LENDO, CONTANDO E CANTANDO: TRILHAS SONORAS E HISTÓRIAS DE VIDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LENDO, CONTANDO E CANTANDO: TRILHAS SONORAS E HISTÓRIAS DE VIDA"

Transcrição

1 LENDO, CONTANDO E CANTANDO: TRILHAS SONORAS E HISTÓRIAS DE VIDA Silvio Roberto Silva Carvalho (UNEB) Resumo Esse trabalho visa refletir sobre a importância das trilhas sonoras de histórias de vida no processo de formação e auto-formação leitora. Tomando como base o processo de construção dos espetáculos Mar Noturno e Navegante, apresentados pelo autor em teatros, escolas e praças, pretende-se, também, discutir e compreender a pedagogia implícita nessa proposta, bem como destacar o conteúdo narrativo, poético e musical desses espetáculos. Destaca-se, ainda, que essa pedagogia, implícita na referida proposta, deve assegurar uma interpretação que mostre a singularidade como representação de uma compreensão súbita que não ignora o contexto, os interlocutores e suas motivações. Palavras-chave: Leitura; Histórias de vidas; Canções; Arte. Introdução O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre a importância das trilhas sonoras de histórias de vida no processo de formação e auto-formação leitora, destacar como essas leituras, realizadas a partir das memórias e canções que me marcaram, resultaram em roteiros de espetáculos lítero-musicais, além do conteúdo narrativo, poético e musical desses espetáculos, bem como compreender a pedagogia implícita nessa proposta. Essas memórias e canções tornaram-se textos a serem lidos, compreendidos e interpretados a partir de um lugar: o lugar do artista (cantor/contador) que busca narrarse para que o expectador/leitor possa projetar os seus sonhos. O ponto de partida para a construção da narrativa dessas memórias foi o resgate das canções que marcaram a minha história de vida. Para tanto, algumas questões nortearam os meus exercícios leitores: Por que essas canções entraram na minha vida? Como compreender e interpretar essas canções e essas histórias? O que há de mim nessas canções? Quem sou

2 eu nessas histórias e nessas canções? Qual a influência do contexto na escolha desse repertório, na formação do meu gosto musical? O que tem na memória individual da memória coletiva? Por que algumas memórias individuais são excluídas da memória coletiva? As trilhas sonoras que compõem as histórias de vida são construídas a partir de que? Que sonhos e desejos elas silenciam? Mas por que querer exercitar a leitura através das memórias? Por que escolher as canções como ponto de partida para a construção/reconstrução das minhas histórias de vida? Por que narrá-las? Por que querer apresentar um cancioneiro que só tem a ver comigo? De início, quero destacar que a memória permite a relação do corpo presente com o passado e, ao mesmo tempo, interfere no processo atual das representações (BOSE, 1994:46-47). Compartilho, também, da idéia de que a experiência de narrar histórias de vida pode levar ao autoconhecimento, bem como, resignificar experiências. Mesmo porque, São as experiências que podemos utilizar como ilustração numa história para descrever uma transformação, um estado de coisas, um complexo afetivo, uma idéia, como também uma situação, um acontecimento, uma atividade ou um encontro. E essa história me apresenta ao outro em formas sócio-culturais, em representações, conhecimentos e valorizações, que são diferentes formas de falar de mim, das minhas identidades e da minha subjetividade. Assim, a construção da narrativa de formação de cada indivíduo conduz a uma reflexão antropológica, ontológica, e axiológica. (JOSSO, 2004, p.40-41). Já a arte nos coloca, como diz o Igor Rossoni (2007), em sintonia direta com instâncias essenciais e duradouras. A arte é capaz de tornar o homem à própria razão e escancará-lo diante de si numa atitude possível de recomeço, reordeno e reestruturação da própria consciência (ROSSONI, 2007:13). A canção, em particular, já carrega em si a presença de ritmo, da melodia, da harmonia e do texto escrito (a letra) que se entrelaçam e contribuem para a abertura de canais perceptivos que produzem a dança, a expressão corporal, a emoção, a compreensão do e de mundo. Esses elementos exigem do leitor maior atenção, estratégias diferentes de leitura e o acionamento de conhecimentos de diversas áreas. Ademais, o trabalho com a música, em particular a canção 1, pela sua própria natureza, parece assegurar uma ambiência de interação, de 1 Neste texto limitamos o termo canção àquela composição musical acompanhada de um texto poético destinado ao canto com acompanhamento ou sem.

3 dialogicidade, de comunicação verbal, de polifonia. Assim, as experiências musicais trazem à cena todas essas questões através do chamado prazer estético, tanto como aptidão de ordem emocional, uma ocorrência física, uma festa do corpo, como também comportamento cultural (FORQUIM, 1982). Daí a importância de escolher como ponto de partida, para a construção das narrativas, as canções que marcaram a minha história. A princípio, produzir roteiros com as minhas histórias deixou-me em dúvida. Cheio de escrúpulos pensava, como Costa Lino, que a minha vida particular importa, apenas, a meus amigos e familiares. Como diz o próprio autor, a prática contrária apenas serve à indústria do efêmero, instrumento da sociedade do espetáculo (LINO, 1991:14). Mas o meu gosto por contar e cantar histórias, por estar em cena, estimulavame a romper com esses escrúpulos. Dividido entre o escrúpulo e a minha arte, optei pela segunda, assumindo que a função da arte é emocionar, divertir, instigar. Se eu consigo fazer isso com textos que partem de uma experiência pessoal, qual o problema? Dediquei-me, então, a construir esses roteiros, sem muita pretensão. O problema é que é incrível a força que as coisas parecem ter quando elas precisam acontecer, como diz Caetano Veloso. Assim busquei no teatro o apoio técnico para me posicionar artisticamente. Até então eu era apenas um contador de história. Agora eu estaria levando uma história verdadeira, carregada de subjetividade, com recortes ideológicos, psicológicos, poéticos, afetivos e emocionais. Como construir isso? Criaria um personagem e assumiria a condição de ator? Narraria essas histórias como o narrador de Walter Benjamim? Como transformar o pessoal em universal? Apesar de já ter feito algumas oficinas de Teatro, entre elas a OPA Oficina de Preparação de Atores, na Escola de Teatro da UFBA, não me achava pronto para assumir a condição de roteirista, ator, cantor e músico. Comecei a buscar apoios. Nessa busca encontrei um livro de Luiz Humberto Martins Arantes, intitulado Teatro da memória: história e ficção na dramaturgia de Jorge Andrade. Esse autor, retomando Halbwachs, ensina que a memória individual realiza-se quando se coloca no ponto de vista de um ou mais grupos. Ele afirma que o dramaturgo é herdeiro de determinada experiência coletiva. Assim, diz ele, Seus escritos são traços que trazem uma alma, e, por ser coletiva, tal alma traz a atmosfera do coletivo (2001, p.56).

4 Em busca desses apoios, na tentativa de dar esse caráter universal à experiência pessoal, decidi que precisa de um diretor artístico. Foi aí que encontrei Raimundo Porto. Ator de televisão e teatro, premiado na Bahia nos anos oitenta, aceitou o meu convite e resolveu assumir a direção artista desses trabalhos. Esse encontro me deixou mais seguro. Aprendi muito sobre o palco, a representação, o texto teatral. Tomei coragem e resolvi montar os espetáculos. Na universidade, como professor, me aproximei das discussões em torno das (auto) biografias. Esse aporte teórico-metodológico era o que precisava, uma vez que contempla, conforme Abrahão (2008:83), três dimensões que, particularmente, interessavam-me: o fenômeno (ato de narrar-se), o método de investigação e, ainda, o processo de auto-conhecimento e de intervenção na construção identitária. ITINERÁRIO ARTÍSTICO Na verdade, foram as sensações de prazer e descobertas, vivenciadas na relação pessoal com a música, a memória e a narrativa, que me levaram a construir espetáculos artísticos, denominados por mim de lítero-musicais. Busquei na narrativa a minha forma de expressão artística, uma vez que há, nessa expressão, a qualidade de possibilitar a autocompreensão, o conhecimento de si, àquele que narra sua trajetória (ABRAHÃO, 2004:203). Assim, amparado na narrativa, assumi a condição de ator e cantor para dizer os meus textos e cantar as trilhas sonoras dessas histórias. Foi assim que me apresentei em vários palcos desse País: contando e cantando. Para ilustrar o trabalho, apresento, a seguir, alguns trechos desses shows, mais especificamente dos espetáculos Mar Noturno e Navegante. O primeiro estreou na Sala de Coro do Teatro Castro Alves; o segundo, no Teatro Martins Gonçalves. Ambos com três apresentações nos respectivos espaços. MAR NOTURNO Em Mar Noturno, fiz-me caçador de mim mesmo. Contando e cantando resignifiquei, nesse espetáculo, canções, histórias e poemas, mostrando a minha singularidade como representação de uma compreensão súbita que não ignora o contexto, os interlocutores e suas motivações. Constatei que a minha narrativa levava a

5 platéia a reviver as suas próprias histórias; as canções, por outro lado, proporcionavam uma grande viagem à história da música popular brasileira. Iniciava o espetáculo falando um poema de Ézio Déda, que diz: No tempo em que minhas mãos eram pequenas / tecia balaios com a palha seca da pindoba / manipulava fantoches nos quintais da vizinhança / Já me fazia valer por ser o que realmente era. / Possuía traços e gestos de minha família / e me via como projeção de meus antepassados. / Eu vim de uma casa de interior / com pingueiras de chuva e quinta de terra / Eu vim de mim. Em um determinado momento do show, eu dizia um fragmento de um livro de Bartolomeu Campos Queirós, chamado Indez: Era silencioso o amor. Podia-se adivinhá-lo no cuidado da mãe enxaguando as roupas nas águas de anil. Era silencioso, mas via-se o amor entre os seus dedos cortando a couve, desfolhando repolhos... (...) Lia-se o amor no corpo forte do pai, no seu prazer pelo trabalho, em sua mansidão para com os longos domingos. Ao término, emendava em tom de descontração: Na casa dos meus pais as declarações nem sempre brotavam. Às vezes calava-se uma ternura que sustentava o mundo. O meu mundo de filho mais velho, o mundo de Regina, de Maria do Carmo, Zé Eduardo, Elmo, Lilian, Emanuel, meus seis irmãos. Não éramos mágicos, nem super-heróis. Apenas caminhávamos pela casa, pelo quintal e em volta da grande mesa, onde minha mãe colocava, nos dias de aniversários, as variadas jarras de Q-Suco, nos incentivando a disputar quem bebia mais cor. Cor de coração! Talvez seja por isso a minha insistência em querer ver o mundo tão colorido. E completava cantando a canção A noite do meu bem, de Dolores Duran, música preferida da minha mãe. Ao final da canção, retomava a narrativa dizendo: A alegria de um barco voltando! Entendo e reconheço essa alegria profunda, quase dolorosa, porque um palco se parece com o mar. E todas as vezes que eu via meu pai tocando e cantando, num palco, eu sentia admiração e receio. E quando ao fim de cada espetáculo ele deixava sua cena ilusória, regressando ao nosso cotidiano, eu sentia a volta de um barco. É que meu pai descia do palco como quem chega do mar. E cantava a música preferida do meu pai: Nada Além, de Mario Lago e Custódio Mesquita. Em outra parte, conto sobre o dia do meu casamento. A narrativa começava com o fragmento de um poema de Drummond, que diz: Não facilite com a palavra amor.

6 Não a empregue sem razão acima de toda a razão (e é raro). Não cometa a loucura sem remissão / de espalhar aos quatro ventos do mundo essa palavra, que é toda sigilo e nudez..., perfeição e exílio na terra. Não a pronuncie. Em tom dramático, a narrativa continuava: Em meu casamento não houve festa. Havia luto recente na casa da minha noiva. Naquele dia meu pai não falou a palavra amor, mas a cantou. Não havia diálogo entre nós. E ele, afastado do filho rebelde, rompeu a dificuldade do nosso diálogo e o silêncio que cercou a cerimônia. Na saída dos noivos, acompanhado do Harmônio, me declarou, cantando. E aí eu cantava a canção de Roberto Carlos, Como é grande o meu amor por você. Sem dúvida, essa era uma parte difícil de fazer. A fase da adolescência, por exemplo, foi revista, contando como tomei consciência da dura realidade sócio-econômica e política do nordeste, mais especificamente da minha cidade. Um primo me chamou a atenção para a música Procissão, de Gilberto Gil. Já era uma canção antiga, mas eu nunca tinha ouvido com tanta atenção. A partir daí a minha realidade parecia ter mudado. Conto isso e canto a canção. Ao final da interpretação da mesma, retomo o texto, dizendo: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver do Universo, pois, como Alberto Caeiro, eu também já era do tamanho daquilo que conseguia ver. E eu via tudo: os hippies, o México, a América inteira. Eu via todo espaço, o grito e o desabafo das almas cativas e daqueles que sofriam as torturas de uma ditadura perversa, sanguinária, que assolou o Brasil na década de 70. Foi nessa época que rompi tratado e traí os ritos. Canto, então, Sangue Latino, sucesso do conjunto Secos e Molhados. Além do tom político, emotivo e lírico, trazia, nas minhas memórias, o humor das praças, do Serviço de Alto-falante, das festas populares. Por fim, concluo apresentando o momento em que começo a compor e encerro o espetáculo com o seguinte texto. Quando foi que essa caçada teve início? Não sei. Mas quando canto e conto a minha história, lanço o meu laço, pois contando e cantando eu me caço. Sou náufrago de mim. E invento as minhas ilhas. Por fim, Mar Noturno, poema de Nélio Rosa, que eu musiquei. O poema diz: Me invade numa hora morta / Um navegar de pessoa / Quem é você que me aporta / Nave silente canoa / Você que rouba o meu sonho / Nave galera que encantada / Me diga por que me ponho / Nas ondas da madrugada. / Se tento colher teu rosto / Sob uma áurea de musa / Já tudo oscila transposto / Nave saliente, difusa / Se te persigo distante / Nave veleiro que ancora / Já vem o vero horizonte a tecer / O arco da aurora.

7 NAVEGANTE Em Navegante me apropriei dos contextos sociais, artísticos e políticos dos últimos cinqüenta anos, aprofundando uma investigação artística e cênica, onde experimentei técnicas teatrais que ressaltavam o humor, o lírico e o dramático. Para navegar nessas memórias, além das canções e da narrativa oral, foram selecionadas e projetadas imagens que levavam o público a resgatar a sua própria história. O rio foi o elemento condutor do espetáculo. Metaforicamente, as imagens do rio apareciam como artérias que levam sangue ao coração, conduzindo as histórias, lembranças e experiências que alimentam o grande mar da memória. Na abertura do espetáculo, ao som de uma canção francesa, chamada Petit Fleur, digo: A memória é amiga do tempo, protege o vivido e o sonhado, permitindo que as lembranças fiquem espalhadas em toda nossa substância, como se os nossos corpos fossem bosques sagrados onde enterramos mortos. Mas, como diz Riobaldo em Grandes Sertões: Veredas, contar as nossas memórias é muito dificultoso. E continuo, agora falando um texto que traz fragmentos de poemas do Manoel de Barros, meu poeta preferido: A palavra é como rio. Os rios recebem, no seu percurso, pedaços de pau, folhas secas, penas de urubu e demais trambolhos (...). As palavras (...) recebem nossas torpezas, nossas demências, nossas vaidades. As palavras se sujam de nós na viagem. Assim, podemos dizer que a vida não é a que a gente viveu, e sim a que a gente recorda, e como recorda para contá-la. É como recordo que gosto de contar, pois cabe ao artista aumentar o mundo com as suas metáforas, compreender o mundo sem conceitos, refazer o mundo por imagens, por eflúvios, por afeto. Entra, então, a canção Minha Voz, da minha autoria e de Nélio Rosa, que vai falar dessas interferências do coletivo em nossa subjetividade. O poema pergunta: Se eu cantar aquilo que sei / Dores, cores, luzes e breus / Se eu abri o peito e cantar / Minha gente do meu lugar / Serão mesmo esses olhos meus? / Ou quem sabe um outro serei? E, por fim, conclui: Minha voz não é minha voz / Mesmo quando na solidão / Se eu abrir o peito e cantar / Mesmo em silêncio eu cantar / Vai soar, se ouvir comunhão / Num instante seremos nós / Minha voz não é minha voz.

8 Essa canção traz, sem dúvida, o argumento apresentado por Arantes (2001) de que somos herdeiros de uma determinada experiência coletiva. Ao fim da canção, retomo a narrativa e digo: Sempre fui incorporado pelas formas pelos cheiros pelo som pelas cores. Os cheiros, então! Ainda menino, ganhei de presente uma maçã vermelha, trazida da capital, toda enrolada em papel de seda roxo, da cor do manto de Nossa Senhora. O cheiro forte daquele presente, que se anunciava sem constrangimento, me fez pensar na existência de outros mundos. Hoje, quando o sinto, volto a Inhambupe, onde maçã era coisa rara, e ouço os boleros e sambas-canções tocados no Alto Falante e no cinema de Chiquinho, nos circos e nos parques de diversão. Após falar esse texto, que traz fragmentos de poemas de Manoel de Barros e Bartolomeu Campos Queirós, faço uma pequena seleção de boleros e, mais uma vez, retomo a narrativa para falar de como o golpe de 1964 chegou até a mim. É tão nítida a cena: eu e Maria Alice, minha madrinha, merendando biscoito creme-crack com guaraná Fratelivita. Lourival, meu padrinho, ouvia o Repórter Esso. No meio do noticiário, ele disse com raiva: Esses capadócios têm que ser botados pra fora. Brizola e Jango são uns moleques comunistas. Dias depois vi a casa de um vizinho cercada por homens do exército. A minha mãe gritou de lá: Não saia, volte pra dentro de casa, mas não deu explicações. Era abril de Eu não sabia por que, mas esse clima me dava um medo que me doía também o corpo inteiro. Em Inhambupe esse, também, foi o tempo do êxodo, ônibus lotados carregavam o sonho e a tristeza dos que iam para São Paulo em busca de trabalho. Nos rádios dos que chegavam, a saudade dos que por lá ficavam. Ao final do texto canto uma canção chamada Adeus Paulistinha, de Tonico e Tonico, para, mais uma vez, retornar à narrativa: Um amigo, mais velho que eu, me mostrou o que Caetano, de Londres, escreveu no Pasquim, quando viu uma foto sua e de Gil junta a do guerrilheiro Carlos Marighela, morto, na capa da revista Fatos & Fotos. Logo, meu coração ficou apertado com a notícia de que os dois baianos tinham sido presos e exilados em Londres. A tristeza passou a me contagiar quando ouvia Caetano cantar: Eu quero ir minha gente, eu não sou daqui. Eu não tenho nada / nada / quero ver Irene ri / Quero ver Irene dar sua

9 risada. Mas, quando Gil cantava O Rio de Janeiro continua lindo..., me dava um alívio... Era como se fosse carinho no meu pensamento. Ao final desse texto, canto Aquele Abraço. Nesse trecho do espetáculo era possível perceber certa cumplicidade de parte da platéia, principalmente daqueles que viveram a época. O mesmo acontecia com o texto seguinte, quando eu dizia: Em meio a tudo, eu sonhava em ver o homem pisar na lua. Maria Alice me dizia: não tá vendo, meu filho, que não tem como se chegar à lua. Eu ria e olhava o céu sem querer ler o destino do tempo, mas querendo adivinhar como seria pousar naquela nobre porcelana solta na amplidão. A conquista da lua, a Jovem Guarda, o Tropicalismo, os hippies e o comportamento arrojado de Leila Diniz desajuizando as mulheres, através da ostentação da sua barriga grávida, nas areias de Ipanema, me faziam ver, pelo espelho, a infância na distância se perder. E como é possível imaginar, canto As curvas da estrada de Santos, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Ao final da canção, ainda retratando a adolescência dos anos setenta, do século passado, volto à narrativa. Na adolescência não era mais o sensorial que me movia, mas as paixões. Uma paixão foi o futebol. Mas, apesar da alegria pelo milésimo gol de Pelé e a conquista da Copa do Mundo, no México, o ufanismo autoritário não me contagiou. Neguei-me a colocar nos meus cadernos os slogans Pra frente Brasil!, Ame-o ou deixei-o, Este é um país que vai pra frente. A ditadura militar me assustava, me dava medo. Revivo esse momento da história do Brasil, cantando Apesar de Você, de Chico Buarque. Canção que, de forma metafórica, expõe a dor daqueles que se viam oprimidos pela força. Chegando ao final do espetáculo, vou apresentando memórias mais recentes e, de certa forma, afirmando a minha condição de artista, quando digo: Não sou historiador, mas um navegador da subjetividade. Gosto de navegar nesse jogo sutil de ilusão e realidade. Logo depois, vou para a boca de cena, leio parte de um texto de Vinicius de Moraes, que ofereço aos amigos e amigas: Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos compartilhados. Se isso acontecer, e cada momento for mais raro, teremos as lembranças. E se um dia

10 meus filhos, ou quem sabe meus netos me perguntarem, vendo aquelas fotos antigas, quem são estas pessoas? E estas roupas esquisitas? Após um breve riso direi com orgulho: Foram meus amigos, com os quais vivi meus melhores momentos. Neste instante a saudade vai apertar, doer de fato pela ausência. Quem sabe algumas lagrimas de tristeza e felicidade cairão de meus olhos. Encerro com a retomada do tema da memória, chamando a atenção de que existe em mim uma saudade inexplicável de algo que não se sabe o que é. É uma saudade que não passa com abraço, digo. Retomo, também, Riobaldo para dizer que toda saudade é uma espécie de velhice. E aí, pergunto: Será, então, que é velhice? Respondo: Não sei, mas essa sensação tem me feito amigo mais íntimo do tempo (...). Pena que esse rio de experiências, que não entra no Currículo Lattes, mas vai desaguar no mar da memória e essa, como boa amiga do tempo, sabe guardar o que passa e o desejo do que há de vir. Essas experiências nos fazem perceber que a essência do tempo, aquilo que nunca muda, é o potencial humano para emocionar. Canto Tempo Rei, de Gilberto Gil. CONSIDERAÇÕES FINAIS Essas experiências artísticas têm sido muito importantes no meu trabalho de professor. Com o teatro que aprendi que Cabe a cada criador elaborar uma estética que convenha a seu projeto e à sua visão de mundo! Nada o obriga a aceitar os dogmas obsoletos formulados por uma geração anterior (ROUBINE, 2003: 90-91). Foi a parte daí que compreendi a existência de uma pedagogia nesses trabalhos: incentivar e trabalhar a leitura de forma desescolarizada. Quando uso essa expressão não tenho a intenção de qualificar o trabalho da escola, mas questionar uma forma que apresenta a leitura como fardo, como mecanismo de reprodução. A partir dessas experiências compreendi, na prática, o que é produzir sentido, qual a diferença entre compreender e interpretar. Esse aprendizado tem orientado o meu trabalho de professor, de formador de leitor. Assim, a prática de leitura para a construção desses espetáculos tenho levado para dentro de oficinas e mini-cursos ministrados por mim. Apoiando-me nessas experiências, venho considerando que as memórias, bem como as trilhas sonoras que ilustram as histórias de vida, podem se tornar textos ricos para a construção de

11 entendimento da realidade pessoal e do mundo, servindo de ponto de partida para a leitura da palavra escrita, conforme o pensamento freiriano. REFERÊNCIAS ABRAHÃO, Maria Helena Mena Barreto. Pesquisa (auto)biográfica tempo, memória e narrativas. In: ABRAHÃO, Maria Helena M. Barreto (org.). A aventura (auto)biográfica: teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, ABRAHÃO, Maria Helena Mena Barreto. O sujeito singular-plural narrativas de trajetórias de vida, identidade profissional e saberes docentes. In: Pesquisa auto(biográfica e praticas de formação. Natal/RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, ARANTES, Luiz Humberto Martins. Teatro da memória: história e ficção na dramaturgia de Jorge Andrade. São Paulo: Annablume/Fapesp, BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 3.ed. São Paulo: Companhia das Letras, FORQUIM, Jean-Claude. A educação artística para quê? In: PORCHER, Louis (org). Educação artística: luxo ou necessidade? Tradução de Yan Michalski. São Paulo: Summus, (Novas buscas em educação; v.12). FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 41. ed., São Paulo: Cortez, (Coleção Questões da Nossa Época). JOSSO, Marie-Christine. Da formação do sujeito... ao sujeito da formação. In: NÓVOA, Antônio; FINGER, Mathias. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde; Departamento dos Recursos Humanos da Saúde/Centro de Formação de Aperfeiçoamento Profissional, LINO, Luiz Costa. Pensando nos trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, ROSSONI, Igor. Fotogramas do imaginário: Manoel de Barros. Salvador: Vento Leste, ROUBINE, Jean-Jacques. Introdução às grandes teorias do teatro. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria Relatório Fotográfico Março, Abril e Maio de 2009 Institucional Realização Patrocínio Parceria Introdução Existe uma grande diferença entre as águas do mar e o azul das ondas. A água é concreta, objetiva,

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares Fabiane Tejada da Silveira Instituto de Artes e Design da

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias Ima Sempre em Frente Eric Peleias Baseado em uma história real CAPÍTULO 1 LETÔNIA, DÉCADA DE 1940. 8 PODEM PARAR DE CAVAR! QUERO TODOS ENFILEIRADOS! O QUE ESTÃO ESPERANDO? ENFILEIRADOS, ANDEM LOGO! MUITO

Leia mais

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para QUAL NEGÓCIO DEVO COMEÇAR? No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para então definir seus objetivos e sonhos.

Leia mais

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana:

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: 9º Plano de aula 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: Enraizando e criando raiz (CD-Visualização Criativa faixa 2) 3-História da semana: Persistência X

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói ANDERSON CAVALCANTE Meu pai, meu herói Dedicatória Ao meu pai, Eraldo, meu herói e minha referência de vida. 5 Agradecimentos A Deus, por sempre me ajudar a cumprir minha missão. A todos os pais que são

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976)

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) Lá pelos anos 1971, vivi uma experiência que sempre me incomodou.

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

Circo-Teatro: É Teatro No Circo

Circo-Teatro: É Teatro No Circo Circo-Teatro: É Teatro No Circo Ermínia Silva Centro de Memória da Unicamp Doutor Pesquisadora Colaboradora do Centro de Memória da Unicamp Resumo: Parte dos estudos sobre circo no Brasil, realizados no

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br Resumo O presente projeto O ar existe? foi desenvolvido no CEMEI Juliana Maria Ciarrochi Peres da cidade de São Carlos com alunos da fase

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

O trabalho com as cantigas e parlendas

O trabalho com as cantigas e parlendas O trabalho com as cantigas e parlendas nós na sala de aula - módulo: língua portuguesa 1º ao 3º ano - unidade 4 Cantigas e parlendas ajudam a introduzir a criança no mundo da leitura. Isso porque são textos

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

Projetos sociais. Criança Futuro Esperança

Projetos sociais. Criança Futuro Esperança Projetos sociais Newsletter externa ABB - Projetos sociais Criança Futuro Esperança Maria Eslaine conta sobre o início de seu curso profissionalizante 02 De ex-aluno do projeto a funcionário da ABB 04

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Peça de Teatro Sinopse Argumento

Peça de Teatro Sinopse Argumento 1 Peça de Teatro Sinopse Duas crianças da comunidade...(comunidade local onde será encenada a peça) se encontram, conversam à respeito de limpar a rua e ser útil de alguma forma para o meio em que habitam.

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais