O Século XIX e as Exposições Universais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Século XIX e as Exposições Universais"

Transcrição

1 - 1 - O Século XIX e as Exposições Universais RESUMO Cidades como Paris, Barcelona e Lisboa, assim como outras cidades da Europa passaram por profundas mudanças e forte crescimento durante o século XIX. Nesse momento as cidades eram caracterizadas pela continuidade de traçados clássicos e barrocos e pelo surgimento de novas tipologias que vão preparando a cidade moderna. Também foi o século das invenções, vinculadas nas Exposições Universais, que começaram a serem organizadas em Londres no ano de A sociedade da época, principalmente a européia assistia a consolidação do sistema de fábricas, as descobertas das novas invenções e ascensão de uma classe burguesa. As dezesseis exposições que ocorreram, condensaram o que o século XIX entendeu como modernidade. As cidades onde as exposições foram montadas Londres, Paris, entre outras foram os epicentros da modernidade. No Brasil durante a segunda metade do século XIX, a sociedade brasileira passou por mudanças fundamentais nos campos políticos, sociais e consequentemente na forma de ver e entender a nova realidade que estavam vivendo. O Rio de Janeiro se transformava em um novo projeto de Brasil, inserindo o país na modernidade, através do urbanismo e da arquitetura com a reurbanização do prefeito Pereira Passos. Desta forma o meio encontrado para a divulgação de todas estas reformas e civilização do progresso brasileiro foi a realização de uma grande Exposição. A data escolhida foi o Centenário da Abertura dos Portos em 1908 e o local do evento no bairro da Urca, a entrada oficial do Brasil no mercado internacional, acabando definitivamente com o vínculo colonial.

2 - 2 - SUMÁRIO RESUMO LISTA DE FIGURAS INTRODUÇÃO O SÉCULO XIX 2.1 A arquitetura e a cidade Paris palco de transformações AS EXPOSIÇÕES UNIVERSAIS A ciência e a técnica na construção do progresso As principais Exposições Universais O BRASIL E AS EXPOSIÇÕES O Rio de Janeiro no inicio do século XX A Exposição Nacional de CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS

3 - 3 - LISTA DE FIGURAS Fig As demolições para a Rue de Rennes Fig Divisão de Paris em 20 arrondissements Fig Palácio de Cristal, em Londres, Fig Palais de l'industrie Fig Grand Palais des Champs-Elysées Fig Galerie des Machine Fig Fora do edifício oval Fig Palais du Trocadéro Fig O Palais de Chaillot (Trocadero) Fig A multidão no Campo de Marte Fig Construção da Torre Eiffel Fig Torre Eiffel Fig Vista parcial da Av. Central Fig Alargamento da Rua da Carioca Fig Planta da Exposição de 1908 no Rio de Janeiro Fig Panorâmica da Exposição de Fig Vista aérea da Exposição de Fig Portal Monumental da Exposição de Fig Pavilhão do Estado de São Paulo Fig Teatro João Caetano Fig Palácio dos Estados Fig Pavilhão do Estado da Bahia e Pavilhão do Estado de Minas Gerais Fig Palácio Manuelino

4 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre as Exposições Universais, que tinham como objetivo reunir e celebrar os melhores resultados de todas as atividades do trabalho do homem, exaltando a produção mecanizada capitalista, sua importância para a sociedade industrial e como as idéias de modernidade vinculadas nesses eventos influenciaram a arquitetura e as cidades do século XIX. No primeiro capítulo deste trabalho, intitulado O século XIX, trata-se sobre a arquitetura e a cidade deste período, com destaque para a cidade de Paris, que foi palco de transformações e modelo de cidade no século XIX. No segundo capítulo, intitulado As Exposições Universais, pesquisou - se sobre a ciência e a técnica desenvolvida na construção desse período, e sobre as principais Exposições Universais. Foram citadas as dezesseis exposições realizadas no século XIX até a virada do século XX, ou seja, entre os anos de 1851 a 1900, destacando-se as mais importantes exposições universais. No terceiro capítulo, intitulado O Brasil e as Exposições, destaca- se a cidade do Rio de Janeiro, na época capital do Brasil e palco das transformações do prefeito Pereira Passos, inspirado nas idéias de Haussmann. Nesse mesmo período ocorre uma das maiores e mais importantes Exposições Nacionais, a de A importância deste trabalho justifica-se pela importância de se entender como a Europa influenciou o Brasil neste processo de inserção na modernidade. Esse novo paradigma vindo da Europa, no decorrer do século XIX, penetra na elite Latina - Americana, que também passa a querer trilhar os mesmos caminhos: ser moderna, participar da rota do progresso, tornar-se uma grande nação, desfazer a imagem do exotismo tropical do atraso e da inércia. (PESAVENTO, 1997, p. 16) No Brasil foi a cidade do Rio de Janeiro, influenciada pela França, o centro irradiador de costumes, hábitos, modas e idéias, que representava a entrada da modernidade no país. Em 1908, com a justificativa de comemorar o Centenário de Abertura dos Portos do Brasil para as nações amigas, o Rio de Janeiro sediou uma grande festa. Na realidade um dos objetivos da Exposição Nacional era apresentar a nova capital da República, urbanizada pelo prefeito Pereira Passos e saneada por Osvaldo Cruz para as diversas autoridades nacionais e internacionais.

5 - 5-2 O SÉCULO XIX A arquitetura e a cidade A arquitetura do século XIX passou por inúmeras transformações estéticas que se traduziram em movimentos chamados revivalistas e pelas inovações tecnológicas, ou ainda por razões culturais e contextos específicos, os arquitetos do período viam na cópia da arquitetura do passado os tratados de uma linguagem estética original. Como resultados das grandes transformações industriais, tiveram como consequências à degradação do meio urbano, más condições de vida das populações operárias, poluição atmosférica, má utilização do solo, concentração de mão de obra, concentração das unidades industriais nos centros urbanos com maior população. Começam a surgir zonas somente industriais geralmente em posições periféricas e surgem os bairros operários, onde em pouco espaço se tenta colocar o maior número de pessoas, embora sem quaisquer condições. Benévolo cita que os bairros operários tomaram formas e características diferentes nos vários países, mas todos tinham em comum uma regularidade fria e atroz, e uma grande densidade no que se refere ao aproveitamento do terreno, tirava-se maior partido do solo prescindindo-se de espaços livres e pátios. As casas tinham poucas janelas para a rua. Grande parte dos habitantes não tinham luz nem ventilação. A esta solução desumana seguiram-se outras com pequenos pátios intermediários que não passavam de um pequeno alívio para uma situação grave que subsistia. Foi de suma importância à presença deste capítulo na pesquisa, pois a partir do estudo das cidades no período do século XIX, pode-se compreender as transformações urbanísticas na qual irá se pensar em uma cidade para uma nova sociedade, em que a burguesia como classe dominante impõe uma nova ordem baseada no racionalismo, no liberalismo, no espírito de progresso e ânsia de modernidade Paris palco de transformações No século XIX Paris era a capital cultural do ocidente, fornecia o modelo de paisagens, gostos e hábitos cotidianos que deveriam ser seguidos por qualquer cidade que pretendesse ser moderna. Paris está inserida neste contexto pelo fato de ter sido a cidade de maior remodelação e reconstrução sistemática sofrida na época, tornando-se assim o berço da modernidade. As transformações promovidas pelo prefeito Eugenne Haussmann, que traçou o complexo plano de reordenamento do tecido urbano de Paris, permitiram a cidade segundo Benévolo (1989) um programa urbanístico coerente num tempo bastante curto. O mesmo

6 - 6 - ressalta o caráter militar do plano parisiense revelando que durante a crise operária, os movimentos revolucionários nasceram dos bairros da velha Paris, onde as próprias ruas forneceram, aos rebeldes, por algum tempo, as condições estratégicas de defesa e posicionamento de armas através das barricadas. Partindo desse pressuposto Haussmann, procura valorizar os grandes boulevards retilíneos, propícios para a movimentação de tropas, um dos principais símbolos do seu plano. Segundo Benévolo (1989) Haussmann abre no centro de Paris 95 km de novas ruas, retirando 49 km das já existentes; na periferia, constrói 70 km e retira 5 km das já existentes; corta o núcleo medieval em todos os sentidos, destruindo alguns bairros antigos, especialmente os situados à leste (focos das revoltas); sobrepõe ao antigo traçado da cidade, uma nova malha urbana, composta de ruas largas e retilíneas interligando os principais centros urbanos e as estações ferroviárias, facilitando o trânsito através de anéis e cruzamentos. Fig. 01 As demolições para a Rue de Rennes Fonte: Livro História da Cidade, Leonardo Benévolo, 1989, p. 591

7 - 7 - Haussmann triplica a rede de iluminação, reordena o sistema de transporte público, modifica a Sede administrativa da Capital, levando o limite da cidade a coincidir com as fortificações, além de criar uma via que circunda a cidade; abaixo na figura podemos observar a linha mais grossa que define o antigo cinturão alfandegário do século XVIII. Fig. 02 Divisão de Paris em 20 arrondissements Fonte: Livro História da Cidade, Leonardo Benévolo. Com todas essas mudanças, Paris ressurge como uma nova metrópole, a cidade luz, efervescente, que conta com largas avenidas para facilitar a rapidez do tráfego expansão da rede de esgotos e abastecimento de água, a sextuplicação da rede ferroviária ligando todo o país a Paris e a todo o continente, assim como a valorização dos terrenos, as novas oportunidades de emprego, o amplo afluxo internacional possibilitado pela centralização dos entroncamentos, enfim, esses e outros benefícios foram possíveis mediante a ousadia e empreendimento do prefeito Eugéne Haussmam. 3 AS EXPOSIÇÕES UNIVERSAIS A primeira exposição industrial francesa teve lugar no Champ-de-Mars em Paris, em 1791, o local das manifestações nacionais após a queda da monarquia. Teve lugar numa galeria arqueada que contornava um largo espaço quadrado remanescente de uma praça de mercado. Durante o meio século seguinte, similares exposições tiveram lugar em Manchester, Leeds, Birmingham, Dublin, Ghent, Berlim e Viena. Estas feiras nasceram devido ao crescimento da

8 produção da indústria mecanizada, e por outro lado, tiveram um enorme efeito nas artes e manufaturas dos próprios países A ciência e a técnica na construção do progresso As cidades estavam crescendo trazendo a necessidade de construções maiores e mais altas. As fábricas floresciam e se tornavam mais complexas, exigindo novas tecnologias para superar os limites. Ferrovias e portos precisavam ser ampliados e modernizados para garantir o transporte mais barato de mercadorias e pessoas. Segundo Pesavento (1997) as Exposições Universais apresentaram-se como manifestações de prestígio e ostentação, exposições onde as nações afirmavam seu poder econômico, tecnológico e até cultural, revelando suas aspirações ao progresso. As dezesseis exposições que ocorreram condensaram o que o século XIX entendeu como modernidade. As cidades onde as exposições foram montadas Londres, Paris, entre outras foram os epicentros da modernidade. A idéia era mostrar e ensinar as virtudes do tempo presente e confirmar a previsão de um futuro excepcional. No tópico a seguir, será comentada as principais exposições universais, o ano e o local em que cada uma delas aconteceu e sua importância para a evolução da modernidade As principais Exposições Universais Segundo Benévolo (1989), a primeira exposição universal foi aberta em Londres em Através de um concurso onde participaram 245 competidores, o projeto de Horeau foi escolhido para abrigar a exposição. Este projeto consistiu num armazém construído em ferro e vidro. Contudo, todos os projetos, até mesmo o vencedor, foram considerados inviáveis por se tratarem de construções que utilizariam grandes elementos não recuperáveis depois de sua demolição. A partir desta decisão, Joseph Paxton, um construtor de estufas, juntamente com o Comitê de Construção e alguns empreiteiros, sugeriu um projeto todo em ferro, madeira e vidro que pudesse ser reaproveitado. Benévolo (1989) explica que o sucesso da construção do Palácio de Cristal em Londres, ocorreu principalmente em função da formação de seu projetista que não era arquiteto e sim experiente construtor de estufas para plantas e engenheiro perito em jardins.

9 - 9 - Fig. 03 Palácio de Cristal, em Londres, 1851 Fonte: omundopreepostorreeiffel.blogspot.com/ Acesso em: 07/03/2009 Na exposição de Nova York em 1853, Paxton também é o projetista, porém nesta construção foi inserida uma cúpula monumental no projeto semelhante ao do Palácio de Cristal de Londres. A terceira Exposição Universal realizou-se em Paris no Champ de Mars, desde 15 de maio de 1855 a 15 de novembro do mesmo ano. Esta exposição aconteceu no Palais de l'industrie junto aos Champs-Élysées. Nesta exposição foram expostos artigos relacionados com a agricultura, a indústria e as belas artes. Fig. 04- Palais de l'industrie Fonte: acesso em: 22/04/2009

10 Como cita Benévolo (1989), desta vez utilizou-se revestimento de alvenaria circundando o edifício, o que limitou o uso do ferro, foi utilizado em todas as exposições subseqüentes até 1900, quando foi demolido dando lugar ao Grand-Palais que foi considerado o maior ambiente coberto construído em ferro sem sustentação. Fig.05 Grand Palais des Champs-Elysées Fonte: acesso em: 22/04/2009 Benévolo (1989) descreve que a segunda exposição de Paris, em 1867 foi construída no Campo de Marte. Na Galerie des Machine foram expostos objetos de ferro que comprovavam o avanço da indústria siderúrgica, no campo da construção civil a novidade era o elevador hidráulico. A exposição desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento do movimento da indústria francesa. Fig.06 Galerie des Machine Fonte: - acesso em 01/05/2009 Segundo Benévolo (1989) somente após seis anos aconteceu em Viena a Exposição Universal de 1873, na qual foi construído um edifício que é composto por uma gigantesca rotunda com 102 metros de diâmetro.

11 Fig.07 Fora do edifício oval Fonte: - acesso em 01/05/2009 A Exposição Universal de Paris de 1878 foi a terceira exposição universal que teve lugar nesta cidade, realizando-se entre 20 de Maio a 10 de Novembro de A mostra teve como tema: Agricultura, Artes e Indústria e serviu para demonstrar a recuperação econômica e a pujança industrial da França depois da crise causada pela derrota na Guerra Franco-Prussiana de Nesta Exposição foram construídos dois grande edifícios, segundo Benévolo (1989), um no Campo de Marte chamado de provisório e outro na colina de Chailot, que é o Palais du Trocadéro. O provisório possuia as paredes de cerâmica multicolorida, já o Trocadéro possuía uma estrutura em alvenaria e o ferro estava apenas na cobertura. O edifício foi demolido para a construção do Palais de Chaillot. Fig Palais du Trocadéro Fonte: - acesso em 01/05/2009

12 Fig. 09- O Palais de Chaillot (Trocadero) Fonte: - acesso em 01/05/2009 Segundo Benévolo (1989) depois da Exposição de 1878 surgem em todas as partes do mundo Exposições Universais: Sidney (1879), Melbourne (1880), Amsterdã (1883), Antuérpia e New Orleans (1885), Barcelona, Copenhague e Bruxelas (1888). A mais importante Exposição do século XIX, segundo Benévolo (1989) é a Exposição em Paris de 1889, que acontece no centenário da tomada da Bastilha. É realizada no Campo de Marte e é composta de vários prédios porém a atração principal foi uma torre de 300 metros construída por Gustave Eiffel. Fig.10 A multidão no Campo de Marte, Paris, Fonte: Livro Exposições Universais, Sandra Pesavento, 1997, p.43.

13 Fig. 11 Construção da Torre Eiffel Fonte: parisseculoxix.blogspot.com/- - acesso em 01/05/2009 A Torre Eiffel, apesar de ter sido a grande atração da festa, era uma estrutura revolucionária para a época, sendo inaugurada pelo Príncipe de Gales, futuro Rei Eduardo VII da Inglaterra. Até 1889, a estrutura mais alta do mundo era a Pirâmide de Quéops no Egito. A partir deste ano, e até 1930, a Torre Eiffel seria a construção mais alta do mundo. A sua construção e design não acolheram opiniões unânimes e muito favoráveis na época. De fato passaram muitos anos até a torre ser integrada nas representações obrigatórias da cidade de Paris. Previa-se, de qualquer modo, a sua demolição no final da Exposição. Fig. 12 Torre Eiffel Fonte: - Acesso em : 05/05/2009

14 O estudo das exposições universais serviu para conhecermos as primeiras manifestações da industrialização triunfante do século XIX, pois as exposições universais foram espelhos de sua própria época, exibindo a ostentação das nações que pretendiam afirmar o seu crescimento tecnológico, econômico, industrial e a grandiosidade ostensiva da própria arquitetura. Elas representaram, de certo modo, a mais convincente exposição de arquitetura que se possa imaginar, servindo, neste sentido, de campo fértil para o debate arquitetural. 4 O BRASIL E AS EXPOSIÇÕES Durante a Segunda metade do século XIX, a sociedade brasileira passou por mudanças fundamentais nos campos políticos, sociais e conseqüentemente na forma de ver e entender a nova realidade que estavam vivendo. Foi nesse período que se mudou a forma de governo, foi feita a Constituição, se iniciou a substituição do trabalho escravo pelo trabalho assalariado e as fazendas de café e outras lavouras brasileiras modernizaram-se. As cidades cresceram e nelas as primeiras indústrias se instalaram. Pereira Passos, particularmente, além de ter exercido um papel importante na ampliação da malha ferroviária brasileira, havia estudado em Paris, onde tivera a oportunidade de acompanhar de perto o final das ações de Haussmann. A tão sonhada inserção do Brasil no mundo moderno, trouxe grandes transformações, tanto ideológicas, quanto espaciais. As transformações no espaço urbano, ficam evidentes no deslocamento de pessoas e atividades, para outras áreas da cidade e na construção do próprio espaço para as exposições, conforme veremos no Rio de Janeiro do início do século XX. 4.1 O Rio de Janeiro no inicio do século XX Com a reurbanização do Rio, muitas ruas e avenidas foram alargadas, e algumas outras abertas. Destas, a mais importante foi a Avenida Central, que cortou a cidade com seus 2 quilômetros de comprimento e seus 33 metros de largura, ligando as avenidas do Cais e Beira- Mar. Além de estabelecer um anel viário que facilitaria o fluxo dos transportes, essa avenida seria o marco de uma cidade renovada. Ela reformularia sua paisagem, instituindo uma nova arquitetura, e substituindo os cortiços, estalagens, e pequenas lojas, por grandes estabelecimentos comerciais, instituições religiosas, escolas, teatros e museus. A cidade arejada estaria livre das epidemias, mas também da presença do proletariado, dos ociosos, dos mestiços e de todos os rostos considerados inadequados à imagem de um Brasil moderno. Para abrir a Avenida Central, foram desapropriados e demolidos, cerca de 600 prédios, que compunham 1700 propriedades, numa ação que ficou conhecida como botaabaixo.

15 Fig. 13 Vista parcial da Av. Central do Rio de Janeiro, atual Av. Rio Branco Fonte: - Acesso em: 22/08/2009 A seguir temos o alargamento da Rua da Carioca em 1905, tendo todos os seus imóveis, em um dos lados da rua (direito) sendo demolidos. Fig. 14 Alargamento da Rua da Carioca Fonte: - Acesso em: 22/08/2009 Para abrigar a população que habitava o centro, foi proposta a criação e adequação de bairros proletários mais afastados, a exemplo do que ocorrera em Paris. Mas não há dúvida de que os investimentos se voltaram mais para a remodelação do centro, do que para esses

16 assentamentos. E, dadas as particularidades geográficas dessa cidade, abandonar as moradias do centro significou, já nesse momento, uma ocupação ainda mais desordenada dos morros. 4.2 A Exposição Nacional de 1908 O Rio de Janeiro se transformava em um novo projeto de Brasil, inserindo o país na modernidade, através do urbanismo e da arquitetura. Desta forma o meio encontrado para a divulgação de todas estas reformas e civilização do progresso brasileiro foi a realização de uma grande Exposição, inicialmente de caráter nacional, para mostrar as obras de reestruturação do espaço público e saneamento, realizadas no inicio do século. A data escolhida foi a comemoração do Centenário da Abertura dos Portos em Essa exposição ocorrida em 1908 iria sacramentar, segundo Pesavento (1997), a entrada oficial do Brasil no mercado internacional e marcaria um novo caminho do Brasil, tentando acabar definitivamente com o vínculo colonial. Outras exposições nacionais já haviam sido realizadas no Rio de Janeiro, mas tinham sido instaladas em prédios já existentes. Na realidade, a Exposição Nacional de 1908 foi a primeira para a qual foi criado um espaço, um cenário, com a construção de prédios destinados especificamente à realização do evento. Abaixo temos a planta de implantação do evento, com destaque para os pavilhões e uma imagem panorâmica da Exposição de Fig. 15 Planta de implantação da Exposição de 1908 no Rio de Janeiro Fonte: - Acesso em: 22/08/2009

17 Fig. 16 Panorâmica da Exposição de 1908 no Rio de Janeiro Fonte: - Acesso em: 22/08/2009 O local escolhido para a exposição foi o atual bairro da Urca, até então desconhecido de muitos habitantes da cidade na época. Abaixo a foto mostra a Avenida dos Estados, a principal da Exposição, e a Praça Brasil. Fig.17 Vista aérea da Exposição de 1908 no Rio de Janeiro Fonte: - Acesso em: 22/08/2009 A variedade de estilos que aparece nas construções nos dá bem a dimensão do repertório eclético adotado.

18 Fig. 18 Portal Monumental da Exposição de 1908 no Rio de Janeiro Fonte: - Acesso em: 22/08/2009 O Pavilhão do Estado de São Paulo, foi um dos maiores da Exposição e apresentando características ecléticas. Fig. 19 Pavilhão do Estado de São Paulo Fonte: - Acesso em: 22/08/2009 A Exposição de 1908, oferecia aos visitantes várias atrações como: restaurantes e o Teatro João Caetano, onde eram apresentadas as peças dramáticas, musicais, consertos sinfônicos e óperas atraindo a intelectualidade da época.

19 Fig. 20 Teatro João Caetano Fonte: - Acesso em: 22/08/2009 A foto abaixo mostra o Palácio dos Estados ou Palácio da Exposição. É um dos prédios que ainda existem no bairro da Urca, da época da Exposição. Ao fundo da foto observase o Portal Monumental. Fig. 21 Palácio dos Estados Fonte: - Acesso em: 22/08/2009 Na próxima imagem, observa-se o Pavilhão do Estado da Bahia (lado direito) e o Pavilhão de Minas Gerais (lado esquerdo), este último, juntamente com o Pavilhão do Estado de São Paulo eram os dois maiores da Exposição. Entre o Pavilhão do Estado da Bahia e o Pavilhão de Minas Gerais está a Avenida Brasil.

20 Fig. 22 Pavilhão do Estado da Bahia (à direita), Pavilhão do Estado de Minas Gerais (à esquerda). Fonte: - Acesso em: 22/08/2009 O único pavilhão estrangeiro, o Palácio Manuelino trouxe a imagem da colonização, com um estilo que homenageava a época dos grandes descobrimentos, ou seja, da colonização portuguesa em várias partes do mundo. Fig. 23 Palácio Manuelino. Fonte: - Acesso em: 22/08/ CONSIDERAÇÕES FINAIS As Exposições Universais, queriam ser um retrato em miniatura do mundo moderno avançado, composto de espetáculos nos campos da ciência, das artes, da arquitetura, dos costumes e da tecnologia, definindo sua importância para as cidades do século XIX e porque não dizer também as cidades do século XX. A idéia de mostrar e ensinar as virtudes do tempo presente e confirmar a previsão de um futuro excepcional. Elas surgem em um mundo onde desponta a cidade moderna, a grande metrópole que tem, inicialmente, em Londres e Paris os seus maiores expoentes. Com isso, as Exposições

21 Universais vêm determinar a marca da sociedade do espetáculo e transformar a ciência, a tecnologia e a engenharia, enfim, na marca do progresso humano. 6 - REFERÊNCIAS ALMEIDA, Roberto Schmidt de. Fragmentos discursivos de bairros do Rio de Janeiro: Urca. Rio de Janeiro: Uni - Rio, v., v.1 Curso de Mestrado em Memória Social e Documento. ALMEIDA, Paulo Roberto, Formação da Diplomacia Econômica no Brasil, ed. Senac, São Paulo, BARBOSA, Maria de Lurdes Mattos Dantas, Processo de Modernização da Paris do Século XIX, São Paulo, BARBUY, Heloísa. O Brasil vai a Paris em 1889: um lugar na Exposição Universal. Anais do Museu Paulista. São Paulo, n. ser, v.4, p , dez BENÉVOLO, Leonardo. História da arquitetura moderna. São Paulo: perspectiva, FOLLIS, Fransérgio. Urbanização Urbana na Belle Èpoque Paulista. São Paulo: UNESP, HEIZER, Alda. O Jardim Botânico de João Barbosa Rodrigues na Exposição Nacional de Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro JBRJ - Revista de História e Estudos Culturais, KESSEL, Moyses Isaac. Crescimento e reforma urbana em metrópole não industrial: O caso do Rio de Janeiro no período Dissertação de Mestrado, São Paulo, Faculdade de Ciências Sociais da PUC-SP, LAMAS, José M. Ressano Garcia. Morfologia Urbana e Desenho da Cidade.São Paulo: Fundação Calouste Gulbenkian LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, MACADAR, Andréa Morón. Uma trajetória brasileira na arquitetura das exposições universais dos anos Dissertação de Mestrado, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, MAÇOLA, Eloísa. Antecedentes à Torre: Exposições Universais do Século XIX. São Paulo: UNESP, MUNFORD, Lewis. A Cidade na História. São Paulo: Martins Fontes, NEVES, Margarida de Souza. As vitrines do progresso. Rio de Janeiro: Finep, 1986.

22 PEREIRA, Margareth Aparecida Campos da Silva. Uma arqueologia da modernidade brasileira: a participação do Brasil nas Exposições Universais. Revista Projeto. São Paulo, v.139, Arquivo: Biblioteca da FAU/ UEMA. PESAVENTO, Sandra Jatahy. Muito além do espaço: por uma nova história cultural do urbano. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol.8, n.16, p , PESAVENTO, Sandra Jatahy. Exposições Universais: espetáculos da modernidade do século XIX. São Paulo: Hucitec, 1997, p.45.. Exposições Universais: espetáculos da modernidade do século XIX. São Paulo: Hucitec, Imagens da nação, do progresso e da tecnologia: a Exposição Universal da Filadélfia de Anais do Museu Paulista, São Paulo. n. ser. v. 2, p jan. / dez Sites : - acesso em 20/02/2009 knowledgerush.com/.../baron_haussmann- Acesso em 20/02/2009 acesso em 20/04/2009 pt.wikipedia.org - acesso em 10/04/2009, 15/04/2009, 20/04/2009, 22/04/ acesso em 10/04/2009 knowledgerush.com/.../baron_haussmann/- Acesso em 10/04/ acesso em 10/04/2009 omundopreepostorreeiffel.blogspot.com - acesso em 07/03/ acesso em 05/05/ acesso em 05/05/ acesso em 01/05/2009 parisseculoxix.blogspot.com/ - acesso em 01/05/ acesso em 01/05/ acesso em: 22/04/2009

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Mudanças políticas pós-liberalismo

Mudanças políticas pós-liberalismo A cidade pós-liberal Pontifícia Universidade Católica de Goiás Curso de Arquitetura e Urbanismo Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo III TH3 Profa. Ana Paula de Oliveira Zimmermann Doutrina político-econômica

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

A Revolução Industrial

A Revolução Industrial textos de José Manuel Russo A Revolução Industrial A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Introdução Embora o século XIX seja conhecido como o da Revolução Industrial, as suas origens centram-se nas transformações assistidas

Leia mais

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves História da Arquitetura 2008 O Concurso O Grand Palais começou a ser construído em 1897 para abrigar a Exposição Universal de 1900, envolvendo um complexo processo

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO: O CASO DO BAIRRO SANTA CRUZ DO JOSÉ JACQUES

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO: O CASO DO BAIRRO SANTA CRUZ DO JOSÉ JACQUES O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO: O CASO DO BAIRRO SANTA CRUZ DO JOSÉ JACQUES DANILO GOMES JARDIM 1 Apresentação Esta comunicação é fruto dos resultados de minha pesquisa sobre a urbanização

Leia mais

Engenharia e Arquitetura no século XIX

Engenharia e Arquitetura no século XIX AUH0154 História e Teorias da Arquitetura III Engenharia e Arquitetura no século XIX Camilla Bernal P. L. Mendes - 6817461 Fernanda Adams Domingos - 6816870 Fernanda Nogueira Ribeiro - 6816932 Guilherme

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DO CENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DO CENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DO CENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL A Exposição Internacional comemorativa do Centenário da Independência do Brasil (1822-1922) foi inaugurada no dia 7 de setembro de 1922

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Habilidades: Conhecer os principais reflexos da cultura industrial no cotidiano amazonense do início do século XX Manaus na Belle

Leia mais

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 CRISTIANE REGINA MIYASAKA 2 Ainda que a historiografia a respeito das reformas urbanas empreendidas no Rio de Janeiro no início do século XX seja

Leia mais

Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX

Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

Torre Montparnasse: A melhor e imperdível - vista de Paris

Torre Montparnasse: A melhor e imperdível - vista de Paris Torre Montparnasse: A melhor e imperdível - vista de Paris A Torre Montparnasse é o ponto ideal para se admirar Paris e seus mais belos monumentos. Situado na parte central da capital francesa, o arranha-céu

Leia mais

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II Profª Me. Márcia Moreno 1 Conhecendo o Louvre... Foi no fim do século XII que Filipe Augusto mandou construir um castelo num local já chamado Louvre.

Leia mais

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Distrito Federal Água e Esgoto Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Com a proclamação da República, em 1889, a Inspetoria Geral de Obras Públicas passou a se chamar Inspeção Geral das Obras

Leia mais

Plano de Barcelona. Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação 20º EVINCI Outubro 2012. Carla Taíssa Laureano Santana

Plano de Barcelona. Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação 20º EVINCI Outubro 2012. Carla Taíssa Laureano Santana Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação 20º EVINCI Outubro 2012 Carla Taíssa Laureano Santana INICIAÇÃO CIENTÍFICA PESQUISA VOLUNTÁRIA 2012 Plano de Barcelona Contribuições

Leia mais

O Urbanismo Clássico. Séculos XVII e XVIII

O Urbanismo Clássico. Séculos XVII e XVIII O Urbanismo Clássico Séculos XVII e XVIII Urbanismo Clássico Realizações Legislação Prá?ca administra?va Filósofos, arquitetos e médicos Urbanismo Clássico Recusa do Gigan?smo Urbano Paris 500 mil habitantes

Leia mais

lugares URBANOS PAPELERACULTURAL

lugares URBANOS PAPELERACULTURAL lugares URBANOS PAPELERACULTURAL O PROJETO Este projeto pretende revelar os legados das diversas intervenções urbanísticas pelas quais passou a região metropolitana do Rio de Janeiro. São prédios, casarões,

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

Escrito por Blanco Dom, 02 de Maio de 2010 01:34 - Última atualização Dom, 23 de Maio de 2010 02:09

Escrito por Blanco Dom, 02 de Maio de 2010 01:34 - Última atualização Dom, 23 de Maio de 2010 02:09 Gustave Eiffel Alexandre Gustave Eiffel (Dijon, 15 de Dezembro de 1832 Paris, 27 de Dezembro de 1923) foi um engenheiro francês que participou da construção da Estátua da Liberdade em Nova Iorque e da

Leia mais

HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE

HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE HISTÓRIA DO PRÉDIO DO MUSEU DA ESCOLA CATARINENSE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC Reitor: Prof. Antonio Heronaldo de Souza Vice Reitor: Prof. Marcus Tomasi Coordenação do Museu da Escola

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Mudança e transformação social

Mudança e transformação social 7 Mudança e transformação social Unidade Não existem sociedades sem mudanças. Há transformações maiores, que atingem toda a humanidade, e menores, que acontecem no cotidiano das pessoas. Normalmente elas

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

ATIVIDADE COMPLEMENTAR A FAU/CEATEC PUC-CAMPINAS 2º SEMESTRE 2012

ATIVIDADE COMPLEMENTAR A FAU/CEATEC PUC-CAMPINAS 2º SEMESTRE 2012 ATIVIDADE COMPLEMENTAR A FAU/CEATEC PUC-CAMPINAS 2º SEMESTRE 2012 Unidade Acadêmica: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Titulo da Atividade: Viagem de Estudos a Belo Horizonte e Inhotim - MG Ano: 2º

Leia mais

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÖES DA AVENIDA RIO BRANCO E A PRESERVAÇÄO DA ARQUITETURA ECLÉTICA DO RIO DE JANEIRO

AS TRANSFORMAÇÖES DA AVENIDA RIO BRANCO E A PRESERVAÇÄO DA ARQUITETURA ECLÉTICA DO RIO DE JANEIRO 223 AS TRANSFORMAÇÖES DA AVENIDA RIO BRANCO E A PRESERVAÇÄO DA ARQUITETURA ECLÉTICA DO RIO DE JANEIRO J. S. Pavan (1), R. T. M. Ribeiro (2) Programa de Pós Graduação em Arquitetura. Faculdade de Arquitetura

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Bens preservados em destaque: A. Igreja e Cemitério de Parelheiros B. Igreja e Cemitério de Colônia C. Vila e Estação Ferroviária Evangelista

Leia mais

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos Rio de cara nova Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos por Ernesto Neves 01 de Agosto de 2011 Fonte: Revista Veja Rio Cidade do Rock O terreno de 250 mil metros quadrados

Leia mais

UNIDADE I HISTÓRIA DA CIDADE. 1.1 Urbanização e Classes Sociais. 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3 Cidade Industrial (Liberal) 1.4 Cidade Pós-Liberal

UNIDADE I HISTÓRIA DA CIDADE. 1.1 Urbanização e Classes Sociais. 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3 Cidade Industrial (Liberal) 1.4 Cidade Pós-Liberal Como originaram as primeiras cidades? O que veio antes? campo ou cidade? 1.1 Urbanização e Classes Sociais HISTÓRIA DA CIDADE UNIDADE I 1.1 Urbanização e Classes Sociais 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3

Leia mais

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, integra o conjunto das "Revoluções Burguesas" do século XVIII, responsáveis

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 Anexo 1.50 Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: acesso pela rodovia SP 122 Ribeirão Pires Paranapiacaba, Santo André SP, Brasil. Autoria: a vila foi construída pela

Leia mais

3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO

3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO Vítor Oliveira 3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO Aulas de Morfologia Urbana Agentes e processos de transformação 1. Agentes responsáveis pela transformação urbana 2. Processos de transformação urbana

Leia mais

Imagens Modernistas no Urbanismo de Porto Alegre 1950-1960

Imagens Modernistas no Urbanismo de Porto Alegre 1950-1960 Imagens Modernistas no Urbanismo de Porto Alegre 1950-1960 Resumo Esse trabalho enfoca o período da história da cidade de Porto Alegre no qual as idéias modernistas se difundiram nos meios técnico, acadêmico

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944)

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) Lúcio Costa e Oscar Niemeyer TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA IV Profa. Dra. Deusa Maria R. Boaventura Profa. Isabela Ferrante 1. Arquitetura Moderna Brasileira

Leia mais

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas Resumo histórico e aspectos gerais Uso e aplicação de estruturas metálicas Composição do aço estrutural FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva

Leia mais

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS FRENTE MARÍTIMA ALGUMAS DAS CIDADES MAIS FASCINANTES DO MUNDO, COMO GÊNOVA, LISBOA, LONDRES, BARCELONA,

Leia mais

Exposições Universais: Sociedade no século XIX

Exposições Universais: Sociedade no século XIX Exposições Universais: Sociedade no século XIX Por: Ana Carolina Gomes, Priscilla Piccolo e Ricardo Rey Este artigo fala sobre as Exposições Universais, que foram um reflexo das mudanças sociais do século

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HERCULE FLORENCE: A DESCOBERTA ISOLADA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL o Antoine Hercule Romuald Florence nasceu em Nice, na França, no dia 29

Leia mais

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União Brasileira I Vol. de vários autores; Brasileira II Vol. de vários autores; Brasileira III Vol. de vários autores; Brasileira IV Vol. de vários autores; Brasileira V Vol. de vários autores; Editions du

Leia mais

10 pontos turísticos em Paris

10 pontos turísticos em Paris POR: RIVA E UELYN 10 pontos turísticos em Paris Foto: Shutterstock.com Não existe turista no mundo que não tenha vontade de conhecer Paris. A cidade recebe cerca de 30 milhões de visitantes por ano, que

Leia mais

Estação Guanabara 2001

Estação Guanabara 2001 Anexo 1.30 Estação Guanabara 2001 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rua Mário Siqueira, Campinas SP, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: desconhecida. Data da Construção: 1915. Área do Terreno:

Leia mais

AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA

AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA O novo modelo de projeção estabelecido no início do século XV se aplica teoricamente a todo gênero de objetos, desde os artefatos menores à cidade e ao território. Mas

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima nona edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação do

Leia mais

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 Anexo 1.12 Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rio de Janeiro RJ, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: 1912. Data da Construção: 1913. Área do Terreno: não foram

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

Art Nouveau/ Secessão de Viena

Art Nouveau/ Secessão de Viena 1760 Revolução Francesa 1789 Revolução Industrial 1819 Rainha Vitória 1840 1901 1874 Arts and Crafts 1880 1890 Primeira Guerra Mundial 1914 1918 1924 Art Déco Impressionismo 1925 Art Nouveau/ Secessão

Leia mais

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar a valorização imobiliária do solo urbano decorrente da urbanização do promovida pelo poder público municipal e da implantação

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI RECOMENDA AO GOVERNO A SUSPENSÃO DE TODAS AS ACÇÕES RELATIVAS À TRANSFERÊNCIA DE MUSEUS E À CRIAÇÃO DE NOVOS MUSEUS NO EIXO AJUDA/BELÉM, ATÉ À ELABORAÇÃO

Leia mais

superações o espetáculo das bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC O esporte como protagonista da sustentabilidade

superações o espetáculo das bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC O esporte como protagonista da sustentabilidade SET/OUT 2013 ANO II Nº 07 R E V I S TA A REVISTA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL o espetáculo das O esporte como protagonista superações da sustentabilidade bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC Retrofit

Leia mais

Reforma, revitalização e modernização do prédio, instalações e equipamentos e restauração de detalhes arquitetônicos e obras de arte.

Reforma, revitalização e modernização do prédio, instalações e equipamentos e restauração de detalhes arquitetônicos e obras de arte. RETRO, do latim: movimentar-se para trás; FIT, do inglês: adaptação, ajuste. Valorização de velhos edifícios, a fim de aumentar sua vida útil, através da incorporação de avançadas tecnologias em sistemas

Leia mais

ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951)

ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951) ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951) DÓREA, Célia Rosângela Dantas Universidade do Estado da Bahia UNEB 1. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA AVENIDA GUARARAPES RECIFE/PE Vista panorâmica da avenida Guararapes em 1950. Fonte : MORAES, José 2004. Recife MAIO/ 2010. FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA INTRODUÇÃO A Avenida Guararapes, objeto de

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

CIDADE X ABARRACAMENTOS: OS CONFLITOS E O COTIDIANO DOS RETIRANTES EM FORTALEZA (1877-1880)

CIDADE X ABARRACAMENTOS: OS CONFLITOS E O COTIDIANO DOS RETIRANTES EM FORTALEZA (1877-1880) CIDADE X ABARRACAMENTOS: OS CONFLITOS E O COTIDIANO DOS RETIRANTES EM FORTALEZA (1877-1880) ANA KARINE MARTINS GARCIA PPG-PUC/SP Construtores e Reformadores passaram a dar maior ênfase a tudo que facilitasse

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 229 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 Jéssica Telles Zanateli¹; Lennon Gomes¹; Marcela do Carmo Vieira²; Sibila Corral de Arêa Leão Honda³ 1 Discente

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web CIÊNCIAS HUMANAS XXIII HISTÓRIA ERA VARGAS LIBERALISMO GEOGRAFIA QUESTÕES AMBIENTAIS 1. (Fuvest 2011) Conforme proposta do geógrafo Aziz Ab Saber, existem, no Brasil, seis domínios morfoclimáticos. Assinale

Leia mais

VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p.

VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p. História (São Paulo) VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Trad. Florence Marie Dravet. Brasília: UnB, 2009. 352 p. Amilcar Torrão FILHO * O professor Laurent

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ Página 42 de 108 BENS IMÓVEIS IPAC Nº 3 / 2013 MUNICÍPIO: Uberlândia. DISTRITO: Sede. DESIGNAÇÃO: Residência. ENDEREÇO: Rua Vigário Dantas, 495 Bairro Fundinho Uberlândia MG. USO ATUAL: A casa se encontra

Leia mais

Patrimônio. Foco na história

Patrimônio. Foco na história Patrimônio Foco na história 30 metrópole campinas 19/6/11 À esquerda, a foto vencedora Corredor, de Matheus Spina; abaixo, detalhe da Mandala, por José Roberto Magalhães: exposição que vai até 31 de julho

Leia mais

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações Edição: 5132010 Litoral Paulista, sexta-feira, 20 de agosto Página: 1 Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações w w w. u s i m i n a s.

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

História. Foto: Ibraim Leão

História. Foto: Ibraim Leão Theatro Pedro II Rua Álvares Cabral 370, Centro, Ribeirão Preto-SP CEP 400-080 www.ribeiraopreto.sp.gov.br/fundacao/teatro/i36principal.php Tel. 55 (6) 3977.8 T heatro Pedro II Na década de 920, Ribeirão

Leia mais

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira A ARQUITETURA Professor H. Oliveira Quando os primeiros colonizadores portugueses fortificaram o litoral brasileiro e as ordens religiosas construíram os conventos e as igrejas, a arquitetura figurou como

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS 1960 01 GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS HISTÓRIA 02 O edifício Metrópole e Centro Metropolitano de Compras, projetado pelos arquitetos Salvador Candia e Gian Carlo Gasperini, é um importante

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

DEZ lugares para reviver Os Maias em Lisboa Clique aqui para ver a notícia no site

DEZ lugares para reviver Os Maias em Lisboa Clique aqui para ver a notícia no site Editora Zahar Veículo: Sites Data: 27/06/2014 Tópico: Institucional Página: 00:00:00 Editoria: Saraiva Conteúdo 1 / 1 DEZ lugares para reviver Os Maias em Lisboa Clique aqui para ver a notícia no site

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

RIO DE JANEIRO: conhecendo um pouco da sua história pelas experiências e visualizações de campo

RIO DE JANEIRO: conhecendo um pouco da sua história pelas experiências e visualizações de campo RIO DE JANEIRO: conhecendo um pouco da sua história pelas experiências e visualizações de campo Fernanda Endo Faleiros Graduanda em Geografia UFU/ IG fefalleiros@hotmail.com Sérgio Luís Dias Machado Graduando

Leia mais

As fontes de água em Salvador da Bahia da função à memória

As fontes de água em Salvador da Bahia da função à memória As fontes de água em Salvador da Bahia da função à memória A ocupação da cidade do Salvador sempre teve uma relação intrínseca com a abundância de água na região. Salvador é escolhida como "cabeça" do

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 244/IX ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE SÃO JOÃO DA TALHA À CATEGORIA DE VILA. 1 - Localização. 2 - Razões de ordem histórica

PROJECTO DE LEI N.º 244/IX ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE SÃO JOÃO DA TALHA À CATEGORIA DE VILA. 1 - Localização. 2 - Razões de ordem histórica PROJECTO DE LEI N.º 244/IX ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE SÃO JOÃO DA TALHA À CATEGORIA DE VILA 1 - Localização A povoação de São João da Talha localiza-se no concelho de Loures, na zona oriental do concelho

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das

Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das necessidades por um consumo de imagens e valores agora

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais

itabira diagnóstico e propostas

itabira diagnóstico e propostas itabira diagnóstico e propostas A CVRD foi constituída, em 1942, a partir de ativos minerários existentes, sobretudo as minas de Itabira. Cauê foi a maior mina de minério de ferro do Brasil As operações

Leia mais

Praça Roosevelt Dos anos 40 à Construção. Praça Roosevelt Dos anos 40 à Construção: O Processo de Mudança de um Local

Praça Roosevelt Dos anos 40 à Construção. Praça Roosevelt Dos anos 40 à Construção: O Processo de Mudança de um Local Praça Roosevelt Dos anos 40 à Construção: O Processo de Mudança de um Local Introdução O espaço da atual Praça Roosevelt teve sua configuração a partir dos anos 40, com a desapropriação de um terreno atrás

Leia mais

P O R T O M A R A V I L H A

P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A Porto do Rio Zona Portuária Hoje Da fundação aos dias de hoje Oficialmente, o Porto do Rio de Janeiro foi inaugurado em 1910, o que impulsionou o

Leia mais

Identidade. julho. Cultura. Património PERCURSOS. Marcas. agosto. Gentes. História CULTURAIS. Arte. setembro. Caminhos. Memórias

Identidade. julho. Cultura. Património PERCURSOS. Marcas. agosto. Gentes. História CULTURAIS. Arte. setembro. Caminhos. Memórias Identidade julho Cultura Património PERCURSOS Marcas agosto Gentes História CULTURAIS Arte setembro Caminhos Memórias PORTO OITOCENTISTA O século XIX, repleto de instabilidade político- -económica, causada

Leia mais

Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC

Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC Aula 1: Aula 01 Bibliografia Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC Estruturas de aço, concreto e madeira : atendimento da expectativa dimensional Rebello, Yopanan Conrado

Leia mais

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é 3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é tombada em nível estadual, apenas um bem é tombado pela

Leia mais

Pontos turísticos e suas verdades

Pontos turísticos e suas verdades Pontos turísticos e suas verdades Terceira e última parte em que você pode ver melhor as viagens aos monumentos históricos e ambientes paradisíacos. Por um ângulo, pois no outro verá a realidade. Santorini

Leia mais

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti Palácio de Versailles Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti O Palácio de Versalhes (em francês Château de Versailles) é um château real localizado na cidade de Versalhes, uma aldeia

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais