Palavras-chaves: cadeia de suprimentos verde, logística de distribuição, marketing em serviços, marketing verde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chaves: cadeia de suprimentos verde, logística de distribuição, marketing em serviços, marketing verde"

Transcrição

1 A PERCEPÇÃO DO MARKETING VERDE NOS SERVIÇOS DE AGENTES APLICADOS À LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE MÉDIO PORTE DE BASE TECNOLÓGICA DE FLORIANÓPOLIS - SC TIAGO HENNEMANN HILARIO DA SILVA (UNISUL) Vilmar Antonio Goncalves Tondolo (UNISUL) Aléssio B. Sarquis (UNISUL) Este estudo tem por objetivo verificar a percepção de utilização de marketing verde em serviços prestados por agentes da logística de distribuição de empresa de médio porte. O referencial teórico utilizado baseou-se em dois campos bibliográáficos distintos: aspectos de marketing verde em serviços e a cadeia de suprimentos verde. A coleta de dados foi efetuada por meio de um estudo de caso com pesquisa exploratória qualitativa, sendo os dados examinados através da técnica de análise de conteúdo. Os resultados apontaram que ações de marketing verde nos agentes da logística de distribuição são perceptíveis aos olhos de todos os participantes do processo, principalmente aos clientes finais. A pesquisa levantou também a necessidade de ações internas na organização, como também melhorias nos processos verdes destes agentes. Por fim são descritas as limitações deste estudo. Palavras-chaves: cadeia de suprimentos verde, logística de distribuição, marketing em serviços, marketing verde

2 1 Introdução O estudo toma como base fatores de utilização de conceitos de marketing verde (green marketing) em serviços prestados por agentes da logística de distribuição. Tema em foco nos dias de hoje, o desenvolvimento de processos verdes está tornando-se cada vez mais presente dentro das organizações, como também foco de novas pesquisas acadêmicas. A utilização destes dois temas cruzados, o marketing verde e a logística de distribuição, possibilitam analisar o foco empírico do estudo. A organização estudada é uma empresa do ramo de tecnologia da cidade de Florianópolis, estado de Santa Catarina, Brasil. Organização esta fornecedora de soluções para automação de usinas hidrelétricas em nível mundial. Esta possui gestão ambiental baseada na norma ISO 14001:2004 e clientes que exigem excelência em gestão ambiental em seus processos. Nesta necessidade este estudo está baseado, na verificação de ações de marketing verde nos serviços oferecidos pelos agentes da logística de distribuição. Visão pouco difundida dentro da organização, este estudo buscará dados para fundamentalizar estas ações e seus efeitos, tanto para a empresa, como para seus clientes finais. Esta pesquisa toma como base uma revisão de literatura que fundamentaliza o estudo empírico aplicado. Este estudo busca identificar se a utilização de conceitos de marketing verde nos serviços oferecidos por agentes da logística de distribuição é percebido no resultado final do processo? Sendo considerados estes agentes transportadoras, agentes de carga internacional, como também fornecedores de embalagens. O processo de logística de distribuição abrange o fluxo de materiais e informações que vão desde a embalagem do produto nas dependências da organização até a entrega nas dependências do cliente final. O objetivo principal é a identificação da importância de utilização do marketing verde nos agentes utilizados na logística de distribuição no resultado final deste processo. Já os objetivos específicos são: (i) analisar o quanto o conceito de marketing verde esta sendo utilizado nos agentes da logística de distribuição da empresa foco do estudo; (ii) comprovar a aceitabilidade deste conceito nas áreas de interface com a logística de distribuição, dentro da organização, (iii) verificar a resultado da utilização de uma cadeia de distribuição verde para o cliente final e (iv) identificar lacunas de atividades verdes nestes agentes. 2 Referencial teórico 2.1 O Marketing verde O conceito de marketing vem sendo cunhado desde o início do século XX, com diversos autores e definições. Rogers (1963) define marketing como um processo social pelo qual qualquer organismo, individual, empresa ou instituição relaciona-se ao seu ambiente externo. Nesta relação do organismo presta serviços para trocas e valores com esse ambiente e, assim, justifica o direito de sua existência. Mandall e Rosemberg (1981) definem marketing como um processo de troca entre produtores e consumidores, em que o produtor corresponde a uma oferta de marketing (sendo este produto ou serviço, alem da promoção, distribuição e preço) para os desejos e necessidades do consumidor. Gronroos (1989) descreve que marketing é estabelecer, desenvolver e comercializar relacionamentos de longo prazo, de modo que os objetivos das partes envolvidas sejam atendidas, sedo estes efetuados através de troca mútua e de modo que os objetivos destas sejam atendidos. Já Kotler et al, (2009) afirma que o 2

3 marketing é um processo social pelo qual individuos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e livre troca de produtos e serviços de valor. Já O Marketing verde define-se como todas as atividades que geram e facilitam e as mudanças a fim de satisfazer desejos e necessidades humanas para impacto negativo mínimo no meio ambiente (POLONSKY, 2006). Welfort (1995) diz que marketing verde é o fornecimento de informações sobre o produto ao consumidor, por parte do produtor, fornecendo dicas sobre como utilizar de forma mais eficiente e reutilização deste produto ou serviço. O marketing verde deve resultar em uma mudança tradicional sobre certos aspectos do produto. Peattie e Charter (2005) consideram o marketing verde como um processo de gestão global responsável por identificar, antecipar e satisfazer as demandas dos clientes esociedade, de forma rentável e sustentável. Já Nickels e Wood (1997) sintetizam o conceito dizendo que o marketing verde é a venda de produtos ou serviços que são seguros e benéficos com relaçao ao meio ambiente. E por fim, o conceito da American Marketing Association AMA (2012) descreve que marketing verde são todos os esforços desenvolvidos por organizações para produzir, desenvolver e recuperar produtos de maneira palpável as preocupações ecológicas. 2.2 A cadeia de suprimentos verde Para Porter (1985) a logística externa (ou de distribuição) refere-se às atividades associadas ao armazenamento e distribuição física do produto para compradores, operações de veículos de entrega e manuseio de materiais em armazéns de produtos finais. Bowersox e Closs (2001) definem esta como responsável pelas operações de movimentação do produto acabado para entrega do produto final. Já para Novaes (2001) a logística de distribuição, também denominada por este autor como Outbonds Logistics, é o segmento que desloca os produtos acabados da produção da empresa até o consumidor final. Ching (1999) explica que a logística de distribuição é responsável por toda a distribuição do produto acabado até os pontos de vendas ao consumidor, assegurando que estes pedidos sejam entregues na data estipulada, precisos e completos. Nesta etapa do Supply Chain são formadas alianças com parceiros dos canais logísticos com o objetivo de atender às necessidades dos clientes, como também diminuir os custos de distribuição. E o atendimento ao cliente deve ser fator importante dentro da organização, como também os canais de comunicação, proporcionando uma fonte única de informações ao cliente. Já Ross (1998) corrobora com os conceitos apresentado referindo-se a logística de distribuição como responsável pelo gerenciamento de estoques de produtos acabados, de pedidos de clientes e o transporte para fora da empresa. Srivastava (2007) destaca que o gerenciamento da cadeia de suprimentos verde Green Supply Chain Management (GrSCM) está ganhando interesse crescente entre pesquisadores e profissionais atuantes neste mercado. A crescente importância deste tema é impulsionado principalmente pela, cada vez maior, deteriorização do meio ambiente. Aspetos como utilização de matéria prima poluidora, empresas que afetam, em suas operações a natureza e também os resíduos liberados nos agentes de transporte, estão cada vez mais em evidencia. Já Zu e Sarkis (2004) descrevem que o conceito de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Verde emergiu da definição de compra verde (Green Purchasing) para inserir os outros agentes da cadeia de suprimentos, desde os fabricantes até o cliente final, incluindo também a logística reversa (Reverse Logistic - RL). Com isto, estes autores definiram o GrSCM como a conscientização ambiental sendo pensado dentro do gerenciamento da cadeia de suprimentos, 3

4 incluindo design do produto, procura e seleção de materiais, processos de produção, entrega do produto final, como também a gestão apos a utilização da vida útil do produto vendido (ZU e SARKIS, 2004). Chakraborty (2010) complementa argumentando que o gerenciamento da cadeia de suprimentos verde possui o objetivo de aumentar a conscientização sobre aspectos ecológicos nas organizações, utilizando iniciativas verdes dentro da cadeia de suprimentos. Já Beamon (1999) efetua um paradoxo entre a tradicional visão do gerenciamento da cadeia de suprimentos e o gerenciamento da cadeia de suprimentos verde, argumentando que a segunda responsabiliza-se pelo cuidado com o gerenciamento ambiental em todas as etapas deste processo. 3 Procedimentos metodológicos Visto que o pesquisador está inserido no contexto da pesquisa, o estudo de caso é a metodologia de pesquisa utilizada. Yin (2001) descreve que o estudo de caso é o método mais adequado, quando o fenômeno de interesse não pode ser estudado fora do seu ambiente natural, não há necessidade de manipulação de sujeitos ou eventos, e o fenômeno de interesse não tem uma base teórica estabelecida. Como objeto do estudo de caso será definido a empresa foco deste estudo, por se tratar de um projeto que permite reunir informações detalhadas e numerosas, e aprender, assim, a totalidade de uma situação. O estudo caracteriza-se como uma pesquisa exploratória. Vianna (2001) descreve que a pesquisa exploratória possibilita uma maior explicação e um aprofundamento nos estudos sobre certo assunto ou área, possuindo o objetivo o entendimento mais qualificado ou a descoberta de novas relações. A abordagem da pesquisa é de natureza qualitativa. A coleta de dados foi efetuada através da observação participante e entrevistas semi estruturadas. Conforme Ehrensperger (2011) a observação participante consiste na participação real do pesquisador, sendo que esta foi efetuada através de visitas aos agentes de logística, acompanhamento de expedição e entrega do produto final no cliente. Já as pesquisas semi estruturadas possuem o objetivo principal que os pesquisados abram as informações e estejam à vontade para se expressar livremente. Os questionários utilizados seguiram um roteiro pré-estabelecido e as análises efetuadas através de quadros divididos em escalas. O intervalo de pesquisa utilizado foi de cerca de dois meses, entre o período de novembro de 2011 e janeiro de Os dados referentes à utilização de conceitos de marketing verde em agentes de logística de distribuição foram levantados através de visitas e reuniões e estas empresas. Foram efetuados contatos com todas as empresas constituintes deste processo. Sendo que das seis empresas, quatro foram visitadas e duas foram efetuadas reuniões. Internamente, foram efetuadas entrevistas junto a diretores, gerentes, como também pessoal de nível tático e operacional. Nestas pesquisas foi indagado quanto à percepção da importância da utilização de aspectos de marketing verde por agentes da logística de distribuição. Como também se é percebido que estes agentes possuem alguma política ambiental explicita. A identificação da abrangência da utilização do marketing verde nos agentes da logística de distribuição, no resultado final do processo, foi coletada através de entrevistas a clientes. Estes questionamentos foram efetuados durante os ensaios de fábrica realizados na matriz da empresa. Ensaios de fábrica são os testes funcionais dos equipamentos a serem fornecidos 4

5 para a automação das usinas, estes devem ser vistoriados e aprovados pelo cliente, antes da expedição do produto. Na maioria dos casos, os representantes dos clientes que efetuam estes ensaios são realizados por pessoal cujos participam (ou possuem informações) referentes ao transporte e descarga do produto em seu estabelecimento. Foram executadas quatro entrevistas, com dois clientes brasileiros e outros dois da América latina. Já para identificar possíveis lacunas de atividades verdes nos agentes, foram utilizados os dados coletados em toda a pesquisa. Como também foi efetuado acompanhamento de expedições e descarga no cliente, do produto final. Houve o acompanhamento de duas expedições, uma em nível nacional e outra internacional, como também uma entrega, em nível nacional. Os dados coletados foram tratados através da utilização da técnica de analise de conteúdo. Os agentes da logística de distribuição são divididos em três grupos de empresas: Agentes de carga, utilizados para expedições internacionais, no total de duas empresas desenvolvidas. Transportadoras de frete dedicado, três empresas aprovadas, sendo utilizado para expedições nacionais. Empresas fornecedoras de embalagens de madeira, sendo somente uma homologada. Sendo um total de seis agentes estudados. 4 Análise dos resultados Situada em Florianópolis, capital do Estado de Santa Catarina, Brasil, a empresa iniciou suas atividades no ano de 1987, tornando-se uma empresa de Sociedade Anônima em Inicialmente instalada em uma incubadora tecnológica, hoje possui sede própria. Conta também com duas filiais: uma na cidade de Palhoça, região metropolitana de Florianópolis, onde se localizada a área industrial e outra em Miami, Estados Unidos. O seu produto foco é o fornecimento de sistemas e soluções para o controle de geração de energia elétrica. Produto este desenvolvido com tecnologia própria, para as aplicações mais exigentes em usinas hidrelétricas, termoelétricas, nucleares, pequenas e centrais hidrelétricas. Seus clientes são empresas estatais e privadas de geração de energia. O seu principal mercado de atuação é a America Latina Na coleta de dados foi pesquisada, de maneira abrangente aspectos referentes a aplicabilidade do marketing verde em todo o processo da logística de distribuição da organização. A análise dos resultados é descrita de maneira em que os objetivos específicos deste estudo sejam explícitos. O objetivo principal é descrito através da análise e compilação destes resultados. Na Tabela 1 é apresentada a classificação das empresas atuantes na logística de distribuição. Neste é descrito o nível de implementação dos conceitos de marketing verde, identificando-se também a possibilidade de geração de vantagem competitiva. Agentes da logística de distribuição Os conceitos são utilizados e implementados através de um processo formal? Há controle / acompanhamento eficaz dos processos? Na visão do cliente, a utilização dos conceitos é visível? É gerada vantagem competitiva com a utilização dos conceitos? Agente de carga 1 Não Não Não Não Agente de carga 2 Transportadora 1 Transportadora 2 Não Não Não Não Transportadora 3 Não 5

6 Fornecedora de embalagem Não Não Não Tabela 1 - Nível de utilização dos conceitos de marketing verde nos agentes da logística de distribuição Os resultados indicam que, do total de seis empresas, duas utilizam os conceitos e técnicas de marketing verde e também, com isto, geram vantagem competitiva. A utilização de conceitos verdes dessas empresas já faz parte do dia-a-dia de todos os participantes do processo, fator que favorece o cliente na utilização destes conceitos nos serviços prestados para a organização. Outra empresa utiliza os conceitos, o controla, mas que estes não geram vantagem competitiva. Duas empresas desta amostra não utilizam qualquer iniciativa verde nos seus processos, fato que dificulta a utilização destas junto ao cliente. Já uma empresa, faz uso dos conceitos, mas não acredita que estas técnicas geram vantagem competitiva. Já a fornecedora de embalagem, possui conceitos e processos implementados, mas não o controla e, conseqüentemente não o explicita ao cliente. Na Tabela 2 são apresentadas as principais ações verdes praticadas pelas empresas pesquisadas. Como também as principais ações de marketing utilizadas por estas. Cabe ressaltar que muitas outras ações foram evidenciadas, mas não foram referenciadas por não haver um resultado prático no resultado final do processo da logística de distribuição. Agentes da logística de distribuição Ações verdes Ações de marketing Agente de carga Agente de carga 2 Aquisição de produtos e serviços de empresas com consciência ambiental. Marketing interno / externo: Apresentação das principais ações verdes, através de relatório anual. Transportadora 1 Manutenção da frota e, objetivando a redução do impacto ambiental na emissão de poluentes. Marketing interno: Treinamentos e acompanhamentos através de gráficos do lixo gerado x reaproveitado; Marketing externo: entrega de folder, para o cliente, no ato do serviço, explicando as principais políticas de gestão ambiental. Transportadora Transportadora 3 Priorização do uso, em veículos Marketing interno: Premiação utilitários de menor porte, do para a equipe de transporte combustível etanol (cujo reduz o nível (motorista e ajudante) que menos de poluição); Separação e reciclagem consumiu combustível x km do lixo gerado, tanto internamente, rodado; quanto externamente. Fornecedora de embalagem Utilização de madeira de reflorestamento na confecção das caixas de madeira, comprovada através do selo do IBAMA - Instituto Nacional do Meio Ambiente. - Tabela 2 - Ações de marketing verde dos agentes da logística de distribuição O percebido neste quesito é que para dois agentes o processo de marketing verde é inexistente. De outro lado, três empresas possuem ações bem definidas. Tendo assim duas 6

7 empresas (agente de carga e transportadora) com uma grande diferença no nível de implementação em seus processos verdes. A Tabela 3 apresenta o resultado da percepção interna quanto ao nível de aceitabilidade da implementação de marketing vede nos agentes. Esta explicita a relevância da importância, como também se as ações de marketing verde são percebidas. Também são apresentadas as ações que são percebidas e a sugestão de quais ações podem ser implementadas por estes agentes. Interface interna Diretor de engenharia Gerente de produção Gerente de qualidade Supervisor de expedição Supervisor de suprimentos e logística Analista de logística É importante a utilização? São percebidas ações ambientais nos agentes? Quais ações são percebidas? Envio de relatórios anuais de ações verdes. Não - Envio de relatórios anuais de ações verdes; Políticas ambientais internas e externas. Não Não - Envio de relatórios anuais de ações verdes; Políticas ambientais internas e externas. Embalagens com madeira de reflorestamento. Embalagens com madeira de reflorestamento Quais ações podem ser implementadas? Envio de relatórios mensais. Exigência de política de efetivação de logística reversa. Todos os agentes da logística de distribuição com certificação ISO Pessoal treinado em gestão ambiental Marketing externo mais eficaz, demonstrando de maneira pratica aos clientes as políticas ambientais praticadas. - Tabela 3 - Percepção interna quanto à importância do marketing verde dos agentes da logística de distribuição O identificado nesta pesquisa é que a importância de políticas de marketing verde é necessária, como também que estas são percebidas pela maioria dos entrevistados. As ações de marketing verde percebidas são praticamente uniformes e estão em sinergia com os resultados da Tabela 2. Outro ponto importante foi a gama de sugestões de ações a serem implementadas. O resultado da medição da abrangência da utilização de marketing verde nos agentes da logística de distribuição, considerando o resultado final do processo, cujo foi pesquisado junto ao cliente está descrito na Tabela 4. Esta descreve os clientes que identificaram fatores de marketing, vendo quais as principais ações identificadas, como também possíveis sugestões para o processo. Cliente Identifica ações de marketing verde? Quais ações? Sugestões 7

8 Cliente nacional 1 Cliente nacional 2 Cliente internacional 1 Cliente internacional 2 Entrega de folder ambiental no momento da descarga do produto; Entrega de folder ambiental no momento da descarga do produto; Identificação de embalagens com madeira de reflorestamento. Identificação de embalagens com madeira de reflorestamento Identificação de embalagens com madeira de reflorestamento - Necessidade de efetuar logística reversa das embalagens utilizadas nos produtos. Apresentação formal de treinamento em gestão ambiental da equipe responsável pela descarga do produto (exigência do cliente) - Tabela 4 - Ações de marketing verde dos agentes da logística de distribuição, na percepção ao cliente final da organização estudada O resultado foi positivo, visto que todos os clientes conseguem identificar a utilização de ações claramente. Como também explicitaram suas sugestões para este processo, cujos novamente possuem forte relação com as sugestões apresentadas anteriormente na Tabela 3. O resultado final é afetado positivamente com estas afirmações. As ações a serem praticadas pelos agentes, isto é, as lacunas identificadas como potenciais ações de marketing verde são as sugestões dadas pelos clientes e pelos colaboradores da empresa. Sendo que para as duas empresas cujas não possuem ações implementadas, consideram-se também as ações já praticadas pelas outros agentes da logística de distribuição. 5 Conclusões Este estudo teve por objetivo identificar a importância de utilização do marketing verde nos agentes utilizados na logística de distribuição no resultado final deste processo. A análise de dados coletados verificou que a utilização destes conceitos é importante na visão de todos os participantes deste processo, principalmente no que tange a visão dos clientes, percepção que sustenta as práticas adotadas na organização e também em seus agentes da logística de distribuição. O objetivo principal deste estudo foi atendido. Analiticamente foi constatado que para a visão de todos os participantes do processo de logística de distribuição da empresa estudada, a utilização de marketing verde nos serviços oferecidos nos agentes participantes deste processo é considerada importante. Os clientes percebem esta característica nos prestadores de serviço, internamente também é percebida a utilização e necessidade de utilização destes atributos e, por fim a própria percepção dos agentes, cujos estão cientes da utilização deste marketing, como também, da necessidade de implementação de novas ações. Além de responder a questão principal do estudo, através do entendimento das respostas por etapas de coletas de dados: agentes, interfaces internas e clientes foi possível identificar sinergia de informações entre os participantes do processo, através do cruzamento e analise das respostas dos entrevistas. Uniformidade de informações, em sua maioria, descritas através das ações percebidas por clientes e interfaces internas, de acordo com o exposto pelos agentes. Fato que demonstra que as ações de marketing verde, quando praticadas, são percebidas e também geram vantagem competitiva para as empresas que a praticam. 8

9 No entanto, foram identificados também aspectos negativos no processo de logística de distribuição verde. Aspectos estes que são passiveis de ações práticas de curto prazo, tais como: a necessidade de implementações de ações verdes por dois agentes da logística de distribuição ou até mesmo a desomologação destes agentes. A falta de controle e acompanhamento da fornecedora de embalagem se torna necessária. Como também o desconhecimento do supervisor de expedição referente às políticas de marketing verde praticados pelos agentes. Em contraponto a isto, foram levantados vários aspectos para melhoria no processo de marketing verde tanto para os agentes, como também na organização e, por que não no cliente final. Pode-se destacar questões de implementações da logística reversa, o maior fluxo de informações entre agentes e clientes finais, a possível implementação do sistema de gestão ambiental ISO 14001:2004, entre outros. Como também fatores implícitos na analise dos resultados, como a necessidade de maior gestão verde sobre os agentes que não possuem este pratica, e, por fim, até mesmo, homologação de novos players para este processo. Este estudo empírico possui suas devidas limitações, decorrentes de fatores como a visão particular do pesquisador, que, mesmo objetivando a imparcialidade deste, não impede de utilizar suas opiniões próprias.. O curto horizonte de pesquisa é outra limitação que pode ser considerada, pois amostragem de pesquisa também tornou-se restrita, gerando com isto, a não possibilidade de generalização do resultado apresentado. E, por fim, a questão do estudo ser aplicado somente ao processo de logística de distribuição de uma empresa, podendo tornar o resultado deste estudo subjetivo. Novos estudos podem ampliar o tema abordado, ou, até mesmo seguir a mesma metodologia aplicada. Estudos similares, utilizando outros elos da cadeia de suprimento, tal como a logística interna e a de suprimentos, com enfoque verde, são passiveis de elaboração. A utilização de modelo similar para outro segmento industrial é outra possibilidade possível. Ou, até mesmo, a expansão deste tema com diversas empresas do mesmo ramo, tornando a amostra mais significante estatisticamente. Referencias American Marketing Association AMA (2012). Dictionary. Recuperado em 21/01/2012 de Beamon B. M. (1996). Performance Measures in Supply Chain Management. International Journal of Operations e Production Management. Bowersox, D. J. e Closs, D. J. (2001). Logística Empresarial O Processo de Integração da Cadeia de Suprimentos. São Paulo: Atlas. Chakraborty, S. (2010). Concise Chronological Road Map of Evolving Green Supply Chain Management Concepts: A Review. The IUP Journal 10 of Supply Chain Management. 7, Ching, H. Y. (1999). Gestão de Estoques na Cadeia Logística Integrada: Supply Chain. São Paulo: Atlas. Ehrensperger, R. M. (2011). Metodologia de Pesquisa em Administração. Mestrado em Administração da Universidade do Sul de Santa Catarina. Florianópolis, SC, Brasil. Gronroos, C. (1989). Defining marketing: A market-oriented approach. European Journal of Marketing, 23, Kotler, P., Keller, K.L., Brady, M., Goodman, M., e Hansen, T. (2009) Marketing management. Harlow: Pearson Education Limited. 9

10 Mandall, M.I., e Rosemberg, L.J. (1981). Marketing. 2 edition. New Jersey: Prentice-Hall Inc. Nickels, W. G. e Wood, M. B. (1997). Marketing; Relationships, quality, value, Worth Publishers. Novaes, A. G. (2001). Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição. Rio de Janeiro: Ross, D. F. (1998). Competing through Supply Chain Management Creating Market-Winning Strategies through Supply Chain Partnerships. Chapman & Hall: USA. Peattie, K. e Charter, M. (2005). Marketing verde. Administração e Marketing. Elsevier: Rio de Janeiro. Polonsky, M. J. (1994). An introduction to marketing green. Electronic Green Journal 1(2). Porter, M. E. (1985). Vantagem Competitiva. Criando e Sustentando um Desempenho Superior. Rio de Janeiro: Campus. Rogers, K. (1963). Managers: Personality and performance. New Jersey: Aldine Transaction. Srivastava, S. K. (2007). Green supply-chain management: a state-of-the art literature review. International Journal of Management Reviews.9, Vianna, I. O. (1994)/ Metodologia do trabalho cientifico: um enfoque didático da produção cientifica. São Paulo: Atlas. Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman. Zhu, Q. e Sarkis, J. (2004). Relationships between operational practices and performance among early adopters of green supply chain management practices in Chinese manufacturing enterprises. Journal of Operations Management, 22,

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASOS COM OPERADORES LOGÍSTICOS

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASOS COM OPERADORES LOGÍSTICOS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASOS COM OPERADORES LOGÍSTICOS Projeto de Pesquisa Período: Agosto de 2010 a Julho de 2011 PIBIC Programa Institucional de Iniciação Científica Aluno: Aline Loureiro

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia

Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia Ezequiel Alves Lobo 1 Roger Augusto Luna 2 Alexandre Ramos de Moura 3 RESUMO Analisar as teorias

Leia mais

Análise da cadeia de suprimentos de uma indústria de bens de capital

Análise da cadeia de suprimentos de uma indústria de bens de capital VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 Análise da cadeia de suprimentos

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS 181 SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS Valdecir Cahoni Rodrigues 1, Alvaro Costa Jardim Neto 2, Nilmaer Souza da Silva 1 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE.

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Estudo de caso sobre Logística Reversa

Estudo de caso sobre Logística Reversa Estudo de caso sobre Logística Reversa Autores Cristiane Meneghel Dorizotto Angelita Barski Orientador Rosangela Vanalle 1. Introdução Na sociedade moderna, os resíduos sejam eles industriais ou residenciais,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores

A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores Ana Cristina de Oliveira Souza Assunto: Introdução e Conclusão Patrícia Francisca de Souza Assunto: Conceito,

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS 3 A pesquisa sobre Regionalização e Globalização de viagens corporativas, encomendada pelo Instituto Alatur e HRG Brasil foi realizada em

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Projeto de Pesquisa 7/21/2014. Prof. Ricardo Melo. Referências. Conceitos

Projeto de Pesquisa 7/21/2014. Prof. Ricardo Melo. Referências. Conceitos Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Projeto de Pesquisa Prof. Ricardo Melo Referências Richardson,

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag Paulo Daniel Pessoa (FAGEN/UFU) pd.pessoa@hotmail.com Claúdio Luis Miotto (FAGEN/UFU) miotto@ufu.br Resumo Estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CAVACO S. www.cavacos.com RESPEITANDO A NATUREZA. Combustível de Biomassa

CAVACO S. www.cavacos.com RESPEITANDO A NATUREZA. Combustível de Biomassa CAVACO S Combustível de Biomassa RESPEITANDO A NATUREZA www.cavacos.com EM 2014 OS NOSSOS SONHOS SÃO AINDA MAIORES. APRESENTAMOS AOS NOSSOS CLIENTES E PARCEIROS UMA NOVA CAVACO S, MUITO MAIS MODERNA, COM

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

MARKETING VERDE: ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO EM GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA

MARKETING VERDE: ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DO CURSO EM GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA IV Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade: Negócios Sociais e seus Desafios 24 e 25 de novembro de 2015 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul MARKETING VERDE: ANÁLISE

Leia mais

O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model)

O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model) VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model) Carlos M.Taboada Rodrigues (PPGEP UFSC) taboada@deps.ufsc.br Cristian

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R.

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R. . CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MONOGRAFIA ÁREA: LOGÍSTICA LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS Pág.: 1/9 1. OBJETIVO Demonstrar a aplicabilidade e funcionalidade das ferramentas de Planejamento e Desenvolvimento de Produtos e Projetos bem como as tarefas e responsabilidades para a aprovação, o desenvolvimento,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE SUPRIMENTOS E DECISÕES DE COMPRAS: O IMPACTO EM UMA INDÚSTRIA SALINEIRA

PROGRAMAÇÃO DE SUPRIMENTOS E DECISÕES DE COMPRAS: O IMPACTO EM UMA INDÚSTRIA SALINEIRA PROGRAMAÇÃO DE SUPRIMENTOS E DECISÕES DE COMPRAS: O IMPACTO EM UMA INDÚSTRIA SALINEIRA Ana Clara Cachina Saraiva (UFRN) anaclaracachina@hotmail.com Jose Raeudo Pereira (UFRN) raeudo@hotmail.com Juliana

Leia mais

DESAFIOS. (Autor desconhecido)

DESAFIOS. (Autor desconhecido) QUEM É O EMPREENDEDOR? POR QUE SER EMPRESÁRIO? DEFINIÇÕES DE EMPREENDEDORISMO O empreendedor é motivado pela autorealização, desejo de assumir responsabilidades e independência. Considera irresistível

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular

Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular Ana Carolina Cardoso Firmo (UNIFEI) accfirmo@unifei.edu.br Renato da Silva Lima (UNIFEI) rslima@unifei.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática MATRIZ CURRICULAR ELETIVAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática MATRIZ CURRICULAR ELETIVAS MATRIZ CURRICULAR ELETIVAS 7ª ETAPA GESTÃO EMPRESARIAL: FOCO SISTEMAS CORPORATIVOS Disciplina: ESTRATÉGIAS EM SISTEMAS DE GESTÃO EMPRESARIAL ENEX00614 (34) Teóricas 34 h/a Conceitos básicos de estratégia

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Logística empresarial conceitos e definições

Logística empresarial conceitos e definições Logística empresarial conceitos e definições Por Leandro Callegari Coelho - Logística Descomplicada, em 01 de fevereiro 2010 Por Camila Avozani e Aline Regina Santos No início de 1991, a logística e a

Leia mais

X-Annes-Brasil-1 CONTABILIDADE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA PARA A PRODUÇÃO MAIS LIMPA/SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

X-Annes-Brasil-1 CONTABILIDADE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA PARA A PRODUÇÃO MAIS LIMPA/SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL X-Annes-Brasil-1 CONTABILIDADE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA PARA A PRODUÇÃO MAIS LIMPA/SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Autora: Jacqueline B. Annes - Engenheira Civil graduada pela Universidade Federal

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

ESTUDO DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE DE INSUMOS EM UMA FÁBRICA DE BEBIDAS

ESTUDO DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE DE INSUMOS EM UMA FÁBRICA DE BEBIDAS WWWCONVIBRAORG ESTUDO DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE DE INSUMOS EM UMA FÁBRICA DE BEBIDAS Adriene Sugahara de Paula (UFF/Volta Redonda) adrienesp@iduffbr Denise Cristina de Oliveira Nascimento (UFF/Macaé)

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS MORADORES SOBRE OS IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS CAUSADOS PELA PONTE JOSÉ SARNEY

PERCEPÇÃO DOS MORADORES SOBRE OS IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS CAUSADOS PELA PONTE JOSÉ SARNEY PERCEPÇÃO DOS MORADORES SOBRE OS IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS CAUSADOS PELA PONTE JOSÉ SARNEY RESUMO Saulo Ribeiro dos Santos Professor da Universidade Federal do Maranhão Doutorando em Geografia (UFPR)

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT SIGA: TMBALSC*11/01 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua

Leia mais

O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTEXTO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTEXTO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTETO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Bruno Michel Roman Pais Seles (FEB/UNESP ) bruno_seles@yahoo.com.br Ana Beatriz Lopes de Sousa Jabbour (FEB/UNESP

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA: A PREOCUPAÇÃO COM O PÓS- CONSUMO

LOGÍSTICA REVERSA: A PREOCUPAÇÃO COM O PÓS- CONSUMO LOGÍSTICA REVERSA: A PREOCUPAÇÃO COM O PÓS- CONSUMO José Augusto Arnuti Aita (UFSM) cecesm@gmail.com Janis Elisa Ruppenthal (UFSM) janis@ct.ufsm.br Muito se fala em logística reversa sob o prisma de uma

Leia mais

Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG

Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos Márcio Roldão INDG ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL - INDG; NOVAS OPORTUNIDADES DE MELHORIA DOS RESULTADOS:

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

10/7/2011 PLANEJAMENTO DE MARKETING

10/7/2011 PLANEJAMENTO DE MARKETING 1 PLANEJAMENTO DE MARKETING 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1.Importância do Planejamento de Marketing 2. Considerações Organizacionais no Planejamento de Marketing 3.Planejamento de Database Marketing 4.Análise

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica Curso Intensivo Logística Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação profissional objetivando

Leia mais

A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental

A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental Alexandre Borges Fagundes (UTFPR) borges.fagundes@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira (UTFPR) ivanir@utfpr.edu.br

Leia mais