Em Busca da Excelência: Mega-eventos Esportivos e Direitos Humanos SUMÁRIO EXECUTIVO. IHRB Série de documentos ocasionais Documento Número 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em Busca da Excelência: Mega-eventos Esportivos e Direitos Humanos SUMÁRIO EXECUTIVO. IHRB Série de documentos ocasionais Documento Número 2"

Transcrição

1 Em Busca da Excelência: Mega-eventos Esportivos e Direitos Humanos SUMÁRIO EXECUTIVO IHRB Série de documentos ocasionais Documento Número 2 Março 2014

2 IHRB Série de documentos ocasionais Documento Número 2 Março 2014 O relatório integral está disponível em inglês em Esse Sumário Executivo em português foi atualizado para refletir os recentes avanços nesta área. Em Busca da Excelência: Mega-eventos Esportivos e Direitos Humanos SUMÁRIO EXECUTIVO Sobre este documento Este é o segundo de uma série de documentos ocasionais do Institute for Human Rights and Business IHRB (Instituto de Direitos Humanos e Empresas). Os documentos desta série oferecem uma análise independente e recomendações para políticas referentes a assuntos atuais na agenda de empresas e direitos humanos a partir da perspectiva de membros da equipe e pesquisadores do IHRB. A pesquisadora do IHRB, Lucy Amis, preparou este documento com a contribuição de membros da equipe do Instituto.IHRB wishes to thank all those who offered comments on earlier drafts of the paper. O IHRB gostaria de agradecer a todos aqueles que contribuíram com comentários nos esboços anteriores deste artigo. Desde 2011, quando lançou a Iniciativa Staff Wanted com a Anti-Slavery International em resposta às preocupações com a exploração de trabalhadores vulneráveis, tráfico humano e trabalho forçado no setor de hospitalidade na preparação para as Olimpíadas de Londres 2012, o IHRB assumiu um interesse pelos impactos que mega-eventos esportivos e empresas têm sobre os direitos humanos. Mega-eventos esportivos como os Jogos Olímpicos, a Copa do Mundo da FIFA (Fédération Internationale de Football Association) e os Jogos da Comunidade Britânica (Commonwealth Games) com sua massiva presença física e comercial proporcionam uma rara oportunidade para abordar um amplo espectro de preocupações sobre empresas e direitos humanos dentro de um microcosmo, e de explorar novas abordagens possíveis para a integração do respeito aos direitos humanos por meio de uma ampla diversidade de relacionamentos e práticas. Todos os direitos reservados. O IHRB permite a reprodução livre de excertos de qualquer uma de suas publicações desde que o devido reconhecimento seja dado e um exemplar da publicação com o excerto seja enviado para a sua sede, no endereço abaixo. Os pedidos de autorização para reproduzir ou traduzir a publicação devem ser dirigidos ao IHRB. Institute for Human Rights and Business 34b York Way London N1 9AB UK Telefone: (+44) ISBN:

3 Introdução Eventos esportivos internacionais capturam a atenção mundial não apenas pela excelência dos atletas competindo, mas também pela intensa competição entre as nações que disputam para sediá-los. Em parte, por causa do interesse gerado pela mídia por esses Mega-Eventos Esportivos (MEE), eles se tornaram um alvo para ativistas da sociedade civil e sindicalistas que buscam destacar um conjunto de preocupações socioambientais em todo o ciclo de vida do evento, desde o procedimento de licitação da cidade candidata até o processo de transição pós-evento. E, também, porque a preparação e realização de grandes eventos como as Olimpíadas ou a Copa do Mundo implica em envolvimento e patrocínio corporativo em larga escala, tornando as empresas em questão em alvos específicos de campanhas. A onda de protestos em junho de 2013 no Brasil, que viu mais de um milhão de pessoas saírem às ruas durante a realização da Copa das Confederações da FIFA (um ensaio geral para a Copa do Mundo 2014), assim como as controvérsias ligadas aos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi 2014 na Rússia e à Copa do Mundo da FIFA em 2022 no Qatar renovaram questões fundamentais relacionadas às responsabilidades dos governos nacionais que sediam tais eventos e das entidades responsáveis pela organização de eventos internacionais de esportes. A preocupação pública com o excesso de gastos associados aos MEE não atinge apenas o Brasil, mas as manifestações no país encontraram um exemplo claro para o descontentamento relacionado principalmente à corrupção e aos serviços públicos caros e deficientes no uso do dinheiro público para sediar a Copa do Mundo e as Olimpíadas. O aumento da oposição, particularmente em um país apaixonado por esporte, e o futebol em particular, chama atenção para o grau de importância dos impactos sociais e da percepção comunitária, que precisam ser levados em consideração no planejamento de MEE. Do ponto de vista dos direitos humanos, mega-eventos esportivos trazem tanto oportunidades como riscos. Grandes eventos esportivos trazem imensos investimentos público e privado essenciais para a criação de novos postos de trabalhos e para o aumento da empregabilidade. Eles também trazem o potencial para melhorar infraestruturas essenciais, regenerar áreas urbanas, gerar moradias e promover participação em atividades esportivas e um estilo vida saudável. Ao mesmo tempo, os MEE como as Olimpíadas de Pequim 2008; a Copa do Mundo da FIFA em 2010, na África do Sul; os Jogos da Comunidade Britânica (Commonwealth Games) em 2010, em Nova Déli; a Olimpíada de Londres 2012; os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi 2014; e as próximas Copas do Mundo da FIFA no Brasil, na Rússia e em Qatar, bem como as Olímpiadas do Rio 2016 têm sido alvo de escrutínio por especialistas em direitos humanos e ativistas por causa de uma série de preocupações. De acordo com estimativas, até 1,5 milhão de pessoas foram removidas para dar lugar às Olimpíadas de Pequim, enquanto cerca de 3

4 famílias foram expulsas de terras públicas antes dos Jogos em Nova Déli. 1 No auge da construção para as Olimpíadas de Pequim, ao menos 10 pessoas morreram e em torno de trabalhadores apresentaram queixas sobre exploração no ambiente de trabalho. 2 E, na corrida para os mega-eventos esportivos no Brasil, um especialista em direitos humanos da ONU relatou diversas alegações de abuso ao direito à moradia. 3 Os problemas de direitos humanos associados aos MEE não se restringem ao desenvolvimento de projetos locais e de infraestrutura. Denúncias de trabalho análogo à escravidão (sweatshop labour) em linhas de produção de artigos esportivos, vestuário e mercadorias ligadas aos mega-eventos esportivos surgem repetidamente, independente do evento ser realizado em um país desenvolvido ou com uma economia em crescimento. Antes das Olimpíadas de Pequim, por exemplo, a campanha Playfair registrou casos de trabalho infantil, horas de trabalho excessivas, e abusos das leis de saúde e segurança em linhas de produção de vários produtos Olímpicos licenciados. 4 Da mesma forma, antes da Copa do Mundo da FIFA na África do Sul em 2010 e das Olimpíadas de Londres 2012, ativistas fizeram denúncias sobre salários baixos e outros abusos de direitos trabalhistas na linha de produção de roupas e artigos esportivos em fábricas no Paquistão, na Índia, na China e no Sudeste da Ásia. 5 Algumas dessas alegações foram vigorosamente negadas pelas marcas em questão, enquanto outras admitiram as acusações e tomaram medidas para remediar a situação. Preocupações com direitos humanos também vieram à tona durante os eventos em si. A Copa do Mundo na África do Sul teve relatos divulgados na imprensa sobre assédio policial a desabrigados e moradores de rua e remoção forçada de vendedores ambulantes das zonas de exclusão comercial, o que supostamente resultou na perda de meios de subsistência dessas 1 Relatório da Relatora Especial da ONU sobre Moradia Adequada como Componente do Direito a uma Condição de Vida Adequada, Raquel Rolnik, A/HRC/13/20; e Fair Play pelo Direito à Moradia: mega-eventos, Olímpiadas e direito à habitação (Fair Play for Housing Rights: Mega-events, Olympic Games & Housing Rights), p.28, COHRE e Um ano do meu sangue Exploração de trabalhadores migrantes nas construções em Pequim ( One Year of My Blood Exploitation of Migrant Construction Workers in Beijing,) Human Rights Watch, March e Um ano do meu sangue Exploração de trabalhadores migrantes nas construções em Pequim ( One Year of My Blood Exploitation of Migrant Construction Workers in Beijing,) Human Rights Watch, March Playfair é uma coalizão entre ONGs e sindicatos fazendo campanha pelo respeito dos direitos dos trabalhadores em mega-eventos esportivos. 5 e Uma visão geral das condições de trabalho em fábricas de artigos esportivos na Indonésia, Sri Lanka e Filipinas (An Overview of Working Conditions in Sportswear Factories in Indonesia, Sri Lanka & the Philippines), ITGLWF,

5 populações. 6 Revelações na mídia durante os Jogos Olímpicos de Londres 2012 trouxeram à tona casos de exploração salarial e de trabalhadores migrantes no quadro de funcionários temporários de dois hotéis usados por delegações olímpicas e árbitros. 7 Da mesma forma, durante os Jogos Olímpicos de Inverno de Vancouver 2010 e de Londres 2012, grupos defensores de liberdades civis e jornalistas queixaram-se de limites impostos à liberdade de expressão e ao direito de assembleia pelas autoridades anfitriãs e por organizadores do evento, que foram colocados ostensivamente para proteger direitos de marcas (brand rights). Os Jogos Olímpicos de Londres 2012 estabeleceu vários parâmetros para referência na abordagem de desafios relacionados aos direitos humanos. Londres foi a primeira Olimpíada de Verão a incorporar o conceito de sustentabilidade desde o princípio. Foram os primeiros Jogos Olímpicos e Paraolímpicos a se submeter a um exame minucioso por um organismo de certificação independente, a Comissão para uma Londres 2012 Sustentável (Commission for Sustainable London 2012). A Autoridade de Entregas Olímpicas de Londres (London s Olympic Delivery Authority) também estabeleceu um novo parâmetro, terminando as obras olímpicas locais sem qualquer fatalidade entre os trabalhadores da construção civil. 8 O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Londres (London s Organising Committee of the Olympic Games - LOCOG) abriu novos caminhos com um código de origem sustentável que foi reforçado por um mecanismo de queixas. 9 No entanto, Londres 2012 não passou isento de críticas. Por exemplo, o LOCOG enfrentou acusações de demora em convocar licenciados a divulgar informações sobre suas linhas de produção. 10 Apesar desta e outras críticas, Londres 2012 foi, sem dúvida, mais longe do que qualquer outra cidade-sede de mega-eventos esportivos em termos de compromisso com a sustentabilidade e com políticas e práticas socialmente responsáveis, e fez avanços sobre os quais o movimento olímpico e outros organizadores de MEE podem continuar a construir. No entanto, quase dois 6 7 Uma reportagem da BBC Newsnight (26 e 27/9/12) afirmou que a Jani-King, agência usada pelo hotel Hilton Waldorf, alterou o preço da hora paga aos trabalhadores sem aviso e ameaçou-os com demissão sem justa causa. Jani-King negou que qualquer funcionário seria automaticamente demitido, mas pediu desculpas por inconvenientes em relação aos salários. Hilton disse que todos os seus fornecedores devem estar em conformidade com as leis e condições de emprego, e disse que Jani-King estava revendo suas práticas de recursos humanos no hotel. Calibre, a agência usada pelo Hotel St Ermin, foi denunciada por pagar um valor parcial da remuneração devida aos trabalhadores de valor inferior ao salário mínimo. St Ermin disse que havia deixado de trabalhar com a Calibre pelas irregularidades relacionadas. Calibre declarou que pagava por hora e cumpria as exigências do governo. 8 Comissão para uma Londres 2012 Sustentável (Commission for a Sustainable London 2012 Fit for purpose March 2011.) 9 Playfair e outras partes interessadas pressionaram o LOCOG para incluir normas de trabalho em seu código de origem sustentável e um mecanismo de queixas. 10 Comissão para uma Londres 2012 Sustentável, Cortando a fita Revisão Annual (Commission for a Sustainable London 2012, Breaking the tape Annual Review 2011, 2012). 3

6 anos depois, observaram-se protestos em massa durante a Copa das Confederações de 2013 no Brasil, debates em torno da homofobia antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi na Rússia, e uma profunda preocupação sobre a situação dos trabalhadores migrantes no Qatar que se prepara para a Copa do Mundo de Com base nesta realidade, ainda não está claro se, e de que forma, as lições aprendidas em Londres 2012 e atualmente sendo testadas no Brasil e em outros países podem ser aproveitadas nos próximos eventos, incluindo a Copa do Mundo da FIFA no Brasil 2014, Jogos da Comunidade Britânica em Glasgow 2014, as Olimpíadas do Rio 2016, as Copas do Mundo da FIFA na Rússia e no Qatar, em 2018 e 2022 respectivamente, ou nos Jogos Olímpicos de Tóquio Sem dúvida, nem todo exemplo de boas práticas emergentes, sejam elas criadas em Vancouver, em Londres ou no Brasil, pode ser replicado com facilidade em outros contextos. No entanto, existe um risco real de que o recente avanço atingido em torno da sustentabilidade e dos direitos humanos possa ser perdido caso não haja um veículo adequado para levar o aprendizado para a frente. Os protestos do ano passado no Brasil e as preocupações com os mega-eventos esportivos na Rússia e no Qatar apontam para a importância da liderança e do apoio necessário das entidades responsáveis pelo desporto e dos governos anfitriões. Desde a sua criação mais de cem anos atrás, tanto as Olimpíadas como a Copa do Mundo da FIFA têm, frequentemente, desempenhado um papel simbólico na promoção dos direitos humanos. Isto não é sugerir que esses eventos tenham sido sempre livres de controvérsias. No entanto, a estreita associação entre o movimento olímpico e valores de harmonia entre os povos, solidariedade e fair play é, em parte, o que faz os Jogos Olímpicos, em particular, tão comercialmente atraentes para patrocinadores e outros parceiros comerciais. O que também pode ser responsável pelas elevadas expectativas populares em torno de questões sociais, bem como iniciativas como o comunicado conjunto de direitos humanos e dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos 11 pelos governos do Reino Unido e das três próximas cidades-sede das Olimpíadas na Rússia, no Brasil e na Coréia do Sul. Os protestos, campanhas e manchetes da mídia no Brasil, na Rússia e no Qatar no último ano relançaram o debate acerca dos desafios sociais e dos custos das oportunidades para o país sede de mega-eventos esportivos. Como resultado, o Comitê Olímpico Internacional (COI), a FIFA e outras entidades internacionais que regem esportes estão sofrendo pressão para responder às expectativas das partes interessadas sobre uma série de problemas de sustentabilidade e para reformar os pré-requisitos para licitação de cidades candidatas e os acordos com a cidade-anfitriã para refletir novos padrões internacionais. Tais padrões incluem os Princípios 11 O comunicado sobre Direitos Humanos e os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos entre o Reino Unido, a Federação Russa (anfitriã de Sochi 2014), Brasil (anfitrião da Rio 2016) e Coréia do Sul (anfitriã de PyeongChang 2018) foi lançado em 29 de agosto de 2012 no ministério das relações exteriores do Reino Unido (Foreign & Commonwealth Office). 4

7 Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos das Nações Unidas (UN Guiding Principles on Business and Human Rights) 12, aprovados por unanimidade pelo Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em O COI, por exemplo, lançou a Agenda Olímpica de 2020, que é um novo mapa para o movimento olímpico, sob a Presidência de Thomas Bach no COI, e que promete abordar questões sobre licitação e sustentabilidade. 13 A FIFA, enquanto isso, deu um ultimato para os organizadores no Qatar, o que resultou em um novo estatuto para trabalhadores que abrange questões sobre as condições enfrentadas pelos trabalhadores migrantes nos projetos de construção da Copa do Mundo de Na medida em que mais empresas no mundo todo entre eles muitos patrocinadores oficiais de mega-eventos esportivos comprometerem-se com um comportamento socialmente responsável e um maior compromisso em respeitar os direitos humanos, boas práticas de direitos humanos podem ser cada vez mais vistas como essenciais para todas as partes envolvidas na realização de MEE. Isso inevitavelmente coloca um ônus adicional sobre todas as partes, inclusive nos governos anfitriões, para cumprir suas obrigações internacionais de direitos humanos. Em especial, em contextos nos quais as leis são limitadas ou mal aplicadas, como, por exemplo, nos casos de normas para projetos de desenvolvimento, construções e locais de trabalho. Este documento concentra-se principalmente em dois mega-eventos esportivos, as Olimpíadas e a Copa do Mundo da FIFA. Outras Copas do Mundo, os Jogos da Comunidade Britânica, e vários outros MEE menores também são brevemente considerados. O objetivo não é se concentrar nos dilemas sobre a economia de mega-eventos esportivos e tão evidentes nos protestos no Brasil em 2013, ou no delicado equilíbrio entre os custos e benefícios de receber tais eventos. 15 Em vez disso, a ênfase fica na amplitude de oportunidades e riscos aos direitos humanos presentes em todo o ciclo de vida dos mega-eventos esportivos. Na tentativa de 12 Os Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos das Nações Unidas: Implementando a estrutura das Nações Unidas de Proteger, Respeitar e Remediar, HR/PUB/11/04, 2011 Nações Unidas (Implementing the United Nations Protect, Respect and Remedy Framework). Esses Princípios Orientadores são o resultado de um processo de seis anos com participação de várias partes interessadas, e foram aprovados por unanimidade pelos 47 Estados membros do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em Eles não só reafirmam os deveres do Estado em proteger as pessoas de abusos aos direitos humanos envolvendo terceiros, incluindo empresas, mas também fornecer um modelo para que empresas conheçam e demonstrem que respeitam os direitos humanos, reduzam o risco de causar ou contribuir para prejudicar os direitos humanos, inclusive por meio de um sistema de diligência prévia. Eles também explicitam a necessidade de um maior acesso a recursos para remediação efetiva das vítimas, tanto de natureza judicial e não judicial. 13 A Agenda Olímpica de 2020 deverá ser finalizada até o final de Para mais detalhes: executive-board-meets-to-discuss-olympic-agenda-2020/ Estes incluem o benefício da atenção mundial por curto período e impulso econômico e psicológico para a cidade/nação anfitriã contra o custo da oportunidade de mobilizar recursos em tal escala para outros objetivos de desenvolvimento, bem como o risco de dívidas a longo prazo e não utilização das recém-construídas instalações após o evento. 5

8 analisar a extensão das preocupações que as entidades responsáveis pelo desporto (como o COI e a FIFA) e os anfitriões de MEE têm com os direitos humanos são destacados exemplos de boas práticas emergentes que promovem o respeito pelos direitos humanos. Ao mesmo tempo, lacunas na governança atual por trás desses eventos são discutidas assim como as crescentes preocupações referentes aos direitos humanos com a proximidade de vários MEE. O documento conclui com uma série de recomendações sugeridas para atores-chave que procuram garantir que os mega-eventos esportivos deixem um legado positivo de direitos humanos nos próximos anos. Próximos passos e recomendações Mega-eventos esportivos aspiram a operar de maneira exemplar. Para tanto, instaurar um sistema de verificação prévia sobre os direitos humanos, com base nos Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos das Nações Unidas (Princípios Orientadores) e outras normas pertinentes, em todo o ciclo de vida destes eventos torna-se imperativo. Isso deve ocorrer em todas as fases do evento e deve abranger todo o espectro de questões relacionadas aos direitos humanos. Ele não pode ser seletivo. Dessa forma, os MEE estarão em melhor posição para enfrentar as questões de direitos humanos que se apresentarem. Os organizadores de MEE não serão capazes de agradar à todas as partes envolvidas. Dadas suas escolhas recentes Pequim, Sochi e Qatar pode-se questionar se as entidades responsáveis pelo desporto votarão a favor ou contra futuros candidatos baseando-se unicamente em fatores ligados aos direitos humanos. No entanto, em depoimento apresentado perante o parlamento europeu em fevereiro de 2014 sobre as condições de trabalho nas construções para a Copa do Mundo no Qatar, um comitê executivo da FIFA indicou publicamente a necessidade de repensar o processo de licitação e de dar aos direitos humanos um status muito mais elevado. 16 Há uma pressão crescente para levar em conta as preocupações com os direitos humanos de forma mais sistemática. Os Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos das Nações Unidas podem agir como um catalisador para a construção de um legado mais positivo dos direitos humanos em todos os mega-eventos. A experiência adquirida mostra que a preocupação com os princípios e normas de direitos humanos pode beneficiar todos os envolvidos. No entanto, isso requer uma ação coordenada, e, acima de tudo, liderança das entidades responsáveis pelo estabelecimento dos parâmetros. O modelo de legado olímpico do COI poderia ser usado como ponto de partida para dar continuidade à essa questão. 16 Dr. Theo Zwanziger, membro do comitê executivo da FIFA, foi prestar depoimento sobre as condições de assistência social dos trabalhadores migrantes envolvidos nos projetos de construção para a Copa do Mundo 2022 no Qatar perante o Parlamento Europeu. com/2014/02/13/sport/football/qatar-human-rights-fifa-football/ 6

9 Recomendações Para entidades responsáveis pelo desporto 1) Fazer um compromisso público explícito de respeito aos direitos humanos, consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos, dentro dos documentos constitucionais ou dos códigos de ética que regem as entidades responsáveis pelo desporto. Estabelecer uma estratégia para a integração de uma perspectiva de direitos humanos, baseada nos Princípios Orientadores, nos relevantes procedimentos operacionais das entidades responsáveis pelo desporto, por exemplo, nos requisitos exigidos da cidade/país candidato, nos acordos com a cidade-anfitriã, nos estudos de impacto e no processo de transferência da gestão do conhecimento/legado. 2) Exigir que os principais patrocinadores mundiais e parceiros da mídia respeitem os direitos humanos de acordo com os Princípios Orientadores. Isso inclui adotar uma declaração sobre políticas de direitos humanos, divulgar publicamente informações sobre seus esforços para implementar um sistema de diligência prévia de direitos humanos, e remediar impactos adversos sobre os direitos humanos. 17 Esta exigência deve ser imprescindível e deve fazer parte do contrato entre o patrocinador/parceiro de transmissão e as entidades responsáveis pelo desporto. 18 3) Revisar os requisitos existentes para cidades/países candidatos de modo que cidades/ países vencedores da licitação conduzam uma avaliação do impacto social que inclua questões relevantes de direitos humanos, além da atual exigência de uma avaliação de impacto ambiental. Estipular a necessidade de consultar grupos potencialmente afetados e outras partes interessadas, conforme descrito nos Princípios Orientadores. 4) Exigir comitês organizadores locais, em consonância com os Princípios Orientadores, a adotar uma declaração de direitos humanos, divulgar publicamente informações sobre seus esforços para implementar um sistema de diligência prévia de direitos humanos, e remediar os impactos adversos sobre os direitos humanos. Os comitês organizadores locais deveriam também ser obrigados a incluir em seus contratos com os patrocinadores comerciais e parceiros uma cláusula para que estes patrocinadores/parceiros façam o mesmo. 5) Estabelecer o cargo de ombudsman, sob a autoridade da entidade responsável pelo desporto, para receber denúncias de abusos de direitos humanos relacionados aos 17 A Lei de Transparência na Cadeia de Produção da Califórnia, por exemplo, requer que vendedores de varejo e fabricantes que fazem negócios no estado divulguem seus esforços para erradicar a escravidão e o tráfico de seres humanos das cadeias de produção dos fornecedores de bens tangíveis oferecidos para venda. 18 Os requisitos obrigatórios descritos no compromisso WFSGI para o Programa de Qualidade da FIFA descrito acima poderia servir como modelo. 7

10 mega-eventos esportivos, às operações dos comitês organizadores locais e seus parceiros comerciais e para que este órgão investigue de forma independente as alegações de abusos de direitos humanos relacionados à realização do MEE. Para as autoridade anfitriãs (governos nacionais/federais, estaduais e municipais) 1) Durante a fase de licitação, fazer com que o comitê organizador local se comprometa (no caso de uma proposta vencedora) a adotar uma declaração de direitos humanos, em linha com os Princípios Orientadores, divulgar publicamente informações sobre seus esforços para implementar um sistema de diligência prévia de direitos humanos, e remediar impactos adversos sobre os direitos humanos. Comprometer o comitê organizador local com a criação de um organismo doméstico de certificação independente 19 para supervisionar questões relacionadas aos direitos humanos e à sustentabilidade associados aos mega-eventos esportivos; e um código de conduta sobre normas de trabalho a serem incluídos nos contratos com fornecedores, licenciados e outros parceiros comerciais, que seja apoiado por um mecanismo de queixa e de resolução de disputas. 2) Estabelecer e promover diretrizes gerais de direitos humanos, em consonância com os Princípios Orientadores, para atividades de negócios ligados ao mega-evento esportivo, mas que não estão dentro da competência do comitê organizador local. 3) Certificar que nada no processo de licitação ou no acordo com as cidades-sede seja incompatível com as obrigações internacionais de direitos humanos do governo anfitrião, por exemplo, na aplicação de direitos de propriedade comercial. 4) Apelar às entidades responsáveis pelo desporto a se comprometerem explicitamente com o respeito aos direitos humanos, a integrar os Princípios Orientadores aos requisitos exigidos da cidade/país candidato e nos acordos com a cidade-anfitriã, e garantir que eles façam cumprir todos os compromissos existentes para combater a discriminação e promover os direitos das mulheres e de outros grupos marginalizados ou vulneráveis. 5) Apelar às entidades responsáveis pelo desporto a se comprometerem explicitamente com o respeito aos direitos humanos, Pending a changes integrar os Princípios Orientadores aos requisitos exigidos da cidade/país candidato e nos acordos com a cidade-anfitriã, e garantir que eles façam cumprir todos os compromissos existentes para combater a discriminação e promover os direitos das mulheres e de outros grupos marginalizados ou vulneráveis. 19 A Comissão para uma Londres 2012 Sustentável poderia server como modelo. 8

11 Para os comitês organizadores locais 1) Emitir um compromisso público explícito de respeitar os direitos humanos, consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos, e em consonância com os Princípios Orientadores, divulgar publicamente informações sobre seus esforços para implementar um sistema de diligência prévia de direitos humanos e remediar os impactos adversos sobre os direitos humanos. 2) Estabelecer uma estratégia para integrar uma perspectiva de direitos humanos, com base nos Princípios Orientadores, em todo o ciclo de vida do mega-evento esportivo e para consultar as principais partes envolvidas. Procurar boas práticas disponíveis com as entidades responsáveis pelo desporto, comitês organizadores locais anteriores e outras partes interessadas. 3) Criar um organismo doméstico de certificação independente para supervisionar questões relacionadas aos direitos humanos e à sustentabilidade associados aos mega-eventos esportivos; e um código de conduta sobre normas de trabalho a serem incluídos nos contratos com fornecedores, empresas licenciadas e outros parceiros comerciais, que seja apoiado por um mecanismo de queixa e de resolução de disputas. 4) Requerer contratualmente todos os parceiros comerciais (por exemplo, patrocinadores, empreiteiros, fornecedores e empresas de radiodifusão, hoteleiros), em consonância com os Princípios Orientadores, a adotar uma declaração apoiando uma política de respeito aos direitos humanos, divulgar publicamente informações sobre seus esforços para implementar um sistema de diligência prévia de direitos humanos, e remediar impactos adversos sobre os direitos humanos. Os fornecedores devem ser convocados a divulgar os locais das fábricas em sua linha de produção. Para patrocinadores olímpicos mundiais e parceiros da FIFA 1) Em conformidade com os Princípios Orientadores, adotar uma declaração sobre sua política de direitos humanos, divulgar publicamente informações sobre os esforços para implementar um sistema de diligência prévia dos direitos humanos, e remediar os impactos adversos sobre os direitos humanos. 2) Exigir contratualmente todos os parceiros comerciais (por exemplo, governos, fornecedores, subempreiteiros e parceiros de joint-venture) a adotar uma declaração sobre sua política de direitos humanos, de acordo com os Princípios Orientadores, divulgar publicamente informações sobre seus esforços para implementar um sistema de diligência prévia 9

12 de direitos humanos, e remediar os impactos adversos sobre os direitos humanos. Apelar a outros parceiros comerciais com os quais não há contrato direto a fazer o mesmo. 3) Apelar às entidades responsáveis pelo desporto a se comprometerem explicitamente com o respeito aos direitos humanos, a integrar os Princípios Orientadores aos requisitos exigidos da cidade/país candidato e nos acordos com a cidade anfitriã, e garantir que eles façam cumprir todos os compromissos existentes para combater a discriminação e promover os direitos das mulheres e de outros grupos marginalizados ou vulneráveis. 10

13 Mega-eventos esportivos oferecem uma oportunidade única para desencadear transformações na cultura de direitos humanos em uma sociedade. Ao contrário de sistemas de irrigação, usinas de energia, estradas e aeroportos, que são essenciais para o funcionamento de uma nação, hospedar um mega-evento esportivo é uma atividade opcional. Nenhum governo é obrigado a hospedar um MEE eles optam por fazê-lo. Nenhuma empresa é obrigada a patrocinar um mega-evento esportivo eles decidem fazê-lo. Desde a sua concepção, a seleção das cidades, e o início das construções, hospedar um MEE é uma atividade planejada, com uma data limite para quando o evento termina. Do seu início até o fim, continua a ser uma significativa escolha de esforço industrial e de construção. Os governos, portanto, não tem pretextos para não pôr em prática salvaguardas para garantir o respeito aos direitos humanos em todas as fases. Toda atividade desde a aquisição até a seleção dos empreiteiros para a realização do evento é sustentada pela obrigação de regular os operadores. Entidades responsáveis pelo desporto também estão comprometidas, pelo menos em princípio, em defender os ideais do esporte uma competição entre iguais, sem discriminação, e uma busca pela excelência a fim de que o melhor indivíduo ou equipe possa ganhar celebrando a companheirismo e destreza física. Eles não têm nenhum motivo para enfraquecer os padrões internacionais. Eles têm a obrigação de mantê-las. E as empresas que buscam se beneficiar da boa vontade gerada pelos jogos através do espírito do esporte devem, portanto, estar preparadas para garantir que em nenhum estágio de suas atividades essenciais tenham agido de forma a comprometer os direitos humanos. As empresas não podem reivindicar crédito colocando seus logotipos sobre os estádios, e não se responsabilizar por acidentes durante a construção de estádios nos quais trabalhadores morreram ou foram mutilados. Não há medalhas de ouro a serem vencidas nesta corrida. Parafraseando o Barão Pierre de Coubertin, pai do movimento olímpico moderno, o importante não é o resultado final por si só, mas como chegamos lá; o essencial não é ter atingido o cume, mas ter subido corretamente e em segurança pelo caminho. O que ele disse então, aplica-se aos mega-eventos esportivos de hoje, bem como: O importante nos Jogos Olímpicos não é vencer, mas participar; o importante na vida não é o triunfo, mas a luta; o essencial não é ter vencido, mas ter lutado bem. Difundir esses princípios é construir uma humanidade mais forte e valente e, acima de tudo, mais escrupulosa e generosa. 11

14 ISBN Institute for Human Rights and Business 34b York Way London N1 9AB UK Phone: (+44)

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER Acreditamos que as empresas só podem florescer em sociedades nas quais os direitos humanos sejam protegidos e respeitados. Reconhecemos que as empresas

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Responsabilidade social empresarial

Responsabilidade social empresarial A ISA e os Direitos Humanos Responsabilidade social empresarial A norma ISO 26000 permitiu que a ISA fortalecesse sua gestão e a promoção dos direitos humanos ao colocar em prática ações concretas nos

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters Código de Conduta do Fornecedor Em vigor a partir de 2 de julho de 2012 Ethics Matters Mensagem do CPO [Chief Procurement Officer - Diretor de Compras] A Duke Energy está comprometida com a segurança,

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Utilização dos Símbolos, Terminologia e Imagem Olímpica

Utilização dos Símbolos, Terminologia e Imagem Olímpica Utilização dos Símbolos, Terminologia e Imagem Olímpica Conteúdo 1. Propriedades Olímpicas 2. Parceiros Olímpicos 3. Protecção Legal 4. O poder da Opinião Pública 5. Utilização de bilhetes para os Jogos

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás

Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás Ana Paula Grether Consultora da Gerência de Orientações e Práticas de Responsabilidade Social Gerência Executiva de

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

Children WIN. CHILDREN WIN MUDANDO O JOGO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS (MEEs) Changing the game of Mega Sporting Events

Children WIN. CHILDREN WIN MUDANDO O JOGO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS (MEEs) Changing the game of Mega Sporting Events Children WIN Changing the game of Mega Sporting Events CHILDREN WIN MUDANDO O JOGO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS (MEEs) O PONTO DE PARTIDA Relatos sobre violações de direitos de crianças, associadas à realização

Leia mais

O Movimento Olímpico. Aula 1 Olimpismo. Rio 2016 Versão 1.0

O Movimento Olímpico. Aula 1 Olimpismo. Rio 2016 Versão 1.0 O Movimento Olímpico Aula 1 Olimpismo Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Definir o Olimpismo, compreendendo sua filosofia. 2 Identificar os Valores Olímpicos. 3 Reconhecer a estrutura da Família Olímpica.

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios

Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios Instituto Ethos Apoio: Siemens Integrity Initiative www.jogoslimpos.org.br Objetivos Transparência Integridade O objetivo geral do projeto é promover maior transparência

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

AMMPL (BME) Código de Conduta

AMMPL (BME) Código de Conduta AMMPL (BME) Código de Conduta 1 Código de Conduta da AMMPL (BME) I Introdução A Association Materials Management, Purchasing and Logistics (Associação de Gestão de Materiais, Compras e Logística, AMMPL

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

TERMO PÚBLICO, ABERTO À ADESÃO, DE COMPROMISSO PELO EMPREGO E TRABALHO DECENTE NA COPA DO MUNDO FIFA DE 2014 E NOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016.

TERMO PÚBLICO, ABERTO À ADESÃO, DE COMPROMISSO PELO EMPREGO E TRABALHO DECENTE NA COPA DO MUNDO FIFA DE 2014 E NOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016. TERMO PÚBLICO, ABERTO À ADESÃO, DE COMPROMISSO PELO EMPREGO E TRABALHO DECENTE NA COPA DO MUNDO FIFA DE 2014 E NOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016. O Ministério do Trabalho e Emprego, o Tribunal Regional do Trabalho,

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Caro parceiro, Queremos fornecedores e parceiros que tenham nível de comprometimento com a sociedade tão amplo quanto o do Rio 2016.

Caro parceiro, Queremos fornecedores e parceiros que tenham nível de comprometimento com a sociedade tão amplo quanto o do Rio 2016. Caro parceiro, O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 trabalha para entregar Jogos excelentes, com celebrações memoráveis que irão promover a imagem global do Brasil, baseados

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS

INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS Introdução INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS Este informativo tem a finalidade de auxiliar os solicitantes estrangeiros a entender

Leia mais

Ref.: Pedido de informação sobre o protocolo de segurança pública durante a Copa do Mundo 2014 na cidade de São Paulo

Ref.: Pedido de informação sobre o protocolo de segurança pública durante a Copa do Mundo 2014 na cidade de São Paulo São Paulo, 28 de janeiro de 2014 Ilmo. FERNANDO GRELLA VIEIRA Secretário de Estado de Segurança Pública Secretaria de Segurança Pública do Estado São Paulo Ilmo. CORONEL BENEDITO ROBERTO MEIRA Comandante

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios

Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios Instituto Ethos Apoio: Siemens Integrity Initiative www.jogoslimpos.org.br Objetivos O objetivo geral do projeto é promover maior transparência e integridade sobre

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Standard Chartered Bank, Brasil Página 1 de 8 ÍNDICE I. OBJETIVO... 3 II. CICLO DE REVISÃO... 3 III. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 IV. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA... 4

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

Discurso de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Organizador. dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a Assembleia Geral da

Discurso de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Organizador. dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a Assembleia Geral da Discurso de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a Assembleia Geral da ONU, em Nova York, em 26 de outubro de 2015, por ocasião da adoção

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3 Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3 As normas sobre equiparação de oportunidades para pessoas com deficiência foram adotadas pela Assembléia Geral das Nações

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade significa negócios Igualdade significa Negócios Igualdade significa Negócios da Mulheres Princípios de Emponderamento

Leia mais

Incorporando sustentabilidade em compras públicas o papel dos padrões de sustentabilidade, certificação e selos verdes: Uma Oficina Regional

Incorporando sustentabilidade em compras públicas o papel dos padrões de sustentabilidade, certificação e selos verdes: Uma Oficina Regional Incorporando sustentabilidade em compras públicas o papel dos padrões de sustentabilidade, certificação e selos verdes: Uma Oficina Regional 09h00min 17h00min Terça-feira, 23 de outubro de 2012 Local:

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES

GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES 0 GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES Indice Introdução 2 Conformidade Legal para Integridade Comercial 2 Respeito pelos direitos humanos 2 Proteção

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

LEGADO DAS OLIMPÍADAS DE LONDRES

LEGADO DAS OLIMPÍADAS DE LONDRES LEGADO DAS OLIMPÍADAS DE LONDRES Londres apresentou a proposta de legado para o esporte para o Reino Unido na sua candidatura para sede olímpica de 2012. Dois grandes projetos para esporte participação

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA ENADE 2014 LICENCIATURAQUÍMICA REVISÃO CONHECIMENTOS GERAIS ÁREA 5 Prof. Cleriston S. Silva

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA ENADE 2014 LICENCIATURAQUÍMICA REVISÃO CONHECIMENTOS GERAIS ÁREA 5 Prof. Cleriston S. Silva CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA ENADE 2014 LICENCIATURAQUÍMICA REVISÃO CONHECIMENTOS GERAIS ÁREA 5 Prof. Cleriston S. Silva QUESTÃO 01 Leia os textos abaixo. TEXTO 1 Os megaeventos esportivos passaram

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Code-P0 Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Encontro Nacional - Abracen Eventos Esportivos e os Impactos para o país São Paulo, 7 de março de 2012 Code-P1 O Brasil

Leia mais

Emissão de Ingressos para a Copa do Mundo da FIFA 2014. P&R Versão 1

Emissão de Ingressos para a Copa do Mundo da FIFA 2014. P&R Versão 1 Emissão de Ingressos para a Copa do Mundo da FIFA 2014 P&R Versão 1 Quem é responsável pela emissão dos ingressos? Quem está encarregado das vendas dos ingressos? Quem são os responsáveis pela tomada de

Leia mais

Plano Municipal de Educação

Plano Municipal de Educação Plano Municipal de Educação Denise Carreira I Encontro Educação para uma Outra São Paulo 30 de novembro de 2007 O Plano Municipal de Educação e as reivindicações dos movimentos e organizações da cidade

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros.

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros. Índice 1. Objetivo... 1 2. Escopo e Partes Afetadas... 1 3. Definições... 1 4. Princípios... 1 5. Objetivos, metas e programas... 2 6. Papéis e Responsabilidades... 5 7. Regulamentação Aplicável... 6 1.

Leia mais

COMPROMISSO NACIONAL PARA APERFEIÇOAR AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014

COMPROMISSO NACIONAL PARA APERFEIÇOAR AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 2 APRESENTAÇÃO COMPROMISSO NACIONAL PARA APERFEIÇOAR AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 TM A realização da Copa do Mundo da FIFA 2014 TM no Brasil, muito mais do que uma oportunidade

Leia mais

Informação para a imprensa não atribuível. As novas exigências ambientais e sociais da International Finance Corporation

Informação para a imprensa não atribuível. As novas exigências ambientais e sociais da International Finance Corporation Março de 2006 Informação para a imprensa não atribuível As novas exigências ambientais e sociais da International Finance Corporation De Políticas de Salvaguarda Ambiental e Social para Política e Normas

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA Ministério das Relações Exteriores Comitê Nacional de Organização Rio+20 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 011/2011 CONTRATAÇÃO

Leia mais

Copa do Mundo da FIFA 2014. Estratégia de Sustentabilidade - Conceito

Copa do Mundo da FIFA 2014. Estratégia de Sustentabilidade - Conceito Copa do Mundo da FIFA 2014 Estratégia de Sustentabilidade - Conceito Versão 2 maio de 2012 PREFÁCIO A Copa do Mundo da FIFA é a maior competição esportiva de uma única modalidade do planeta e o impacto

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade Gestão Democrática Diagnóstico Em agosto de 2002, o Fórum de Educação da Zona Leste promoveu o 2º seminário Plano Local de Desenvolvimento Educativo. Realizado no

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL Julho/2013 Em 2014, o Brasil sediará a Copa do Mundo e em 2016 as Olimpíadas. Os brasileiros efetivamente são apaixonados por futebol e quando foi divulgado que

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

A caminho da igualdade

A caminho da igualdade A caminho da igualdade Estudo mostra que a educação é determinante para reduzir as desigualdades de gênero, em todas as fases de vida das mulheres 50 KPMG Business Magazine Como defender a empresa Os Jogos

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Modelo de caso de negócios para um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) com base nas normas da série ISO 27000 / IEC (ISO27k)

Modelo de caso de negócios para um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) com base nas normas da série ISO 27000 / IEC (ISO27k) Modelo de caso de negócios para um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) com base nas normas da série ISO 27000 / IEC (ISO27k) por Gary Hinson - Versão 2, 2012 Resumo executivo Benefícios

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, sobre o Ofício S nº 9, de 2011 (Ofício GS nº 2.097, de 22 de novembro de 2010, na origem), da Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do

Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do regime internacional sobre mudanças climáticas Brasília,

Leia mais

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071 A Artigo 19 apresenta análise comparada de países que permitem publicidade e propaganda comercial em rádios comunitárias em referência à minuta do Projeto Legislativo do Senado que propõe possibilitar

Leia mais