Resoluções de Exercícios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resoluções de Exercícios"

Transcrição

1 Resoluções de Exercícios EA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EH EXERCITANDO HABILIDADES TC TAREFA DE CASA CIÊNCIAS HUMANAS VI DARWIN Capítulo 01 EA BLOCO 01 REPRESENTAÇÃO ESPACIAL Projeções Cartográficas O Brasil tem, desde 2008, 3 fusos horários. O primeiro, 2 h a menos do que Greenwich em Fernando de Noronha. Quando teve início a Cerimônia de abertura em Londres, em Fernando de Noronha eram 19 h. O segundo fuso horário brasileiro corresponde a hora oficial de Brasília, adotado, entre outros, pelos estados do Ceará e Espírito Santo. Já o Acre e o estado do Amazonas, juntamente com Roraima, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul encontram-se no terceiro fuso do Brasil, com 4 h a menos do que Londres. EA BLOCO C As figuras I e II trazem em destaque as linhas imaginárias, o Equador e o Meridiano de Greenwich, tais linhas são importantes referências na localização geográfica de um ponto da superfície terrestre, pois são elas que determinam respectivamente a latitude e a longitude. 02 B Conforme o enunciado, o sol se pôs atrás da estátua do Cristo, o que indica o poente ou oeste. O lado oposto é o leste, onde se encontra o Pão de açúcar. Estique seu braço para o leste, à frente estará o norte, Enseada de Botafogo e atrás do seu corpo estará o sul, para onde o braço direito do Cristo está apontando. 03 D Sabendo-se que o Sol tem seu movimento aparente de Leste para Oeste, vemos que os terrenos II, IV e V poderiam corresponder ao anúncio, já que o Norte está indicado na planta. Utilizando a escala gráfica que está na base da planta, notamos que apenas o terreno IV poderia ter a área de 200 m 2, como anunciado. 04 E Considerando que a área cartografada, como sugere o enunciado, fica na Antártida, região polar sul, o Brasil localiza-se mais a norte. As longitudes que aparecem no mapa, da direita para a esquerda, 54º, 56º, 58º, 60º e 62º indicam que o Brasil (Brasília, aproximadamente, 45ºW) está mais a leste da estação. EA BLOCO D Todos os 24 Fusos Horários do globo têm sua hora definida em relação ao horário do Meridiano de Greenwich ou GMT (do inglês Greenwich Mean Time, Hora Média de Greenwich). Como o movimento de rotação se faz de oeste para leste, as horas aumentam a leste, e diminuem a oeste. O Meridiano de Greenwich corta Londres, o ponto A está a leste de GMT, tem fuso horário adiantado e o ponto B está a oeste, tem horas atrasadas em relação a Londres. 02 A Embora a longitude exata do Rio de Janeiro seja 43º10 21 W, o fuso referente da cidade é a hora de Brasília (-3 h do que GMT ou 45ºW). Cidades no mesmo hemisfério, subtrai-se as longitudes e divide-se por 15: 120º - 45º= 75º/15º= 5 fusos ou 5 h. Como Pasadena está mais a oeste de GMT do que Rio de Janeiro, terá fuso horário mais atrasado. Sendo a diferença horária entre as duas cidades de 5 h, Pasadena terá 5 h a menos do que Rio. Assim, 7 h (horário oficial da Conferência no Brasil) menos 5 h (diferença horária entre Rio e Pasadena) é igual a 2 h (horário local em Pasadena para início da reunião. No caso de Tóquio (135ºE), encontra-se em hemisfério oposto ao Rio, cidade cuja hora foi informada na questão. Soma-se as longitudes e divide-se por 15: 45º + 135º = 180º/15 = 12º ou 12 fusos horários. Sabe-se então que a diferença horária entre Rio e Tóquio é de 12 horas, como Tóquio está a leste do Brasil, tem horas adiantadas em relação a ele. Assim, 7 h (horário oficial da Conferência no Brasil), mais 12 h (diferença horário entre Rio e Tóquio) é igual a 19 h. 66 CIÊNCIAS HUMANAS Volume 01 N 01 D De acordo com a figura, o número 1 corresponde à projeção azimutal, na qual qualquer região pode ser o centro da representação, quando representa os polos chama-se projeção azimutal polar. O número 2 é a projeção cilíndrica, nessa projeção o foco da representação é a linha do Equador, assim quanto mais próximo ao foco da projeção, menores serão as distorções. Nesse caso, as terras de baixa latitude aparecem melhor representadas. A figura de número 3 é uma projeção cônica, o foco da projeção é a região temperada, os meridianos juntam-se nos polos e os paralelos formam meio-círculos. 02 A No primeiro mapa representado na questão a escala é numérica 1: , na qual 1 cm gráfico representa 30 milhões de centímetros reais ou 300 Km, logo 3 cm no mapa equivalem a 900 Km da realidade. No segundo mapa temos uma escala gráfica, representada por um segmento de reta no qual 1 cm no mapa equivale a 100 Km no espaço real. Sendo a distância gráfica entre Natal e Fernando de Noronha 2,5 cm, logo a distância real será de 250 Km. 03 C Fusos horários são variações horárias resultantes do movimento de rotação da Terra, sendo contados ao longo das longitudes. Desta maneira, a Terra leva aproximadamente 24 h para dar uma volta completa em torno dela mesma, percorrendo 360º sexagesimais, o que acarreta um fuso horário a cada 15º de longitude. Deslocamentos para leste, no sentido da rotação, aumentam a hora. Para oeste, diminuem a hora. Se em Porto Alegre, 2º fuso brasileiro, são 9 h, em Pequim, onze fusos (horas) a leste = = 20, serão 20 h; em Londres, três fusos(horas) para leste / = 12, serão 12 h; em Nova York, dois fusos(horas) para oeste / 9 2 = 7, serão 7 h. EH BLOCO Resposta pessoal. 03 Resposta pessoal. 02 Resposta pessoal. EH BLOCO A) Economia de energia com base na maior duração do dia no verão do Centro-Sul do Brasil. B) Os estados próximos ao Equador não adotam, pois os dias tem a mesma duração praticamente o ano todo. 02 Os fusos horários foram estabelecidos através da divisão da circunferência da Terra (360 ) pelo tempo gasto durante o movimento de rotação, ou seja, que a Terra realiza um giro em torno do seu próprio eixo, sendo que são necessárias, aproximadamente, 24 horas (23 horas, 56 minutos e 4 segundos) para a realização desse movimento. Portanto, dividindo 360 por 24, temos o resultado 15. Nesse sentido, dividiu-se a superfície do planeta em 24 fusos horários, cada um equivalendo a 15 da circunferência terrestre e tendo sua hora definida em relação ao meridiano de Greenwich, também chamado marco inicial (0 ). 03 Resposta pessoal. CIÊNCIAS HUMANAS VI

2 EH BLOCO A) Figura 1 Carta Topográfica. Figura 2 Perfil Topográfico. B) A área propícia à realização da agricultura mecanizada é a área C, pois o relevo é mais plano que as demais. Este aspecto é observado mediante a maior distância entre as curvas de nível (carta topográfica) e a menor declividade (perfil topográfico) A menor declividade da área C facilita o deslocamento e o manejo das máquinas agrícolas. EH BLOCO A) Na projeção de Mercator, há alteração das áreas. No Equador há pequenas distorções; nas proximidades dos polos as distorções aumentam. Na projeção de Peters, as proporções das áreas continentais são mantidas em quaisquer latitudes. B) Na projeção de Mercator, as formas dos continentes são menos distorcidas nas baixas latitudes e as deformações aumentam nas médias e nas altas latitudes, com maior afastamento para o norte e para o sul, a partir do Equador. Na projeção de Peters, as formas são mais alteradas, pois há alongamentos norte-sul nos contornos dos continentes, nas baixas latitudes, enquanto nas médias e altas latitudes há um achatamento longitudinal desses contornos. TC BLOCO A Na questão o enunciado indica que são 18 h, sol poente, o lado oposto é o leste, no ponto A. Para localizar os pontos cardeais basta esticar o braço direito para o leste, nascente, à sua frente estará o norte, ponto B. Entre o norte (N) e o oeste (O), ou seja entre os pontos B e o sol, está o ponto C, noroeste (NO). 02 E Para o município B estar a Noroeste de A ele deve: estar mais ao norte de A, mais próximo da linha do Equador, tendo menor latitude. No caso da longitude, deve estar mais afastado de A ao ocidente, assim deve apresentar maior longitude. Para não ficar dúvida, a alternativa B que apresenta menor latitude e maior longitude é eliminada por apresentar um ponto muito próximo do município A, cuja diferença é de apenas 1. Determinando que a denominação das vias 1 perimetral (rodovia que circunda o centro urbano) 2 radial (uma rodovia que converge para o centro urbano) e baseando-se no esquema, na Rosa dos Ventos e nas alternativas, temos que: se colocarmos o sul para posição 1 temos por consequência a posição 2 no oeste. 04 E Pura aplicação da rosa dos ventos, e para descobrir a escala numérica do mapa, bastava fazermos o inverso de quando desejamos convertê-la, ou seja, acrescentar cinco zeros ao valor dado (o enunciado diz: cada 1 cm representa 65 km de terreno ). Dessa forma, a escala é de 1 : cm. 05 B A opção B é a correta, pois os meninos estão no leste. De acordo com a informação: o Sol nasce à direita (nascente = leste) dos meninos. O senhor seguiu o conselho dos meninos, assim ele foi para o oeste, tendo encontrado duas encruzilhadas até a casa, e de acordo com o texto a cada encruzilhada do caminho dobrar à esquerda. No primeiro cruzamento, o senhor foi para o sul e no segundo, foi para o leste. 06 C De acordo com a leitura e interpretação, por meio da análise cartográfica dos pontos cardeais, a cidade de Sabará está localizada a sudoeste de Belo Horizonte e a norte de Caeté. 07 A Levando em conta a localização das duas cidades, temos a seguinte explicação: tanto em Lisboa quanto em Curitiba, o ideal é que as janelas dos dormitórios se voltem para o plano dos trópicos opostos. Isso significa que em Lisboa, que está ao norte do Trópico de Câncer, as janelas dos dormitórios não devem ser voltadas para o norte. Da mesma forma, na cidade de Curitiba, que está ao sul do Trópico de Capricórnio, as janelas dos dormitórios não devem se voltar o sul. 08 C A distribuição de terra e água influencia nas diferenças climáticas por meio de fenômenos tais como: a continentalidade (instabilidade ambiental) e maretimidade (estabilidade ambiental). 09 C O Brasil é cortado pela linha do equador portanto, possui terras nos hemisférios norte ou setentrional e no sul ou meridional. O mesmo se encontra totalmente à esquerda do Meridiano de Greenwich portanto, à oeste ou à ocidente. 10 A A citação utilizada no enunciado descreve as coordenadas geográficas ao mencionar as medidas tomadas pela latitude e longitude, corretamente indicadas na alternativa [A]. Estão incorretas as alternativas: [B] e [C], porque citam, respectivamente, somente a longitude e a latitude como meios de localização exata, na alternativa [C] ocorre ainda o equívoco ao afirmar que os paralelos definem a latitude leste e oeste quando na realidade esses definem a latitude norte e sul; [D], porque o sistema de localização do GPS tem como base o sistema de coordenadas geográficas. 11 B Na representação do globo terrestre, o planeta é divido em paralelos e meridianos utilizados para encontrar as coordenadas geográficas de latitude e longitude. A latitude de 90 (hemisfério norte) corresponde ao polo norte geográfico da Terra. 12 C O Brasil não é cortado pelo Meridiano de Greenwich, portanto possui terras no Hemisfério Ocidental, ao norte é cortado pelo Equador apresentando território também nos hemisférios norte e sul. O ponto A corresponde a latitude de 10º a sul do Equador e 45º de longitude oeste. O território brasileiro é cortado pelo Equador ao norte, e pelo Trópico de Capricórnio, ao sul. 13 D Do ponto de vista do observador de Porto Alegre, o observador de Buenos Aires está entre o sul e o oeste de Porto Alegre. Em linha reta na direção sul, o observador de Porto Alegre teria visão para o oceano, para oeste, em linha reta, teria visão para interior da Argentina. Já o observador de Buenos Aires teria que direcionar seu olhar para o nordeste, caso olhasse em linha reta para norte, o interior do Brasil, é diretamente para leste, sua visão seria para o sul do Uruguai. 14 A O texto de Mark Monmonier constitui uma advertência às distorções da realidade que necessariamente ocorrem nas representações em mapas. Considerando essa informação e conhecimentos prévios de cartografia, é possível orientar-se corretamente entre os pontos assinalados no planisfério, deslocando-se pela menor distância possível da seguinte forma: do ponto A ao ponto B, deve-se seguir para o leste, uma vez que a Terra é uma esfera e atravessar o Oceano Pacífico é o menor caminho para ir do Japão à Costa Oeste norte-americana; do ponto B ao ponto C, no norte canadense, a direção correta é a norte, seguindo a linha do meridiano que passa entre os dois pontos e que converge para o Polo Norte; do ponto C ao ponto D, pela direção oeste, apenas o Estreito de Bering separa o continente americano do asiático. 15 C As coordenadas geográficas são linhas imaginárias que cortam o globo, paralelos horizontais determinam a latitude e meridianos verticais, a longitude, possibilitando a localização de um ponto qualquer na superfície terrestre. O conceito que aparece na alternativa A, refere-se à escala. 16 D A princípio é preciso fazer a leitura do símbolo para a capital do país convencionalmente utilizado. Bangui é a capital da República Centro- -Africana. A cidade mais setentrional, boreal ou mais ao norte representada é Birao. Meridional é sinônimo de austral ou sul, a cidade mais ao sul que aparece representada no cartograma é Salo. Aparecem no mapa os paralelos de 3º mais a sul e de 10º mais a norte, o que indica que a região encontra-se no hemisfério norte, em terras próximas ao equador (0º), de baixa latitude. CIÊNCIAS HUMANAS VI CIÊNCIAS HUMANAS Volume 01 67

3 TC BLOCO C As duas cidades, A e B, encontram-se no mesmo hemisfério. Subtrai-se então as longitudes e divide-se por 15. Assim: 90º - 45º = 45º/15 = 3 fusos horários ou 3 h é a diferença entre elas. O avião saiu da cidade A (90ºW ) às 14:30, como a cidade B (45ºW) fica a leste de A ou menos a oeste de Greenwich do que A, terá horas adiantadas em relação a A. Enquanto eram 14:30 em B, em A eram 17:30 (horário de decolagem do avião). Considerando que a viagem durou 5 h, deve-se somar 5 h ao horário de partida do avião da cidade B (17: = 22:30). 02 B No mapa que acompanha a questão, os meridianos traçados são aqueles que delimitam os fusos horários. Nesse caso é desnecessário identificar a longitude exata das localidades e fazer cálculos, basta observar que existem quatro fusos de Roma para São Paulo. A cidade brasileira fica a oeste de Roma, subtrai-se do horário oficial da videoconferência em Roma (14 h) a diferença horária ou em fusos entre as duas cidades (4 h), assim, em São Paulo o pesquisador deverá estar plugado às 10 h. No caso de Tóquio e Mumbai, que ficam a leste de Roma, conta-se o número de fusos de Roma a cada uma das cidades e soma-se a 14 h (horário da videoconferência em Roma). Em Tóquio (14 h em Roma + 8 fusos a leste = 22 h) será 22 h e em Mumbai (14 h em Roma + 4 fusos a leste = 18 h). De São Paulo para o Rio de Janeiro a direção da viagem será nordeste. O sol nasce a leste e durante a manhã estaria à direita da aeronave. Ao meio-dia a pino e a tarde, quando pelo Movimento Aparente do Sol, ruma em direção oeste, estaria à esquerda da aeronave. 04 B Considerando que cada fuso horário corresponde a 15 e que os fusos horários aumentam as horas no sentido oeste leste, temos: 30 O 15 O 0 O 15 L 30 L 45 L 14:00 15:00 16:00 17:00 18:00 19:00 Embarque: 14:00 horas do dia 03 de março. Diferença de fuso entre 30 O e 45 L: 5 horas. Tempo de viagem: 10 horas Resolução: 5 horas + 10 horas = 15 horas. 14:00 do dia 03 de março + 15 horas = 05:00 horas do dia 04 de março. Portanto, há a diferença de 5 horas a mais entre 30 O e 45 L, considerando que a família desembarcou às 14:00 horas do dia 03 de março e o tempo de viagem é de 10 horas, ela chegou ao ponto B às 05:00 horas do dia 4 de março. 05 D Sydney está localizada no fuso horário 150 L Nova York está localizada no fuso horário 75 O 75 O L h 2 h 3 h 4 h 5 h 6 h 7 h 8 h 9 h 10 h 11 h 12 h 13 h 14 h 15 h 16 h Considerando que as horas reduzem a cada 15 no sentido leste oeste, e que há uma diferença de 15 fusos horários entre Sydney e Nova York, temos: Sydney: 150 L / 15 = 10 horas a mais em relação ao meridiano de Greenwich. Nova York: 75 O / 15 = 5 horas a menos em relação ao meridiano de Greenwich. Pelo fato de as duas cidades estarem em hemisférios diferentes e as horas serem adiantadas no sentido oeste leste, as horas devem ser somadas: 10 horas + 5 horas = 15 horas e depois subtraídas pelo horário de Sydney, visto que essa cidade apresenta fuso adiantado em relação a Nova York. 16 horas (horário em Sydney) 15 horas (diferença de fuso entre as duas cidades) = 1 hora. Portanto, a alternativa correta é a letra D. 06 C A opção C é a correta. Como o horário da África do Sul (30º 2 fusos à leste do fuso zero) está 2 horas adiantadas em relação ao horário de Greenwich) horário brasileiro oficial (45º 3 fusos à oeste do fuso zero) está 3 horas atrasadas em relação ao GMT. Assim, os horários de transmissão dos jogos da seleção brasileira de futebol a partir de Joanesburgo, estarão 5 horas adiantados em relação ao horário do Ceará. Em suma, 68 CIÊNCIAS HUMANAS Volume 01 as partidas da seleção brasileira de futebol serão disputadas dia 15 de junho às 20 h 30 min (Brasil x Coreia do Norte), dia 20 de junho às 20 h 30 min (Brasil x Costa do Marfim) e no dia 25/06 às 16 h (Brasil x Portugal) horários locais da África do Sul, e serão transmitidos para o estado do Ceará, 15 h 30 min, 15 h 30 min e 11 h, respectivamente. 07 E Entre outubro e fevereiro, a cada ano, em alguns estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, os relógios permanecem adiantados em uma hora, passando a vigorar o chamado horário de verão. Essa medida, que se repete todos os anos, visa promover a economia de energia, permitindo um melhor aproveitamento do período de iluminação natural do dia, que é maior nessa época do ano, no caso no verão onde os dias são mais longos nas regiões brasileiras mais distantes da linha do equador. 08 A A Terra realiza seu movimento de rotação de oeste para leste; assim, os horários em direção ao leste estão adiantados. No mapa, cada fuso horário apresenta 15 e vale 1 hora. Portanto, Maria ligou para João às 21 horas do domingo em Manaus (Brasil), quando eram 9 h da manhã de segunda-feira em Pequim (China). 09 D Para cálculo de fuso horário, devemos levar em conta as longitudes de cada ponto e os hemisférios, para aplicação da fórmula. Como eles encontram-se em hemisférios diferentes, devemos SOMAR as longitudes (30º + 60º = 90º), o resultado deve ser DIVIDIDO por 15º para encontrarmos a DIFERENÇA DE HORÁRIO (já que a cada 15º temos 1 hora). Após esse procedimento, a parte final é SOMAR a DIFERENÇA DE HORÁRIO, se o sentido tomado for para o Leste, ou DIMINUIR a DIFERENÇA DE HORÁRIO, caso a direção seja para Oeste. Então temos, 90º / 15º = 6 h (a menos já que a cidade que buscamos encontra-se no Oeste). Resposta: 14:00 6:00 = 8:00 horas. 10 A A questão aborda o sistema de bolsas de valores que trabalha em sintonia com o sistema de Fusos Horários. Se levarmos em conta que durante o sono tranquilo de um brasileiro muitos asiáticos podem estar perdendo os cabelos com a variação das bolsas, podemos marcar tranquilamente a alternativa A. 11 B O objetivo do horário de verão é aproveitar os dias mais longos do verão, com mais tempo de luz solar, para economizar energia. Moradores das regiões que adotam esse horário terão que adiantar uma hora nos relógios. 12 C Nova York está localizada a dois fusos a oeste de Brasília, ou seja, duas horas atrasadas em relação ao horário oficial do Brasil. Quando em Nova York eram 8:48 e 9:03, no Brasil, horário de Brasília eram 10:48 e 11:03, ou seja, entre 10:00 e 12:00 horas. 13 D As informações dizem respeito ao sistema de localização baseado nas coordenadas geográficas, onde está clara a noção de paralelos (São linhas imaginárias traçadas paralelamente ao Equador) que determinam as latitudes (É a distância medida em graus de qualquer ponto da superfície terrestre ao Equador) e de meridianos (São linhas imaginárias que cortam perpendicularmente o globo e vão de um polo a outro) que determinam as longitudes (É a distância medida em graus de qualquer ponto da Terra ao meridiano de Greenwich). 14 B Não é necessário considerar as latitudes que aparecem na questão, uma vez que, a diferença horária é resultado do movimento de rotação da Terra, provocando diferenças na incidência solar sobre os meridianos. Em Porto Alegre (51ºW) são meio-dia, a cidade da qual devemos encontrar as coordenadas é meia-noite, ou seja, tem 12 horas a mais ou a menos do que Porto Alegre. Doze horas de diferença corresponde a doze fusos horários. Cada fuso corresponde a 15º, assim 12 horas x 15º = 180º. Vamos imaginar que a cidade na qual a hora local é meia-noite esteja 180º a leste de Porto Alegre. De Porto Alegre até Greenwich corresponde a 51º a leste, faltam então (180º - 51º) 129º a percorrer para leste até chegar à cidade cuja hora é meia-noite. A longitude desta cidade seria 129º L. Agora vamos supor que a cidade esteja 180º a oeste de Porto Alegre, nesse caso 180º a oeste de 51ºW encontraremos um ponto a 122º no hemisfério leste. CIÊNCIAS HUMANAS VI

4 15 B Deslocamentos para leste adiantam-se as horas e para oeste atrasam-se as horas. Do mapa podemos inferir que existem 13 fusos horários entre Brasília (Brasil) e Melbourne (Austrália). A rota sobre a África implica em deslocamento para leste a partir de Brasília. Reduzindo a hora ao ponto de chegada (Melbourne), temos: Em Melbourne (quando da saída de Brasília), serão: dia 18 às 22 h + 13(fusos) = 35 h, ou seja, passaram 11 h de 24 h, portanto já serão em Melbourne 11 h do dia 19, horário de decolagem do avião. A viagem durou 23 h. Assim, 11 h + 23 h = 34 h, passaram então 10 h de 24 (meia-noite, dia seguinte). Portanto, quando o avião pousar em Melbourne serão 10 h do dia B O Meridiano de Greenwich corta Londres, cidade A. Como a diferença horária entre as duas cidades é de apenas 1 h, a cidade B só poderia ser uma cidade localizada na Europa, bem próxima a Londres. Portanto Paris. 17 C Pelos registros de Pe. Caspar, o navio percorreu 180º para oeste, pois para leste não encontraria rota marítima. Entretanto, o Pe. Caspar não estava em 0, mas a 18 Oeste, portanto, a partir do Meridiano de Greenwich, como mencionado corretamente na alternativa C, o Padre se encontra a 162 Leste (18 Oeste Leste = 180 ). TC BLOCO D Projeções cartográficas são técnicas de representação da terra no mapa plano. São, por construção, sempre sujeitas a algum tipo de deformidade e utilizadas de inúmeras formas, desde base técnica para planejamento ou viagens, como para ações políticas geopolíticas. As alternativas A e B são falsas, pois as distorções estão presentes em qualquer planisfério, independente da tecnologia aplicada. A alternativa C é falsa pois qualquer estratégia de regionalização territorial depende da escala, os mapas apresentados na questão utilizaram uma mesma escala, apenas o centro da projeção foi alterado, mostrando interesses geopolíticos distintos. 02 A Considerando que escala cartográfica é a proporção entre o tamanho real do espaço e o desenho, para representar a extensão da Terra, o globo faz uma grande redução da área, diminuindo o número de detalhes apresentados, o que caracteriza então uma escala pequena e faz Haroldo enxergar uma pequena distância entre Yukon e os Estados Unidos. São incorretas as alternativas: B e D porque projeção azimutal e equidistante referem-se à forma como se transfere a esfericidade da Terra para um plano (mapa); porque anamorfose é a representação dos países ou regiões segundo a dimensão de um tema determinado ao invés de representá-los segundo sua área. d E = D Se 1 cm do mapa equivale a cm no real, podemos afirmar que 1 cm do mapa equivale a 30 m no real. Assim, 2,5 cm do mapa equivalem a 75 m no real. Aplicação da escala: A escala (E) de um mapa é a relação entre a distância no mapa (d) e a distância real (D). 03 C Aplicação da fórmula geral da escala: 1 d 1 2, 5cm = & = = D = E D D 75 m. 04 D Possuem escalas diferentes e, pelo representado na figura, as representações evoluem com relação ao grau de detalhamento, ou seja, de pequenas escalas para grandes escalas. 05 E A escala mostra a proporção que existe entre o mundo real e sua representação no papel. Um mapa pode ser milhares ou até milhões de vezes menor que o lugar representado. Com um simples olhar, não há como sabermos a proporção com que o mapa foi desenhado. Por isso usamos a escala. Quanto maior for o número da escala, maior será o número de vezes em que a área retratada foi reduzida e, consequentemente, menor riqueza de detalhes você terá da área representada. Na questão, como se trata de uma carta cartográfica que se refere a um projeto de arborização de uma área urbana, a melhor escala é a letra E, uma vez que propiciará menor redução da área representada e, consequentemente, maior riqueza de detalhes. 06 D Na projeção azimutal, qualquer país ou região pode ser o foco central da projeção, quanto mais distante do foco maiores serão as distorções. Azimutal vem da palavra azimute, que significa direção. Essa projeção é ideal para representar a direção do foco central para o resto do mundo. 07 B A opção B é a correta, pois o autor e a imagem questionam as visões eurocentristas contidas nos mapas, onde a posição cardial norte (N) sempre está situada numa posição acima do sul (S). No caso da imagem, notamos que a América do Sul está numa posição diferente da convencional, porém não está errada, observe que a linha do Equador e o Trópico de Capricórnio estão representados corretamente. 08 B A projeção polar é a mais adequada para as representações geoestratégicas e geopolíticas pelo fato de ser equidistante, e manter o que se pretende estudar de forma mais centralizada dando uma visão de um todo como mostra a figura. 09 E A opção correta é a alternativa E, pois as coordenadas geográficas, são distâncias em graus de qualquer ponto na superfície terrestre com relação ao Equador e ao Meridiano de Greenwich, as latitudes e as longitudes, respectivamente. São utilizadas para determinar pontos na superfície terrestre, com relação aos paralelos e aos meridianos respectivamente, além de determinar as zonas climáticas e os fusos horários. 10 E A resolução pode ser realizada por regra de três: 4 cm no mapa corresponde a cm (1.550 Km), logo 1 cm equivale a cm. A escala numérica é então 1: B O gráfico apresenta, a partir de uma carta topográfica, as curvas de nível (linhas que unem pontos de mesma altitude) que constituem o perfil altimétrico da região representada. Estão incorretas as alternativas: [A], porque isóbaras são linhas que unem pontos de mesma pressão atmosférica; [C], porque isohigras são linhas indicativas de umidade; [D] e [E], porque indicações de bacias sedimentares e sismos utilizam cartas geológicas cujos elementos são distintos da altimetria. 12 C As mais antigas áreas de expansão das abelhas (1957 e 1966) localizam-se no hemisfério sul, e a área livre das abelhas africanizadas localiza-se a leste do ponto de origem. Porém, se a distância entre o ponto de origem e Fortaleza é de 16 mm no mapa, que correspondem a metros ou km, é possível afirmar que a distância do ponto de origem para a área livre das abelhas é visivelmente maior que o proposto na alternativa B. Não se pode fazer inferência sobre o extremo norte do continente, pois a região não aparece no cartograma. As três áreas de expansão na década de 60 localizam-se no litoral leste. 13 A O mapa anamórfico apresenta áreas proporcionais conforme o tema representado, no caso, a biodiversidade dos países com destaque para nações como Brasil, Colômbia, Austrália, África do Sul, China, entre outros. 14 B A região marcada pela letra B apresenta curvas de nível mais próximas, o que indica maior declividade do relevo. Desconsiderando aspectos do solo, da vegetação ou da ocupação, pode-se afirmar que a maior declividade do relevo facilita o escoamento superficial. 15 E Na escala gráfica presente no mapa, cada centímetro percorrido equivale a 40 km na realidade. Logo como a distância no mapa entre as cidades é de 6,5 cm, basta multiplicar esse valor por 40 km, assim encontraremos um produto no valor de 260 km, que corresponderá a distância real entre Regência (Linhares) (1) e Marataízes (2). 16 B Todas as projeções apresentam distorção de algum nível. A projeção de Mercator é uma projeção cilíndrica, na qual as regiões de baixa latitude são apresentadas sem distorção, em detrimento das médias e altas latitudes. Nessa projeção paralelos e meridianos formam ângulos retos. CIÊNCIAS HUMANAS VI CIÊNCIAS HUMANAS Volume 01 69

5 Capítulo 02 REPRESENTAÇÃO ESPACIAL Tecnologias Modernas Aplicadas à Cartografia B) Eis as informações que podem ser obtidas: coordenadas geográficas de latitude e longitude; altitude da superfície; produção de mapas com maior precisão; melhores rotas para veículos no trânsito e em viagens, quando vinculado a mapas em sistemas de informações geográficas; rastreamento de veículos em sistemas de segurança. EA BLOCO E De acordo com a imagem e as informações, as técnicas da cartografia moderna que foram utilizadas pelo IBGE, para agilizar os trabalhos dos pesquisadores do censo 2010, foram Sensoriamento remoto com GPS (Sistema de Posicionamento Global) e SIG (Sistema de Informações Geográficas). 02 D A questão trata da evolução das informações cartográficas amparadas no desenvolvimento do sistema técnico-científico. Exige conhecimentos sobre a moderna tecnologia de mapeamentos do planeta. A alternativa D é correta porque o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) é responsável pela especificação, projeto, desenvolvimento, fabricação e operação dos satélites brasileiros, que são equipados para captar e transmitir dados meteorológicos e ambientais. A alternativa A é incorreta. O sistema de aerofotografias ocorre a partir do uso de máquinas fotográficas acopladas a aviões e permitiu, na década de 1950, grande revolução no sistema de mapeamento; porém, são os satélites que permitem observar a evolução de frentes frias e quentes, bem como a temperatura da Terra e a formação de tufões e furacões. A alternativa B é incorreta porque o sofisticado Sistema de Posicionamento Global (GPS) foi concebido pelo Departamento de Defesa dos EUA, na década de 1960, sendo declarado totalmente operacional na década de Os satélites que o integram emitem sinais que são captados pelo receptor GPS, indicando com precisão latitude, longitude e altitude do local onde se encontra esse aparelho. A alternativa C é incorreta porque a Cartografia automática, apesar de operar com instrumentos tecnológicos modernos para geração de dados e informações, utiliza-se de trabalhos já existentes, tais como os levantamentos de campo e os dados estatísticos, dentre outros. A alternativa E é incorreta porque o fundamento descrito é o das aerofotografias. A denominação Sistema de Informação Geográfica (SIG) é aplicada para sistemas que realizam tratamento computacional de dados geográficos com ampla gama de aplicações. As principais maneiras de utilizar um SIG são: produção de mapas; suporte para análise espacial de fenômenos e banco de dados geográficos, com funções de armazenamento e recuperação de informação espacial. CCV/UFC 2007 Os mapas atuais são confeccionados a partir do aparecimento dos computadores e dos satélites, e conheceram uma verdadeira revolução. Utilizando-se softwares próprios (Sistemas de Informação Geográfica) os dados assim obtidos ou processados são mantidos em base de dados. A tendência atual neste campo é um afastamento dos métodos analógicos de produção e um progressivo uso de mapas interativos de formato digital, a chamada Cartografia Digital. 04 B A cartografia moderna utiliza como base de dados informações de fotografias aéreas, imagens de satélites o sistema de posicionamento global (GPS), tanto para fenômenos humanos como naturais. EH BLOCO Resposta pessoal. 02 Resposta pessoal. 03 Resposta pessoal. TC BLOCO A) O Sistema de Posicionamento Global utiliza um conjunto de satélites artificiais em órbita da Terra que permitem a orientação e navegação em terra, água e ar. O usuário utiliza um aparelho receptor para ter acesso às informações. O sistema foi criado e está sob controle dos Estados Unidos. 70 CIÊNCIAS HUMANAS Volume B O GoogleEarth utiliza a tecnologia do sensoriamento remoto, como o próprio texto faz referência, popularizou as imagens de satélites. O GPS utiliza-se dos satélites para localizar pontos baseados nas coordenadas geográficas e o SIG é um sistema informatizado que armazena, recupera dados fornecidos por fontes diversas, inclusive pelo sensoriamento remoto e pelo GPS. 03 C O monitoramento por satélite (Sensoriamento Remoto) é um conjunto de técnicas que possibilita a obtenção de informação sobre alvos na superfície terrestre (objetos, áreas, fenômenos). Através do registro da interação da radiação eletromagnética com a superfície, realizadas por sensores distantes ou remotos. Geralmente esses sensores estão presentes em plataformas orbitais ou satélites. Atualmente, o monitoramento por satélite e o seu uso é uma importante ferramenta nas diversas formas de informações, para o melhor aproveitamento das áreas das lavouras modernas já que nos fornece uma maior visualização das áreas (espaços) cartografados. 04 E Quanto maior a escala, maior o grau de detalhamento das áreas, consequentemente, mais destaque a respeito da área cartografada para fins de estudo e planejamento. 05 C Comentário dos itens falso; I Pela diferença de tamanho na representação dos mapas, não foram Cartografados na mesma escala; II A distância é a mesma, uma vez que a diminuição dos espaços são feitas de acordo com a escala de cada mapa. 06 E Questão relativa aos acontecimentos das mudanças cartográficas ocorridas no início dos anos 90, no Leste Europeu, que levaram à desagregação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, Iugoslávia, Tchecoslováquia, gerando grandes alterações nas fronteiras políticas, modificando a regionalização mundial, com a ampliação no número de países. 07 C A questão trata de representações cartográficas de isolinhas, já definida no enunciado da questão. Assim sendo o mapa (I) representa as ISÓBARAS (linha de representação de mesma pressão), (II) representa as ISOÍPSAS ou CURVAS DE NÍVEL (linhas representativas de mesma altitude do relevo continental), (III) ISOIETAS ( representa linha de mesma pluviosidade) e (IV) representa as ISÓBATAS ( linha que indicam a mesma profundidade Oceânica). 08 D As ortofotocartas são fotografias aéreas do espaço terrestre. Constituem um importante avanço na geração de imagens do globo para estudos cartográficos de qualquer espaço a que se proponha estudar. 09 D O texto afirma que os mapas sempre estiveram presentes na relação do homem com o planejamento espacial. Afirma que um dia eles foram representações rústicas, mas que, com o advento da tecnologia, tornaram-se mais eficazes na arte de representar o espaço geográfico e os elementos bióticos e abióticos que os compõem. Sendo uma representação da realidade, o mapa pode retratar uma paisagem natural, assim como espaços antropizados, como as áreas urbanas etc. 10 C O material da cartografia moderna que de certa forma revolucionou a cartografia tradicional com a utilização de computadores é fotos aéreas, radares e satélites. Os demais equipamentos descritos são bem mais antigos. 11 C O texto busca descrever com uma visão poética a área cartografada, fato que nos remete ao uso dos cartogramas pelas diversas áreas de conhecimento. 12 C Os quadrinhos ilustram com humor as possibilidades de acesso a imagens da superfície terrestre produzidas por satélites artificiais e disponibilizadas ao público que tem acesso à rede internacional de computadores (internet). Tal fato não promoveu a democratização de recursos tecnológicos CIÊNCIAS HUMANAS VI

6 nem o controle territorial do nosso País. É incoerente também afirmar que a globalização, incrementada pelo advento da informática, gerou maior aproximação entre os povos pelo simples fato de favorecer a difusão de informações. 13 B Região I região tipicamente urbana, devido às formas geométricas regulares da disposição de ruas e edificações. Região II Paisagem natural em que se identifica o rio pela forma curvilínea, vegetação de mata ciliar identificável pela textura rugosa, em contraste com a textura lisa, sendo identificada como uma possível área de reflorestamento ou de área agropastoril. Não é possível afirmar pelas imagens a presença de cultivo de soja. O rio por sua vez, embora bastante meândrico, corta a paisagem no sentido norte-sul. A porção meridional é marcada pelo leste urbanizado e o oeste mais natural. 14 A A técnica utilizada na imagem é o sensoriamento remoto, obtida por sensores acoplados em satélites artificiais, e pode ser utilizada para fins não militares, como a meteorologia e monitoramento ambiental. O GPS não fornece imagens espaciais, apenas o posicionamento preciso. 15 C Qualquer atividade que necessite da localização mais precisa de algum ponto no espaço, requer o uso dos Sistemas de Informação Geográficas. Medição da fertilidade do solo e determinação do hipocentro do terremoto não necessitam. 16 B O uso da informática no processamento dos dados coletados é anterior a década de 80. Embora utilize fontes diversas, a cartografia automática ou digital conta com um conjunto de informações digitais armazenadas pelo SIG ( Sistema de Informação Geográfica). Capítulo 03 EA BLOCO 05 OS DOMÍNIOS NATURAIS E A RELAÇÃO DO SER HUMANO COM O AMBIENTE Estrutura Interna da Terra 01 E O aparecimento do homem na Terra está entre os eventos mais recentes da história geológica do planeta. Foram necessários bilhões de anos para que as condições do planeta fossem de boa qualidade para o surgimento e evolução da vida, até o estágio dos mamíferos superiores. 02 E Observando a última frase do texto, é possível identificar duas palavras- -chave para solucionar essa questão: máquinas e indústrias. Essas palavras expressam itens que caracterizam o avanço da atividade industrial no mundo e resultam na destruição acelerada da natureza, degradando elementos como o ar, a água, as florestas e o solo. O uso de máquinas e a indústria crescente a qual utiliza, indiscriminadamente, recursos naturais para a produção de bens de consumo que se tornam lixo são os principais responsáveis pelos danos ambientais. Então, a comparação entre a idade da Terra e a de uma pessoa, nessa questão, demonstra claramente que o processo de industrialização é recente e dilapida os recursos naturais, comprometendo os ambientes. EA BLOCO C A figura retrata uma orogênese convergente com uma subducção. A placa 1 é oceânica, ao mergulhar no magma forma as áreas mais profundas do assoalho marítimo, chamadas de fossas abissais. No continente, o choque resultou na formação de um dobramento. 02 D Embora não esteja localizado na região limítrofe de placas, sujeitas a intenso tectonismo, o Brasil não está livre de sismicidade, uma vez que os terremotos podem ser causados por acomodação das camadas rochosas e tensão intraplacas. 03 D I. A borda das placas citadas é divergente formando a dorsal mesoatlântica, alargando o Oceano Atlântico e afastando os continentes de 1 a 3 centímetros por ano. II. Nas placas tectônicas, cujas bordas são convergentes, ao se deslocarem uma contra a outra, ocorre a subducção de uma delas, ou seja, a placa mergulha no manto soerguendo a placa paralela, formando as grandes cordilheiras. III. Tsunamis são ondas gigantescas criadas por maremotos propagação de ondas sísmicas no assoalho oceânico e, portanto, as áreas mais sujeitas a tais fenômenos são as localizadas nas proximidades das bordas das placas tectônicas, como é o caso dos países citados na afirmativa. IV. O Brasil está situado no meio da placa sul-americana, menos sujeito à tremores de grande magnitude e, portanto, considerado estável. EA BLOCO B A imagem retrata uma bacia sedimentar onde ocorreu uma fossilização de elementos orgânicos ao longo do tempo geológico. Esse processo de soterramento é consequência da ação dos agentes externos do relevo. A petrificação de sedimentos com matéria orgânica é entendido como litificação. 02 E As bacias sedimentares são terrenos formados pelo desgaste de estruturas e acúmulos dos detritos resultantes desse desgaste, portanto forte ação dos agentes externos do relevo. Assim como os detritos, a matéria orgânica também é mais facilmente transportada e encontrada nesses terrenos que, por sua vez, favorecem a formação de recursos minerais como o petróleo e o carvão. São terrenos formados a partir da era paleozoica. Os escudos cristalinos são os terrenos mais antigos do globo, formados no pré-cambriano, nos períodos arqueozoico e proterozoico. Os terrenos do proterozoico são ricos em recursos minerais metálicos como o ouro e a prata. Os escudos são dobramentos resultantes do tectonismo em eras remotas e os dobramentos modernos são resultado de orogenia recente, ou seja, agentes internos. O formato do Pão de Açúcar, estrutura erguida em eras remotas, já que o Brasil não está hoje no limite de placas, demonstra desgaste, arredondamento causado por agentes externos do relevo. Embora antigo e desgastado, a elevação indica uma formação rochosa rígida, na qual o processo de desgaste é lento, uma estrutura cristalina. É bom lembrar que no Brasil não existem dobramentos recentes, uma vez que o território nacional não se encontra em área de orogenia atual. EH BLOCO Resposta pessoal. 02 Resposta pessoal. 03 Resposta pessoal. EH BLOCO A O fenômeno descrito no texto é denominado de abalo sísmico ou terremoto, sendo formado a partir de um tremor da superfície terrestre, produzido por forças naturais situadas no interior da crosta terrestre em profundidades variáveis. Os abalos são causados pelo choque de placas rochosas situadas em profundidades que vão desde 50 até 900 km abaixo do solo. A maioria dos abalos sísmicos é de origem natural da Terra, sào chamados de sismos tectônicos, onde a força das placas tectônicas desliza sobre a astenosfera podendo colidir, afastar-se ou deslizar-se uma pela outra. Através dessas forças, as rochas vão se alterando até seu ponto de tensão; posteriormente as rochas começam a se romper e liberam uma energia acumulada durante o processo de deslocamento, daí a energia é liberada através de ondas sísmicas pela superfície e interior da Terra, ocasionando as vibrações. EH BLOCO Resposta pessoal. 02 Resposta pessoal. 03 Resposta pessoal. CIÊNCIAS HUMANAS VI CIÊNCIAS HUMANAS Volume 01 71

7 TC BLOCO E A área em destaque representa a intersecção entre hidrosfera, atmosfera e litosfera que interagem possibilitando a existência da biosfera ou antroposfera. 02 D Idade das rochas, estudo dos fósseis, reservas de carvão na Groenlândia, foram evidências analisadas por Wegener para publicar a sua teoria, chamada Teoria da Deriva Continental ou Teoria de Wegener. Porém, tais evidências não provaram a migração dos continentes, pois não explicavam a sua causa. Apenas nos anos 60, com o uso do sonar, foi possível estudar o assoalho oceânico e descobrir a existência das placas e a dinâmica interna do Planeta. 14 D Na figura que retrata a escala do tempo geológico, pode-se perceber que a Era com menor duração, até hoje, é a cenozoica. O homem surgiu no período quaternário dessa Era, é um elemento recente na história do Planeta. A figura não permite inferir sobre as ações climáticas da Terra. A Era Paleozoica está compreendida entre 540 milhões e 245 milhões de anos atrás, a Pangeia existiu há 200 milhões de anos. Portanto a configuração atual dos continentes é mais recente. 15 E A semelhança no contorno dos continentes, como mostra a figura, forma um encaixe perfeito dos litorais da América do Sul e da África. 03 C O número 1 da figura corresponde ao núcleo, o número 2 é a crosta, na qual interage a biosfera. O número 3 é o manto interno e o número 4, o manto externo. A vida encontra-se na crosta, número E No início do século XX, o meteorologista alemão Alfred Wegener levantou uma hipótese que criou uma grande polêmica entre a classe científica da época. Segundo ele, há aproximadamente 200 milhões de anos, os continentes não tinham a configuração atual, pois existia somente uma massa continental, ou seja, não estavam separadas as Américas da África e da Oceania. Essa massa continental contínua foi denominada de Pangeia, do grego toda a Terra, e era envolvida por um único Oceano, chamado de Pantalassa. 05 A Ao chegar à superfície terrestre, a luz solar encontra diversos receptores e dispersores de luz e calor que reagem de forma diferentes, sendo que os subsistemas a que primeiramente absorvem, proveniente da luz solar, são: atmosfera, litosfera, hidrofera e biosfera. 06 B A figura demonstra a estrutura interna da terra, formada pela crosta terrestre ou litosfera, por sial e sima, camada mais externa, e o magma pastoso formado de manto, camada intermediária e nife ou núcleo interno. 07 A A formação da serra do Mar é um maciço antigo, portanto, data do pré-cambriano. Já as formações sedimentares datam do paleo-mesozoico, Cenozoico. A presença dos combustíveis fósseis são tipicamente sedimentares, ao passo que os minerais metálicos são cristalinos. 08 A Os combustíveis fósseis têm sua gênese em rochas sedimentares associados a presença de matéria orgânica e datam da era paleo-mesozoica sendo de formação lenta ao longo dos anos geológicos. 09 C A primeira informação retratada no papiro tem uma visão mais ligada às tradições religiosas ao passo que a segunda informação aborda um caráter mais científico e recorre para isso a aspectos ligados à geologia física e à estratigrafia. 10 D Acredita-se que, numa determinada época geológica, tenha ocorrido a separação dos continentes atuais, a deriva continental, que teria favorecido a formação de espécies diferentes a partir de ancestrais comuns. 11 C Dentro de um aspecto da geológica, os primeiros seres vivos do planeta surgiram no meio líquido. 12 E Com as alterações que ocorreram entre a distribuição de terra e de água pelo planeta tivemos uma alteração significativa nas condições climáticas principalmente nas questões ligadas às instabilidades e estabilidades térmicas e consequentemente numa reorganização de vida pela Terra. 13 A As elevadas montanhas do globo, também denominadas de Dobramentos Modernos formaram-se pelo choque das placas tectônicas na nossa Era. 72 CIÊNCIAS HUMANAS Volume C Da crosta ao núcleo ocorre um aumento de temperatura, fato que explica as estrutura plásticas do manto. O calor do interior da Terra é chamado de grau geotérmico. TC BLOCO C O tectonismo é agente interno do relevo, responsável pela construção de estruturas. Os agentes esculturais ou modeladores das formas de relevo são os agentes externos, responsáveis por paisagens como: dunas de areias, falésias. A epirogênese, diferente da orogênese é um processo lento, não causa tsunamis ou terremotos, mas soerguimento ou rebaixamento da superfície em um processo de longo período geológico. As tsunamis, por sua vez, resultam de fenômenos bruscos, orogênese, principalmente convergente com subducção de placas oceânicas = O mapa demonstra intensa sismicidade na costa oeste da América, região de limite de placas litosféricas. 02. O Escudo Brasileiro, embora formado por tectonismo, é resultante de um processo antigo, uma vez que, na nossa era, a Cenozoica, o Brasil não está no limite de placas. A Cordilheira dos Andes, por sua vez, é dobramento resultante de orogênese convergente no período terciário da era cenozoica. 04. A área de maior sismicidade do globo é o Anel de Fogo do Pacífico, um círculo que atinge a costa oeste da América e o leste da Ásia, e não Europa e África. 08. Tanto forças endógenas (terremotos, vulcões) quanto exógenas (chuva, vento, rios, mar), podem provocar fenômenos intensos e com variado custo social. 16. As cinzas não são a lava vulcânica, mas a poluição resultante da erupção. 32. Grande parte dos terremotos e vulcões ativos do globo ocorrem no Círculo de Fogo do Pacífico. 03 E A figura ilustra uma orogênese divergente, as setas indicam a direção do movimento tectônico. No limite divergente, em geral nos oceanos, o magma é expelido, originando as dorsais e alargando o assoalho oceânico. 04 A Todas as elevadas montanhas do globo, Alpes, Andes, Himalaia, Rochosas, são resultado de dobramentos da superfície, causados por movimentos tectônicos orogenéticos convergentes. 05 D A questão aborda as diferentes formas de alteração do meio físico, provocadas pela ação humana e pelas catástrofes naturais. A opção D é a correta, apesar das interações da sociedade com o meio físico provocarem mudanças mais drásticas na paisagem. As ocorrências sísmicas podem modificar o espaço geográfico. 06 E As causas do terremoto que atingiu o Chile ocorreu devido à interação entre as placas tectônicas de Nazca e Sul-Americana. Já a erupção do vulcão na Islândia se deve a um afastamento de placas, ocasionando a expansão do fundo do mar, originando um novo assoalho nas áreas das dorsais. CIÊNCIAS HUMANAS VI

8 07 B O caos aéreo provocado pela erupção de um vulcão na Islândia piorou neste sábado (17/04/2010) e praticamente não há voos partindo ou chegando a aeroportos do norte e centro da Europa, está relacionada com as cinzas expelidas pelo vulcão uma mistura de partículas de vidro, areia e rocha que podem danificar seriamente os aviões, entupindo as turbinas e fazendo com que os motores parem de funcionar em pleno ar. 08 B Os países mencionados encontram-se numa zona de contato de placas, ou seja, numa zona de convergência, e portanto, conhecida por sua instabilidade geofísica. Como as placas nessas porções, sempre estarão se arranhando, esses países sentirão vez e outra os efeitos de tais manifestações. 09 A Na fig. 01 encontramos dobramentos recentes, datados do Terciário, zonas de instabilidades tectônicas. Já na fig. II encontramos uma formação de planície fluvial típica de rio. 10 A As zonas de instabilidades tectônicas são formações associadas ao ciclo do fogo datadas do cenozoico terciário. 11 C As falésias são formas de relevo desgastadas pelo mar, são resultado da atuação de agente externo do relevo. 12 D As dorsais são cadeias submersas formadas nas zonas de afastamento (divergência) das placas, regiões que propiciam a erupção do magma. 13 B O processo relatado por James Hutton, que destaca a ação do tempo, do rio e da sedimentação remete a atuação dos agentes externos, que desgastam as estruturas construídas pelos agentes internos. O processo foi consequência da erosão. O tectonismo é agente interno do relevo. 14 B Maior velocidade do escoamento implica em carregamento e não acúmulo dos sedimentos no leito, tornando o vale mais profundo. 15 A A figura 1 representa a margem do Atlântico (plataforma continental sedimentar bem desenvolvida, talude e planície abissal ou assoalho oceânico, sendo semelhante à margem continental brasileira). A figura 2 é a margem do Pacífico cordilheriano (convergência entre as placas tectônicas causa a formação de uma fossa submarina e de uma cordilheira montanhosa no continente, a exemplo dos Andes). A figura 3 corresponde à margem do Pacífico insular (convergência entre placas tectônicas com formação de fossa submarina e arquipélago, a exemplo do Japão). 16 E I. As erupções vulcânicas são oriundas do movimento do magma no manto e consequente ascensão na superfície da Terra e, portanto, não são consequências do aquecimento global. Contudo, existe relação entre os dois fenômenos, haja vista que as erupções lançam grande quantidade de gases estufa na atmosfera, agravando o aquecimento global. II. A deposição de lavas basálticas ao solidificar-se, forma rochas basálticas que submetidas a determinados tipos de clima, podem originar solos de alta fertilidade, como o caso do tchernozion na Ucrânia, ou a terra roxa no Planalto Meridional. III. A área de maior incidência dos processos denominados agentes internos do relevo vulcanismo, tectonismo, abalos sísmicos localiza-se na borda da placa do pacífico, área denominada Círculo de Fogo. IV. A erupção vulcânica libera grande quantidade de material rochoso e gasoso além do magma, resultando, por exemplo, em aumento dos gases estufa, além do deslocamento de populações de áreas de risco, ou mesmo, de alteração do ritmo produtivo da área. 17 A A reconstrução do Japão após o terremoto se deve ao elevado nível tecnológico do país que responde de forma imediata ao repor a infraestrutura destruída, ao contrário do Haiti cujo subdesenvolvimento crônico amplia os efeitos do desastre em nível humano eclipsando suas consequências sobre a estrutura física do país. As alternativas B e D fazem referências genéricas a características que levam à classificação do Japão e do Haiti, respectivamente, como países desenvolvido e subdesenvolvido. O centralismo estatal não é característica do Japão, mas de países socialistas. 18 B O terremoto ocorrido no Chile em 2011 foi de alta intensidade na escala Richter. O fenômeno ocorreu devido à convergência (colisão) entre as placas tectônicas da América do Sul (borda ocidental ou oeste) e de Nazca (borda oriental ou leste). No continente, as placas convergentes levam a formação de um dobramento moderno (orogênese), a Cordilheira dos Andes. TC BLOCO B Rochas acumuladas em porções marinhas foram formadas pelos detritos resultantes do desgaste de outras rochas, levadas às plataformas pelos rios, chuva, etc. Depositadas ao longo de camadas juntamente com matéria orgânica, são denominadas rochas sedimentares, que formam as bacias sedimentares, terrenos favoráveis à formação do petróleo. 02 B Na figura afloram à superfície representada o número 1, sedimentos, e o número 2, arenito, uma rocha do tipo sedimentar. Portanto, o tipo de estrutura representada é uma bacia sedimentar. O número 3 é uma camada de basalto, uma rocha de origem vulcânica. O basalto funciona, na região, com o tampão conforme descrito no enunciado que, embora contribua para a qualidade da água, não impede a sua exploração. A estrutura geológica do Brasil é composta por 64% de bacias sedimentares, que geralmente originam relevos planos ou aplainados e 36% por escudos cristalinos, que geralmente originam planaltos. O Brasil não tem os dobramentos modernos e, portanto, também não possui elevadas montanhas, formadas pelo choque das placas tectônicas. 04 D As rochas podem ser classificadas, segundo sua origem, em magmáticas ou ígneas (resultantes da consolidação do magma em superfície extrusivas ou em profundidade intrusiva), sedimentares (formadas a partir da deposição de sedimentos) e metamórficas (rochas preexistentes que sofrem alteração de sua estrutura em razão da alta pressão e temperatura, transformando-se em um segundo tipo de rocha). Calcário e granito são, respectivamente, exemplos de rochas sedimentares e intrusivas. Mármore é um exemplo de rocha metamórfica e o granito é um exemplo de rocha ígnea intrusiva. 05 E A rota planejada era de Boston a Los Angeles, a aeronave seguiria para OSO. Nesse caso, os passageiros deveriam atrasar os relógios. Tanto a rota planejada como a rota de ataque correspondem ao território dos EUA, localizado nos hemisfério sul e ocidental do globo. De Boston para Nova York, rota de ataque a direção é Sudoeste. 06 E O cartograma foi retratado de maneira bastante simplificada, não aparecem meios de orientação, escala ou título. O alcance dos mísseis paquistaneses poderá atingir grande parte do território indiano, exceto o extremo sul e o extremo leste, fora a linha que marca o alcance dos mísseis. 07 B O mapa apresenta as curvas de nível, isorritmas, linhas que unem, em uma representação, pontos de igual altitude. As altitudes estão numericamente descritas, a maior altitude representada (350 m) é no Pão de Açúcar, onde ocorre também a maior declividade. Quanto mais próximas as curvas de nível, mais íngreme é o relevo e maiores serão as dificuldades de ocupação. 08 C Podemos identificar o tipo de projeção utilizada pelo traçado dos paralelos e meridianos e pela área representada. A projeção azimutal é o único tipo de projeção que permite a representação dos polos, na qual paralelos formam círculos e meridianos são concêntricos. 09 A A estrutura geológica brasileira é constituída basicamente por: 36% de Escudos Cristalinos, 64% de bacias sedimentares e não há existência de dobramentos modernos. A formação cristalina, ou crátons, é a área cuja superfície se constituiu no Pré-Cambriano (arqueozoica e proterozoica). Nesta estrutura geológica encontramos diversos tipos de rochas, merecendo destaque as magmáticas e metamórficas na qual é comum a ocorrência de minerais metálicos. As rochas magmáticas são subdivididas em intrusivas ou plutônicas e extrusivas ou vulcânicas. Nas rochas magmáticas intrusivas o CIÊNCIAS HUMANAS VI CIÊNCIAS HUMANAS Volume 01 73

9 material sofre um resfriamento no interior da terra. Podemos citar, como exemplo, o granito, diorito, sienito e gabro. Já nas magmáticas extrusivas ou vulcânicas o material é consolidado na porção externa da terra, onde merece destaque o basalto. 10 D A opção D é a correta, pois baseados nesses elementos, rochas e fósseis, os geólogos admitem que a Terra se formou há cerca de 5 bilhões de anos. Da mesma maneira que podemos dividir a nossa vida em etapas (infância, juventude, maturidade e velhice), a existência da Terra também pode ser dividida em vários momentos. A cada um dos momentos ou divisões da história da Terra os estudiosos deram o nome de era geológica. 11 C A crise do petróleo de 1973 levou a Petrobras a buscar novas áreas potenciais de exploração que acabaram resultando na descoberta da Bacia de Campos no litoral do Rio de Janeiro. Trata-se de uma área de deposição sedimentar mesozoico-cenozoica com várias jazidas distribuídas em diferentes níveis de profundidade a partir da plataforma continental, até 200 m, estendendo-se ao longo do talude continental, até m, constituindo-se na principal área de produção de petróleo no Brasil, com 82% da produção nacional. A Petrobras é recordista mundial de exploração de petróleo em águas profundas, com tecnologia própria, sendo inclusive exportada. 12 E A opção E é a correta, pois a Petrobras foi uma das primeiras empresas a explorar com sucesso o petróleo da camada do pré-sal, de fato é fruto das pesquisas e avanços da estatal brasileira ao longo de sua existência. Porém, a Petrobras não possui mais o monopólio do petróleo brasileiro, quebrado em 1995, no governo FHC. Ao descobrir essa imensa reserva de petróleo, o Brasil não será obrigado a pertencer ao cartel da OPEP, essa decisão tem de partir do governo, trata-se de uma decisão político- -econômica, não existindo uma regra preestabelecida para a entrada nesta organização internacional. Não existe um acordo na distribuição dos royalties que por ventura sejam obtido com a exploração do petróleo do pré-sal, pois os governadores de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo, pressionam o governo federal, para que os royalties fiquem para os estados onde o petróleo é explorado. 13 A A opção A é a correta, pois a região do pré-sal brasileiro, que prenuncia gigantescas reservas de petróleo e gás, é uma sequência de rochas sedimentares depositadas há mais de 100 milhões de anos no espaço geográfico formado pela separação dos continentes Americano e Africano. 14 D De acordo com a formação geológica da Terra, encontramos 3 grupos de rochas principais: magmáticas, formada pelo resfriamento da Terra; sedimentar, que sofre diferentes processos erosivos e as metamórficas, que passam por um longo processo de temperatura e pressão. 15 A Rocha metamórfica é um tipo de rocha derivada da metamorfose (transformação) de rochas magmáticas ou sedimentares que sofrem modificação em sua composição atômica, devido à influência das diferentes condições do ambiente em que estão inseridas em comparação aos locais onde foram originalmente formadas. Dessa maneira, origina-se uma nova rocha, com novas propriedades e outra composição mineral. 16 C Os depósitos de xisto betuminoso são explorados como recurso mineral em várias partes do mundo, sendo o maior produtor os EUA, seguido pelo Brasil. São depósitos ricos em matéria orgânica, sendo aproveitados na produção de óleo combustível. 17 A A rochas magmáticas foram as primeiras a se formarem no planeta em decorrência do resfriamento do magma vulcânico. As demais rochas resultaram dela, até que se estabeleceu o ciclo. As metamórficas resultaram de outras rochas quando estas sofreram altas temperaturas e pressões crustais. As sedimentares têm sua origem associada aos fragmentos produzidos pelo intemperismo ao desgastar outras rochas. UFV B A camada pré-sal é um gigantesco reservatório de petróleo e gás natural, localizado nas Bacias de Santos, Campos e Espírito Santo (região litorânea entre os estados de Santa Catarina e o Espírito Santo), ou seja, não está presente em toda costa brasileira. Sua prospecção é realizada na plataforma continental sedimentar e não cristalina. O termo pré-sal é uma 74 CIÊNCIAS HUMANAS Volume 01 definição geológica que delimita um perfil geológico anterior a deposição de sal mais recente no fundo marinho. A produção na camada pré-sal se justifica por investimentos de altos custos tecnológicos necessários para a exploração do petróleo, em função da grande profundidade das reservas. UEL E A natureza mecânica dos fenômenos associados a deslizamentos de encostas resulta de variados fatores que atuam em conjunto. Em áreas de encostas acentuadas o terreno é naturalmente mais frágil e suscetível aos deslizamentos. A ação humana, no caso, serve de aceleradora do processo, principalmente quando se destaca o desmatamento de áreas de encosta. O terraceamento, o pousio, a aração em curvas de nível e projetos de drenagem contribuem para a retenção ou retardo dos deslizamentos de encostas. 20 A As áreas de baixadas ou planícies sejam elas fluviais, lacustres ou litorâneas, fazem parte dos territórios ecúmenos, ou seja, os mais favoráveis à ocupação. São, portanto áreas de grande concentração populacional. As enchentes resultam de uma soma de fatores como excesso populacional em áreas ocupadas de modo desordenado, desmatamento resultando em baixa retenção de água com maior turbidez ou aumento do escoamento superficial e depósito de sedimentos nos leitos (fluviais, lacustres ou marinhos). 21 C A crosta terrestre possui dinâmica própria com ações de modelagem do relevo, que atuam de modo concomitante. Os agentes endógenos (internos) atuam na construção do relevo através de movimentos de grande magnitude expressos em ações tectônicas. Simultaneamente, os agentes exógenos (externos) destroem o relevo através de processos erosivos, principalmente pela ação das águas, do vento, da insolação e de ações humanas. 22 C As projeções de Mercator e Peters utilizam como base o modelo cilíndrico. Estrutura-se a partir de um cilindro imaginário envolvendo a Terra tangente à linha do equador. Nessa projeção, as áreas próximas ao equador têm pouca distorção e, à medida que nos afastamos em direção aos polos, aumentam as distorções (processo de latitudes crescidas). 23 C Os parques industriais devem guardar certa distância em relação à área urbana e sua localização será mais eficiente em terrenos mais aplainados (I: terreno mais baixo e, originalmente, sem cobertura vegetal, próximo à rodovia e, relativamente, distante da cidade). Torres de transmissão de recepção, pela característica de suas funções, devem ficar nas localidades de maior altitude em relação à região em que prestará o serviço (E: ponto culminante do território apontado, com mais de 40 metros de altitude). 24 E Os planisférios com o próprio nome já diz, são representações planas de uma realidade esférica O Planeta. Matematicamente é impossível representar, sem distorções, a esfera no plano. Por isso, para representar o globo em um mapa utilizamos as projeções, que, embora não eliminem as distorções, nos permite identificar qual será o defeito do mapa. 25 B As placas estão em constante transformação no tempo geológico. A pressão exercida pelo magma pode causar fissuras e criar novas placas. 26 A 1. Rochas ígneas intrusivas ou plutônicas formam-se a partir da solidificação do magma em subsuperfície. II. A crosta terrestre ou litosfera é formada por duas camadas denominadas SIAL e SIMA, compostas, respectivamente, por silício e alumínio, e silício e magnésio. III. Sal gema e gipsita são exemplos de rochas sedimentares cujo acúmulo de sedimento se dá em meio aquático. IV. Rochas metamórficas são rochas preexistentes de origem magmática ou sedimentar que, quando submetidas à elevada pressão e temperatura, alteram sua estrutura interna, transformando-se em um segundo tipo de rocha. V. Rochas ígneas e sedimentares apresentam estruturas diferentes e, portanto, diferentes graus de susceptibilidade ao processo erosivo. 27 A Os crátons que abrigam escudos cristalinos são tectonicamente estáveis e, aos poucos, são aplainados pela ação do intemperismo e da erosão. CIÊNCIAS HUMANAS VI

10 28 B Os escorregamentos na região da serra do Rio de Janeiro foram causados por fenômenos naturais como chuvas, fratura das rochas e por ação humana, desmatamento, ocupação irregular. A região não sofreu erosão marinha. 29 A Os movimentos orogênicos ocorreram principalmente na era Pré-Cambriana. Esses movimentos, conhecidos como ciclo brasiliano, deram origem às serras do Mar, da Mantiqueira e do Espinhaço; todas localizadas na região Sudeste. O Brasil não sofre dobramento atual, pois não está no limite de placas. 30 D Na anamorfose de um mapa-múndi os países são representados não de acordo com o seu tamanho real, mas considerando alguma outra característica. Nesse caso, é possível perceber em destaque países como China, Índia e Indonésia, o que permite concluir que a característica considerada para determinar a área gráfica desses países foi a população absoluta. 38 A As mais elevadas montanhas do globo tem sua localização coincidente com o limite orogenético convergente de placas. Os choques que resultaram em dobramentos antigos, ocorridos em eras remotas, deram origem aos escudos cristalinos, que, pela própria idade geológica, sofreram intenso desgaste e resultaram em planaltos. Para formar montanhas, os dobramentos ocorreram na era mais recente cenozoica. 39 D Bacias Sedimentares são, por sua própria natureza de formação, terrenos favoráveis à exploração de recursos minerais orgânicos, como o petróleo e o carvão. Porém, é importante lembrar que as bacias sedimentares são terrenos de idade geológica variável. A formação do petróleo e do carvão ocorre em um processo de aproximadamente 300 milhões de anos. O enunciado relata que o Brasil é rico em petróleo (mineral de origem orgânica), embora pobre em carvão. 64% do território brasileiro é constituído por bacias sedimentares. Já os escudos cristalinos são favoráveis à formação de minerais como ferro, ouro, prata e manganês. 31 C No primeiro mapa, são considerados quatro grupos de traficantes do Rio de Janeiro e seus respectivos destinos em Niterói. Da Rocinha para Mickey a noroeste do centro de Niterói. Todos os demais grupos migraram para o sul do centro de Niterói. O grupo de Jacarezinho ocupou a porção mais meridional de Niterói representada no mapa. Na observação do segundo mapa pode-se identificar os meridianos de 41, 43 e 45 graus a oeste de Greenwich e os paralelos de 23 e 21 graus a norte do Equador. 32 A O fuso horário de Brasília (45ºW) é três horas atrasadas em relação ao fuso horário inicial (GMT 0º) em Londres, quando em Brasília for 20 h 30 em Londres serão 23 h 30. O Brasil tem hoje 3 fusos horários, -2 h. -3 h e -4 h que GMT. A cidade de Cuiabá fica no terceiro fuso horário brasileiro e tem 1 h atrasada em relação a Brasília. 33 C Já é sabido que toda e qualquer representação do Planeta na superfície plana resultará em deformações. Escolher por uma projeção é transmitir uma ideia. Nesse caso o foco da projeção foi o Polo Norte, assim, quanto mais distante do foco mais distorcido é o país representado. Com a centralização no Polo Norte, as terras do hemisfério Sul ficaram ao longe, com maiores distorções. Pretenciosamente ou não, o organismo internacional, destaca mais, no seu emblema, os países do norte rico. 34 E O mapa de Peters utiliza uma projeção cilíndrica equivalente, cujo objetivo é manter a proporção das áreas em detrimento às formas, evidenciando, assim, a maior proporção territorial dos países subdesenvolvidos perante os desenvolvidos. O mapa de Peters preserva as áreas dos continentes, inclusive em baixas latitudes; é um mapa político e não físico. O mapa de Peters foi desenvolvido na década de 1970, a visão eurocêntrica foi representada por Mercator. 35 D Os fenômenos sísmicos são mais comuns e violentos nas bordas, nos limites de placas tectônicas. O Brasil é um país estável geologicamente, pois está localizado no interior da placa Sul-americana. No entanto, os terremotos podem atingir o território nacional, especialmente ao longo de pequenas fraturas em função da tensão intraplaca. A placa Sul-americana sofre pressão para oeste pela divergência com a placa Africana e sofre pressão para leste pela convergência com a placa de Nazca. Essa tensão pode provocar terremotos de intensidade pequena à média ao longo das fraturas, em território nacional. 36 C As setas representadas no mapa indicam a direção de movimento das placas, pela localização do Chile (costa oeste da América do Sul), verifica- -se orogênese convergente entre as placas de Nazca e Sul-americana. O Haiti, por sua vez, está localizado no Mar do Caribe, região de orogenia, na qual as placas também convergem. Tais fenômenos, com tamanha intensidade, ocorrem e são comuns no limite de placas. 37 D As dobras são decorrentes de orogênese convergente. A pressão exercida pelo choque das placas tectônicas pode provocar o dobramento de estruturas maleáveis, foi dessa maneira que se formaram Alpes, Andes, Himalaia. As estruturas rígidas, com o choque resultam em falhamentos. A figura destaca o enrugamento, dobra de terreno. CIÊNCIAS HUMANAS VI CIÊNCIAS HUMANAS Volume 01 75

Deriva Continental LITOSFERA

Deriva Continental LITOSFERA LITOSFERA Deriva Continental De acordo com determinadas teorias científicas, a crosta terrestre não é uma camada rochosa inteiriça, e sim, fragmentada. A primeira teoria a defender essa tese ficou conhecida

Leia mais

Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa estrutura como os terremotos e vulcões.

Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa estrutura como os terremotos e vulcões. Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Estrutura Interna da Terra (pag. 59 a 69 Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa

Leia mais

GEOGRAFIA Profª. Raquel Matos

GEOGRAFIA Profª. Raquel Matos GEOGRAFIA Profª. Raquel Matos 01. Os jogos da última Copa do Mundo, realizados na Coréia do Sul e no Japão, foram transmitidos no Brasil com uma diferença de 12 horas, devido ao fuso horário. "Trabalhando

Leia mais

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 C E E A A E C B C C

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 C E E A A E C B C C GABARITO 2ª CHAMADA DISCIPLINA: FÍS./GEO. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax:

Leia mais

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V.

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V. Aula 1 1. Atividades A palavra cartografia é relativamente nova, sendo utilizada pela primeira vez em 8 de dezembro de 1839. Seu uso aconteceu na carta escrita em Paris, enviada pelo português Visconde

Leia mais

Material de apoio para o exame final

Material de apoio para o exame final Professor Rui Piassini Geografia 1ºEM Material de apoio para o exame final Questão 01) Um transatlântico, navegando pelo Oceano Índico, cruza o Trópico de Capricórnio e segue do Sul para o Norte. Observando

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 7 às 9h Quarta 9 às 12h museu IC II Aula 2 Deriva continental e Tectônica de placas Turma: 2015/2 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Dinâmica da Terra Deriva

Leia mais

Observe o mapa múndi e responda.

Observe o mapa múndi e responda. EXERCÍCIOS DE REVISÃO COM RESPOSTAS PARA O EXAME FINAL GEOGRAFIA 5ª SÉRIE 1) Escreva V para verdadeiro e F para falso: ( V ) No globo terrestre, no planisfério e em outros mapas são traçadas linhas que

Leia mais

Modulo I Mudanças Climáticas

Modulo I Mudanças Climáticas Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Exercícios Extras Silvia Set/09 Modulo I Mudanças Climáticas 1. (UFRJ) A maior parte do aquecimento da atmosfera é proveniente da radiação terrestre: a atmosfera deixa

Leia mais

Lista de exercícios de Cartografia Coordenadas Geográficas, Fusos Horários

Lista de exercícios de Cartografia Coordenadas Geográficas, Fusos Horários Lista de exercícios de Cartografia Coordenadas Geográficas, Fusos Horários 1) (UFPE) Assinale, de acordo com o mapa, a alternativa correta. a) Londres é uma cidade localizada em baixa latitudes. b) Guayaquil

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

Estrutura e Composição da Terra. Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche]

Estrutura e Composição da Terra. Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche] Estrutura e Composição da Terra Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche] Contornos do Mundo O interior terrestre é formado por várias camadas e as investigações sobre

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1 COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1 Professor(a): Richard 1) Sobre as coordenadas geográficas, assinale a alternativa correta. a) A longitude é determinada pelo ângulo formado

Leia mais

GEOGRAFIA. Estão corretos apenas os itens. A) I e III. B) I e IV. C) II e IV. D) I, II e III. E) II, III e IV.

GEOGRAFIA. Estão corretos apenas os itens. A) I e III. B) I e IV. C) II e IV. D) I, II e III. E) II, III e IV. GEOGRAFIA 11) Ao ler o mapa do estado do Rio Grande do Sul, podese reconhecer diferentes paisagens que se configuram por apresentarem significativas relações entre os elementos que as compõem. Dentre os

Leia mais

Florianópolis. b) a data em que cada imagem foi produzida:, e

Florianópolis. b) a data em que cada imagem foi produzida:, e PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= A PAISAGEM E AS

Leia mais

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO Para se orientar o homem teve de desenvolver sua capacidade de observação. Observando a natureza o homem percebeu que o Sol aparece todas as manhãs aproximadamente, num mesmo lado

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Ciências

PROVA BIMESTRAL Ciências 7 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL Ciências Escola: Nome: Turma: n o : 1. Preencha as lacunas do esquema com as seguintes legendas: Planalto ocidental, Depressão periférica, Serra do Mar e Planície litorânea.

Leia mais

Definição. Cartografia é a ciência que têm como principal. objetivo a representação do espaço geográfico, de

Definição. Cartografia é a ciência que têm como principal. objetivo a representação do espaço geográfico, de Definição Cartografia é a ciência que têm como principal objetivo a representação do espaço geográfico, de seus elementos e de suas diversas atividades por meio da confecção de mapas, assim como sua utilização.

Leia mais

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915)

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) ESTRUTURA GEOLÓGICA Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) - Harry Hess (1960) Teoria da Tectônica de Placas Sismos A conseqüência do choque entre placas tectônicas são chamadas de abalos

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESCALA DO TEMPO GEOLÓGICO Organiza os principais eventos ocorridos na história do planeta ERA PRÉ -CAMBRIANA DESAFIO (UEPG) ex. 1 p. 181 - A história e a evolução da

Leia mais

AULA O4 COORDENADAS GEOGRÁFICAS E FUSOS HORÁRIOS

AULA O4 COORDENADAS GEOGRÁFICAS E FUSOS HORÁRIOS AULA O4 COORDENADAS GEOGRÁFICAS E FUSOS HORÁRIOS As coordenadas geográficas são de suma importância pra Geografia, pois a partir delas é possível localizar qualquer ponto na superfície terrestre. Devemos

Leia mais

Coordenadas Geográficas

Coordenadas Geográficas Orientação A rosa-dos-ventos possibilita encontrar a direção de qualquer ponto da linha do horizonte. Por convenção internacional, a língua inglesa é utilizada como padrão, portanto o Leste muitas vezes

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

GEOGRAFIA QUESTÕES DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA

GEOGRAFIA QUESTÕES DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA GEOGRAFIA Prof. Rodrigo Zidane QUESTÕES DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA SÉRIE SALA 1. (UFRN) Parte considerável da energia que atinge a Terra é proveniente do Sol. A distribuição da insolação na superfície é

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: 9º DATA: / / 2014 LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM 1. Analise a figura e o texto apresentados a seguir. Atualmente existem três categorias

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS 1ª PARCIAL V2 1ª SÉRIE

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS 1ª PARCIAL V2 1ª SÉRIE COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS 1ª PARCIAL V2 1ª SÉRIE Professor(a): Richard QUESTÃO 1 Considere a reprodução da obra intitulada La Escuela del Sur de autoria de Joaquin Torres García, artista

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

GEOGRAFIA 1. Cartografia 1 Aulas 1 e 2

GEOGRAFIA 1. Cartografia 1 Aulas 1 e 2 GEOGRAFIA 1 Cartografia 1 Aulas 1 e 2 O QUE É CARTOGRAFIA Cartografia é a área do conhecimento que se preocupa em produzir, analisar e interpretar as diversas formas de se representar a superfície, como

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

O grau interior da Terra é medido através do grau geotérmico com média de 1ºc a cada 30-35m.

O grau interior da Terra é medido através do grau geotérmico com média de 1ºc a cada 30-35m. A FORMAÇÃO DA TERRA E SUA ESTRUTURA O planeta Terra se formou a cerca de 4,5 bilhões de anos, formado por vários materiais incandescentes que foram se resfriando ao longo do tempo, o material mais pesado

Leia mais

1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir.

1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir. 1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir. ( ) Na projeção cilíndrica, a representação é feita como se um cilindro envolvesse a Terra

Leia mais

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 6º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da recuperação. Superficie da Terra. Litosfera, solo e relevo 1- Analise a imagem. www.trabanca.com-acesso:

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades LIVRO 1 GEOGRAFIA Resoluções das atividades Sumário Capítulo 1 Princípios metodológicos e escolas geográficas... 1 Capítulo 2 Orientação, movimentos da Terra e fusos horários... 2 Capítulo 3 Cartografia...

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Fundamentação Teórica Etimologicamente significa, buscar o oriente. Orientar-se sempre foi uma das preocupações básicas do ser humano e se justificava inicialmente pela busca de e de. No decorrer do tempo

Leia mais

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade.

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade. 1. Dinâmica interna da Terra 1.1. Deriva dos Continentes e Tectónica de Placas 1.1.1. Teoria da Deriva Continental Esta teoria foi apresentada por Wegener em 1912, e defendia que os continentes, agora

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios CIÊNCIAS HUMANAS VI Representação Espacial Capítulo 01 Projeções Cartográficas 03 D Todos os 24 Fusos Horários do globo têm sua hora definida em relação ao horário do Meridiano

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO CFSd- SOLDADO- BATERIA DE EXERCÍCIOS GEOGRAFIA PROF: ANDERSON

CURSO PREPARATÓRIO CFSd- SOLDADO- BATERIA DE EXERCÍCIOS GEOGRAFIA PROF: ANDERSON CURSO PREPARATÓRIO CFSd- SOLDADO- BATERIA DE EXERCÍCIOS GEOGRAFIA PROF: ANDERSON faleconosco@fatimasoares.com.br 1 (UNESP) Sobre um mapa, na escala de 1:500 000, tenciona-se demarcar uma reserva florestal

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 21 GEOLOGIA GERAL

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 21 GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 21 GEOLOGIA GERAL Como pode cair no enem O Japão é um país de geologia recente. Essa afirmativa confere ao país em questão uma série de características que estão apresentadas

Leia mais

Exercícios de Cartografia II

Exercícios de Cartografia II Exercícios de Cartografia II 1. (UFRN) Um estudante australiano, ao realizar pesquisas sobre o Brasil, considerou importante saber a localização exata de sua capital, a cidade de Brasília. Para isso, consultou

Leia mais

Qual a força que move os continentes? SabinaValente

Qual a força que move os continentes? SabinaValente Qual a força que move os continentes? SabinaValente Teoria da Tectónica de Placas (1968): A litosfera (ou a parte rígida da Terra) é constituída por segmentos, chamados PLACAS, que se movem sobre um substrato

Leia mais

Geografia Prof. Rose Rodrigues. Força Total módulo zero

Geografia Prof. Rose Rodrigues. Força Total módulo zero 1-(UNESP) Observe o mapa do Brasil. Geografia Prof. Rose Rodrigues Força Total módulo zero Faça o que se pede. a) Sabendo-se que o segmento AB possui 2 cm no mapa e equivale a 1112 km, qual a escala do

Leia mais

A Eurafrásia A, Afro-Eurásia ou África-Eurásia é formada por: Europa, África e Ásia e estende-se por mais de 84 milhões de km² (quase 60% da superfície sólida da Terra) com uma população de cerca de 5.5

Leia mais

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada 1º ano Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada A origem da Terra; A origem dos continentes; A teoria da deriva dos continentes; A teoria das placas tectônicas; Tempo geológico; A estrutura

Leia mais

A TERRA É UM SISTEMA ABERTO QUE TROCA ENERGIA E MASSA COM O SEU ENTORNO

A TERRA É UM SISTEMA ABERTO QUE TROCA ENERGIA E MASSA COM O SEU ENTORNO PLANETA TERRA A Terra é um sistema vivo que abriga milhões de organismos, incluindo os humanos, e apresenta delicado equilíbrio para manter a vida. A Geologia é a ciência que estuda a Terra: sua origem,

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Observe o mapa abaixo e responda

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Observe o mapa abaixo e responda Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia Observe o mapa abaixo e responda Questão 01) O Brasil é o maior país em

Leia mais

Parte 1 Formação geológica

Parte 1 Formação geológica AULA 1 CONTINENTES Parte 1 Formação geológica O Planeta Terra é formado por seis continentes: África, América, Antártica, Ásia, Europa e Oceania. A Terra apresenta 149.440.850 quilômetros quadrados de

Leia mais

PROVA COMENTADA GEOGRAFIA/ ÍRIS TIPO B

PROVA COMENTADA GEOGRAFIA/ ÍRIS TIPO B PROVA COMENTADA GEOGRAFIA/ ÍRIS TIPO B Questão 1 A partir de seus conhecimentos sobre projeções cartográficas e analisando a que foi utilizada no mapa a seguir, você pode inferir que se trata da projeção:

Leia mais

Recuperação Final Geografia 6º ano

Recuperação Final Geografia 6º ano COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO Recuperação Final Geografia 6º ano Aluno: Série: 6º ano Turma: Data: 07 de dezembro de 2015. 1. Esta prova é um documento oficial do CMDPII. LEIA COM

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA AS QUESTÕES 36 E 37 DEVEM SER RESPONDIDAS COM BASE NA ANÁLISE DO MAPA E DO PERFIL ABAIXO.

PROVA DE GEOGRAFIA AS QUESTÕES 36 E 37 DEVEM SER RESPONDIDAS COM BASE NA ANÁLISE DO MAPA E DO PERFIL ABAIXO. 19 PROVA DE GEOGRAFIA AS QUESTÕES 36 E 37 DEVEM SER RESPONDIDAS COM BASE NA ANÁLISE DO MAPA E DO PERFIL ABAIXO. 20 QUESTÃO 36 O mapa representa o Pão de Açúcar e o Morro da Urca, no Rio de Janeiro, utilizando,

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS Quando vimos na TV o acontecimento do Tsunami, em 2004, pensamos: O mundo está acabando! Mas por que esses desastres naturais estão, cada vez mais, assolando nosso planeta?

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: ANDERSON JOSÉ SOARES Série: 1º

Aluno(a): Nº. Professor: ANDERSON JOSÉ SOARES Série: 1º Lista de Exercícios1-1 Aluno(a): Nº. Professor: ANDERSON JOSÉ SOARES Série: 1º Disciplina: GEOGRAFIA Data da prova: 01 - A linha imaginária, que corresponde ao marco inicial (0 ) dos fusos horários é:

Leia mais

Geografia Fascículo 12 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis

Geografia Fascículo 12 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Geografia Fascículo 12 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Índice Noções de Cartografia e Astronomia Resumo Teórico...1 Exercícios...6 Gabarito...9 Noções de Cartografia e Astronomia Resumo Teórico

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Série: 2ª Professor : Carlos Alexandre Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

GEOGRAFIA. O texto refere-se ao(à) (A) Índia. (B) Japão. (C) Coréia do Sul. (D) Cingapura. (E) China.

GEOGRAFIA. O texto refere-se ao(à) (A) Índia. (B) Japão. (C) Coréia do Sul. (D) Cingapura. (E) China. GEOGRAFIA 16ª QUESTÃO Com a criação de zonas econômicas especiais, nos últimos anos, este país asiático em transição econômica, do socialismo para o capitalismo, tem adotado uma política de abertura da

Leia mais

2. (UFRN) Analise a figura abaixo e assinale a opção que corresponde, respectivamente, às coordenadas geográficas dos pontos X e Z.

2. (UFRN) Analise a figura abaixo e assinale a opção que corresponde, respectivamente, às coordenadas geográficas dos pontos X e Z. Lista de exercícios de Coordenadas Geográficas Professor: Jair Henrique 1.Examine atentamente as sentenças a seguir e assinale o grupo das que lhe parecerem corretas. 1 - Paralelamente ao Equador ficam

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º. Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios-02-Bimestre I Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: Geografia Data da prova: 01 - (UNESP SP/2006/Conh Gerais - Verão)

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 CIÊNCIAS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação Ciências NOME: TURMA: escola: PROfessOR:

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo É a forma da superfície terrestre, que apresenta variação de nível de um local para outro. Tem uma influência pesada em outros fenômenos, como a urbanização e as atividade

Leia mais

GEOGRAFIA DO BRASIL Cartografia

GEOGRAFIA DO BRASIL Cartografia GEOGRAFIA DO BRASIL Cartografia 1 Cartografia Referências Geográficas Grande São Paulo 2 Cartografia Referências Geográficas Porque é importante conhecer? 3 Cartografia Referências Geográficas Porque é

Leia mais

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA Objetivos TOPOGRAFIA Gerais Visão geral de Sistemas de Referência Específicos Sistemas de Coordenadas; Sistema de Referência; Datum Geodésico; Sistemas de Referência De acordo

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Fusos Horários do Brasil

Fusos Horários do Brasil CARTOGRAFIA Fusos Horários do Brasil Por causa de seu movimento de rotação, a Terra apresenta dias e noites. Como consequência, vários pontos da superfície do planeta apresentam diferença de horários.

Leia mais

Encontrando o seu lugar na Terra

Encontrando o seu lugar na Terra Encontrando o seu lugar na Terra A UU L AL A Nesta aula vamos aprender que a Terra tem a forma de uma esfera, e que é possível indicar e localizar qualquer lugar em sua superfície utilizando suas coordenadas

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - Geografia - 1º e 2º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - Geografia - 1º e 2º Bimestre 1- Os inventos e descobertas são inseparáveis da ciência, já que para o desenvolvimento da indústria a burguesia necessitava de uma ciência que investigasse as forças da natureza para, dominando-as usá-las

Leia mais

Cartografia Representação Espacial

Cartografia Representação Espacial Aula n ọ 04 Cartografia Representação Espacial 01. Justificando que um mapa é um meio de informação: I. Em uma luta armada, a interpretação de um mapa pode indicar o caminho a seguir ou o melhor lugar

Leia mais

Estrutura interna da Terra

Estrutura interna da Terra Estrutura interna da Terra Crosta - camada superficial sólida que circunda a Terra; Manto - logo abaixo da crosta. Núcleo - parte central do planeta. Profº. Claudio Lima Crosta (Litosfera) - composição

Leia mais

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim Evolução da Terra Geografia Prof. Cristiano Amorim Estrutura interna da Terra A estrutura interna da Terra é composta de: Litosfera (50 a 60 km de espessura). Manto (4.600 km de espessura). Núcleo (1.700

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

LATITUDE, LONGITUDE E GPS

LATITUDE, LONGITUDE E GPS LATITUDE, LONGITUDE E GPS Anselmo Lazaro Branco* ENTENDA O QUE É LATITUDE, LONGITUDE, E COMO FUNCIONA UM APARELHO DE GPS. GPS O GPS é um aparelho digital de localização, que determinada a posição exata

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL O Brasil apresenta, em seu território, um dos mais completos registros da evolução geológica do planeta Terra, com expressivos testemunhos geológicos das primeiras

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011 PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7º Ano Ano Lectivo: 2010/2011 Competências Temas/Unidades Conteúdos _ Conhecer a constituição do Universo e do Sistema Solar _ Conhecer as características

Leia mais

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis A origem do Universo A teoria do Big Bang foi anunciada em 1948 pelo cientista russo naturalizado estadunidense,

Leia mais

A DINÂMICA DA CROSTA TERRESTRE

A DINÂMICA DA CROSTA TERRESTRE A DINÂMICA DA CROSTA TERRESTRE Ao longo dos tempos as pessoas formularam diferentes teorias para explicar a origem do Universo, da Terra, da vida, dos seres humanos. A forma do Universo e sua dinâmica

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO PROFESSOR JULIO BESSA DISCIPLINA GEOGRAFIA SIMULADO: P4 Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br ALUNO TURMA 601 Questão 1

Leia mais

Rotação. Movimentos da Terra. Translação. Estações do Ano. Movimento aparente do Sol. Trópicos: limites da trajetória do Sol

Rotação. Movimentos da Terra. Translação. Estações do Ano. Movimento aparente do Sol. Trópicos: limites da trajetória do Sol Movimentos da Terra Rotação 14 movimentos; Rotação; Translação. Sucessão de dias e noites; Desvio das correntes marítimas; Atração gravitacional; Necessidade de fusos horários. Translação Estações do Ano

Leia mais

A alternativa que contêm a afirmação que pode ser comprovada pelo texto é:

A alternativa que contêm a afirmação que pode ser comprovada pelo texto é: Disciplina: Geografia Atividade: Exercícios de revisão 1ª Série do Ensino Médio Professor: Roberto B. Reusing Data: / / 2011 Aluno (a): Nº: Turma: 1) Observe. Sobre as dobras pode-se afirmar que: A) São

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Assinale a alternativa que apresenta o horário da chegada do avião a São João del-rei.

Assinale a alternativa que apresenta o horário da chegada do avião a São João del-rei. Roteiro para as férias Conteúdo do semestre Caderno 1: Conceitos de Escala Cartográfica, Projeções Cartográficas, Fusos Horários e Latitude e Longitude. Preferencialmente, estudar pelo caderno a teoria

Leia mais

Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2012. Adaptado.

Disponível em: <http://apaginaff1.blogspot.com.br/2010/03/dias-mais-curtos-climas- -mais-acentuados.html>. Acesso em: 08 ago. 2012. Adaptado. Revisão de Cartografia Professor: Jair 01 - (PUC RJ/2013) Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2012. Adaptado. Levando-se

Leia mais

2) Em relação aos movimentos da Terra, responda as questões a seguir. (Basear-se nas páginas 51, 52 e 53)

2) Em relação aos movimentos da Terra, responda as questões a seguir. (Basear-se nas páginas 51, 52 e 53) Educador: Gibrailto Soares Disciplina:Geografia Data: / /2011 Estudante: GABARITO 5ª série 1) responda: (Basear-se na página 49) a) Descreva quais são os elementos existentes e indispensáveis na Terra,

Leia mais

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Terra: Estudos e Representações Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Domínio Subdomínios /Objetivos Gerais Descritores Nº de Aulas Previstas 1- A Geografia e o Território 1.1-Compreender

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

GEOGRAFIA VESTIBULAR ENEN - 2011 GEOGRAFIA FÍSICA

GEOGRAFIA VESTIBULAR ENEN - 2011 GEOGRAFIA FÍSICA GEOGRAFIA VESTIBULAR ENEN - 2011 GEOGRAFIA FÍSICA Era Arqueozóica Período: 3,8 bilhões a 2,5 bilhões de anos atrás. - No começo o planeta Terra era até 3 vezes mais quente do que hoje. -(organismos unicelulares).

Leia mais

caderno Geografia Ciências Humanas e suas Tecnologias ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS

caderno Geografia Ciências Humanas e suas Tecnologias ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS Geografia Ciências Humanas e suas Tecnologias caderno de ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS ADEMIR AQUINO Graduado em geografia e história pela Universidade do Sagrado Coração de Bauru-SP BAGDASSAR BALTAZAR MINASSIAN

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões desta prova: 12 2) Valor das questões:

Leia mais

CARTOGRAFIA PROF LIONEL BRIZOLA

CARTOGRAFIA PROF LIONEL BRIZOLA CARTOGRAFIA PROF LIONEL BRIZOLA Um mapa só seria a reprodução original de uma área se ele fosse do tamanho dela, o que tornaria o mapa simplesmente inútil. Assim sendo, eles serão sempre a imagem de parte

Leia mais

www.google.com.br/search?q=gabarito

www.google.com.br/search?q=gabarito COLEGIO MÓDULO ALUNO (A) série 6 ano PROFESSOR GABARITO DA REVISÃO DE GEOGRAFIA www.google.com.br/search?q=gabarito QUESTÃO 01. a) Espaço Geográfico RESPOSTA: representa aquele espaço construído ou produzido

Leia mais