Renesas Programa Universitário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Renesas Programa Universitário"

Transcrição

1 Renesas Programa Universitário Conheça o mundo Renesas Renesas Electronics America Inc. Leonardo Afonso, FAE, REBR Date: 10/10/2012 Rev A

2 Renesas # 1 em soluções de MCU 2

3 Histórico da Renesas A Renesas Electronics surgiu da junção de grandes e conceituados fabricantes de semicondutores japoneses Primeiramente, em 2003 as empresas Mitsubishi e Hitachi se juntaram formando a Renesas (Renaissance Semiconductor for Advanced Solutions), e em 2010 a NEC entrou para sociedade. 3

4 Histórico da Renesas 4

5 Os três pilares da RENESAS A sinergia entre nossos três segmentos de produtos nos deixa aptos a gerar as melhores soluções. Microcontroladores e Microprocessadores #1 do Market share Mundial ASIC, ASSP & Memórias Tecnologia avançada e comprovada Soluções para inovação Componentes analógicos e de potência Portfólio extenso e de alta qualidade R&D Avançado. estratégia de fabricação duplicada. Alta gama de tecnologias de fabricação. 5

6 Porquê utilizar as soluções RENESAS? 6

7 Soluções Automotivas 7

8 8

9 9

10 Renesas MCUs 10

11 Standard Microcontroller Portfolio Superscalar, MMU, Multimedia Up to 1200 DMIPS, 45, 65 & 90nm process Video and audio processing on Linux Server, Industrial & Automotive High Performance CPU, Low Power Up to 500 DMIPS, 150 & 90nm process 600uA/MHz, 1.5 ua standby Medical, Automotive & Industrial High Performance CPU, FPU, DSC Up to 165 DMIPS, 90nm process 500uA/MHz, 2.5 ua standby Ethernet, CAN, USB, Motor Control, TFT Display True Low Power Up to 44 DMIPS, 130nm process 66 ua/mhz, 0.2 ua standby Compatibility with R8C and 78K Low Power General Purpose Up to 25 DMIPS, 150nm process 190 ua/mhz, 0.3 ua standby ~256KB, 10~144pin Up to 10 DMIPS, 130nm process 350 ua/mhz, 1 ua standby ~128KB Flash, 14~100pin 11

12 Uma introdução aos RTOS 12

13 O que é um RTOS? O Acronimo RTOS significa Real Time Operatinal System, em alguns lugares é chamado de Kernel ou Real Time Kernel. Apesar do nome similar a maioria dos RTOS são bem diferentes dos Sistemas Operacionais de computadores como o Windows ou Linux. Existem diversos RTOS no mercado como o Micrium, CMX, FreeRTOS e etc. 13

14 Diferenças entre um OS para um RTOS OS (de computador) Suas aplicações são compiladas separadamente do OS Quando você liga o computador apenas o OS é acionado RTOS Sua aplicação é compilada junto com o RTOS No boot sua aplicação toma o controle primeiro e depois inicializa o RTOS. Assim, a aplicação e o RTOS estão muito mais interconectados, nenhum roda sozinho 14

15 Diferenças entre um OS para um RTOS O RTOS não se proteje das aplicações como um OS de compudor faz. Razão: Para melhor performance. Para salvar memória apenas algumas partes do RTOS são compiladas, apenas aquelas que serão utilizadas. A maioria dos RTOS permitem ser configurados antes de ser juntado a sua aplicação, deixando você livre para retirar funções desnecessárias. 15

16 Tasks O bloco mais básico de software de um RTOS é chamado de Task. As Tasks são simplesmente subrotinas. Cada tarefa pode estar em um destes três estados: Running(Rodando), Ready(Pronta), Blocked(Bloqueada). 16

17 Scheduler É a parte do RTOS que decide qual task será executada Diferentemente do schedule do Windows ou Linux, os schedulers dos RTOS são bem mais simples. Geralmente seguem os niveis de prioridade de cada task: As de mais alto nivel de prioridade rodam primeiro enquanto as outras esperam em Ready, independente do fenômeno de Starvation. 17

18 Scheduler Uma tarefa irá se bloquear quando ela decidir que necessita de alguma coisa para continuar. Enquanto uma tarefa esta Bloqueada, ela estará inativa e a CPU não pode roda-la. Sendo assim, apenas uma interrupção (ISR) ou outra trarefa pode tira-la deste estado. As Tasks e interrupções podem tirar outras Tasks do Block mas apenas o scheduler pode colocar uma tarefa em Running. 18

19 Scheduler O Scheduler geralmente é Preemptivo ou Cooperativo: Cooperativo: ISR O sinal de interrupção deixa a task A em Ready Task A Task B A task A não pode rodar até que a task B acabe Time 19

20 Scheduler Preemptivo O sinal de interrupção deixa a task de maior prioridade em Ready ISR A task de maior prioridade é colocada em running High-Priority Task Low-Priority Task Time 20

21 OSEK RTOS 21

22 Inovação Assuma o controle de projetos integrados com um sistema operacional e ferramentas projetadas. 22

23 Introduçao ao Sistema Operacional OSEK O que é o OSEK? Por que usar OSEK Um Overview do OSEK OS, dos seus objetos e sua configuração Como construir aplicações com o OSEK OSEK OS: O Futuro 23

24 O que é o OSEK OS? Um RTOS permite particionar e controlar aplicações que rodam na CPU, enquanto responde eficientemente as interrupções Benefícios do OSEK OS Um Scheduler muito eficiente para tasks e interrupções. Criação de seções de códigos critica. Trigger baseado em tempo para tasks. Suporte para debbug. Ele não porporciona: Drivers Gráficos, sistema de arquivos nem comunicações. Gerações de novas tasks Proteção de memória Suporte para Multi Core 24

25 Porquê usar o OSEK OS? O desenvolvimento de softwares embarcados é geralmente muito atrelado ao produto ou projeto. Reduce Costs New Features New Hardware Shorter Development Cycles Deadlines Code Reuse Maintenance resultando em uma perda de controle no desenvolvimento do software. 25

26 Porquê usar o OSEK OS? Beneficios Especificação de interfaces padrão Redução de custos no desenvolvimento. Melhora na qualidade de controle do software. Independência de implementações individuais. Arquitetura eficiente: Configurável e escalável Abstração do HW e do compilador Melhor particionamento e manutenção da aplicação Configurações estáticas geram menor overhead Padrão maduro Usado em milhões de ECUs em todo o mundo Usado em todas as classes de produtos eletrônicos para veículos Body controllers Powertrain Chassis Multimedia 26

27 OSEK Origem OSEK / VDX resultou da junção de esforços de normalização franceses e alemães OSEK = Offene Systeme und deren Schnittstellen für die Elektronik im Kraftfahrzeug Open Systems and the Corresponding Interfaces for Automotive Electronics VDX = Vehicle Distributed executive OSEK é um projeto conjunto da indústria automotiva Industry standard for an open-ended architecture for distributed control units in vehicles As especificações resultantes estão abertas para qualquer pessoa usar OSEK foi padronizado pela ISO ISO Veículos rodoviários - interface aberta para aplicações embarcadas automotivas 27

28 As especificações do OSEK Overview OSEK é mais do que apenas o sistema operacional! Existe uma série de especificações complementares Uma liga é usada para identificar especificações Certificação está disponível. Veja para mais detalhes 28

29 As especificações do OSEK Sistema Operacional Existem três especificações em torno do OS OSEK (OS) Um sistema operativo orientado a eventos OSEK implementação da linguagem (OIL) Uma descrição baseada em texto para a configuração OSEK Portátil entre ferramentas de desenvolvimento OSEK Run timeinterface (ORTI) Uma interface que permite que um depurador apropriado veja o status do OS 29

30 As especificações do OSEK Comunicações OSEK também fornece especificações para a comunicação OSEK COM Permite a comunicação através de um barramento CAN OSEK Network Management (NM) Serve de base para as funções de controle distribuído OSEK Time Time-triggeded para ambientes com sistemas altamente confiáveis 30

31 OSEK OS - Objetos Tasks blocos de funcionalidade que são chamados em Runtime ISRs Manipuladores de interrupções Events Permite a sincronização de tarefas Resources Cria seções críticas do código, dando acesso atômico aos dados ou periféricos Counters & alarms Da base de tempo disparando as tarefas 31

32 Configuração do OSEK OSEK OS é configurado estaticamente Todos os objetos são definidos com antecedência Não pode ser criado em runtime Armazenadas como texto em arquivo OIL Permite a portabilidade entre as ferramentas Permite a implementação eficiente execução rápida Baixo consumo de memória Normalmente em torno de 2% do total de aplicação Permite análise em tempo real Com a aplicação apropriada e ferramentas Algumas restrições podem ser aplicadas CPU rtk_cpu { OS RTKOS { STATUS = EXTENDED; STARTUPHOOK = TRUE; SHUTDOWNHOOK = FALSE; ERRORHOOK = FALSE; PRETASKHOOK = FALSE; POSTTASKHOOK = FALSE; USEGETSERVICEID = FALSE; USEPARAMETERACCESS = FALSE; }; APPMODE OSDEFAULTAPPMODE { }; TASK B { PRIORITY = 1; SCHEDULE = FULL; ACTIVATION = 1; AUTOSTART = FALSE; }; TASK A { PRIORITY = 2; SCHEDULE = FULL; ACTIVATION = 1; AUTOSTART = FALSE; }; TASK osek_idle_task { SCHEDULE = FULL; ACTIVATION = 1; AUTOSTART = TRUE; }; ISR isr1 { CATEGORY = 2; }; 32

33 OSEK Conformance Classes OSEK OS suporta 4 classes de conformidade Permite escalabilidade no desenvolvimento de aplicações e implementações eficientes do OS Overhead por tarefa aumenta com o número de recursos Classe de Conformidade Básica 1 - Destinado a aplicações puramente embarcadas As tasks têm prioridades exclusivas Overheads As tasks não podem esperar para eventos Ativações única Classe de Conformidade Básica 2 Tasks podem compartilhar prioridades As tarefas não podem esperar para eventos BCC2 Pode usar fila Classe de Conformidade estendida 1 BCC1 Tarefas têm prioridades exclusivas As tarefas podem esperar para eventos Ativações única Classe de Conformidade estendida 2-Destinado a aplicações highend Tasks podem compartilhar prioridades As tarefas podem esperar para eventos Ativações única ECC1 ECC2 Features 33

34 Como construir aplicações com o OSEK Aplicação Preemptiva ISR 1 ISR 2 Para rodar interrupções mais rápidas a ISR categoria 1 funciona fora do OS A ISR categoria 2 rodamesporadicame nte e ativa uma task ISR categoria 2 de um timer de 1ms Contador registrando os ticks Alarme ativando uma task periódica ISR 3 ISR 4 Counter Alarm 10ms Alarm 5ms Task esporádica de alta prioridade Task periódica de 10ms Task periódica de 5ms Idle task Time (ms) 34

35 Como construir aplicações com o OSEK Aplicação Cooperativa As tasks podem criar pontos de programação para permitir que as tarefas de maior prioridade executem cooperativamente Pode ser útil para portar código comum para um OS IRS categoria 2 ativam as tasks As tasks de alta prioridade não rodam imediatamente Tarefa cria ponto de agendamento para evitar monopolizar a CPU ISR 1 ISR 2 ISR 3 Low priority task Mid-priority task High priority task Idle task Time (ms) 35

36 Como construir aplicações com o OSEK Suporte ao debug OSEK OS tem dois níveis Standard build: verificação de erro mínima, a fim de ser pequeno e rápido Extended build : verificação completa de erros e debug hooks É possível recuperar um código de erro, a API que o causou e os parâmetros passados na chamada ORTI permite um depurador apropriado para ver o status OS em runtime Qual tarefa está em execução O que indica as outras tarefas estão em Traçar o perfil de execução do sistema 36

37 OSEK O Futuro OSEK tem sido um padrão estável durante 10 anos No entanto, o mundo se move em Mais funcionalidades, novo hardware, conceitos melhores... AUTOSAR - Baseia-se na OSEK OS para oferecer: O mesmo conjunto de funcionalidades e APIs Suporte para proteção de memória e tempo Suporte para CPUs multicore XML de configuração Conceitos-chave de escalabilidade e eficiência são mantidos 37

38 Sumário OSEK define um conjunto de padrões abertos OSEK OS é o componente do sistema operacional de OSEK Implementação eficiente via configuração estática e classes Dead lock free através do Priority Ceiling Protocol. Construir uma variedade de aplicações usando o sistema operacional e controles de objetos Suporte a depuração extensa Roteiro para o futuro através AUTOSAR 38

39 Questões O que é uma task? Qual a diferença entre um OS de computador e um RTOS para sistemas embarcados? Como o Scheduler de um RTOS pode operar? Qual a diferença entre um RTOS Preemptivo e um Cooperativo? 39

40 Renesas Ecosystem: Recursos Online Dedicated Website br.renesas.com Online Training Online Community 3 rd -Party Network Downloads, alerts and more Facebook Group Blog Twitter news 40

41 Renesas Electronics America Inc.

42 Referências Gordon M., ID 711L: Getting Started with a Real-Time Kernel, Em: <http://www.renesasinteractive.com>, Acesso em: 07/10/2010. Dickie J., ID 025C: An Introduction to the OSEK Operating System, Em: Acesso em: 07/10/2010. D. Simon E., An Embedded Software Primer, Chapter 6. Em: <http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0cd0qfjaa&url=http%3a %2F%2Fwww.eie.polyu.edu.hk%2F~enjimmy%2FIES%2FRTOS.ppt&ei=SWp9UMHeF4m88ATKzoC4DQ&usg=A FQjCNHW4dD-4WChVWh05JUe_GHqTyqD5A>, Acesso em: 07/10/

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Projeto de Sistemas de Tempo Real

Projeto de Sistemas de Tempo Real Projeto de Sistemas de Tempo Real Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides elaborados pelo professor Marcio Cornélio O autor

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Programação de Periféricos

Programação de Periféricos Programação de Periféricos Componentes Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Apresentação Raspberry pi Sistema Operacional embarcado Atividade Raspberry pi Sistema computacional

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 06/07 Sérgio Sobral Nunes mail: sergio.nunes@fe.up.pt web: www.fe.up.pt/~ssn Sumário Definição

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Sistemas Embarcados: Uma Breve Introdução. Conceito: Sistemas Embarcados Características dos SEs Exemplos Projeto de Sistemas Embarcados: Visão Geral

Sistemas Embarcados: Uma Breve Introdução. Conceito: Sistemas Embarcados Características dos SEs Exemplos Projeto de Sistemas Embarcados: Visão Geral Sistemas Embarcados: Uma Breve Introdução Tópico: Agenda 1 Motivação Introdução aos Sistemas Embarcados (SEs) Conceito: Sistemas Embarcados Características dos SEs Exemplos Projeto de Sistemas Embarcados:

Leia mais

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955 O que vimos Infraestrutura de Software Introdução (cont.) Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Classificação dos Sistemas Operacionais Classificação Os sistemas operacionais podem ser classificados segundo diversos parâmetros e perspectivas.

Leia mais

Webinar Freescale Desenvolvimento de sistemas embarcados em Linux com a Thunderboard 11/12/2013

Webinar Freescale Desenvolvimento de sistemas embarcados em Linux com a Thunderboard 11/12/2013 Webinar Freescale Desenvolvimento de sistemas embarcados em Linux com a Thunderboard 11/12/2013 Índice Sobre a Thunderboard Descrição do produto System on Module (SoM) MDP i.mx28 Aplicações Vantagens BSP

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução. Características de sistemas embarcados. Software embarcado

Sistemas Embarcados. Introdução. Características de sistemas embarcados. Software embarcado Sistemas Embarcados Alexandre Carissimi João Cesar Netto Luigi Carro (asc@inf.ufrgs.br, netto@inf.ufrgs.br, carro@inf.ufrgs.br) Introdução Sistemas embarcados são parte integrante de muitos dispositivos

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/25 Roteiro Estrutura de um sistema operacional Interrupções Proteção do núcleo Níveis de privilégio Chamadas de sistema 2/25 Mono-processadores atuais seguem um

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille, da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Seleção de Sistemas Operacionais de Tempo Real para Sistemas Embarcados

Seleção de Sistemas Operacionais de Tempo Real para Sistemas Embarcados Seleção de Sistemas Operacionais de Tempo Real para Sistemas Embarcados RESUMO O presente documento pretende apresentar as principais características dos Sistemas Operacionais de Tempo Real para aplicação

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Aula 2 Modelos computacionais

Aula 2 Modelos computacionais Sistemas de Tempo-Real Aula 2 Modelos computacionais Modelos de tarefas com restrições temporais explícitas Controlo lógico e temporal (por eventos -ET e por tempo -TT) Adaptado dos slides desenvolvidos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Fundamentos de Hardware Aula 3 - Software

Fundamentos de Hardware Aula 3 - Software Fundamentos de Hardware Aula 3 - Software Informática Setembro/2014 Roteiro Apresentação. BIOS Softwares de Manutenção Drivers. Sistemas Operacionais. Tema da Apresentação 15 de março de 2015 2 Apresentação

Leia mais

Técnicas de Desenvolvimento para Sistemas Real Time com LabVIEW

Técnicas de Desenvolvimento para Sistemas Real Time com LabVIEW Técnicas de Desenvolvimento para Sistemas Real Time com LabVIEW André Oliveira Engenheiro de Vendas Rodrigo Schneiater Engenheiro de Aplicações NIDays 2011 1 Agenda Projeto Entendendo Modelos de Agendamento

Leia mais

Sistemas Operacionais de Tempo-Real. Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1

Sistemas Operacionais de Tempo-Real. Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1 Sistemas Operacionais de Tempo-Real Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1 Tópicos O que é computação de tempo-real? O que são sistemas operacionais de tempo-real? Onde são utilizados RTOSs? Sistemas:

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 06: Threads Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o conceito de thread Discutir as APIs das bibliotecas de threads Pthreads, Win32

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

ES952 - TRABALHO DE GRADUAÇÃO II

ES952 - TRABALHO DE GRADUAÇÃO II Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Mecânica Engenharia de Controle e Automação ES952 - TRABALHO DE GRADUAÇÃO II ANÁLISE DO USO DE UM SISTEMA OPERACIONAL DE TEMPO REAL EM UM SOFTWARE

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Luís Filipe Terra Ferreira, luis.terra@ua.pt Tiago Costa Gonçalves, tiagogoncalves@ua.pt

Luís Filipe Terra Ferreira, luis.terra@ua.pt Tiago Costa Gonçalves, tiagogoncalves@ua.pt Luís Filipe Terra Ferreira, luis.terra@ua.pt Tiago Costa Gonçalves, tiagogoncalves@ua.pt 1 FreeRTOS Esta apresentação tem como objectivo a caracterização, descrição sintética e exemplificação do sistema

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br O que é? Pra que serve? Onde se usa? Como funciona? O que é? Uma coleção de programas Inicia e usa do HW

Leia mais

Família CJ2. Novos CLPs com alta qualidade comprovada. Controladores Programáveis

Família CJ2. Novos CLPs com alta qualidade comprovada. Controladores Programáveis Controladores Programáveis Família CJ2 Novos CLPs com alta qualidade comprovada. >> Flexibilidade em comunicação >> Desenvolvimento mais rápido de máquinas >> Inovação através da evolução Inovação sem

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II

Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Descrever os métodos de alocação de recursos ublizados pelos sistemas operacionais. Descrever

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.)

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.) Infra-Estrutura de Software Introdução (cont.) O que vimos Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como

Leia mais

Telenews. Brasília - DF www.snews.tv +55 (61) 3321-6378 vendas@snews.tv

Telenews. Brasília - DF www.snews.tv +55 (61) 3321-6378 vendas@snews.tv Telenews Brasília - DF www.snews.tv +55 (61) 3321-6378 vendas@snews.tv CONFIGURAÇÕES TÉCNICAS Software com acesso via navegador de internet (browser) O TeleNews segue uma estrutura cliente/servidor, no

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão relacionados diretamente com a evolução do hardware e das

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Aula 05 Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br)

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários 2 Partes do Sistema Computacional HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS Software Dados Usuários Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística

Leia mais

Máquina de estados UNIX O

Máquina de estados UNIX O Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Sistemas Operacionais Distribuídos e Multiprocessados

Sistemas Operacionais Distribuídos e Multiprocessados Tópicos em Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Distribuídos e Multiprocessados Por André Macedo, Marcelo Moraes, Thaís Fernandes Sumário Teoria: Sistemas Multiprocessados Estudo de caso:k42 Teoria:

Leia mais

Máquinas virtuais. Máquina virtual de um processo. Máquinas virtuais (3) Máquina virtual de sistema. Máquinas virtuais (1) VMware para Windows e Linux

Máquinas virtuais. Máquina virtual de um processo. Máquinas virtuais (3) Máquina virtual de sistema. Máquinas virtuais (1) VMware para Windows e Linux System API Máquinas virtuais System ISA (Instruction Set Architecture) Aplicações Chamadas ao sistema Sistema de Operação Hardware User ISA (Instruction Set Architecture) Uma máquina virtual executa software

Leia mais

SISTEMAS EMBARCADOS. Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa

SISTEMAS EMBARCADOS. Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa SISTEMAS EMBARCADOS Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa ÍNDICE História O que são Sistemas Embarcados? Exemplos e Aplicações Arquitetura Conceitual Implementação de Projetos Futuro dos Sistemas Embarcados

Leia mais

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos Arquiteutra de Sistemas Distribuídos Introdução Applications, services Adaptação do conjunto de slides do livro Distributed Systems, Tanembaum,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT O que é um Sistema Operacional? Um software que abstrai as complexidades do hardware de um usuário/programador

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas. integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES

SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas. integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES Sistemas de visão Visão geral da linha de produtos Série SIMATIC VS720A - As câmeras inteligentes

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Introdução Multiprogramação Permite a execução de diversos processos concorrentemente Maior

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. André Dutton

SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. André Dutton 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. André Dutton O OS esta ligado diretamente com o Hardware do Computador no qual ele é executado. CPU MEMORIA CONTROLAD OR DE VIDEO CONTROLAD OR DE TECLADO CONTROLAD OR DE DISCO

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. George Gomes Cabral

SISTEMAS OPERACIONAIS. George Gomes Cabral SISTEMAS OPERACIONAIS George Gomes Cabral COMPONENTES GENÉRICOS DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL Hardware Recurso básicos (memória, dispositivos de E/S, CPU) Sistema operacional Controla e coordena o uso do

Leia mais

Seminário de Lei de Informática. Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial

Seminário de Lei de Informática. Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial Seminário de Lei de Informática Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial Conteúdo Introdução Casos de Sucesso IMPORTÂNCIA DA LEI Estabelece uma Política de Desenvolvimento Nacional; Estimula a inserção

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Técnico em Informática SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Professor Airton Ribeiro de Sousa Sistemas operacionais Sistema de Arquivos pode ser definido como uma estrutura que indica como os dados

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Windows NT 4.0. Centro de Computação

Windows NT 4.0. Centro de Computação Windows NT 4.0 Centro de Computação Tópicos Introdução Instalação Configuração Organização da rede Administração Usuários Servidores Domínios Segurança Tópicos È O sistema operacional Windows NT È Características:

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP)

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) teste 1 Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) Rafael Fernando Diorio www.diorio.com.br Tópicos - Atualizações e segurança do sistema - Gerenciamento do computador -

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Agenda Definição de Sistemas Distribuídos Evolução Histórica Exemplos Comparação com Sistemas Centralizados Conclusão 2 Definição

Leia mais

Apache + PHP + MySQL

Apache + PHP + MySQL Apache + PHP + MySQL Fernando Lozano Consultor Independente Prof. Faculdade Metodista Bennett Webmaster da Free Software Foundation fernando@lozano.eti.br SEPAI 2001 O Que São Estes Softwares Apache: Servidor

Leia mais

Noções básicas de Informática: Software

Noções básicas de Informática: Software Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Noções básicas de Informática: Software DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Sobre

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Sabaris Carballo Pinto Gerenciamento de Dispositivos Gerenciamento de Dispositivos de E/S Introdução Gerenciador de Dispositivos Todos os dispositivos

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Hardware. Objetivos da aula. Fornecer exemplos de processadores Intel. Esclarecer as diferenças e as tecnologias embutidas nos processadores Intel.

Hardware. Objetivos da aula. Fornecer exemplos de processadores Intel. Esclarecer as diferenças e as tecnologias embutidas nos processadores Intel. Hardware UCP Unidade Central de Processamento Características dos processadores Intel Disciplina: Organização e Arquitetura de Computadores Prof. Luiz Antonio do Nascimento Faculdade Nossa Cidade Objetivos

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS Prof. Victor Halla Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Conteúdo Estudo de Casos; Linux e Windows; Características; VMware e Xen; Características; Ferramentas; Custo total de posse TCO = Total

Leia mais