excelência UMA DÉCADA EMBLEMÁTICA CONSOLIDAÇÃO DAexcelência 18 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "excelência UMA DÉCADA EMBLEMÁTICA CONSOLIDAÇÃO DAexcelência 18 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS"

Transcrição

1 18 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 UMA DÉCADA EMBLEMÁTICA DAexcelência NA CONSOLIDAÇÃO excelência

2 Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS 19 Técnicos observam montagem de unidade geradora da Usina de Porto Colômbia, na casa de força; na página ao lado, a Usina de Marimbondo, em fase de construção período que se estende de 1968 a 1977 ficará lembrado, entre tantos acontecimentos, pela eclosão do movimento hippie, os protestos estudantis na França, o endurecimento da ditadura política brasileira (com a promulgação do Ato Institucional n o 5), os protestos contra a Guerra do Vietnã, a crise econômica provocada pela alta do petróleo, a invasão da antiga Tchecoslováquia pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), a chegada do homem à Lua, o milagre econômico brasileiro, o tricampeonato mundial de futebol e as grandes obras da engenharia nacional, como a Usina de Itaipu e a Ponte Rio-Niterói. Foi também nessa época que FURNAS se consolidou como uma das maiores empresas de geração e transmissão de energia elétrica do país. A vocação para o crescimento demonstrada pela Companhia fez, até mesmo, com que alterasse o seu nome, em 1971, de Central Elétrica de Furnas S.A. para FURNAS Centrais Elétricas S.A. Nos anos que se seguiram a Empresa ampliou consideravelmente o seu parque gerador, sobretudo na bacia do rio Grande, entre os estados de Minas Gerais e São Paulo, onde construiu as usinas Luiz Carlos Barreto de Carvalho, Porto Colômbia e Marimbondo. Entre Minas Gerais e Goiás, no rio Paranaíba, ergueu a Usina de Itumbiara, até hoje a de maior capacidade instalada entre os seus 13 empreendimentos de geração, com MW. No estado do Rio de Janeiro, expandiu a Usina de Santa Cruz (RJ) e assumiu as usinas de Campos e São Gonçalo (RJ), ao mesmo tempo em que iniciava as obras das usinas nucleares Angra I e II.

3 20 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 O presidente Ernesto Geisel, com os presidentes da Eletrobrás, Antônio Carlos Magalhães (dir.), e de FURNAS, Luiz Cláudio de Almeida Magalhães (esq.), na inauguração da Usina de Marimbondo Entre 1968 e 1974, o país alcançou taxas anuais de crescimento em torno de 11%. Era o chamado milagre econômico, na busca de tornar o Brasil uma potência emergente. No plano político, assistíamos à suspensão das garantias constitucionais pelo Ato Institucional n o 5 (AI-5), à repressão violenta a estudantes e organizações de esquerda que adotaram a luta armada como estratégia de enfrentamento, e ao exílio de centenas de políticos e intelectuais que faziam oposição ao regime. Dois fatores contribuíram de forma decisiva para a configuração de um cenário econômico de prosperidade: a oferta de capitais no mercado internacional e a determinação do governo federal de investir maciçamente na industrialização do país e na melhoria da infra-estrutura. No setor elétrico, a atuação das empresas estatais teve caráter determinante para que o Brasil garantisse o suprimento de energia para indústria, comércio e residências, fazendo frente a um aumento da demanda de cerca de 10% ao ano entre 1970 e Isso foi possível graças à entrada em operação de novas centrais hidrelétricas e termelétricas, ao mesmo tempo em que avançávamos em direção à geração térmica nuclear. FURNAS obteve, ao longo dos anos 70, destaque na exploração de todas essas matrizes energéticas. Projetou, construiu e vem operando empreendimentos que lhe propiciaram um conceito de excelência no Setor Elétrico Brasileiro. A consolidação da Empresa fez, inclusive, com que revisse o seu nome, passando a se denominar, a partir de 1971, FURNAS Centrais Elétricas S.A. Nesse mesmo ano, a sede foi transferida do município de Passos (MG) para o LINHA DO TEMPO 1968 O estudante Edson Luís é assassinado pela polícia em frente ao restaurante Calabouço, no Rio de Janeiro. O episódio recrudesceu o movimento da sociedade civil contra a ditadura militar Autoridades fecham a Universidade de Sorbone, em Paris, como represália aos protestos estudantis. As manifestações espalham-se pela França O médico Euryclides de Jesus Zerbini realiza o primeiro transplante de coração do Brasil A Passeata dos Cem Mil toma as ruas do Centro do Rio de Janeiro, exigindo abrandamento da repressão, o fim da censura e a redemocratização do país Folha Imagem

4 Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS 21 Rio de Janeiro, onde, em 1972, inaugurou no bairro de Botafogo, na zona Sul, seu Escritório Central. Os anos 60 e 70 foram a época da consolidação do conhecimento técnico de FURNAS, da união de todos em torno dos projetos da Empresa, afirma Jarbas Novaes, engenheiro detentor da matrícula 65 e assistente da Diretoria de Engenharia até Empreendimentos Depois de colocar em operação a Usina de Furnas, entre 1963 e 1965, a Empresa se lançou à exploração do potencial energético do rio Grande, que atravessa os estados de Minas Gerais e São Paulo. A possibilidade de otimizar e controlar o regime hidrográfico da bacia do rio Grande pela gestão integrada dos reservatórios que seriam criados ou mesmo que já existiam a jusante da Usina de Furnas, bem como o know-how adquirido durante a construção desta central hidrelétrica, credenciaram a Empresa a capitanear outros aproveitamentos ao longo do rio, cujos estudos haviam sido efetuados pelo consórcio canadense-americano Canambra Engineering Consultants Ltd., no início dos anos 60. Construção da Usina Luiz Carlos Barreto de Carvalho A baiana Martha Vasconcelos é eleita, nos Estados Unidos, Miss Universo Tropas soviéticas invadem a Tchecoslováquia, pondo fim à Primavera de Praga - movimento que propunha a democratização do país O presidente Costa e Silva decreta o Ato Institucional n o 5 (AI-5), que fechou o Congresso Nacional e suprimiu as liberdades civis que ainda restavam Geraldo Kosinski Entram em operação a Usina Termelétrica de Santa Cruz (à esq.) e a Subestação de Jacarepaguá (à dir.)

5 22 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 Panorâmica da Usina Luiz Carlos Barreto de Carvalho O primeiro desses empreendimentos foi Luiz Carlos Barreto de Carvalho (antes denominado Estreito), entre os estados de Minas Gerais e São Paulo, que iniciou a geração em 1969 e foi inaugurado oficialmente no ano seguinte. O trabalho realizado nesta usina assentou, de certa forma, as bases do modus operandi para a construção de outras centrais hidrelétricas: Porto Colômbia, Marimbondo e Itumbiara. Estreito foi a primeira grande usina do Sudeste feita com planejamento rigoroso. Sua construção só se iniciou após um cuidadoso planejamento de engenharia, administração e obtenção de materiais, afirma o engenheiro Rubens Vianna de Andrade, primeiro superintendente das obras do rio Grande, cargo que ocupou até Ele ressalta ainda que o projeto de Estreito inovou ao estabelecer um cronograma, seguido à risca. O programa Victor Andrade inicial da usina era funcionar no primeiro semestre de 1969, e ela entrou em operação em março daquele ano, dentro do programado, lembra. Em Porto Colômbia (MG/SP), cuja capacidade instalada é de 320 MW, as obras civis se iniciaram no primeiro semestre de Uma curiosidade sobre a construção desta usina diz respeito à localização de seu reservatório. Como conta Andrade, o lago ficaria a jusante da foz do rio Pardo, que corta terras do estado de São Paulo com plantações de cana-de-açúcar, e a pressão dos canavieiros paulistas contra a inundação de suas propriedades fez com que o governo federal determinasse a mudança do lago para montante do rio Pardo. Entre os meses de junho e novembro de 1973, entraram em operação três das quatro unidades geradoras de Porto Colômbia. Já a última máquina foi energizada em 31 de janeiro de 1974, com quase dois meses de antecedência em relação ao cronograma inicial do empreendimento. Enquanto isso, as obras de Marimbondo (MG/SP), iniciadas em 1971, seguiam em ritmo intenso. Como a construção da ombreira da barragem tornaria inviável a operação de uma pequena central elétrica que existia no local, FURNAS comprou da Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), em fevereiro de 1973, a antiga Usina de LINHA DO TEMPO 1969 Yasser Arafat torna-se líder da Organização para a Libertação da Palestina (OLP). Menos de um mês depois, israelenses e egípcios travam intensos combates no Canal de Suez Inaugurada a Usina de Funil, em Resende (RJ) Lançada a primeira edição do semanário O Pasquim, que capitalizou, durante o período mais conturbado da ditadura militar, a crítica à política e à sociedade brasileiras AFP Com transmissão ao vivo pelas TVs de todo o mundo, o homem chega à Lua

6 Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS Arquivo FURNAS Marimbondo (apelidada de Marimbondinho), com apenas 8 MW de potência. Desativada a usina, as dependências de Marimbondinho passaram a ser utilizadas como centro de treinamento de empregados. Ainda no final de 1973, foi realizado o desvio do rio Grande. A primeira unidade geradora de Marimbondo entrou em operação em outubro de A inauguração oficial, no entanto, ocorreu em 28 de maio de 1976, com a presença do presidente Ernesto Geisel. A última turbina de Marimbondo entrou em funcionamento no início de 1977, totalizando MW de capacida- de, a maior da Empresa até então. Além disso, Marimbondo se destacou por ser pioneira, no Brasil, em transmissão de energia elétrica em 500 kv. A Subestação de Marimbondo se interliga com as subestações de Araraquara (SP) e Poços de Caldas (MG), onde se integra ao sistema da região Sudeste. Com a Usina de Mascarenhas de Moraes (antiga Peixoto), FURNAS completa sua participação na exploração do potencial hidrelétrico da bacia do rio Grande. Esta unidade, de 476 MW, foi comprada da CPFL em agosto de 1973, numa negociação intermediada pela Eletrobrás. Vista da barragem e dos condutos forçados da Usina Marechal de Mascarenhas de Moraes O embaixador americano Charles Elbrick, seqüestrado por integrantes do grupo de esquerda MR-8, é trocado por 15 presos políticos, que são enviados ao México O Festival de Woodstock, nos Estados Unidos, reúne centenas de milhares de jovens Firmado o Acordo de Operação Interligada e criado o Comitê Coordenador da Operação Interligada (CCOI), congregando empresas de geração e transmissão de energia elétrica da região Sudeste Pelé marca seu milésimo gol, no Maracanã FURNAS energiza 480 km de linhas de transmissão Morre o ex-presidente Costa e Silva

7 24 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 Arquivo FURNAS Obras de construção do vertedouro da Usina de Itumbiara Além da justificativa técnica de que a usina, localizada a jusante de Furnas e a montante de Luiz Carlos Barreto de Carvalho, tinha a maior parte da sua capacidade absorvida pela Empresa, a incorporação de Marechal Mascarenhas de Moraes foi conseqüência da Lei 5.899, de 1973, que designou às subsidiárias do Grupo Eletrobrás, como empresas de âmbito regional, responsabilidade sobre os projetos de geração de energia elétrica em quatro grandes regiões do país, cabendo a FURNAS a concessão de projetos de geração e transmissão no Sudeste e parte do Centro-Oeste. Nesta última região, foi iniciada, em 1974, a construção da Usina de Itumbiara, no rio Paranaíba (entre os estados de Minas Gerais e Goiás). Com MW, ela tem a maior capacidade instalada do Sistema FURNAS. Itumbiara estabeleceu alguns marcos importantes na história dos empreendimentos da Empresa. No auge das obras desta central elétrica, em dezembro de 1975, foram utilizados m 3 de concreto, superando a marca de m 3 alcançada cerca de dois anos antes, durante os trabalhos de Marimbondo. Além disso, o custo de construção da usina é considerado um dos menores do mundo: US$ 370 por kw. Mas o fato que, talvez, tenha significado a maior contribuição de Itumbiara à engenharia brasileira é o elevado grau de nacionalização de equipamentos cerca de 91% - alcançado pela usina. A seqüência de obras de FURNAS foi muito importante para fazer com que a indústria brasileira adquirisse a tecnologia de fabricação de equipamentos para usinas hidrelétricas, e que as firmas brasileiras de engenharia se habilitassem a projetar e a construir usinas, afirma Rubens Vianna de Andrade, lembrando que Itumbiara completou o ciclo de nacionalização iniciado por Luiz Carlos Barreto de Carvalho. LINHA DO TEMPO 1970 Ampliado de 12 para 200 milhas o limite das águas territoriais brasileiras Paul McCartney anuncia o fim dos Beatles A Seleção Brasileira de Futebol derrota a Itália e conquista definitivamente a Taça Jules Rimet, no México Inauguração da Usina Luiz Carlos Barreto de Carvalho (Estreito) Aluísio de Souza Uma comissão internacional de juristas denuncia a existência de tortura nas cadeias brasileiras Nas eleições parlamentares, a Arena faz 223 deputados e 40 senadores, contra 87 deputados e seis senadores do Movimento Democrático Brasileiro (MDB)

8 Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS 25 Térmicas A potência total foi atingida em Deixando, entretanto, o eixo de expansão que compreende os rios Grande e Paranaíba, FURNAS também se destacou, Mesmo tendo assumido a usina com a obra já em andamento, os engenheiros e técnicos da Empresa tiveram participação na década de 1970, pela conclusão, expansão e operação de centrais elétricas localizadas no Estado do Rio de Janeiro. decisiva no projeto de Funil, determinando a necessidade de construção de um novo vertedouro, na margem esquerda da Estas usinas foram iniciadas ou mesmo inteiramente construídas por outras companhias, mas passaram à administração de usina, e de um dique de proteção ao longo da Estrada de Ferro Central do Brasil. Apesar de sua geração relativamente pequena, FURNAS por meio de operações de compra ou delegação da Eletrobrás. A Usina Hidrelétrica de Funil (216 MW), vale ressaltar que Funil tem grande importância para a confiabilidade do suprimento aos estados de São Paulo, Rio de Janeiro localizada no rio Paraíba do Sul, que pertencia à Companhia Hidrelétrica do Vale do Paraíba (Chevap) absorvida pela e Espírito Santo, uma região em que estão concentradas indústrias eletrointensivas como a Eletrobrás em 1965, foi concluída por FURNAS em 1967 e iniciou sua operação dois anos depois. Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda (RJ). Vista panorâmica da Usina Termelétrica de Campos 1971 Morre a estilista francesa Coco Chanel O Brasil e outros países sob regime militar se retiram da Organização dos Estados Americanos (OEA) por não conseguirem aprovar um plano conjunto de ação contra o terrorismo Eletricistas de FURNAS iniciam a manutenção em linhas energizadas de 345 kv 500 mil pessoas protestam em Nova York contra a Guerra do Vietnã Criada a Fundação Real Grandeza, de previdência e assistência social dos empregados de FURNAS O poeta chileno Pablo Neruda recebe o Prêmio Nobel de Literatura 29 pessoas morrem no desabamento do viaduto Paulo de Frontin, no Rio de Janeiro

9 26 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 Já na década de 70, FURNAS demonstrava preocupação em alinhar o desenvolvimento do país à conservação do meio ambiente por meio de ações que pudessem reduzir o impacto causado por suas obras nos ecossistemas locais. Esta atitude visava também a adequar os empreendimentos da Empresa aos dispositivos legais de proteção ambiental que começavam a surgir no país. O exemplo que talvez ilustre melhor essa atitude é o da Usina de Marimbondo, onde uma verdadeira operação de guerra ocorreu em 1975, durante o fechamento da barragem do reservatório, para salvar animais silves- ATITUDE ecológica Empregado recolhe cobra durante operação de salvamento de animais silvestres no reservatório da Usina de Marimbondo, em 1975 tres ilhados ou refugiados nas copas das árvores. A ação contou com cerca de 200 homens (de FURNAS, das polícias florestais de São Paulo e Minas Gerais, da Superintendência de Desenvolvimento da Pesca, do Instituto Butantã e do Zoológico de São Paulo), incluindo médicos e enfermeiros. A equipe teve treinamento especial para capturar cobras venenosas. Foram utilizados na empreitada dois aviões, quatro lanchas e oito viaturas. Também em 1975, foi criada na Usina de Furnas um centro de piscicultura para repovoar os reservatórios da Empresa nos rios Grande e Paranaíba. A estação tem, ainda, a finalidade de realizar o monitoramento do ambiente aquático e das espécies de peixe. Ao longo do tempo conseguimos visualizar a flutuação nas populações de peixes, explica o gerente da Estação de Hidrologia e Piscicultura de Furnas, Dirceu Marzulo Ribeiro. Ele conta que os técnicos da unidade fazem a reversão sexual da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Essa espécie, de origem tailandesa e bem adaptada às condições brasileiras, é doada a escolas, entidades filantrópicas e pequenos produtores rurais da região, o que permite melhorar a alimentação das famílias e também aumentar sua renda. LINHA DO TEMPO 1972 Os brasileiros assistem à primeira transmissão em cores da TV Primeira edição do Boletim Informativo FURNAS (BIF) Morre em acidente aéreo, na Índia, a atriz Leila Diniz, que marcou época por seu comportamento ousado e contestador O sistema de microondas de FURNAS facilita a comunicação entre o Escritório Central e as áreas regionais Atletas israelenses que participavam da Olimpíada de Munique são assassinados por comandos terroristas O Escritório Central é inaugurado no Rio de Janeiro Karla Moura Andrade

10 Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS 27 Também pertencente à Chevap era a Usina Termelétrica de Santa Cruz, que passou ao controle de FURNAS em 1965 e Ainda na seara da termeletricidade, foi na década Arquivo FURNAS entrou em operação comercial cerca de três anos depois. Contando inicialmente com 160 MW, a usina teve sua capacidade de 1970 que a Empresa deu um importante passo aumentada para 560 MW em 1973, com a inauguração de duas novas unidades geradoras, fortalecendo assim o suprimento para a diversificação da matriz energética brasilei- de energia para a região Sudeste. Paralelamente à ampliação da usina, foi construído um trecho de oleoduto entre a Refinaria ra a partir da experiência pioneira de construir uma Duque de Caxias, da Petrobrás, e a Usina de Santa Cruz para transportar o combustível que seria queimado em suas caldeiras. FURNAS adquiriu ainda, em 1969, duas térmicas da Comissão Estadual de Energia Elétrica que estavam instaladas planta geradora de energia por fissão de urânio. As obras de Angra I começaram em 1972, na praia de Itaorna, município de Angra dos Reis (RJ). Em 1976, em pleno canteiro de obras da usina Vista panorâmica da Usina Termelétrica de Santa Cruz nos bairros de Marechal Hermes e Lameirão, sendo transferidas posteriormente para Santa Cruz. Problemas de nuclear, foram assinados os contratos para as obras civis de Angra 2 e 3, e iniciadas as obras da segunda unidade abastecimento na região Norte, no entanto, fizeram com que a Empresa transferisse essas unidades geradoras para as do complexo de usinas nucleares. FURNAS assumiu a linha de frente do projeto por sua apurada capacidade téc- Centrais Elétricas do Pará (Celpa) e Tucuruí. Em 1976, FURNAS incorporou ao seu parque gerador duas outras tér- nica. Angra I foi resultado da vontade dos militares de entrar na área nuclear. E quem tinha estrutura de engenharia micas: São Gonçalo (33 MW) e Campos (30 MW). A primeira foi comprada da Companhia Brasileira de Energia Elétri- para fazer a usina era FURNAS, afirma Jarbas Novaes, ex-assistente da Diretoria Técnica que, ao se aposentar da Em- ca (CBEE) e a segunda, das Centrais Elétricas Fluminenses S. A. (Celf). presa, em 1983, trabalhou por dez anos na Nuclebrás O grande prêmio da Itália consagra Emerson Fittipaldi como primeiro piloto brasileiro a conquistar o título da Fórmula 1. Em 1974, ele se tornaria bi-campeão Inaugurada a rodovia Transamazônica Inauguração da Usina de Porto Colômbia, entre os estados de Minas Gerais e São Paulo Os governos do Brasil e do Paraguai assinam acordo para a construção de Itaipu 123 passageiros de um vôo da Varig morrem depois de o avião em que viajavam sofrer um incêndio próximo a Paris A Usina de Mascarenhas de Moraes (antiga Peixoto) passa ao controle de FURNAS Um golpe militar no Chile derruba o presidente Salvador Allende. Começava a era Pinochet Para substituir os Comitês Coordenadores da Operação Interligada (CCOIs), surgem os Grupos Coordenadores para Operação Interligada (GCOIs) para gerir os sistemas interligados das regiões Sudeste e Sul

11 28 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 Transmissão e operação Também se deve em grande parte à excelência do quadro técnico de FURNAS a incumbência recebida pela Empresa, em 1973, de erguer as linhas de transmissão que transportam a energia gerada pela Usina de Itaipu, a maior do mundo, ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Este viria a ser o primeiro sistema de transmissão da América Latina em corrente contínua (+ 600 kv). Ao completar 20 anos, em 28 de fevereiro de 1977, FURNAS contava com: O crescimento da demanda por energia elétrica tornou necessário não apenas a incorporação de novas centrais elétricas ao sistema elétrico nacional, 8 usinas em operação linhas de transmissão que possibilitas- como também a instalação de extensas sem escoar a energia gerada por essas 4 usinas em construção usinas e dar segurança de suprimento aos consumidores. Entre 1968 e 1977, 48 linhas de transmissão circuitos de linhas de transmissão (de 138, 230, 345 e 500 kv). Assim, a Em- FURNAS energizou cerca de 6 mil km de 25 subestações presa pôde, por exemplo, iniciar, em 1973, o fornecimento de energia a MW de truir 395 km de linhas de transmissão Brasília. Para isso, foi necessário cons- potência instalada empregados entre as usinas do rio Grande e a capital federal, além das subestações de Bandeirantes, em Goiás, e Brasília-Sul, no Distrito Federal. A Subestação Bandeirantes, em Goiás, é um dos empreendimentos que possibilitou FURNAS fornecer energia elétrica a Brasília LINHA DO TEMPO 1974 Anunciada pela Petrobrás a descoberta de óleo na Bacia de Campos, no norte do estado do Rio de Janeiro FURNAS recebe da Embraer o primeiro Bandeirante de sua frota de aviões Crise do petróleo: países do Golfo Pérsico dobram o preço do barril FURNAS incorpora a Usina Hidrelétrica de Mascarenhas de Moraes e é designada para construir o sistema de transmissão da Usina de Itaipu O governo militar determina a censura prévia às emissoras de rádio e TV Em São Paulo, 184 pessoas morrem no incêndio do Edifício Joelma. Menos de dois anos antes, a cidade fora abalada pelo incêndio de outro edifício, o Andraus, que deixou 16 mortos

12 Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS 29 Mas se a década de 1970 ficou marcada na história de FURNAS como de intensa atividade nos segmentos de geração e transmissão, devemos atentar também para os avanços realizados em outra atividade crucial para o seu negócio: a operação do sistema. Foi a partir de 1972 que se cristalizou o atual modelo de operação da Empresa, com um centro operacional na sua sede, e despachos regionais de carga. Estes tiveram origem no centro de operação localizado na Usina de Furnas, que, desmembrado, possibilitou a criação dos despachos regionais de Minas (Usina de Furnas), Goiás (primeiramente na Usina de Porto Colômbia, passando depois à Subestação de Bandeirantes e à Usina de Itumbiara), Rio de Janeiro (Subestação de Jacarepaguá) e, já no início da década de 1980, São Paulo (Subestação de Campinas). Os despachos regionais cuidavam do dia-a-dia, isto é, da segurança do sistema e da programação de desligamentos, enquanto a maior preocupação do central era a entrega da energia contratada e o relacionamento com as outras empresas do setor, além de ter a visão de conjunto dos regionais, afirma Carlos Garnier, gerente, na década de 1970, do que é hoje o Centro de Operação do Sistema (CTOS.O) e que encerrou sua carreira em FURNAS como assistente da Diretoria de Operação Inaugurada a ponte Rio-Niterói Divulgação/ Ponte S.A. Entram em operação as últimas unidades geradoras da Usina Hidrelétrica de Porto Colômbia e começam as obras da Usina Hidrelétrica de Itumbiara Em Portugal, militares depõem o presidente Marcelo Caetano, dando início à redemocratização do país A Índia anuncia ter construído a bomba-atômica O presidente americano Richard Nixon renuncia para escapar do impeachment É sacramentada a fusão dos estados da Guanabara e do Rio de Janeiro Termina a Guerra do Vietnã Brasil e Alemanha firmam o Acordo sobre Cooperação nos Usos Pacíficos da Energia Nuclear, prevendo a instalação de oito centrais elétricas nucleares em 15 anos O jornalista Vladimir Herzog é morto nas dependências do DOI-Codi de São Paulo

13 30 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 Arquivo FURNAS A vila residencial da Usina de Porto Colômbia, com o reservatório à esquerda O ex-superintendente de Operação Antônio Carlos Pantoja Franco esclarece que este formato de supervisão e controle do sistema foi concebido com base, principalmente, na experiência de países como Estados Unidos e Canadá. A existência de um despacho central e de despachos regionais vem da necessidade de se oferecer confiabilidade ao sistema e de recompô-lo em caso de distúrbios, diz. Segundo Pantoja, FURNAS incentivou o aprimoramento da tecnologia nacional na área de operação. Tínhamos a mentalidade de desenvolver a indústria brasileira. Numa iniciativa aventureira, desenvolvemos módulos de supervisão remota em parceria com o Cepel, simulando a supervisão on-line. E, por meio de uma empresa de engenharia de São Paulo, fizemos o primeiro protótipo de sistema de supervisão, lembra ele. Seja na operação, no planejamento, ou na construção de centrais elétricas e linhas de transmissão, a atuação de FURNAS na década de 1970 parece demonstrar uma das principais características nutridas pela Empresa ao longo de seus 50 anos: a vocação de produzir técnicos e gestores capazes de inovar o Setor Elétrico Brasileiro. O mais importante nesses anos foi a formação de recursos humanos, porque o Brasil não tinha experiência de operação e de manutenção, afirma Garnier. LINHA DO TEMPO 1976 Incêndio destrói parte do canteiro de obras do bloco C do Escritório Central, que seria inaugurado em O fogo foi debelado pela brigada de incêndio de FURNAS João do Pulo estabelece novo recorde mundial do salto triplo, 17,89 m, no México Para fazer frente à escalada internacional dos preços do petróleo, o Brasil lança o Programa Nacional do Álcool (Proálcool) Isabel Perón é deposta da presidência da Argentina por um golpe de estado liderado pelo general Jorge Videla Confrontos raciais na África do Sul provocam a morte de 140 pessoas Bombas explodem na Associação Brasileira de Imprensa, na Ordem dos Advogados do Brasil e no Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. O atentado é assumido pela Aliança Anticomunista Morrem os expresidentes Juscelino Kubitschek e João Goulart, cassado pelo golpe militar de 1964 Inaugurada a Usina Hidrelétrica de Marimbondo Roberto Rosa

14 Revista FURNAS - Ano XXXIII - nº Fevereiro 2007 EDIÇÃO ESPECIAL - 50 ANOS DE FURNAS 31 Os primórdios do Escritório Central Botafogo, na Zona Sul do Rio de Janeiro, era ainda um bairro com feições de cidade do interior quando, em 27 de fevereiro de 1972, FURNAS aí inaugurou o seu Escritório Central. Os blocos A e B, primeiros a serem construídos, já vinham sendo ocupados desde 1970, recebendo empregados que antes estavam dispersos por diferentes endereços do Centro do Rio de Janeiro, como a rua São José e as avenidas Rio Branco e Rodrigues Alves. Nesses locais, a Empresa funcionava em salas e andares alugados. J.R. Nonato Os escritórios não eram operacionais, afirma Paulo Roberto Nogueira, da Assessoria de Desimobilização de Ativos (ADA.G), que ingressou em FURNAS em Ele trabalhava na rua São José 90 e lembra da visão privilegiada que os empregados tinham das passeatas contra o regime militar. Muitas vezes, não podíamos ir para casa porque a polícia estava batendo nos estudantes. O gás lacrimogêneo subia pela ventilação do prédio e ficávamos chorando, conta. Mas, se o Escritório Central trouxe mais espaço e tranqüilidade para os empregados, estes tiveram que adaptar sua rotina às peculiaridades de Botafogo, bairro que ainda era essencialmente residencial e com menos opções de transporte em relação ao Centro da cidade. Havia também poucos restaurantes em Botafogo e, logo no início, não tínhamos o bandejão, lembra Celso Alves da Silva, em FURNAS desde 1970 e, atualmente, lotado na Coordenação de Responsabilidade Social (CS.P). Uma das soluções encontradas para sanar este problema foi o acordo com um restaurante da rua Voluntários da Pátria e a disponibilização de ônibus especiais para o trajeto entre o Escritório Central e o local. Para quem precisava ir ao Centro da cidade resolver assuntos de trabalho, um serviço de kombis apelidadas de Cipó fazia, a cada 30 minutos, a ligação da nova sede com o escritório da rua São José Operários "levantam" o bloco C, que seria ocupado em 1978, tendo ao fundo o bloco B, inaugurado em 1972 juntamente com o bloco A 1977 São incorporadas ao Sistema FURNAS as usinas termelétricas de Campos e São Gonçalo O Aeroporto Internacional do Galeão é inaugurado no Rio de Janeiro Mais de 2,5 mil jornalistas assinam um manifesto da ABI contra a censura Uma pane em Nova York deixa 10 milhões de pessoas sem energia por 24 horas Rachel de Queiroz torna-se a primeira mulher a ocupar uma cadeira da Academia Brasileira de Letras Eder Chiodetto/ Folha Imagem O popstar norteamericano Elvis Presley morre em Londres, aos 42 anos Morre a escritora brasileira Clarice Lispector O Congresso Nacional sanciona a Lei que regulamenta o divórcio

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979)

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979) Divisões entre os militares: SORBONNE: oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra, intelectuais, veteranos da 2ª Guerra, próximos da UDN, alinhados com os EUA, anticomunistas, executivo forte e soluções

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985)

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985) OS PRESIDENTES MILITARES: MÉDICI GEISEL COSTA E SILVA FIGUEIREDO CASTELLO BRANCO 1 - O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 1967): PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo): Fim da Estabilidade no emprego.

Leia mais

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio Aula 14 Regime Militar 1 Contexto do Regime Militar Contexto interno: Colapso do Populismo (polêmica das Ref. de Base) Contexto externo: Guerra Fria e os interesses dos EUA (risco de cubanização do Brasil

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL

GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL Ano XVI Nº 157 2015 R$ 20,00 GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL Fábio Basilone Presidente da CGSC para o Brasil Especial: saiba tudo sobre o 4º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro reuniu mais de 500

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Aula 1 Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Aula 1: Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Prof. Fabiano F. Andrade 2011 Tópicos da Aula Histórico do Ambiente Regulatório

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

DITADURA CIVIL MILITAR

DITADURA CIVIL MILITAR DITADURA CIVIL MILITAR Argentina + ou 25.000 mortos Chile + ou 4.000 mortos Brasil + ou 500 mortos ARGENTINA Parte forte do Vice Reino do Prata vitoriosa da Guerra do Paraguai Sociedade rural que aos poucos

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO. Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008

RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO. Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008 RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008 Sumário Panorama... 4 Estatísticas e Mercado... 5 Expediente Diretoria Executiva ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras

Leia mais

Há 35 anos crescendo com o Brasil.

Há 35 anos crescendo com o Brasil. Há 35 anos crescendo com o Brasil. Nos últimos 35anos o Grupo Damiani participou ativamente das grandes transformações ocorridas na paisagem brasileira. Participando de realizações em todas as regiões

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos Principais Grupos Empresas correntes 2003 2004 2005 2006 Realizado Realizado Realizado LOA Setor Produtivo Estatal 17.301 18.285 20.554 31.404 - Grupo PETROBRAS (No País) 13.839 14.960 16571 24.095 - Grupo

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Módulo 13 - Brasil Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Marechal Castello Branco (1964 1967) Chegou a presidência via eleição INDIRETA No seu governo foram criados 4 atos institucionais

Leia mais

Em busca da qualidade de

Em busca da qualidade de Diretoria de Gestão Corporativa-DG empresa Em busca da qualidade de gestão Inovações tecnológicas e gerenciais possibilitam mais eficiência à Eletrobras Furnas texto Leonardo da Cunha Valorizar o capital

Leia mais

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas,

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, na Rodovia AM-010 KM-20. A Manauara nasceu do desejo de contribuir para um país mais

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL

A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIO IA A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL KENYA GONÇALVES NUNES ENGENHEIRA AGRÔNOMA

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Investimentos. aumentam capacidade de transmissão

Investimentos. aumentam capacidade de transmissão CAPA Investimentos aumentam capacidade de transmissão Novas obras e modernização das subestações garantem maior confiabilidade e segurança no abastecimento de energia elétrica Paralelamente à modernização

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA

O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS NO HORIZONTE DE CINCO ANOS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO ENCAMINHADO PELA EPE PARA O MME E ANEEL

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Palavra da ABEEólica. Atenciosamente, Elbia Melo

Palavra da ABEEólica. Atenciosamente, Elbia Melo BOLETIM ANUAL DE GERAÇÃO EÓLICA - 2012 Palavra da ABEEólica energia eólica tem experimentado um exponencial e virtuoso crescimento no Brasil. De 2009 a 2012, nos leilões dos quais a fonte eó- A lica participou,

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA 11.2 Conteúdo: Brasil na Era Militar

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA 11.2 Conteúdo: Brasil na Era Militar 11.2 Conteúdo: Brasil na Era Militar Habilidades: Compreender os principais acontecimentos no Brasil durante o regime civil-militar Regime Civil-Militar no Brasil Período: 1964 a 1985. Governos Militares

Leia mais

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER-000-0001 GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER-000-0002 BEL-B-GR-DE-GER-000-0003 BEL-B-GR-DE-GER-000-0004

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa

Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa e proposta de melhoria de pelo menos 2P s. Tópicos:

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 5.899, DE 5 DE JULHO DE 1973. Dispõe sobre a aquisição dos serviços de eletricidade da ITAIPU e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

PCH CARANGOLA INFORMATIVO DA PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA CARANGOLA Edição Especial n o 2 15 Meses de Obras Setembro de 2007

PCH CARANGOLA INFORMATIVO DA PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA CARANGOLA Edição Especial n o 2 15 Meses de Obras Setembro de 2007 N 1 PCH CARANGOLA INFORMATIVO DA PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA CARANGOLA Edição Especial n o 2 15 Meses de Obras Setembro de 2007 Obras movimentam comércio de Carangola e trazem mais recursos para o município

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Pernambuco Na indústria, mais demanda por trabalho Texto publicado em 28 de Dezembro

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

Números e curiosidades

Números e curiosidades Números e curiosidades - O leilão 004/2008 é o maior leilão realizado pela Aneel desde 98, com uma extensão total de quase 3 mil quilômetros de novas linhas. É o equivalente a metade da extensão do Rio

Leia mais

AULA 22.1 Conteúdos: Governo Geisel e a economia Governo Geisel e a política Governo João Figueiredo: anistia e novos partidos (diretas já)

AULA 22.1 Conteúdos: Governo Geisel e a economia Governo Geisel e a política Governo João Figueiredo: anistia e novos partidos (diretas já) CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA 22.1 Conteúdos: Governo Geisel e a economia Governo Geisel e a política Governo João Figueiredo: anistia e novos partidos (diretas já) 2

Leia mais

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão nº 338 agosto 2014 Odebrecht TransPort assume operação do Galeão Odebrecht 70 anos: trajetória em aeroportos Novos serviços para usuários-clientes de água e esgoto Rota do Oeste deve investir R$5,5 bilhões

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

La Brazilian Traction en la industrialització del Brasil

La Brazilian Traction en la industrialització del Brasil Les hidroelèctriques i la transformació del Paisatge Universitat de Lleida La Brazilian Traction en la industrialització del Brasil Alexandre Macchione Saes Departamento de Economia Universidade de São

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA AGOSTO/96 N 1 O Risco de Déficit de Energia Elétrica no Brasil O setor elétrico brasileiro, que se constituiu no passado em importante vetor

Leia mais

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Mauricio Bähr Diretor-Presidente, SUEZ Energy Brasil julho de 2008 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil.

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. O Outlet Premium avança pelo território nacional abrindo grandes oportunidades de negócios para você. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Outlet

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

1.7 Equipamentos e materiais utilizados em instalações elétricas

1.7 Equipamentos e materiais utilizados em instalações elétricas 1.7 Equipamentos e materiais utilizados em instalações elétricas 1.7.1 Vara de manobra isolada Como a distância de segurança e o isolamento são de fundamental importância nas operações de instalação e

Leia mais

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Paralela à necessidade e a previsão de investimentos do Brasil na geração de energia elétrica, que deverá destinar recursos da ordem de R$ 274,8 bilhões nos próximos quatro anos, através do

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

Tecnologia de sistemas.

Tecnologia de sistemas. Tecnologia de sistemas. HYDAC Dinamarca HYDAC Polônia HYDAC Brasil HYDAC Índia HYDAC China HYDAC França HYDAC Alemanha Seu parceiro profissional para a tecnologia de sistemas. Com mais de 7.500 colaboradores

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,00 PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES R$ 1,00 09 PREVIDÊNCIA SOCIAL 20.000.000 20 AGRICULTURA 2.118.000 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 867.840 25 ENERGIA 707.561.300 26 TRANSPORTE 112.420.091

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Page 1 of 5 Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Carolina Medeiros, da Agência CanalEnergia, Reportagem Especial

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Fórum Internacional A Sustentabilidade no Século XXI Joel de Lima - Diretoria Geral Brasileira Pelotas, 11 de novembro de 2010 RETROSPECTO HISTÓRICO:

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Paralela à necessidade e a previsão de investimentos do Brasil na geração de energia elétrica, que deverá destinar recursos da ordem de R$ 274,8 bilhões nos próximos quatro anos, através do

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Energia: aprendendo com a crise

Energia: aprendendo com a crise Energia: aprendendo com a crise No início de 1995, o setor elétrico brasileiro vivia uma situação de quase falência, com obras paradas e falta de investimentos. Nada menos que 56 obras em usinas geradoras

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana GUERRA DO VIETNÃ Após o fim da Guerra da Indochina (1954), Vietnã é dividido na altura do paralelo 17: Norte: república

Leia mais

Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3512-3100 Fax (+21) 3512-3198

Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3512-3100 Fax (+21) 3512-3198 LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE DE TRANSMISSÃO E DEFINIÇÃO DE SUBESTAÇÕES CANDIDATAS Empresa de

Leia mais

CARLOS ROBERTO SUTTER

CARLOS ROBERTO SUTTER CARLOS ROBERTO SUTTER CREA-RJ.: xxxxx Engenheiro Eletricista - UFRJ, 1971. Idiomas: Inglês Cursos e Aperfeiçoamento Máquinas Elétricas -por Edward T. metcalf, PROMON, Rio de Janeiro, 1978, 1979 Congressos

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO MARCOS ANTONIO DANELLA Quem Somos Engenheiro, Administrador, professor PUC Campinas Gerente Regional de Operações no Setor Elétrico (29 anos)

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.349, DE 2006 (MENSAGEM N o 489, DE 2006) Aprova o texto do Acordo sobre o Fortalecimento da

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia Fontes Alternativas de Energia Fontes de Energia Fontes Primárias Fontes Renováveis Fontes Não Renováveis Geotérmica Gravitacional Solar Nuclear Oceânica Eólica Hidráulica Fontes Secundárias Madeira Cana

Leia mais

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Interligação Tucuruí Macapá Manaus: integração da Amazônia ao SIN A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Objetivos do modelo do Setor Elétrico Segurança no Modicidade

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL

LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL Artigo LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL Gabriel Nasser Doyle de Doile Rodrigo Limp Nascimento 58 RESUMO Para integrar o sistema elétrico das regiões de Manaus, Macapá e municípios situados

Leia mais

DITADURA MILITAR (1964 1985) Anos de Chumbo Ditadura Militar 1964-1985

DITADURA MILITAR (1964 1985) Anos de Chumbo Ditadura Militar 1964-1985 Anos de Chumbo Ditadura Militar 1964-1985 1 - Antecedentes: Esgotamento do populismo: manifestações de massa, greves, agravamento de tensões sociais. Temor dos EUA com a possibilidade de novas revoluções

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais