha durante a transação, pode-se reiniciála a partir do último ponto de sincronização, não sendo necessário retornar ao início A camada de Apresentação A camada de apresentação é responsável pela sintaxe dos dados transferidos entre duas entidades de nível 7. Um exemplo típico de serviço é a conversão de códigos usados, que podem ser diferentes nas diferentes máquinas que se comunicam. É responsável também por outros aspectos de representação da informação. Por exemplo, pode-se usar compressão de dados para reduzir o número de bits a serem transmitidos e também criptografia para garantir segurança e privacidade da informação A camada de Aplicação É a camada que provê a interface com o usuário final. Contém uma variedade de protocolos que são comumente necessários. Provê, por exemplo, acesso à transferência de arquivos, gerenciamento da transferência, troca de mensagens e documentos, consultas a bancos de dados, etc. Todos os serviços são solicitados por meio de primitivas de um sistema operacional local. Pág.:9

10 1.3. Padrões de REDES de Computadores 802.X O modelo de referência OSI, embora possa ser usado tanto em redes geograficamente distribuídas quanto em redes locais, foi originalmente pensado apenas para o uso das primeiras. As distâncias limitadas que são destinadas as redes locais permitem que seu protocolo de nível físico possa se dar ao luxo de utilizar um meio de alta velocidade e baixíssima taxa de erros. Assim, não cabe ao nível 2 a introdução de bits a mais de redundância (overhead) para a recuperação de erros, como o CRC (Code Redudance Ciclic). Também em redes locais é utilizado protocolos de acesso para disciplinar o acesso ao meio físico para a transmissão de dados. Como exemplo, citamos o MAC (Medium Acess Control). Nas LAN s a transmissão dos dados é feita por difusão (broadcasting, multicasting) ou elas possuem roteamento único. Devido a estas características as redes locais não seguem na integra o modelos de referência OSI, ficando a cargo do IEEE Computer Society a padronização no âmbito das redes locais. O comitê concebeu o projeto IEEE O modelo elaborado pelo IEEE definiu uma arquitetura de três camadas, que correspondem as camadas 1 e 2 do modelo OSI. A figura 1.3 mostra a relação entre os modelos com exemplo de protocolos (softwares) de aplicação. APLICATION TELNE T PRESENTATION NETWARE FTP OS / 2 SESSION NFS TRANSPORT SPX TCP NETBIOS NETWORK IPX IP DATA LINK LLC MAC / / PHYSICAL PHYSICAL Figura 1.3 Comparação entre os Modelos. Como podemos verificar, a camada de enlace é dividida nas camadas LLC ( Logical Link Control) e MAC. Tal divisão teve como objetivo permitir a definição de vários opções de Pág.:10

11 MAC, que podem ser otimizadas para as diferentes topologias de redes locais, mantendo uma interface única, a camada LLC, para os usuários da rede local. Alguns padrões do nível físico e da subcamada MAC são: IEEE rede em barra utilizando CSMA/CD como método de acesso. Ex.: Ethernet IEEE Rede em anel utilizando passagem de permissão como método de acesso. Ex.: Rede Token Ring da IBM (NETBios). IEEE 802.3u Idem a 802.3, com variação de velocidade para 100 Mbps Características do Protocolo X.25 A recomendação X.25 ( Interface Between Data Terminal Equipament (DTE) and Data circuit Terminating Equipament (DCE) for Terminals Operating in the packet Mode na Public Data Networks) provê um conjunto preciso de procedimentos para comunicação entre ETD e ECD para terminais que operam em modo pacote. O ECD neste caso é um NÓ processador que serve como um ponto de entrada / saída da rede de pacotes na interface usuário / rede. As figuras 1.4 mostra algumas características do protocolo X.25 X.25 - Características Meios de Transmissão Analógicos Controle de Fluxo X.25 Detecção e correção de erros Baixo Desempenho: Até 64 kbit/s Rede de Telecomunicações Pacotes de Tamanho Variável Retardo variável Só Dados 14:3 Figura 1.4 Características X.5 Multiplexação estatística dos pacotes de dados (paga-se por pacote mais o tempo de conexão). transmitido, Pág.:11

12 A rede é responsável por comutar o pacote de dados ao seu destino. Detecção de Erro / recuperação & Sequenciamento de pacote. Modo Store and forward causam atrasos. Geralmente, conexões estão limitadas à 56kbps. Controle de Fluxo Pacotes de tamanho variável O maior problema encontrado em redes de comutação de pacotes (X.25) reside nos altos atrasos gerados pela rede devido ao grande processamento efetuado pelos nós intermediários. Cada nó recebe pacotes, armazena-os, processa algoritmos de detecção e controle de erro e de fluxo nos enlaces a que está ligado, toma decisões de roteamento, espera que o enlace de destino esteja livre, para então encaminhar o pacote ao próximo nó. Assim, o X.25 é recomendado para velocidades até 64 kbps Protocolo Frame Relay O Serviço de Transmissão de Dados Frame Relay (FRDTS) foi provido inicialmente através da RDSI-FE e se tornou um serviço de ampla utilização em diversas plataformas, tendo em vista que permite o compartilhamento de acessos através de multiplexação estatística, a elevação da velocidade através da redução do processamento pela rede, o aproveitamento da confiabilidade inerente aos meios de transmissão digitais e a crescente inteligência dos End Systems, os quais são capazes de realizar parte do processamento anteriormente realizado pelas redes. O Frame Relay é um serviço orientado a conexão, cujo acesso é feito através da interface usuário-rede (UNI), que pode estabelecer conexões sob demanda (SVC) ou por provisionamento (PVC). Neste trabalho será tratado somente o caso PVC. A interface UNI-FR permite, através de multiplexação estatística, o estabelecimento simultâneo de diversas conexões Frame Relay com características de serviço específicas, entre Equipamentos Terminais de Dados (DTE), assegurando a otimização dos acessos e a elevação da confiabilidade das conexões, pela implementação de diversas funcionalidades padronizadas, dentre as quais ressaltamos: Controle de chamadas; Gerenciamento de canais de acesso; Controle de tráfego no acesso. O acesso a uma rede Frame Relay pode ser feito através de meios/equipamentos, permitindo a aplicação direta ou a adaptação do ambiente de usuário ao ambiente de rede, conforme ilustra a Figura 1.5. Pág.:12

13 The Technical Framework PC Controller PBX Video Desktop & LAN CPE Router Bridge FRAD MUX Switch Formats Packets into Frames UNI Dedicated Access ISDN Analog Dial Integrated Access or Local Wiring (v.35, T-1, RS232) Network Access Port Statistical Multiplexing Frame Relay Network PVC PVC PVC SVC SVC Figura Framework Frame Relay O Serviço de Transmissão de Dados Frame Relay (FRDTS) fornece transferência bidirecional de frames de uma interface DTE/DCE para uma outra interface DTE/DCE, com transferência de conteúdo, detecção de erros e preservação da ordem dos frames transmitidos. O FRDTS não fornece procedimentos para a notificação de erros, recuperação de erros e retransmissão, no caso de frames perdidos. A perda de frames pode ser devida não somente a erros de transmissão, mas também a congestionamento dentro da rede ou nas interfaces DTE/DCE. O FRDTS permite que conexões simultâneas entre DTE s sejam multiplexadas num único circuito de acesso. O Frame Relay é um protocolo com poucas mensagens de controle de congestionamento e erro, na teoria os usuários podem enviar todos os dados quanto necessários para a rede, com poucas restrições. Isto é obviamente uma das principais vantagens do protocolo, particularmente no ambiente de LAN s, onde o tráfego para a rede não é previsível e possui um perfil de rajadas (burst). Porém, se o Frame Relay fosse um protocolo sem nenhuma restrição de tráfego, haveria possibilidade da rede ser congestionada devido a uma grande quantidade de dados que fossem enviados simultaneamente. Uma das soluções para resolver este problema seria o descarte de todos os frames que a rede não consegue tratar. Contudo o descarte dos dados, sem levar em consideração a demanda individual de cada usuário da rede é uma solução inaceitável do problema. O Frame Relay necessita de um método para garantir a taxa de transmissão de dados para usuários, e desta forma garantir a justiça da rede, oferecendo um serviço de qualidade para estes usuários. Pág.:13

14 Muitos mecanismos podem ser utilizados para controlar e limitar o fluxo de dados de uma rede. Dentro de um típico serviço de rede Frame Relay existem três parâmetros que afetam o desempenho da rede no nível de acesso. Os Parâmetros CIR (Commited Information Rate), Bc (Commited Burst Size) e Be (Excess Burst Size) são configurados para cada um dos circuitos virtuais de uma rede Frame Relay. A figura a seguir ilustra a relação entre os parâmetros de controle de congestionamento. Bc + Be B c Taxa de acesso EIR CIR Descarte de todos os frames Frames com bit DE setado Frames normais T c T(seg) Figura Parâmetros de Controle O bit DE de um frame é setado tipicamente quando o usuário está trafegando dados durante o período de rajadas. Este Bit indica para a rede que os dados não fazem parte do CIR e que podem ser descartados se necessário. Apesar de uma rede Frame Relay ser capaz de descartar qualquer dado a qualquer tempo, muitas implementações são projetadas para descartar frames com o bit DE setado antes de descartar os demais frames sem este bit setado. Frame Relay Figura 1.7- Frame Relay Pág.:14

15 Resumidamente, o Frame Relay tem as seguintes características: Multiplexação estatísticas dos pacotes de dados; Sem notificação de detecção de erro / recuperação ou sequenciamento de pacotes; Altamente dependente do meio físico de transporte (fibra, etc.); Taxa dos Serviços (E1/2. 048Mbps); Somente serviços de circuitos virtuais permanentes Multiplexação Estatística e Determinística Um meio físico pode ser compartilhado por vários usuários (estações) através da multiplexação no tempo (TDM Time Division Multiplexing), pelo fato de que a capacidade ( em quantidade de bits por segundo) desse meio de transmissão, em muitos casos, excede a taxa média de geração de bits das estações conectadas ao meio físico. A multiplexação no tempo pode ser classificada em deteminística ou síncrona e estatística ou assíncrona Características do MUX Determinístico A figura 1.8 representa um mux determinístico, que sempre trabalha aos pares. MUX - DETERMINÍSTICO Porta secundárias Porta principal ETD ETD VS1 1 VS2 2 M U X Vp M U X VS1 1 VS2 2 ETD ETD ETD VSN n 1 2 VSN n ETD Vp > = VS1+ VS2 + VSN Figura 1.8 Características do MUX Determinístico Pág.:15

16 Características: É transparente a códigos e protocolos. A somatória das velocidades das N portas secundarias é menor ou igual a velocidade da porta principal (agregado) Ex.: Rede MDE e Rede E Características do MUX Estatístico MUX - ESTATÍSTICO Porta secundárias ETD ETD ETD VS1 1 VS2 2 Porta principal M U X 1 Vp M U X 2 VS1 1 VS2 VSN n VSN n 2 ETD ETD ETD Vp < = VS1+ VS2 + VSN Figura 1.9 Características do MUX Estatístico Características Não é transparente a códigos e protocolos. A somatória das velocidades das N portas secundária é maior que a velocidade da porta principal. O dimensionamento das velocidades secundária dependerá do tempo de resposta desejado. É utilizado normalmente para ETD de baixo / médio fluxo de dados (velocidade). Ex.: Rede de Pacote. Pág.:16

17 Hierarquias de Transmissão Digital Nas técnicas de TDM síncrono, as formas de particionamento do tempo dependem da capacidade de transmissão do meio. Para tornar o particionamento dos frames independentes dos progressos tecnológicos que tendem a possibilitar taxas cada vez maiores de transmissão, criou-se um esquema de hierarquias. Esquemas de hierarquias de transmissão tem sido utilizados em sistemas de telefonia digital, tendo passado por processos de padronização em várias entidades internacionais, sendo, hoje em dia, utilizados também na transmissão de dados. A figura 1.10 mostra a hierarquia SDH que é a utilizada pelas redes ATM. Pág.:17

18 SONET SDH SONET & SDH N.American N. American European Line Rates # or 64 kb/s STS Level OC Level STM Level (Mbps) Channels STS-1 OC-1 N/S STS-3 OC-3 STM ,016 STS-12 OC-12 STM ,064 STS-24 OC-24 STM-8 1, ,128 STS-48 OC-48 STM-16 2, ,256 Figura Hierarquia SDH Pág.:18

19 1.7. Tipos de Serviços Os tipos de serviços oferecidos pelos protocolos podem ser orientados e não-orientado a conexão. No serviço não-orientado, não existe uma conexão estabelecida entre origem e destino. Toda a informação necessária para transmitir a unidade de dados (endereço, parâmetros de qualidade do serviço, etc. ) é passada para a camada que vai fornecer o serviço de transporte. Sendo, assim, cada unidade de dados (datagrama) é roteada de forma independente das demais, portanto, não garantindo seqüenciação. No serviço orientado a conexão, existe uma conexão com fases de estabelecimento, transferência de dados e liberação. Portanto, não há necessidade de endereços completos após o estabelecimento da conexão. O sequenciamento é natural. Pág.:19

20 2. 2. UNIDADE II PROTOCOLO ATM 2.1. Introdução No final da década de 1980, ATM surgiu como a tecnologia de comutação a ser empregada na infra-estrutura de suporte das redes RDSI de faixa larga, as RDSI-FL ou B-ISDN. Em 1987, a ITU-T havia escolhido a ATM como a técnica de telecomunicação ou modo de transferência a ser utilizada nas então futuras RDSI-FL, que permitirão a integração de voz, dados e imagem. O modo de transferência Assíncrono (Asynchronus Transfer Mode) é uma tecnologia baseada na transmissão de pequenas unidades de informação de tamanho fixo e formato padronizado denominado células. Células são transmitidas através de conexões com circuitos virtuais através de informações contidas no cabeçalho das células. Esta tecnologia é capaz de suportar diferentes serviços com diferentes tipos de tráfego. Acredita-se, que o ATM virá a desempenhar um papel preponderante nas novas redes de alta velocidade. A expressão Modo Assíncrono de Transferência, que da nome a tecnologia ATM, visa destacar a diferença de abordagem introduzida por esta tecnologia, em relação ao existente STM (Modo de Transferência Síncrono ou Determinístico). Assíncrono, neste caso, referese ao fato de se utilizar a multiplexação estatística, onde os recursos da rede são utilizados por um dado canal do usuário apenas quando existe atividade nesse canal, ou seja, as janelas de tempo são alocadas dinamicamente, sob demanda, e estão disponíveis para qualquer usuário que tenha informações a transmitir. Na tecnologia ATM, a definição do tamanho da célula consumiu muito tempo de intensas discussões de âmbito internacional. De um lado, os interesses da comunidade de comunicação de dados principalmente os Estados Unidos reivindicam células com grande carga útil, que permitiriam maior eficiência do protocolo. De outro lado, os interesses da comunidade de Voz (Europa e Japão) reivindicavam células pequenas, que favoreciam o controle dos retardos da rede. Houve um consenso e ficou aceito a célula de 53 octetos, sendo 48 octetos para a carga útil (payload) e 5 octetos para o cabeçalho Além do ITU-T, existem outras entidades de padronização da tecnologia ATM. Entre elas, o IETF (Internet Enginneeling Task Force e o ATMFORUM). Pág.:20

21 2.2. Modelo de Camadas ATM A Figura 2.1 ilustra uma simplificação do modelo de camadas ATM. Embora existam na literatura diversas propostas de mapeamento das camadas ATM nas camadas do modelo OSI, não trataremos aqui destas propostas. CAMADAS SUB CAMADAS FUNÇÕES Convergência AAL CS ATM PHY SAR TC PM Quebra e Remontagem Controle genérico de fluxo Inserção e remoção de Cabeçalho Interpretação de VPI / VCI Multiplexação / Demultiplexação de células Desacoplamento de taxa de células Geração e verificação de HEC Geração e Recuperação de frames Transmissão pelo meio físico Conversão eletroóptico CS Convergence Sublayer SAR Segmentation and Reasembly TC Transmission Convergence PM Physical Medium Figura 2.1 Estruturação das Camadas ATM Camada Física A camada física do modelo ATM é dividida em duas subcamadas TC (Transmission Convergence ) e PM ( Physical Medium). A subcamada TC efetua a seguinte seqüência de operações: Gera o HEC (Header Error Check) para cada célula e a insere no campo a ele destinado no cabeçalho; Transforma o fluxo de células em um fluxo de bits adequado para a transmissão pela subcamada inferior PM, podendo ser PDH, SDH ou FDDI, inserindo informações que permitirão a subcamada TC do receptor recuperar as fronteiras da células transmitidas, ou seja, faz o desacoplamento de taxa; Realiza a transmissão de bits pelo meio físico. Pág.:21

22 A subcamada de meio físico (PM) tem como função a transmissão de um conjunto de bits através de uma linha de transmissão, incluindo conversões eletroópticas. Para isto a mesma faz codificação do fluxo de informação recebido da TC em uma forma adequada para a transmissão no meio físico, para que seja possível a sincronização entre os circuitos transmissores e receptores, o embaralhamento é feito somente no payload. A codificação também esta relacionada com a delineação de células. O delineamento de células é a função que permite determinar onde, dentro de um fluxo de bits ou bytes recebidos, começa e termina uma célula. A figura 2.2 mostra o processo de delineamento HUNT α = 7 α HEC s incorretos encontrados sucessivamente HEC correto encontrado PRESYNC SYNC HEC incorreto encontrado δ = 6 δ HEC corretos encontrados sucessivamente Figura 2.2 Delineamento de Células através do HEC A figura 2.3 mostra os meios físicos padronizados utilizados hoje para a transmissão ATM. Taxa (Mbs) STM 1 elétrico 155,52 STM 1 óptico 155,52 STM 4 óptico 622,08 E1 2,048 E3 34,368 E4 139,264 Cell Bassed e 155,52 Cell Bassed O 155,52 Cell Bassed O 622,08 ATM 25 25,6 Taxi (FDDI) 100 Figura 2.3 Meio Físico para ATM Para o sistema STM-1, teríamos: Pág.:22

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - REDES PARA INFORMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Muito se falou sobre telecomunicações aplicadas as diversas áreas da comunicação. Todas as áreas de uma forma ou de outra são dependentes da computação/informática

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 8 Redes ATM Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral A RDSI-FE (Rede Digital de Serviços Faixa Estreita) apareceu como uma evolução das tradicionais redes telefônicas, para redes de tecnologia

Leia mais

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV Tutorial ATM Prof. Nilton Alves Objetivos e Público Alvo Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ PROTOCOLO ATM Asynchronous Transfer Mode Elton Coelho A. Gonçalves - 201301730432 Henry R. X. de andrade - 201201538106 Marvin Thomaz do Nascimento - 201301507271 Rafael Albino

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço.

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço. Redes ATM Tópicos Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células Interfaces Características ATM LANs Virtuais Categorias de Serviço LAN Emulation Introdução a ATM ATM = Asynchronous Transfer Mode

Leia mais

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Redes ATM Estrutura do Trabalho Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Conceito O Modo de Transferência Assíncrono(ATM) é

Leia mais

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Disciplina: Redes de Computadores 2. Arquiteturas de Redes: Modelo em camadas Prof. Ronaldo Introdução n Redes são

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito Interconexão x Frame relay Prof. José Marcos C. Brito 1 Formas de interconexão Interoperação direta entre redes distintas Possível quando os protocolos possuem semânticas semelhantes Acesso a um protocolo

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

RCO2. WAN: Frame Relay ATM

RCO2. WAN: Frame Relay ATM RCO2 WAN: Frame Relay ATM 1 WAN WAN: Wide Area Network Cobrem longas distâncias Conectividade provida por operadoras de serviço, cuja infraestrutura é compartilhada pelos clientes; cobrança por largura

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

2. PROTOCOLOS DE ACESSO

2. PROTOCOLOS DE ACESSO TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 03 ObjetivodaAula 2. PROTOCOLOS DE ACESSO 2.1 HDLC (High Level Data Link Control) 2.2 SLIP (Serial Line Internet Protocol)

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Coexistência sem suporte de QoS (Qualidade de Serviço) LAN Emulation (LANE) Classical IP over ATM (CLIP) Coexistência com suporte de

Leia mais

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC e Controle de guelfi@lsi.usp.br kiatake@lsi.usp.br NSRAV - Núcleo de Segurança e Redes de Alta Velocidade Introdução Controle de tráfego e controle de congestionamento são termos que descrevem diferentes

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 4 Comutação Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Comutação de Circuitos Comutação de Mensagens Comutação de Pacotes Redes Orientadas a Conexões Tecnologias Atuais

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Modelo de Referência OSI

Modelo de Referência OSI Modelo de Referência OSI Hermes Senger Pós-Graduação Lato Sensu em Redes de Computadores - DC - UFSCar Modelo OSI- 1 A necessidade de padronização Década de 70 : Sucesso das primeiras redes de dados (ARPANET,

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO Flávia Oliveira Santos de Sá Lisboa* Introdução O desenvolvimento da tecnologia ATM (Asynchronous Transfer Mode) tinha como principais objetivos integrar em uma única rede

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Redes de Computadores. Introdução

Redes de Computadores. Introdução Redes de Computadores Introdução Rede de Computadores Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Orientado à conexão Modo assíncrono* Comutação por Células ATM Aplicações que requerem classes de qualidade de serviço diferenciadas Pacotes de tamanho fixo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

5. Camada ATM (I.361)

5. Camada ATM (I.361) 5. Camada ATM (I.361) 5.1 Estrutura da célula Bits8 7 6 5 4 3 2 1 Cabeçalho (5 octetos) Campo de informação (48 octetos) 1... 5 6..... 53 octetos - Os octetos são enviados por ordem crescente começando

Leia mais

9. Redes Locais ATM. Redes com Integração de Serviços Redes ATM Prof. Augusto Casaca. 1 Capitulo 9

9. Redes Locais ATM. Redes com Integração de Serviços Redes ATM Prof. Augusto Casaca. 1 Capitulo 9 9. Redes Locais ATM 1 2 Desafios ATM é caracterizado por um serviço do tipo CO (Connection Oriented). Nos níveis superiores, os serviços mais utilizados são do tipo CL (Connectionless) 3 9.1 Suporte de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de e-systems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global: Comunicações

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

6.4 Tecnologias de Redes Alargadas

6.4 Tecnologias de Redes Alargadas Capítulo 6.4 6.4 Tecnologias de Redes Alargadas 1 Tecnologias de redes alargadas X.25 Frame Relay ATM 2 1 X.25 3 X.25 Tecnologia base das primeiras redes públicas de comutação de pacotes (ex. Telepac em

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Modelo de Referência -

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio II PADRÃO ETHERNET

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas TCP/IP x ISO/OSI A Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. Redes de Computadores

Leia mais

Redes de Computadores Concursos de TI

Redes de Computadores Concursos de TI Redes de Computadores Concursos de TI CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Prof. Bruno Guilhen Arquitetura e Protocolo de Redes www.concursosdeti.com.br E1 E9 Conceito de Protocolo E2 N1 R1 R3 R2 N5 R4 Como esses

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com ARQUITETURA DE REDES Hierarquia de Protocolos

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes Fundamentos de Rede Aula 01 - Introdução e Redes Contextualização Séculos XVIII e XIX - Revolução Industrial máquinas mecânicas, taylorismo, fábricas hierarquia, centralização da decisão, mainframes Séculos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

REDES MULTIMÍDIA (ATM) OBJETIVOS

REDES MULTIMÍDIA (ATM) OBJETIVOS REDES MULTIMÍDIA (ATM) Carlos Roberto OBJETIVOS Mostrar a evolução das Redes de Comunicações Definir Rede com Integração de Serviços: RDSI- FE e RDSI-FL Entender a tecnologia ATM: conceito, princípio de

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais