RESUMO REFERENTE A PALESTRA PROFERIDA NO SENGE/RJ EM 10 DE NOVEMBRO DE 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO REFERENTE A PALESTRA PROFERIDA NO SENGE/RJ EM 10 DE NOVEMBRO DE 2014"

Transcrição

1 CURSO DE INSTALAÇÕES DE GÁS RESUMO REFERENTE A PALESTRA PROFERIDA NO SENGE/RJ EM 10 DE NOVEMBRO DE 2014 Gás Natural Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Considerações gerais objetivando à uma inspeção de segurança equilibrada e com pleno conhecimento das novas práticas executivas adotadas por empresas concessionárias, distribuidoras e instaladores. Uma instalação de gás até 20 ou 25 anos atrás, caracterizava-se por uma canalização construída em geral em aço galvanizado, quase sempre embutida, com poucos trechos aparentes e com todo o seu receituário de execução e dimensionamento obtido de uma forma geral pelo RIP (Regulamento de Instalação Predial de Gás Canalizado). No RIP encontrávamos e encontramos ainda, detalhes construtivos de cabines ou armários de medidores, bastante espaçosos, cabendo desta forma e quase sempre, vários tipos e tamanhos de medidores, medidores estes que com o avanço da tecnologia, passariam a ser bem menos robustos e mais leves que os antigos, além de esquemas de ramificações internas das edificações, tabelas de dimensionamentos diversas, tanto para tubulações em aço como em cobre e várias outras informações. Alguns destes detalhamentos demonstrados lá no RIP estão exemplificados a seguir: EX. 1- Detalhe de cotas para cabine de medição: 1

2 EX. 2- Esquema para obtenção de ventilações superiores EX. 3- Esquema para obtenção de ventilações inferiores EX. 4- Tabela de dimensionamento de tubulações 2

3 TUBOS DE AÇO - DIMENSIONAMENTO PARA EDIFICAÇÕES COM RAMIFICAÇÕES PRIMÁRIAS E SECUNDÁRIAS Tal padrão de execução de instalação ainda muito utilizado, mas basicamente por empresas que projetam ou executam instalações em novas edificações (em construção), teve adicionado à ele, um novo padrão visual e com novos conceitos ou procedimentos, baseados em normas técnicas internas criadas pelas companhias concessionárias estaduais (CEG no RJ) e aceitas pelas companhias distribuidoras de GLP também. São as instalações executadas de forma aparente (externas), normalmente em tubulações de cobre, devendo estes novos padrões serem do conhecimento geral de técnicos que venham a realizar inspeções nas instalações de gás nas edificações e que se constituem em novidades para grande parte das pessoas, apesar de vir sendo utilizada há vários anos. Estas normas não estão disponíveis para o público em geral, são destinadas exclusivamente aos contratados da companhia concessionária, que executam de forma terceirizada para a própria concessionária estes novos padrões, já existindo várias centenas delas em vários municípios do estado. Tais padrões modificam também e bastante, os padrões (dimensões e cotas) antigos de montagem de abrigos/armários de medidores, com economia de espaço utilizado para isso nas edificações. A seguir algumas fotos de instalações executadas por este formato : -Nova instalação aparente em cobre e novo armário de medição em edificação: 3

4 _Trecho de instalação aparente em cobre, em área externa (totalmente ao tempo) em condomínio residencial horizontal: - Instalação aparente em conjunto residencial, destinado ao consumo de GLP, com medição individualizada (o abrigo de medidores à esquerda é alimentado por central de botijões de GLP): Os novos padrões já citados, preveem também a aceitação e instalação de armários de medidores em áreas comuns livres das coberturas de edificações, desde que se tome os cuidados a seguir: O acesso aos abrigos deve permanecer desimpedido, para facilidade de inspeção e marcação do consumo. Recomenda-se que o acesso aos abrigos seja por escada fixa não apoiada em escadas de emergência ou antecâmaras de incêndio. Recomenda-se para abrigos de medidores localizados em coberturas, cujo acesso seja através de escada tipo marinheiro, possuam guarda-corpo de proteção contra queda a partir de 2,00 m de altura. 4

5 INSPEÇÃO NAS INSTALAÇÕES Dividimos em 4 compartimentos principais uma instalação de gás, para informarmos as observações e procedimentos mínimos que devamos ter para uma inspeção: Abrigos, armários ou cabines de medidores Ramais internos- trecho do ramal de ligação com a rede externa que se encontra no interior da edificação- anterior ao medidor Ramificações internas- canalizações entre cada medidor e pontos de consumo no interior dos imóveis Aparelhos de utilização de gás e adequações do ambiente- fogões, aquecedores, fornos, caldeiras, estas últimas mais comuns em instalações comerciais e outros equipamentos residenciais e comerciais. 1- ABRIGOS, ARMÁRIOS OU CABINES DE MEDIDORES A área total das aberturas para ventilação das caixas de proteção ou abrigos- mínimo 1/10 (um décimo) da área da planta baixa do compartimento. As caixas de proteção ou armários de medidores localizados nos andares para gás natural devem ser ventiladas através de aberturas localizadas na parte inferior das portas (fresta mínima de 1 cm de altura) e por outra abertura na parte superior da caixa de proteção ou cabine, comunicando diretamente com o exterior ou através de duto vertical adjacente, este com a menor das dimensões igual ou superior a 7 cm (pode ser em tubo PVC). A área total das aberturas para ventilação, incluindo fresta e o duto, deve ser no mínimo igual a 1/10 (um décimo) da área da planta baixa do compartimento. Neste caso, o duto vertical adjacente deve comunicar com o exterior através da extremidade superior. As caixas de proteção ou armários de medidores localizados nos andares para gás liquefeito do petróleo devem ser ventiladas através de aberturas localizadas na parte superior das portas (fresta mínima de 1 cm de altura) e por outra abertura na parte inferior da caixa de proteção ou cabine, comunicando diretamente com o exterior ou através de duto vertical adjacente, este com a menor das dimensões igual ou superior a 7 cm (pode ser em tubo PVC). A área total das aberturas para ventilação, incluindo fresta e o duto, deve ser no mínimo igual a 1/10 (um décimo) da área da planta baixa do compartimento. Neste caso, o duto vertical adjacente deve comunicar com o exterior através da extremidade inferior. Outras não conformidades relatadas pelo RIP, devem ser levadas em consideração, como a proibição de entulhos, materiais inflamáveis, hidrantes, botijão ou qualquer outro que possa provocar centelha, etc no interior do abrigo, além de proibição de qualquer dispositivo elétrico, devendo sua iluminação se necessária, ser à prova de explosão, com plaqueta fixa ao corpo da lâmpada indicando a norma NBR Cuidados adicionais devam ser tomados em se apontar escapamentos em seu interior em qualquer componente, principalmente aqueles referentes a utilização de GLP, bastante suscetíveis a essas ocorrências. 5

6 Valem para abrigos de reguladores de pressão os mesmos cuidados e observações dos abrigos de medidores, inclusive ventilação interna. 2- Ramais internos É proibida a passagem de ramal por tubos de lixo, dutos de ar condicionado, no interior de cisternas, dutos de água pluvial ou esgoto, em dormitórios e ainda: Em compartimentos não ventilados. Em qualquer vazio a não ser que amplamente ventilado. Em poços de elevadores. Deve estar protegido contra choques e estar em boas condições aparentes, não apresentando oxidações, amassamentos, nem escapamentos localizados, devendo estar pintado de amarelo nos trechos aparentes. Valem as mesmas observações para o trecho de ramal de GLP entre centrais de GLP e armários de medidores. 3- RAMIFICAÇÕES INTERNAS Proibição de passagem de instalação em ambiente não ventilado e por dutos de lixo. A instalação deverá estar em perfeito estado, não se admitindo imperfeições físicas quaisquer. Obrigatório distância mínima de 20 cm de instalação para qualquer tubulação ou equipamento elétrico, principalmente nos casos de pontos e trechos aparentes, mais fáceis de serem constatados. Espaçamento adequado entre suportes de instalação aparente e fixação firme. No caso de instalações deste tipo, estas deverão estar pintadas em amarelo, ou em caso de outra cor ter adesivos GÁS ao longo de sua extensão. Não se admite qualquer trecho da canalização em PVC. Para uma inspeção rigorosa e completa, devem ser submetidas a testes de estanqueidade com ar comprimido à pressão de operação do gás, para verificação quanto a presença de fugas (escapamentos). 4- APARELHOS DE UTILIZAÇÃO DE GÁS E ADEQUAÇÕES DE AMBIENTES Todos aparelhos devem ter registros próprios. Tais registros devem ser do tipo esfera, não se admitindo outro tipo. Ligações de pontos de gás aos aparelhos, por meio de tubos flexíveis que cumpram os requisitos da norma NBR e com sua inscrição em seu corpo. Aparelhos de gás somente em locais com ventilação permanente, de acordo como preconizado pelo RIP (mínimos de 600 cm2 ventilação superior e 200 cm2 ventilação inferior) e não podem ter escapamentos de gás ou vazamentos em qualquer de seus componentes. Fogões com mais de 360 kcal/min deve ter instalação complementada com coifa ou exaustor. Em instalações comerciais principalmente, nas quais normalmente encontramos ambientes e aparelhos diversos daqueles existentes em instalações residenciais, considera-se como área mínima total de ventilação, o resultado da seguinte equação: área de vent (cm2)=2,5xconsumo de todos os aparelhos em kcal/min.) Aquecedores obrigatoriamente com chaminé (exceto aquecedor de circuito fechado) com trecho vertical mínimo de 35 cm, e sempre ascendente, indo diretamente ao exterior, sendo provida em sua extremidade final de terminal T, sendo seu diâmetro de acordo com o que dispõe o RIP e normas referentes. 6

7 Volume mínimo de banheiros com aquecedor é de 6m3. Devem ser realizados testes de monóxido de carbono nos ambientes portadores de aparelhos a gás de acordo com as normas vigentes. PRINCIPAIS NORMAS APLICÁVEIS ABNT NBR 14177:2008 Tubo flexível metálico para instalações de gás combustível de baixa pressão. ABNT NBR 15923:2011 Inspeção de rede de distribuição interna de gases combustíveis em instalações residenciais e instalação de aparelhos a gás para uso residencial. Procedimento. ABNT NBR 13103:2013 Instalação de aparelhos a gás para uso residencial- Requisitos. ABNT 15526:2012 Redes de distribuição interna para gases combustíveis em instalações residenciais e comerciais- projeto execução. ABNT NBR 13523:2008 Central de gás liquefeito de petróleo. ABNT NBR 5580:2013 Tubos de aço carbono para usos comuns na condução de fluidos. ABNT 15345:2013 Instalação predial de tubos e conexões de cobre e ligas de cobre- Procedimento. ABNT 13206:2013 Tubos de cobre leve, médio e pesado, sem costura, para condução de fluidos- Requisitos Regulamento de Instalações Prediais- RIP- Decreto de 10/07/1997 Realizado por Eng. Civil José Aurelio Bernardo Pinheiro FIM XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 7

AUTOVISTORIA PREDIAL Lei Estadual nº 6400 de 05/03/2013 ENG. JOSÉ AURELIO BERNARDO PINHEIRO

AUTOVISTORIA PREDIAL Lei Estadual nº 6400 de 05/03/2013 ENG. JOSÉ AURELIO BERNARDO PINHEIRO Foco: AUTOVISTORIA PREDIAL Lei Estadual nº 6400 de 05/03/2013 ENG. JOSÉ AURELIO BERNARDO PINHEIRO INSTALAÇÕES DE GÁS Gás Natural Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) A inspeção de autovistoria em edificações

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2015 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014

INSTALAÇÕES DE GÁS. Profª Maria Cleide. Curso técnico em edificações 2014 INSTALAÇÕES DE GÁS Profª Maria Cleide Curso técnico em edificações 2014 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: Gás natural; Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). Gás natural É composto por uma mistura

Leia mais

TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS

TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS 3 TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS Versão 2014 Data: Março / 2014 3.1 Escolha das tipologias típicas das instalações de gás... 3.3 3.2 Tipologias típicas em edifícios residenciais... 3.3 3.2.1

Leia mais

CONCORRÊNCIA COMPAGAS 010/2014 ADEQUAÇÃO E CONVERSÃO DE INSTALAÇÕES ANEXO L - PLANILHA DE PREÇOS UNITÁRIOS

CONCORRÊNCIA COMPAGAS 010/2014 ADEQUAÇÃO E CONVERSÃO DE INSTALAÇÕES ANEXO L - PLANILHA DE PREÇOS UNITÁRIOS Descrição Unid. Qtde. Valor Unit. Valor total Valor Unit. Valor Total Máximo Máximo Proposto Proposto 1. Levantamentos e Relatórios 1.1 Levantamento Técnico dos aparelhos a gás (CENSO) em edificações residenciais

Leia mais

Treinamento para Auditores Gases combustíveis. Maio/2016

Treinamento para Auditores Gases combustíveis. Maio/2016 Treinamento para Auditores Gases combustíveis Maio/2016 INTRODUÇÃO REQUISITOS PARA AUDITORIA EM OBRA Conteúdo programático: Cronograma / Estágio da Obra; Instalação (Válvulas de bloqueio, proteções, tubos

Leia mais

Instalações prediais de esgotos sanitários

Instalações prediais de esgotos sanitários Instalações prediais de esgotos sanitários Esgotos sanitários Objetivos de uma instalação de esgotos sanitários: Coletar e afastar da edificação os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

Reservatórios: 01 reservatório de 1000 litros de capacidade em fibra de vidro.

Reservatórios: 01 reservatório de 1000 litros de capacidade em fibra de vidro. MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Obra: CONSTRUÇÃO DO POSTO DE SAÚDE FENACHAMP End.: Rua Campo Experimental, 190 - Bairro São Miguel Garibaldi DESCRIMINAÇÕES: A construção desta unidade de saúde

Leia mais

Inspeção Periódica de Gás

Inspeção Periódica de Gás AGENERSA 08000-249040 Crea-RJ Central de relacionamento (21) 2179-2007 Inspeção Periódica de Gás Sumário Introdução 3 1. O que é ou Inspeção de Autovistoria de Gás? 5 2. Como posso saber que uma empresa

Leia mais

Instalações Hidráulicas Prediais

Instalações Hidráulicas Prediais Instalações Hidráulicas Prediais Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Aula -01 Prof.: Guilherme Nanni Grabowski Instalação predial de Esgoto Sanitário Tem por finalidade o transporte de todo o efluente

Leia mais

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição PARTE I INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS 1 ÁGUA FRIA Entrada e fornecimento de água fria Compartimento que abriga o cavalete Medição de água

Leia mais

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC Instalações Hidráulicas: Água Quente Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS: ÁGUA QUENTE Primeiro ponto: Apresentação da norma técnica, vigente. Projeto

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 01 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil INST. HIDRÁULICAS AULA 01 7 semestre - Engenharia Civil EMENTA Elaborar projetos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015 Torna obrigatória a implantação de instalações de distribuição de gás combustível em edifícios de uso público. I RELATÓRIO A proposição em análise tem como objetivo tornar

Leia mais

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado Parâmetros para o correto uso do gás canalizado 2 Os parâmetros para utilização adequada do gás canalizado encontram-se no Decreto Estadual 23.317/97 que aprova o Regulamento de Instalações Prediais -

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 15 Instalações Prediais de Esgoto Sanitário Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Código do Projeto: 1541-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial

Leia mais

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido Aula 03 Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido 1 - Introdução A rede de distribuição de ar comprimido compreende todas as tubulações que saem do reservatório, passando pelo secador

Leia mais

ABNT NBR / Editada 11/08/2008 Valida 11/09/2008. CENTRAL DE Gás LP

ABNT NBR / Editada 11/08/2008 Valida 11/09/2008. CENTRAL DE Gás LP ABNT NBR 13523 / 2008 Editada 11/08/2008 Valida 11/09/2008 CENTRAL DE Gás LP CENTRAL DE GÁS LP O QUE É? ÁREA DESTINADA A CONTER OS RECIPIENTES DE ARMAZENAMENTO DO GLP PARA USO DA INSTALAÇÃO e os demais

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Hospital Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO DIMENSIONAMENTO E CUSTOS DA REDE INTERNA PREDIAL DE GÁS NATURAL E GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO

ANÁLISE COMPARATIVA DO DIMENSIONAMENTO E CUSTOS DA REDE INTERNA PREDIAL DE GÁS NATURAL E GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ANÁLISE COMPARATIVA DO DIMENSIONAMENTO E CUSTOS DA REDE INTERNA PREDIAL DE GÁS NATURAL E GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO RESUMO Edio Minatto Junior (1), Juliano Possamai Della (2); UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Treinamento para Auditores Qualinstal GT Água

Treinamento para Auditores Qualinstal GT Água Qualinstal GT Água 04/12/2015 Eng. José Rabelo Filho Tema: Interpretação de projeto e execução (interpretação check-list) 1 Objetivo: Dar subsídios para uma Auditoria, com foco na execução Estágio das

Leia mais

ABNT NBR / 2008

ABNT NBR / 2008 ABNT NBR 13523 / 2008 Editada 11/08/2008 Valida 11/09/2008 CENTRAL DE GLP LEGISLAÇÃO Âmbito Federal : ANP 47 / 1999 Sistema de Abastecimento de GLP à granel ANP 18 / 2004 Especificação do GLP ANP 15/ 2005

Leia mais

Ao proporcionar esse tipo de informação a COMGÁS reafirma o seu compromisso com a segurança e a qualidade das instalações de gás.

Ao proporcionar esse tipo de informação a COMGÁS reafirma o seu compromisso com a segurança e a qualidade das instalações de gás. Março / 2014 Introdução Muito além do que fornecer o gás natural aos seus clientes, a COMGÁS se preocupa em oferecer orientação sobre os procedimentos para projeto e execução das instalações internas de

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções

Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções Aula 9 Desenho de instalações hidrossanitárias: normas, simbologias e convenções 1. INTRODUÇÃO - Relativo ao planejamento regional e urbano - Infra-estrutura: água, saneamento e energia - Representação

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL ABRIGO DE GÁS DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 CÓDIGO ABR GLP Descrição de Equivalência Técnica Exigida Toda a instalação que utiliza o gás GLP em botijão

Leia mais

Instalações prediais de gás combustível

Instalações prediais de gás combustível Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia AUT 0190 Construção do edifício V Instalações prediais de gás combustível Maio 2017 Sistemas de suprimento de energia

Leia mais

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim NBR 13103:2011 Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos Eng Luiz Felipe Amorim Concentração de CO x tempo de aspiração Objetivos da Norma Aplicação da Norma Projetista x Norma Condições

Leia mais

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS Versão 2014 Data: Março / 2014 7.1. Aparelhos a gás... 7.3 7.1.1. Introdução... 7.3 7.1.2. O ambiente onde será instalado o aparelho a gás... 7.3 7.1.2.1. Ambiente a ser

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência 504 Norte Novas Instalações Código do Projeto: 1566-12 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

PROJETO DE TELEFONIA

PROJETO DE TELEFONIA ELETRICIDADE APLICADA - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROJETO DE TELEFONIA Norberto Nery Notas: Ponto de telefonia: O padrão de tomada é do tipo RJ-11, não sendo mais utilizado o tipo de quatro pinos - Padrão

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas da ABNT e Dec. 9369/88

Leia mais

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Vista de instalação de esgoto sob laje e shaft em edifício comercial (Fonte: www.suzuki.arq.br).

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

O que é Padrão de Entrada?

O que é Padrão de Entrada? 1 O que é Padrão de Entrada? O padrão de entrada é o conjunto de condutores, eletrodutos, poste, caixa de medição e demais acessórios utilizados na sua montagem, padronizados pela Cosern e de acordo com

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Laboratório 07 Esquemas de ligação de eletrodutos Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 Lab07: Eletrodutos Tarefa: Desenhar na planta de residência

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Aula 03 Padrão de entrada. Ramal de ligação, poste particular e pontalete. Quadro de medição. Quadro de distribuição. Prof. Dra. Giovana Tripoloni

Leia mais

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 As prescrições desta Norma complementam, modificam ou substituem as prescrições de caráter geral contidas

Leia mais

Reguladores e mangueiras para uso em botijões de gás

Reguladores e mangueiras para uso em botijões de gás Reguladores e mangueiras para uso em botijões de gás 1. O que é regulador de pressão?...4 2. Como o regulador reduz a pressão?...6 3. O regulador de pressão tem prazo de validade?...6 4. Posso ajustar

Leia mais

Normativas Gerais da NR-18

Normativas Gerais da NR-18 Normativas Gerais da NR-18 18.12 - ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS 2 ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS - A transposição de pisos com diferença de nível superior a 40cm deve ser feita por meio de escadas ou rampas.

Leia mais

Inspection of fuel gases internal net distribution in residential installation and residential gas appliances installation Procedure

Inspection of fuel gases internal net distribution in residential installation and residential gas appliances installation Procedure Texto NBR 15923 descaracterizado Inspeção de rede de distribuição interna de gases combustíveis em instalações residenciais e instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Procedimento Inspection

Leia mais

Projeto 72 - Modelagem para implantação do sistema de medição individualizada de gás no lado externo do apartamento

Projeto 72 - Modelagem para implantação do sistema de medição individualizada de gás no lado externo do apartamento Projeto 72 - Modelagem para implantação do sistema de medição individualizada de gás no lado externo do apartamento 1 Cenário Medição individualizada no térreo Previsão de Medição Área de serviço Objetivos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Objetivo: O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os métodos de execução e os materiais a serem utilizados nas instalações de

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

Projeto Instalação Sala 3D v. 1.0 Pearson Sistemas do Brasil

Projeto Instalação Sala 3D v. 1.0 Pearson Sistemas do Brasil / 2 v..0 Pearson Sistemas do Brasil Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág./2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6) 3603 9272 2/ 2

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES 1. Introdução - O dimensionamento dos condutores deve ser realizado seguindo as seguintes etapas: a) cálculo da corrente de projeto; b) dimensionamento pelo critério da máxima

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Evolução Vanzolini _Qualinstal 28/06/2016 2

ESCOLA POLITÉCNICA FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Evolução Vanzolini _Qualinstal 28/06/2016 2 FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO 2 Instituída em 1967 por professores do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da Universidade de São

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ESCADAS ROLANTE PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria

Leia mais

IT-41/2011 INSPEÇÃO VISUAL EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS DE BAIXA TENSÃO

IT-41/2011 INSPEÇÃO VISUAL EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS DE BAIXA TENSÃO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA Inspeção Visual em Instalações Elétricas POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS DEPARTAMENTO DE PREVENÇÃO IT-41/2011 INSPEÇÃO VISUAL

Leia mais

O que é Aterramento? É A LIGAÇÃO INTENCIONAL DE UM EQUIPAMENTO OU UM SISTEMA À TERRA DE MODO A CRIAR UM CAMINHO SEGURO E DE BAIXA RESISTÊNCIA.

O que é Aterramento? É A LIGAÇÃO INTENCIONAL DE UM EQUIPAMENTO OU UM SISTEMA À TERRA DE MODO A CRIAR UM CAMINHO SEGURO E DE BAIXA RESISTÊNCIA. ATERRAMENTO BT O que é Aterramento? É A LIGAÇÃO INTENCIONAL DE UM EQUIPAMENTO OU UM SISTEMA À TERRA DE MODO A CRIAR UM CAMINHO SEGURO E DE BAIXA RESISTÊNCIA. FUNÇÕES DO ATERRAMENTO Desligamento Automático

Leia mais

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. TUBULAÇÕES E VASOS DE PRESSÃO São equipamentos vitais nas plantas industriais das mais diversas áreas da engenharia. Generalidades e Classificação

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistemas prediais de esgoto

Leia mais

MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA MEDLIQ MMD1 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1.

MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA MEDLIQ MMD1 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1. 1/5 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1. REQUISITOS INDISPENSÁVEIS: 1. Todas as linhas de tubulações, e caixas de passagem, deverão

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO)

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO) INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO) 1.20. Quebrador de vácuo Dispositivo destinado a evitar o refluxo por sucção da água

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS SETOR DE GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA/OSCIP Marília/SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Rua Carlos Gomes, 167 Sala 64 Centro 17501-000 MARÍLIA/SP Fone/Fax:

Leia mais

GF Engenharia IT 21 - SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - Estado de São Paulo (em revisão)

GF Engenharia IT 21 - SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - Estado de São Paulo (em revisão) IT 21 IT 21 - SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - Estado de São Paulo (em revisão) SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO 3 Referências normativas 4 Definições

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA COMPAGAS Nº 003/2012 GERÊNCIA DE VENDAS URBANO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA COMPAGAS Nº 003/2012 GERÊNCIA DE VENDAS URBANO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE INSTALAÇÕES PREDIAIS COMERCIAIS E RESIDENCIAIS NOVAS E A SEREM CONVERTIDAS, DESTINADAS AO USO DO GÁS NATURAL 1 OBJETIVO O presente Memorial Descritivo tem por objetivo

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 191

Norma Técnica SABESP NTS 191 Norma Técnica SABESP NTS 191 Reparo de redes de distribuição, adutoras e linhas de esgoto em polietileno Procedimento São Paulo Dezembro - 2004 NTS 191 : 2004 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de Método de instalação Esquema ilustrativo Descrição instalação a utilizar número: para a capacidade de condução de corrente 1 1 Condutores isolados

Leia mais

Instruções Técnicas para Medição Individualizada de Água em Condomínios Verticais

Instruções Técnicas para Medição Individualizada de Água em Condomínios Verticais 1 / 25 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. MÃO-DE-OBRA EMPREGADA 5. EPI`S 6. PROCEDIMENTOS E MÉTODOS DE EXECUÇÃO 7. DISPOSIÇÕES GERAIS 8. LOCAIS PARA INSTALAÇÃO/CONSTRUÇÃO DAS

Leia mais

Uma linha completa de tubos e conexões idealizados para cada ambiente da sua obra. SEGURANÇA E ECONOMIA PARA SUA OBRA

Uma linha completa de tubos e conexões idealizados para cada ambiente da sua obra.  SEGURANÇA E ECONOMIA PARA SUA OBRA Uma linha completa de tubos e conexões idealizados para cada ambiente da sua obra. www.hidraulicapotenza.com.br Nosso negócio é fazer o seu projeto fluir. Somos um dos mais renomados grupos especializados

Leia mais

Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo:

Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo: Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR 14565 Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo: Projeto de rede secundária O desenvolvimento do projeto consiste

Leia mais

Instalações Hidráulicas Prediais

Instalações Hidráulicas Prediais Instalações Hidráulicas Prediais Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Aula - 02 Prof.: Guilherme Nanni Grabowski NBR 8160/1999 Dimensionamento dos Dispositivos Complementares Itens a serem a bordados:

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 28/01

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 28/01 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 28/01 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SOLDAS EM TUBOS E ACESSÓRIOS EM POLIETILENO PE 80 / PE 100 NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-005 ET-65-940-CPG-005 1 / 5 CONTROLE DE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014 MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de instalações elétricas para implantação de iluminação pública nas dependências internas da Praça da Biblia Quadra R22 e R23 com a instalação de projetores embutidos

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Bloco Autônomo de Iluminação de Emergência À Prova de Tempo (IP 65) - Com 01 Lâmpada Fluorescente de 8 W. Código AFMAC8IP O Bloco Autônomo com uma lâmpada fluorescente de 8 Watts é um equipamento de iluminação

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos fios existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor do núcleo dos átomos. Quando uma força,

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias)

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias) GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias) AGENDA 1 2 3 Apresentação Palestrante Informações necessárias no projeto Sistemas Prediais: Especialidades 4

Leia mais

MIT Manual de Infraestrutura

MIT Manual de Infraestrutura Copel Telecom MIT Manual de Infraestrutura BEL Fibra 04 de junho de 2014 Sumário Requisitos mínimos de infraestrutura para o cliente... 3 Instruções Gerais... 3 Passos para instalação... 3 Edificações

Leia mais

Foram projetados poços de aterramento com hastes de cobre e interligações feitas com solda exotérmicas e ligações mecânicas.

Foram projetados poços de aterramento com hastes de cobre e interligações feitas com solda exotérmicas e ligações mecânicas. SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. MEMORIAL DESCRITIVO... 4 2.1 SISTEMA DE ATERRAMENTO - CONCEPÇÃO... 5 2.2 SISTEMA DE ATERRAMENTO - MEDIÇÃO... 6 2.3 SISTEMA DE CAPTAÇÃO... 6 3. MATERIAIS APLICADOS... 7 3.1

Leia mais

1

1 1 12.07.11 Seguradoras, Corretores e resseguradores. 12.08.11 Reunião técnica 1: Levantamento dos problemas e sugestões. 16.09.11 Reunião técnica 2. Desenvolvimento das sugestões. 17.10.11 Reunião técnica

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2016 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1

Instalações Elétricas Prediais. 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1 Instalações Elétricas Prediais 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1 Nesta seção os seguintes assuntos serão abordados: Cargas de iluminação Cargas de tomadas -TUG s Cargas de tomadas

Leia mais

Instalações em Edifícios II

Instalações em Edifícios II UNIVERSIDADE PEDAGÓGICA ESCOLA SUPERIOR TÉCNICA Instalações em Edifícios II Instalações Predias de Esgotos Sanitários 1 Índice 1. Esgotamento de Águas Residuais 1.1. Componentes do Sistema de Esgoto 1.1.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

QUALINSTAL Maio Interpretação de projeto e execução

QUALINSTAL Maio Interpretação de projeto e execução QUALINSTAL Maio 2016 Interpretação de projeto e execução NBR 15526 4. Requisitos Gerais 4.1 Considerações gerais Referências técnicas 4.2 Aplicação Ilustração de exemplos 4.3 Documentação Projeto e ART

Leia mais

Workshop Qualinstal Elétrica. O Programa de Certificação das Empresas Instaladoras QUALINSTAL. Julho 2016

Workshop Qualinstal Elétrica. O Programa de Certificação das Empresas Instaladoras QUALINSTAL. Julho 2016 Workshop Qualinstal Elétrica O Programa de Certificação das Empresas Instaladoras QUALINSTAL Julho 2016 Temáticas Motivos para tratar da conformidade setorial Situação dos serviços prediais Desafios para

Leia mais

Manual de rede de distribuição interna de gás. Anexo 2 Manual de rede de distribuição interna de gás

Manual de rede de distribuição interna de gás. Anexo 2 Manual de rede de distribuição interna de gás Anexo 2 Manual de rede de distribuição interna de gás Índice Página Capítulo 1 Inspeção e autovistoria 4 1. Objetivo 5 2. Qualificação da mão-de-obra 5 3. Procedimento de inspeção 5 4. Resultado da inspeção

Leia mais

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO ÍNDICE 1 CADERNO DE ENCARGOS 2 PROJECTO DE EXECUÇÃO A ARQUITECTURA 1.1.2 Solução Proposta 1.1.2.1 - Introdução 1.1.2.2 Caracterização do Espaço 1.1.2.2.1

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS 2 Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem

Leia mais

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO Decreto 56818/11 e ITs CLASSIFIQUE A ALTURA Decreto, artigo 3º nº I ; I Altura da Edificação: a. para fins de exigências

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3 PREFETURA MUNCPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNCPAL DE ÁGUA E ESGOTOS T177 NCHO DE PROTEÇÃO PARA HDRÔMETRO DN20mm (¾ ) SUMÁRO 1. Objetivo e campo de aplicação... 2 2. Referências... 2 3. Definições...

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 02 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil CONTEÚDO AULA RESERVATÓRIOS SUPERIOR INFERIOR RESERVAÇÃO DE ÁGUA FRIA CONSUMO DE

Leia mais

Estudo de classificação de áreas REV. 1 FEV-15

Estudo de classificação de áreas REV. 1 FEV-15 Estudo de classificação de áreas REV. 1 FEV-15 Definições Áreas Classificadas Classificação de áreas: É o estudo que define os locais da planta onde há a presença de atmosfera explosiva. Além disso, características

Leia mais

Apresentado por Hilton Moreno

Apresentado por Hilton Moreno Apresentado por Hilton Moreno Cuidando dos seus bens mais valiosos. Um projeto de conscientização e orientação sobre a necessidade de modernizar as instalações elétricas, minimizando os riscos de acidentes,

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 001 DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 001 DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016 Página 1 de 6 INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 001 DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016 Institui normas acerca dos procedimentos para novas ligações em condomínios verticais e/ou horizontais. O PRESIDENTE DO SERVIÇO AUTÔNOMO

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS

ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS 2.1 Diretrizes gerais de projeto para atender aos requisitos de desempenho 2.1.1 Segurança no uso e operação 2.1.2 Segurança contra

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Redes de Instalação Elétrica. Prof. Msc. Getúlio Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Redes de Instalação Elétrica. Prof. Msc. Getúlio Tateoki Redes de Instalação Elétrica Redes de Instalação Elétrica Produção Usinas Hidroelétricas, Termoelétricas, eólicas, etc. Transmissão Transporte de energia elétrica gerada até centros consumidores. Distribuição

Leia mais

ABNT NBR5410: Objetivos. Prof. Getúlio Teruo Tateoki

ABNT NBR5410: Objetivos. Prof. Getúlio Teruo Tateoki ABNT NBR5410: 5410 Objetivos Prof. Getúlio Teruo Tateoki Objetivo Estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais,

Leia mais