MADA: a construção de identidade na telenovela Mulheres Apaixonadas através do marketing social 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MADA: a construção de identidade na telenovela Mulheres Apaixonadas através do marketing social 1"

Transcrição

1 MADA: a construção de identidade na telenovela Mulheres Apaixonadas através do marketing social 1 Introdução Cláudia FIGUEIREDO-MODESTO 2 Renata Marçal ROSA 3 Este artigo aborda as questões sobre representações sociais das identidades envolvendo o grupo MADA (Mulheres que Amam Demais Anônimas) e a telenovela Mulheres Apaixonadas, de Manoel Carlos, apresentada na TV Globo em dois momentos: o primeiro em 2003, no horário das 21h e o segundo em 2008, como reprise, no horário da tarde. MADA é um programa de recuperação para tratar mulheres que sofrem com a dependência de relacionamentos destrutivos, sejam eles entre amigos, patrão/empregados, professor/aluno, familiares ou entre homem/mulher. É importante salientar que o termo MADA será usado em referência ao grupo Mulheres que Amam Demais Anônimas e Mada ou Madas (plural) para a mulher ou mulheres que sofrem por causa da dependência de relacionamentos. No Brasil, as telenovelas ganharam visibilidade como agente central do debate sobre a cultura brasileira a identidade do país. Estudos sobre sociedade e cultura na interface com o merchandising social nas telenovelas ganham espaços importantes nas discussões sobre a construção das identidades, hoje, no meio acadêmico. Os temas sociais entram na telenovela provocando debates na sociedade brasileira, pois a telenovela, fruto da cultura da mídia, possui uma penetração intensa na sociedade brasileira, fomentando um elenco comum através do qual pessoas de classes sociais, idades, sexo, raça e regiões diferentes se posicionam e se reconhecem umas às outras. Este trabalho analisa a exposição do tema amar demais na novela global e seus reflexos nas reuniões do grupo MADA. Para isso, este estudo se baseou em um resgate bibliográfico sobre o tema e uma investigação sobre a novela Mulheres Apaixonadas e sua interface com o merchandising social e, posteriormente, partiu para uma investigação de campo. Porém, é importante ressaltar as dificuldades apresentadas nesta fase: nem todas as frequentadoras do grupo quiseram se expor; poucas emitiram seus sentimentos ou opiniões. No grupo, existe um conceito de anonimato, portanto qualquer tentativa de investigação sobre o tema foi considerada uma quebra desta tradição. MADA 1 Trabalho apresentado no GT Produção e Recepção no XIV Colóquio Internacional sobre a Escola Latino- Americana de Comunicação Celacom 2010, São Paulo (SP), de maio de Especialista, UNIPAC, Juiz de Fora, MG. 3 Graduada em Comunicação Social, UNIPAC, Juiz de Fora, MG.

2 MADA é um programa de recuperação para mulheres que têm como objetivo primordial se recuperar da dependência de relacionamentos destrutivos, aprendendo a se relacionar de forma saudável consigo mesma e com os outros. O grupo é freqüentado exclusivamente por mulheres que acreditam que a dependência de relacionamentos afeta profundamente suas vidas. Tais mulheres desenvolvem e assumem papéis sociais e passam a ser portar como vítimas, mártires, perfeccionistas, super empreendedoras, irônicas, além de apresentar quadros de co-dependências 4. Originalmente, a palavra foi usada para descrever a pessoa ou as pessoas cujas vidas foram afetadas como resultado de estarem envolvidas com alguém quimicamente dependente. O cônjuge, filho ou amante de alguém quimicamente dependente, era visto como tendo desenvolvido um padrão de lidar com a vida que não era saudável, como reação ao abuso de droga ou de álcool por parte do outro. (SUBBY e FRIEL apud BEATTIE, 2002, pág. 46). O grupo MADA foi criado baseado no livro da psicóloga e terapeuta familiar americana Robin Norwood, Mulheres que Amam Demais, editado, pela primeira vez, em Norwood escreveu o livro baseado na sua própria experiência e na experiência de centenas de mulheres envolvidas com dependentes químicos. Ela percebeu um padrão de comportamento comum em todas elas e as chamou de mulheres que amam demais. Para Norwood (1985) ser Mada significa desenvolver uma doença emocional pela dependência de relacionamentos, é um padrão de comportamento obsessivo-compulsivo, no qual as mulheres buscam relacionamentos que lhes causam sofrimento e com os quais não conseguem romper. Assim, essas mulheres experimentam sentimentos de dependência, descontrole, sofrimento psíquico, raiva, medo, entre outros, além de doenças e acidentes causados pelas situações conflituosas. No Brasil, o primeiro Grupo MADA foi aberto em São Paulo, por uma mulher casada com um dependente químico que se identificou com a proposta do livro. A primeira reunião do Grupo MADA, no bairro Jardins, em São Paulo, foi realizada em 16 de abril de 1994, seguido pelo Rio de Janeiro, onde a primeira reunião aconteceu em 06 de julho de Em Minas Gerais, Juiz de Fora foi a primeira cidade mineira a ter o grupo, que surgiu em meados do ano de 2002, através da iniciativa de duas mulheres: Célia Herédia 5 e Renata Marçal 6. A partir de 11 de fevereiro de 2003 foi oficializada a primeira reunião semanal do grupo MADA de Juiz de Fora, em uma sala disponibilizada pela paróquia São Mateus, localizada na Rua São Mateus, nº. 629, no bairro de São Mateus. Nas primeiras reuniões, o grupo contou com a participação de apenas cinco mulheres, que se identificaram com o problema de dependência de pessoas. Reunidas em todas as terças-feiras à noite, elas começaram a trabalhar sua recuperação da co-dependência. 4 Co-dependência é a inabilidade de manter e nutrir relacionamentos saudáveis com os outros e consigo mesmo. (Copedendentes Anônimos Brasil). Disponível em acesso em 24/11/ Célia Herédia é autônoma. 6 Renata Marçal é co-autora deste trabalho.

3 Atualmente, são realizadas quatro reuniões semanais. As reuniões de terça continuam acontecendo na Paróquia da Igreja São Mateus, porém, no terceiro andar de um prédio anexo, numa sala muito mais ampla e confortável. Outros grupos de MADA foram abertos na cidade. Na quinta-feira à noite, um grupo se reúne na Paróquia do Bairu, na Igreja Sagrado Coração de Jesus. Na sexta-feira à noite, reúnem-se mulheres na FEAK (Fundação Espírita Alan Kardec), no bairro Cascatinha. E aos sábados à tarde, outro grupo se reúne na Igreja São Mateus. Por não pertencer nem fazer alusão a nenhuma religião específica, grupos de MADA podem funcionar no espaço físico de qualquer culto. Como identificar a doença São inúmeras as características para identificar o desconforto da doença. Vem de um lar desajustado 7, em que suas necessidades emocionais não foram satisfeitas (NORWOOD, 1985, p.23). Esses aspectos são importantes porque demonstram que suas percepções e sentimentos foram ignorados e não aceitos, quando ainda criança. Norwood (1985) explica que como a Mada não pode transformar seus pais nas pessoas atenciosas, amáveis e afetuosas de que precisava, reage fortemente ao tipo de homem familiar, estabelecendo relacionamento com homens inacessíveis, os quais tenta transformar através de seu amor. A mulher que ama demais jamais mede esforços para ajudar o homem com quem está envolvida. Mesmo sabendo que não está feliz, pensa que ainda não fez o suficiente. Sentese no papel de arcar com a responsabilidade, de se culpar, julgando-se responsável por todas as falhas. São mulheres de baixa auto-estima. Pouquíssimas Madas têm convicção que no fundo merecem amar e serem amadas pelo simples fato de existirem. Acreditam que possuem falhas ou defeitos insuperáveis terríveis. Segundo Stuart (2004), relações que trabalham com jogos de poder, um tende a acabar com a auto-estima do outro. Homens machistas demais, mães que estão ficando carentes, tudo pode ser motivo para uma conversa que não ajuda em nada a outra pessoa a se sentir bem. É preciso admitir as falhas e sempre se lembrar do poder que tem na hora de cuidar dos defeitos (STUART, 2004). Reuniões de MADA No Grupo MADA, as novatas são acolhidas por todas as integrantes. Todas passaram ou passam por problemas de relacionamento e compreendem o que a recém-chegada sente. As reuniões são para partilhar experiências e esperanças de cada mulher. A ajuda vem da terapia de espelhos 8. As mulheres são convidadas a falar de suas experiências pessoais, concentrando-se em si mesmas e garantindo o anonimato da pessoa da qual é adicta. A partir dessas experiências pessoais e, sem dar conselhos ou fazer interpretações psicológicas, outra mulher é ajudada através da identificação com os relatos e sentimentos das depoentes. Em 7 Lares desajustados são aqueles, em que os membros têm funções inflexíveis e a comunicação é seriamente restrita a argumentos cabíveis a essas funções. As pessoas não são livres para expressar uma série de experiências, vontades, desejos, e sentimentos. Têm que limitar-se a desempenhar seu papel, que se adapta aos papéis dos outros membros da família. 8 Segundo Plotino ( ), autor de As Enéadas, a imagem de um ser está disposta de forma a receber a influência do seu modelo como se fosse um espelho. Disponível em acesso em 24/11/2008.

4 comum, todas sofrem com os efeitos da dependência de pessoas e querem abandonar este tipo de relacionamento destrutivo. Este ritual é importante na formação de identidades no grupo. O grupo não pretende unir nem separar casais. O objetivo é concentrar na própria recuperação, abandonando, aos poucos, o vício de ser adicta a pessoas. Para ser membro de MADA o único requisito é querer se livrar de um relacionamento doentio e assistir, pelo menos, seis reuniões consecutivas. Para Norwood (1985), tem sido comprovado que seis vezes é um bom tempo para que a recém-chegada possa decidir se existe identificação com a problemática de adicção a pessoas, e se quer trabalhar sua recuperação no grupo. A proposta do MADA se fundamenta em certas concepções acerca das relações amorosas, sua estrutura, as vivências ideais, as destrutivas bem como da afetividade feminina suas tendências, as saudáveis e as doentias. Os grupos MADA são incluídos no contexto dos programas de recuperação, voltados para uma dependência especificamente feminina. Esses grupos, apesar de autônomos, partilham tanto das teorizações da psiquiatria e psicologia, no que se refere à regulação das emoções (no caso as femininas), quanto das propostas de auto-ajuda. Atualmente, há uma extensa produção de literatura de auto-ajuda centrada nos relacionamentos amorosos, principalmente voltados para mulheres (PROCÓPIO, 2007). Literatura relacionada também com a cultura de consumo, que põe à venda receitas de vida para pessoas cada vez mais insatisfeitas (BAUMAN, 2004). Segundo Giddens (1993), os grupos de auto-ajuda e a produção de literatura sobre dependências são participantes da reflexividade típica da modernidade, da qual fazem parte também o questionamento e a transformação das relações pessoais, da intimidade, da sexualidade e do amor. Esses seriam elementos fundamentais da constituição das identidades atuais, que se constroem, de acordo com o autor, a partir do projeto reflexivo do eu. Nesse processo é que se dá tanto a vivência cada vez maior de adicções, quanto sua maior identificação e surgimento de programas de recuperação. Telenovela e Merchandising Social A palavra novela vem do latim novellus (novidade) e pode ser definida como narração de um fato ou acontecimento em capítulos, criando identificação, envolvimento e emoções no público. A influência da telenovela na sociedade brasileira tem sido objeto de estudo de muitos pesquisadores. Ela constitui um exemplo de narrativa que ultrapassou o sentido de lazer. Os temas sociais ganharam força nas telenovelas, com vários autores, entre eles Manoel Carlos, embutindo em suas novelas, narrativas que envolviam um caráter cidadão. O marketing social surgiu na década de 70 para definir ações em prol de causas, ideias ou comportamentos. O conceito mais básico, inerente ao marketing, é o das necessidades humanas. De acordo com Kotler (1995), o marketing é um processo social e gerencial, através dos quais indivíduos e grupos obtêm aquilo que desejam e de que necessitam, criando e trocando produtos e valores uns com os outros. A inserção de um merchandising pode influenciar o telespectador a consumir tanto um produto comercial quanto social. A influência das telenovelas é incontestável e os seus personagens desfrutam a simpatia do telespectador. Com isso, os atores beneficiam-se do sucesso de seus personagens para promoverem produtos de consumo e também serviços comunitários.

5 O merchandising social pode ser utilizado para educar a população, mas pode ser um instrumento perigoso de manipulação e controle da sociedade. Seu discurso é persuasivo, levando o telespectador a ter uma opinião ou adquirir um comportamento parcial, provocados por interesses que não lhes são próprios. O objetivo da ação de merchandising é estimular o mecanismo empático, identificatório com a realidade reproduzida na telenovela, o que proporciona uma forma de manipulação da opinião pública, pois o público passa a crer e fazer uso dos valores transmitidos pela telenovela, os incorporando no seu dia a dia. A partir destas colocações, constata-se que o merchandising tem implicações em relação ao processo criativo e de produção do autor e éticos como toda forma de comunicação publicitária, que não mede esforços para causar impacto e estimular as vendas. (SCHIAVO, 2002). Assim como perceberam a potencialidade das novelas em vender produtos na década de 70, as emissoras de TV também notaram que atores das histórias e dos personagens dos folhetins poderiam vender uma causa social. As telenovelas entram de vez no merchandising social. Na verdade, o trabalho em merchandising social é um motivo de orgulho para Rede Globo, que lhe faz repetida menções. Em seu Balanço Social , por exemplo, esta foi uma das atividades enfatizadas. Sob o título Responsabilidade Social na Programação, a publicação ressalta que a Rede Globo foi apontada como um exemplo para as TVs de todo o mundo, pela qualidade e quantidade de mensagens educativas e de utilidades pública inseridas naturalmente nas tramas das telenovelas. (SCHIAVO, 2002). Manoel Carlos é o autor mais citado quando o assunto é merchandising social em telenovelas. Todas as suas produções contam histórias que envolvem questões sociais. Em Mulheres Apaixonadas, o autor seguiu esta tendência e ainda salientou aspectos como a própria comunicação e interação do folhetim com a sociedade brasileira. O merchandising social esteve presente na novela através de diferentes temas. Um dos destaques foi a abordagem do tratamento dado às pessoas da terceira idade. A ação social favoreceu a aprovação do Estatuto do Idoso no Senado Federal, que reconheceu a importância da TV Globo no debate. Outro tema relevante foi a campanha pelo desarmamento, desencadeada na trama pela morte de Fernanda (Vanessa Gerbelli), vítima de bala perdida. E também a violência contra a mulher enfocada através da personagem Raquel (Helena Ranaldi), frequentemente espancada pelo marido vivido pelo ator Dan Stulbach, cuja personagem (Marcos), foi apontada como o tema mais educativo abordado pela novela. Através de Hilda, interpretada pela atriz Maria Padilha, o autor Manoel Carlos voltou a falar sobre o câncer de mama, que já havia sido abordado em sua novela História de Amor, por meio da personagem da atriz Bia Nunnes. O lesbianismo ganhou uma abordagem delicada através da relação entre as adolescentes, Clara (Alinne Moraes) e Rafaela (Paula Picarelli). O autor Manoel Carlos encontrou uma solução criativa ao mostrar, no último capítulo, as personagens trocando um leve

6 beijo na montagem do clássico Romeu e Julieta, encenada na escola, em que as duas faziam os papeis principais. A abordagem didática do tema foi considerada um avanço. Em várias cenas, as personagens apareciam discutindo o homossexualismo feminino e o preconceito de que eram vítimas. A dependência afetiva exagerada das mulheres em relação a seus companheiros também teve grande repercussão. Na história, Heloísa personagem representada pela atriz Giulia Gam, passa a freqüentar as reuniões do grupo de apoio MADA (Mulheres que Amam Demais Anônimas), divulgando o trabalho da irmandade, especializada em tratar esses casos. Mulheres Apaixonadas e Mulheres que Amam demais As temáticas sociais eram os verdadeiros protagonistas da trama. Parece que a Rede Globo de Televisão, com seu caráter generalista, buscava mais do que nunca, o laço social com seu público, além da tão comentada identidade nacional. A presença - e a influência, acrescentamos - da televisão nos lares brasileiros, oferecendo atualmente uma vasta difusão de informações independente da classe econômica, cultural ou regional demonstra que o veículo tornou-se referência para seus telespectadores em vários sentidos, principalmente nos que diz respeito o comportamento adotado em relação ao mundo em que vivem. (MARTINS, 2008). A narrativa ficcional televisiva a telenovela é hoje um dos programas de maior audiência no Brasil. São comédias, dramas, realismos fantásticos e novelas de época vinculando opiniões, usos e costumes que representam à sociedade. Lopes (2002) afirma que a telenovela brasileira conquistou reconhecimento público como produto artístico e cultural, e ganhou visibilidade como agente central do debate sobre a cultura brasileira e a identidade do país. Motter (2005), em estudo sobre a telenovela e realidade social, considera que a ficção da telenovela constroi um mundo paralelo tomando como referencial a própria realidade em que a sociedade esteja inserida e da qual ela é constituinte. Neste sentido, a telenovela é capaz de traduzir o público através das relações afetivas e experiências vividas, misturando-se com a realidade de cada um. Em Mulheres Apaixonadas, Heloísa atormenta Sérgio e põe em risco o casamento. Ela vigia e tem uma relação tumultuada, na qual sofre e faz sofrer, monitorando em tempo integral os passos do marido, obcecada com um ciúme que a deixa sempre esperando pelo momento em que poderá sofrer uma traição. O autor da novela Mulheres Apaixonadas, Manoel Carlos, ouviu amigas, leu livros e pediu uma pesquisa para construir a personagem Heloísa e incluiu na novela o tema das mulheres que não controlam suas paixões. Ele teve conhecimento do grupo MADA (Mulheres que Amam Demais) através de uma amiga, Rita Ruschel (escritora e autora do livro Rita, Ritinha - Aprendendo a Amar). Na ocasião, ele estava morando em Nova York e através de , eles falavam sobre o assunto, inclusive com outras amigas nos Estados Unidos, abordando esse tipo de comportamento. Manoel Carlos percebeu que existia um grande contingente de mulheres vivendo esses amores destrutivos. Diante disso, associou o tema à história da novela que estava começando a esboçar para a TV Globo. Para Manoel Carlos, Heloísa não é a única que se enquadra no perfil de uma mulher que ama demais. Marina (personagem de Paloma Duarte) é outra que apesar de correspondida, é uma 'cliente' potencial do MADA ou associação equivalente. Mulheres apaixonadas não são sempre mulheres que amam demais.

7 Manoel Carlos leva Heloísa a uma reunião do grupo Mulheres que Amam Demais Anônimas (MADA), um grupo de ajuda mútua, como o Alcoólicos Anônimos. O que o grupo MADA vive em seu dia a dia recebeu na ficção uma representação. Uma série de situações, causadoras de sofrimentos e perdas, que aparentemente a pessoa adoecida não consegue ver solução, leva essas mulheres a um abismo. A televisão como sempre dizemos, é o espelho da sociedade. Se ela é seu espelho, isso significa que a sociedade se vê no sentido mais forte do pronome reflexivo através da televisão, que esta lhe oferece uma representação de si mesma. E ao fazer a sociedade refletir-se, a televisão cria não apenas uma imagem e uma representação, mas oferece a todos aqueles que assistem simultaneamente. Ela é, além disso, um dos únicos exemplos em que à sociedade se reflete. Permitindo que cada um tenha acesso a essa representação. (WOLTON, 2006) O comportamento de Heloísa na novela Mulheres Apaixonadas influenciou na reflexão de algumas telespectadoras sobre a amor descontrolado, sobre amar demais. Segundo depoimento de algumas mulheres do grupo MADA, todas se sentiram chocadas com a coragem da personagem na cena que Heloísa quase atropela Vidinha por causa do ciúme por seu marido Sérgio. O ato, considerado insano, é familiar entre as frequentadoras do grupo que já conhecem situações semelhantes. No decorrer da trama, Leila, personagem de Xuxa Lopes, aconselha Heloísa a ir ao grupo de apoio MADA - Mulheres que Amam Demais. Heloísa vai até a porta do MADA, mas titubeia por duas vezes, se recusando a entrar. Dar o primeiro passo é mesmo muito difícil para mulheres com dependência emocional. Todas as que se dispuseram a falar disseram que ir ao MADA pela primeira vez é o mais difícil. Segundo elas, geralmente, chegaram lá levadas por alguma amiga. A dependência de relacionamentos é algo que começa a agir sobre as Madas de forma muito sutil. Um comportamento inadequado, adotado em uma relação ao parceiro, torna-se rapidamente uma obsessão, especialmente quando o parceiro não corresponde as suas necessidades. Madas, no auge de sua doença, passam pelo mesmo processo apresentado pela personagem: ficam deprimidas e ausentes, passam pela fase de euforia, da ansiedade, até finalmente adotar uma postura de derrota. São mulheres que não conseguem concentrar em si mesmas, nem satisfazer suas próprias necessidades. Muitas vezes, as Madas vivem como um camaleão, adotando os valores de outras pessoas como sendo os valores mais importantes, numa tentativa de agradá-las, e assim serem aceitas. Temporariamente afastam-se de seus parceiros, mudando a tática de jogo na relação; ora se fazem de vítimas; ora sendo perseguidoras para tentar reconquistá-lo. Representação nos grupos de MADA locais Em entrevista concedida por duas coordenadoras do grupo MADA de Juiz de Fora (referidas neste trabalho como Mada X e Mada Y, a fim de preservar suas identidades, em respeito a uma das tradições do grupo) foi comprovado que a partir de fevereiro de 2003, quando a novela Mulheres Apaixonadas foi produzida e exibida pela Rede Globo, muitos grupos se abriram, em todas as regiões do Brasil, mas poucos perseveraram. Ficou constatado também que o número de participantes do grupo aumentou em função da novela.

8 Segundo Mada X, durante a exibição da novela, o grupo de Juiz de Fora chegou a realizar reuniões com a aproximadamente 30 mulheres. Claro que muitas dessas mulheres, chegavam para assistir as reuniões pela simples curiosidade, mas muitas se identificavam com a problemática e com o tratamento oferecido, permanecendo até hoje no grupo (Mada X, 2009). Contudo, algumas Madas não concordaram com a representação das reuniões na novela, achando que a abordagem não foi fiel à maneira que as reuniões são conduzidas. Para Mada X, deveriam ter sido mostradas as experiências de outras mulheres com objetos de obsessões diferenciados, como por exemplo: exagero na super proteção com os filhos, dependência exacerbada com o pai ou com a mãe. Dentro de um padrão considerado normal, tais mulheres são consideradas fragilizadas, porém, poderiam ter identificação com o grupo, contribuindo para fortalecê-lo diante de tantos outros aspectos. Conforme a novela ia se desenvolvendo, a temática gerou muitas especulações nas reuniões do grupo. Em muitas das cenas de Heloísa, como, por exemplo, suas atitudes diante do casamento, o sentido atribuído era de que mulheres que agiam como a personagem eram mulheres consideradas loucas. Mada Y lembra que nas salas do grupo, as mulheres relatavam que a personagem ganhou outro nome nas ruas, o de Helouquisa, termo estereotipado adotado no programa Casseta & Planeta, da TV Globo, numa sátira à novela. As coordenadoras percebem que a novela focou muito o assunto homem e mulher, quando na verdade, as dificuldades são com qualquer tipo de relacionamento. Elas acreditam que faltou abordar que a falta de auto-estima seja o fator primordial que faz com que as mulheres tenham esse tipo de comportamento. Mada X disse ainda que vários grupos foram extintos após a novela ter saído do ar. Ela acredita que um dos fatores pode ser a dificuldade em conseguir coordenadoras para assumir as reuniões. Porém, o desaparecimento do tema na mídia levou ao esquecimento do assunto na sociedade e, por conseqüência, baixa freqüência no Grupo. Prova disso é que, na segunda vez que a novela foi exibida, as reuniões de MADA voltaram a ser procuradas por mulheres. Este é o efeito de agenda setting das telenovelas. A novela dá visibilidade a certos assuntos, comportamentos e produtos e definem a pauta que regula os diálogos das pessoas. Mada X e Mada Y concordam que a divulgação do grupo MADA na mídia televisiva, serviu para divulgá-lo, entretanto, viu um aspecto negativo quanto à abordagem da personagem Heloísa, interpretada pela atriz (Giulia Gam). Para Mada X, Heloísa apresentava características de uma Mada muito adoecida, porém também apresentava outros tipos de distúrbios, problemas esses que requerem outro tipo de ajuda, de profissionais específicos, dentro do quadro de alterações psicológicas. Mada Y, diz ainda que esse fator pode ter afastado muitas mulheres interessadas em conhecer o grupo. Para elas, a imagem das frequentadoras do grupo ficou associada à imagem de mulheres totalmente descontroladas, como a personagem. Contudo, Mada X e Mada Y, consideram que para o grupo MADA de Juiz de Fora, no contexto geral, a influência da mídia contribuiu para o crescimento do grupo, pois após sua reprise em Vale a pena ver de novo, a partir de 1º de setembro de 2008, as salas voltaram a ser procuradas, o que resultou na abertura de mais três salas de MADA na cidade. Considerações finais

9 Infelizmente não foi possível coletar dados estatísticos porque as coordenadoras dos grupos não se preocuparam em coletá-los, na época da exibição da novela. Porém, é possível concluir que, através da exposição do tema na mídia, muitas mulheres procuraram os grupos de MADA, em busca de ajuda e descobriram possibilidades de tratamento, fazendo com que suas doenças fossem compreendidas por elas mesmas. Muitas dessas mulheres não se davam conta do que estavam vivenciando e, como achavam dificuldades em lidar com o que nem sabiam o que era, tinham comportamentos incompreendidos por elas mesmas e, algumas vezes, taxados de insanos. A partir da exposição do tema na mídia, muitas mulheres se estruturaram e se propuseram a seguir adiante o tratamento oferecido pela irmandade. Durante o processo de investigação deste trabalho foi possível perceber que as mulheres Madas fizeram um paralelo entre a ficção e a realidade, muitas vezes misturando as duas facetas, e começaram a refletir sobre o posicionamento da personagem, diante de suas próprias vidas e, assim, buscaram condições de mudanças de comportamento. Durante a exposição do grupo na mídia, os padrões femininos foram sendo influenciados, fazendo com que novas salas de MADA fossem abertas em Juiz de Fora em função do merchandising social apresentado. Os acontecimentos descritos na novela são definitivamente discussões das vidas das pessoas comuns. A novela presume um grau significativo de igualdade com a realidade de muitas mulheres, especificamente das Madas, dentro do contexto da doença. A vida pessoal tornou-se um projeto aberto, interpessoal e completamente transfigurado, envolvendo todos e todas nas experiências sociais do cotidiano. Apesar de o grupo ter ficado conhecido nas mais diversas cidades brasileiras através da telenovela Mulheres Apaixonadas, a mulher com dependência em relacionamento teve uma representação estereotipada na telenovela, o que pode ter contribuído para uma imagem negativa do grupo, reforçando o preconceito que suas frequentadoras, normalmente, enfrentam. O recorte abordado na telenovela focou somente um tipo de adicção: a de mulher por homem. Apesar de esta ser a mais constante e comum forma de dependência emocional apresentada dentro do grupo MADA, não é a única. Desta forma, a novela deixou de abordar outros tipos de dependências emocionais, prejudicando os objetivos gerais do grupo e deturpando sua verdadeira imagem e posição social dentro da sociedade. Referências Bibliográficas BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Editor Jorge Zahar, BEATTIE, Melody. Co-dependência Nunca Mais. Rio de Janeiro/ São Paulo: Editora Record, p. GIDDENS, Anthony. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, KOTLER, Philip. Administração de Marketing. Análise, Planejamento, Implementação e Controle. São Paulo: Atlas LOPES, Maria Immacolata Vassallo et al. Vivendo com a telenovela - recepção, mediações e ficcionalidade. São Paulo: Summus, 2002 MADA X. Depoimento a Renata Marçal Rosa, em 19 de maio de 2009.

10 MADA Y. Depoimento a Renata Marçal Rosa, em 20 de maio de 2009 MARTINS, Simone. A construção da identidade das telenovelas brasileiras: o processo de identificação dos telespectadores com a narrativa ficcional televisiva. VI Congresso Nacional de História da Mídia. Anais... Niterói: UFF, MOTTER, Maria Lourdes. Temas de importância social na telenovela e seus diferentes graus de enfrentamento: categorias que podem contribuir com a pesquisa de ficção televisiva. In: Anais do XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - INTERCOM, Rio de Janeiro, NORWOOD, Robin. Mulheres que amam demais. Tradução Cristiane Maria Ribeiro. São Paulo: Editora Best Seller, PROCÓPIO, Adélia de Souza. Quando amar é sofrer: um estudo dos discursos sobre gênero e afetividade das Mulheres Que Amam Demais fl. Dissertação apresentada ao programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal de Goiás, Goiana, SCHIAVO, Márcio. Merchandising social: uma estratégia de sócio-educação para grandes audiências. Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho. Tese de Livre Docência STUART, Ana. Auto Estima. Disponível em Acesso em: 24 novembro Acesso em: 24 novembro WOLTON, Dominique. É preciso salvar a comunicação. São Paulo : Paulus, 2006.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

Só você pode responder a esta pergunta.

Só você pode responder a esta pergunta. Sou um adicto? Tradução de literatura aprovada pela Irmandade de NA. Copyright 1991 by Narcotics Anonymous World Services, Inc. Todos os direitos reservados. Só você pode responder a esta pergunta. Isto

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

1 Narcóticos Anónimos (Texto Básico, página 17).

1 Narcóticos Anónimos (Texto Básico, página 17). Serei um adicto? Tradução de literatura aprovada pela Irmandade de NA. Copyright 1994 by Narcotics Anonymous World Services, Inc. Todos os direitos reservados. Só tu podes responder a esta pergunta. Isto

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

Relações Humanas e Marketing Pessoal

Relações Humanas e Marketing Pessoal Relações Humanas e Marketing Pessoal Realização: Projeto Ser Tão Paraibano Parceiros: Elaboração: Deusilandia Soares Professor-Orientador: Vorster Queiroga Alves PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS Em qualquer

Leia mais

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado Fevereiro de 2012 Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução & Enquadramento... 3 2. Avaliação 1º semestre de 2011/2012...

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

MULHERES QUE AMAM DE MAIS

MULHERES QUE AMAM DE MAIS ROBIN NORWOOD MULHERES QUE AMAM DE MAIS Tradução de Isabel Alves k Índice Agradecimentos........................................ 9 Prefácio............................................... 11 Introdução............................................

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD Geraldo Mendes de Campos ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD OBJETIVOS: - impedir ou retardar

Leia mais

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas:

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas: Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas O Ministério da Saúde lançou, nesta sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ), uma campanha publicitária alertando sobre os

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Dia_Logos. café teatral

Dia_Logos. café teatral café Café Teatral Para esta seção do Caderno de Registro Macu, a coordenadora do Café Teatral, Marcia Azevedo fala sobre as motivações filosóficas que marcam esses encontros. Partindo da etimologia da

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Guias do Al-Anon G-27

Guias do Al-Anon G-27 Guias do Al-Anon G-27 PARA UMA REUNIÃO ABERTA DE INFORMAÇÃO AO PÚBLICO Muitos Grupos realizam reuniões abertas de Informação ao Público para comemorar o aniversário do Grupo. Outros, realizam reuniões

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

AL-ANON 50 ANOS TRANSFORMANDO VIDAS

AL-ANON 50 ANOS TRANSFORMANDO VIDAS MAIO DE 1935 BILL W. E BOB S. SE CONHECEM 10 DE JUNHO DE 1935 ALCOÓLICOS ANÔNIMOS TEM INÍCIO A ASSOCIAÇÃO ENTRE FAMILIARES E AMIGOS DE ALCOÓLICOS COMEÇOU EM MEADOS DOS ANOS 1930, QUANDO OS ALCOÓLICOS E

Leia mais

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO 1.AMBULATÓRIO DO CTQ Atendimento ao paciente e familiares, garantindo a permanência de um acompanhante como apoio

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

Manter se limpo na rua

Manter se limpo na rua Manter se limpo na rua Tradução de literatura aprovada pela Irmandade de NA. Copyright 1993 by Narcotics Anonymous World Services, Inc. Todos os direitos reservados Muitos de nós tiveram o primeiro contato

Leia mais

5. A pesquisa. 5.1. Sujeitos

5. A pesquisa. 5.1. Sujeitos 65 5. A pesquisa As dificuldades envolvidas na conciliação da maternidade com a vida profissional têm levado muitas mulheres a abandonar até mesmo carreiras bem-sucedidas, frutos de anos de dedicação e

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund*

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1 Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1. Suporte para lideranças Discuta que ajuda os líderes podem necessitar para efetuar o seu papel efetivamente. Os seguintes podem fornecer lhe algumas idéias:

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Cartilha Informativa sobre Drogas (Publicação em fascículos nas edições 557, 558, 559, 560, 561, 562, 563 e 564 da Revista A

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais