José Gláucio Brito Tavares de Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Gláucio Brito Tavares de Oliveira"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA CURSO DE BIBLIOTECONOMIA José Gláucio Brito Tavares de Oliveira MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO: análise da estrutura curricular dos Cursos de Biblioteconomia da Região Nordeste NATAL-RN

2 JOSÉ GLÁUCIO BRITO TAVARES DE OLIVEIRA MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO: análise da estrutura curricular dos Cursos de Biblioteconomia da Região Nordeste Monografia apresentada à disciplina Monografia, ministrada pela professora Maria do Socorro de Azevedo Borba para fins de avaliação da disciplina e como requisito parcial para a conclusão do curso de Biblioteconomia. Orientadora: Profª MSc. Andréa Vasconcelos Carvalho de Aguiar NATAL-RN

3 Catalogação da Publicação na Ponte 048e Oliveira, José Gláucio Brito Tavares de. Marketing em Unidades de Informação: análise da estrutura curricular dos Cursos de Biblioteconomia da Região Nordeste/ José Gláucio Brito Tavares de Oliveira. Natal, f. Orientador: Andréa Vasconcelos Carvalho de Aguiar. Monografia (Graduação em Biblioteconomia). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 1. Marketing-Formação Acadêmica - Monografia. 2. Marketing em unidade de informação. - Monografia. 3. Funções do Marketing. - Monografia. I. Aguiar, Andréa Vasconcelos Carvalho de. II. Título. RN/UF/DEBIB CDU: 023:658.8

4 JOSÉ GLÁUCIO BRITO TAVARES DE OLIVEIRA MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO: análise da estrutura curricular dos Cursos de Biblioteconomia da Região Nordeste Monografia apresentada à disciplina Monografia, ministrada pela professora Maria do Socorro de Azevedo Borba para fins de avaliação da disciplina e como requisito parcial para a conclusão do curso de Biblioteconomia. MONOGRAFIA APROVADA EM 13 de janeiro de 2005 BANCA EXAMINADORA Profª. MSc Andréa Vasconcelos Carvalho de Aguiar (Orientadora) ProP. MSc Maria do Socorro de Azevedo Borba (Profª da Disciplina) Profª MSc. Luciana Moreira Carvalho (Membro)

5 A meus pais José e Graça e a irmã Gracielle que sempre me apoiaram em todas as minhas escolhas.

6 AGRADEÇO Primeiramente a Deus, que desenhou meus caminhos com fé, luz, paz e disciplina. A meus pais queridos, José e Graça, que sempre me apoiaram em todas as decisões de minha vida. Estando os dois sempre presentes nas minhas alegrias e tristezas, me dando forças para que pudesse continuar minha caminhada. A minha irmã, que amo, que sempre me ajudou e me entendeu. A minha segunda mãe, tia Vilma, pela paciência em me aturar na sua casa nesses quatro anos de luta. As minhas tias, Nativa e Lucinha pelo carinho especial. As minhas primas Sinelle, Maria Antônia, Maylene e a Simone me emprestando o computador sempre que eu precisava. Agradeço a todas pelo incentivo e compreensão. Aos meus amigos Fernanda, Joumara, Cybelle, Andreza, Ericka, Kátia, Rebeka, Débora, Vanessa, Flaviana, Cirlene, Kaline, Letícia, Petrônio Jr. e Eduardo pela amizade, força e dedicação que foi depositada em mim. As bibliotecárias Albanita Lins, Roseane Mendonça, Cristiane Bulhões e Socorro Félix que foram fundamentais no ensinamento das técnicas biblioteconômicas durante meus estágios, muitíssimo obrigado. As todas as professoras do Departamento em especial a Mónica Carvalho, Luciana Moreira e a queridíssima Socorro Borba, pela atenção particular, para que pudesse concluir esse trabalho. E a minha querida professora Andréa Aguiar por ter aceitado me orientar nesse trabalho, pelo estímulo e pela paciência que teve comigo. Muito obrigado de coração.

7 "Um indivíduo sem informação não pode assumir responsabilidades; um indivíduo que recebeu informações não pode deixar de assumir responsabilidades". Jan Carlzon

8 RESUMO Analisa a estrutura curricular dos cursos de graduação em Biblioteconomia existentes nas Instituições Federais de Ensino Superior do Nordeste, identificando a existência de disciplinas voltadas ao marketing. Caracteriza o marketing em relação ao seu conceito, evolução e funções. Descreve a evolução da abordagem do marketing na literatura biblioteconômica brasileira. Analisa a aplicação do marketing em unidades de informação, destacando os obstáculos encontrados para sua aplicabilidade. Fala também das vantagens da sua aplicação, onde problemas são identificados, soluções podem ser tomadas, atendendo os desejos e anseios de seus clientes, promovendo um perfeito processo de troca de valores entre biblioteca e usuário. Discorre sobre o papel do bibliotecário no processo, salientando a necessidade de que tenha em sua formação académica, conhecimento sobre marketing em unidades de informação. Em termos de procedimentos metodológicos, recorreu-se à pesquisa bibliográfica e a pesquisa em websites dos Cursos de Graduação em Biblioteconomia do Nordeste. Palavras-chave: Graduação do Bibliotecário. Marketing em Unidades de Informação. Funções do Marketing.

9 ABSTRACT This research analyzes the curricular structure of graduation courses in library science in Higher Federal Institutions of the Northeast. It also identifies the existence of disciplines that lead with marketing. Marketing is characterized related to its concept, evolution and functions. The evolution of the marketing approach in Brazilian library science is also dealt with. The application of marketing in information units and the obstacles for its aplicability is taken into consideration by the research. The advantages of the marketing application, identification of problems and the solutions that can be taken that attend the desires and expectations of the client is seen this promotes the perfect process related to values between libraries and users. The role of the librarian in this process is seen. It calls attention upon the need for this professional to have academic graduation and Knowledge about marketing in information units. The methodological procedures were bibliographic and website researches of the Northeastern courses in Libraryscience. Key Words: Librarian Graduation. Marketing in Information Units. Marketing Functions.

10 LISTA DE SIGLAS ABEBD ABECIM AMA IBICT IFES MEC OEA SENAI SNBU UFAL UFBA UFC UFMA UFPB UFPE UFRN Associação Brasileira de Ensino de Biblioteconomia e Documentação Associação Brasileira de Ensino de Biblioteconomia e Ciência da Informação Associação América do Marketing Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Instituição Federal de Ensino Superior Ministério da Educação Organização dos Estados Americanos Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Universidade Federal de Alagoas Universidade Federal da Bahia Universidade Federal do Ceará Universidade Federal do Maranhão Universidade Federal da Paraíba Universidade Federal de Pernambuco Universidade Federal do Rio Grande do Norte

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO MARKETING HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DO MARKETING FUNÇÕES DO MARKETING MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO NA LITERATURA BRASILEIRA OBSTÁCULOS NA APLICAÇÃO DO MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO MARKETING E O PROFISSIONAL DA INFORMAÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS PRESENÇA DO MARKETING NAS GRADES CURRICULARES DOS CURSOS DE BIBLIOTECONOMIA DE IFES DO NORDESTE: análise e interpretação dos resultados CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE... 51

12 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 10 1 INTRODUÇÃO Atualmente, produtos e serviços que satisfaçam o cliente são os principais responsáveis pelo sucesso e expansão das organizações. Por isso, elas procuram aperfeiçoar continuamente seus produtos e serviços se adequando às necessidades e requisitos dos clientes e as frequentes transformações do mercado, utilizando-se para tanto de métodos e técnicas que lhes permitam estar sempre atualizadas quanto às expectativas de seus públicos, garantindo assim sua sobrevivência e seu desenvolvimento. Para se chegar ao ideal de mercado se faz necessário elaborar diagnóstico da área em que se vai trabalhar, desenvolvendo atividades de caráter exploratório para conhecer o mercado e o público que será atendido. Acentua-se a necessidade de oferecer serviços adequados, utilizando algumas ferramentas que sirvam para atrair e satisfazer pessoas. Pois o cliente estando satisfeito com o que lhe está sendo oferecido, certamente fará com que a organização receba em troca benefícios, promovendo seu crescimento no ambiente que está inserida. Por isso as organizações adotam o marketing tendo em vista otimizar seus produtos e serviços, visando a eficiência na oferta e à satisfação do cliente. Pode se entender o marketing como uma combinação de técnicas, cuja aplicação visa o perfeito processo de troca, beneficiando todos os elementos que nela se integram. A utilização do marketing em unidades de informação possibilita uma gestão administrativa, onde todos os esforços visam à concretização de trocas entre biblioteca, usuários internos e externos e

13 11 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira os demais públicos que a unidade de informação atende, tais como sua instituição mantenedora, seus fornecedores, entre outros. A aplicação do marketing em unidade de informação requer que o bibliotecário, visto como gestor, identifique e estude quais as melhores estratégias, para satisfazer seus usuários, no que diz respeito a disponibilização de produtos, à prestação de serviços informacionais, como meio para consolidar e aprimorar a presença da unidade de informação no mercado. Para tanto, faz-se necessário que o profissional da informação tenha formação académica que o habilite a adotar estratégias de marketing. Neste sentido, coloca-se como problema de pesquisa: "como se compõem as estruturas curriculares dos cursos de graduação em Biblioteconomia existentes nas instituições federais de ensino superior (IFES) do Nordeste, no que concerne à existência de disciplinas voltadas para o marketing?" Portanto pode-se definir como objetivo geral analisar a estrutura curricular dos cursos de graduação em Biblioteconomia existentes nas IFES do Nordeste, tendo em vista identificar a existência de disciplinas voltadas para o marketing. Os objetivos específicos são: Caracterizar o marketing em relação ao seu conceito, evolução e funções; Descrever a evolução da abordagem do marketing na literatura biblioteconômica brasileira; Analisar a aplicação do marketing em unidades de informação, destacando os obstáculos, as vantagens e o papel do bibliotecário.

14 12 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira Para se atingir os objetivos delineados, foram realizadas pesquisas bibliográficas sobre marketing, principalmente no que diz respeito ao marketing em unidade de informação. Além disso, foram pesquisados os websites dos Cursos de Biblioteconomia das IFES da região Nordeste, tendo em vista caracterizar a presença do marketing. O interesse por esse tema teve origem em observar durante um estágio extracurricular em uma biblioteca universitária a utilização de procedimentos de marketing na execução de eventos, feiras e na divulgação de seus produtos e serviços para os clientes. Pode-se citar também a disciplina Organização e Administração de Bibliotecas e Serviços de Informação, ministrada pela professora Luciana Moreira Carvalho, do Departamento de Biblioteconomia desta Universidade, que teve como uma das atividades de avaliação a elaboração de um plano de marketing para uma unidade de informação. Esta monografia é composta de cinco capítulos. Após a introdução, no capítulo intitulado Caracterização do Marketing, são abordados aspectos relativos à evolução, origem do termo, o composto de marketing, como também são apresentadas as funções e os elementos do marketing. O terceiro capítulo: Marketing em Unidades de Informação tratará das ações de marketing que são desenvolvidas em unidades de informação, caracterizando os públicos, analisando a presença do marketing na literatura biblioteconômica brasileira. Neste mesmo capítulo são descritos alguns obstáculos na aplicação do marketing em unidades de informação, como também das vantagens de aplicar marketing como benefício de todas as partes da organização. Também será analisado o papel do profissional da informação frente às ações do marketing em unidades de informação.

15 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 13 No quarto capítulo Procedimentos Metodológicos são apresentados as técnicas metodológicas utilizadas para realizar a pesquisa deste trabalho. E no quinto e último capítulo intitulado Presença do marketing nas grades curriculares dos cursos de biblioteconomia de IFES do Nordeste: análise e interpretação dos resultados faz-se uma análise em grades curriculares, onde serão verificados a existência de disciplinas de marketing, para a formação do profissional da informação. Por fim são apresentadas as Considerações finais acompanhados de recomendações descritas ao tema.

16 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 14 2 CARACTERIZAÇÃO DO MARKETING Os conceitos que se tem na literatura sobre marketing são abrangentes e variados, devido às diferentes abordagens dos autores e também da época em que foram formulados. Porém, percebe-se que eles se complementam entre si. Kotler (1978, p. 61) define Marketing como sendo "um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de produtos de valor com outras pessoas". Percebe-se, então, que o marketing funciona como uma ferramenta gerencial, beneficiando, através de suas ações, a organização, sua clientela e a sociedade. Confirmando esta percepção, Cobra (2001) afirma que o papel do marketing é Identificar necessidades não satisfeitas, de forma a colocar no mercado produtos e serviços que, ao mesmo tempo proporcionem satisfação do consumidor, gerem resultados auspiciosos aos acionistas e ajudem a melhorar a qualidade de vida das pessoas e da comunidade em geral. Deve-se, pois, conhecer o cliente para saber quais são as suas necessidades e requisitos. A partir disso, pode-se desenvolver e promover produtos e serviços satisfatórios. Neste sentido, convém mencionar a afirmação da Associação Americana de Marketing (AMA) quando ressalta que:

17 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 15 Marketing é o processo de planejamento e execução desde a concepção, agregamento, promoção e distribuição de idéias, mercadorias e serviços para criar trocas que satisfaçam os objetivos individuais e organizacionais (AMA citada por COBRA, 2001, p. 34). Sendo assim, a prática do marketing pode ser entendida como um processo que leva à construção de uma estratégia administrativa que possibilite a oferta de produtos e serviços, desde sua formulação até sua distribuição ao mercado, satisfazendo o produtor e seus públicos. É a partir dos princípios de marketing, que se planeja, define, executa e põe as idéias em prática por meio de canais de comunicação, que possam oferecer de forma adequada o produto. Caracterizando mais amplamente o marketing, Kotler e FOX (1994, p.24) afirmam que trata-se de: Análise, planejamento, implementação e controle de programas cuidadosamente formulados para causar trocas voluntárias de valores com mercados-alvo e alcançar os objetivos institucionais. Marketing envolve programar as ofertas da instituição para atender às necessidades e aos desejos de mercados-alvo, usando preço, comunicação e distribuição eficazes para informar, motivar e atender a esses mercados. Tendo em vista as várias definições apresentadas, pode-se compreender o marketing como sendo um processo gerencial, que visa a troca de valores de modo a garantir a sobrevivência da organização, através da identificação e compreensão das necessidades e expectativas dos clientes e do oferecimento dos serviços e produtos compatíveis, beneficiando assim a organização e todos os seus públicos.

18 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DO MARKETING A estrutura da palavra marketing é composta da seguinte maneira: "MARKET" quer dizer mercado e o sufixo "ING" traduz ação. Exprimindo então o sentido de desenvolver ações no mercado. Marketing é uma expressão estrangeira, de origem inglesa que não possui tradução literal para a língua portuguesa. Mas esse termo é muito usado no Brasil, sendo, de certa forma, sinônimo para processo mercadológico ou mercadologia. Segundo Richers (1994, p.78), o marketing se difundiu no Brasil em meados da década de 1950 como resultado de três aspectos principais: a industrialização do país; a inclusão do tema nos emergentes cursos superiores e especiais de administração, mais precisamente na Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas; e a adoção de ações mercadológicas pelo sistema de comunicações e das agências de publicidade. Tendo em vista apresentar a evolução do marketing numa perspectiva mais ampla, Las Casas (1997, p. 21) estabelece três fases fundamentais: a era da produção, a era de vendas e era do Marketing: Era da produção: etapa em que a demanda era maior que a oferta. Os consumidores estavam ávidos por produtos e serviços. A produção era quase artesanal. Com a chegada da Revolução Industrial apareceram indústrias organizadas, utilizando a administração científica de Taylor, aumentando a produtividade. Era de vendas (1930): nessa época começava a surgir os primeiros sinais de excesso de oferta. Os fabricantes desenvolveram-se produzindo em série. Portanto, a oferta passou a superar a demanda e os produtos acumulavam-se em estoques. Algumas empresas começaram a utilizar técnicas de vendas bem mais agressivas e a darem ênfase na comercialização de seus produtos através das vendas.

19 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 17 Era do marketing (1950): onde os empresários começaram a perceber que as vendas a qualquer custo não era uma forma de comercializar muito correta. O mais importante era a conquista e a manutenção dos negócios a longo prazo, mantendo relações permanentes com a clientela. Foi a partir dessa época que os produtos passam a ser oferecidos de acordo com as necessidades dos clientes. Assim pode-se afirmar que o primeiro período foi marcado pela transição da produção artesanal para a produção em massa, sendo uma consequência da Revolução Industrial. Decorrente disso, as vendas passaram a ser incrementadas. Desta forma, recorreu-se ao marketing como uma agressiva estratégia de venda. Posteriormente, o constante contato com o mercado conduziu ao entendimento de que era preciso adequar os produtos aos seus consumidores. Foi assim que se deu à passagem da era de vendas para a era do marketing. Na sequência da evolução do marketing, em fins 1969, Kotler e Levy sugeriram a ampliação do conceito de marketing, para que abrangesse também as instituições sem fins lucrativos, tais como escolas, hospitais e bibliotecas, entre outros. Para Kotler (1978, p. 24) A razão básica de uma organização que não visa lucro interessar-se pelo marketing, é que eles permitem que a organização se torne mais eficaz na obtenção de seus objetivos. A aplicação de procedimentos de marketing em organizações que, por vezes, não dispõem dos recursos financeiros necessários, justifica-se pela possibilidade de a organização alcançar seus objetivos e com isso, se tornar mais eficaz na obtenção de recursos.

20 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 18 O marketing evolui de acordo com as novas tendências do mercado, voltando-se sempre para estudá-lo e entendê-lo, tendo corno base os desejos e necessidades dos consumidores com o objetivo de satisfazê-los. 2.2 FUNÇÕES DO MARKETING A implementação do marketing se dá através do desempenho de quatros funções: análise, adaptação, ativação e avaliação. Na primeira função do marketing, a análise, são realizadas observações em micro e macroambientes. A análise microambiental estuda as condições internas da organização, tais como: Recursos humanos: são abordados fatores com relação à motivação, quantidade, formação, programas de educação continuada, etc. Recursos financeiros: são verificações quanto à quantia empregada, se é suficiente ou se existe restrições. Mercado-alvo: estudos para o conhecimento da comunidade segundo suas características. Para tanto a comunidade pode ser dividida em quatro grandes grupos, podendo ser: segmentação demográfica, geográfica, psicológica e behaviorista, sendo esta última voltada para o estudo do comportamento do usuário. A análise dos fatores externos ou macroambientais envolve os aspectos referentes ao ambiente em que a organização está inserida, são eles: Políticos: análise de governo, de estratégias e de possíveis repercussões;

21 19 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira Econômicos: referem-se ao nível de renda da população, taxas de juros, etc; Culturais: referem-se a língua, produção científica e artística, etc; Tecnológicos: são analisadas as frequentes mudanças tecnológicas, como também seus custos de tais recursos. A segunda função do marketing é a adaptação. Através dela se empreende todos os esforços necessários à adequação da organização em função da análise anteriormente realizada. Assim, formula os devidos ajustes na oferta de produtos e serviços. É nessa função, que todos os setores da organização se integram, para estruturar um processo de marketing, reunindo esforços, visando a satisfação do cliente e a segurança quanto à presença da organização no mercado. Esse processo chama-se de marketing integrado, onde deve existir uma sincronia quanto aos procedimentos de marketing, em todos os níveis da instituição. A terceira função do marketing é a ativação, onde as atividades estão relacionadas com a administração do marketing visando as aplicações de tempo, local, produtos e serviços. É a disposição do produto na hora, local e modo certo, conforme as necessidades e preferências dos usuários. A ativação do marketing nas organizações se dá através de ura conjunto de elementos denominado de composto de marketing. O composto de marketing é determinado mediante a definição dos mercados e seus segmentos a serem atendidos, seguindo uma análise dos clientes/consumidores.

22 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 20 Campomar (1981, citado por Amaral, 1998, p. 126) diz que composto de marketing "é o conjunto de variáveis sobre as quais a administração de marketing deve tomar decisões". Pode ser entendido também como um conjunto de variáveis e ferramentas que a instituição utiliza num processo decisório, desde a criação de seu produto até sua disposição no mercado, com o objetivo de satisfazer sua clientela. Também conhecido como marketing mix ou os 4Ps, o composto de marketing é um conjunto de ferramentas que a organização usa para atingir seus objetivos de marketing no mercado-alvo. Neste sentido, o Quadro 1 é bastante ilustrativo por caracterizar cada um dos Ps: produto, preço, praça e promoção. QUADRO 1 COMPOSTO DE MARKETING

23 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 21 O produto é qualquer coisa que é produzido e oferecido ao mercado. No âmbito das unidades de informação isso se aplica à oferta da informação, onde serão avaliados a qualidade, confiabilidade, clareza, entre outros pré-requisitos. Com relação ao preço, deve inicialmente verificar as condições econômicas dos usuários que a unidade de informação atende. Conhecendo seu perfil, pode-se definir não só o valor financeiro na prestação de produtos e serviços, como também deve-se medir variáveis de tempo, qualidade e atendimento, devendo ser analisado se a instituição visa ou não o lucro. Sendo tomada essa decisão pelos chefes da organização, por ser uma atitude política e complexa. É na praça que serão disponibilizados os produtos e serviços, por meio de canais de distribuição, ocasionando a oferta direta ao consumidor. Na promoção são utilizadas ferramentas para a divulgação do produto no mercado. Neste ponto o "ofertante" deve ser claro e conciso, para que possa atingir as reais necessidades e anseios dos clientes. Segundo Stepanenko (198?, p. 14), como meios para a promoção, o marketing se utiliza de vários elementos, dentre os quais se destacam: Mala direta: são informações que são dirigidas por correspondência, visando informar o público alvo a tomar decisões com relação a utilização de produtos e serviços; Telemarketing: utiliza ferramentas e planejamento de meios de telecomunicações e informática, para disseminar como também colher informações relevantes para a organização, visando uma melhoria na apresentação de produtos e serviços;

24 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 22 Propaganda: é utilizada para promover os serviços, produtos, idéias, etc, segundo a filosofia da organização. É o elemento mais utilizado dos procedimentos de marketing; Publicidade: trata da atividade que utiliza meios de comunicação para a propaganda, onde a mensagem é passada diretamente para o cliente, através de notícia, entrevista, noticiário, etc. Tendo em vista deslocar o foco de atenção do produto para o cliente, houve uma inovação no composto do marketing através da substituição dos 4Ps pelos 4Cs, constituídos por clientes, custos, conveniência e comunicação. Cliente: é o principal beneficiário e todos os esforços da organização estão votados para atender suas necessidades e expectativas; Custo: definição de quanto custará o produto, mediante sua aceitação no mercado. Refere-se tanto ao aspecto financeiro como também às variáveis tempo, qualidade e atendimento; Conveniência: as frequentes inovações tecnológicas permitem a transferência de informação de forma cada vez mais rápida e interativa. Com o advento das novas tecnologias de informação e da telemática, os produtos e serviços podem ser disponibilizados a qualquer hora e em qualquer local que o cliente necessite, tendo como pré-requisito apenas o acesso aos meios de conexão necessários; Comunicação: é pela maneira de comunicar-se que a organização consegue atrair e manter sua clientela. Enfoca a emissão de mensagens para a clientela e oferece meios para que os clientes também dirijam comunicados para a

25 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 23 organização. A comunicação pressupõe uma relação de mão dupla, um diálogo em que todos os envolvidos têm possibilidade de expressão. Retomando a caracterização das funções do marketing, após a ativação, tem-se a avaliação, que se define pela comparação dos resultados obtidos com os planejados, tendo por finalidade promover o ajuste de possíveis falhas no processo de administração da organização, visando à contínua otimização do que é oferecido. Neste sentido, é oportuna a afirmação de Kotler (1994, p. 69): Administradores precisam de informações apropriadas e acessíveis para tomar decisões sobre programas atuais e futuros, bem como para antecipar problemas relacionados a marketing. Assim, entende-se que o gerente da unidade da informação estando sempre atento às políticas de marketing estará apto a decidir e antecipar possíveis problemas e/ou falhas quanto sua aplicação. É importante mencionar que a informação é o principal insumo na utilização dos procedimentos de marketing em organizações, pois todas as suas funções implicam-se em coleta, geração, tratamento, análise e uso da informação.

26 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 24 3 MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO A aplicação do marketing em unidades de informação amplia as relações de troca com seus públicos e otimiza o processo de transferência da informação no âmbito de toda a organização. Por isso, as unidades de informação devem adotar princípios de marketing visando a melhoria nos produtos e serviços oferecidos, e, consequentemente, a satisfação dos clientes e a expansão no mercado. Para que as estratégias de marketing sejam eficientes na unidade de informação, faz-se necessário inicialmente conhecer o que é marketing, suas aplicabilidades e benefícios como também os possíveis obstáculos a serem superados. Além disso, é necessário analisar o mercado, a instituição mantenedora e a própria unidade de informação em que o marketing será empregado. Dentro desse contexto, podemos citar Amaral quando afirma que Quando se trata de marketing de informação, são consideradas neste escopo de atuação as organizações que se ocupam da coleta, tratamento, disseminação e uso da informação, incluindo-se nessa categoria aquelas que tratam a informação estratégica para tomada de decisão para seu uso pelos interessados. (AMARAL, 2004, p. 59) Como foi visto, marketing então, exprime um conjunto de atividades que visam orientar o fluxo de bens e serviços do local onde são gerados para os consumidores ou usuários. Trata-se de um conjunto de técnicas coordenadas que permitem a uma organização conhecer o mercado presente e potencial com a finalidade de otimizar a oferta de seus produtos ou serviços.

27 José Gláucio Brito Tavares de Oliveira 25 49) afirma: Em relação ao uso do marketing em unidades de informação, Amaral (1998, p. É interessante refletir sobre as vantagens do marketing como ferramenta gerencial para melhorar o desempenho das unidades de informação. Essa reflexão poderá contribuir no sentido que as unidades de informação cumpram satisfatoriamente o seu papel como organizações essenciais para o desenvolvimento social, econômico, político e cultural da sociedade. Complementando essa idéia, Silveira (1992, p.51) diz que: É função do marketing realizar trocas produtivas com seus mercados a fim de que haja continuidade voltada para resultados esperados. Suas relações de troca, implícitas na função de marketing devem proporcionar benefícios para todas as partes envolvidas no processo: cliente, biblioteca e mantenedor. De acordo com o que foi citado, o marketing em unidades de informação deve ser entendido como uma combinação de técnicas, visando o aperfeiçoamento do processo de troca, com o propósito de se alcançar objetivos almejados pela organização e seus públicos. Neste sentido é oportuno esclarecer que os públicos são grupos distintos de pessoas ou organizações que possuem ura interesse real ou potencial e/ou um impacto sobre a unidade de informação. Eles se dividem em: a) Provedores: constituídos pela instituição mantenedora e pelos fornecedores;

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

A importância do marketing de relacionamento na gestão de bibliotecas universitárias

A importância do marketing de relacionamento na gestão de bibliotecas universitárias Autorização concedida ao Repositório da Universidade de Brasília (RIUnB) pelo organizador do evento, em 31 de janeiro de 2014, com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 3.0, que

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Capítulo 1 PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Boas práticas de laboratório Maria de Fátima da Costa Almeida Doutora em Fisiologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e mestre em

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS

INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS BARÃO DE MAUÁ - IEBM TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE GESTÃO DE NEGÓCIOS. Contatos Domingos Sávio de Carvalho (Gerente Operacional do Projeto)

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 São Paulo 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZAÇÕES... 3 2.1 Acervo... 3 2.2 Plano de atualização e expansão do acervo... 3 2.3 Divulgação...

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL Prof. Dr. José Alberto Carvalho dos Santos Claro Mestrado em Gestão de Negócios Universidade

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*)

Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*) Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*) Jaime Robredo 1. Introdução A tradução para o português da expressão inglesa process management não permite evidenciar

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais