VIAGENS. O forte que estampa representa está sobraceiro à calçada que dá. para a praia, e hoje acha-se desguarnecido. Segundo se depreende

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIAGENS. O forte que estampa representa está sobraceiro à calçada que dá. para a praia, e hoje acha-se desguarnecido. Segundo se depreende"

Transcrição

1 VIAGENS Descrição de paisagens Ericeira O forte que estampa representa está sobraceiro à calçada que dá para a praia, e hoje acha-se desguarnecido. Segundo se depreende duma inscrição sobre a porta foi edificada por D. Pedro II em No chafariz chamado a Fonte do Cabo existe uma pedra embutida na parede com um emblema e legenda em caracteres góticos em relevo, que parece significar: «Feita na era de mil e quatrocentos e cinquenta e sete anos». Ainda existem restos do palácio do senhorio desta vila, o conde da Ericeira: Pela parte superior de algumas janelas vêem-se pedras com um leão esculpido. Estas paredes, a que o povo chama de Paço, são dignas de veneração por terem servido de residência, e quem sabe se de academia, ao nosso douto escritor D. Francisco de Meneses. Página 1 de 30

2 A meia légua ao nascente desta vila está aberta uma mina de barro branco no sítio chamado a Avesseira, que já tem sido explorada por conta das fábricas de louça das Janelas Verdes e Vista Alegre. Também por este mesmo sítio é situado o chamado Pinhal dos Frades, por ter pertencido ao Convento de Mafra. É uma importante propriedade nacional, assim pelo número como pela bondade e préstimo das árvores, que excedem em diâmetro e altura as de todos os outros pinhais circunvizinhos. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p.190. (Colaboração de Dário Nascimento e Diogo Bento, 12º A) VIAGENS Descrição de viagem de barco Viagem a Londres Subi à tolda para respirar a aragem livre. Entretanto o navio levantou ferro, e começou a mergulhar seus fortes e velocíssimos remos. O sonho dourado de toda a minha vida ia finalmente realizar-se! Cortando por grandes dificuldades e endurecendo o coração a impressões tão pungentes, eu empreendia, só e Página 2 de 30

3 desprotegido, uma viagem, cujo móvel principal era o amor puro, franco e desinteressado. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p.201. (Colaboração de Noémia Santos, professora de Português) Viagem a Londres Descrição de viagem de barco Evidentemente pelo tempo e pelo tombar compassado e violento do barco, navegámos em pleno oceano. O estrondo das águas quebrando-se no costado do navio, o ranger monótono do cavername, a bulha do vento e da máquina eram o pouco harmonioso acompanhamento que tive durante horas tristes de ansiedade. «Quem me manda a mim ser tolo, disse eu comigo e com os meus botões, para trocar pelos cómodos domésticos os dissabores ou os perigos de uma viagem? Por que não faço eu como tantos outros, que só de si curam, dando ao Diabo tudo que os molesta?» Perdoe o benévolo leitor este desabafo de egoísmo, que tinha suficiente desculpa no meu aflitivo estado. A imaginação representando-me a perspectiva de 5 dias assim Página 3 de 30

4 ou pior passados, tornava-me mais medonho o meu sofrimento. Felizmente, ao cabo de bastantes experiências, pude encontrar posição, se não cómoda, pelo menos suportável. Habituei-me ao seco balouço do meu novo berço, e fiz por aplacar a insurreição do meu estômago, que se ia tornando permanente. Para esse fim apurei a língua, e pedi ao nosso steward um pouco de chá verde. Em boa hora apareceu a chávena de green-tea trazida pelo diligente e caritativo criado. Foi, sendo suponho, recebida com especial agrado, porque sobre ela deixeime ligeiramente adormentar. Ao cair da tarde desse dia interminável consegui tomar um caldo, uma laranja, e um copo de vinho do Porto. Este frugal jantar, variado pelo chá e biscoito, ao almoço e merenda, repetiu-se todos os dias que passei embarcado, isto é, deitado. No leito superior ia um jovem e esgrouviado inglês que, segundo lhe pude tirar do bucho, era empregado na diplomacia. O meu sossegado companheiro era, com efeito, de uma reserva exemplar. Creio que durante a passagem não gastou nem me fez gastar uma dúzia de frases. Somente de horas em que quando dirigia algum monossílabo ao steward, que chamava em tom doce, sonoro, e, se é lícito dizê-lo, distintamente aristocrático Antes do jantar, de que eu não Página 4 de 30

5 partilhava senão o ingrato cheiro, vi suspensas e como caídas do tecto as longas e esguias pernas, coroadas pelo descarado tronco do silêncio attaché que passou a compor o seu vestuário, quase tão esperadamente como se fosse para um baile de corte. Invejei-lhe o sossego com que fazia estes preparativos. À hora do costume veio o criado apagar a frouxa lamparina e fechar a porta do beliche. Cessou o ruído do perpassar da gente. Somente de quando em quando, a campainha estridente do relógio e as vozes confusas do quarto quebravam o silêncio da noite. Enquanto os outros dormiam, velava eu, devorando o tempo com a impaciência do que não está bem. Sobre a madrugada pude também descansar um pouco. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, pp Dário Nascimento e Diogo Bento, 12º A VIAGENS Descrição de viagem de barco Viagem a Londres No dia seguinte, pela tarde, entrámos a segura e profunda baía de Vigo. Não careci de aviso. A progressiva serenidade com que o barco navegava era claro indício de que pairávamos sobre Página 5 de 30

6 águas mais quietas e bonançosas. Levantei-me logo, e escrevi a minha mãe. Vim depois gozar a vista da cidade, e observar o admirável porto que a Providência concedeu à Península para refúgio dos navegantes em suas tempestuosas costas. A cidade, que se assenta em anfiteatro no fundo do porto, tem um aspecto tristonho e miserável. O forte que a domina apresenta aos olhos do espectador a tosca frontaria de seus casebres e muros amarelados. A povoação é pequena. Não sobressaem nela, como devia esperarse, os estaleiros, nem as docas, nem os outros estabelecimentos de comércio. Avulta o castelo, imagem da guerra, e faltam os navios, imagem da paz! As montanhas que abrigam o porto do lado do norte, são altas, aprumadas e pitorescas. A ria alonga-se para o interior, e perde-se de vista em seu curso sinuoso por entre margens de selvática beleza. A duas léguas de distância banha-se em suas águas a vila de redondela, nomeada pelo número dos seus pescadores, e pela abundância dos seus vinhos. Enquanto permanecemos fundeados, atracava o barco um cardume de botes galegos, cujos marinheiros se distinguiam por camisolas vermelhos-escuras, e por seu peculiares barretes. Um Página 6 de 30

7 compatriota nosso, que se destinava a mais longa digressão, mas que não pôde pactuar com o enjoo, saltou em terra. O mesmo faria eu, se dali aos Pirenéus houvesse um caminho-de-ferro! O vapor largou daí a pouco, e eu gozei de novo sobre a tolda a vista das escuras e verdejantes serras, que encaixam paralelamente, numa grande extensão, a barra mais segura de Espanha. Ao anoitecer passávamos o ilhéu de Baiona. O frio e a agitação recrescente do mar obrigaram-me dentro em pouco a entrar em quartéis de inverno. Deitei-me, e dessa vez por largo espaço, até defronte das costas de Inglaterra. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p Rafaela Bandeiras Santos, 12ºPTG Descrição de Londres A estação do caminho-de-ferro é edifício vasto e construído nesse inimitável gosto da moderna arquitectura inglesa, em que a simplicidade se encontra quase sempre reunida à elegância. Era domingo e, segundo o costume do país, havia, por tal motivo, Página 7 de 30

8 menor número de carreiras. O trem estava a partir. Um guarda tomou a minha bagagem apressadamente e indicou-me, na longa fila de carros e carruagens, o waggon* para o qual devia subir. O trem posava sobre um alto e espaçoso telheiro, e dali a pouco entrou de andar com tal lentidão e suavidade, que me parecia ser puxado por cavalos. Mas não tardou que o silvo agudo da locomotiva e uma para mim extraordinária, mas mui agradável velocidade, me advertissem a que eu era transportado pelo vapor, o gigante do século XIX. O espaço desaparecido diante dos meus olhos maravilhados! Ao perto as pequenas cottages* dos cultivadores, guarnecidas de vidraças, os seus quintalinhos verdejantes, os seus moradores grandes e pequenos, homens e mulheres, as lisas azinhagas das aldeias, orladas de árvores, os serpejantes riachos e canais, cortando o terreno em todas as direcções, os campos tão regular e cuidadosamente amanhados, como se fossem tabuleiros de horta, belos grupos de maciços bosques de árvores frondosas, como principalmente se encontram neste país, onde a sua cultura é esmerada, e o fértil solo e a constante humidade do clima favorecem a sua vegetação, tudo isto Página 8 de 30

9 figurava-se uma bela miniatura de paisagem Suiça. Ao longe, no extenso horizonte, elevavam-se os azulados outeiros, suaves ondulações do solo que lhe quebram a monotonia, sem lhe alterarem sensivelmente a planura. Aqui e ali, a maior ou menor distância do nosso voo rasteiro, avistavam-se as ricas povoações ostentando a massa considerável de seus edifícios e altas torres. Desta sorte passarem diante de nós, como em revolvente panorama, Winchester com a sua soberba catedral e antiga povoação; Basingstoke, Kingston e outros lugares menos importantes, com as suas asseadas e alegres estações. Ao nosso lado ficavam os altos e elegantes colunelos do telégrafo eléctrico sustentando oito ou dez fios condutores de suas notícias. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p Francisco Menezes Leal, nº12 10ºC Inês Fernandes Gomes nº13 10ºC Mariana Matias Zeferino nº19 10ºC Página 9 de 30

10 VIAGENS Descrição de Londres A cidade, aglomeração inextricável, infinita, imponente de soberbos palácios e de elevados coruchéus; o Tamisa revolvendo lá em baixo suas águas negras e túmidas, sulcadas por centenares de navios de todas as dimensões; as pontes monumentais, que a consideráveis distancias comunicam as duas margens; tudo isto constitui um quadrado por tal forma gigantesca, que a imaginação sacia-se, e a vista cansada sucumbe debaixo do peso de tanta grandeza. Ao menos assim me aconteceu a mim, pobre filho de uma pobre terra, ao contemplar a face da moderna babilónia. Tanto fausto, tanto apuro, tanto progresso ao passo que me interessavam como objectos de estudo, vertiam na alma o sentimento indefinível de tristeza e de pesar, porque me lembrava o meu país, hoje tão arrasado e empobrecido, também outrora empunhava o ceptro dos mares, e que posteriormente concorreu não pouco, pelo desmazelo e ignorância dos seus naturais, para a existência destes monumentos, cuja magnificência me humilhava. Pagamos e Página 10 de 30

11 enriquecemos os mestres. Justo era, que agora, ao menos, aproveitasse-mos das lições! Entretanto atravessei Trafalgar Square, majestosa praça ornada de soberbos edifícios e gloriosos monumentos, onde vem confluir as ruas de maior trânsito da imensa movediça capital. Dali a pouco achava-me no Oliveira s hotel, Golden Square, em casa de português, e em campainha de portugueses. Essa circunstancia proporcionou-se, não só simpática hospedagem, mas excelentes companheiros para algumas digressões, e aprazível e em ensejo de pensar e de falar muitas vezes a respeito de Portugal. Ali pude colher também muitas e úteis informações sobre as cousas do país em que acabava de entrar. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, pp Emanuel Gomes Nº10 10ºC Mário Nunes Nº20 10ºC Descrição de Londres O que é Londres Um passeio pelas ruas, praças e jardins Regent Street à noite As crianças em St. James O chapéu Pobre Irlanda! O gaiato Policia modelo Londres ao domingo. Página 11 de 30

12 Não tentarei a descrição de Londres. Sobre ser quadro vasto, impossível de acomodar-se nas breves notas de uma viagem, não me julgo habilitado para traça-lo; e todavia demorei-me ali cerca de dois meses, e vi muitas das principais cousas, que chamam a atenção do observador. Mas é que Londres resume a grandeza, a ciência, a industria, a riqueza, e o fausto da Inglaterra, e por isso carece de anos para conhecer no admirável desenvolvimento de suas instituições, de suas empresas, e suas obras gigantescas. Direi, pois, pouco e sobre poucas cousas, traduzindo com fidelidade as variadas impressões que elas me suscitaram. Londres divide-se naturalmente em três grandes bairros, a cidade velha, a cidade nova, e a cidade de além-rio. A cidade velha, ainda hoje denominada a city, é a parte quase exclusivamente comercial da povoação. Nela se encontram as docas, a alfândega, o banco, a moeda, o correio, e muitos dos principais armazéns. No seu centro campeia a majestosa Catedral de São Paulo, sobre a pequena eminência de Ludgate reid. À beira do Tamisa numa ligeira encosta está situada a antiga Torre de Londres. Este bairro tem uma fisionomia particular. As ruas são nele geralmente mais Página 12 de 30

13 estreitas, e os edifícios mais antiquados e irregulares. Sobretudo a concorrência de gente em algumas das suas ruas e veículos, e pasmosa e quase processional. Não é raro ter o viandante de esperar cinco ou dez minutos que se interrompa por um pouco a longa fila de ómnibus, carruagens, cabs, waggons e carros de mão, para atravessar de um lado para outro. A cidade nova se estende para o oeste, desde o Strand até Chelsea, Paddington e Regent s Park, é a parte elegante, grandiosa e aristocrática da povoação. Ali se vêem as mais belas ruas, os lindos squares, os soberbos edifícios, os vastíssimos passeios, e os numerosos teatros, museus e bazares. Trafalgar Square é o centro deste magnifico bairro onde vêm confluir as ruas mais frequentadas dele. A formosa Abadia de Westminter, o colossal palácio do Parlamento, o riquíssimo Museu Britânico, a formosa Regent Street, primeira rua do mundo, o vasto Colosseum, distinguem-se ali entre milhares de construções mais ou menos sumptuosas e originais. As classes ricas povoam em boa parte este grande bairro, e Eaton Square, Belgrave Square, Portman Square e Portland Place, são residências dignas de príncipes. Infinitos ómnibus e luzidas equipagens cruzam as ruas, Página 13 de 30

14 em cujo largos passeios a turba peã gira e espairece. As lojas ostentam em seus amplos e rasgados mostradores infinita variedade de valiosas mercadorias. Tudo o que a arte ou a natureza pode oferecer e mais belo ali se encontra; tudo que o luxo pode apetecer de mais caprichoso ali se satisfaz. Money é a varinha mágica que tudo alcança. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, pp Ana Catarina Gonçalves nº2, 10ªC Ana Rita Gomes nº4, 10ªC VIAGENS Descrição de Londres A cidade de além rio, denominada Southwark, que se estende desde Lambeth até Surrey e Deptford, é a parte, a bem dizer, fabril da povoação. Além de vastos armazéns e estaleiros, predominam ali as fábricas de diversos géneros, principalmente fundições de ferro, saboarias e gasómetros. A grande quantidade de chaminés, altas e esguias, como mineretes de mesquita oriental, espalham na atmosfera nuvens de fundo de carvão, cujos vestígios enegrecem as paredes dos muros e oficinas, este barro possui,todavia, algumas ruas espaçosas, como Borough e Westminster Road, Página 14 de 30

15 principalmente habitadas por mercadores e lojistas. As concorridas estações dos caminhos de ferro do Sul e Leste, que por Folkston e Shouthampton comunicam a Inglaterra com a França e o oceano, acham se ali estabelecidas. Ainda que ligada á margem do Norte por pontes, esta parte da cidade apresenta, em geral, um notável contraste de inferioridade, pelo que respeita ao movimento, ás construções e ao asseio. Tais são as divisões naturais da opulenta capital das dez mil ruas,travessas, becos e pátios, das oitenta praças de todos os tamanhos, e das cento e setenta mil casas! NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p.288. Maryline nº21, 10ºC Mafalda nº17, 10º C VIAGENS Descrição de Londres O domingo em Londres é duma sensaboria proverbial. As lojas fechadas, as ruas desertas, os repiques dos sinos, as igrejas cheias de devotos, as tabernas atulhadas de fregueses. O honesto cidadão encaixa-se em casa ou vai espairecer ao campo. A tafula Página 15 de 30

16 criada de servir sai a passeio, e só de noite regressa à casa de seus amos. Os passeios são também concorridos ao domingo. Todavia nunca descobri neles, nem noutra alguma parte, o tipo puro e extremo do peralvilho, como avulta em Lisboa, e como depois o fui observar em Paris. Os ingleses têm o admirável bom gosto de não serem janotas. São muito livres em seus movimentos para se sujeitarem ao empertigado molde de um espartilho, e bastantemente judiciosos para perderem o tempo por cavacos e soalheiros em escandalosa ociosidade. Contentam-se da modesta honra de apresentarem o seu pais cortado de caminhos-de-ferro, coalhado de fábrica, primorosamente cultivado, e abundantemente cheio de tudo quanto há rico ou curioso útil ou agradável a vida. E por isto lhes não quero eu mal. Assim o seu Governo não procurasse engrandecer-se, como o tem feito, a custa e com o suor e o sangue dos povos pequenos, francos e atrasados! NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p.292. Bruno Daniel Ferreira Rodrigues, 12º PTG Joana Dias,12ºPTG, nº10 Página 16 de 30

17 VIAGENS Descrição de Londres O Instituto Politécnico oferece algumas horas de instrutiva recreação. O salão central tem um vasto tanque, onde se fazem as experiencias do sino mergulhador. Os curiosos pagam por esse divertimento mais um shilling adicional. Na noite em que ali fui, vi sair dentro dele, como pintos de sob as asas da galinha, três homens e duas senhoras. Não me pareceu que ficassem com vontade de repetir o ensaio. Depois meteu-se debaixo de agua, e nela, esteve, durante alguns minutos, um búzio, vestido com fato impermeável, e coberto superiormente por um forte capacete, do qual saía um tubo condutor do ar. O robusto inglês, quando se viu livre das suas calças pardas, suava como um touro. É inumerável a quantidade de desenhos, de modelos e de pequenas maquinas, que ali se observam. Algumas delas, as de vapor por exemplo, estão em movimento. Advertidos por um ligeiro toque de sineta os concorrentes vão assistir á prelecção de ciência aplicada ás artes e aos usos da vida. Estas prelecções todas práticas, experimentais e expostas num estilo simples e ás vezes jocoso, costumam ser feitas Página 17 de 30

18 por homens de bastante crédito científico, cujo o nome se anuncia previamente. Durante meia hora ouvi discorrer sobre pneumática com aquela abundante facilidade dos oradores ingleses, que é o apanágio dos aproveitadores do tempo por excelência, e o tormento dos que, como eu, lhes não podem seguir o fio. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p.295. Cláudia Macedo, 12º PTG VIAGENS Descrição de Londres O Panorama de Londres e o Terremoto de Lisboa atraem há muitos anos visitadores ao Colesseum. Fui lá uma noite. Subindo a aristocrática Portland Place e tomando à direita no Park Crescent, encontra-se a poucos passos a extremidade de Albany Street, solitária e larga rua, por onde se entra para a magnífica exposição de vistas do Colesseum. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p º PTG Página 18 de 30

19 VIAGENS Descrição de Londres - Espectáculos Os esplêndidos Willis Rooms em King Street, onde se dão os célebres bailes de Almaks, oferecem repetidas vezes concertos e jantares públicos. Fui convidado a assistir a um concerto diurno em que tocaram piano, harpa e rabeca alguns artistas distintos, cujos nomes infelizmente me passaram da memória, acrescendo a esta circunstância haver-se-me extraviado nítido programa, que lá se distribuía. A reunião era numerosa e escolhida. A mais religiosa atenção foi prestada aos diversos artistas. O grande salão era guarnecido de belas colunas, de trabalhosos relevos de estuque, e de profusos doirados. Enormes e magníficos espelhos decoravam o salão de imediato. Tudo conduzia, tudo respirava grandeza e elegância nesta noble mansion, que me deu ideia de que são célebres clubs de pall mall, soberbos palácios, construídos pelos primeiros arquitectos, onde os subscritores gozam, a certos respeitos, um serviço de príncipes. A associação, como e onde quer que a apliquem, produz sempre maravilhas. Página 19 de 30

20 NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p.304. (Colaboração de Isabel Santos, professora de Inglês) VIAGENS Descrição de Londres Os clubes são uma das instituições mais originais e admiráveis da opuleta e engenhosa Inglaterra. Quem passar por diante do Athenaeum Club House ou do Reform Club e observar simplesmente os vestíbulos destes edifícios, cuidará que eles alojam reis ou imperadores. Pois nada disto assim é. Estes palácios não chegam mesmo a pertencer a qualquer membro poderoso da aristocracia britânica. Pertencem a vários homens, muitos deles medianamente ricos, mas superiormente ilustrados, que se associaram para gozarem em comum as comodidades, os prazeres e o luxo, que individualmente excediam as suas forças. Há clubes para as diferentes classes sociais, mas especialmente para as superiores. Há-os, também, pelo menos em nome, para membros de certas parcialidades políticas. A admissão dos sócios é feita por Página 20 de 30

21 votação de esferas. Paga-se jóia de entrada e uma subscrição anual destinada a suprir as despesas ordinárias do serviço. As comidas e bebidas são pagas simplesmente pelo preço de custo. Mr.Walker descreve assim as vantagens destas associações: «Uma das maiores e mais importantes mudanças modernas é o actual sistema dos clubes. As facilidades da vida foram por eles, a muitos respeitos, maravilhosamente aumentadas, entretanto que a despesa diminuiu consideravelmente. A custo de poucas libras por ano gozam-se vantagens que só grandes fortunas poderiam possuir. Vou explicar isto mais claramente por um exemplo particular. O único clube a que pertenço é o do Athaenum, o qual consta de mil e duzentos membros, entre os quais, em cada classe civil, militar e eclesiástica, pares espirituais e temporais (noventa e cinco nobres e doze bispos), membros da Câmara dos Comuns, homens das profissões científicas, assim os ligados À ciência, às artes e, nos seus principais ramos, como os destinos que não pertencem a uma determinada classe. Muitos deles encontram-se todos os dias, vivendo com a mesma liberdade, que teriam em suas próprias casas. Por seis guinéus anuais cada sócio tem às suas Página 21 de 30

22 ordens uma excelente livraria, mapas, jornais ingleses e estrangeiros, as principais publicações periódicas, e o necessário para escrever, com suprimento de tudo o que precise. A casa é uma espécie de palácio, e é regida com o mesmo cuidado e conforto, como uma habitação particular. Cada sócio +e um dono, mas sem nenhum dos cuidados do dono. Pode vir quando quiser, e estar ausente o tempo que lhe agradar, sem que as cousas corram mal. Tem às suas ordens criados atenciosos, sem ter de lhes pagar ou de os dirigir. Pode ter qualquer comida ou bebida que deseje, a toda a hora, e servir-se delas com o asseio e conforto da sua própria casa. Manda justamente o que lhe convém, sem ter de pensar senão em si. Numa palavra é impossível supor um grau maior de liberdade no viver. Os clubes, tanto quanto a minha experiência o mostra, são favoráveis à economia do tempo. Há um lugar fixo, onde se chegue; tudo é servido com a maior expedição, e não é ordinário ter grande demora à mesa. São, também, favoráveis à temperança. Parece que, quando a gente pode regalar-se à sua vontade, e quando tem oportunidade de viver parcamente raras vezes se cai em excessos. Página 22 de 30

23 NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, pp Joana Bárbara Severiano, 12º PTG VIAGENS A sociedade inglesa O espírito filantrópico dos Ingleses e o seu génio eminentemente empreendedor suprem, até onde é possível, os monstruosos defeitos da sua organização social. Sem as inúmeras instituições, que a caridade e a associação têm levantado naquele país para amparo das classes pobres e laboriosas, a sorte delas seria cem vezes mais lamentável do que é. As variadas misérias do pobre encontram ali quase sempre o seu lenitivo. Além das utilíssimas Work-houses há hospícios particulares para certas e determinadas doenças; há dispensary, boticas gratuitas em que se dão os remédios; há consultórios também gratuitos; há asilos para órfãos; há-os para mulheres grávidas e para convalescentes. Há, também, sociedades particulares consagradas a prevenir os vícios, os desmazelos e as doenças do povo. A soma que elas despendem anualmente só em dinheiro de donativos voluntários, sem contar os Página 23 de 30

24 serviços pessoais, passa de 50 milhões de libras. Há, igualmente, sociedades destinadas a propagar a instrução popular, a proteger as mulheres, a educar os órfãos e a moralizar as classes viciosas. Há, finalmente, estabelecimentos económicos, em que o pobre encontra, por um preço módico, alojamento, comida, lavadouro, banhos, livros e asilo para si e para os seus filhos durante as horas de trabalho. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p.311. Renato Filipe Félix Oliveira VIAGENS Descrição de Londres Londres e o Tamisa, vistos de grande altura sobre o pavimento de Charing Cross Bridge*, são com efeito um quadro arrebatador. Olhando por esse rio abaixo, vêem-se a distâncias descomunais diversas pontes de variada e magnifica arquitectura. A cidade, estendendo-se por um e outro lado, fecha o horizonte com a mole imensa e seus edifícios. Não parece somente um cidade a que o espectador tem diante dos olhos, mas sim o acampamento de Página 24 de 30

25 uma grande nação, em que as barracas são templos e palácios. Na terra em que tudo é majestoso até as águas dos seus rios encobrem maravilhas, que a não estarem patentes pareceriam contos fantásticos. Costeando a margem esquerda do Tamisa, e descendo as estreitas e húmidas ruas de St. Catherine e Wapping, chega-se a um casebre de mesquinha aparência, por onde se desce ao famoso tunnel de Londres. Á porta paga-se penny. A escala é de uma profundidade considerável, mas espaçosa e clara. Os muros interiores são decorados com algumas pinturas a fresco, representado paisagens. *Ponte de Charing Cross NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo II, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, pp Liliana Firmino, 12º PTG Página 25 de 30

26 CIÊNCIA, TECNOLOGIA E PROGRESSO SOCIAL Evidentemente o espírito humanitário do século XIX alarga, de dia para dia, o horizonte de suas aspirações. Auxiliado pela ciência e pela riqueza ele encurta as distâncias, liga os continentes, aproxima os povos, destrói as barreiras e convida os produtores de todos os países a um certame nobilíssimo de aperfeiçoamento e de esforço. Os caminhos de ferro, as carreiras de vapores, os telégrafos eléctricos, as ligas de alfândegas, as exposições de indústria, os congressos da paz são os meios, materiais e morais, que a filosofia do nosso tempo emprega para aproximar a tão desejada, tão necessária e ainda tão distante harmonia universal. De todos esses meios, porém, todos eficazes e convergentes ao mesmo fim, um dos mais engenhosos e interessantes é o das exposições em grande e larga escala. Os governos e os indivíduos dos diversos países têm um igual interesse em que a sua indústria seja aí dignamente representada. Os governos lucram porque a apresentação de um produto natural ou artificial, consideravelmente Página 26 de 30

27 distinto, vai muitas vezes desenvolver uma indústria amortecida e, por consequência, aumentar a matéria tributável. Os indivíduos lucram, porque essa apresentação os acredita como produtores ou exploradores, e os enobrece com os prémios do júri eminentemente respeitável. Os próprios expositores não premiados lucram, porque ficam habilitados, talvez, a concorrer com mais fortuna em outra ocasião. Sobretudo lucram, e muito, os produtores dos países mais atrasados, se podem examinar os bons, os melhores exemplares da sua especialidade para, em seus trabalhos ulteriores, se aproximarem deles, e até para os igualarem ou excederem, se tão alto lhe fosse dado subir. Os indivíduos que por interesse particular ou por mera curiosidade concorrem a estas exposições, lucram também, vendo milhares de coisas, de que pouca ou nenhuma ideia faziam. Voltando aos seus lares eles são naturalmente os promotores dos melhoramentos, que os impressionam. Assim progride a civilização. Os inventores contam-se um a um. Os imitadores podem aparecer aos milhares. NOGUEIRA, José Félix Henriques, Obra Completa, tomo III, organizada por António Carlos Leal da Silva, 1979, p.76. Página 27 de 30 José Rodrigo, 12ªA, Nº17

28 CIÊNCIA, TECNOLOGIA E PROGRESSO SOCIAL Exposição de Paris Estas reflexões foram-nos suscitadas pela próxima exposição de paris. O Governo nomeou uma comissão de homens de ciência, para estudar ali os progressos da indústria com aplicação ao nosso país. Procedendo deste modo, o Governo fez o que cumpria em assunto tão ponderoso. Os nomes dos comissários oferecem ao país sólidas garantias de que o seu exame será tão consciencioso como fecundo em proveitosas indicações. Providenciou também o Governo para que dez artistas de Lisboa e Porto fossem àquela exposição observar o que se pudesse convir ao aperfeiçoamento dos seus respectivos misteres. Foi uma resolução judiciosa. Os homens de ciência encaram ordinariamente as questões em grande, no seu ponto de vista mais geral, nas suas aplicações, nos seus resultados, na sua influência sobre a economia social. Os homens de pratica atendem particularmente aos detalhes, às minuciosidades, a tudo o que pela Página 28 de 30

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

serendipity (serendipismo) que significa fazer, acidentalmente, descobertas felizes e inesperadas. É

serendipity (serendipismo) que significa fazer, acidentalmente, descobertas felizes e inesperadas. É Introdução Londres, com uma população de mais de 8 milhões de habitantes, é uma das maiores cidades da Europa. E como as grandes cidades com história milenar, embora tenha se desenvolvido muito no decorrer

Leia mais

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache CAPÍTULO I Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache Aos dezessete dias do mês de junho de 1527 partiu do porto de San Lúcar de Barrameda 1 o governador Pánfilo de Narváez, 2 com poder e mandato de Vossa

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Prova Escrita de Português Língua Não Materna

Prova Escrita de Português Língua Não Materna EXAME NACIONAL DO ENSINO BÁSICO e do ensino secundário Prova 28 1.ª Chamada / 739 1.ª Fase / 2011 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro, e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março A PREENCHER PELO ESTUDANTE

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

VIAGEM A ESPANHA. Salamanca, Segóvia, Ávila e Toledo

VIAGEM A ESPANHA. Salamanca, Segóvia, Ávila e Toledo VIAGEM A ESPANHA Salamanca, Segóvia, Ávila e Toledo 02 a 06 de Outubro de 2012 Espanha é o segundo país do mundo com maior número de lugares declarados Património da Humanidade pela UNESCO. A lista inclui

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

PORTUGAL PROGRAMA I Co-financiamento Co-financiamento www.rdtours.com

PORTUGAL PROGRAMA I Co-financiamento Co-financiamento www.rdtours.com Co-financiamento DIA 1 - LISBOA Chegada ao Aeroporto de Lisboa e translado para o hotel. Tempo livre para os primeiros contatos com esta maravilhosa Capital Europeia, conhecida pela sua luminosidade única

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

Informações e instruções para os candidatos

Informações e instruções para os candidatos A preencher pelo candidato: Nome: N.º de inscrição: Documento de identificação: N.º: Local de realização da prova: A preencher pelo avaliador: Classificação final: Ass: Informações e instruções para os

Leia mais

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5 1 Lc 5 AGUAS PROFUNDAS 1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim 17% não 83% 2. O que achou da transformação do Largo de Pinheiros? Diferente, muito

Leia mais

Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz

Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz Viagem de lançamento do veleiro WEST - 6-9 junho 2015 Projeto A ponte entre a escola e a Ciência Azul Ricardo Estevens, ES 2/3 Anselmo de Andrade,

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira Aluno: Camila Aparecida Pinto Serie: 7º ano A política brasileira Na política brasileira, existe uma grande chaga aberta e crescente já se tornou grande praga. Doença maldita, domina e contamina a toda

Leia mais

LIÇÃO 2 Esteja Preparado

LIÇÃO 2 Esteja Preparado LIÇÃO 2 Esteja Preparado Lembra-se do dia em que começou a aprender a ler? Foi muito difícil, não foi? No princípio não sabemos nada sobre leitura. Depois ensinaramlhe a ler as primeiras letras do alfabeto.

Leia mais

ALSÁCIA E FLORESTA NEGRA

ALSÁCIA E FLORESTA NEGRA ALSÁCIA E FLORESTA NEGRA STRASBOURG * COLMAR * FREIBURG * TITISEE Luxembourg * Baden-Baden * Heidelberg 7 Dias / 6 Noites 1º DIA LISBOA / LUXEMBOURG Comparência no Aeroporto da Portela. Formalidades e

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

Viagem a Dornes e Sertã

Viagem a Dornes e Sertã Viagem a Dornes e Sertã (19 e 20 de Março de 2011) Por: RuckFules 1 No fim de semana, aproveitando os belos dias de Sol com que a chegada da Primavera nos presenteou, decidi dar uma volta pelo interior,

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

!!!!! Castelo neuschwanstein/neuschwanenstein em Fussen. host family que recebeu minha irmã em 2010/2011 em Augsburg

!!!!! Castelo neuschwanstein/neuschwanenstein em Fussen. host family que recebeu minha irmã em 2010/2011 em Augsburg Alemanha Eu cheguei na Alemanha no dia 14 de Agosto de 2014, e desde então moro em Potsdam, a capital de Brandeburgo e 30 minutos de Berlim A minha host family me buscou no aeroporto e desde o primeiro

Leia mais

Festas em honra da Nossa Senhora da Piedade Póvoa de Sta. Iria. Procissão fluvial nocturna - Barcos Avieiros benzidos no Tejo

Festas em honra da Nossa Senhora da Piedade Póvoa de Sta. Iria. Procissão fluvial nocturna - Barcos Avieiros benzidos no Tejo FOLHA INFORMATIVA Nº 23-2010 Festas em honra da Nossa Senhora da Piedade Póvoa de Sta. Iria Procissão fluvial nocturna - Barcos Avieiros benzidos no Tejo No dia 4 de Setembro de 2010, às 22 horas, realizou-se

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

duração: duas horas e meia

duração: duas horas e meia Atividades Caminhada para Caraíva duração: duas horas e meia Caraíva fica a 9 quilômetros de distância da Pousada, pela praia. São aproximadamente duas horas e meia de caminhada andando na areia, entre

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Aese Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Quando o Fórum para a Competitividade me convidou para esta intervenção, na qualidade de empresário, já se sabia que não haveria Orçamento de Estado

Leia mais

FOTO-AVENTURA. Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA

FOTO-AVENTURA. Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA Nova Zelândia CADA QUILÓMETRO É UMA POTENCIAL FOTOGRAFIA IR AO OUTRO LADO DO MUNDO APENAS PARA FOTOGRAFAR NÃO É PARA QUALQUER

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Tyll, o mestre das artes

Tyll, o mestre das artes Nome: Ensino: F undamental 5 o ano urma: T ata: D 10/8/09 Língua Por ortuguesa Tyll, o mestre das artes Tyll era um herói malandro que viajava pela antiga Alemanha inventando golpes para ganhar dinheiro

Leia mais

Nós temos muitas aves e outros animais. Hà alguns meses atrás, eu vi uma irara próximo à nossa fazenda. Era bem cedo pela manhã e eu fui até a

Nós temos muitas aves e outros animais. Hà alguns meses atrás, eu vi uma irara próximo à nossa fazenda. Era bem cedo pela manhã e eu fui até a Olá, eu sou Alex. Na verdade, meu nome é Tito Alexander, mas todos me chamam de Alex. Eu vivo em São Miguelito, nas montanhas do oeste de El Salvador, próximo do Parque Nacional O Impossível. O parque

Leia mais

Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima. A Boneca da Imaginação. Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE

Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima. A Boneca da Imaginação. Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima A Boneca da Imaginação Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima Capa e pesquisa de imagens Amanda P. F. Lima A Boneca

Leia mais

RICHTER 8.2 A FÚRIA DA NATUREZA

RICHTER 8.2 A FÚRIA DA NATUREZA JOSÉ ARAÚJO RICHTER 8.2 1 RICHTER 8.2 2 JOSÉ ARAÚJO RICHTER 8.2 FURIA DA NATUREZA 3 RICHTER 8.2 Copyright 2008 José Araújo Título: Richter 8.2 Fúria da Natureza Edição: José Araújo Revisão: José Araújo

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO

A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO ÁREA ESCOLA HISTÓRIA 1992/1993 MEMÓRIAS DOS ALUNOS E PROFESSORES DO 7º ANO QUE ESTIVERAM ENVOLVIDOS NO PROJECTO A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO INDICE 1 PROJECTO 2 TEXTO MOTIVAÇÃO 3 SOCIEDADES RECOLECTORAS

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br Sobre a digitalização desta obra: Esta obra foi digitalizada para proporcionar de maneira totalmente gratuita o benefício de sua leitura àqueles que não podem comprá-la ou àqueles que necessitam de meios

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Prova Escrita de Português Língua Não Materna

Prova Escrita de Português Língua Não Materna EXAME NACIONAL DO ENSINO BÁSICO E DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova 28 739 /1.ª Chamada 1.ª Fase / 2008 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março A PREENCHER PELO ESTUDANTE

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

Casa Templária, 9 de novembro de 2011.

Casa Templária, 9 de novembro de 2011. Casa Templária, 9 de novembro de 2011. Mais uma vez estava observando os passarinhos e todos os animais que estão ao redor da Servidora. Aqui onde estou agora é a montanha, não poderia ser outro lugar.

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

Morar no exterior relato de uma imigrante

Morar no exterior relato de uma imigrante Morar no exterior relato de uma imigrante Ms. Josiane Vill - UFSC josivill@hotmail.com A opção de morar no exterior... Morar no exterior nunca esteve presente nos meus objetivos de vida, nem mesmo em meus

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

João e o pé de feijão ESCOLOVAR

João e o pé de feijão ESCOLOVAR João e o pé de feijão ESCOLOVAR Era uma vez um rapaz chamado João que vivia com a sua mãe numa casa muito modesta. A mãe era desempregada e só tinha uma pequena horta onde cultivava todo o tipo de legumes.

Leia mais

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA C. S. LEWIS O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA ILUSTRAÇÕES DE PAULINE BAYNES Martins Fontes São Paulo 1997 CAPÍTULO I Uma estranha descoberta ERA uma vez duas meninas e dois meninos: Susana, Lúcia,

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

Índice. Orientação Vocacional e Coaching

Índice. Orientação Vocacional e Coaching Índice Responsabilidade... 1 Relacionamentos... 1 Definir objetivos... 2 Áreas da Vida... 3 Objetivos... 4 Prazos... 4 Estratégias... 4 Acreditar... 5 Visualização... 5 Visualização dos Objetivos... 5

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Mensagem Pr. Mário. Culto da Família Domingo 06 de abril de 2014

Mensagem Pr. Mário. Culto da Família Domingo 06 de abril de 2014 Mensagem Pr. Mário Culto da Família Domingo 06 de abril de 2014 VOCÊ RECONHECE ESTES SÍMBOLOS? E ESTES SÍMBOLOS? E ESTES? A BÍBLIA TAMBÉM TEM SEUS SÍMBOLOS ANTIGO TESTAMENTO NOVO TESTAMENTO AO LONGO DA

Leia mais

PASSEIO NO BOSQUE. Página 1 de 8-10/04/2015-11:18

PASSEIO NO BOSQUE. Página 1 de 8-10/04/2015-11:18 PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA E GEOGRAFIA 3 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== PASSEIO NO BOSQUE

Leia mais

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Uma Cidade para Todos Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Colaboração Nuno Oliveira, coordenador do Serviço de Psicologia do 1º ciclo do Ensino Básico da EMEC - Empresa Municipal

Leia mais

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Igreja Matriz de Almodôvar A matriz é o monumento mais visitado do Concelho de Almodôvar e é dedicada a Santo Ildefonso, sendo que D. Dinis doou-a à Ordem de Santiago,

Leia mais

O, cara, vai te foder.

O, cara, vai te foder. 1 Eu morava num conjunto de casas populares na Carlton Way, perto da Western. Tinha cinqüenta e oito anos e ainda tentava ser escritor profissional e vencer na vida apenas com a máquina de escrever. Iniciara

Leia mais

Todo Portugal para Brasileiros

Todo Portugal para Brasileiros Todo Portugal para Brasileiros Operador: Europamundo Vacaciones Dias de Saída na Semana Moeda: Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom Dias Limite para Venda: 85 X Quantidade mínima de passageiros por data de saída:

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI Texto: Sal. 126:6 Durante o ano de 2014 falamos sobre a importância de semear, preparando para a colheita que viria neste novo ano de 2015. Muitos criaram grandes expectativas,

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

C I R C U I T O S 3 C A P I T A I S

C I R C U I T O S 3 C A P I T A I S CIRCUITOS 3 CAPITAIS Este é o convite para compreender as origens de Portugal e descobrir as suas principais cidades: Porto, património mundial, cuja história se mistura com a fundação de Portugal. Cidade

Leia mais

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se A VOZ DAS COISAS Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se Marta, naquela noite, a sós na cama. Há as línguas que as pessoas falam: francês, alemão, espanhol, chinês, italiano. Para indicar a mesma

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

BÉLGICA. As Feitorias Portuguesas na Flandres. Bruxelas * Brugges * Ghant * Antuérpia. Leuven * Maline * Aachen * Maastricht

BÉLGICA. As Feitorias Portuguesas na Flandres. Bruxelas * Brugges * Ghant * Antuérpia. Leuven * Maline * Aachen * Maastricht BÉLGICA As Feitorias Portuguesas na Flandres Bruxelas * Brugges * Ghant * Antuérpia Leuven * Maline * Aachen * Maastricht 5 Dias / 4 Noites 1º Dia LISBOA / BRUXELAS Comparência no Aeroporto da Portela

Leia mais

A INDA RESTAM AVELEIRAS

A INDA RESTAM AVELEIRAS CAPÍTULO I ESTARIA EU, naquela manhã, mais ou menos feliz do que nos outros dias? Não tenho a menor ideia, e a palavra felicidade não faz mais muito sentido para um homem de 74 anos. Em todo caso, a data

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Em direção a Samsun, tiramos excelentes fotografias do avião a sobrevoar as águas serenas do Mar Negro.

Em direção a Samsun, tiramos excelentes fotografias do avião a sobrevoar as águas serenas do Mar Negro. Reunião de projeto na Turquia No dia 19 de abril de 2015, pelas 6 horas da manhã partimos do Aeroporto Sá Carneiro rumo à Turquia. Ao aterrarmos em Frankfurt, a surpresa foi enorme. Este aeroporto é uma

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

Cercado de verde por todos os lados

Cercado de verde por todos os lados Cercado de verde por todos os lados Verde-claro. Verde-escuro. Verde-musgo. Verde pálido. Verde superanimado. Verde sendo bicado por passarinhos. Verde sendo engolido por macacos. Verde subindo pelos troncos

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS

A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS 1 A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS Is 56 10 As sentinelas de Israel estão cegas e não têm conhecimento; todas elas são como cães mudos, incapazes de latir. Deitam- se e sonham; só querem dormir. 11

Leia mais