ISSN Revista da PÓS-GRADUAÇÃO. da Faculdade de Tecnologia São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN 2176-7483 Revista da PÓS-GRADUAÇÃO. da Faculdade de Tecnologia São Paulo"

Transcrição

1 ISSN Revista da PÓS-GRADUAÇÃO da Faculdade de Tecnologia São Paulo

2 Revista da Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia de São Paulo ISSN CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza Governo do Estado de São Paulo Diretora Profa. Dra. Luciana Reyes Pires Kassab Vice-Diretor Prof. Dr. Juarez Antonio Delibo CORDENADORA DE PÓS-GRADUAÇÃO Profa. Dra. Sonia Hatsue Tatumi Coordenador do Curso de Especialização em Gestão Ambiental no Setor de Transportes Prof. Me.Décio Moreira Coordenadores do Curso de Especialização em Tecnologias Ambientais Prof. Dr. Ariovaldo Nuvolari Prof. Dr. Dirceu D Alkimin Telles Coordenadores do Curso de Especialização em Análise e Projeto de Sistemas Prof. Marcelo Aoki Prof. Dr. Carlos Hideo Arima Coordenadores do Curso de Especialização em Gestão Empresarial Prof. Me. Ramses Henrique Martinez Coordenadora do Curso de Especialização em Gerenciamento de Projetos Profa. Dra. Fernanda M. P. F. R. Ferreira Revisores Técnicos Prof. Me. Ademir Lamenza Prof. Dr. Alberto Sanyuan Suen Prof. Dr. Ariovaldo Nuvolari Prof. Dr. Dirceu D Alkimin Telles Prof. Dr. José Miguel Centurion Prof. Me.José Roberto Lourenço Prof. Dr. Juarez Antonio Delibo Profª. Dra. Luciana Reyes Pires Kassab Profª Drª. Márcia Ito Profª Drª. Sonia H. Tatumi Prof. Me. Ramses Henrique Martinez Revisão de texto Profª. Beatriz Dadalti - Docente do Departamento de Ensino Geral Capa: Cesar Eduardo Rykala A Revista da Pós-Graduação é uma publicação da Faculdade de Tecnologia de São Paulo Praça Cel. Fernando prestes, , Bom Retiro - São Paulo, SP Tel.:

3 Revista da PÓS-GRADUAÇÃO da Faculdade de Tecnologia São Paulo 3

4 4

5 Editorial da Revista da Pós-Graduação O notável avanço da FATEC-SP, bem como a sua consolidação como referência na educação tecnológica, se dá graças à experiência adquirida ao longo de seus 40 anos, aliada ao dinamismo invejável que a mantém na busca da excelência. Mais uma prova disso é esta nova revista da Pós-Graduação, fruto do empenho da direção e de toda a comunidade, cujo objetivo principal é a democratização do conhecimento, tornando-o aplicável. Assim, mais uma vez, a FATEC-SP, além de transmitir conhecimento disseminá-lo, por intermédio de seus cursos de graduação e pós-graduação, preocupa-se em resultar útil para a sociedade seu trabalho acadêmico, o que fortalece o seu papel enquanto entidade pública focada no desenvolvimento social, econômico e tecnológico. Tal iniciativa faz com que a FATEC-SP mantenha-se à frente do ensino tecnológico brasileiro, garantido a todos a sua contribuição social. Prof. César Silva Vice-Superintendente do Centro Paula Souza 5

6 6

7 Editorial da Revista da Pós-Graduação A Faculdade de Tecnologia de São Paulo (FATEC-SP), uma das mais tradicionais unidades do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza - CEETEPS, vinculado e associado à UNESP, foi criada no final da década de 60 e oferece, atualmente, 12 Cursos Superiores de Tecnologia. Nos últimos 10 anos, passou a oferecer Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Tecnologias Ambientais - criado em 1998, marcou o início deste segmento na FATEC-SP. Após uma década da implantação destes cursos e, a exemplo do que já ocorre com o Boletim Técnico, periódico anual que difunde os trabalhos científicos e tecnológicos dos professores e alunos da FATEC-SP, surge a Revista da Pós-Graduação da FATEC-SP, também na forma de periódico, a ser editada semestralmente, com o objetivo de divulgar a produção científica e tecnológica dos Cursos de Pós- Graduação da FATEC-SP. Nosso propósito é, com mais esta iniciativa, poder mostrar às comunidades acadêmicas de modo geral a excelência dos trabalhos de professores e alunos da Pós- Graduação Lato Sensu da FATEC-SP. Profa. Dra. Luciana Reyes Pires Kassab Diretora da Faculdade de Tecnologia de São Paulo 7

8 SUMÁRIO Comunicação e Imagem no Ambiente Empresarial...9 Geração de Rotas de Veículos Baseada em Algoritmos Genéticos...17 Projeto Tietê: A despoluição de um Rio...29 Poluição Sonora: Seus Efeitos e a Legislação Aplicável no Município de São Paulo...39 Breves Considerações Acerca dos Custos e das Implicações Jurídicas do Acidente de Trabalho

9 ÁREA TEMÁTICA: GESTÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO E IMAGEM NO AMBIENTE EMPRESARIAL Eliana Magrini Fochi 1 1 Profª Drª da Faculdade de Tecnologia de São José do Rio Preto Resumo: A comunicação empresarial é uma ferramenta de grande importância na gestão das corporações, como parte de seu planejamento estratégico, visto que a filosofia que adotam e as ações que desenvolvem traduzem-se em sua imagem (positiva ou negativa) para seus públicos, interno e externo. Palavras-chave: estratégias de comunicação empresarial; imagem. Abstract: Business Communication is a very important tool for companies administration process, as part of their strategic planning, because the philosophy they adopt and the actions they develop are responsible for their (positive or negative) image for their internal or external public. Keywords: business communication strategies; image. 9

10 I. INTRODUÇÃO O atual cenário econômico, desenhado pela nova ordem mundial e pintado com as cores da crise, está exigindo mudanças no âmbito das organizações, afetando principalmente as estratégias definidoras de sua excelência e, por conseguinte, de sua longevidade. Vive-se uma cultura da crise, vaticinando-se a permanência desta nos mercados e nas organizações, por vários anos. Os processos administrativos buscam adequar-se a esse cenário, a- bandonando conceitos e atitudes que desenhem uma cultura empresarial conservadora, para migrar para modelos de gestão que encampem as mudanças necessárias à organização que deseja conhecer o amanhã. Um dos aspectos de destaque nessa migração (entre tantos outros, como novas alianças e parcerias, informatização, tecnologias, qualificação...) é a comunicação das empresas, que engloba tanto a cultura da organização e o clima interno nela predominante (relações interpessoais, ambiente, harmonia de interesses, ruídos, política funcional, transparência etc.) quanto a imagem da organização na comunidade externa. II. PROBLEMA DA PESQUISA E OBJETIVOS Muitas organizações ainda carecem de ações específicas de comunicação empresarial, e é comum que seus colaboradores desconheçam o assunto e sua extensão. Este trabalho se propõe a apresentar uma síntese de conceitos e questões pertinentes à comunicação empresarial no contexto das organizações e diante de valores internacionalizados, e apontar algumas das formas pelas quais se expressa a comunicação empresarial, na composição da imagem da empresa. III. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ações de comunicação empreendidas por organizações de tradição no cenário nacional constituem referência para os interessados no tema, como o case do grupo Rhodia do Brasil (descrito por NORI e VALENTE: 1990), cujas mudanças no âmbito da comunicação constituem verdadeiro paradigma em nosso país; registre-se ainda a experiência de marketing cultural empreendida pela estatal TV Cultura de São Paulo (MUYLAERT: 1993) Acrescentem-se obras de referência, tais como a de Cahen (2005), na qual, de modo criativo, o autor aponta a comunicação empresarial como importante ferramenta de marketing para produzir e manter a imagem da empresa; a de Nassar e Figueiredo (1995), contendo explanação didática do tema; e a de Torquato (1986 e 2003), com abordagem contemporânea do tema, tanto conceitual quanto analítica.. Há, ainda, publicações variadas (e.g. Revista Comunicação Empresarial, da Aberj, os manuais de redação dos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo, entre outras); a internet disponibiliza inúmeras matérias acerca desse tema (não necessariamente abonadas), o qual se tornou referência obrigatória em currículos de cursos, programas televisivos, revistas de larga circulação e programas de treinamento de empresas. Dizer que tudo comunica parece conter um tanto de generalização, mas, rigorosamente falando, em termos do ambiente empresarial, isso não é uma falácia: afinal, comunicar-se é a segunda necessidade básica do homem, depois de sobreviver... Afinal, o que é comunicar? O que é a comunicação empresarial? 10

11 De forma bastante simplificada, pode-se responder a primeira pergunta fazendo referência à etimologia do termo, do latim commūnǐcō, - ās, - āre, - āvi, - ā- tum, que significa pôr em comum, dividir, partilhar, ter relações com. Como se nota, está inscrito na própria carne da palavra o reconhecimento da transitividade inerente à comunicação. Assim sendo, no circuito comunicacional devem figurar um destinatário (cujo repertório deve ser conhecido e levado em conta), um destinador, o(s) códigos(s) que ambos podem compartilhar, os temas que se podem comunicar, os meios capazes de processar a comunicação e, finalmente, as diversas formas que esta pode assumir, vale dizer, os diversos tipos de mensagem que se podem formular. A rigor, o processo está fundado na idéia de que a consciência de um destinador é enviada à consciência de um destinatário, mediada pela linguagem. Ora, esse circuito está vivo em praticamente todas as maneiras de interação social e, por consequência, nas organizações, onde ele se exercita a todo tempo. Modelos administrativos fortemente hierarquizados e rotinas burocráticas comunicam um perfil de empresa... O traje, com sua retórica própria, comunica papéis (secretárias, advogados, faxineiros, entre outros profissionais, conhecem bem o recado do traje a que se obrigam) e compõe o discurso visual que, muito frequentemente, desenha um retrato artificial de identidades mal-acomodadas à imagem que desfilam. E mesmo quando um profissional opta por trabalhar sozinho, de porta fechada, por certo está comunicando aos demais sua indisponibilidade, materializada numa postura de reserva de informações sem mencionar outras questões, de personalidade, associadas a sua atitude. Propositadamente, as situações de comunicação descritas acima compartilham uma característica negativa: todas são ruídos, no sentido que se atribui a essa palavra no contexto da comunicação. Ruídos são interferências (indesejáveis) no processo de comunicação, as quais têm origem em diferentes fatores. Nas situações que estão servindo de exemplo, a hierarquização delata um modelo empresarial rígido e autocrático; a burocratização revela um sistema de comunicação ameaçado de colapso pela grande massa de informações a selecionar, a processar, a reter; o traje é ruído, porquanto comunica a adesão da empresa a estereótipos (a secretária tem de estar impecável ela é um cartão de visitas; os funcionários mais graduados devem se distinguir dos menos graduados etc.). Há ruído na comunicação também por outros fatores, tais como repertório deficiente, desconhecimento do código, desatenção, duplicidade de ações, clima interpessoal marcado por prevenções e desconfiança, inadequação do(s) interlocutor(es) à situação, seja de formalidade, seja de informalidade. Conclui-se que, além dos simples ruídos técnicos (defeitos do canal material), há ruídos organizacionais (redes de informação mal-organizadas); semânticos (mal-entendidos, ambiguidades, dubiedade de interpretação); de condutas ou atitudes (comportamento dos interlocutores, maneira de se comunicar); de paralinguagem (linguagem gestual, fatores culturais); de percepção (filtragem, atenção seletiva). Todos esses aspectos estão presentes na comunicação empresarial, que se pode definir como um conjunto de ações integradas de responsabilidade social; tratase de uma ferramenta de marketing, que se insere no quadro de um projeto de comunicação social da empresa e concretiza-se em linguagens de propaganda, imprensa, relações públicas, lobby, atendimento ao consumidor, relações com funcionários, entre outras, todas confluindo para a produção da imagem da empresa na sociedade. Nas palavras de Cahen (2005), Comunicação Empresarial é uma atividade sistêmica, de caráter estratégico, ligada aos mais altos escalões da empresa e que tem por objetivos: criar onde ainda não existir ou for neutra manter onde já existir ou, ainda, mudar para favorável onde for negativa a imagem da empresa junto a seus públicos prioritários. 11

12 Criar, manter ou mudar para favorável a imagem da empresa é o propósito de um conjunto de ações administrativas sistemáticas para públicos; aqui, cabe reportar ao conceito de comunicação, já exposto, para dele resgatar a idéia de compartilhamento, o que equivale a afirmar a importância da resposta de tais públicos. Trata-se, em última análise, de um processo persuasivo que começa pela adoção de uma filosofia empresarial, a qual define as políticas empresariais (explícitas ou implícitas). Estas, por sua vez, definem as atitudes a elas compatíveis e que devem ser adotadas por todos os agentes do processo e, finalmente, expressas nas ações de comunicação da empresa. IV. METODOLOGIA A metodologia adotada neste trabalho alinha-se a arcabouço teórico de base qualitativa, sendo fundamentada em notas bibliográficas e de campo colhidas ao longo da experiência profissional docente, bem como em apreciação de textos de publicidade empresarial. V. ANÁLISE DE RESULTADOS E DISCUSSÃO A mídia tem um papel de grande importância na comunicação empresarial, pois evidencia a imagem das corporações, especialmente sua filosofia, pela divulgação de suas ações ao grande público. E essa imagem pode ser positiva, hoje, se as ações forem pautadas pelas palavras de ordem do cenário político mundial e expuserem uma ética empresarial fundada na responsabilidade com os recursos naturais, com a preservação ambiental (fala-se em empresa verde ), com o planeta, com as comunidades locais, com a sustentabilidade, com os colaboradores e com os consumidores. Algumas dessas escolhas estão presentes nos textos dos anúncios publicitários apresentados nas Figuras a seguir, divulgados na mídia nacional. 51 mil m2 = vida + Mais de m2 de área de preservação permanente e um megaclube com cerca de 8 mil m2 em um terreno equivalente a 12 campos de futebol. AGRA Incorporadora / Setin / Abyara Planejamento Imobiliário. Figura 1 Anúncio de AGRA Incorporadora, Setin e Abyara 12

13 Figura 2 Anúncio da HP Figura 3 Anúncio do SESI 13

14 co Figura 4 - Anúncio da Soco- As empresas mencionadas nesses anúncios publicitários optaram por substituir a idéia de lucratividade pela idéia de responsabilidade social, estimulando no destinatário não a compulsão pelo consumo, baseada na satisfação de desejos subjetivos imediatos (possuir coisas ou experimentar prazer gustativo), mas sim o sentimento de adesão a causas altruístas, a valores caros à sociedade contemporânea. Mas é possível também comunicar uma imagem negativa, pela divulgação de ações empresariais desalinhadas dos valores sociais prestigiados. É o que ocorre, por exemplo, quando se expõe na mídia o envolvimento de empresas (ou de seus colaboradores) em atividades suspeitas ou criminosas, como sugere o título da matéria de capa da revista Veja A queda da casa do luxo para aludir à condenação de conhecida empresária paulista. Ou, ainda, quando há exposição de possíveis vínculos de empresas tradicionais no mercado internacional com ações fraudulentas: Esqueça aquele clichê que associa contrabando a lojinhas, camelôs e marcas desconhecidas ou falsificadas. O relatório da Polícia Federal e da Receita sobre a Operação Dilúvio, obtido pela Folha, diz que grandes corporações globais, como Sharp e Maxell, usam empresas pouco conhecidas no Brasil para importar seus produtos sem pagar todos os impostos. O documento cita também a Polishop, canal de vendas na TV e rede de lojas de produtos importados, e empresas de porte que importam marcas famosas, como HP, Xerox e 3Com, entre outras. Todas são acusadas de participar de um esquema de fraude às importações montado pelo grupo MAM [...]. Assídua frequentadora da mídia, a prática de lobby é comumente associada a escândalos políticos, mas não é necessariamente ilegal, se, como parte do plano de 1 O texto, ilegível na reprodução reduzida, é o seguinte: A SOCOCO, líder no segmento de derivados de coco, acaba de receber o PRÊMIO SESI DE QUALIDADE NO TRABALHO, na categoria Grandes Empresas em âmbito nacional. Este prêmio, reconhecido por sua seriedade e seus rígidos critérios, avalia as maiores empresas do Brasil e escolheu a SOCOCO por sua conduta ética no relacionamento e responsabilidade social com seus colaboradores e as comunidades com as quais interage. A SOCOCO quer compartilhar este prêmio com você, que nestes 40 anos participa da história de uma empresa que comemora cada vitória inovando e construindo relacionamentos cada vez mais saudáveis. 2 Veja, edição de 1º de abril de Há, nesse título, uma alusão a um conto de Edgar A. Poe, The Fall of the House of Usher, alusão essa fundada na tradução literal de quase todo o título e na proximidade sonora de Usher e luxo. 3 Folha de S.Paulo:

15 comunicação empresarial, for transparente para a sociedade, se for politicamente correta, como afirmam Nassar e Figueiredo, para quem, As empresas, assim como as pessoas, possuem interesses legítimos que devem ser defendidos perante as instituições pertencentes a qualquer um dos poderes do país. As empresas, como qualquer pessoa, podem pressionar legitimamente quem faz as leis e quem as executa. O que elas não podem fazer é corromper e dar propinas em nome dos seus interesses. (1995: 63-4) Quando a legitimidade desses interesses é posta em dúvida, a imagem da empresa que se comunica ao público é, fatalmente, marcada de traços negativos. Já em âmbito interno, a comunicação empresarial apresenta as modalidades escrita e oral, uma e outra muito importantes, pois respondem pelas redes de informação dentro das organizações. Apesar de ainda se valorizar e priorizar a comunicação escrita (na qual se vê garantia de permanência da informação e, muitas vezes mas equivocadamente o espaço demarcado da formalidade), a comunicação oral é um desafio a vencer, porquanto, indo bem além da informalidade, responde pela fluidez dos relacionamentos, contatos, reuniões, traduzindo as expectativas e, em última análise, o animus do público interno. A mudança de prioridade das empresas (de empresa é lucro para empresa é responsabilidade social ) implica a eleição de iniciativas de comunicação empresarial que incluem tanto as redes de comunicação interna (atentando para a importância da rede informal na integração dos colaboradores), a desburocratização, as políticas de pessoal, as certificações de qualidade, quanto as formas de comunicação com a sociedade, sejam premiações, projetos educacionais, qualificação, parcerias em favor do patrimônio cultural. VI. CONCLUSÕES Como se pôde perceber, a comunicação empresarial é mais do que um mero conjunto de métodos e técnicas de comunicação dentro da empresa, dirigido ao público interno (funcionários) e ao público externo (clientes, fornecedores, consumidores). Ela é a soma de todas as ações de comunicação da empresa, elaboradas de forma multidisciplinar (jornalismo, lobby, relações públicas, propaganda, promoções, pesquisa, marketing) e direcionada à sociedade, aos formadores de opinião, consumidores, trabalhadores, parceiros. É, finalmente, parte fundamental do planejamento estratégico da empresa. VII. AGRADECIMENTOS À Profª Drª Luciana Reyes Pires Kassab e ao Prof. Dr Juarez A. Delibo pelo honroso convite para participarmos desta publicação. Ao Prof. Me. José Miguel Centurion pela deferência de ter-nos possibilitado pertencer ao corpo docente do Curso de Gestão Empresarial. 15

16 VIII. REFERÊNCIAS CAHEN, Roger. Comunicação Empresarial. 10ª ed. Rio de Janeiro: Best Seller, GALLO, Carmine. Comunicação é tudo! Os segredos dos maiores comunicadores de negócios do mundo. São Paulo: Landscape, MUYLAERT, Roberto. Marketing Cultural & Comunicação dirigida. São Paulo: Globo, NASSAR, Paulo; FIGUEIREDO, Rubens. O que é comunicação empresarial. São Paulo: Brasiliense, (Coleção Primeiros Passos, 297) NORI, Walter; VALENTE, Célia. Portas abertas. São Paulo: Best Seller, PENTEADO, J.R. Whitaker. A técnica da comunicação humana. 13ª ed. São Paulo: Pioneira, TORQUATO, Gaudêncio. Comunicação Empresarial/Comunicação Institucional Conceitos, estratégias, Sistemas, Estruturas, Planejamento e Técnicas. São Paulo: Summus, Cultura, poder, comunicação e imagem: fundamentos da nova empresa. 4ª reimpr. da 1ª ed. de São Paulo: Pioneira Thomson Learning,

17 ÁREA TEMÁTICA: ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS GERAÇÃO DE ROTAS DE VEÍCULOS BASEADA EM ALGORITMOS GENÉTICOS Paulo Henrique Pisani 1, Eduardo de Almeida Antunes 2, Jéssica Cassimiro Castilho 3, Silvio do Lago Pereira 4 1, 2, 3 Alunos do Curso de Pós-graduação em Análise e Projeto de Sistemas - FATEC-SP 4 Prof. Dr. do Departamento de Tecnologia da Informação - FATEC-SP e Resumo: Encontrar rotas eficientes para entrega de mercadorias é um problema recorrente em empresas de transporte e logística. Devido à grande importância econômica desse problema, conhecido como problema do roteamento de veículos (Vehicle Routing Problem VRP), muito investimento tem sido feito em busca de sua solução. Entretanto, em razão da comple-xidade computacional inerente ao VRP, apenas soluções para versões simplificadas do problema são conhecidas. Neste artigo, é apresentada uma solução para o VRP baseada em algoritmos genéticos. Conforme constatado em testes realizados, o sistema desenvol-vido é capaz de gerar soluções quase ótimas em um curto período de tempo. Isso mostra que, de fato, algoritmos genéticos são uma poderosa ferramenta para solução prática do VRP. Palavras-Chave: Inteligência Artificial - Algoritmos Genéticos - VRP. Abstract: Finding efficient goods delivery routes is a recurrent problem in logistic and transport companies. Due to the huge economic importance of this problem, known as vehicle routing problem (VRP), much investment has been made to find its solution. However, by reason of the computational complexity inherent within VRP, only solutions to simplified versions of this problem are known. In this article, it is shown a solution for VRP based on genetic algorithms. According to our tests, the developed system is capable of generating "almost optimal" solutions in a short period of time. This shows that, in fact, genetic algorithms are a powerful tool for the practical solution of VRP. Keywords: Artificial Intelligence - Genetic Algorithms - VRP. 17

18 I. INTRODUÇÃO Encontrar rotas eficientes para entrega de mercadorias é um problema recorrente em empresas de transporte e logística. Conforme dados divulgados por uma grande empresa do setor (UPS 2009), a cada dia, mais de 100 mil motoristas entregam 15 milhões de pacotes, em média, a cerca de 8 milhões de clientes. Então, evidentemente, usando rotas mais curtas, estas empresas po-dem reduzir custos de transporte, diminuir o tempo de espera do cliente e aumen-tar consideravelmente os seus lucros. De fato, o uso de rotas eficientes permite redução de 5% a 20% do custo total de transporte (MABGAR 2008). Devido à grande importância econômica deste problema, conhecido como Problema do Roteamento de Veículos (Vehicle Routing Problem VRP), muito investimento tem sido feito em busca de sua solução. Entretanto, em razão da comple-xidade computacional inerente ao VRP, apenas soluções para versões simplificadas deste problema são conhecidas. Para ter uma idéia da complexidade computacional do VRP, basta notar que ele é uma generalização de outro problema, conhecido como problema do caixeiro viajante (CORMEN 1990). Mais precisamente, o problema do caixeiro viajante consiste em encontrar uma rota que passe por n cidades, percorrendo a menor distância possível e terminando na cidade de partida. Assumindo que entre cada par de cidades há uma estrada, o número total de rotas é da ordem de n!. Então, mes-mo para valores pequenos de n, o número total de rotas a serem avaliadas em busca daquela mais curta é excessivamente grande. Por exemplo, para n = 15, temos n! = Isto signi-fica que métodos exaustivos para solução do VRP, isto é, que avaliam sistematicamente cada uma das possíveis rotas, não são viáveis na prática. O VRP foi originalmente proposto em (DANTZIG e RAMSER 1959) e atualmente há uma extensa literatura cobrindo os mais diversos aspectos deste problema (LAPORTE et. al. 2000). Essencialmente, as abordagens apresentadas na literatura podem ser classificadas como exatas ou aproximadas. Abordagens exatas (e.g., programação linear) conseguem encontrar soluções ótimas, isto é, rotas com distância total mínima, mas, em geral, são muito lentas para serem usadas na prática. Por outro lado, abordagens aproximadas (e.g., busca heurística), em geral, apresentam bom desempenho, mas não garantem encontrar soluções ótimas. Assim, pode-se dizer que o grande desafio da pesquisa na área é justamente desenvolver métodos eficientes que permitam encontrar soluções quase ótimas, em um curto período de tempo. Em vista disso, é apresentada neste artigo uma abordagem aproximada para solução eficiente do VRP, baseada em algoritmos genéticos (AGs). Conforme constatado em testes realizados, o sistema desenvolvido é capaz de gerar soluções próximas da ótima, em um curto período de tempo. Isto mostra que, de fato, algoritmos genéticos são u- ma poderosa ferramenta para solução prática do VRP. O restante deste artigo está organizado da seguinte forma: na Seção II, é definido o problema de roteamento de veículos (VRP); na Seção III, é apresentada uma breve revisão bibliográfica sobre soluções de VRP; na Seção IV, é apresentada a metodologia empregada neste trabalho para o desenvolvimento de um sistema para resolver o VRP usando AGs; na Seção V, discutem-se os resultados empíricos obtidos com este sistema; e, finalmente, na Seção V, discutem-se os resultados empíricos obtidos com este sistema; e, finalmente, na Seção VI, são apresentadas as conclusões finais. 18

19 II. PROBLEMA DE PESQUISA E OBJETIVO O problema do roteamento de veículos (Vehicle Routing Problem VRP) foi original-mente proposto em (DANTZIG e RAMSER 1959) e, desde então, tem sido amplamente estudado. Basicamente, este problema consiste em encontrar rotas ou itinerários eficientes para entrega de mercadorias, considerando o limite de carga de cada um dos veículos da frota, bem como a demanda de cada um dos pontos de entrega. Por exemplo, na Figura 1, temos uma ilustração da solução de um caso hipotético desse problema. Nesta ilustração, os pontos de entrega são rotulados pelas letras A, B, C, D, E e F; o centro de distribuição é rotulado pelo dígito 0; e as rotas são definidas pelas setas que partem do centro de distribuição. Figura 1 Uma solução para um problema de roteamento de veículos. Na verdade, o VRP é uma composição de dois problemas clássicos de otimização: o problema do caixeiro viajante e o problema do empacotamento (LAPORTE et. al. 2000). O proble-ma do caixeiro viajante consiste em, dado um conjunto de n cidades, encontrar uma rota de comprimento mínimo que passe por todas as cidades e, ao final, retorne à cidade de partida. O problema do empacotamento consiste em, dadas as dimensões de um contêiner e de n caixas, encontrar uma forma de alocar dentro do contêiner o maior número possível de caixas sem, no entanto, exceder a sua capacidade de armazenamento. Como é bem conhecido na teoria da complexidade computacional, estes dois problemas de otimização pertencem à classe de complexidade NP-completo, ou seja, o tempo neces-sário para encontrar uma solução ótima para uma instância de tamanho n destes problemas é pro-porcional a 2 n (CORMEN 1990). Sendo assim, abordagens exatas para solução do VRP não são viáveis na prática. Vale ressaltar que, dependendo das restrições impostas na definição do problema, o VRP admite diversas versões. Entre elas, destacam-se as seguintes: VRPTW (VRP with Time Windows), na qual os clientes devem ser atendidos dentro de um período de tempo limitado. MDVRP (Multi-Depot VRP), na qual as entregas podem ser feitas a partir de vários pontos de distribuição distintos. SDVRP (Split Delivery VRP), na qual os pontos de entrega podem ser atendidos por diferentes veículos. PVRP (Periodic VRP), na qual há uma periodicidade de entregas. CVRP (Capacited VRP), na qual os veículos têm capacidade de carga limitada. 19

20 O principal objetivo deste artigo é descrever a implantação de um sistema capaz de encontrar eficientemente uma solução aproximada para a versão CVRP do problema de roteamento de veículos. III. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O VRP foi originalmente proposto em (DANTZIG e RAMSER 1959) e atualmente há uma extensa literatura cobrindo os mais diversos aspectos deste problema (LAPORTE ET. AL. 2000). Essencialmente, as abordagens apresentadas na literatura podem ser classificadas como exatas ou aproximadas. Abordagens exatas conseguem encontrar soluções ótimas, isto é, rotas com distância total mínima, mas, em geral, são muito lentas para serem usadas na prática. Entre as abordagens exatas, destacam-se programação linear, programação dinâmica e algoritmos de busca com corte (BODIN et al. 1983). Por outro lado, abordagens aproximadas, em geral, apresentam bom desempenho, mas não garantem encontrar soluções ótimas. Entre as abordagens aproximadas, destacam-se busca heurística e meta-heurística (CORDEAU et al. 2002; TALBI 2002). Assim, pode-se dizer que o grande desafio de pesquisa na área é justamente desenvolver métodos eficientes que permitem encontrar soluções quase ótimas, em um curto período de tempo. Neste artigo, é proposta uma solução aproximada para o CVRP que é baseada no uso de algoritmos genéticos. IV. METODOLOGIA Nesta seção são apresentados os fundamentos teóricos de algoritmos genéticos, bem como os detalhes da solução proposta com base nestes fundamentos Algoritmos Genéticos Algoritmos genéticos (GOLDBERG 1989) são algoritmos evolucionários (SPEARS et. al. 1993), isto é, produtos de uma abordagem de inteligência artificial (RUSSELL e NORVIG 2004) que tem como principal inspiração a teoria da evolução das espécies de Charles Darwin (DARWIN 1859). De acordo com esta teoria, os indivíduos na natureza competem entre si por recursos limitados, sendo que aqueles mais adaptados às condições oferecidas pelo meio têm maior probabilidade de continuar a existir ao longo das gerações. 20

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 04 Algoritmos Genéticos Introdução Algoritmos genéticos são bons para abordar espaços de buscas muito grandes e navegálos

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA 136 ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA FILITTO, Danilo 1 Resumo: Os algoritmos Genéticos inspiram-se no processo de evolução natural e são utilizados para resolver problemas de busca e otimização

Leia mais

- Computação Evolutiva -

- Computação Evolutiva - - Computação Evolutiva - Prof. Dr. Cícero Garrozi DEINFO - UFRPE PPGIA@UFRPE cicerog@gmail.com Site da disciplina: http://cicerog.blogspot.com Sumário Situando a Computação Evolucionária Metáfora principal

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Universidade Federal de Alfenas Departamento de Ciências

Leia mais

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14 1 Introdução O termo "roteamento de veículos" está relacionado a um grande conjunto de problemas de fundamental importância para a área de logística de transportes, em especial no que diz respeito ao uso

Leia mais

SLAG - Resolvendo o Problema do Caixeiro Viajante Utilizando Algoritmos Genéticos

SLAG - Resolvendo o Problema do Caixeiro Viajante Utilizando Algoritmos Genéticos SLAG - Resolvendo o Problema do Caixeiro Viajante Utilizando Algoritmos Genéticos Fredson Vieira Costa 1, Fábio Silveira Vidal 1, Claudomiro Moura Gomes André 1 1 Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

Algoritmos Genéticos

Algoritmos Genéticos UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Laboratório de Computação Natural LCoN I ESCOLA DE COMPUTAÇÃO NATURAL Algoritmos Genéticos Rafael Xavier e Willyan Abilhoa Outubro/2012 www.computacaonatural.com.br

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Introdução aos Conceitos de Problemas de Transporte e Roteamento de Veículos

Introdução aos Conceitos de Problemas de Transporte e Roteamento de Veículos Introdução aos Conceitos de Problemas de Transporte e Roteamento de Veículos Alexandre da Costa 1 1 Acadêmico do Curso de Matemática - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Introdução às Redes Neurais Artificiais

Introdução às Redes Neurais Artificiais Introdução às Redes Neurais Artificiais Treinamento via Algoritmos Genéticos Prof. João Marcos Meirelles da Silva http://www.professores.uff.br/jmarcos Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS

A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS UMA SOLUÇÃO DO PROBLEMA DAS N RAINHAS ATRAVÉS DE ALGORITMOS GENÉTICOS A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS Eliane Vendramini de Oliveira Mestre em Engenharia Elétrica UNESP/ Ilha Solteira

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

3 ALGORITMOS GENÉTICOS : CONCEITOS BÁSICOS E EXTENSÕES VINCULADAS AO PROBLEMA DE MINIMIZAÇÃO DE PERDAS

3 ALGORITMOS GENÉTICOS : CONCEITOS BÁSICOS E EXTENSÕES VINCULADAS AO PROBLEMA DE MINIMIZAÇÃO DE PERDAS 3 ALGORITMOS GENÉTICOS : CONCEITOS BÁSICOS E EXTENSÕES VINCULADAS AO PROBLEMA DE MINIMIZAÇÃO DE PERDAS 3.1 - Conceitos Básicos Entendemos como algoritmo um conjunto predeterminado e bem definido de regras

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Ajuste dos parâmetros de um controlador proporcional, integral e derivativo através de algoritmos genéticos

Ajuste dos parâmetros de um controlador proporcional, integral e derivativo através de algoritmos genéticos Ajuste dos parâmetros de um controlador proporcional, integral e derivativo através de algoritmos genéticos ADJUSTMENT OF CONTROLLER PID S PARAMETERS OF GENETIC ALGORITHMS Luiz Eduardo N. do P. Nunes Victor

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa.

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. A Fran Press está de cara nova, mantendo a sua reconhecida identidade estratégica. Nos tempos atuais

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social Título Desafios na Comunicação da Ação Social Privada 1 Autores Prof. Dr. Paulo Nassar, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e presidente da ABERJE Associação Brasileira

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Conceitos Básicos de Algoritmos Genéticos: Teoria e Prática

Conceitos Básicos de Algoritmos Genéticos: Teoria e Prática Conceitos Básicos de Algoritmos Genéticos: Teoria e Prática Thatiane de Oliveira Rosa 1, Hellen Souza Luz 2 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa

Leia mais

Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa

Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa e proposta de melhoria de pelo menos 2P s. Tópicos:

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Comunicação Institucional. Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano. Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan

Comunicação Institucional. Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano. Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan Comunicação Institucional Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL É a estratégia de posicionamento da marca que define

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE EMPRESAS CONSTRUTURAS DE PEQUENO PORTE

SISTEMA DE GESTÃO DE EMPRESAS CONSTRUTURAS DE PEQUENO PORTE SISTEMA DE GESTÃO DE EMPRESAS CONSTRUTURAS DE PEQUENO PORTE MOURA, Adilson Tadeu Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva BILESKY, Luciano Rossi Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva

Leia mais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais O que é a Disciplina? Disciplina de Projeto e Análise de Algoritmos Esta é uma disciplina de Algoritmos em nível de Pós-Graduação! Temas a serem abordados:

Leia mais

Metodológicos. Interesse pela pesquisa. Projeto de Pesquisa. Profª. Luciana Oliveira metodologia.oliveira@gmail.com

Metodológicos. Interesse pela pesquisa. Projeto de Pesquisa. Profª. Luciana Oliveira metodologia.oliveira@gmail.com METODOLOGIA DA PESQUISA Profª. Luciana Oliveira metodologia.oliveira@gmail.com Interesse pela pesquisa. Procedimentos Metodológicos. Projeto de Pesquisa. Colaboradores: Prof. Dr. José Roberto R. Pinto

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS 2003 É criada a G-COMEX ÓLEO & GÁS com o objetivo de prover soluções logísticas sob medida para o mercado de óleo, gás, energia e indústria

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms.

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. Mauricio Duarte 2 Centro Universitário Euripides de Marilia UNIVEM FATEC Faculdade de

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO/PUBLICIDADE E PROPAGANDA COORDENAÇÃO DE TCC

FACULDADE SETE DE SETEMBRO COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO/PUBLICIDADE E PROPAGANDA COORDENAÇÃO DE TCC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. Este regulamento disciplina o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Comunicação Social (Cursos de Jornalismo

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP RESUMO Carneiro Junior, J. L. 1 ; Freitas, R. C. M. 2 ; Rosa, A. C.

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARTIGO 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) tem os seguintes princípios: 1.1 Consolidar o ISEAT na

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais