A CULTURA E A NATUREZA EM SÍMBOLOS NACIONAIS: AS BANDEIRAS COMO SUBSÍDIO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CULTURA E A NATUREZA EM SÍMBOLOS NACIONAIS: AS BANDEIRAS COMO SUBSÍDIO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL."

Transcrição

1 A CULTURA E A NATUREZA EM SÍMBOLOS NACIONAIS: AS BANDEIRAS COMO SUBSÍDIO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Tiago José Berg (UNESP Rio Claro) RESUMO: A bandeira, o brasão e o hino nacional são os três símbolos por meio dos quais um país independente proclama sua identidade e soberania. Em essência, eles servem como totens modernos são signos que carregam uma afinidade especial para as nações que representam, distinguindo-as umas das outras e reafirmando suas fronteiras de identidade. São elementos que projetam valores culturais associados a uma identidade política e à idéia de pertencimento a uma nacionalidade, uma comunidade política imaginada como intrinsecamente limitada e soberana. Neste artigo, se examinam as bandeiras entre os símbolos nacionais presentes, nas quais se encontra uma grande variedade de significações que envolvem a história, a cultura e o pensamento como referências simbólicas associadas a cada país no sistema-mundo. Além dos elementos culturais e políticos, a idéia de natureza também está contextualizada nas bandeiras através da representação da paisagem, dos recursos naturais, dos acidentes geográficos, da fauna e da flora como símbolos de um país. Bandeiras portam-se como símbolos concretos que manifestam idéias abstratas; projetam uma mensagem que foi propositalmente e meticulosamente construída quando foram adotadas ou escolhidas para se tornarem símbolos oficiais, da mesma forma que agregam ou recusam fronteiras de identidade, indo além das próprias fronteiras nacionais. Quando esses elementos da natureza são simbolizados através das formas, desenhos e cores, tornam-se um produto ideológico que se configura como um recorte de um determinado espaço geográfico pelo contexto sintático apresentado pela bandeira, o que dá sentido às representações espaciais apropriadas de forma simbólica; essa busca da representação da natureza em países periféricos consiste em uma das formas de amenizar os conflitos socioculturais existentes, as fronteiras artificiais e as crises de identidade pós-modernas. Assim, argumenta-se que os símbolos nacionais podem potencialmente servir como um documento de análise da percepção ambiental e das representações culturais das 1

2 sociedades humanas, demonstrando lacunas a serem preenchidas dentro do campo científico e demandando maiores estudos para que se possa estreitar as relações entre a geografia e os símbolos patrióticos, contribuindo para uma nova perspectiva de análise e decodificação das formas de representação espacial e da natureza e oferecendo subsídios instigadores para os professores na perspectiva do ensino da pós-modernidade e da educação ambiental. PALAVRAS-CHAVE: Símbolos Nacionais, Cultura, Natureza. THE CULTURE AND THE NATURE IN NATIONAL SYMBOLS: FLAGS AS A SUBSIDY FOR ENVIRONMENTAL EDUCATION. ABSTRACT: The flag, the coat of arms and the national anthem are the three symbols through which an independent country proclaims its identity and sovereign. In essence, they serve as modern totems signs that bear a special relationship to the nations they represent, distinguishing them from one another and reaffirming their identity boundaries. They are elements that project cultural values associated to a political identity and the idea of belonging to a nationality, a political community imagined as intimately limited and sovereign. In this article, I examine the flags among the present national symbols, where there is a great variety of significances that involve the history, the culture and the thought as symbolic references associated to each country in the system-world. Besides the cultural and political elements, the nature idea is also a contextually process in the flags through the representation of the landscape, of the natural resources, of the geographical accidents, of the fauna and flora as symbols of a country. Flags behave as concrete symbols that manifest abstract ideas; they project a message that was purposely and meticulously built when they were adopted or chosen in order to become official symbols, in the same way in which they join or refuse identity boundaries, going besides the own national borders. When these elements related to nature are symbolized through forms, drawings and colors, they become an ideological product that is designed as a cutting of a certain geographical space by the syntactic context presented by the flag, what gives sense to the appropriate space representations in a symbolic means; this search for the nature 2

3 representation in periphery countries consists of one of the means of softening the social-cultural conflicts existent, the artificial borders and the post-modern identity crises. Thus, I argue that the national symbols can potentially serve as a document of analysis of the environmental perception and of the cultural representations of the human societies, demonstrating gaps to be filled in the scientific field and finding larger studies that can narrow the relationships between the geography and the patriotic symbols, contributing to a new perspective of analysis and decoding in the means of spatial representation and of the nature, offering subsidies to stimulate the teachers (and professors) in the perspective of post-modernity teaching and environmental education. KEYWORDS: National Symbols, Culture, Nature. INTRODUÇÃO Símbolos portam-se como claras declarações de identidade nacional. Em essência, eles servem como totens modernos (no sentido Durkheimiano) signos que carregam uma afinidade especial para as nações que representam, distinguindo-as de outras e reafirmando suas fronteiras de identidade (CERULO, 1993). Eles remetem esses significados como um traço distintivo de um grupo ou comunidade em forma de unidade política, criando uma identidade associativa em que se pode experimentar a consonância, a realização física da comunidade imaginada 1 (ANDERSON, 2005) através processo ritual. Dentro dessa perspectiva, como parte de tradições que parecem ou alegam ser antigas e que são muitas vezes de origem bastante recente, Hobsbawm e Ranger (1997, p. 9) concebem os símbolos nacionais como uma tradição inventada pelo nacionalismo político do século XIX: Por tradição inventada entende-se um conjunto de práticas, normalmente reguladas por regras tácita ou abertamente aceitas; tais práticas, de natureza ritual ou simbólica, visam inculcar certos valores e normas de comportamento através da repetição, o que 1 [...] é uma comunidade política imaginada como intrinsecamente limitada e soberana (ANDERSON, 2005, p. 25), ou seja, o político se manifestando através das necessidades das fronteiras, da apropriação simbólica da natureza, dos elementos culturais e imaginários que circunscrevem e legitimam a nação. 3

4 implica automaticamente, uma continuidade em relação ao passado. Ao se cantar o hino nacional [hastear a bandeira e ostentar o brasão de armas] se recriam e reproduzem as lealdades a um sujeito coletivo [...] o sujeito coletivo, não se dissolve magicamente na nação, como que experimenta a nação em si mesmo (ESTÉVEZ, 2004, p. 349). Ao experimentar a nação, o sujeito coletivo (o nós) entra em comunhão com essa identidade cultural transplantada no âmbito nacional, pois não importa quão diferentes seus membros possam ser em termos de classe, gênero ou raça, uma cultura nacional busca unificá-los numa identidade cultural, para representá-los todos como pertencendo à mesma grande família nacional (HALL, 2005, p. 59). Isso é uma característica intrínseca dos símbolos, pois eles projetam uma mensagem que é propositalmente e meticulosamente construída quando foram adotados ou escolhidos para se tornarem símbolos oficiais de uma nação, este símbolo não é projetado apenas para a população nacional, mas para um mundo além das fronteiras nacionais. Esta formalidade origina-se de uma longa tradição na qual grupos ou órgãos governamentais usam bandeiras, faixas, timbres, [bandas marciais e] fanfarras, etc. como uma forma de proclamação e identificação (CERULO, 1989). Ao sintetizar os elementos culturais de uma determinada nação, os símbolos demonstram sua relação de apropriação dos elementos da natureza em diferentes graus, pois, enquanto signos sensoriais, eles também procuram representar o contexto e os valores ideológicos que circunscrevem a narrativa de um determinado espaço natural (em diferentes escalas) como uma forma de assegurar a unidade política da comunidade nacional, mesmo que este discurso e esta unidade tenham sido projetados e alterados pelas ideologias dos movimentos nacionais (nacionalistas). Conforme relembra Bakhtin (2004), um produto ideológico faz parte de uma realidade (natural ou social) e como todo corpo físico, pode ser percebido como símbolo, e seus elementos podem ser simbolizados, já que sua imagem artísticosimbólica ou lírico-musical configura-se num produto ideológico. Tudo que é ideológico possui um significado e remete algo situado fora de si mesmo, ou seja, um signo, o qual sem deixar de fazer parte da realidade material, passa a refletir e refratar numa certa medida, uma outra realidade; ele pode distorcer essa realidade, ser-lhe fiel, ou apreendê-la de um ponto de vista específico. 4

5 Essa mensagem projetada pelo símbolo pode ser analisada em duas vias. A primeira, através do conteúdo simbólico, que são as cores ou emblemas usados em uma bandeira ou brasão, ou ainda o padrão, o tempo e a letra de um hino; pode-se decifrar a mensagem de cada componente do símbolo, isolando seus elementos e focando-se no significado e a percepção de cada um deles, que seria a análise semântica. Na outra vertente, estuda-se o desenho ou configuração de um símbolo, como por exemplo, de que forma as cores e emblemas ocupam posições adjacentes em uma bandeira ou brasão, o número de faixas e suas secções, o estilo literário e a linguagem na letra de um hino, a relação entre melodia e coro, etc. Quando se examina o significado carregado por estas estruturas (seu desenho ou configuração e a relação entre estas partes) emprega-se uma análise sintática dos símbolos. A estrutura sintática ordena ou organiza os vários elementos de um símbolo; quando se muda a estrutura sintática, a mensagem do símbolo também é mudada (CERULO, 1993). As estruturas semânticas e sintáticas permitem analisar os sentidos e valores que circunscrevem o espaço natural apropriado de forma sintética para se tornar um símbolo nacional; nesse contexto, ele pode ser decodificado a fim de revelar em seu conteúdo a importância que esses elementos (naturais e culturais) adquiriram para uma determinada comunidade política imaginada. Quando esses símbolos são ostentados no processo ritual, renovam-se os compromissos morais dos patriotas com a pátria simbolizada, da mesma forma, se (re)afirmam os espaços (geográficos), os elementos da fauna, da flora e das paisagens que compõem a natureza da nação imaginada. BANDEIRAS Uma bandeira não se restringe à apenas um pedaço de pano que tremula ao vento; suas cores, formas, divisões e iconografia têm um sentido de ser, simbolizando e condensando elementos que lhe representam um país soberano. Elas exaltam ou recusam valores e posições políticas (KANASHIRO, 2006), marcam determinado momento histórico e colocam em evidência conflitos e tensões de múltiplas identidades; relacionam-se à uma identidade nacional e à idéia de pertencimento a um grupo ou comunidade. Como relembra Snamierowski (2004) ao longo das eras, as bandeiras têm servido como um meio de identificação tanto cultural, nacional, como de comunicação: As bandeiras são uma característica universal da civilização humana. Com exceção das sociedades mais primitivas e dos 5

6 povos nômades, demonstra-se que toda a cultura inventou para si mesma bandeiras de um tipo ou de outro com uma semelhança notável de forma observável ao longo do mundo. As funções das bandeiras são quase idênticas em todas as sociedades e são similares as bandeiras usadas que podem ser observados em diversas regiões e eras. 2 Os egípcios e assírios já usavam em suas ornamentações cerimoniais bastões metálicos com seus símbolos totêmicos sagrados. As legiões romanas durante suas incursões militares carregavam vexillóides 3 (bastões ornamentados com uma água) e agregaram a esta uma peça retangular de tecido, copiada dos povos persas; essa peça por vezes era substituída por uma forma triangular a flâmula. No século XII as Cruzadas que partiam da Europa adotaram bandeiras retangulares com uma cruz central como emblema cristão 4 para recuperar a Terra Santa. Quando retornaram do Oriente, muitos reis passaram a usar essas bandeiras como símbolos de proteção, como no caso da cruz de São Jorge (vermelha sobre um campo branco) que se tornou símbolo da Inglaterra no século XIII. Com o advento da heráldica (o estudo, regulamentação e confecção dos brasões de armas) nesta mesma época, as bandeiras reais passaram a usar símbolos mais complexos em seus desenhos, a ganhar cores e regras especiais, chamadas de estandartes armoriais. As bandeiras modernas começaram a surgir em meados do século XVI. Durante a revolta holandesa contra a Espanha ( ), o príncipe Guilherme de Orange adotou uma bandeira tricolor horizontal simples, chamada de Prinsenvlag, que logo passou a figurar como um emblema de liberdade. Essa associação teve forte influência para a confecção da bandeira tricolor nascida na Revolução Francesa (1789) e outras nações passaram a copiar o desenho tricolor como símbolo de liberdade (nacional). 5 2 SMITH, W. Flags through the ages and acoss the world, 1975 apud SNAMIEROWSKI (2004). 3 Traduzido do original em inglês vexilloids. 4 Como a cruz se tornou um símbolo comum nas nações cristãs, o crescente emergiu como símbolo das nações mulçumanas depois que os turco-otomanos o adotaram em sua bandeira por volta do ano de No final do século XVII o czar da Rússia Pedro o Grande em visita às nações da Europa Ocidental decidiu adotar uma variação da bandeira tricolor holandesa como símbolo civil de seu país. As nações latino-americanas também utilizaram o mesmo desenho durante os movimentos de libertação nacional no início do século XIX. 6

7 Até o século XIX, o uso de bandeiras em terra era limitado (sua presença era massiva nas navegações marítimas) e apenas alguns países tinham uma bandeira nacional. Mas as mudanças radicais ocorridas no começo daquele século, pela ascensão dos movimentos nacionalistas na Europa (principalmente no pós-1848), a independência das nações latino-americanas e as mudanças culturais que deram nascimento à idéia (imaginária) do Estado nacional e dele, muitas nações tidas como soberanas, é que os estandartes civis se tornaram a bandeira nacional. Da mesma forma que o brasão de armas se tornou o signo identificado com o governante e o Estado, também a bandeira nacional veio a ser tornar um símbolo no qual o povo podia se identificar, já que o conceito de bandeira nacional como um símbolo do povo aconteceu antes do Estado se tornar prevalecente, e em muitos casos a bandeira foi introduzida pelos líderes dos movimentos de independência, revolucionários ou estudantes e só depois adotada por um governo (SNAMIEROWSKI, 2004). Tal processo se configuraria durante as independências nacionais do século XX, em especial no pós-guerra, quando grande parte das nações do globo se tornou de facto independente e adotou para si mesma uma bandeira nacional. 6 Ao agregar ou recusar essas fronteiras de identidade, as bandeiras trazem em suas formas e cores uma relação com os elementos culturais de cada nação; também é por meio das cores que os elementos da natureza são simbolizados e à medida que se tornam um produto ideológico (um signo) passam configurar recortes de um determinado espaço geográfico pelo contexto sintático apresentado pela bandeira, o que dá sentido às representações espaciais apropriadas de forma simbólica. REPRESENTAÇÕES DA NATUREZA, PAISAGEM E ESPAÇO GEOGRÁFICO Bandeiras são símbolos concretos que manifestam idéias abstratas. Todo símbolo tem um significante (que é o elemento sensível, perceptível por nós) e um significado, que é o seu conteúdo simbólico; para que haja um símbolo é necessário haver uma interconexão entre o significante e o significado. Os conteúdos significantes 6 Isso não significa que as colônias da África, Ásia, Oceania ou Caribe não tivessem uma bandeira própria antes disso, no caso das possessões britânicas, desde 1865 foram criadas bandeiras com a Union Jack em campo azul ou vermelho isto é, a bandeira britânica no cantão/quadrilátero superior da bandeira, como ocorre atualmente com as bandeiras Austrália e Nova Zelândia em que se inseria um brasão de armas ou elementos associados à uma determinada colônia ou protetorado. 7

8 podem pressupor pela análise semântica valores associados aos elementos da natureza e pela análise sintática a sua configuração enquanto paisagem ou espaço geográfico. Para a análise presente nos símbolos nacionais foram selecionadas algumas bandeiras de diversos países do mundo, buscando investigar e decodificar (desconstruir) as idéias condensadas em cada uma delas, revelando perspectivas a respeito das formas de representação da cultura e natureza. Em 1965 a pequena colônia britânica de Gâmbia, na costa da África Ocidental conseguiu sua independência e adotou no mesmo ano sua bandeira nacional (figura 1). As cores de suas faixas horizontais representam uma paisagem no sentido horizontal do país, avançando além de suas bases políticas. O azul representa o Rio Gâmbia, que flui por todo o país (mapa 1), sendo a fonte de vida de sua população. O vermelho representa o calor do sol africano e as savanas ao norte do país, enquanto o verde é uma associação feita à agricultura e à frescura das florestas tropicais ao sul. As faixas brancas reportam harmonia, unidade e paz entre os elementos naturais (FIREFLY, 2003; SNAMIEROWSKI, 2004; DORLING KINDERSLEY, 2005). Tanto pela técnica utilizada, 7 quanto pela disposição dos elementos, essa bandeira é uma representação da percepção ambiental que o povo de Gâmbia tem de seu espaço vivido, mesmo que ela não se circunscreva ao espaço político delimitado por sua fronteira com o Senegal e as nações vizinhas que é projetado pelo símbolo. Conforme ressalta Ribeiro (2001), muito raras são as paisagens puramente naturais (...). Mas, em todo lado, é a Natureza, mais ou menos carregada de trabalho humano, que forma o quadro das paisagens. Figura 1: Bandeira de Gâmbia. Mapa 1: Rio Gâmbia cortando Alongitudinalmente o país. s referências aos elementos da natureza encontram outras formas de representação 7 A idéia original partiu de Gâmbia, mas o desenho foi preparado pelo Colégio de Armas em Londres (SNAMIEROWSKI, 2004, p.217). A interposição de faixas menores reforça os outros elementos da bandeira. 8

9 também na perspectiva de uma paisagem imaginada no sentido vertical. Quando se observa o desenho da bandeira de Botsuana (figura 2) praticamente semelhante ao da bandeira de Gâmbia nota-se como a mudança das cores altera o sentido passado pela representação da bandeira. Esse país da África Austral apresenta baixo índice pluviométrico durante o ano, fato este que remete a importância da água para sua população. Enquanto a faixa superior representa o céu e a água da chuva (chamada localmente de pula ) a faixa azul inferior representa as águas dos rios e lagos como fonte da vida, 8 no meio aparece o elemento sócio-cultural, a população, representada respectivamente em sua proporção numérica abstrata pela faixa negra e das duas faixas brancas, denotando a harmonia entre os habitantes do país (FIREFLY, 2003; SNAMIEROWSKI, 2004), já que ela não possui as referências políticas e as cores das bandeiras pan-africanas vermelho, amarelo e verde, sendo adotada em 1966 (DORLING KINDERSLEY, 2005). Neste caso a sociedade e os elementos da natureza estão dispostos como parte integrante de um espaço geográfico na posição vertical. Figura 2: Bandeira de Botsuana. Figura 3: Bandeira da Tanzânia. Na África Oriental, as relações entre o território, população e natureza aparecem na bandeira da Tanzânia, adotada em 1964 (figura 3) resultado da união política das 8 Apesar do clima do país se caracterizar pela semi-aridez, no norte encontram-se as áreas pantanosas úmidas do delta do Rio Okavango. A população branca corresponde a 7% do total e as maiorias negras são formadas por Setsuanas (79%), Kalanas (11%) e Basarwas (3%), de acordo com o Cia World Factbook (2007). Disponível em: < https://www.cia.gov/cia/publications/factbook/geos/bc.html> acesso em 15 de março. 9

10 cores de Tanganica (verde, amarelo e preto) e do arquipélago de Zanzibar (azul, preto e verde). Com um formato diferente das bandeiras anteriores, demonstra uma idéia semelhante a respeito da população e do território. O triângulo verde superior é uma referência ao espaço agrícola de Tanganica e o triângulo azul inferior representa a relação do arquipélago de Zanzibar com o mar e seus derivados, ambos estão separados por uma faixa negra, denotando a união das populações (de origem negra) dos dois territórios, bordada por duas faixas douradas, representando as riquezas minerais do país (FIREFLY, 2003; SNAMIEROWSKI, 2004; DORLING KINDERSLEY, 2005). Notase ainda que a forma como é disposta esta faixa na bandeira reforça a idéia da distinção do espaço geográfico tanzaniano; sua costa possui ao norte uma orientação predominantemente no sentido nordeste-sudoeste, área onde fica o arquipélago de Zanzibar. Essa bandeira projeta as relações entre a população e os elementos naturais (cultivados e minerais) formando uma representação simbólica do espaço geográfico da Tanzânia. A bandeira da Ucrânia (país do Leste Europeu) pressupõe uma paisagem imaginada. Em 1848, o Conselho da Rutênia adotou as cores dourada e azul como símbolos nacionais (FIREFLY, 2003); foi com essas cores que a primeira bandeira bicolor surgiu em 1918, quando o país experimentou uma breve independência. Ela foi re-adotada em 1991, após a independência do regime soviético (Figura 4). Para Snamierowski (2004) e Dorling Kindersley (2005) o azul alude aos céus ucranianos, assim como as montanhas (FIREFLY, 2003), o amarelo-dourado representa os vastos campos cobertos de grãos que compõem a paisagem agrícola do país (Fotografia 1), como um lugar de vivência percebido por seus habitantes seria esta a paisagem nacional representada. Conforme relembra Tuan (1985, p.149) uma grande região, tal como a do estado-nação, está além da experiência da maioria das pessoas, mas pode ser transformada em lugar uma localização de lealdade apaixonada através do meio simbólico da arte, da educação e da política. 10

11 Figura 4: Bandeira da Ucrânia. Fotografia 1: Campo cultivado com trigo. O uso de cores em alusão aos elementos naturais do espaço físico é outra forma de dar um sentido geográfico à bandeira nacional, mesmo que as formas ou os elementos ideológicos não coincidam com aquilo que é representado na estrutura sintática, como exemplo, a bandeira da Islândia. Assim como no caso dos outros países nórdicos, a bandeira islandesa (figura 5) deriva da cruz escandinava da bandeira dinamarquesa, conhecida como Dannebrog. 9 Adotada em 1915, o desenho da bandeira é como a da Noruega, com as cores invertidas, onde o azul e o branco são as cores da Islândia e o vermelho deriva dos noruegueses, de onde muitos de seus ancestrais originaram-se (SNAMIEROWSKI, 2004). O sentido simbólico empregado mostra que para o povo islandês, o colorido de sua bandeira representa uma visão da paisagem de seu país. As cores são referências dos três elementos que compõem a ilha: fogo, gelo e água (DORLING KINDERSLEY, 2005). Ainda, de acordo com esse sentido, o fundo azul representa o Oceano Atlântico, o branco as calotas polares e a neve que cobrem o país e o vermelho a lava dos vulcões (FIREFLY, 2003). Uma análise mais esmiuçada mostra que esse sentido simbólico do espaço geográfico imaginado através das cores em relação ao formato da bandeira apresenta uma explicação passível de justificação. O nome Islândia é um erro de 9 Dannebrog em dinamarquês significa bandeira dos dinamarqueses, apresentando uma cruz descentrada para a direita, característica de laços culturais comuns aos países escandinavos. Esta bandeira nacional figura entre uma das mais antigas do mundo, apareceu em 1219, quando o rei Waldemar II batalhou contra os estonianos, outras fontes indicam que segunda a lenda ela foi dada aos dinamarqueses pelo papa durante as cruzadas (FIREFLY, 2003; SNAMIEROWSKI, 2004; DORLING KINDERSLEY, 2005). 11

12 tradução por parte dos cartógrafos, conforme relata Otero (2006, p.343) a cerca da nomeação da ilha no século XIII: Floki [Floki Vilgerdarson era um viking norueguês] subiu no alto de uma montanha e avistou um fiorde cheio de gelo. Ele o chamou de Isafjordur (o fiorde de gelo) e deu à ilha o nome de Island, que deve ser traduzido como terra de gelo, pois em nórdico antigo Is significa gelo (...). Por erro na tradução, nas cartas náuticas espanholas e portuguesas ela figurava como Islândia (...). Com relação aos vulcões, a Islândia localiza-se no meio da dorsal meso-oceânica do Atlântico Norte, caracterizada por placas tectônicas divergentes e vulcanismos de fissura com lavas máficas ou básicas pouco viscosas (pobres em sílicas); devido à essa baixa viscosidade, as erupções de lavas muito fluídas são capazes de escorrer por longas distâncias, dando sentido aos segmentos latitudinais e longitudinais da faixa vermelha apresentada na bandeira. Assim, a representação simbólica da bandeira islandesa contém as formas culturais da cruz escandinava, mas a justificação de suas cores é tomada no sentido de representar os elementos paisagísticos da natureza percebidos pelo povo islandês. Além da natureza física, as representações animais aparecem (embora em menor freqüência) nas bandeiras como elementos da fauna e flora nacionais, também estão associadas às formas míticas ou culturais da simbologia animal. Estes animais podem estar estilizados 10, ou seja, representados artisticamente e culturalmente, como também dispostos ao natural, usando a linguagem heráldica o estudo dos brasões de armas. Como exemplo, a bandeira do arquipélago do Kiribati no Pacífico, adotada em 1979 (figura 6). Resultado de uma competição local, a bandeira foi baseada no brasão de armas colonial que data de 1937, simbolizando a paisagem avistada das ilhas. As ondas brancas e azuis representam a importância do Oceano Pacífico, que abrange cerca de 5 milhões de quilômetros quadrados ao longo do Kiribati; o sol sob um horizonte 10 Como exemplo, figuram a água dourada na bandeira do Egito, o leão dourado segurando a espada no Sri Lanka, a ave do paraíso na Papua Nova Guiné e o pássaro de pedra do Zimbábue como animais estilizados. 12

13 avermelhado representa o amanhecer e a renovação dos dias, como também a linha do Equador, que corta as ilhas por cerca de 4 mil quilômetros, a fragata (Fregata minor) é o símbolo da autoridade, da liberdade e das cerimônias tradicionais (SNAMIEROWSKI, 2004), como também a soberania sobre o oceano (FIREFLY, 2003; DORLING KINDERSLEY, 2005). Na paisagem imaginada por seus cidadãos, a fragata figura como uma ave culturalmente significativa (totêmica) em relação ao ambiente vivido, associativa da soberania que mantém a identidade e o papel da unidade nacional do Kiribati projetada pela representação do símbolo nacional. Figura 5: Bandeira da Islândia. Figura 6: Bandeira do Kiribati. CONCLUSÕES À guisa de conclusão, as culturas nacionais se constituem em uma das principais fontes da identidade cultural metafórica, formadas e transformadas no interior de uma comunidade imaginada, o que explica seu poder para gerar um sentimento de identidade e lealdade, como um modo de construir sentidos compostos por símbolos e representações. Símbolos, em especial bandeiras, são os objetos materiais que demarcam fronteiras de identidade, projetando mensagens que associam e condensam os elementos da natureza como pertencentes a um espaço geográfico nacional. Em hipótese, essas representações nas bandeiras são uma forma de se projetar a unidade simbólica em torno da apropriação da natureza e seus elementos, que nos países periféricos buscam amenizar os conflitos sociais e as fronteiras artificiais criadas pelas potências imperialistas do final século XIX, afinal: 13

14 As unidades territoriais para as quais os movimentos nacionais buscaram ganhar independência foram, sem dúvida, as verdadeiras criações da conquista imperial, no mais das vezes com menos de uma década de vida, ou então representavam zonas religioso-culturais insignificantes para serem chamadas de nações na Europa (...) por outro lado, os movimentos com orientação territorial para a libertação não podiam escapar de se alicerçarem sobre elementos comuns que tinham sido fornecidos por poder ou poderes coloniais a seus territórios, uma vez que, com freqüência, isso era o único caráter nacional, e de unidade, que o futuro país possuía (HOBSBAWM, 1990, p ). Assim, argumenta-se que os símbolos nacionais podem potencialmente servir como um documento de análise da percepção ambiental e das representações culturais das sociedades humanas, demonstrando lacunas a serem preenchidas dentro do campo científico, o que demanda maiores estudos para que se possa estreitar as relações entre a geografia e os símbolos patrióticos, contribuindo para uma nova perspectiva de análise e decodificação das formas de representação espacial e da natureza, oferecendo subsídios instigadores para os professores na perspectiva do ensino da pós-modernidade e da educação ambiental, o que torna mais agradável e instigador o processo de ensino e aprendizagem. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDERSON, B. Comunidades imaginadas. Lisboa: Edições 70, BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 11ª ed CERULO, K. A. Sociopolitical Control and the Structure of National Symbols: An Empirical Analysis of National Anthems. Social Forces, v. 68 (1), p.76-99, Symbols and the World System: National Anthems and Flags. Sociological Forum, v. 8 (2), p , DORLING KINDERSLEY. Complete Flags of the world. London: Dorling Kindersley Limited, ESTÉVEZ. M. G. El amor a la patria y a la tribu: las retóricas de la memoria incómoda. Revista de Antropologia, São Paulo: USP, v. 47 (2), p ,

15 FIREFLY. Guide to the flags of the world. London: Firefly Books, 1 st ed HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 10ª ed HOBSBAWM, E. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, ; RANGER, T. (org). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 3ª ed KANASHIRO, M. Bandeiras e os símbolos da política. Comciência, 10 de junho de <http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao=11&id=80>, acesso em 21 de junho de OTERO, E. A origem dos nomes dos países. São Paulo: Panda Books, 1ª ed RIBEIRO, O. Paisagens, regiões e organização do espaço. Finisterra, Lisboa: v. 36 (72), p , TUAN, Y. F. Geografia Humanística. In: CHRISTOFOLETTI, A. (org). Perspectivas da Geografia. São Paulo: Difel, ZNAMIEROWSKI, A. The world encyclopedia of the flags. London: Lorenz Books, Tiago José Berg 15

A PESQUISA VEXILOLÓGICA NA ERA DA DIGITALIZAÇÃO

A PESQUISA VEXILOLÓGICA NA ERA DA DIGITALIZAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP IGCE CAMPUS DE RIO CLARO A PESQUISA VEXILOLÓGICA NA ERA DA DIGITALIZAÇÃO Tiago José Berg Doutorando em Geografia pela UNESP de Rio Claro Membro

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

Os Símbolos Nacionais

Os Símbolos Nacionais Os Símbolos Nacionais Falar das origens das bandeiras, dos hinos, dos brasões de armas e dos selos não é tarefa fácil uma vez que o homem sempre tentou registrar seu dia a dia, seus feitos, sua passagem

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Florianópolis. b) a data em que cada imagem foi produzida:, e

Florianópolis. b) a data em que cada imagem foi produzida:, e PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= A PAISAGEM E AS

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Prof. Janderson Barros

Prof. Janderson Barros TEMA 1 Prof. Janderson Barros Aspectos Gerais da Oceania. Definição de Oceania Continente insular composto por um conjunto de ilhas; Conhecida como Novíssimo Mundo devido sua descoberta nas décadas finais

Leia mais

RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO GEOGRAFIA 9 o ANO

RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO GEOGRAFIA 9 o ANO RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO GEOGRAFIA 9 o ANO Unidade 7 1. (V) a maior parte do relevo africano é formada de planaltos elevados, sem variações significativas em seu modelado. (F) por ter formações

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

9º ano do Ensino Fundamental. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia

9º ano do Ensino Fundamental. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 9º ano do Ensino Fundamental Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 9º ano do Ensino Fundamental Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Orientações para estudos de recuperação Data da AE

Leia mais

BANDEIRA NACIONAL. Clique para avançar. Ria Slides

BANDEIRA NACIONAL. Clique para avançar. Ria Slides BANDEIRA NACIONAL Clique para avançar A Bandeira Nacional é um dos Símbolos Nacionais, assim como o são o Hino Nacional, as Armas Nacionais e o Selo Nacional. É o Símbolo da nossa Pátria. O Símbolo do

Leia mais

Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho

Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho Regionalização DO ESPAÇO MUNDIAL Unidade 1 Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho Neste capítulo vamos estudar uma forma de regionalizar o mundo fundamentada, principalmente, em fatores físicos ou naturais:

Leia mais

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006 PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Observe os

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE. Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015

A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE. Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015 A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015 Fragmentação política Sub regiões Ístmica Insular Composição étnica: Euroameríndios Indígenas Afrodescendentes AMÉRICA CENTRAL

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho Instituto de Geociências e Ciências Exatas Campus de Rio Claro

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho Instituto de Geociências e Ciências Exatas Campus de Rio Claro UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho Instituto de Geociências e Ciências Exatas Campus de Rio Claro TIAGO JOSÉ BERG TERRITÓRIO, CULTURA E REGIONALISMO: ASPECTOS GEOGRÁFICOS EM SÍMBOLOS

Leia mais

O Brasão e a Bandeira Nacional da Polônia

O Brasão e a Bandeira Nacional da Polônia O Brasão e a Bandeira Nacional da Polônia O BRASÃO O brasão da República da Polônia é representado por uma águia branca coroada, com as asas abertas, sobre fundo vermelho. Oficialmente é a Águia branca

Leia mais

Geografia e pensamento contra-intuitivo

Geografia e pensamento contra-intuitivo CONFERÊNCIAS CULTURGEST Geografia e pensamento contra-intuitivo 2. Decifrar: a Europa em transfiguração João Ferrão Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa 13 de Março de 2012 A Europa, muitas

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

ENSINO MÉDIO. Data :23/05/2012 Etapa: 1ª Professor: MARCIA C. Nome do (a) aluno (a): Ano:1 º Turma: FG Nº

ENSINO MÉDIO. Data :23/05/2012 Etapa: 1ª Professor: MARCIA C. Nome do (a) aluno (a): Ano:1 º Turma: FG Nº Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

Geografia/15 8º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / PROJETOS-SÍNTESE PARA RECUPERAÇÃO FINAL 2015. Geografia

Geografia/15 8º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / PROJETOS-SÍNTESE PARA RECUPERAÇÃO FINAL 2015. Geografia Geografia/15 8º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 8ºgeo303r PROJETOS-SÍNTESE PARA RECUPERAÇÃO FINAL 2015 Geografia 3º TRIMESTRE EUROPA: Aspectos econômicos, Bloco econômico, Aspectos físicos e População

Leia mais

Concurso Logotipo do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet. Segue, o Logotipo colorido, preto e branco e uma breve explicação de cada um.

Concurso Logotipo do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet. Segue, o Logotipo colorido, preto e branco e uma breve explicação de cada um. Concurso Logotipo do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet Prezados, Segue, o Logotipo colorido, preto e branco e uma breve explicação de cada um. LOGOTIPO - 01 DESCRIÇÃO: Com apelo visual forte,

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

2. A A FO F R O M R AÇ A ÃO Ã

2. A A FO F R O M R AÇ A ÃO Ã 2. A FORMAÇÃO TERRITORIAL DO BRASIL 2.3 A cartografia e a definição das fronteiras no Brasil. 2.2 Os grandes eixos de ocupação do território e a cronologia do processo de formação territorial. 1 GPS: Global

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Kennan, Mackinder e Huntington: as Estratégias de Contenção ao Serviço do Poder Ocidental

Kennan, Mackinder e Huntington: as Estratégias de Contenção ao Serviço do Poder Ocidental Kennan, Mackinder e Huntington: as Estratégias de Contenção ao Serviço do Poder Ocidental Higor Ferreira BRIGOLA e Edu Silvestre de ALBUQUERQUE Universidade Estadual de Ponta Grossa O presente trabalho

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

Bandeira de Portugal Significado, cores e história da bandeira portuguesa

Bandeira de Portugal Significado, cores e história da bandeira portuguesa UNIDADE: Viagem a Portugal / Portugal SITUAÇÃO DE USO Seleção de roteiro turístico. EXPETATIVAS DE APRENDIZAGEM - Selecionar informações; - Formular questões; - Utilizar o verbo representar ; - Produzir

Leia mais

Agora é só com você. Geografia - 131

Agora é só com você. Geografia - 131 Geografia - 131 3 Complete: O espaço da sala de aula é um domínio delimitado por um(a)..., que é sua fronteira. Ainda em grupo faça o seguinte: usando objetos como lápis, palitos, folhas e outros, delimite

Leia mais

Geografia Prof. Rose Rodrigues. Força Total módulo zero

Geografia Prof. Rose Rodrigues. Força Total módulo zero 1-(UNESP) Observe o mapa do Brasil. Geografia Prof. Rose Rodrigues Força Total módulo zero Faça o que se pede. a) Sabendo-se que o segmento AB possui 2 cm no mapa e equivale a 1112 km, qual a escala do

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada 1º ano Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada A origem da Terra; A origem dos continentes; A teoria da deriva dos continentes; A teoria das placas tectônicas; Tempo geológico; A estrutura

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

Capítulo 5 A Geografia da União Europeia

Capítulo 5 A Geografia da União Europeia Capítulo 5 A Geografia da União Europeia A Europa é um Continente? América Do Norte EUROPA Ásia OCEANO ÁRTICO América Central África OCEANO PACÍFICO América do Sul OCEANO ATLÂNTICO OCEANO ÍNDICO Oceania

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V.

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V. Aula 1 1. Atividades A palavra cartografia é relativamente nova, sendo utilizada pela primeira vez em 8 de dezembro de 1839. Seu uso aconteceu na carta escrita em Paris, enviada pelo português Visconde

Leia mais

OBJETIVOS CURRICULARES

OBJETIVOS CURRICULARES OFICINA DE PROJETOS Ciências Naturais 1 Construir noções sobre planeta a partir do planeta Terra; 2 Descrever a estrutura do planeta; 3 Conceituar a litosfera, destacando as rochas, os minérios e o solo

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

Encontrando o seu lugar na Terra

Encontrando o seu lugar na Terra Encontrando o seu lugar na Terra A UU L AL A Nesta aula vamos aprender que a Terra tem a forma de uma esfera, e que é possível indicar e localizar qualquer lugar em sua superfície utilizando suas coordenadas

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

AUTORAS: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORAS: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Geografia AUTORAS: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. ANA CONSUELO MARTINS LOPES OLIVEIRA Graduada

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

O Hino Nacional Hino nacional 19

O Hino Nacional Hino nacional 19 O Hino Nacional 19 ANTECEDENTES Se a Bandeira Nacional é um símbolo visível, o Hino Nacional constitui a exteriorização musical que proclama e simboliza a Nação. Só a partir do século XIX os povos da Europa

Leia mais

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central.

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 2) Considere a tabela para responder à questão: TAXA DE CRESCIMENTO URBANO (em %) África 4,3 Ásia 3,2 América Lat./Caribe

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

As fronteiras na atualidade. Allmaps

As fronteiras na atualidade. Allmaps As fronteiras na atualidade Allmaps Chateau de Chantilly, França Biblioteca Nacional, Paris, França O Surgimento dos estados nacionais Iniciou-se na Baixa Idade Média (a partir do século XV) Do século

Leia mais

E.E. Dr. João Thienne Geografia

E.E. Dr. João Thienne Geografia E.E. Dr. João Thienne Geografia INTRODUÇÃO O presente trabalho é sobre conflitos no Cáucaso, mais concretamente o caso da Chechênia. São objetivos deste trabalho adquirir conhecimentos sobre o assunto,

Leia mais

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO Para se orientar o homem teve de desenvolver sua capacidade de observação. Observando a natureza o homem percebeu que o Sol aparece todas as manhãs aproximadamente, num mesmo lado

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e

Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e distorcida. Para os membros da sociedade africana, eram objetos

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 Correntes marítimas Correntes marítimas Nas aulas anteriores aprendemos sobre a importância do Sol em nossas vidas. Revimos os movimentos da

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Assinale a alternativa que identifica, corretamente, as paisagens 1 e 2 destacadas no mapa.

Assinale a alternativa que identifica, corretamente, as paisagens 1 e 2 destacadas no mapa. GEOGRAFIA 31 a Observe o mapa. Assinale a alternativa que identifica, corretamente, as paisagens 1 e 2 destacadas no mapa. a) b) c) d) e) I Desértica: baixa umidade do ar; grande amplitude térmica; vegetação

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 9 GEOGRAFIA Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou à Unidade 1 do Livro do Aluno. Avaliação Geografia NOME: TURMA: escola: PROfessOR: DATA:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO Ano letivo 2013/2014 Manual de História e Geografia de Portugal do 5º Ano : «Saber

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 6 5 Unidade 6 Nome: Data: 1. Leia o texto e responda aos itens a seguir. A busca pelo ouro A causa pela qual os espanhóis destruíram tal infinidade de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010

PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROF. FERNANDO NOME N o 9 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Unidade 5 O Universo e seus astros

Unidade 5 O Universo e seus astros Sugestões de atividades Unidade 5 O Universo e seus astros 6 CIÊNCIAS 1 Céu e constelações A Constelação do Cruzeiro de Sul é representada na bandeira do Brasil e na bandeira de outros países, como Austrália,

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

As tochas Olímpicas e Paralímpicas

As tochas Olímpicas e Paralímpicas As tochas Olímpicas e Paralímpicas Aula 2 A tocha dos Jogos Rio 2016 Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos Nesta aula, você irá conhecer: 1 As principais características da tocha dos Jogos Rio 2016 2 O revezamento

Leia mais

Deriva Continental LITOSFERA

Deriva Continental LITOSFERA LITOSFERA Deriva Continental De acordo com determinadas teorias científicas, a crosta terrestre não é uma camada rochosa inteiriça, e sim, fragmentada. A primeira teoria a defender essa tese ficou conhecida

Leia mais

GEOGRAFIA BÁSICA. Características Gerais dos Continentes: África

GEOGRAFIA BÁSICA. Características Gerais dos Continentes: África GEOGRAFIA BÁSICA Características Gerais dos Continentes: África Atualmente temos seis continentes: África, América, Antártida, Europa, Ásia e Oceania. Alguns especialistas costumam dividir o planeta em

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

As Novas Migrações Internacionais

As Novas Migrações Internacionais As Novas Migrações Internacionais As novas migrações ganharam novas direções, as realizações partem de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos, e o novo modelo de migração internacional surge

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 9 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. Geografia 9 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação Geografia 9 o ano Unidade 7 Nome: Unidade 7 Data: 1. Sobre o relevo e a hidrografia da África, marque V (verdadeiro) ou F (falso) nas sentenças a seguir. ( ) a maior parte do relevo

Leia mais

OS ESPAÇOS SAGRADO E PROFANO E AS FORMAS PRIMITIVAS DE CLASSIFICAÇÃO Ensaio sobre o diálogo iniciático

OS ESPAÇOS SAGRADO E PROFANO E AS FORMAS PRIMITIVAS DE CLASSIFICAÇÃO Ensaio sobre o diálogo iniciático 1 OS ESPAÇOS SAGRADO E PROFANO E AS FORMAS PRIMITIVAS DE CLASSIFICAÇÃO Ensaio sobre o diálogo iniciático Rosangela Ferreira de Carvalho Borges* Resumo: Carvalho Borges compara os dados teóricos de dois

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

CURSO História. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

CURSO História. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2004/1 HISTÓRIA CURSO História Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. 2. 3. 4. Este caderno de prova contém dez questões, que deverão

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

Jornada dos Cursos de História, Geografia e Arquitetura: Espaço, História e Globalização

Jornada dos Cursos de História, Geografia e Arquitetura: Espaço, História e Globalização 28 Jornada dos Cursos de História, Geografia e Arquitetura: Espaço, História e Globalização TOPOFILIA E PRESERVAÇÃO TERRITORIAL: IDENTIDADE LOCAL E GLOBALIZAÇÃO Mariana Polidoro da Silva 1 Patrícia Adriana

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Guerras tribais ou conflitos étnicos?

Guerras tribais ou conflitos étnicos? Guerras tribais ou conflitos étnicos? O continente africano padece das conseqüências de um longo e interminável processo de exploração que espoliou a maior parte de suas nações, determinando, na maioria

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Professora Erlani. Apostila 4 Capítulo 1

Professora Erlani. Apostila 4 Capítulo 1 Apostila 4 Capítulo 1 Os EUA possuem vizinhos muito diferentes. Ao norte, o Canadá, a maior parte da população é de origem anglo saxônica. Ao sul, o México, país latino-americano, de colonização espanhola.

Leia mais