CAPÍTULO 1 DESIGN DA INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 1 DESIGN DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 CAPÍTULO 1 DESIGN DA INFORMAÇÃO

2 1.1 História da Representação Visual de Dados Michael Friendly defende em seu trabalho A brief history of data visualization que a representação gráfica de dados quantitativos não é uma prática moderna. Os primeiros registros visuais são anteriores ao século 17: diagramas, tabelas de posição de estrelas e outros corpos celestes, além de mapas utilizados na navegação e exploração. A idéia de coordenadas latitude e longitude - já era utilizada por inspetores no antigo Egito, 200 a.c. Uma das primeiras representações gráficas de informação é de um anônimo que retrata a mudança de posições, espaço e tempo, do sol, da lua e de outros planetas em relação às estações do ano. O eixo vertical representa a inclinação das órbitas planetárias, o eixo horizontal mostra o tempo. Nota-se o uso de uma grade, sugerindo uma noção de coordenadas em algo semelhante a papel milimetrado (figura 1) (FRIENDLY, 2006, p. 11). Segundo Edward Tufte, esta é uma renomada ilustração do décimo século e aparentemente faz parte de um texto elaborado por uma escola em um mosteiro. Esse é o mais antigo exemplo conhecido sobre a tentativa de mostrar graficamente mudança de valores. De acordo com Gray Funkhouser (in TUFTE, 2001, p.28), o conteúdo astronômico é confuso e existem dificuldades na conciliação entre o gráfico e o texto que acompanha os movimentos reais dos planetas, tanto que, pode-se notar uma rasura e correção feita em uma curva próxima ao centro do gráfico. Cláudio Ptolomeu desenvolveu um mapa com a projeção esférica da Terra (figura 2), baseada em latitude e longitude, que serviu como padrões de referência em Alexandria até o século 14. Em 1350 o bispo francês Nicole Oresme faz uso de um gráfico de barras para demonstrar uma variável que depende de outro valor (figura 3). Já no século 16, com o refinamento de técnicas e instrumentos de observação e medição precisa de grandezas físicas, geográficas e de posição celestial pode-se desenvolver representações como o mapa mundi de Gerardus Mercator (figura 4) (FRIENDLY, 2006, p.4). Durante o século 17, os problemas de representação visual mais importantes eram os relacionados com medições físicas - do tempo, da distância e do espaço - para a astronomia, topografia, desenvolvimento de mapas, navegação e expansão territorial. Além disso, houve grande crescimento teórico e o uso da aplicação prática da geometria analítica e sistemas de coordenadas, probabilidade, estatísticas demográficas, entre outros. Um exemplo notável mostra um gráfico de 1644 desenvolvido por Michael van Florent Langren, um astrônomo da Corte de Espanhola (figura 5). Naquela época a falta de um meio confiável para determinar a longitude no mar dificultava a navegação e exploração. Este gráfico de linha mostra todas as 12 estimativas conhecidas até então da diferença de longitude entre Toledo e Roma, e os nomes correspondentes dos astrônomos (Mercator, Tycho Brahe Ptolomeu, entre outros), que forneceram cada marcação. Van Langren poderia ter apresentado as informações em várias tabelas ou ordenar por autor, por data ou pela distância, no entanto essa maneira se mostrou mais eficiente. Na verdade, a distância correta é a indicada pela flecha, segundo Tufte é a 16

3 Figura 1 - Uma das primeiras representações gráficas de informação Figura 2 - Reprodução do mapa mundi de Ptlolomeu feita por Johan Scotus em 1505 Figura 3 Gráfico de Barras, Nicole Oresme, 1350 Figura 4 - Reprodução do mapa mundi de Ptlolomeu feita por Johan Scotus em

4 de 16º30. Esse gráfico também é um marco como o exemplar mais antigo conhecido do princípio de efeito de ordenação para exibição de dados (in FRIENDLY, 2006, p.5). Um dos primeiros mapas cartográficos de dados foi o de Edmond Halley, datado de 1686 (figura 6) mostrando os ventos alísios e as monções em um mapa mundi. Halley escreveu:... o fim de cada linha que aponta para uma parte do horizonte, mostra de onde o vento continuamente vem, e aonde existem monções os arcos de linhas se alternam para frente e para trás, mostrando que eles são mais espessos [densos] que em outros lugares (TUFTE, 2001, p.23, tradução nossa). Os elementos para desenvolver métodos gráficos de representação visual estavam prontos ao fim desse século 1. Figura 5 Michael van Langren, 1644 Figura 6 - Edmond Halley, 1686 Segundo Friendly, no século 18 a idéia de representação gráfica da informação estava estabelecida, como demonstram os exemplos de Van Langren e Halley. Sendo assim, cartógrafos começaram a mostrar mais que posições geográficas em seus mapas e isso criou um novo modo de representar os dados. À medida que o volume de dados aumenta - em áreas como geologia, economia, demografia e saúde - avança-se na tentativa de mapear informações e faz-se uso de recursos como a cor, contorno e figuras geométricas, além disso, usa-se inovações tecnológicas como a impressão em três cores para abrir novos caminhos. Um exemplo é o de Edmund Halley, que em 1701 desenvolve um mapa que utiliza as linhas para mostrar valores iguais em um grid de coordenadas (figura 7). Também foram introduzidos mais tarde mapas topográficos como o de Marcellin du Carla-Boniface (figura 8). No entanto, essas novas formas gráficas apareciam em publicações de circulação limitada e não atraíam muita atenção 2. Destaca-se William Playfair ( ) que é considerado o inventor da maioria das formas gráficas utilizadas até hoje: dos gráficos lineares, de barra, de círculo, de pizza e de linha. A figura 9 mostra uma combinação das diferentes formas, a utilização de área para 1 Ibid, p.6 2 Ibid, p.8 18

5 Figura 8 - Marcellin du Carla-Boniface, 1782 Figura 7 Edmund Halley, 1701 Figura 9 William Playfair, 1801 Figura 10 William Playfair,

6 descrever a quantidade, e o círculo representa a área de cada país. A linha vertical esquerda representa a população em milhões e, a linha à direita a receita (impostos) coletada em milhões de libras esterlinas. As linhas pontilhadas traçadas entre a população e renda ligam informações pertencentes ao mesmo país. A ascensão dessas linhas da direita para a esquerda ou da esquerda para a direita, mostra se a população do país está sobrecarregada com impostos ou não (TUFTE, 2001, p.44). Outro destaque de Playfair é o gráfico que questiona se o preço do trigo aumentou em relação aos salários (figura 10) estão representados: preços, salários, e os reinados britânicos em um período de 250 anos. Em uma carta, Playfair escreveu: Vocês têm diante de vocês, meus Senhores, um gráfico dos preços do trigo durante 250 anos, feito a partir de dados oficiais, na mesma tabela tracei uma linha que representa, tanto quanto posso, o salário de um bom mecânico, tanto quanto de ferreiros, pedreiros e carpinteiros, para comparar a proporção entre esses e os preços do trigo em cada período diferente... O principal fato merecedor de reflexão é que, nunca, em qualquer período anterior o trigo foi tão barato, em relação ao trabalho braçal, como é no momento presente (TUFTE, 2001, p.34, tradução nossa). Dados representados visualmente permaneceram raros por mais 30 anos, talvez por não existir complexidade suficiente nos dados colhidos até então que precisassem de novos métodos de representação. Além disso, não havia publicações disponíveis facilmente. No entanto isso mudou na primeira metade do século 19 quando todas as formas de representação modernas já existiam. Na cartografia, mapas simples foram transformados em atlas complexos baseados em grande variedade de dados. O primeiro mapa geológico da Inglaterra e do País de Gales desenvolveu um padrão para a cartografia geológica, também é conhecido como o mapa que mudou o mundo - para os geólogos, pelo menos -, foi desenhado em 1801 com versão final de 1815 (figura 11). Outro exemplo (figura 12) é o atlas físico com a distribuição de plantas, animais, clima, entre outros; inclui tabelas e gráficos ilustrados e é um dos mais extensivos e detalhados atlas temáticos da época (FRIENDLY, 2006, p.7). Na mesma época, entre 1830 e 1850, a utilização de gráficos começou a ser reconhecida em Figura 11 - William Smith,

7 alguns círculos oficiais de desenvolvimento econômico e de planejamento. Cartogramas e mapas estatísticos também foram desenvolvidos para fazer levantamentos de diferentes áreas das cidades. Por volta de 1820, o Barão Charles Dupin fez uso do sombreado para mostrar a distribuição e o grau de analfabetismo na França (figura 13), sob o título Carte de la France obscure et la France éclairée que atraiu grande atenção. Essa provavelmente foi a primeira aplicação de gráficos para representação de dados na esfera social. Tableau Graphique de Charles Joseph Minard (figura 14) mostra o transporte de mercadorias comerciais Canal Central francês (Chalon-Dijon) através de um gráfico de barras. No entanto, Minard introduziu inovações: as barras foram divididas proporcionalmente à área real. A largura de cada barra mostra a distância ao longo do percurso. A altura das barras mostra o custo do transporte. As diferentes cores indicam a variedade dos produtos transportados e as setas mostram a direção do transporte 3. Figura 12 - Umrisse der Pflanzengeographie 5 de Heinrich Berghaus, 1838 Figura 12 - Carte de la France obscure et la France éclairée 4 Barão Charles Dupin, Ibid, p.9 4 Mapa da França iletrada e da França letrada (tradução nossa) 5 Rascunho da localização geográfica de plantas (tradução nossa) 21

8 Figura 14 Charles Minard, Tableau Graphique Na metade do século 19, todas as ferramentas para o crescimento de gráficos de dados estavam estabelecidas - as ciências estatísticas, sociais e entre outros, além disso, passouse a aceitar a representação visual gráfica como maneira eficiente de transmitir informação. Escritórios de análise estatística se estabeleceram por toda Europa, por conta do reconhecimento da importância da informação numérica para o planejamento social, industrialização, comércio e transporte. Houve extenso uso de diferentes recursos como 3D (figura 15), justaposição (figura 18), mapas amórficos (figura 17), coordenadas paralelas (figura 16) e grades hexagonais (figura 17), para criar gráficos multifuncionais 6. Segundo Michael Friendly, durante esse período estereogramas 7 são construídos como o desenvolvido por Luigi Perozzo, baseado em dados do Censo Sueco (figura 15). Um dos primeiros a usar um mapa para traçar padrões de uma doença é John Snow, que cruzou o local das mortes por cólera em Londres em setembro de 1854 (figura 18). As mortes foram marcadas por pontos e, 11 reservatórios de água da área foram localizados com cruzes. Examinando a dispersão dos pontos na superfície do mapa, Snow observou que a cólera ocorreu quase exclusivamente entre os que viviam perto (e beberam) a água fornecida pelo reservatório da Broad Street. Então, esse reservatório foi desativado, terminando com epidemia no bairro que alcançou 500 mortes. O reservatório está situado no centro do mapa, a direita do D na Broad Street. É claro que a ligação entre o reservatório e a doença poderia ter sido revelada através de cálculo e análise, sem gráficos, com alguma sorte e muito trabalho. Mas, aqui, pelo menos, a análise gráfica se mostra muito mais eficientemente que o cálculo (TUFTE, 2001, p.24). Já Charles Minard, um engenheiro civil francês, ilustrou graficamente a desastrosa campanha de Napoleão contra a Rússia em 1812 (figura 16). Seis variáveis são pontuadas: o tamanho do 6 Ibid, p.6 7 Segundo o dicionário Aurélio Estereografia é a arte de representar os sólidos em um plano (1987, p.580). 22

9 exército, a sua localização sobre uma superfície bidimensional, a direção da movimentação do exército, e temperatura em diferentes datas durante a retirada de Moscou. A largura do trajeto é proporcional ao número de soldados sobreviventes na campanha de guerra. Em laranja o caminho de ida e em preto a volta. Segundo Tufte, esse pode ser o melhor gráfico estatístico já desenhado 8. Além disso, com a disseminação das estatísticas oficiais para a população, houve incentivo para organizar os chamados Atlas Estatísticos. Também havia preocupação em regulamentar a apresentação gráfica, então foram feitos Congressos Internacionais de Estatísticas (FRIENDLY, 2006, p.13). Figura 15 - Estereograma tridimensional, Luigi Perozzo, Itália Figura 16 - Charles Minard, Ibid, p.40 23

10 Figura 17 Exemplo de mapa amórfico, L abaque du bateau Le Triomphe de Lallemand 4, de Marie-Nöelle Maisonneuve Figura 18 John Snow, 1854 No período entre 1900 e 1950 aconteceram poucas inovações gráficas e o entusiasmo vivido no século passado foi suplantado pelo crescimento da quantificação e modelos formais. Imagens se tornaram apenas imagens, incapazes de demonstrar fatos quantitativos. No entanto foi nesse período que gráficos estatísticos se tornaram populares e acessíveis, aliás, métodos gráficos provaram ser cruciais para explicar novas descobertas e teorias, nos campos da astronomia, física, biologia e outras ciências (FRIENDLY, 2006, p.21). Para Marcos Balster Fiore Correia, uma importante experiência realizada em 1924 por Otto Neurath, que organizou o Museu Social de Gráficos Estatísticos em Viena, Áustria, e introduz o Isotype (figura 19). Tal sistema baseado em símbolos pictóricos foi idealizado como um meio de transmitir informações de maneira unívoca para todas as pessoas independentemente da cultura e do nível de instrução. Foi muito influente para artistas da época apesar de ser um projeto pretensioso (CORREIA, 2009, p.198). Em 1933 Henry Beck atualiza o mapa do metrô de Londres, que até então representava o itinerário como um mapa, seguindo o relevo natural da linha de metrô pela cidade (figura 4 Gráfico do barco Le Triomphe de Lallemand (tradução nossa) 24

11 20). O mapa de 1933 foi estudado e desenhado para usar somente linhas verticais, horizontais e com inclinação de 45º para representar os percursos (figura 21), demonstrando o poder de síntese e organização possíveis. As únicas referências que restam para o usuário são o rio Tâmisa que corta Londres e as estações, O mapa organiza Londres, ao invés de Londres organizar o mapa (TUFTE, 1990, p. 43). A visualização de dados começa a se revitalizar por volta de Nos Estados Unidos, John W. Tukey reconhece a importância da análise gráfica dos dados e lançam novos padrões e inovações, como histogramas de análise de contas que possuem novas propostas de comparação visual. Na França, Jacques Bertin publica a Semiologia Gráfica, organizando visão e percepção Figura 19 Isotype (International System of Typographic Picture Education) Figura 20 mapa do metrô de Londres até 1932, desenvolvido por George Dow Figura 21 Henry Beck,

12 dos elementos gráficos. Além disso, a inovação tecnológica trazida pelos computadores começa a mostrar seu potencial. Entre o período de 1950 a 1975, importantes colaborações entre tecnologia - desenvolvimento de softwares de pesquisa, evolução da análise de dados e tecnologia - para mostrar e inserir dados. Nota-se novos paradigmas, linguagens e softwares para a visualização e implementação de dados estatísticos. Por outro lado, novas técnicas e métodos de visualização começaram a surgir: diferentes representações de dados variados, o desenvolvimento de várias técnicas de reduções dimensionais, animações, entre outros. (FRIENDLY, 2006, p.23). No fim do século 20 a visualização de dados amadureceu com o refinamento do que foi desenvolvido anteriormente. Foram criados sistemas computacionais altamente interativos. Novos paradigmas de manipulação direta de dados visuais linkar, apagar, selecionar, focar, entre outros e a invenção de técnicas gráficas e os métodos de visualização multidimensional também marcaram essa época. Em 1982, o jornal americano USA Today inaugura uma era de impressão colorida nos jornais que se espalha pelo mundo (figura 22). Logo, os infográficos se tornam parte do dia-a-dia da imprensa. Em 1993 se estabelece nos EUA a Xplane, empresa especializada em visualização de dados aplicados ao comércio e administração de empresas. Em 1996, é criado um software de dados cartográficos, com ferramentas que permitem vários tipos de mapeamento simultâneos. Em 1999 Leland Wilkinson escreve A Gramática dos Gráficos, uma espécie de dicionário sistemático e de fácil compreensão com regras gramaticais para dados e gráficos. Nesse mesmo ano alguns dos melhores artistas gráficos dos EUA são reunidos por Richard Saul Wurman no livro Understandig US, um compêndio visual de dados socioeconômicos do país Ibid, p. 24 Figura 22 Página da previsão do tempo do jornal norte-americano USA Today, desenvolvido por George Rorick História da Representação Visual de Dados 26

13 1.2 Segundo o site da Sociedade Brasileira de (SBDI), o : É uma área do design gráfico que objetiva equacionar os aspectos sintáticos, semânticos e pragmáticos que envolvem os sistemas de informação através da contextualização, planejamento, produção e interface gráfica da informação junto ao seu público alvo. Seu principio básico é o de otimizar o processo de aquisição da informação efetivado nos sistemas de comunicação analógicos e digitais 11. De acordo com artigo Infographics: Being and Doing de Venkatesh Rajamanickam, um gráfico informacional ou simplesmente infográfico constrói representações visuais da informação, estabelecendo relações, ajudando o consumidor a compreender a informação. Atualmente infográficos são recursos amplamente utilizados nos meios de informação, pois o uso dos mesmos pode explicar como montar uma mesa e até mostrar como gêmeas siamesas são cirurgicamente separadas. Designers, educadores, jornalistas e comunicadores em geral abraçaram infográficos para ajudar o público a entender suas intenções de uma maneira mais rápida e esperta (RAJAMANICKAM, 2005, p.2, tradução nossa). O Conselho de (Design Council on Information Design) faz a seguinte abordagem: Grande parte do design gráfico se preocupa com a informação - como é apresentada, navegadas, compreendidas e utilizadas. Às vezes as informações são bastante técnicas, tais como instruções de medicação; outras informações podem ser bastante densas, como horários de ônibus. O é a disciplina que dispõe e exibe informações, seja simples ou técnica, de modo que seja fácil entendimento e utilização 12 (tradução nossa). A Sociedade de Comunicação Técnica (Society for Technical Communication s STC) descreve a disciplina como a tradução de dados complexos, desorganizados, ou nãoestruturados em informação valorosa e significativa. Lipton (in CORREIA, 2009, p.186) complementa e define como o estudo e prática de trazer clareza e compreensibilidade a produtos visuais voltados a orientar, ensinar, explicar, ou informar. Marcos Balster Fiore Correia, em sua dissertação A Comunicação de Dados Estatísticos por Intermédio de Infográficos: Uma Abordagem Ergonômica, afirma: Tendo em vista, o design da informação se baseia na assunção de que princípios do design aplicados à informação a tornam mais acessível, mais funcional, mais cativante, mais pregnante e de assimilação mais prazerosa. Assim, a apresentação da informação quando concebida de

14 forma planejada, equacionando uma série de restrições de projeto tais como o público-alvo, as mídias, as possíveis interferências contextuais e as capacidades físicas e psíquicas humanas tende a atingir de forma mais eficiente seus objetivos, sejam eles informar, ensinar, orientar ou explicar (CORREIA, 2009, p.187). Marcos Correia ainda conclui que após considerar todas as questões pertinentes ao design da informação, é possível afirmar que essa vertente do design tem como finalidade auxiliar o acesso a um conjunto de dados ou a alguma informação, na extração de informações de um conjunto de dados, no entendimento da informação, e, na assimilação da informação, ou seja, sua transformação em conhecimento Infográficos Definição Segundo Alberto Cairo em seu livro Infografia 2.0 o termo infográfico começou a se popularizar no meio jornalístico no final dos anos A palavra é um acrônimo das palavras informação e gráfico assim como o original em inglês infographics. E complementa que um infográfico é uma representação diagramática de dados. Para Moraes (in CORREIA, 2009, p.193) a infografia corresponde ao registro gráfico da informação, pela combinação das linguagens verbal e iconográfica, com certo predomínio desta última. O dicionário Houaiss traz a seguinte descrição: Apresentação de informações com preponderância de elementos gráficos-visuais (fotografia, desenho diagrama estatístico etc.) integrados em textos sintéticos e dados numéricos, geralmente utilizada em jornalismo como complemento ou síntese ilustrativa de uma notícia (DICIONÁRIO HOUAISS, 2001, p.1615). Correia faz uma discussão acerca do termo infográfico, já que ele apresenta uma dualidade em seu significado, pois, além de denotar a representação gráfico-visual da informação, ele pode ser entendido como a aplicação da informática para a criação de representações visuais fotografias digitais, ilustrações digitais feitas através de um software. No entanto, a definição adotada para esta monografia será o termo como representação gráfico-visual da informação técnico-científica. Detalhando-se a definição, tem-se que o infográfico é uma representação porque corresponde sempre a uma construção abstrata que está no lugar de fatos e objetos reais para que estes possam ser racionalizados. Ele é gráfico porque se materializa através de gravações sobre superfícies planas e é visual porque é captado sensorialmente pela visão. Sendo gráfico e visual ele engloba signos gráficos verbais (a palavra escrita), signos gráficos pictóricos (imagens materiais) e signos gráficos esquemáticos (diagramas 7 ). A informação técnico- 13 Ibid, p Representação gráfica, por meio de figuras geométricas (pontos, linhas, áreas, etc.), de fatos, fenômenos, grandezas, ou das relações entre eles (HOUAISS, 2001, p.1030) 28

15 científica se refere aos conteúdos voltados para mostrar, esclarecer e explicar quantidades, objetos, fenômenos, eventos, situações e processos (CORREIA, 2009, p.193) Função Segundo Correia, os infográficos são extensamente empregados na contemporaneidade, meios de comunicação buscam aperfeiçoamento para atender e otimizar o desempenho dos usuários que buscam informação. Para tal fim os infográficos precisam: proporcionar ao usuário a aquisição da informação de que precisa ou deseja; proporcionar ao usuário uma aquisição da informação mais rápida; economizar espaço na página e; estimular o usuário a adquirir a informação. Em busca dessas metas, os infográficos têm como diretriz fundamental o emprego dos princípios e técnicas do design da informação para apresentar a informação com simplicidade, clareza, concisão, precisão, objetividade e dinamismo. Para Moraes: A infografia, enquanto modalidade de jornalismo visual, corresponde à transmissão de informações jornalísticas, através da utilização de elementos não-textuais, que informam de maneira rápida e direta, conferindo à leitura de jornais diários maior velocidade e objetividade, adjetivos indispensáveis para um meio de informação no atual contexto histórico (in CORREIA, 2009, p.206) Características O papel do design nos infográficos é não interferir na informação, é preparar as condições para que ela fale por si mesma 15. Segundo Richard Saul Wurman, as formas de se organizar as informações são finitas e estão em cinco grupos de possibilidades: categoria, agrupamento de bens diversos, genéricos, geralmente de importância similar; tempo, agrupamento por localização ou referencial temporal, seja em ordem cronológica ou periódica; localização, agrupamento por localização, referencial geográfico ou geométrico; alfabeto, agrupamento por ordem alfabética e; seqüência, agrupamento relativo à atribuição de peso ou valor de alguma informação, possui caráter hierárquico do maior ao menor ou vice-versa (WURMAN, 1991, p.43). Rajamanickam afirma que para comunicar visualmente é preciso entender o que é representação que, literalmente, significa apresentar de novo. É necessária certa abstração do usuário para entender a informação, que varia de acordo com a necessidade. Quanto mais concretas, realistas e simples as representações, mais fáceis são de entender. Para o autor os melhores resultados são obtidos eliminando detalhes e exagerando as características marcantes. As representações que conseguem se comunicar com êxito são facilmente visíveis, simples, imediatas, coerentes e genéricas (tradução nossa) (RAJAMANICKAM, 200, p.5). 15 Ibid, p

16 São três os maiores desafios para desenvolver um infográfico satisfatório: entender o tipo de informação que se tenta comunicar, ela pode ser espacial, cronológica, quantitativa ou uma combinação das três; desenvolver uma representação adequada e coerente com a informação que se deseja transmitir e; escolher um meio adequado estático (papel ou tela do computador), movimento (animação ou vídeo), ou interativo (rede da web ou outros aparelhos eletrônicos baseados em dispositivos que permitem interação). O diagrama a seguir, retirado do artigo de Rajamanickan, de maneira sucinta, mostra um panorama geral de concepção de um infográfico: TIPO DE INFORMAÇÃO ESPACIAL Informação que descreve posições relativas e as relações espaciais em um local físico ou conceitual CRONOLÓGICA Informação que descreve posições sequenciais e relações de causa em uma linha do tempo física ou conceitual QUANTITATIVA Informação que descreve escalas, proporções, mudanças e organização de quantidade em tempo, espaço ou ambos DISPOSITIVO DE INFOGRÁFICO DIAGRAMAS Ícone: mostra a realidade visual simplificada Seqüência: Mostra sucessão de acontecimentos, ações e relações causais Processo: mostra interações passo-a-passo entre espaço e tempo Linha do tempo: mostra evolução cronológica Exposição: mostra detalhes ou pontos de vista, normalmente não está disponível para o ser humano os olhos, como cortes, vistas, etc axonométrica MAPAS Localizador: mostra a localização de algo em relação a outra coisa. Dados: mostram informações quantitativas em relação à sua localização geográfica Esquemas: Mostra uma representação abstrata da geografia, processo ou seqüência GRÁFICOS Fluxo: mostra a mudança de magnitude ao longo do tempo Barra: mostra a comparação proporcional da magnitude Pizza: mostra a distribuição de partes de um todo Organização: mostra as partes em uma estrutura e suas inter relações COMUNICAÇÃO ESTÁTICO A informação é apresentada em sua totalidade de maneira instantânea Gráficos de jornais, folderes com mapas, manuais, diagramas expositivos INFOGRÁFICOS EM MOVIMENTO Informação é apresentada progressivamente em uma sequência linear Superposições de animação ou gráfico em vídeos INTERATIVO Informação é apresentada seletivamente com base na escolha dos usuários Normalmente utilizados em mídias da web, em que as informações são narrativas, instrutivas, simuladoras ou exploratórias Figura 23 - Diagrama de Rajamanickan 30

17 1.4 Infografia Edward Tufte no livro Envisioning Information aponta como princípios e técnicas de representação gráfica da informação: Micro/Macro leituras; distribuição em camadas e separação; pequenos múltiplos; cor e informação; e narrativas de espaço e tempo Micro/Macro Leituras A representação gráfica deve permitir que os usuários obtenham informações tanto da visão geral dos dados apresentados quanto de suas inter-relações mais específicas. Para que isso ocorra é preciso que a representação gráfica não perca os detalhes. O desejado é justamente o contrário. Conforme afirma Edward Tufte a simplicidade de leitura deriva de informação detalhada e complexa, devidamente arrumada, a estratégia de design mais não convencional é revelada, para esclarecer, adicione detalhe (TUFTE, 1990, p.37). Segundo Correia, a partir da hierarquização eficiente do conjunto de dados apresentados, as representações gráficas que seguem o princípio de micro/macro leituras dão ao usuário a liberdade de observar o todo (leitura macro) e, deste todo, selecionar os detalhes que lhe interessam para fazer leituras pormenorizadas (leitura micro). Edward Tufte complementa: Panoramas, vistas e perspectiva oferecem aos telespectadores a liberdade de escolha que deriva de uma visão geral, a capacidade de comparar e classificar através de detalhes. e Tais projetos podem relatar imensos detalhes, organizar algo complexo através de múltiplos e (muitas vezes) camadas hierárquicas de leitura contextual. Um exemplo que segue esse princípio é o da figura 24 que representa a distribuição populacional no Japão e como ela se distribui ao longo do território nacional (macro leitura) e ao mesmo tempo pode-se visualizar a concentração populacional em locais específicos (micro leitura) Ibid, p.38 Figura 24 - Mapa Estatístico: O Resultado do Censo da População de Tóquio em

18 1.4.2 Distribuição em Camadas de Separação É uma forma de separar visualmente os vários aspectos de um conjunto de dados e separar a informação propriamente dita da estrutura gráfica utilizada para comunicá-la. Ela consiste, basicamente, na utilização de diferentes cores, tons, texturas e tamanhos para criar contrastes entre os sinais gráficos que transportam a informação e os que não a transportam. Tufte complementa que entre os dispositivos mais potentes para reduzir o ruído e enriquecer o conteúdo da representação é a técnica de estratificação e separação. Um exemplo desse princípio é o da figura 25, que é um desenho técnico com vistas explodidas de um maquinário que apresentam as peças em preto e as legendas em vermelho (TUFTE, 1990, p.53). Marcos Correia atenta para o fato de que os sinais gráficos presentes num mesmo campo visual inevitavelmente geram padrões e texturas, sejam eles, desejados ou não. Esse efeito é conhecido como = 3 ou mais (figura 26) e na maior parte dos casos esse efeito é indesejado, já que gera ruído na informação (CORREIA, 2009, p. 216). Figura 25 - Página do manual de instruções da IBM Series III Copier I Duplicator, desenho de Gary E. Graham Figura 26 - Um mais um é igual a três ou mais, de Josef Albers 32

19 1.4.3 Pequenos Múltiplos A técnica consiste na múltipla replicação, dentro do campo visual, da representação gráfica da informação. Em cada réplica a estrutura utilizada para transportar o conteúdo se mantém constante, mas a informação propriamente dita muda de uma para outra. Com todas as réplicas dentro de seu campo de visão, o espectador é capaz de compará-las visualmente em busca de diferenças. Como a estrutura é mantida constante, as diferenças percebidas se referem a mudanças na informação. A grande vantagem dos pequenos múltiplos é justamente favorecer as comparações e tornar visíveis as variações na informação (CORREIA 2009, p.217). A figura 27 apresenta um infográfico que se utiliza desse princípio, a mesma estrutura é repetida várias vezes, de maneira idêntica. O que muda é a informação mostrada em cada uma das réplicas, para que se tornem visíveis suas variações (TUFTE, 1990, p. 68). Figura 27 - Regras e Regulamentos para o Governo de funcionários do Departamento Operacional da Companhia Ferroviária Hudson & Manhattan, Nova Iorque,

20 1.4.4 Cor e Informação Uma das mais eficientes técnicas de representação gráfica é vincular cores à informação já que, segundo Edward Tufte os olhos humanos são requintadamente sensíveis às variações de cores e os usos fundamentais da cor no design de informação: para classificar (cor como substantivo), para medir (cor como quantidade), para representar ou imitar a realidade (a cor como representação), e para animar ou enfeitar (cor como beleza) (TUFTE, 1990, p.81). Ainda destaca os dois princípios a se buscar para minimizar os danos causados pelo uso da cor. O primeiro é não aplicar cores fortes e plenamente saturadas a grandes áreas, reservando para aplicações pontuais, já que cores fortes sobre fundos neutros destacam a informação e ajudam a harmonizar a representação gráfica. O segundo principio é o de atribuir valores para as cores, algumas cores têm significados típicos, como o vermelho para sinais de atenção. Um exemplo de aplicação de cores é em mapas topográficos (figura 28) que se utiliza de gradações cromáticas para diferenciar classes de itens e ao mesmo tempo expor seus valores quantitativos. Faz-se uso de significados inerente da cor, como o azul para água e obtém um resultado agradável e estimulante Narrativas de Tempo e Espaço Figura 28 - Mapa Geral Batimétrico dos Oceanos, Organização Internacional Hidrográfica, Cabadá, Segundo Marcos Correia um dos maiores desafios para a representação gráfica é transportar para uma mídia plana e estática, como o papel, um mundo tridimensional e pleno de movimento. A percepção da profundidade e do movimento é essencial para a interação das pessoas com o ambiente. Tufte cita calendários como exemplos de narrativa, utilizados há centenas de anos, e organizam e planificam informações extensas, complexas e continuadas de tempo (CORREIA, 2009, p.222). Com os recursos tecnológicos que incitam a ilusão de movimento, como em dispositivos multimídia, os desafios de organizar narrativas de espaço tempo extravasam o meio bidimensional e não se exige grande poder de abstração do usuário. 17 Ibid, p.90 34

Marcos na História da Visualização de Dados

Marcos na História da Visualização de Dados Marcos na História da Visualização de Dados BASEADO EM Milestones in the History of Thematic Cartography, Statistical Graphics, and Data Visualization An illustrated chronology of innovations by Michael

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

REFORMULAÇÃO SITE ARCA BRASIL

REFORMULAÇÃO SITE ARCA BRASIL REFORMULAÇÃO SITE ARCA BRASIL Equipe A³ Elton Sacramento Eveline Almeida Gabriela Yu 1 1. Introdução O site escolhido foi o ARCA Brasil (http://www.arcabrasil.org.br/), uma ONG que promove o bem-estar

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

3 - Projeto de Site:

3 - Projeto de Site: 3 - Projeto de Site: O site de uma empresa é como um cartão de visita que apresenta sua área de negócios e sua identidade no mercado, ou ainda, como uma vitrine virtual em que é possível, em muitos casos,

Leia mais

X PAD para Android O primeiro, o mais avançado.

X PAD para Android O primeiro, o mais avançado. Designed and developed by: X PAD para Android apresenta uma nova forma de trabalhar, baseada na mais evoluída e avançada plataforma para dispositivos móveis. Pela primeira vez o software projetado para

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas 5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas O capitulo anterior descreveu as facilidades de acesso às informações estatíticas e este capítulo descreve, exemplifica e mostra a usabilidade destas informações

Leia mais

edirectory ios / Android Plataforma

edirectory ios / Android Plataforma edirectory ios / Android Plataforma Criando lindos aplicativos com edirectory Uma revolução no espaço de diretórios mobile, bem vindo ao novo aplicativo do edirectory. Mobile Completamente reestruturado

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão Neste teste, a resolução da questão 1 exige a audição de uma sequência de três músicas que serão executadas sem interrupção: uma vez, no início do teste; uma vez, dez minutos após o término da primeira

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado.

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. , ()! $ Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. Uma estratégia muito utilizada para organizar visualmente informações numéricas

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 CURITIBA 2015 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007... 3 JANELA PRINCIPAL... 3 1 - BOTÃO OFFICE... 4 2 - FERRAMENTAS DE ACESSO

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 AULA 20 PROBLEMAS DE INTERFACE 12.maio.2006 FAVOR DESLIGAR OS CELULARES usabilidade compreende a habilidade do software em permitir que o

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO Técnico de Eletrotecnia e Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos / 2015/2018 DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica

A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica Departamento de Comunicação Social A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica Aluna: Juliana d Arêde Orientador: José Carlos Rodrigues Introdução A evolução de técnicas estéticas acompanha

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 - Área de trabalho e personalizando o sistema... 3 A área de trabalho... 3 Partes da área de trabalho.... 4 O Menu Iniciar:...

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

Montar planilhas de uma forma organizada e clara.

Montar planilhas de uma forma organizada e clara. 1 Treinamento do Office 2007 EXCEL Objetivos Após concluir este curso você poderá: Montar planilhas de uma forma organizada e clara. Layout da planilha Inserir gráficos Realizar operações matemáticas 2

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem

Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem A representação do aspecto quantitativo em escala zonal considera que as quantidades se estendem por toda área de ocorrência.

Leia mais

Identidade Digital Padrão de Governo

Identidade Digital Padrão de Governo Identidade Digital Padrão de Governo Participantes do Projeto Presidência da República Secretaria de Comunicação SECOM Diretoria de Tecnologia DITEC Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA COLÉGIO ESTADUAL VICENTE RIJO Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Av. Juscelino Kubitscheck, 2372. Londrina Paraná Fone: (43) 3323-7630 / 3344-1756 / 3334-0364 www.vicenterijo@sercomtel.com.br CURSO

Leia mais

edirectory Plataforma ios / Android

edirectory Plataforma ios / Android edirectory Plataforma ios / Android Levando seu site ao próximo nível Conheça o novo aplicativo do edirectory. E seja bem vindo a revolução em aplicativos para Diretórios Online. Mobile Completamente reestruturado

Leia mais

Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos

Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos IT 508 - Cartografia Temática Representação cartográfica: Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos Profa.. Juliana Moulin Segundo os métodos padronizados, conforme o uso das variáveis

Leia mais

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 BRIP Índice I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 1 Aulas interativas 05 2 E-manuais 09 Temas 09 Pesquisa global de Recursos Educativos Digitais 11.1 Pesquisa

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS Microsoft Office PowerPoint 2007 Prof. M.Sc. Fábio Hipólito Julho / 2009 Visite o site:

Leia mais

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria Calculando uma peça com o CALDsoft7 É muito simples calcular uma peça com o CALDsoft7, basta seguir os passos apresentados abaixo: - Escolher a peça

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA

GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA 1 - RESUMO DA ATIVIDADE Como exemplo de um método de medida, vamos mostrar como há três séculos antes de Cristo, Eratóstenes mediu o raio da Terra, utilizando

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Planificação Anual da Disciplina de TIC Módulos 1,2,3-10.ºD CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Ano Letivo 2015-2016 Manual adotado:

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado Escola Básica e Secundária de Velas Planificação de TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Curso Profissional de Técnico de Secretariado 10º C MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Microsoft Excel Conteúdos

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

Aula 08. Modelos e Simulação

Aula 08. Modelos e Simulação Modelos e Simulação 8.1 Aula 08 Modelos e Simulação Walter Antônio Bazzo e Luiz Teixeira do Vale Pereira, Introdução a Engenharia Conceitos, Ferramentas e Comportamentos, Capítulo 7: Modelos e Simulação

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Problemas & Algoritmos Para resolver um problema através dum computador é necessário encontrar em primeiro lugar uma maneira de descrevê-lo

Leia mais

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 1 O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 Deisihany Armelin Santana 2 Carina Sala de Moreis 3 INTRODUÇÃO Este artigo analisa, criticamente,

Leia mais

Aplicações da Logomarca Logomarca Preferencial - Assinatura Horizontal - Secretaria Logomarca Preferencial - Assinatura Vertical - Secretaria

Aplicações da Logomarca Logomarca Preferencial - Assinatura Horizontal - Secretaria Logomarca Preferencial - Assinatura Vertical - Secretaria Índice 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 Apresentação A logomarca da Prefeitura de Palmas Proporções e medições Zona de exclusão Redução mínima Variantes de cor Cores

Leia mais

Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais. Manual de Identidade Gráfica

Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais. Manual de Identidade Gráfica Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais Manual de Identidade Gráfica 1 2 Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais Manual de Identidade Gráfica 4 ÍNDICE Introdução I. Significado I.0 Emblema

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Este guia vai ajudar você a pesquisar e encontrar dados geoespaciais no Portal de Mapas do Instituto

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Algumas questões importantes sobre um projeto digital. Dependendo do cliente não é necessário levantar uma grande quantidade de dados. Utilize este

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

2 Computação na Nuvem

2 Computação na Nuvem 18 2 Computação na Nuvem 2.1 Definição A ideia essencial da computação na nuvem é permitir um novo modelo onde o consumo de recursos computacionais, e.g., armazenamento, processamento, banda entrada e

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Avaliação dos Equívocos Descritos por Nielsen em Páginas Web

Avaliação dos Equívocos Descritos por Nielsen em Páginas Web Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Departamento de Informática Aplicada Interação Homem-Computador INF01043 Aluno: Leonardo Garcia Fischer Cartão UFRGS: 116627 Matrícula:

Leia mais

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 1 - OBJETIVO PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 Este retrata a forma que deve ser conduzida a gestão dos s da entidade desde a sua concepção até o seu acompanhamento e melhoria. 2 - AUTORIDADE

Leia mais

Sumário. 1 Tutorial: Blogs no Clickideia

Sumário. 1 Tutorial: Blogs no Clickideia 1 Tutorial: Blogs no Clickideia Sumário Introdução... 2 Objetivos... 2 Instruções para utilização do Tutorial... 2 Acesso ao Portal e a Home Blog... 3 Página Inicial da área do Blog... 4 Apresentação da

Leia mais

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos Design Web Estrutura e estética: Organiação, layout, cores e tipos Apresentação: Estrutura e Estética Organiação Navegação Layout Cores e Tipografia! " Representação e Apresentação Representação Utiliar

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo Introdução Recursos de acessibilidade principais Navegação usando

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Tutorial 5 Questionários

Tutorial 5 Questionários Tutorial 5 Questionários A atividade Questionário no Moodle pode ter várias aplicações, tais como: atividades de autoavaliação, lista de exercícios para verificação de aprendizagem, teste rápido ou ainda

Leia mais

IPAHN Novo Portal 4 ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal Dezembro 2014

IPAHN Novo Portal 4 ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal Dezembro 2014 IPAHN Novo Portal 4 ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal Dezembro 2014 Relação de itens verificados e propostas de alteração que consideramos fundamental para a continuidade dos trabalhos de transição

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Ave: Manual do usuário

Ave: Manual do usuário As iniciais no canto superior esquerdo indicam a atual lista de espécies em uso. Clique neste campo para abrir uma grade com todas Ave: Manual do usuário Introdução A Janela Inicial O botão Listas Sobre

Leia mais

CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE. Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9

CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE. Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9 CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9 Regras e instruções O objetivo de uma página web é transmitir informação de uma maneira útil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Organograma, funcionograma, fluxograma

Organograma, funcionograma, fluxograma CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA CURSO DE NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AULA 28 Profa. M.Sc Vanessa Vasconcelos Fonseca Mestre em Ciência de Alimentos Especialista MBA

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que é Internet? Apesar de muitas vezes ser definida como a "grande rede mundial de computadores, na verdade compreende o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam e que permitem

Leia mais