3.4b Órgãos intervenientes no processo de regulação das atividades de negócios internacionais O M C

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3.4b Órgãos intervenientes no processo de regulação das atividades de negócios internacionais O M C"

Transcrição

1 3.4b Órgãos intervenientes no processo de regulação das atividades de negócios internacionais O M C DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, LUDOVICO, Nelson. Logística Internacional. São Paulo: Saraiva, SEGRE, German. Manual Prático de Comércio Exterior. São Paulo: Atlas, SOSA, Roosevelt Baldomir. Glossário de Aduana e Comércio Exterior. São Paulo: Aduanas, VAZQUEZ, José Lopes. Comércio Exterior Brasileiro. São Paulo, /02/ atividades de negócios internacionais 1

2 Órgãos governamentais no sistema de comércio exterior brasileiro Conselho Monetário Nacional Câmara de Comércio Exterior Camex Secretaria de Comércio Exterior Secretaria da Receita Federal Banco Central do Brasil 08/02/

3 CMN Conselho Monetário Nacional Órgão normativo por excelência (não tem funções executivas). Responsável pela fixação das diretrizes da política monetária, creditícia e cambial do País. atividades de negócios internacionais 3

4 REUNIÕES do Conselho Monetário Nacional (CMN) Os seus membros reúnem-se uma vez por mês para deliberarem sobre assuntos relacionados com as competências do CMN. Em casos extraordinários pode acontecer mais de uma reunião por mês. 4

5 CMN (Conselho Monetário Nacional) DIVULGAÇÃO As matérias aprovadas são regulamentadas por meio de Resoluções, normativo de caráter público, sempre divulgado no Diário Oficial da União e na página de normativos do Banco Central do Brasil. De todas as reuniões são lavradas atas, cujo extrato é publicado no DOU (Diário Oficial da União). COMISSÕES DE ASSESSORAMENTO Junto ao CMN funciona a Comissão Técnica da Moeda e do Crédito (Comoc) como órgão de assessoramento técnico na formulação da política da moeda e do crédito do País. A Comoc manifesta-se previamente sobre os assuntos de competência do CMN. Além da Comoc, a legislação prevê o funcionamento de mais sete comissões consultivas. FUNÇÃO SUPORTE DO BACEN O Banco Central do Brasil é a Secretaria-Executiva do CMN e da Comoc. Compete ao Banco Central organizar e assessorar as sessões deliberativas (preparar, assessorar e dar suporte durante as reuniões, elaborar as atas e manter seu arquivo histórico). 5

6 Objetivos do CMN MEIOS DE PAGAMENTO Adaptar o volume de dinheiro, depósitos e títulos às reais necessidades da economia nacional e seu processo de desenvolvimento; VALOR DA MOEDA Regular o valor interno e externo da moeda INFLAÇÃO / DEFLAÇÃO Controlar; BALANÇO DE PAGAMENTO Fazer o equilíbrio; EMPRÉSTIMOS FINANCEIROS Orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras, quer públicas, quer privadas; APERFEIÇOAMENTO E SOLVÊNCIA DO SISTEMA BANCÁRIO - O Zelar; POLÍTICAS Coordenar as políticas monetária, creditícia, orçamentária, fiscal e da dívida pública, interna e externa; PAPEL MOEDA Autorizar emissões de papel moeda. 6

7 CAMEX Câmara de Comércio Exterior Responsável pela formulação, decisão e orientação de políticas e atividades relativas ao comércio exterior de bens e serviços, incluindo o Turismo. É composta pelos MINISTROS: do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (presidente) das Relações Exteriores da Fazenda da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Chefe da Casa Civil da Presidência da República do Planejamento, Orçamento e Gestão atividades de negócios internacionais 7

8 CAMEX Câmara de Comércio Exterior. 8

9 SECEX Secretaria de Comércio Exterior É subordinada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Cabe-lhe conduzir as atividades inerentes ao comércio exterior 9

10 SRF Secretaria da Receita Federal É subordinada ao Ministério da Fazenda. Tem atuação intensa na área de comércio exterior, sendo responsável pelo desembaraço aduaneiro das mercadorias nas exportações e importações. Juntos, a SRF + SECOMEX + BACEN, foram o triunvirato que exerce o maior poder sobre o comércio exterior. O SISCOMEX, o SISBACEN e o SERPRO formam a parte operacional desse triunvirato. 10

11 SRF. ÓRGÃO SRF Secretaria da Receita Federal BACEN Banco Central do Brasil MF Ministério da Fazenda SISTEMA OPERACIONAL SISCOMEX Sistema Integrado de Comércio Exterior SISBACEN Sistema de Informações Banco Central SERPRO Sistema Federal de Processamento de Dados 11

12 BACEN Banco Central do Brasil É o órgão executivo central do sistema financeiro nacional. 12

13 Principais ATRIBUIÇÕES do BACEN Emitir papel-moeda e moeda metálica nas condições e limites autorizados pelo CMN Executar serviços de controle dos bancos comerciais de todo o País Realizar operações de empréstimos às instituições financeiras Efetuar operações de compra e venda de títulos públicos federais Regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis Exercer o controle do crédito sob todas as suas formas Exercer a fiscalização das instituições financeiras 13

14 ... 14

IGEPP SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BACEN JUNHO 2016 PROFESSOR: CÉSAR FRADE

IGEPP SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BACEN JUNHO 2016 PROFESSOR: CÉSAR FRADE Questão 1 (Cesgranrio Analista BACEN 2010) O Conselho Monetário Nacional é a entidade superior do sistema financeiro nacional, NÃO sendo de sua competência a) estabelecer a meta de inflação. b) zelar pela

Leia mais

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César Mercado de Capitais Sistema financeiro nacional Professor: Msc. Roberto César Sistema Financeiro Consumo Poupança Investimento Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido

Leia mais

A ESTRUTURA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO

A ESTRUTURA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO A ESTRUTURA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO Este post é um pouco maior do que o habitual, mas o assunto é de interesse geral, principalmente para aqueles que estão iniciando no comércio exterior. ****

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Regimento Interno da Comissão Gestora do Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, criada pelo Decreto nº 660, de 25 de setembro

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL

BANCO CENTRAL DO BRASIL 1 DECRETO Nº 1.307 09 DE NOVEMBRO DE 1994 Aprova o Regimento Interno do Conselho Monetário Nacional. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

Leia mais

CONTABILIDADE DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

CONTABILIDADE DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS CONTABILIDADE DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Importância do recurso financeiro para o mundo; Cada nação tem sua estratégia de adquirir seus recursos financeiros; Essa organização é

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

DRAWBACK. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010.

DRAWBACK. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. DRAWBACK CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.827, DE 30 DE JANEIRO DE Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº 3.827, DE 30 DE JANEIRO DE Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. CIRCULAR Nº 3.827, DE 30 DE JANEIRO DE 2017 Altera e divulga o Regulamento do Comitê de Estabilidade Financeira (Comef). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 20 de janeiro

Leia mais

LEGISLAÇÃO E REGULAÇÃO

LEGISLAÇÃO E REGULAÇÃO Módulo 1 Legislação TÍTULO Xe Regulação LEGISLAÇÃO E REGULAÇÃO Decidimos iniciar este curso pelo estudo das leis e mecanismos que regulam as instituições financeiras, de modo a lhe dar uma visão geral

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

O LADO MONETÁRIO DA ECONOMIA

O LADO MONETÁRIO DA ECONOMIA O LADO MONETÁRIO DA ECONOMIA 1 MOEDA: instrumento ou objeto aceito pela coletividade para intermediar as transações econômicas, para pagamentos de bens e serviços. Moeda Mercadoria: antigamente, as transações

Leia mais

Comitê de Política Monetária - COPOM Conhecimentos Bancários

Comitê de Política Monetária - COPOM Conhecimentos Bancários Comitê de Política Monetária - Conhecimentos Bancários Foi instituído em 20 de junho de 1996, com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros. A criação do

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS.

CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS. CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA -

Leia mais

1. Sistema Financeiro Nacional... 2

1. Sistema Financeiro Nacional... 2 1. Sistema Financeiro Nacional... 2 1.1. Funções Básicas... 2 1.1.1 Função dos Intermediários Financeiros e definição de Intermediação Financeira... 2 1.2. Estrutura... 3 1.2.1 Órgãos de Regulação, Auto-Regulação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS

CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS Estado do Rio de Janeiro CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS Gabinete do Vereador Thimoteo Cavalcanti Projeto de Resolução N.º004/2015 O Projeto de Resolução cria a Escola Legislativa da Câmara Municipal

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior

Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior FGV/2017 Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior Abrão Miguel Árabe Neto Secretário de Comércio Exterior Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - CENÁRIO ATUAL Desafios à Competitividade

Leia mais

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO CONTROLAR PROCESSO DE EXPORTAÇÃO

DESCRITIVO DO PROCESSO CONTROLAR PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DESCRITIVO DO PROCESSO 04.01.02. CONTROLAR PROCESSO DE EXPORTAÇÃO BRASÍLIA, 09/03/16 1. Diagrama do processo 04.01.02. CONTROLAR PROCESSO DE EXPORTAÇÃO CoordenaçãoGeral de Planejamento, Organização e Avaliação

Leia mais

Formação Analista em Comércio Exterior

Formação Analista em Comércio Exterior Formação Analista em Comércio Exterior Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista em Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento, coordenação

Leia mais

Governo Municipal de Oriximiná ORÇAMENTO PROGRAMA PARA Consolidado

Governo Municipal de Oriximiná ORÇAMENTO PROGRAMA PARA Consolidado 01 Câmara Municipal de Oriximiná Legislação.: Legislativo Municipal Atribuições: Legislar com a sanção do Prefeito municipal, sobre as matérias de competência do Município e tributos Municipais, bem como

Leia mais

Exportação Passo a Passo

Exportação Passo a Passo Sumário 3 4 5 6 1. INTRODUÇÃO 7 2. IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE EXPORTADORA POR QUE EXPORTAR? 9 2.1. A internacionalização da empresa 10 2.2. Etapas da internacionalização da empresa 2.3. Considerações importantes

Leia mais

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Competências A Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão integrante do Conselho de Governo, tem por objetivo

Leia mais

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX).

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Aula 12 ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Segundo LOPES VASQUES (2007) as políticas de regulamentação, normatização e execução

Leia mais

CONVERSANDO COM ESPECIALISTAS DE MERCADO: O papel do despachante aduaneiro no comércio internacional

CONVERSANDO COM ESPECIALISTAS DE MERCADO: O papel do despachante aduaneiro no comércio internacional CONVERSANDO COM ESPECIALISTAS DE MERCADO: O papel do despachante aduaneiro no comércio internacional Horário: 19h10 Local: Sala UL 25, bloco amarelo, FCA Limeira, 05 de setembro de 2012. O DESPACHANTE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 5 01/09/2016 09:30 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.017, DE 6 DE ABRIL DE 1999. Aprova o Regimento do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU DECRETO N 8290, DE 17 DE SETEMBRO DE 1998 Aprova o Estatuto da Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano e Rural de Bauru - EMDURB NILSON FERREIRA COSTA, Prefeito Municipal de Bauru, Estado de São Paulo,

Leia mais

16/04/2017. Sistema Financeiro Nacional. Agenda da Aula - 5. Sistema Financeiro Nacional - SFN. Questões Norteadoras. Sistema Financeiro Nacional

16/04/2017. Sistema Financeiro Nacional. Agenda da Aula - 5. Sistema Financeiro Nacional - SFN. Questões Norteadoras. Sistema Financeiro Nacional Carlos R. Godoy 1 Mercado Financeiro I RCC 0407 Carlos R. Godoy 2 1. SFN Agenda da Aula - 5 2. Estrutura do SFN 3. CMN 4. BCB Sistema Financeiro Nacional - SFN Aula 5 5. CVM 6. BNDES 7. Bancos Comerciais

Leia mais

NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - A presente norma dispõe sobre as regras de governança do Complexo Histórico

Leia mais

ATUALIDADES DO MERCADO FINACEIRO E CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PARA ESCRITURÁRIO DO BB Aula 00 - Aula Demonstrativa Prof. Francisco Mariotti

ATUALIDADES DO MERCADO FINACEIRO E CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PARA ESCRITURÁRIO DO BB Aula 00 - Aula Demonstrativa Prof. Francisco Mariotti Aula 00 Atualidades do Mercado Financeiro e Conhecimentos Bancários para Escriturário do Banco do Brasil Professor: Francisco Mariotti 1 Aula 00 Aula Demonstrativa Olá! Apresento a vocês o curso conjunto

Leia mais

O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de Câmbio)

O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de Câmbio) O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas,

Leia mais

FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS

FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ARRECADAÇÃO DE TRIBUTOS E PAGAMENTO DE BENEFÍCIOS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL H I S T Ó R I C O ESTRUTURA ATUAL AUTORID. MONETÁRIAS AUTORID. DE APOIO INST.

Leia mais

1. Moeda e o Sistema Monetário

1. Moeda e o Sistema Monetário 1. Moeda e o Sistema Monetário 1.2 Funções típicas dos Bancos Centrais Bibliografia Carvalho, F. (2015), cap. 2 BCB (PMF 11) 1 Origem dos Bancos Centrais Origens dos primeiros Bancos Centrais Desenvolvimento

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Mercado de Câmbio Professor Lucas Silva www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Bancários Aula XX MERCADO DE CÂMBIO É o mercado onde ocorre a negociação de moedas estrangeiras

Leia mais

Unidade I ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto

Unidade I ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto Unidade I ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Administração financeira Objetivos Trabalhar com ferramentas e conceitos que permitam aos alunos: identificar necessidades atuais e futuras de recursos

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE CESUMAR DE PONTA GROSSA. CAPÍTULO I DA NATUREZA, OBJETIVOS E FINALIDADES. Art. 1º O

Leia mais

MERCADO DE CÂMBIO. Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013

MERCADO DE CÂMBIO. Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013 MERCADO DE CÂMBIO e Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013 MERCADO DE CÂMBIO CONCEITO É o mercado que reúne compradores e vendedores de moedas estrangeiras, sob supervisão do Banco Central. Os compradores

Leia mais

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos.

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos. De quais ferramentas dispõe o Banco Central para fazer política monetária? a) Emissão de moeda, compra e venda de títulos públicos, controle de câmbio. b) Compra e venda de títulos públicos, controle de

Leia mais

Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO. Profa. Lérida Malagueta

Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO. Profa. Lérida Malagueta Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Profa. Lérida Malagueta Sistemática de importação e exportação - conteúdo O Comércio Internacional Legislação e a estrutura brasileira Termos internacionais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE TESOURARIA GERAL - CTG

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE TESOURARIA GERAL - CTG REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE TESOURARIA GERAL - CTG COORDENADORIA DE TESOURARIA GERAL CTG REGIMENTO INTERNO RI CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o. Estabelecer normas, critérios e procedimentos

Leia mais

Objetivo e Ambiente de Administração Financeira O Ambiente Operacional do Administrador Financeiro e o da Empresa

Objetivo e Ambiente de Administração Financeira O Ambiente Operacional do Administrador Financeiro e o da Empresa Objetivo e Ambiente de Administração Financeira O Ambiente Operacional do Administrador Financeiro e o da Empresa Ambiente Operacional Não importa qual será a constituição da empresa (pública ou privada,

Leia mais

10. (Cespe/Câmara dos Deputados/2014) O contrato de seguro assume que existem direitos e obrigações de ambas as partes. Deve

10. (Cespe/Câmara dos Deputados/2014) O contrato de seguro assume que existem direitos e obrigações de ambas as partes. Deve Conhecimentos Bancários Beto Fernandes 1. (Cesgranrio/Banco da Amazônia/2014) Atualmente, o Sistema Financeiro Nacional é composto por órgãos normativos, entidades supervisoras e por operadores. Um dos

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Documento: Área Emitente: Manual de Governança Corporativa Assessoria de Planejamento, Orçamento, Controle e Regulatório HISTÓRICO DAS REVISÕES Rev. nº. Data Descrição 01 19/12/2012 Segregação do Manual

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA. Professor:César Augusto Moreira Bergo Data: Maio 2011

CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA. Professor:César Augusto Moreira Bergo Data: Maio 2011 CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA Professor:César Augusto Moreira Bergo Data: Maio 2011 Conceito de Economia: Ciência que estuda as formas de comportamento humano resultantes da relação existente entre as

Leia mais

Aprendendo na Prática Siscomex

Aprendendo na Prática Siscomex Aprendendo na Prática Siscomex Apresentação do Professor Professor: Douglas Cândido. Administrador com ênfase em Comércio Exterior pela Estácio de Sá, MBA em Gestão de Negócios Internacionais pela FGV,

Leia mais

3.1 Estrutura Cambial Brasileira e Mundial

3.1 Estrutura Cambial Brasileira e Mundial 3.1 Estrutura Cambial Brasileira e Mundial DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: VAZQUEZ, José Lopes. Comércio Exterior Brasileiro. São Paulo, Atlas, 2003. SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística

Leia mais

Controle Interno na Administração Pública. Palestrantes: Aleni Cunha Isabel Martins Tércio Vitor

Controle Interno na Administração Pública. Palestrantes: Aleni Cunha Isabel Martins Tércio Vitor Controle Interno na Administração Pública Palestrantes: Aleni Cunha Isabel Martins Tércio Vitor Controle Interno A origem do controle está estabelecida na Lei 4.320/64. Constituição Federal de 1988. Lei

Leia mais

ANEXO II (artigo 26) QUADRO DE CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES GRATIFICADAS

ANEXO II (artigo 26) QUADRO DE CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES GRATIFICADAS ANEXO II (artigo 26) CARGO: Assessor Jurídico - CC-5 ou FG-5 SÍNTESE DOS DEVERES: execução, coordenação e controle das atividades jurídicas da câmara, competindo-lhe pronunciar-se sobre toda a matéria

Leia mais

DECRETO DE 21 DE JULHO DE 2008 (DOU 22/07/2008)

DECRETO DE 21 DE JULHO DE 2008 (DOU 22/07/2008) 1 DECRETO DE 21 DE JULHO DE 2008 (DOU 22/07/2008) Cria a Comissão Nacional de Combate à Desertificação - CNCD e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o

Leia mais

LEI Nº 4.595, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1964

LEI Nº 4.595, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1964 LEI Nº 4.595, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1964 Dispõe sobre a Política e as Instituições Monetárias, Bancárias e Creditícias, Cria o Conselho Monetário Nacional e dá outras providências. CAPÍTULO IV DAS INSTITUIÇÕES

Leia mais

Recinto Especial para Despacho Aduaneiro de Exportação (REDEX)

Recinto Especial para Despacho Aduaneiro de Exportação (REDEX) Mercadores Recinto Especial para Despacho Aduaneiro de Exportação (REDEX) Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa SRF nº 114, de 31 de dezembro de 2001

Leia mais

EMENTAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR

EMENTAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR EMENTAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR Disciplina: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Introdução a metodologia científica, aspectos do conhecimento

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PAUINI GABIENTE DA PREFEITA Ato do Poder Executivo

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PAUINI GABIENTE DA PREFEITA Ato do Poder Executivo LEI MUNICIPAL Nº245, de 30 de dezembro de 2014. Estima a Receita e fixa a Despesa do Orçamento Anual do Município de PAUINI, para o exercício financeiro de 2015. A Prefeita Municipal de Pauini, Estado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 10/04/2017 17:22 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.584, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2003. Institui o Serviço Social Autônomo Agência de Promoção de Exportações

Leia mais

DECRETO RIO Nº DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO RIO Nº DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO RIO Nº 43378 DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) Dispõe sobre a estrutura organizacional da Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S.A. - RIOSAÚDE. O PREFEITO DA CIDADE DO

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 1431/2007 DE 01 DE OUTUBRO DE 2007.

LEI MUNICIPAL N.º 1431/2007 DE 01 DE OUTUBRO DE 2007. LEI MUNICIPAL N.º 1431/2007 DE 01 DE OUTUBRO DE 2007. Altera redação do artigo 24, Extingue e Cria Cargos da Lei Municipal N : 1.413/2007, de 06/08/2007. JORGE LUIZ WILHELM, Prefeito Municipal de Três

Leia mais

O Processo de Importação e Suas Etapas

O Processo de Importação e Suas Etapas O Processo de Importação e Suas Etapas CURSO: Administração / DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004.

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis.

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Ainda hoje no Brasil, são raras as pesquisas e publicações na área da Contabilidade Pública

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Câmbio TROCA Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Câmbio TROCA Moedas Estrangeiras

Leia mais

ECONOMIA TEORIA MONETÁRIA DEFINIÇÃO DE CONCEITOS: FUNÇÕES DA MOEDA: Meio de Troca Unidade de Conta Reserva de Valor 1 DEFINIÇÃO DE CONCEITOS: BANCO CENTRAL: SIGLA = BACEN Possui a PRIMAZIA (MONOPÓLIO)

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

Transferência de Bens entre Regimes Aduaneiros

Transferência de Bens entre Regimes Aduaneiros Mercadores Transferência de Bens entre Regimes Aduaneiros Coletânea (Normas Vigentes) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: nstrução Normativa SRF nº 410, de 19 de março de 2004 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com

Leia mais

DECRETO Nº 6.433, DE 15 DE ABRIL DE 2008 (DOU 16/04/2008)

DECRETO Nº 6.433, DE 15 DE ABRIL DE 2008 (DOU 16/04/2008) 1 DECRETO Nº 6.433, DE 15 DE ABRIL DE 2008 (DOU 16/04/2008) Institui o Comitê Gestor do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural - CGITR e dispõe sobre a forma de opção de que trata o inciso III do

Leia mais

DECRETO Nº , DE 18 DE JULHO DE 2001.

DECRETO Nº , DE 18 DE JULHO DE 2001. DECRETO Nº. 3.872, DE 18 DE JULHO DE 2001. Dispõe sobre o Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - CG ICP-Brasil, sua Secretaria-Executiva, sua Comissão Técnica Executiva e dá outras

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - CG ICP-Brasil.

Aprova o Regimento Interno do Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - CG ICP-Brasil. COMITÊ GESTOR DA INFRA-ESTRUTURA DE CHAVES PÚBLICAS RESOLUÇÃO No- 63, DE 1º- DE ABRIL DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - CG ICP-Brasil.

Leia mais

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas 3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS XXXVI CICLO DE REUNIÕES CONJUNTAS DA CSM/PR SEMENTES DESAFIOS PARA O FUTURO ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS 20 de junho de 2017 Foz do Iguaçu - PR Virgínia Arantes Ferreira Carpi Coordenadora

Leia mais

Teste de Proficiência

Teste de Proficiência Teste de Proficiência Curso: Tecnólogo em Gestão Financeira Turma: Gestão Financeira Nome: Data: 21/09/2017 RECOMENDAÇÕES 1. A resolução do teste deve ser a CANETA AZUL ou PRETA; 2. O teste é INDIVIDUAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 9.004, DE 13 DE MARÇO DE 2017 Vigência Transfere a Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Controle Administrativo no Comércio Exterior São Paulo, 18 de setembro de 2013 Controle administrativo 1. O que é o controle administrativo? 2. Aspectos

Leia mais

PROJETO DE LEI N 022/2017.

PROJETO DE LEI N 022/2017. PROJETO DE LEI N 022/2017. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Turismo COMTUR e do Fundo Municipal de Turismo - FUMTUR, e dá outras providências. Art. 1º. Fica criado o Conselho Municipal de

Leia mais

EXERCÍCIOS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL

EXERCÍCIOS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL EXERCÍCIOS DE SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL 1. (NCE) CVM/2008/Analista de Mercado de Capitais/Questão 37 O sistema financeiro brasileiro pode ser entendido como o conjunto de instrumentos, mecanismos e instituições

Leia mais

Sistema Nacional de Educação

Sistema Nacional de Educação Sistema Nacional de Educação: organização e estrutura Sistema Nacional de Educação unidade dos vários aspectos ou serviços educacionais mobilizados por determinado país, intencionalmente reunidos de modo

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Poder Legislativo: Funções Típicas e Atípicas / Congresso Nacional Professora Kerolinne Barboza www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Constitucional PODER LEGISLATIVO: FUNÇÕES TÍPICAS

Leia mais

Capítulo 4 ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZAÇÃO

Capítulo 4 ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZAÇÃO Capítulo 4 ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZAÇÃO 104 Banco de Cabo Verde / Relatório Anual de 2008 Capítulo 4 - Enquadramento Institucional e Organização 1. Órgãos de Gestão do Banco de Cabo Verde

Leia mais

16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS

16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS 16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

Mercado Gerenciamento de Empresas

Mercado Gerenciamento de Empresas Mercado Gerenciamento de Empresas Prof. Cícero Wilrison Eng Mecânico e de Segurança do Trabalho É a relação entre a oferta e a procura de produtos e serviços. De acordo com a Oferta e a Procura O mercado

Leia mais

ABRACOMEX Guia Básico do Siscomex Exportação

ABRACOMEX Guia Básico do Siscomex Exportação ABRACOMEX Guia Básico do Siscomex Exportação 0800.7183810 Apresentação do Professor Douglas Cândido Graduação em Administração c/ Hab. em Comércio Exterior pela Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regimento disciplina a organização, o funcionamento e as atribuições da Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

IN 01/2009 AUDITORIA INTERNA

IN 01/2009 AUDITORIA INTERNA IN 01/2009 AUDITORIA INTERNA Instrução Normativa do Conselho Nacional do Brasil da SSVP Nº 001/2009, de 24/01/2009. Assunto: Criação de Auditoria Interna Rio de Janeiro/RJ, 24 de janeiro de 2009. Livro

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 2. Apresentação. Aula 2. Orçamento Público. O orçamento nacional deve ser equilibrado

Contabilidade Pública. Aula 2. Apresentação. Aula 2. Orçamento Público. O orçamento nacional deve ser equilibrado Contabilidade Pública Aula 2 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Aula 2 Orçamento Público: conceito e finalidades. O orçamento nacional deve ser equilibrado As dívidas públicas devem ser reduzidas...

Leia mais

DOU 23/12/16, SEÇÃO 1, PÁG SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.678, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016

DOU 23/12/16, SEÇÃO 1, PÁG SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.678, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 DOU 23/12/16, SEÇÃO 1, PÁG. 154. SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.678, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 Altera a Instrução Normativa SRF nº 228, de 21 de outubro de 2002, que dispõe

Leia mais

POLÍTICA SUCESSÃO. Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados do Banrisul

POLÍTICA SUCESSÃO. Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados do Banrisul POLÍTICA DE SUCESSÃO Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados do Banrisul Sumário APRESENTAÇÃO... 3 CAPITULO 1... 4 1. Abrangência... 4 2. Vigência... 4 CAPITULO 2... 5 1. Definição... 5

Leia mais

LEI N 3.994, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

LEI N 3.994, DE 18 DE MARÇO DE 2014. LEI N 3.994, DE 18 DE MARÇO DE 2014. FIA. Dispõe sobre o Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PALHOÇA, Estado de Santa Catarina.

Leia mais

LEI Nº 73, DE 30 MAIO DE 2006.

LEI Nº 73, DE 30 MAIO DE 2006. LEI Nº 73, DE 30 MAIO DE 2006. O Prefeito Municipal de Tijucas do Sul, Estado do Paraná: A Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Reforma a estrutura organizacional da Administração Pública

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL

BANCO CENTRAL DO BRASIL BANCO CENTRAL DO BRASIL Órgãos Normativos - Conselho Monetário Nacional CMN - Conselho Nacional de Seguros Privados - Conselho de Gestão da Previdência Complementar - CGPC Entidades Supervisoras - Banco

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 Aprova Regimento da Assessoria Jurídica da FUNREI ASJUR O Presidente do Conselho Deliberativo Superior da Fundação de Ensino Superior de São João del-rei FUNREI,

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ MACAPÁ-AP MARÇO DE 2015 0 CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º A COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO da Faculdade Estácio

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

Problema Atual da Estrutura de Nossas Exportações: Caminhos de Saída

Problema Atual da Estrutura de Nossas Exportações: Caminhos de Saída ESTUDOS E PESQUISAS Nº 396 Problema Atual da Estrutura de Nossas Exportações: Caminhos de Saída José Augusto de Castro * XXIII Fórum Nacional Visão de Brasil Desenvolvido para Participar da Competição

Leia mais

OMC Organização Mundial do Comércio

OMC Organização Mundial do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. SILVA, Luiz

Leia mais

Passo a Passo para Iniciar uma Exportação

Passo a Passo para Iniciar uma Exportação Passo a Passo para Iniciar uma Exportação Apresentação do Professor Professor: Douglas Cândido. Administrador com ênfase em Comércio Exterior pela Estácio de Sá, MBA em Gestão de Negócios Internacionais

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 53, de 2011. Canoas, 11 de agosto de 2011. A Sua Excelência o Senhor Vereador César Augusto Ribas Moreira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Vimos respeitosamente

Leia mais

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1 - PLANEJAMENTO Novos mercados Mais lucros Mais empregos Maior escala de produção e vendas Separar uma parte da produção para o mercado interno

Leia mais

Comércio de Subsistência

Comércio de Subsistência Mercadores Comércio de Subsistência Coletânea (Normas Vigentes) Versão 2.1 - Dezembro de 2013 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 1.413, de 28 de novembro de 2013 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com

Leia mais