ESTUDO CONCEPTUAL E PARA DESENVOLVIMENTO DA PLATAFORMA EMARKETPLACE ACIST

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO CONCEPTUAL E PARA DESENVOLVIMENTO DA PLATAFORMA EMARKETPLACE ACIST"

Transcrição

1 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: ESTUDO CONCEPTUAL E PARA DESENVOLVIMENTO DA PLATAFORMA EMARKETPLACE ACIST Cnceit, funcinalidades, prcediments peracinais e estruturas técnicas assciadas

2 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: Índice 1.1 Objectivs Factres Crítics de Sucess ÂMBITO DO PROJECTO Serviçs incluíds n âmbit d presente dcument: DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO APRESENTADA Características Gerais Arquitectura Funcinal Platafrma de infrmaçã BACKOFFICE DE GESTÃO SITE PDA / SITE IPHONE MANUTENÇÃO EVOLUTIVA ALOJAMENTO TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO PROJECTO Plan de Prject Crngrama EQUIPA DO PROJECTO E SUA ORGANIZAÇÃO Equipa de Prject Equipa de Prject RELATÓRIO DE PROGRESSO DE PROJECTO DEFINIÇÃO DAS RESPONSABILIDADES Da Via Oceânica D cliente METODOLOGIA DA GESTÃO DE PROJECTOS CONTROLO DE QUALIDADE FORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO... 16

3 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: 1.1 OBJECTIVOS - Repsicinar a Agência n mercad face às suas cngéneres; - Refrçar a imagem e identidade ACIST (mdernidade/ simplicidade/ relacinament interpessal) incutind-lhe um carácter mais simples, infrmal e dinâmic an nível da cmunicaçã, da relaçã institucinal e empresarial; - Criar nvs serviçs para s Assciads; 1.2 FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO Existem determinadas cndicinantes que devem ser devidamente pnderadas, na medida em que seu incumpriment pderá casinar alterações que impliquem um nv planeament d Prject. É fundamental um envlviment prfund d cliente cm vista a plen cumpriment ds prazs e actividades previstas. Os pnts que seguidamente enunciarems sã, n nss entender, s essenciais para atingir s bjectivs a que ns prpms: A nmeaçã d Interlcutr Crdenadr d Prject. O cliente deverá nmear um interlcutr para prject. Este element será respnsável pr estabelecer internamente s cntacts necessáris para que a equipa da Via Oceânica pssa efectuar trabalh prpst. Este interlcutr deverá garantir acmpanhament e execuçã de tdas as actividades d Prject, estar presente nas reuniões de cntrl de prgress d prject, bem cm deverá ter pder para desblquear situações que pssam surgir a lng da execuçã d prject, garantind um efectiv envlviment d cliente em td prcess. Dispnibilidade ds Clabradres d cliente. É fundamental que para cada área de intervençã cliente garanta a dispnibilidade ds clabradres cnsiderads chave. Divulgaçã d prject. A divulgaçã ds bjectivs d prject pels diverss níveis d cliente, será crucial para que pssa haver uma clabraçã e envlviment ds Clabradres da Empresa. A rapidez de tmada de decisã. A celeridade desejada para atingir s bjectivs deste prject só é cnseguida se prcess de tmada de decisã fr eficaz, que passa pela definiçã de mecanisms eficientes (cmpetências e prazs), bem cm um livre acess a quem tem de decidir. Obter as aprvações ds Dcuments entregues. A btençã das aprvações d cliente pr parte ds dcuments entregues pela Via Oceânica.

4 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: 2 ÂMBITO DO PROJECTO 2.1 SERVIÇOS INCLUÍDOS NO ÂMBITO DO PRESENTE DOCUMENTO: - Gestã d prject de acrd cm a metdlgia de gestã de prject apresentada; - Análise de requisits e desenh da sluçã de frma detalhada, de acrd cm metdlgia apresentada; - Cnstruçã de uma sluçã de acrd cm a metdlgia de prject apresentada; - Implementaçã e lançament da sluçã de acrd cm a metdlgia de prject apresentada; - Frmaçã de utilizaçã d gestr de cnteúds; 3 DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO PRESENTADA - Estud rganizacinal e funcinal cm base para desenvlviment de platafrma e prtal extranet para E-marketplace. Esta platafrma surge cm respsta a uma carência, sbejamente identificada na sua área. Tem cm bjetivs primeirs ir a encntr de necessidades nã só já identificadas cm também reprtadas diretamente pels principais interessads nas suas funcinalidades. A sua cnceçã, planeament e cnsequente desenvlviment fi pnderada de frma a ser enquadrada na missã ds seus prmtres, tant a nível de timing mas também cm platafrma de refrç da quantidade e qualidade de serviçs dispníveis. Refira-se que cnceit reúne funcinalidades únicas, integradas cm ferramentas que lhe dã uma rbustez e flexibilidades acima da média de sistemas d mesm tip. Sã precisamente estas rbustez, flexibilidade, fiabilidade e segurança algumas das caraterísticas intrínsecas deste sistema. Em terms de funcinalidades básicas integradas n sistema, destacams as mais relevantes:

5 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: i) Inscriçã e catalgaçã de empresas (frnecedres), pr categria de prduts e/u pr tip de serviçs dispnibilizads: esta funcinalidade permitirá que, através d backffice, seja pssível criar e gerir uma base de dads que será gradualmente alimentada, na qual se pderá aceder a tdas entidades frnecedras e as dads dispnibilizads pelas mesmas. O mtr de pesquisa integrad permitirá a utilizaçã de metawrds genéricas e, assim, será pssível pesquisar pr áreas específicas de negóci, prduts e serviçs frnecids bem cm pela identificaçã e lcalizaçã dessas mesmas entidades; ii) iii) iv) Inscriçã de ptenciais clientes, permitind a slicitaçã de prpstas u a realizaçã de transações: esta funcinalidade, cm caraterísticas únicas n mercad, permite que s ptenciais clientes pssam, fácil, rapidamente e cm tda a segurança e cnfiança refira-se, aqui, que as entidades frnecedras sã validadas antes de integrarem a lista de entidades dispníveis encntrar s tips de prduts e serviçs que prcuram, de uma frma integrada e pdend relacinar diferentes frnecedres, cmparar prduts e serviçs e, n futur, prceder efetivamente às aquisições pretendidas. Essas transações serã realizadas em ambiente segur, cm níveis de encriptaçã adequads, tend pr base um ambiente desenvlvid para HTTPS Secure Server cm integraçã de uma API específica que permitirá perações de pagaments cm MB, PayPal, Payshp e Cartã de Crédit. Ntificações autmáticas (pr ) as frnecedres de prduts u serviçs classificads nas categrias crrespndentes à slicitaçã de uma dada prpsta e, em paralel, as clientes, cm indicaçã ds frnecedres dispníveis para tip de serviçs u categria de prduts pretendida; Prduçã regular de estatísticas sbre E-makplace. Em articulaçã cm esta platafrma, prtal extranet dispnibilizará as seguintes funcinalidades: Espaç reservad para apresentaçã geral de cada uma das empresas aderentes à rede; Catálgs de prduts e serviçs para prmçã cmercial de cada uma das empresas aderentes à rede; Publicitaçã de campanhas u prmções de qualquer das empresas aderentes à rede, cm ntificaçã autmática a ptenciais clientes inscrits na categria de prduts u serviçs em causa; Secçã cm ntícias sbre sectr, cm particular relevância às ntícias relacinadas, direta u indiretamente cm s prmtres, entidades aderentes e respetivas áreas de atuaçã; Secçã cm dcumentaçã sbre sectr (e.g. estuds, legislaçã), para dwnlad e partilha; Newsletter, que será enviada directamente para a caixa de crrei ds aderentes à rede;

6 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: Trca de mensagens entre s aderentes à rede, diretamente na platafrma sb a frma de fórum, que pde ser temátic u genéric; Zna de publicidade para inserçã de banners para prmçã de prduts u serviçs; FAQ s - Secçã de perguntas / respstas frequentes O lançament d E-marketplace será precedid de uma divulgaçã alargada junt de ptenciais clientes e utilizadres. Esta divulgaçã será prlngada pr algum temp de frma a fazer chegar a infrmaçã durante períd de lançament mas também a lng de mais algum temp, permitind, assim, que cnheciment e acess à platafrma sejam cntinuads junt d públic alv. A manutençã e suprte aplicacinal d E-marketplace, incluind husing, manutençã evlutiva e crrectiva, suprte e serviç de help-desk, estã também cntemplads e garantids. Quand a aljament, husing, teve que ser pnderada uma estrutura tecnlgicamente eficiente para receber vlume de infrmaçã e tráfeg esperads pela utilizaçã d sistema. Assim, definiu-se uma estrutura de servidres em md Clud Server, em rede, garantind-se desta frma, um uptime de quase 100%, tend pr base uma estrutura de alimentaçã redundante e uma instalaçã de Hard Drives em RAID, cm dispnibilidade infinita de espaç de aljament, tant para as respetivas bases de dads cm para a flexibilidade e rbustez tã necessárias numa platafrma deste tip. Send uma estrutura em Clud Server, a evlutibilidade d sistema está garantida de uma frma simples, send que qualquer necessidade de cresciment, tant em capacidade de prcessament cm memória RAM u aljament, é efetuada remtamente através de uma painel de cntrle interativ cm aplicabilidade imediata. O acess à estrutura d Clud Server é garantida pr cmunicações em banda larga cm transversalidade até 1Gbps, bidirecinais, send que as trcas de dads internas sã efetuadas circuits de fibra ótica. A manutençã, tant crretiva cm evlutiva está também garantida, vist que a estrutura prgramática da platafrma fi cncebida e desenvlvida tend em cnta s mais recentes padrões de prgramaçã e integraçã Web, tend cm princípis a rbustez e a segurança mas também a flexibilidade tant na utilizaçã cm n desenvlviment e manutençã cntinuada, tend sid utilizadas estruturas em base PHP, CSS s e utras ferramentas de integraçã tidas cm as mais adequadas a um prjet desta dimensã e suas necessidades, a curt, médi e lng praz. Assciads à manutençã e suprte via Help-desk, fram implementadas ferramentas cm base em interatividade bidirecinal, garantind respstas imediatas e, pr cnseguinte, a fiabilidade n funcinament

7 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: cntinuad d sistema, evitand dwntimes u atrass nas respstas as utilizadres, clientes e entidades frnecedras que, pr alguma razã, necessitem de api para tirarem partid de tdas as funcinalidades e vantagens d sistema. 3.1 CARACTERÍSTICAS GERAIS O Sistema de infrmaçã a desenvlver terá as seguintes características gerais: - O prcess de intrduçã de infrmaçã para suprte digital; - O prcess de cnsulta de infrmaçã tend em cnta s diverss indicadres e medidas; - O prcess de alteraçã da infrmaçã registada; - Plíticas de segurança para limitar móduls d sistema pr níveis de utilizadres, - Realizaçã d sistema em temp reduzid; 3.2 ARQUITECTURA FUNCIONAL Dada a abrangência d sistema, nas suas mais diversas funções, ptáms pr dividir a arquitectura funcinal em váris ítems lógics, send que alguns pderã ser cnsiderads pcinais para psterir implementaçã cas nã sejam cnsiderads nesta fase. O Estud apresentad pela Via Oceânica prevê assim a pssibilidade de integraçã de móduls n futur melhrand a gestã da infrmaçã pr parte de tds s intervenientes e desta frma, diminuir custs de manutençã e uma mais eficaz utilizaçã desta ferramenta. Tds s pnts descrits interligam-se em terms de prgramaçã e funcinament lógic. 3.3 PLATAFORMA DE INFORMAÇÃO O Sistema de Infrmaçã a implementar terá cm base uma platafrma de infrmaçã gerida pr backffice intuitiv e fácil de utilizar para s diverss intervenientes, send pssível efectuar a gestã da seguinte infrmaçã:

8 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: a) Apresentaçã Institucinal da Assciaçã: b) Assciads / Aderentes Adesã: 1. Terms e Cndições; 2. Cndições Gerais; 3. Declaraçã de Cmprmiss; 4. Segurança; 5. Frmulári de Adesã; Ediçã de Dads; Categrias / Rams de Actividade; Currículs; c) Funcinalidades Aderentes: Clcaçã de pedids: 1. Cncurss; 2. Prpstas; Catálg de prduts; Prmções; Respsta a pedids: 1. Cncurss; 2. Prpstas; d) Infrmaçã: Geral: 1. Ntícias; 2. Events / Agenda; 3. Referências; 4. Ntas de Imprensa; 5. Cass de Sucess; 6. Testemunhs; 7. Meterlgia; Ecnómica: 1. Infrmaçã ecnómica; 2. Trabalhs estatístics; 3. Infrmaçã Sectrial;

9 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: Legislaçã e) Business Center: Oprtunidades de Negóci; Legislaçã; Sistema Labral e Fiscal; Fórum; Directóri Empresarial; 1. Pesquisa pr: Ram Actividade; Zna Gegráfica; CAE f) FAQ g) Interactividade cm utilizadr Frmulári de pedid de infrmações FAQ Sistema Click t Chat 1. Api pr chat nline 2. Frmulári api ffline Brchuras.pdf Opçã brchuras interactivas

10 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: 4 BACKOFFICE DE GESTÃO Tda a gestã da infrmaçã será efectuada através de um backffice cm menus fáceis e intuitivs. Nesse backffice será efectuada a gestã cnjunta de: a) Gestã da Infrmaçã específica b) Gestã das galerias multimédias c) Gestã de ntícias d) Gestã de utilizadres e) Regist de alterações (lgs) 5 SITE PDA / SITE IPHONE Os factres de mbilidade sã cada vez mais cruciais para sucess de uma platafrma de gestã de infrmaçã cm a que se pretende desenvlver. A pçã estudada pela Via Oceânica para a mbilidade cnsiste na elabraçã de uma platafrma de nível Web cm interface para PDA e IPhne, nde utilizadr pde cnsultar a infrmaçã essencial n site Web tradicinal. Esta pçã, para além de ser muit fácil de utilizar evita dwnlad de sftware para dispsitiv móvel, situaçã sempre puc interessante e que muits utilizadres evitam. Além desse factr, cm esta pçã anulam-se prblemas decrrentes cm as diversas versões e sistemas perativs ds diferentes fabricantes de aparelhs. 6 MANUTENÇÃO EVOLUTIVA A platafrma está preparada para a integraçã de nvas funcinalidades trnand-se assim dinâmic e atingind s seus bjectivs a cada mment. Cnsidera-se Manutençã Evlutiva a cmpnente de prgramaçã de nvas funcinalidades.

11 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: 7 ALOJAMENTO Para aljament da platafrma será necessári um serviç d tip ViaSuper, cm as características que enviams na tabela em anex. Neste mment pssuíms nss própri servidr de aljament de páginas e platafrmas nas nssas instalações em que destacams algumas características: 1. Ligaçã dedicada de alt débit. 2. Prgrama de gestã d Clud Server, prfissinal, acmpanhad pr assistência técnica da empresa prdutra. 3. Tecnlgia redundante para 99,9% de uptime 4. Sistema de backup diári, semanal e mensal, nas nssas instalações. 5. Sistema de backup semanal n exterir, precavend a existência de catástrfes, tais cm, terramts, incêndis, etc. 8 TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS Será utilizada tecnlgia Linux devid: Garantia de estabilidade Knw-hw existente Facilidade de utilizaçã Garantia de cntinuidade Equipament necessári a Sistema de Infrmaçã: Servidr Web em Clud Farm partilhad a frnecer pel Service Prvider Sistema de segurança (passiva e ativa)

12 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: 9 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO PROJECTO 9.1 PLANO DE PROJECTO Segue-se a descriçã de cada um ds Blcs d Crngrama (sequenciais) n que diz respeit a desenvlviment técnic d prject: Fase I - Análise Funcinal: Levantament de Requisits Validaçã e Aprvaçã Frmal (Milestne) Levantament de Funcinalidades Desenh da Árvre de Navegaçã Desenh de Wireframes Validaçã e Aprvaçã Frmal (Milestne) Fase II - Análise e Desenh Técnic de detalhe: Análise Técnica Desenh detalhad de Arquitectura Definiçã detalhada de Móduls e Serviçs interns/externs Desenh detalhad da Arquitectura d Sistema Desenh detalhad ds cmpnentes de Integraçã interna e externa Validaçã e Aprvaçã Frmal (Milestne) Fase III - Cnstruçã: Cnfiguraçã de Camadas Aplicacinais nas Platafrmas Cnstruçã de Móduls e Cmpnentes Assemblagem de mdels de apresentaçã, publicaçã e gestã Dcumentaçã específica de suprte a Integraçã, Rll Out e Testes Fase IV - Integraçã: Cnfiguraçã ds cmpnentes e móduls de integraçã de cnteúds

13 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: Cnfiguraçã ds cmpnentes e móduls de integraçã de serviçs Cnfiguraçã e testes da integraçã geral cm clientes interns e externs Validaçã e Aprvaçã Frmal (Milestne) Fase V - Rll Out: Verificaçã de Ambiente de Prduçã Instalaçã e Testes Aplicacinais Tunning e Gestã de Sistemas Fase VI - Testes: Testes de Qualidade Testes de Prduçã Validaçã e Aprvaçã Frmal. Aceitaçã (Milestne) 9.2 CRONOGRAMA Segue plan de duraçã para cada uma das fases d prject apresentadas n pnt anterir: Crngrama de Prject I - Análise Funcinal II - Análise e Desenh Técnic de Detalhe III - Cnstruçã / Desenvlviment IV - Integraçã V - Rll-Out VI - Testes 10 dias 10 dias 50 dias 5 dias 5 dias 10 dias

14 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: 10 EQUIPA DO PROJECTO E SUA ORGANIZAÇÃO 10.1 EQUIPA DE PROJECTO A Equipa da Via Oceânica, respnsável pel desenvlviment e implementaçã d prject, será cnstituída pels seguintes recurss: Equipa de Prject Gestã e arquitectura d Prject Principais Respnsabilidades 1 Respnsável pela crdenaçã de td prject, nmeadamente na gestã da equipa, iteraçã cm s clabradres e definiçã da arquitectura d sistema. Prgramadres 2 Respnsáveis pr tda a estrutura de prgramaçã em que assentarã as funcinalidades d Sftware, as ferramentas de Gestã de Cnteúds e de análise de dads. Designer de Cmunicaçã 1 Respnsável pela integraçã da linha gráfica a implementar e respectivas pções de navegaçã, usuabilidade e acessibilidade EQUIPA DE PROJECTO Déci Tste (Gestã d Prject) Eduard Madur (Prgramadr Sénir) Marc Gráci (Prgramadr Sénir) Filipe Rcha (Designer de Cmunicaçã) 11 RELATÓRIO DE PROGRESSO DE PROJECTO Este relatóri é prdut d cntrl d prject, pel que é entregue n fim de cada milestne a cliente e apresenta devidamente frmalizada a análise da situaçã d prject. Inclui, sempre que aplicável,

15 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: prgress d prject, s prblemas e anmalias crrids, s pedids de crrecçã, de alteraçã u nvs requisits, as decisões sbre as acções a efectuar e estad das acções. 12 DEFINIÇÃO DAS RESPONSABILIDADES 12.1 DA VIA OCEÂNICA As respnsabilidades da Via Oceânica, n âmbit d presente prject sã as seguintes: - Crdenaçã da Equipa Via Oceânica; - Crdenaçã geral de tdas as etapas definidas na presente prpsta; - Quality Assurance das Sluções Tecnlógicas; - Elabraçã de Dcuments que caracterizam cada uma das etapas d prject e prestaçã ds serviçs definids da respnsabilidade Via Oceânica; - Frneciment das sluções aplicacinais prpstas; 12.2 DO CLIENTE As respnsabilidades d cliente, n âmbit d presente prject sã as seguintes: - Cnstituiçã de uma Equipa de Prject, cmpsta pr elements cnhecedres ds requisits ds utilizadres e da intra-estrutura. - Nmeaçã de um Crdenadr d Prject pr parte d cliente, cm pderes suficientes para: a) Dirigir a sua equipa de prject; b) Assumir em nme ds rganisms envlvids as respnsabilidades pr decisões peracinais; c) Validar s plans de implementaçã; d) Garantir a presença nas reuniões ds elements necessáris pr parte ds rganisms envlvids; e) Dispnibilizar temp necessári para este prject, cnfrme calendáris a apresentar na reuniã de arranque; f) Aprvaçã de requisits e aceitaçã da aplicaçã;

16 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: 13 METODOLOGIA DA GESTÃO DE PROJECTOS A Via Oceânica assenta seu trabalh na metdlgia Ratinal Unified Prcess (RUP), amplamente divulgada pela indústria e cnstituind pr cnseguinte uma referência a nível mundial. Esta metdlgia baseia-se n estabeleciment das seguintes fases estratégicas a lng de um prject: Incepçã definiçã d prject, nmeadamente n que diz respeit às funcinalidades e detalhes fundamentais a implementar e respectiva articulaçã. Esta definiçã será acmpanhada pr um u mais prtótips cuja finalidade cnsiste em mstrar a cliente uma primeira visã d prdut final em linhas ainda macr, mas que permitem antecipadamente testar alguns caminhs a seguir. Elabraçã - análise detalhada ds váris móduls que cmpõem sistema, prcedend-se à definiçã precisa das várias funcinalidades. Nesta fase sã refinads s prtótips que se iniciaram na fase anterir. Cnstruçã - iníci da cnstruçã ds váris móduls que deverã cmpr prject, send que cada um deles, após finalizad, será apresentad para validaçã pel cliente. Transiçã - transferência da sluçã final para as instalações/equipament d cliente e respectiv acmpanhament. Cada uma destas fases alberga várias iterações, que permitirã manter um cntact viv e prdutiv cm cliente. O diagrama típic de um prject será equivalente a seguinte: Fases de desenvlviment Análise Requisits d Sistema Iterações (hras, dias, semanas, meses,...) a b c d e f g h i j k l Incepçã Transiçã Elabraçã Cnstruçã

17 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal: Fases de desenvlviment Design Gráfic e de Interfaces Iterações (hras, dias, semanas, meses,...) a b c d e f g h i j k l Incepçã Transiçã Elabraçã Cnstruçã Implementaçã Testes Instalaçã COORDENAÇÃO Cada célula crrespnde a uma iteraçã, que terá uma duraçã variável de acrd cm cada prject. Se huver necessidade de estender a duraçã d prject devid à sua cmplexidade, prcede-se a aument d númer de iterações. Se pel cntrári prject fr de menr duraçã, eliminam-se iterações. A Via Oceânica desenvlve assim seu trabalh assentand numa relaçã muit estreita cm Cliente, quer na avaliaçã das diversas sluções a implementar, quer na avaliaçã ds própris resultads preliminares alcançads. 14 CONTROLO DE QUALIDADE Dentr d âmbit d Cntrl da Qualidade d Serviç prestad, a Via Oceânica cnvidará cliente a frnecer elements indispensáveis à btençã de indicadres da qualidade, designadamente através d preenchiment de inquérits d Prcess de Gestã da Qualidade. 15 FORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO A frmaçã será d tip n the jb e n seguiment ds testes de aceitaçã desenvlvids. Será dispnibilizada a dcumentaçã necessária para a utilizaçã d sistema de infrmaçã de uma frma amigável e prática.

18 Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent Angra d Herísm Prtal:

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação

Mestrado em Sistemas de Informação U n i v e r s i d a d e d M i n h Departament de Sistemas de Infrmaçã Mestrad em Sistemas de Infrmaçã 2003/2005 Tecnlgias de Streaming em Cntexts de Aprendizagem Sb a rientaçã d Prfessr Dutr Henrique Sants

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Passo 1: Descrição do plano de negócios

Passo 1: Descrição do plano de negócios Manual Cm fazer um plan de negócis Índice Intrduçã Pass 1: Descriçã d plan de negócis Pass 2: Abrdagem d mercad Pass 3: Investiments e financiament Pass 4: Cnta de explraçã prvisinal Pass 5: Orçament prvisinal

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Como participar em feiras nos mercados

Como participar em feiras nos mercados Câmara d Cmérci de Angra d Herísm Assciaçã Empresarial das ilhas Terceira, Gracisa e Sã Jrge Cm participar em feiras ns mercads Feiras e glbalizaçã Cm a liberalizaçã d cmérci internacinal e à luz d fenómen

Leia mais

REQUISITOS DE DESEMPENHO DA SOLUÇÃO artº 3º C E. Baixos constrangimentos e largura de banda aceitável para o utilizador.

REQUISITOS DE DESEMPENHO DA SOLUÇÃO artº 3º C E. Baixos constrangimentos e largura de banda aceitável para o utilizador. Dispnível n prdut Dispnível após Serviçs de custmizaçã/ adaptaçã Dispníveel após Serviçs de desenvlviment/ integraçã Ntas explicativas (se necessári) Arquitectura Tecnlógica artº 2 C E a. Cnstituiçã de

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO DA GESTÃO DE STOCKS E APROVISIONAMENTO, FARMÁCIA E PRESCRIÇÃO ELECTRÓNICA PARA HOSPITAIS DA SNS LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO DA GESTÃO DE STOCKS E APROVISIONAMENTO, FARMÁCIA E PRESCRIÇÃO ELECTRÓNICA PARA HOSPITAIS DA SNS LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO Ministéri da Saúde Institut de Gestã Infrmática e Financeira da Saúde FARMÁCIA E PRESCRIÇÃO ELECTRÓNICA PARA HOSPITAIS DA SNS LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO Ministéri da Saúde Institut de Gestã Infrmática

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES Autmaçã Predial e Segurança Patrimnial - Cndições para Frneciment OBRA: CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES Pasta: cyrella_metrplitan-pr-cf-1-0-2012.dc DATA: 14/05/2012 0 Emissã de Cndições para Frneciment

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais